Você está na página 1de 27
Instituto de Matematica´ e Estat´ıstica - USP MAC0412 - Organiza¸c˜ao de Computadores Monografia Computa¸c˜ao

Instituto de Matematica´

e Estat´ıstica - USP

MAC0412 - Organiza¸c˜ao de Computadores

Monografia

Computa¸c˜ao Quˆantica para leigos

Ana Luiza Domingues Fernandez Basalo - 6431109 William Alexandre Miura Gnann - 6431176

30 de janeiro de 2011

Sum´ario

1 Introdu¸c˜ao

3

2 Hist´orico

4

2.1 F´ısica Quˆantica

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4

2.2 Computa¸c˜ao Quˆantica

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4

3 O b´asico

5

3.1 Espa¸cos de Hilbert e algumas nota¸c˜oes

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5

3.2 Quantum Bits ou qubits

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

6

3.3 Por que quˆantica? .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

3.3.1 Sobreposi¸c˜ao

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

3.3.2 Observa¸c˜ao

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

3.3.3 Emaranhamento

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

8

3.3.4 Reversibilidade

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

9

3.3.5 Interferˆencia

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

9

3.3.6 Decoerˆencia

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

3.3.7 N˜ao-Clonagem

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

4 Computadores Quˆanticos na pr´atica

 

12

4.1 Crit´erio de DiVincenzo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

4.1.1 Escalabilidade

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

4.1.2 Inicializa¸c˜ao .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

4.1.3 Tempo de Coerˆencia

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

4.1.4 Portas L´ogicas Quˆanticas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

4.1.5 Observa¸c˜ao

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

4.2 Algumas implementa¸c˜oes por alto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

4.2.1 Armadilhas de ´ıon:

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

 

´

Optica: .

4.2.2 .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

4.2.3 Supercondutores:

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

4.2.4 “Adiab´atico”:

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

4.2.5 Outros:

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

5 Algoritmos Quˆanticos

 

14

5.1 Algoritmo de Deutsch

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

14

5.2 Algoritmo de Shor

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

15

5.3 Outros algoritmos .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

16

6 Aplica¸c˜oes e possibilidades da Computa¸c˜ao Quˆantica

 

17

6.1 Criptografia Quˆantica .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

6.1.1 Implica¸c˜oes para a Criptografia Cl´assica

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

6.1.2 Sistemas Criptogr´aficos Quˆanticos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

6.1.3 Distribui¸c˜ao Quˆantica de Chaves

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

6.1.4 One-time pad

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

6.2 Speedup de algoritmos cl´assicos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

6.3 Simula¸c˜ao de sistemas quˆanticos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

6.4 Outras aplica¸c˜oes

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

 

1

7

Informa¸c˜ao Quˆantica e Corre¸c˜ao de Erros

20

7.1 Informa¸c˜ao Quˆantica - Uma vis˜ao geral .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

7.2 Teoria Quˆantica da Informa¸c˜ao

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

7.3 Corre¸c˜ao de erros

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

7.3.1 Corre¸c˜ao de erros cl´assica

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

7.3.2 Corre¸c˜ao de erros quˆantica

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

8 Onde se faz Computa¸c˜ao Quˆantica?

 

22

8.1 Computa¸c˜ao Quˆantica na Academia .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

22

8.2 Empresas e companhias que atuam com Computa¸c˜ao Quˆantica .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

22

8.3 Computa¸c˜ao Quˆantica no Brasil

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

22

9 Conclus˜ao

24

 

2

1

Introdu¸c˜ao

Com uma certa frequˆencia vemos, na m´ıdia, diversas not´ıcias, reportagens ou mat´erias acerca da F´ısica Quˆantica. J´a, com menos frequˆencia, vemos alguma reportagem sobre Com- puta¸c˜ao Quˆantica. Em geral, essas mat´erias costumam citar o conhecid´ıssimo problema da quebra das chaves de criptografia baseadas em n´umeros primos e do caos causado `as transa¸c˜oes banc´arias e aos departamentos de seguran¸ca. Tamb´em costumam dizer coisas m´agicas sobre as possibilidades da Computa¸c˜ao Quˆantica, mas, quase sempre, se esquecendo de diversos detalhes important´ıssimos como o problema da observa¸c˜ao e a enorme dificuldade de tornar o computador quˆantico algo real. Tentaremos, adiante, dar um parecer menos esot´erico 1 acerca dessa nova e intrigante ´area que une trˆes grandes vil˜oes do curso de engenharia: F´ısica, Matem´atica e Computa¸c˜ao.

