Você está na página 1de 24

RELATÓRIO TÉCNICO

PROJETO SER CRIANÇA I - CURVELO / MG


FEVEREIRO / MARÇO
2005

1. INTRODUÇÃO

O Projeto Ser Criança, em Curvelo, é idealizado e executado pelo Centro Popular de Cultura e
Desenvolvimento, instituição responsável pela formação dos educadores, metodologia do Projeto,
planejamento, acompanhamento e avaliação das atividades realizadas. A prefeitura apóia a iniciativa,
cedendo 10 educadores que trabalham diretamente com as crianças.

O Projeto é um espaço destinado a crianças e adolescentes de 7 a 14 anos, do município de Curvelo,


cujo principal objetivo é garantir a proteção integral e gerar oportunidades de desenvolvimento e
aprendizagem para seus participantes, a partir da educação pelo brinquedo.

Este ano iniciamos as atividades com a formação dos educadores que, durante uma semana,
discutiram e repensaram as ações para o ano de 2005.

Nosso ponto de partida foram os Indicadores de Qualidade do Projeto (IQP). Levantamos os pontos
que foram mais fracos em 2004 e como poderíamos trabalhá-los melhor. Tais pontos foram: a
freqüência, envolvimento com as famílias, dia-a-dia pouco dinâmico e com poucos atrativos para as
crianças e adolescentes.

A partir desse diagnóstico, a equipe combinou várias ações para o mês de fevereiro como:
organização e decoração do Projeto, com o objetivo de tornar o espaço mais bonito e aconchegante;
resgate de atividades como a cozinha experimental, papel artesanal, realização de rodas de avaliação
com as crianças, diariamente, confecção e utilização de jogos de forma mais sistemática para
trabalhar alfabetização e as quatro operações. Parte da equipe articulou com a comunidade: visitas às
escolas onde as crianças do Projeto estudam, realização de oficinas de brinquedos reciclados nos

Projeto Ser Criança I - Curvelo/MG 1


bairros e escolas, reuniões em associações de bairros e divulgação de inscrições nas rádios locais. O
resultado dessa ação foi imediato, aumentou o número de participantes, quase atingindo nossa meta
que é atender 160 crianças. Hoje temos 145 participantes.

2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

• Roda

A roda é o instrumento que garante, dentro do Projeto, o diálogo como mediador de relações “iguais
entre pessoas diferentes”. O respeito entre as diferentes formas de pensar valoriza os saberes e fazeres
de cada um. Cada pessoa tem um ritmo de aprendizagem e compreensão do mundo. A roda contribui
para uma harmonia entre os participantes, pois enquanto nos permitimos conversar e conhecer o
outro, com certeza podemos fazer melhor o que o Projeto se propõe.

Muitas crianças, e até mesmo alguns educadores, têm dificuldades de fazer a roda. Para muitos é
difícil ouvir o outro, afinal aprendemos a todo momento “lá fora”, a resolver tudo com violência,
imposições e repressão. Fazer a roda tem sido um exercício de paciência e muita aprendizagem sobre
o outro e seus direitos de ser humano.

As pequenas rodas de conversas, dinâmicas e brincadeiras são usadas para solucionar os problemas
rotineiros do Projeto e alguns externos com a famíla e escola, na maioria das vezes.

A apresentação da TV Ser Criança, por exemplo, é um resultado dos combinados na roda e tem
contribuído para a geração do hábito de ouvir, refletir e discutir sobre tudo que acontece no futebol,
capoeira, brincadeiras, etc.

• Organização e decoração do Projeto

Trabalhar a auto-estima e sentir-se bem com o que somos e temos sem gerar comodismo, é um dos
objetivos que trabalhamos, quando nos propomos pensar o espaço do Ser Criança como um lugar
bonito, limpo e provocador de mudanças e descobertas para seus participantes -crianças, adolescentes
e educadores. Iniciamos a organização e decoração ainda sem as crianças. Quando estas chegaram,
tentamos envolvê-las. Não foi muito fácil, pois demoraram a entender que esta atividade era também
responsabilidade delas e de todos os educadores, mesmo de quem chegou depois. Vimos que não
podíamos continuar com grupos definidos fazendo a decoração, pois além de não se envolverem, não
conservavam o que o estava pronto. Voltamos para a roda para rediscutir, dividir novamente os

Projeto Ser Criança I - Curvelo/MG 2


espaços para cada grupo cuidar e ver o que ele podia fazer para atingir o objetivo. Cuidar do
Projeto,decorá-lo, conversar o que temos desde a limpeza aos equipamentos ainda precisa ser melhor
trabalhado. Muitas vezes é mais fácil escolher as crianças que gostam de fazer esta atividade e definir
o que vão fazer junto com um educador, mas isso já aprendemos, não é educativo. As coisas ficam
prontas mais rápido, mas não provocam mudanças de comportamento nem apropriação e
compromisso de todos os participantes. É como aquele ditado da fila: “A fila organiza, mas não
educa”.

Precisamos descobrir mais formas de promover realmente a apropriação desse trabalho pelas crianças
e educadores.

• Brinquedoteca

Educar através da brincadeira é o principal objetivo da brinquedoteca, que também estimula a


criatividade.

Durante estes meses, os grupos tiveram a oportunidade de confeccionar diversos brinquedos como o
biboquê de bolinha de gude, biboquê de tampinha, bambolês, cavalinho de garrafa descartável e
carrinhos de madeira.

