Você está na página 1de 43

26/05/2015

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA DEPARTAMENTO DE EXTENSÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE AUDITORES DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS MÓDULO
UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA
DEPARTAMENTO DE EXTENSÃO
CURSO DE FORMAÇÃO DE AUDITORES
DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
MÓDULO I:
A
lei
de
licitações
e
contratos (Lei 8666/1993
ARTIGO 37 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL A Administração Pública direta ou indireta de qualquer dos Poderes da
ARTIGO 37 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
A Administração Pública direta ou indireta de qualquer
dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal
e dos Municípios obedecerá aos princípios de
legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência.

26/05/2015

CONCEITO E NATUREZA JURÍDICA DA LICITAÇÃO Licitação é o procedimento administrativo, exigido por lei, para que
CONCEITO E NATUREZA JURÍDICA DA LICITAÇÃO
Licitação é o procedimento administrativo, exigido por lei,
para que o Poder Público possa comprar, vender ou locar
bens ou, ainda, realizar obras e adquirir serviços, segundo
condições previamente estipuladas, visando selecionar a
melhor proposta ou o melhor candidato, conciliando os
recursos orçamentários existentes à promoção do
interesse público.
A natureza jurídica da licitação é de procedimento
administrativo, pois se trata de uma sequência ordenada
de atos administrativos.
FINALIDADE DA LICITAÇÃO A licitação visa dar fiel cumprimento aos imperativos da isonomia, impessoalidade, moralidade e
FINALIDADE DA LICITAÇÃO
A licitação visa dar fiel cumprimento aos imperativos
da isonomia, impessoalidade, moralidade e
indisponibilidade do interesse público, que sempre
devem nortear a atuação da Administração Pública.
Desta forma, tal procedimento obriga a realização de
um processo público para seleção imparcial da melhor
proposta, garantindo iguais condições a todos que
queiram concorrer para a celebração de um contrato
público.

26/05/2015

FINALIDADES DA LICITAÇÃO a) garantir a observância do princípio da isonomia - todos poderão participar da
FINALIDADES DA LICITAÇÃO
a)
garantir a observância do princípio da isonomia - todos
poderão participar da licitação;
b)
selecionar
a
proposta
mais
vantajosa para a
administração;
c)
promover o desenvolvimento nacional sustentável
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES 1. princípio da isonomia: defende a igualdade de tratamento pela comissão de
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES
1. princípio da isonomia: defende a igualdade de
tratamento pela comissão de licitação entre
todos os concorrentes que se encontram na
mesma situação.
Importante ressaltar que tal igualdade não é
absoluta, eis que a própria legislação específica
traz critérios de desempate.

26/05/2015

PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES 2. princípio da competitividade: não podem ser adotadas medidas que comprometam decisivamente
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES
2. princípio da competitividade: não podem ser adotadas
medidas que comprometam decisivamente o caráter
competitivo do certame, já que a busca pela melhor
proposta é uma das finalidades da licitação.
Assim,
as
exigências
de
qualificação
técnica
e
econômica
devem
se
restringir
ao
estritamente
indispensável
para
garantia
do
cumprimento
das
obrigações.
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES 3. princípio da vinculação ao instrumento convocatório: além da observância dos textos
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES
3. princípio da vinculação ao instrumento
convocatório: além da observância dos textos legais, a
Administração Pública e também os participantes do
certame deverão cumprir as condições do edital.

26/05/2015

PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES 4. princípio do julgamento objetivo: o edital deve apontar claramente o critério
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES
4. princípio do julgamento objetivo: o edital deve
apontar claramente o critério de julgamento a ser
adotado para determinar o licitante vencedor.
Assim, a análise de documentos e a avaliação das
propostas devem se pautar por critérios objetivos
predefinidos no instrumento convocatório, e não com
base em elementos subjetivos.
Segundo a doutrina, entretanto, a objetividade não é
absoluta, na medida em que especialmente a
verificação da qualificação técnica sempre envolve
certo juízo subjetivo
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES 5. princípio da inalterabilidade do edital: em regra, o edital não pode
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES
5. princípio da inalterabilidade do edital: em regra, o
edital não pode ser modificado após sua publicação.
Porém, havendo necessidade de alteração de algum
dispositivo, deverá ser dada ampla publicidade e a
devolução dos prazos para não prejudicar os
potenciais licitantes que eventualmente tenham
deixado de participar do certame em razão da
cláusula objeto da modificação.

