Você está na página 1de 86
Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia
Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia

Universidade Federal de Minas Gerais

Escola de Engenharia

PROJETO PEDAGÓGICO DO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

VOLUME 1

Belo Horizonte – MG

Março de 2012

SUMÁRIO

1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA UFMG

1

1.1

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1

1.2

PERFIL INSTITUCIONAL, MISSÃO, BREVE HISTÓRICO

2

1.2.1

Missão

2

1.2.2

Breve Histórico

2

2 CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO

6

2.1

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE E DO CURSO

6

2.2

BREVE HISTÓRICO DA UNIDADE E DO CURSO

7

3 REQUISITOS DE ACESSO

8

4 BASES LEGAIS

 

9

5 OBJETIVOS

10

5.1 OBJETIVOS GERAIS

10

5.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

10

6 PERFIL DO EGRESSO

11

7 PRINCÍPIOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS

13

8 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

14

8.1 TRAJETÓRIAS/PERCURSOS DE INTEGRALIZAÇÃO

15

8.2 REPRESENTAÇÃO DO CURRÍCULO

16

8.3 EIXO METODOLÓGICO

27

8.4 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

30

8.5 ESTÁGIO SUPERVISIONADO

30

8.6 ATIVIDADES ACADÊMICO - CIENTÍFICO - CULTURAIS DE NATUREZA OPTATIVA

31

9 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

32

10 POLÍTICAS E PROGRAMAS DE PESQUISA E EXTENSÃO

34

11 INSTALAÇÕES, LABORATÓRIOS E EQUIPAMENTOS

37

12 BIBLIOTECA

 

40

13 GESTÃO DO CURSO, PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO

43

13.1 GESTÃO DO CURSO

43

13.2 FUNCIONÁRIOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

43

13.3 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE)

44

14 AVALIAÇÃO DO CURSO

45

1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA UFMG

1.1 Dados de Identificação

Mantenedora: Ministério da Educação

 

IES: Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

 

Natureza Jurídica:

CNPJ:

Pessoa Jurídica de Direito Público - Federal

00.394.445/0188-17

 

Fone:

Endereço:

Av: Antônio Carlos, 6627 Pampulha – Belo Horizonte – MG CEP: 31270 – 901

+55 (31) 3409-5000

Sitio: http//: ufmg.br e-mail: reitor@ufmg.br

Ato Regulatório: Credenciamento Lei Estadual

Prazo de Validade:

documento: 956

Vinculado ao Ciclo Avaliativo

Data de Publicação: 07/09/1927

Ato Regulatório: Recredenciamento Lei Federal

Prazo de Validade:

Vinculado ao Ciclo Avaliativo

documento: 971

Data de Publicação: 19/12/1949

CI

- Conceito Institucional

4

2009

IGC – Índice Geral de Cursos

5

2009

IGC Contínuo

4.1700

2009

Reitor: Clelio Campolina Diniz

Gestão: 2010 - 2014

1

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

1.2 Perfil Institucional, Missão, Breve Histórico

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), nos termos do seu Estatuto, aprovado pelo Conselho Universitário em 5 de julho de 1999, tem por finalidades precípuas a geração, o desenvolvimento, a transmissão e a aplicação de conhecimentos por meio do ensino, da pesquisa

e da extensão, compreendidos de forma indissociada e integrados na educação e na formação

técnico-profissional dos cidadãos, bem como na difusão da cultura e na criação filosófica, artística e tecnológica. No cumprimento dos seus objetivos, a UFMG mantém cooperação acadêmica, científica, tecnológica e cultural com instituições nacionais e internacionais e constitui-se, também, em veículo de desenvolvimento regional, nacional e internacional.

1.2.1 Missão

Gerar e difundir conhecimentos científicos, tecnológicos e culturais, destacando-se como Instituição de referência nacional na formação de indivíduos críticos e éticos, dotados de sólida base científica e humanística e comprometidos com intervenções transformadoras na sociedade e com o desenvolvimento sustentável.

1.2.2 Breve Histórico

No século XVIII, a criação de uma Universidade em Minas Gerais já fazia parte do projeto político dos Inconfidentes. A proposta, entretanto, só veio a se concretizar na terceira década do século XX, no bojo de intensa mobilização intelectual e política que teve no então Presidente do Estado, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, sua principal expressão. Nesse contexto, pela Lei Estadual nº 956, de 7 de setembro de 1927, foi fundada a Universidade de Minas Gerais (UMG), pela reunião das quatro instituições de ensino superior existentes, à época, em Belo Horizonte: a Faculdade de Direito, criada em 1892; a Faculdade de Medicina, criada em 1911; a Escola de Engenharia, criada em 1911; e a Escola de Odontologia e Farmácia, cujos cursos foram criados em, respectivamente, 1907 e 1911. O primeiro Reitor da UMG, nomeado em 10 de novembro do mesmo ano, foi Francisco Mendes Pimentel, Diretor da Faculdade de Direito, que foi sede da primeira Reitoria.

Um ano depois, os planos do governo estadual para a UMG voltaram-se à necessidade da construção de um complexo universitário, já então denominado Cidade Universitária. Como resultado de uma parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte, foram colocados à disposição da UMG 35 quarteirões, com 639 lotes e área equivalente a 500.000 m 2 , nos bairros de Lourdes e Santo Agostinho. Contudo, essa localização, em plena zona urbana – e, em especial, de ocupação

e valorização iminentes –, foi, à época, muito questionada, por se considerar que tal situação

acabaria por implicar uma limitação ao crescimento futuro do espaço físico da Instituição. Em

1937, porém, o Interventor Benedito Valadares destinou, no âmbito de seu plano educacional, nova área para essa Universidade, nas proximidades do Parque Municipal.

Acontecimentos políticos, no entanto, deram outra direção à consolidação do desejado espaço universitário. Em um quadro em que o Governo do Estado Novo era hostilizado pela camada estudantil, a ideia de situar as universidades longe das regiões centrais das cidades tornou-se adequada ao sistema. Assim, em 1942, a Fazenda Dalva, situada na zona suburbana de Belo Horizonte, na região da Pampulha, foi desapropriada e destinada a sede da Cidade Universitária.

2

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

Tal decisão foi aprovada pela comunidade universitária, por intermédio de Comissão criada para interlocução com o Governo, findo o período do Estado Novo, considerando-se a amplitude, tranquilidade e topografia da área, sua relativa proximidade ao centro urbano e a facilidade de transportes.

A partir da década de 1960, iniciou-se a real implantação do Campus Pampulha. O Plano Diretor para a Cidade Universitária, que definia o sistema viário e o zoneamento das atividades por áreas de conhecimento e serviços, foi concluído em 1957, quando foram iniciadas as respectivas obras de infraestrutura e de apoio. Em sequência, foram projetados e edificados os prédios da Reitoria, do Estádio Universitário – a ser construído pelo Estado –, do Instituto de Pesquisas Radioativas – atualmente sob administração do Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN), dos Institutos de Mecânica e Eletrotécnica – atual Colégio Técnico –, e de uma Unidade Residencial – hoje, Unidade Administrativa II –, cujo prédio, porém, se manteve inacabado por bom tempo. Prosseguindo em seu processo de expansão e diversificação, a já então denominada Universidade Federal de Minas Gerais incorporou e criou novas Unidades Acadêmicas e cursos:

Escola de Enfermagem (1950), Escola de Veterinária (1961), Conservatório Mineiro de Música (1962), Escola de Belas Artes, Escola de Biblioteconomia (1963) – hoje, Escola de Ciência da Informação – e Escola de Educação Física (1969) –, hoje Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Com a aprovação de seu plano de reestruturação, em 1967, e o advento da Reforma Universitária, em 1968, a UFMG sofreu profunda alteração orgânica, principalmente no que se refere à estrutura do seu sistema de ensino. O desmembramento da antiga Faculdade de Filosofia deu origem à Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, ao Instituto de Ciências Biológicas e ao Instituto de Ciências Exatas – ambos responsáveis pela implementação dos ciclos básicos, respectivamente, de ciências biológicas e de ciências Exatas –, ao Instituto de Geociências, à Faculdade de Educação e à Faculdade de Letras. O ciclo básico de Ciências Humanas, ministrado pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, foi instituído apenas em 1973. Ainda em 1968, elaborou-se um plano paisagístico que definiu diretrizes para a implantação definitiva do Campus, o qual foi sendo complementado, até o final dos anos 1990, mediante políticas específicas, o qual permitiram a ocupação do amplo terreno da Pampulha. Em 2001, fez-se a transferência da Faculdade de Odontologia para esse Campus.