Os carrinhos feitos com restos de madeira da carpintaria atraíram muito as crianças. Foi um
instrumento que proporcionou momentos de conversas e produção de conhecimento àquelas que mal
conseguiam participar da roda.

Infelizmente há pouca resistência. As crianças se preocuparam em consertar, torná-los mais resistentes,


conversando na roda para combinar formas de utilização e onde brincar. Ainda não temos carrinhos
duráveis, mas todos aprendemos um pouco mais sobre a importância de se desenvolver, com as
crianças, atividades mais dinâmicas, planejadas e que despertem o interesse delas e não apenas do
educador.

“A brinquedoteca é encantada”. Assim dizem algumas crianças que participam da confecção dos
brinquedos.

A oficina de carrinhos de madeira estimulou o interesse pela brinquedoteca, a criatividade contribuiu


para dar mais alegria ao Projeto. Obtivemos mais de dez modelos só na primeira semana.

Projeto Ser Criança I - Curvelo/MG 3


Com a utilização de sucatas, obtivemos espaço para discutir conceitos ambientais além de gerar
instrumentos para a aprendizagem.

A felicidade é um dos indicadores positivos desse espaço de construção.

• Bornal de Jogos

Assim como todas as atividades do Projeto, o jogo é um instrumento pedagógico importante no nosso
dia-a-dia. Espontaneamente, as crianças utilizam os jogos de dama, ludo, amarelinha, futebol de
pregos. Estes são jogos que contribuem para a socialização, harmonia e cooperação entre as crianças.
Jogos como o “Damática, Girou-brincou aprendeu-ensinou, Contando a estória, Mercado Educativo,
também fizeram parte do dia-a-dia das crianças, porém trabalhamos com eles matemática, letras,
produção de estórias e coordenação motora. A maior novidade para as crianças foi a Tábua de
Pitágoras, onde trabalhamos divisão e multiplicação. Fizemos uma, no espaço de dever com papelão e
retalhos. As crianças têm muitas dificuldades com os cálculos, muitas apenas copiam o dever, não
compreendem o que se pede, embora já estejam em séries mais avançadas. O Projeto vem com essa
função social de gerar oportunidades, quantas forem necessárias para gerar desenvolvimento,
protagonismo e fazer com que as crianças sejam cidadãos de direitos. Para isso é preciso aprender e
muito, inclusive a ser feliz.

• Livros

Com os livros, procuramos aguçar a criatividade, despertar o interesse e cuidado com a biblioteca.
Uma das boas experiências vividas com esta atividade foi no grupo de Reginalda com o livro
Escalibim, Escalibim, de Regina Carvalho. A princípio pareceu simples a história, mas a discussão foi
enriquecedora. Todos falaram de si, pudemos conhecer melhor cada um, seus anseios, sonhos e
medos.

Com esta atividade talvez tenhamos descoberto que direção devemos dar as nossas ações para vencer
as dificuldades de relacionamento e socialização dos adolescentes.

• Cozinha Experimental

Conseguimos através desta atividade discutir sobre higienização e saúde.

Uma das receitas utilizadas foi o pão de queijo com batata. Esta é uma atividade que está sendo
retomada agora.

Projeto Ser Criança I - Curvelo/MG 4


É evidente o interesse das crianças em participar, mesmo os meninos mais difíceis como Luiz Gustavo,
Dener e Flávio. Tivemos momentos de concentração e observação da receita que foi triplicada, assim
pudemos conversar sobre conceitos matemáticos (quantidade, medida, peso, divisão). Depois, todos
ficaram muito satisfeitos em ver os resultados, pois os biscoitos foram divididos para todas as crianças
do Projeto. Fazer o geladinho e dividir com os grupos tem possibilitado um freqüente exercício de
socialização e organização. Todas as crianças, desde os pequeninos até os adolescentes, se envolvem.

Outros recursos pedagógicos utilizados neste trimestre para promover a aprendizagem, auto-estima e
socialização foram: trabalho com a horta, oficina de papel reciclado, filmes para discussões nos
grupos e brincadeiras como: “Micróbio”, “Coelhinho saiu da toca”, “Carrinho de picolé”, “Corrida de
pneus”, “Você gosta de mim”, “Dança da Serpente”, “Maestro” e outras.

As atividades também tiveram como objetivo específico estimular a leitura e a escrita das crianças.
Para tanto, os educadores fizeram com os grupos textos para o jornal e mural a partir do que foi feito.

3. GERENCIAMENTO DO PROJETO

O Projeto Ser Criança é coordenado pelo Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento - CPCD,
instituição responsável pela metodologia do trabalho e execução de todas as ações propostas. A
Prefeitura Municipal de Curvelo,apóia cedendo os educadores que trabalham diretamente com as
crianças.

4. DESEMPENHO DOS EDUCADORES

É perceptível uma certa comodidade de parte da equipe, que acaba transferindo isso para as
atividades desenvolvidas.

Esta transferência, muitas vezes, dá ao trabalho um caráter desgastante e pouco agradável às


crianças, gerando outros problemas como a dificuldade de permanência na roda para conversas, a
não inovação na prática, pouca apropriação de conceitos e práticas sobre cidadania e relação
humana.

Há também um outro problema que é a confusão do papel que nos propusemos desenvolver e o papel
da escola, dando ênfase a questões as quais são de responsabilidade da escola e deixando questões
fundamentais a desejar.

