Você está na página 1de 26
Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas

do Pará Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas 3ª SEMANA DE DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO Histologia e

3ª SEMANA DE DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO

3ª SEMANA DE DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO

Histologia e Embriologia

Belém-Pa

2015

Patrícia Dantas Santos Thomas França Oliveira

INTRODUÇÃO

1.

No

início

da

semana

de

desenvolvimento

blastocisto já está implantado;

embrionário

o

2. O Disco Embrionário bilaminar será convertido para trilaminar

(gastrulação).

CLIVAGEM E BLASTOGÊNESE

CLIVAGEM E BLASTOGÊNESE Blastocisto Cavidade blastocística Embrioblastos Trofoblastos

Blastocisto

Cavidade blastocística Embrioblastos
Cavidade
blastocística
Embrioblastos

Trofoblastos

IMPLANTAÇÃO

Epiblasto proliferando para formar o

IMPLANTAÇÃO Epiblasto proliferando para formar o mesoderma extra-embrionário Trofoblastos Sinciciotrofoblasto Membrana

mesoderma extra-embrionário

Trofoblastos

Sinciciotrofoblasto

Membrana de Heuser

Citotrofoblasto

Retículo extra-embrionário (mesoderma extra-embrionário)

Cavidade Amniótica Epiblasto

CavidadeVitelina Primitiva

Embrioblastos

Hipoblasto

3ª SEMANA DE DESNVOLVIMENTO

EMBRIONÁRIO

O Disco Embrionário é bilaminar, achatado, quase arredondado, tornando-se gradativamente alongado, com uma extremidade larga (cefálica) e outra extremidade estreita (caudal).

tornando-se gradativamente alongado, com uma extremidade larga (cefálica) e outra extremidade estreita (caudal).
tornando-se gradativamente alongado, com uma extremidade larga (cefálica) e outra extremidade estreita (caudal).
tornando-se gradativamente alongado, com uma extremidade larga (cefálica) e outra extremidade estreita (caudal).

ESTABELECIMENTO DO EIXOS

CORPORAIS

O eixo anteroposterior é assinalado por células da margem cranial (anterior) do Disco Embrionário . Esta área expressa genes essenciais para a formação da cabeça, fatores de transcrição ( OTX2 , LIM 1 , HESX 1 ) e o fator segregado (Cerberus). Estes genes estabelecem a extremidade cefálica do embrião antes da gastrulação.

ESTABELECIMENTO DO EIXOS

CORPORAIS

A lateralidade esquerda - direita é orquestrada por vários eventos.

A Linha Primitiva é iniciada e mantida pela expressão de Nodal membro da família do fator de transformação do crescimento β ( TGF - β). Após o aparecimento da Linha Primitiva o fator de crescimento de fibroblasto 8 ( FGF - 8 ) é segregado por células no e na Linha Primitiva e induz a expressão de Nodal no lado esquerdo do embrião. Ao ser induzida a placa neural, o FGF - 8 mantém a expressão de Nodal , e juntamente com o Lefty - 2 supra-regulam o PITX- 2 (responsável pela lateralidade esquerda).

O gene Brachyury (T), fator de crescimento segregado pelo notocórdio, é

essencial para a expressão de Nodal e Lefty - 2 .

Brachyury (T) , fator de crescimento segregado pelo notocórdio, é essencial para a expressão de Nodal

ESTABELECIMENTO DO EIXOS

CORPORAIS

Os genes que regulam o desenvolvimento do lado direito não foram bem definidos, embora a expressão do fator de transcrição NKX 3 . 2 provavelmente regule

genes efetores responsáveis pelo estabelecimento do lado direito.

A razão pela qual os eventos são iniciados à esquerda ainda é um mistério.

GASTRULAÇÃO

A gastrulação inicia-se com o surgimento da Linha Primitiva. As células do Epiblasto deslocam-se em direção a Linha Primitiva, desprendem-se do Epiblasto e passam sob o mesmo (invaginação). Após a invaginação as células do Epiblasto deslocam o Hipoblasto , diferenciando-

se em Endoderma. Outras situam-se entre o Epiblasto e o Endoderma, formando o Mesoderma .

As células remanescentes do Epiblasto diferenciam-se em Ectoderma. Segundo o autor, deduz-se, com isso, que o Epiblasto é responsável pela origem dos Folhetos Germinativos .

GASTRULAÇÃO

GASTRULAÇÃO
1 – Linha Primitiva 2 – Fosseta Primitiva 3 – Nó Primitivo 4 – Membrana

1 Linha Primitiva

2 Fosseta Primitiva

3 Nó Primitivo

4 Membrana Bucofaríngea

5 Área Cardiogênica

6 Secção da Membrana Amniótica

7 Mesoderma

8 Endoderma

9 Futura membrana Cloacal

TERATOMA SACROCOCCÍGEO

Ocorre quando a Linha Primitiva permanece na região sacrococcígea. Por serem

células pluripotentes, originam tumores contendo várias partes do corpo (dentes, cabelo,

pedaços de osso e etc). Geralmente é diagnosticado por ultra-sonografia e na maior parte dos casos é benigno. Recomenda-se geralmente cirurgia imediata.

