Você está na página 1de 40

Semanário Regional de Informação Director: João Campos www.jornalnordeste.

com
nº 694. 16 de Fevereiro de 2010 . 0,75 euros

Tribunal de Contas chumba


Resíduos do Nordeste
TC detecta irregularidades no concurso público para a
aquisição de serviços de limpeza urbana nos concelhos
da Terra Quente Transmontana. Última

BRAGANÇA

Nova Escola
Universitária

MOGADOURO

Confraria
do Fumeiro
Autarca de Vinhais lança novidade na ceri-
Escola mónia de entronização dos novos membros
já voa alto da Confraria dos Vinhos Transmontanos

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 


ENTREVISTA

EDITORIAL
O que Miranda
“Um bem de luxo”
tem… e o Douro não
Poucos são os concelhos que
FACTOS
oferecem tanto em tão curto raio de
Nomeado – António Frias
distância. Uma lhéngua, grupos de
Tempo – 42 anos
pauliteiros e de gaiteiros e a famo-
Lugar – MotoFrias
sa Posta à Mirandesa são, apenas,
Origem – Bragança
as principais imagens de marca do
Ofício – Empresário/Comerciante
concelho de Miranda do Douro, que
Data de Nascimento
este fim de semana viveu o Festival
– 12/07/1967
de Sabores. Mas há mais, muito
Signo – Caranguejo
mais, na maioria dos casos sem pa-
ralelo na região. Há uma antiga Sé
Catedral que é Monumento Nacio- BRUNO MATEUS FILENA
nal, um cruzeiro ambiental nas es-
pectaculares Arribas do Douro, um 1 @ Como é que começou a
Centro Histórico com vida e reche- tua relação com as motas e em
ado de zonas pedonais e um castelo que idade?
em ruínas que fala das guerras de
Portugal com Espanha. Há uma R: Desde tenra idade. Comecei
fronteira que dinamiza o comércio com as bicicletas, depois o bichinho
local e os restaurantes, uma paisa- passou para as motas, cuja condução
gem de Planalto que acalma o espí- era mais suave e não necessitava de
rito, uma cultura que os mirandeses empregar tanto esforço. Aos 16 anos,
sabem e querem preservar e, até, a tive a minha primeira mota, uma DT
mais emblemática raça bovina da 50, que não foi comprada nem ofere-
região. Isto para não falar da sin- Viagem à Island of Man é o sonho de qualquer motard, afirma António Frias
cida, mas antes emprestada por um
gular arquitectura religiosa, das ca- amigo e mantida por muito tempo. e nas reparações em cerca de 50%. inclusive, no distrito de Bragança,
pas de honra e demais artesanato, Depois, arranjei cliente para essa Se as pessoas não compram, por sua em Vinhais, por exemplo, Vimioso e
das facas e pipos de Palaçoulo, dos mota e comprei uma DT 125. Essa, vez, não vão andar. Se não circulam, Izeda. Mas não as podemos designar
passeios de burro e, já agora, de um podemos considerar, de facto, como não necessitam de peças de desgaste, como concentrações. Será, talvez,
dos melhores Carnavais trapalhões tendo sido a minha primeira mota, como pneus, pastilhas de travão, há mais um juntar de grupos, numa fes-
da região, que é o de Sendim. pois foi aquela que eu comprei com o a infelicidade de se ter uma queda e ta motard de fim-de-semana.
Seria fastidioso estar a enume- meu próprio dinheiro. nós ganhamos com o azar dos outros.
rar todas as potencialidades turís-
Mas, actualmentem, circula-se cada 7 @ Vendem-se mais motas
ticas de Miranda, mas vale a pena
2 @ Como é que surgiu a vez menos. novas ou usadas?
vincar aquelas que transformam
ideia de montares um negócio
este concelho num verdadeiro car-
relacionado com motas? 5 @ Como é que é a tua rela- R: É um misto, mas o que se ven-
taz turístico de Trás-os-Montes e
ção com o Moto Cruzeiro? de mesmo mais são as motas caras,
Alto Douro. Os argumentos são
R: Eu até gostava mais de an- ao invés de serem as mais acessíveis.
muitos, mas até que ponto Miran-
dar do que estar, propriamente, no R: É uma relação deveras sau- Penso que andar de mota é um luxo,
da tem tirado partido da marca
negócio das motas. Um amigo meu dável. Sou sócio-fundador do clube sobretudo, em Bragança, pois não
Douro? A resposta à pergunta está
abriu um stand e eu, curioso, fiquei e sempre que é necessária a minha precisamos dela nem para nos deslo-
no número de unidades hoteleiras
com ele a ajudar e a trabalhar com ele colaboração, aqui estou de braços carmos, nem para trabalharmos. Nas
ou de turismo rural existentes no
durante alguns anos. Até que houve abertos. grandes cidades, verificam-se essas
concelho, escassas e dispersas.
um desentendimento na nossa re- necessidades, pois, devido ao trân-
Na realidade, há um rio que
lação comercial, fiz uma pausa, e de 6 @ Nos princípios dos anos sito, compensa circular e trabalhar
entra em Portugal em Paradela
seguida, pressionado por alguns ami- 90, Bragança teve a segunda em duas-rodas. Na nossa região, as
(Miranda) e, supostamente, separa
gos ligados às duas rodas, fui quase maior concentração motard de motas são para quem gosta e servem,
Trás-os-Montes das Beiras, só que,
que obrigado a abrir, novamente, um Portugal. Hoje em dia, é tão so- essencialmente, para passear ao fim-
ultimamente, a sua principal “mis-
stand. E aqui estou hoje, ainda, pas- mente mais uma. O que é que de-semana. Daí serem consideradas
são” é colocar concelhos de costas
sados nove anos. aconteceu, entretanto, que ti- um bem de luxo.
voltadas. A culpa não é do rio, cla-
ro, mas da falta de capacidade de vesse provocado um decrésci-
diálogo dos agentes locais, sejam 3 @ Como é que definirias o mo tão grande no número de 8 @ O que é que consideras
eles autarcas ou outros titulares de teu sentimento pelas duas ro- participantes? ser inaceitável num amante das
cargos públicos. das? duas rodas?
A Comunidade Urbana do Dou- R: A concentração baixou como
ro não se entende com a de Trás-os- R: Posso-te dizer que será um todas as outras a nível nacional. A R: Não respeitar outro motard.
Montes e o mesmo acontece entre sentimento de paixão, porque gosto nossa tinha uma grande vantagem, Sobretudo, quando se viaja em gru-
a Entidade Regional de Turismo do mesmo muito de motas, de as utili- ser a única realizada no mês de Agos- po.
Porto e Norte e a sua congénere do zar em lazer, mais do que estar aqui to. Isto, em 94, sensivelmente. Passa-
Douro. a vendê-las, se bem que não me desa- dos dois ou três anos, passou a haver 9 @ Se pudesses escolher
Os agentes da região duriense grada o negócio que as envolve. a concentração de Góis, também no um destino para uma viagem de
continuam a achar que o Douro mesmo mês. E as duas eram muito mota, qual seria?
acaba no Pinhão, mesmo que Tor- 4 @ Descreve-nos o cenário boas! Também no Nordeste Trans-
re de Moncorvo e Freixo de Espada motard em Trás-os-Montes, no- montano, não havia concentrações, R: A Ilha de Man (Island of
à Cinta já façam parte do mesmo meadamente, em Bragança. tirando a nossa. O que fazia com que Man), em Inglaterra, para assistir às
grupo. Custa-lhes subir o rio até muitos motards, do Algarve, Alente- duas semanas de corridas num dos
Mogadouro. Custa-lhes perceber R: O cenário é negro! A vertente jo, Lisboa e restantes regiões, fizes- maiores eventos anuais do desporto
que Miranda também é Douro, comercial está estagnada, já que, des- sem por vir a Bragança passear, com motorizado, em pleno circuito cita-
mas tem muito mais para dar, para de há uns cinco anos, as pessoas per- o intuito de conhecerem um pouco de dino. Penso que será o sonho de um
lá das Arribas. deram grande parte do seu poder de Trás-os-Montes. Depois, começaram qualquer piloto, esteja ou não em
compra, o que se reflectiu nas vendas as concentrações em todos os lugares, competição.

 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


Capital do voo à vela VOZES
Vilma Ferreira
Aluna - Mogadouro
“Foi ao aeródromo fa-
Francisco Pinto
zer uma baptismo de voo e,
desde esse dia, fiquei inscrita
Mogadouro já formou um no curso de pilotos de planadores. Vou
aprender e praticar, sempre que possí-
terço dos pilotos que tira- vel. Este desporto quase não causa po-
luição, há convívio e, ao mesmo, tempo
ram o curso em Portugal, há aprendizagem. O facto do aeródromo
nos últimos 3 anos estar em Mogadouro acaba por dar mais
dinamismo à vila”.
Um terço dos pilotos de plana-
dores, formados em Portugal nos João Custódio
últimos 3 anos, tiraram o curso no Aluno - Mogadouro
Centro Internacional de Voo à Vela “Iniciei está actividade
Alunos, formadores e pilotos de voo à vela com os responsáveis do Aeródromo de Mogadouro para desfrutar de novas aven-
(CIVV), que funciona no Aeródromo
turas e adquirir novos conhe-
Municipal de Mogadouro. voo planado em Portugal”. Quanto rios de água e combustível.
cimentos, mas, sobretudo, para passar
No passado fim-de-semana ar- ao corpo técnico, o vice-presidente Recorde-se que o Planalto Miran- bons momentos na companhia deste
rancou o segundo curso de formação da Câmara Municipal de Mogadou- dês já é procurado por pilotos de ou- grupo de formandos, entre os quais espe-
de pilotos, que conta com nove alu- ro, João Henriques, garante que é tras regiões do País e do estrangeiro, ro construir novas amizades. Penso que
nos, seis dos quais oriundos de Mo- pessoal “altamente qualificado” para que utilizam a pista de Mogadouro há bons instrutores neste curso. Quanto
gadouro, um de Bragança e dois da instrução do voo planado, entre eles para as suas actividades aeronáuti- ao aeródromo, há o essencial para a mo-
dalidade”.
zona do Porto. Alguns destes alunos alguns pilotos a dar formação gratui- cas, como é o caso de emigrantes que
já têm qualificações aeronáuticas, ha- tamente. se deslocam à região em férias. No
vendo casos de formandos a frequen- O aeródromo de Mogadouro co- que diz respeito ao voo planado, tam- Paulo Cabral
tar escolas de aviação comercial. meçou a funcionar há cerca de qua- bém há pilotos espanhóis e franceses Aluno - Bragança
No que toca ao curso anterior, já tros anos e, além do voo à vela, dá a utilizarem aquela estrutura. “Apesar de Bragança ter
existem cinco pilotos com habitações apoio a acções da Protecção Civil. Para além destas actividades, o um aeródromo não é pratica-
do este tipo de modalidade.
para voar em planadores e um com “Obedece a todas as indicações do aeródromo de Mogadouro já serviu
Por isso, desloco-me a Mogadouro
habilitações para operar em moto Instituto Nacional de Aviação Civil e de ponto de chegada e partida a vá- para fazer a formação em voo planado”.
planador. é uma referência neste tipo de infra- rias voltas aéreas que percorrem os
Atendendo aos números, os res- estrutura”, sustenta o autarca. céus peninsulares.
ponsáveis pelo CIVV acreditam que, Por outro lado, a pista serve de Artur Gonçalves, piloto e instru- Carlos Paulo
a médio prazo, Mogadouro possa for- plataforma a aeronaves de combate a tor de voo à vela, considera que a vila Aluno - Mogadouro
mar “mais de metade do pilotos de incêndios, já que dispõe de reservató- dispõe de uma estrutura a funcionar “Só quem voa de planador é que
com estabilidade, gestão profissional pode descrever esta experi-
ência, pois há muito diferen-
e, acima de tudo, com segurança. “
ça em relação aos aviões com
Em Portugal não existe nenhum ou- motor. No planador não há
tro campo de voo à vela com as condi- ruído, há mais liberdade. O
ções do aeródromo de Mogadouro”, que me surpreendeu foi encontrar muita
afiança o piloto. gente de fora a praticar voo à vela”.

Planadores proporcionam um voo único

Licença Nº. 1330 AMI

Invista com confiança


Apartamento T3 - € 82.500 Apartamento T1 – Espanha T- 3 e T- 4 em construção
Usado, garagem fechada, dupla caixi- - € 90.000
lharia, bom isolamento, perto do centro A dois minutos do centro, ex-
Em zona turística, com bons
posição solar excelente, vistas
acabamentos
Apartamento T2 - € 78.000 panorâmicas, grandes áreas,
Excelente local, cozinha equipada c/ Rica Fé - Habitações de qualida- Acabamentos modernos etc.
móveis modernos, aquecimento central
completo. Óptimos acabamentos e vistas
de a preços imbatíveis
Últimos para venda – T-2 / T-3 /
panorâmicas para o Parque Natural de Escritório - Sá Carneiro
Montesinho T-4 / T-3 Duplex
Com 32 m2, venda € 32.000 /
arrendamento € 220/ mês
Apartamento T4 - € 135.000 Terreno - € 138.000
Com 182 m2, acabamentos de Av. Abade de Baçal, área 600
qualidade, junto ao Jardim da m2, com projecto Loja Comercial €
Braguinha
Apartamentos T1 - Porto 65.000
Apartamento T3 - € 90.000 Ao bairro Santa Isabel
Ao Eixo Atlântico, último andar, Acabamentos de qualidade,
perto de tudo, mobília de cozinha, junto ao Hospital de S. João, a (antigos escritórios
grandes áreas. Como novo partir de € 90.000 Cisdouro)

R. Abílio Beça (Zn Histórica) • Tel: 273324569 • Fax: 273329657 • Bragança - www.predidomus.pt

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Pós-Graduação em Emergência e Trauma


CESPU aposta na formação Bragança
de profissionais de saúde
da região Nova Escola
Arranca já no próximo mês de
Universitária
Março, a Pós-Graduação em Emer- No próximo sábado tomam
gência e Trauma, que funcionará até posse os órgãos directivos da nova
Maio de 2011 nas instalações do ISLA Escola Universitária de Bragan-
– Bragança, actual escola universitá- ça, uma instituição que resulta da
ria da CESPU. transferência do ISLA para a CES-
Ao todo são 316 horas teóricas e PU - Cooperativa de Ensino Supe-
práticas, em que os profissionais de rior, Politécnico e Universitário,
saúde, em particular enfermeiros, po- CRL.
dem reforçar os seus conhecimentos A cerimónia decorre no audi-
na área dos Cuidados de Emergência tório Paulo Quintela e conta com
e Trauma, num total de 32 ECTS (Eu- a presença do presidente do Gru-
ropean Credit Transfer System). po CESPU, Prof. Dr. A. Almeida-
A Pós-Graduação decorre em ho- Dias, que falará sobre o projecto
rário pós laboral (sextas-feiras das 18 “CESPU-Projecto Ensinar Saúde
horas às 22 horas e sábados das 9 ho- Bragança”.
ras às 18 horas), e conta com um cor- “CESPU Bragança e a rede de
po docente especializado, constituído colaboração com as Instituições
por docentes da CESPU, bem como Regionais” é o mote da interven-
com a colaboração de profissionais ção do presidente do Conselho Di-
de saúde da área de Urgência/Emer- rectivo da Escola Universitária de
gência. Bragança, Prof. Dr. Cordeiro Ta-
O curso está desenvolvido em vares. Já a presidente do Conse-
cinco unidades curriculares constitu- lho Científico da Escola Universi-
ídas por vários módulos, onde serão tária de Bragança, Profª. Doutora
abordadas questões essenciais para a Maria da Graça Martins, abordará
organização, gestão, liderança e pres- o tema “Ensino da Saúde em Bra-
tação de cuidados de qualidade. Pre- gança: da Oportunidade aos Desa-
tende-se apresentar as mais recentes fios”.
doutrinas e filosofias de trabalho em Após a cerimónia de Entrega
serviços e situações de Urgência/ de Diplomas aos Alunos do ISLA-
Emergência. Bragança, tem lugar a conferência
As aulas teórico-práticas serão “Formação de Recursos Humanos
intercaladas com vários seminários, em Saúde”, pela Mestre Beatriz
onde serão discutidos temas da ac- Jurado, chefe de Projecto e Coor-
tualidade da prestação de cuidados denadora do Gabinete de Dinami-
nestes serviços. zação de Gestão do Conhecimen-
A Pós Graduação de Emergência e pela National Association of Emer- Neste sentido, a CESPU, no âm- to.
e Trauma está ainda enriquecida por gency Medical Services Physicians e bito do seu programa de formação Recorde-se que a transferência
vários cursos certificados: SBV DAE o curso TNCC (Trauma Nursing Core contínua, procura satisfazer as neces- do ISLA-Bragança para a CESPU
(Suporte Básico de Vida com Des- Course), certificado pela Emergency sidades de formação do grupo profis- decorre do despacho do Ministé-
fibrilhador Automático Externo) e sional de enfermagem que trabalha rio da Ciência Tecnologia e Ensi-
Nurses Association.
ACLS (Advanced Cardiovascular Life ou pretende trabalhar na área espe- no Superior Nº 23455/2009 de 15
Recorde-se que, nos dias de hoje,
Support) com a certificação da Ame- cífica dos cuidados ao doente urgen- de Outubro, publicado no DR IIª
a formação contínua traduz-se num
rican Heart Association; Curso PEPP te / emergente, vítima de trauma ou Série, Nº 207 de 26 de Outubro.
grande desafio para os profissionais
(Pediatric Education for Prehospital doença súbita.
de saúde, em especial para os enfer-
Professionals), certificado pela Aca-
meiros. As mudanças que recente-
demia Americana de Pediatria; Cur-
mente se têm operado, em termos
so GEMS (Geriatric Education for
Emergency Medical Services), cer-
de aumento de complexidade dos Inscrições e Informações:
problemas de saúde dos cidadãos, a
tificado pelos Serviços de Emergên- Edifício ISLA-Bragança
sofisticação das tecnologias quer de Tel: 273 331 434 - Fax: 273 324 473
cia Médica Americana em Geriatria;
diagnóstico quer de tratamento, im- E.mail: ingresso.braganca@cespu.pt - mgm@islabraganca.pt;
Curso ITLS (International Trauma
plicam uma constante actualização www.braganca.cespu.pt
Life Support), certificado pelo Ameri-
dos conhecimentos e práticas.
can College of Emergency Physicians

FICHA TÉCNICA
Fundador: Fernando Subtil - Director: João Campos (C.P. Nº 4110) - Secretária de Redacção e Administração: Cidália M. Costa
Marketing e Publicidade: Bruno Lopes - ASSINATURAS: Sandra Sousa Silva
REDACÇÃO: Bruno Mateus Filena, Orlando Bragança, Sandra Canteiro (C.P. Nº 8006), Teresa Batista (C.P. Nº 7576) e Toni Rodrigues
Correspondentes - Planalto Mirandês: Francisco Pinto - Mirandela: Fernando Cordeiro e José Ramos - Torre de Moncorvo: Vítor Aleixo
email:geral@jornalnordeste.com FOTOGRAFIA: Studio 101 e RC Digital
Propriedade / Editor: Pressnordeste, Unipessoal, Lda - Contribuinte n.º: 507 505 727 - Redacção e Administração: Rua Alexandre Herculano,
Nº 178, 1º, Apartado 215, 5300-075 Bragança - Telefone: 273 329600 • Fax: 273 329601
Registo ICS N.º 110343 - Depósito Legal nº 67385/93 - Tiragem semanal: 6.000 exemplares
Impressão: Diário do Minho - Telefone: 253 609 460 • Fax: 253 609 465 - BRAGA
Assinatura Anual: Portugal - 25,00 €; Europa - 50,00 €; Resto do Mundo - 75,00 €

 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Fumeiro sem álcool CASOS DE POLÍCIA


Vinhais
SANDRA CANTEIRO Evadido detido
A Polícia Judiciária, através
da Unidade Local de Investigação
Dos 360 condutores fiscali- Criminal de Vila Real, localizou e
zados nas estradas de Vi- deteve, no Porto, um homem de 43
anos, que se encontrava na situa-
nhais, apenas 1,9 por cento ção de evadido desde o passado dia
apresentou taxas à margem 10.
da lei O indivíduo é acusado de crime
de roubo na zona de Vinhais, ten-
Um sucesso. Foi assim que o do-lhe sido aplicada a medida de
governador civil do distrito de Bra- coacção de prisão domiciliária. A
gança, Jorge Gomes, e elementos da 10 de Fevereiro, o suspeito pôs-se
GNR classificaram a campanha “Se- em fuga, após libertar-se da pul-
gurança Rodoviária. Todos Respon- seira electrónica que controlava os
sáveis”, que decorreu entre os dias 11 seus movimentos.
a 14 de Fevereiro, durante a Feira do Por isso, foi-lhe reavaliada a
Fumeiro de Vinhais. medida de coacção, ficando em pri-
No total, foram efectuados 360 são preventiva, pelo que deu entra-
testes de álcool, dos quais 1,9 por da em estabelecimento prisional.
cento tinham uma taxa igual ou su-
perior a 0,5 g/l. Aos condutores que
360 condutores foram fiscalizados pela GNR
não apresentaram álcool no sangue
foram oferecidos, em parceria com pram as regras e não que os condu- Recorde-se que esta campanha Bragança e Macedo
a Associação Comercial de Vinhais,
vales de descontos que podem ser
tores sejam punidos”, explicou Jorge
Gomes.
contou com a colaboração de 46 mili-
tares da GNR, que efectuaram quatro
Três santuários
utilizados em lojas de comércio tra-
dicional do concelho.
Segundo o capitão do destaca-
mento de Trânsito da GNR, Vítor
operações ao longo dos dias do maior
certame vinhaense.
assaltados
Os santuários da Senhora do
“Não pretendemos premiar quem Salgueiro, esta é uma clara aposta na O sucesso da campanha “Segu- Aviso, em Serapicos, da Senho-
cumpre a lei, mas chamar a atenção sensibilização. “Em 2008, registámos rança Rodoviária. Todos Responsá- ra dos Remédios, em Frieira, no
das pessoas para esta acção, já que cerca de 25 sanções numa operação veis” foi tanto que os responsáveis concelho de Bragança, e a Senhora
esta é uma campanha de proximi- do género, na mesma época, em Vi- garantiram que a iniciativa se vai es- do Monte Salete, em Gralhós, no
dade, em que queremos que se cum- nhais”. tender a outras localidades. concelho de Macedo de Cavaleiros,
foram assaltados no passado fim-

…Em flagrante
de-semana.
Em Serapicos, o alarme foi
dado por volta das três da manhã
do passado sábado e foi a própria
GNR que se apercebeu do sucedido
O perigo espreita na numa ronda pelo santuário. Daqui
os amigos do alheio terão levado
antiga Casa do Benfica de 50 euros. Além disso, as oito cape-
las que se situam à volta do santuá-
Bragança, na Rua Direita. rio também foram vandalizadas.
Além do mau cartão de Já no santuário da Senhora
dos Remédios, o maior prejuízo
visita, em plena zona his- foi causado pelo arrombamento
das três portas, visto que não havia
tórica da cidade, os vidros vestígios de falta de dinheiro.
partidos são verdadeiras A população já está em alerta
para este tipo de situações, pelo
lâminas afiadas a pedir que os bens de maior valor estão
guardados em local seguro.
urgente protecção. Nos locais estiveram elementos
do Núcleo de Investigação Crimi-
nal da GNR de Bragança a recolher
Envie-nos as suas sugestões para geral@jornalnordeste.com
indícios, estando o caso em inves-
tigação.

Tlm:
966830231

Lavagens
MARQUES
Parque do Feira Nova
BRAGANÇA

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Mirandela mais sustentável


propondo, ainda, duas torres eólicas,
com o objectivo de diminuir a emis-
são de Co2 durante a produção de
automóveis.
SANDRA CANTEIRO A fábrica integra, também, uma
ETAR, bem como uma central de
compostagem e uma horta biológica
Escola transmontana ven- que forneceria a cantina com alimen-
ceu concurso promovido tos frescos.
“Reutilizar para Ganhar”, A par de todas as ideias amigas do
ambiente e que visam a auto-susten-
promovido pela Toyota tabilidade das instalações, a proposta
mais inovadora e original prende-se
Com mais de 9.700 votos, os alu- com a implementação de um equipa-
nos do 4º ano Escola Básica Nº1 de mento de pára-raios com vista ao ar-
Mirandela foram os grandes vence- mazenamento da energia provenien-
dores da terceira edição do concurso te de trovoadas.
“Reutilizar para Ganhar”, promovida Recorde-se que neste concurso
pela Toyota. votaram mais de 21 mil pessoas, atra-
Uma fábrica automóvel que fun- vés do site da Toyota.
ciona a partir de energia solar, térmi- Por ter vencido a iniciativa, a Es-
ca, biomassa e eólica foi a proposta da- cola Básica Nº1 de Mirandela recebe
quele estabelecimento de ensino, que um quadro interactivo, a possibilida-
utilizou materiais do dia-a-dia para a de de realizar uma visita de estudo à
sua concepção, como latas e embala- fábrica de Ovar, onde podem conhe-
gens de refrigerantes e sumos, jornais Escola de Mirandela venceu concurso com protótipo de fábrica sustentável cer diversas medidas ambientais im-
e cartões velhos, canetas e garrafas de Para construir o protótipo, os estu- tamento da energia solar para ilu- plementadas durante a produção dos
plástico e palhas, entre muitos outros. dantes tiveram em conta o aprovei- minação e aquecimento do edifício, diversos modelos de automóveis.

Sustentabilidade
“Limpar Portugal”
S.C. Ferreira.
da montanha
Antes de saírem para o terreno, BRUNO MATEUS FILENA do Mediterrâneo norte, avançando
os responsáveis identificam, com a para a vulnerabilidade dos ecossiste-
Projecto da sociedade civil ajuda da população, todas as lixei- mas providenciada pelas montanhas,
Em debate, realidades e onde a sustentabilidade da vegetação
vai para o terreno no dia 20 ras e depósitos ilegais existentes
no País. Só no concelho de Bragan- desafios, bem como altera- natural, da floresta e a agricultura,
de Março ça, estão assinaladas 30 espaços do assumem papeis cruciais no comple-
género, enquanto que no distrito
ções climáticas xo xadrez da natureza.
Identificar lixeiras e remover existem, pelo menos, 70 pontos. As áreas do seu estudo visaram,
resíduos, com a ajuda de voluntá- “Só três pessoas da região de- Pedro Nunes, investigador da essencialmente, o Sul e Centro do
rios, é o objectivo do projecto Lim- ram-nos a conhecer dezenas de Universidade de Aveiro e estagiário País, e o seu foco foi, de facto, as áre-
par Portugal. lixeiras que estão espalhadas por pós-doutoramento, apresentou, Ins- as montanhosas. No entanto, é um
A ideia é sensibilizar a popula- vários locais. tituto Politécnico de Bragança, vários trabalho ainda em curso, pois sem-
ção em geral e apelar à cooperação Assim, retiramos o lixo e con- trabalhos sobre a sustentabilidade da pre que avança, são adicionados no-
e empenho de todos numa acção de centramos noutro local”, adiantou montanha portuguesa, realidades e vos elementos que têm e devem ser
limpeza que decorre no período no Nunos Santos, do projecto Limpar desafios, assim como alterações cli- conjugados com os dados adquiridos
próximo dia 20 de Março. Portugal. máticas. em estudo.
Na região já estão 600 pessoas A próxima reunião deste movi- No início, o responsável começou “Em princípio, o Nordeste é uma
inscritas, mas o objectivo é chegar mento cívico terá lugar a 6 de Mar- por correlacionar alterações climáti- daquelas regiões que manifestará al-
aos três mil voluntários. ço, na sala 114 da Escola Superior cas e desertificação, sobretudo, nas guma resiliência para aguentar as al-
“Não é um número difícil de de Tecnologia e Gestão de Bragan- bacias do Mediterrâneo. Falou da terações climáticas”, afirmou Pedro
atingir, pois a iniciativa vai decor- ça. população, da sua influência, positi- Nunes. Não sendo certo, “Trás-os-
rer em cada concelho do distrito Recorde-se que quem estiver va e negativa, das reservas de água, Montes deverá ter alguma margem
e, se possível, em cada freguesia”, interessado em aderir ao projecto da vegetação e dos solos, do clima, e de manobra para sobreviver à dimi-
explicou o coordenador distrital do pode fazê-lo através do endereço como tudo se conjuga variavelmen- nuição da precipitação que se tem
projecto Limpar Portugal, Alberto www.limparportugal.org. te. Depois, mencionou o impacto verificado nas últimas décadas”, sus-
das alterações climáticas na aridez tenta o investigador.

 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Canil intermunicipal concluído


FRANCISCO PINTO composta por 13 celas, custando o seu
aluguer 30 euros por dia, um valor
que varia conforme o tipo, tamanho
Infra-estrutura aguarda uma ou condições de estadia do animal.
vistoria para poder abrir as Já o canil tem 10 celas para al-
portas já no próximo mês bergar os animais e mais três espaços
para quarentenas.
Segundo o vice-presidente da Câ-
O canil intermunicipal que vai mara Municipal de Vimioso, Jorge
servir os concelhos de Bragança, Mo- Fidalgo, “o canil é um bom exemplo
gadouro, Miranda do Douro e Vimio- dos investimentos intermunicipais,
so deverá entrar em funcionamento visto que se trata de um equipamen-
nas primeiras semanas de Março. to de qualidade, que vai servir quatro
A infra-estrutura, que pretende concelhos”.
dar resposta a um problema antigo
da região, aguarda, apenas, a vistoria
pelas entidades competentes.
Equipas vão fazer a recolha dos
O novo equipamento ficará ins- animais em cada um dos muni-
talado na zona industrial de Vimioso cípios envolvidos no projecto
e custou cerca de 650 mil euros, um
montante repartido pelos quatro mu- O novo equipamento poderá aju-
nicípios abrangidos. dar a combater um problema “ de
Canil vai acolher animais dos 4 concelhos da Terra Fria
A nova unidade vai funcionar saúde pública”, já que “haverá um
como canil, mas também como gatil maior controlo sanitário dos cães e Os responsáveis pela gestão do do canil. Esta via poderá servir para
e terá, ainda, capacidade para alojar gatos vadios”, frisou o autarca. equipamento vão, ainda, criar um sí- denunciar situações de abandono,
alguns animais de grande porte, de Cada um dos municípios servido tio na Internet, onde vai ser disponi- atropelamento ou animais que preci-
forma temporária. O equipamento pelo canil vai criar uma equipa de bilizada toda legislação em vigar rela- sem de ajuda.
vai dispor, igualmente, de um hotel, recolha e uma viatura transformada cionada com esta matéria, bem como Este é o segundo canil no Nordes-
para que as pessoas possam deixar os fará o transporte dos animais para as linhas telefónicas que poderão ser te Transmontano, visto que já existe
animais de estimação quando se au- aquele espaço, que vai ter controlo utilizadas pelos munícipes para en- um que serve os concelhos da Terra
sentam da sua residências. Esta ala é sanitário. trarem em contacto com os serviços Quente.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Vidago e Pedras Salga- “Ousar” com o CITMAD


das reabrem este ano S.C. ma OUSAR acompanha as empresas
a partir de apoio técnico.
Assim, as candidaturas estão
CITMAD incentiva empre- abertas até 30 de Abril, sendo que os
endedorismo entre os jo- três melhores projectos apresentados
receberão vales de consultadoria no
vens e empresas valor de 3.250, 1.625 e 650 euros.
Já as melhores 20 propostas po-
“Empreendedorismo e  Espírito dem contar com ajuda na concepção
Empresarial”, “Inovação Tecnológi- do plano de negócio e na procura de
ca, Organizacional e de Marketing” e financiamento. Já os dez projectos
“Propriedade Industrial” são as pala- mais inovadores serão apoiados, ao
vras de ordem do programa OUSAR. longo de seis meses, durante a incu-
Promovida pelo Centro de bação das empresas.
Inovação de Trás-os-Montes e Deste modo, os jovens com idades
Alto Douro (CITMAD), em par- entre os 18 e os 35 anos, com ideias de
Edifício centenário está a ser alvo de obras de requalificação
ceria com a Associação Industrial negócio em qualquer sector, sobretu-
SANDRA CANTEIRO Já em Outubro, altura em que se do Minho e outras instituições do  do nas áreas das TIC, Biotecnologia, 
celebra o centenário da República e do Norte e Centro do País, esta iniciativa Saúde e Bem-estar e Energia, podem
pretende incentivar o empreendedo- procurar mais informações em www.
Unicer investe em projectos Vidago Palace Hotel, será reinaugura-
rismo e inovação junto de empresas e ousar.pt.
do o Parque de Vidago, que integra 100
que poderão revitalizar tu- hectares, bem como o emblemático jovens com o apoio, em rede, de de- Os candidatos deverão ter qualifi-
rismo no Norte e Alto Douro Hotel, que mantém as características terminadas entidades e organismos. cações iguais ou superiores ao Ensino 
arquitectónicas e paisagísticas origi- A par destas propostas, o progra- Secundário.
Até Outubro deste ano, os parques nais, aliadas à modernidade e ao luxo.
Vidago e Pedras Salgadas estarão Um marco que coincidirá com a aber-
abertos ao público. A garantia foi dei- tura da exposição fotográfica “Viajar.
xada pela Unicer, que detém a conces- Viajantes e turistas à descoberta de
são das águas, que tem apostado na Portugal no tempo da I República”.
requalificação daqueles espaços, sob Com a gestão a cargo da GLA Ho-
a assinatura do arquitecto Álvaro Siza tels, que visa impulsionar o potencial
Vieira. turístico do empreendimento a nível
O primeiro parque a ser inaugu- nacional e internacional, o empre-
rado será o de Pedras Salgadas, já no endimento integra, além da unidade
próximo Verão, ainda que o Spa Ter- hoteleira, o Club House (edifício do
mal abra no mês de Maio já com os primeiro engarrafamento da água
serviços de massagem, piscina, sauna, Vidago), Centro de Congressos, bem
banho turco, hidromassagem e duche como um campo de golfe que foi am-
vichy. pliado.
Quando ao hotel de Pedras Salga- Recorde-se que o projecto repre-
das, ainda este ano será dado a conhe- senta um investimento na ordem dos
cer o projecto definitivo. 50 milhões de euros. Portal do CITMAD disponibiliza várias informações aos associados

