Você está na página 1de 38

1. Ciência

AGeografiadePtolomeu,c.150d.C.

Alexandria,Egito,c.150d.C.

AoseaproximardeAlexandriapelomar,vindodoleste,aprimeiracoisa queumviajanteclássicovianohorizonteeraacolossaltorredepedrado Farol,numapequenailhasituadanaentradadoportodacidade.Commais de cem metros de altura, a torre funcionava como um marco para os marinheiros que percorriam a costa egípcia, em grande parte uniforme. Durante o dia, um espelho posicionado em seu ápice acenava para os marinheiros,eànoiteacendiam-sefogueirasparaguiarospilotosatéa costa.Masatorreeramaisdoqueumsimplesmarcodenavegação.Ela anunciavaaosviajantesqueestavamchegandoaumadasgrandescidades do mundo antigo. Alexandria foi fundada em 334 a.C. por Alexandre, o Grande,quedeuopróprionomeàcidade.Apóssuamorte,elatornou-sea capital da dinastia ptolomaica (nome derivado de Ptolomeu, um dos generaisdeAlexandre),quegovernariaoEgitopormaisdetrezentosanos edifundiriaasideiaseaculturagregasportodooMediterrâneoeOriente Médio. 1 DepoisdepassarpeloFarol,oviajantequeentravanoportono século III a.C. se via diante de uma cidade disposta em forma de uma clâmide,omantoretangulardelãusadoporAlexandreeseussoldados, umaimagemicônicadopoderiomilitargrego.Alexandria,talcomooresto domundocivilizadonaépoca,estavaenvoltanomantodainfluênciagrega, o“umbigo”domundoclássico.Eraumexemplovivodeumapólisgrega transplantadaparasoloegípcio. Aascensãodacidaderepresentouumamudançadecisivanageopolítica do mundo clássico. As conquistas militares de Alexandre haviam transformadoomundogrego,deumgrupodecidades-estadospequenase insulares em uma série de dinastias imperiais espalhadas por todo o Mediterrâneo e pela Ásia. Essa concentração de riqueza e poder em impérios como a dinastia ptolomaica trouxe consigo mudanças para a guerra,tecnologia,ciência,arte,comércioecultura.Levouanovasformas

deinteração,comércio,trocadeideiaseaprendizadoentreaspessoas.No centro desse mundo helenístico em evolução, que ia de Atenas à Índia, entre c.330 a.C. e c.30 a.C., estava Alexandria. Do oeste, ela recebia os mercadoresecomerciantesdosgrandesportosecidadesmediterrâneos, tãodistantesquantoaSicíliaeosuldaItália,eenriqueciacomocomércio feito com Roma, potência em ascensão. Do norte, recebia a influência culturaldeAtenasedascidades-estadosgregas.Reconheciaainfluência dosgrandesreinospersasdoorienteeabsorviadosulariquezadofértil deltadoNiloedasvastasrotasdecomércioereinosantigosdomundo subsaariano. 2 Tal como a maioria das grandes cidades que se situam numa encruzilhadadepovos,impériosecomércio,Alexandriatornou-setambém um núcleo de saber e erudição. De todos os grandes monumentos que definemacidade,nenhumémaispotentenoimaginárioocidentaldoque sua antiga biblioteca. Fundada pelos Ptolomeu por volta de 300 a.C., a biblioteca de Alexandria foi uma das primeiras bibliotecas públicas, projetadaparamanterumacópiadecadamanuscritoconhecidoescritoem grego, bem como traduções de livros de outras línguas antigas, especialmenteohebraico.Abibliotecacontinhamilharesdelivros,escritos em rolos de papiro, e todos catalogados e disponíveis para consulta. No coraçãodesuarededepaláciosreais,osPtolomeucriaramum“mouseion” (museu),originalmenteumsantuáriodedicadoàsnoveMusas(oudeusas), masqueelesredefiniramcomoumlugarparaocultodasmusasdosabere da erudição. Ali, os pesquisadores eram convidados a estudar, com promessasdehospedagem,pensãoe,omelhordetudo,acessoàbiblioteca. Algumas das melhores cabeças de toda a Grécia daquele período foram atraídas para trabalhar no museu e sua biblioteca. Euclides (c.325-265

a.C.),ograndematemático,veiodeAtenas;opoetaCalímaco(c.310-240

a.C.)eoastrônomoEratóstenes(c.275-195a.C.)vieramambosdaLíbia;o

matemático, físico e engenheiro Arquimedes (c.287-212 a.C.) veio de Siracusa. AbibliotecadeAlexandriafoiumadasprimeirastentativassistemáticas de reunir, classificar e catalogar o conhecimento do mundo antigo. Os Ptolomeu decretaram que todos os livros que entrassem na cidade deveriamserapreendidospelasautoridadesecopiadospelosescribasda biblioteca(emboraseusproprietáriosdescobrissem,àsvezes,queapenas uma cópia de seu livro original era devolvida). As estimativas da quantidadedelivrosguardadosnabibliotecamostraram-semuitodifíceis

de fazer, devido a afirmações desvairadamente contraditórias de fontes clássicas,masatémesmoasavaliaçõesconservadorasfalamemmaisde

100miltextos.Umcomentaristaclássicodesistiudetentarcontar:“Quanto

aonúmerodelivrosecriaçãodebibliotecas,porqueprecisofalar,sesão todaamemóriadoshomens?”,escreveuele. 3 Comefeito,abibliotecaera umvastorepositóriodamemóriacoletivadomundoclássicocontidonos livrosquecatalogava.Paratomaremprestadaumaexpressãodahistóriada ciência, era um “centro de cálculo”, uma instituição com recursos para reunireprocessarinformaçõesdiversassobreumagamadeassuntos,onde “gráficos,tabelasetrajetóriasestãocomumenteàmãoesãocombináveisà vontade”,edaqualosestudiosospodiamsintetizaressasinformaçõesem buscadeverdadesmaisgeraiseuniversais. 4 Foi ali, em um dos grandes centros de cálculo e conhecimento, que

nasceuamodernaelaboraçãodemapas.Porvoltade150d.C.,oastrônomo

CláudioPtolomeuescreveuumtratadointituladoGeographikéHyphêgesis (“Esboço geográfico”), que viria a ser conhecido simplesmente como a Geografia. Sentado nas ruínas da outrora grande biblioteca, Ptolomeu compilou um texto que afirmava descrever o mundo conhecido e que definiriaacartografiapelosdoismilêniosseguintes.Escritoemgregoem um rolodepapiro, com oitoseçõesou“livros”, a Geografia resumia mil anosdepensamentogregosobreaforma,otamanhoeoalcancedomundo habitado. Ptolomeu definia sua tarefa de geógrafo como sendo a de “mostrar o mundo conhecido como uma entidade única e contínua, sua naturezaecomoelasesitua,levandoemcontasomenteascoisasqueestão associadasaeleemsuaslinhasgeraismaisamplas”,queelelistavacomo sendo“golfos,cidadesgrandes,ospovoseosriosmaisnotáveis,eascoisas maisdignasdenotadecadaespécie”.Seumétodoerasimples:“Aprimeira coisaqueéprecisoinvestigaréaforma,otamanhoeaposiçãodaTerraem relação ao seu ambiente, de modo que seja possível falar de sua parte conhecida,quãograndeelaéecomoelaé”e“emqueparalelosdaesfera celestecadaumadaslocalidadeséconhecida.” 5 AGeografiaqueresultou dissoeramuitascoisasaomesmotempo:umrelatotopográficodalatitude e longitude de mais de 8 mil lugares na Europa, Ásia e África; uma explicaçãosobreopapeldaastronomianageografia;umguiamatemático detalhado para fazer mapas da Terra e suas regiões; e o tratado que proporcionouàtradiçãogeográficaocidentalumadefiniçãoduradourade geografia–emsuma,umkitcompletoparaaconfecçãodemapastalcomo concebidopelomundoantigo. 6

NenhumtextoantesoudepoisdePtolomeuofereceriaumaexposição mais abrangente da Terra e como fazer para descrevê-la. Após sua conclusão, a Geografia de Ptolomeu desapareceu por mil anos. Nenhum exemplaroriginaldaépocadePtolomeusobreviveu,eelasóreapareceuno séculoXIII,emBizâncio,commapasdesenhadosporescribasbizantinos que se baseavam claramente na descrição de Ptolomeu da Terra e da

posiçãodeseus8millugares,equemostramomundoclássicocomoele

via em Alexandria, no século II. Em ordem crescente, o Mediterrâneo, a Europa, o norte da África, o Oriente Médio e partes da Ásia parecem relativamentefamiliares.AsAméricaseaAustralásia(Oceania),aÁfrica meridionaleoExtremoOriente,desconhecidosdePtolomeu,estãotodos ausentes, assim como o Pacífico e a maior parte do oceano Atlântico. O oceano Índico aparece como um enorme lago, com o sul da África contornandoametadeinferiordomapaparaunir-seaumaÁsiacadavez maisespeculativaalestedapenínsuladaMalásia.Nãoobstante,trata-sede um mapa que parecemos entender: com o norte no alto, tem nomes de lugaresquemarcamasregiões-chave,eéconstruídocomousodeuma retícula. Tal como a maioria de seus antepassados gregos, desde Platão, Ptolomeu entendia que a Terra era redonda, e usou essa grade para enfrentaradificuldadedeprojetarumaTerraesféricasobreumasuperfície plana. Ele reconhecia que para desenhar um mapa retangular era necessária uma retícula, “para conseguir uma semelhança com uma imagem de um globo, de tal modo que sobre uma superfície plana os intervalos estabelecidos nela também estejam em proporção tão boa quantopossívelaosintervalosreais”. 7 TudoissofazcomquesejatentadorveraGeografiadePtolomeucomo um prenúncio precoce da cartografia moderna. Infelizmente, não é tão simples assim. A opinião dos estudiosos permanece dividida quanto à possibilidade ou não de Ptolomeu ter desenhado os mapas que acompanhamaGeografia: muitos historiadores sustentam que as cópias bizantinasdoséculoXIIIcontêmosprimeirosmapasailustrarseutexto. Aocontráriodedisciplinascomoamedicina,nãohavianenhumcampoou “escola” de geografia grega. Não existem exemplos registrados do uso práticodemapasnaGréciaclássica,ecertamentenãoháexemplosdeo livrodePtolomeutersidousadodessamaneira. Voltar-separaabiografiadePtolomeuafimdetentarcompreendera significação de seu livro oferece pouca ajuda. Não se sabe praticamente nadasobresuavida.Nãoháautobiografia,estátua,nemmesmoumrelato

escritoporumcontemporâneo.Muitosdeseusoutrostratadoscientíficos permanecemperdidos.AprópriaGeografiaespalhou-sepelascomunidades cristãsemuçulmanasquesurgiramparapreencherovaziodeixadopelo colapsodoImpérioRomano.Osprimeirosmanuscritosbizantinostrazem poucaspistassobrequantootextohaviamudadodesdequePtolomeuo escreveu. O pouco que sabemos sobre o autor baseia-se em suas obras científicasquesobreviverameemdescriçõesvagasdeleescritasporfontes bizantinasmuitoposteriores.Ofatodeterassumidoonome“Ptolemaeus” indica que era provavelmente nativo e morador do Egito ptolomaico, o qual, durante sua vida, já estava sob o controle do Império Romano. “Ptolemaeus” também sugere, embora não prove, ascendência grega. O nome “Cláudio” (“Claudius”) indica que possuía cidadania romana, possivelmente concedida a um antepassado pelo imperador Cláudio. As observações astronômicas registradas em seus primeiros trabalhos científicos sugerem que ele prosperou durante os reinados dos imperadores Adriano e Marco Aurélio, dando datas aproximadas de nascimentoporvoltadoano100edemorte,nãodepoisde170. 8 Issoé tudooquesabemossobreavidadePtolomeu. AcriaçãodaGeografiadePtolomeué,sobalgunsaspectos,umparadoxo. Embora se possa dizer que o livro é o mais influente da história da cartografia, é incerto, como vimos, se continha mapas. Seu autor, um matemáticoeastrônomo,nãoseconsideravaumgeógrafo,esuavidaéum vaziovirtual.Eleviveuemumadasgrandescidadesdosaberhelenístico tardio, mas no momento em que seu poder e sua influência já haviam

passadodoapogeu.RomaderrubaraadinastiadosPtolomeuem30a.C.,e

supervisionara o declínio gradual e a dispersão da biblioteca outrora grande. Mas Ptolomeu teve sorte. Foi somente quando o grande florescimento do mundo helênico começou o seu lento declínio que as condições se tornaram propícias para a criação do livro que definiria a geografiaeacartografia;omundotinhadechegaraoseunadirantesque fossepossíveldescreversuageografia.SeabibliotecadeAlexandriareuniu e depois perdeu a “memória dos homens”, a Geografia de Ptolomeu representouamemóriadeumapartesignificativadomundodohomem. Mas um texto como esse exigia a imersão de seu autor em quase um milêniodeespeculaçãoliterária,filosóficaecientíficagregasobreoscéuse aterraantesquepudesseserescrito.

EMBORA A GRÉCIA ARCAICA não tivesse nenhuma palavra para “geografia”, desde

pelo menos o século III a.C., os gregos antigos se referiam ao que chamaríamosde“mapa”comapalavrapinax.Ooutrotermoutilizadocom frequência era periodos gés, literalmente “circuito da Terra” (uma expressão que formaria a base de muitos tratados posteriores sobre geografia).Emboraambosostermosviessemasersubstituídospelotermo latino mappa, a formulação grega clássica tardia da geografia resistiu, composta pelo substantivo (Terra) e o verbo graphein (desenhar ou escrever). 9 Estes termos oferecem alguma luz sobre a maneira como os gregosviamosmapaseageografia.Umpinaxéummeiofísiconoqual imagens ou palavras são inscritas, e periodos gés implica uma atividade física, especificamente “dar uma volta” na Terra, de forma circular. A etimologiadegeo-grafiatambémsugerequeelaeratantoumaatividade visual (desenhada) como uma declaração linguística (escrita). Embora todosessestermosfossemcadavezmaisusadosapartirdoséculoIIIa.C., elesestavamincluídosnosramosmaisreconhecíveisdosabergrego,ou seja,mythos(mito),historia(história),ouphysiologia(ciêncianatural). Desde seus primórdios, a geografia grega surgiu de especulações filosóficasecientíficassobreasorigenseacriaçãodouniverso,emvezde derivardealgumanecessidadeespecificamenteprática.Porvoltadaépoca donascimentodeCristo,ohistoriadorgregoeautodenominadogeógrafo

Estrabão(c.64a.C.-21d.C.),remontandoàssuasorigensaoescreversua

própriaGeografiaemdezessetelivros,afirmouque“aciênciadageografia” era“umaocupaçãodofilósofo”.Oconhecimentonecessárioparaaprática da geografia era, para Estrabão, “possuído somente pelo homem que investigou as coisas humanas e divinas”. 10 Para os gregos, mapas e geografiafaziampartedeumainvestigaçãoespeculativamaisamplasobre aordemdascoisas:explicações,escritasevisuais,dasorigensdocosmose dolugardahumanidadedentrodele. O relato mais antigo do que poderíamos chamar de geografia grega aparecenaobradopoetaqueEstrabãochamade“oprimeirogeógrafo”:

Homero,cujopoemaépicoIlíadaégeralmentedatadodoséculoVIIIa.C.No

finaldolivro18,quandoaguerraentregregosetroianosatingeoclímax,

Tétis,mãedoguerreirogregoAquiles,pedeaHefesto,odeusdofogo,que dêaseufilhoumaarmaduraparalutarcontraoseuadversáriotroiano Heitor.AdescriçãofeitaporHomerodo“escudoenormeepoderoso”que Hefesto molda para Aquiles é um dos primeiros exemplos literários de ekphrasis,umadescriçãovívidadeumaobradearte.Mastambémpodeser vistacomoum“mapa”cosmológico,ouoqueumgeógrafogregochamaria

de“kosmoumiméma”,“imagemdomundo”, 11 umarepresentaçãomorale simbólicadouniversogrego,nestecasocompostoporcincocamadasou círculosconcêntricos.Emseucentroestavam“aterra,océu,omar,osol incansável, a lua cheia e todas as constelações que coroam os céus”. No círculo exterior, o escudo retratava “duas belas cidades de homens mortais”,umaempaz,outraemguerra;avidaagrícolamostrandoaprática dearar,colhereavindima;omundopastoralde“gadodechifreseretos”, “ovelhasdelãbranca”;e,finalmente,“opoderosorioOceano,correndona orlaextremadoforteescudo”. 12 Embora o leitor moderno possa não ver de imediato na descrição de HomerodoescudodeAquilesummapaouumexemplodegeografia,as definiçõesdeambosostermosgregossugeremocontrário.Estritamente falando,Homeroforneceumageo-grafia–umadescriçãográficadaTerra– quefazumarepresentaçãosimbólica,nestecaso,dasorigensdouniversoe do lugar da humanidade dentro dele. Ele também segue as definições gregasdeummapacomopinaxouperiodosgés:oescudoétantoumobjeto físicoemqueaspalavrasestãoescritascomotambémumcircuitodaTerra, circunscritaaoslimitesdo“poderosorioOceano”,quedefineafronteira (peirata) de um mundo potencialmente ilimitado (ápeiron). Para comentaristas gregos posteriores, a descrição de Homero oferece não apenasumageografia,mastambémumahistóriadaprópriaCriação:uma cosmogonia. Hefesto, deus do fogo, representa o elemento básico da Criação,eaconstruçãodoescudocircularéumaalegoriadaformaçãode umuniversoesférico.Osquatrometaisdoescudo(ouro,prata,bronzee estanho)representamosquatroelementos,enquantosuascincocamadas correspondemàscincozonasdaTerra. 13 Alémdeumacosmogonia,oescudodeAquilesétambémumadescrição domundoconhecidocomoapareceaquemolhaparacimadohorizontee observaocéu.ATerraéumdiscoplano,cercadodemarportodososlados, comocéueasestrelasacimaeosolnascendonolesteesepondonooeste. Essa era a forma e o alcance do oikoumené, termo grego para mundo habitado.Suaraizestáemoikos,“casa”ou“espaçodehabitação”.Comoa palavranosdiz,apercepçãogregaantigadomundoconhecido,comoada maioria das comunidades arcaicas, era essencialmente egocêntrica, emanandoparaforadocorpoedeseuespaçodomésticodesustentação.O mundo começava com o corpo, era definido pelo lar e terminava no horizonte.Qualquercoisaalémdissoeraumcaossemlimites. Para os gregos, a geografia estava intimamente ligada a uma

compreensãodacosmogonia,porqueentenderasorigensdaTerra()era compreenderaCriação.ParapoetascomoHomeroemaisexplicitamente Hesíodo, em sua Teogonia (c.700 a.C.), a Criação começa com o Caos, a massa informe que precede as três outras entidades: Tártaros (o deus primordialdopoçosombriodebaixodaterra),Eros(odeusdoamoreda procriação)e,maisimportante,Gaia(apersonificaçãofemininadaTerra). TantoCaoscomoGaiaproduzemfilhos,Nyx(Noite)eUranôs(Céu).Desua uniãoposteriorcomUranôs,GaiaproduzasdozedivindadesdosTitãs:seis filhos–Oceanôs,Hiperion,Coios,Cronos,IápetoseCrios–eseisfilhas– Mnemosine, Febe, Reia, Tétis, Teia e Têmis –, que por sua vez são derrotados pelos deuses do Olimpo liderados por Zeus. Ao contrário da tradição cristã, a criação humana nos primeiros relatos gregos é contraditóriae,muitasvezes,secundáriaemrelaçãoàslutasdosdeuses. Homeronuncafazumrelatoexplícitodacriaçãodosmortais,emcontraste comHesíodo,queafirmaqueahumanidadefoicriadapelotitãCronos,mas dápoucaexplicaçãosobreomotivodisso.Emoutrasversõesdomito,os mortaissãocriadospelotitãPrometeus,queprovocaairadeZeusaodar aos seres humanos o dom do “fogo”, ou espírito do conhecimento autoconsciente. Em outras versões do mito da Criação, em Hesíodo e outros,énegadaqualqueridentidadeexplicitamentedivinaàhumanidade, quenascedosoloouterra. 14

1.OescudodeAquiles,bronzedeJohnFlaxman,1824. Essas explicações ambíguas do nascimento da humanidade nos

1.OescudodeAquiles,bronzedeJohnFlaxman,1824.

Essas explicações ambíguas do nascimento da humanidade nos primeirosrelatosmíticosgregosdaCriaçãocontrastamcomasexplicações científicasenaturalistasda“ordemdascoisas”quecomeçaramasurgirno séculoVIa.C.nacidadejônicadeMileto(naatualTurquia),ondefloresceu um grupo de pensadores que apresentavam um argumento de aspecto científicoparaexplicaraCriação.Miletoestavabem-situadaparaabsorver ainfluênciadasteoriasbabilônicasdaCriaçãoeobservaçõesastronômicas sobre o movimento das estrelas que remontavam até 1800 a.C., representadas,comovimosnoiníciodestelivro,emtabuletasdeargilaque mostravamaTerracercadaporáguaecomaBabilôniapertodeseucentro.

OfilósofoAnaximandrodeMileto(c.610-546a.C.)foi,segundoobiógrafo

doséculoIIIDiógenesLaércio,“oprimeiroadesenharocontornodomare da terra”, e que “publicou o primeiro mapa geográfico [geographikon pinaka]”. 15 Tal como a maioria dos escritores gregos que trataram de geografia antesdePtolomeu,muitopoucodosescritosoumapasdeAnaximandro sobrevive;paratentarmontarumahistóriacoerentedageografiagrega, temos de confiar na reconstrução mnemônica e em relatos de autores gregos posteriores, os assim chamados doxógrafos. Entre eles, temos figurascomoPlutarco,HipólitoeDiógenesLaércio,querelatamasvidase doutrinasfundamentaisdeautoresantigos.Muitasvezes,édifícilavaliaro significado de muitos autores posteriores que tratam de geografia, inclusiveEstrabãoesuaGeografia,queédesproporcionalmenteinfluente apenas porque sobreviveu. Não obstante, praticamente todos os autores gregosafirmamqueAnaximandrofoioprimeiropensadoraforneceruma explicação convincente do que se acredita que ele mesmo chamou de “ordem das coisas”. Anaximandro apresenta uma variação do caos origináriodeHesíodo,propondoquenoiníciohaviaumilimitadoeterno, ou ápeiron. O ilimitado secretou de alguma forma uma “semente” que produziu então uma chama, “que cresceu em torno do ar sobre a terra como casca em torno de uma árvore”. 16 Quando a Terra começou a se formar, a “chama” envolvente se afastou para criar “anéis” de planetas, estrelas,aluaeosol(emordemcrescente).EssesanéiscercaramaTerra, mas eram visíveis somente devido a “aberturas” através das quais os corpos celestes podiam ser vistos da Terra como objetos circulares. Anaximandrosustentavaqueavidahumanavinhadaumidadeprimordial (em algumas versões, a humanidade nasce de uma casca espinhosa, em outras,elaevoluidospeixes).Comoexplicaçãonaturalistadacriaçãodo universoedahumanidade,trata-sedeumavançosignificativoemrelação aosrelatosanterioresbaseadosemdeusesemitos,maséaexplicaçãode AnaximandrodolugardaTerranessacosmogoniaqueéparticularmente original.OsdoxógrafosnosdizemqueAnaximandroafirmavaque“aTerra estáemsuspenso,nãodominadapornada;quepermanecenolugarem virtude da distância semelhante de todos os pontos [da circunferência celestial]”,equesuaforma“écilíndrica,comaprofundidadedeumterço desualargura”. 17 Apartirdessacosmogoniaveioumanovacosmologia–o estudo do universo físico. Abandonando as crenças babilônicas e gregas mais antigas de que a Terra flutuava sobre água ou ar, Anaximandro introduziuumacosmologiapuramentegeométricaematemática,emquea

