Você está na página 1de 10
PARECER ÚNICO DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL NCA/DIAP Nº047/2011 1 – CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Empreendedor

PARECER ÚNICO DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL NCA/DIAP Nº047/2011

1 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

Empreendedor

 

Quartel I Energética S.A.

Empreendimento

 

PCH Quartel I

N o do Processo COPAM

 

16610/2007/001/2008

Classes

 

5

Atividade

 

Barragem de Geração de Energia Hidrelétrica

CNPJ

09.015.347/0001-82

Endereço

 

Av. Carlos Gomes, 75 Higienópolis, Porto Alegre/RS

Municípios

 

Gouveia, Santana do Pirapama e Conceição do Mato Dentro

Referência

 

LP

Validade da Licença

 

04

Valor

de

Referência

do

R$ 104.791.685,00 (Cento e quatro milhões setecentos e noventa e um mil seiscentos e oitenta e cinco reais), conforme informações repassadas pelo empreendedor.

Empreendimento

Valor do GI Apurado

 

0,60% sendo pelo Decreto 45.175/2009 considerado 0,5%

Valor

da

Compensação

R$ 523.958,43 (Quinhentos e vinte e três mil novecentos e cinqüenta e oito reais e quarenta e três centavos)

Ambiental

2 ANÁLISE TÉCNICA

A PCH Quartel I, empreendimento da Hidrotérmica S.A. com sede em Porto Alegre/RS, será

implantada no rio Paraúna, afluente do rio das Velhas pela margem direita Bacia do rio São

Francisco, nos municípios de Gouveia, Conceição do Mato Dentro e Santana do Pirapama,

conforme figura 1, nas coordenadas 7935730 N e 618070 L.

O acesso ao empreendimento se dá pela rodovia 259, que liga Curvelo à Diamantina,

passando pela ponte sobre o rio Paraúna da mesma rodovia. A entrada para o futuro

empreendimento é através da Fazenda da Prata por estrada de terra de aproximadamente

12,3 km até uma ponte de madeira.

O empreendimento terá as seguintes estruturas:

 Barragem, de concreto compactado a rolo, altura de 25,50 m e comprimento de 73,20

Barragem, de concreto compactado a rolo, altura de 25,50 m e comprimento de 73,20 metros ;

Reservatório, com área total de 33 ha e vida útil de 32,2 anos;

Túnel da adução terá 5,80 m de largura e 4.012,20 metros de comprimento;

Casa de força, com três turbinas tipo Francis horizontal e potência instalada de 30 MW; e

Trecho de vazão reduzida com 4.200 m de comprimento e 1,45 m³/s de vazão.

A PCH Quartel I irá operar em regime de fio d‟água e deverá ser interligada ao sistema elétrico da CEMIG em Diamantina, através de uma linha de transmissão de aproximadamente 30 Km.

Segundo o RIMA a PCH Quartel I está localizada na Cadeia do Espinhaço em sua porção Meridional, área considerada de importância biológica especial conforme figuras 2 e 3, com auto índice de endemismo. Sua área de inserção encontra-se em bom estado de preservação como as demais áreas do Complexo do Espinhaço.

A vegetação da área de estudo para o empreendimento encontra-se em excelente estado de conservação e poucas ações antrópicas. Esta foi caracterizada em três tipos de formação como Matas Ciliares, Cerrado e Campo Rupestre.

Nos estudos da flora registrou 36 espécies de pteridófitas, distribuídas em 15 famílias e 19 gêneros. As famílias mais ricas foram Lycopodiaceae e Pteridaceae com 5 espécies cada, os gêneros mais representativos foram Anemia e Lycopodiella com 4 espécies cada. Ressalta a existência de Pellaea riedelii presente na Revisão da Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas de Extinção do Estado de Minas Gerais, na categoria “Em Perigo” (EN) com distribuição restrita a três municípios da Cadeia do Espinhaço. Também, foram identificadas 219 espécies de angiospermas em 59 famílias, dessas as mais significativas foram Fabaceae, Asteraceae, Eriocaulaceae, Poaceae, Vellozeaceae e Xyridaceae.

Para o levantamento da flora obteve-se um total de 255 espécies, sendo que grande parte delas é típica dos ambientes campestres, como as espécies de canelas de ema (Vellozia spp.) e sempre vivas (Xyris spp. e Paepalanthus spp.). Desse total temos:

Aspidosperma polyneuron Deficiente de Dados (DD)

Syagrus glaucescens Deficiente de Dados (DD)

 Cipocereus minensis – Quase Ameaçada (NT)  Rhynchospora globosa – Quase-Ameaçada (NT)  Rhynchospora

Cipocereus minensis Quase Ameaçada (NT)

Rhynchospora globosa Quase-Ameaçada (NT)

Rhynchospora speciosa Quase-Ameaçada (NT)

Lychnophora passerina Vulnerável (VU)

Piptolepis ericoides Vulnerável (VU)

Proteopsis argêntea Vulnerável (VU)

Scybalium fungiforme Vulnerável (VU)

