Você está na página 1de 150
1 UNIÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA – UNECE FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA CURSO

1

UNIÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA – UNECE FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA CURSO DE DIREITO

NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE DIREITO

EUNÁPOLIS,

2010.

2 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE Prof. Msc. Wantuil Luiz Cândido Holz Coordenador Prof. Esp. Igor Saulo Ferreira

2

NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE

Prof. Msc. Wantuil Luiz Cândido Holz Coordenador

Prof. Esp. Igor Saulo Ferreira Rocha Varjão Assunção Membro

Prof. Msc. Jeferson Fernando Celos Membro

Prof. Msc. Romualdo Flavio Dropa Membro

Prof. Esp. Soane Lopes dos Santos Membro

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE DIREITO

Segunda

reformulação do Projeto

Pedagógico do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia. Elaborado pelo Núcleo Docente

Estruturante. Em vigência para as turmas ingressantes a partir do vestibular de

2011.

EUNÁPOLIS,

2010.

3 ASPECTOS LEGAIS MANTENEDORA: União de Educação e Cultura (UNECE). Natureza Jurídica: Associação de Educação e

3

ASPECTOS LEGAIS

MANTENEDORA:

União de Educação e Cultura (UNECE).

Natureza Jurídica:

Associação de Educação e Assistência Social, de personalidade jurídica de direito privado.

Data de Instituição:

15 de setembro de 1998.

Registro:

Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas da Comarca de Eunápolis – Bahia, protocolado sob o nº 6.634, fls.147, livro A-136 e registrada sob o nº de ordem 236, ficha 236, livro A em 25 de setembro de 1998.

CNPJ.:

02.754.493/0001-80.

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR: Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia.

Missão:

Produzir e disseminar o saber tendo em vista o desenvolvimento humano e a construção de sociedades sustentáveis, com base na participação, solidariedade e justiça social, comprometida com a realidade local e global.

Credenciamento: Portaria nº 1727, de 13 de junho de 2002, por transformação da Faculdade de Ciências Econômicas de Eunápolis – FACEE e da Faculdade de Pedagogia de Eunápolis – FAPE, com fundamento no Parecer da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, emitido no Processo nº 23000.013614/2001-46 do Ministério da Educação.

Recredenciamento:

e-MEC: 20077639, Parecer CNE/CES 182/2010, publicado no Diário Oficial da União de 28 de outubro de 2010.

CURSO:

Bacharelado em Direito.

Missão: Formar profissionais do Direito com competência científica, técnica e cidadã, atento às intensas mudanças da sociedade contemporânea, com qualidade e responsabilidade social, preocupando-se com o pleno desenvolvimento sustentável da sociedade e o avanço das Instituições democráticas, inclinado para o atendimento aos objetivos fundamentais esculpidos na Constituição da República Federativa do Brasil.

Ato de autorização:

Portaria do MEC n° 2.053, de 09 de julho de 2004, publicada no Diário Oficial – Imprensa Nacional, de 12 de julho de 2004, assinado pelo então Ministro da Educação Tarso Genro, com fundamento no Parecer n° 042/2004, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, conforme processo n° 23000.007509/2002-59.

Reconhecimento:

O

pedido

de

reconhecimento

do

curso foi

protocolado

no

e-MEC

em

29/02/2008 (Processo n° 200801163), dentro, portant o, do prazo estabelecido pelo art. 35 do Decreto n° 5.773/2006, com redação alterada pela Lei 6.303/2007. Processo em andamento.

Vagas:

50 (cinqüenta) para o turno matutino. 50 (cinqüenta) para o turno noturno.

 

Início:

Semestre letivo de 2004/B.

 
SUMÁRIO 4 I. AS FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA.........................5 A INSTITUIÇÃO 5 BAHIA 12

SUMÁRIO

4

I.

AS FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA.........................5

A INSTITUIÇÃO

 

5

 

BAHIA

12

II.

EVOLUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO E

 

JUSTIFICATIVA DE NOVA ALTERAÇÃO

 

18

III.

BASE LEGAL

20

IV.

21

CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO...................................................................................21

DEMANDA POR OPERADORES DO DIREITO

 

24

PERFIL DO EGRESSO

...........................................................................................................

29

V.

CONDIÇÕES OBJETIVAS DE OFERTA DO CURSO

 

33

VI.

35

VII. CONSTRUÇÃO CURRICULAR

 

39

VIII. PERFIL GRÁFICO DE FORMAÇÃO:

42

IX. EMENTÁRIO

...................................................................................................................

45

X.

ESTUDO BASEADO EM PROBLEMAS

109

XI. A INTERDISCIPLINARIDADE

110

XII. DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E DA ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR

...

111

XIII. DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

113

XIV.

114

XV. PROGRAMA DE MONITORIA

115

116

AVALIAÇÃO

 

116

 

118

AVALIAÇÃO

DO

ENSINO

118

AVALIAÇÃO

DA APRENDIZAGEM

118

ANEXOS

120

ANEXO A – REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

121

5 I. AS FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA A Instituição As Faculdades Integradas do

5

  • I. AS FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA

A Instituição

As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia (Unesulbahia) tem como provedora dos serviços educacionais a União de Educação e Cultura (UNECE), cujo princípio fundamental é a emancipação social, indicando como áreas de atuação a educação, a cultura, a saúde e a assistência social. A União de Educação e Cultura é responsável por esta Instituição de Educação Superior, perante o poder público e a sociedade, incumbindo-lhe tomar as medidas necessárias ao seu bom funcionamento, respeitados os limites da lei e do Regimento Interno das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, a liberdade dos Corpos Docente e Discente, a autoridade e autonomia de seus órgãos deliberativos e normativos, executivos e de apoio, conforme está determinado no Regimento Interno das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia. São atribuições da mantenedora, entre outras, as questões econômico-financeiras, os serviços de manutenção e limpeza, portaria, limpeza e segurança. Cumpre ressaltar que as Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia tem sua autonomia acadêmica e administrativo-financeira, controlando a receita e os gastos com a responsabilidade de construir a proposta orçamentária e administrá-la, após sua aprovação nos Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão, e, posteriormente, encaminhá-la ao Conselho Superior da União de Educação e Cultura.

A UNECE surge como produto e produtora do processo econômico, político e cultural, no final da década de 90, tendo entre seus objetivos manter e desenvolver a Educação Básica, bem como a Educação Superior; estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; participar no desenvolvimento da sociedade brasileira, especialmente, na microrregião de Porto Seguro, região por muitos séculos esquecida no que se refere às questões sócio-ambiental, cultural, educacional, de saúde e de assistência social. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, autorizada a partir da integração das Faculdades de Ciências Econômicas de Eunápolis e da Faculdade de Pedagogia de Eunápolis, em julho de 2002, são administradas por um

6 Conselho Superior da União de Educação e Cultura - UNECE (Mantenedora) em ação compartilhada com

6

Conselho Superior da União de Educação e Cultura - UNECE (Mantenedora) em ação compartilhada com a diretoria da Mantida. As atividades educacionais deram início no ano de 2000, com a autorização do Curso de Administração, em prédio cedido por regime de comodato pela Cooperativa de Ensino Fundamental e Médio – COEDUC. Com esta, partilharam ações de melhoria física do prédio, além de outros serviços prestados à comunidade local na área da Educação Básica. No final do ano de 2000 foi autorizado o Curso de Pedagogia tendo sido implantado em 2001, ocasião que coincide com a transferência da infra- estrutura física da Instituição para prédio próprio. Em 2002, houve a integração da Faculdade de Ciências Econômicas e a Faculdade de Pedagogia de Eunápolis em Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, tendo sido credenciada pelo MEC e aprovado o seu Regimento Interno. Em 2002 foi implantado o Curso de Ciências Contábeis, em julho de 2003 o Curso de Turismo, em julho de 2004 o Curso de Direito e no início de 2008 os Cursos de Enfermagem, Fisioterapia e Sistema de Informação.

No ano de 2000, o Corpo Docente da Instituição era composto por 7 (sete) professores, sendo que apenas 29% destes eram portadores da titulação de especialista (pós-graduação lato sensu). Entretanto, acreditando na importância da formação do docente para a melhoria da qualidade da educação este quadro foi sendo alterado ano a ano, quer pela contratação de professores titulados bem como por investimentos na titulação daqueles que já haviam ingressado. Assim, já no ano de 2001, 11% possuíam pós-graduação strictu sensu, além do aumento de professores com especialização – 59%. Atualmente, a situação está bem diferente no que se refere à formação dos docentes; a Instituição conta com vários docentes com titulação stricto sensu e a presença de graduado tem sido reduzida substancialmente. A formação dos docentes é um dado relevante para a caracterização do perfil Institucional. No Brasil, segundo dados quantificados em 2003 (INEP) havia 254.153 profissionais da educação, sendo que 65% estavam vinculados às instituições privadas e 35% às Instituições públicas. Do total de docentes, 36% eram mestres, 29% especialistas, 21% doutores e 14% graduados. Quando analisamos este quesito entre as categorias de Instituições

7 de Educação Superior – públicas e privadas, os dados revelam o seguinte: nas públicas temos

7

de Educação Superior – públicas e privadas, os dados revelam o seguinte: nas públicas temos 31% de mestres, 25% de doutores, 25% de especialistas e 19% de graduados para 45% de especialistas, 38% de mestres, 10% de graduados e 7% de doutores nas instituições privadas. Observa-se por estes dados que, o número de especialistas bem como o número de mestres é maior nas instituições privadas do que nas públicas, prevalecendo nestas maior número de doutores do que nas privadas. Dado este que pode ser explicado pela política das instituições públicas no que se refere aos programas de pós-graduação. Considerando o número insuficiente de profissionais mestres e doutores, principalmente nas regiões norte e nordeste, e em especial no interior, a maior incidência de profissionais com o nível de pós-graduação lato sensu nas instituições privadas, tem aí sua justificativa. O baixo número de doutores nas instituições privadas reflete as diferentes políticas institucionais em relação às públicas que contam com incentivos governamentais para a realização de pós- graduação strictu sensu. Outra questão relevante pode estar ligada à cultura institucional, que influencia a alocação de doutores nas instituições universitárias, estando esta afeita ao desenvolvimento de projetos de pesquisa, possuindo uma infra-estrutura com investimentos nesta área. Após os investimentos iniciais da Mantenedora, as Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia vêm contando com recursos das mensalidades dos estudantes, do FIES e, no ano de 2006, do PROUNI, sendo que os recursos financeiros auferidos são investidos na construção, ampliação de suas dependências físicas, recursos materiais, tecnologia, ensino e atividades de extensão, enfim nos serviços educacionais que são prestados à comunidade local e regional, inclusive bolsas de estudo. Em abril de 2002 a IES elaborou o seu primeiro Plano de Desenvolvimento Institucional para o período de 2002/2006. Foram apresentados três programas incorporando 10 metas: Parceiros do Ensino, Prestação de Serviços e Qualidade e Responsabilidade Social. Em relação à oferta de vagas e cursos, verifica-se que os projetos pedagógicos apresentados juntamente com o PDI, a implantação do Curso de Turismo e de Direito, foram devidamente autorizados, tendo sido o primeiro reconhecido através da Portaria Ministerial nº 2.134, de 21 de dezembro de 2006.