Macedo na comissão
do Eixo Atlântico
S.C. captados pela própria entidade.
Recorde-se que, ao longo deste
Assembleia-geral aprovou ano, o Eixo Atlântico investirá na re-
alização de eventos culturais, como a
orçamento de 3,6 milhões preparação da Bienal de Pintura e 9ª
de euros para 2010 edição dos Jogos do Eixo, entre ou-
tros, bem como na dinamização da
Macedo de Cavaleiros integra, página Web e a newsletter, em ver-
desde o mês passado, a nova Comis- sões galega e portuguesa.
são Executiva do Eixo Atlântico do Acentuar a sua pressão em Es-
Noroeste Peninsular, dois anos de- panha, Portugal e no resto da União
pois de aderir a este organismo. Europeia, a partir do reforço da Rede
À frente desta entidade estão, ain- Ibérica Entidades Transfronteiriças
da, Vigo (Espanha), Porto, Viana do e da criação da Rede Europeia, bem
Castelo, Vila Nova de Gaia, Barcelos, como a valorização do Serviço de
Santiago de Compostela, Monforte Estudos, um instrumento que visa
de Lemos, Lalín e Ourense. incrementar algumas linhas de actu-
A par da eleição da Comissão Exe- ação do Eixo Atlântico, como pensar
cutiva, a Assembleia-geral aprovou, a cidade do futuro, desenvolvimento
ainda, um orçamento de 3,6 milhões sustentável, inovação para a cidade
de euros para 2010, dos quais, 75 por do século XXI e o ordenamento do
cento provêm de recursos externos território das cidades. Macedo pertence à Comissão Executiva do Eixo Atlântico

 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Futuro em lotes no S. Tiago


BRUNO MATEUS FILENA Para as vivendas, “não há um
projecto tipo de fachadas, pois acha-
mos que deve haver criatividade e
28 terrenos a 40% abaixo inovação associadas a cada uma das
do valor de mercado. 10 já construções, por considerarmos que
foram entregues e faltam 18 cada pessoa deve ter o seu próprio
gosto envolvido no projecto”, salien-
para uma segunda bolsa de ta o autarca. “Não é nossa pretensão
jovens candidatos criar um bairro com arquitecturas
idênticas e da mesma cor, pretende-
A Câmara Municipal de Bragança mos sim projectos diferenciados”,
(CMB) celebrou, na passada 4ª feira, acrescenta.
os contratos-promessa de compra Um dos contemplados foi Nuno
e venda de 10 lotes para construção Machado, que afirmou ser “uma ópti-
de habitação no Bairro S. Tiago. No ma iniciativa para captar jovens para
sentido de facilitar a vida aos jovens a cidade de Bragança”. “Construir
e incentivar a sua fixação local, par- casa é um objectivo de todos nós e
ticularmente jovens qualificados, a este preço reduzido, que é muito ali-
autarquia decidiu disponibilizar es- ciante, vai ajudar a tornar os nossos
tes terrenos a um preço reduzido, sonhos realidade”, sublinhou o em-
que ronda os 40% abaixo do valor de presário, que pretende “ avançar o
mercado. mais rápido possível e dentro de um
Recorde-se que foi aberta uma 2ª ano, ano e meio, estar lá a viver.”
Bolsa de Candidatos, por via da qual Outro jovem que assinou o con-
Autarquia já lançou concurso para a 2ª Bolsa de Candidatos a 18 lotes de terreno
serão entregues os restantes 18 lotes, trato-promessa de compra e venda
num total de 28, e cujo prazo termina própria, porque tem de se canalizar metros quadrados, e já dispõem de foi Miguel Abrunhosa. “É um bom
no dia 31 de Março. “É uma oportu- muito do esforço de trabalho para al- energia e de toda a infra-estrutura. investimento, pois o preço do metro
nidade única, em época de crise, dos cançar esse objectivo”, refere o presi- O investimento do munícipio, para quadrado fica a 75 euros e no mer-
jovens fazerem uma opção de vida, dente da CMB, Jorge Nunes. além do terreno “com uma excelente cado ronda os 150. É muito dinheiro
uma das mais importantes, e toma- O tamanho de cada lote é variá- localização”, ultrapassou os 500 mil poupado que poderá servir para o es-
rem a decisão de construir habitação vel, oscilando entre os 300 e os 400 euros. queleto da vivenda ”, comentou.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Mais jovens na política


com as associações de estudantes das
escolas secundárias ou do Instituto
Politécnico de Bragança.
“Faremos reuniões com as as-
sociações académicas no sentido de
SANDRA CANTEIRO avaliar quais são os problemas no
dia-a-dia dos estudantes, porque
consideramos que estamos próximos
Juventude Socialista com para ajudarmos a resolver situações
novo rosto no concelho de que acontecem até no próprio meio
Bragança escolar”, justificou Nuno Miranda.
Com cerca de 325 militantes, o
Mais militância, participação responsável adiantou que, em resul-
e juventude são as três principais tado do trabalho e empenho levada
ideias defendidas pelo presidente da a cabo pela JS, o número de adesões
concelhia de Bragança da Juventude tem aumentado gradualmente.
Socialista (JS), Nuno Miranda, que “Os jovens vêem na Juventude
tomou posse no passado sábado. Socialista um grupo de amigos com
Segundo o responsável, que co- capacidade para aliar a política à di-
meça agora um mandato de dois versão e à interacção no nosso con-
anos, é importante atrair os mais celho, sendo que promovemos várias
novos para a vida política, acabando actividades, como encontros, con-
com a ideia negativa que há à volta versas, jogos e workshops, de forma
desta temática. a criar um espírito de grupo”, subli-
“Queremos aumentar o núme- Nuno Miranda preside à JS nos próximos dois anos nhou o dirigente.
Já para o presidente da Federa-
ro de militantes e a sua participação ção Distrital do Partido Socialista,
para que a juventude tenha espaço Mota Andrade, “há uma vivacidade
para impor e expor as suas ideias, já na JS, comprovada pelos jovens aqui

A “química” do IPB
que a política e o nosso concelho caí- reunidos, o que demonstra o interes-
ram em descrédito junto dos jovens”, se dos mais novos nos problemas da
lamentou o dirigente. região”. Segundo o dirigente, é im-
Assim sendo, uma das apostas do portante “lutar contra o marasmo e
S.C. tem o 10 e o 11º ano, a iniciativa co- novo presidente da JS passa por um colocar os jovens a participarem na
locou à prova os conhecimentos te- trabalho de cooperação e colaboração vida da sociedade”.
Cinco escolas do distrito de óricos e práticos de 59 estudantes,
distribuídos por 20 equipas.
Bragança marcaram pre-
Jornal Nordeste - Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 de Fevereiro de 2010

Os docentes que acompanharam MUNICÍPIO DE BRAGANÇA


sença nas Olimpíadas de os participantes, bem como os alunos ASSEMBLEIA MUNICIPAL
Química receberam um certificado e diversas
EDITAL N.º 1 /2010
lembranças.
As Escolas Secundárias Emídio Já as três equipas vencedoras MARIA MADALENA MORAIS MORGADO, SEGUNDA SECRETÁRIA DA MESA DA ASSEM-
Garcia e Miguel Torga, em Bragança, receberam prémios monetários, que BLEIA MUNICIPAL DE BRAGANÇA:
e a EB 2,3/S de Macedo de Cavaleiros será aplicado na abertura de uma Torna público que, em cumprimento do disposto no número três do artigo 84º. da Lei número 5-
vão representar o distrito na Semifi- conta na Caixa de Crédito Agrícola, A/2002, de 11 de Janeiro, terá lugar no dia 26 de Fevereiro (Sexta-feira), a segunda sessão ordinária
nal Nacional das Olimpíadas de Quí- no valor de 100, 75 e 50 euros. da Assembleia Municipal de Bragança, com início às 09h30, no Auditório «Paulo Quintela» de Bra-
mica +, que terão lugar no próximo Recorde-se que a Fase Regional gança, sito na Rua Abílio Beça nº. 75/77, com a seguinte ordem de trabalhos:
mês, no Porto. de Bragança das Olimpíadas de Quí- 1- ACTAS: Leitura, discussão e votação das seguintes actas: 27 de Novembro/2009 e 18 de Dezem-
Organizada pela Sociedade Por- mica+ 2010 contou com o apoio da bro/2009
tuguesa de Química (SPQ) e o de- Câmara Municipal de Bragança, que 2– PÚBLICO – Período de Intervenção.
partamento de Tecnologia Química e assegura o transporte dos vencedores 3 – PERÍODO DE ANTES DA ORDEM DO DIA.
4 – PERÍODO DA ORDEM DO DIA:
Biológica da Escola Superior de Tec- até ao Porto, e da Caixa de Crédito 4.1 – Apreciação da informação escrita do Senhor Presidente da Câmara sobre o Estado e Vida do Mu-
nologia e de Gestão do Instituto Poli- Agrícola, que suporta os custos de nicípio.
técnico de Bragança, a quinta edição alojamento. 4.2 - Discussão e deliberação sobre as seguintes propostas da Câmara Municipal de Bragança:
contou com a participação de cinco Na semi-final serão apurados os 4.2.1 – Abertura de Concurso Público Internacional – Aquisição de Serviços para Tratamento de
escolas do distrito e visa despertar o Águas;
alunos que representarão Portugal
4.2.2 – Protocolo de Colaboração entre o Município de Bragança e a Junta de Freguesia de Rio de Onor
interesse e cativar os alunos para esta nas Olimpíadas Internacionais e nas – Delegação de competências relativa à gestão do Parque de Campismo rural de Rio de Onor.
área científica. Olimpíadas de Química Ibero-Ame- 5 – Apreciação e deliberação sobre a proposta de alteração ao Regimento da Assembleia Municipal.
Destinada a alunos que frequen- ricanas. 6 – Apreciação da situação da Zona Histórica da Cidade de Bragança - Solicitação do Grupo Municipal
da CDU, com vista ao exercício de competência prevista na alínea r) do n.º 1 do artigo 65.º do Regimen-
to.
7 - Proposta de deliberação sobre Constituição de Comissões da Assembleia Municipal - Solicitação do
Grupo Municipal do PSD, com vista ao exercício de competências prevista na alínea b) do artigo 49.º
do Regimento.
8 – Proposta de deliberação sobre - Subscrição da Declaração Internacional “Carta da Terra” -
Solicitação do Grupo Municipal do PSD, com vista ao exercício de competências da alínea b) do n.º 1
do artigo 65.º do Regimento;
9 – Apreciação e votação de rectificação da composição do Grupo de Trabalho para as Comemorações
do Centenário da República;
10 – Eleição de representantes da Assembleia Municipal para os seguintes órgãos:
10 .1 - Comissão de Protecção de Crianças e Jovens – 4 representantes;
10.2 - Conselho Municipal de Educação – 1 representante;
10.3 – Agrupamento de Centros de Saúde de Alto Trás-os-Montes I – Nordeste. - 1 representante.
Mais torna público que a mesma Agenda de Trabalhos com a respectiva documentação poderá ser
consultada, nos termos e para os efeitos definidos na Lei, em qualquer dia útil, das 9h00 às 12h30 e das
14h00 às 17h30 na Secção de Apoio Administrativo da Assembleia Municipal, sita na Rua Abílio Beça
nº. 75/77-Bragança.
Para conhecimento geral se publica o presente Edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos
lugares públicos de estilo.
Assembleia Municipal de Bragança, 11 de Fevereiro de 2010.

Alunos vencedores irão representar Portugal no estrangeiro Assinado – Maria Madalena Morais Morgado

10 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


ESPECIAL CARNAVAL 2010

Carnaval na rua
Um pouco por todo a região, o e muitas brincadeiras.
Carnaval sai à rua, entusiasmando E porque é Carnaval, que nin-
miúdos e graúdos. Para assinalar a guém leve a mal as actividades que
data, o Jornal NORDESTE publi- ficaram à margem do registo fotográ-
ca uma pequena galeria de imagens fico, devido à quantidade de eventos
com alguns dos momentos marcan- que decorreram em paralelo e em di-
tes desta data repleta de alegria, cor ferentes locais da região.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 11


NORDESTE RURAL

Gastronomia é motivo Recorde de javalis


de visita ao Planalto F.P. duas montarias que decorreram em
São Pedro da Silva e Vila Chã da Bra-
ciosa, onde foram mortos 32 javalis,
Serviram-se 8 mil refeições fazendo destas as melhores batidas
no Festival de Sabores Mi- de sempre.
Segundo o presidente da Câmara
randeses e abateram-se 32 Municipal de Miranda do Douro, Ar-
javalis tur Nunes, a aposta no turismo cine-
gético está ganha, já que, durante o
O Festival de Sabores Mirande- último fim-de-semana, a capacidade
ses deste ano foi uma das melhores hoteleira da cidade esgotou.
edições de que há memória segundo “Fizemos várias alterações no
a organização do certame. A gastro- certame que se revelaram proveito-
nomia e actividades cinegéticas fo- sas já que os números falam por si.
ram o ponto alto de um evento que se No fundo, o balanço é positivo, bem
quer afirmar nos sectores do turismo, como as modificações introduzidas”,
gastronómico e cinegético na região explicou o autarca.
trasmontana. A cultura e etnografia do conce-
Ao longo dos quatro dias do cer- lho de Miranda do Douro deixaram
tame foram servidas cerca de oito mil uma marca positiva na iniciativa gas-
Actuação de ranchos folclóricos faz parte do programa refeições, em que os produtos endó- tronómica, uma vez que grande parte
genos e carnes das raças autóctones dos grupos locais teve a oportunida-
FRANCISCO PINTO rantes do concelho. Cada estabeleci- foram algumas das iguarias que apa- de de mostrar os seus dotes culturais
mento, à sua maneira, apresentará ladaram os gostos mais requintados a visitantes espanhóis e portugueses.
uma das muitas formas de confeccio-
Enchidos, cozido à portu- nar estes produtos genuínos da cul-
daqueles que passaram pelo pavilhão Para o próximo ano já estão ga-
multiusos de Miranda do Douro. rantidas outras inovações que pro-
guesa e produtos da terra tura gastronómica trasmontana. No X Encontro Cinegético, cerca metem fazer crescer um dos grandes
são alguns dos manjares Segundo a vereadora do Turismo de 300 caçadores participaram nas certames fronteiriços.
da Câmara Municipal de Mogadou-
para cativar visitantes ro, Teresa Sanches, este certamente
tem como objectivo promover a gas-
Os amantes da boa mesa poderão tronomia local e, ao mesmo tempo,
visitar a vila de Mogadouro durante motivar os produtores a darem o seu
o festival gastronómico “ Sabores de contributo para uma economia sus-
Mogadouro, Bulho com Cascas”, que tentável.
decorre até ao próximo domingo. Em paralelo, decorre a XVI ª Fei-
Os apreciadores de comidas for- ra Franca dos Produtos da Terra, um
tes e sabores únicos dos manjares de certame que visa promover os produ-
Inverno poderão deliciar-se com os tos mais genuínos do concelho e, ao
enchidos, o bulho ou com um belo mesmo tempo, ajudar a potenciar a
cozido regado com um dos melhores economia local.
azeites do mundo, nomeadamente o Este ano, o evento conta com a
azeite Vale do Sabor. presença de 30 expositores do con-
No evento participam 14 restau- celho.

Amendoeiras começam a florir


Uma pouco por toda a região do Douro Superior, incluído no roteiro turístico
das Amendoeiras em Flor, os visitantes poderão escolher os concelhos de Mogadou-
ro, Torre de Moncorvo, Freixo de Espada à Cinta ou Vila Nova de Foz Côa, para par-
tir à descoberta das sua maravilhas naturais. Entre as muitas actividades que fazem
parte do cartaz das festas, destaque para as provas desportivas, concertos musicais
e etnografia local.
Não há memória de uma montaria assim

12 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


Vinhais prepara Confraria Régua
Vinhos à prova

do Fumeiro Castas, Técnicas, Práticas Eno-


lógicas e Defeitos estiveram em
análise naquele que foi a primeira
edição do Curso de Prova de Vi-
nhos.
SANDRA CANTEIRO
Organizada Confraria dos
Enófilos do Douro, em colabora-
Confraria dos Vinhos Trans- ção com o Instituto dos Vinhos do
montanos escolheu vila Douro (IVDP) e Porto e do Centro
de Estudos Vitivinícolas do Douro
transmontana para Capítulo (CEVD), a iniciativa decorreu ao
de Inverno longo de três sessões, precedidas
por um painel teórico, em que fo-
Depois de esgotar a capacidade ram destacadas algumas das téc-
hoteleira do concelho e de toda a re- nicas de vinificação, produção de
gião, Vinhais prepara a Confraria do diferentes vinhos, bem como a
Fumeiro, que deverá ser apresentada utilização de diversas madeiras na
na edição de 2011 do maior certame vinificação, entre muitos outros.
daquela vila transmontana. Destinada a produtores, técni-
A novidade foi adiantada pelo cos e enófilos, esta prova, que de-
presidente da Câmara Municipal de correu no início deste mês no au-
Vinhais (CMV), Américo Pereira, du- ditório do Solar do Vinho do Porto,
rante a cerimónia de entronização de no Peso da Régua, teve como ob-
20 novos membros da Confraria dos jectivo aprofundar conhecimentos
Vinhos Transmontanos (CVTM), que e competências no que toca à aná-
decorreu no sábado passado. lise sensorial de vinhos, bem como
“A criação de uma Confraria do Entronização dos novos confrades segue rituais próprios na fase de produção e vinificação.
Fumeiro de Vinhais é um passo muito Recorde-se que a primeira edi-
importante e o reconhecimento deste Fumeiro, porque temos uma pequena tores vitivinícolas. ção do Curso contou com a pre-
certame, sendo que será a primeira região onde se produzem néctares de Já segundo o grão-mestre da sença de oradores, como o Paulo
do género em todo o País”, sublinhou óptima qualidade e porque os vinhos CVTM, Telmo Moreira, a escolha Osório do IVDP,   Mário Sousa,
o autarca. complementam a castanha e o fumei- para a realização do Capitulo de In- Eduardo Abade e Joaquim Guer-
Enquanto não é apresentada a ro, a Confraria decidiu organizar esta verno da colectividade recaiu sobre ra do CEVD, Juan Alberto Inesta,
nova colectividade, Vinhais associou- iniciativa em Vinhais”, sublinhou o Vinhais porque “o próprio autarca é Andrés Martín Carbonero e José
se à CVTM, que escolheu aquela vila autarca. nosso confrade e porque há muitas Garcia Marcos da Agrovin e Tiago
transmontana para a realização do II Segundo Américo Pereira, este tradições vitivinícolas na região”. Alves de Sousa.
Capítulo, onde entronizou 20 novos evento só confirma o potencial da Os curiosos podem consultar
confrades. os endereços www.enofilosdodou-
Feira do Fumeiro que, no Espaço Uma dezena de produtores viti-
“Como está a decorrer a Feira do Gourmet, acolhe cerca de dez exposi- ro.blogspot.com e www.facebook.
vinícolas marcaram presença com/EnofilosdoDouro, onde en-
na Feira do Fumeiro contram mais informações sobre
esta iniciativa.
Sabia que… A CVTM foi criada em Agosto de
2009 e conta com cerca de 60 confra-
- A vila transmontana de Vinhais deve o seu nome aos vinhedos que co- des que se assumem como verdadei-
briam as suas terras? ros apreciadores de néctares e produ- Recorde-se que, a par da cerimó-
- O solo fértil produzia vinhos de elevada qualidade? tos tradicionais. nia de entronização de novos confra-
- Existe uma pequena área no concelho com um microclima, onde se “A nossa Confraria defende os des, decorreu, também, um recital
cultivam alguns dos melhores produtos agrícolas da região? vinhos, mas também os produtos da de música clássica com elementos
- A Adega Cooperativa do Rabaçal, em Rebordelo, tem alguns vinhos que terra, fruto do lavor e trabalho do ho- da Orquestra Nacional do Porto, se-
são um verdadeiro sucesso? mem agricultor”, justificou o respon- guido de uma degustação de fumeiro
sável. tradicional de Vinhais.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 13


OPINIÃO

Carnaval todo o ano


mado num enorme negócio na área à generalidade das pessoas, tristezas de Entrudo aconchegava o corpo en-
Armando Fernandes do turismo e das indústrias criativas. não pagam dívidas avisa o rifão, talvez vergando lustroso capote. Cercado e
As multiplicadas criações artísticas, por isso o seu crescente acumular nos na iminência de receber saraivadas
literárias, musicais e gastronómicas agregados familiares, mas “enquanto de farinha tentou a fuga apesar da
O grande poeta modernista Ma- originadas pelo talento de mulheres o pau vai e vem, folgam as costas” “e sua tendência a ensarilhar os pés. O
nuel Bandeira – pela genialidade e homens ao longo dos séculos, ten- quem cá ficar que as pague”, tempe- resultado saldou-se numa queda e o
merece funda leitura – cantou o Car- do como matriz o Carnaval, são agora ra esse mesmo rifoneiro. O proble- capote ficar ao modo de omeleta de
naval. Das muitas referências, reti- suporte de múltiplos conteúdos de ma estende-se às contas do Estado e farinha e lama. Agora, os ataques
ro: “Quero beber! /cantar asneiras/ enorme expressão na área do ócio ou neste caso nem recorrendo aos engri- utilizam outros ingredientes, talvez
No estro brutal das bebedeiras/ Que lazer. A mudança operada toca em manços de S. Cipriano nos salvamos, já nem se empreguem estalinhos,
tudo emborca e se faz em caco…/ tudo, levando os puristas a torcerem porquanto o Diabo é tendeiro em estourotes, bichas-de-rabear e bom-
Evoé Baco! /Lá se me parte a alma o nariz às inusitadas e extraordiná- matéria de prodígios. Os diabretes de bas. Mudaram os tempos. Também
levada/ No torvelim da mascarada, / rias novidades – com razão –, mas a Vinhais plenos de alegria para sorte por isso abstenho-me de transcrever
A gargalhar em doido assomo…/Evoé indústria não se compadece ante os deles não são espíritos diabólicos, ao invocações de bruxaria não vá o Ma-
Momo! E, Carnaval, Carnal, Carnes- queixumes, negócio é negócio, neste contrário, a continuada descompos- farrico tecê-las, mais a mais, o Trasgo
tolendas, Antruejo é o começo de um caso sustentado numa ideia de trans- tura das contas públicas ameaça vir a até aparece ao meio-dia como ensi-
capítulo de El Carnaval, clássica obra gressão ao normativo estabelecido há sê-lo, infestando as nossas casas com na o Dicionário Infernal editado em
de Caro Baroja onde o sábio inves- séculos. Só que no antecedente, o ex- estrondos de raiva, pois choros de Barcelona no ano de 1842. Mas não
tigador nos elucida sobre a nature- cesso tinha consequências a partir do compaixão evaporaram-se. De resto, resisto a lembrar a quadra dita por
za, origens, importância simbólica e imediato de quarta-feira de cinzas, no tempo entrudal as raparigas sem- uma bruxa enquanto se banhava com
constelações sociais desta festa que enquanto nos dias que correm essa pre demonstraram grande apetência o seu director, chamado Bode: “Se
antecedia o tempo de abstinência, de mesma indústria promete a realiza- no castigo dos desgraçados que lhe as mulheres casadas soubessem/ O
meditação com largos jejuns a obri- ção de novos eventos mal o folião re- apareciam pela frente. No início do préstimo que a arruda tem, / Poriam
garem a pensar no retorno à cinza: pó cupere da ressaca. Ou seja: é preciso século passado endiabradas moçoi- um ramo à cabeceira/ E oitro aos pés
nada mais. Deixando de lado os estu- prolongar, estender, esticar o Carna- las de Rio de Fornos encurralaram também.” E o Bode acrescentou: Po-
dos relativos às raízes do Entrudo, val ao ano inteiro. A consumição dos um trôpego homem de Lagarelhos ches tamém.” Bom Carnaval. Eu vou-
sublinho o facto de se ter transfor- dias em permanente Carnaval agrada de nome Moreira, o qual nesse dia me embora para a Pasárgada!

Cartas de Freixo
das ruas férteis de Santa Catarina, porque a isso se responde, que se são sidade de algumas intervenções de
João Paulo Castanho sabendo dos estonteantes lucros de- públicas, nenhum descrédito move momento. Significa isto que Junquei-
corridos de um produto que é perten- quem as repete, antes vos honra mos- ro e os políticos estavam à frente do
(Tentativa de) Crónica de uma ça dos homens que das fragas fizeram trando-vos disposto para a emenda, seu tempo? Não!
Morte Anunciada. O distrito de Bra- brotar as vinhas); e o deve-haver da e vos melhora abrindo-vos caminho, Significa, apenas, que continua-
gança foi, praticamente, expurgado produção energética na região. para conhecer-vos o engano em que mos a dar a Portugal alongadas exé-
do PIDAC. Não há memória de tanto Num exercício de identidade re- viveis”. quias!
desfasamento, e de tanta incúria de gional, quantifiquemos o que a região Non, e a Vã Glória De Mandar. Atente-se, a este (des)respeito, e
um Governo para com a região. dá a ganhar à EDP, e perguntemos Desacreditado, inconstante e transi- a bem da Nação, a um excerto do dis-
Não alvitro que o caminho para a quanto recebe em função da sua ca- tório. Assim são os resquícios do que curso de D. Carlos, proferido no Por-
salvação seja sucumbir à solução ar- pacidade de produção energética. A liricamente alguém chamou de Go- to, após os acontecimentos da revolta
gumentativa da coordenadora distri- região, está, “à bem há”* a ser vítima verno. de 31 de Janeiro:
tal do BE: entregue-se esta parcela a de esbulho. Será esta a boa moeda?Talvez “O sustentamento da justiça e a
Espanha! Pergunta retórica: haverá condi- alguma força cósmica consiga dar a rigorosa aplicação das leis são o fun-
Mas sei que, definitivamente, o ções e mando para que o ciclo se in- resposta justa, porque a simplicidade damento moral de toda a sociedade
Nordeste tem que deixar de ser trata- verta ou se atenue? dos Homens, garantidamente, não bem organizada; a pública adminis-
do como uma província Marroquina. Há. Como? A partir do momento chega lá! tração tem de ser necessariamente
“Tirando o hiato dos Governos em que um líder regional repesque Mar Salgado. Ironicamente, foi económica e modesta; a política pre-
da época áurea, made in Cavaco, e para a acção os bons ensinamentos na “Pátria”, obra-mestra de Guer- cisa de se mostrar, agora e sempre,
do período Barrosista (que os horós- do Padre António Vieira no seu “Arte ra Junqueiro, o Poeta que partiu de evidentemente elevada e respeitável
copos do Céu lhe perdoem a infeliz de Furtar”:“ quero dizer que, se for- Freixo de Espada à Cinta para Portu- nos seus intentos e nos seus caracte-
imitação da fuga), o Nordeste tem des inimigo da verdade, sempre vos gal, onde se estribaram o Presiden- res dominantes.
sido, rotineiramente enviado para as há-de amargar, e nunca haveis de di- te da República e o seu mais directo Estes salutares princípios que a
calendas” zer bem dela, com ela ser de seu na- concorrente, para se pronunciarem, digna vereação municipal do Por-
Há riqueza que se produz na re- tural muito doce, e formosa (…). Ver- de forma mais incisa, sobre o “estado to me relembra na sua mensagem,
gião, e é com ela que, de forma im- dades puras professo dizer, não para da arte”. professo-os eu como verdades fun-
positiva, ajudamos à litoralização do vós ofender com elas, senão para vos Impulsionado pela guelra de frei- damentais, e tenho-os para normas
país. mostrar onde e como vos ofendeis xenista-por-afinidade, e retomada inquebrantáveis da minha magistra-
Dois exemplos apenas. vós a vós mesmos, e à vossa Repú- a leitura da ditosa obra, conclui-se, tura constitucional”.
Sendo que um deles já foi, noutras blica, para que vos melhoreis, se vos de novo, que não obstante o fosso de Essa é que é essa!
circunstâncias, abordado: o nome achardes compreendido. E não me di- época, a estrutura de pensamento de •* expressão popular, freixenista.
abusivo de “Vinho do Porto” (saben- gais, que não convém tirar a público Guerra Junqueiro mantém-se vir-
do que a sua produção não decorre afrontas públicas de toda uma Nação gem, o mesmo valendo para a neces- www.amoleirinha.blogspot.com

14 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE RURAL

30 anos de Feira Vinhais


do anteontem, durante o almoço de
encerramento do certame, e contou
com a presença do ministro da Agri-
cultura, António Serrano. Artesanato
do Fumeiro
Trata-se de um investimento de
1.251.086,38 euros, comparticipados
em 498.274,03 pelo PRODER, que
visa aumentar a capacidade produ-
em Posto
tiva da CACOVIN – Agro-Industrial,
Lda. uma sociedade participada pela
Câmara Municipal de Vinhais (CMV)
de Venda
e associações de agricultores do con-
celho.
Em termos de fumeiro, a orga-
nização decidiu homenagear as três
produtoras que participam na Fei-
ra desde a primeira edição. São elas
Maria do Céu Pires Rodrigues (Car-
valhas), Maria Alice Gonçalves Alves
(Vilar Seco) e Vera Maria Alves (Nu-
nes).
Quanto aos prémios, Irene Pi- Posto de Artesanato situa-se na Casa da Vila
res (Gestosa) venceu o Concurso do
Melhor Salpicão, seguida de Maria Artistas a trabalharem ao vivo e
Helena Neves (Vilarinho de Lomba), peças de todos os tamanhos e feitios,
Maria do Céu Rodrigues (Carvalhas), cores e materiais são, apenas, peque-
Deolinda Rodrigues (Prada) e Filo- nas amostras daquilo que se pode co-
mena Chorense (Edrosa). nhecer no Posto de Mostra e Venda
Produtoras homenageadas por participarem no certame há 30 anos Nas Cozinhas Tradicionais, Isabel de Artesanato de Vinhais.
Pereira (Santa Comba de Rossas) ar- Inaugurado na passada quinta-
J.C. Vinhais comemorou 30 anos de recadou o primeiro prémio, seguida feira, o equipamento resulta de um
Feira do Fumeiro e deu mais um pas- de António Afonso (Alfaião), Manuel protocolo celebrado entre a Associa-
so no desenvolvimento agro-indus- António Pires (Seixas), Manuel Antó-
Organização homenageou trial do concelho, com a assinatura
ção Artesanal de Vinhais e a Câmara
nio Martins (Mós de Celas) e Firmino Municipal local (CMV), com o objec-
as três produtoras que par- do contrato PRODER para a criação Medeiros (Vila Verde). tivo de divulgar e promover este sec-
ticipam desde a primeira duma unidade de transformação de tor.
castanha. “Este ramo de actividade esta-
edição O financiamento foi homologa- va desorganizada, pelo que o que fi-
zemos foi dar um espaço de grande
dignidade aos artesãos com o com-
promisso de o manterem em funcio-
namento”, explicou o presidente da
CMV, Américo Pereira.
Peças em barro, bijuteria, madei-
ras, rendas e bordados, entre muitos
outros trabalhos podem ser aprecia-
dos e adquiridos numa das salas da
Casa da Vila, em pleno centro histó-
rico, cedida pela edilidade.
“O concelho é forte em cestaria,
tapeçaria e trabalhos em madeira,
próprios de montanha, pelo que o
que pretendemos é que os turistas
tenham mais um equipamento à sua
disposição”, sublinhou o autarca.

Isabel Pereira triunfou na categoria de Cozinhas Tradicionais Irene Pires foi a grande vencedora S.C.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 15


NORDESTE RURAL

Alheira para cativar turistas


“alheira de Mirandela” na promoção vão participar no certame. “Não acei-
da região trasmontana. “Envolve, de tamos que venha para aqui uma feira
facto, uma promoção, uma divulga- da alheira de Vinhais, da alheira de
ção também do nosso cartaz. Abre as Bragança, da alheira seja de que con-
portas para a rota das Amendoeiras celho for, porque esta é uma iniciativa
em Flor, pois as pessoas passam por destinada aos nossos produtores, que
Mirandela para se deslocarem até Foz são cerca de nove, sendo os restantes
Côa, Freixo de Espada à Cinta e Mon- três representados por lojistas”, frisou
corvo. No turismo, tentamos que estes Jorge Morais.
produtos endógenos derivados do pro- Paralelamente à feira, realizar-se-á
duto “alheira de Mirandela” possam um festival gastronómico da “Alheira
vender a nossa região”, realçou o pre- de Mirandela”, nos restaurantes ade-
sidente da ACIM. rentes, é possível usufruir de massa-
Estão garantidos 50 expositores, gens com azeite no SPA de Alfândega
6 dos quais com o produto “alheira da Fé e participar num passeio todo-o-
de Mirandela”, que também poderá terreno. A animação da feira é garanti-
ser adquirido nas lojas de venda que da por grupos da região.

Qualidade
no azeite novo
Organização promete novidades na Feira da Alheira 2010

FERNANDO CORDEIRO - Inovação das Pequenas e Médias Em-


presas, Receptores dos Serviços, Co-
mércio, Serviços e Restauração, e pela
Mirandela convida os visi- Câmara Municipal de Mirandela, em
tantes a degustar a gastro- 30 por cento.
nomia e a usufruir de mas- A participação de caçadores em
duas montarias, um protocolo estabe-
sagens com azeite lecido com os Vinhos do Douro e a in-
clusão da Confraria de Enófilos e Gas-
Decorre, de 27 e 28 deste mês, trónomos de Trás-os-Montes e Alto
mais uma edição da Feira da Alheira Douro são as novidades para o certame
de Mirandela, no Parque do Império. deste ano.
O evento, organizado pela MIRCOM, Segundo o presidente da Associa-
tem um orçamento de 20 mil euros, ção Comercial e Industrial de Miran-
comparticipados em 70 por cento dela (ACIM), Jorge Morais, estas ino-
pelo Programa Comunitário MERCA Provas de azeite e visitas das escolas marcaram o certame
vações vão reforçar a importância da
f.c. Durante o certame, a edilidade
distribuiu garrafas de azeite pelas pa-
Autarquia quer iluminar róquias do concelho e pelos visitan-
Salsas templos do concelho com
tes com o objectivo de incentivar os
templos a recuperarem a tradição das
lamparinas tradicionais lamparinas de azeite que alumiavam

Caretos em festa A quinta edição do Festival de


Sabores do Azeite Novo, promovido
os actos religiosos.
“Oferecemos duas garrafas de
azeite por paróquia para que seja
Depois de Santiago de Compos- pela Câmara Municipal de Mirandela acesa uma lamparina no Santíssimo
tela (Espanha), onde marcaram pre- (CMM), encerrou em alta. Sacramento como acontecia antiga-
sença na inauguração de um edifício Este ano, e à semelhança das an- mente desde o baptismo até à extre-
de Turismo, os Caretos de Salsas, do teriores iniciativa, que contou com a ma-unção”, referiu a vereadora da
concelho de Bragança, participaram, adesão de 18 restaurantes do conce- Cultura da CMM, Maria Gentil.
na passada sexta-feira, nos festejos lho, a organização apostou na atraen- A par destas iniciativas, a autar-
carnavalescos de Castro d’ Aire. te programação para o último fim-de- quia apostou nas provas de azeite e
Já no sábado, os mascarados ani- semana do passado mês de Janeiro, seminários técnico, sensibilização das
maram as ruas de Bragança, onde se constituindo-se como um dos carta- crianças, a quem ofereceu t-shirts, in-
juntaram a diversos grupos de care- Caretos sem fronteiras zes da cultura mirandelense. centivando, simultaneamente, a cria-
tos da região e a gaiteiros oriundos de Um dos pontos altos do evento foi ção de uma mascote alusiva à oliveira
todo o País e de Espanha. “Os Maltezes”, que organizam o cor- a presença de alunos do ensino pré- e ao azeite.
O dia de Carnaval foi passado na tejo de Entrudo naquela localidade. escolar e do 1º Ciclo de Ensino Básico Recorde-se que, no primeiro dia,
aldeia Vilarandelo, no concelho de da região, a quem a autarquia dedi- foi lançado mais um número da re-
Valpaços, a convite da colectividade S.C. cou parte do programa. vista “Ouro Virgem”.