Pterodon emarginatus Vulnerável (VU)

Ocotea langsdorffii Vunerável (VU)

Aulonemia effusa Vulnerável (VU)

Vellozia glabra Vulnerável (VU)

Pellaea riedelii Em Perigo (EN)

Eragrostis sclerophylla Em Perigo (EN)

estão na Revisão das Listas das Espécies da Flora e da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado de Minas Gerais Relatório Final Volume 2 (Lista Vermelha da Flora de Minas Gerais), 2007

O levantamento faunístico registrou 22 espécies de anuros, 6 de répteis, 61 espécies de aves com destaque para as de distribuição restrita em áreas campestres como o azulinho (Porpirospiza caerulescens), tié-do-cerrado (Neothraupis fasciata), canário-rabudo (Emberizoides herbicola), noivinha-branca (Xolmis velata), a primavera (Xolmis cinerea) e o pica-pau-do-campo (Colaptes campestris). A mastofauna conta com 9 espécies e a ictiofauna com 15 espécies. De todas as espécies levantadas as que encontram na Revisão das Listas das Espécies da Flora e da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado de Minas Gerais Relatório Final Volume 3 (Lista Vermelha da Fauna de Minas Gerais), 2007, são:

Herpetofauna

Proceratophrys cururu Deficiente de Dados (DD)

Acanthochelys radiolata Deficiente de Dados (DD)

Mastofauna  Lontra longicaudis – Vulnerável (VU)  Puma concolor – Vulnerável (VU) Os impactos

Mastofauna

Lontra longicaudis Vulnerável (VU)

Puma concolor Vulnerável (VU)

Os impactos significativos registrados nos estudos ambientais e no Parecer Único nº 430170/2008 SUPRAM Jeq., são:

Meio Biótico

Perda de elementos florísticos devido à supressão da vegetação;

Afugentamento e Dispersão da fauna e perda de habitat;

Perda de espécies faunísticas devido aos atropelamentos e caça predatória;

Instalação e desenvolvimento de focos de invertebrados vetores de doenças;

Eutrofização dos reservatórios;

Meio Físico

Perda da beleza cênica;

Geração de ruídos devido a movimentação de máquinas, veículos e explosões;

Alteração da qualidade do ar devido a movimentação de veículos pesados, desmonte de rochas e geração de poeiras com a escavação do solo e movimentação de veículos;

Aumento da turbidez e assoreamento do leito do curso d‟água;

Diminuição dos teores de oxigênio dissolvido na água da área do reservatório;

Surgimento de focos erosivos, desestabilização de taludes e assoreamento na área do reservatório e adjacências.

Figura 1: Localização da PCH Quartel I.
Figura 1: Localização da PCH Quartel I.

Figura 1: Localização da PCH Quartel I.

Figura 2: Inserção do empreendimento em área prioritária especial.
Figura 2: Inserção do empreendimento em área prioritária especial.

Figura 2: Inserção do empreendimento em área prioritária especial.

Figura 3: Inserção do empreendimento em área prioritária muito alta.
Figura 3: Inserção do empreendimento em área prioritária muito alta.

Figura 3: Inserção do empreendimento em área prioritária muito alta.

3 – HISTÓRICO PROCESSUAL

3 HISTÓRICO PROCESSUAL

Em 22/10/2009 o empreendimento recebe da SUPRAM Jeq. o certificado de LP com validade de 04 anos.

Em 11/02/2010 o NCA/IEF recebe ofício da Quartel I Energética S. A. solicitando abertura do processo de Compensação Ambiental para atendimento da condicionante nº 6 da LP.

Em 09/12/2010 o empreendedor recebe da SUPRAM Jeq. o certificado de LI com validade de 04 anos.

Em 21/01/2011 o empreendedor encaminha ao NCA/IEF a declaração do de acordo.

4 CONSIDERAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA APLICAÇÃO DO RECURSO

Face ao exposto no Parecer Único nº 430170/2008 SUPRAM Jeq quanto à viabilidade ambiental do empreendimento desde que atendida as medidas de controle e o cumprimento da compensação ambiental conforme estabelecido na condicionante, propõe-se que os recursos financeiros desta compensação sejam aplicados em conformidade com o Plano Operativo Anual POA/2011, aprovado pela CPB com base nos dados apresentados na Tabela1, anexa, da seguinte forma:

Considerações:

Valor do GI apurado: 0,60% sendo pelo Decreto nº 45.175/2009 considerado

0,50%.

Valor de referência dos empreendimentos: R$ 104.791.685,00

Valor da Compensação Ambiental: R$ 523.958,43

Recomendações:

85% - para regularização fundiária R$ 445.364,67

15% - para aquisição de bens e serviços R$ 78.593,76

Serviços relativos à elaboração de Planos de Manejo, desenvolvimento de estudos e pesquisas e aquisição de outros bens e serviços, inclusive para a Força Tarefa Previncêndio.