Projeto Ser Criança I - Curvelo/MG 5


Todas estas questões foram levantadas não apenas pela coordenação do Projeto, como também pelos
educadores que na última reunião buscaram confeccionar seus planejamentos e discutiram sobre as
posturas para então superá-los.

5. ENVOLVIMENTO DAS FAMÍLIAS E DA COMUNIDADE

Na avaliação do Projeto foi detectado que esse foi um dos objetivos que não trabalhamos bem. A
comunidade e famílias das crianças participantes conhecem pouco sobre o trabalho, dificultando, na
maioria das vezes, a compreensão da metodologia e o melhor atendimento às crianças, visto que, é
essencial conhecer a “história” de cada uma para desenvolvermos bem o trabalho. Percebemos uma
distância grande entre equipe/família/crianças e também muita evasão. Os problemas surgidos eram
tratados como questões separadas, como se um não dependesse do outro, tanto na compreensão
quanto resolução. Depois da equipe refletir sobre estas questões, combinamos algumas ações que
pudessem provocar um envolvimento maior das famílias e Projeto e que melhorasse a freqüência.

A equipe ainda é receosa e resistente para desenvolver atividades fora do Projeto, e esse tem sido um
dos desafios a serem superados.

Começamos com visitas às casas das crianças evadidas, às escolas para conversar sobre a
metodologia, funcionamento e objetivos. A maioria das escolas visitadas combinou a realização de
oficinas com as crianças. Onde não tinha condição de realizar na escola, fizemos na rua e nas
associações de bairro, que dão muito apoio.

No bairro São Geraldo e Açucena a comunidade não só nos recebeu, como visitaram o trabalho na
Barraquinha.

Aproximar das pessoas, aprender com elas e também ensinar um pouco do dia-a-dia do Projeto Ser
Criança acabou gerando uma confiança maior das famílias e conseqüente melhoria da freqüência.
Afinal, só podemos gostar daquilo que conhecemos.

Paralelo ao trabalho na comunidade, a equipe esteve atenta às ações realizadas dentro do Projeto. O
grupo tem reorganizado os horários, atividades e acompanhando mais de perto as crianças, no
entanto ainda é preciso avançar muito nesse aspecto.

Projeto Ser Criança I - Curvelo/MG 6


6. INDICADORES DE ÊXITO

• Índices Quantitativos

- Aumento no número de inscrições;


- Utilização de mais de quinze instrumentos/atividades;
- Confecção de diversos brinquedos;
- Leitura de livros com produção de dois teatros;
- Utilização de aproximadamente dez jogos;
- Alta porcentagem na freqüência;

• Índices Qualitativos

- Maior organização do espaço;


- Envolvimento de crianças com a organização do Projeto;
- Mobilização dos educadores para a criação da monitoria;
- Início de atividades com a Farmácia Natural;
- Espaço mais limpo;
- Crianças felizes;
- Estímulo à criatividade, através da brinquedoteca;
- Maior socialização;
- Apropriação do Projeto pelas crianças;
- Crianças mais responsáveis com seus deveres escolares e com os compromissos que assumem no
Projeto;
- Maior coerência entre teoria e prática;
- Inovação na prática com a criação da TV Ser Criança;
- Realização de avaliação diária com educadores e crianças.

7. INDICADORES DE DIFICULDADES

Estas foram algumas das dificuldades enfrentadas neste primeiro trimestre:


- Resistência e descompromisso de alguns educadores;
- Violência verbal das crianças;
- A falta de um norte com relação à sexualidade o que muitas vezes dificulta o trabalho com os
adolescentes;
- Horário, tendo sempre atrasos por parte das educadoras do turno matutino;

Projeto Ser Criança I - Curvelo/MG 7


Todas estas questões foram discutidas na reunião pedagógica que aconteceu no último sábado do mês
de março. Para superar essas mesmas, foram combinadas algumas medidas que são:
- Reorganização dos planejamentos semanais;
- Discussão e utilização de filmes com a criação do clube do vídeo, abrangendo os temas
sexualidade e afetividade.
- Estudo de técnicas junto aos educadores do CPCD para desenvolvimento de dinâmicas de grupo e
trabalhar sexualidade com os adolescentes;
- Todos os educadores serem responsáveis um pelo outro no cumprimento dos horários e da
qualidade das atividades desenvolvidas, procurando acompanhar, avaliar e também sugerir
estratégias para os demais grupos.

8. INDICADORES DE QUALIDADE DO PROJETO (IQP)

Com relação aos doze índices de qualidade do Projeto, há um avanço no nível de eficácia das
atividades.

Este avanço vem sendo percebido com a transformação das crianças que estão mais tranqüilas e
menos violentas.

A felicidade e a apropriação são os dois indicadores que atingem os maiores níveis de resultados, pois,
ainda não tendo atingido a transformação desejada na organização e no cumprimento da
metodologia, as crianças gostam muito do que é feito no Ser Criança.

O processo está em constante construção. Acreditamos que com as discussões e correções de rumo
feitas a partir das avaliações do que foi realizado e replanejamento no cotidiano, alcançaremos
melhores resultados com relação aos outros indicadores.

