Você está na página 1de 6

O cilindro deitado

Eduardo Colli

O cilindro deitado Eduardo Colli S˜ao poucas as chamadas “fun¸c˜oes elementares”: potˆencias e ra´ızes,

S˜ao poucas as chamadas “fun¸c˜oes elementares”: potˆencias e ra´ızes, exponenciais, logaritmos, fun¸c˜oes trigonom´etricas e suas in- versas, fun¸c˜oes trigonom´etricas hiperb´olicas e mais algumas que merecem um nome especial. A partir delas podemos evidentemente construir muitas outras, fazendo uso das opera¸c˜oes de adi¸c˜ao, sub- tra¸c˜ao, multiplica¸c˜ao e divis˜ao, al´em da composi¸c˜ao de fun¸c˜oes. Por exemplo, e x 2 ´e x elevado ao quadrado, com sinal trocado e depois exponenciado. No entanto mesmo a enorme gama de fun¸c˜oes que podem ser definidas dessa forma n˜ao ´e suficiente para resolver certos proble- mas. Por exemplo, dada uma fun¸c˜ao f definida como uma com- bina¸c˜ao de fun¸c˜oes elementares, pode-se escrever sua inversa f 1 como combina¸c˜ao de fun¸c˜oes elementares? A resposta ´e n˜ao, nem sempre! O experimento do cilindro dei- tado ilustra como isso pode surgir num problema pr´atico. Suponha

1

que queiramos determinar uma escala de volume na borda do ci- lindro. Na pr´atica, podemos determinar uma escala de ˆangulos,

variando de 0 (recipiente vazio) a π (recipiente cheio) - vide figura

abaixo.

a rela¸c˜ao

V (θ) = l · πr 2 · π (θ 2 sen 2θ) .

Mas como, dado V , podemos achar θ? N˜ao h´a uma f´ormula para isso, por´em ´e poss´ıvel resolver o problema, para cada V , usando m´etodos num´ericos

E f´acil ver que o volume V depende do ˆangulo θ segundo

´

1

1

r
r

Invers˜ao de fun¸c˜oes e zeros de fun¸c˜oes

Neste problema, conv´em adotar o volume relativo como vari´avel. Em outras palavras, como lπr 2 ´e o volume total do cilindro, usare- mos

v(θ) = V (θ)

lπr 2 =

1

1

π (θ 2 sen 2θ) ,

cujo gr´afico se vˆe na figura abaixo.

v 1 v( ) 0
v
1
v( )
0

2

Assim, v(θ) = 1 quando θ = π (e igual a

2 1 quando θ = π ). Isso

2

tamb´em permite que as contas adotadas sejam universais, isto ´e, independentes do comprimento e do diˆametro do cilindro.

Se quisermos por exemplo fazer uma marca no ˆangulo θ que cor-

responde ao preenchimento de 80% do volume do cilindro, teremos que resolver a equa¸c˜ao

v(θ) = 0.8 .

Isto ´e o mesmo que achar o zero (ou a raiz) da fun¸c˜ao f (θ) = v(θ) 0.8. De forma geral, isso nos d´a uma receita para achar, dado v entre 0 e 1, o ˆangulo θ = θ(v) tal que v(θ) = v. A fun¸c˜ao θ(v) ´e a inversa da fun¸c˜ao v(θ)! H´a v´arios m´etodos para se achar zeros de fun¸c˜oes, por´em destaca- se o M´etodo de Newton, por causa de sua simplicidade e eficiˆencia.

O M´etodo de Newton

Procuramos a solu¸c˜ao θ tal que f (θ ) = 0, mas precisamos ter pelo menos um palpite inicial para come¸car. Esse palpite inicial ser´a chamado de θ 0 . Em seguida, refinaremos o palpite, obtendo θ 1 que, esperamos, esteja mais pr´oximo de θ . Sucessivamente, obteremos θ k+1 como melhoramento de θ k , com a esperan¸ca de

que a seq¨uˆencia de valores θ k se aproxime assintoticamente de θ .

O refinamento de θ k para θ k+1 ´e feito da seguinte forma. Pri-

meiro aproxima-se a fun¸c˜ao f em primeira ordem em torno de θ k :

f(θ) f(θ k ) + f (θ k )(θ θ k ) .