Os recursos deverão ser repassados ao IEF em 4 parcelas iguais e consecutivas, conforme acordado com o empreendedor, sendo que o planejamento desta ação, em caráter executivo deverá constar do Termo de Compromisso a ser assinado entre o empreendedor e o IEF.

5 – ANÁLISE JURÍDICA

5 ANÁLISE JURÍDICA

O presente Parecer visa a subsidiar a CPB/COPAM na deliberação da compensação

ambiental de que trata a Lei federal 9985/00 (SNUC), para o empreendimento PCH Quartel I,da Quartel I Energética S.A., Processo Copam nº 16610/2007/001/2008.

A atividade teve a respectiva condicionante de compensação ambiental fixada pela URC Jeq, competindo à CPB definir o valor e a destinação das mesmas.

A análise técnica aponta a inexistência de unidade de conservação ou zona de

amortecimento/área de entorno (Resolução Conama nº428/10) atingida pelo empreendimento. Dessa forma, sugere a aplicação dos recursos em consonância com o POA 2011, sendo 85% para a regularização fundiária das unidades de conservação estaduais eleitas e 15% para aquisição de bens e serviços para as mesmas.

O cálculo do grau de impacto observou à metodologia contida no Decreto estadual que

regula a matéria e a forma de aplicação do recurso, ao Decreto federal 4340/02, bem como

ao POA 2011, aprovado pela CPB.

Assim, não há óbice legal para a aprovação do presente Parecer pela CPB.

Deverá ser firmado Termo de Compromisso no prazo de 60 dias da publicação da deliberação da CPB, onde estarão especificadas as obrigações e os prazos de cumprimento aqui estabelecidos.

6 CONCLUSÃO

O cumprimento da compensação ambiental não exclui a obrigação do empreendedor de

atender às condicionantes definidas nos processos de licenciamento e demais exigências legais e normativas que referem-se a viabilidade ambiental do empreendimento.

O empreendedor se mostrou favorável ao exposto nesse Parecer.

Nesses termos, somos pela aprovação do cumprimento da condicionante de compensação ambiental, como exposto.

Este é o parecer. Smj.

Igor Alexis de Souza Noronha CRBio 49.179/4-D Consultor Técnico do Núcleo Compensação Ambiental - IEF/MG

Raquel Caram Nascif OAB-MG 95.363 Consultor Jurídico do Núcleo Compensação Ambiental - IEF/MG

Tabela 1 - Cálculo do grau do impacto (GI)   Processo COPAM: Empreendimento – PCH

Tabela 1 - Cálculo do grau do impacto (GI)

 

Processo COPAM:

Empreendimento PCH Quartel I

16610/07/01/08

Índices de Relevância

Valoração

Valoração

Ocorrência de espécies ameaçadas de extinção, raras, endêmicas, novas e vulneráveis e/ou interferência em áreas de e reprodução, de pousio ou distúrbios de rotas migratórias

0,0750

0,0750

Introdução ou facilitação de espécies alóctones (invasoras)

0,0100

-

Interferência /supressão de vegetação, acarretando fragmentação

ecossistemas especialmente protegidos (Lei 14.309)

0,0500

0,0500

outros biomas

0,0450

0,0450

Interferência em cavernas, abrigos ou fenômenos cársticos e sítios paleontológicos

0,0250

-

Interferência em UCs de proteção integral, seu entorno (10km) ou zona de amortecimento

0,1000

-

Interferência em áreas prioritárias para a conservação, conforme „Biodiversidade em Minas Gerais Um Atlas para sua Conservação

Importância Biológica Especial

0,0500

0,0500

Importância Biológica Extrema

0.0450

-

Importância Biológica Muito Alta

0.0400

0,0400

Importância Biológica Alta

0.0350

-

Alteração da qualidade físico-química da água, do solo ou do ar

0,0250

0,0250

Rebaixamento ou soerguimento de aqüíferos ou águas superficiais

0,0250

0,0250

Transformação ambiente lótico em lêntico

0,0450

0,0450

Interferência em paisagens notáveis

0,0300

0,0300

Emissão de gases que contribuem efeito estufa

0,0250

0,0250

Aumento da erodibilidade do solo

0,0300

0,0300

Emissão de sons e ruídos residuais

0,0100

0,0100

Somatório Relevância

0,4500

Indicadores Ambientais

   

Índice de temporalidade (vida útil do empreendimento)

 

Duração Imediata 0 a 5 anos Duração Curta - > 5 a 10 anos Duração Média - >10 a 20 anos Duração Longa - >20 anos

 

0,0500

-

0,0650

-

0,0850

-

0,1000

0,1000

Total índice de temporalidade

 

0,1000

Índice de Abrangência

   

Área de Interferência Direta do empreendimento Área de Interferência Indireta do empreendimento

0,0300

-

0,0500

0,0500

Total índice de Abrangência

   

0,0500

Somatório FR+(FT+FA)

0,60

Valor do grau do Impacto a ser utilizado no cálculo da compensação

 

0,50

Valor de referencia do empreendimento

 

R$ 104.791.685,00

Valor da compensação ambiental

R$ 523.958,43