8 Apenas um curso foi implantado no turno da manhã, o Curso de Direito. Durante este

8

Apenas um curso foi implantado no turno da manhã, o Curso de Direito. Durante este período (2002/2006) houve o reconhecimento, também, dos Cursos de Administração (Portaria MEC nº 1.829, de 21 de junho de 2004), de Licenciatura em Pedagogia (Portaria MEC nº 37, de 22 de maio de 2006), de Ciências Contábeis (Portaria nº 2.134, de 21 de dezembro de 2006) e de Turismo (Portaria MEC nº 2.134 de 21/12/2006). Uma equipe de docentes foi formada para acompanhamento e monitoramento dos cursos implantados, bem como estudos e levantamentos foram realizados indicando a necessidade de abertura de novos cursos, em especial na área da saúde e tecnologia, para os quais foram apresentados os respectivos Projetos Pedagógicos, os quais fazem parte do plano de expansão institucional do PDI para o período de 2007/2011. Observa-se que a localização estratégica da Instituição (do ponto de vista geo-político) em relação ao acesso de estudantes de diversos municípios circunvizinhos aliada à sua contribuição com o processo de desenvolvimento regional tem sido o motivo da sua expansão, no que se refere à demanda por vagas bem como a sua credibilidade em relação à Educação Superior. A maioria dos estudantes (principalmente das primeiras turmas) é de empresários, colaboradores de organizações comerciais e de serviços (públicas e privadas) e da rede de ensino, com grande experiência profissional, em busca de formação superior e, em geral, acima de 25 (vinte e cinco) anos. De 2005 em diante assiste-se a formação de um grupo mais heterogêneo com jovens advindos do ensino médio. Garantir a qualidade e adequação dos Cursos à Política Nacional de Educação (DCN’s) e às demandas da região, bem como participar do processo de inclusão social tem se constituído metas perseguidas pela Instituição. Diante do nível sócio-econômico dos estudantes comprometendo a sua permanência nos cursos, medidas de apoio ao estudante (bolsas de estudo com recursos da Instituição, ingresso no FIES e PROUNI) têm possibilitado a permanência dos estudantes bem como a sua sustentabilidade financeira. Com a vocação voltada para o ensino, investimentos vêm sendo feitos na melhoria da qualidade deste (infra- estrutura física, equipamentos, biblioteca, laboratórios, auditórios, área de lazer e convivência, etc.) e na formação do seu corpo docente. Inicialmente, dificuldades regionais impossibilitavam a contratação

9 de professores titulados, o que atualmente não se constitui um problema grave até mesmo em

9

de professores titulados, o que atualmente não se constitui um problema grave até mesmo em virtude da aceleração do processo de desenvolvimento regional nos últimos anos, o que favoreceu a migração de profissionais titulados para esta região (inclusive docentes). Ressalta-se, ainda, que os investimentos no corpo administrativo e técnico no que se refere à oportunidade de formação no nível superior, com bolsa integral, têm resultado na melhoria da qualidade dos serviços educacionais prestados pela Instituição, bem como a inclusão social de estudantes do ensino médio, oriundos das escolas públicas, nos quadros de colaboradores, através da bolsa trabalho. Verifica-se que a implantação da Instituição na região e os investimentos para a formação dos primeiros docentes que integraram o seu quadro, através de cursos de pós-graduação lato sensu, constituíram uma forma de oportunizar a formação de docentes para a Educação Superior e de incentivo para outros profissionais da região buscar qualificação, tendo em vista ingressar no magistério neste nível de ensino. A ausência da cultura acadêmica também vem sendo alvo de ações institucionais através do desenvolvimento de atividades: artístico-culturais; jornadas e fóruns científicos e apresentações musicais. A presença da Instituição tem alterado o comportamento e visão dos acadêmicos e da população com relação à importância da Educação Superior para o processo de desenvolvimento sócio- econômico. A inclusão de atividades artístico-culturais (coral, atividades esportivas, etc.) com os colaboradores, docentes e discentes vem possibilitando uma maior integração entre os cursos e dando maior vitalidade à vida acadêmica. A articulação dos projetos pedagógicos no que se refere ao Estágio Curricular e Extra-curricular (parcerias e convênios com organizações públicas e privadas) e atividades complementares tem sido uma forma de aproximação e articulação com a sociedade e de participação no seu processo de desenvolvimento. Projetos sociais de inclusão digital (Descobrimento Digital) em parceria com escolas públicas e com a atuação de egressos do Curso de Pedagogia, utilizando os laboratórios de informática da Instituição, são algumas das ações de responsabilidade social desenvolvidas pela IES, envolvendo a atividade de ensino em articulação com a extensão. Participação no Projeto Escola Cidadã e a realização de eventos culturais (Intercult, Ruas de Lazer, etc.), com a participação

10 das escolas públicas e da comunidade em geral, tem sido mais algumas das ações de

10

das escolas públicas e da comunidade em geral, tem sido mais algumas das ações de integração com a sociedade. O sistema de gestão acadêmica fundamentada no Desenvolvimento Organizacional tem como um dos seus princípios básicos a aprendizagem nas organizações.

O sistema de informação vem sendo aperfeiçoado no que se refere ao processo de informatização do fluxo e registro acadêmico e a normatização dos processos por meio de portarias, regulamentando e ampliando o Regimento Interno da Instituição.

Foi aperfeiçoada a qualidade dos serviços prestados pela Secretaria Acadêmica com alterações das instalações físicas, a divisão dos procedimentos através do reagrupamento dos colaboradores e da descrição dos procedimentos de cada sub-núcleo - o núcleo do atendimento aos discentes / docentes e o de registro acadêmico. Para a melhoria dos serviços prestados, os colaboradores participaram de cursos de aperfeiçoamento em relação aos procedimentos do Sistema de Informação utilizado (Software Livre - Linux) e, em grupo, criaram as normas e rotinas de trabalho. A proposta de gestão participativa tem sido ampliada não apenas nos colegiados de cursos, mas também na câmara de ensino para deliberações de interesse dos cursos, estudos e reflexões sobre questões pedagógicas: currículo, auto-avaliação, etc. Assim, a gestão acadêmica dos cursos vem sendo aperfeiçoada em função da autoconsciência em relação às propostas que constam dos documentos oficiais da Instituição – PDI, PPI, PPC’s – a partir da análise crítica pelas coordenações e, também, nos colegiados de Curso. A auto-avaliação e o planejamento tem sido uma meta perseguida por todos os núcleos da Instituição, na área acadêmica e administrativa, buscando o seu aperfeiçoamento e sua coerência com os fundamentos e as dimensões propostas pelo SINAES. A Auto-avaliação proposta pelo SINAES sensibilizou a comunidade acadêmica para o processo de autoconhecimento da Instituição e o desenvolvimento das relações interpessoais, a partir do trabalho em equipe, embora tenha sido esta uma proposta da Instituição desde a fase de elaboração do PDI, em 2002, quando sua equipe era menor em relação aos dias atuais.

11 A expansão institucional por si só gerou a quebra de processos interativos permanentes entre equipes

11

A expansão institucional por si só gerou a quebra de processos interativos permanentes entre equipes (o trabalho coletivo) dos diferentes núcleos e cursos, tendo a auto-avaliação resgatado propostas que constavam das diretrizes do PDI, elaboradas na fase inicial de credenciamento e autorização dos cursos. A existência da proposta constante da Lei do SINAES veio garantir a operacionalização da avaliação da IES e a melhoria da qualidade da Educação Superior, fazendo com que a continuidade desta ocorresse, devido à sensibilização da comunidade acadêmica e a vigilância de uma equipe de avaliadores que, a todo o momento, resgata a importância dessas operações para a vida e o cotidiano da Instituição. Assim, o fortalecimento do planejamento participativo deve continuar como um ponto fundamental para a gestão acadêmica e administrativa. Os relatórios das comissões de avaliação do Ministério de Educação têm sido instrumentos importantes para o debate e reflexão de aspectos que devem ser melhorados e aperfeiçoados no que se refere à reorganização administrativa e acadêmica da Instituição. A infra-estrutura física foi ampliada de acordo com o cronograma de obras e o planejado para o seu funcionamento, tendo sido terminado o prédio de três andares com 37(trinta e sete) salas de aula e demais dependências para as atividades pedagógicas, além da ampliação da área de convivência, lazer e esporte e a construção de um teatro para 700 (setecentos) pessoas. A análise da sustentabilidade financeira demonstrou a necessidade de um maior controle sobre os índices de inadimplência, dos sistemas de controle institucionais, evitando o paternalismo e visualizando as necessidades futuras para investimentos na formação do corpo docente e colaboradores.

12 Inserção regional das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia As Faculdades Integradas do Extremo

12

Inserção regional das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, pioneiras na Educação Superior na microrregião de Porto Seguro, têm sua sede no município de Eunápolis/BA.

Os alunos das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia são originários principalmente dos seguintes municípios: Belmonte, Santa Cruz Cabrália, Porto Seguro, Eunápolis, Itabela, Guaratinga, Itagimirim e Itapebi. A área total destes municípios é de 13.086 Km, com uma população estimada pelo IBGE de 400.000 habitantes. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, pela sua localização – rodovia 367 (Eunápolis/Porto Seguro) Km14, surgem para atender às necessidades da microrregião de Porto Seguro, parte da Mesorregião Sul da Bahia. Eunápolis ocupa uma área de 1.192 Km, fazendo limite ao sul com o município de Itabela e com o Estado do Espírito Santo; ao norte com Itagimirim, ao leste com Porto Seguro e a oeste com Guaratinga e com o Estado de Minas Gerais. Estudos de Gaspareto 1 revelam que a taxa de crescimento da microrregião de Ilhéus e Itabuna decrescia nos anos 90, enquanto a microrregião de Porto Seguro apresentava a maior taxa de crescimento da Mesorregião do Sul da Bahia, 2,7% ao ano, embora os municípios que a compõem tenham apresentado níveis de desempenho diferentes. Nove municípios tiveram taxas negativas e 11 registraram taxas positivas de crescimento populacional, destacando-se Porto Seguro com 11,9% ao ano e Santa Cruz Cabrália com 15,5%. Nos anos de 1996 a 2000 a situação inverte e a maior taxa de crescimento populacional se deu em Porto Seguro com 10,2% e Santa Cruz Cabrália com 8,3%. Do ponto de vista do binômio rural / urbano houve, na década de 90, uma intensificação do processo de urbanização da população. Na microrregião de Porto Seguro, Eunápolis é o município com maior taxa de urbanização – 93,8% ficando Porto Seguro em terceiro lugar com 83,25% 2 . Quando se insere este dado

  • 1 Gasparetto, Agenor. Disponível em <www.socio-estatistica.com.br/censo/censo.htm>

  • 2 Teixeira de Freitas, município fora da área de abrangência da IES, há aproximadamente 200

13 na Mesorregião do Sul da Bahia, Eunápolis perde apenas para Itabuna que fica com 97,2%.

13

na Mesorregião do Sul da Bahia, Eunápolis perde apenas para Itabuna que fica com

97,2%.

Até o século XVI a atividade extrativa de madeiras (com destaque para o pau-brasil) e, posteriormente, os cultivos de cana-de-açúcar predominavam na região, principalmente na faixa costeira, sendo a base da economia até o final do século XVIII, período da sua decadência. A partir deste momento, passou-se ao desenvolvimento de gêneros alimentícios e da inserção da cultura cacaueira que, por efeito de contigüidade (via vale do Jequitinhonha e da cidade de Belmonte), permitiu a expansão e o desenvolvimento de muitas vilas da região do Extremo Sul, sem, contudo, possibilitar uma integração entre as mesmas, fazendo com que estas permanecessem ilhadas e com um desenvolvimento urbano pontual, via litoral, beneficiadas pela expansão do comércio ultramarino. No ciclo do cacau, o Extremo Sul se desenvolveu como uma região periférica, pouco integrada às demais regiões do Estado da Bahia e, só a partir do século XX, com a exploração madeireira, é que passa a ter um papel de destaque frente às demais regiões. Com o desflorestamento, a pecuária foi introduzida redesenhando o papel da região no contexto do Estado. A ocupação, através desta atividade econômica, se deu por meio dos grandes latifúndios e o processo de ocupação litorâneo foi rompido (transformado) para dar lugar ao surgimento de importantes povoados no interior. Assim, surgiu o povoado de Eunápolis, localidade onde está situada as Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia (Km 14 da rodovia Eunápolis/Porto Seguro), que era conhecido como Ponto 64, por ser um importante entroncamento entre a recém chegada BR 101 e a BR 367. A cidade de Eunápolis surgiu, portanto, em um contexto de expansão urbana nacional, e conseqüentemente, de implementação do Projeto de Desenvolvimento Nacional. Muitas cidades brasileiras desenvolveram-se dentro de uma estratégia de planejamento regional associando o conceito de industrialização à urbanização, com um caráter centralizador. As ações associadas a esta estratégia

Km de distância ficou em segundo lugar com 91,8%.

14 foram planejadas pelo Governo Federal e, em alguns casos, pelos Governos Estaduais. O Extremo Sul

14

foram planejadas pelo Governo Federal e, em alguns casos, pelos Governos Estaduais. O Extremo Sul da Bahia inicia um novo ciclo de desenvolvimento a partir da abertura da BR 101 (ligação das regiões Sul / Nordeste), na década de 70, do assentamento de algumas famílias pelo INCRA na região e por processos migratórios, que acompanharam a abertura de rodovias, em função do processo de desenvolvimento das regiões centro-sul. Segundo Gaspareto (2000), esta região destaca-se com uma das maiores taxas de desenvolvimento do Estado da Bahia, destaque esse acentuado pelo crescimento demográfico motivado pela migração de pessoas de Estados vizinhos, notadamente do nordeste do Estado de Minas Gerais e do norte do Espírito Santo e pela expansão das atividades produtivas na região. O município de Eunápolis é considerado cidade pólo no que se refere ao comércio e à prestação de serviços educacionais e de saúde. Dá, ainda, suporte, no que tange à comercialização e abastecimento de mercadorias, para a população residente nos distritos de Porto Seguro (1° pólo em desenvolvimento econômico), que por ser esta uma cidade turística, sofre uma constante elevação dos preços, principalmente nos períodos denominados “alta estação”. Ainda, por estar localizado no entroncamento das BR’s 101 e 367, com grande proximidade com Porto Seguro, cria um nicho de mercado específico – o mercado imobiliário, e o turismo de negócios. É considerada no Plano de Descentralização e Regionalização da Saúde, cidade pólo, uma vez que oferece os serviços de saúde de maior complexidade.