Alexandre Rodrigues Morais - Coordenador


Projeto Ser Criança

Projeto Ser Criança I - Curvelo/MG 8


9. ANEXO

• Reflexão

Em todos os grupos há problemas, aflições, alergias, momentos bons. Há também, aqueles meninos
inquietos que deixam os nervos da gente à flor da pele. No grupo, há um desses garotos - Denner. Ele
é inquieto, provocador e caçador de confusões, mas no fundo, lançando olhares diferentes, é menino
carente de amor e atenção. Tudo que ele faz dentro do Ser Criança, na maioria das vezes, é para
irritar mesmo. É uma espécie de provocação que faz com que pensemos que não há mais alternativas
para seu caso. São rodas, conversas, combinados... Enfim, tudo que pensamos para que haja
mudança, mas isso não acontece.

A situação dele aqui dentro é um reflexo do que ele vive lá fora. É uma espera que vai levar um
tempinho e coloca tempo nisso!...

O que esperamos dele exige paciência, tolerância e ousadia da nossa parte para que possamos
promover, de fato, uma transformação satisfatória em relação as suas atitudes. Em conseqüência,
repenso minhas ações, o que posso fazer e como conseguir. É como se estivesse num observatório
para essa situação, interferindo positivamente na vida dele.

Se houvesse uma receita pronta! Mas não. O que move as nossas ações são essas inquietudes que
surgem, levando assim à ação-reflexão –ação no desenvolvimento do trabalho.

Posso dizer que em nossa vida devemos buscar, constantemente, nossos ideais...nossos
sonhos...nossos objetivos...

Délbora Gonçalves Soares - Educadora

Projeto Ser Criança I - Curvelo/MG 9


RELATÓRIO TÉCNICO

PROJETO SER CRIANÇA II - CURVELO/MG


FEVEREIRO / MARÇO
2005

1.INTRODUÇÃO

O Projeto Ser Criança II funciona no bairro Ponte Nova há dois anos. É uma iniciativa do Rotary Club
de Curvelo em parceria com o Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento – CPCD, Prefeitura
Municipal de Curvelo e Associação do Bairro Ponte Nova.

São atendidas 42 crianças de 7 a 10 anos de idade, sendo 20 crianças no turno da manhã e 22 no


turno da tarde. A demanda do bairro é grande, mas o espaço utilizado (salão da associação) não
comporta mais grupos.

Esse ano, o trabalho foi iniciado com a formação das educadoras pelo Centro Popular de Cultura e
Desenvolvimento, durante o mês de fevereiro.

2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

• Capacitação de Educadores

A primeira atividade foi a capacitação das educadoras, com duração de 3 semanas. Dentro da
capacitação, trabalhou-se a parte teórica e prática da metodologia do Projeto. Trabalhamos a
metodologia proporcionando vivência entre os meninos, na roda, e participação no dia-a-dia do
Projeto.

Dentro dessa capacitação houve parte criativa com a Oficina de brinquedos, a partir de sucata,
fabricação de papel reciclado e papel marchê.

Projeto Ser Criança II - Curvelo/MG 1


Aconteceu também uma oficina do Bornal de Jogos com o objetivo de proporcionar aos jogadores
oportunidades para construir e assimilar conhecimentos sobre matérias específicas como matemática,
português, geografia, além de alguns jogos de raciocínio.

Dentro das atividades com o Bornal de Jogos de Aprendizagem e Bornal de Jogos da Paz que trabalha
temas transversais como respeito, cidadania, auto-estima, etc., discutimos a importância desses itens
no processo educacional da criança e adolescente.

A última atividade foi a elaboração de um plano de trabalho e Avaliação (PTA), que nos possibilitou
traçar objetivos e atividades que possam proporcionar maiores chances de êxito no Projeto.

• Salão de Beleza

Temos crianças que chegam ao Projeto sujas todos os dias ou com a mesma roupa. Raramente trocam
de roupas e, quando isso acontece, vestem outra suja.

O Salão de beleza é uma das atividades semanais que objetiva trabalhar higienização e, acima de
tudo, a auto-estima das crianças. Durante um dia na semana, transformamos nosso espaço em um
salão de beleza para lavar, cortar cabelos e unhas, fazer escovação, etc. trabalhamos com as crianças
num clima harmonioso e descontraído, com conversas sobre a vida delas, aproveitando para falar da
importância de se sentir bonito, da necessidade de se cuidar do corpo e zelar pelo meio ambiente.

• Tarefas de casa

A tarefa de casa é um compromisso do Projeto, firmado com os pais. É a atividade mais difícil de ser
executada, pois não conseguimos fazer com que ela seja prazerosa. Representa um sacrifício tanto
para as crianças como para as educadoras. Temos muitas crianças com dificuldades escolares e
crianças não alfabetizadas. Isso atrapalha, pois todas recebem a mesma tarefa de casa. Estamos
trabalhando com o Bornal de Jogos, livros infanto-juvenis e outras dinâmicas para sanar essas
dificuldades.

• Bornal de Jogos

Os jogos são usados diariamente com as crianças, principalmente os de Aprendizagem que estimulam
escrita, matemática, raciocínio lógico, e outros. Os jogos são acompanhados pelas coordenadoras

Projeto Ser Criança II - Curvelo/MG 2


para melhor aproveitamento. Percebemos pequenos avanços em algumas crianças. O jogo
“Centopéia”, por exemplo, tem ajudado Luana a aprender o alfabeto.