26/05/2015

PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES 6. princípio do sigilo das propostas: os envelopes contendo as propostas dos
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES
6. princípio do sigilo das propostas: os envelopes
contendo as propostas dos licitantes não podem ser
abertos e seus conteúdos divulgados antes do
momento processual adequado, que é a sessão
pública instaurada com essa finalidade.
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES 7. princípio do formalismo procedimental: as regras aplicáveis ao procedimento licitatório são
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES
7. princípio do formalismo procedimental: as regras
aplicáveis ao procedimento licitatório são definidas
diretamente pelo legislador, devendo o administrador
público sua observância.
Porém, deve-se ressaltar que o descumprimento de uma
formalidade só causará nulidade se houver
comprovação de prejuízo - aplicação do postulado pas
de nullité sans grief (não há nulidade sem prejuízo).

26/05/2015

PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES 8. princípio da adjudicação compulsória: obriga a Administração a atribuir o objeto
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DAS LICITAÇÕES
8. princípio da adjudicação compulsória: obriga a
Administração a atribuir o objeto da licitação ao
vencedor do certame.
OBRIGATORIEDADE O procedimento licitatório é OBRIGATÓRIO (salvo casos expressos na lei) e possui fundamentação legal no
OBRIGATORIEDADE
O procedimento licitatório é OBRIGATÓRIO (salvo casos
expressos na lei) e possui fundamentação legal no
próprio texto constitucional, em seu artigo 37, XXI:
Art. 37.
[ ] ...
XXI - ressalvados os casos especificados na legislação,
as obras, serviços, compras e alienações serão
contratados mediante processo de licitação pública que
assegure igualdade de condições a todos os
concorrentes, com cláusulas que estabeleçam
obrigações de pagamento, mantidas as condições
efetivas da proposta, nos termos da lei, o qual somente
permitirá as exigências de qualificação técnica e
econômica indispensáveis à garantia do cumprimento
das obrigações

26/05/2015

REGULAMENTAÇÃO LEGAL DAS LICITAÇÕES A Lei 8666 de 21 de junho de 1993 estabelece normas gerais
REGULAMENTAÇÃO LEGAL DAS LICITAÇÕES
A Lei 8666 de 21 de junho de 1993 estabelece normas
gerais sobre licitações e contratos administrativos
pertinentes a obras, serviços, inclusive de publicidade,
compras, alienações e locações no âmbito dos poderes
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios.
Subordinam-se ao regime desta Lei, além dos órgãos da
administração direta, os fundos especiais, as autarquias,
as fundações públicas, as empresas públicas , as
sociedades de economia mista e demais entidades
controladas direta ou indiretamente pela União, Estados,
Distrito Federal e Municípios.
LICITAÇÃO DISPENSÁVEL E DISPENSADA Deve-se estabelecer uma distinção entre licitação DISPENSÁVEL e DISPENSADA. A própria Lei
LICITAÇÃO DISPENSÁVEL E DISPENSADA
Deve-se estabelecer uma distinção entre licitação
DISPENSÁVEL e DISPENSADA.
A própria Lei n. 8.666/93 distingue casos de licitação
“dispensável” (art.
24,
caput)
e
de
licitação
“dispensada” (art. 17).

26/05/2015

CARACTERÍSTICAS DA LICITAÇÃO DISPENSÁVEL O administrador decide discricionariamente se a melhor solução é licitar ou contratar
CARACTERÍSTICAS DA LICITAÇÃO DISPENSÁVEL
O administrador decide discricionariamente se a
melhor solução é licitar ou contratar diretamente.
Envolvem situações em que a competição é possível,
mas sua realização pode não ser para a Administração
conveniente e oportuna, à luz do interesse público.
INEXIGIBILIDADE DA LICITAÇÃO As hipóteses de inexigibilidade estão previstas exemplificativamente no art. 25 da Lei n.
INEXIGIBILIDADE DA LICITAÇÃO
As hipóteses de inexigibilidade estão previstas
exemplificativamente no art. 25 da Lei n. 8.666/93.
São casos em que a realização do procedimento
licitatório é logicamente impossível por inviabilidade
de competição (por se tratar de fornecedor exclusivo
ou de objeto singular).