é diagnosticado por ultra-sonografia e na maior parte dos casos é benigno. Recomenda-se geralmente cirurgia imediata.

SIRENOMELIA OU DISGENESIA CAUDAL

Ocorre devido à formação insuficiente de mesoderma na porção caudal do Disco Embrionário . Como este mesoderma contribui para a formação dos membros inferiores, sistema urogenital e vértebras lombossacrais, o resultado é o aparecimento de anomalias nessas estruturas. Pode estar associado à diabetes gestacional.

lombossacrais, o resultado é o aparecimento de anomalias nessas estruturas. Pode estar associado à diabetes gestacional.

FORMAÇÃO DA NOTOCORDA

A Notocorda forma-se pela transformação do Processo Notocordal , este é um conjunto de células do e da Fosseta Primitiva que migram em direção cefálica, em forma de bastão. Esse bastão, logo adquire uma luz, e passa a ter o formato de um cano, esse cresce até encontrar a Placa Pré - Cordal (região cefálica).

A Notocorda tem as seguintes funções:

- Define o eixo primitivo do embrião, dando-lhe certa rigidez;

- Serve de orientação à formação do esqueleto axial.

FORMAÇÃO DA NOTOCORDA

FORMAÇÃO DA NOTOCORDA

FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL

Com o desenvolvimento da Notocorda, o Ectoderma que a recobre sofre um espessamento ficando na forma de um chinelo, essa região se chama Placa Neural. Mais a frente esse espessamento dará origem ao sistema nervoso centra (medula e encéfalo). Em torno do dia 18 a Placa Neural se invagina ao longo do seu eixo central, formando o Sulco Neural contendo pregas neurais de cada lado. Depois do fechamento do Sulco Neural, esse se chama Tubo Neural, o fechamento do Sulco Neural se dá do eixo para as extremidades, dessa forma as regiões caudais e cefálicas são as últimas a se fecharem.

Ao fechar-se o Sulco Neural também da origem as Cristas Neurais , que são um conjunto de células provenientes das pregas neurais que darão origem aos gânglios e nervos espinhais. As cristas também darão origem as meninges que irão recobrir todo o sistema nervoso central.

FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL

FIG 13
FIG 13

FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL

FIG 13
FIG 13

ANENCEFALIA

É a má-formação rara do tubo neural, entre o 16° e o 26° dia de gestação, na qual se verifica ausência completa ou parcial da calota craniana e dos tecidos que a ela se sobrepõem e grau variado de má-formação e destruição dos esboços do cérebro exposto.

e dos tecidos que a ela se sobrepõem e grau variado de má-formação e destruição dos

FORMAÇÃO DOS SOMITOS

Durante a formação da Notocorda e do Tudo Neural o Mesoderma Intra- Embrionário se espessa e passa a se chamar de Mesoderma Intra - Embrionário Paraxial. O Mesoderma Paraxial se comunica com o Mesoderma Lateral através do Mesoderma Intermediário . O Mesoderma Lateral se comunica com o Mesoderma Extra- Embrionário . Próximo ao fim da terceira semana o Mesoderma Paraxial se diferencia em estruturas mais rígidas, os Somitos , que darão origem aos corpos vertebrais das vértebras.

FORMAÇÃO DOS SOMITOS

Pregas Neurais FIG 13
Pregas Neurais
FIG 13

FORMAÇÃO DO CELOMA

INTRA-EMBRIONÁRIO

O Celoma Intra - Embrionário é uma cavidade que surge no Mesoderma Intra -

Embrionário , essa cavidade divide o Mesoderma em: Somático (próximo ao Ectoderma) e o

Esplâncnico (próximo ao Endoderma ). Ao se unirem o Mesoderma ao Ectoderma, dá origem a Somatopleura, enquanto que a união do Mesoderma Esplâncnico com o Endoderma dá origem a Esplancnopleura .

FORMAÇÃO DO CELOMA

INTRA-EMBRIONÁRIO

Pregas Neurais FIG 13
Pregas Neurais
FIG 13

CIRCULAÇÃO EMBRIONÁRIA

A angiogênese tem início na Mesoderme Extra-Embrionária (13 a 15 dias). Dois

dias depois, inicia-se a formação de vasos na Mesoderme Intra-Embrionária. Agrupamentos angiogênicos intra e extra-embrionários são abundantes e se

fundem, formando redes.

O coração origina-se de dois tubos formados a partir do mesênquima esplâncnico

da área cardiogênica. Em torno do 21º dia, os dois tubos fundidos estabelecem conexões com os vasos

intra-embrionários, vasos do pedículo, da vesícula vitelina e do córion.

REFERÊNCIAS

Embriologia

<http://embriologiaufpe.weebly.com/gastrulaccedilatildeo.html>. Acesso em: 16 fev. 2015.

em:

Humana.

UFPE.

Disponível

GARCIA, Sonia Maria Lauer de; FERNÁNDEZ, Casimiro Gárcia. Embriologia . 2.

ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

MOORE,

Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

KL; PERSAUD, TVN; TORCHIA, MG. Embriologia Clínica. 9. ed.

SADLER, T. W. LANGMAN. Embriologia Médica. 11. ed. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 2010.

OBRIGADO!