16 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


LUGARES

Farinha e ovos no VOZES


António Quina - 62 anos
A tradição de usar

Carnaval de Santulhão
ovos e farinha no Car-
naval já vem de tempos
muito antigos. Antes
usava-se cinza, porque
não havia dinheiro para
TERESA BATISTA a farinha. Aqui o Carnaval é só palha-
çadas e muita brincadeira. No Entrudo
passa tudo, por isso é uma festa”.
Festejos carnavalescos reú-
nem a população e atraem Isabel Quina - 84 anos
“Toda a vida me lem-
visitantes das aldeias vizi- bro de se festejar aqui o
nhas e alguns espanhóis Carnaval. Antes era só
fado pelas ruas. Agora
Farinha, ovos, mascarados, “ca- junta-se mais gente e o
Carnaval é mais forte do
ramonos” e muita animação são al-
que antigamente. Quando era nova
guns dos ingredientes que dão cor e gostava de dançar e de deitar farinha,
magia ao Carnaval de Santulhão, no agora já não posso”.
concelho de Vimioso. A festa à moda
antiga reúne miúdos, graúdos, jovens
e idosos, que se divertem, cada um à Maria Gonçalves - 56 anos
“Desde criança que
sua maneira, mas sempre com um es-
participo na festa do Car-
pírito de amizade e respeito mútuo. E naval. Vem muita gente
como é Carnaval ninguém leva a mal de fora. É um encontro
e até os mais velhos são brindados de amigos. Vêm pessoas
com um punhado de farinha. de outras aldeias e mar-
“É um encontro de gerações, em caram-se para participarem no Car-
Farinha, disfarces e a queima do entrudo em Santulhão
que se criam laços de amizade e nin- naval. É grande festa e ninguém leva
guém se chateia. A própria forma de para manter viva uma tradição com pela Banda de Latos de Bagueixe. a mal”.
deitar a farinha às várias pessoas é séculos de existência. Os mais velhos
diferente. Enquanto a um jovem se recordam-se participar na animação Organização do Carnaval de Isabel Valente - 53 anos
deita farinha para a cara, a um idoso carnavalesca desde crianças, sendo “A festa de Carnaval é
Santulhão oferece banhos a uma alegria para o povo.
já se deita no ombro”, explica o mem- o bailarico o ponto alto da festa. “No
bro da Associação Melhoramentos dia de Carnaval íamos para o monte quem se quiser divertir na festa Deitam farinha uns aos
Santulhana, Adrião Rodrigues. com as vacas e estávamos ansiosos tradicional transmontana outros, mas ninguém se
chateia. É uma alegria.
A festa de Carnaval, organizada para voltar para participar na arrua-
Tomáramos nós que no
pela associação e pela Junta de Fre- da pela aldeia”, conta António Quina, Já terça-feira à tarde, a população
próximo ano nos voltem a deitar a fa-
guesia de Santulhão, tem vindo a ga- de 62 anos. reúne-se, apresentando-se cada um rinha”.
nhar força, ano após ano, graças ao As actividades carnavalescas têm com a sua máscara, para dar a volta
empenho dos jovens, que se esforçam início no sábado à noite, com a rea- à aldeia. Durante a arruada não falta
lização de um baile de máscaras. Na a farinha, os ovos, as serpentinas e os Isabel Casimiro - 79 anos
confetis. A Associação de Protecção “Todos os anos fa-
segunda-feira, as pessoas voltam-se
zemos uma festa rija no
a juntar para fazerem os tradicionais do Gado Asinino também se junta to-
Carnaval. Agora ainda há
bonecos de palha, também conheci- dos os anos à festa, onde não faltam mais animação do que
dos por “caramonos”. Estes bonecos os tradicionais burricos, que dão um antigamente. Quando era
funcionam como uma sátira social, ar mais típico ao Carnaval de Santu- nova costumava ir para o
sendo, no final do dia de Carnaval, lhão. baile. Agora fico à porta de
julgados e condenados à morte. “O A criatividade e a originalidade casa a ver os novos passar”.
boneco é o traidor da população, que das máscaras também são premiadas
é acusado e julgado. Mais tarde é onde pela organização. “Não temos uma das aldeias vizinhas. À festa juntam-
as pessoas descarregam as energias. máscara usual. Cada um mascara-se se, ainda, alguns espanhóis e estu-
Os bonecos são queimados no largo ao seu gosto. Temos as máscaras co- dantes de erasmus, que gostam de se
da fonte, onde se reúne a população”, merciais e depois há quem opte pelas divertir nesta época festiva.
realça Adrião Rodrigues. máscaras tradicionais, feitas de palha “O nosso Carnaval é muito ani-
Na segunda-feira à noite também ou cortiça”, salienta Adrião Rodri- mado e tradicional. É um pouco sujo,
se faz o enterro do Entrudo. As pes- gues. devido aos ovos e à farinha, mas a as-
soas saem à rua com um boneco dei- Assumindo-se como uma das sociação disponibiliza os balneários a
tado num caixão, velas e tochas ace- maiores festas da aldeia, o Carnaval todas as pessoas que queiram vir di-
sas, dando volta à aldeia com os ditos é o ponto de encontro entre a popula- vertir-se no nosso Carnaval”, remata
Máscaras premiadas alusivos ao enterro e acompanhados ção local e os amigos que se deslocam Adrião Rodrigues.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 17


INFORMAÇÃO COMERCIAL

Bragança

Ibis lança Guia 2010


O Hotel Ibis- ciou ao evento um carro de bois em Tailândia e a Alemanha.
Bragança foi pal- miniatura e um tractor de brincar, A par do guia em edição papel, o
co do lançamen- ambos carregados com as novas pu- site www.ibishotel.com também for-
to do Guia Ibis blicações. “Queremos transmitir o nece um variado leque de informa-
2010, que con- conceito ‘Viajar com o Guia Ibis’ e ção, tais como galerias de imagens de
tém informações disponibilizar todas as informações cada uma das unidades, dados sobre
sobre as mais de sobre os nossos hotéis, tanto aos nos- os pontos de interesse mais próximos
800 unidades da sos hóspedes como em diversos lo- e promoções em vigor.
cadeia em todo o cais do distrito onde vamos distribuir
Mundo. o Guia”, explicou o director do Ibis-
Apesar de se Bragança, Bruno Guerreiro.
tratar de uma ini- Em Portugal, o novo guia já in-
ciativa de âmbi- clui dados informativos sobre o novo
to internacional, hotel Porto Centro, que abrirá no se-
o Ibis-Bragança gundo trimestre deste ano, tal como
fez questão de acontece com o Ibis Lisboa Sintra,
adaptar o lança- que deverá ser inaugurado no final
mento à região de 2010 ou no início de 2011.
transmontana. A nível mundial, destaque para
Para tal, asso- as novas aberturas em países como a Ibis recorda tradições
“Viaje com o Guia Ibis” é o desafio lançado

SAÚDE

Acabe com as dores Como escolher


um bom produto?
nas articulações! Existem vários produtos no
mercado que contêm glucosamina
e condroitina. Um dos mais eficazes
É um facto que a cartilagem cartilagem, substância extremamente é o BioActivo Glucosamina Duplo,
protectora das nossas articula- elástica, forte e flexível que une as ex- à venda em farmácias, cuja fórmula
ções começa a deteriorar-se ao tremidades dos ossos e previne a sua contém as substâncias sob a forma
longo do tempo, levando eventu- fricção directa. de sulfato para uma melhor eficácia
almente a uma situação dolorosa e cujos resultados estão cientifica-
e debilitante designada osteoar- mente documentados. Ao contrário
trose. A boa notícia é que pode
Travar a osteoartrose de de outros produtos, este suplemen-
impedir o desenvolvimento desse forma natural to contém a dose mínima diária re-
desgaste – e provavelmente aju- A investigação científica descobriu comendada (1000mg de sulfato de
dar a repará-lo. um tratamento capaz de travar a dete- glucosamina e 800mg de sulfato de
rioração das articulações. A substância condroitina que de acordo com os
Existe um momento na vida de to- eficaz, no extracto de marisco, para o investigadores é a dose necessária
dos em que as articulações se tornam tratamento e prevenção da osteoartro- com um papel fundamental na síntese para obter bons resultados). Outra
dolorosas e a perda de mobilidade pa- se chama-se glucosamina. No entanto, da cartilagem, parece ter sido encontra- das vantagens do BioActivo Gluco-
rece inevitável. A osteoartrose é uma existem outros factores envolvidos na da uma solução para travar a deterio- samina Duplo é não apresentar os
deterioração gradual da cartilagem saúde da cartilagem articular. Uma ração da cartilagem relacionada com a efeitos secundários dos AINEs (anti-
articular que provoca sintomas como substância activa designada sulfato de idade, que de outro modo limitaria a li- inflamatórios não esteróides), ha-
dor, inchaço, e fraca mobilidade. A boa condroitina, um componente estrutu- berdade de cada um. Alguns acreditam bitualmente utilizados nos casos de
notícia é que investigadores identifi- ral importante da cartilagem. Com a mesmo que a utilização regular destas doenças nas articulações.
caram algumas substâncias no maris- descoberta da glucosamina e da con- duas substâncias pode reparar a carti-
co que estão envolvidas na síntese de droitina, duas substâncias naturais lagem já deteriorada, tornando possí-
vel a melhoria da osteoartrose inicial.
Até hoje, diversos estudos realizados
Como funciona a glucosamina e a condroitina? com glucosamina e condroitina, com-
binadas ou isoladas, sustentam este
Quanto a cartilagem se desgasta, os ossos ficam expostos
efeito positivo. A parte importante é
entre si, causando inflamação, dor e rigidez das articulações
e imobilidade. A glucosamina e a condroitina previne estes que estas substâncias do marisco estão
acontecimentos fornecendo a matéria prima necessária ao disponíveis em comprimidos e podem
seu organismo, para produzir cartilagem articular saudável, ser tomados para estimular a produção
suave e elástica. A combinação das duas substâncias (sulfato natural de cartilagem.
de glucosamina e condroitina) provou conseguir:
- Reduzir a dor das articulações; de glucosamina e N-acetilglucosamina.
- Aumentar a lubrificação das articulações; Sulfato de glucosamina A única forma que demonstrou ter efei-
- Estimular a reparação da cartilagem;
- Inibir as enzimas que destroem as cartilagens;
– eficácia assegurada tos fiáveis foi o sulfato de glucosamina.
A glucosamina encontra-se comer- A explicação é a seguinte: a glucosami-
- Preservar o espaço de articulação;
- Actuar enquanto anti-inflamatório cialmente disponível sob 3 formas: clo- na necessita do grupo sulfato (que con-
ridrato de glucosamina (HCl), sulfato tém enxofre) para funcionar.

18 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


Tierra, Giente i Lhéngua

Ls Antruidos de tiu Jesé Antonho


1. L Lar de San Jesé, an ora, mas nós porqui fazemos assi.
Bumioso
Siempre me gustou tanto brincar al 2. Datrás an Palaçuolo
Antruido que mesmo agora, yá de bielho,
nun puodo deixar de brincar al Antruido. Agora bos cunto cumo era an Pala-
Nós eiqui, ne l miu lar, yá quatro anhos çuolo ne ls mius tiempos de garoto, puis
que participamos nun çfile ourganizado tamien se fazie l Antruido. Habie siem-
pula Cámara Municipal de Bumioso, pre alguien que fazie un caramono, si,
adonde éntran todos ls lares de l cuncei- que isso de caramonos era culs de Pala-
lho assi cumo las scuolas i todas las amas çuolo, mesmo sien star nada cumbinado
que guárdan ls ninos de Bumioso. A mi i sien haber tradiçon de l Antruido. Mes-
armórun-me un carroço, ó melhor, un mo assi, ajuntában-se alguns garotos i
molde a fazer de carro que ye adaptado garotas, misturados cun alguns adultos,
a la mie cadeira de ruodras que parece l mais de las bezes sien sabermos quien
mesmo un carro de berdade. Claro que éran, porque íban amouchados para que
cada anho ye de maneira çfrente: l pur- naide ls conhecisse.
meiro anho fui de trator amarielho, pa l Anton era assi. Cada un bestie ls tra-
outranho fui a fazer de Noddy, aquel ga- pos mais angraçados que ancuntraba nas
rotico spabilado de la telbison, apuis inda arcas. An cada casa habie siempre fatos
fiç de carteiro Paulo, tamien ua figura de antigos, uns dua maneira outros doutra. go a la purmeira. Anton, íbamos pulas niemos que ls agarrar culs dientes. Aquel
ls zeinhos animados. Ten sido angraçado Habie siempre quien tubisse fardas de la rues de l lhugar fazendo rugido, claro que que l agarrasse quedaba cun el. Nó cun
todos ls anhos, aparte de haber prémios tropa para fazer de suldado. Tamien cun habie siempre quien nun gustasse i mos aquel, mas cun outro, para nun tener que
pa ls melhores, nós ls de l Lar de S. Jesé, capacetes i spingardas bielhas dessas de iba deziendo cousas menos buonas, mas andar siempre a prender ls arrebuçados.
modéstia aparte, mas tenemos ganho cargar pula boca, sien stáren cargadas nós a las bezes respundiemos de la mes- Mas nun penseis que era fácele, porque
siempre l purmeiro prémio. Claro que l claro, nun fura a haber algun contratiem- mo maneira. Mas era Antruido i naide se el staba siempre a abanar la guelhada dun
prencipal ye la farra que se fai. Adberti- po. I alhá íbamos nós a fazer l Antruido anraibaba. Anton, fazien-se siempre uns lhado para outro, claro que al fin todos
mos-mos nós i adbertimos la pequenhada pul lhugar afuora. Outros bestien-se cun caramonos, cumo yá dixe antes. Isso de toquemos a arrebuçados porque el dou-
i toda la giente que mos bai a ber. Asta- bestidos de ls mais modernos, que stá- caramonos era culs de Palaçuolo. Cara- mos-los todos i mirai que éran uns cin-
nho tamien se fai l tal çfile mas inda nun ban guardados habie yá cientos d’anhos monos de palha, stá claro, i bien bestidos, co quilos deilhes, mas Barrete era assi,
bos puodo dezir de quei bou bestido por- naqueilhas arcas de las casas ricas i an que ls lhebabamos cun nós a la ronda. Al quando le disse na teilha nun habie nada
que inda ye segredo i l segredo ye l’alma alguas casas probes que las sues gientes chegar a la Cruç ó a la Praça, cumo ago- a fazer, depuis era Antruido i era preci-
de l negócio. Quien quejir aparcer que tenien doutros tiempos porque yá le gus- ra se diç, yá habie un baile ourganizado so bertir-se. Claro que ls arrebuçados a
apareça, será bien recebido. taba fazer l Antruido naqueilhes tiem- pula mocidade. Depuis queimában-se ls el los habien dado ls de las tabernas i tiu
La Cámara Munecipal de Bumioso pos. Cumo habien guardado la fatioca, caramonos, yá cun uas bombas dessas Çorragas, l mais rico dalhá, que tenie un
oufrece-mos ua merenda a la maneira ne amprestában-mos-la a nós. I assi alhá d’Antruido andrento la palha, que stou- soto. Mas seia cumo seia el fizo ua brin-
l Pabelhon Multiusos de la Cámara de íbamos nós bien bestidos, uns dua cousa rában anquanto l caramono ardie. cadeira bien feita i nun era só por mor
Bumioso. Ten sido spetacular estes anhos outros doutra, las rapazas bestien-se de Pula nuite fazien-se las trobas a las de ls arrebuçados, mas era que la cousa
passados i astanho será tamien, se Dius rapaç i ls rapazes de rapazas para anga- rapazas onde se l dezie l que eilhas fa- staba bien feita i todo mundo se adbertiu,
quejir. Claro que hai muita maneira de nhar ls mais chochicos, a las bezes resul- zien i l que nun fazien. Isto era pa le ati- até ls bielhos quejírun spurmentar la sue
brincar al Antruido por essas tierras afu- taba porque nun éramos çcubiertos lhou- rar a la cara cousas que eilhas fazien pul suorte. Fui ua farra pul lhugar.
anho afuora i eilhi habie lhiberdade pa
las dezier, depuis seguien-se ls casamen- José António Esteves - Lar de S.
tos. Adonde se casában ls rapazes culas Jesé Bumioso
rapazas, dando-le l respetibo dote. Ha-
bie siempre quien gustasse menos de las
cousas que se dezien.
You, que siempre gustei daqueilhas Rectificação
brincadeiras, inda que nien siempre me
deixássen. Yá de grande, partecipei ne ls Na página 24 da “Fuolha Mi-
trabalhos fazendo las trobas a las rapazas randesa” da edição de 2 de Feve-
i ls casamentos. reiro de 2010, foi publicada uma
Las trobas éran feitas an bersos. Un, imagem para ilustrar a crónica
dous, ó mais cunsante l que la rapaza “Las Pandorcas a Santo Amaro na
tubisse que se le dezisse. Claro que isso Speciosa” que, na verdade, perten-
quedaba a critério de quien las fazie, puis ce à reportagem da festa de “L San
haber cousas para dezir habie siempre, Sebastian de Infainç”, publicada
inda que nun fusse mais que alguas bou- na mesma data.
badas. Pelo lapso apresentamos as
Agora me lhembro dua brincadeira nossas sinceras desculpas, exten-
que mos fizo Antonho Barrete que anchiu síveis a Adelaide Monteiro, autora
ua saca de arrebuçados i fui-se pul lhugar do texto “Las Pandorcas a Santo
c’un arrebuçado çpindurado dua guelha- Amaro na Speciosa”, que é alheia
da preso a un baraço. Anton ls garotos te- à situação.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 19


INFORMAÇÃO COMERCIAL

Qualitysad

A vida mais fácil


Tornar o seu dia a dia mais fácil fermagem ou fisioterapia ao domicí-
é o principal objectivo da Qualitysad, lio ou em clínicas da especialidade.
uma empresa que garante a limpeza “Todos os nossos serviços podem ser
da sua casa, trata-lhe da roupa, asse- prestados em casa do cliente ou em
gura-lhe a confecção das refeições e unidades especializadas, com quem
também as entrega ao domicílio. celebrámos parcerias”, explica a res-
Apoio Domiciliário, aliás, é um ponsável.
conceito levado ao extremo pela Qua-
litysad, que tanto acompanha os mais Serviços que se adaptam
idosos no seu lar, como toma conta
dos seus filhos no conforto da sua ao dia a dia de famílias
sala ou dos seus quartos. de todas as idades
O leque de serviços é longo, mas o
objectivo é só um: facilitar as tarefas Para despreocupar os mais idosos
do dia a dia e reforçar a sua qualidade e tranquilizar os seus filhos, destaque
de vida. para o serviço de tele-alarme, em que
Para isso, a Qualitysad propõe- basta carregar num botão para pedir
lhe soluções inovadoras para as suas ajuda ou, simplesmente, ouvir uma
tarefas domésticas. Ou seja, além de palavra de conforto do outro lado do
assegurar a limpeza doméstica, lava, Qualitysad presta serviços a pessoas de todas as idades telefone.
seca e passa a ferro a sua roupa, seja Além disso, a Qualitysad vende
em sua casa ou nas instalações da salienta a directora técnica da Quali- mos que a Qualitysad não é só uma e aluga material ortopédico e ajudas
empresa, que dispõe de moderno tysad, Cristiana do Nascimento. empresa de Apoio Domiciliário, mas técnicas, tais como camas articula-
equipamento de lavandaria. O mes- A par do baby-sitting, os serviços uma voz amiga que o acompanha das, barras para a cama, cadeiras de
mo acontece com as refeições prepa- de limpeza doméstica, lavandaria e numa ida às compras, ao cabeleireiro, rodas, canadianas ou muletas.
radas pela Qualitysad, que podem ser refeições são os que mais se adaptam à consulta médica ou, simplesmente, Para mais informações contacte a
adquiridas no local ou entregues ao ao dia a dia das famílias de todas as num passeio ou à hora da refeição. QualitySad, na Rua Professor Dioní-
domicílio. “O cliente é que escolhe a idades. Ou seja, assegura todos os servi- sio Gonçalves, Nº3, R/Chão, em Bra-
modalidade que mais lhe interessa”, No caso dos mais idosos, diga- ços de higiene doméstica e pessoal, gança, pelos telefones 273326107,
alimentação e lavandaria, acrescidos 964320140 e 962152625, ou consulte
de todos os cuidados médicos, de en- o site http://www.qualitysad.pt

20 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


CORREIO DO LEITOR

Vale
de Asnes
Notícia muito curiosa aquela que o
último Jornal Nordeste traz sobre Vale
de Asnes. É uma terra abandonada em
demanda da sua identidade e, funda-
mentalmente, uma das muitas terras
que busca pergaminhos de um passado
de glória. Que me desculpem os habi-
tantes de Vale de Asnes, por meter a foi-
ce em seara alheia, mas como conheço
essa terra perdida no interior, aquando
das minhas visitas frequentes a Samba-
de, donde sou natural, achei por bem
meter a colherada e ajudar com o meu
modesto contributo a encontrar rastos
de um passado de glória de muitas ter-
ras transmontanas.
Teremos de fazer um percurso pela
História no início da Nacionalidade.
Como sabemos, Portugal teve, após a
sua formação como reino independen-
te, dois grandes inimigos: os mouros e
Leão e Castela que manifestaram sem-
pre enorme apetência para filhar para
si o território português. Assim sendo,
após a expulsão dos mouros, os primei-
ros reis tiveram com prioridade definir
e consolidar a fronteira portuguesa
pelo lado do Nordeste. Por outro lado,
assistia-se a uma política de fortale-
cimento do poder central cortando as
regalias do clero e nobreza, devido às
guerras da reconquista. É dentro deste
contexto sócio-polítco que surgem os
Concelhos. A política Concelhia come-
çou a ser efectuada por D. Afonso III,
sendo D. Dinis o monarca que marca o
apogeu da política foraleira, muito con-
cretamente nom façam nenhuua vexa-
cam açerqua do vinho que bebem das
penas das suas coutadas no Nordeste,
pelas razões já referidas.Os Concelhos
eram territórios mais ou menos exten-
sos em que os seus moradores gozam
de certas regalias e se governam por
leis expressas nas cartas de foral. Ca-
bia, curiosamente, aos homens bons
dos concelhos, eleger os magistrados e
gerir a administração. O foral de Vale
de Asnes data de 11 de Julho de 1514.
Gostaria de o reproduzir, pela sua
curiosidade, mas limitar-me-ei a co-
mentar algumas partes.
Continha obrigações na entrega de
impostos a uma comenda religiosa que
arrecadava os proventos que, normal-
mente eram da coroa; sobre o gado do
vento seria gado tresmalhado que, em
muitos forais vizinhos se impunha aos
seus moradores a entrega dentro de de-
terminado período; a não vexação no
consumo de vinho seria uma norma de
cariz sócio-cultural?
Todo o concelho deveria pagar à
comenda d´Ulgoso da ordem de Sam
joham em cada hum anno cinco al- podem leixar de poer numento, destinado à justiça para que mentação que possa sustentar tal fac-
queyres de trigo, dezasseis galinhas Os moradores de Vale de Asnes esta fosse persuasiva. to. D.Dinis terá passado por essas ter-
e trinta e seis reaes, sendo isentos de referem-se ao pelourinho, símbolo de Outras terras vizinhas, que hoje ras, pois, como sabemos, tinha-se de
outro foro e tributo real. Os montados medievalidade, onde se administrava a estarão em vias de extinção, tiveram amores por certa dama de Mirandela e
e maninhos e ainda o gaado do vento justiça, em lugar público, normalmente também foral. A título de exemplo refi- também por outra dona em Chacim. E
são do dicto conçelho. E mandamos nas praças, onde, aliás, estava este mo- ro-me a Vale de Telhas, Junqueira, Al- nas suas permutas de amores, cortaria
aos contadores dos regidos presentes fândega da Fé, mais de meia centenas a direito, para descansar nos braços de
que lhe nom façam nenhuma vexaçam
nem constragimento açerqua do vinho  ANTT – Livro dos Forais Novos
de forais, para servir os objectivos que
inicialmente anunciei.
suas damas.

que bebem das penas das suas couta- de Trás-os-Montes, fl24v., col 2ª IN Me- Quanto a D. Sancho ter passado Lourdes Graça Camelo
das visto que sam postas por elles que mórias Arqueológico-históricas do Distrito por Vale de Asnes, não conheço docu- Cunha e Silva
de Bragança, vol IV, 265.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 21


CULTURA

“Auto da Barca do Inferno” AGENDA CULTURAL


BRAGANÇA
Cinema
Forum Theatrum
Nove
Teatro de Vila Real é o Até dia 17 de Fevereiro, Sala 1
Parceiros no Crime
palco que marca o início de Até dia 17 de Fevereiro, Sala 2
A Princesa e o Sapo
temporada da peça encena- Até dia 17 de Fevereiro, Sala 3

da pela Filandorra Música


Teatro Municipal
Noites Frias Vozes Quentes
A Filandorra – Teatro do Nordes- Enchanted Opera Evening
Dia 20 de Fevereiro, às 21h30
te reinicia mais uma temporada cícli- Noites Frias Vozes Quentes
ca com o espectáculo Auto da Barca Joana Rios
do Inferno, um texto de referência Dia 25 de Fevereiro, às 21h30
da dramaturgia portuguesa e que a Exposição
Centro Arte Contemporânea Graça Morais
Companhia encenou pela primeira Read My Lips - O Resto da História (1999-
vez em 2002 e que desde então tem 2009) - de Luís de Melo
percorrido os palcos da Região e do Até dia 30 de Março
país. Em oito anos de digressão o tex- A Procissão - Desenho, PIntura e Fotogra-
fia 1999-2000 - de Graça Morais
to vicentino já foi representado 156 Até dia 30 de Março
vezes para um universo de 30 mil es- Diversos
pectadores. Auditório da Casa da Seda
Auto da Barca do Inferno sobe Casulo das Histórias-Histórias com Ciência
Dia 20 de Fevereiro, às 15h00
aos palcos do Auditório Municipal
de Vila Nova de Paiva, no dia 22 de ALFÂNDEGA DA FÉ
Fevereiro, e entre os dias 24 a 26 de Filandorra vai percorrer palcos de toda a região Exposição
Fevereiro é apresentado no Teatro Galeria de Exposições do Centro Cultural
Mestre José Rodrigues
de Vila Real, com as sessões pratica- actualidade e desfilando sob guarda- Depois dos palcos de Vila Nova Marcos Pombalinos de Demarcação
mente esgotadas pelas Escolas da Re- roupa vistosamente contemporâneo. de Paiva e Vila Real, esta produção De 5 a 28 de Fevereiro
gião para assistirem a esta “aula viva” A encenação é de David Carvalho. da Filandorra parte em digressão
de teatro. Como plataforma cénica, e A nova temporada de representa- para outros palcos da região, com FREIXO ESPADA À CINTA
evocando um sentido pós-moderno ções do texto de Gil Vicente conta já vários espectáculos agendados  para Cinema
Auditório Municipal
da encenação, utiliza-se como metá- com os actores Hugo Moreira e Sara Escolas. Terapia para Casais
fora de “que no ponto que acabamos Costa, dois jovens e promissores acto- Dia 19 de Fevereiro, às 21h30
de espirar, chegamos subitamente a res vindos da Escola Superior de Mú- Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 Diversos
de 16 de Fevereiro de 2010
um rio, o qual per força havemos de sica e Artes do Espectáculo do Porto Enterro do Entrudo
Dia 16 de Fevereiro
passar em um de dous batés que na- e do Departamento de Artes Cénicas CERTIDÃO
CARTÓRIO NOTARIAL DE VINHAIS Teatro
quele porto estão”, uma estrada dos da Universidade de Évora respectiva- Auditório Municipal
dias de hoje (IP4), que tanto pode mente, e que desde Janeiro integram A CARGO DA ADJUNTA EM SUBSTITUI- Auto da Barca do Inferno
simbolizar o percurso para a vida ou a equipa artística da Companhia. No ÇÃO MARIA DO CÉU DIAS PEREIRA Dia 23 de Fevereiro, às 10h00
o percurso para a morte. Respeitando elenco o destaque vai também para JUSTIFICAÇÃO
MACEDO DE CAVALEIROS
fielmente o texto original, a galeria de os actores Anita Pizarro, Bibiana Certifico, para efeitos de publicação, que por escritura de Teatro
personagens vicentinas é actualizada Mota, Helena Vital, Bruno Teixeira quatro de Fevereiro do ano dois mil e dez, exarada de fo- Centro Cultural
lhas doze a folhas treze verso do Livro de Notas número
no espaço e no tempo modernos, via- eVictor Santos, e luz  e som de Diogo Oitenta e quatro-D, deste Cartório, ARLINDO VENÂN-
Frei Luís de Sousa
jando ao som de ícones musicais da Medeiros.  CIO GOMES e mulher FERNANDA DOS ANJOS MO- Dia 18 de Fevereiro, às 14h30
RAIS GOMES, casados sob o regime da comunhão de História da gaivota e do gato
adquiridos, ele natural da freguesia de Paçó, concelho de que a ensinou a voar
Vinhais, onde residem, na sede da freguesia, ela natural da Dia 22 de Fevereiro, às 10h30 e 14h30
freguesia de Tuizelo, concelho de Vinhais, declararam:
Que, com exclusão de outrem, se consideram donos e le-
Música
gítimos possuidores do seguinte imóvel: Centro Cultural
PRÉDIO RÚSTICO, sito em “Raiz”, freguesia de Paçó, The Hollywood Songs
concelho de Vinhais, composto de terra com castanhei- Dia 20 de Fevereiro, às 21h45
ros, com a área de duzentos e setenta metros quadrados,
a confrontar do norte com António José Afonso, do sul
e nascente com Arminda Guilhermina e do poente com
MOGADOURO
Francisco Guilherme Alves, inscrito na matriz predial Cinema
rústica da referida freguesia sob o artigo 1.168, com o Casa da Cultura
valor patrimonial de 1,68€, a que atribuem igual valor. Artur e a Vingança de Maltazard
Que o dito prédio está inscrito na matriz em nome de Fi- Dias 20 e 21 de Fevereiro, às 21h30
lipe António Diegues e não descrito na Conservatória do
Registo Predial de Vinhais. Diversos
Que o mencionado prédio veio à sua posse e domínio, por III Festival Gastronómico “Sabores de
compra verbal feita ao referido Filipe António Diegues e Mogadouro” - Bulho com Cascas
mulher Gracinda Rosa, ele já falecido, residentes na sede De 13 a 21 de Fevereiro
da mencionada freguesia de Paçó, no ano de mil novecen-
tos e oitenta, não tendo procedido à sua formalização por
documento autêntico. TORRE DE MONCORVO
No entanto, desde então e até ao presente, logo há mais de Cinema
vinte anos, têm sido os justificantes que sem interrupção e Cine-Teatro
sem oposição de quem quer que seja, possuem o indicado
Tearpia para Casais
prédio, que amanham e mandam amanhar, colhem os seus
frutos, fazem as necessárias obras de conservação, pagam Dias 18 e 20 de Fevereiro, às 21h30
taxas e contribuições, praticando os mais diversos actos Exposição
de uso, fruição e defesa da propriedade à vista da maioria Centro de Memória
ou generalidade das pessoas da freguesia da sua localiza- Exposição de Desenho e Pintura
ção, plenamente convencidos desde a data de aquisição
“Sem Escola nem Escala”
referida, que não lesam direitos de outrem, consideran-
do-se e sendo considerados como donos e possuidores Dia 20 de Fevereiro, às 15h30
exclusivos do mesmo.
Que assim a posse pública, pacífica, contínua e em nome VILA FLOR
próprio do citado imóvel, desde aquela data, conduziu
à sua aquisição por USUCAPIÃO, que invocam, para Diversos
efeitos de primeira inscrição no registo predial, por não Avenida Marechal Carmona
poderem provar a alegada aquisição pelos meios extra- Mostra de Produtos Regionais
judiciais normais. Dias 20 e 21 de Fevereiro
Está conforme o original na parte transcrita.
Cartório Notarial de Vinhais, 04 de Fevereiro de 2010.
Música
Auditório Adelina Campos
O Ajudante, Encontro de Músicos do concelho
Vítor Augusto Barreira Garcia Dia 20 de Fevereiro, às 21h00

22 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


III Divisão Série A 1 MACEDO
MONTALEGRE 0 III Divisão Série A 0 BRAGANÇA
MORAIS 1
Jogo no estádio Municipal de Macedo Estádio Municipal Bragança

Disputado Árbitro: João Bráz (A. F. Castelo Branco) Árbitro – Rui Fernandes (Guarda)

ao
EQUIPAS
Tiago Gil
Wibson
Diogo
Guerra (cap)
Surpresa! EQUIPAS
Ximena
Rui Gil
Armando
Ibraima
Corunha Alex Carlitos Gene

milímetro
Eurico (cap) Jardel Móbil Filipe
Toninho Bruno Madeira O frio que se sentiu pas- dores que, mais minuto me- Sana Rui
(Luís Gancho 72’) (João Pedro 75’) sou para o jogo entre vizi- nos minuto, a bola entrava na Jaime Edivaldo
Eduardo André Pires nhos. Nesta época, o Morais baliza de Armando, mas não Mirko Stigas
Luizinho Carlitos venceu o Bragança, por duas foi nada disto que aconteceu Valadares Karate
FERNANDO CORDEIRO (Branco 63’) Toninho Ice Pires
vezes, com o ex- treinador e o pior foi mesmo o juiz da
Ricardo Costa (Rondinele int) Pedrinha Rudi
Jogo disputado ao mi- (Tomané 75’) Bruno Santos
bragançano, Lopes da Silva, partida que, curiosamente Pinhal Lixa
límetro, intenso, emotivo, Bernardino (PTT 60’) a mostrar que conhece bem sem interferir no resultando, Badara Denilson
com supremacia repartida a Nuno Meia Guilherme a turma que treinou durante mostrou pouca cultura fute- Marco Fontoura Alex
espaços pelas duas equipas e Luís Carlos Leonel Costa 5 épocas. No entanto, foi um bolística, interrompendo o
TREINADORES
incerteza no marcador até ao resultado de sorte, porque no jogo por tudo e por nada. Já
TREINADORES Carlitos Lopes da Silva
apito final. As duas equipas único remate à baliza de Xi- em desespero, os locais ten-
Rui Vilarinho José M.Viagem
mostraram velocidade, ati- mena, a bola entrou nas redes taram tudo, mas Armando e Golos: Lixa 53”
tude, organização, futebol de Golos: Luizinho 25’ e deu três pontos aos visitan- os seus comparsas não deram Disciplina: Amarelos – Rui Gil, Móbil,
alto nível técnico, recheado de Disciplina: Luís Carlos 71 e Tomané 79’; tes, num jogo sem grande in- espaços a avançados, daí os Pinhal

bons lances, tacticamente ir- Guilherme 25’ e Rondinele 73’. teresse, pela má exibição da 3 pontos e a pior exibição de
repreensível e extremamente turma de Carlitos. A turma Carlitos como treinador. Fi- pontos para a 2ª fase ficam a
correcto, vencendo a equipa pontos, mas aqui funcionou canarinha tentou controlar o cam, agora, expectativas para valer metade. Agora é neces-
mais feliz, a que errou menos a tranquilidade da lideran- jogo, na primeira parte, e fi- o futuro, pois a classificação sário garantir fora os 3 pon-
e que soube sofrer quando foi ça destacada, a dinâmica de cou no pensamento dos joga- ainda não está pesada e os tos perdidos em casa.
caso disso, com estatuto de vitória e o desequilíbrio das
líder. unidades que atravessam me-
Entraram melhor os ma- lhor momento.
cedenses, contrariando a O jogo resolveu-se com
habitual inadaptação ao seu um único golo, em que Luizi-
próprio relvado, a pressionar, nho cabeceia na perfeição na
construindo situações de bom única liberdade que lhe de-
recorte técnico, a que faltava ram, não perdoando a Diogo,
finalização, ainda que muito que fez o seu único erro, pois
por culpa do keeper forastei- deveria ter socado a bola, mas
ro. Na metade complementar, optou por agarra-la, estando
a história foi a mesma, só que em desequilíbrio e acabando
com o protagonismo a per- por cair para dentro da baliza,
tencer aos montalegrenses. com a bola bem encaixada.
Com todo este equilíbrio, Quanto aos árbitros, fize-
o resultado mais certo tal- ram um trabalho bem conse-
vez tivesse sido a divisão de guido.

Tiago Gil segurou vitória macedense Morais apanhou Bragança de surpresa

6 12 16 23 29 46 42

1 5 18 38 45 4 6

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 23


NORDESTE DESPORTIVO

III Divisão Série A


CLASSIFICAÇÕES

Liga Sagres Liga Vitalis III Divisão Série A AFB 0 AMARES
MIRANDELA 1
19ª. Jornada 19ª. Jornada Estádio Engº José Carlos de Macedo
18ª Jornada 15ª Jornada
Árbitro: Hélder Ferreira (A. F. Aveiro)
Classificação Classificação Classificação Classificação EQUIPAS
Clubes P J Clubes P J Clubes P J Clubes P J
1 Beira-Mar 36 19 1 Macedo Cavaleiros 41 18 1 Argozelo 40 15 Conrado Norinho
1 Benfica 49 20
2 Portimonense 35 19 2 Maria da Fonte 33 18 2 Rebordelo 39 15 David Jonas
2 Sp. Braga 48 19
3 Oliveirense 32 19 3 Mirandela 32 18 3 FC Vinhais 32 15
3 FC Porto 40 19
4 Santa Clara 32 19 Paulo Nana K
4 Sporting 28 19 4 Bragança 30 18 4 Talhas 29 15
5 U. Leiria 27 20
5 Feirense 29 19
5 Valenciano 30 18 5 Mirandês 29 15 Paulo Ricardo Rui Lopes (cap)
6 Fátima 25 19
6 Nacional 25 19 6 Limianos 27 18 6 Vila Flor 29 15 Hélder Bastê
7 Desp. Aves 25 19
7 Marítimo 25 19 7 Mogadourense 25 15
8 Rio Ave 24 19
8 Trofense 25 19 7 Montalegre 27 18 Duarte (sub) Rui Borges
9 Estoril Praia 24 19 8 Marinhas 20 18 8 Alfandeguense 19 15
9 P. Ferreira 23 19 Tiago Silva Aires
10 Freamunde 24 19 9 Santa Maria FC 18 18 9 Sendim 16 15
10 V. Guimarães 23 18
11 Gil Vicente 24 19 10 Carção 12 15 Ismael (José Luís 66’)
11 Académica 20 19
12 Varzim 22 19
10 Fão 17 18
12 Olhanense 18 19 11 Amares 16 18 11 Vimioso 9 14 Filipe Adriano (sub)
13 Chaves 21 19
13 Naval 18 18 12 Morais FC 13 18 12 GD Poiares 7 15
14 Penafiel 21 19
14 V. Setúbal 16 19 13 CCR Lamas 5 15 (Tiririca 53’) Vaguinho
15 Sp. Covilhã 17 19
15 Leixões 15 19
16 Belenenses 11 19
16 Carregado 13 19 14 GD Milhão 4 14 Santa (Maktar 59’)
Resultados (Armando 41’) Couto
Resultados Resultados Resultados
Bragança  0-1  Morais FC Tiago Carneiro Nelo
Naval  15/02  V. Guimarães Gil Vicente  0-2  Portimonense Rebordelo  2-1  Mirandês
Freamunde  1-2  Oliveirense
Santa Maria FC  3-4  Limianos
U. Leiria  3-3  V. Setúbal GD Milhão  1-6  Vila Flor TREINADORES
P. Ferreira  0-0  Sporting Beira-Mar  0-1  Fátima Fão  1-2  Valenciano
Carção  5-1  Argozelo
Académica  1-1  Olhanense Santa Clara  1-0  Carregado Maria da Fonte  0-0  Marinhas
Talhas  3-0  Alfandeguense Alberto Mendes Luís Guerreiro
Leixões  0-0  FC Porto Trofense  0-2  Feirense Amares  0-1  Mirandela
Estoril Praia  1-0  Sp. Covilhã Sendim  2-3  CCR Lamas
Benfica  1-0  Belenenses Macedo de Cavaleiros  1-0  Montalegre
Sp. Braga  2-1  Marítimo Penafiel  1-1  Desp. Aves Mogadourense  5-0  GD Poiares Golos: Rui Lopes 27’
Nacional  1-1  Rio Ave Chaves  0-1  Varzim Vimioso  0-1  FC Vinhais
Próxima Jornada Disciplina: Amarelos: David 40’, Nelo
Próxima Jornada Próxima Jornada Próxima Jornada 37’, Bastê 47’ e 65’, Nana k 55’, Norinho
FC Porto  21/02  Sp. Braga Portimonense  21/02  Trofense Montalegre  21/02  Bragança 72’, José Luís 89’; Vermelhos: Bastê 65’ e
Desp. Aves  21/02  Carregado Rebordelo  21/02  Mogadourense
Belenenses  22/02  Académica Morais FC  21/02  Santa Maria FC
Olhanense  20/02  Sporting Oliveirense  20/02  Beira-Mar Limianos  21/02  Fão
Mirandês  21/02  GD Milhão Adriano 69’.
Benfica  3-0  U. Leiria Fátima  21/02  Gil Vicente Vila Flor  21/02  Carção
Valenciano  21/02  Maria da Fonte
V. Guimarães  20/02  Leixões Sp. Covilhã  21/02  Penafiel Argozelo  21/02  Talhas
Varzim  21/02  Freamunde Marinhas  21/02  Amares
V. Setúbal  21/02  Naval Alfandeguense  21/02  Sendim
Marítimo  19/02  Nacional
Rio Ave  21/02  P. Ferreira
Estoril Praia  21/02  Chaves
Feirense  21/02  Santa Clara
Mirandela  21/02  Macedo de Cavaleiros
FC Vinhais  21/02  GD Poiares
CCR Lamas  21/02  Vimioso
Contra tudo
Nacional Juniores C e contra todos
III Divisão Série B Nacional Juniores B 19ª. Jornada Nacional Juniores A
18ª. Jornada 20ª. Jornada Classificação 21ª Jornada Excelente entrada dos
Classificação Classificação Clubes P J Classificação anfitriões, a pressionar o
1 V. Guimarães 53 19
Clubes P J Clubes P J 2 Sp. Braga 44 19 Clubes P J seu adversário e a conseguir
1 Amarante 32 18 1 V. Guimarães
2 Sp. Braga
47
42
20
20
3 Bragança 36 19 1 Freamunde 41 21 construir situações de perigo
2 Fafe 31 18 4 Gil Vicente 30 19 2 Moreirense 38 21
3 Joane 31 18 3 Padroense 41 19
5 AD Barroselas 30 19 3 Fafe 36 21 até ao quarto de hora, com
4 Vila Meã 29 18 4 Freamunde 39 19
5 AD Oliveirense 29 18 5 Varzim 37 20 6 Varzim 29 19 4 Limianos 35 21 uma excelente oportunida-
6 Vizela 33 20 7 Vizela 26 19 5 Trofense 35 21
6 Leça
7 Famalicão
27
25
18
18 7 Diogo Cão 31 20 8 Marinhas 23 19 6 Vizela 34 22 de bem anulada pelo keeper
8 Torre Moncorvo 23 18 8 Rio Ave
9 Fafe
27
19
20
20
9 Famalicão 20 19 7 Chaves 32 21 trasmontano.
9 Rebordosa 21 18 10 Chaves 15 19 8 Famalicão 32 21
10 Infesta 18 18 10 Limianos 12 20
11 Ribeirão 12 19 9 Diogo Cão 25 21 Os forasteiros equilibra-
11 Serzedelo 17 18 11 Régua 11 20
12 Pedrouços 9 18 12 GD Cachão 3 20 12 ARC Paçô 7 19 10 Bragança 24 21 ram, implantando o seu bom
11 Caç. Taipas 23 21
Resultados 12 Valdevez 0 22 futebol apoiado e começava
Resultados Resultados
Leça  2-1  Amarante Vizela  2-0  Fafe Vizela  0-0  Gil Vicente
a adivinhar-se o golo tras-
Rebordosa  2-1  AD Oliveirense Varzim  2-3  V. Guimarães Famalicão  2-0  Chaves Resultados montano, que apareceu aos
Serzedelo  3-1  Pedrouços Sp. Braga  2-0  Rio Ave Marinhas  1-0  Varzim Limianos  2-1  Fafe
Vila Meã  1-1  Torre Moncorvo GD Cachão  2-0  Régua Ribeirão  3-1  AD Barroselas Moreirense  2-1  Famalicão
27’, pelo capitão Rui Lopes.
Infesta  0-0  Joane Freamunde  14/02  Padroense Sp. Braga  5-0  ARC Paçô Vizela  2-0  Chaves A equipa construiu, ainda,
Famalicão  1-2  Fafe Diogo Cão  5-0  Limianos Bragança  1-1  V. Guimarães Bragança  3-0  Valdevez
Caç. Taipas  2-2  Diogo Cão
mais duas oportunidades não
Próxima Jornada Próxima Jornada Próxima Jornada Freamunde  0-1  Trofense aproveitadas, atingindo-se
Amarante  21/02  Infesta
Fafe  21/02  Serzedelo
Vizela  21/02  Limianos Chaves  21/02  Gil Vicente
Próxima Jornada o descanso com a vantagem
Fafe  21/02  Varzim Varzim  21/02  Famalicão
Torre Moncorvo  21/02  Famalicão V. Guimarães  21/02  Sp. Braga AD Barroselas  21/02  Marinhas Famalicão  20/02  Limianos tangencial a ser o resultado
Joane  21/02  Vila Meã
Pedrouços  21/02  Rebordosa
Rio Ave  21/02  GD Cachão ARC Paçô  21/02  Ribeirão Chaves  20/02  Moreirense justo.
Régua  21/02  Freamunde V. Guimarães  21/02  Sp. Braga Valdevez  0-3  Vizela
AD Oliveirense  21/02  Leça Padroense  21/02  Diogo Cão Bragança  21/02  Vizela Diogo Cão  20/02  Bragança Regressam melhores os
Trofense  20/02  Caç. Taipas alvi-negros, bem organizados
Resultados Fafe  20/02  Freamunde
defensivamente e a contro-
Futsal - I Divisão Belenenses  5-3  Boticas
lar o meio campo, anulando
18ª. Jornada
Mogadouro  2-3  Freixieiro
Vila Verde  2-5  SL Olivais
Futsal Distrital o futebol directo do Amares
Alpendorada  6-2  Onze Unidos 13ª Jornada
e criando boas ocasiões para
Classificação FJ Antunes  1-2  AAUTAD/Real Fut
Sporting  6-2  Ins. D.João V Classificação dilatar a vantagem.
Clubes P J Clubes P J AD Fundão  2-4  Benfica
Clubes P J Aos 55’, o caso do jogo,
1 Belenenses 48 18 8 Alpendorada 24 18 Próxima Jornada
2 Benfica 45 18 9 FJ Antunes 22 18
1 C. Ansiães
2 Vila Flor
33
31
13
13
com a marcação de um casti-
Benfica  27/02  Belenenses
3 Sporting 41 18 10 Boticas 20 18
Boticas  27/02  Mogadouro 3 SC Moncorvo 26 13 go máximo que ninguém viu,
4 Ins. D.João V 31 18 11 SL Olivais 19 18
5 AD Fundão 28 18 12 AAUTAD/Real Fut 11 18 Freixieiro  27/02  Vila Verde 4 FC Mirandela
5 Torre D. Chama
24
20
13
13
mas que Norinho defende
SL Olivais  27/02  Alpendorada
6 Freixieiro 27 18 13 Vila Verde 10 18
Onze Unidos  27/02  FJ Antunes 6 GD Poiares 17 12 brilhantemente.
7 Mogadouro 27 17 14 Onze Unidos 5 17
AAUTAD/Real Fut  27/02  Sporting 7 GDC Roios
8 Stº Cristo
14
10
13
13
As expulsões de Bastê e
Ins. D.João V  27/02  AD Fundão
9 CA Carviçais 6 12 Adriano, aos 65’ e 69’, con-
Resultados ferem aos minhotos o ânimo
Futsal - III Divisão - Série A Amanhã Criança  4-4  Santa Luzia para equilibrar a partida,
A.R.C.A.  0-4  Barranha SC Resultados
Guimarães Futsal  3-7  Macedense passando o perigo a repar-
17ª. Jornada Junqueira  8-7  Paredes GD Poiares  5-7  SC Moncorvo tir-se pelas duas áreas com
Mondim de Basto  8-2  Contacto Torre D. Chama  11-2  UD Felgar
Classificação Pioneiros Bragança  4-3  Chaves Futsal C. Ansiães  8-1  GDC Roios sinal mais local. Os forastei-
Clubes P J Clubes P J
Gualtar  6-1  Monte Pedras Stº Cristo  2-5  FC Mirandela ros aguentaram, gerindo com
CA Carviçais  1-4  Vila Flor
1 Chaves Futsal 46 17 8 Paredes 21 17
Próxima Jornada muita cabeça 25’ com menos
2 Barranha SC 36 17 9 Gualtar 19 17 Macedense  16/02  A.R.C.A. Próxima Jornada um jogador e 21’ com menos
3 Contacto 35 17 10 Guimarães Futsal 19 16 Paredes  16/02  Guimarães Futsal
4 Junqueira 34 17 11 A.R.C.A. 18 17 Contacto  16/02  Junqueira SC Moncorvo  27/02  Stº Cristo dois, sem se remeter à defe-
5 Mondim de Basto 32 17 12 Amanhã Criança 11 16 Chaves Futsal  16/02  Mondim de Basto UD Felgar  27/02  GD Poiares sa ou recorrer ao anti-jogo e,
6 Monte Pedras 28 17 13 Pioneiros Bragança 10 17 Monte Pedras  16/02  Pioneiros Bragança GDC Roios  27/02  Torre D. Chama
7 Macedense 24 17 14 Santa Luzia 6 17 Gualtar  16/02  Amanhã Criança FC Mirandela  27/02  CA Carviçais por isso, sendo justos vence-
Vila Flor  27/02  C. Ansiães dores.

24 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

AF Bragança 1 CARÇÃO
ARGOZELO 5
Campo do Carção
Árbitro – Rui Paulo (AF Bragança)

Derby arrasador EQUIPAS


Carlos
Pedro
Pedro Vila
Zamalek
Gancho Adolfo
Grande jogo de futebol, Bruno Coutinho. O empate Vitinho Joel Jarrete
com muita emoção e um re- chegou a pairar, mas era in- Hugo Jorginho
sultado que poderia ser dife- justo, pois o Argozelo tinha Pimparel Nuno
Palhau Rato
rente, se Carlitos não falhasse mais bola e mais oportunida-
Nelson Careca
uma grande penalidade aos des, mas correu riscos desne- Bruno Coutinho Kita
65”. cessários. Gil Azevedo Ricardo Diz
Aliás, também o Argoze- O intervalo era bem vin- Mitcha Luizinho
lo poderia ter acabado com do, até porque a equipa de F. Victor Serginho
o jogo pouco depois do 2-0, Teixeira perdeu Joel Jarrete Hugo Vaz JP
mas a sorte não esteve do e o meio campo demorou a Samuel

lado de Joel Jarrete e Ricar- recompor-se. Veio, então, um TREINADORES


do Diz, que falharam lances período de entrega da turma Argozelo goleou vizinhos de Carção António Forneiro Fernando Teixeira
incríveis. de A. Forneiro que surpre-
Certo é que o jogo não foi ende pela negativa, ao sofrer vizinha, que ainda chegou aos daria um espectáculo de Golos: Joel Jarrete 4”, Ricardo Diz 10”,
mais completo porque o Cam- tanto golo. Na 2ª parte, Kita 5-1. Exagerado, talvez, mas grande qualidade, tanto pe- 75” (ambos de penalti), Bruno Coutinho
po do Carção não tem condi- tentou arrumar com o jogo ao com toda a armada dentro do los golos como pela emoção. 41”, Kita 49”, Serginho 90+2
Disciplina: Vermelho por acumulação
ções para o jogo da bola. fazer o 3-1, mas reagiu a equi- campo (só faltou P. Martins), O frio fez-se sentir com tem-
– Carlitos 75”
Entrou forte o líder e deu pa da casa, que falhou uma não podia dar noutra coisa, peraturas negativas e Rui
um salto no resultado, mas grande penalidade por Carli- ainda mais com a expulsão de Paulo provou que é o me-
o jogo parecia aberto com as tos. Foi aqui que o jogo termi- Carlitos. lhor juiz neste distrital. Dei-
reacções do Carção, que aca- nou para a equipa de Carção Pena foi o estado do cam- xou jogar e os atletas foram
bou por marcar aos 41”, por e deu mais à vontade à turma po, pois esta partida no CEE exemplares.

AF Bragança 0 VIMIOSO
VINHAIS 1 AF Bragança 3 TALHAS
ALFÂNDEGA 0
Estádio Santa Luzia

Um golo bastou Jogo frio


Árbitro – Rui Dias (Bragança)
EQUIPAS
Luís Mário Nuno I

como a tarde
Tó-Zé Nuno II
principal rival, o Rebordelo. Samuel Antero
Nesta partida houve difi- Cavaleiro Pik
culdades em V. Reis construir Camané Joli  
Vitinho Rui
a equipa. Procurou o jogo,      Tarde fria num campo em
Pedrinha Infesta
mas o bloco forte de Carlos Ricardo Tiago más condições para a práti-
Garcia não deu qualquer pos- Bife João ca desportiva e futebol qua-
sibilidade à turma de Vimio- Luís Paulinho se sempre lento tornaram a
Pres. do Vinhais ainda pode sonhar so. Daí não estar a ser o cam- Kina Ricardo tarde pouco apelativa. 
peonato esperado para uma Márcio A equipa da casa procurou
O resultado foi justo e equipa que tem como tradi- Samuel
cedo o golo e fez embater du-
premeia o melhor futebol da ção lugares cimeiros. Agora, TREINADORES as bolas no poste. Numa
terra do fumeiro, que esteve resta terminar a prova e espe- V. Reis Carlos Garcia boa movimentação ofensi- Talhas continua a subir
em festa este fim-de-semana. rar pelo campo sintético para va, Chapinha assistia Marco André, na conversão de uma
Golos: Márcio 76”
Ao minuto 76”, o golo de começar uma época com mais num cruzamento perfeito, grande penalidade, aumenta-
Márcio, numa jogada em ve- tempo e tranquilidade. Há di- estrear o novo estádio muni- que só teve de encostar aos va a vantagem para 2-0. Mar-
locidade, deu à sua equipa ficuldades para treinar assim, cipal. Houve boa dinâmica de “27 minutos”, abrindo assim co, ao minuto 88, fechava a
três pontos necessários para aliás como tem acontecido ao ambas as partes, mas a vitó- o placar, resultado que se contagem em 3-0. 
manter a disputa com o seu Vinhais, que se prepara para ria vinhaense é justa com o manteria ao intervalo.  Numa segunda volta que
potencia e No segundo tempo jo- promete, o Talhas soma a
adivinha-se go muito disputado no meio sexta vitória consecutiva para
uma 2ª volta campo, com muitas faltas, o Campeonato, ocupando a
de qualida- e só de bola parada se cria- 4ª posição juntamente com o
de. va perigo. Aos 63 minutos, Mirandês.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 25


NORDESTE DESPORTIVO

AF Bragança 5 MOGADOURENSE
POIARES 0 Escolas 9 MONTES VINHAIS

EQUIPAS
POIARES 0
Estádio Municipal Mogadouro
Árbitro: Sílvio Gouveia PedroPinto

Goleada merecida EQUIPAS


Bruno9
Constãncio
Paulo Afonso
Gonçalo
Ricardo
Edu
Renato (Cap.)
Gabriel
Angêlo (22M)Nuno
Pires
Bruno Bata Diogo DuarteJoão
O Mogadourense regres- de jogo, o Poiares desperdi- LeonardoÂngelo
Filipe
João Carrasco
sou às goleadas ao derrotar o çou a única oportunidade de John
(A41M) Paulinho
Francisco
Poiares por 5 – 0, mas não foi empatar a partida com dois Vidinha
Hélder Tavares AkapourAlex Madeira
fácil obter tal resultado, num jogadores isolados em frente Fana (A87M)(A23M) (72M Rui Rodrigo
Rui Mendes
Tiago (Pik)
A portela
dia em que o muito frio que se ao guarda-redes Ricardo, que Rogério (A66M) Portela)
Nene (A60M) (76M Diogo Silva Diogo Oliveira
Leandro Ribeiro
fazia sentir afastou os adeptos saiu bem na cobertura em de-
Faia)
Filipe Portela Carlos MoraisRodrigo
do municipal. Aos 5”, Carlos fesa do resultado. Ruben
MarcosCarlos Nascimento
Madeira teve uma contrarie- Na segunda parte, toda Paulo (A32M)Jorge Dias (5M Carlitos
dade, a lesão de Jorge Dias ela da equipa da casa, o Poia- Golos à farta Vicente
Beto (71M Alves)Pedro Botelho)
que foi substítuido por Pedro res ia adiando o inevitável, Vítor Gaspar TREINADORES
O Montes de Vinhais en-
Botelho. Adivinhava-se o golo defendendo em força um Filipe Gaspar Pedro Massano
trou em campo com vontade
da equipa da casa e depois de possível segundo golo, que TREINADORES
de vencer e neste jogo só deu Golos: Tiago PiK (4), Leonardo (3), Diogo,
terem desperdiçado algumas viria a acontecer aos 67”, por Carlos Azevedo Carlos Madeira
Vinhais. Depois de marcar o Carlos Oliveira
oportunidades, surge, então Paulo, com todo o espaço do
primeiro golo, foi só esperar
Vidinha, aos 19”, a inaugu- mundo. Adivinhava-se gole-
pelo intervalo com muitos
rar o marcador. À meia hora ada e assim foi! Jogados 67”
e Marcos faz o 3 – 0 com um golos, tendo a equipa somado da capital do fumeiro.
remate potente e um grande 4 – 0. De realçar, ainda, que fal-
golo de fora da área. Aos 75”, A segunda parte não trou- ta 1 jogo para chegar a meio
um infeliz Rui Portela faz o xe nada de novo. O Montes de do campeonato e a equipa

Infantis 4 ESCOLA CRESCER


MACEDO 0 auto-golo, dando o 4 – 0 ao
adversário. A 5” de terminar
a partida, Paulo concluiu o
Vinhais sempre a comandar o
jogo e o Poiares defendeu-se
com as armas que tinha, não
Montes de vinhais já soma
110 golos marcados.
A equipa de arbitragem
Campo do CEE - Árbitros – Pedro

Muito Lopes e João Vaz (Bragança)


EQUIPAS
resultado do Mogadourense
com o 5 – 0 final. Quanto à
chegando uma única vez à ba-
liza do Vinhais com perigo. O
interveio quando foi preciso,
com correcção, demonstran-
arbitragem, os cartões foram resultado final foi um expres- do um grande profissionalis-
limitados J Tiago
Tiago
Zé Carlos
Filipe
Caer
Torres
bem mostrados e a vitória da
equipa da casa não deixa no
sivo 9 – 0 a favor da equipa mo.

Miguel Vinhas foi muito for- F Martins R Miguel ar quaisquer dúvidas.


te na construção do jogo, mas a Esteves Dani
Miguel Vinhas Janeca
falta de Hugo Lopes, devido a le-
Rui Dinis Dias Aires
são fez-se notar.
Com baixas de peso no ata-
que, a Escola Crescer viu-se obri-
Pedro Padrão
M Machado
Kiko Vaqueiro
Coelho
Cadete
Cabe
infantis 0 BRAGANÇA
MIRANDELA 3
Campo do CEE - Árbitros – João Ma-
gada a jogar, desta vez, para a Leandro Reis

Muita vontade
nuel e Carlos Meco (Bragança)
altura do médio Miguel Vinhas e P Machado
EQUIPAS
resultou. O atleta marcou 3 golos TREINADORES
Luís Alberto Branquinho
e jogou bem. Na verdade, acabou Nuno Pereira Hugo Ribeiro João Patadas
por ter a seu lado um grupo na Tomás André Pontes
linha da frente, como Boris e o Golos: Miguel Vinhas 12”, 23”, 54”, Kiko
Leandro Pedro Noronha
Vaqueiro 34”.
guardião Pedro Gouveia. Todos Ruben Luís Ribas
fizeram bem o seu papel, numa Alexis F Costa
prova muito equilibrada, em que líderes azuis celestes Nuno Fernandes Tiago Morais
P Cabeça E Lopes
a Escola terá que recuperar estes cumpriram a missão, ao
Francisco Pedro Inácio
3 elementos, pois são essenciais. ganhar por 13-1. Os golos Aurélio Pedro Afonso
No entanto, João Tiago também da equipa de Bragança Nuno II José Pereira
esteve bem na baliza. O Macedo foram repartidos entre Luís Brea
lutou com muita influência de Pedro Afonso (5), J Veiga TREINADORES
jogo, com a velocidade de Janeca (2), Nuno (2), Tiago (2), Filipe Freixedelo Ricardo Gomes
e do avançado Cadete. Embora F Vale e Marcelo. Pelo
tivessem tido poucas oportuni- Macedo marcou Mário, Golos: Pedro Noronha 23”, Pedro Afonso
dades, poderiam ter feito um ou num jogo com um só 43”, Luís Brea 55”
dois golos, mas Tiago não foi na sentido e que dá à Escola
conversa. N Crescer a sua 15ª vitória
G D Bragança, com golos de
Na categoria de Escolas, os em outros tantos jogos. Mirandela mostrou como se joga
Miguel, Mateus e Félix, numa
O candidato Mirandela este foi um jogo com miúdos contenda rápida, que poderia
sentiu algumas dificuldades à procura de um lugar ao sol. dar muitos mais golos. O à
para vencer a equipa B do Houve fases da partida em vontade das equipas em jogar
Bragança, no CEE. que os movimentos tácticos futebol sobressaiu. Apesar do
Foi com muita vontade deram brilho ao jogo. Como frio, os pais marcaram pre-
que o conseguiu, pois os jo- candidato, o Mirandela ga- sença com alegria e motivan-
vens da casa jogaram bem, nhou, mas estes jogadores do do os miúdos. Esta equipa B
tiveram postura e acabaram Bragança ainda vão dar que do Bragança está em forma-
mesmo por merecer o golo falar. ção e já tem um líder: Mar-
de honra. Ricardo Gomes viu Na categoria de Escolas, co Trigo, um brilhante guar-
a sua equipa um pouco des- o Mirandela ganhou por 8- da- redes. É uma equipa que
comprimida e acabou por se 3, com os visitantes a marcar Sérgio Barros não precisa de
zangar tecnicamente, mas a por Carlos Fernandes (3), Mi- mostrar o seu trabalho bem
vitória acaba por ser justa. A guel Martins (2), José Morais ordenado, calmo e com mui-
Emoção nas 4 linhas manhã estava muito fria, mas (2) e Ventura. Respondeu o tos progressos.

26 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Futsal III Divisão 4 PIONEIROS


CHAVES 3 Futsal III Divisão 3 GUIMARÃES
MACEDENSE 7
Jogo no Pavilhão da escola EB 2,3 de

Bruno Silva marcou Matadores Moreira de Cónegos


Árbitros: Sérgio Lourenço e João
Salgueiro (A. F. de Aveiro)

a diferença na finalização EQUIPAS


Naita Paxa
Os Pioneiros venceram o muitos outros. Nos Pioneiros, Graça (cap) Leonardo (cap)
Chaves, líder da série A, por o 4º golo veio dos pés de Pi- Romão Patrick
Ricardo Medonha Play
4-3. Para os violetas fica a poca e Curtinhas, que vem
Freitas (cap) Ricardinho
fama de ter sido a primeira mostrando subida de forma. Coelho Paulo Santos
equipa a derrotar os flavien- O treinador- jogador André Sardinha Estrela
ses durante esta época. O jo- tem estado em grande, ao Escuro Luís
gador da noite foi Bruno Sil- conseguir somar vitórias que Pedro Daniel
va, com 3 golos, que deixou ainda podem dar alento para Verona Capulho
Pedro Cepeda de cabeça a an- a manutenção, apesar de ser Carlos Diogo
Xapota Ruben
dar à roda. O Chaves apresen- tarefa difícil. Esta equipa teve
tou jogadores como Tozé Du- uma postura de I Divisão e só TREINADORES
rão, Barroso, Pedro Cepeda e assim poderá vencer. Tony Costinha

Golos: Patrick, Sardinha, Ricardinho,


Sardinha, Play, Ruben, Freitas, Patrick,
Leonardo, Play.
Macedense imbatível Disciplina: Freitas, Graça, Sardinha, Play,
Patrick; vermelho Graça, Play, Patrick
FERNANDO CORDEIRO gres a jogar e, muito especial-
mente, a denunciar elevados
Excelente entrega de am- níveis de entrosamento e con- local, os trasmontanos po-
bas as equipas, até ao 3-5, que fiança, foram a demonstração diam ter inflacionado muito
surgiu, sensivelmente, a meio de uma equipa que sabe o que mais o resultado, mas o seu
da segunda metade. Este foi o quer, quando e como o fazer técnico resolveu dar minutos
momento em que os locais se em campo. Tanto assim foi, aos menos utilizados e expe-
renderam ao futsal trasmon- que aguentaram o maior por- rimentar sistemas alternati-
tano, baixando nitidamente te atlético do seu adversário, vos em jogo, deixando bem
os braços, reconhecendo a foram sempre superiores no vincado que a equipa ainda
superior qualidade e acusan- futsal praticado e estiveram pode crescer mais.
do também o desgaste físico. sempre na frente do marca- Quanto aos árbitros, fize-
Os transmontanos, tacti- dor. ram um trabalho de qualida-
Poderio violeta camente irrepreensíveis, ale- Com o baixar dos braços de superior.

Taça AFB - Futsal Juvenil 1 TD CHAMA

EQUIPAS
PIONEIROS 2
Pioneiros organizados
Rui Sarmento Luís André
Valter Alexis
Mário Teixeira Do Vale
Inácio Hugo2
Pedro Felgueiras Luís Gonçalves
Jogou-se mal em pratica- No segundo tempo, os
Hugo Bruno
mente toda a primeira parte, violetas fizeram uso da boa Armando Fel- Hugo
apesar da equipa visitante ter capacidade colectiva, criaram gueiras Carlos Nuno
entrado forte. muitas dificuldades à equipa Carlos Morais Luís Fernandes
A frequência, em dema- da casa, empatando a partida Ivo Guerra Tomás
sia, de jogadas individuais, por intermédio de Bruno e, João Paulo
por parte dos violetas, facili- logo de seguida, JP coloca- TREINADORES
tou o esquema da equipa da va os Pioneiros na frente do António Felgueiras Cardinho
casa, que defendia bem e par- marcador, dispondo ainda de
tia rapidamente para o con- várias situações para finalizar. Com vista à final, os viole-
tra-ataque. Nos minutos finais, o Torre D. tas conseguiram, assim, van-
Inaugurou o marcador Chama tentou o empate, mas tagem de 1 golo, onde terão
aos 8 minutos, chegando ao sem sucesso, pois pela frente de a defender no seu reduto,
intervalo com vantagem de 1 tinha uma equipa melhor or- no próximo dia 28.
Pioneiros abriram e fecharam o marcador golo. ganizada, na 2ª parte. Boa arbitragem.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 27


NORDESTE DESPORTIVO

Escolinhas 2 MOGADOURO
MÃE D’ÁGUA 2 1
Futsal Feminino 3 MOGRÃO
PIONEIROS
Estádio Municipal de Mogadouro

Jogo repartido EQUIPAS Violetas reforçadas


Rafael Tefa
Simão Ricardo
Cordeiro Bruninho
Caseiro Rodrigo
Toni Paulinho
Vasco Afonso Rafa
Filipe Joel
Marcelo Edú
Fábio Xavier Inácio
Luca Milani André
Mendes Tiago
Rui Cruz Queirós

TREINADORES
Rui C. “ Careca”

Golos: Rui Cruz 14”, Canelão 26”, Marcelo Bragançanas felizes com o resultado
32” Rudra 45”
Mãe d´Água queria avançar na classificação
A equipa violeta femini- da com os postes. Os golos só
Jogo repartido, com o específico está a dar resulta- certo, mas o grupo foi essen-
na foi vencer fora de portas chegaram no segundo tempo,
Mãe d` Água a tentar chegar- dos. Muitos dos jogadores cial.
em mais um jogo importante ao minuto 14”, pela equipa da
se à frente na tabela classifi- correram contra o frio e o re- Na categoria e Infantis, o
frente à equipa do Mogrão, casa, na sequência da marca-
cativa. Foi um empate justo, sultado foi mesmo o empate. empate a uma bola foi uma
que se apresenta com ex- ção de um livre.
tendo em conta o Mogadou- Agora resta continuar a traba- luta de V Machado que só
atletas do G.D. Macedense. A resposta veio logo a
rense atrevevido, que procu- lhar. O apoio dos familiares é tinha 7 jogadores, mas não
Numa boa entrada no jogo seguir e, em 2 minutos, os
rou muito a baliza de Tefa. mesmo o mais importante. perdeu, sozinho, mas com
da colectividade violeta, re- Pioneiros deram a volta ao
Está em boa forma e o treino Bruninho jogou muito é dignidade.
forçada por de Sílvia, que é marcador, através de Daniela
treinadora-jogadora, a turma e Catarina, num belo golo a
apresentou maior consistên- 15 metros da baliza. Vanessa
Futsal I Divisão cia defensiva e desperdiçou Rey fecharia a contagem, ao
várias oportunidades de golo, minuto 8”, confirmando as-
duas delas por Vanessa Rey, sim o estatuto de favoritas na

Renato estreia-se
que estava de pontaria afina- prova.

2 AC MOGADOURO
3
em grande
FREIXIEIRO
Pavilhão Junta de Freguesia de
Mogadouro
Árbitros: Nuno Oliveira e Celso Luís
CARLOS RIBEIRO Resposta segura do Freixieiro (AF Coimbra)
em que Eric, acabado de en- EQUIPAS
O Académico de Moga- trar, coloca, ao minuto onze, Pina Rui
douro perdeu, pela segunda o resultado em 1 – 1. Até ao Gilberto Ricardo
vez consecutiva, no espaço intervalo, assistiu-se a um Renato Ivan
de oito dias. 2 – 3 contra o jogo muito equilibrado entre Mario Freitas Nene
Freixieiro, no jogo em que se as duas formações. Ricardinho Paulinho
Bruno Pereira Tiago Brito
estrearam Gilberto e Renato. A segunda parte come-
Miguel Castro Eric
Este último, estreou-se de çou, praticamente, com um Pin Tiago
Académico perdeu pela segunda vez consecutiva
forma soberba, marcando os livre indirecto. Pina não viu Kaka Roque
dois únicos golos da sua equi- a bola partir e Ivan com um marcou um golo fabuloso de melhor forma um livre de dez Allyson
pa, mas que não chegaram toque fez o 1 – 2 para o Frei- canto directo com a ajuda do metros com um remate forte Wallace
para vencer. Sem Manuso, xieiro. Aos 30”, Ivan entrou guarda-redes da formação da de Renato a colocar o resul- TREINADORES
Neysinho, Gildemario e Dou- com tudo sobre Ricardinho e, casa. 3 – 1 para o Freixieiro. tado final em 2 – 3. Nos 5” Treinador Treinador
glas, e com alguns jogadores apesar de já ter um amarelo, Nos minutos finais, Artur Pe- finais, a equipa da casa deu
em baixo rendimento, come- deveria ter visto o segundo e reira arrisca tudo, trocando tudo por tudo na tentativa de Golos: Renato(Mog.) 1 – 0 (9M); Eric (Frei.)
1 – 1 (11M); 1 – 1 Intervalo
ça a ser preocupante para o consequente vermelho. Algo Pina por Wallace, um guar- empatar o jogo, o que seria
Ivan (Frei.) 1 – 2 (25M), Tiago (Frei.) 1 – 3
Mogadouro manter-se nos que não aconteceu e o joga- da-redes mais avançado, que um mal menor. Mas há que (32M), Renato (Mog.) 2 – 3 (35M)
Play-Offs. Aos nove” de jogo dor manteve-se em campo. ajudou a encostar o freixieiro ter fé, ainda faltam 8 jorna- Disciplina: Kaka (A13M), Pin (A30M); Eric
e Renato, ao segundo poste, Aos 32”, canto do lado direi- à sua grande área. Aos 35”, das, mais uma em atraso, e (A13M), Ivan (A27M)
faz o 1 – 0 para o Académico. to da baliza de Pina e Tiago o Académico aproveitou da muito ponto para disputar.

28 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 29
NORDESTE DESPORTIVO

4 5
ESC. ARNALDO PEREIRA
Pré-Escolas ESCOLA CRESCER

Pavilhão Bragança - Árbitros – V


Veríssimo e Ana Pedro (Bragança)

Haja mais provas assim! EQUIPAS


Portela
Pedro Nuno
Miguel
Bruno
Mário Vaz
Ede
o seu primeiro título. Fala- cer muitos e novos amigos e o Ruben J Pires
Lex Sara
mos, naturalmente, de todas futebol é mesmo assim.
Henrique Gonçalo
as equipas, nomeadamente o A um minuto do fim, o re- Mariana Pedro
Vila Flor, Macedense e Santo sultado estava em 3-3 e todos Diogo Mário
Cristo. Para bem da peque- tiveram tempo para dar calor Duarte Rui
nada aí está um campeonato ao jogo. Num minuto mar- Bruno Narciso
que dá também para conhe- caram 3 golos, com a Escola Almeida Rodrigo
Saraiva
João Gomes
Mário II

TREINADORES
Manuel Rodrigues Beto

Golos: Nuno /2/,Ruben,Henrique (Arnado


Pereira), Gonçalo /2/,Mario, Rui, Narciso
(escola Crescer).

Equipa da Escolinha Arnaldo Pereira...


Crescer a ganhar à tangente.
Houve tempo para muitas
Bom jogo com esta ca- equipas foram mistas, com fintas.
mada de formação, a correr uma menina de cada lado, e Foram 25” corridos, por
bem atrás da bola e a querer muita gente no pavilhão. Es- falta de cronometrista, e es-
mostrar o seu trabalho, que tão nesta prova mais 3 equi- peramos que estes jovens
se submete, para já, ao pro- pas e vão estes jovens agarrar árbitros, que deram um bom
cesso de aprendizagem. As a oportunidade de saborear ...e turma da Escola Crescer exemplo, continuem.

Atletas quenianos no pódio


FRANCISCO PINTO ta Milka Jarotich, também cou marcada pelo frio que
da Nike, acabou por se sa- se fez sentir um pouco por
grar vencedora em seniores toda a região, uma situação
Pedro Valente e Lu- femininos. que acabou por não ser fa-
cinda Moreiras foram O melhor trasmonta- vorável para os 140 atletas
os melhores atletas no foi Pedro Valente, com que participaram na prova,
o tempo de 52.55 minutos, tendo em conta a dureza nos
transmontanos da acabando por se classificar percursos. O traçado é con-
prova na 8ª posição. Em femini- siderado difícil pelos atle-
nos, destaque para Lucinda tas, já que inclui uma subida
Dois atletas quenianos Moreiras, 4ª classificada, à serra de S. Cristóvão, em
venceram a 8º edição dos com 1.01.39 horas. Figueira.
“Trilhos de Mogadouro”, a Por equipas, a luta foi A prova foi organizada
primeira prova do Campe- renhida entre as principais pelo município de Moga-
onato Nacional de Monta- favoritas, onde as três pri- douro, com o apoio da Junta
nha em Atletismo Salomon/ Africanos ficaram com as melhores medalhas meiras posições da geral de Freguesia de Valverde,
2010, que decorreu, anteon- foram ocupadas pelo Mara- Associação Cultural, Des-
tem, em Mogadouro. Ken- correr os 13, 5 quilómetros a luta com segundo classi- tona Clube de Portugal, N.A. portiva e Recreativa de Val-
neth Kiplino, da Nike, es- do traçado, em 47.54 minu- ficado foi renhida, ficando de Matosinhos e G.D.C. Cas- verde, “Terras de Aventura”
tabeleceu mesmo um novo tos, mais 1 minuto que o an- separados por, apenas, três telo de Paiva. e Federação Portuguesa de
recorde no circuito, ao per- terior “score”. No entanto, segundos. A sua compatrio- A edição deste ano fi- Montanhismo e Escalada.

30 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


RODAS & MOTORES

Emoções a duplicar
Câmara Municipal de Bragança e Rá-
dio Brigantia. Será a quarta edição do
Passeio TT Feminino, em 4x4, moto
e quad.

BRUNO MATEUS FILENA IV Passeio TT dedicado a todas


as mulheres
II Passeio de Automóveis An- Com um palmarés invejável no
tigos na cidade de Chaves e Desporto Automóvel (provas de Ve-
IV Passeio Todo-o-Terreno no locidade e Karting), Rosário Sotto-
Feminino mayor aceitou amadrinhar este even-
to ao volante de um Mercedes GLK.
Esta mulher, piloto de eleição, cola-
bora, pela segunda vez com o NAC,
100 à Hora já que, em 2007, marcou presença
na Rampa de Bragança com o carro 0
Macedo de Cavaleiros (zero), um Porsche 911 SC. Também
Lígia Albuquerque, cabeça de cartaz
TT Nacional do passeio de 2008, enriquecerá o rol
de convidados com o seu regresso ao
Nordeste Transmontano, onde parti-
cipará com o seu Toyota.
Elas estão de volta ao TT
O percurso de 90 quilómetros do
IV Passeio TT no Feminino, dividir-
A delegação de Chaves do Nordes- que do Calendário das Actividades se-á por duas etapas, de dificuldade
te Automóvel Clube (NAC) organiza 2010 do NAC, inclui Alturas do Bar- reduzida, em que se apreciarão as en-
o II Passeio de Automóveis Antigos, roso, com passagem por Boticas, e cantadoras paisagens nordestinas e a
Emoções em terras macedenses que terá lugar a 27 e 28 de Fevereiro. regresso a Chaves, via Montalegre. sua excelente gastronomia.
A jornada de abertura do Cam- Com cerca de setenta amantes No domingo, na cidade dos impera- A exemplo do ano passado, um
peonato Nacional de Todo-o-Ter- de clássicos inscritos, divididos por dores, haverá visitas guiadas à Torre NAC solidário doará 10 por cento do
reno realiza-se, este ano, em Ma- 26 viaturas, este evento contará com de Menagem, ao Museu Militar e às valor das inscrições (que terminam a
cedo de Cavaleiros. A caravana do a participação de associados prove- famosas Termas de Chaves. 1 de Março) ao Lar de S. Francisco,
todo-o-terreno nacional volta ao nientes dos mais diversos pontos de Outro acontecimento produzido uma Instituição Particular de Solida-
concelho já nos próximos dias 19 e Norte a Sul de Portugal. pelo NAC decorre no próximo dia 6 riedade Social de Bragança, que al-
20 para disputar a 18.ª edição do O percurso, que marca o arran- de Março, em estreita parceria com a berga jovens desprotegidas.
Rali TT Serras do Norte, organiza-
da pelo Motor Clube de Guimarães
com o apoio da Câmara Municipal
de Macedo de Cavaleiros.

Desafiar a velocidade
A prova é também pontuável
para o Desafio ELF/Mazda, que
mais uma vez escolheu Macedo de
Cavaleiros para disputar uma das
suas seis etapas. B.M.F.
A competição tem já confirma-
da a presença de grandes nomes do
todo-o-terreno como o campeão
Circuito de Vila Real apre-
nacional, Filipe Campos, Rui Sou- sentado em Lisboa com
sa, Bernardo Moniz da Maia, José envolvência institucional
Diniz Lucas e José Gameiro.
À semelhança dos anos an- no redline
teriores vai ser apresentada uma
edição renovada, procurando-se O 43º Circuito Automóvel de Vila
este ano recuperar o espírito dos Real foi apresentado na Bolsa de Tu-
primórdios da modalidade. O iní- rismo de Lisboa (BTL). Estiveram
cio do espectáculo está marcado presentes diversas personalidades
para sexta-feira à tarde, dia 19, nacionais, das quais se destacaram
com uma Super Especial de apro- Ricardo Silva, director de Marke-
ximadamente 8 Kms, com início ting do Autódromo do Algarve, que
no Pontão de Lamas, passagem por é considerado, actualmente, um dos
Corujas e final em Podence, junto à melhores autódromos do mundo;
estrada do Zoio, percurso que será também os seus dois pilotos de re-
percorrido por duas vezes e cuja ferência, Tiago Monteiro e Manuel Apresentação do Circuito de Vila Real na BTL, com a presença do Olavo Bilac
soma das duas passagens ditará a Gião, e ainda a prestigiante presença
ordem de partida para o Sector Se- de Rodrigo Gallego, único português que eleva o bom nome do País”. Agência de Promoção Externa da Re-
lectivo do dia seguinte. a sagrar-se Campeão do Mundo de Haverá várias novidades neste gião Norte, Melchior Moreira, mos-
No segundo dia da prova os Fórmula 1 Clássicos. próximo circuito onde correm alguns trou-se “orgulhoso por estar a apoiar
pilotos terão pela frente cerca de O vice-presidente da Câmara dos melhores pilotos da Europa em um dos circuitos citadinos mais em-
300 Km. Trata-se de um percur- Municipal de Vila Real, Domingos carros que desafiam os limites da ve- blemáticos da Europa que honra toda
so com ponto de partida e chega- Madeira Pinto, afirmou que “a autar- locidade, aos níveis da promoção e a Região Norte e que mostra enorme
da na Zona Industrial e passagem quia está empenhada em elevar este da animação, mais rigor ao nível da vitalidade nesta nova era do Turis-
por Corujas, Comunhas, Murçós, acontecimento ao mais alto patamar estruturação orgânica e, também, ao mo Nacional”. Segundo o responsá-
Meles, Brinço, Carrapatinha, Vale do desporto automóvel, porque a ci- nível das competições proporciona- vel, este é “um evento que permite
Pradinhos, Cortiços, Bornes, Grijó, dade está preparada para receber das ao público presente. uma plataforma de promoção única,
Carrapatas e Pinhovelo, que será os milhares de visitantes e este não O presidente da Entidade Re- atraindo milhares de pessoas e colo-
percorrido por duas vezes. é apenas um projecto regional, mas gional de Turismo do Porto e Norte cando a imagem da região além fron-
também um acontecimento nacional de Portugal e também presidente da teiras”.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 31


PUBLICIDADE

nais e nacionais em especial com os de tutela do sector da protecção


civil e dos bombeiros;
f) Representar os seus associados em todas as situações de interesse
geral;
g) Estabelecer relações e acordos com outras entidades, públicas ou
privadas, nacionais, estrangeiras ou internacionais e assegurar o seu
fiel cumprimento;
h) Pronunciar-se sobre projectos de natureza legislativa e normativa
que versem sobre questões dos sectores associativo, da protecção ci-
vil e dos bombeiros, em particular, bem como sobre todas as matérias
que sejam submetidas à sua apreciação pelas entidades competentes;
i) Constituir, promover ou participar, por sua iniciativa ou em co-
laboração com outras entidades, parcerias, sociedades, grupos de
trabalho, comissões especializadas, ou integrar comissões, ou órgãos
consultivos, de outras entidades, locais, regionais ou nacionais, bem
como promover, designadamente realização de encontros, confe-
rências, viagens de estudo, concursos e outras acções tendentes a
dignificar, valorizar e divulgar a Associação bem como a fomentar a
formação, preparação, treino e intervenção dos bombeiros;
j) Promover o alargamento de acções, visando o benefício dos asso-
ciados e de quantos participam das suas actividades específicas;
k) Promover a organização de iniciativas baseadas no princípio da
cooperação, tendentes a obter a autonomia económica e financeira
da Associação;
1) Desenvolver, com estrita observância do seu fim não lucrativo e
sem prejuízo do seu alvo principal, outras actividades, a titulo gra-
tuito ou remunerado, individualmente ou em associação, parceria ou
por qualquer outra forma societária legalmente prevista, com outras
pessoas singulares ou colectivas, desde que permitidas por delibera-
ção da Assembleia Geral.
m) Decidir os conflitos que sejam submetidos ao Conselho Disci-
plinar;
n) Fomentar o espírito do associativismo e do voluntariado junto da
população e das entidades públicas e privadas;
o) Disponibilizar aos associados informações atempadas e correctas,
relativamente ás matérias que são da sua competência e atribuição;
p) Promover a imagem dos bombeiros junto dos meios de comuni-
cação social;
q) Cumprir e fazer cumprir a lei e os regulamentos em vigor, no âm-
bito das suas competências.

CAPÍTULO II
Dos sócios
SECÇÃO I
ARTIGO 4º
Podem ser sócios da Associação, em número ilimitado, todos os in-
divíduos. sem limite de idade, mínima ou máxima, assim como as
pessoas colectivas legalmente constituídas.
ARTIGO 5.°
Haverá as seguintes categorias de associados:
a) Efectivos - As pessoas que se obriguem ao pagamento da jóia e da
quota estabelecidas pela Assembleia – Geral.
b) Auxiliares - As pessoas que prestem ou tenham prestado à Asso-
ciação serviço efectivo, assim como os sócios que deixarem de ser
efectivos, que demonstrem não ter condições económicas para o pa-
gamento de quotas.
c) Beneméritos – As pessoas que, por serviços prestados ou por do-
nativos feitos à Associação, mereçam da Assembleia-Geral tal dis-
tinção.
d) Honorários – As pessoas que tenham prestado à Instituição servi-
ços que mereçam da Assembleia-Geral tal distinção.
e) Menores – As pessoas com idade inferior a dezoito anos, ficando a
admissão no entanto condicionada à autorização por quem legalmen-
te exercer o poder de tutela que, como seus representantes, são res-
ponsáveis pelo pagamento da quota e cumprimento destes estatutos.
ARTIGO 6.°
Serão deveres dos Associados:
a) Pagar pontualmente as quotas de valor mínimo e periodicidade a
fixar pela Direcção, tratando-se de efectivos e, ou, menores.
b) Comparecer às Assembleias-Gerais e reuniões para que forem
convocados;
c) Honrar a Associação e contribuir para o seu prestígio;
d) Cumprir os Estatutos, Regulamentos e acatar as resoluções dos
Corpos Gerentes;
e) Desempenhar, gratuitamente, salvo se excepcionalmente for deci-
dida a remuneração pela Assembleia-geral, com zelo os cargos para
que forem eleitos;
f) Defender o património da Associação;
g) Não cessar a sua actividade associativa sem prévia participação
escrita à Direcção.
ARTIGO 7.°
Serão direitos dos Associados:
a) Tomar parte nas Assembleias-Gerais e reuniões para que forem
convocados;
b) Votar e ser votado para qualquer cargo da Associação;
c) A tomar parte nas festas e sessões culturais;
d) A requerer por escrito certidão de qualquer de qualquer acta ou
fotocópia dos estatutos em vigor, mediante o pagamento de cinco
euros que reverterão para o cofre da Associação;
e) Aos sócios efectivos que façam parte do quadro activo do corpo de
Bombeiros ser-lhe-á facultado o transporte gratuito em ambulâncias
da Associação. que será extensivo aos membros do seu agregado fa-
miliar, desde que seja reconhecida tal necessidade:
f) Os restantes sócios terão direito a um desconto de 20% em trans-
porte de ambulâncias desta Associação, sobre o total a pagar. Esta
percentagem poderá futuramente ser alterada;
g) Eleger e ser eleito para os cargos sociais;
h) Requerer a convocação extraordinária da Assembleia-Geral, nos
termos do artigo décimo quinto;
i) Propor a admissão de sócios:
j) Examinar livros, contas e demais documentos. desde que o requei-
ram antecipadamente e por escrito à Direcção.
§ Único - Os sócios que façam parte do Corpo de Bombeiros não
podem discutir assuntos respeitantes à disciplina do Corpo a que
pertencem.
ARTIGO 8.°
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 de do Código do Notariado, que a esta fica anexo. 3 – Poderá ainda promover festas, bailes, sessões culturais, bem como Os sócios menores apenas exercerão os direitos que lhes forem esta-
Fevereiro de 2010 Está conforme o original na parte transcrita. o funcionamento. sem fins lucrativos, de uma sala «Bar», servindo de belecidos em Regulamento Geral Interno.
convívio para bombeiros, sócios e seus familiares.
CERTIDÃO Cartório Notarial de Vinhais, 09 de Fevereiro de 2010. ARTIGO 2.° CAPÍTULO III
Duração e sede social Dos órgãos da Associação
O Ajudante, 1 – A Associação tem a duração ilimitada e tem a sua sede na Rua dos ARTIGO 9.°
CARTÓRIO NOTARIAL DE VINHAIS São órgãos da Associação:
A CARGO DA ADJUNTA EM SUBSTITUIÇÃO Vítor Augusto Barreira Garcia Frades, freguesia e concelho de Vinhais.
ARTIGO 3º 1) A Assembleia-Geral;
MARIA DO CÉU DIAS PEREIRA 2) A Direcção;
Atribuições
Constituem atribuições normais da Associação: 3) O Conselho Fiscal.
ALTERAÇÃO DE ESTATUTOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS a) Deter e manter em actividade um corpo de bombeiros voluntários ARTIGO 10.°
BOMBEIROS ou mistos. com observância do definido no Regime jurídico dos Cor- A Assembleia-Geral é a reunião dos sócios efectivos no pleno gozo
Certifico, para efeitos de publicação, que por escritura de cinco de VOLUNTÁRIOS DE VINHAIS pos de Bombeiros. dos seus direitos e nela reside o poder supremo da Associação.
Fevereiro do ano dois mil e dez, exarada de folhas catorze a folhas b) Exercer os direitos e as funções que lhe sejam atribuídas por lei; ARTIGO 11.°
catorze verso do Livro de Notas número Oitenta e quatro-D, deste CAPÍTULO I c) Manter e fomentar o relacionamento institucional com os demais A direcção administra e representa para todos os efeitos legais a As-
Cartório, a “ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS ARTIGO 1.° agentes de protecção civil, mormente associações humanitárias e cor- sociação.
VOLUNTÁRIOS DE VINHAIS”, com sede na Rua dos Frades, fre- 1 – A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vi- pos de bombeiros, a nível local, regional e nacional e com corpos de ARTIGO 12.°
guesia e concelho de Vinhais. Pessoa Colectiva de Utilidade Pública nhais. fundada em vinte e quatro de Outubro de mil novecentos e bombeiros estrangeiros e respectivas entidades detentoras; O Conselho Fiscal inspecciona e verifica todos os actos administrati-
Matrícula número CINCO ZERO UM DOIS DOIS UM OITO DOIS trinta e cinco, tem carácter humanitário e cívico, tendo por fim prin- d) Manter e fomentar o relacionamento institucional com as organi- vos da direcção e vela pelo exacto cumprimento dos estatutos e regu-
QUATRO, em execução do deliberado na reunião da Assembleia- cipal socorrer feridos, doentes ou náufragos, extinção de incêndios e zações representativas das associações humanitárias de bombeiros, lamentos da Associação.
Geral de dez de Agosto de dois mil e nove e conforme consta na protecção de vidas humanas e bens, em caso de calamidade pública. designadamente, a nível distrital com a Federação Distrital de Bom-
referida acta número quarenta e sete, altera os estatutos da menciona- 2 – Tem ainda por finalidade promover o desenvolvimento físico, in- beiros e a nível nacional com a Confederação – Liga dos Bombeiros SECÇÃO II
da Associação, nos termos constantes do documento complementar, telectual e moral dos seus associados, contribuindo para a sua melhor Portugueses; Da assembleia-geral
elaborado de acordo com o número dois do artigo sessenta e quatro preparação. e) Manter o relacionamento com os organismos oficiais locais, regio- >>

32 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

>> vros de actas, bem como quaisquer outros documentos referentes à A Assembleia-Geral Extraordinária convocada pelo Presidente da 3 – Quando o motivo da expulsão tenha sido a falta de pagamento de
ARTIGO 13.° actividade da Associação, representar a direcção e a Associação nas Mesa para apreciação e decisão do recurso, reunirá no prazo máximo quotas é condição, para a readmissão, o pagamento das quotizações
A Assembleia-Geral funciona ordinária e extraordinariamente. suas relações coma câmara municipal, autoridades civis e militares, de dez dias. correspondentes ao período compreendido entre a decisão de expul-
ARTIGO 14.° organismos públicos ou pessoas estranhas à Associação. 3 – As listas admitidas à eleição serão referenciadas de acordo com são e a readmissão, podendo a Direcção permitir que, neste caso, os
A Assembleia-Geral funciona ordinariamente até 31 de Março de Ao vice-presidente compete auxiliar o presidente e substitui-lo nas a ordem de apresentação por letras maiúsculas ( ex. A,B,C, etc.) e encargos sejam satisfeitos, a requerimentos do interessado, em pres-
cada ano. em dia designado pela direcção, para proceder à apreciação suas faltas ou impedimentos. mandadas afixar no edifício sede da Associação. tações mensais, até ao máximo de doze.
e votação do relatório e contas de gerência do ano anterior, acompa- ARTIGO 25.°
nhados do respectivo parecer do conselho fiscal e até 31 de Dezembro Ao 1.° Secretário incumbe a organização, montagem e orientação CAPÍTULO V CAPÍTULO VI
de cada ano. para tratar, além de outros assuntos da eleição dos cor- de todo o serviço de secretaria, competindo – lhe, especialmente, a Das sanções e recompensas Do regime financeiro
pos gerentes da Associação. elaboração das actas, a preparação do expediente para a direcção, a ARTIGO 38.° ARTIGO 51:
ARTIGO 15.° assinatura da correspondência e, de modo geral, todo o expediente Infracção disciplinar Constituem receitas da Associação:
A Assembleia-Geral funciona extraordinariamente em qualquer épo- da Associação. Constitui infracção disciplinar, punível com as sanções estabelecidas a) Jóia e quotização dos associados;
ca do ano. a requerimento da mesa da própria assembleia geral. da ARTIGO 26.° nos artigos seguintes, a violação, pelo associado, dos deveres consig- b) O rendimento de heranças, legados e doações a seu favor;
direcção, do conselho fiscal ou ainda de, pelo menos, 25 sócios efec- Ao 2.° Secretário compete auxiliar no exercício das suas funções o nados no artigo 6.° c) As compensações dos benefícios ou dos responsáveis;
tivos no pleno gozo dos seus direitos, pedido que será feito por escrito 1.° secretário e, especialmente, organizar e manter em dia os registos ARTIGO 39.° d) Os subsídios do Estado, de autarquias locais, ou de outros orga-
e fundamentado, dirigido ao presidente da Assembleia-Geral. de sócios e demais documentos entrados na secretaria. Sanções disciplinares nismos oficiais;
ARTIGO 16.° ARTIGO 27.° Os associados que incorrem em responsabilidade disciplinar ficam e) Os donativos e o produto de festas e subscrições;
As Assembleias-Gerais serão convocadas através de editais afixados Ao Tesoureiro compete arrecadar as receitas da Associação, satisfa- sujeitos, consoante a natureza e gravidade da infracção, ás seguintes f) O produto de venda de exemplares dos Estatutos e de emblemas;
nos lugares públicos de costume, com antecedência mínima de 10 zer as despesas autorizadas, assinar todos os recibos de quotas, jóias sanções: g) As receitas das prestações de serviços;
dias, neles se indicando o dia, a hora e o local de reunião e a respec- e de quaisquer outras receitas, fiscalizar a cobrança e depositar em a) Advertência verbal; h) Os rendimentos dos arrendamentos e das parcerias.
tiva ordem de trabalhos. qualquer estabelecimento bancário de reconhecido crédito todos os b) Advertência por escrito;
§ Únicos – As Assembleias-Gerais funcionarão em primeira convo- fundos que não tenham imediata aplicação. Compete-lhe também c) Suspensão até doze meses; CAPÍTULO VII
cação com a presença da maioria absoluta dos sócios e, não havendo, actualizar o inventário do património. d) Expulsão. Conselho Disciplinar
poderão funcionar uma hora depois, com qualquer número, desde § - 1.° 0 livro (caixa) ou quaisquer outros de receitas e despesas serão ARTIGO 40.° ARTIGO 52.°
que o aviso convocatório assim o determine. escrituradas pelo tesoureiro. Competências disciplinar Estatuto e composição
ARTIGO 17.° § - 2.° O tesoureiro apresentará trimestralmente balancete documen- 1 – A aplicação das sanções previstas nas alíneas a), b) e c) do artigo 1 – O Conselho Disciplinar é a instância de recurso hierárquico das
Nas reuniões ordinárias podem as Assembleias Gerais resolver todos tado das receitas e despesas. anterior é da exclusiva competência das Direcção. decisões, em matéria disciplinar do Comandante do Corpo de Bom-
os assuntos das suas atribuições e competências. § - 3.° Anualmente, no fim da respectiva gerência e em relação ao ano 2 – A pena de expulsão é da competência da assembleia-geral. beiros.
Nas extraordinárias, somente acerca dos assuntos para que tenham futuro elaborará um orçamento onde constem, devidamente discrimi- ARTIGO 41.° 2 – O Concelho Disciplinar é composto pelos Presidentes da Mesa da
sido expressamente convocadas. nados, as possíveis receitas ordinárias e extraordinárias, bem como as Advertência Assembleia-geral, da Direcção e do Conselho Fiscal.
ARTIGO 18.° prováveis despesas da mesma espécie. A advertência verbal e por escrito são aplicáveis e falta leves, desig- ARTIGO 53.°
A mesa da Assembleia-Geral será composta de um presidente e dois ARTIGO 28.° nadamente no caso de violação de disposições estatuária e regula- Competência
secretários. O levantamento dos valores que se achem depositados só poderá mentares por mera negligência e sem consequências graves para a Ao Conselho Disciplinar compete, de acordo com a Lei, com os
§ 1.° As deliberações serão tomadas por escrutínio secreto, quando efectuar-se por meio de cheque ou requisição. que terão de ser assi- Associação. Estatutos e com os Regulamentos e com a base nos princípios do
digam respeito a nomeações, promoções e castigos de qualquer sócio, nados por dois membros da direcção. entre as quais constará obriga- ARTIGO 42.° Direito e da Justiça, decidir os recursos hierárquicos das decisões do
ou membro dos corpos gerente, ou quando esteja em causa assunto toriamente a assinatura do tesoureiro. Suspensão Comandante do Corpo de Bombeiros.
que envolva apreciação de mérito ou demérito de algum associado. ARTIGO 29.° 1 – A pena de suspensão até doze meses é aplicável nos casos de: ARTIGO 54.°
§ 2.° As restantes deliberações serão tomadas nominalmente, por Os vogais colaboram em todos os serviços relativos à administração. a) Violação dos Estatutos e Regulamentos com consequências graves Reuniões
levantados ou sentados, desde que essa forma de votação seja apro- SECÇÃO IV para a Associação; O Conselho Disciplinar reunirá por iniciativa do Presidente da Mesa
vada, pelo menos, por dois terços dos sócios presentes e em caso de Do conselho fiscal b) Reincidência do associado em faltas porque haja sido advertido da Assembleia-Geral ou na sua falta ou impedimento, por iniciativa
empate o presidente da mesa da assembleia terá voto de qualidade. ARTIGO 30.° ou censurado: de qualquer um dos seus outros membros, sempre que lhe seja dirigi-
ARTIGO 19.° O conselho fiscal será constituído por três membros, presidente, se- c) Escusa injustificada a tomar posse de qualquer cargo nos Órgãos do recurso hierárquico cuja decisão seja da sua competência.
Compete ao presidente da assembleia-geral: cretário e relator. Sociais da Associação, para que tenha sido eleito ou nomeado; ARTIGO 55.°
1) Convocar as reuniões e estabelecer a ordem de trabalhos; § 1.° Serão eleitos dois membros suplentes, que assumirão funções d) Desobediência às deliberações tomadas pelos Órgãos Sociais e em Decisões
2) Presidir às sessões, assistido pelos dois secretários; nas condições mencionadas no artigo 31.° geral. aos casos em que podendo ter lugar a expulsão. o sócio benefi- 1 – As decisões do Conselho Disciplinar são tomadas por maioria
3) Assinar conjuntamente com os secretários as actas da assembleia § 2.° O conselho fiscal funciona como uma comissão de sindicância. cie de circunstancias atenuantes especiais. dos seus membros.
a que presidir; ARTIGO 31.° 2 – A suspensão implica a perda do gozo dos direitos consignados no 2 – Não é permitida a abstenção na votação de matérias da competên-
4) Rubricar os respectivos livros, assinando os termos de abertura e O conselho fiscal não poderá funcionar com menos de dois membros, artigo 7.°, mas não desobriga do pagamento da quota. cia do Conselho Disciplinar.
encerramento; devendo preceder-se à eleição para cargos vagos logo que, esgotada a ARTIGO 43.° 3 – O Conselho Disciplinar deve proferir decisão sobre os recursos
5) Investir os sócios eleitos na posse dos respectivos cargos, assinan- lista dos suplentes, o seu número seja inferior ao indicado. Expulsão que lhe sejam submetidos no prazo de sessenta dias úteis, após a au-
do juntamente com eles os autos de posse. ARTIGO 32.° 1 – A expulsão implica a eliminação da qualidade de associado e será tuação dos mesmos.
ARTIGO 20.° Compete ao conselho fiscal: aplicável, em geral, quando a infracção seja de tal modo grave que 4 – As decisões do Conselho Disciplinar devem ser sempre funda-
Na falta de quaisquer membros da mesa, a Assembleia-Geral desig- 1) Verificar os balancetes de receita e de despesa, bem como a legali- torne impossível o vínculo associativo. mentadas. sendo ilícito ao membro que vote vencido expressar, resu-
nará de entre os sócios efectivos presentes os que forem necessários dade dos pagamentos efectuados; 2 – Ficam sujeitos, à aplicação da pena de expulsão, nomeadamente, midamente. as razões da sua discordância.
para completar ou constituir a mesa. a fim de dirigir os trabalhos com 2) Examinar periodicamente a escrita da Associação; os associados que: 5 – As decisões do Conselho Disciplinar constarão de Acórdão as-
as mesmas atribuições da mesa eleita 3) Fornecer à direcção parecer acerca de qualquer assunto sobre o a) Defraudarem dolosamente a Associação; sinado por todos os seus membros, do qual constará o voto vencido.
qual lhe seja dirigida consulta; b) Agressão, injúria e desrespeito graves a qualquer membro dos se o houver.
SECÇÃO III 4) Elaborar parecer sobre o relatório de contas da direcção, para ser Órgãos Sociais, à associação, às suas insígnias, ao Comando, aos 6 – O Acórdão será notificado ao recorrido e ao recorrente por proto-
Da direcção presente à assembleia-geral ordinária; Bombeiros, aos Colaboradores da Associação e a todos com quem, colo, ou por carta registada com aviso de recepção.
ARTIGO 21.° 5) Pedir convocação da assembleia-geral extraordinária quando se na qualidade de associado, se relacionem e por motivos relacionados ARTIGO 56.°
A Direcção da Associação é eleita por três anos, por escrutínio se- tornar absolutamente necessário. com o exercício do seu cargo. Dever de colaboração e cooperação
creto, podendo ser reconduzida no todo ou em parte em anos suces- ARTIGO 33.° 3 – Os associados que sejam punidos com a pena de expulsão não Sobre todos os associados, Órgãos Sociais, respectivos titulares e
sivos. Como comissão de sindicância compete ao conselho fiscal: podem ser readmitidos, salvo se forem reabilitados em revisão de membros do Corpo de Bombeiros, recai um dever especial de cola-
§ 1.° A direcção é composta por 10 membros, sendo estes efectivos 1) Informar com maior escrúpulo as propostas que lhe forem subme- processo. boração e cooperação com o Conselho Disciplinar sempre que para
com as categorias de presidente, vice-presidente. 1.° secretário, 2.° tidas e dar parecer sobre elas no prazo máximo de oito dias; ARTIGO 44.° tanto, por este, sejam notificados.
secretário, tesoureiro, 1.° vogal, 2.° vogal e três suplentes. 2) Inquirir do procedimento de qualquer sócio ou acerca de quais- Processo disciplinar
§ Único - Os presidentes da Assembleia-geral, da direcção e do con- quer factos que os corpos gerentes julguem ser dignos de averiguação As decisões de aplicação das penas de suspensão e expulsão serão CAPÍTULO VIII
selho fiscal estão impedidos de exercer quaisquer funções no quadro especial; sempre precedidas da instauração de processo disciplinar, com audi- Da extinção
de comando e no quadro activo do respectivo corpo de bombeiros. 3) Relatar os recursos para a assembleia-geral; ência obrigatória do associado. ARTIGO 57.°
§ 2.° O comandante do corpo activo dos bombeiros, ou quem subs- 4) Fazer com que as disposições dos estatutos e dos regulamentos ARTIGO 45.° Extinção
titua, é membro nato da direcção e deverá ocupar nesta qualquer dos sejam fielmente cumpridas. Recursos 1 – A Associação extingue-se quando ocorrer alguma das situações
cargos indicados no número um deste artigo, excepto o de presidente 1 – Da decisão que aplique pena de suspensão cabe recurso para a previstas no artigo 26.° da Lei n.° 32/2007 ou quando esgotados os
e membro suplente. CAPÍTULO IV Assembleia-Geral a interpor, pelo associado, no prazo de trinta dias seus recursos financeiros normais e encontrando-se em estado de in-
§ 3.° Podem ser eleitos membros da direcção quaisquer sócios efecti- Das eleições e votações a contar da notificação da decisão recorrida, devendo sobre o mesmo solvência, os associados recusem quotizar-se extraordinariamente.
vos, no pleno gozo dos seus direitos. ARTIGO 34.° ser tomada deliberação final, em Assembleia-Geral Extraordinária, 2 – A Assembleia-Geral só pode deliberar sobre a extinção da As-
§ 4.° A direcção não poderá funcionar com menos de quatro mem- Processo eleitoral até sessenta dias úteis após a interposição do recurso. sociação através de convocatória expressamente efectuada para esse
bros, devendo proceder-se à eleição para os cargos vagos logo que As eleições para os cargos da Assembleia-Geral, direcção e conselho 2 – Da decisão da Assembleia-Geral que aplique a pena de expulsão efeito e aprovada por um número de votos não inferior a três quartos
esgotadas as listas dos suplentes e o seu número seja inferior ao in- fiscal, bem como para os respectivos suplentes, são obrigatoriamente cabe o recurso judicial. da totalidade dos sócios efectivos existentes à data da Assembleia.
dicado. feitas trienalmente no mês de Novembro e as votações serão feitas ARTIGO 46.° 3 – A convocatória da Assembleia-Geral deverá ser feita nos termos
§ 5.° A direcção terá, pelo menos, uma reunião por mês e as suas por escrutínio secreto, escrevendo-se em uma só lista os nomes dos Consequências especiais previstos nos estatutos e na lei e deve ser afixada na sede e em quais-
deliberações só terão validade quando tomada por maioria absoluta sócios a eleger para os diferentes cargos. 1 – Os associados que façam parte do Corpo de Bombeiros e que se- quer outras instalações da Associação com a antecedência mínima de
de votos. ARTIGO 35.° Elegibilidade jam punidos com suspensão, nos termos do Regulamento Disciplinar oito dias em relação à data marcada para a sua realização.
ARTIGO 22.° São elegíveis os associados efectivos que satisfaçam, cumulativa- do Corpo de Bombeiros, ficam impedidos de acesso ás instalações da ARTIGO 58.°
Compete à direcção: mente os seguintes requisitos: Associação durante o período de suspensão. Declaração de extinção
1) Cumprir e fazer cumprir os estatutos, regulamentos e quaisquer a) Estejam no pleno gozo dos seus direitos sociais, de acordo com o 2 - Os associados que façam parte do Corpo de Bombeiros e que 1 – Nos casos previstos na alínea b) do n.° 1 do artigo 26.° da Lei
decisões da assembleia-geral; estabelecido nos artigos 6.° e 7°. dos presentes estatutos, à data da sejam punidos com demissão nos termos do Regulamento Disciplinar 32/2007, a extinção só se produz se, nos trinta dias subsequentes à
2) Zelar pelos interesses da Associação, superintendendo em todos apresentação das candidaturas; do Corpo de Bombeiros, perdem automaticamente, a qualidade de data em que devia operar-se, a Assembleia-Geral não decidir a pror-
os seus serviços da maneira mais eficaz e económica, promover o seu b) Sejam maiores de dezoito anos ou emancipados; sócio, por expulsão. rogação da Associação ou a modificação dos seus estatutos.
desenvolvimento e prosperidade; c) Não façam parte dos Órgãos Sociais de outras Associações con- ARTIGO 47.° 2 – A extinção por declaração de insolvência dá-se em consequência
3) Contratar e gerir o pessoal dos quadros da Associação, fixando os géneres; Distinções da própria declaração.
respectivos horários de trabalho e vencimentos; d) Não tenham sido destituídos dos Órgãos Sociais da Associação, Aos dirigentes, elementos do Corpo de Bombeiros, associados, pes- ARTIGO 59.°
4) Aprovar ou rejeitar as propostas para admissão de novos sócios por irregularidades cometidas no exercício das suas funções; soas singulares ou colectiva, entidades ou colectividades que por Efeitos da extinção
efectivos; e) Não tenham qualquer impedimento ou motivo de inelegibilidade serviços ou dádivas à Associação merecedores de especial reconheci- 1 – Extinta a Associação é eleita uma Comissão Liquidatária pela
5) Punir os sócios, nos limites da sua competência; nos termos da lei. mento, poderão ser atribuídas distinções de acordo com o regulamen- Assembleia-Geral ou pela entidade que decretou a extinção.
6) Eliminar os sócios efectivos nos termos dos estatutos; ARTIGO 36.° to de Distinções a ser aprovado pela Direcção. 2 – Os poderes da Comissão Liquidatária ficam limitados á prática
7) Elaborar os regulamentos necessários ao bom funcionamento dos Formalização de candidaturas dos actos meramente conservatórios e necessários, quer à liquida-
serviços da Associação em colaboração com o comandante e progra- 1 – As candidaturas às eleições são feitas segundo o sistema de SECÇÃO IV ção do património social, quer à ultimação dos negócios pendentes,
mar todas as deslocações das viaturas em manifestações de carácter lista completa para a Mesa da Assembleia-Geral, Direcção e Con- Suspensão, perda da qualidade de associado e readmissão sendo que, pelos actos restantes e pelos danos que deles advenham,
oficial; selho Fiscal, compostas por associados efectivos, no pleno gozo ARTIGO 48.° à Associação respondem solidariamente os titulares dos Órgãos So-
8) Fornecer ao conselho fiscal todos os esclarecimentos que lhe fo- dos seus direitos sociais, nas quais se especificarão a identificação Suspensão da qualidade de associado ciais que os praticarem.
rem solicitados para cumprimento da sua missão; completa dos candidatos, respectivo número de associado bem como 1 – Os associados efectivos podem, por razoes ponderosas devida- 3 – Pelas obrigações que os titulares dos Órgãos Sociais contraírem a
9) Propor à assembleia-geral a nomeação dos sócios honorários e a indicação do Órgão e cargo para que são propostos, incluindo os mente fundamentadas, solicitar à Direcção a suspensão da sua quali- Associação só responde perante terceiros se estes estavam de boa fé
beneméritos; suplentes. dade de associado, por um período máximo de um ano. e à extinção não tiver sido a devida publicidade.
10) Promover as festas e diversões que julgar convenientes, deter- 2 – As listas concorrentes aos Órgãos Sociais, a submeter a sufrágio, 2 – Do indeferimento caberá recurso para o Presidente da mesa da ARTIGO 60.°
minando as condições de assistência às mesas para sócios e suas deverão ser apresentadas ao Presidente da Mesa da Assembleia-Ge- Assembleia-Geral. Destino dos bens
famílias; ral, na sede da associação, quinze dias antes da realização da Assem- ARTIGO 49.° Sem prejuízo do estabelecido no artigo 29.° da lei 32/2007 e do artigo
11) Adquirir todo o material e artigos necessários ao bom funciona- bleia-Geral eleitoral. Perda da qualidade de associado 166.° do código Civil, os bens da Associação extinta revertem para
mento dos serviços a cargo da Associação, devendo ser precedida 3 – A Direcção pode propor uma lista às eleições. 1 – Perdem a qualidade de associado: outras associações com finalidades idênticas por proposta da Comis-
de proposta fundamentada do comandante, no caso de materiais de 4 – As listas de candidaturas aos Órgão Sociais deverão incluir um a) Os que tiverem sido punidos com a pena de expulsão, nos termos são Liquidatária e deliberação da Assembleia-Geral.
combate a incêndios, saúde e outros; número de candidatos efectivos igual ao número de membros do res- do artigo 40.° ou demitidos nos termos do Regulamento do Corpo
12) Deliberar, como julgar conveniente para os interesses da Associa- pectivo Órgão acrescido dos suplentes, não podendo qualquer asso- de Bombeiros; CAPÍTULO IX
ção, em todos os casos omissos nos estatutos e regulamentos; ciado subscrever nem integrar mais que uma lista, nem integrar mais b) Os que pedirem exoneração; Disposições finais
13) Apresentar à Assembleia-Geral ordinária até 31 de Março de cada que um Órgão da Associação. c) Os que tiverem as quotas vinte e quatro meses em atraso de paga- ARTIGO 61.°
ano o relatório de contas de gerência do ano anterior, com o parecer 5 – As listas são nominais devendo completar candidatos para todos mento, se não satisfazerem o débito no prazo de trinta dias a contar da Lei aplicável
prévio do conselho fiscal: os Órgãos sendo estes votados conjuntamente. notificação para regularização da situação contributiva. A Associação, no exercício das suas actividades, regular-se-á de har-
14) Haverá um regulamento do Corpo de Bombeiros que obedecem 6 – As listas a submeter à eleição, deverão ser acompanhadas da 2 – A perda da qualidade de associado pelos motivos referidos na monia com a legislação aplicável.
aos preceitos do Decreto-Lei n.° duzentos e quarenta e sete, de vinte declaração dos candidatos, onde expressamente manifestam a sua alínea a) do número anterior é da competência da Assembleia-Geral. ARTIGO 62.°
e sete de Junho de dois mil e sete, que define o regime jurídico apli- aceitação, e subscritas por um número mínimo de vinte e cinco as- 3 – A perda da qualidade de associado pelos motivos referidos nas Dúvidas e casos omissos
cável aos corpos de bombeiros e legislação posterior aplicável, e será sociados efectivos no pleno gozo dos seus direitos, com excepção da alíneas b) e c), do número um, é da competência da Direcção. As dúvidas e os casos omissos provenientes da interpretação e execu-
submetidos à aprovação da Autoridade Nacional de Protecção Civil. que for proposta pela Direcção. 4 – O associado que por qualquer forma perder essa qualidade deverá ção dos presentes estatutos serão resolvidos em reunião conjunta dos
ARTIGO 23.° ARTIGO 37.° obrigatoriamente devolver o documento de identificação e não terá Órgão Sociais, solicitada pela Direcção ou pelo Conselho Fiscal, ao
A direcção é solidariamente responsável pelos actos da sua admi- Apreciação das candidaturas direito a reaver as quotas que haja pago, sem prejuízo da sua respon- presidente da Mesa da Assembleia Geral, o qual, por si só, também
nistração. 1 – O Presidente da Mesa da Assembleia-Geral recebe as listas can- sabilidade pró toda a actuação, enquanto foi membro da Associação. poderá promover, se assim o entender, a sua efectivação, de acordo
§ Único – Serão excluídos da responsabilidade colectiva referente a didatas. e no prazo de cinco dias, verifica da sua conformidade tendo ARTIGO 50.° com a lei e os princípios gerais do direito.
qualquer acto praticado pela direcção os membros que expressamen- em conta as disposições estaruárias Readmissão de associados ARTIGO 63.°
te tiverem feito declaração de voto de que rejeitaram na acta respecti- 2 – As listas que não estejam de acordo com as disposições estatuá- 1 – Podem ser readmitidos, sem prejuízo da parte final do n.° 3 do Norma transitória
va ou membros da direcção sem conhecimento de causa. rias serão rejeitadas e comunicada a decisão ao seu mandatário, que artigo 43°, os associados que tiverem sido: Os presentes estatutos entrarão em vigor imediatamente após aprova-
ARTIGO 24.° poderá corrigir ou rectificar até ao último dia do prazo de apresenta- a) Exonerados a seu pedido; ção em Assembleia-Geral e cumprimento das formalidades exigidas
Ao Presidente compete, em especial, orientar a acção da direcção, ção de listas ou recorrer da decisão para a Assembleia-Geral no prazo b) Eliminados por falta de pagamento das quotas. por lei, ficando expressamente revogada qualquer norma de anterio-
dirigir os trabalhos, convocar as reuniões, assinar e rubricar os li- de cinco dias após o conhecimento da decisão. 2 – A readmissão só se efectivará a pedido do interessado. res estatutos que esteja em contradição com os agora aprovados.

