Você está na página 1de 43

DESENHO TÉCNICO

2015

Profa. Leticia Mendes e Prof. Sadi Seabra

INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO •   O ser humano aprende e transmite um número maior de informações através das
INTRODUÇÃO •   O ser humano aprende e transmite um número maior de informações através das

O ser humano aprende e transmite um número maior de informações através das IMAGENS.

VISUALIZAÇÃO TRIDIMENSIONAL: indispensável ao ensino/ aprendizagem.

O ensino fundamental não enfatiza a imagem nem a representação, apenas o raciocínio lógico

dificuldade por parte dos alunos em trabalhar o raciocínio espacial.

a representação, apenas o raciocínio lógico dificuldade por parte dos alunos em trabalhar o raciocínio espacial

INTRODUÇÃO

*

Projeção: representação plana bidimensional do objeto;

*

Escala: relação numérica entre objeto real e o objeto representado;

*

Simbolismo: todos os elementos que constituem a forma arquitetônica.

objeto real e o objeto representado; *   Simbolismo : todos os elementos que constituem a

DESENHO TÉCNICO

O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que tem como objetivo representar a forma, dimensão e posição de um objeto de acordo com as necessidades das diversas áreas da engenharia, arquitetura e design.

Utilizando-se de um conjunto de linhas, números, símbolos e indicações escritas normalizadas internacionalmente o desenho técnico é definido como linguagem gráfica universal da engenharia e arquitetura.

A capacidade de entender uma forma espacial através de uma figura plana é chamada de visão espacial.

A DISCIPLINA

OBJETIVO Habilitar o aluno a ler e interpretar projetos arquitetônicos e esquemas elétricos de acordo com as normas da ABNT.

MATERIAL PARA DESENVOLVIMENTO DO ESTUDO PRELIMINAR (entrega dia 30/04/2015):

§Papel milimetrado tamanho A3 (para servir como base do desenho) §Papel manteiga A3 §Esquadros §Compasso §Escalímetro §Grafites diversas de acordo com a habilidade do aluno

ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO

Padronização

O desenho técnico é uma linguagem e como toda a forma de comunicação ele precisa de uma padronização. Esse padrão é alcançado através das normas da ABNT e da ISO.

Normas ABNT

¨ NBR 10647 - Desenho técnico normas gerais

¨ NBR 10067- Princípios gerais de representação em desenho técnico

¨ NBR 8403 - Emprego de linhas em desenhos

¨ NBR 8196 - Emprego de escalas

¨ NBR 10126- Cotagem em desenho técnico

¨ NBR 6492 - Representação de projetos de arquitetura

ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO

ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO O desenho técnico deve ser representado em uma folha impressa. As folhas

O desenho técnico deve ser representado em uma folha impressa. As folhas usadas em desenho técnico são as folhas da série “A”. Os formatos da série “A” têm como base o formato A0, cujas dimensões guardam entre si a mesma relação que existe entre o lado de um quadrado e sua diagonal (8412 =1189), e que corresponde a um retângulo de área igual a 1 m ².

   

Margens(mm)

Comprime

Espessu

   

ra linhas

Formato

Dimensões

Esquerda

Outras

nto da

legenda

de

margem

A0

841x1189

25

10

175

1,4

A1

594x841

25

10

175

1,0

A2

420x594

25

7

178

0,7

A3

297x420

25

7

178

0,5

A4

210x297

25

7

178

0,5

ESCALAS

Escalas

Em desenho técnico temos que trabalhar com representações de objetos apropriadas para representação em folhas do padrão “A”. Então várias vezes teremos que alterar o tamanho dos objetos através de escalas de redução ou ampliação.

Escala é a razão entre a medida de um comprimento representado no desenho e a medida real desse comprimento.

O "comprimento representado no desenho" chama-se distância gráfica e o comprimento real do objeto denomina-se distância natural, onde se conclui que escala é a relação entre estas duas distâncias.

Escala é a relação ou a razão existente entre a distância gráfica e distância natural.

ESCALAS

Por convenção, usamos nas operações com escalas, a seguinte simbologia:

d = dimensão do desenho D = dimensão do objeto 1/Q = escala Estabelecendo a relação entre as dimensões do objeto com as do desenho, temos:

d/D = 1/Q

As escalas podem ser:

Gráficas - Elas consistem na representação gráfica de uma escala numérica. Explícitas -. É a explicação de uma escala numérica ou gráfica. Ex.: Escala numérica = 1/100 Escala Explícita = 1 cm = 100 cm ou 1 metro

de uma escala numérica ou gráfica. Ex.: Escala numérica = 1/100 Escala Explícita = 1 cm

ESCALAS

ESCALAS
ESCALAS

CALIGRAFIA TÉCNICA

A caligrafia técnica ou letra bastão, estabelecida após estudos de legibilidade e de execução, é

a simplificação máxima do “desenho” de letras e números. Tal simplificação busca evitar os riscos de dupla interpretação das informações que elas trazem. O tipo bastão é recomendado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Trata-se de caracteres desenhados com linhas de espessura uniforme, sem enfeites ou serifas. Exemplo comparativo:

uniforme, sem enfeites ou serifas. Exemplo comparativo: Os desenhos são compostos de informações escritas,

