Você está na página 1de 13

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE PREPARO DE CORPOS DE PROVA PARA O MÉTODO DE PENETRAÇÃO DE CLORETOS ASTM C 1202

PROVA PARA O MÉTODO DE PENETRAÇÃO DE CLORETOS ASTM C 1202 Autor: Tatiane Isabel Hentges Orientador:

Autor: Tatiane Isabel Hentges

Orientador: Marlova Piva Kulakowski

PARA O MÉTODO DE PENETRAÇÃO DE CLORETOS ASTM C 1202 Autor: Tatiane Isabel Hentges Orientador: Marlova
PARA O MÉTODO DE PENETRAÇÃO DE CLORETOS ASTM C 1202 Autor: Tatiane Isabel Hentges Orientador: Marlova

PROBLEMA

PROBLEMA Penetração de cloretos no concreto Durabilidade • Quando o concreto apresenta determinada porosidade, há

Penetração de cloretos no concreto

PROBLEMA Penetração de cloretos no concreto Durabilidade • Quando o concreto apresenta determinada porosidade, há

Durabilidade

Quando o concreto apresenta determinada porosidade, há maior propensão à patologias, uma delas é a corrosão de armaduras;

A penetração de cloretos gera uma DDP no metal, que o leva à corrosão.

Método bastante utilizado para obter resultados em menor tempo.

bastante utilizado para obter resultados em menor tempo. • 1994 - KULAKOWSKI , Marlova P. Dissertação

1994 - KULAKOWSKI , Marlova P. Dissertação de Mestrado UFRGS 2001 HOFFMANN, Anelise T. Dissertação de Mestrado - UFSM 2004 MISSAU, Fabiano. Dissertação de Mestrado UFSM

2004 PEREIRA, Bianca Pereira. Dissertação de Mestrado UFSM

2005 SCHNEIDER, Jonas A. Dissertação de Mestrado UFSM 2008 SIQUEIRA, Henrique C. Dissertação de Mestrado - UFSM 2010 - TROIAN, Aline. Dissertação de Mestrado UNISINOS 2010 CRAUSS, Camila. Dissertação de Mestrado UFSM

O preparo das amostras exige um gasto de energia

considerável e cuidados

especiais, bem como materiais específicos.

OBJETIVOS • Comparar a variação da carga passante em amostras preparadas em três formas diferentes
OBJETIVOS • Comparar a variação da carga passante em amostras preparadas em três formas diferentes

OBJETIVOS

Comparar a variação da carga passante em amostras

preparadas em três formas diferentes

Espera-se que tais mudanças na saturação das amostras durante o seu preparo pré-ensaio acarretem em resultados semelhantes, pois isso traria maior facilidade, agilidade e menores riscos de acidentes na execução de futuros ensaios.

, pois isso traria maior facilidade , agilidade e menores riscos de acidentes na execução de
, pois isso traria maior facilidade , agilidade e menores riscos de acidentes na execução de

METODOLOGIA

METODOLOGIA
METODOLOGIA • 60V por 6 horas • NaCl = polo negativo • NaOH = polo
METODOLOGIA • 60V por 6 horas • NaCl = polo negativo • NaOH = polo

METODOLOGIA

60V por 6 horas

NaCl = polo negativo

NaOH = polo positivo

6 horas • NaCl = polo negativo • NaOH = polo positivo Leitura da carga (ampéres)

Leitura da carga (ampéres)

nos amperímetros a cada

30min

MEDOTOLOGIA

Métodos

de submersão:

Padrão ASTM:

Água fervida e deaerada com vácuo por 18 2

horas

ASTM: Água fervida e deaerada com vácuo por 18 2 horas a Modificado I (MI): Água

a

Modificado I (MI):

Água destilada e deionizada com vácuo

por 18 2 horas

(MI): Água destilada e deionizada com vácuo por 18 2 horas b Modificado II (MII): Água

b

Modificado II (MII):

Água de abastecimento

público por uma semana

II (MII): Água de abastecimento público por uma semana c Submersão das amostras em água fervida

c

Submersão das amostras em água fervida e deaerada (a), água deionizada (b), e água da rede de abastecimento (c).

3 CP’s de mesmo traço

Cada CP teve uma fatia ensaiada em cada método

a/c = 0,55

CPII-F 32

63 dias

• 3 CP’s de mesmo traço Cada CP teve uma fatia ensaiada em cada método •
RESULTADOS • O desenvolvimento da corrente passante ao longo do tempo ocorreu como o esperado

RESULTADOS

O desenvolvimento da corrente passante ao longo do tempo ocorreu como o esperado

da corrente passante ao longo do tempo ocorreu como o esperado Gráficos Corrente(A) x Tempo(min) para
da corrente passante ao longo do tempo ocorreu como o esperado Gráficos Corrente(A) x Tempo(min) para

Gráficos Corrente(A) x Tempo(min) para cada método

RESULTADOS

RESULTADOS Gráfico da carga total passante em cada fatia de cada método • Todas as amostras

Gráfico da carga total passante em cada fatia de cada método

Todas as amostras apresentaram penetrabilidade

alta, variando

pouco

Observa-se que as

fatias 1 (topo) de

todos os CPs tiveram penetrabilidade maior

CONCLUSÃO

A variabilidade observada entre os métodos do procedimento de preparação dos corpos de prova foi, em média, de 3%.

Esta diferença entre os métodos foi menor que a admitida pela ASTM: 12%

Mádia Carga Total (C)

Mádia Carga Total (C)

PADRÃO

MI

MII

4681,68

4483,2

4686,3

Diferença (%) da carga total média em cada ensaio

PADRÃO - MI

4,40%

   

PADRÃO - MII

0,10%

<

12%

MI - MII

4,50%

REFERÊNCIAS:

KULAKOWSKI, Marlova P. Argamassa com adição de microssílica para reparos estruturais: estudo da penetração de cloretos. Porto Alegre, 1994. 114p. Dissertação (Mestrado em Engenharia) - Escola de Engenharia, Curso

de Pós-graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio

Grande do Sul.

TROIAN, Aline, Avaliação da durabilidade de concretos produzidos com agregado reciclado de concreto frente à penetração de íons cloreto. São Leopoldo, 2010. 127p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil)

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da Universidade do Vale

do Rio dos Sinos.

MISSAU, Fabiano, Penetração de cloretos de concretos contendo diferentes teores de cinza de casca de arroz. Santa Maria, 2004. 129p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) Programa de Pós-Graduação

em Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

AGRADECIMENTOS:

AGRADECIMENTOS:
AGRADECIMENTOS: