Você está na página 1de 3
Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Londrina

Ministério da Educação

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Campus Londrina

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Londrina

PLANO DE ENSINO

CURSO

Tecnologia em Alimentos

MATRIZ

1

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

Resolução nº 77/06 do COEPP de 20 de outubro de 2006

CÓDIGO

PERÍODO

1

DISCIPLINA/UNIDADE CURRICULAR

CARGA HORÁRIA (horas) Total

Desenho Técnico

DE31A

48

PRÉ-REQUISITO

EQUIVALÊNCIA

PRÉ-REQUISITO EQUIVALÊNCIA
PRÉ-REQUISITO EQUIVALÊNCIA

OBJETIVOS

Este plano de ensino tem por objetivo desenvolver nos discentes as seguintes competências:

Conhecer os materiais e normas utilizadas em desenho técnico;

Compreender as vistas ortográficas, cortes e secções de um objeto e sua representação em perspectiva;

Com base nestas competências espera-se que os discentes apresentem ao final da disciplina as seguintes habilidades:

Compreensão de um desenho técnico (leitura de projeto);

Elaborar desenhos técnicos;

EMENTA 1. Conceitos gerais; 2.Instrumentos e Normas. 3. Escalas; 4.Lay-out; 5.Métodos de composição e reprodução de desenhos; 6. Regras básicas para desenho a mão livre; 7.Projeções; 8.Cotas; 9.Projetos;

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

 

ITEM

 

EMENTA

CONTEÚDO

1

Conceitos Gerais

 

Apresentação da disciplina; Dicas de trabalho;

2

Instrumentos e Normas

 

Materiais de Desenho Técnico, Norma Técnica, Sistemas de Normalização, Normas Técnicas NBR ABNT empregas em Desenho Técnico;

3

Escalas

Definição, tipos, representação e aplicações.

4

Lay-out

Folha de Desenho: Lay-out e dimensões, apresentação da folha e dobramento.

 

Métodos

de

composição

e

reprodução

de

Linhas Técnicas: largura, espaçamento entre linhas, código de cores em canetas técnicas, tipos, interseção e ordem de prioridade de linhas coincidentes. Caligrafia Técnica: exigências, exemplos de caracteres, regras e condições específicas

5

desenhos;

6

Regras Básicas para desenho a mão livre

 

Tipos de desenho: esboço, croqui, ante-projeto.

7

Projeções

Sistemas de projeção, definição, método europeu e método americano, representações e recomendações nos traçados de projeções, cortes e secções;

8

Cotas

Introdução, aspectos gerais da cotagem, elementos da cotagem, inscrição das cotas nos desenhos, cotagem dos elementos, critérios de cotagem e cotagem de representações especiais.

9

Projetos

Apresentação de projetos – leitura de projetos.

PROCEDIMENTOS DE ENSINO

AULAS TEÓRICAS

Aula expositiva-dialogada, com a utilização de quadro e recursos audiovisuais

AULAS PRÁTICAS

Realização de exercícios para avaliação em sala, visando a fixação do conteúdo;

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

Elaboração e entrega de um desenho do layout de uma cozinha industrial e/ou equipamento industrial da área de alimentos.

ATIVIDADES A DISTÂNCIA Não há.

ATIVIDADES A DISTÂNCIA

Não há.

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO

Visando avaliar o desempenho do aluno no que diz respeito às competências e habilidades propostas, os mesmos serão avaliados da seguinte forma:

N 1 - Avaliação 01: Prova Individual (16/mai) com conteúdo a ser definido previamente em sala;

N 2 - Avaliação 02: Prova Individual (27/jun) com conteúdo a ser definido previamente em sala;

N 3 – Avaliação 03: Exercícios em sala a serem realizados individualmente e entregues ao término das aulas, conforme lista abaixo:

E 1 – Escala (N 3 /10);

E 2 - Folha de Desenho e Linhas Técnicas (N 3 /10);

E 3 - Caligrafia Técnica (N 3 /10); E 6 – Perspectivas (N 3 /10);

E 4 – Vistas Ortográfica (N 3 /10); E 7 – Cotagem (N 3 /10);

E 5 - Cortes e Secções (N 3 /10); E 8 – APS (3*N 3 /10);

O desempenho final (N F ) dos discentes será calculado conforme a equação abaixo:

 

N F = 0,30*N 1 + 0,30*N 2 + 0,4*N 3

REFERÊNCIAS

Referencias Básicas:

FRENCH, Thomas Ewing; VIERCK, Charles J. Desenho técnico e tecnologia gráfica. 8. ed. São Paulo: Globo, 2005.

1093p.

MANFÉ, Giovanni; POZZA, Rino; SCARATO, Giovanni. Desenho técnico mecânico: curso completo para as escolas técnicas e ciclo básico das faculdades de engenharia. São Paulo: Hemus, 2004. 3v. SILVA, Arlindo; RIBEIRO, Carlos Tavares; DIAS, João; SOUSA, Luís. Desenho técnico moderno. 4. Ed. Rio de Janeiro:

LTC, 2006.

Referências Complementares:

PROVENZA, Francesco. Desenhista de máquinas. São Paulo: F. Provenza, 1960. VENDITTI, Marcus Vinícius dos Reis. Desenho Técnico sem Prancheta com AutoCAD 2008. 1. ed. Florianópolis: Visual Books, 2007. 284p.

ORIENTAÇÕES GERAIS

Sistema de Avaliação: REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Resolução nº 112/10-COEPP, de 29 de novembro de 2010.

Art. 34- A aprovação nas disciplinas presenciais dar-se-á por Nota Final, proveniente de avaliações realizadas ao longo do semestre letivo, e por freqüência.

§1o- O processo avaliativo é parte integrante do Projeto Pedagógico do Curso e deve ser construído coletivamente, visando atender o especificado nesse Regulamento.

§2o- O número de avaliações, suas modalidades e critérios devem ser explicitados no Plano de Ensino da disciplina/unidade curricular.

§3o- Para possibilitar a recuperação do aproveitamento acadêmico, o professor deverá proporcionar reavaliação ao longo e/ou ao final do semestre letivo.

§4o- Considerar-se-á aprovado na disciplina, o aluno que tiver freqüência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) e Nota Final igual ou superior a 6,0 (seis), consideradas todas as avaliações previstas no Plano de Ensino.

Art. 36- No caso do aluno perder alguma avaliação presencial e escrita, por motivo de doença ou força maior, poderá requerer uma única segunda chamada por avaliação, no período letivo.

§1o- O requerimento, com documentação comprobatória, deverá ser protocolado no Departamento de Registros Acadêmicos até 5 (cinco) dias após a realização da avaliação.

§2o- A análise do requerimento será feita pela Coordenação do Curso ou Chefia do Departamento Acadêmico ao qual a disciplina está vinculada, cujo resultado será comunicado ao professor da disciplina, com homologação da Diretoria de Graduação e Educação Profissional.

§3o- O professor definirá os conteúdos e a data da avaliação.

§4o- A nota da segunda chamada das avaliações realizadas na última semana do período letivo e não lançadas até o fechamento do período letivo, deverão seguir procedimento definido pela Diretoria de Graduação e Educação Profissional.