Você está na página 1de 1

Estado,

Direito e Justia
Filosofia 10 ano

Texto n2

DA ORIGEM DAS SOCIEDADES POLTICAS - CONSENTIMENTO TCITO


Sendo todos os homens, como j disse, naturalmente livres, iguais e independentes,
ningum pode ser afastado deste estado (estado de natureza) e sujeito ao poder poltico de
outro sem o seu prprio consentimento, o que se faz concordando com outros homens em
juntarem-se e unirem-se numa comunidade para viverem confortavelmente, em segurana e
paz, usufruindo com segurana das suas propriedades, e de uma maior segurana contra
quem no pertence comunidade.
(...) todo o homem que detenha qualquer propriedade ou usufruto, ou qualquer parte dos
domnios de qualquer governo, d, desse modo, o seu consentimento tcito e encontra-se
obrigado ao cumprimento das leis desse governo, durante tal usufruto ou qualquer que
dele dependa; quer essa propriedade seja de sua terra ou dos seus herdeiros para sempre
(...); Para melhor entendermos isto, devemos lembrar-nos que todo o homem, quando se
incorpora numa comunidade poltica, lhe anexa e sujeita igualmente as posses que tem, ou
que poder vir a ter, e que no pertencem j a outro governo.

DA FINALIDADE DOS HOMENS SE UNIREM EM SOCIEDADES POLTICAS


Se o homem no estado natural to livre como se tem dito; se ele senhor absoluto da

sua prpria pessoa e bens () e sujeito a ningum, para que fim ceder ele a sua liberdade?
[O homem] quer unir-se em sociedade com outros que j esto unidos, ou que
tencionam unir-se, a fim de conservarem mutuamente as suas vidas, liberdades e bens, a que
dou o nome genrico de propriedade. Portanto, o grande e principal fim dos homens se
unirem em comunidades polticas [...] a conservao da sua propriedade;
LOCKE, J. (1999) Ensaio Sobre a Verdadeira Origem, Extenso e Fim Do Governo Civil.
Lisboa: Edies 70, pp.70-89, 102-106
(Adaptado por Joana Ins Pontes [enfse adicionada])

Interpretao p

1. Explique em que consiste o consentimento tcito para Locke.
2. Exponha as razes pela quais, segundo Locke, os homens sujeitam-se ao domnio de um
poder.

Professora Joana Ins Pontes