A implantação da empresa de celulose multinacional Veracel no município de Eunápolis, no final da década de 90, tem resultado no aumento da migração para a região, na expansão do comércio e serviços e na demanda por profissionais qualificados de diversas áreas para esta empresa e suas subsidiárias, além da necessidade de suprir postos de trabalho no ramo do comércio e serviços que vêm se expandindo com pessoal qualificado. Enfim, a economia dos municípios que compõem esta microrregião é formada, principalmente, pelo setor de serviços, com 53% do montante do PIB, seguido pelos setores de agropecuária e industrial, respectivamente com 29% e 18%. No setor de serviços destaca-se a atividade turística localizada em Porto Seguro e seu entorno, além de serviços de diversas naturezas presentes no eixo

15 Porto Seguro / Eunápolis, este último constituindo-se em pólo regional na oferta de atividades para

15

Porto Seguro / Eunápolis, este último constituindo-se em pólo regional na oferta de atividades para diferentes ramos de negócio. O segundo segmento em importância econômica, o da agropecuária, prevalece à pecuária de corte e leiteira, além das culturas de café, coco, mandioca e mamão, dentre outras espécies frutíferas de importância econômica. Destaca-se também a cultura do eucalipto, que ocupa uma área cada vez mais expressiva nos municípios que compõem esta microrregião. O setor industrial é aquele que menos contribui para o PIB dos municípios.

MUNICÍPIOS

 

DADOS ECONÔMICOS

 
 
 

PIB (mil)

Agropecuária

Indústria

Serviço

Belmonte

70.927

40.486

3.305

26.586

Eunápolis

336.780

52.794

83.267

191.088

Guaratinga

 
  • 97.436 3.954

63.520

 

29.363

Itabela

 
  • 92.822 6.689

47.605

 

37.673

Itagimirim

 
  • 32.963 1.817

20.368

 

13.930

Itapebi

 
  • 66.685 23.955

24.956

 

16.428

Porto Seguro

281.880

44.611

53.825

191.826

Santa C.Cabrália

58.331

13.379

12.243

33.225

TOTAL

1.037.824

307.719

189.055

540.119

Fonte: IBGE (valores estimados)

Demonstrativo da economia nos municípios da microrregião de Porto Seguro, segundo o PIB.

Em relação aos aspectos educacionais, a quantidade de alunos matriculados nos últimos quatro anos, em todas as séries do Ensino Fundamental, na microrregião, verifica-se que os números tendem a obedecer ao comportamento também observado no Estado da Bahia e no Brasil, ou seja, há um pequeno aumento em relação ao ano base – 2002, com tendência a estabilização, contribuindo para isso, a redução da taxa de crescimento populacional brasileiro nos

últimos anos.

últimos anos. 16 No que se refere aos números de matrícula no Ensino Médio, as estatísticas

16

No que se refere aos números de matrícula no Ensino Médio, as estatísticas revelam um aumento importante, acima de 10%, possivelmente provocado pelo afluxo de jovens de outras regiões, especificamente para os municípios de Porto Seguro, Eunápolis e Santa Cruz Cabrália, em busca de oportunidades de acesso à Educação Superior e emprego, dentre outros motivos. Acresce-se a isto, o fato de que muitas pessoas adultas que haviam deixado a escola ou não tiveram acesso, anteriormente, estão retornando às instituições educacionais públicas, devido à oferta de vagas e as necessidades de qualificação impostas pelo mercado de trabalho hoje. Segundo dados do SEBRAE, 2005 mais de 90% das empresas, considerando os diversos ramos de atividades, não são conduzidas e nem assessoradas por profissionais com qualificação formal ou de nível superior. Um número significativo destas empresas ou empreendimentos depara-se com a escassez ou falta de profissionais capacitados em diversas áreas, obrigando a importação de mão-de-obra de outros centros para o suprimento das necessidades. Os estudos realizados na região revelam diferentes demandas:

Das escolas públicas e privadas por professores com nível superior (licenciados em Pedagogia, Educação Física e demais disciplinas que compõem a estrutura curricular da Educação Básica), impulsionando aqueles que faziam parte do seu quadro de pessoal a buscar a formação superior;

Dos empresários do setor de comércio e de serviços buscando formação na área de administração, bem como em ciência da computação, tendo em vista as exigências de qualificação para a área de gestão empresarial, incorporando as novas tendências do mercado;

Da população inserida ou não no mercado, buscando formação de nível superior em diferentes áreas, devido às imposições do mercado de trabalho tendo em vista a empregabilidade;

17 ∑ Dos técnicos em contabilidade na área das ciências contábeis, buscando a continuidade da sua

17

Dos técnicos em contabilidade na área das ciências contábeis, buscando a continuidade da sua formação profissional (do nível técnico para o superior) e a incorporação de novas tecnologias da área;

Dos serviços de saúde dada a sua expansão devido à implantação do Sistema Único de Saúde, buscando profissionais de nível superior, principalmente na área de enfermagem;

Da população que se manteve alijada do processo educacional e que a partir da expansão da Política Nacional de Educação teve acesso à educação básica, evidenciada pela demanda de um grande número de estudantes na Educação Superior com distorção idade / série.

Participar do processo de desenvolvimento regional, respondendo a estas demandas tem sido uma das metas de expansão institucional, garantindo a qualidade da formação dos egressos e o estabelecimento de parcerias e convênios, possibilitando a transferência de conhecimento inter-institucional, redirecionando os processos de planejamento e incorporação de inovações tecnológicas junto aos diversos segmentos econômicos.

18 II. EVOLUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO E JUSTIFICATIVA DE NOVA ALTERAÇÃO O

18

II.

EVOLUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO E JUSTIFICATIVA DE NOVA ALTERAÇÃO

O Ministro da Educação expediu a Portaria de n° 2.0 53, em 09 de julho de 2004, autorizando o funcionamento do Curso de Direito, Bacharelado, das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, localizadas na BR-367, Km 14 (sentido Eunápolis – Porto Seguro), na cidade de Eunápolis, no Estado da Bahia, mantidas pela União de Educação e Cultura, entidade de direito privado, inscrita no CNPJ n° 02.754.493/0001-80, instituída em 15 de set embro de 1998, com sede nesta mesma cidade. Com a publicação da Portaria, que encerrou o processo de autorização supra mencionado, com fundamento no Parecer n° 042/2004 da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação (autos do processo de n° 23000.007509/2002-59), as Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia iniciaram a concretização do Projeto Pedagógico do Curso de Direito, datado de 2003, cuja concepção denota uma preocupação com a formação de profissionais jurídicos cidadãos, preparados para equacionar os conflitos da sociedade contemporânea e capacitados para o cumprimento de sua função social. Desde então, as Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia têm empregado esforços no sentido de estabelecer um ensino jurídico de real qualidade, enfrentando e vencendo os desafios decorrentes da posição geográfica, e implementando ao longo desses quase quatro anos de funcionamento, ações concretas no sentido de construir um centro de ensino jurídico de excelência. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, considerando as alterações das Diretrizes Nacionais Curriculares do Curso de Direito, propostas pelas Resoluções nº 9, de 29 de setembro de 2004, n° 2, de 18 de junho de 2007, e n° 3, de 2 de julho de 2007, ambas da Câmara de Edu cação Superior do Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação, considerando ainda a reformulação do Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI e do Projeto Pedagógico institucional – PPI (com vigência para o qüinqüênio 2007/2011), e entendendo que o Projeto Pedagógico do Curso de Direito deve refletir uma dinâmica que atenda aos diferentes perfis de desempenho, a cada momento exigido pela sociedade, reformulou todo o Projeto Pedagógico original do Curso de Direito

19 no ano de 2007, com vigência para ingressantes a partir do vestibular de 2008. Na

19

no ano de 2007, com vigência para ingressantes a partir do vestibular de 2008. Na oportunidade foram incorporadas ao PPC profundas modificações quanto ao estabelecimento das disciplinas e cargas horárias. A reformulação do Projeto Pedagógico do Curso (2007) seguiu a mesma orientação epistemológica do Projeto original (2003), mantendo-se, dessa forma, a vocação do Curso, sendo as alterações decorrentes da experiência vivida nos primeiros oito semestres de funcionamento, no sentido de conferir maior dinamicidade ao cumprimento dos objetivos propostos. Em 28 de janeiro de 2010 foi formalmente constituído o Núcleo Docente Estruturante do Curso de Direito (NDE), cuja composição foi alterada em 06 de setembro de 2010. Em sua primeira reunião, após a constituição formal, o NDE entendeu pela conveniência de atualizar o projeto pedagógico do curso, em especial no que se refere à redução do número de disciplinas, sem perder em relação ao conteúdo global e carga horária, a reformulação do conceito de extensão e criação de instrumentos de incentivo à pesquisa e publicação (reunião de 05/02/2010). Na segunda reunião (16/09/2010), já com a nova composição, o NDE entendeu por bem manter a estrutura do PPC/2007, com alterações na redução do número de disciplinas, com manutenção dos conteúdos e carga horária, e revisão dos regulamentos, tendo aprovado nova estrutura curricular. Em 05/11/2010, o NDE concluiu a reformulação deste PPC, com pequenas alterações na grade anteriormente aprovada, definição do ementário e reformulação dos regulamentos, além de prever a participação efetiva do NDE em sua consolidação. Assim, continua assente no Projeto Pedagógico do Curso a idéia central de que o jurista possui papel fundamental na construção dos processos de transformação social. O projeto foi delineado com vistas à formação de profissionais críticos-reflexivos, preocupados com a desconstrução teórico-política dos modelos jurídicos existentes, abandonando-se a idéia do direito posto, de modo que o alunado deixa de aceitar as lições doutrinárias como verdades absolutas para refletir criticamente acerca da literatura jurídica. Enfim, o projeto pedagógico do curso foi reestruturado com vista a garantir a qualificação dos discentes, fornecendo aos mesmos os elementos necessários para o desenvolvimento das habilidades capazes de torná-los socialmente produtivos.

III.

BASE LEGAL

III. BASE LEGAL 20 As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia estão credenciadas pela Portaria

20

As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia estão credenciadas pela Portaria nº 1727, de 13 de junho de 2002, por transformação da Faculdade de Ciências Econômicas de Eunápolis – FACEE e da Faculdade de Pedagogia de Eunápolis – FAPE, com fundamento no Parecer da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, emitido no Processo nº 23000.013614/2001-46 do Ministério da Educação. Em 2010 foi publicado no Diário Oficial da União, de 28 de outubro, o recredenciamento institucional (e-MEC:

20077639, Parecer CNE/CES 182/2010). O Curso de Direito, Bacharelado, está autorizado a funcionar pela Portaria do MEC n° 2.053, de 09 de julho de 2004, p ublicada no Diário Oficial da União de 12 de julho de 2004, com fundamento no Parecer n° 042/2004, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, conforme processo n° 23000.007509/2002-59. Foram autorizadas cem vagas anuais, sendo metade para cada um dos dois turnos, matutino e noturno. O pedido de reconhecimento do curso foi protocolado no e-MEC em 29/02/2008 (Processo n° 200801163), dentro, portant o, do prazo estabelecido pelo art. 35 do Decreto n° 5.773/2006, com redação alter ada pela Lei 6.303/2007. Processo em andamento. O Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia atende a todas as Diretrizes Curriculares Nacionais estabelecidas pela Resolução n° 9, de 29 de setembro de 2004, bem como as determinações de tempo de integralização e dimensionamento de carga horária trazidas pelas Resoluções n° 2, de 18 de junho de 2007, e n° 3, de 2 de julho de 2007, todas da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação.

IV. VOCAÇÃO DO CURSO Contextualização do Curso 21 Não há como pensar no perfil de um

IV.

VOCAÇÃO DO CURSO

Contextualização do Curso

21

Não há como pensar no perfil de um Curso de Direito, que pretende ser formador de profissionais cidadãos, com comprometimento social, sem antes refletir sobre o contexto em que o mesmo está sendo desenvolvido. O claro conhecimento do contexto em que está presente o Curso se revela pressuposto para que os objetivos possam ser adequadamente estabelecidos. Nesse sentido, faz-se mister levar em consideração a inserção institucional, política, geográfica e social. Do ponto de vista institucional, tem-se como planejamento macro o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, que possui a finalidade precípua de “formar pessoas, sujeitos históricos, impregnados de valores e princípios sócio-ambientais que, na condição de cidadãos do mundo, busquem trabalhar com base nos princípios democráticos e em defesa dos direitos sociais”. O PDI demonstra clara opção pela valoração do desenvolvimento humano e da construção de sociedades sustentáveis, comprometida com a solidariedade e a justiça social. Essa opção do PDI desta IES não se deu por acaso, mas sim levando em consideração o contexto político, geográfico e social em que as Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia estão inseridas. A região do Extremo Sul da Bahia é ainda uma sociedade que repercute, não obstante uma aparência de modernidade, atitudes mentais e sociais mais afeitas à nossa época colonial. Os valores fundamentais das sociedades democráticas não têm aplicação generalizada nesta região, que enfrenta forte impacto decorrente de uma corrupção endêmica, nas mais diversas esferas governamentais, o que se revela como fato notório na região. A denúncia formulada pelo intelectual nordestino João Maurício Adeodato, da UFPB, encaixa-se perfeitamente à realidade do extremo sul da Bahia:

No Brasil de hoje, por exemplo, axiomas fundamentais dos sistemas jurídicos nas sociedades desenvolvidas não têm aplicabilidade generalizada, tais como a hierarquia normativa que culmina no princípio da supremacia constitucional, o primado da lei, a isonomia ou a neutralidade da decisão judicial. Em lugar da cultura do distanciamento burocrático, da diferenciação de papéis, há a cultura da troca de favores e da boa vizinhança em vez da neutralidade eficiente do Estado, o culto da família e o

corporativismo. 22 A região experimenta um misto de modernização e atraso. A modernização caracterizada por um

corporativismo. 3

22

A região experimenta um misto de modernização e atraso. A modernização caracterizada por um considerável crescimento econômico capaz de incorporar camadas da sociedade, com participação política; o atraso, pelo apoio em atividades tradicionais baseadas na exploração da terra e do trabalho. A região nordeste, nela inserida o Extremo Sul da Bahia, mostra-se “não apenas como espaço tristemente privilegiado da pobreza nacional, mas como aquele que possui as condições mais favoráveis à sua própria reprodução”. 4 O Extremo Sul da Bahia é caracterizado ainda por uma grave crise social, que se arrasta das áreas rurais para os centros urbanos. A região é marcada pela presença intensa dos movimentos pela distribuição da terra, em especial pelas atividades do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), que podem ser observados a todo canto, sem contar os já assentados, que encontram problemas sérios de isolamento em razão das grandes áreas de cultivo de eucalipto. Além da questão rural, o problema urbano cresce em proporções geométricas, agravado pelo forte êxodo rural decorrente do cultivo do eucalipto em larga escala, que desloca a população rural para os centros urbanos, ainda carentes de infra-estrutura, tal como saneamento básico, e que não conseguem absolver toda a mão de obra, gerando desemprego e, conseqüentemente, o aumento da criminalidade que cresce a proporções alarmantes, sem se falar nas condições sub- humanas a que está submetida grande parcela da população. As entidades governamentais têm sido incapazes de gerir políticas públicas eficazes para minimizar tais problemas sociais. Pode-se dizer que enquanto o problema social cresce em proporção geométrica, as políticas públicas não chegam nem a uma atuação em proporções aritméticas. Outras características regionais, aliás, muito bem retratadas por Jorge Amado 5 em vários de seus romances os quais, não obstante as licenças

  • 3 ADEODATO, João Maurício. Filosofia do direito: uma crítica à verdade na ética e na ciência. Revista e ampliada. São Paulo: Saraiva, 2002, págs. 9/10.

  • 4 CASTRO, Iná Elias de. Seca versus seca. Novos Interesses, Novos Territórios, Novos

Discursos no Nordeste. In: Brasil: Questões Atuais da Reorganização do Território. Rio de

Janeiro: Bertrand Brasil, 2005, p. 283.

  • 5 Principalmente em “CACAU” e “SUOR”, onde retrata, no primeiro, a realidade dos

trabalhadores rurais e, no segundo, a dos trabalhadores urbanos, não obstante a crítica social permear toda a obra do grande romancista, bem como a descrição exaustiva da realidade social do

23 literárias utilizadas, retratam de forma vigorosa as realidades sociais do extremo sul da Bahia, marcadas

23

literárias utilizadas, retratam de forma vigorosa as realidades sociais do extremo sul da Bahia, marcadas pela presença do coronelismo e da conseqüente luta pela terra, o desrespeito aos direitos humanos e à legislação trabalhista e a quase que perene pobreza da população, sempre dependente dos favores de um estado impotente. A região é ainda marcada pela forte questão ambiental. Encontramos ecossistemas importantes para o país e para o mundo; citamos como exemplos: Parque Marinho de Abrolhos, Parque Monte Pascoal, Parque Nacional do Desenvolvimento, Parque Nacional do Pau Brasil, remanescente da fauna e flora da Mata Atlântica e da cultura indígena Pataxó e dos Quilombos. Ao lado dessa riqueza ecológica encontramos a forte presença da exploração econômica de áreas rurais, nem sempre comprometida com a sustentabilidade sócio-ambiental. Por último, mas não menos importante, temos na região do Extremo Sul da Bahia um rico patrimônio natural, histórico e cultural. A região é composta de inúmeras praias cenográficas, sendo o marco da chegada portuguesa (a Instituição está localizada há aproximadamente cinqüenta quilômetros da cidade de Porto Seguro), com forte presença indígena. Esse é o contexto em que está inserido o Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia: uma região com intensos problemas sociais, tanto na esfera rural como na urbana; marcante presença de conflitos agrários; desrespeito aos direitos fundamentais; corrupção; necessidade de preservação ambiental e marcante presença de um patrimônio natural, histórico e cultural.

Tal quadro tem sido mantido em razão da ausência de profissionais preocupados com a manutenção da constitucionalidade e da legalidade, e os valores oriundos da democracia. Há explicação. Embora a região em que estão instituídas as Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia possui população superior a 350.000,00 habitantes, a ausência de educação superior, com formação de profissionais voltados para a concreção dos valores éticos e sociais, foi marcante até o início da década de 90. Assim, a criação desta IES, e em especial do Curso de Direito, tem papel fundamental na alteração dessa realidade, com a formação de

extremo sul da Bahia.

24 profissionais voltados para o cumprimento dos desideratos constitucionais. A interiorização do ensino superior tem incontestável

24

profissionais voltados para o cumprimento dos desideratos constitucionais. A interiorização do ensino superior tem incontestável importância no desenvolvimento econômico e social do país. Isso porque a educação no nível superior é um dos caminhos para as mudanças sociais, culturais e políticas no nível local e regional, com reflexos globais, necessários para remover os vestígios e a herança do colonialismo e, de outros sistemas não democráticos dependendo do encaminhamento do Projeto Político Pedagógico de formação dos profissionais, neste caso a formação de operadores jurídicos conscientes de sua função social. É em razão desse contexto que se pensou nos diversos elementos que compõem o Projeto Pedagógico do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia.

Demanda por operadores do Direito

Feitas essas considerações passamos a demonstrar a importância do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia para a demanda jurídica da região em que está inserido, principalmente considerando que a região encontra-se em pleno desenvolvimento econômico, com a vinda de muitas empresas e o fortalecimento do comércio, bem como a expectativa de investimentos como, por exemplo, da Petrobrás e a construção de uma nova Fábrica da Veracel. O aumento da presença de operadores jurídicos capacitados torna-se incontestável. Em Eunápolis está instalada uma subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional da Bahia, que abrange vários municípios vizinhos. Outra subseção da OAB/BA está instalada em Porto Seguro, abrangendo também outros municípios vizinhos. As Comarcas de Eunápolis e Porto Seguro constituem duas das três maiores da região Extremo Sul da Bahia, sendo que o município de Eunápolis é um único, dessa região, a sediar uma Vara Federal e um Juizado Especial Federal (subordinados ao Tribunal Regional Federal da Primeira Região), instituída em 2007, bem como um órgão do Ministério Público Federal. No que tange à organização judiciária estadual (“justiça comum”), o município de Eunápolis, bem como os limítrofes, possuem a seguinte estrutura:

25 COMARCA ESTRUTURA OBSERVAÇÕES Belmonte (2ª Entrância) Cartórios judiciais: - A comarca atualmente conta com -

25

COMARCA

ESTRUTURA

 

OBSERVAÇÕES

 

Belmonte (2ª Entrância)

 

Cartórios judiciais:

 

-

A

comarca

atualmente conta com

-

Vara Crime (Jurisdição plena);

 

apenas 01 (um) magistrado;

 

-

Vara Cível (Serventia).

-

A comarca, além

do Município de

Ofícios:

Belmonte, abrange dois distritos

-

Tabelionato de Notas e Protestos;

judiciários:

Mogiquiçaba

e

Boca

do

-

Registro

de

Imóveis,

Hipotecas,

 

Córrego.

Títulos e documentos;

 

-

Registro Civil de Pessoas Naturais.

Santa Cruz Cabrália (1ª Entrância)

 

Cartórios judiciais:

 

-

A

comarca

atualmente

conta

com

-

Jurisdição Plena (Crime e Cível).

apenas 01 (um) magistrado.

 

Ofícios:

 

-

Tabelionato de Notas;

 

-

Registro

de

Imóveis,

Hipotecas,

Títulos e documentos;

-

Registro Civil;

 

-

Protesto de Títulos.

Porto Seguro (3ª Entrância)

 

Cartórios judiciais:

 

-

A comarca atualmente conta com 02

-

Vara Crime;

(dois) magistrados;

 

-

Vara Cível;

-

A comarca, além do Município de

-

Juizado Especial Cível;

 

Porto Seguro, abrange dois distritos

-

Juizado Especial Criminal;

judiciários: Caraíva e Vale Verde.

 

Ofícios:

 

-

Tabelionato de Notas e Protestos;

-

Registro

de

Imóveis,

Hipotecas,

Títulos e documentos;

-

Registro Civil de Pessoas Naturais.

Outros:

-

Serviço de Atendimento Judiciário.

Eunápolis (3ª Entrância)

 

Cartórios judiciais:

 

-

A comarca atualmente conta com 03

-

Vara Crime;

(três) magistrados titulares e 01 (um)

-

1ª Vara Cível;

 

magistrado auxiliar;

 

-

2ª Vara Cível;

-

A comarca, além

do Município de

-

Juizado Especial Cível;

 

Eunápolis, abrange o distritos

-

Juizado Especial Criminal;

judiciários de Gabiarra.

 

Ofícios:

 

-

Tabelionato de Notas e Protestos;

-

Registro

de

Imóveis,

Hipotecas,

Títulos e documentos;

-

Registro Civil de Pessoas Naturais.

Outros:

-

Serviço de Atendimento Judiciário.

Itabela (1ª Entrância)

 

Cartórios judiciais:

 

-

A

comarca

atualmente

conta

com

-

Jurisdição Plena (Crime e Cível).

apenas 01 (um) magistrado.

 

Ofícios:

 

-

Tabelionato de Notas e Protestos;

-

Registro

de

Imóveis,

Hipotecas,

Títulos e documentos;

-

Registro Civil das Pessoas Naturais.

Guaratinga (1ª Entrância)

 

Cartórios judiciais:

 

-

A comarca atualmente conta com

-

Jurisdição Plena (Crime e Cível).

apenas 01 (um) magistrado;

 

Ofícios:

-

A comarca, além do Município de

-

Tabelionato de Notas e Protestos;

Guaratinga, abrange o distrito judiciário

-

Registro

de

Imóveis,

Hipotecas,

de Buranhém.

 

Títulos e documentos;

 

-

Registro Civil das Pessoas Naturais.

Itagimirim (1ª Entrância)

 

Cartórios judiciais:

 

-

A

comarca

atualmente

conta

com

-

Jurisdição Plena (Crime e Cível).

apenas 01 (um) magistrado.

 

Ofícios:

 

-

Tabelionato de Notas e Protestos;

-

Registro

de

Imóveis,

Hipotecas,

Títulos e documentos;

-

Registro Civil das Pessoas Naturais.

Itapebi (1ª Entrância)

 

Cartórios judiciais:

 

-

A comarca atualmente conta com

-

Jurisdição Plena (Crime e Cível).

apenas 01 (um) magistrado;

 

Ofícios:

-

A comarca, além do Município de

-

Tabelionato de Notas e Protestos;

Itapebi, abrange o distrito judiciário de

-

Registro

de

Imóveis,

Hipotecas,

Caiubi.

 

Títulos e documentos;

 

-

 

Registro Civil das Pessoas Naturais. * Dados levantados no site oficial do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia.

26 Em Eunápolis está instalada ainda uma Vara da Justiça do Trabalho (subordinada ao Tribunal Regional

26

Em Eunápolis está instalada ainda uma Vara da Justiça do Trabalho (subordinada ao Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região), criada em 1989, possuindo jurisdição sob os municípios de Eunápolis, Guaratinga, Itabela, Itagimirim e Itapebi. Porto Seguro também conta com uma Vara do Trabalho, criada em 2003, com jurisdição sobre o respectivo município, e sobre os municípios de Belmonte e Santa Cruz Cabrália. Recentemente Eunápolis recebeu um órgão do Ministério Público do Trabalho. Embora com uma grande demanda por assistência judiciária gratuita, a região não dispõe de Defensoria Pública. Em Eunápolis está sediada a 23ª COORPIN (Coordenadoria Regional do Interior), bem como as instalações da Polícia Técnica, sendo ambas responsáveis pela coordenação de todas as delegacias de Polícia Civil da microrregião de Porto Seguro. No Município de Porto Seguro está instalada uma delegacia da Polícia Federal. Como se vê nessa breve exposição o campo para os operadores do Direito na região é imenso. Localizada em região de imensa exploração turística, marcante presença agrícola, considerável crescimento nos setores industrial e de comércio, graves problemas ambientais, forte presença indígena, intensos problemas sociais etc., o Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia assume grande importância para região, posto colocar no mercado operadores de Direito capacitados para as mais diversas demandas, com forte formação humanística e cidadã.