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 33


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 do poente com João de Deus Ramos, não descrito na Conservatória do Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 e do poente com caminho, não descrito na Conservatória do Registo
de Fevereiro de 2010 Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o de Fevereiro de 2010 Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo
artigo 2657, sendo de 11,69 euros o seu valor patrimonial, a que atribui 1828, sendo de 0,76 euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o
o valor de quinze euros. valor de cinco euros valor.
9- Prédio rústico, sito em Calhêlha, freguesia de Macedo do Mato, 8) Prédio rústico, sito em Corgo, freguesia de Sendas, concelho de
concelho de Bragança, composto por Pastagem com dez sobreiros, Bragança, composto por cultura pastagem e mata de carvalhos, com
com a área de quatro mil metros quadrados, a confrontar do norte com a área de dois mil trezentos e trinta metros quadrados, a confrontar do
Adérito dos Santos Baltazar, do nascente com Delmina do Nascimento norte com Junta de freguesia, do nascente com Firmino Reis, do sul
Fernandes, do sul com Caminho e do poente com Bernardino António com caminho e do poente com Francisco Rodrigues, não descrito na
Xavier, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz
mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 1350, sendo de 3,65 respectiva, sob o artigo 1843, sendo de 4,27 euros o seu valor patrimo-
EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO euros o seu valor patrimonial, a que atribui o valor de cinco euros. nial, a que atribuem o valor de cinco euros valor.
CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- 10- Prédio rústico, sito em Aruteia, freguesia de Macedo do Mato, EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO 9) Prédio rústico, sito em Salgueirinha, freguesia de Sendas, concelho
critura lavrada no dia onze de Fevereiro de dois mil e dez no Cartório concelho de Bragança, composto por cultura e pastagem, com a área CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- de Bragança, composto por lameiro pastagem e vinte e seis freixos,
Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves Andrade, sito de mil cento e quarenta metros quadrados, a confrontar do norte com critura lavrada no dia doze de Fevereiro de dois mil e dez no Cartório com a área de nove mil e cem metros quadrados, a confrontar do norte
na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragança, exarada de Moisés do Nascimento Ramos, do nascente com João de Deus Gonçal- Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves Andrade, sito com David da Trindade Pinela, do nascente com Ribeiro, do sul com
cento e catorze a folhas cento e dezoito do livro de notas para escrituras ves, do sul com Caminho e do poente com Álvaro dos Santos Baltazar, na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragança, exarada de Junta de freguesia e do poente com junta de freguesia, não descrito na
diversas número “Setenta e três –B”, TELMO ALBERTO COSTA e não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas cento e vinte e quatro a folhas cento e vinte e oito do livro de notas Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz
mulher MARIA CELINA PIRES GOMES, casados sob o regime da inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 4238, sendo de 5,16 euros o para escrituras diversas número “Setenta e três –B” MARIA ELISA respectiva, sob o artigo 1850, sendo de 40,98 euros o seu valor patrimo-
comunhão de adquiridos, ambos naturais e residente na freguesia de seu valor patrimonial, a que atribui o valor de dez euros. MORAIS e marido JOSÉ MANUEL NICOLAU, casados sob o regime nial, a que atribuem o valor de quarenta e cinco euros valor.
Macedo do Mato, concelho de Bragança, NIFS 200 468 057 e 202 941 11- Prédio rústico, sito em Ribeira Grande, freguesia de Macedo do da comunhão geral de bens, ambos naturais e residentes na freguesia de 10) Prédio rústico, sito em Formigueiro, freguesia de Sendas, conce-
493, fizeram as declarações constantes desta certidão, que com esta se Mato, concelho de Bragança, composto por Horta, com a área de seis- Sendas, concelho Bragança, NIF 143 202 090 e 143 202 340, fizeram lho de Bragança, composto por cultura, com a área de mil duzentos e
compõe de cinco laudas e vai conforme o original. centos e noventa metros quadrados, a confrontar do norte com Arman- as declarações constantes desta certidão, que com esta se compõe de oitenta metros quadrados, a confrontar do norte com António Manuel
Bragança, Cartório Notarial, onze de Fevereiro de dois mil e dez. do Pereira, do nascente com Rio, do sul com Domingos Manuel Rito seis laudas e vai conforme o original. Cordeiro, do nascente com Comissão Fabriqueira, do sul com Comis-
A Colaboradora Autorizada e do poente com Caminho, não descrito na Conservatória do Registo Bragança, Cartório Notarial, doze de Fevereiro de dois mil e dez. são Paroquial e do poente com comissão paroquial, não descrito na
Bernardete Isabel C. Simões Afonso Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo A Colaboradora Autorizada Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, dos 4305, sendo de 10,43 euros o seu valor patrimonial, a que atribui o Bernardete Isabel C. Simões Afonso respectiva, sob o artigo 1858, sendo de 6,54 euros o seu valor patrimo-
seguintes bens: valor de quinze euros. Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, dos nial, a que atribuem o valor de dez euros valor.
1- Prédio rústico, sito em Ranguendo, freguesia de Izeda, concelho de 12- Prédio rústico, sito em Graminhal, freguesia de Macedo do Mato, seguintes bens: 11) Prédio rústico, sito em Bela, freguesia de Sendas, concelho de Bra-
Bragança, composto por cultura e pastagem, com a área de trinta e concelho de Bragança, composto por Olival com cento e dezoito oli- 1) Prédio rústico, sito em Miragaia, freguesia de Sendas, concelho de gança, composto por cultura, com a área de noventa metros quadrados,
dois mil metros quadrados, a confrontar do norte com Manuel Veiga, veiras, com a área de nove mil e duzentos metros quadrados, a con- Bragança, composto por cultura, com a área de treze mil trezentos e a confrontar do norte com caminho, do nascente com António Manuel
do nascente com Luís Cameirão, do sul com Caminho e do poente frontar do norte com António Maria Pires, do nascente com Caminho, dez metros quadrados, a confrontar do norte com António Maria Cor- Geraldes, do sul com António Joaquim Gomes e outros e do poente
com Joana Isabel Morgado, não descrito na Conservatória do Registo do sul com Felisberto Pereira e do poente com André Manuel Gralhós, deiro, do nascente com caminho, do sul com Guilherme A. Escaleira e com António Joaquim Gomes e outros, não descrito na Conservatória
Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas do poente com Alberto dos S. Geraldes, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob
5479, sendo de 25,77 euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 4388, sendo de 36,96 euros o do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 1909, sendo de 0,25 euros o seu valor patrimonial, a que atri-
valor de trinta euros. seu valor patrimonial, a que atribui o valor de quarenta euros. o artigo 2204, sendo de 24,39 euros o seu valor patrimonial, a que buem o valor de cinco euros valor.
2- Prédio rústico, sito em Ranguendo, freguesia de Izeda, concelho de 13- Prédio rústico, sito em Lameirão, freguesia de Macedo do Mato, atribui o valor de vinte e cinco euros. 12) Prédio rústico, sito em Bela, freguesia de Sendas, concelho de Bra-
Bragança, composto por Pastagem, com a área de dezoito mil metros concelho de Bragança, composto por pastagem com oito sobreiros, 2) Prédio rústico, sito em Miragaia, freguesia de Sendas, concelho de gança, composto por cultura, com a área de mil cento e sessenta metros
quadrados, a confrontar do norte com Maria do Aviso, do nascente uma nogueira, pinhal e cultura com a área de catorze mil e noven- Bragança, composto por pastagem com vinte e sete carvalhos e três quadrados, a confrontar do norte com Maria das D. Escaleira, do nas-
com Fernando Leitão Bandeira, do sul com João Pedro Morgado e do ta metros quadrados, a confrontar do norte com Junta de Freguesia, sobreiros, com a área de oito mil quinhentos metros quadrados, a cente com caminho, do sul com Domingos A. Pinela e do poente com
poente com Caminho, não descrito na Conservatória do Registo Pre- do nascente com José Agostinho Ferreira, do sul com Mário dos An- confrontar do norte com Marcolino Augusto Pinela, do nascente com Maximino do N. Fernandes, não descrito na Conservatória do Registo
dial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 5480, jos Ramos e do poente com André Manuel Gralhós, não descrito na Virgílio José Lopes, do sul com Alberto dos A. Geraldes e do poente Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo
sendo de 11,31 euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz com Comissão Paroquial e Outros, não descrito na Conservatória do 1929, sendo de 5,91 euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o
de quinze euros. respectiva, sob o artigo 3742, sendo de 14,96 euros o seu valor patri- Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o valor de dez euros valor.
3- Prédio rústico, sito na Ranguendo, freguesia do Izeda, concelho de monial, a que atribui o valor de quinze euros. artigo 2502, sendo de 10,68 euros o seu valor patrimonial, a que atribui 13) Prédio rústico, sito em Cobelo, freguesia de Sendas, concelho de
Bragança, composto por pastagem, com a área de vinte e seis mil me- 14- Prédio rústico, sito em Palhorda, freguesia de Macedo do Mato, o valor de quinze. Bragança, composto por pastagem e mata de carvalho, com a área de
tros quadrados, a confrontar do norte com Francisco Joaquim Veiga, concelho de Bragança, composto por pastagem com duzentos e trinta 3) Prédio rústico, sito em Quinta, freguesia de Sendas, concelho de três mil seiscentos e cinquenta metros quadrados, a confrontar do norte
do nascente com Fernando Leitão Bandeira, do sul com Joana Isabel e cinco sobreiros, com a área de quarenta e dois mil metros quadrados, Bragança, composto por pastagem com dez sobreiros, com a área de com José Manuel Nicolau, do nascente com Virgílio J. Lopes, do sul
Morgado e do poente com Caminho, não descrito na Conservatória do a confrontar do norte com Paulo Delfim Afonso, do nascente com Cle- quatro mil metros quadrados, a confrontar do norte com caminho, do com Francisco M. Geraldes e do poente com Francisco Rodrigues, não
Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o mente Meneses, do sul com José Maria Leitão Bandeira e do poente nascente com Maria G. Teixeira, do sul com um valado e do poente descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito
artigo 5481, sendo de 16,34 euros o seu valor patrimonial, a que atribui com Clemente Meneses, não descrito na Conservatória do Registo com Maria da Graça Teixeira, não descrito na Conservatória do Registo na matriz respectiva, sob o artigo 1979, sendo de 3,27 euros o seu valor
o valor de vinte euros. Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros valor.
4- Prédio rústico, sito em Ranguendo, freguesia do Izeda, concelho de 4754, sendo de 88,37 euros o seu valor patrimonial, a que atribui o 2748, sendo de 11,82 euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o 14) Prédio rústico, sito em Val Celinho, freguesia de Sendas, concelho
Bragança, composto por horta, com a área de três mil metros quadra- valor de noventa euros. valor de quinze euros valor. de Bragança, composto por lameiro pastagem e oito sobreiros, com a
dos, a confrontar do norte com Moinho Comunal, do nascente com Ca- 15- Prédio rústico, sito em Palhorda, freguesia de Macedo do Mato, 4) Prédio rústico, sito em Bela, freguesia de Sendas, concelho de Bra- área de mil novecentos e sessenta metros quadrados, a confrontar do
minho Público, do sul com José Augusto Gonçalves e do poente com concelho de Bragança, composto por pastagem com oitenta e sete so- gança, composto por cultura e quatro videiras, com a área de trezentos norte com Maria das D. Escaleira, do nascente com Manuel P. Marques,
Ribeira, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, breiros, com a área de nove mil novecentos e oitenta metros quadra- e noventa mil metros quadrados, a confrontar do norte com caminho, do sul com José A. Geraldes e do poente com Acácio da T. Freixeda,
mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 6214, sendo de 170,00 dos, a confrontar do norte com Paulo Delfim Afonso, do nascente com do nascente com António M. Geraldes, do sul com Firminio dos S. Reis não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas ins-
euros o seu valor patrimonial, a que atribui igual valor. Rufino Rodrigues, do sul e do poente com Clemente Meneses, não e do poente com Domingos M. Pinela, não descrito na Conservatória crito na matriz respectiva, sob o artigo 2351, sendo de 4,78 euros o seu
5- Prédio rústico, sito em Ranguendo, freguesia de Izeda, concelho descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob valor patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros valor.
de Bragança, composto por pastagem sete castanheiros e cultura, com na matriz respectiva, sob o artigo 4773, sendo de 22,38 euros o seu o artigo 1927, sendo de 1,01 euros o seu valor patrimonial, a que atri- Que entraram na posse dos referidos prédios, em mil novecentos e oi-
a área de sete mil metros quadrados, a confrontar do norte com Ana valor patrimonial, a que atribui o valor de Vinte e cinco euros. buem o valor de cinco euros valor. tenta e quatro, os artigos 2204, 2502, 2748 e 1927, por compra verbal
Marçala, do nascente com António Augusto Veiga, do sul com Manuel Que entraram na posse dos referidos prédios, em mil novecentos e 5) Prédio rústico, sito em Grova, freguesia de Sendas, concelho de que dele fizeram a Humberto Manuel Morais, residente em Bragança e
Loureiro e do poente com Junta de Freguesia, não descrito na Conser- oitenta e quatro, ainda no estado de solteiros, por compras verbais que Bragança, composto por cultura, com a área de novecentos e sessenta os restantes, por compra verbal que dele fizeram a Artur Manuel Morais
vatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respec- deles fizeram a Amadeu Augusto Cidres, Amílcar Gonçalves, Alber- metros quadrados, a confrontar do norte com David da T. Pinela, do Carneiro, residente no Estoril, sem que no entanto ficassem a dispor de
tiva, sob o artigo 5530, sendo de 8,30 euros o seu valor patrimonial, a to de Jesus Calado, Normando Miranda, Fernando Touças, Izidoro nascente com Alberto dos A. Geraldes, do sul com Manuel P. Marques título formal que lhes permita, o respectivo registo na Conservatória do
que atribui o valor de dez euros. Gonçalves, António Manuel Veiga Araújo, residentes na mencionada e do poente com Maximino dos S. Fernandes, não descrito na Conser- Registo Predial; mas, desde logo, entraram na posse e fruição dos iden-
6- Prédio rústico, sito em Graminhal, freguesia de Macedo do Mato, freguesia de Izeda, Macedo do Mato e Bragança, sem que no entanto vatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respec- tificados prédios, em nome próprio, posse assim detêm há muito mais
concelho de Bragança, composto por cultura com nove Oliveiras, com ficassem a dispor de título formal que lhes permita, o respectivo regis- tiva, sob o artigo 2616, sendo de 2,26 euros o seu valor patrimonial, a de vinte anos, sem interrupção ou ocultação de quem quer que seja.
a área de quinhentos e quarenta metros quadrados, a confrontar do nor- to na Conservatória do Registo Predial; mas, desde logo, entraram na que atribuem o valor de cinco euros valor. Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposição,
te com António Maria Pires, do nascente com António Maria Pires, do posse e fruição dos identificados prédios, em nome próprio, posse as- 6) Prédio rústico, sito em cabeço de pau, freguesia de Sendas, concelho ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome próprio
sul com António Raimundo e do poente com António raimundo, não sim detêm há muito mais de vinte anos, sem interrupção ou ocultação de Bragança, composto por lameiro e uma nogueira, com a área de cen- e com aproveitamento de todas as utilidades dos prédios, nomeada-
descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito de quem quer que seja. to e cinquenta metros quadrados, a confrontar do norte com António mente, amanhando-os, adubando-os, cultivando-os e colhendo os seus
na matriz respectiva, sob o artigo 4390, sendo de 3,40 euros o seu valor Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi- Maria Cordeiro, do nascente com José Agostinho Geraldes, do sul com frutos, agindo sempre por forma correspondente ao exercício do direito
patrimonial, a que atribui o valor de cinco euros. ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome António Maria Cordeiro e do poente com António Maria Cordeiro, não de propriedade, quer usufruindo como tal os imóveis, quer beneficiando
7- Prédio rústico, sito em Ponte de Rebuzedo, freguesia de Macedo do próprio e com aproveitamento de todas as utilidades dos prédios, no- descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito dos seus rendimentos, quer suportando os respectivos encargos, quer
Mato, concelho de Bragança, composto por cultura com três carrascos, meadamente, amanhando-os, adubando-os, cultivando-os e colhendo na matriz respectiva, sob o artigo 1789, sendo de 10,94 euros o seu ainda pagando as respectivas contribuições e impostos, mantendo-os
com a área de nove mil e seiscentos metros quadrados, a confrontar os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente ao exercício valor patrimonial, a que atribuem o valor de quinze euros valor. sempre na sua inteira disponibilidade. Que esta posse em nome pró-
do norte com caminho, do nascente com José Maria Araújo, do sul do direito de propriedade, quer usufruindo como tal os imóveis, quer 7) Prédio rústico, sito em Corgo, freguesia de Sendas, concelho de prio, pacífica, contínua e pública, conduziu à aquisição dos imóveis,
com Caminho e do poente com José Maria Araújo, não descrito na beneficiando dos seus rendimentos, quer suportando os respectivos Bragança, composto por cultura, com a área de cento e trinta metros por usucapião, que invocam, justificando o seu direito de propriedade,
Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz encargos, quer ainda pagando as respectivas contribuições e impostos, quadrados, a confrontar do norte com Guilherme A. Escaleira, do nas- para o efeito de registo, dado que esta forma de aquisição não pode ser
respectiva, sob o artigo 2860, sendo de 47,27 euros o seu valor patri- mantendo-os sempre na sua inteira disponibilidade. cente com Comissão Paroquial, do sul com Confraria do Santíssimo comprovada por qualquer outro título formal extrajudicial.
monial, a que atribui o valor de cinquenta euros. Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, condu-
8- Prédio rústico, sito em Seixagal, freguesia de Macedo do Mato, ziu à aquisição dos imóveis, por usucapião, que invocam, justificando
concelho de Bragança, composto por cultura, com a área de doze mil o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado que esta Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 gisto Predial de Alfândega da Fé.
seiscentos e trinta metros quadrados, a confrontar do norte com cami- forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer outro título de Fevereiro de 2010 Que são comproprietários de metade do prédio identificado em pri-
nho, do nascente com António Neves, do sul com Norberto Esteves e formal extrajudicial. meiro lugar Filipe Saldanha Carneiro e Carla Carneiro, residentes em
CARTÓRIO NOTARIAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ Sendim da Ribeira.
JUSTIFICAÇÃO
Que a indicada fracção do prédio rústico e o prédio urbano vieram à
Certifico, para efeitos de publicação, que por escritura de justifica-
sua posse por partilha verbal que fez com os demais interessados, por
ção, lavrada neste Cartório na data de hoje, exarada a folhas quinze,
volta do ano de mil novecentos e oitenta, da herança de seu avô Patrocí-
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de Que os outorgantes são donos e legítima possuidores, com exclusão do Livro de Notas para Escrituras Diversas número cento e vinte e
nio da Costa, residente que foi em Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé,
16 de Fevereiro de 2010 de outrem, do Prédio urbano, sito no Bairro da Costa, freguesia de cinco- “D”, ANTÓNIO MANUEL CORDEIRO, NIF 195883390,
não tendo nunca sido celebrada a competente escritura.
Macedo do Mato, concelho de Bragança, composto por casa de ha- solteiro, maior, natural da freguesia de Sendim da Ribeira, concelho
Que, assim, possui a referida fracção do prédio rústico, numa situação
bitação de rés do chão e primeiro andar, com a área de cento e trinta de Alfândega da Fé, residente no Lar dos Pastorinhos, Cerejais, Alfân-
de composse com Filipe Saldanha Carneiro e Carla Carneiro, e o re-
e nove virgula cinquenta metros quadrados, e logradouro com a dega da Fé, declarou que, com exclusão de outrem, é dono e legítimo
ferido prédio urbano, há mais de vinte anos, em nome próprio, de boa
área de dezassete virgula cinquenta metros quadrados confrontar do possuidor de:
fé, na convicção de ser o único dono e plenamente convencido de que
norte com Campo Baldio, do sul com Francisco Manuel Pereira, do N°1 – Metade de uma terra de centeio com amendoeiras e oliveiras,
não lesava quaisquer direitos de outrem, à vista de toda a gente e sem
nascente com Campo Baldio e do poente com Ribeira, não descrito sita em Gricha, freguesia de Sendim da Ribeira, concelho de Alfânde-
a menor oposição de quem quer que fosse desde o início dessa posse, a
na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na ga da Fé, com a área de dez mil oitocentos e oitenta metros quadrados,
qual sempre exerceu sem interrupção, cultivando, plantando e colhen-
matriz respectiva, sob o artigo 122 sendo de 81,96 euros o seu valor a confrontar do Norte com Ribeira de Zacarias, Sul com Amândio Al-
do os frutos do prédio rústico, habitando e reparando o prédio urbano,
patrimonial, a que atribui o valor de cem euros. berto Pinto e irmão, Poente com Alberto Manuel Carneiro, Nascente
pagando as respectivas contribuições, tudo como fazem os verdadeiros
Que entraram na posse dos referidos prédio, em mil novecentos e com Amador de Jesus Inocêncio, inscrito na matriz sob o artigo 44,
donos, sendo por isso uma posse de boa fé, pacífica, continua e pública,
EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO oitenta, por permuta verbal que dele fizeram com José dos Santos com o valor patrimonial correspondente à fracção e igual ao atribuído
pelo que adquiriu a fracção do prédio rústico e o prédio urbano por usu-
CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por Rodrigues, residente em Bragança, sem que no entanto ficassem de vinte e quatro euros e dois cêntimos.
capião, não tendo todavia, dado o modo de aquisição, documento que
escritura lavrada no dia dezasseis de Setembro de dois mil e nove, a dispor de título formal que lhes permita, o respectivo registo na N° 2 – Habitação de dois pisos, sita na Rua da Capela, n° 4, freguesia
lhe permita fazer prova do seu direito de propriedade perfeita.
no Cartório Notarial a cargo do Dr Lic. João Américo Gonçalves Conservatória do Registo Predial; mas, desde logo, entraram na referida de Sendim da Ribeira, com a superfície coberta de quarenta
Está conforme o original, na parte transcrita.
Andrade, sito na avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragan- posse e fruição dos identificados prédios, em nome próprio, posse e sete vírgula oitenta e oito metros quadrados, inscrita na matriz sob
Cartório Notarial de Alfândega da Fé, 11 de Fevereiro de dois mil e
ça, exarado de folhas setenta e um a folhas setenta e dois verso do assim detêm há muito mais de vinte anos, sem interrupção ou ocul- o artigo 16, com o valor patrimonial igual ao atribuído de dois mil
dez.
livro de notas para escrituras diverso número “setenta - A”, rectifi- tação de quem quer que seja. cento e dez euros.
cada por escritura lavrada em onze de Fevereiro de dois mil e dez, Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi- Que tais prédios não se encontram descritos na Conservatória do Re- A Ajudante, Maria Luísa Fonseca Lopes Legoinha
exarada de folhas cento e doze, a folhas cento e treze verso, do livro ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome
de notas para escrituras diverso número “Setenta e três – B” JOÃO próprio e com aproveitamento de todas as utilidades dos prédios,
AMADOR e mulher ISMÉNIA DE JESUS COSTA, casados no nomeadamente, amanhando-os, adubando-os, cultivando-os e co- Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 com o valor patrimonial de 30,98 €, a que atribuem o valor de CIN-
regime da comunhão geral de bens, ambos naturais da freguesia lhendo os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente de Fevereiro de 2010 QUENTA EUROS.
de Macedo do Mato, concelho de Bragança, onde residem, NIFS ao exercício do direito de propriedade, quer usufruindo como tal O mencionado prédio não se encontra descrito na Conservatória do
CARTÓRIO A CARGO DA NOTÁRIA LIC.
173 947 824 e 107 623 609, fizeram as declarações constantes da os imóveis, quer beneficiando dos seus rendimentos, quer supor- Registo Predial de Vila Flor.
certidão anexa, que com esta se compõe de duas laudas e vai con- tando os respectivos encargos, quer ainda pagando as respectivas MARGARIDA ISABEL
PIMENTA FERREIRA DE OLIVEIRA O prédio veio à posse e domínio dos justificantes por compra verbal
forme o original. contribuições e impostos, mantendo-os sempre na sua inteira dis- feita a Maria Dores Cabral, viúva, já falecida, residente que foi na fre-
Bragança, Cartório Notarial, dezasseis de Janeiro de dois mil e ponibilidade. Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua Rua D. Manuel I, Edifício Império, Mirandela
Certifico para efeitos de publicação, que por escritura de Justificação guesia de Freixiel, concelho de Vila Flor, compra essa não reduzida
dez. e pública, conduziu à aquisição dos imóveis, por usucapião, que escritura pública que ocorreu entre os interessados no ano de mil nove-
invocam, justificando o seu direito de propriedade, para o efeito de lavrada neste Cartório no dia 27/01/10 exarada a folhas 38 seguintes
do Livro de Notas para Escrituras Diversas “139”: JOSÉ JOAQUIM centos e oitenta e nove.
A Colaboradora Autorizada registo, dado que esta forma de aquisição não pode ser comprovada Desde então até hoje, logo há mais de vinte anos, são os justificantes,
Bernardete Isabel C. Simões Afonso por qualquer outro título formal extrajudicial. SARAIVA (N.I.F. 175 870 837) e mulher MARIA HELENA POR-
TELA DOS SANTOS que sem interrupção e sem oposição de quem quer que seja, possuem o
SARAIVA (N.I.F. 182 184 722) casados sob o regime da comunhão prédio, o cultivam, fazem as necessárias obras de conservação, usando
geral, naturais, ele da freguesia de Freixiel, concelho de Vila Flor, onde e fruindo o prédio, considerando-se e sendo considerados como seus
residem no lugar de Vieiro e ela da freguesia de Vilarinho das Azenhas, únicos donos, na convicção de que não lesam quaisquer direitos de ou-
do mesmo concelho, declararam: trem, tendo a sua actuação e posse sido de boa fé, sem violência, sem
Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores de interrupção e à vista da generalidade ou da maioria das pessoas que

Trás-os-Montes em um prédio rústico, composto por horta, terra de cereal, árvores de fruto,
negrilhos e oliveiras, com a área de quatro mil trezentos e setenta e
vivem na freguesia onde se situa o prédio.
Tais factos integram a figura jurídica da USUCAPIÃO, que invocam

www.jornalnordeste.com quatro metros quadrados, sito no lugar de Tapado do Poço, fregue- por não poderem provar a alegada transmissão pelos meios extrajudi-
sia de Freixiel, concelho de Vila Flor, que confronta de NORTE com ciais normais.
Ribeiro, de SUL e NASCENTE com Caminho e de POENTE com Mirandela, 27 de Janeiro de 2010.
Augusto Jorge Araújo, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 3009, A Funcionária, Natércia Patrícia Vilarinho Garcia Moutinho

34 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 sul e poente com Maria de Fátima Mendes Bolhaqueiro Afonso, e de Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de
16 de Fevereiro de 2010 de Fevereiro de 2010 nascente com caminho público, inscrito na respectiva matriz sob o ar- 16 de Fevereiro de 2010
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO tigo 236 da secção 1, descrito na Conservatória do Registo Predial de CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO
NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES Mogadouro sob o número quinhentos e quarenta e seis - Penas Roias, NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO não se mostrando porem registada a aquisição da dita metade indivisa EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia oito de Fevereiro de a favor de ninguém, com o valor patrimonial correspondente à fracção Certifico, para efeitos de publicação, que no dia doze de Fevereiro
dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio da de 1,64€, e atribuído de cinquenta euros; de dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palá-
Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de f Is. 79, a f Is. 82, Que a restante parte indivisa deste prédio pertence a Maria de Fátima cio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de f Is. 100
EXTRACTO do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta e quatro, Mendes Bolhaqueiro Afonso, casada, residente no lugar de Variz, da a fls. 102, verso, do livro de notas para escrituras diversas número
Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- foi lavrada uma escritura de justificação, na qual compareceram como dita freguesia de Penas Roias, pessoa com quem têm vindo a exercer a Sessenta e quatro, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual
critura de hoje, exarada de folhas setenta e nove a folhas oitenta outorgantes, FERNANDO MARIA BOLHAQUEIRO, NIF 148 489 posse sobre o mesmo prédio; e compareceram como outorgantes, HEITOR DO NASCIMENTO
do respectivo livro número cento e cinquenta, MANUEL JOSÉ 524, e mulher MARIA DA NATIVIDADE LEITE, NIF 138 233 756, Cinco - A quarta parte indivisa do prédio rústico, sito em Vale de Ur- CARVALHO, NIF 144 228 203, e mulher LÚCIA MARIA PAR-
RAMOS, NIF 178 721 743, e mulher MARIA DE LURDES GAL- geira, composto de cultura arvense, com área de dezoito mil cento e REIRA, NIF 195 556 828, casados sob o regime da comunhão de
casados sob o regime da comunhão geral de bens, ambos naturais da
VÃO, NIF 178 721 735, casados sob o regime da comunhão geral, vinte e cinco metros quadrados, a confrontar de norte e nascente com adquiridos, naturais, ele da freguesia de Meirinhos, concelho de Mo-
freguesia de Penas Roias, concelho de Mogadouro, onde residem no
naturais da freguesia de Palaçoulo, onde residem no lugar de Prado caminho, sul com Maria de Fátima Mendes Bolhaqueiro Afonso, e de gadouro, e ela da freguesia de Vale de Porco, deste concelho, onde
lugar de Variz, os quais declararam:
Gatão, à Rua da Igreja, n.º 35, concelho de Miranda do Douro; poente com José Manuel dos Santos, inscrito na respectiva matriz sob residem, os quais declararam:
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem dos
o artigo 240 da secção 1, com o valor patrimonial correspondente à Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem dos
Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos compossui- seguintes bens imóveis, todos sitos na freguesia de PENAS ROlAS,
fracção de 7,98€, e atribuído de duzentos euros, não descrito na Con- seguintes bens imóveis, todos sitos na freguesia de VALE DE POR-
dores de metade indivisa do prédio rústico, composto de lameiro, concelho de Mogadouro: CO, concelho de Mogadouro:
com a área de oito mil e setenta e cinco metros quadrados, sito em Um - Metade indivisa do prédio rústico, sito em Barqueiro, composto servatória do Registo Predial de Mogadouro, a cuja área pertence;
Um - Prédio rústico, sito em Mixões, composto de cultura arvense,
“Orreta das Vacas”, freguesia de Palaçoulo, concelho de Miranda de prado natural, com área de dois mil e sessenta e dois metros quadra- Que a restante parte indivisa pertence a Aquilino lsac Mamede Bento,
com área de nove mil seiscentos e oitenta e sete metros quadrados,
do Douro, a confrontar de norte com Adriano Augusto Ramos, sul dos, a confrontar de norte e nascente com caminho público, de sul com e a Manuel dos Santos Paulo, ambos casados e residentes no lugar de
a confrontar de norte com Pedro Augusto Paulo, de sul com Mário
com Alberto dos Santos Fernandes, nascente com Fábia do Rosário Francisco Maria Rodrigues, e de poente com ribeiro, descrito na Con- Variz, da dita freguesia de Penas Roias, pessoas com quem têm vindo a
Casimiro Peres, de nascente com Joaquim Nascimento Torres, e de
Moreira e poente com caminho, não descrito na Conservatória do servatória do Registo Predial de Mogadouro sob o número quinhentos exercer a posse sobre o mesmo prédio.
poente com caminho, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 77 da
Registo Predial de Miranda do Douro, conforme certidão que da e cinquenta e um — Penas Rolas, não se mostrando porem registada Que somam os bens imóveis acima identificados o valor patrimonial secção A, com o valor patrimonial de 9,68€ e atribuído de duzentos
mesma apresentam, mas inscrito na respectiva matriz sob o artigo a aquisição da dita metade indivisa a favor de ninguém, inscrito na global de 39,54€ e o total atribuído de dois mil e quatrocentos euros. e quarenta euros;
7946, com o correspondente valor patrimonial tributário de € 45,95 respectiva matriz sob o artigo 115 da secção J, com o valor patrimonial Que todos os bens imóveis vieram à posse dos justificantes, já no es- Dois - Prédio rústico, sito em Couto dos Mixões, composto de cultu-
e o atribuído de cem euros, sendo compossuidores da restante parte correspondente à fracção de 8,49€, e atribuído de duzentos euros; tado de casados, tendo os bens identificados nas verbas números um, ra arvense, com área de quarenta e seis mil oitocentos e doze metros
indivisa Mário Augusto Marques, José Nuno Marques, Filomena Que a restante metade indivisa do dito prédio pertence a Maria de Fá- dois, três e quatro sido adquiridos por volta do ano de mil novecentos quadrados, a confrontar de norte com Heitor do Nascimento Carva-
da Ressurreição Marques e Maria Fernanda Marques, todos resi- tima Mendes Bolhaqueiro Afonso, casada, residente no lugar de Variz, e sessenta e seis por doação meramente verbal que lhes foi feita pelos lho, de sul com José Carlos Bastiana, de nascente com caminho, e
dentes no aludido lugar de Prado Gatão, pessoas com quem têm da dita freguesia de Penas Roias, pessoa com quem têm vindo a exer- pais do justificante marido, António Augusto Bolhaqueiro e Maria José de poente com Acúrcio Manuel Paulo, inscrito na respectiva matriz
vindo a exercer a composse sobre o referido prédio. cer a posse sobre o mesmo prédio. Machado, residentes que foram no lugar de Variz, da dita freguesia de sob o artigo 95 da secção A, com o valor patrimonial de 6,79€, e
Que o identificado bem veio à sua posse por adjudicação em par- Dois - Metade indivisa do prédio rústico, sito em Vale de Urgeira, Penas Roias, sendo ambos actualmente falecidos, e tendo adquirido o atribuído de cento e sessenta euros;
tilha efectuada com os demais interessados, por óbito do pai do composto de prado natural, mata de carvalhos e cultura arvense, com bem imóvel identificado em ultimo por compra meramente verbal que Prédio rústico, sito em Galego, composto de cultura arvense, com
justificante marido, Domingos Ramos, residente que foi no aludido área de vinte mil cento e cinquenta e cinco metros quadrados, a con- fizeram por volta do ano de mil novecentos e oitenta e oito, a Abílio área de sete mil cento e oitenta e sete metros quadrados, a confrontar
lugar de Prado Gatão, freguesia de Palaçoulo, partilha essa efectu- frontar de norte com Manuel Inácio, sul com José Caetano Rodrigues, Augusto Rodrigues e mulher Delfina Martins, residentes no menciona- de norte com Manuel Maria Sardinha, sul com Manuel Caetano Ro-
ada no ano de mil novecentos e setenta e três e nunca formalizada nascente com Manuel Fernando Sampaio, e de poente com Maria de do lugar de Variz, não tendo nunca porém sido celebradas as escrituras drigues, de nascente com caminho, e de poente com Heitor do Nasci-
pela outorga da necessária escritura pública. Fátima Mendes Bolhaqueiro Afonso, descrito na Conservatória do Re- de doação e compra e venda, respectivamente. mento Carvalho, inscrito na matriz sob o artigo 96 da secção A, com
Que, assim, não são detentores de qualquer título formal que legiti- gisto Predial de Mogadouro sob o número quinhentos e quarenta e oito Que assim, os justificantes possuem todos os ditos bens imóveis há o valor patrimonial de 7,17€, e atribuído de cento e setenta euros;
me o domínio do mencionado bem. - Penas Roias, não se mostrando porem registada a aquisição da dita mais de vinte anos, em nome próprio, na convicção de serem os únicos Quatro - Prédio rústico, sito em Barrancas, composto de cultura
Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil nove- metade indivisa a favor de ninguém, inscrito na respectiva matriz sob donos e plenamente convencidos de que não lesavam quaisquer direi- arvense e vinha, com área de cinco mil seiscentos e vinte e cinco
centos e setenta e três, passaram a usufruir o referido terreno, em o artigo 238 da secção 1, com o valor patrimonial correspondente à tos de outrem, à vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem metros quadrados, a confrontar de norte e sul com caminho, de nas-
situação de composse, gozando de todas as utilidades por ele pro- fracção de 31,05€, e atribuído de setecentos e cinquenta euros;_ quer que fosse, desde o início dessa composse, a qual sempre exerce- cente com Manuel Fernando Bártolo, e de poente com António Luís
porcionadas, começando por ocupá-lo, limpando-o, cultivando-o, Que a restante metade indivisa do dito prédio pertence à referida Ma- ram sem interrupção, gozando todas as utilidades por eles proporcio- Bártolo, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 218 da secção D,
colhendo seus frutos e produtos e efectuando diversas benfeitorias, ria de Fátima Mendes Bolhaqueiro Afonso, casada, residente no men- nadas, com o ânimo de quem exerce direito próprio, nomeadamente com o valor patrimonial de 26,40€, e atribuído de setecentos e cin-
designadamente o melhoramento das suas vedações, agindo assim, cionado lugar de Variz, da dita freguesia de Penas Rolas, pessoa com neles lavrando, semeando, sulfatando, tratando e colhendo os respec- quenta euros;
sempre na aludida proporção com ânimo de quem exerce direito quem têm vindo a exercer a posse sobre o mesmo prédio. tivos frutos, como cereal, forragens e os mais diversos produtos agrí- Cinco - Prédio rústico, sito em Atalhinho, composto de cultura ar-
próprio, na convicção de tal bem lhes pertencer e de serem os seus Três — Sete doze avos indivisos do prédio rústico, sito em Arracheina, colas, cortando mato e silvas e procedendo a outros actos de limpeza, vense, com área de três mil e quinhentos metros quadrados, a con-
verdadeiros donos, como tal sendo reconhecidos por toda a gente, usufruindo de resto de todos os proventos e utilidades proporcionados frontar de norte com Francisco Maria Martins, sul com Fábrica da
composto de cultura arvense, com área de quarenta e nove mil qui-
fazendo-o de boa fé por ignorarem lesar direito alheio, pacifica- pelos referidos bens imóveis, praticando assim os mais diversos actos Igreja da Freguesia de Vale de Porco, nascente com caminho, e de
nhentos e sessenta e dois metros quadrados, a confrontar de norte com
mente, porque sem violência, contínua e publicamente, à vista e de uso, fruição e defesa dos mesmos, à vista de toda a gente e portan- poente com Lucrécia da Conceição Peres, inscrito na respectiva ma-
Manuel dos Santos Pêra, sul com caminho, nascente com José Manuel
com o conhecimento de todos e sem oposição de ninguém. to de eventuais interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, triz sob o artigo 47 da secção E, com o valor patrimonial de 1,39€, e
Rodrigues, e de poente com António Augusto Fernandes, inscrito na
sendo por isso uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo atribuído de cinquenta euros; e
Que dadas as enunciadas características de tal composse que, da respectiva matriz sob o artigo 12 da secção J, com o valor patrimonial
que, dadas as enumeradas características de tal posse, adquiriram por Seis - Prédio rústico, sito em Maias, composto de cultura arvense,
forma indicada vem exercendo há mais de vinte anos, adquiriu o correspondente à fracção de 50,52€, e atribuído de mil e duzentos eu- com área de quatro mil quatrocentos e cinquenta metros quadrados,
domínio do dito bem por usucapião, título esse que, por sua nature- ros, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Mogadouro, usucapião os identificados bens imóveis, figura jurídica que invocam,
a confrontar de norte, nascente e poente com Francisco António Pin-
za, não é susceptível de ser comprovado por meios normais. a cuja área pertence; po não terem documentos que lhes permitam fazer prova do seu direito
to, e de sul com Raquel dos Anjos Martins Jorge, inscrito na respec-
Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para Que a restante parte indivisa deste prédio pertence a Maurício Leite de propriedade, pelos meios extrajudiciais normais, dado o seu referido
tiva matriz sob o artigo 62 da secção E, com o valor patrimonial de
fins de primeira inscrição no registo predial. Velho, a Isabel Leite e a Cristina Isabel Leite Carvalho, todos casados modo de aquisição.
22,25€, e atribuído de quinhentos e trinta euros.
Está conforme. e residentes no lugar de Variz, da dita freguesia de Penas Roias, pesso- Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
Que todos os identificados prédios se encontram omissos na Con-
Bragança, 11 de Fevereiro de 2010. as com quem têm vindo a exercer a posse sobre o identificado prédio. Mogadouro e Cartório Notarial, em 8 de Fevereiro de 2010. servatória do Registo Predial de Mogadouro, a cuja área pertencem,
Quatro - Metade indivisa do prédio rústico, sito em Vale de Urgeira, somam o valor patrimonial global de 73,68€ e o total atribuído de
A colaboradora autorizada, composto de cultura arvense e mata de carvalhos, com área de três A Notária, mil e novecentos euros.
Elisabete Maria C. Melgo mil novecentos e trinta e sete metros quadrados, a confrontar de norte, Fátima Mendes Que todos os bens imóveis vieram à posse dos justificantes, já no
estado de casados, por volta do ano de mil novecentos e oitenta e
oito, tendo os bens identificados nas verbas números um e dois sido
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de adquiridos por compra meramente verbal que fizeram a Francisco
16 de Fevereiro de 2010 e oitenta e cinco, já no estado de viúva, por António Martins Torrão Martinho Rodrigues, ao tempo solteiro, maior, actualmente divorcia-
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de do, residente nesta vila de Mogadouro; o bem imóvel identificado na
e mulher Josefina do Nascimento Martins, já falecidos, residente
16 de Fevereiro de 2010 verba número três, foi verbalmente comprado no dito ano a Narciso
que foi no aludido lugar de Prado Gatão, freguesia de Palaçoulo,
por contrato de compra e venda meramente verbal, nunca tendo José Solteiro, viúvo, residente que foi na dita freguesia de Vale de
Porco, actualmente falecido; o prédio identificado na verba número
chegado a realizar necessária escritura pública.
quatro, foi também adquirido por compra verbalmente feita a Elias
Que, assim, não é detentora de qualquer título formal que legitime
Maria Valério, divorciado, residente na dita freguesia de Vale de Por-
o domínio do mencionado prédio.
EXTRACTO co; o prédio identificado na verba número cinco foi também por eles
Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil no-
Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- comprado verbalmente a José Armando Pinto, divorciado, residente
vecentos e oitenta e cinco, passou a usufruir o referido terreno,
critura de hoje, exarada de folhas oitenta e uma a folhas oitenta e EXTRACTO na aludida freguesia de Vale de Porco; e o bem imóvel identificado
gozando de todas as utilidades por ele proporcionadas, começando em último foi por compra meramente verbal que fizeram a Magno
duas do respectivo livro número cento e cinquenta, MARIA DE Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es-
por ocupá-lo, limpando-o, cultivando-o, colhendo seus frutos e pro- dos Anjos Bártolo e mulher Celeste Solteiro, residentes na referida
FÁTIMA MORAIS LEÇA, NIF 111 109 248, e marido JOAQUIM critura de hoje, exarada de folhas setenta a folhas setenta e oito do
dutos e efectuando diversas benfeitorias, designadamente o melho- freguesia de Vale de Porco, sendo ele actualmente falecido, não ten-
FERNANDO ROCHEDO LEÇA, NIF 111 109 256, casados sob respectivo livro número cento e cinquenta, MARIA ADÉLIA FER-
ramento das suas vedações, agindo assim, sempre com ânimo de do nunca porém sido celebradas as respectivas escrituras de compra
regime de comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia NANDES, NIF 157 425 964, viúva, natural da freguesia de Atenor,
quem exerce direito próprio, na convicção de tal prédio lhe perten- e venda.
de Salsas, onde residem no Lugar de Vale de Nogueira, concelho residente na freguesia de Palaçoulo, onde reside no Lugar de Prado
cer e de ser a sua verdadeira dona, como tal sendo reconhecida por Que assim, os justificantes possuem todos os ditos bens imóveis
de Bragança; Gatão, ambas do concelho de Miranda do Douro;
toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorar lesar direito alheio, há mais de vinte anos, em nome próprio, na convicção de serem
Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores Que, com exclusão de outrem, é dona e legítima possuidora do
pacificamente, porque sem violência, contínua e publicamente, à os únicos donos e plenamente convencidos de que não lesavam
dos prédios a seguir identificados, ambos localizados na freguesia prédio rústico, composto de terra de horta, centeio e trigo com fi-
vista e com o conhecimento de todos e sem oposição de ninguém. quaisquer direitos de outrem, à vista de toda a gente e sem a menor
de Salsas, concelho de Bragança: gueiras, com a área de vinte e quatro mil seiscentos e cinquenta
Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da forma oposição de quem quer que fosse, desde o início dessa posse, a qual
número um – prédio rústico, composto de terra de cultura e maciei- metros quadrados, sito em “Vale de Pereiro de Cima”, freguesia de
indicada vem exercendo há mais de vinte anos, adquiriu o domínio sempre exerceram sem interrupção, gozando todas as utilidades por
ras, sito em “Ervedal”, com a área de mil novecentos e cinquenta Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro, a confrontar de norte
do dito bem por usucapião, título esse que, por sua natureza, não é eles proporcionadas, com o ânimo de quem exerce direito próprio,
metros quadrados, a confrontar de norte com Manuel Ferreira, sul Manuel Maria Neto, sul com João Francisco Martins, nascente com
susceptível de ser comprovado por meios normais. nomeadamente neles lavrando, semeando, sulfatando, tratando e co-
com caminho, nascente com Amadeu Rochedo Leça e poente com caminho de ferro e outro e poente com estrada, não descrito na
Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para lhendo os respectivos frutos, como cereal, batatas, feijão, nabiças,
Francisco Fernandes, inscrito na respectiva matriz sob o artigo Conservatória do Registo Predial de Miranda do Douro, conforme
fins de primeira inscrição no registo predial. forragens e os mais diversos produtos agrícolas, cortando mato e
5080, com o valor patrimonial tributável de € 13,49 e o atribuído de certidão que da mesma apresenta, mas inscrito na respectiva matriz
Está conforme. silvas e procedendo a outros actos de limpeza, usufruindo de resto de
setenta e cinco euros e; sob o artigo 7759, com o valor patrimonial tributável de € 79,08 e
Bragança, 11 de Fevereiro de 2010. todos os proventos e utilidades proporcionados pelos referidos bens
número dois – prédio rústico, composto de terra de cultura, sito o atribuído de cem euros. imóveis, praticando assim os mais diversos actos de uso, fruição e
A colaboradora autorizada,
em “Ervedal”, com a área de dois mil metros quadrados, a con- Que o identificado prédio foi-lhe vendido no ano de mil novecentos defesa dos mesmos, à vista de toda a gente e portanto de eventuais
Elisabete Maria C. Melgo
frontar de norte e nascente com Delfim Ramos, sul com António interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, sendo por isso
Júlio Afonso e poente caminho, inscrito na respectiva matriz sob uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo que, dadas
o artigo 5029, com o valor patrimonial de € 4,70 e o atribuído de as enumeradas características de tal posse, adquiriram por usuca-
cinquenta euros; pião os identificados prédios, figura jurídica que invocam, por não
não descritos na Conservatória do Registo Predial de Bragança, terem documentos que lhes permitam fazer prova do seu direito de
conforme certidão que da mesma apresentam. propriedade, pelos meios extrajudiciais normais, dado o seu referido

AGRADECIMENTO
Que os identificados prédios vieram à sua posse no ano de mil modo de aquisição.
novecentos e oitenta e cinco, já no estado de casados, pela forma Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
seguinte: Mogadouro e Cartório Notarial, em 12 de Fevereiro de 2010.
a) o primeiro, foi-lhes vendido por Acédio Augusto Saraiva, já fa- A Notária, Fátima Mendes
lecido, residente que foi no aludido Lugar de Vale de Nogueira,
freguesia de Salsas; e
b) o segundo, foi-lhes doado por Albino de Jesus Morais, pai da

Eduardo do Espírito
justificante mulher, já falecido, residente que foi no mesmo Lugar
de Vale de Nogueira; por contratos de compra e venda e doação
meramente verbais, nunca tendo chegado a realizar as necessárias
escrituras públicas.

Santo Morais
Que, assim não são detentores de qualquer título formal que legiti-
me o domínio dos mencionados prédios.
Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil nove-

Leia,
centos e oitenta e cinco, passaram a usufruir os referidos terrenos,
gozando de todas as utilidades por eles proporcionadas, começando
por ocupá-los, limpando-os, cultivando-os, colhendo os seus frutos
e produtos e efectuando diversas benfeitorias, designadamente o
melhoramento das suas vedações, agindo assim, sempre com ânimo

Nascimento - 29.12.1940
Assine
de quem exerce direito próprio, na convicção de tais prédios lhes
pertencerem e de serem os seus verdadeiros donos, como tal sendo
reconhecidos por toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorarem
lesar direito alheio, pacificamente, porque sem violência, contínua
e publicamente, à vista e com o conhecimento de todos e sem opo-
Morte - 06.02.2010

e Divulgue
sição de ninguém.
Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da forma
indicada vêm exercendo há mais de vinte anos, adquiriram o domí-
nio dos ditos prédios por usucapião, título esse que, por sua nature-
Vimos, por este meio, agradecer a todas as pessoas que,
za, não é susceptível de ser comprovado por meios normais.
Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para directa ou indirectamente, nos acompanharam neste
fins de primeira inscrição no registo predial.
Está conforme
Bragança, 11 de Fevereiro de 2010.
doloroso momento. Trás-os-Montes em
A colaboradora autorizada,
Elisabete Maria C. Melgo Esposa e filha www.jornalnordeste.com

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 35


PUBLICIDADE

Soluções
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 vereiro/2009 no montante de € 1.206,00.
de Fevereiro de 2010 II - Independentemente de procedência dos pedidos formulados em I,
deve o réu ser condenado a pagar à autora:

do Passatempo Tribunal do Trabalho de Bragança


Secção Única
a) € 347,20 de indemnização pela violação do direito de férias no ano
de 2008 e 2009.

de 09/02/2010
e) € 178,94 referentes ao subsídio de Natal vencido em 2008, ano de
admissão, e ainda os proporcionais do subsídio de Natal pelo trabalho
ANÚNCIO prestado em 2009, ano de cessação do contrato.
2ª e última Publicação c) Juros de mora à taxa legal.
Tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial que se encon-
Processo: 276/09.8TTBG C tra nesta Secretaria, à disposição do citando.
Acção de Processo Comum Deve, com a contestação, juntar os documentos, apresentar o rol de
Sudoku N/Referência: 291704
Data: 27-01-2010
testemunhas e requerer quaisquer outras provas.
Fica advertido de que é obrigatória a constituição de mandatário ju-
dicial.
Autor: Catarina Alexandra Moreno Fernandes Passei o presente e mais dois de igual teor para serem afixados.
Réu: João Fernando Araújo Bordelo
O Juiz de Direito,
Nos autos acima identificados, correm éditos de 30 dias, contados da Dr(a). Clementina de Jesus Ferreira
data da segunda e última publicação do anúncio, citando o(a) ré(u) O Oficial de Justiça
Réu: João Fernando Araújo Bordelo, NIF - 210132418, domicílio: Rua João Ribas Fernandes
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº694 de
das Almas, 5350-000 Alfândega da Fé, com última residência conhe-
16 de Fevereiro de 2010 16 de Fevereiro de 2010
cida na (s) morada(s) indicada(s) para no prazo de 10 dias, decorrido Notas:
que seja o dos éditos, contestar, querendo, a acção, com a cominação Solicita-se que na resposta seja indicada a referência deste documento
Cartório Notarial de Miranda do Douro de que a falta de contestação não importa a confissão dos factos articu- Nos termos do artº. 32º. do CPC. é obrigatória a constituição de advogado nas
lados pelo(s) autor(es) e que em substância o pedido consiste: causas da competência de tribunais com alçada, em que seja admissível recur-
Certifico narrativamente, para efeitos de publicação, que no dia de I - a) Ser declarado lícito por justa causa, a cessação do contrato, in- so ordinário; nas causas em que seja admissível recurso, independentemente
hoje, neste Cartório Notarial, foi lavrada uma escritura de Justifi- vocado pela autora. do valor; nos recursos e nas causas propostas nos tribunais superiores, e, nos
cação, exarada de folhas 55 a 56v do respectivo livro n° 102-C, termos do Artº. 79 al. a) do CPT é admissível o recurso para o Tribunal da Re-
b) Ser o R. condenado a pagar à A. a indemnização pela cessação do
intervindo como justificantes: Manuel José Ramos, N.I.F. 178 721 lação independentemente do valor da acção, sempre que se discutam questões
contrato por justa causa, por parte da A. a que alude o artº. 441 do C. T. como o despedimento do trabalhador, a sua reintegração na empresa, a valida-
743 e mulher Maria de Lurdes Galvão, N.I.F. 178 721 735, casados no montante de € 1.350,00. de do contrato de trabalho e a determinação da sua categoria profissional
sob o regime da comunhão geral, os dois naturais da freguesia de c) Ser o Réu condenado a pagar as retribuições não pagas correspon- As férias judiciais decorrem de 22 de Dezembro a 3 de Janeiro; de domingo
Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro, onde residem na Rua dente aos dois meses, Dezembro/2008, Janeiro/2009 e 22 dias de Fe- de Ramos à segunda-feira de Páscoa e de 1 a 31 de Agosto
da Igreja, n° 55. E declararam: Que, são donos e legítimos possui- EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO
dores, com exclusão de outrem, dos seguintes bens imóveis, todos CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por
sites em Orreta das Corsas, na freguesia de Palaçoulo, concelho de escritura lavrada no dia dez de Fevereiro de dois mil e dez no
Miranda do Douro: Verba um: Prédio rústico, composto de vinha, Cartório Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves

Farmácias
com a área de dois mil e trezentos metros quadrados, a confrontar Andrade, sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bra-
do norte com Mário Augusta Galego, do sul e nascente com Antó- gança, exarada de noventa e três a folhas noventa e quatro verso do
nio Alonso, do poente com Aníbal Augusto Branco, inscrito na res- livro de notas para escrituras diversas número “Setenta e três –B”,
“VARANDA & CORDEIRO, LIMITADA”, NIPC 500 295 468,
Sexta - Atlântico
pectiva matriz sob o artigo 7880, com o valor patrimonial tributário
com sede em Mogadouro, fizeram as declarações constantes desta
Sábado - Vale d’Álvaro
de Serviço
e atribuído €67,23; e, Verba dois: Prédio rústico, composto de terra
de centeio, com a área de dois mil e duzentos metros quadrados, a certidão, que com esta se compõe de duas laudas e vai conforme
o original.
confrontar do norte e poente com Zéfiro Augusto Galvão e outro,
do sul com Manuel António Cangueiro, do nascente com Manuel Bragança, Cartório Notarial, dez de Fevereiro de dois mil e dez. Domingo - M. Machado
Alexandre Fernandes, inscrito na respectiva matriz sob o artigo A Colaboradora Autorizada
Segunda- Mariano
7884 com o valor patrimonial tributário e atribuído de €5,39. Que
os identificados prédios estão omissos na Conservatória do Registo
Bernardete Isabel C. Simões Afonso

Que a sociedade é dona e legítima possuidora, com exclusão de


- Bragança -
Predial de Miranda do Douro e inscritos na respectiva matriz em
nome do justificante marido. Que os mencionados prédios foram outrem, do prédio urbano, sito na Av do Sabor, freguesia e concelho
de Mogadouro, composto por armazém e actividade industrial, com
por eles adquiridos, em data que não sabem precisar do ano de mil
novecentos e setenta e cinco, por doação meramente verbal, de sua a área de seiscentos metros quadrados, e logradouro com a área de Hoje - Mariano
mãe e sogra Ana Maria da Assunção Ramos, viúva, já falecida, re-
sidente que foi em Prado Gatão, na citada freguesia de Palaçoulo,
dois mil cento e cinquenta metros quadrados, a confrontar do norte
com rua particular, do nascente com estrada nacional, do sul com Amanhã - Soeiro Mais informações em
mas não dispõem de qualquer titulo formal para os registar na con- rua particular e do poente com rua pública, não descrito na Conser-
servatória. Que, no entanto, entraram desde essa altura na posse vatória do Registo Predial de Mogadouro, mas inscrito na matriz
respectiva, sob o artigo 2453, sendo de 27 536,21 euros o seu valor
Quinta - Confiança www.jornalnordeste.com
e fruição dos mencionados prédios, nomeadamente, limpando-os,
desbastando-os, cultivando-os, colhendo os seus frutos e pagando patrimonial, a que atribuem o igual valor.
os respectivos impostos, com ânimo de quem exercita direito pró- Que a sociedade sua representada entrou na posse do referido pré-
prio, de boa fé, por ignorar lesar direito alheio. Que, esta posse tem dio, em mil novecentos e setenta e seis, por compra verbal que dele
sido exercida sem interrupção, de forma ostensiva, à vista de toda fez a Mário Gonçalves e mulher Leonida da Assunção reis e Eduar-
a gente e sem violência ou oposição de quem quer que seja, de do José Cordeiro e mulher Maria de Fátima Rodrigues, residentes
forma correspondente ao exercício do direito de propriedade. Que, em Mogadouro, sem que no entanto ficasse a dispor de título formal
assim, a posse pública, pacífica, continua e em nome próprio dos que lhe permita o respectivo registo na Conservatória do Registo
citados imóveis desde o ano de mil novecentos e setenta e cinco, Predial; mas, desde logo, entrou na posse e fruição do identificado
conduziu à aquisição dos mencionados prédios por usucapião, que prédio, em nome próprio, posse que assim detém há muito mais de
expressamente invocam para justificar o seu direito de propriedade vinte anos, sem interrupção ou ocultação de quem quer que seja.
Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi-

À terça-
para fins de registo.
Está conforme o original o que certifico. ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome
Miranda do Douro, 10 de Fevereiro de 2010. próprio e com aproveitamento de todas as utilidades do prédio,
nomeadamente, fazendo obras de melhoramento, guardando ali
A Conservadora, em exercício de funções notariais os seus haveres e diversos bens móveis, agindo sempre por forma

feira nas
Carla Maria Ferreira da Silva correspondente ao exercício do direito de propriedade, quer usu-
fruindo como tal o imóvel, quer beneficiando dos seus rendimen-
tos, quer suportando os respectivos encargos e as referidas obras de
melhoramento e conservação, quer ainda pagando as respectivas

Bancas
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de contribuições e impostos, mantendo-o sempre na sua inteira dis-
16 de Fevereiro de 2010 ponibilidade.
Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública,
CARTÓRIO NOTARIAL DE LAMEGO conduziu à aquisição do imóvel, por usucapião, que invoca, justi-
DO NOTÁRIO ficando o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado
que esta forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer
FERNANDO MANUEL CARDOSO DE SOUSA outro título formal extrajudicial.