26/05/2015

TIPOS DE LICITAÇÃO Dá-se o nome de tipos de licitação para os diferentes critérios para julgamento
TIPOS DE LICITAÇÃO
Dá-se o nome de tipos de licitação para os diferentes
critérios para julgamento das propostas.
O art. 45 da Lei n. 8.666/93 prevê a existência de quatro
tipos de licitação:
a)
menor preço (Ex. tomada de preços)
b)
melhor técnica (Ex: concurso)
c)
técnica e preço (Ex: bens e serviços de informática
d)
maior lance ou oferta (Ex: leilão)
TIPOS DE LICITAÇÃO a) menor preço: será vencedor o licitante que apresentar a proposta de acordo
TIPOS DE LICITAÇÃO
a) menor preço:
será
vencedor o licitante que
apresentar a proposta de acordo com as especificações
do edital ou convite e ofertar o menor preço.
b)
melhor
técnica:
tipo
de
licitação
utilizado
exclusivamente para serviços de natureza
predominantemente intelectual. (art. 46, § 1º)
c) técnica e preço: utilizado exclusivamente para
serviços de natureza predominantemente intelectual.
(Art. 46, § 2º)
d)
maior
lance
ou
oferta:
critério
utilizado
exclusivamente para a modalidade leilão.

26/05/2015

MODALIDADES DE LICITAÇÃO Modalidades licitatórias são os diferentes ritos previstos na legislação para o processamento da
MODALIDADES DE LICITAÇÃO
Modalidades
licitatórias
são
os
diferentes
ritos
previstos
na
legislação
para
o
processamento
da
licitação.
O
art.
22
da
Lei
n.
8.666/93
menciona
cinco
modalidades:
concorrência
tomada de preços
convite
concurso
leilão.
MODALIDADES DE LICITAÇÃO As três primeiras modalidades mencionadas – concorrência, tomada de preços e convite –
MODALIDADES DE LICITAÇÃO
As
três
primeiras
modalidades mencionadas –
concorrência, tomada de preços e convite –
diferenciam-se basicamente em função do valor do
objeto, conforme preconiza o art. 23 da Lei 8666/93.

26/05/2015

CONCORRÊNCIA Concorrência é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados que, na fase inicial de habilitação
CONCORRÊNCIA
Concorrência é a modalidade de licitação entre
quaisquer interessados que, na fase inicial de
habilitação preliminar, comprovem possuir os
requisitos mínimos de qualificação exigidos no edital
para execução de seu objeto (art. 22, § 1º, da Lei n.
8.666/93).
Trata-se da modalidade formalmente mais rigorosa
pois, conforme já exposto, envolve objetos de
elevado valor.
TOMADA DE PREÇOS É a modalidade entre interessados devidamente cadastrados ou que atendam às condições do
TOMADA DE PREÇOS
É a modalidade entre interessados devidamente
cadastrados ou que atendam às condições do edital
até três dias antes da data do recebimento das
propostas, observada a necessária qualificação
(art. 22, § 2º, da Lei n.8.666/93).

26/05/2015

CONVITE É a modalidade de licitação entre interessados do ramo pertinente ao seu objeto, cadastrados ou
CONVITE
É a modalidade de licitação entre interessados do ramo
pertinente ao seu objeto, cadastrados ou não, escolhidos
e convidados em número mínimo de três pela unidade
administrativa, a qual afixará, em local apropriado, cópia
do instrumento convocatório e o estenderá aos demais
cadastrados na correspondente especialidade que
manifestarem seu interesse com antecedência de até 24
horas da apresentação das propostas (art. 22, § 3º, da
Lei n. 8.666/93).
Ao contrário da concorrência e
tomada de preços, no convite não
existe edital e sim a chamada carta
- convite.
CONCURSO Concurso é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para escolha de trabalho técnico, científico
CONCURSO
Concurso
é
a
modalidade
de
licitação
entre
quaisquer interessados
para
escolha
de
trabalho
técnico,
científico
ou
artístico,
mediante
a
instituição de prêmios (como uma viagem) ou
remuneração (em
dinheiro)
aos
vencedores,
conforme critérios constantes de edital (art. 22, § 4º,
da Lei n. 8.666/93).
Uma característica EXCLUSIVA do concurso é a de
que seu julgamento poderá ser feito por pessoas que
NÃO são servidores públicos.