Terraestánocentrodeumcosmossimétricoemperfeitoequilíbrio.Éo

um universo geocêntrico

cientificamentedefendido. AargumentaçãoracionaldeAnaximandroemdefesadasorigensfísicas da Criação definiu toda a especulação metafísica grega posterior. Seu impacto sobre a geografia grega também foi profundo. Apesar de não termosumadescriçãodeseumapadomundo,adoxografiaproporciona uma ideia de como ele poderia ser. Imagine a Terra como um tambor circular,emtornodoqualestãoosanéiscelestiais:deumladodotambor encontra-seummundodesabitadoedooutro,ooikoumené,cercadopelo oceano.EmseucentroestavaMileto,acidadenataldeAnaximandro,oua pedrasagradadoomphalós,o“umbigo”domundo,recentementeinstalada no templo de Apolo, em Delfos, e de onde a maioria dos mapas gregos posteriores tomaria a orientação. Descrições escritas provavelmente complementavam o mapa de Anaximandro: as viagens míticas dos Argonautas e de Odisseus; periploi, descrições náuticas de viagens marítimaspeloMediterrâneo;erelatosdacolonizaçãoantigaderegiõesdo mar Negro, Itália e Mediterrâneo oriental. 18 O mapa resultante continha provavelmenteumcontornorudimentardaEuropa,ÁsiaeLíbia(ouÁfrica) comoenormesilhas,separadaspeloMediterrâneo,omarNegroeoNilo. Escritores posteriores sobre geografia refinariam e desenvolveriam o mapa de Anaximandro, mas poucos poderiam igualar sua convincente cosmologia. O estadista e historiador Hecataios (ou Hecateu) de Mileto

(fl.500a.C.)escreveuoprimeirotratadoexplicitamentegeográficocomo

mais antigo conceito

conhecido de

títulodePeriodosgés,ou“CircuitodaTerra”,acompanhadoporummapa domundo.Omapaseperdeuerestamapenasfragmentosdotratado,mas elesfornecemalgumaindicaçãodecomoHecataiossebaseounageografia anterior de Anaximandro. Periodos descreve Europa, Ásia e Líbia, começandonopontomaisocidentaldomundoconhecido,asColunasde Hércules (ou estreito de Gibraltar); segue para o leste, ao redor do Mediterrâneo,atravésdomarNegro,Cítia,Pérsia,ÍndiaeSudão,etermina nacostaatlânticadoMarrocos.Alémdeescreversobreageografiafísica, Hecataios envolveu-se na revolta jônica (c.500-493 a.C.), na qual várias cidadesjônicasserebelaram,semsucesso,contraodomíniopersa. OmapadeHecataiospermanecepresoàpercepçãodomundocoma forma de um disco (como em Homero) ou de um cilindro (como em Anaximandro).Essassuposiçõesmíticasematemáticassofreramataques constantesdoprimeiroepossivelmentemaiordetodososhistoriadores

gregos,HeródotodeHalicarnasso(c.484-425a.C.).Noquartolivrodesua

vastaHistória,HeródotointerrompeadiscussãodopoderdaPérsiaeos limites setentrionais do mundo conhecido na Cítia, para ridicularizar geógrafoscomoHecataios:“Nãopossodeixarderirdoabsurdodetodosos fazedoresdemapas–hámuitosdeles–quemostramoOceanocorrendo comorioemtornodeumaTerraperfeitamentecircular,comaÁsiaea Europadomesmotamanho.” 19 Comoviajanteehistoriador,Heródotonão se interessava pela pura simetria geográfica do mito de Homero ou da ciênciadeAnaximandro.Emborareiterasseadivisãotripartidadomundo estabelecida por Hecataios entre Europa, Ásia e Líbia (África), Heródoto também listava cuidadosamente os povos, impérios e territórios conhecidos por seus contemporâneos, antes de concluir que “não posso deixardemesurpreendercomométododemapearLíbia,ÁsiaeEuropa. Ostrêscontinentesdiferem,defato,bastanteemtamanho.AEuropaétão compridaquantoosoutrosdoisjuntos,equantoàlargura,nãopode,em minhaopinião,sercomparadacomeles”. 20 Eledescartavaahipótesedeque omundohabitadoeracompletamentecercadoporágua,equestionavapor que“trêsnomesfemininosdistintosforamdadosaoqueérealmenteuma únicamassadeterra”–Europa(umaprincesalibanesaraptadaporZeus), Ásia(aesposadePrometeus,emboraemoutrastradiçõessejaofilhode Cotis,reidaTrácia)eLíbia(filhadeÉpafos,filhodeJúpiter). 21 Heródoto tinhapoucointeresseporgeometriaoupelanomenclaturadosmapasdo mundo planos, em forma de disco, que ele descreve (nenhum dos quais sobrevive).Noquelhediziarespeito,essasidealizaçõesabstratasdeveriam ser substituídas pela realidade verificável das viagens empíricas e encontrospessoais. Heródoto levantou implicitamente questões sobre a cartografia que a definiriam – e, às vezes, a dividiriam – por séculos. As alegações de objetividadedaciênciae,emparticulardageometria,sãosuficientespara fazermapasprecisosdomundo?Ouacartografiadeveriaconfiarmaisnos relatos ruidosos, muitas vezes contraditórios e pouco confiáveis de viajantes para desenvolver uma visão mais abrangente do mundo conhecido? Uma consequência dessas distinções era perguntar se a elaboração de mapas era uma ciência ou uma arte: era principalmente espacialoutemporal,umatovisualouescrito?Emboraacartografiagrega continuasse baseada em cálculos matemáticos e astronômicos, Heródoto levantouaquestãodecomoelareunia,avaliavaeincorporavaosdados brutosrecolhidosporviajantesnacriaçãodeummapamaisabrangentedo

mundo. AspreocupaçõesdeHeródotoencontrarampoucaressonânciaimediata entre seus contemporâneos, que continuaram a discutir questões matemáticas e filosóficas relativas à natureza da Terra. A crença de Anaximandroemumuniversogeometricamentesimétricofoidesenvolvida por Pitágoras (fl.530 a.C.) e seus discípulos, bem como por Parmênides (fl.480 a.C.), a quem é atribuído o avanço lógico de sugerir que, se o universo era esférico, então, a Terra também o era. Mas a primeira declaraçãoregistradasobreaesfericidadedaTerraestápertodofinaldo Fédon (c.380 a.C.), célebre diálogo de Platão sobre os últimos dias de Sócrates. O diálogo é mais conhecido por sua explicação filosófica das ideias platônicas a respeito da imortalidade da alma e pela teoria das formasideais,mas,pertodeseufinal,Sócratesapresentaumaimagemdo quechamade“regiõesmaravilhosasdaTerra”,talcomovistaspelaalma virtuosaapósamorte.“Fiqueiconvencido”,dizSócrates,“deque,seaTerra é de forma esférica e está colocada no meio do céu, para não cair não precisará nem de ar nem de qualquer outra força da mesma natureza:

porqueparasustentar-seésuficienteaperfeitauniformidadedocéueo equilíbrionaturaldaTerra.” 22 Oquesesegueéumavisãosingularmente platônicadaTerra.Sócratesexplicaqueahumanidadehabitaapenasuma fração de sua superfície, morando em uma série de concavidades, “de forma e tamanho variáveis, para as quais convergem água, vapor e ar. PorémaprópriaTerraseachapuranocéupuro,ondeestãoosastros”. Sócratesexplicaque“estanossaTerra”éumacópiapobre,“corrompida”da “verdadeira Terra”, um mundo ideal, que é visível somente para a alma imortal. 23 Finalmente,emumanotáveldescriçãodetranscendênciaglobal, eleprevêsuaprópriamorte,enquantosedescreveelevando-seeolhando paraomundoesférico:

O que dizem, companheiro, para começar, é que, se essa terra fosse vista de cima por alguém, pareceriaumdessesbalõesdecourodedozepeçasdecoresdiferentes,dequesãosimplesamostras ascoresconhecidasentrenósqueospintoresempregam.Todaaquelaterraéassim,porémdecores muitomaispurasebrilhantes;umaparteédecorpúrpuraeadmiravelmentebela;outraédourada; outra,ainda,branca,émaisalvadoqueogizeaneve,omesmoacontecendocomtodasascoresde queéfeita,emmuitomaiornúmeroemaisbelasdoquequantaspossamosjátervisto. 24a

Esseespectrosemprecedentesdeummundoidealesférico,brilhante, vistopelaalmaimortalemummomentodetranscendênciaespiritual,seria adotadoemumasériedesubsequentesimaginaçõesgeográficasdoglobo, especialmentedentrodatradiçãocristãdasalvaçãoeascensãoespiritual. Também definiria a crença de Platão na criação do mundo por um

demiurgodivino,ou“artesão”,apresentadonoTimeu.EssavisãodaTerraé fundamentalparaadefesaplatônicadateoriadasformasedaimortalidade daalma.Somenteaalmaimortalpodeapreenderaformaidealdomundo; masointelectoeaimaginaçãodosseresmortais,emformadepintores, cartógrafosoumatemáticos,sãocapazesderepresentarsuaordemdivinae celestial, ainda que através de reproduções pobres. Até mesmo os matemáticossópoderiamofereceraproximaçõespálidasdaTerraideal;a alusãodePlatãoaobalãodecourodedozepeçaséumareferênciaàteoria dePitágorasdododecaedro,osólidomaispróximodaesfera.Avisãode Platão–maisdedoismilêniosantesqueosonhodeseelevaracimada Terraevê-laemtodaasuaglóriasetornasserealidadenaeradaviagem espacialextraterrestre–viriaaserumidealirresistível,emborailusório, parageraçõesdegeógrafos.

TendodefinidoaTerradentrodocontextomaisamplodaCriação,os pensadoresgregosclássicoscomeçaramaespecularsobrearelaçãoentre esferas celeste e terrestre, e como a primeira poderia ajudar a medir a forma e a extensão da Terra. Um dos alunos de Platão, o matemático e

astrônomoEudoxodeCnidos(c.408-355a.C.),criouummodelodeesferas

celestesconcêntricasgirandoemtornodeumeixoquepassavapelocentro da Terra. Eudoxo deu o salto intelectual de sair dos limites do mundo terrestreparaimaginarouniverso(eaTerraemseucentro)paraalémdo espaço e do tempo, desenhando um globo celeste visto “de fora” para dentro,emqueasestrelaseaTerrasãoobservadasdeumaperspectiva divina.Issolhepossibilitoutraçarosmovimentosdoscéusemumglobo terrestre e mostrar como os principais círculos celestes (criados ao imaginar-seaextensãodoeixodaTerranoespaço,emtornodoqualas estrelasparecemgirar),inclusiveoequadoreostrópicos,atravessavama superfíciedaTerra. OuniversogeocêntricodeEudoxofoiumgrandeavançonacartografia celeste.Possibilitou-lhedesenvolverumaversãopersonificadadozodíaco (zodiakoskuklos,ou“círculodeanimais”),quemoldariatodaacartografia celestialeaastrologiaposteriores,equeaindainfluenciaalinguagemda modernageografia,comonostrópicosdeCâncereCapricórnio.Alémde seuscálculosastronômicos,Eudoxoescreveuumtextoperdido,oCircuito da Terra, no qual consta ter feito uma das primeiras estimativas da

circunferência da

método grego

famigeradamentedifícildemedição,definidocomoadistânciapercorrida porumaradoemumaúnicapuxadaeestimadoentre148e185metros). 25

Terra,

400

mil

estádios (o

Aouniraobservaçãoempíricadoscéusedaterracomasespeculações filosóficasdeAnaximandroePlatão,oscálculosdeEudoxoinfluenciarama obradomaisimportantedetodososfilósofosantigosesuaspercepçõesdo

mundoconhecido:Aristóteles(384-322a.C.).