Concepção e objetivos do Curso

O Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia tem como missão formar profissionais do Direito com competência científica, técnica e cidadã, atento às intensas mudanças da sociedade contemporânea, com qualidade e responsabilidade social, preocupando-se com o pleno desenvolvimento sustentável da sociedade e o avanço das Instituições democráticas, inclinado para o atendimento aos objetivos fundamentais esculpidos na Constituição da República

27 Federativa do Brasil. Apesar de apresentar uma leve inclinação ao Direito Público, o Curso de

27

Federativa do Brasil. Apesar de apresentar uma leve inclinação ao Direito Público, o Curso de Direito das Faculdades Integradas adota uma vocação generalista, cumprindo o princípio básico esculpido no Projeto Pedagógico Institucional de “ruptura com o excesso de especialização e disciplinaridade no nível da graduação”. 6 Assim, atende à finalidade básica de formar bacharéis em Direito, com elevada carga de preocupação ética e social, capazes de mudar a realidade regional. As especializações serão alcançadas em programas de pós-graduação, sendo, inclusive, uma das metas desta Instituição. Entende-se aqui o Direito numa concepção sustentada pela epistemologia das ciências, o que permite atuar na construção-desconstrução- reconstrução do conhecimento numa perspectiva dinâmica capaz de captar a realidade e não apenas reproduzi-la. Assim, fundamenta-se o perfil do profissional numa conjuntura da atualidade social, política e cultural, que requer cidadãos críticos e criativos, profissionais competentes e capazes de criar ou redescobrir caminhos na área do Direito, que respondam às demandas colocadas pela complexa sociedade contemporânea. O Curso de Direito tem por finalidade precípua formar profissionais éticos e humanistas, com competência técnica e científica para operarem o Direito enquanto componente/instrumento ou ferramenta básica para a construção da cidadania. Nesse contexto, a ciência do Direito é entendida por esta IES como um aporte fundamental à formação de recursos humanos, capazes de atuar e intervir na comunidade, contribuindo para a construção do Estado Democrático de Direito e o pleno atendimento aos objetivos fundamentais esculpidos na Constituição da República Federativa do Brasil, e preparados para atuarem no contexto em que estão inseridos.

O Curso de Direito está sendo construído coletivamente, voltado para a preparação de profissionais que percebam o fenômeno jurídico como alternativa da sociedade, na solução dos conflitos inerentes à crescente dinamicidade das relações sociais.

6 FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA. “Projeto Pedagógico Institucional”. In: Plano de Desenvolvimento Institucional. Eunápolis, 2007, p. 47.

28 Conforme se poderá comprovar com a análise da construção curricular, e respectivas ementas, a nova

28

Conforme se poderá comprovar com a análise da construção curricular, e respectivas ementas, a nova proposta pedagógica do Curso de Direito demonstra nítida preocupação com a formação de profissionais cidadãos, preparados para os complexos conflitos da sociedade contemporânea, em especial os presentes na região geográfica em que está inserido. Assim, o Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia tem como função a formação de profissionais cidadãos, com os seguintes objetivos:

Privilegiar, buscar, propiciar e favorecer a aquisição de uma visão interdisciplinar do Direito, compreendendo-o à luz dos problemas humanos e não apenas como um conjunto de normas;

Preparar Bacharéis em Direito com uma sólida formação

fundamental e profissional, aptos a exercerem as diversas profissões jurídicas e enfrentarem os desafios contemporâneos; Despertar o senso ético profissional, associado à responsabilidade social com a compreensão da causalidade e finalidade das normas jurídicas e da busca constante da libertação do ser humano e do aprimoramento da sociedade;

Desenvolver um conteúdo curricular que concilie as informações técnico-jurídicas e pragmáticas, observando a interdisciplinaridade, a integração das atividades acadêmicas teóricas e práticas, privilegiando as tarefas reflexivas; Reconhecer a particularidade do nosso desenvolvimento regional e seus problemas específicos, privilegiando as soluções de cunho axiológico, quando o objeto tiver um pano de fundo cultural regional;

Estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os regionais, prestar serviços à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade;

Preparar profissionais para atender às exigências da

29 sociedade, à dinâmica do mercado e às expectativas de formação inicial coerente com o processo

29

sociedade, à dinâmica do mercado e às expectativas de formação inicial coerente com o processo contínuo de educação permanente, inerente ao mundo do trabalho, numa conjuntura de acelerada transformação dos paradigmas científicos e profissionais; Propiciar estudos e pesquisas que possibilitem o favorecimento da consciência do profissional em relação às questões sociais, culturais, políticas e ambientais, além de prepará-lo para a preservação do patrimônio histórico natural e cultural da região e solução de conflitos sociais; Enfatizar os estudos sobre ética, subjetividade e intersubjetividade, visando a uma formação crítica que busque a inter-relação entre a função do operador jurídico e os sujeitos coletivos e o processo de construção da cidadania; Contribuir para a formação de operadores do Direito comprometidos com o efetivo acesso a justiça; Tornar visíveis categorias jurídicas que constituam a expressão de novas demandas, fruto das mudanças econômicas, sociais e políticas, das novas dimensões da cidadania, num processo dinâmico e dialético de criação e recriação da vida em sociedade.

Perfil do Egresso

O Bacharel em Direito, formado pelas Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, deverá apresentar sólida formação geral, técnico-jurídica, humanística e axiológica, capacidade de análise, domínio dos Institutos e da terminologia jurídica, adequada argumentação e persuasão, interpretação e valorização dos fenômenos jurídicos e sociais, aliada a uma postura reflexiva e de visão zetética que fomente a capacidade e a aptidão para a aprendizagem autônoma e dinâmica indispensáveis ao exercício da Ciência do Direito, da prestação da justiça e do desenvolvimento da cidadania.

30 O Curso de Direito proporcionará ao graduando a formação de competências e habilidades para: ∑

30

O Curso de Direito proporcionará ao graduando a formação de competências e habilidades para:

Adequada atuação técnico-jurídica, em diferentes instâncias, administrativas ou judiciais, com a devida utilização de processos, atos e procedimentos; Equacionar problemas e buscar soluções, a partir das demandas individuais e sociais peculiares ao espaço onde está inserido; Desenvolver formas extrajudiciais e judiciais de prevenção e solução de conflitos individuais e coletivos; Atitude investigativa que favoreça o processo contínuo de construção do conhecimento, de aperfeiçoamento profissional e do desenvolvimento da autoconfiança;

Correta utilização da terminologia jurídica e da ciência do direito;

Domínio de tecnologias e métodos para permanente compreensão e aplicação do direito; Sensibilidade para as questões humanísticas, sociais, culturais e ambientais;

Visão humanística global que o habilite a compreender o meio social, político, econômico e cultural, onde está inserido;

Capacidade técnico-jurídica e prática para a adequada compreensão interdisciplinar do fenômeno jurídico e das transformações sociais;

Interpretação e aplicação do direito;

Julgamento e tomada de decisões;

Leitura, compreensão e elaboração de textos, atos e documentos jurídicos e normativos, com a devida utilização das normas técnico-jurídicas; Pesquisa e utilização da legislação, da jurisprudência, da doutrina e de outras fontes do direito;

31 ∑ Senso ético profissional, associado à responsabilidade social, com a compreensão da causalidade e finalidade

31

Senso ético profissional, associado à responsabilidade social,

com a compreensão da causalidade e finalidade das normas jurídicas e da busca constante da libertação do homem e do aprimoramento da sociedade; Utilização de raciocínio jurídico, de argumentação, de persuasão e de reflexão crítica; Visão atualizada de mundo e, em particular, consciência dos problemas de seu tempo e de seu espaço; Visão crítica, capaz de reavaliar o seu potencial de desempenho e de ajustar-se com competência às novas demandas geradas pelo progresso científico e tecnológico e às exigências conjunturais. Tomando por fundamento os itens supramencionados, o profissional do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia deve ser dotado de elevado senso crítico, em relação aos problemas brasileiros e baianos, em especial da região Extremo Sul do estado-membro em que está inserido, considerando-os de forma holística, na integração das abordagens jurídica, humanística, social, cultural, econômica, política e ecológica. O contexto regional deve ser analisado no que diz respeito às necessidades da população urbana e rural. Para isso o Bacharel em Direito deve ter profundo conhecimento da realidade local, quanto:

Aos conflitos de interesses entre os sujeitos sociais;

A questão fundiária e os conflitos agrários;

A importância da biodiversidade, do patrimônio histórico e cultural e dos conhecimentos tradicionais, bem como sua defesa e uso racional;

A necessidade de um desenvolvimento regional sustentável;

A promoção dos Direitos Fundamentais.

Em síntese, o egresso do Curso de Direito deverá ser um profissional com habilidades e competência para o exercício das mais diversas profissões jurídicas, e elemento participante do processo de construção de uma sociedade sustentável, sensível aos complexos problemas sociais e comprometido

32 com os objetivos fundamentais da Constituição da República Federativa do Brasil, sendo ele, acima de

32

com os objetivos fundamentais da Constituição da República Federativa do Brasil, sendo ele, acima de tudo, um profissional socialmente produtivo.

33 V. CONDIÇÕES OBJETIVAS DE OFERTA DO CURSO Os elementos inerentes às condições objetivas de oferta

33

  • V. CONDIÇÕES OBJETIVAS DE OFERTA DO CURSO

Os elementos inerentes às condições objetivas de oferta do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia guardam estrita relação com a vocação do Curso, sendo compatíveis com as promessas efetivadas no Projeto Pedagógico. As formas de acesso ao Curso de Direito seguem a sistemática geral adotada pelas diretrizes das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia em seu Regimento Interno, que estabelecem quatro principais modalidades de ingresso:

o processo seletivo (concurso vestibular), o ingresso pelo PROUNI, o aceite de transferência e o ingresso de portadores de diploma de Curso Superior, respeitando sempre o princípio da igualdade entre os candidatos. O processo seletivo, conduzido por comissão designada pela Diretora das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, centra-se na mensuração de conhecimentos e habilidades dos candidatos por meio de provas escritas (envolvendo os conteúdos de Português, Literatura Nacional, Redação, Língua Estrangeira, Matemática, Geografia, Física, História, Química e Biologia), respeitando o limite de complexidade inerente à escolaridade do ensino médio. A classificação se dá pela ordem decrescente dos resultados obtidos, a partir da maior pontuação, respeitado o número de vagas ofertadas pela Instituição. O processo seletivo atende a todas as determinações legais, sendo precedido de ampla divulgação nos mais diversos meios de comunicação, com informações detalhadas. Os candidatos encaminhados à Instituição, selecionados pelo PROUNI, são dispensado do concurso vestibular, submetendo-se a uma entrevista com o Pró-Diretora Acadêmica e a uma Redação. Mais especificamente para o Curso de Direito, o ingresso pela modalidade do processo seletivo possui periodicidade anual, sempre no primeiro semestre letivo, sendo dirigido para o preenchimento de vagas do primeiro período do Curso.

No que tange à admissão por transferência, o ingresso é admitido a partir do segundo período do Curso, sendo aceito no início de cada semestre letivo, conforme calendário acadêmico anual. A matrícula por transferência obedece à ordem cronológica dos requerimentos, sendo admitida conforme a quantidade de

34 vagas disponíveis. O regime de oferta do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo

34

vagas disponíveis. O regime de oferta do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia é de seriado semestral, sendo composto por dez períodos com cem dias letivos cada um, respeitando-se para a matrícula os pré-requisitos. Em sintonia com a Resolução n° 2, de 18 de junho de 2007, o Curso de Direito desta IES prevê 05 (cinco) anos para integralização, divididos em 10 (dez) semestres. Excepcionalmente, com fulcro no Art. 47 §2° da Lei 9.394/96, o tempo de duração poderá ser reduzido para os estudantes que demonstrem, por meio de provas e outros instrumentos de avaliação específicos, extraordinário aproveitamento nos estudos. O mesmo poderá acontecer em razão do aproveitamento de estudos dos discentes portadores de diploma de curso superior autorizado ou reconhecido pelo MEC. O PDI/PPI permite aos estudantes ampliar a permanência no curso em até 50% (cinqüenta por cento) em relação ao tempo mínimo de integralização permitido pelo PPC. São oferecidas cem vagas anuais, sendo cinqüenta no turno matutino e cinqüenta no turno noturno, havendo, portanto, a formação de duas novas turmas de cinqüenta alunos por ano, sempre no primeiro semestre. Ao final do cumprimento de todas as atividades previstas neste Projeto Pedagógico será conferido ao formando o título de “Bacharel em Direito”.

VI. ATIVIDADES DIDÁTICAS E INTEGRALIZAÇÃO DO CURSO 35 A construção curricular do Curso de Direito das

VI.

ATIVIDADES DIDÁTICAS E INTEGRALIZAÇÃO DO CURSO

35

A construção curricular do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia atende às recomendações introduzidas pela Resolução n° 9, de 29 de setembro de 2004, CNE/MEC, que reformulou as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito, para todo o território nacional. O presente Projeto Pedagógico reflete as DCN’s, proporcionando sólida formação jurídica. As disciplinas estão organizadas em torno dos eixos temáticos que exprimem a estrutura conceitual e metodológica compartilhada. O eixo temático de formação fundamental focaliza a formação humanista dos discentes, por meio da interação com outros ramos do conhecimento, com destaques para estudos humanísticos, sociológicos, políticos, econômicos e de Estado. O eixo de formação profissional é composto de conteúdos dogmáticos e zetéticos dos diversos ramos do Direito, conferindo aos discentes uma sólida formação geral, necessária ao exercício das profissões jurídicas. O eixo de formação prática está focado na necessidade de correlação entre os conhecimentos teóricos e a prática profissional, com vistas a possibilitar uma visão geral do Direito, aplicado à realidade social, por meio de atividades simuladas, atendimento de casos reais, análise de autos, participação em audiências, júris, técnicas de conciliação e resolução extrajudicial de conflitos e demais atividades de ordem prática. Os componentes curriculares obrigatórios para todos os currículos plenos de Cursos de Direito são claramente visualizados no quadro esquemático proposto por Horácio Wanderlei Rodrigues 7 , disposto na página seguinte, cujos conteúdos estão integralmente incorporados ao presente PPC.