26/05/2015

LEILÃO Nos termos do art. 24, § 5º, da Lei n. 8.666/93, leilão é a modalidade
LEILÃO
Nos termos do art. 24, § 5º, da Lei n. 8.666/93, leilão é a
modalidade de licitação entre quaisquer interessados,
que possui como critério de julgamento das propostas o
de maior lance ou oferta (no mínimo igual ou superior ao
valor da avaliação) para a venda de bens:
1) móveis inservíveis;
2) produtos legalmente apreendidos ou penhorados;
3) imóveis oriundos de procedimentos judiciais ou
doação, (nesse caso, a Administração poderá optar pela
concorrência).
MODALIDADES NÃO PREVISTAS NA LEI 8666/93 Embora não previstas na Lei de licitação e contratos, mais
MODALIDADES NÃO PREVISTAS NA LEI 8666/93
Embora não previstas na Lei de licitação e contratos,
mais duas modalidades foram estabelecidas em outros
diplomas legais:
consulta
(Lei
n.
9.472/97):
é
uma
modalidade
de
licitação exclusiva da Agência Nacional
de
Telecomunicações – Anatel e será realizada mediante
procedimentos próprios
normativos expedidos
determinados
por
atos
pela
agência,
vedada
sua
utilização para contratação de obras e serviços de
engenharia;
pregão (Lei n. 10.520/2002): modalidade de licitação
válida para todas as esferas federativas e utilizada para
contratação de bens e serviços comuns
(independentemente do valor), a saber: aqueles cujos
padrões de desempenho e qualidade possam ser
objetivamente definidos pelo edital, por meio de
especificações usuais no mercado.

26/05/2015

ADJUDICAÇÃO Última etapa de um processo licitatório, consiste no ato administrativo declaratório e vinculado de atribuição
ADJUDICAÇÃO
Última etapa de um processo licitatório, consiste no
ato administrativo declaratório e vinculado de
atribuição jurídica do objeto da licitação ao vencedor
do certame.
A adjudicação produz dois efeitos principais:
a) atribui o direito ao vencedor de não ser preterido na
celebração do contrato (sob pena de nulidade – art. 50).
b) provoca a liberação dos licitantes vencidos (que
podem retirar os documentos apresentados).
ADJUDICAÇÃO Importante destacar que o adjudicatário não tem direito adquirido à celebração do contrato, mas mera
ADJUDICAÇÃO
Importante destacar que o adjudicatário não tem
direito adquirido à celebração do contrato, mas mera
expectativa de direito. Isso porque, mesmo após a
adjudicação, a Administração não é obrigada a celebrar
o contrato, cabendo-lhe avaliar a conveniência e
oportunidade da contratação. Porém, caso resolva pela
contratação, é obrigada a escolher o vencedor da
licitação.

26/05/2015

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS A expressão “contratos da Administração” é utilizada em sentido amplo para abranger todos os
CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
A expressão “contratos da Administração” é utilizada em
sentido amplo para abranger todos os contratos
celebrados pela Administração Pública sob os regimes de
direito público ou privado.
Contratos
administrativos
são
ajustes
que
a
Administração, nessa
qualidade, celebra com pessoas
físicas
ou
jurídicas,
públicas
ou
privadas,
para
a
consecução de fins públicos, segundo regime jurídico de
direito público.
CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Sobre a natureza jurídica, os contratos administrativos são regidos por suas cláusulas e pelas
CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
Sobre
a
natureza
jurídica,
os
contratos
administrativos são regidos por suas cláusulas e
pelas normas e preceitos de direito público, sendo
que as normas de direito privado relativas a contratos
apenas serão utilizadas de forma supletiva.

26/05/2015

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Nos contratos da Administração (de direito privado), a Administração se nivela ao particular (traço
CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
Nos contratos da Administração (de direito privado), a
Administração se nivela ao particular (traço da
horizontalidade). Ex.: contrato de locação de imóvel.
CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Nos contratos administrativos (de direito público), a Administração age como poder público, com todo
CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
Nos contratos administrativos (de direito público), a
Administração age como poder público, com todo o
seu poder de império sobre o particular (traço da
verticalidade).
Caracteriza-se por prerrogativas e sujeições. Ex.:
contratos de concessão, compras de materiais e
serviços e outros.

26/05/2015

TERMO DE CONTRATO A contratação deve ser formalizada por meio de Termo de Contrato ou propriamente
TERMO DE CONTRATO
A contratação deve ser formalizada por meio de Termo
de Contrato ou propriamente Contrato nas seguintes
hipóteses (art. 62, & 4º da Lei 8.666/1993):
licitações realizadas nas modalidades tomada de
preços, concorrência e pregão.
dispensa e inexigibilidade de licitação cujo valor esteja
compreendido nos limites das modalidades tomada de
preços e concorrência.
contratações de qualquer valor das quais resultem
obrigações futuras, por exemplo: entrega futura e
parcelada do objeto e exigência de assistência técnica.
TERMO DE CONTRATO Nos demais casos, o termo de contrato é facultativo, podendo ser substituído pelos
TERMO DE CONTRATO
Nos demais casos, o termo de contrato é facultativo,
podendo ser substituído pelos instrumentos hábeis a
seguir: carta-contrato, nota de empenho de despesa,
autorização de fornecimento e ou ordem de serviço.
A Administração também pode dispensar o termo de
contrato nas compras com entrega imediata e integral
dos bens adquiridos, das quais não resultem obrigações
futuras, inclusive
independentemente do
modalidade utilizada.
assistência técnica,
valor
da
contratação
e
da

26/05/2015

APROVAÇÃO DA ASSESSORIA JURÍDICA A Lei nº 8.666/1993 tornou obrigatória a elaboração da minuta do futuro
APROVAÇÃO DA ASSESSORIA JURÍDICA
A Lei nº 8.666/1993 tornou obrigatória a elaboração da
minuta do futuro contrato, que deve acompanhar o ato
convocatório da licitação.
As minutas do contratos administrativos, assim como as
dos acordos, convênios ou ajustes, devem ser
obrigatoriamente examinadas e aprovadas previamente
pela Assessoria Jurídica da Administração ( art. 38, & único
da Lei nº 8.666/1993).
O exame e aprovação jurídica é requisito essencial para a
validade do ajuste.
CLAUSULAS NECESSÁRIAS AO CONTRATO ADMINISTRATIVO (Art. 55 da Lei 8.666/1993) A falta de estipulação destas condições
CLAUSULAS NECESSÁRIAS AO CONTRATO
ADMINISTRATIVO
(Art. 55 da Lei 8.666/1993)
A falta de estipulação destas condições ou cláusulas
obrigatórias, em qualquer contrato celebrado pela
Administração Pública, implicará na sua nulidade.
São cláusulas necessárias em todo contrato as que
estabeleçam (art. 55):
I.
Objeto e seus elementos característicos;
II. Regime de execução e forma de fornecimento;
III.
Preço
e
condições
de
pagamento
(critérios
de
reajustamento);
IV. Prazo de início de etapas de execução, conclusão,
entrega e recebimento definitivos;

26/05/2015

CLAUSULAS NECESSÁRIAS AO CONTRATO ADMINISTRATIVO (Art. 55 da Lei 8.666/1993) V. Crédito pelo qual correrá a
CLAUSULAS NECESSÁRIAS AO CONTRATO
ADMINISTRATIVO
(Art. 55 da Lei 8.666/1993)
V. Crédito pelo qual correrá a despesa;
VI. Garantias oferecidas para assegurar sua plena execução,
quando exigidas;
VII. Direitos e responsabilidades das partes, penalidades
cabíveis e os valores das multas;
VIII. Os casos de rescisão;
IX. O reconhecimento dos direitos da Administração, em
casos de rescisão administrativa (art. 77 da Lei 8.666/93);
CLAUSULAS NECESSÁRIAS AO CONTRATO ADMINISTRATIVO (Art. 55 da Lei 8.666/1993) X. Condições de importação, data, taxa
CLAUSULAS NECESSÁRIAS AO CONTRATO
ADMINISTRATIVO
(Art. 55 da Lei 8.666/1993)
X. Condições de importação, data, taxa de câmbio, quando
for o caso;
XI. Vinculação ao edital/convite de licitação ou ao termo de
dispensa ou inexigibilidade;
XII. Legislação aplicável e especialmente os casos omissos;
XIII. Obrigação do contratado de manter durante a execução
do contrato as condições de habilitação e qualificação
exigidas.

26/05/2015

FISCALIZAÇÃO DO CONTRATO ADMINISTRATIVO (Art. 67 da Lei 8.666/1993) A execução do contrato deverá ser acompanhada
FISCALIZAÇÃO DO CONTRATO ADMINISTRATIVO
(Art. 67 da Lei 8.666/1993)
A execução do contrato deverá ser acompanhada e
fiscalizada por um representante da Administração
especialmente designado, permitida a contratação de
terceiros para assisti-lo e subsidiá-lo de informações
pertinentes a essa atribuição, sujeita à regra geral da
prévia licitação.
A este fiscal caberá anotar em registro próprio todas as
ocorrências relacionadas com a execução do contrato,
determinando o que for necessário à regularização das
faltas ou defeitos observados, ou se as decisões
ultrapassarem sua competência, solicitá-las a seus
superiores.
FISCALIZAÇÃO DO CONTRATO ADMINISTRATIVO (Art. 67 da Lei 8.666/1993) É dever da Administração acompanhar e fiscalizar
FISCALIZAÇÃO DO CONTRATO ADMINISTRATIVO
(Art. 67 da Lei 8.666/1993)
É dever da Administração acompanhar e fiscalizar a
execução do contrato, para verificar o cumprimento das
disposições avençadas, tanto técnicas quanto
administrativas.
A fiscalização do contrato é importante instrumento de
defesa do interesse público e visa assegurar a
efetividade da proposta mais vantajosa contratada pela
Administração.
A Administração deve manter, durante a execução do
contrato, profissional ou equipe de fiscalização
habilitada, com a experiência técnica necessária ao
acompanhamento e controle do serviço que está sendo
executado.

26/05/2015

REPRESENTANTE DO CONTRATADO (Art. 68 da Lei 8.666/1993) O contratado deverá manter preposto, aceito pela Administração,
REPRESENTANTE DO CONTRATADO
(Art. 68 da Lei 8.666/1993)
O contratado deverá manter preposto, aceito pela
Administração, no local da obra ou serviço, para
representá-lo na execução do contrato.
APLICAÇÃO DE PENALIDADE (Art. 87 da Lei 8.666/1993) A aplicação de penalidades é outra prerrogativa da
APLICAÇÃO DE PENALIDADE
(Art. 87 da Lei 8.666/1993)
A aplicação de penalidades é outra prerrogativa da
Administração Pública, pois é ela própria que valora as
infrações e aplica as sanções correspondentes.

26/05/2015

APLICAÇÃO DE PENALIDADE (Art. 87 da Lei 8.666/1993) São sanções aplicáveis: I. Advertência; II. Multa, na
APLICAÇÃO DE PENALIDADE
(Art. 87 da Lei 8.666/1993)
São sanções aplicáveis:
I. Advertência;
II. Multa, na forma prevista no edital ou contrato;
III. Suspensão temporária de participação em licitação
e impedimento de contratar com a Administração por
prazo
estipulado na legislação;
IV. Declaração de inidoneidade para licitar ou contratar
com a Administração Pública, enquanto perdurarem os
motivos determinantes ou até que seja promovida a
reabilitação perante a autoridade que aplicou a
penalidade, depois de o contratado ressarcir a
Administração pelos prejuízos causados e decorrido o
prazo da sanção aplicada.
NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO A nulidade ocorre quando é verificada ilegalidade no contrato. A declaração de
NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO
A
nulidade
ocorre quando é verificada ilegalidade no
contrato.
A declaração de nulidade do contrato administrativo torna
o contrato inexistente e invalida seus efeitos passados e
futuros.
A Administração tem o dever de indenizar o contratado pelo
que ele tiver executado e por outros prejuízos devidamente
comprovados até o momento em que a nulidade for
declarada. Não cabe indenização quando for comprovada a
responsabilidade do contratado por esses prejuízos.

26/05/2015

NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO A Administração pode ser responsabilizada por danos causados ao contratado ou a
NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO
A Administração pode ser responsabilizada por danos
causados ao contratado ou a terceiros, nas seguintes
hipóteses previstas na Lei nº 8.666/1993:
- de acordo com o art. 59, & único, quando há declaração
de nulidade do contrato, cabe à Administração o dever de
indenizar e não ao dever de remunerar;
- sendo o contratado o responsável pela nulidade contratual
terá o direito apenas ao custo do que executou, excluída a
parcela remuneratória;
NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO - se ficar demonstrada a culpa da Administração, o contratado fará jus
NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO
- se ficar demonstrada a culpa da Administração, o
contratado fará jus ao pagamento do preço integral ( custo
mais remuneração ) do que houver sido executado;
- de acordo com o art. 70, quando há falha na fiscalização
de obras contratadas,
em princípio, o Estado
não será
responsável pelos danos provocados por atos do
contratado;

26/05/2015

NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO - a existência de defeitos na fiscalização pode tornar o Poder Público
NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO
- a existência de defeitos na fiscalização pode tornar o
Poder Público solidariamente responsável perante terceiros
ou mesmo escusar o contratado da responsabilidade;
- nessa hipótese, haverá necessidade de ser demonstrada a
culpa da Administração.
Exemplo: empresa contratada para construir uma
edificação e se constate a existência de falhas no projeto
fornecido pelo Poder Público e alerta a fiscalização, que
não leva em conta o aviso e determina o prosseguimento
das obras;
NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO De acordo com o art. 79, & 2º, se o contrato for
NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO
De acordo com o art. 79, & 2º, se o contrato for rescindido
e a rescisão não se fundamentar no inadimplemento do
particular, o contratado deverá ser amplamente indenizado.

26/05/2015

NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO De acordo com o art. 71, & 2º da Lei nº 8.666/1993,
NULIDADE DO CONTRATO ADMINISTRATIVO
De
acordo
com
o
art.
71,
&
da
Lei
nº 8.666/1993, a
Administração
responde,
de
forma
solidária,
pelos
encargos
previdenciários
resultantes
da
execução
do
contrato,
nos
termos
do
art.
31
da
Lei
Federal
8.212/1991.
Ressalte-se que, caso esteja configurada a culpa “in
vigilando”, o TST tem imputado responsabilidade
subsidiária ao Poder Público pelo pagamento de encargos
trabalhistas inadimplidos pelo contratado.
DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES É obrigação da Administração, dentre outras obrigações específicas, para execução do
DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES
É obrigação da Administração, dentre outras obrigações
específicas, para execução do objeto contratado:
• Impedir que terceiros estranhos façam a execução da
obra, serviços ou fornecimento, exceto nos casos de
subcontratação admitidos no edital e no contrato;
• Prestar as informações e os esclarecimentos solicitados
pelo contratado;
• Solicitar a reparação do objeto contratado, que esteja
em desacordo com a especificação ou apresentar defeito;
• Efetuar o pagamento no prazo previsto no contrato.

26/05/2015

DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES É obrigação do contratado, dentre outras obrigações específicas para execução do
DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES
É obrigação do contratado, dentre outras obrigações
específicas para execução do objeto contratado:
• Responder em relação aos seus empregados, por todas
as despesas decorrentes da execução do objeto (salários,
benefícios e encargos sociais);
• Responder por quaisquer danos causados diretamente à
Administração ou a terceiros, decorrentes de sua culpa ou
dolo na execução do contrato.
A fiscalização ou acompanhamento do contrato pela
Administração não exclui ou reduz a responsabilidade do
contratado.
DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES • Manter os seus empregados devidamente identificados, devendo substituí-los imediatamente caso
DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES
• Manter os seus empregados devidamente identificados,
devendo substituí-los imediatamente caso sejam
considerados inconvenientes à boa ordem e às normas
disciplinares da Administração;
• Arcar com a despesa decorrente de qualquer infração,
seja ela qual for, desde que praticada por seus
empregados nas instalações da Administração;
• Comunicar à Administração, por escrito, qualquer
anormalidade de caráter urgente;
• Prestar à Administração os esclarecimentos que julgar
necessários para a boa execução do contrato.

26/05/2015

DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES O contratado deve responsabilizar-se pelos seguintes encargos, em especial: • Fiscais,
DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES
O contratado deve responsabilizar-se pelos seguintes
encargos, em especial:
• Fiscais, comerciais, previdenciários e obrigações sociais e
trabalhistas, obrigando-se a saldá-los na época própria, uma
vez que os seus empregados não manterão nenhum vínculo
empregatício com o órgão licitador;
• Por possível demanda trabalhista, civil
relacionados à execução do contrato;
ou penal,
• Por providências e obrigações estabelecidas na legislação
específica de acidentes do trabalho.
DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES A inadimplência relativa a esses encargos não transfere à Administração a
DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES
A inadimplência relativa a esses encargos não transfere à
Administração a responsabilidade por seu pagamento, nem
onera o objeto do contrato ou restringe a sua regularização
e o uso das obras e edificações.
O contratado deve renunciar expressa e contratualmente a
qualquer vínculo de solidariedade, ativa ou passiva, para
com a Administração.

26/05/2015

DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES Por força de lei, a Administração responde solidariamente com o contratado
DIREITO E RESPONSABILIDADES DAS PARTES
Por força de lei, a Administração responde solidariamente
com o contratado pelos encargos previdenciários
resultantes da execução do contrato.
A documentação relativa à regularidade com a Seguridade
Social é exigência obrigatória nas contratações e
pagamentos decorrentes de qualquer procedimento de
licitação (a cada pagamento efetivado).
SANÇÕES ADMINISTRATIVAS O Contratado pode ficar impedido de contratar com a Administração pelo prazo de até
SANÇÕES ADMINISTRATIVAS
O Contratado pode ficar impedido de contratar com a
Administração pelo prazo de até 2 anos se, dentre
outros motivos:
• falhar na execução do contrato;
• fraudar a execução do contrato;
• comportar-se de modo inidôneo;
• cometer fraude fiscal.