• Oficina de Poesia e Bornal de Livros

A poesia é trabalhada um dia na semana, principalmente no turno da tarde, onde as crianças são
apaixonadas por poesia. O Bornal de Livros é um recurso para brincarmos com a leitura e a escrita e,
acima de tudo, a criatividade das crianças. Já fizemos a contação de estórias que, aliás, as crianças
adoraram.

• Organização, Limpeza e Lanche

Aproveitamos as atividades diárias para discutirmos com as crianças sobre higiene, cuidado com o
corpo, bons hábitos alimentares e como cuidar das coisas que temos, além de usar o lanche para
fazermos algo bem feito para o outro. Essas atividades são as que as crianças mais gostam. Acho que
as educadoras conseguem mudar a visão de cada criança sobre o respeito de um para com o outro,
organização e higienização dos alimentos e do ambiente, os quais passam a ser mais agradáveis.

3. GERENCIAMENTO DO PROJETO

Helbert Rodrigues – educador do CPCD – acompanhou o Projeto Ser Criança do bairro Ponte Nova
durante o mês de março. O objetivo do acompanhamento foi discutir com as coordenadoras a prática
do dia-a-dia e planejar outras atividades de acordo com a avaliação e necessidades diagnosticadas. A
alimentação é de responsabilidade do Rotary Club e o pagamento das educadoras, da Prefeitura
Municipal de Curvelo.

4. DESEMPENHO DOS EDUCADORES

Percebe-se uma grande preocupação das educadoras com as crianças, cada uma a seu modo. Duas
educadoras trabalham no Projeto em horários alternados, cada uma com suas qualidades: uma é
bastante dinâmica e tem experiência com crianças; a outra, é reflexiva e, com senso inovador,
consegue provocar as crianças nas discussões. As duas são bastante criativas.

Projeto Ser Criança II - Curvelo/MG 3


Muitas coisas ainda precisam melhorar. O que facilita os avanços é que as educadoras conseguem ter
“um olhar” para as atividades sob o prisma da criatividade e do lúdico, proporcionando
aprendizagens.

5. ENVOLVIMENTO DAS FAMÍLIAS E COMUNIDADES

Muitas pessoas estão empenhadas no cuidado com o Projeto e contribuem bastante, entre elas, três
mulheres do bairro. Uma delas é avó de uma criança do Projeto e as outras duas não têm filhos lá.
Elas ajudam a fazer o lanche, participam da roda, contribuem com as discussões do grupo e com o
cuidado que se deve ter ao preparar a merenda.

A participação da comunidade, de um modo geral, é fraca. Ainda não foi possível realizar reuniões
com a participação de todos os pais.

Depois da última reunião, fomos às casas dos pais pra conversar sobre o Projeto. Perguntamos o
porquê da ausência e como poderiam participar de agora em diante. A visita foi importante porque
pudemos ouvi-los. A questão ainda é sobre o horário da reunião para facilitar a participação deles e
que precisamos adequar.

6. ENVOLVIMENTO DAS ESCOLAS ONDE ESTUDAM OS PARTICIPANTES DO PROJETO

Não temos nenhum trabalho concreto com a escola. Há grande abertura da diretora da escola em
conversar com as educadoras sobre as crianças. O espaço da escola é aberto ao Projeto: buscamos
água para beber e fazer suco. A diretora e algumas professoras visitaram o Projeto para conhecê-lo e
conversar assuntos relacionados às crianças.

7. ENVOVIMENTO DAS ENTIDADES LOCAIS

Do Programa de Saúde da Família (PSF), contamos com alguns funcionários para os mais diferentes
tipos de dificuldades que se nos aparecem.

Conversamos sobre as crianças e seus problemas, detectados junto às suas famílias. Discutimos
também alguns casos, providências e soluções para tornar o dia-a-dia e a vida das crianças mais
prazerosos.

Projeto Ser Criança II - Curvelo/MG 4


8. AVANÇOS OBTIDOS

• Índices Qualitativos

- Crianças mais felizes;


- Maiores oportunidades de aprendizagem;
- Respeito mútuo;
- Crianças mais preocupadas em cumprir os combinados;
- Educadoras cada dia mais envolvidas com o trabalho;
- Bornal de Jogos como motivador e estimulador da aprendizagem;
- Maior assimilação das crianças sobre a importância da roda e da resolução dos problemas
surgidos;
- Melhor visão da comunidade sobre o Projeto;
- Grande número de inscrição para o Projeto, aguardando vaga.

• Índices Quantitativos

Temos no Projeto um total de 43 crianças entre 7 e 10 anos. São 20 no período da manhã e 23 no


período da tarde. Temos 4 atividades diárias.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS QUANTIDADE


Jogos usados 10
Jogos criados 05
Brinquedos confeccionados 10
Livros trabalhados 15
Estórias contadas 02
Poesias Criadas 15
Poesias declamadas 08
Objetos para ornamentação - pipas 05

Freqüência - Média Geral

TURNO COORDENADORA MÉDIA GERAL (%)


Manhã Valdênia Costa 76
Tarde Mércia Diniz 98

Projeto Ser Criança II - Curvelo/MG 5


9. DIFICULDADES

- As crianças não alfabetizadas trazem quantidade excessiva de dever de casa;


- Pouca freqüência dos pais nas reuniões;
- Baixa auto-estima das crianças;
- Não firmamento das parcerias estabelecidas;
- Repasse das material/lanche;
- Falta de conhecimento metodológico da comunidade sobre o Projeto.