Se a express˜ao do lado direito fosse exata, seria f´acil calcular onde f se anula. No entanto, como n˜ao ´e, o valor de θ que anula o lado

3

direito ´e apenas mais uma aproxima¸c˜ao de θ , que chamaremos de θ k+1 . Ent˜ao θ k+1 se define pela express˜ao

f(θ k ) + f (θ k )(θ k+1 θ k ) = 0 ,

isto ´e,

θ k+1 = θ k f(θ k )

f

(θ k ) .

O ponto mais delicado do M´etodo de Newton ´e a escolha do palpite inicial. Dependendo do valor tomado, pode ocorrer que a seq¨uˆencia dos θ k n˜ao convirja, ou convirja para outro zero da fun¸c˜ao que n˜ao corresponde ao valor buscado.

Aplica¸c˜ao do m´etodo

Apliquemos o M´etodo de Newton no exemplo do cilindro. Por exemplo, queremos achar θ tal que v(θ) = 0.6, ou seja, achar o zero da fun¸c˜ao f (θ) = v(θ) 0.6. Ent˜ao montamos a f´ormula de itera¸c˜ao do M´etodo de Newton:

θ k+1 = θ k

f(θ k )

f

(θ

k+1 ) = θ k v(θ k ) 0.6

v (θ k )

.

Substituindo a express˜ao de v(θ) e manipulando a express˜ao obte- mos

θ k+1 =

2 1 sen (2θ k ) θ k cos(2θ k ) + 0.6π

1 cos(2θ k )

.

como chute inicial, o que numa calculadora

com 10 casas decimais d´a θ 0 = 1.570796327. Usando a f´ormula de itera¸c˜ao obtemos θ 1 = 1.727875959, depois θ 2 = 1.729193776, θ 3 = 1.729194052 e θ 4 = 1.729194052. O fato de θ 4 ter dado igual a θ 3 n˜ao quer dizer que este seja o valor exato da solu¸c˜ao. A convergˆencia assint´otica da teoria d´a lugar, na pr´atica, a esse

Escolhemos θ 0 = π

2

4

tipo de fenˆomeno, pois com um n´umero limitado de algarismos significativos n˜ao ´e poss´ıvel distinguir θ k de θ k+1 , a partir de um certo iterado.

Exerc´ıcios

1. Suponha que a se¸c˜ao do recipiente que cont´em a ´agua seja um triˆangulo, ao inv´es de um c´ırculo. Calcule o volume de ´agua em fun¸c˜ao de sua altura no reservat´orio. Obtenha a fun¸c˜ao inversa, isto ´e, a altura da ´agua em fun¸c˜ao de seu volume.

2. Fa¸ca o mesmo que no item anterior com uma se¸c˜ao pentago- nal, em vez de triangular.

3. Calcule a raiz quinta de 19, resolvendo a equa¸c˜ao x 5 = 19 com o aux´ılio do M´etodo de Newton e uma calculadora.

4. Monte a f´ormula de itera¸c˜ao do M´etodo de Newton para f(x) = x 2 a (usada para extrair a raiz quadrada de a) e interprete-a em termos de m´edias aritm´eticas e geom´etricas.

5. Uma loja vende uma geladeira `a vista por R$1000,00, mas a prazo por R$1800,00, em 5 vezes. Calcule a taxa de juros uti- lizada pela loja, utilizando o M´etodo de Newton. Observa¸c˜oes para se ter em mente: seja x = taxa de juros + 1 (por exem-

100

plo, se a taxa ´e 50% ent˜ao x = 1.5). Seja v o valor `a vista e

n

o n´umero de presta¸c˜oes. A loja calcula o valor total a prazo

p

da seguinte maneira:

p

=

=

v

n +

v

v

n x + n x 2 +

v

· x n 1

.

n x 1

5

+ v

n

x

n1

Pesquisar

Como saber que uma fun¸c˜ao escrita como composi¸c˜ao (finita) de fun¸c˜oes elementares n˜ao tem uma inversa escrita como composi¸c˜ao (finita) de fun¸c˜oes elementares? Ou ao menos como provar que existe uma tal fun¸c˜ao? Existem fun¸c˜oes polinomiais com essa pro- priedade?

6