7 RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Pensando o Ensino do Direito no Século XXI: diretrizes curriculares, projeto pedagógico e outras questões pertinentes. Florianópolis: Boiteux, 2005, págs. 202/203.

36 Resolução CNE/CES n.º Eixo de formação Antropologia, Ciência Política, 9/2004: conteúdos e fundamental Economia, Ética,

36

Resolução CNE/CES n.º

Eixo

de

formação

Antropologia, Ciência Política,

9/2004:

conteúdos e

fundamental

 

Economia, Ética, Filosofia, História, Sociologia e Psicologia.

atividades expressamente obrigatórios.

Eixo de formação profissional

Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Tributário, Direito Penal, Direito Civil, Direito Empresarial, Direito do Trabalho, Direito Internacional e Direito Processual.

Eixo de formação prática

 

Estágio Supervisionado, Trabalho

 

de

Curso

e

Atividades

Complementares.

 

Resolução CNE/CES n.º

Decorrentes do perfil definido

Técnicas

de

Redação

de

9/2004:

conteúdos e

para o egresso e da

Documentos

 

Jurídicos

e

atividades indiretamente

necessidade de trabalhar as

Legislativos,

 

Hermenêutica

obrigatórios.

 

competências e habilidade.

Jurídica

e

Teorias

da

 

Argumentação,

Tecnologias

e

Metodologias

aplicáveis

na

Pesquisa em Direito, Teorias do Direito e do Processo, Estudos de Caso.

Outros

conteúdos

e

Constituição

Federal

(art.

Os

conteúdos

 

e

atividades

atividades obrigatórios.

205).

 

necessários

 

ao

pleno

   

desenvolvimento

da

pessoa

humana

e

seu

preparo

para

a

cidadania.

 

Constituição

Federal

(art.

Educação Ambiental.

 

225,

§

1º,

inc.

6º),

Lei

n.º

 

9.795/1999

e

Decreto

n.º

4.281/2002

(Educação

Ambiental).

Lei n.º 10.741/2003 (Estatuto

Educação para a terceira idade.

 

do Idoso), art. 22.

   

Lei n.º 9.394/1996 (LDB, art.

Pesquisa e extensão.

 

43,

inciso

III),

Lei

n.º

 

10.172/2001 (PNE)

e

Resolução

CNE/CES

n.º

9/2004 (art. 2º).

 

Lei

n.º

10.861/2004

ENADE.

 

(SINAES), art. 5º, § 5º.

   

Além dos componentes obrigatórios, previstos na Resolução CNE/CES n° 9/2004 e outros instrumentos normativos, a construção curricular do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia prevê

37 conteúdos necessários para que o acadêmico entenda o contexto em que está inserido, lhe permitindo

37

conteúdos necessários para que o acadêmico entenda o contexto em que está inserido, lhe permitindo a aquisição de competências e habilidades para lidar com as diversas questões oriundas dessa realidade. Embora organizados em eixos temáticos, cada programa de ensino é desenvolvido de forma integrada aos objetivos gerais, incumbindo ao professor enfatizar nos alunos as inter-relações entre os conteúdos trabalhados em sala de aula.

Com substancial modificação quanto ao estabelecimento das disciplinas e cargas horárias, esta reformulação do Projeto Pedagógico do Curso segue a mesma orientação epistemológica do Projeto originário, mantendo-se, dessa forma, a vocação generalística e humanística já expressa no perfil do Curso. A nova construção curricular do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia guarda estreita conexão com os objetivos do Curso e com o perfil profissiográfico proposto para o egresso. Assim, no primeiro ano de formação o discente será apresentado aos conteúdos interdisciplinares fundamentais, a fim de alcançar uma sólida formação crítica e reflexiva que lhe dê capacidade de pensar os institutos jurídicos e não apenas assimilar informações de forma passiva, como se o Direito posto fosse uma verdade absoluta de precisão matemática. Nas diversas disciplinas que o compõe observa-se a preocupação com o conhecimento e discussão do princípio da dignidade da pessoa humana, pedra angular de toda a construção curricular. Após uma sólida formação fundamental, o discente inicia o estudo das disciplinas do eixo de formação profissional, com considerável carga horária. A disposição das disciplinas profissionalizantes, seus conteúdos e cargas horárias foram projetados com a nítida finalidade de alcançar os objetivos traçados para o Curso e o egresso. Ao discente é passada a ambivalência do Direito, sendo exposta a dogmática (que busca ação/respostas) em contraposição a zetética (que busca especulação/dúvidas). Com isso, pretende-se demonstrar ao discente que a compreensão do fenômeno jurídico não se dá pela aceitação passiva de verdades postas e sim por escolhas científicas racionais. Visando ao nivelamento dos ingressantes no Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, haja vista as deficiências dos

38 alunos egressos do ensino médio nessa região, sobretudo no que tangem à correção gramatical e

38

alunos egressos do ensino médio nessa região, sobretudo no que tangem à correção gramatical e à compreensão e elaboração de textos, a construção curricular prevê como obrigatórias as disciplinas de Semiótica e Língua Portuguesa (1° Período) e Produção de Texto (2° Período), tal como determinado pela política de ensino do PPI. É importante ressaltar que a organização pedagógica das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia, fundada em sua autonomia garantida constitucionalmente, estabelece como padrão operacional a hora-aula de 50 (cinqüenta) minutos. Com base nesse critério, os conteúdos são distribuídos em disciplinas curriculares de 36 (trinta e seis) e 72 (setenta e duas) horas-aula. Na contagem da carga horária total, contudo, é observada a orientação oficial que estabelece a utilização da hora-relógio (60 – sessenta – minutos), conforme Resolução CNE/CES nº 3/2007. Em conformidade com o critério definido por meio do art. 3º da Resolução CNE/CES nº 3/2007, o Curso de Direito das Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia possui 3.900 (três mil e novecentas horas) horas-relógio, sendo 3.300 (três mil e trezentas) horas-relógio de conteúdos disciplinares, 300 (trezentas) horas-relógio de estágio supervisionado e 300 (trezentas) horas-relógio de atividades complementares. Não obstante a vocação de formação geral há inclinação para o Direito Público, o que pode ser verificado pela disposição da carga horária das disciplinas que compõem esse ramo. O atual PPC possui dinamicidade para a formação de profissionais éticos, com habilidades e competência para o exercício das mais diversas profissões jurídicas, além de ser elemento participante do processo de construção de uma sociedade sustentável, sensível aos complexos problemas sociais e comprometida com os objetivos fundamentais da Constituição da República Federativa do Brasil.

VII. CONSTRUÇÃO CURRICULAR 39 1° SEMESTRE Disciplinas Pré-requisito(s) Carga horária Semestral --- 72 Introdução ao Estudo

VII.

CONSTRUÇÃO CURRICULAR

39

1° SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

Carga horária

Semestral

 

---

72

Introdução ao Estudo do Direito I História do Direito

---

72

 

Economia I

---

72

Filosofia Geral e Jurídica

---

72

 

---

72

Semiótica e Língua Portuguesa Metodologia Científica

---

36

 

Total do semestre:

396

2° SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

Carga horária

Semestral

 

Introdução ao Estudo do Direito I

72

Introdução ao Estudo do Direito II Ciência Política e Teoria do Estado

Introdução ao Estudo do Direito I

72

 

Economia II

Economia I

72

 

---

72

Sociologia Geral e Jurídica Produção de Texto

Semiótica e Língua Portuguesa

72

Antropologia e Cultura Brasileira

---

36

 

Total do semestre:

396

3° SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

Carga horária

Semestral

Direito Constitucional I

Ciência Política e Teoria do Estado

72

Direito Civil – Parte Geral

Introdução ao Estudo do Direito II

72

Direito Penal I – Parte Geral

Introdução ao Estudo do Direito II

72

 

Introdução ao Estudo do Direito II

72

Introdução ao Direito Processual Psicologia Geral e Jurídica

---

72

 

Criminologia

---

36

 

Total do semestre:

396

4° SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

Carga horária

Semestral

Direito Constitucional II

Direito Constitucional I

72

 

Direito Civil I

72

Direito Civil II – Obrigações Direito Penal II – Parte Geral

Direito Penal I

72

Direito Processual – Civil I

Introdução ao Direito Processual

72

Direito Internacional

Introdução ao Estudo do Direito II

72

Resolução Extrajudicial de Conflitos

Introdução ao Direito Processual

36

 

Total do semestre:

396

[Continuação] Construção curricular 40 5° SEMESTRE Disciplinas Pré-requisito(s) Carga horária Semestral Direito Constitucional III Direito Constitucional

[Continuação] Construção curricular

40

5° SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

Carga horária

Semestral

Direito Constitucional III

Direito Constitucional I

72

Direito Administrativo I

Direito Constitucional II

72

Direito Civil III – Contratos

 

Direito Civil II

72

   

Direito Penal II

72

Direito Penal III – Tipos Penais Direito Processual – Civil II

Direito Processual – Civil I

72

Novos Direitos

Introdução ao Estudo do Direito II

36

 

Total do semestre:

396

6° SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

Carga horária

Semestral

Direito Administrativo II

Direito Administrativo I

72

Direito Civil IV – Famílias

 

Direito Civil I

72

   

Direito Penal II

72

Direito Penal IV – Tipos Penais Direito Processual – Civil III

Direito Processual – Civil II

72

Oficina de Petições

 

---

72

Direito do Consumidor

 

Direito Civil I

36

 

Total do semestre:

396

7° SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

Carga horária

Semestral

Direito Tributário I

Direito Administrativo I

72

Direito Civil V – Sucessões

 

Direito Civil I

72

Direito do Trabalho I

Direito Constitucional II

72

Direito Processual – Civil IV

Direito Processual – Civil II

72

Direito Penal V – Legislação Especial

 

Direito Penal II

72

Direito Previdenciário

Direito Constitucional II

36

 

Total do semestre:

396

(Estágio Supervisionado I, no turno vespertino, com 75 horas)

 

8° SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

Carga horária

Semestral

Direito Tributário II

Direito Tributário I

72

Direito Civil VI – Posse e Reais

 

Direito Civil I

72

Direito do Trabalho II

Direito do Trabalho I

72

Direito Processual – Penal I

Introdução ao Direito Processual

72

   

Direito Civil I

72

Direito Empresarial I Trabalho de Conclusão de Curso I – Projeto

Metodologia Científica

36

 

Total do semestre:

396

(Estágio Supervisionado II, no turno vespertino, com 75 horas)

[Continuação] Construção curricular: 41 9 SEMESTRE Disciplinas Pré-requisito(s) Carga horária Semestral Direito Processual – Penal II

[Continuação] Construção curricular:

41

9 SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

 

Carga horária

Semestral

Direito Processual – Penal II

Direito Processual – Penal I

 

72

Direito Processual – Trabalhista

Direito Processual – Civil III

 

72

 

Direito Empresarial I

 

72

Direito Empresarial II Direito Ambiental

Direito Administrativo I

 

72

   

---

 

36

Medicina Legal Trabalho de Conclusão de Curso II – Redação

Trabalho de Conclusão de Curso I

 

72

 

Total do semestre:

396

(Estágio Supervisionado III, no turno vespertino, com 75 horas)

 

10° SEMESTRE

 
 

Disciplinas

Pré-requisito(s)

 

Carga horária

Semestral

Ética Geral e Jurídica

Filosofia Geral e Jurídica

 

72

   

Direito Ambiental

 

72

Direito Agrário e Urbanístico Direito Eleitoral

Direito Constitucional III

 

72

Estudo Baseado em Problemas

 

---

 

72

 

Libras

 

---

 

72

Trabalho de Conclusão de Curso III – Defesa

Trabalho de Conclusão de Curso II

 

36

 

Total do semestre:

396

(Estágio Supervisionado IV, no turno vespertino, com 75 horas)

 

ATIVIDADES

 

COMPLEMENTARES

 

Discriminação das atividades

 

Carga horária

 
 

Ensino, Pesquisa e Extensão.

 

300

 

ESTÁGIO

 

SUPERVISIONADO

 

Discriminação das atividades

 

Carga horária

 

Estágio Supervisionado I – 7º Semestre – Turno Vespertino – 75 horas Estágio Supervisionado II – 8º Semestre – Turno Vespertino – 75 horas Estágio Supervisionado III – 9º Semestre – Turno Vespertino – 75 horas Estágio Supervisionado IV – 10º Semestre – Turno Vespertino – 75 horas

 

300

 

RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CARGA HORÁRIA

 
 

Discriminação

Carga horária

 
 

Disciplinas Curriculares

 

3.300*

   

300

 

Estágio Supervisionado (turno vespertino) Atividades Complementares (extracurriculares)

 

300

 

TOTAL:

3.900

* Carga horária exposta sob o critério de hora-relógio, conforme orientação oficial da Resolução CNE/CES nº 3/2007. As 3.300 horas-relógio das disciplinas curriculares correspondem a 3.960 horas- aula.