VáriasobrasdeAristótelescontêmdescriçõesdetalhadasdaformaedo tamanho da Terra, entre elas, seu tratado cosmográfico Sobre os céus e Meteorologia(quetraduzidoliteralmentesignifica“oestudodecoisasno ar”), ambos escritos por volta de 350 a.C. Em Sobre os céus, Aristóteles apresenta o que poderíamos considerar como prova adequada de que a Terraéesférica.BaseadonacosmogoniadeAnaximandro,eleacreditava queamassadaTerra“éemtodososlugaresequidistantedeseucentro”, em outras palavras, esférica. “A evidência dos sentidos”, continua Aristóteles,“corroboraaindamaisisso.”Epergunta:“Dequeoutromodoos eclipses da lua mostrariam segmentos [curvos] como nós os vemos?” Ademais,porque“umapequenamudançadeposiçãoparaosulouparao nortecausaumamanifestaalteraçãodohorizonte”,amenosqueaTerra sejaredonda? 26 Meteorologia levou esses argumentos ainda mais longe. Aristóteles definiu seu tema como “tudo o que acontece naturalmente”, e “que tem lugarnaregiãoqueestámaispertodosmovimentosdasestrelas”emais próximodaTerra. 27 Emboraolivropareçaagoraumadescriçãoesotérica decometas,estrelascadentes,terremotos,trovõeserelâmpagos,elefazia parte da tentativa de Aristóteles de dar forma e sentido a um universo geocêntrico. No segundo livro de Meteorologia, Aristóteles descreve o mundohabitado.“PoishádoissetoreshabitáveisdasuperfíciedaTerra”, “um,emquevivemos,próximoaopolosuperior,ooutroemdireçãoao outro,queéopoloSul…essessetorestêmaformadetambor”.Eleconcluía que“osmapasatuaisdomundo”,quemostravamooikoumenécomoum discocirculareplano,eram“absurdos”porrazõesfilosóficaseempíricas:

Poisocálculoteóricomostraqueeleélimitadoemlarguraepoderia,noquedizrespeitoaoclima,se estenderaoredordaTerraemumcinturãocontínuo,poisnãoéadiferençadelongitude,masde latitude,queprovocagrandesvariaçõesdetemperatura.…Eosfatosconhecidospornósapartirde viagenspormareporterratambémconfirmamaconclusãodequeseucomprimentoémuitomaior doquesualargura.Pois,seconsiderarmosessasviagensejornadas,tantoquantosãocapazesde produziralgumainformaçãoprecisa,adistânciadasColunasdeHérculesatéaÍndiasuperaaquela quevaidaEtiópiaaolagoMaeotis[mardeAzov,aoladodomarNegro]eaosconfinsdaCítiapor uma proporção maior do que de 5 para 3. No entanto, conhecemos toda a largura do mundo habitávelatéasregiõesinabitáveisqueolimitam,ondeahabitaçãodeixadeexistir,deumladopor causa do frio, do outro por causa do calor; enquanto que para além da Índia e das Colunas de Hérculeséomarquecortaaterrahabitáveleimpedeaformaçãodeumcinturãocontínuoaoredor doglobo. 28

O globo de Aristóteles estava dividido em cinco zonas climáticas, ou klimata (que significa “inclinação”, “declive”): duas zonas polares, duas zonas temperadas, habitáveis de ambos os lados da linha do equador, e umacentral,aolongodoequador,inabitáveldevidoaoseuextremocalor. Baseava-senaideiadeklimatapropostaporParmênidesefoiaprimeira tentativadecriaçãodeumaetnografiadoclima. 29 SegundoAristóteles,o “clima”, ou “inclinação” dos raios do sol diminuía à medida que alguém viajasse para o norte, cada vez mais distante do equador. Assim, nem o calor insuportável do equador, nem as zonas polares setentrionais congelantes e “frígidas” poderiam sustentar a vida humana, que era possívelsomentenaszonas“temperadas”donorteedosul.Acrençade Aristótelesnaimportânciadaexperiênciaedoqueeleconsideravafatos empíricosquedefiniamalarguraeocomprimentodomundoconhecido teria agradado Heródoto, mas também expandiu muito a extensão do mundoconhecidoàluzdasconquistasmilitaresdopupilomaisfamosodo filósofo, Alexandre, o Grande, dos Balcãs à Índia, em 335-323 a.C. JuntamentecomotratadoposteriordePtolomeu,adescriçãodaTerrafeita porAristótelesdominariaageografiapormaisdemilanos. AMeteorologiadeAristótelesrepresentaoápicedaespeculaçãoteórica gregaclássicasobreomundoconhecido.Suaconfiançanossentidosena importância da observação prática era um avanço em relação às cosmologiasdeAnaximandroePlatão,masageografiagregaantesdelenão havia sido exclusivamente teórica. Há referências esparsas (muitas retrospectivas) ao uso prático de mapas já na época da revolta jônica contra os persas. Heródoto conta como Aristágoras de Mileto procurou ajuda militar de Cleómenes, rei de Esparta, contra os persas e que ele “levou para a entrevista um mapa do mundo gravado em bronze, mostrando todos os mares e rios”, e “as posições relativas das diversas nações”. A detalhada geografia mostrada no mapa de Lídia, Frígia, Capadócia,Chipre,Armêniae“todaaÁsia”parecesebasearemmuitomais doquenomapacontemporâneodeAnaximandroeinclui“estradasreais” da Babilônia, as rotas desmatadas que se irradiavam da Babilônia,

projetadasporvoltade1900a.C.paracomportarcarrosdeguerra,eque

também possibilitavam o comércio e a comunicação. 30 Aristágoras não consegueoapoiomilitardeCleómenesquandoadmitequeomaparevelaa distânciaproibitivaqueoexércitoespartanoteriadeviajardesdeomar:

trata-se,portanto,deumdosprimeirosexemplosdousopolíticoemilitar

dosmapas.

Emtommaisleve,acomédiadeAristófanesdoséculoVa.C.Asnuvens mostraumcidadãoateniensechamadoStrepsiadesarguindoumestudante esuaparafernáliaacadêmica.Oestudantediz:“Aquitemosummapado mundo inteiro. Está vendo? Aqui é Atenas.” A resposta cômica de Strepsiadesédedescrença:“Nãosejaridículo.Nãovejonemmesmoum únicotribunal.”QuandooestudanteapontaalocalizaçãodoEstadoinimigo

deEsparta,Strepsiadesdiz:“Estápertodemais!Seriadebomalvitreafastá-

laparamaislonge.”EssesexemplosmostramquejánoséculoVa.C.os mapasmundiaisgregoseramobjetosfísicos,públicos,usadosnasartesda guerraedapersuasão.Eleseramextremamentedetalhados,inscritosem bronze,pedra,madeira,ouatémesmonochão,emostravamumcertograu de conhecimento geográfico. Mas eram também próprios da elite:

Aristófanessatirizaaignorânciacomumdasofisticaçãoderepresentação dosmapas,massuaspiadassófuncionamnopressupostodequeopúblico sabequeomapaéapenasumarepresentaçãodoterritório,equenãoé possível mudar de lugar países que parecem desconfortavelmente próximos. Esse era o estado da geografia grega no século IV a.C. As conquistas militares de Alexandre, o Grande, impulsionaram a cartografia numa direção mais descritiva, baseada na experiência direta e em registros escritos de terras distantes, que culminaria na criação da Geografia de Ptolomeu.AsconquistasdeAlexandrenãoforamsignificativasapenaspara aexpansãodoconhecimentogregodomundoconhecido.Tendoaprendido aimportânciadaobservaçãoempíricacomseututor,Aristóteles,Alexandre nomeouumaequipedeestudiososparacoletardadossobreaflora,afauna, a cultura, a história e a geografia dos lugares que visitavam e fazer relatórios escritos sobre o avanço diário do exército. A união do conhecimento teórico de Aristóteles e seus predecessores com a observaçãodiretaeasdescobertasdascampanhasdeAlexandremudariao mododeelaborarmapasnoperíodohelenísticoqueseseguiuàmortede Alexandre. Enquantoosmapasgregosclássicosconcentravam-senacosmogoniae na geometria, a cartografia helenística incorporou esses aspectos àquilo queparanóspareceumaabordagemmaiscientíficadomapeamentoda Terra. Píteas de Massalia (Marselha), contemporâneo de Alexandre, explorouascostasoesteenortedaEuropa,viajandoaolongodascostas ibérica, francesa, inglesa e, possivelmente, até mesmo do Báltico. Suas viagens definiram Thule (que poderia ser a Islândia, as Órcades ou até

mesmoaGroenlândia)comoolimitesetentrionaldomundohabitado,e também estabeleceram corretamente a posição exata do polo celeste (o pontoemqueaextensãodoeixodaTerracruzaaesferacelestial).Mas, naquilo que talvez tenha sido o mais importante para a geografia, ele estabeleceufirmementealigaçãoentrealatitudedeumlugareaduração deseudiamaislongo,eprojetouparalelasdelatitudequecircundavam todooglobo. 31 Porvoltadamesmaépoca,opupilodeAristótelesDicáiarcos de Messina (fl.c.326-296 a.C.) criou um modelo mais sofisticado do tamanhodomundohabitado,bemcomofezalgunsdosprimeiroscálculos conhecidosdelatitudeelongitude.EmsuaobraperdidaCircuitodaTerra, Dicáiarcos refinava Aristóteles, argumentando que a razão entre o

comprimentodomundoconhecidoemrelaçãoàlarguraerade3para2,e

fez cálculos latitudinais rudimentares desenhando um mapa com um paraleloqueiadeoesteparaleste,passandoporGibraltar,Sicília,Rodese

Índia,aaproximadamente36°N.Perpendicularaesteparalelohaviaum

meridianodenorteasulquepassavaporRodes. Aos poucos, o mundo habitado começou a parecer um retângulo incompleto, em vez de um círculo perfeito. As percepções filosóficas e geométricasdebabilôniosegregosdomundoconhecidosupunhamuma esferaidealabstrata,umespaçofinito,comumlimitefixocircular(omar), comumacircunferênciadefinidaporseucentro,umlugar(Babilôniaou Delfos) que definia sua cultura como modeladora do mundo. A simetria ideal dá lugar a uma forma oblonga irregular inscrita dentro de um retângulo.Nãohámaisocentroexatodeumcírculobaseadonageometria enafé;emvezdisso,fazem-secálculosapartirdeumlugarcomoRodes, simplesmenteporquesesituaemumpontoondeaslinhasrudimentares de latitude e longitude se cruzam. Nessa alteração está implícita uma mudança de mentalidade a respeito do papel dos mapas. Os títulos dos tratados que descrevem a terra habitada começam a mudar: obras com títuloscomoSobreooceanoeSobreportossubstituemomaistradicional CircuitodaTerra.Oaumentodasinformaçõesgeográficasalteraeamplia lentamente as dimensões retangulares do mundo habitado, que não são mais perfeitamente delimitadas pela geometria do círculo. A fusão da geometriacomaobservaçãoastronômicaeterrestrepossibilitouqueos pensadores helenísticos iniciassem um empreendimento coletivo de agregar novas informações sobre o cálculo da latitude, o comprimento estimado do mundo conhecido, ou a localização de uma determinada cidadeouregião.Comesseespíritocooperativovieramnovasformasde

ver os mapas como repositórios de conhecimento, compilações enciclopédicasdeinformações,ouoqueumhistoriadorclássicochamoude “umgrandeinventáriodetudo”. 32 Umtratadogeográficopoderiaabranger ideias de criação, astronomia, etnografia, história, botânica, ou sobre qualqueroutroassuntorelacionadocomomundonatural.Naspalavrasde Christian Jacob, “o mapa torna-se um dispositivo para arquivar o conhecimentosobreomundohabitado”. 33

para arquivar o conhecimentosobreomundohabitado”. 33 2.ReconstituiçãodomapadomundodeDicáiarcos,séculoIIIa.C.

2.ReconstituiçãodomapadomundodeDicáiarcos,séculoIIIa.C.

Sempre que uma cultura começa a reunir e arquivar o seu conhecimento,elaexigeumlocalfísicoparaacomodarcomsegurançaesse conhecimentoemqualquerformamaterialqueeletenha.Paraomundo helenístico,esselugareraabibliotecadeAlexandriae,nãoporacaso,um dos seus primeiros bibliotecários foi a figura que, antes de Ptolomeu,

resumiuageografiagrega.Eratóstenes(c.275-194a.C.),umgregonascido

naLíbia,estudouemAtenasantesdeaceitarumconvitedoreiPtolomeuIII

paratrabalharemAlexandriacomotutordeseufilhoechefedabiblioteca

real.Duranteessetempo,Eratóstenesescreveudoislivrosparticularmente influentes(ambosperdidos):AmediçãodaTerraeGeográfica–oprimeiro livroausarotermo“geografia”comooentendemoshojeeoprimeirotexto atraçarumaprojeçãogeográficaemummapadomundohabitado. 34 AgranderealizaçãodeEratóstenesfoiinventarummétodoparacalcular a circunferência da Terra que unia a observação astronômica com o conhecimentoprático.Comumgnômon,versãoprimitivadeumrelógiode sol,EratóstenesfezumasériedeobservaçõesemSyene(amodernaAssuã),

queestimouqueestava5milestádiosaosuldeAlexandria.Eleobservou

que ao meio-dia, no solstício de verão, os raios do sol não provocavam sombra, e, portanto, estavam diretamente acima da cabeça. Fazendo o mesmocálculoemAlexandria,Eratóstenesmediuoângulolançadopelo gnômonexatamentenomesmomomentoeviuqueeraumquinquagésimo de um círculo. Supondo que Alexandria e Syene estavam no mesmo meridiano, ele calculou que os 5 mil estádios entre os dois lugares representavam um quinquagésimo da circunferência da Terra. A multiplicaçãodosdoisnúmerosdeuaEratóstenesumvalortotalparaa

circunferênciadaTerra,queeleestimouem252milestádios.Emborao

tamanho exato de seu stadion seja desconhecido, a medição final de Eratóstenes corresponde provavelmente a algo entre 39 mil e 46 mil quilômetros(amaioriadosestudiososacreditaqueestejamaispróximodo último número). 35 Considerando-se que a circunferência real da Terra

medidanoequadoréde40.075quilômetros,ocálculodeEratóstenesfoi

extraordinariamentepreciso. EmboraoscálculosdeEratóstenessebaseassememalgumassuposições errôneas – por exemplo, Alexandria e Syene (Assuã) não estavam exatamente no mesmo paralelo –, eles lhe possibilitaram calcular a circunferênciadequalquercírculoparaleloaoredordaTerraeoferecer estimativasdocomprimentoedalarguradooikoumené. Estrabão conta- nos que, em Geográfica, Eratóstenes tratou diretamente da questão de comodesenharummapadaTerra.Talcomoacidadedeondeextraiuseu conhecimentodomundo,Eratóstenesimaginouomundocomaformade uma clâmide grega, um retângulo com pontas afiladas. Baseando-se em Dicáiarcos, projetou um paralelo que ia de leste a oeste a partir de Gibraltar,passavapelaSicíliaeRodeseiaatéaÍndiaeosmontesTauro (quesituoulongedemaisparaoleste).Perpendicularaesteparaleloestava ummeridianoqueiadeThule,nonorte,aMeroe(Etiópia),nosul,cruzando o paralelo em Rodes. Aperfeiçoando as estimativas de Dicáiarcos,

Eratóstenescalculouquedelesteaoesteooikoumenétinha78milestádios

decomprimentoe38milestádiosdenorteasul.Emoutraspalavras,o

comprimentodomundoconhecidoeraodobrodesualargura.Issolevoua algumascrençasequivocadas,massedutoras.SeoscálculosdeEratóstenes estivessemcorretos,ooikoumenéseestenderiademaisparaoleste,apartir

dacostaoestedaIbériaatéamodernaCoreia,amaisde138°delongitude,

emvezdaÍndia,olimitedomundohelenístico.Emummomentomarcante deimaginaçãoglobal,EstrabãocitaEratóstenesparasustentarqueaTerra “faz um círculo completo, encontrando a si mesma; de modo que, se a imensidão do oceano Atlântico não impedisse, poderíamos navegar da IbériaparaaÍndiaaolongodeummesmoparalelo. 36 Emborasebaseasse emsuposiçõesequivocadassobreotamanhodaTerraesuaextensãopara o leste, essa afirmação exerceria uma influência significativa sobre exploradores renascentistas, entre eles Cristóvão Colombo e Fernão de Magalhães. TendofeitoumcálculodotamanhodaTerraeumagraderudimentarde paralelos e meridianos, a última inovação geográfica significativa de Eratóstenesfoidividirseuoikoumenéemfigurasgeométricasquechamou de sphragides, palavra derivada do termo administrativo para “selo” ou “sinete”, que designa um lote de terra. 37 Eratóstenes tentou fazer corresponderotamanhoeaformadasdiferentesregiõesaquadriláteros irregulares,desenhandoaÍndiacomoumlosangoeaPérsiaorientalcomo umparalelogramo.Emborapareçaumretrocesso,essemétodoestavade acordo com a tradição predominante grega de projetar a filosofia, a astronomiaeageometrianomundofísico.Etambémmostravaainfluência inconfundível do antecessor de Eratóstenes na direção da biblioteca de

Alexandria,omatemáticogregoEuclides(fl.300a.C.).

NostrezelivrosdeseugrandetratadomatemáticoElementos,Euclides estabeleceu os princípios a priori, ou “elementos”, da geometria e da matemática. Ao explicar as regras básicas da teoria dos números e da geometria, Euclides possibilitou que pensadores como Eratóstenes entendessem como qualquer coisa (e tudo) funcionava, com base nas verdadesmatemáticasirredutíveisenarealidadedouniverso.Começando com as definições de ponto (“aquilo que não tem parte”), linha (“comprimento sem largura”) e superfície (“aquilo que tem somente comprimentoelargura”),Euclidespassouparaosprincípiosdageometria planaesólida.Assim,postulouumasériedeverdadesqueaindadefinema maiorpartedageometriadaescolasecundária,talcomoadequeasoma

dosângulosdeumtriânguloé180graus,oteoremadePitágoras,segundo

oqual,emumtriânguloretângulo,asomadoquadradodoscatetoséigual aoquadradodahipotenusa.OsprincípiosdeEuclidesestabeleceramum mundo geométrico moldado pelas leis básicas da natureza. Embora ele tenha,emgrandeparte,sintetizadoopensamentogregoanteriorsobrea matéria,seusElementos,tomadosemconjunto,definiramumapercepção do espaço que perduraria por quase dois milênios, até a teoria da relatividadedeEinsteineacriaçãodeumageometrianãoeuclidiana.Para Euclides, o espaço era vazio, homogêneo, plano, uniforme em todas as direçõeseredutívelaumasériedecírculos,triânguloselinhasparalelase perpendiculares.Oimpactodessapercepçãodoespaçonacartografiafoi extremamente importante. Ele se manifestou inicialmente na tentativa bastantedesajeitadadeEratóstenesdereduzirtodooespaçoterrestrea umasériedecálculostriangulareseformasquadrilaterais,mastambém possibilitou que cartógrafos posteriores processassem dados geográficos empíricos de maneiras completamente novas. Todo o espaço terrestre poderia, em teoria, ser medido e definido de acordo com princípios geométricosduradouroseprojetadosobreumquadroformadoporuma gradematemáticadelinhasepontosquerepresentavamomundo.Desse modo,ageometriaeuclidianaseriaabasenãosomentedetodaageografia grega posterior a Eratóstenes, mas também da tradição geográfica ocidentalatéoséculoXX. A resposta helenística aos cálculos astronômicos e geográficos de Eratóstenesfoimoldadaporumamudançanomundopolíticoocorridanos séculosIIIeIIa.C.AascensãodaRepúblicaRomana,comsuasvitóriasnas guerras púnicas e macedônias, assinalou o declínio dos impérios helenísticose,porfim,adestruiçãodadinastiaptolomaicaemAlexandria. Éumdosgrandesenigmasdahistóriacartográficaofatodequequasenão tenhamsobrevividomapasdomundodaRepúblicaoudoImpérioRomano. Embora seja perigoso extrapolar, os indícios limitados da cartografia romana que sobrevivem em forma de mapas cadastrais (ou de agrimensura)empedraebronze,mosaicosdepisos,planosdeengenharia, desenhostopográficos,itinerárioseroteirosdeestradasescritossupõem uma relativa indiferença para com as preocupações mais abstratas da geografiahelenística.Emvezdisso,osromanosdavampreferênciaaouso maispráticodemapasemcampanhasmilitares,nacolonização,nadivisão deterras,naengenhariaenaarquitetura. 38 Noentanto,essaaparentedivisãoentreumatradiçãohelenísticamais

teóricaeabstrataeumageografiaromanamaispráticaeorganizacionalé,

em certa medida, ilusória, especialmente porque as duas tradições se encontraram e se fundiram a partir do século II a.C. Outros centros de erudição do mundo helenístico estavam então começando a desafiar a preeminência cultural de Alexandria. Por volta de 150 a.C. a dinastia atálida,intimamenteligadaàascensãodeRomaecomcapitalemPérgamo, fundou uma biblioteca que perdia apenas para sua rival ptolomaica,

dirigidapelorenomadofilósofoegeógrafoCratesdeMalos.Estrabãoconta-

nosqueCratesconstruiuumgloboterrestre(desdeentãoperdido)com quatrocontinentessimétricoshabitados,separadosporumaenormecruz deoceanoqueiadelesteaoesteaolongodoequadoredenorteasul através do Atlântico. O hemisfério norte representava o oikoumené, mas também os perioikoi (“habitantes próximos”) a oeste, com o antoikoi (“habitantes opostos”) e antipodes (“aqueles com o pé oposto”) no hemisfério sul. 39 O globo de Crates era uma combinação fascinante de tradições estabelecidas da geometria grega com a etnografia em desenvolvimento da República Romana, formalizando a geografia dos antipodeseantecipandoviagensrenascentistasposterioresparadescobrir a“quartaparte”domundo. Mas nem todo mundo aceitava Eratóstenes. O astrônomo Hiparco de