1 Um bom exemplo do esoterismo associado `a F´ısica Quˆantica ´e o filme Quem somos n´os?.

3

2

Hist´orico

Para falarmos de Computa¸c˜ao Quˆantica ´e necess´ario, antes, ver o contexto no qual surgiu

a F´ısica Quˆantica e, depois, como surgiu seu estudo propriamente dito.

2.1 F´ısica Quˆantica

No final do s´eculo XIX houve um momento bastante cr´ıtico para o desenvolvimento da F´ısica: a teoria parou de bater com alguns experimentos! Os experimentos em quest˜ao envolviam objetos de dimens˜oes bem modestas ou mesmo ra- dia¸c˜ao. Pela modelagem imperfeita das teorias vigentes, surgiram, na ´epoca, conceitos absurdos como a ‘Cat´astrofe Ultravioleta’ na qual a energia de uma onda poderia ser infinita. Diante de uma situa¸c˜ao t˜ao cr´ıtica, a F´ısica obteve sua salva¸c˜ao com a teoria de Max Planck, na qual a radia¸c˜ao eletromagn´etica ´e emitida atrav´es de quanta 2 cuja energia ´e proporcional `a frequˆencia da onda. Surgiu o que chamamos atualmente de F´ısica Quˆantica. Mais tarde, ter´ıamos, tamb´em, a explica¸c˜ao de Einstein para o efeito fotoel´etrico baseado na ideia do quantum. Da´ı surgiu o conceito de f´oton: a part´ıcula da qual a luz - uma onda eletromagn´etica - ´e composta. Com a consolida¸c˜ao da Teoria Quˆantica, muita coisa foi pesquisada na area´ e, com Richard Feynman, conhecido mundialmente por sua habilidade com o bongˆo 3 , surgiu a Eletrodinˆamica Quˆantica, cujo objeto de estudo, grosso modo, ´e o efeito da radia¸c˜ao nos el´etrons.

2.2 Computa¸c˜ao Quˆantica

No come¸co da d´ecada de 1980, Richard Feynman escreveu, num artigo, que um sistema quˆantico grande n˜ao pode ser simulado num computador comum devido ao fato de um sistema com n estados quˆanticos necessitar de 2 n vari´aveis. Em particular, um sistema quˆantico com 300 estados quˆanticos demandaria 2 300 vari´aveis, ou seja, uma quantidade maior de vari´aveis do que temos de ´atomos no universo observ´avel 4 ! No artigo de Feynman tamb´em havia uma hip´otese interessante: um computador constru´ıdo

a partir das leis da F´ısica Quˆantica poderia ser capaz de simular eficientemente um sistema quˆantico, ou seja, um computador quˆantico poderia trabalhar exponencialmente mais r´apido que um computador comum. A Computa¸c˜ao Quˆantica engatinhava at´e que, em 1994, Peter W. Shor escreveu um algo- ritmo para computadores quˆanticos capaz de fatorar n´umeros inteiros em tempo polinomial. O pilar da criptografia baseada em n´umeros (e.g. RSA) foi abalado. Atualmente, h´a muita teoria como c´odigos corretores de erros para informa¸c˜ao quˆantica, diversos algoritmos que se aproveitam das propriedades quase m´agicas de um computador quˆantico, d´uzias de modelos de computadores quˆanticos e, infelizmente, nenhum computador quˆantico de uso geral.

2 quanta ´e o plural de quantum, palavra do Latim que significa quantidade. 3 Na realidade, ele ´e mais conhecido por seu prˆemio Nobel. 4 Estudos estimam cerca de 10 80 ´atomos no universo observ´avel.

4

3

O b´asico

Para estudar Computa¸c˜ao Quˆantica, ´e imprescind´ıvel entender coisas sobre como os fenˆomenos quˆanticos s˜ao modelados, quais s˜ao os que tˆem influˆencia direta e as diferen¸cas entre o compu- tador quˆantico e o computador cl´assico.