VIII. PERFIL GRÁFICO DE FORMAÇÃO: 42 DISTRIBUIÇÃO DAS DISCIPLINAS POR EIXOS TEMÁTICOS Conteúdos EIXO DISCIPLINAS PROPORÇÃO

VIII.

PERFIL GRÁFICO DE FORMAÇÃO:

42

DISTRIBUIÇÃO DAS DISCIPLINAS POR EIXOS TEMÁTICOS

 

Conteúdos

EIXO

DISCIPLINAS

PROPORÇÃO

Expressamente

 

História do Direito (72H);

Carga Horária: 540 horas.

 

Obrigatórios

Economia I (72H);

(Resolução

Filosofia Geral e Jurídica (72H);

CNE/CES n°

Ciência Política e Teoria do Estado (72H);

9/2004):

Formação

Economia II (72H);

13,63%

Fundamental:

Sociologia Geral e Jurídica (72H);

Antropologia e Cultura Brasileira (36H); Psicologia Geral e Jurídica (72H);

 
 

Direito Público

 

Formação

Direito Constitucional I (72H); Direito Penal I – Parte Geral (72H); Direito Constitucional II (72H); Direito Penal II – Parte Geral (72H); Direito Processual – Civil I (72H); Direito Internacional (72H); Direito Constitucional III (72H); Direito Administrativo I (72H); Direito Penal III – Tipos Penais (72H); Direito Processual – Civil II (72H); Direito Administrativo II (72H); Direito Penal IV – Tipos Penais (72H); Direito Processual – Civil III (72H); Direito Tributário I (72H); Direito Processual – Civil IV (72H); Direito Penal V – Legislação Especial (72H); Direito Tributário II (72H); Direito Processual – Penal I (72H); Direito Processual – Penal II (72H);

Carga Horária: 1.584 horas.

40,00%

Profissional:

Direito Processual – Trabalhista (72H); Ética Geral e Profissional (72H); Oficina de Petições (72H).

Direito Privado

 

Direito Civil I – Parte Geral (72H); Direito Civil II - Obrigações (72H); Resolução Extrajudicial de Conflitos (36H); Direito Civil III – Contratos (72H); Direito Civil IV – Famílias (72H); Direito Civil V – Sucessões (72H); Direito do Trabalho I (72H); Direito Civil VI – Posse e Reais (72H); Direito do Trabalho II (72H); Direito Empresarial I (72H); Direito Empresarial II (72H);

19,09%

Carga Horária: 756 horas.

43 Formação Estágio Supervisionado I (75H); Estágio Supervisionado II (75H); Estágio Supervisionado III (75H); Estágio Supervisionado

43

 

Formação

Estágio Supervisionado I (75H); Estágio Supervisionado II (75H); Estágio Supervisionado III (75H); Estágio Supervisionado IV (75H);

 

Prática:

Atividades Complementares (300H).

xxxx

Carga Horária: 600 horas*.

(Horas-relógio, que serão computadas em

Conteúdos

 

separado) Introdução ao Estudo do Direito I (72H); Semiótica e Língua Portuguesa (72H);

 

Indiretamente

Decorrentes do

Introdução ao Estudo do Direito II (72H);

Obrigatórios

Perfil do

Produção de Texto (72H);

10,90%

(Resolução

Egresso e das Competências

Introdução ao Direito Processual (72H);

CNE/CES n°

Estudo Baseado em Problemas (72H).

 

9/2004):

e Habilidades:

Carga Horária: 432 horas.

 

CRFB, Art. 225,

Direito Ambiental (72H); Direito Agrário e Urbanístico (72H).

 

§1°, inc. VI:

Carga horária: 144 horas.

3,63%

Lei 10.741/03,

Novos Direitos (36H)

 

Outros

Art. 22:

0,9%

Conteúdos

Carga horária: 36 horas.

Obrigatórios

 

Metodologia Científica (36H);

(36H);

Trabalho de Conclusão de Curso II – Redação

 

(Normas

Diversas):

Trabalho de Conclusão de Curso I – Projeto

Lei 9.394/96,

(72H);

4,59%

Art. 43, inc. III:

Trabalho de Conclusão de Curso III – Defesa

(36H).

Carga horária: 180 horas.

 

Formação

Criminologia (36H); Libras (72H).

 

Fundamental:

2,72%

Carga Horária: 108 horas.

 

Direito Público:

 

Conteúdos

Direito Previdenciário (36H);

Facultativos

Medicina Legal (36H);

(Vocação do

Direito Eleitoral (72H) ..

3,63%

Curso):

Formação

Profissional:

Carga Horária: 144 horas.

Direito Privado:

 

Direito do Consumidor (36H).

0,90%

Carga Horária: 36 horas.

44 RESUMO DA CARGA HORÁRIA DO CURSO Disciplinas do Eixo de Formação Fundamental 936 h 23,63%

44

RESUMO DA CARGA HORÁRIA DO CURSO

 

Disciplinas do Eixo de Formação Fundamental

936

h

23,63%

Disciplinas do Eixo de Formação Profissional – Direito Público

2052 h

51,81%

 

792

h

20,00%

Disciplinas do Eixo de Formação Profissional – Direito Privado Disciplinas Ligadas à Pesquisa

180

h

4,54%

 

3.960 H/A

100%

 

Subtotal (disciplinas curriculares)

(3.300 horas-relógio)

 

300

h/r

 

Estágio Supervisionado, turno vespertino, 7º ao 10º semestre Atividades Complementares

300

h/r

 

Total

 

3.900 horas-relógio

Perfil Gráfico de Formação

Perfil Gráfico de Formação Eixo de Formação Profissional – Direito Público Eixo de Formação Profissional –
  • Eixo de Formação Profissional – Direito Público

  • Eixo de Formação Profissional – Direito Privado

  • Eixo de Formação Fundamental

  • Eixo de Formação Prática

  • Ligadas à Pesquisa

45 IX. EMENTÁRIO 1° SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO I 72 horas EMENTA: Introdução

45

IX.

EMENTÁRIO

1° SEMESTRE

 

DISCIPLINA:

 

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO I

 

72 horas

EMENTA:

Introdução à epistemologia jurídica: o conhecimento científico e o Direito. Empirismo, racionalismo e pensamento dialético no Direito. Aproximação à idéia de Direito: Jusnaturalismo, Positivismo Jurídico, Teorias Críticas e Direito Alternativo. Teoria da Norma Jurídica. Teoria do Ordenamento Jurídico. Dogmática e zetética. Tendências Contemporâneas do Direito. Significado jurídico de dignidade da pessoa humana. Pessoa humana como sujeito e objeto de direitos. Dignidade da pessoa humana como garantia negativa.

REFERÊNCIAS:

BASTOS, Aurélio Wander. Introdução à teoria do direito. Rio de Janeiro:

Lumen Júris. BATALHA, Wilson de Souza Campos. Introdução ao direito: os

fundamentos e a visão histórica. Rio de Janeiro: Forense. BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Brasília: UNB.

CARNELUTTI, Francesco. Teoria geral do direito. São Paulo: Saraiva.

DINIZ, Maria Helena. Compêndio de introdução à ciência do direito. São Paulo: Saraiva.

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. A ciência do direito. São Paulo:

 

Atlas.

FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito:

Técnica, Decisão, Dominação. São Paulo: Atlas. FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. Teoria da Norma Jurídica. Rio de

Janeiro: Forense. HERKENHOFF, João Baptista. Para Gostar do Direito. Porto Alegre:

Livraria do Advogado. GUSMÃO, Paulo Dourado de. Introdução ao estudo do direito. Rio de

Janeiro: Forense. HERKENHOFF, João Batista. Para gostar do direito. Porto Alegre:

Livraria do advogado. KELSEN, Hans. Teoria Geral das Normas. Porto Alegre: Fabris.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. São Paulo: Martins Fontes.

LYRA, Roberto. O que é direito. São Paulo: Brasiliense.

MENDONÇA, Jacy de Souza. Introdução ao Estudo do Direito. São

Paulo: Saraiva. MONTORO, André Franco. Introdução à ciência do direito. São Paulo:

Revista dos Tribunais. NADER, Paulo. Introdução ao estudo do direito: de acordo com a constituição de 1988. Rio de Janeiro: Forense.

PAUPÉRIO, A. Machado.

Introdução ao estudo

do direito. Rio de

Janeiro: Forense. POLETTI, Ronaldo. Introdução ao direito. São Paulo: Saraiva.

REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. São Paulo: Saraiva.

REALE, Miguel. Teoria do Direito e do Estado. São Paulo: Saraiva.

REALE, Miguel. Teoria Tridimensional do Direito. São Paulo: Saraiva.

RIZZATO NUNES Luis Antônio. Manual de introdução ao estudo do

direito. São Paulo: Saraiva. SILVA, Waltamir Leocádio da. Um Contributo à Introdução das Ciências

no Direito Aplicado. Belo Horizonte: Excelsa. VASCONCELOS, Arnaldo. Teoria da Norma Jurídica. São Paulo:

Malheiros. WARAT, Luis Alberto. Introdução Geral ao Direito. Porto Alegre: Fabris.

46 1° SEMESTRE DISCIPLINA: HISTÓRIA DO DIREITO 72 horas EMENTA: Objeto da história do Direito. O

46

1° SEMESTRE

 

DISCIPLINA:

 

HISTÓRIA DO DIREITO

72 horas

EMENTA:

Objeto da história do Direito. O Direito nas civilizações históricas. Estrutura dos grandes sistemas de Direito contemporâneos. Instituições jurídicas. História política e constitucional do Brasil. Ordenações Afonsinas, Manuelinas e Filipinas. Histórico das principais leis ordinárias do Brasil. Marcos históricos de maior repercussão na construção do conceito jurídico de dignidade da pessoa humana. Inserção da dignidade da pessoa humana nos documentos constitucionais do Século XX.

REFERÊNCIAS:

BITTAR, Eduardo C. B

História do Direito Brasileiro. São Paulo: Atlas.

.. CASTRO, Flávia Lages. História do Direito Geral e Brasil. Rio de

Janeiro: Lúmen Júris. CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense.

COULANGES, Fustel de. A cidade antiga. São Paulo: Edameris.

DAVID, René. Os Grandes Sistemas do Direito Contemporâneo. São

Paulo: Martins Fontes. FERREIRA, Waldemar. História do Direito Brasileiro. São Paulo: Max

Limonad. GUSMÃO, Paulo Dourado. Introdução ao Estudo do Direito. Rio de Janeiro: Forense.

HESPANHA, Antônio M. A história do direito na história social. Lisboa:

Ed. Livros Horizonte.

MARKY, Thomas. Curso Elementar de Direito Romano. São Paulo:

Saraiva. NASCIMENTO, Walter Vieira do. Lições de História do Direito. Rio de

Janeiro: Forense. SANTOS, J. M. de Carvalho. Repertório enciclopédico de direito

brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. Borsoi. VALADÃO, Haroldo. História do direito: especialmente do direito

brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. Bastos. WOLKER, Antônio Carlos. História do Direito no Brasil. Rio de Janeiro:

Forense.

47 1° SEMESTRE DISCIPLINA: ECONOMIA I 72 horas EMENTA: Problemas econômicos contemporâneos. Conceitos de Economia. História

47

1° SEMESTRE

 

DISCIPLINA:

 

ECONOMIA I

 

72 horas

EMENTA:

Problemas econômicos contemporâneos. Conceitos de Economia. História econômica. Economia política. Teoria econômica. Microeconomia e macroeconomia. Valor e preços. Moeda e crédito. Repartição da renda. Desenvolvimento econômico. Economia Internacional.

REFERÊNCIAS:

AMARTYA, Sen. Sobre ética e economia. São Paulo: Companhia das

Letras. CAMARGO, Ricardo Antônio Lucas. A concentração do poder

econômico: jurisprudência anotada. Rio de Janeiro: Renovar. CARDOSO, Eliana A. Economia brasileira ao alcance de todos. São

Paulo: Brasiliense. CHOSSUDOVSKY, Michel. A Globalização da Pobreza. São Paulo:

Moderna. EATON, B. Cutis. Microeconomia. São Paulo: Saraiva.

 

FORTUNA, Eduardo. Mercado financeiro: produtos e serviços. Rio de

Janeiro: Quality Mark. FURTADO, Celso. Teoria e política do desenvolvimento econômico.

São Paulo: Nova Cultural. HABERMAS, Jurgen. A crise de legitimidade no capitalismo tardio. Rio

de Janeiro: Tempo Brasileiro. HUNT, E. K. História do pensamento econômico. Petrópolis - Rio de

Janeiro: Vozes. MARX, Karl. Para a crítica da economia política: salário, preço e lucro.

O rendimento e suas fontes. São Paulo: Abril Cultural. PARETO, Vilfredo. Manual de economia. São Paulo: Saraiva.

PEREIRA, Afonso Insuela. O direito econômico na ordem jurídica. São

Paulo: Buchatsky. ROSSETTI, José Paschoal. Introdução à economia. São Paulo: Atlas.