Niceia(c.190-120a.C.)escreveuumasériedetratadosemRodes,entreeles

trêslivrosintituladosContraEratóstenes,nosquaiscriticavaousofeitopor seu predecessor de observações astronômicas ao desenhar mapas. Estrabãoconta-nosque“Hiparcomostraqueéimpossívelparaqualquer homem, seja leigo ou erudito, alcançar o conhecimento necessário de geografiasemumadeterminaçãodoscorposcelestesedoseclipsesque foramobservados”. 40 AsdetalhadasobservaçõesastronômicasdeHiparco de mais de 850 estrelas fizeram com que ele pudesse apontar as imprecisõesdoscálculosdelatitudedeEratóstenes,bemcomoreconhecer os problemas da medição de distâncias de leste a oeste – linhas de longitude – que não fosse feita mediante precisas observações comparativasdeeclipsesdosoledalua.Trata-sedeumproblemaquesó seriaresolvidosatisfatoriamentenoséculoXVIII,pormeiodocronômetro e da medição precisa de tempo marítimo, mas Hiparco ofereceu seus cálculos rudimentares de latitude e longitude nas primeiras tabelas astronômicasconhecidas. AquelesquecontestavamEratóstenesnemsempreestavamcertos.Um dos geógrafos revisionistas mais influentes foi o matemático, filósofo e

historiador sírio Posidônio (c.135-50 a.C.). Dirigente de uma escola em Rodes,foiamigoderomanosilustrescomoPompeueCíceroeescreveu váriostratados(todosperdidos)queaperfeiçoavamecorrigiamdiversos elementos da geografia helenística. Ele propôs sete zonas climáticas ao redordaTerra,emvezdascincodeAristóteles,baseadoemobservações astronômicas e etnográficas que incluíam algumas informações mais detalhadassobreoshabitantesdeEspanha,FrançaeAlemanha,extraídas das recentes conquistas romanas dessas regiões. De forma mais controvertida, Posidônio questionava o método de Eratóstenes para calcularacircunferênciadaTerra.ApartirdeRodes,suacidadeadotiva,ele sustentava que ela estava no mesmo meridiano de Alexandria, e a uma

distânciadeapenas3.750estádios(umasubestimaçãograve,qualquerque

sejaseuvalordeumstadion).EleobservouentãoaalturadeCanopus,na constelação de Carina, e alegou que ela estava exatamente sobre o

horizonteemRodes,massubia7grausemeioou1⁄48deumcírculoem

Alexandria. Multiplicando a cifra de 3.750 estádios por 48, Posidônio

estimouacircunferênciadaTerraem180milestádios.Infelizmente,sua

estimativa do ângulo de inclinação entre os dois lugares estava errada, assim como seu cálculo da distância entre Rodes e Alexandria. Seus cálculosforneciamumasubestimaçãogrosseiradotamanhodaTerra,mas semostrariamnotavelmenteduradouros. Historicamente,Posidôniorepresentaomomentoemqueastradições demapeamentohelenísticaeromanaseuniram.Foiumdesenvolvimento

queatingiuoclímaxnaGeografiadeEstrabão,obraescritaentreosanos7

e 18 d.C. Os dezessete livros dessa obra, cuja maioria ainda sobrevive, resumem o estado ambíguo da geografia e da cartografia antes de Ptolomeu,quandooImpérioRomanopassouadominaroMediterrâneoeo mundo helenístico entrou em seu longo declínio. Estrabão, nativo da província romana do Ponto (na atual Turquia), foi influenciado intelectualmente pelo helenismo, mas moldado politicamente pelo imperialismo romano. Embora seguisse geralmente os cálculos de Eratóstenes, reduziu o tamanho do oikoumené, dando-lhe uma extensão

latitudinaldemenosde30milestádioseumalarguralongitudinalde70

mil estádios. Ele contornou o problema de projetar a Terra em uma superfícieplana recomendandoa criação de“um grandeglobo” de,pelo menos,trêsmetrosdediâmetro.Seissotambémsemostrasseimpossível, ele aceitava desenhar um mapa plano com uma grade retangular de paralelosemeridianos,alegandodespreocupadamenteque“farásomente

umapequenadiferençasedesenharmoslinhasretaspararepresentaros círculos”, porque “nossa imaginação pode facilmente transferir para a superfícieglobulareesféricaafiguraoumagnitudevistapeloolhonuma superfícieplana”. 41 A Geografia de Estrabão reconhecia a importância da geometria, da filosofiaedaastronomianoestudodageografia,aomesmotempoemque elogiava “a utilidade da geografia” para “as atividades de estadistas e comandantes”. Para Estrabão, “há necessidade de conhecimento enciclopédico para o estudo da geografia”, de astronomia e filosofia à economia, etnografia e o que chamava de “história terrestre”. Em concordânciacomasatitudesromanas,avisãodeEstrabãodamatériaera uma versão altamente política da geografia humana, e de como a humanidadeseapropriadaTerra.Tratava-sedeumconhecimentoprático preocupado com a ação política, pois possibilitava que os ocupantes do poder governassem de forma mais eficaz, ou, como Estrabão diz, se “a filosofia política trata principalmente dos governantes, e se a geografia supre as necessidades desses governantes, então a geografia parece ter algumavantagemsobreaciênciapolítica”. 42 Estrabãonãoeracartógrafo, mas sua obra marca uma importante mudança da geografia helenística para a romana. O mundo helenístico havia definido a geografia como o estudofilosóficoegeométricodo oikoumené, o “espaço vital” do mundo conhecido; os romanos percebiam a geografia como uma ferramenta práticaparacompreendersuaversãodisso:oorbisterrarum,ou“círculode terras”’,umespaçoconsiderado,apartirdoperíododoimperadorAugusto, comocoextensivoaodeRomacomoimperiumorbisterrarum,ou“império domundo”. 43 Emumadassíntesesmaisantigaseousadasdegeografiae imperialismo, o orbis terrarum passou a definir o mundo e Roma como sendoumamesmacoisa.

NENHUMA DESSAS MUDANÇAS no mundo intelectual e político é imediatamente perceptívelquandoselêpelaprimeiravezaGeografiadePtolomeu.Háum escassoreconhecimentodequeoastrônomoestavaescrevendonoaugede uma tradição de mil anos de cartografia grega, e poucos vestígios do impacto da geografia romana em sua escrita, apesar das gerações de administração imperial romana de Alexandria, desde a conquista por

Augusto,em30a.C.TampoucoháqualquermençãonaobradePtolomeu

dabibliotecadeAlexandria,queemmeadosdoséculoIIeraumapálida

sombradesuaglórianotempodeEratóstenes,apósoincêndiode48a.C.

que destruiu muitos de seus livros e edifícios. Em vez disso, a obra de Ptolomeu parece um tratado científico de alta erudição helenística atemporal,serenamenteindiferenteàsmudançasnomundoaoseuredor. Ptolomeu segue uma tradição geográfica bem antiga: estabelecer suas credenciaisastronômicasedepoisescreverumtratadoque,assimcomoa GeografiadeEstrabãoeContraEratóstenesdeHiparco,passaamaiorparte dotempoexplicando-seemoposiçãoaosseusantecessoresimediatos. Ptolomeujáhaviaconcluídoumtratadomonumentalsobreastronomia, uma compilação de astronomia matemática em treze livros que ficou conhecidacomoAlmagesto.Essaobratraziaomodelomaisabrangentede

umuniversogeocêntricoeperdurariapormaisde1.500anosantesdeser

contestada pela tese heliocêntrica de Nicolau Copérnico, Sobre as

revoluçõesdasesferascelestes(1543).AcosmologiadePtolomeumarcou

umafastamentodecisivodePlatãoedaideiadecorposcelestesdivinos.O Almagesto expandiu a crença aristotélica numa cosmologia geocêntrica definidaporumafísicamecânicadecausaeefeitos.Ptolomeuafirmavaque a Terra, esférica e estacionária, se encontra no centro de um universo celestial esférico, que faz uma revolução ao redor da Terra a cada dia, girandodelesteparaoeste.Osol,aluaeosplanetasseguemessaprocissão celeste, mas fazem movimentos diferentes das estrelas fixas. Ptolomeu também listou os planetas de acordo com sua proximidade da Terra, começandocomaLua,seguidaporMercúrio,Vênus,Sol,Marte,Júpitere Saturno. Desenvolvendo as observações astronômicas de Hiparco e os princípios geométricos de Euclides, Ptolomeu catalogou 1.022 estrelas

dispostasem48constelações;explicoucomofazerumgloboceleste;eusou

atrigonometria(emparticular,cordas)paracompreendereprevercom precisão eclipses, a declinação solar e o que parecia ser o movimento irregular ou retrógrado dos planetas e das estrelas de uma perspectiva geocêntrica. 44 Como Hiparco e muitos de seus antepassados gregos, Ptolomeu acreditava na “afinidade das estrelas com a humanidade e que nossas almas fazem parte dos céus”. 45 Dessa afirmação espiritual surgia um método mais prático para o estudo do cosmos: quanto mais exata a mediçãodomovimentodasestrelas,maisprecisososcálculosdotamanho edaformadaTerra.NosegundolivrodoAlmagesto,aoexplicarcomoa coletadedadosastronômicospodeproduzirumamensuraçãomaisprecisa dosparalelosterrestres,Ptolomeuadmitiu:

Oqueaindafaltanaspreliminaresédeterminarasposiçõesdascidadesdignasdenotaemcada

provínciaemlongitudeelatitude,afimdecomputarosfenômenosnessascidades.Masumavezque adefiniçãodessainformaçãoépertinenteaumprojetocartográficoseparado,vamosapresentá-la por si mesma, seguindo as pesquisas daqueles que mais elaboraram esse tema, registrando o númerodegrausquecadacidadeestádistantedoequadoraolongodomeridianodescritoporele,e quantosgrausessemeridianoestáalesteouaoestedomeridianodescritoporAlexandriaaolongo do equador, porque foi para esse meridiano que estabelecemos os tempos correspondentes às posições[doscorposcelestes]. 46

O Almagesto foi provavelmente escrito pouco depois de 147 d.C. A necessidade de um “projeto cartográfico separado” baseado nas observaçõesastronômicasregistradasnoAlmagestofoioimpulsoparao textosubsequentedePtolomeu,aGeografia:umaexposição,emformade tabelascomplementaresaotrabalhomaiorastronômico,queforneceriaas coordenadasdecidades-chave.ApósaconclusãodoAlmagesto,edepoisde escrevertratadossobreastrologia,ópticaemecânica,Ptolomeucompletou osoitolivrosdessasegundagrandeobra. Otextofinaltraziasubstancialmentemaisdoqueaprometidatabeladas principaiscoordenadasgeográficas.Ptolomeuoptoupornãocoletardados pessoalmente ou por meio de agentes, mas coligir e comparar todos os textosdisponíveisemAlexandria.Eleressaltouaimportânciadosrelatos de viajantes, mas alertou sobre sua falta de confiabilidade. A Geografia reconhecia a necessidade de “seguir, em geral, os últimos relatos que possuímos” de preeminentes geógrafos, bem como historiadores. Entre eles, estavam fontes etimológicas e históricas – autores romanos como

TácitoesuadescriçãodonortedaEuropanosAnais(c.109d.C.)eperiploi

deorigemincerta,comooanônimoPériplodomardaEritreia(c.séculoI d.C.),umguiadecomercianteparalugaresnomarVermelhoenooceano Índico.OautormaisimportantecitadonaGeografiaeraMarinodeTiro, cujotrabalhoseperdeudesdeentão,masque,deacordocomPtolomeu, “pareceseroúltimo[autor]emnossotempoaterencaradoessetema”. 47 O primeirolivrodefiniaoobjetodageografiaecomodesenharummapado mundo habitado. Os livros 2-7 apresentavam a prometida tabela de

coordenadasgeográficas,masagoraampliadaparaincluir8milcidadese

lugares,todoslistadosdeacordocomsualatitudeelongitude,apartirdo oeste,comIrlandaeGrã-Bretanha,indodepoisparaoleste,passandopor Alemanha,Itália,Grécia,nortedaÁfrica,ÁsiaMenorePérsia,eterminando naÍndia.Ooitavolivrosugeriacomodividirooikoumené em 26 mapas regionais:dezdaEuropa,quatrodaÁfrica(aindachamadade“Líbia”)e doze da Ásia, uma ordem que seria reproduzida nas primeiras cópias bizantinas de seu livro ilustrado com mapas e na maioria dos atlas mundiaissubsequentes.