3.1 Espa¸cos de Hilbert e algumas nota¸c˜oes

Defini¸c˜ao 1. Um espa¸co vetorial H ´e completo se, para cada sequˆencia de vetores x tais que

existe um vetor x H tal que

m,n ||x m x n || = 0,

lim

n ||x n x|| = 0

lim

Defini¸c˜ao 2. O produto interno de um espa¸co vetorial H associado ao corpo ´e uma fun¸c˜ao de H × H com x, y, z H e α com as seguintes propriedades:

1. x | y = y | x

2. x | x 0 e x | x = 0 ⇐⇒ x = 0

3. x | y + z = x | y + x | z

4. αx | y = α x | y

Defini¸c˜ao 3. Entende-se por espa¸co de Hilbert, H, um espa¸co vetorial completo sobre munido de produto interno como definido acima. H n , n , ´e o espa¸co de Hilbert de dimens˜ao n.

Observa¸c˜ao 1. Os vetores poder˜ao ser notados da seguinte forma: |ψ . Essa nota¸c˜ao tem o nome de ket.

Defini¸c˜ao 4. Um operador linear ´e um mapeamento T com a propriedade:

T (αx + y) = αT (x) + T (y)

: H H, dados x, y H e α ,

Em particular,

se T (x)

=

λx,

com x H

e λ ,

x ´e dito um autovetor de T

e λ um

autovalor.

Defini¸c˜ao 5. Seja T um operador linear, se T T = I dizemos que T ´e unit´ario. Definimos T como o T transposta com todos seus elementos conjugados.

Defini¸c˜ao 6. O produto tensorial ´e denotado por H n H m . Ele associa elementos x i da base de H n com y j da base de H m da seguinte forma: x i y j . Ele ´e definido da seguinte forma:

Nota¸c˜oes alternativas:

(

n

i=1

α i x i ) (

m

j=i

β j y j ) =

n

m

i=1

j=i

α i β j x i y j

|x ⊗ |y = |x |y = |x, y

5

3.2

Quantum Bits ou qubits

Defini¸c˜ao 7. Um sistema quˆantico com n estados pode ser denotado como um elemento de H n com a forma:

|ψ = α 1 |x 1 + α 2 |x 2 +

+ α n |x n

Onde |x i ´e um elemento da base de H n e α i .

No entanto α i n˜ao ´e qualquer, ele ´e escolhido tal que:

n

i=1

|α i | 2 = 1

Ou seja, |α i | 2 forma uma distribui¸c˜ao de probabilidade em cima da base de H n .

Defini¸c˜ao 8. Um qubit ´e um sistema quˆantico com dois estados.

|ψ = α 1 |0 + α 2 |1

E importante salientar que |0 ´e ortogonal a |1 . Caso contr´ario, as associa¸c˜oes entre qubits

n˜ao poderiam ser bem definidas. Para fazermos tais associa¸c˜oes entre qubits podemos usar o produto tensorial. Logo um sistema com dois qubits ´e isomorfo a H 2 H 2 e uma representa¸c˜ao poss´ıvel pode ser:

|ψ = α 1,1 |00 + α 1,2 |01 + α 2,1 |10 + α 2,2 |11

Um modo interessante de vermos o qubit ´e compar´a-lo com seu semelhante do mundo cl´assico, o bit. A tabela abaixo ilustra as principais diferen¸cas entre as duas unidades b´asicas.

´

Propriedade

bit

qubit

Tipo

n´umero

vetor

Gasto

n

2

n

Natureza

determin´ıstica

probabil´ıstica

Representa¸c˜ao

el´etrica

diversa

Quˆantico

n˜ao

sim

Depois de tantas diferen¸cas, ´e interessante saber como est˜ao relacionados. Tomemos, a t´ıtulo de ilustra¸c˜ao, uma associa¸c˜ao de 2 bits e uma associa¸c˜ao de 2 qubits . Teremos os bits 00, 01, 10 e 11 e a associa¸c˜ao de qubits:

|ψ = α 1,1 |00 + α 1,2 |01 + α 2,1 |10 + α 2,2 |11

Imediatamente, percebe-se a clara rela¸c˜ao entre os bits e a base da associa¸c˜ao de qubits. No entanto, o grande diferencial dos qubits ´e que todos os estados s˜ao representados simultanea- mente, j´a o bit pode representar apenas um estado por vez - por isso o n × 2 n acima. Essa representa¸c˜ao simultˆanea ´e a essˆencia do conceito de sobreposi¸c˜ao, que ser´a descrito adiante. Uma d´uvida que pode ter aparecido, apesar de a rela¸c˜ao ser clara entre um bit e um qubit, ´e como relacion´a-los exatamente, uma vez que h´a uma infinidade 5 de combina¸c˜oes lineares poss´ıveis para um qubit. Apesar da representa¸c˜ao simultˆanea, apenas um estado da base do qubit pode ser observado 6 por isso, teremos n estados observ´aveis para n qubits.

Observa¸c˜ao 2. Pesquisas recentes transcenderam o conceito de qubit em n´umeros de estados. Temos hoje o qudit que ´e representado por H 5 - que nada mais ´e que um sistema quˆantico com cinco estados em vez de dois - e vari´aveis cont´ınuas quˆanticas que fogem ao escopo desta monografia introdut´oria.

5 Lembre-se que a unica´

6 Observa¸c˜ao, aqui, ´e no sentido da F´ısica Quˆantica.

n

restri¸c˜ao para os coeficientes ´e i=0

6

|α i | 2 = 1.

3.3

Por que quˆantica?

´

E

um fato que existem propriedades que s˜ao exclusivas dos computadores quˆanticos. Caso

contr´ario, seria trivial fazer a simula¸c˜ao de um deles por uma M´aquina de Turing. Quais propriedades seriam essas?

3.3.1 Sobreposi¸c˜ao

Um dos grandes trunfos da quˆantica ´e, certamente, a sobreposi¸c˜ao. No estado de sobre- posi¸c˜ao, o sistema quˆantico assume todos os estados, mesmo que cada um tenha probabilidade |α i | 2 de ser observado. Isso significa que a sobreposi¸c˜ao ´e um dos respons´aveis pelo paralelismo sem precedentes. Em contrapartida, ´e justamente pela sobreposi¸c˜ao que os sistemas quˆanticos s˜ao de t˜ao dif´ıcil simula¸c˜ao. Em termos de qubits, gastar´ıamos, para n qubits, 2 n n´umeros. Ser´a ‘ilustrada’, a seguir, a aplica¸c˜ao de uma porta de Hadamard num sistema com n qubits. Situa¸c˜ao inicial:

|ψ = α 1 |x 1 +

+

α 2 n |x 2 n

Aplicando Hadamard, H(|ψ ), que ser´a descrita com detalhes mais adiante:

β i = α i + α 2 n1 +1

2

Obteremos, por fim, uma nova configura¸c˜ao:

|H(ψ) = β 1 |x 1 +

+ β 2 n |x 2 n

Conclus˜ao: mexendo com um qubit ´e poss´ıvel ‘bagun¸car’ todos os outros estados.

3.3.2 Observa¸c˜ao

Certamente um dos problemas-chave para a quˆantica. Ao observarmos um sistema quˆantico, ocorre o que ´e chamado de colapso.

O colapso consiste em ‘devolver’ |x i com probabilidade |α i | 2 . Isso significa, primeiramente,

que podemos obter resultados distintos a partir da observa¸c˜ao de um mesmo sistema quˆantico. O computador quˆantico deve ser perfeitamente isolado justamente para evitar ru´ıdos que co- lapsem o estado de sobreposi¸c˜ao. Ademais, todo nosso cuidado usando a maravilha da sobreposi¸c˜ao pode ser in´util se obti- vermos um resultado errado ao observar. Portanto, o problema da observa¸c˜ao consiste basicamente em saber como tratar os dados dos qubits para obter o resultado correto com probabilidade alta na hora de observarmos. Observamos acima como as portas l´ogicas quˆanticas podem influenciar no sistema com a atua¸c˜ao da porta Hadamard numa associa¸c˜ao de qubits. Uma enorme parcela desse ‘tratamento’ ´e oriunda do emprego dessas portas l´ogicas quˆanticas.

Observa¸c˜ao 3. A observa¸c˜ao pode ser vista como um operador linear O : H 2 n B, com B H 2 n sendo o conjunto formado pela base da associa¸c˜ao de qubits.

7

3.3.3 Emaranhamento

Primeiramente, podemos ver o emaranhamento com os olhos de um matem´atico a partir dos espa¸cos de Hilbert e do produto tensorial - lembrando que s´o teremos emaranhamento com mais de um qubit. Se um vetor |ψ pode ser decomposto como o produto tensorial de dois outros vetores, n˜ao h´a emaranhamento. Exemplo: Considere o sistema quˆantico

Ele pode ser decomposto em:

1

2 (|00 + |01 + |10 + |11 )

1

1

2 (|0 + |1 ) 2 (|0 + |1 )

Por outro lado, se ele n˜ao puder ser decomposto como o produto tensorial de dois vetores, h´a emaranhamento. Exemplo: Considere o sistema quˆantico

Vamos tentar decompˆo-lo:

1

2 (|00 + |11 )

1

2 (|00 + |11 ) = (α 1 |0 + α 2 |1 )(β 1 |0 + β 2 |1 )

= α 1 β 1 |00 + α 1 β 2 |01 + α 2 β 1 |10 + α 2 β2 |11

Mas

 

 

α 1 β 1 = α 1 β 2 =

α 2 β 1 = 0

0

1

2

α 2 β 2 =

1

2

O

que configura um absurdo, pois temos:

1

2 = α 1 β 1 α 2 β 2 = α 1 β 2 α 2 β 1 = 0

O

sistema quˆantico emaranhado do exemplo, na realidade, ´e um sistema muito peculiar,

conhecido por par EPR (Einstein, Podolsky, Rosen).

Uma propriedade muito importante de emaranhamentos ´e que, observando um qubit do par,

´

sabemos exatamente em qual estado o outro est´a.

entre os qubits se mant´em mesmo a quilˆometros de distˆancia 7 . Os emaranhamentos ter˜ao aplica¸c˜oes muito importantes no futuro, tais como:

E algo t˜ao contra-intuitivo que essa liga¸c˜ao

1. Teletransporte quˆantico: ´e poss´ıvel aproveitar a propriedade do sistema emaranhado para transportar dados.

2. Codifica¸c˜ao superdensa: a partir de um qubit podemos colocar informa¸c˜ao na sobreposi¸c˜ao de forma que mais dados sejam enviados de uma vez.

3. Criptografia: pode-se fazer um mecanismo de autentica¸c˜ao a partir do par emaranhado.

7 Consta em [CA2] a marca de 100km!

8

3.3.4

Reversibilidade

Antes de vermos exatamente o que ´e a reversibilidade, ´e interessante vermos as portas l´ogicas quˆanticas. Assim como na Computa¸c˜ao Cl´assica, a Computa¸c˜ao Quˆantica tamb´em depende de portas l´ogicas. Tais mecanismos s˜ao usados no controle dos qubits. Em termos de espa¸cos de Hilbert, uma porta l´ogica quˆantica nada mais ´e que uma trans-

forma¸c˜ao linear unit´aria, ou seja, a norma do vetor ´e mantida (o que ´e extremamente conveniente

lembrando que |α i | 2 = 1).

Entretanto, a propriedade mais interessante de uma transforma¸c˜ao linear unit´aria ´e que ela ´e invers´ıvel e a inversa ´e sua transposta conjugada. Isso significa que teoricamente toda porta l´ogica quˆantica unit´aria ´e revers´ıvel, coisa que n˜ao acontece com suas ‘av´os’, as portas l´ogicas el´etricas. Reversibilidade ´e a capacidade de recuperar algum estado anterior por meio de alguma transforma¸c˜ao inversa. Como a porta l´ogica quˆantica ´e revers´ıvel, podemos voltar a alguma configura¸c˜ao anterior no meio de um processamento. Exemplos de portas:

Hadamard ou Walsh

Pauli-X ou NOT

Pauli-Y

Pauli-Z

Phase

π/8

NOT

1

1

2

2

0

1

0

i

1

0

1

0

1

0

1

1

2

2

2

1

2

1

1

0

i

0

1

0

0

i

e iπ/4

0

1

1

2

2

3.3.5 Interferˆencia

A interferˆencia como conhecemos ´e aquela na qual a adi¸c˜ao de duas ondas ´e capaz de criar um novo padr˜ao de onda. No mundo da quˆantica, at´e as part´ıculas s˜ao dotadas dessa estranha propriedade. Em termos matem´aticos, podemos explicar a interferˆencia como uma consequˆencia da uti- liza¸c˜ao de n´umeros complexos para representar sistemas quˆanticos. Pelo fato de os n´umeros

9

serem complexos, ao aplicar uma transforma¸c˜ao linear num sistema quˆantico, ´e poss´ıvel que o n´umero imagin´ario i seja multiplicado por outro i, gerando 1. Esse n´umero negativo pode, eventualmente, ‘apagar’ algum escalar do vetor. As transforma¸c˜oes unit´arias tamb´em podem fazer algo parecido.

2 (|0 + |1 ).

Um exemplo envolve aplicar a transforma¸c˜ao de Hadamard no estado: |ψ = Teremos ent˜ao:

1

H(|ψ ) =

1

2

1

2

2
2
1

1

2 =

1

2

1

0 1 = 1 |0 + 0 |1 = |0