SIMONSEN, Mario Henrique. Macroeconomia. São Paulo: Atlas.

SINGER, Paul. Curso de introdução à economia política. Rio de Janeiro:

Forense. SINGER, Paul. Globalização e Desemprego. São Paulo: Contexto.

SWEEZY, Paul. A transição do feudalismo para o capitalismo: um

debate. Rio de Janeiro: Paz e Terra. TROSTER, Roberto Luis. Introdução à economia. São Paulo: Makron, Books do Brasil.

WICKSELL,

Kunt.

Lições

de

economia

política.

São Paulo: Nova

Cultural.

48 1° SEMESTRE DISCIPLINA: FILOSOFIA GERAL E JURÍDICA 72 horas EMENTA: A Filosofia: conceito. Introdução à

48

1° SEMESTRE

 

DISCIPLINA:

 

FILOSOFIA GERAL E JURÍDICA

 

72 horas

 

EMENTA:

A Filosofia: conceito. Introdução à problemática filosófica. Visão geral do pensamento filosófico através dos tempos. Questões filosóficas fundamentais. A pós-modernidade. O vínculo entre a Filosofia e o Direito. A reflexão filosófica sobre o Direito ao longo da história. A estrutura lógica do Direito. Considerações filosóficas e éticas em torno do Direito: a pessoa, a sociedade e a justiça. Correntes e escolas contemporâneas da Filosofia do Direito. Concepções filosófica, moral e humanística da pessoa humana.

REFERÊNCIAS:

ALVES, Rubem. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e as suas

regras. São Paulo: Loyola. BITTAR, Eduardo C. B.; ALMEIDA, Guilherme Assis de. Curso de

Filosofia do Direito. São Paulo: Atlas. BOBBIO, Noberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Brasília: UNB.

CHAUÍ, Marilena. Introdução à história da filosofia. São Paulo:

Companhia das Letras. COMTE, Auguste. Curso de filosofia positiva: discurso sobre o espírito

positivo. São Paulo: Abril Cultural. DOROZOI, Gerard. Dicionário de Filosofia.São Paulo: Papirus.

DWORKIN, Ronald. O Império do Direito. São Paulo: Martins Fontes.

DWORKIN, Ronald. Uma Questão de Princípio. São Paulo: Martins

Fontes. FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. A ciência do direito. São Paulo:

Atlas. GARCIA MORENTE, Manuel. Fundamentos de filosofia: lições

preliminares. São Paulo: Mestre Jou. GOYARD-FABRE, Simone. Os princípios filosóficos do direito político moderno. São Paulo: Martins Fontes.

GUERRA FILHO, Willis Santiago. Introdução

à

filosofia

e

à

epistemologia jurídica. Porto alegre: Livraria do Advogado. HABERMAS, JURGEN. O Discurso filosófico da modernidade. São

Paulo: Martins Fontes. IHERING, Rudolf Von. A Luta pelo Direito. Rio de Janeiro: Forense.

JEAMMAUD, Antoine. Crítica do direito e do Estado. Rio de Janeiro:

 

Graal.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. São Paulo: Martins Fontes.

MONTESQUIEU. O espírito das leis. São Paulo: Martins Fontes.

REALE, Miguel. Filosofia do direito. São Paulo: Saraiva.

REALE, Miguel. Teoria Tridimensional do Direito. São Paulo: Saraiva.

SANTOS, Boaventura de Souza. Introdução a uma ciência pós-

moderna. Rio de Janeiro: Graal. SEVERINO, Antônio Joaquim. A filosofia contemporânea no Brasil. Petrópolis – RJ: Vozes.

VASCONCELOS,

Arnaldo. Teoria da norma jurídica. São Paulo:

Malheiros. VECCHIO, Georges Del. Martins Fontes.

Lições

de filosofia do direito.

São

Paulo:

49 1° SEMESTRE DISCIPLINA: SEMIÓTICA E LÍNGUA PORTUGUESA 72 horas EMENTA: Estudo dos conceitos básicos de

49

1° SEMESTRE

 

DISCIPLINA:

SEMIÓTICA E LÍNGUA PORTUGUESA

72 horas

EMENTA:

Estudo dos conceitos básicos de semiótica e o uso da língua. O papel do contexto nos fenômenos comunicacionais. Código, mensagem e cultura. Estudo dos mecanismos lingüísticos e inferências no processo de compreensão lingüística. Aprimoramento da competência de leitura compreensiva, interpretativa e crítica de texto. Leitura de textos, aplicando esquemas, análise e resumo. Produção dessas tipologias textuais em conformidade com a gramática de uso.

REFERÊNCIAS:

ANTUNES, Manuel. Teoria da cultura. Lisboa: Edições Colibri.

BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola.

BELTRÃO, Odacir. Correspondência: linguagem e comunicação. São Paulo: Atlas.

CALVET,

Louis-Jean.

Sociolinguística:

uma introdução crítica. São

Paulo: Parábola. CASTRO, Solange Teresinha Ricardo. (org.) Pesquisas em lingüística

EPSTEIN, Isaac. O signo. São Paulo: Ática.

FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. Para entender o texto. São Paulo: Ática.

aplicada: novas contribuições. Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária. CEGALA, Domingos Pascoal. Novíssima gramática da Língua

Portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras. CHALHUB, Samira. Funções da linguagem. São Paulo: Ática.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Lisboa: Fim de

Século. DAMIÃO, Regina Toledo; HENRIQUES, Antônio. Curso de Português

Jurídico. São Paulo: Atlas.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. O dicionário da Língua

Português: século XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

GARCEZ, Pedro M., RIBEIRO, Branca Telles. (org.) Sociolingüística

interacional. São Paulo: Edições Loyola. GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro:

FVH, 2006. HENRIQUES, ANTÔNIO. Prática da Linguagem Jurídica. São Paulo:

Atlas. KOCH, Ingedore G. Villaça. Argumento e Linguagem. São Paulo:

Cortez. MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar. Português Instrumental. 23. ed. Porto Alegre, RS: Editora Sagra Luzzatto.

ORLANDI,

Eni

Pulcinelli.

Análise

de

discurso:

Princípios

e

procedimentos. Campinas: Pontes. ORLANDI, Eni Pulcinelli. Discurso e leitura. Campinas: Cortez Editora.

POLITO, Reinaldo. Como falar corretamente e sem inibição. São Paulo:

Saraiva. POLITO, Reinaldo. Um jeito bom de falar bem: como vencer na comunicação. São Paulo: Saraiva.

SCLIAR-CABRAL, Leonor. Introdução à psicolingüística. São Paulo:

Ática. TERRA, Ernani. Linguagem, língua e fala. São Paulo: Scipione

WEEDWOOD, Barbara. História concisa da lingüística. São Paulo:

Parábola Editorial.

50 1° SEMESTRE DISCIPLINA: METODOLOGIA CIENTÍFICA 36 horas EMENTA: Conceito de metodologia científica. Os conhecimentos popular,

50

1° SEMESTRE

 

DISCIPLINA:

 

METODOLOGIA CIENTÍFICA

36 horas

EMENTA:

Conceito de metodologia científica. Os conhecimentos popular, filosófico, religioso e científico. O conhecimento científico e a educação superior. A Revolução Científica. Métodos de pesquisa. Os diversos tipos de pesquisa. Projeto de pesquisa em Ciências Sociais. Técnicas de coleta e análise de dados. Redação e apresentação. Normas da ABNT referentes aos trabalhos acadêmicos. Ética e pesquisa.

REFERÊNCIAS:

ALVES, Rubem. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e as suas

regras. São Paulo: Loyola. DEMO, Pedro. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo: Atlas.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar um projeto de pesquisa. São Paulo:

Atlas. KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo:

Editora perspectiva S.A. LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica. São Paulo: Atlas.

LEITE, Eduardo Oliveira. Monografia jurídica. São Paulo: Revista dos

Tribunais. LUCKESI, Cipriano et alli. Fazer universidade: uma proposta

metodológica. São Paulo: Cortez. NEVES, A. Castanheira. Metodologia jurídica: problemas fundamentais.

Coimbra: Almedina. NUNES, Rizzato. Manual de monografia jurídica: como se faz uma

monografia, uma dissertação, uma tese. São Paulo: Saraiva. POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica.São Paulo: Cultrix.

RUIZ, João Álvaro. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Atlas.

SALOMON, Décio Vieira. Como fazer uma monografia. São Paulo:

 

Martins Fontes.

SCHAPP, Jan. Problemas fundamentais da metodologia jurídica. Porto

Alegre: Sérgio Antônio Fabris. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez.

51 2° SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO II 72 horas EMENTA: Hermenêutica jurídica: conceito,

51

2° SEMESTRE

 

DISCIPLINA:

 

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO II

 

72 horas

EMENTA:

Hermenêutica jurídica: conceito, interpretação, métodos e técnicas. Linguagem normativa. Função social da hermenêutica. Teoria da argumentação. Conceitos operacionais aplicados ao Direito. Direito objetivo e Direito subjetivo. Fontes do Direito. Princípios Gerais do Direito. Estrutura Lógica das Normas. Relação Jurídica. Lei de Introdução ao Código Civil.

REFERÊNCIAS:

AZEVEDO, Plauto Faraco. Método e Hermenêutica Material no Direito.

DINIZ, Maria Helena. Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro

Porto Alegre: Livraria do Advogado. CAMARGO, Margarida Maria Lacombe. Hermenêutica e argumentação.

Rio de Janeiro: Renovar. COSTA, Divanir José. Curso de Hermenêutica Jurídica: Doutrina e

Jurisprudência. Rio de Janeiro: Forense.

Interpretada. São Paulo: Saraiva. FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito:

Técnica, Decisão, Dominação. São Paulo: Atlas.

 

MAXIMILIANO, Carlos. Hermenêutica e aplicação do direito. Rio de Janeiro: Forense.

NADER,

Paulo.

Introdução

ao

estudo

do

direito.

Rio de Janeiro:

Forense. PASQUALINI, Alexandre. Hermenêutica e Sistema Jurídico. Porto

Alegre: Livraria do Advogado. PERELMAN, Chain. Lógica jurídica: nova retórica. São Paulo: Martins

Fontes. PERELMAN, Chain; OLBRECHT - TYTECA, Lucie. Tratado da

argumentação. São Paulo: Martins Fontes. REALE, Miguel. Lições preliminares de direito. São Paulo: Saraiva.

REBOUL, Olivier. Introdução à retórica. São Paulo: Martins Fontes.

STRECK, Lênio Luiz. Hermenêutica Jurídica e(m) crise. Porto Alegre:

Livraria do Advogado.

 
52 2° SEMESTRE DISCIPLINA: CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA DO ESTADO 72 horas EMENTA: A política enquanto

52

2° SEMESTRE

 

DISCIPLINA:

 

CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA DO ESTADO

72 horas

EMENTA:

A política enquanto objeto de estudo científico. O conceito de política. Políticas públicas. Apontamentos de teoria política clássica, moderna e contemporânea. A questão da ideologia. A problemática do poder. A representatividade política. Processos políticos hodiernos. Teoria do Estado: A Sociedade e o Estado. Formação, elementos e finalidade do Estado. Formas de Estado. Sistemas e regimes políticos. Formas de Governo. Federalismo brasileiro.

REFERÊNCIAS:

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro.

Jorge Zahar Editora. BOBBIO, Norberto. Direita e Esquerda. Razões e significados de uma

distinção política. São Paulo. Editora UNESP. BOBBIO, Norberto. Estado, governo e sociedade: Para uma teoria geral

da política. Rio de Janeiro: Paz e Terra. BOBBIO, Norberto. Liberalismo e democracia. São Paulo: Brasiliense.

BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia. São Paulo: Paz e terra.

BONAVIDES, Paulo. Do Estado liberal ao Estado social. São Paulo:

Malheiros. CHAUI, Marilena. O que é ideologia? São Paulo: Brasiliense.

DAGNINO, Evelina (org.). Anos 90. Política e sociedade no Brasil. São

Paulo: Brasiliense. HELD, David. Modelos de Democracia. Belo Horizonte: Editora Paideia.

KELSEN, Hans. A democracia. São Paulo: Martins fontes.

LEBRUN, Gerard. O que é poder? São Paulo: Brasiliense.

LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo. São paulo: Editora

Afiliada. MAQUIAVEL O príncipe. São Paulo: Editora Martin Claret.

MONTESQUIEU. O Espírito das leis. São Paulo: Saraiva.

ROUSSEAU, Jean Jacques. O contrato social. São Paulo: Martins

Fontes. SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice. O social e o

político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez. SANTOS, Boaventura de Souza (org.). Democratizar a democracia. Os

caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. SOARES, MARLY CARVALHO. O filósofo e o político. São Paulo:

Loyola. STRECK, Lenio Luiz. Ciência política e teoria geral do Estado. Porto

Alegre: Livraria do Advogado. WEBER, Max. Ciência e Política. Duas vocações. São Paulo: Cultrtix.

WEFORT, Francisco (org.). Os Clássicos da política. São Paulo: Ática.

WOLFF, Francis. Aristóteles e a Política