AriquezadeinformaçõesgeográficascontidanastabelasdePtolomeu incluía não somente a tradição erudita de investigação geográfica, mas tambémcálculosastronômicoseotestemunhoescritodeviajantes.Desde oiníciodaGeografia,Ptolomeudeixamuitoclaroque“oprimeiropassode um processo desse tipo é a pesquisa sistemática, reunir o máximo de conhecimentoapartirdosrelatosdepessoascomformaçãocientíficaque percorreramcadaumdospaíses;equeoinquéritoeorelatóriosãoem parte uma questão de levantamento e em parte de observação astronômica”.Essa“pesquisasistemática”sófoipossívelgraçasàconsulta dasPinakes(tábuas)dabibliotecadeAlexandria,oprimeirocatálogode biblioteca conhecido indexado de acordo com o assunto, autor e título,

criadoporCalímacodeCirene,c.250a.C.AGeografiaeraumimensobanco

de dados, compilados pelo primeiro geógrafo de gabinete, uma “mente imóvel”quefuncionavaemumcentrofixo, 48 processandodiversosdados geográficosemumvastoarquivodomundo. ParaPtolomeu,nãohaviaespaçoparacosmogoniasespeculativassobre as origens do universo, ou tentativas de estabelecer as fronteiras geográficas e políticas indeterminadas do oikoumené. A declaração de abertura da Geografia dava o tom, com sua definição duradoura da geografia como “uma imitação por meio do desenho de toda a parte conhecida do mundo, juntamente com as coisas que estão, em termos gerais, relacionadas a ele”. Ptolomeu considerava a geografia uma representaçãográficaabrangentedomundoconhecido(masnão,devemos observar,detodaaTerra),emcontrastecomoqueelechamou,comum aceno para a preocupação romana com agrimensura, “corografia”, ou mapeamento regional. Enquanto a corografia requer habilidade no “desenho da paisagem”, Ptolomeu dizia que o mapeamento global “não exige isso de forma alguma, uma vez que permite que se mostrem as posições e configurações gerais [de aspectos] puramente por meio de linhaserótulos”,umprocessogeométricoemqueométodomatemático “assume precedência absoluta”. 49 Usando uma metáfora corporal esclarecedoraparacontrastarasduasabordagensgeográficas,Ptolomeu acreditavaqueacorografiafornece“umaimpressãodeumaparte,como quando se faz uma imagem de apenas uma orelha ou um olho; mas o objetivodacartografiadomundoéumavisãogeral,análogaafazerum retratodetodaacabeça”. Tendoestabelecidosuametodologia,Ptolomeutrataentãodediscutiro tamanhodaTerraesuasdimensõesdelatitudeelongitudepormeiode

umacríticadetalhadadosmétodosdeMarinodeTiro,antesdefornecer suas próprias projeções geográficas para desenhar mapas mundiais. Um dosaspectosmaissignificativosdoscálculosdePtolomeudizrespeitoao tamanhodetodaaTerraemrelaçãoaoseudomíniohabitado,ooikoumené. Revendo os cálculos de Eratóstenes e Hiparco, Ptolomeu dividiu a

circunferênciadogloboem360graus(combasenosistemasexagesimal

babilônico,emquetudoeramedidoemunidadesdesessenta)eestimouo comprimentodecadagrauemquinhentosestádios.Istolhedeuamesma circunferência da Terra de Posidônio: 180 mil estádios. Era certamente

pequenodemais,talvezcercade10milquilômetros,oumaisde18%da

circunferência real da Terra, dependendo do comprimento do stadion usado. Mas se Ptolomeu acreditava que a Terra era menor do que predecessores como Eratóstenes imaginavam, ele argumentava que sua partehabitadaeramuitomaiordoquemuitosacreditavam:seuoikoumené

estendia-sedeoesteparalesteatravésdeumarcodepoucomaisde177

graus, a partir de um meridiano que atravessava as ilhas Afortunadas (Canárias) até Cattigara (acredita-se que em algum lugar perto da atual

Hanói,noVietnã),umadistânciaestimadaem72milestádios.Sualargura

eraestimadaempoucomaisdametadedocomprimento,cobrindoapenas 40 mil estádios, que iam de Thule, situada a 63° N, até a região de “Agisymba” (atual Chade), 16° S, uma extensão latitudinal, em suas medições,depoucomaisde79graus. 50 EssasmedidaslevamnaturalmenteàquestãodecomoPtolomeuchegou aosseuscálculosdelatitudeelongitude.Elecalculouparalelosdelatitude deacordocomasobservaçõesastronômicasdodiamaislongodoanoem qualquerlugardado.Começandodograuzeronoequadorcomumdiamais longodedozehoras,Ptolomeuutilizouaumentosdequartodehorapara cadaparaleloatéalcançaroparaleloquerepresentaodiamaislongode quinzehorasemeia,alturaemquemudouparaaumentosdemeiahora,até olimitedooikoumené,queestimoucomoestandoaolongodoparalelode Thule,comumdiamaislongodevintehoras.Recorrendoaessemétodode medição, bem como a cálculos de Hiparco baseados em observações astronômicas da altitude do sol no solstício, Ptolomeu elaborou suas tabelas de latitude, embora a relativa simplicidade de seu método de observaçãofizessecomquemuitasdelasestivessemincorretas(inclusivea deAlexandria). O cálculo da longitude mostrou-se ainda mais difícil. Ptolomeu acreditava que a única maneira de determinar a longitude era medir a

distânciaentremeridianosdeoesteparalestedeacordocomotempo,não com o espaço, usando o sol como relógio: todos os lugares no mesmo meridiano verão o sol do meio-dia cruzando o plano do meridiano ao mesmotempo.Dessemodo,Ptolomeucomeçouseucálculodalongitudeno seupontomaisocidental,asilhasAfortunadas,edesenhoucadameridiano indo para leste a intervalos de cinco graus, ou um terço de uma hora

equinocial,eabrangendodozehoras,representadascomo180graus.Suas

medidaspodemserinexatas,masessefoioprimeirométodosistemáticoa oferecerdadosconsistentesquepermitiramqueoscartógrafosposteriores projetassemumagradedelatitudeelongitudesobreaTerrahabitada,uma gratícula composta por cálculos temporais em vez de espaciais. Nós tendemos a pensar que a cartografia é uma ciência da representação espacial,masPtolomeupropunhaummundomedidonãodeacordocomo espaço,maspelotempo. 51 Perto do final do primeiro livro da Geografia, Ptolomeu começa a se afastardeMarinoparaexplicarsuaoutragrandeinovaçãogeográfica:uma sériedeprojeçõesmatemáticascriadaspararepresentaraTerraesférica sobreumasuperfícieplana.Emborareconhecendoqueumglobo“obtém diretamenteasemelhançadaformadaTerra”,Ptolomeuressaltaqueesse globoteriadeserenormeparaserdealgumautilidadenavisualizaçãoda Terraetraçarmovimentosemtodaelacomprecisão;dequalquermodo, elenãopermitiriaumavista“quecaptaaformatodadeumasóvez”.Em vezdisso,Ptolomeusugereque“desenharummapaemumplanoelimina completamenteessasdificuldades”,aocriarailusãodeseveratotalidade dasuperfíciedaTerraemumpiscardeolhos.Nãoobstante,eleadmiteque esse método apresenta seus próprios problemas e “exige algum método paraalcançarumasemelhançacomaimagemdeumglobo,demodoque tambémsobreasuperfícieachatadaosintervalosestabelecidosestarãoem proporção tão boa quanto possível aos intervalos verdadeiros”. 52 Desse modo, Ptolomeu sintetiza um dos grandes desafios que os cartógrafos enfrentaramdesdeentão. Marino tentara resolver o problema criando uma projeção de mapa retangularou“ortogonal”,que,deacordocomPtolomeu,“tornavaretasas linhasquerepresentamoscírculosparalelosemeridianos,etambémfazia as linhas dos meridianos paralelas umas às outras”. Mas quando um geógrafo projeta uma rede geométrica de paralelos e meridianos imaginários sobre uma Terra esférica, eles são, na verdade, círculos de comprimentovariável.Marinonegligenciouessefatoemfavordepriorizar

as medições feitas ao longo de seu paralelo principal que passava por

Rodesa36°N,eaceitouoaumentodedistorçãoaonorteeaosuldessa

linha.Eleaceitouumarepresentaçãocentrífugadoespaçoterrestre,ondea precisão emana de um centro definível e se dissipa à medida que nos movemos em direção às margens e, por fim, leva à distorção absoluta. Comoumbomeuclidiano,Ptolomeuqueriaqueseuespaçoterrestrefosse homogêneo e direcionalmente uniforme, e logo descartou a projeção de Marino.MasatémesmoPtolomeufoiincapazdetornarquadradoocírculo de projeção do mapa, e admitiu que era necessária uma solução intermediária. Com Euclides ainda em mente, ele voltou-se para a geometria e a astronomiaembuscadeumasolução.Imagine,escreveuPtolomeu,olhar do espaço para o centro da Terra e conceber paralelos e meridianos geométricos desenhados em sua superfície. Os meridianos, disse ele, “podemdarailusãodelinhasretas,quando,aogirar[ogloboouoolho]de umladoparaoutro,cadameridianoficadiretamenteemfrente[aoolho],e seu plano passa pelo ápice do olhar”. Em contraste, os paralelos “dão

claramenteaaparênciadesegmentoscircularesquesearqueiamparao sul”.Combasenessaobservação,Ptolomeupropôsoqueéconhecidocomo sua primeira projeção. Os meridianos foram traçados como linhas retas convergentes em um ponto imaginário além do polo Norte, mas os paralelos foram desenhados como arcos curvos de comprimentos diferentes, centrados no mesmo ponto. Ptolomeu pôde então fazer uma estimativamaisprecisadocomprimentodosparalelos,bemcomodesuas proporçõesrelativas,focandoosparalelosquecorremaolongodoequador

e Thule. O método não conseguia eliminar todas as distorções

proporcionaisaolongodecadaparalelo,masproporcionavaummodelo melhordeconformaçãoquemantinharelaçõesangularesconsistentesna maioriadospontosdomapamaisdoquequalquerprojeçãoanterior. Foiatentativamaisinfluenteeduradourajáconcebidaparaprojetara Terrasobreumasuperfícieplana.Foioprimeiroexemplodeumaprojeção de mapa cônico simples, como sua forma sugere, embora o cone de Ptolomeu também se assemelhe a outra forma, mais familiar: a das clâmidesmacedônicas,aimagemicônicaquedeuformaàAlexandriados PtolomeueinspirouomapadooikoumenédeEratóstenes.Aprojeçãode Ptolomeu também oferecia um método simples, mas engenhoso, para desenharummapadomundoedepoisincorporaraeledadosgeográficos. Usandoumageometriasimples,eledescrevecomo“fazerumasuperfície

plananaformadeumparalelogramoretangular”,dentrodoqualsemarca uma série de pontos, linhas e arcos com o uso de uma régua giratória. Tendoestabelecidooesquemageométricobásico,ocartógrafoentãotoma aréguaquemedeoraiodeumcírculocentradoemumpontoimaginário alémdopoloNorte.Aréguaéentãomarcadacomgradaçõesdelatitudedo equadoratéoparalelodeThule.Prendendoaréguanopontoimaginário, demodoqueelapossagirarlivrementeaolongodeumalinhaequatorial

divididaem180grausdeintervalosdeumahora,seriapossívellocalizare

marcarqualquerlugaremummapaembrancoreferindo-seàstabelasde Ptolomeu de coordenadas de latitude e longitude. A régua era simplesmentegiradaparaalongitudenecessárialistadaaolongodalinha equatorial e, de acordo com Ptolomeu, “usando-se as divisões da régua, chegamos à posição indicada em latitude, conforme exigido em cada caso”. 53 Oscontornosgeográficosnummapadessetipoeramrelativamente insignificantes:oqueocaracterizavanãoeramcontornos,masumasérie depontosestabelecidosporsuascoordenadasdelatitudeelongitude.Um ponto é, evidentemente, o primeiro princípio definidor da geometria euclidiana:eleé“aquiloquenãotemparte”,éindivisível,semcomprimento ou largura. Para criar uma projeção precisa de mapa, Ptolomeu voltou diretoaosfundamentosdageometriaeuclidiana.

3.DiagramasdaprimeiraedasegundaprojeçãodePtolomeu. Essaprimeiraprojeçãoaindatinhasuasdesvantagens:emumglobo,as linhas

3.DiagramasdaprimeiraedasegundaprojeçãodePtolomeu.