Os desenhos são compostos de informações escritas, dispostas segundo a hierarquia apresentada

a seguir:

Títulos e números, somente maiúsculas de 6 mm de altura; Subtítulos e números, maiúsculas de 5 mm de altura; Subtítulos e números, maiúsculas de 5 mm de altura;

Listas de materiais, peças, dimensões e notas em geral, maiúsculas de 4 mm de altura;

CALIGRAFIA TÉCNICA

CALIGRAFIA TÉCNICA
CALIGRAFIA TÉCNICA

TIPO DE LINHAS

TIPO DE LINHAS

TIPO DE LINHAS

TIPO DE LINHAS

PADRONIZAÇÃO DA DISCIPLINA

ÁREA DE DESENHO

CARIMBO

M a r g e n s

M a r g e n s L e g e n d a
M a r g e n s L e g e n d a
M a r g e n s L e g e n d a

L e g e n d a

LEGENDA

LEGENDA

PLANTA BAIXA

Planta baixa Vistas superior do plano secante horizontal, localizada a aproximadamente, 1,50m do piso de referência. A altura desse plano pode ser variável para cada projeto de maneira a representar todos os elementos considerados necessários.

OBS.: A altura do plano horizontal é sempre a 1,50 do piso do pavimento que se quer representar.

necessários. OBS.: A altura do plano horizontal é sempre a 1,50 do piso do pavimento que

PLANTA BAIXA

PLANTA BAIXA

CORTE

CORTE

CORTE

CORTE

DEFINIÇÕES EM PROJETO ARQUITETÔNICO (NBR 6492)

¨ Planta de situação

¨ Planta de locação

¨ Planta Baixa

¨ Cortes

¨ Fachadas

DESENHO ARQUITETÔNICO o que é?

O desenho arquitetônico é rigorosamente uma especialização do

desenho técnico normatizado voltada à execução e a representação de projetos de arquitetura. Em uma perspectiva mais ampla, porém, o desenho de arquitetura poderia ser encarado como todo o conjunto de registros gráficos produzidos por arquitetos ou outros profissionais durante ou não o processo de projeto arquitetônico.

O desenho de arquitetura, portanto, manifesta-se como um código para

uma linguagem, estabelecida entre o emissor (o desenhista ou projetista) e o receptor (o leitor do projeto). Dessa forma, seu entendimento envolve um certo nível de treinamento. Também costuma se constituir em uma profissão própria, sendo os desenhistas técnicos comuns nos escritórios de arquitetura ou em construtoras.

DEFINIÇÕES EM PROJETO ARQUITETÔNICO (NBR 6492)

¨ Planta de situação ¨ Planta que compreende o partido arquitetônico como um todo, em seus aspectos. Pode conter informações específicas em função do tipo e porte do programa, assim como a finalidade a que se destina.

em outras palavras

é a planta que localiza o terreno que abrigará a edificação, tendo como referência seu entorno imediato (lotes e quadras vizinhas). O terreno deve estar destacado dos demais (hachurado e com linha grossa) e com sua numeração correta.

PLANTA DE SITUAÇÃO

PLANTA DE SITUAÇÃO

DEFINIÇÕES EM PROJETO ARQUITETÔNICO (NBR 6492)

¨ Planta de locação (ou implantação)

¨ Planta que compreende o projeto como um todo, contendo, além do projeto de arquitetura, as informações necessárias dos projetos complementares, tais como movimento de terra, arruamento, redes hidráulicas, elétrica e de drenagem, entre outros.

em outras palavras É a planta que localiza a edificação dentro do terreno. Por mostrar um vista ortogonal superior da edificação, geralmente se mostra como é a coberta da edificação. Conhecida por Planta de Locação e Coberta

PLANTA DE LOCAÇÃO E COBERTA

PLANTA DE LOCAÇÃO E COBERTA

DEFINIÇÕES EM PROJETO ARQUITETÔNICO (NBR 6492)

Planta Baixa

Um plano horizontal que corta a construção a 1,50m acima do piso*. Retiramos a parte acima do plano de corte e olhamos de cima para baixo.

* Há quem diga 1,20m. O essencial é que as janelas baixas sejam cortadas pelo plano horizontal.

de cima para baixo. * Há quem diga 1,20m. O essencial é que as janelas baixas

PLANTA BAIXA

PLANTA BAIXA

DEFINIÇÕES EM PROJETO ARQUITETÔNICO (NBR 6492)

¨ Corte

¨ Plano secante vertical que divide a edificação em duas partes, seja no sentido longitudinal, seja no transversal.