Em 1998, foi instituída uma comissão para elaborar o Plano Diretor da UFMG. Embora esse Plano ainda não tenha sido aprovado pelo Conselho Universitário, os princípios norteadores e as proposições que o compõem balizam, até hoje, as decisões relativas ao espaço físico do Campus Pampulha. Nesse mesmo ano, foi instituído um projeto concernente à transferência, para esse Campus, das unidades acadêmicas localizadas na região central de Belo Horizonte, que visava à integração das diversas áreas do conhecimento, à ampliação do número de vagas e à promoção do desenvolvimento acadêmico dessa Universidade. Tal projeto, denominado Campus 2000, possibilitou, em 2004, a transferência da Faculdade de Farmácia para o Campus Pampulha, bem como a ampliação, reforma e modernização de algumas unidades acadêmicas nele instaladas anteriormente. Ainda em execução, esse projeto direciona-se, atualmente, à transferência, para o Campus Pampulha, da Escola de Engenharia e da Faculdade de Ciências Econômicas.

Assim, com a efetiva implantação desse Campus, iniciada na década de 1960, nele se encontram, hoje, 20 Unidades Acadêmicas, uma Unidade Especial – a Escola de Educação Básica e Profissional, que abrange o Centro Pedagógico, o Colégio Técnico e o Teatro Universitário –, os prédios da Administração Central da UFMG, a Praça de Serviços, a Biblioteca Universitária, a Imprensa Universitária, o Centro de Microscopia Eletrônica, os Restaurantes Universitários Setorial I e II, a Estação Ecológica e o Centro de Desenvolvimento da Criança – a “creche da

3

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

UFMG” –, escola de Educação Infantil, que, a partir de 2007, passou a ser administrada pela Prefeitura de Belo Horizonte.

Além do Campus Pampulha, em sua estrutura física atual a UFMG conta com o Campus Saúde, localizado na região central de Belo Horizonte, onde funcionam a Faculdade de Medicina, a Escola de Enfermagem e nove unidades prediais que compõem o Hospital das Clínicas, considerado centro de referência e excelência regional e nacional em medicina de alta complexidade. Em diferentes bairros de Belo Horizonte, localizam-se a Faculdade de Direito, além do Centro Cultural e do Museu de História Natural e Jardim Botânico. Fora da capital, funcionam o Núcleo de Ciências Agrárias, situado no Campus Regional de Montes Claros, e duas fazendas – uma experimental, em Igarapé, e outra modelo, em Pedro Leopoldo, ambas vinculadas à Escola de Veterinária. Em Diamantina, estão instalados o Instituto Casa da Glória (antigo Centro de Geologia Eschwege), órgão complementar e a Casa Silvério Lessa do Instituto de Geociências; em Tiradentes, situa-se o complexo histórico-cultural dirigido pela Fundação Rodrigo Mello Franco de Andrade, que compreende o Museu Casa Padre Toledo e os prédios do Fórum, da Cadeia e do Centro de Estudos.

Essa Universidade permaneceu como Instituição Estadual – UMG – até 17 de dezembro de 1949, quando foi federalizada. Nessa época, já lhe haviam sido integradas a Escola de Arquitetura (1944), a Faculdade de Ciências Econômicas e a Faculdade de Filosofia (1948). A Universidade Federal de Minas Gerais, cujo nome foi adotado em 1965, por determinação do Governo Federal, é pessoa jurídica de direito público, mantida pela União, dotada de autonomia didático-científica, administrativa, disciplinar e de gestão financeira e patrimonial. As 20 Unidades Acadêmicas de Ensino Superior da UFMG são responsáveis pelos cursos de Graduação presenciais e na modalidade a distância, além dos cursos de Especialização, Programas de Residência Médica e demais Programas de Ensino, cursos de Mestrado e Doutorado. No campo da pesquisa, atuam nessa Universidade diferentes grupos, formalmente cadastrados no Diretório Nacional de Grupos de Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Dando cumprimento a essas atividades, atuam mais de 3.600 pesquisadores, entre Doutores ou Livre-Docentes. No tocante à extensão, a Universidade oferta Cursos de extensão, Programas e Projetos não-vinculados a Programas, além de inúmeros eventos e prestações de serviços, beneficiando, anualmente, um público que atinge mais de dois milhões e meio de pessoas.

No Concurso Vestibular para ingresso de alunos nos cursos de Graduação da UFMG, são oferecidas vagas para os diversos cursos de licenciatura e bacharelado, distribuídas entre os turnos diurno e noturno. A Pós-Graduação dessa Universidade oferta vagas para os cursos de especialização, mestrado e doutorado.

Ao lado de uma política de expansão que perpassa sua trajetória desde a fundação, a UFMG tem- se pautado por parâmetros de mérito e qualidade acadêmicos em todas as suas áreas de atuação. Seus docentes têm participação expressiva em Comitês de Assessoramento de órgãos de fomento à pesquisa, em Comitês Editoriais de revistas científicas e em diversas Comissões de Normas Técnicas.

Como Instituição de Ensino Superior integrante do Sistema Federal de Ensino Superior Brasileiro, a UFMG é a maior Universidade Pública do Estado de Minas Gerais e destaca-se não apenas pela abrangência de sua atuação, mas também pelos mais elevados índices de produção intelectual, características que justificam sua posição de referência e de liderança, tanto regional quanto nacional. Estatísticas recentes atestam a importância da produção científica dessa Universidade. Segundo levantamento da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), entre as 11 Instituições de Ensino Superior do País cuja produção mais cresceu no período 1996-2006, o índice de crescimento da UFMG foi de 258%, superior ao

4

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

das cinco que a antecedem nesse ranking. Pesquisa feita no Web of Science, considerando as Instituições Universitárias brasileiras que mais publicam artigos científicos de impacto, indica que a produção científica da UFMG ocupa a quinta posição, com média de citação por artigo de 2,61. Levantamento internacional recente, que avaliou o número de artigos publicados e indexados e a performance acadêmica per capita de todas as Universidades atualmente existentes, situa a UFMG entre as 500 maiores do mundo.

A UFMG desenvolve projetos e programas de ensino, nos níveis de Graduação e de Pós- Graduação, Pesquisa e Extensão, sob a forma de atividades presenciais e a distância, em todas as áreas do conhecimento. Ocupa-se, também, da oferta de cursos de Educação Básica e Profissional – na Escola de Educação Básica e Profissional, no Campus Pampulha, e no Núcleo de Ciências Agrárias, no Campus Regional de Montes Claros. Além de se constituírem um campo de experimentação para a formação no ensino superior, esses sistemas de Educação Básica e Profissional da UFMG compõem um locus de produção teórica e metodológica sobre questões referentes a esses níveis de ensino, inclusive de propostas de integração entre ambos.

5

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

2 CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO

2.1 Dados de Identificação da Unidade e do Curso

Curso: Engenharia Ambiental

Unidade: Escola de Engenharia

 

Fone:

+55 (31) 3409-3552

Endereço: Av. Antônio Carlos, 6.627 - Campus Pampulha – CEP: 31270-901 Belo Horizonte - MG

Sitio:

http//:colgrad.ufmg.br/ambiental

 

e-mail:

ambiental@eng.ufmg.br

Diretor da Unidade:

Gestão:

Benjamin Rodrigues de Menezes

2010-2014

Coordenador do Colegiado:

Gestão:

Sílvia Maria Alves Corrêa Oliveira

13/11/2010 a 12/11/2012

Número de Vagas:

CPC:

50 vagas

Não se aplica

Turno de Funcionamento:

Carga Horária Total:

Diurno

3600 h

Tempo de Integralização:

Modalidade:

Mínimo: 10 semestres Máximo: 17 semestres

Presencial

6

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

2.2 Breve Histórico da Unidade e do Curso

A Escola de Engenharia da UFMG (EE/UFMG) é uma das mais antigas e tradicionais

instituições de ensino de Belo Horizonte, comemorando 100 anos em 2011, com uma trajetória que alcança cerca de 30.000 pessoas, entre alunos, professores e funcionários. Atualmente, cerca

de 6.500 estudantes estão matriculados nos 11 cursos de graduação e nos 20 cursos de pós-

graduação (stricto e lato sensu).

Ao longo de sua trajetória, tem oferecido à sociedade o melhor e mais moderno padrão de ensino. Destaca-se por ter uma proposta de ensino baseada na formação de alunos com elevada capacitação técnica, e inclui nos currículos dos seus cursos os aspectos considerados imprescindíveis para formar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento científico, tecnológico e cultural da sociedade brasileira. Desta forma, aspectos como responsabilidade social, capacidade crítica e respeito ambiental são temas que perpassam toda a vida acadêmica na EE/UFMG.

A pesquisa científica e tecnológica desenvolvida na EE/UFMG e os trabalhos de extensão

universitária apresentam reconhecido nível de qualidade, beneficiando a comunidade universitária e contribuindo para o aprimoramento do trabalho em instituições públicas e privadas, nacionais e internacionais. Essa excelência deve-se ao seu corpo docente altamente

qualificado e ao corpo técnico-administrativo, que estão em constante aprimoramento profissional.