Essaprimeiraprojeçãoaindatinhasuasdesvantagens:emumglobo,as linhas paralelas diminuem ao sul do equador, mas se desenhadas na projeção de Ptolomeu, seu comprimento aumentava. Ptolomeu foi efetivamentecontraaconsistênciadesuaprópriaprojeçãoeresolveuesse problemacommeridianosformandoângulosagudosnoequador.Istodava à projeção a aparência de uma clâmide, mas estava muito longe de ser ideal.Ptolomeuconsiderouesseapenasuminconvenientemenor,poisseu

oikoumenéseestendiasomenteaté16°Sdoequador,masissocausaria

problemassériosemséculosposteriores,quandoosviajantescomeçarama circum-navegar a África. Não obstante, a primeira projeção ainda apresentavameridianosretos,osquais,comoPtolomeureconheceudesde o início, só correspondiam a uma perspectiva parcial do globo visto do espaço;talcomoosparalelos,osmeridianostraçamumarcocircularao redordoglobo,esuarealidadegeométricadeveriamanteressacurvatura sobre um mapa plano. Ele propôs então uma segunda projeção:

“Poderíamosfazerummapadooikoumenésobreasuperfícieplanaainda maissemelhanteeigualmenteproporcional[aoglobo]setomássemosos meridianos,também,àsemelhançadaslinhasmeridianasdoglobo.” 54 Essa projeção, segundo ele, era “superior à anterior” porque paralelos e meridianos estavam representados como arcos em curva, e porque praticamentetodososseusparalelosmantinhamsuasproporçõescorretas (ao contrário da primeira projeção, onde só se conseguia isso para os paralelos que passavam pelo equador e por Thule). A trigonometria envolvidaeramaiscomplicadadoquenaprimeiraprojeção,ePtolomeu aindatinhaproblemasparamanteraproporcionalidadeuniformeaolongo deseumeridianocentral.Eletambémreconheciaqueeramuitomaisdifícil construir um mapa baseado na segunda projeção, pois os meridianos curvosnãopoderiamserdesenhadoscomaajudadeumaréguagiratória. Depois das descrições exaustivas de ambas as projeções, Ptolomeu concluía o primeiro livro da Geografia com algumas observações extremamente otimistas. Apesar de preferir a segunda projeção, ele avaliava que ela “poderia ser inferior à outra no que dizia respeito à facilidade de fazer o mapa”, e aconselhava os futuros geógrafos “a agarrarem-seàsdescriçõesdeambososmétodos,paraobemdaquelesque serão atraídos para o mais acessível deles porque é fácil”. Seu conselho influenciaria a reação dos estudiosos e cartógrafos ao renascimento da Geografia,queocorreuapartirdoséculoXIII. OspredecessoresdePtolomeuusavamageografiaparatentarentender acosmogonia,aexplicaçãodacriaçãodetudo.EmsuaGeografia,Ptolomeu afastou-se dessa busca. Não há mitos e poucos limites políticos ou etnografiasestãopresentesemseulivro.Emvezdisso,elerecriaasorigens desuamatériaemdoisprincípiosduradourosdaerudiçãoalexandrina:os princípios da geometria de Euclides e o método bibliográfico de classificação de Calímaco. A inovação de Ptolomeu foi estabelecer uma metodologia repetível para mapear o mundo conhecido de acordo com

princípios matemáticos reconhecidos. Suas projeções cartográficas possibilitavam que qualquer pessoa com um conhecimento básico da geometriaeuclidianapudessecriarummapadomundo.Suainovaçãodas tabelasdelatitudeelongitude,tiradadasPinakesalexandrinas,estabeleceu ascoordenadasdelugaresemtodoooikoumené.Essastabelaspermitiram queoscartógrafosassinalassemasposiçõesdecadalugarconhecidoem ummapacomextremasimplicidade,eaoserecusarapôrlimitesexplícitos emseuoikoumené,Ptolomeuestimulouoscartógrafosfuturosaassinalar cadavezmaislugaresnasuperfíciedeseusmapasmundiais. A pretensão de Ptolomeu de objetividade e exatidão na coleta de materiais geográficos e astronômicos era evidentemente uma ilusão. A medição de qualquer distância substancial no segundo século era notoriamente imprecisa, as observações astronômicas estavam comprometidasporinstrumentoslimitadosdifíceisdemanejar,emuitos dadosdePtolomeusobrealocalizaçãodelugaresbaseavam-senoqueos gregoschamamdeakoé,istoé,“rumores”–afirmaçõesfeitasporumcerto mercador,supostasobservaçõesdeumastrônomotransmitidasatravésde séculos ou registros anônimos de itineraria. Suas projeções também estavamlimitadasasomentemetadedaTerra,umasuperfíciehabitadaque tinha apenas 180 graus de largura, embora ele e seus contemporâneos entendessemquehaviaummundoalémdoslimitesdooikoumené. 55 Em muitos aspectos, isso era apenas um incitamento a especulações e projeções futuras. Tendo fornecido as ferramentas metodológicas para fazer um mapa, Ptolomeu convidava os outros a revisar suas tabelas e realocarseuslugares.Omapeamentoregionaloucorografiaeraumaarte, masomapeamentodomundoeraagoraumaciência.Ocontornodeuma região ou a posição de um lugar poderiam ser alterados se novas informaçõessurgissem,masametodologiademarcarumpontosobrea superfície do mapa de acordo com certos princípios matemáticos duradourosera,acreditavaele,imutável. UmenigmaparaavaliaraimportânciadePtolomeuparaacartografia permanece.EmtodaaGeografia,nãoháreferênciasexplícitasamapasque ilustremotexto.Comovimos,otextomaisantigosubsistentesóaparece emBizâncionofinaldoséculoXIII,maisdemilanosdepoisdetersido escrito.Essesprimeirostextosincluíammapasmundiais(principalmente baseadosnaprimeiraprojeção),masnãoestáclaroseessesmapaseram cópias de ilustrações originais de Ptolomeu ou acréscimos bizantinos baseadoseminstruçõesescritasporPtolomeu.AquestãodesePtolomeu

desenhoumapasparailustraraGeografiaoriginaldividiudurantedécadas oshistoriadorescartográficos;aopiniãoacadêmicainclina-seagoraparaa crençadeque,emboraelepossaterfeitoisso,nenhumdessesmapasfazia parte da Geografia original. 56 Há muito poucos exemplos de mapas em tratadosdegeografiagreco-romanos,eeramaiscomumqueelesfossem erguidos em espaços públicos, como no caso dos mapas colocados na parededeumpórticoemRomanoiníciodoséculoIporAgripa,amigoe genrodoimperadorAugusto. 57 ÉpossívelqueaformainicialdaGeografiafosseresponsávelporsua faltademapas.Aobrafoiprovavelmenteescritacomtintanegrodefumo feitadefuligem,emumrolodepapirotiradodeplantasquecresciamao longododeltadoNilo.Amaioriadosrolosdepapirodesseperíodoera

compostaporfolhasconjugadasquetinhamemmédia340centímetrosde

comprimento. No entanto, a altura desses rolos raramente passava de trinta centímetros. 58 Essas dimensões eram adequadas aos itinerários romanos, como a assim chamada “Tabula Peutingeriana” ou “Mapa de Peutinger”,umacópiadoséculoXIIouXIIIdeummaparomanodoséculo IVquemostraomundodaÍndia,SriLankaeChinaatéapenínsulaIbéricae asilhasbritânicas.Essesitineráriosdescreviamomovimentoatravésdo espaço terrestre em termos lineares, uma representação unidimensional compoucosensodeprofundidade,relevoeescala,devidoprincipalmente às limitações do meio. O “Mapa de Peutinger” foi feito em um rolo de pergaminhocomumcomprimentodemaisdeseismetros,mascomuma

larguradeapenas33centímetros,criandodistorçõeslateraisóbvias.Essas

dimensõestornavamefetivamenteimpossívelreproduziromapamundial ouosmapasregionaisdescritosemdetalhesporPtolomeusemreduçõese distorções improváveis. A solução de Ptolomeu seria desenhar mapas separados de seu livro (mas se assim foi, nenhum sobreviveu), ou, na explicaçãodadapelostradutoresmaisrecentesdaGeografia, ele decidiu “codificaromapaempalavrasenúmeros”. 59 Seassimfez,entãoPtolomeu resolveufornecerosdadosgeográficoseométodomatemático,edeixaro restoparaasfuturasgerações.

“CONTEMPLAI MINHAS OBRAS, ó poderosos, e desesperai!”, exclama o faraó egípcio Ozymandias,deShelley.Nosonetodopoetainglêssobreaarrogânciado poderimperial,“nadamaisresta”doreinodotiranoedetodososseus monumentosresplandecentes,excetoasruínasdesuaestátua.Damesma forma, hoje, a maioria dos vestígios da dinastia ptolomaica e de seu

domíniosobreoEgitodesapareceu,submersasobaságuasdoportode Alexandria.Abibliotecasumiuhámuitotempo,amaioriadeseuslivrosfoi saqueadaedestruída.Suaperdatemassombradoaimaginaçãoocidental desdeentãoehistoriadoresdediferentesquadrantesideológicosaolongo dostempostêmculpadotodomundo,deromanosecristãosamuçulmanos, por sua destruição. Ela permanece como uma memória romântica de infinitaspossibilidades,umafontedeespeculaçãoemito,um“poderiater sido”nodesenvolvimentodaerudiçãoedacivilização,eumaliçãosobreos impulsostantocriativoscomodestrutivosqueestãonocernedetodosos impérios. 60 Mas algumas das “obras” sobreviveram e migraram, entre elas, a Geografia de Ptolomeu. Embora pareça notavelmente intocado pelos acontecimentosqueocercavam,otextodePtolomeutraduzumdesejode transmitirsuasideiasdeumaformamaisduradouradoqueosmapasou monumentos.AGeografiafoioprimeirolivroque,poracidenteouprojeto, mostrouopotencialdatransmissãodedadosgeográficosdigitalmente.Em vez de reproduzir elementos analógicos gráficos não confiáveis para descrever a informação geográfica, os exemplares sobreviventes da Geografia utilizaram os sinais descontínuos e separados de números e formas – das coordenadas de lugares de todo o mundo habitado à geometria necessária para desenhar as projeções de Ptolomeu – para transmitirseusmétodos.Essaprimeirageografiadigitalrudimentarcriou ummundobaseadoemumasériedepontos,linhasearcosdeinterconexão fundamentados na tradição grega de observação astronômica e especulação matemática, que se estende de Eratóstenes e Euclides até Anaximandro.Ptolomeulançouumaredesobretodoomundoconhecido, definido pelos princípios abstratos duradouros da geometria e da astronomia e pela medição da latitude e longitude. Um de seus maiores triunfosfoifazertodasasgeraçõesposteriores“verem”umasériedelinhas geométricascruzandooglobo–ospolos,oequadoreostrópicos–comose fossemreais,emvezdeprojeçõesgeométricasfeitaspelohomemsobrea superfíciedaTerra. Os métodos científicos de Ptolomeu procuravam tornar o mundo compreensível através da imposição da ordem geométrica sobre a variedadecaóticadomundo“láfora”,aomesmotempoemqueretinham um sentimento de admiração por sua infinita variedade. Sua visão, consagrada em uma das primeiras declarações da Geografia sobre a mensuração geométrica da Terra, inspiraria gerações de geógrafos para

alémdaRenascença,atéaeradosvoosespaciaistripulados:

Essas coisas pertencem à mais sublime e mais bela das buscas intelectuais, ou seja, expor à compreensãohumanaatravésdamatemáticatantoocéuemsuanaturezafísica,umavezquepode servistoemsuarevoluçãoaonossoredor,comoanaturezadaTerraatravésdeumretrato,umavez queaTerrareal,sendoenormeenãonosrodeando,nãopodeserinspecionadaporalgumapessoa, sejacomoumtodoouparteporparte. 61

sejacomoumtodoouparteporparte. 6 1 a Atraduçãodostrechosdo Fédon

a AtraduçãodostrechosdoFédonédeCarlosAlbertoNunes,publicadapelaEditoradaUniversidade doPará.(N.T.)