10. SÍNTESE

Percebe-se que o Projeto teve avanços significativos em relação ao aprendizado.Todos os envolvidos


estão crescendo e as educadoras mais seguras naquilo que fazem.

As educadoras constataram que não existe receita pronta para os problemas, que cada um deles é
único e requer um tratamento específico.

A roda tornou-se uma prática entre as crianças em todas as ocasiões necessárias. É interessante
observar como elas ficam atentas aos comportamentos uns dos outros para provocar uma roda. Na
hora do dever, as dificuldades percebidas por outra pessoa são encaminhadas para a educadora, em
clima de harmonia.

Alexandre Rodrigues de Morais – Coordenador


Projeto Ser Criança

Projeto Ser Criança II - Curvelo/MG 6


11. ANEXOS

• Poesia

O Mar

O mar é de Ana
_Íris, vamos ao mar
Vamos ver o que há
Vamos brincar com o mar
Vamos ver o mar brilhar
Ana Beatriz - 11 anos
Ajudante do Projeto
• Depoimentos

“Eu gosto dos jogos porque a gente aprende coisas que precisa na escola.”
José Carlos Fernandes da Silva

“O fim de semana não é bom... A gente fica com saudade do Projeto.”


Emanuel Gonçalves Medeiros

“O Projeto é um lugar de fazer amizades.”


Iara Vieira da Silva

“É bom ver o filme. Os olhos da gente enchem d”água.”


Emanuel Gonçalves Medeiros

“Gostei muito, pois o Gleyson estava muito fraco no dever e ele ficou louco para vir para o Projeto.”
Mãe de Cleyson

“O mais legal no nosso passeio foi conhecer as mães dos colegas.”


Graciele

“Minha irmã ficou emocionada por causa do filme.”


Luiz Carlos

Projeto Ser Criança II - Curvelo/MG 7


RELATÓRIO TÉCNICO

PROJETO SER CRIANÇA III - CURVELO / MG


FEVEREIRO / MARÇO
2005

1. INTRODUÇÃO

O Projeto Ser Criança, no bairro Bela Vista, é de responsabilidade da ONG Sopro de Vida que, a
partir deste ano, conta com o apoio da Prefeitura Municipal, cedendo quatro educadoras e uma
cozinheira, e do Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento (CPCD), responsável pela formação dos
educadores e metodologia.

O Projeto funciona em um espaço cedido pela igreja do bairro nos seguintes horários: 07:00 às
11:00h e 13:00 às 17:00h.

Participam do Projeto 80 crianças com idade entre 7 e 14 anos.

O Projeto está com o nome de 60 crianças à espera de poder participar.

2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

• Roda

A primeira atividade do dia é a roda. Nela, crianças e educadoras sentam-se para conversar, cantar,
brincar e planejar as atividades diárias e dividir suas experiências. A roda também e feita para avaliar
o dia, com o objetivo de buscar melhorias, dividir as aprendizagens e solucionar alguns problemas.

Fazer roda não era um hábito para crianças e educadores, mas os mesmos não mostraram muita
resistência com a nova metodologia. Há algumas crianças que ainda estão resistentes, mas a maioria
já incorporou a roda no seu dia-a-dia.

Projeto Ser Criança III - Curvelo/MG 1


Isso pode ser visto na maneira de as crianças se sentarem e fazerem suas colocações. Passaram a ter
maior preocupação com o colega Quando se atrasam, procuram justificar-se. Na hora das
brincadeiras não querem deixar ninguém de fora.

• Confecção de jogos e brinquedos

Foram confeccionados os seguintes jogos: “Torre de Hanói”, “Abre a Carta” e “Centopéia”. Estes jogos
foram utilizados para estimular o raciocínio lógico, socialização, estabelecimento de regras e promover
a aprendizagem e a interpretação.

O jogo “Torre de Hanói” foi confeccionado por um grupo de 5 crianças. Elas trouxeram cinco caixetas
de tamanhos diferentes e as encaparam com pedaços de revistas, cada caixeta de uma cor. Depois
explicaram o jogo na roda grande. No início, todas tiveram dificuldades para compreender o jogo.
Agora, este jogo é a sensação do Projeto. Todas ficam ansiosas para conseguir mudar a torre de lado
com apenas 31 toques.

O jogo “Abre a Carta”, além de ser muito usado pelas crianças no Projeto, é emprestado para que
elas os levem para casa e brinquem com irmãos, vizinhos e pais.

Também foi utilizado o jogo “Batalha da Amizade” para promover uma discussão sobre amizade nos
grupos. Notou-se que a maioria das crianças tem dificuldade demonstrar amizade por seus colegas.
Na hora de abraçar, fazer um cafuné, dar um aperto de mão ou fazer um elogio, os gestos das
crianças eram “brutos”. A partir daí, começamos a demonstrar na roda quais eram as formas mais
carinhosas de se fazer estes gestos. No início, os adolescentes mostraram-se resistentes, mas depois
foram sendo conquistados pelas crianças menores.

Os brinquedos são um grande atrativo para crianças. Foram feitos carrinhos, biboquês, móblies para
decoração e rabo de cometa com o objetivo de promover felicidade, o trabalho em grupo, usar de
maneira racional a sucata e elevar a auto-estima das crianças.

Nas primeiras atividades houve muita confusão como: crianças que não queriam dividir o material,
não concordavam em fazer brinquedos para o Projeto, não queriam ajudar na limpeza e organização
do espaço, muito desperdício de sucata e brigas.

A avaliação das atividades foi muito importante para provocar uma mudança na maneira de agir
dessas crianças. Fazer a criança pensar por que aconteceram certas atitudes, contribuiu para a
formação de seu senso crítico, fazendo com que as mesmas apontassem onde deveriam mudar.

Projeto Ser Criança III - Curvelo/MG 2


• Dever

É o grande desafio do Projeto. Todas as crianças trazem o dever e a maioria delas apresentam várias
dificuldades quando vão fazê-lo, além de terem pouca assistência em casa. Com tudo isso, o dever
acaba tomando uma grande parte do tempo. A equipe propôs confeccionar jogos para ajudar as
crianças a sanarem suas dificuldades em matemática e português.

• Horta

No local onde o Projeto acontece havia uma horta. O grupo “Esperança”, após discutir sobre uma
feira de ciências que aconteceu na escola em que o Nycolas estuda, ficou responsável por recuperar a
horta. O grupo começou a contornar os canteiros com a planta Pingo de Ouro. A idéia do grupo é
plantar hortaliças para serem utilizadas na merenda e algumas plantas medicinais para se fazer
pomadas, xaropes, chás, bolos e etc.

• Almoço e lanche

A forma com que o almoço é servido é uma novidade. As crianças não tinham o hábito de se servirem.
Nos primeiros dias, isto causou um grande estranhamento nelas. Agora causa satisfação. Colocar a
comida no prato sem deixar cair na mesa, coordenar o almoço, ajudar na organização final são
motivos para se orgulharem.

Ainda tem que melhorar. Há desperdício de comida, crianças que não gostam de sentarem junto com
outras, brigas por causa de pratos e talheres diferentes. Estes assuntos são avaliados pelas crianças
que já sugeriram mudar os pratos e os talheres.

• Outras atividades

Algumas crianças e adolescentes são muito agressivas. Para combater esse fato de forma lúdica e
promover uma convivência harmoniosa, a equipe decidiu iniciar o clube de vídeo com o filme “Era do
Gelo”, promover brincadeiras, atividades esportivas, contação de histórias. As crianças mais
agressivas, no início, não mostram interesse em participar, mas logo se integram ao grupo e mostram
seu lado carinhoso.

Há também atividades desenvolvidas por voluntários. É o caso da capoeira, pintura em tecido e o


artesanato com jornal. Estas atividades estão no início e é preciso haver maior envolvimento das
educadoras para que liguem estas oficinas aos objetivos do PTA.

Projeto Ser Criança III - Curvelo/MG 3


3. GERENCIAMENTO DO PROJETO

A equipe do Projeto é formada por quatro educadoras. Cada educadora é responsável por um grupo
de 20 crianças.

O CPCD, responsável pela metodologia aplicada, disponibilizou um educador para acompanhar a


equipe do Projeto. Este acompanhamento tem acontecido através de rodas diárias e semanais.

Dois membros da diretoria da ONG Sopro de Vida acompanham a rotina administrativa (merenda,
material para as atividades, voluntários, etc) do Projeto.

4. DESEMPENHO DOS EDUCADORES

Começar um trabalho que é “desconhecido” causa muita ansiedade. Este foi o sentimento das
educadoras na primeira semana de Projeto, e isso causou um pouco de insegurança no grupo.

O que contribuiu para que esta insegurança fosse superada e para que a equipe tivesse um bom
desempenho foi a boa relação inter-pessoal entre seus membros. Conversar sobre as dificuldades de
cada um é uma rotina na equipe. Essa conversa visa à busca de soluções para os problemas.

A equipe estabeleceu uma relação de amizade com as crianças e com os pais que visitaram o Projeto.

5. ENVOLVIMENTO DAS FAMÍLIAS E COMUNIDADE

A ONG Sopro de Vida mobilizou voluntários para colaborar com o Projeto.

Os voluntários participaram do Projeto nas seguintes atividades: Oficina de Pintura em Tecido, Oficina
de Artesanato com Jornal; Capoeira e ajudaram a fazer o lanche. Até o momento participaram 12
voluntários.

O envolvimento com os voluntários precisa ser aumentado, pois os mesmos não têm conhecimento da
metodologia do Projeto e isso pode dificultar o trabalho junto à equipe de educadoras.

Projeto Ser Criança III - Curvelo/MG 4


6. AVANÇOS OBTIDOS

• Índices Qualitativos

- Crianças mais freqüentes;


- Valorização da sucata;
- Elevação da auto-estima das crianças e educadoras;
- Trabalho em grupo;
- Aumento da pontualidade das crianças;
- Aumento da preocupação com a limpeza do local utilizado;
- Crianças mais espontâneas; em especial, o Michael e o Samuel que não participavam da roda, nem
diziam o nome. Hoje eles estão mais soltos, venceram suas dificuldades de relacionamento com o
grupo;
- Valorização do próximo;
- Aumento da felicidade;
- Criatividade.

• Índices Quantitativos

- Participação de 80 crianças;
- Uma lista de espera com 60 crianças;
- Boa freqüência

7. DIFICULDADES ENCONTRADAS

- Danificação da decoração por outras pessoas que utilizam o espaço do Projeto nos finais de
semana;
- Resistência de algumas crianças em aceitar a metodologia;
- Crianças agressivas;
- Falta de comunicação com alguns voluntários;
- Muito tempo gasto com o dever.

Projeto Ser Criança III - Curvelo/MG 5


8. REFLEXÃO

“Eu comecei muito ansiosa, pois tudo era desconhecido, era uma forma de trabalhar diferente, mas
agora já me sinto mais à vontade, pois cada dia aprendo um pouco com o meu grupo. Quero
desempenhar melhor a minha função aqui dentro do Projeto.”
Sandra - Educadora
Projeto Ser Criança - Bela Vista

“Não viemos ao mundo por acaso. Temos um lugar a ocupar, uma função a nossa espera. Por isso,
devemos nos dedicar para obtermos bons resultados. Na primeira semana foi muito difícil manter 20
adolescentes em um ambiente “aberto”. Hoje, vejo que posso contribuir para com estes adolescentes,
dando-lhes liberdade para que possam experimentar várias oportunidades e descubram suas
habilidades.”
Cinthia Dias dos Reis - Educadora do Grupo Esperança
Projeto Ser Criança - Bela Vista

“Em todo início existem dificuldades. Com o empenho da equipe em buscar soluções para as
dificuldades do Projeto e das crianças, tenho me sentido mais segura em tomar decisões importantes
para superação das dificuldades.”
Marlene - Educadora do Grupo Criança Feliz
Projeto Ser Criança - Bela Vista

“É muito importante levar a criança a descobrir não só seus erros, mas também suas habilidades.
Temos algumas crianças agressivas e dispersas. Pretendo trabalhar com elas a afetividade. Gosto
muito de participar do Projeto. Ele me faz ter mais interesse e disposição em trabalhar.”
Shirlene Soares Fernandes - Educadora Grupo Adolescentes da Paz
Projeto Ser Criança - Bela Vista

O trabalho está ganhando o seu ritmo. A cada dia as crianças demonstram as mudanças que
acontecem em seu dia-a-dia, a alegria de estarem no Projeto. A equipe se mostra empenhada em
resolver os problemas que aparecem e em trazer novidades para as crianças.

Para que possa ter um bom trabalho em equipe e que esse seja educativo para todos, a equipe de
educadoras precisa aproximar-se mais dos voluntários.

É muito importante, também, haver uma nova reunião entre o CPCD e a ONG Sopro de Vida para
que ambos tomem conhecimento das metodologias e não haja incoerência no trabalho conjunto.
Washington Alves - Educador

Projeto Ser Criança III - Curvelo/MG 6


9. ANEXO

• Jogo - Torre de Hanói

Objetivo: Apenas 5 peças compõem este jogo. É ótimo para desenvolver o raciocínio de alunos que, a
partir dos 7 anos, já têm capacidade para transportar a torre de Hanói de um ponto para outro, num
desafio que desperta o interesse até dos adultos.

Material: Providencie 5 quadrados de cores e tamanhos diferentes, que podem ser feitos utilizando
papelão.

Regra: Risque sobre a mesa 3 pontos paralelos, distantes 10 cm um do outro. O jogador deve montar
a torre sobre o ponto da esquerda. O objetivo é mudá-lo para o ponto da direita, mexendo uma peça
por vez e usando apenas os 3 pontos marcados. Nenhuma peça pode ficar sobre outra menor.
Enquanto uma criança joga, as demais marcam o tempo gasto para chegar ao objetivo. Ganha quem
mudar a torre de lugar mais depressa. É possível determinar o vencedor também calculando quem fez
menos movimentos para mudar a torre para o ponto da direita. São necessárias no mínimo 31
passagens .

O desafio incentiva a criança a vencer suas barreiras aprendendo noções de espaço, proporção e
tamanho.

“Eu não conseguia jogar, fui aprendendo, observando os outros e experimentando com paciência.
Este jogo não cansa a gente.”
Sandra – 11 anos

“É um jogo que estimulou muito o raciocínio das crianças e adolescentes, testando sua paciência e
força de vontade. A cada tentativa, o participante sente a necessidade de vencer o desafio que o
jogo impõe, e isso impulsiona a criança”.

Ana Paula dos Santos


Educadora do Projeto Ser Criança – Curvelo/MG

Fonte: Jogo indicado pela Sra. Leda - Supervisora E. E. Boaventura Pereira Leite

Projeto Ser Criança III - Curvelo/MG 7


• Brincadeira - Brasil contra Alemanha

Formam-se dois grupos. O campo é divido ao meio e cada grupo escolhe um lado. Um grupo fica de
frente para o outro com seus componentes lado a lado, com a mão esticada. Quem começa a
brincadeira sempre é o Brasil. Uma pessoa do Brasil vai até o campo da Alemanha e começa a bater
de leve na mão do componente da Alemanha. Quando o componente do Brasil bater na palma da
mão do componente da Alemanha, este terá que correr atrás do componente do Brasil. Se ele o pegar
antes do meio do campo, o componente do Brasil passará paro o grupo da Alemanha. Se não pegar,
ele passará para o grupo da Alemanha. A brincadeira continua com os grupo se alternando. Vencerá
quem conseguir buscar todos os componentes de um grupo

Brincadeira ensinada pelo Grupo Esperança

Projeto Ser Criança III - Curvelo/MG 8