  Plano secante vertical que divide a edificação em duas partes, seja no sentido longitudinal, seja

CORTES

CORTES

DEFINIÇÕES EM PROJETO ARQUITETÔNICO (NBR 6492)

¨ Fachada

¨ Representação gráfica de planos externos da edificação. Os cortes transversais e longitudinais podem ser marcados nas fachadas.

gráfica de planos externos da edificação. Os cortes transversais e longitudinais podem ser marcados nas fachadas.

Projeto de Arquitetura

¨ Estudo preliminar

¨ Anteprojeto

¨ Projeto Legal

¨ Projetos Executivo

¨ Detalhamento

ELEMENTOS OU ETAPAS DO PROJETO ARQUITETÔNICO

§Estudo Preliminar:

§Concepção e representação gráfica preliminar, atendendo aos parâmetros e exigências do programa de necessidades, permitindo a compreensão do partido arquitetônico adotado e a configuração das edificações com a respectiva implantação no terreno; poderão ser analisadas várias alternativas para que se eleja aquela que dará origem ao anteprojeto.

§Produtos finais:

§Planta geral de implantação; §Planta dos pavimentos; §Planta da cobertura; §Cortes longitudinais e transversais; §Elevações;

ELEMENTOS OU ETAPAS DO PROJETO ARQUITETÔNICO

Anteprojeto:

§

§

Deve necessariamente ser desenvolvido a partir do estudo preliminar aprovado pelo empreendedor. O anteprojeto de arquitetura é a representação preliminar da solução adotada para o projeto, em forma gráfica e de especificações técnicas, em que foram considerados aspectos de tecnologia construtiva, pré-dimensionamento estrutural e concepção de sistemas prediais, restando ainda seu detalhamento. O anteprojeto de arquitetura deve conter informações técnicas que permitam uma primeira avaliação de custo.

O anteprojeto de arquitetura deve conter informações técnicas que permitam uma primeira avaliação de custo.

ELEMENTOS OU ETAPAS DO PROJETO ARQUITETÔNICO

¨ Anteprojeto

¨ Produtos finais:

¨ Planta geral de implantação em escala 1:100 ou 1:200; ¨ Planta do movimento de terra (corte e aterro);

¨ Planta dos pavimentos em escala 1:50 ou 1:100; ¨ Planta das coberturas em escala 1:50 ou 1:100; ¨ Cortes transversais e longitudinais em escala 1:50 ou

1:100;

¨ Elevações (fachadas) em escala 1:50 ou 1:100; ¨ Detalhes especiais (quando necessários);

¨ Memorial descritivo da edificação; ¨ Memorial descritivo da obra.

ELEMENTOS OU ETAPAS DO PROJETO ARQUITETÔNICO

§Projeto Legal:

§Conjunto de elementos extraídos do anteprojeto, contendo informações técnicas suficientes e ma forma padronizada para aprovação do projeto pelas autoridades competentes com base nas exigências legais (municipais, estaduais, federais) e obtenção de alvarás e licenças ou quaisquer outros documentos indispensáveis às atividades de construção.

§Produtos finais:

§Planta geral de implantação em escala 1:100 ou 1:200; §Planta do movimento de terra (corte e aterro); §Planta dos pavimentos em escala 1:50 ou 1:100; §Planta das coberturas em escala 1:50 ou 1:100; §Cortes transversais e longitudinais em escala 1:50 ou 1:100; §Elevações (fachadas) em escala 1:50 ou 1:100;

ELEMENTOS OU ETAPAS DO PROJETO ARQUITETÔNICO

§Projeto Executivo :

§Representação final e completa das edificações e se entorno, contendo todas as informações técnicas necessárias para a perfeita compreensão do projeto, execução da obra e elaboração do orçamento.

ELEMENTOS OU ETAPAS DO PROJETO ARQUITETÔNICO

§Produtos finais:

§Planta geral de implantação em escalas 1:100 ou 1:200; §Planta de terraplenagem em escalas 1:100 ou 1:200; §Cortes de terraplenagem em escalas 1:100 ou 1:200; §Plantas dos pavimentos em escala 1:50; §Plantas das coberturas em escala 1:50; §Cortes longitudinais e transversais em escala 1:50; §Elevações de fachadas em escala 1:50; §Plantas, cortes e elevações de banheiros, lavabos, cozinhas, áreas de serviço, vestiários e demais ambientes afins, em escala 1:20; §Desenhos de esquadrias de portas e janelas, bancadas, grades, forros, beirais, parapeitos, etc., em escalas convenientes; §Níveis de piso e contra-piso, encontros de revestimentos distintos, etc., em escalas convenientes; §Impermeabilização, juntas de dilatação, isolamento térmico, tratamento acústico, etc., em escalas convenientes.

PROGRAMA MÍNIMO DE NECESSIDADES DO LABORATÓRIO:

§Laboratório para 20 alunos e 4 professores;

§Recepção/Antessala (mesa secretária + armários para alunos)

§Sala de aula/laboratório §Sala(s) para professores §Banheiros (definir número – acessibilidade) §Capelas (definir número) §Almoxarifado §Central de gás §Copa (água + café)

Área construída – 120 m 2 (variação de 10%)