É neste contexto de busca pela excelência acadêmica e profissional que se insere o curso de Engenharia Ambiental da UFMG, criado no âmbito do projeto REUNI, e que teve sua primeira oferta em 2009. O curso conta com participações de diversos departamentos da Escola de Engenharia e de vários departamentos de outras unidades da UFMG, totalizando 28 departamentos, aproveitando a capacitação e o conhecimento já instalados em outros setores da UFMG.

A área de controle ambiental é reconhecidamente uma das áreas prioritárias no Brasil e no

mundo, fazendo com que haja uma grande demanda por profissionais altamente qualificados. Pelo reconhecimento tão amplo da sociedade e por seu caráter prioritário, considera-se desnecessária, no presente projeto, a descrição da importância da preservação do meio ambiente e da disponibilização de infraestrutura sanitária em Minas Gerais e no Brasil.

Os

profissionais egressos de cursos de Engenharia Ambiental atuam na iniciativa privada (firmas

de

consultoria e indústria) e em órgãos públicos (órgãos ambientais, companhias de saneamento,

prefeituras, órgãos gestores, instituições de ensino e pesquisa, entre outros).

No Brasil, há mais de 150 cursos de graduação em Engenharia Ambiental, com participação das principais instituições de ensino superior público, embora a maioria dos cursos seja ofertado por faculdades particulares.

Nas regiões sudeste e sul, as principais universidades públicas passaram a ofertar, nos últimos anos, este curso, com destaque para UFRJ, UFES, USP-São Paulo, USP-São Carlos, UFPR, UFSC, UFRGS. Em Minas Gerais, destacam-se a UFOP e a UFV e, em Belo Horizonte, a FUMEC.

Este cenário de ampla participação de diversas universidades e de grande demanda para o setor ambiental, aliado à importância regional e nacional da UFMG, foi um fator decisivo para que a UFMG passasse a ofertar seu curso de graduação em Engenharia Ambiental.

7

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

3 REQUISITOS DE ACESSO

De acordo como Regimento Geral da UFMG a admissão dos alunos da graduação ocorreu, até o ano de 2013, mediante processo seletivo, via vestibular, com base nas normas estabelecidas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE). Nesse sentido, em observância às normas Institucionais, a Comissão Permanente do Vestibular (COPEVE) era o órgão responsável pela determinação e execução das atividades relativas ao Concurso Vestibular.

O Enem substituía a prova de primeira etapa da UFMG, enquanto as provas específicas da

segunda etapa do vestibular para o Curso de Engenharia Ambiental são: Física, Matemática “B”,

Química, Língua Portuguesa e Literatura Brasileira “A”

Uma vez encerrado o período de matrícula nas vagas iniciais de cada curso, as vagas remanescentes porventura existentes são providas por meio de processo seletivo específico, regulamentado pelas Normas Gerais de Graduação. Entende-se por vagas remanescentes a diferença entre o quantitativo total de vagas ofertadas em um curso e o número de alunos a ele vinculados, calculada de acordo com norma específica estabelecida pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

As vagas remanescentes são oferecidas à comunidade através dos procedimentos de Rematrícula,

Reopção, Transferência e Obtenção de Novo Título. A rematrícula é a readmissão, ao mesmo curso, de aluno desligado da UFMG; a reopção é a transferência do aluno de um para outro curso

da UFMG; a transferência é a admissão, a cursos de Graduação da UFMG, de alunos oriundos de

cursos correspondentes ou afins, ofertados por outras instituições de ensino superior, nacionais

ou estrangeiras; a obtenção de novo título é a oportunidade de o portador de diploma de curso de

Graduação, com validade no País, iniciar novo curso de mesmo nível na UFMG. Será, ainda, facultada ao graduado em curso da UFMG com mais de uma habilitação ou ênfase, a possibilidade de requerer a Continuidade de Estudos, para obter outra habilitação ou ênfase no mesmo curso, observadas as Normas Gerais de Graduação.

A partir de 2014, a UFMG passará a adotar o Sisu – (Sistema de Seleção Unificada) como

processo seletivo. O Sisu, criado pelo Governo Federal em parceria com o MEC, seleciona os estudantes através de suas notas no ENEM, o Exame Nacional do Ensino Médio. A média obtida na prova é a única etapa no processo seletivo. Depois de realizar a inscrição no site disponibilizado pelo MEC, os candidatos podem consultar e se inscrever para tentar as vagas disponíveis, pesquisando as instituições e os seus respectivos cursos participantes. A UFMG acredita que o Sisu permite uma seleção mais democrática, aproximando o Brasil do sistema adotado por outros países, adeptos do vestibular unificado.

8

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

4 BASES LEGAIS

A criação do Curso de Engenharia Ambiental contempla os seguintes itens:

a) Cumprimento das metas previstas no Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI) 2008- 2012 da UFMG, no que se refere ao atendimento das demandas sociais e à criação de oportunidades de inclusão social através da expansão das matrículas da graduação; efetivação de um projeto pedagógico que atenda a flexibilização curricular; ampliação das possibilidades de participação dos estudantes em ações que contribuam para uma formação com relevância acadêmica e social, e intensificação das relações com a respectiva área do conhecimento e de atuação profissional.

b) Cumprimento das Diretrizes de Flexibilização Curricular da UFMG aprovada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) em 2001. Segundo esta norma, os currículos dos cursos de graduação têm por base a flexibilidade, a diversidade, o dinamismo do conhecimento, da ciência e da prática profissional. Nesse sentido, o currículo é concebido como um sistema articulado de saberes, organizado sob a forma de atividades acadêmicas obrigatórias, optativas e eletivas, de modo a favorecer ao estudante a construção de trajetórias, cujos percursos contemplam uma estrutura com três dimensões, a saber: Núcleo de Formação Específica, Formação Complementar e um conjunto de atividades de Formação Livre.

c) Cumprimento das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) dos Cursos de Graduação em Engenharia (Resolução CNE/CES 11/2002, baseada na Lei 9.131, de 25 de novembro de 1995 e com fundamento no Parecer CES 1.362/2001). Assim, o currículo do curso está organizado tendo por elementos básicos o perfil do egresso/profissional (engenheiro) com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.

d) A carga horária total do curso é de 3.600 horas, conforme Parecer CNE/CES 08/2007 e Resolução CNE/CES 02/2007 que dispõem sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial, que estabelece o mínimo de 3.600 horas, quando o limite mínimo para integralização do curso é de 5 (cinco) anos.

e) A oferta do ensino de Libras (Língua de sinais) está contemplada no currículo do curso, de acordo com o Decreto nº 5.626/2005, como atividade optativa.

f) Nos termos explicitados no Parecer CNE/CP 03/2004, a oferta do ensino de conteúdos que contemplam a educação das Relações Étnico-Raciais, bem como o tratamento de questões e temáticas que dizem respeito aos afrodescendentes também está prevista no curso como atividade optativa.

g) Cumprimento da Resolução CONAES 01/2010, de 17 de junho de 2010 e da Resolução 15/2011 do CEPE, com o estabelecimento de um Núcleo Docente Estruturante – NDE – definido como

o grupo de docentes com atribuições acadêmicas de acompanhamento, atuante no processo de concepção, consolidação e contínua atualização do projeto pedagógico do curso.

h) De acordo com o Decreto 5.296/2005, que regulamenta as normas gerais e critérios básicos para

a acessibilidade das pessoas com necessidades especiais, a UFMG possui um cronograma com

as metas para atendimento aos portadores de necessidades especiais, cujos objetivos são criar mecanismos que garantam a plena acessibilidade, assegurar a aplicação das políticas públicas

9

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

voltadas a portadores de necessidades especiais e democratizar o acesso à informação, à leitura e à cultura.

5

OBJETIVOS

5.1 Objetivos Gerais

Formar engenheiros nas áreas de engenharia sanitária, engenharia ambiental e engenharia de recursos hídricos, com sólida base de conhecimentos científicos, dotado de consciência ética, política, com visão crítica e global da conjuntura econômica, social, política e cultural da região onde atua. O profissional formado deverá estar apto a compreender e traduzir as necessidades de indivíduos, grupos sociais e comunidade, com relação aos problemas tecnológicos, socioeconômicos, gerenciais e organizativos, utilizando racionalmente os recursos disponíveis e conservando o equilíbrio ambiental.

5.2 Objetivos Específicos

Formar profissionais com sólidos conhecimentos teóricos e práticos nas áreas de ciências básicas (matemática, física, química e biologia), ciências ambientais e tecnologia de controle ambiental, ferramentas essenciais para o entendimento e a aplicação da ciência e tecnologia de controle ambiental, dentro de um caráter multidisciplinar.

Fornecer uma formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, com egressos capacitados a absorver e desenvolver novas tecnologias.

Estimular a atuação crítica e criativa dos profissionais na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais.

