PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO
T

ACÓRÍÃO/DECISÃO MONOCRATICA

120
ACÓRDÃO
Vistos,
Embargos

relatados

de

e discutidos

Declaração

estes

autos

de

0004467-

42.2011.8.26.0000/50001, da Comarca de São Paulo, em que
são embargantes MARCO ANTÔNIO FERREIRA DE CASTILHO e JOEL
BATISTA

sendo

embargado

GOVERNADOR

DO

ESTADO

DE

SÃO

PAULO.

ACORDAM, em Órgão Especial do Tribunal de Justiça
de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "REJEITARAM OS
EMBARGOS.

V.

U.",

de

conformidade

com

o

voto

do (a)

participação

dos

Relator (a), que integra este acórdão.

O

julgamento

Desembargadores
voto) ,

CORRÊA

teve

JOSÉ

ROBERTO

VIANNA,

LUIZ

a
BEDRAN

(Presidente

PANTALEÃO,

DAVID

sem

HADDAD,

GONZAGA FRANCESCHINI, ALVES BEVILACQUA, DE SANTI RIBEIRO,
JOSÉ

SANTANA,

WALTER

DE

ALMEIDA

GUILHERME,

XAVIER

DE

AQUINO, ANTÔNIO CARLOS MALHEIROS, MÁRIO DEVIENNE FERRAZ,
JOSÉ REYNALDO, ARTUR MARQUES, CAUDURO PADIN, GUILHERME G.
STRENGER,
CRACKEN,

RENATO
KIOITSI

NALINI,

CAMPOS

CHICUTA,

ENIO

MELLO,

ROBERTO

MAC

ZULIANI,

RIBEIRO

DOS

SANTOS, ELLIOT AKEL E SAMUEL JÚNIOR.

São Paulo, 23 de novembro de 2011.

—€
RUY COPPOLA
RELATOR

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Órgão Especial

Embargos de declaração n° 0004467-42.2011.8.26.0000/50001
Embargante: MarcoAntônio Ferreira de Castilho e Joel Batista
Embargado: Governador do Estado de São Paulo
Comarca: São Paulo
Relator Ruy Coppola
Voto n° 21.385

EMENTA
Embargos de Declaração. Inexistência de omissão,
contradição ou obscuridade no acórdão proferido. Caráter
infringente

deste

recurso.

Acórdão

que

conta

com

fundamentação suficiente. Embargos de declaração rejeitados.

Vistos.

Trata-se de embargos de declaração interpostos ao
Acórdão proferido a fls. 692/696.

^_

Alegam os embargantes (fls.700/745 e 752/804) que
houve omissão, contradição e obscuridade no acórdão quanto ao
pronunciamento sobre a prova ilícita utilizada JIO seu processo
Embargos de Declaração n° 0004467-42.2011.jO6.0000/5001

\ /

/

/

l

PODER JUDICIÁRIO
SÃO PAULO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Órgão Especial

administrativo e contradição acerca da gratuidade de justiça concedida
aos embargantes.

Pugnam, também, pela manifestação à luz dos

artigos 19 e 23 da Lei 10.292/99 do Estado de São Paulo e artigo 5o,
inciso LVI da Constituição Federal.
É o Relatório.
Não

se

vislumbra

qualquer

necessidade

de

modificação da decisão embargada, já que os embargos têm conteúdo
nitidamente infringente.
A matéria abordada no recurso recebeu regular
exame.
Como é curial, não existe a obrigação

de

se

responder a todas as alegações que a parte ofertar, bastando aos
julgadores exporem os fundamentos que ao ver eram adequados
para a solução da

lide (RJTJESP,

104/340).

Se a embargante

entende que sob fundamentos diversos deveriam ser examinadas as
ponderações,

isso

não

se entretém em temática de embargos

declaratórios.
De outra feita, como

ressaltou o

eminente

Desembargador Machado de Araújo (RJTJESP 104/ 340):

"Nem

sempre usará o acórdão as expressões que a parte desejaria fossem ufflizaoas,
nem sequer fará uso dos argumentos pretendidos, e sequer se poderia cotripelir
seu relator a proferir o voto como faz operito, por meio de cêsoostas a quesitos,
A complexidade do ato de julgar é bemmaior" (RJTJESP;
Embargos de Declaração n° 00()4467-42.2011.8

PODER JUDICIÁRIO
SÃO PAULO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Órgão Especial

O Juiz, sustentam os doutos, não está obrigado a responder a
todas as alegações das partes, quando já tenha encontrado motivo
suficiente para
126/127),

fundar

pois

não

fundamentação
eliminar

da

desvelando

a decisão (Lopes da Costa, in RF,

nem

pode haver modelo para a

da sentença. Basta que diga o suficiente para
decisão

ao

mesmo

as

marcas e aparências do arbítrio,

tempo, ponto de referência

para o

recurso que as partes queiram manifestar (Orozimbo Nonato, in RF,
133/417).
Na verdade estes são embargos declaratórios
apresentados e que teimam em buscar rediscutir o conteúdo do
Acórdão proferido.
Nada existe a ser declarado. Não existe omissão,
contradição ou obscuridade a ser suprida e que autorize o uso dos
embargos.
O cunho dos embargos, destarte, é meramente
infringente.
A gratuidade de justiça foi deferida aos impetrantes
afls. 189.
No caso em tela, a segurança foi denegadaem
razão da decadência e da litispendência, como bem fundameflfadc/no
acórdão embargado.

/

Embargos de Declaração n° 0004467-42.2011.8^6.0000/5001

/

£><^\/

PODER JUDICIÁRIO
SÃO PAULO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Órgão Especial

Assim, concluindo pela inexistência de omissão,
contradição ou obscuridade, há que se reconhecer nenhuma finalidade
ao recurso.
Ante o exposto^-pelo meu voto, rejeito os embargos
de declaração.

Embargos de Declaração n° 0004467-42.2011.8.26.0000/5001

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful