Você está na página 1de 4
XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE VAZAMENTO DE HIDROGÊNIO

XX CONIC

IV CONITI

I ENIC

UFPE

2012

XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE VAZAMENTO DE HIDROGÊNIO ATRAVÉS

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE VAZAMENTO DE HIDROGÊNIO ATRAVÉS DO ANSYS CFX

Sandro Cordeiro São Marcos 1 ; Paulo Roberto Maciel Lyra 2

1 Estudante do Curso de Engenharia Química – CTG – UFPE; E-mail: sandrocordeiroo@hotmail.com, 2 Docente/pesquisador do Depto. de Engenharia Mecânica – DEMEC – UFPE. E-mail: prmlyra@ufpe.br.

Sumário: Esse trabalho teve como objetivo simular vazamento de hidrogênio em regiões abertas e fechadas utilizando o software ANSYS CFX e analisar os níveis de concentração do gás para localização de detectores de vazamento, a fim de evitar acidentes e explosões. Foi utilizado o software ANSYS CFX que trabalha com o Método dos Volumes Finitos, do inglês, Finite Volume Method (FVM), que possuem características especiais para a discre- tização de problemas na mecânica dos fluidos. Este trabalho foi baseado em estudos feitos por Heisch et al. (2010) sobre vazamento de hidrogênio em um laboratório com alterações no diâmetro do furo e velocidade do vazamento, tendo como diferencial o detalhamento das dimensões do domínio não encontrado no trabalho original. Com esse estudo foi possí- vel localizar as regiões de maior risco de explosão possibilitando localizar posições para a localização de detectores de vazamento.

Palavraschave: Ansys CFX; CFD; vazamento de hidrogênio

INTRODUÇÃO A prevenção de acidentes em ambiente fechado representa a motivação de muitos estudos no tema de vazamentos de gases. Estudos feitos por Heitsch et al. (2010), por exemplo, mostram a importância desses a partir da instalação adequada de detectores de vazamento no ambiente em questão. O acúmulo do gás em regiões fechadas torna o estudo ainda mais intenso e detalhado, visto que, para gases inflamáveis e tóxicos, o risco de explosão é ainda maior. A Figura 1 mostra a geometria do laboratório do estudo em questão.

1 mostra a geometria do laboratório do estudo em questão. Figura 1: Vazamento de gás num

Figura 1: Vazamento de gás num Laboratório (Heitsch et al., 2010).

Este trabalho consiste na determinação dos pontos de localização para sensores de gás no laboratório. O problema consiste basicamente de um vazamento de hidrogênio proveniente de uma garrafa de gás aprisionado com volume de 50L. O vazamento ocorre por uma pe- quena ruptura do recipiente de diâmetro 10 cm de diâmetro. A velocidade inicial do gás é de 1000m/s.

XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 MATERIAIS E MÉTODOS Estudos Preliminares : Foram

XX CONIC

IV CONITI

I ENIC

UFPE

2012

XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 MATERIAIS E MÉTODOS Estudos Preliminares : Foram realizados

MATERIAIS E MÉTODOS Estudos Preliminares: Foram realizados estudos para analisar de forma geral o vazamento de gás. Foram considerados pontos relevantes como a presença de aceleração da gravidade (Buoyancy) e mistura de composição variável (Variable Composition Mixture). Todo o estudo necessário para esta simulação foi realizado a partir do trabalho de Heitsch et al. e dos manuais teóricos do software Ansys CFX.

Geometria: Foi modelada a geometria do problema em questão utilizando o CFX Model- ler. A geometria construída é mostrada pela Figura 2.

ler . A geometria construída é mostrada pela Figura 2. Figura 2: Geometria para simular vaza-

Figura 2: Geometria para simular vaza- mento de gás num laboratório.

Dimensões do Laboratório: 12m x 8,5m 3,5m

Sistema de ventilação: 0,2m x 0,4m;

Exaustores: 0,2m x 0,30m;

Colunas: 0,20m x 0,20m;

Diâmetro do furo do vazamento:

0,10m.

Malha: A primeira malha gerada para esse problema foi aquela mostrada pela Figura 3. Essa malha foi construída adicionando um cone na região do vazamento com altura igual a dimensão do domínio. O cone foi inserido como Add Frozen e utilizado o valor de 0.01 para o tamanho dos elementos. À malha ao redor foi aplicado um Sizing de 0.6 para os elementos. Posteriormente foi construída uma malha elementos hexaédricos na região pró- xima do vazamento. Ambas as malhas podem ser visualizadas nas Figuras 3 e 4.

Ambas as malhas podem ser visualizadas nas Figuras 3 e 4. Figura 3: Malha de elementos

Figura 3: Malha de elementos tetraé- dricos.

nas Figuras 3 e 4. Figura 3: Malha de elementos tetraé- dricos. Figura 4: Malha tetraédrica

Figura 4: Malha tetraédrica e hexaé- drica (detalhe).

XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 Teste de Convergência de Malha : Para

XX CONIC

IV CONITI

I ENIC

UFPE

2012

XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 Teste de Convergência de Malha : Para ter

Teste de Convergência de Malha: Para ter resultados satisfatórios utilizando uma malha adequada a fim de otimizar o tempo de simulação e ter boa qualidade dos resultados torna- se necessário realizar o teste de convergência de malha. Com isso, foram utilizadas quatro malhas com o número de elementos e nós mostrados nas Tabela 1.

Tabela 1: Teste de Convergência de Malha.

 

1ª Malha

2ª Malha

3ª Malha

4ª Malha

Nós

19313

24362

34390

84532

Elementos

97228

113105

155880

364625

.

Configurações: Foram aplicadas as condições de contorno no domínio de acordo com os dados fornecidos em Heitsch et al. (2010). A Figura 5 mostra as condições de contorno

aplicadas ao domínio.

5 mostra as condições de contorno aplicadas ao domínio. Figura 5: Condições de contorno para o

Figura 5: Condições de contorno para o caso do vazamento num labo-

Inlet: 7 entradas para ar (gás ideal a 25°C) no teto a 1 m/s, 1 entrada para o vento na região lateral do domínio a 2 m/s e entrada de gás hidrogênio a 1000 m/s.

Outlet: região de saída com pres- são a 0 Pa e 10 saídas de ar pelos exaustores.

Wall: paredes sem deslizamento (No Slip Wall).

RESULTADOS As Figuras 6 e 7 mostram a variação da fração volumétrica do hidrogênio ao longo do do- mínio. No primeiro com escala de 0 a 1 e no segundo com escala de 0 a 0.04 (limite de flamabilidade do hidrogênio).

escala de 0 a 0.04 (limite de flamabilidade do hidrogênio). Figura 6: Variação da fração volumétrica

Figura 6: Variação da fração volumétrica do hidrogênio ao longo do eixo x.

da fração volumétrica do hidrogênio ao longo do eixo x. Figura 7: Variação da fração volumétrica

Figura 7: Variação da fração volumétrica do hi- drogênio ao longo do eixo x.

Na Figura 8 é mostrada a isosurface para a fração mássica do gás hidrogênio com valor de 0.04 (limite de flamabilidade).

XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 Figura 8: Comparação da Isosurface para fração

XX CONIC

IV CONITI

I ENIC

UFPE

2012

XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 Figura 8: Comparação da Isosurface para fração volumétrica
XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 Figura 8: Comparação da Isosurface para fração volumétrica
XX CONIC IV CONITI I ENIC UFPE 2012 Figura 8: Comparação da Isosurface para fração volumétrica

Figura 8: Comparação da Isosurface para fração volumétrica de hidrogênio de 0.04 com o resultado obtido por Heitsch et al¹ (2010).

DISCUSSÃO Para esse estudo seria conveniente à localização de sensores de vazamento nas regiões em vermelho (Figura 7). Em particular, a posição de 2 m acima do solo e 2 m abaixo do teto seriam bem localizados para detectar o vazamento em tempo hábil a fim de evitar explo- sões. Na Figura 8 pôde-se analisar melhor a variação de concentração do hidrogênio e veri- ficar as áreas de maior risco de explosão que são aquelas que possuem a concentração pró- xima ou maior que o limite de 0.04. Também observado que a região de risco de explosão está restrita à área frontal ao vazamento mostrado pela área vermelha na Figura. Observa- mos que ao longo de x na região do vazamento do gás a concentração é bastante alta po- dendo provocar autoignição instantaneamente.

CONCLUSÕES No presente trabalho foi possível estudar de forma consistente as condições necessárias para a modelagem e simulação de vazamento de gases em regiões abertas e fechadas. Em particular para o gás hidrogênio foi possível analisar as regiões de maior probabilidade de explosão ou autoignição a partir da detecção dos níveis de concentração do gás ao longo de todo o domínio. Com esse estudo, observa-se a importância desse tipo de análise para pre- venção de acidentes envolvendo vazamento de gases inflamáveis como continuidade deste trabalho estudos paramétricos e de otimização da localização de sensores de modo a alertar em tempo hábil a presença do gás acima de determinado nível de concentração.

AGRADECIMENTOS Agradeço ao meu orientador, que proporcionou um ambiente de troca de experiências para meu crescimento pessoal e profissional, ao co-orientador Prof. Márcio Rodrigo de Araújo Souza presente durante a maior parte de meus estudos e que contribuiu igualmente para meu desenvolvimento na obtenção de melhores resultados e também aos meus colegas de trabalho Marcelo, Rodrigo e Lorena pelo apoio em todos os momentos. Agradeço a FA- CEPE e CNPq pelo apoio financeiro. Por fim, agradeço ao Departamento de Engenharia Mecânica (DEMEC) e a UFPE pela oportunidade.

REFERÊNCIAS

1. Heitsch, M., Baraldi, D., Moretto, P., Numerical Analisis of Accidental Hydrogen Re- lease in a Laboratory, 2010.