Formar engenheiros comprometidos com as relações humanas, éticas, sociais e econômicas, capazes de viabilizar soluções para demandas e problemas que afetam a sociedade.

Formar profissionais com capacidade e aptidão para pesquisar, elaborar e propor soluções que permitam a harmonia das diversas atividades humanas com o meio físico e com o ecossistemas.

Integrar ensino, pesquisa e extensão, oferecendo ao aluno a dimensão exata da sua vivência na universidade, estimulando as atividades extramuros.

10

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

6

PERFIL DO EGRESSO

O

profissional formado no Curso de Engenharia Ambiental deve ser dotado de conhecimentos

para desenvolver as seguintes habilidades e competências:

Adquirir conhecimentos sólidos das ciências fundamentais de base para a engenharia (matemática, física, química, biologia), das ciências ambientais (água, ar solo) e das tecnologias de controle ambiental;

ter capacidade de diálogo técnico-científico, inclusive no que respeita aos paradigmas e aos jargões setoriais, com profissionais que tradicionalmente atuam na área ambiental, como a geografia, a geologia, a biologia, a economia, ciências humanas, ciências agrárias e ciências da saúde;

possuir capacidade de atuar em equipes interdisciplinares;

adquirir elevada capacidade de expressão oral e escrita;

ter conhecimento dos fundamentos da metodologia científica;

ter conhecimento de recursos de informática;

possuir visão crítica da atuação social e política da engenharia;

possuir visão crítica da política ambiental e atualização quanto aos movimentos sociais que tratam da temática ambiental.

O egresso do Curso de Engenharia Ambiental da UFMG deve ser capaz de atuar profissionalmente, de modo individual ou em equipe, das seguintes formas:

elaborar levantamentos e diagnósticos ambientais, caracterizando os meios físicos, bióticos e antrópicos dos compartimentos água, solo e ar;

estruturar programas de monitoramento ambiental, com aquisição de dados e sua apresentação e interpretação;

elaborar estudos e relatórios de impacto ambiental de locais submetidos a interferências;

desenvolver, utilizar e interpretar modelos matemáticos de representação do comportamento dos compartimentos água, ar e solo sujeitos a poluição, degradação, interferência e impactos ambientais;

elaborar relatórios de concepção, com proposição de alternativas de controle ambiental;

elaborar levantamentos em indústrias e propor instrumentos de gestão, apontando possibilidades e meios de minimização da geração de resíduos e da utilização de recursos;

elaborar projetos dos itens de processo relativos a instalações e sistemas de controle ambiental, tais como estações de tratamento de águas residuárias domésticas e industriais, aterros de resíduos sólidos domésticos e industriais e equipamentos de controle da emissão de poluentes gasosos;

elaborar projetos de sistemas de infraestrutura de saneamento, tais como sistemas hidráulicos prediais, sistemas de abastecimento de água, sistemas de esgotamento sanitário, sistemas de drenagem pluvial e sistemas de gerenciamento de resíduos sólidos urbanos;

operar sistemas e instalações de saneamento e controle ambiental, dentro de suas atribuições;

ambiental, gestão de recursos hídricos e gestão de

participar em trabalhos saneamento.

de gestão

A seguir apresentam-se, no Quadro 6.1, as habilidades e competências gerais propostas nas

Diretrizes da UFMG, confrontadas com os mecanismos propostos para o Curso de Engenharia Ambiental.

11

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

Quadro 6.1. Lista de habilidades e competências gerais propostas nas Diretrizes da UFMG de 19/04/01 versus mecanismos propostos para o Curso de Engenharia Ambiental

Habilidades e competências gerais

Mecanismos propostos no Curso de Engenharia Ambiental da UFMG

 

1. Contínua valorização dos aspectos éticos pelos vários professores das disciplinas e orientadores de trabalhos.

Conduta pautada pela ética e preocupação com as questões sociais e ambientais.

2. Inserção na problemática social por meio de trabalhos de campo aplicados e aprofundamento nas questões de saneamento básico.

3. Aprofundamento ao longo de todo o curso nas questões ambientais.

 

4. Incentivo à participação em discussões em sala de aula.

Capacidade de atuar de forma crítica, autônoma e criativa.

5. Incentivo à livre expressão perante professores e colegas.

6. Elaboração de trabalhos individuais.

Atuação propositiva na busca de soluções para as questões apresentadas pela sociedade.

7. Aprofundamento ao longo de todo o curso em questões de importância social e ambiental.

8. Trabalhos de campo de diagnóstico de condições de vida da população.

 

9. Apresentação de vários trabalhos orais e escritos, com gráficos, tabelas, figuras e texto.

Capacidade de comunicação e expressão em múltiplos códigos e linguagens, em particular na língua portuguesa.

10. Atividades Integradoras de Conhecimentos (AIC) e Trabalhos Temáticos(TT) de integração horizontal e vertical do conhecimento, com apresentação de detalhados relatórios na forma oral e escrita.

11. Possibilidade de se ter Seminários (dentro das disciplinas de Tópicos em Engenharia Ambiental).

12. Apresentação de trabalho de fim de curso.

 

13. Trabalhos de integração horizontal do conhecimento relacionados ao diagnóstico do meio físico, biótico e antrópico.

Capacidade de diagnosticar, analisar e contextualizar problemas.

14. Disciplinas de avaliação e diagnóstico do meio (água, ar, solo).

 

15. Incentivo à participação em atividades curriculares, tais como congressos e cursos de extensão e outros.

Busca de constante aprimoramento científico e técnico a partir da capacidade de articular elementos empíricos e conceituais inerentes ao conhecimento.

16. Incentivo à participação em atividades de Iniciação Científica, que possibilitarão uma inserção na pós- graduação existente nos departamentos (especialização, mestrado e doutorado). Desenvolvimento da capacidade investigativa.

Domínio de técnicas essenciais à produção e aplicação do conhecimento.

17. Participação em trabalhos de campo, trabalhos experimentais, estudos, projetos e pesquisa.

Trabalho integrado e contributivo em equipes transdisciplinares.

18. Possibilidade de integração a trabalhos de pesquisa existentes nos departamentos envolvidos e na UFMG, como um todo.

12

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

7 PRINCÍPIOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS

A proposta pedagógica do curso de Engenharia Ambiental da UFMG tem como um dos seus

referenciais os instrumentos regulatórios da educação superior no Brasil, em especial os princípios basilares presentes na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB – Lei

9394/96, sobretudo o artigo que trata da Educação Superior no Brasil que tem como premissa:

I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo;

II - formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em

setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua;

III - incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando o

desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive;

IV - promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que

constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação;

V - suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar

a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos

numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração;

VI - estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os

nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com

esta uma relação de reciprocidade; VII - promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição. (LDB – Lei 9394/96).

Além destes princípios o projeto pedagógico se alinha às recomendações das Diretrizes Curriculares Nacionais para os curso de Engenharia e adota a flexibilização curricular,

recomendada nas Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação da UFMG, o qual tem como meta assegurar que os egressos tenham autonomia intelectual, sejam capazes de atuarem

na sociedade de forma ética e em sintonia com necessidades presentes no país e no mundo.

A diversidade das atividades acadêmicas e as metodologias de ensino adotadas pelo curso e pela

UFMG, que serão vivenciadas pelos alunos, serão responsáveis por garantir aos egressos uma formação profissional contextualizada com a sociedade. É importante destacar que um dos princípios presentes na formação do aluno do curso de Engenharia Ambiental da UFMG é a compreensão de que sua formação profissional não se encerra com a graduação, considerando que na sociedade contemporânea se manter em permanente formação é uma condição necessária para uma atuação profissional responsável.

Dentre as metodologias adotadas destaca-se a preocupação com a aprendizagem, onde a responsabilidade é compartilhada entre os professores e alunos, sendo este último sujeito ativo no seu processo de aprendizagem e de produção do conhecimento. Para tanto, o curso propõe articulação entre atividades teóricas e práticas, bem como estratégias que visam a integração entre ensino, pesquisa e extensão, com os demais níveis de ensino oferecidos pela Universidade, assim como integração com a sociedade. Ressalta-se ainda que, para atender às exigências da flexibilização curricular, o curso oferece uma formação abrangente e de acordo com a interdisciplinaridade exigida na formação do profissional do engenheiro ambiental.

13

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

8 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

De acordo com as Diretrizes para a Flexibilização Curricular da UFMG, aprovadas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE), em 2001, os currículos dos cursos de graduação têm por base a flexibilidade, a diversidade, o dinamismo do conhecimento, da ciência e da prática profissional.