26/05/2015

MOTIVOS PARA RESCISÃO (arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93 • não cumprimento ou cumprimento
MOTIVOS PARA RESCISÃO
(arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93
• não cumprimento ou cumprimento irregular de
cláusulas
contratuais, especificações, projetos ou prazos;
• lentidão no cumprimento do contrato levando a
Administração a comprovar a impossibilidade da
conclusão do objeto, nos prazos estipulados;
atrasos
injustificados
para
o
início
do
objeto
contratado;
• paralisação do objeto contratado, sem justa causa e
prévia comunicação à Administração;
• subcontratação total ou parcial (associação, cessão,
transferência, fusão, cisão ou incorporação), não
admitidas no edital e no contrato;
MOTIVOS PARA RESCISÃO (arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93 • não atendimento das determinações
MOTIVOS PARA RESCISÃO
(arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93
• não atendimento das determinações regulares da
autoridade designada para acompanhar e fiscalizar a
execução do contrato, inclusive de seus superiores;
• cometimento
reiterado de faltas na execução do
contrato;
• decretação de falência ou instauração de insolvência
civil;
dissolução
da
sociedade
ou
falecimento
do
contratado;
• alteração social ou modificação da finalidade ou
estrutura da empresa, que prejudique a execução do
contrato;

26/05/2015

MOTIVOS PARA RESCISÃO (arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93 • razões de interesse público,
MOTIVOS PARA RESCISÃO
(arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93
• razões de interesse público, de alta relevância e amplo
conhecimento, justificadas e determinadas pela máxima
autoridade da esfera administrativa a que está
subordinada a Administração e exaradas no processo
administrativo a que se refere o contrato;
• supressão, por parte da Administração de obras,
serviços ou materiais, acarretando modificações do
valor inicial do contrato além do limite permitido;
MOTIVOS PARA RESCISÃO (arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93 • suspensão da execução do
MOTIVOS PARA RESCISÃO
(arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93
• suspensão da execução do contrato, por ordem escrita
da Administração, por prazo superior a 120 dias, salvo
em caso de calamidade pública, grave perturbação da
ordem interna ou guerra, ou ainda por repetidas
suspensões que totalizem o mesmo prazo (direito do
contratado de suspender as obrigações assumidas até
que seja normalizada a situação);
• atraso superior a 90 dias dos pagamentos devidos pela
Administração, salvo em caso de calamidade pública,
grave perturbação da ordem interna ou guerra (direito
do contratado de suspender as obrigações assumidas
até que seja normalizada a situação);

26/05/2015

MOTIVOS PARA RESCISÃO (arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93 • não liberação, por parte
MOTIVOS PARA RESCISÃO
(arts. 78, 79 e 80 da Lei 8.666/93
• não liberação, por parte da Administração, de área,
local ou objeto do contrato, nos prazos estipulados, bem
como das fontes de materiais naturais especificadas no
projeto;
ocorrência
de
caso
fortuito
ou
de força maior,
regularmente comprovada, impeditiva da execução do
contrato.
DESVIRTUAMENTO DO OBJETO Em hipótese alguma, em nome de se alterar o contrato administrativo, seu objeto
DESVIRTUAMENTO DO OBJETO
Em hipótese alguma, em nome de se alterar o contrato
administrativo, seu objeto pode ser desvirtuado.
Assim, não é possível contratar serviços de chaveiro e
modificar o contrato para serviços de instalação de
divisórias.
Isso implicaria a realização de nova licitação, com
assinatura de outro instrumento contratual.

26/05/2015

26/05/2015 33
26/05/2015 33

26/05/2015

26/05/2015 34
26/05/2015 34

26/05/2015

26/05/2015 35
26/05/2015 35

26/05/2015

26/05/2015 36
26/05/2015 36

26/05/2015

26/05/2015 37
26/05/2015 37

26/05/2015

26/05/2015 38
26/05/2015 38

26/05/2015

26/05/2015 39
26/05/2015 39

26/05/2015

26/05/2015 40
26/05/2015 40

26/05/2015

26/05/2015 41
26/05/2015 41

26/05/2015

26/05/2015 42
26/05/2015 42

26/05/2015

26/05/2015 43