CERTIFICO, para efeitos de publicação, que por escritura de Justi-


ficação lavrada hoje, neste Cartório, exarada a fls. 105 e seguintes,
do Livro de Notas para Escrituras Diversas nº 134-E, CARME-
LINA DO NASCIMENTO MARTINS, que também usa e é co-
nhecida por Carmelinda do Nascimento Martins, viúva, natural da
freguesia de Ventozelo, concelho de Mogadouro, residente na Rua
dos Fornos, 30, Lote 2, em Lamego, NIF 139 829 725, declarou que
com exclusão de outrem é dona e legítima possuidora do seguinte
prédio situado na freguesia de Peredo da Bemposta, concelho de
Mogadouro:
RÚSTICO – Cortinha Traz de Casa – composto de prado natural,
descrito na Conservatória do Registo Predial de Mogadouro, sob o
número quinhentos e vinte e dois, inscrito na matriz sob o artigo
274-C, com o valor patrimonial de € 11,94 (IMI) e atribuído de
CEM EUROS.
Que apesar do referido prédio se encontrar registado na respectiva
Conservatória a favor de Francisco Maria Martins e mulher Maria
da Conceição Caseiro, casados sob o regime da comunhão geral,
residentes que foram na dita freguesia de Ventozelo, pela inscri-
ção ap. dois, de vinte e sete de Junho de mil novecentos e setenta
e cinco, sendo estes e respectivos herdeiros incertos, notificados
editalmente, através de notificação notarial avulsa nos termos do ar-
tigo 99 do Código do Notariado e já arquivada neste Cartório como
documentos números três e quatro do maço de notificações avulsas
número um, referente ao ano de dois mil e dez, o mesmo é pertença
exclusiva da aqui justificante, uma vez que foi por ela adquirido por
doação que lhe foi feita pelos referidos Francisco Maria Martins e
mulher Maria da Conceição Caseiro, doação essa feita em dia e mês
que não pode precisar mas que foi durante o ano de mil novecentos
e setenta e oito e nunca reduzida a escritura pública, motivo pelo
qual a justificante não é detentora de qualquer documento formal
que legitime o seu domínio sobre o mesmo.
Que não obstante isso, pelo menos desde mil novecentos e setenta
e oito, que a justificante, está na posse do referido prédio, cultivan-
do-o, zelando pela sua conservação e manutenção, considerando-se
e sendo considerada como sua única dona, na convicção que não
lesava quaisquer direitos de outrem, tendo a sua actuação e pos-
se, sido de boa fé, sem violência e sem oposição, ostensivamente
e com conhecimento da generalidade das pessoas que vivem na
freguesia onde se situa o prédio e tudo isto por lapso de tempo
superior a vinte anos.
Que esta posse em nome próprio, pacifica, continua e pública,
desde há mais de vinte anos, conduziu à aquisição daquele prédio
por usucapião que expressamente invoca, justificando o seu direi-
to de propriedade para efeito do registo dado que esta forma de
aquisição não pode ser provada por qualquer outro título formal
extrajudicial.
ESTÁ CONFORME O ORIGINAL.
Lamego, em 10 de Fevereiro de 2010
O Notário,
Fernando Manuel Cardoso de Sousa

36 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 VERBA Nº 10


Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de 16 de Fevereiro de 2010 de Fevereiro de 2010 Uma consola de jogos portátil, de marca “Sony”, modelo PSP-Play
Station, de cor branca, em regular estado de conservação, com a refe-
TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA rência 01-274002225033168-PSP 1004, sem carregador e falta-lhe um
MUNICIPIO DE VIMIOSO DE BRAGANÇA
botão de comando, avaliada em oitenta euros - 80,00 €
VERBA N° 11
CÂMARA MUNICIPAL Central Um telemóvel de marca “Nokia”, modelo 6110, com bateria, de cor
cinzenta e preta, e IMEI 357666016745835, em regular estado de con-
ANÚNCIO servação, avaliado em cinquenta euros - 50,00 €
EDITAL 1ª Publicação VERBA N° 12
Um telemóvel de marca “Nokia”, modelo 5610, com bateria, de cor
PROCESSO ADMINISTRATIVO PARA VENDA DE OBJECTOS preta e azul, e IMEI 352028020803057, em regular estado de conser-
“Alvará de Loteamento Urbano com Obras de Urbanização n.° 1/2010” N° 1/2010 vação, avaliado em vinte e cinco euros - .25,00 €
VERBA Nº 13
Faz-se saber que foi designado o dia 17 de Março de 2010, pelas 14:00
horas, no Tribunal Judicial de Bragança, para abertura de propostas em Um telemóvel de marca “Nokia”, modelo 1600, com bateria, de cor
UM — Faz público, em cumprimento do disposto no artigo 78° do Decreto Lei n.° 177/2001, de carta fechada entregues até ao momento na Secretaria deste Tribunal preta, e IMEI 358383004286074, em regular estado de conservação,
pelos interessados na compra, por valor superior ao da avaliação, dos avaliado em cinco euros - 5,00 €
4 de Junho, alterado pela Lei 60/2007 de 4 de Setembro, que foi concedido o alvará de licencia- bens móveis a seguir discriminados: VERBA N° 14
mento do loteamento urbano n.° 1/2010, em nome de Domingos António Cepeda Bartolomeu, VERBA N° 1 Um telemóvel de marca “Sagen”, modelo Vodafone, com bateria, de
Um ciclomotor, de marca “Peugeot”, com 30606 km, e o número de cor preta, e IMEI 351568027083774, em regular estado de conserva-
José Cepeda Bartolomeu, Maria Angelina Cepeda Bartolomeu e Fernanda Cepeda Bartolomeu motor 9227287, sem matricula, em mau estado de conservação ( suca- ção, avaliado em dez euros - 10,00 €
Fernandes, contribuintes n.°s 163278431, 175767858, 187541663 e 178398047, que titula a apro- ta ), que se encontra nas instalações do parque da P.S.P. de Bragança, VERBA Nº 15
avaliado em cinquenta euros - 50,00 € Um telemóvel de marca “Nokia”, modelo 1600, com bateria, de cor
vação da operação de loteamento e respectivas obras de urbanização de uma parcela de terreno VERBA Nº 2 cinzenta, e IMEI 351898019350851, em regular estado de conserva-
com a área de dois mil setecentos e vinte e quatro virgula cinquenta e três metros quadrados de um Um tractor de marca “Same”, cor laranja, modelo Vigneron (75) DT, ção, avaliado em cinco euros - 5,00 €
ano de fabrico 1986, capacidade de carga 5000 kg, com 362 horas, VERBA Nº 16
prédio rústico, confrontando a Norte com João da Veiga Bartolomeu, Sul com Domingos Lopes motor nº 1000.4a2*58784*, quadro n° VIG 75 T 1986, sem matricula, Um telemóvel de marca “Samsung”, modelo SGH-C520, com bateria,
Ataíde, Nascente com Inês Granjo Ferreira, Poente com Estrada, descrito na Conservatória do Re- que se encontra nas instalações da GNR de Bragança, avaliado em seis de cor vermelha, e IMEI 3575480117008274, em regular estado de
mil euros - 6.000,00 € conservação, avaliado em dez euros - 10,00 €
gisto Predial de Vimioso sob o número 00537/100204, inscrito na matriz da Freguesia de Argoselo VERBA Nº 3 VERBA N° 17
sob o artigo n.° 2714, no Lugar de Valdesinha, da respectiva Freguesia. Um veículo automóvel de matricula 64-82-CT, marca “Citroen”, mo- Um telemóvel de marca “Siemens”, com bateria, de cor azul, e IMEI
delo AX, de cor preta, com 1.124 cm3 de cilindrada, a gasolina, de 354796000308222, em regular estado de conservação, avaliado em
DOIS — O loteamento e os projectos das obras de urbanização, foram aprovados, respectivamen- 5 lugares, com 192.547 km, do ano de 1993, com o quadro VF72A- cinco euros - 5,00 €
te em Reunião Ordinária desta Câmara Municipal de 12 de Novembro de 2007 e por despacho do DB0005DB5370, em mau estado de conservação, que se encontra no VERBA Nº 18
parque da PSP de Bragança, avaliado em duzentos euros - 200,00 € Um telemóvel de marca “Sharp”, modelo GX 25, com bateria, de cor
Sr. Presidente de 20 de Abril de 2009, respeitam o disposto na Planta de Ordenamento da Fregue- VERBA Nº 4 preta, e IMEI 354720007484921, em regular estado de conservação,
sia de Argoselo, e demais condições técnicas contidas no PDM actualmente em vigor. Um telemóvel de marca “Nokia”, modelo 1600, com bateria, de cor avaliado em cinco euros - 5,00 €
cinzenta, e IMEI 356446012164088, em regular estado de conserva- VERBA N° 19
TRÊS — Respeita também os pareceres emitidos pela Divisão de Urbanismo desta Câmara Muni- ção, avaliado em dez euros - 10,00 € Um telemóvel de marca “Samsung”, modelo SGH -J 750, com bateria,
cipal em 17 de Março de 2005 e 25 de Outubro de 2007, pareceres favoráveis dos Bombeiros em VERBA Nº 5 de cor preta, e IMEI 356594011354810, em regular estado de conser-
Um telemóvel de marca “Siemens”, modelo MC 60, com bateria, de vação, avaliado em dez euros - 10,00 €
21 de Setembro de 2007, Delegação de Saúde em 6 de Setembro de 2007, EP em 21 de Setembro cor cinzenta, e IMEI 3511952005057986, em regular estado de con- VERBA Nº 20
de 2007, PT Comunicações, S.A. em 18 de Março de 2009 e da EDP em 17 de Junho de 2008, servação, avaliado em dez euros - 10,00 € Um anel de senhora em ouro amarelo - anilha, com frizos, com o peso
VERBA Nº 6 de 2,6 gr, avaliado em vinte e sete euros - 27,00 €
quanto ao projecto de gás foi deferido conceder isenção por despacho de 21 de Julho de 2008. Um telemóvel de marca “Samsung”, modelo SH M616, com bateria, VERBA Nº 21
QUATRO — É autorizada a constituição de quatro lotes de terreno para construção urbana nume- de cor, e IMEI 355811012682127, em regular estado de conservação, Um fio em ouro branco, em malha quadrada, com 3,9 gr, avaliado em
avaliado em dez euros - 10,00 € trinta e nove euros - 39,00 €
rados de um a quatro e identificados respectivamente com as áreas e confrontações seguintes: VERBA Nº 7 VERBA Nº 22
Lote Um – Com área de quinhentos e vinte e seis virgula cinquenta metros quadrados, a confron- Um telemóvel de marca “Samsung”, modelo SGH-X 640, com bate- Uma cruz em ouro branco, com ouro polido e acetinado, com 4,6 gr,
ria, de cor cinzenta, e IMEI 359939004875916, em regular estado de no valor de quarenta e seis euros - 46,00 €
tar a Norte com João da Veiga Bartolomeu, Sul com o Lote n.° dois, Nascente com Inês Granjo conservação, avaliado em dez euros -10,00 € VERBA Nº 23
Ferreira e Poente Estrada. VERBA Nº 8 Um anel em ouro amarelo, próprio para homem, com pedra branca,
Um veículo automóvel de matricula 82-80-NN, marca “Rover”, mode- tipo solitário, com 4,9 gr, avaliado em quarenta e nove euros - 49,00 €
Lote Dois – Com área de quinhentos e trinta e um virgula cinquenta metros quadrados, a con- lo XWTWXT 218 SLD, de cor cinzenta, com 1.769 cm3 de cilindrada,
frontar a Norte com Lote n.° um, Sul com o Lote n.° três, Nascente com Inês Granjo Ferreira e a gasóleo, de 5 lugares, com 82.166 km, do ano de 1992, com o quadro Os bens descritos sob as verbas 4 a 7, 9 a 23, encontram-se no Tri-
SAXXWYWXTAD625936, em regular estado de conservação, que se bunal
Poente Estrada. encontra no parque da PSP de Bragança, avaliado em seiscentos euros Judicial de Bragança, que os Telemóveis supra descritos, não têm car-
Lote Três – Com área de Quinhentos e cinquenta metros quadrados, a confrontar a Norte com Lote - 600,00 € regador, podendo os bens ser mostrados a quem o solicitar na Secreta-
VERBA Nº 9 ria deste Tribunal todos os dias úteis, durante a hora de expediente.
n.° dois, Sul com o Lote n.° quatro, Nascente com Inês Granjo Ferreira e Poente Estrada. Uma máquina fotográfica digital, de marca “HP-Photosmart”, modelo Bragança, 3 de Fevereiro de 2010
Lote Quatro – Com área de seiscentos e setenta e um virgula setenta metros quadrados, a con- E 427, de cor prateada, de 6.0 magapixels, em bom estado de funcio- O Escrivão Adjunto
namento, avaliada em cinquenta euros - 50,00 € Armando António Meireles
frontar a Norte com Lote n.° três, Sul com Domingos Lopes Ataíde, Nascente com Inês Granjo
Ferreira e Poente Estrada.
CINCO – Em conformidade com o estipulado no artigo 44 do D.L. n.° 555/99, de 16 de De- Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de
zembro, na redacção dada pelo D.L. 177/2001 e alterado pela Lei 60/2007 de 4 de Setembro, de 16 de Fevereiro de 2010 16 de Fevereiro de 2010
acordo com os parâmetros de dimensionamento do artigo 37 do Regulamento do PDM, o loteador EXECUÇÃO PARA PAGAMENTO DE QUANTIA CERTA
cede gratuitamente à Câmara Municipal de Vimioso uma área total dezanove virgula vinte e cinco Cartório Notarial de Miranda do Douro
Processo N°. 189/04.0TBSJP
metros quadrados para arruamentos passeios e estacionamentos. Execução Para Pagamento de Quantia Certa Certifico narrativamente, para efeitos de publicação, que no dia
SEIS – Deveria ceder também 191.9 m2 para equipamentos e espaços verdes, mas que a Câmara N/Referência: P.I. n.° 12/05 de hoje, neste Cartório Notarial, foi lavrada uma escritura de Jus-
Data: 05/02/2010 tificação, exarada de folhas 49 a 50 do respectivo livro nº 102-C,
considerou não se justificar e foram substituídos pelo pagamento da taxa prevista no artigo 31 do Exequente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo intervindo como justificante: Ana Maria Galego, N.I.F., 165 189
RMUE de Vimioso. S. João da Pesqueira, CRL. 665, viúva, natural da freguesia de Atenor, residente na Rua da
Executado: Celeste do Céu Trigo de Carvalho e Outro. República, n° 28, freguesia de Sendim, ambas do concelho de
SETE – Foi prestada caução a que se refere o artigo 54 do Decreto de Lei n.° 555/99, de 16 de De-
Miranda do Douro.
zembro na redacção dada pelo Decreto Lei 177/2001, de 4 de Junho, e alterado pela Lei 60/2007, ANÚNCIO E declarou: Que, é dona e legitima possuidora, com exclusão de
de 4 de Setembro no valor de € 9 926,90 (nove mil novecentos e vinte e seis euros e noventa 1ª Publicação outrem, do prédio rústico, sito em Mina, freguesia de Sendim,
concelho de Miranda do Douro, composto de terra de centeio,
cêntimos), mediante depósito em cheque n.° 4483166597 da CA Credito Agrícola, datado de 27 Nos autos acima identificados foi designado o dia 9 de Março 2010 com a área de catorze mil, setecentos e vinte metros quadrados,
de Janeiro de 2010. pelas 11H30, no Tribunal Judicial de S. João da Pesqueira, para a a confrontar do norte com José Francisco Mendonça, do sul com
abertura de propostas que sejam entregues até às 11 horas do dia estrada, do nascente com Vitorino do Nascimento Rodrigues e do
OITO – Para a completa execução da obra de urbanização é fixado o prazo de 2 meses a contar designado, na Secretaria deste Tribunal, pelos interessados na com- poente com caminho, não descrito na Conservatória do Registo
da data do presente alvará. pra do seguinte bem imóvel: Predial de Miranda do Douro e inscrito respectiva matriz, em
Bem a vender: - nome da justificante, sob o artigo 1352, com o valor patrimonial
NOVE – A execução das obras ficam sujeita à fiscalização desta Câmara Municipal, devendo dar- Prédio Urbano sito na Avenida Marechal Carmona, freguesia e con- tributário e atribuído €33,51. Que o mencionado prédio foi por ela
se cumprimento às orientações dos pareceres aos projectos de especialidades. celho de Vila Flôr, constituído por uma casa de habitação com cave, adquirido, já no estado de viúva, em data que não sabe precisar
rés de chão, 1° andar e com área de 48 m2 e um quintal com 150 do ano de mil novecentos e oitenta, por doação meramente ver-
DEZ – Deverá o loteador observar e cumprir quaisquer orientações e obrigações que venham a m2; inscrito na matriz sob o artigo 784 e descrito na Conservatória bal, de seus pais António Augusto Galego e mulher Arminda da
ser-lhe comunicadas pela EDP/EN e Portugal Telecom ou outros serviços públicos. do Registo Predial de Vila Flor sob o n.° 673/311293. Anunciação Pais, já falecidos, residentes que foram em Teixeira,
Valor base do bem a vender: € 110.000,00 (sendo o valor a anunciar
da referida freguesia de Atenor, mas não dispõe de qualquer titulo
ONZE — As construções a edificar nos lotes agora formadas ficam sujeitas às condições técnicas de € 77.000,00).
formal para o registar na conservatória. Que, no entanto, entrou
constantes do respectivo regulamento, cujas regras principais se indicam. Em relação às propostas, não serão aceites todas as que forem de
desde essa altura na posse e fruição do mencionado prédio, no-
valor inferior a 70% do valor base do bem em causa.
ONZE PONTO UM — Nos lotes de um a quatro poderá ser construído um edifício, destinado Penhorados a Celeste do Céu Trigo de Carvalho e Nelson Duarte
meadamente, limpando-o, desbastando-o, cultivando-o, colhendo
os seus frutos e pagando os respectivos impostos, com ânimo de
a habitação/garagem e/ou comércio, isolado, composto de R/chão e dois pisos superiores, com Veiga de Carvalho – residentes na Rua do Ormuz, n.° 42, 4465
quem exercita direito próprio, de boa fé, por ignorar lesar direito
– 222 S. Mamede Infesta.
altura máxima de 9,0 m. É fiel depositário o Sr. Francisco Manuel Veiga de Carvalho – Ave- alheio.
Que, esta posse tem sido exercida sem interrupção, de forma os-
DOZE - Está prevista para o lote um, uma área de implantação de 115 m2 e área de construção nida Marechal Carmona, 5360 – 303 Vila Flor.
tensiva, à vista de toda a gente e sem violência ou oposição de
As propostas enviadas pelo correio deverão conter, sob cominação
total de 345 m2. de não serem consideradas, fotocópia do bilhete de identidade e quem quer que seja, de forma correspondente ao exercício dó
direito de propriedade. Que, assim, a posse pública, pacífica, con-
DOZE PONTO UM - Está prevista para cada um dos lotes dois, três e quatro uma área de implan- número de contribuinte do proponente e/ou seu legal representante,
tinua e em nome próprio do citado imóvel desde o ano de mil
bem como telefone de contacto.
tação de 121,00 m2 e área de construção total de 363 m2. Os proponentes devem juntar à sua proposta, como caução, um novecentos e oitenta, conduziu à aquisição do mencionado prédio
por usucapião, que expressamente invoca para justificar o seu di-
TREZE - Área total de terreno — 2724,53 a que acresce ainda área de terreno público adjacente cheque visado, à ordem do solicitador de execução no montante
reito de propriedade para fins de registo.
correspondente a 20 % do valor base dos bens, ou garantia bancária
para pavimentar de 31,17 m2 sendo 2279,70 de área total dos quatro lotes construídos, 19.25 m2 no mesmo valor. Está conforme o original o que certifico.
de áreas de cedência para alargamento de arruamentos e passeios ficando como parcela restante Sendo a proponente pessoa colectiva, deverá a referida proposta
Miranda do Douro, 09 de Fevereiro de 2010.
ser acompanhada por documento onde se possa aferir, sem margem
456,75 m2. para dúvidas, de que quem a representa tem poderes para o acto.
TREZE PONTO UM - Áreas de Cedência para: O Agente de Execução, A Conservadora, em exercício de funções notariais,
Américo Alves Carla Maria Ferreira da Silva
Arruamentos, Passeios e Estacionamento: dezanove virgula vinte e cinco metros quadrados.
CATORZE — Cada lote terá que incluir um espaço coberto de garagem e outro descoberto de
estacionamento, haverá ainda 8 lugares de estacionamento público. Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 694 de ré(u) Alexsander Leandro Teixeira, com última residência conheci-
16 de Fevereiro de 2010 da em domicílio: Rua António de Andrade, N° 7, Cave A, Lisboa,
1700-043 LISBOA, para no prazo de 30 dias, decorrido que seja o
Da concessão deste Alvará vai ser dada imediata publicidade, para todos os efeitos prescritos Tribunal Judicial de Bragança dos éditos, contestar, querendo, a presente acção, com a indicação
no artigo 78 do Decreto Lei n.° 555/99, de 16 de Dezembro, na redacção dada pelo Decreto Lei 1° Juízo
de que a falta de contestação não importa a confissão dos factos
articulados pelo(s) autor(es) e que em substância o pedido consiste
177/2001, de 4 de Junho, alterado pela Lei 60/2007 de 4 de Setembro. em que o mesmo seja decretado entre Autora e Réu , tudo como
ANÚNCIO melhor consta do duplicado da petição inicial que se encontra nesta
1ª Publicação Secretaria, à disposição do citando.
Câmara Municipal de Vimioso, 2 de Fevereiro de 2010 Fica advertido de que é obrigatória a constituição de mandatário
Processo: 288/09.1TBBGC judicial.
Divórcio Sem Consentimento do Outro Cônjuge Bragança, 04-02-2010 N/Referência: 1451869
O Presidente da Câmara, Autor: Maria Júlia Delgado Ferreira
JOSÉ BAPTISTA RODRIGUES Réu: Alexsander Leandro Teixeira O Juiz de Direito,
Dr. Miguel Ângelo França
António Augusto Torrão Vaz Nos autos acima identificados, correm éditos de 30 dias, contados O Oficial de Justiça,
Vereador da data da segunda e última publicação do anúncio, citando o(a) Emília Silva

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 37


LAZER

LIVRO DA SEMANA PASSATEMPOS

“Ernestina”, de , Sudoku
www.broadband-junction.com
Compare broadband deals.

J. Rentes de Carvalho
Put your advertisment here www.sudoku.name/ads/

6 4 9
3 2 8
SANDRA CANTEIRO 7 1 3 4
A última obra de J. Rentes de 2 6 4 5 O objectivo é preen-
Carvalho ganhou o nome da mãe do
autor: “Ernestina”, que se assume,
4 1 6 cher um quadrado
também, como a protagonista deste 1 7 2 9x9 com números
trabalho aclamado pela crítica holan-
desa. 2 1 8 9 de 1 a 9, sem repetir
Com toques autobiográficos e
memórias de tempos idos, este ro-
1 5 3 números em cada
www.broadband-junction.com
mance começa na década de 30, em
Vila Nova de Gaia, ano e cidade onde
5 9
Compare broadband deals.
2 linha e cada coluna.
#9433 www.sudoku.name
J. Rentes de Carvalho nasceu, mo- Put your advertisment here www.sudoku.name/ads/ Também não se pode
mento em que recorda episódios em
família.
1 5 3 repetir números em
Ao longo de “Ernestina”, o escri-
tor fala de eventos, como feiras e fes-
3 8 1 cada quadrado de
tas, transmontanos ou recorda locali- 2 6 5 3x3.
dades “perdidas” no Interior do País,
como Torre de Moncorvo, Vila Flor, vivido em um sem-número de cida-
5 6 8
Mogadouro, Trancoso ou Pesqueira. des, países. Trabalhou em diversos 9 6 2 4 1
Muitos são os relatos e persona- órgãos de comunicação social bra-
gens que J. Rentes de Carvalho faz sileiros. Já na década de 50, passa 2 4 1 3
chegar até ao leitor, através de uma a viver em Amesterdão (Holanda), 1 9 6
escrita simples, mas sofisticada e onde, depois de diversas profissões,
rica, que nos fazem sentir próximos passou a dedicar-se à escrita, tendo 9 7 3
das vivencias do autor. publicado algumas obras que foram
Recorde-se que J. Rentes de Car- verdadeiros sucessos até que editou
8 5 2
valho, de ascendência transmontana, “Ernestina”, considerado como o me- #10510 www.sudoku.name
nasceu em Vila Nova de Gaia, tendo lhor trabalho do autor. Soluções no próximo número

HORÓSCOPO Por Maysa

CARNEIRO GÉMEOS LEÃO BALANÇA SAGITÁRIO AQUÁRIO


Torre Imperador Força Papisa Lua Morte
Se procurar encontrar a calma Parece que neste momento tudo se A conjuntura é bastante positiva A sua sensibilidade encontra-se à Quando a relação esta no caminho É bom que procure conscien-
nos momentos em que tudo à encontra numa grande confusão, pelo que não deve temer envolver- flor da pela, por isso procure acal- do sucesso ficamos entusiasmados, cializar-se, de que um ciclo na
sua volta parece desmoronar, principalmente no que se refere ao se em novos amores, afirmando os mar-se, já que as suas reacções po- mas quando algo começa a correr sua vida está a chegar ao fim.
descobrirá que existe em si amor. Procure não ser tão exigente seus sentimentos. Não pense de- derão, não corresponder aquilo que mal ficamos abatidos, o que é com- Comece por analisar o passado
algo, que nada nem ninguém com os outros, pois se pensar um mais já que a semana é de mudança pretende, transmitir a quem tem ao preensível para ambos os casos. É e verifique, se as suas experiên-
poderá destruir, que será a sua pouco, talvez exija mais do que e com a força de vontade que atra- seu lado. pena que não tenha tido percepção, cias de vida e objectivos foram
persistência, para continuar fir- aquilo que dá na realidade. vessa poderá superar pessimismo Procure inter agir no seu local de que algo tinha acabado, seria me- atingidos. As mudanças, serão
me, e de pé, na sua caminhada. Seja menos drástico nas tomadas ou a tendência instintiva para tomar trabalho, recolhendo dados para nos doloroso para si. cruciais, mas terão que ser bem
Procure ser positivo, a nível la- de posição, com os seus colegas de atitudes radicais. chegar a conclusões objectivas, e O momento é favorável para a sua pensadas, de modo a não causar
boral, e mesmo que passe por trabalho. Fortes indícios de sucesso no pla- logo sairá do impasse em que se carreira profissional, e para desen- danos.
contestações, saiba manter a Procure sair com os amigos, e re- no profissional, desde que tome encontra. volver as suas capacidade criati- Algumas dificuldades a nível
calma. laxar. posições definidas e não abandone Cuide da sua alimentação, procure vas. laboral, por estar vinculado a
Algum descontrole na saúde. projectos. não estar muitas horas sem comer. Algumas insónias, causadas, por compromissos ou normas rígi-
Ocupe os seus tempos livres com os pensamentos menos positivos. das.
amigos, e procure divertir-se. Cuidado com as quedas.

TOURO CARANGUEJO VIRGEM ESCORPIÃO CAPRICÓRNIO PEIXES


Temperança Eremita Louco Diabo Amantes Roda Fortuna
Reina alguma instabilidade na Preocupar-se, desgasta cansa e faz Existe uma certa tensão no seu re- O amor é uma energia que trans- Neste momento sente-se um pouco Acontecimentos inesperados
sua relação. Tente proteger-se, sofrer, é nesse base que se encon- lacionamento, evite discussões ou forma e cura. Mas neste momento, à deriva, tudo isto porque situações poderão causar-lhe alguma in-
pois terá alguma dificuldade em tra a sua relação. Sabe que tem desentendimentos, pois este podem acredita que amar é sentir ciúme e que até aqui não punha em causa, satisfação ou ansiedade. Pro-
lidar com esse tipo de situação, pela frente uma longa caminhada, causar-lhe certos dissabores, pelos ser possessivo. Nada mais errado. estarão todas a ser questionadas. cure criar uma certa harmonia,
já que neste momento atravessa com muitas etapas para alcançar, quais mais tarde se poderá vir arre- A beleza do amor está na liberdade, Talvez tenha chegado a hora de re- pois uma união não se constrói
um período em que necessita de mas nem sabe se tem forças, para pender em se viver com alguém por livre solver, aquilo que não tem solução, pela segurança material mas
maior apoio a nível sentimen- continuar o caminho. Talvez fosse Semana em que é possível superar escolha, e não por qualquer tipo de saiba controlar ansiedade, e não sim pelo afecto. Para si é nor-
tal. conveniente não se esforçar com obstáculos desde que faça um esfor- imposição. adie decisões, pois tudo isso só lhe mal confundir amor com posse,
Semana bem melhor a nível la- detalhes mas sim aproveitar a sua ço para estar mais concentrado. Sentirá grande capacidade de se causa sofrimento. mas.. a vida irá encarregar-se de
boral, que sentimental, já que luz interior, para ter uma visão mais Procure repor as suas energias, no adaptar a todas as situações mesmo Procure não quer ser tão rígido, lhe mostrar a diferença.
terá força necessária para en- global da situação. aconchego do lar. as que surjam de forma inesperada. nas palavras e nas acções. A nível laboral aproveite, a con-
frentar todos os desafios. A nível laboral, encontra-se muito A sua saúde poderá ressentir-se se Com a parte emocional mal resol- juntura com calma e sabedoria.
Na saúde, não deixe que ansie- sensível, em relação a criticas. exagerar no ritmo de trabalho. vida, logo a saúde não andará mui- Precisa de praticar exercício fi-
dade tome conta de si. Saúde instável, procure ouvir as to bem. síco.
queixas do seu organismo.

38 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE


INZONICES

INCLINÓMETRO
O
Pelourinho
POSITIV
Comando à distância – O Aeródromo Municipal de Mogadouro foi
notícia no jornal Público. Li e reli o artigo, mas mais não vi do que guerras de
IVO
NEGAT capela. Só faltou falar da remuneração do director do Aeródromo, que não
está Mogadouro a tempo inteiro, mas tem um salário bem atractivo, mesmo
estando reformado! Ai que País o meu…

Balão – A GNR montou tenda nas en-


tradas e saídas de Vinhais. Mudam-se os
tempos, realmente… Anos houve em que o
álcool media forças com o sangue nas veias
Jorge Gomes de muitos automobilistas, e de que manei-
Governador Civil de Bragança ra. Nem um ex-Presidente de Câmara (na
altura em funções) escapou às malhas do
Resíduos do Nordeste Pela primeira vez, os con- balão, ostentando uma taxa de fazer inveja
dutores foram premiados por a qualquer adepto do copo...
O Tribunal de Contas seguirem a máxima “Se con-
detectou irregularidades no duzir não beba”. Além duma Sol – Poucos temas já fizeram correr
concurso público para a lim- aposta clara na prevenção, o tanta tinta como o alegado plano do Gover-
peza urbana na Terra Quente Governo Civil e as autoridades no para controlar a Comunicação Social. O
Transmontana. Eis uma “nó- envolvidas na operação opta- nome da PT é quase sempre invocado. Ora,
doa” que mancha o “pano” de ram por uma acção pedagógica até parece que não era a PT que, antes da
uma empresa que, até à data, e no contacto directo com os entrada em cena de Joaquim Oliveira, con-
só era citada pelos melhores automobilistas, que merece ser trolava títulos como o JN e o DN e rádios
motivos. realçada pela positiva. como a TSF. Onde está a novidade, afinal?

Vamos por aqui para não


Não beba álcool, Sr. Ministro, passarmos pelos jornalistas
que o governador dá-lhe um

foto
do SOL!
vale de 50% de desconto na
tasca do Jacob!

Novela
No queijo sou como o Guterres,
gosto mais do Limiano!
Oh... o Mota vai-se candidatar
outra vez à Distrital. E eu que já
estava a preparar a corrida...

16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE 39


Tribunal de Contas recusa
visto à Resíduos do Nordeste
TERESA BATISTA que a lei em vigor obrigava a empre- do mercado único a que Portugal se ter sido inferior a 52 dias.
sa a publicitá-lo no Jornal Oficial da encontra obrigado pela vinculação O TC considerou que a “ilega-
União Europeia (JOUE). No entanto, dos Tratados Europeus”. lidade identificada é susceptível de
Concurso para a limpeza na Ter-
o concurso, apenas, foi publicado em Acresce, ainda, que o referi- reduzir a concorrência, de limitar o
ra Quente não foi publicado no Diário da República (DR) e nos jor- do contrato engloba o montante de universo das propostas apresentadas
Jornal Oficial da União Europeia nais “O Primeiro de Janeiro” e “Jor- 928.733,88, acrescido de IVA, um e, consequentemente, de prejudicar
nal de Noticias”. valor superior ao limiar estabeleci- o interesse financeiro em dispor de
O Tribunal de Contas (TC) recu- Segundo o acórdão do TC, ao do pela directiva que cria excepções condições para a obtenção da melhor
sou o visto ao contrato estabelecido omitir-se a publicação no JOUE à publicação no JOUE, em vigor à proposta”. Nesta linha, as ilegalida-
entre a Empresa Intermunicipal Re- “prejudicou-se a realização da mais data da autorização para a abertura des que alterem, ou possam alterar,
síduos do Nordeste e a FOCSA – Ser- ampla concorrência possível e da do concurso, que se situava nos 211 o resultado financeiro dos contratos
viços de Saneamento Urbana de Por- igualdade de oportunidades entre mil euros. constituem fundamento da recusa de
tugal para a “Prestação de Serviços operadores económicos do Espaço Ao publicar este concurso, ape- visto a contratos sujeitos a fiscaliza-
de Limpeza Urbana na Terra Quente Europeu”. Além disso, o documento nas, em jornais nacionais e no DR, o ção prévia do TC.
Transmontana”. realça que a “exigência de publicida- prazo para a apresentação das pro- O Jornal NORDESTE tentou ob-
Aquele organismo alega que o de no JOUE responde a imperativos postas foi de 30 dias, ao passo quer ter uma reacção sobre esta matéria
concurso público aberto pela Resídu- de direito interno e também de direi- se fosse feito no Jornal da União Eu- do presidente da Empresa Resíduos
os do Nordeste, em 2008, não obe- to comunitário, sendo que o seu in- ropeia, o prazo estabelecido para a do Nordeste, Paulo Praça, mas tal não
deceu aos preceitos legais, uma vez cumprimento prejudica a realização entrega das propostas nunca poderia possível até ao fecho desta edição.

40 16 de Fevereiro de 2010 JORNAL NORDESTE