Nesse sentido, o currículo é concebido como um sistema articulado de saberes, organizado sob a forma de atividades acadêmicas obrigatórias, optativas e eletivas, de modo a favorecer ao estudante a construção de trajetórias, cujos percursos contemplam uma estrutura com três dimensões, a saber: um Núcleo de Formação Específica, uma Formação Complementar e um conjunto de atividades de Formação Livre.

a) Núcleo de Formação Específica (NFE) - é constituído por duas bases de conhecimentos. A primeira base é formada por conhecimentos característicos do campo profissional, os quais imprimem visibilidade ao exercício da profissão, ou seja, representa os saberes fundamentais da área específica do curso. A segunda integra os saberes de outros campos correlatos que sustentam esse saber. Neste núcleo as atividades acadêmicas ofertadas, seja de natureza obrigatória ou optativa, cujo conteúdo seja imprescindível ao desempenho profissional, podem ser organizadas na modalidade presencial e/ou à distância. No que se refere à integralização das atividades optativas, essas podem ser organizadas a partir de diversas possibilidades formativas conforme proposto pelo estudante.

b) Formação Complementar (FC) - integra um conjunto de conhecimentos conexos de um determinado campo profissional. Baseia-se na possibilidade de escolha de uma complementação da formação específica, mediante aquisição de saberes em áreas afins, cujos conteúdos apresentem conexão com o NFE. Pode estar organizada de duas formas:

Formação Complementar Preestabelecida ou Formação Complementar Aberta. A Formação Preestabelecida implica a oferta de atividades de áreas do conhecimento conexo, definidas pelo Colegiado do Curso, constituída por atividades acadêmicas ofertadas pelos demais cursos da Universidade. A Formação Aberta, com base nas atividades acadêmicas, parte de proposição do aluno, sob orientação docente, condicionada à autorização do Colegiado. A integralização das atividades dessa formação possibilita a obtenção de um certificado. A obtenção do referido certificado está condicionada a conclusão do curso.

No caso de opção por um percurso de Formação Complementar, a integralização curricular ocorre na forma de bacharelado/licenciatura com Formação Complementar na área escolhida pelo estudante, seja essa pré-estabelecida ou aberta. Quando o estudante opta por essa forma, esta ocorre de maneira concomitante com as atividades do Núcleo de Formação Específica.

c) Formação Livre – integra um conjunto de atividades acadêmicas de qualquer campo do conhecimento. Possibilita ampliar a formação a partir do interesse individual do estudante, podendo ser integralizada entre as diversas atividades curriculares da Universidade. Porém, é de natureza obrigatória para a integralização do currículo.

As opções de trajetórias a serem integralizadas pelo estudante são orientadas por um docente/tutor, com base no perfil de formação do egresso previsto no PPC, condicionadas à aprovação do Colegiado do Curso.

14

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

Dessa forma, o modelo de currículo proposto enfatiza a flexibilidade e a diversidade, representadas tanto pela possibilidade de trajetórias diferenciadas através dos percursos acadêmicos, quanto pelos diversos formatos das atividades que compõem o currículo e que são consideradas relevantes para a formação do estudante, entre as quais: seminários, monitorias, projetos de pesquisa e/ou extensão, vivências extracurriculares, participação em congressos e eventos ou ainda na forma de disciplina.

Para a completa implementação das diretrizes estabelecidas, o CEPE considerou importante a reorientação de algumas práticas, entre elas: a redefinição do perfil de atuação dos Colegiados de Curso que, além do seu papel de gestor, devem tornar-se responsáveis pela articulação, estímulo

e orientação acadêmica; a institucionalização da orientação acadêmica, tendo em vista o papel fundamental que essa atividade assume na estrutura curricular, no sentido de articular as possibilidades oferecidas pela UFMG.

Outro aspecto a ser ressaltado, visando contribuir com a implementação do currículo dos cursos de graduação, na perspectiva do entendimento do curso como um percurso, é a criação e disponibilização, a docentes e discentes, de instrumentos facilitadores da relação pedagógica. Assim, destacam-se recursos tecnológicos diversos, tais como, a utilização do Moodle e a implantação do Diário Eletrônico, para uso dos docentes, além das metodologias ativas propostas pelo Programa de Formação Docente de responsabilidade da PROGRAD.

Destaca-se que a coordenação e o Colegiado do curso mantém um frequente contato com o grupo de apoio pedagógico do REUNI/PROGRAD (GIZ), com a discussão e implementação de tecnologias inovadoras de ensino e aprendizagem. Um dos exemplos é a estruturação de um portfólio em meio digital por cada um dos alunos, no qual ele vai armazenando seus trabalhos, referências, impressões críticas, avaliações, comentários, enfim, todos os elementos que ele julgar sejam relevantes e que possam servir de base para trabalhos cada vez mais aprofundados e contextualizados.

8.1 Trajetórias/Percursos de Integralização

O núcleo de Formação Específica do Curso de Engenharia Ambiental agrega a maioria das

disciplinas, constituídas de disciplinas obrigatórias, mais a oferta de disciplinas optativas. As disciplinas obrigatórias perfazem uma carga horária total de 3120 horas (208 créditos). Destas, 3060 horas estão ligadas às disciplinas obrigatórias (ver Quadro 8.1), e 60 horas estão associadas à carga horária de disciplina optativa direcionada.

A carga de disciplinas optativas é composta por um amplo elenco (ver Tabelas 8.4 e 8.5), das

quais o aluno deverá cursar 29 créditos (435 horas). Parte desta carga pode ou não ser cursada

compondo as chamadas formações complementares, sendo que esta decisão compete ao aluno, que poderá se manifestar quando tiver integralizado o 4º período do Curso.

O projeto prevê cinco possibilidades de formação ou percurso acadêmico:

1. Bacharelado (formação mais generalista);

2. Bacharelado com formação complementar em Técnicas de Construção;

3. Bacharelado com formação complementar em Planejamento urbano;

4. Bacharelado com formação complementar em Processos industriais;

5. Bacharelado com formação complementar Aberta.

15

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

Bacharelado (formação mais generalista);

Esta formação é destinada ao aluno que não optarem por uma formação complementar. Neste caso, deverá ser integralizada uma carga de atividades acadêmicas optativas, obtendo assim uma formação mais generalista. O projeto exige a integralização de 29 créditos em disciplinas e atividades acadêmico-científico-culturais, constantes no grupo G9, a ser detalhado em seguida.

Bacharelado com formações complementares pré-estabelecidas

Os alunos podem optar por uma formação complementar pré-estabelecida no currículo (opções 2

a 4), sendo exigida a integralização de 29 créditos em atividades acadêmicas optativas para cada percurso. Dos 29 créditos, 20 deverão ser cursados dentro de um grupo de disciplinas optativas previsto no currículo destinado a cada formação pretendida. Os grupos são caracterizados da seguinte forma:

G1 – grupo de disciplinas optativas destinadas à Formação complementar em Técnicas

de construção

G2 - grupo de disciplinas optativas destinadas à Formação complementar Planejamento

urbano

G3 - grupo de disciplinas optativas destinadas à Formação complementar em Processos

industriais

Os nove créditos restantes deverão ser cursados dentro do grupo G9.

Bacharelado com formação complementar Aberta.

Este percurso deve conter atividades acadêmicas de outros cursos de graduação da UFMG, conectadas à linha básica do curso de Engenharia Ambiental, a ser proposto pelo aluno e aprovado pelo colegiado.

O projeto exige a integralização de 29 créditos em atividades acadêmicas optativas para esta

formação, correspondente a 435 horas. Destes, nove créditos deverão ser cumpridos dentro do rol de atividades optativas do currículo (grupo G9) e 20 créditos, que caracterizarão a essência da formação, dentro de um grupo de disciplinas fora do elenco da grade curricular do Curso (disciplinas eletivas).

O grupo G9 abrange todas as disciplinas dos grupos G1, G2, G3, optativas simples e atividades

acadêmico-científico-culturais.

8.2 Representação do Currículo

Com base no fluxo geral do currículo, é apresentada a seguir uma síntese integrativa dos componentes curriculares.

A Figura 8.1 apresenta a representação gráfica dos percursos referentes ao bacharelado com

formação mais generalista e ao bacharelado com formações complementares pré-estabelecidas (Percursos 1 a 4), ressaltando-se que os créditos em atividades acadêmicas optativas deverão ser

cursados dentro de cada grupo específico de disciplinas optativas previsto no currículo destinado

a cada formação pretendida para cada percurso, como já mencionado. A Figura 8.2 apresenta a

16

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

representação gráfica dos percursos referentes ao bacharelado com formação complementar aberta (Percurso 5). Nos diagramas é apresentada a distribuição das disciplinas segundo grandes temas, em cores diferentes, para facilitar a compreensão da estrutura curricular. Observa-se que, além dos tópicos das ciências básicas e das disciplinas optativas, tem-se o eixo das disciplinas/trabalhos temáticos e da formação dos conhecimentos do ambiente e da tecnologia, dividida segundo as três principais vertentes do curso: recursos hídricos, saneamento e tecnologia ambiental. No Quadro 8.1, as mesmas informações são apresentadas de forma ainda mais detalhada, com uma representação gráfica de cada percurso acadêmico proposto, incluindo a integralização curricular de cada um dos percursos.

Pode-se observar que o elenco de disciplinas obrigatórias em cada uma destas três vertentes é suficiente para permitir as respectivas atribuições profissionais (engenharia sanitária, engenharia ambiental e, talvez no futuro, engenharia de recursos hídricos) para todos os egressos do curso.

Observa-se que, desde o início do curso, há uma preocupação em se inserirem disciplinas e atividades relacionadas à prática da engenharia, de forma a manter a motivação do aluno e o seu bom aproveitamento nos semestres iniciais. O chamado ciclo básico é mesclado com disciplinas

de

aplicação, além dos trabalhos temáticos, contribuindo para o alcance destes objetivos.

O

elenco de disciplinas obrigatórias é apresentado na Tabela 8.1 e as disciplinas optativas

direcionadas, hoje representada por uma única disciplina, é mostrada na Tabela 8.2. As Tabelas 8.3 e 8.4 apresentam, respectivamente, as disciplinas optativas por percurso formativo e as

disciplinas optativas simples. Como já comentado, em atendimento aos Decretos nº 5.626/2005 e

ao Parecer CNE/CP 03/2004, as disciplinas Fundamentos de LIBRAS (LET223) e Saneamento e

meio ambiente em grupos étnico-raciais (ESA136), respectivamente, são ofertadas na lista de disciplinas optativas simples do curso. Já a Tabela 8.6 apresenta as atividades acadêmico- científico-culturais do curso de Engenharia Ambiental.

Observando-se a Tabela 8.1, nota-se que a janela na grade curricular reservada para as atividades

de formação livre (disciplinas eletivas) encontra-se no 3º período. Assim, a partir deste período o

aluno poderá cursar a carga eletiva. Por outro lado, é possível cursar as optativas e/ou disciplinas

de formação complementar a partir do 5º período. No entanto, uma maior facilidade para cursar a

carga optativa será a partir do 8º período, quando há maior disponibilidade na grade, e quando se presume que o aluno terá um melhor conhecimento sobre o curso, e poderá exercer uma escolha

mais embasada. As atividades acadêmico-científico-culturais encontram-se detalhadas no Item 8.6 deste projeto.

17

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

Figura 8.1 - Representação gráfica dos percursos referentes ao bacharelado com formação mais generalista e formações complementares pré-estabelecidas

Período
Período

DIAGRAMA DO CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

Geometria Cálculo Introdução à Atividades 1 o Subtotal: 390h - 26cr Diferencial e Integral I
Geometria
Cálculo
Introdução à
Atividades
1 o
Subtotal:
390h - 26cr
Diferencial e
Integral I
(90h - 6cr)
Analítica e
Álgebra
Linear
(60h - 4cr)
Física
Experimental
(45h - 3cr)
Cartografia e
Topografia
(60h - 4cr)
Desenho
Projetivo p/
Engenharia
(45h - 3cr)
Climatologia
(60h - 4cr)
Integradoras
Conhecimento
1
(30h - 2cr)
Cálculo de
Desenho
Introdução à
Ecologia
2 o
Auxiliar por
Geologia e
Subtotal:
Várias
Variáveis
(60h - 4cr)
Fundamentos
de Mecânica
(60h - 4cr)
Química Geral
Trabalho
B
Geral
(60h - 4cr)
Temático 1
375h - 25cr
(60h - 4cr)
Computador
(45h - 3cr)
Hidrogeologia
(60h - 4cr)
(30h -2cr)
Genética
Programação
Fundamentos
3 o
Subtotal:
405h - 27cr
Equações
Diferenciais C
(60h - 4cr)
de
computadores
(60h - 4cr)
de
Termodinâmica
(30h - 2cr)
Química
Analítica I
(60h - 4cr)
Aplicada à
Engenharia
Ambiental
(45h - 3cr)
Introdução ao
Urbanismo
(60h - 4cr)
Economia
p/ Engenharia
(30h - 2cr)
Atividades
Integradoras
Conhecimento
2 (15h - 1cr)
Carga
Eletiva
(45h - 3cr)
Fenômeno
4 o
Subtotal:
405h - 27cr
Cálculo
Numérico
(60h - 4cr)
Estatística e
Probabilidade
(60h - 4cr)
Transporte Eng.
Ambiental
(60h - 4cr)
Química
Orgânica I
(60h - 4cr)
Microbiologia
Aplicada à
Engenharia
Ambiental
(45h - 3cr)
Saúde
Ambiental
(30h - 2cr)
Trabalho
Temático 2
(30h - 2cr)
Carga
Optativa
Direcionada
(60h - 4cr)
Cinética
Fundamentos
Fund. Sistemas
Atividades
5 o
Subtotal:
420h - 28cr
Laboratório de
Instrumentação
(30h - 2cr)
Química
e Bioquímica
(45h - 3cr)
de Mecânica
dos Sólidos A
(45h - 3cr)
Elétricos e
Eletrônicos
(60h - 4cr)
Mecânica dos
Solos
(60h - 4cr)
Metodologias
de Avaliação
de Impacto
Ambiental
(30h - 2cr)
Gerenciamento
de Resíduos
Sólidos
Urbanos
(45h - 3cr)
Hidráulica 1
(60h - 4cr)
Integradoras
Carga
optativa
Conhecimento
(30h - 2cr)
3 (15h - 1cr)
Diagn.e Aval.
Sistemas de
6 o
Subtotal:
Geotecnia
Ambiental
(60h - 4cr)
da Poluição
das Águas
Superficiais
(45h - 3cr)
Abastecimento
de Água
(60h - 4cr)
Hidráulica 2
(60h - 4cr)
390h - 26cr
Hidrologia
Ambiental
(60h - 4cr)
Hidrogeologia
Ambiental
(45h - 3cr)
Trabalho
Temático 3
(30h - 2cr)
Carga
Optativa
(30h - 2cr)
Diagn. e Aval.
Operações
Sistemas de
Diagn. e Aval.
Atividades
7 o
Subtotal:
da Poluição
Solo e Águas
Subterrâneas
(60h - 4cr)
Poluição
Atmosférica
(60h - 4cr)
Unitárias
e Processos p/
Eng. Ambiental
(60h - 4cr)
Esgotamento
Sanitário e
Pluvial
(60h - 4cr)
Tratamento
de Resíduos
Sólidos
(30h - 2cr)
Sistemas de
Drenagem
Pluvial
(30h - 2cr)
Integradoras
Carga
Optativa
Conhecimento
345h - 23cr
(30h - 2cr)
4
(15h - 1cr)
Noções de
Controle da
Controle da
Tratamento de
8 o
Subtotal:
345h - 23cr
Materiais
e Técnicas de
Construção
(45h - 3cr)
Poluição Solo
e Águas
Subterrâneas
(45h - 3cr)
Poluição
Atmosférica
(45h - 3cr)
Águas de
Abastecimento
(60h - 4cr)
Tratamento
de Águas
Residuárias
(60h - 4cr)
Trabalho
Temático 4
(30h - 2cr)
Carga
Optativa
(60h - 4cr)
Legislação e
Gestão de
Estágio
9 o
Subtotal:
345h - 23cr
Gestão de
Saneamento e
Meio Ambiente
(30h - 2cr)
Recursos
Hídricos
(30h - 2cr)
Supervisionado
Obrigatório
(165h - 11cr)
Carga
optativa
(120h - 8cr)
Trabalho de
10 o
Subtotal:
180h - 12cr
Conclusão de
Curso
(15h - 1cr)
Carga
optativa
(165h - 11cr)

Legenda - cores referentes à distribuição temática das disciplinas :

referentes à distribuição temática das disciplinas : Matemática Física Química Biologia Civil/Outras

referentes à distribuição temática das disciplinas : Matemática Física Química Biologia Civil/Outras

referentes à distribuição temática das disciplinas : Matemática Física Química Biologia Civil/Outras

referentes à distribuição temática das disciplinas : Matemática Física Química Biologia Civil/Outras

Matemática

Física

Química

Biologia

das disciplinas : Matemática Física Química Biologia Civil/Outras Disciplinas e trabalhos Integradores Recursos

das disciplinas : Matemática Física Química Biologia Civil/Outras Disciplinas e trabalhos Integradores Recursos

das disciplinas : Matemática Física Química Biologia Civil/Outras Disciplinas e trabalhos Integradores Recursos

das disciplinas : Matemática Física Química Biologia Civil/Outras Disciplinas e trabalhos Integradores Recursos

Civil/Outras

Disciplinas e trabalhos Integradores Recursos hídricos

Saneamento

Optativas, formação livre, formação complementare trabalhos Integradores Recursos hídricos Saneamento Tecnologia Ambiental Eletivas 18 Projeto Pedagógico do

Optativas, formação livre, formação complementar Tecnologia Ambiental Eletivas 18 Projeto Pedagógico do

Optativas, formação livre, formação complementar Tecnologia Ambiental Eletivas 18 Projeto Pedagógico do

Tecnologia Ambiental

Eletivas

18

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

Figura 8.2 - Representação gráfica do percurso referente ao Bacharelado com Formação Complementar Aberta

Período
Período

DIAGRAMA DO CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

Geometria Cálculo Introdução à Atividades 1 o Subtotal: 390h - 26cr Diferencial e Integral I
Geometria
Cálculo
Introdução à
Atividades
1 o
Subtotal:
390h - 26cr
Diferencial e
Integral I
(90h - 6cr)
Analítica e
Álgebra
Linear
(60h - 4cr)
Física
Experimental
(45h - 3cr)
Cartografia e
Topografia
(60h - 4cr)
Desenho
Projetivo p/
Engenharia
(45h - 3cr)
Climatologia
(60h - 4cr)
Integradoras
Conhecimento
1
(30h - 2cr)
Cálculo de Desenho Introdução à Química Geral Ecologia Trabalho 2 o Subtotal: 375h - 25cr
Cálculo de
Desenho
Introdução à
Química Geral
Ecologia
Trabalho
2 o
Subtotal:
375h - 25cr
Várias
Variáveis
(60h - 4cr)
Fundamentos
de Mecânica
(60h - 4cr)
B
(60h - 4cr)
Geral
(60h - 4cr)
Auxiliar por
Computador
(45h - 3cr)
Geologia e
Hidrogeologia
(60h - 4cr)
Temático 1
(30h -2cr)
Genética
Programação
Fundamentos
3 o
Subtotal:
405h - 27cr
Equações
Diferenciais C
(60h - 4cr)
de
computadores
(60h - 4cr)
de
Termodinâmica
(30h - 2cr)
Química
Analítica I
(60h - 4cr)
Aplicada à
Engenharia
Ambiental
(45h - 3cr)
Introdução ao
Urbanismo
(60h - 4cr)
Economia
p/ Engenharia
(30h - 2cr)
Atividades
Integradoras
Conhecimento
2 (15h - 1cr)
Carga
Eletiva
(45h - 3cr)
Fenômeno
4 o
Subtotal:
405h - 27cr
Cálculo
Numérico
(60h - 4cr)
Estatística e
Probabilidade
(60h - 4cr)
Transporte Eng.
Ambiental
(60h - 4cr)
Química
Orgânica I
(60h - 4cr)
Microbiologia
Aplicada à
Engenharia
Ambiental
(45h - 3cr)
Saúde
Ambiental
(30h - 2cr)
Trabalho
Temático 2
(30h - 2cr)
Carga
Optativa
Direcionada
(60h - 4cr)
Cinética
Fundamentos
Fund. Sistemas
Atividades
5 o
Hidráulica 1
(60h - 4cr)
Integradoras
Subtotal:
Carga
Eletiva
Conhecimento
420h - 28cr
Laboratório de
Instrumentação
(30h - 2cr)
Química
e Bioquímica
(45h - 3cr)
de Mecânica
dos Sólidos A
(45h - 3cr)
Elétricos e
Eletrônicos
(60h - 4cr)
Mecânica dos
Solos
(60h - 4cr)
Metodologias
de Avaliação
de Impacto
Ambiental
(30h - 2cr)
Gerenciamento
de Resíduos
Sólidos
Urbanos
(45h - 3cr)
(45h - 3cr)
3 (15h - 1cr)
Diagn.e Aval. Sistemas de 6 o Subtotal: Geotecnia Ambiental (60h - 4cr) da Poluição das
Diagn.e Aval.
Sistemas de
6 o
Subtotal:
Geotecnia
Ambiental
(60h - 4cr)
da Poluição
das Águas
Superficiais
(45h - 3cr)
Abastecimento
de Água
(60h - 4cr)
Hidráulica 2
(60h - 4cr)
390h - 26cr
Hidrologia
Ambiental
(60h - 4cr)
Hidrogeologia
Ambiental
(45h - 3cr)
Trabalho
Temático 3
(30h - 2cr)
Carga
Eletiva
(30h - 2cr)
Diagn. e Aval. Operações Sistemas de Diagn. e Aval. 7 o Subtotal: 345h - 23cr
Diagn. e Aval.
Operações
Sistemas de
Diagn. e Aval.
7 o
Subtotal:
345h - 23cr
da Poluição
Solo e Águas
Subterrâneas
(60h - 4cr)
Poluição
Atmosférica
(60h - 4cr)
Unitárias
e Processos p/
Eng. Ambiental
(60h - 4cr)
Esgotamento
Sanitário e
Pluvial
(60h - 4cr)
Tratamento
de Resíduos
Sólidos
(30h - 2cr)
Sistemas de
Drenagem
Pluvial
(30h - 2cr)
Atividades
Integradoras
Carga
Eletiva
Conhecimento
(30h - 2cr)
4 (15h - 1cr)
Noções de Controle da Controle da Tratamento de 8 o Subtotal: 345h - 23cr Materiais
Noções de
Controle da
Controle da
Tratamento de
8 o
Subtotal:
345h - 23cr
Materiais
e Técnicas de
Construção
(45h - 3cr)
Poluição Solo
e Águas
Subterrâneas
(45h - 3cr)
Poluição
Atmosférica
(45h - 3cr)
Águas de
Abastecimento
(60h - 4cr)
Tratamento
de Águas
Residuárias
(60h - 4cr)
Trabalho
Temático 4
(30h - 2cr)
Carga
Eletiva
(60h - 4cr)
Legislação e Gestão de Estágio 9 o Subtotal: 345h - 23cr Gestão de Saneamento e
Legislação e
Gestão de
Estágio
9 o
Subtotal:
345h - 23cr
Gestão de
Saneamento e
Meio Ambiente
(30h - 2cr)
Recursos
Hídricos
(30h - 2cr)
Supervisionado
Obrigatório
(165h - 11cr)
Carga
optativa
(75h - 5cr)
Carga
Eletiva
(135h - 9cr)
Trabalho de 10 o Subtotal: 180h - 12cr Conclusão de Curso (15h - 1cr) Carga
Trabalho de
10 o
Subtotal:
180h - 12cr
Conclusão de
Curso
(15h - 1cr)
Carga
optativa
(60h - 4cr)

Legenda - cores referentes à distribuição temática das disciplinas :

Civil/OutrasMatemática

Matemática

Civil/Outras Matemática

Optativas, formação livre, formação complementarCivil/Outras Matemática

Disciplinas e trabalhos IntegradoresFísica

Física

Disciplinas e trabalhos Integradores Física

Tecnologia AmbientalDisciplinas e trabalhos Integradores Física

QuímicaRecursos hídricos

Química Recursos hídricos

Recursos hídricos

EletivasQuímica Recursos hídricos

BiologiaSaneamento

Biologia Saneamento

Saneamento

19

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Volume 1 - Versão 2009/1

Quadro 8.1 - Representação gráfica de cada percurso acadêmico, incluindo a integralização curricular de acordo com as possibilidades formativas

DISCIPLINAS e a CARGA HORÁRIA e CRÉDITOS exigidos para integralização CARGA HORÁRIA E CRÉDITOS POSIBILIDADES
DISCIPLINAS e a CARGA HORÁRIA e CRÉDITOS exigidos para integralização
CARGA HORÁRIA E
CRÉDITOS
POSIBILIDADES
OPTATIVAS
OBRIGATÓRIAS
FORMAÇÃO LIVRE
OPTATIVAS DE GRUPOS
DIRECIONADAS
TOTAIS
FORMATIVAS
Carga
Cré-
Carga Horária
Cré-
Carga Horária
Créditos
Carga
Cré-
Carga
Cré-
Horária
ditos
ditos
Horária
ditos
Horária
ditos
Bacharelado
435
29
(Formação
3060
204
45
3
60
4
3600
240
generalista)
G1+G2+G3+G9=435
G1+G2+G3+G9=29
Bacharelado
435
29
Formação Complementar
em Técnicas de
Construção
3060
204
45
3
G1=300
G1=20
60
4
3600
240
G2+G3+G9
=135
G2+G3+G9= 9
Bacharelado
435
29
Formação Complementar
em Planejamento
Urbano
3060
204
45
3
G2=300
G2=20
60
4
3600
240
G1+G3+G9=
135
G1+G3+G9= 9
Bacharelado
435
29
Formação Complementar
em Processos
Industriais
3060
204
45
3
G3=300
G3=20
60
4
3600
240
G1+G2+G9=
135
G1+G2+G9= 9
Bacharelado
345
23
135
9
Formação Complementar
Aberta
Sendo:
- Livre =
45
3
3060
204
60
4
3600
240
G1+G2+G3+G9=135
G1+G2+G3+G9= 9
(condicionada à
-Sugeridas e
Aprovadas =
300
20
aprovação da
Coordenação)
LEGENDA:

G1 = Optativas do grupo de Formação Complementar em Técnicas de Construção; G2 = Optativas do grupo de Formação Complementar em Planejamento Urbano;

G3 = Optativas do grupo de Formação Complementar em Processos Industriais;

G9 = Optativas do grupo de Formação Complementar Aberta.

Tabela 8.1 – Elenco de disciplinas obrigatórias que compõem a estrutura curricular do curso de Engenharia Ambiental

     

Carga horária(h)

   

Percurso

 

Período

Código

Disciplina

Créditos

Total

Teó.

Pra.

Pré-requisitos

01

02

3

4

5

 

CRT003

Cartografia e topografia

4

60

45

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

EMC013

Desenho projetivo para engenharia

3

45

30

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

ESA115

Atividades Integradoras de Conhecimentos 1

2

30

30

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

390

FIS054

Introdução à física experimental

3

45

0

45

 

OB

OB

OB

OB

OB

horas

GEO608

Climatologia

4

60

45

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

MAT001

Cálculo diferencial e integral I

6

90

90

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

MAT038

Geometria analítica e álgebra linear

4

60

60

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

 

BIG048

Ecologia geral

4

60

45

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

EHR021

Trabalho temático 1

2

30

0

30

ESA115

OB

OB

OB

OB

OB

EMC014

Desenho auxiliado por computador

3

45

30

15

EMC013

OB

OB

OB

OB

OB

FIS065

Fundamentos de mecânica

4

60

60

0

MAT001

OB

OB

OB

OB

OB

375

     

horas

GEL056

Introdução à geologia e hidrogeologia

4

60

30

30

 

OB

OB

OB

OB

OB

   

MAT001

MAT042

Cálculo de várias variáveis

4

60

60

0

MAT038

OB

OB

OB

OB

OB

QUI003

Química geral B

4

60

60

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

 

BIG049

Genética aplicada à engenharia ambiental

3

45

30

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

DCC001

Programação de computadores

4

60

60

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

ECN075

Economia para Engenharia

2

30

30

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

ESA116

Atividades Integradoras de Conhecimentos 2

1

15

15

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

405

ETG042

Introdução ao urbanismo

4

60

45

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

horas

FIS066

Fundamentos de termodinâmica

2

30

30

0

MAT001

OB

OB

OB

OB

OB

MAT040

Equações diferenciais C

4

60

60

0

MAT042

OB

OB

OB

OB

OB

QUI260

Química analítica I

4

60

60

0

QUI003

OB

OB

OB

OB

OB

 

Carga eletiva

3

45

 

EL

EL

EL

EL

EL

LEGENDA:

OB = Disciplina Obrigatória; OD = Disciplina Optativa Direcionada; EL

= Disciplina Eletiva; GR = Grupo

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Versão 2009/1 com ajustes outubro/2011

21

Tabela 8.1 – Elenco de disciplinas obrigatórias que compõem a estrutura curricular do curso de Engenharia Ambiental (Cont.)

     

Carga horária(h)

 

Modalidade / Ênfase (Código)

Período

Código

Disciplina

Créditos

Total

Teó.

Pra.

Pré-requisitos

1

2

3

4

5

 

DCC034

Cálculo numérico

4

60

45

15

DCC001

OB

OB

OB

OB

OB

EHR022

Fenômenos de transporte para engenharia ambiental

4

60

45

15

FIS065

OB

OB

OB

OB

OB

ESA117

Trabalho temático 2

2

30

0

30

EHR021

OB

OB

OB

OB

OB

EST031

Estatística e probabilidades

4

60

60

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

405

MIC119

Microbiologia aplicada à engenharia ambiental

3

45

30

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

horas

QUI261

Química orgânica I

4

60

60

0

QUI003

OB

OB

OB

OB

OB

UNI008

Saúde ambiental

2

30

30

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

 

Carga optativa direcionada

4

60

 

OD

OD

OD

OD

OD

 

EES153

3

45

45

0

FIS065

OB

OB

OB

OB

OB

EHR016

Fundamentos de mecânica dos sólidos A Hidráulica I

4

60

30

30

EHR022

OB

OB

OB

OB

OB

EHR023

Atividades Integradoras de Conhecimentos 3

1

15

15

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

ELE157

Fundamentos de sistemas elétricos e eletrônicos

4

60

44

16

FIS054

OB

OB

OB

OB

OB

EQM060

Laboratório de instrumentação

2

30

0

30

QUI260

OB

OB

OB

OB

OB

420

EQM061

Cinética química e bioquímica

3

45

30

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

   

horas

ESA118

Metodologias de avaliação de impactos ambientais

2

30

30

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

ESA119

Gerenciamento de resíduos sólidos urbanos

3

45

30

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

ETG043

Mecânica dos solos

4

60

30

30

GEL056

OB

OB

OB

OB

OB

 

Carga eletiva

3

45

 

EL

 

Carga optativa - grupos

2

30

 

GR

GR

GR

GR

 

EHR017

Hidráulica II

4

60

30

30

EHR016

OB

OB

OB

OB

OB

EHR024

Hidrologia ambiental

4

60

30

30

 

OB

OB

OB

OB

OB

EHR025

Hidrogeologia ambiental

3

45

30

15

GEL056

OB

OB

OB

OB

OB

EHR026

Trabalho temático 3

2

30

0

30

ESA117

OB

OB

OB

OB

OB

390

ESA011

Sistema de abastecimento de água

4

60

45

15

EHR016

OB

OB

OB

OB

OB

horas

ESA120

Diagnóstico e avaliação da poluição das águas superficiais

3

45

30

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

ETG044

Geotecnia ambiental

4

60

60

0

ETG043

OB

OB

OB

OB

OB

 

Carga eletiva

2

30

 

EL

 

Carga optativa - grupos

2

30

 

GR

GR

GR

GR

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Versão 2009/1 com ajustes outubro/2011

22

Tabela 8.1 – Elenco de disciplinas obrigatórias que compõem a estrutura curricular do curso de Engenharia Ambiental (Cont.)

     

Carga horária(h)

 

Modalidade / Ênfase (Código)

Período

Código

Disciplina

Créditos

Total

Teó.

Pra.

Pré-requisitos

1

2

3

4

5

 

EHR027

Sistemas de drenagem pluvial

2

30

20

10

EHR017

OB

OB

OB

OB

OB

EQM062

Operações unitárias e processos para a eng. ambiental

4

60

30

30

EQM061

OB

OB

OB

OB

OB

ESA012

Sistemas de esgotamento sanitário e pluvial

4

60

45

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

ESA121

Diag. e aval. da poluição do solo e das águas subterrâneas

4

60

45

15

EHR025

OB

OB

OB

OB

OB

345

ESA122

Tratamento de resíduos sólidos

2

30

20

10

ESA119

OB

OB

OB

OB

OB

horas

ESA123

Diagnóstico e avaliação da poluição atmosférica

4

60

45

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

ESA124

Atividades Integradoras de Conhecimentos 4

1

15

15

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

 

Carga eletiva

2

30

 

EL

 

Carga optativa – grupos

2

30

 

GR

GR

GR

GR

 

EMC031

Noções de materiais e técnicas de construção

3

45

45

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

ESA014

Tratamento de águas de abastecimento

4

60

45

15

ESA011

OB

OB

OB

OB

OB

ESA015

Tratamento de águas residuárias

4

60

45

15

ESA012

OB

OB

OB

OB

OB

ESA125

Controle da poluição do solo e das águas subterrâneas

3

45

30

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

345

ESA126

Controle da poluição atmosférica

3

45

30

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

horas

ESA127

Trabalho temático 4

2

30

0

30

 

OB

OB

OB

OB

OB

 

Carga eletiva

4

60

 

EL

 

Carga optativa - grupos

4

60

 

GR

GR

GR

GR

 

EHR029

Gestão de recursos hídricos

2

30

30

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

ENG087

Estágio supervisionado

11

165

15

150

 

OB

OB

OB

OB

OB

ESA128

Legislação e gestão de saneamento e meio ambiente

2

30

30

0

 

OB

OB

OB

OB

OB

345

 

Carga eletiva

9

135

 

EL

horas

 

Carga optativa - grupos

8

120

 

GR

GR

GR

GR

 
   

Carga optativa - grupos

5

75

 

GR

10º

ENG088

Trabalho de conclusão de curso

1

15

0

15

 

OB

OB

OB

OB

OB

180

 

Carga optativa - grupos

11

165

 

GR

GR

GR

GR

horas

 

Carga optativa - grupos

4

60

   

GR

Total 240 3600
Total
240
3600

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFMG – Versão 2009/1 com ajustes outubro/2011

23

Tabela 8.2 – Disciplina optativa direcionada que compõe a estrutura curricular do curso de Engenharia Ambiental

Classificação