Você está na página 1de 31

GEOMETRIA

GEOMETRIA TRIÂNGULOS Definição: Considere três pontos distintos não colineares. Chamaremos triângulo a união dos
GEOMETRIA TRIÂNGULOS Definição: Considere três pontos distintos não colineares. Chamaremos triângulo a união dos
GEOMETRIA TRIÂNGULOS Definição: Considere três pontos distintos não colineares. Chamaremos triângulo a união dos

TRIÂNGULOS

Definição:

Considere três pontos distintos não colineares. Chamaremos triângulo a união dos segmentos formados por estes pontos.

Elementos do triângulo

A partir do triângulo ABC abaixo pode-se destacar os seguinte elementos:

ABC abaixo pode-se destacar os seguinte elementos: Vértices : A, B e C Lados : AB,

Vértices: A, B e C

Lados: AB, AC, e BC

Ângulos

Internos: ,

Ângulos Externos: , ,

Relação entre os ângulos

a) Soma dos ângulos:

Em um triângulo qualquer tem-se que:

S i = A soma dos ângulos internos é 180 o .

S e = A soma dos três ângulos externos é 360 o .

i = A soma dos ângulos internos é 180 o . S e = A soma

°

°

b) Soma dos ângulos - Um ângulo externo e o interno consecutivos são suplementares. ’
b) Soma dos ângulos - Um ângulo externo e o interno consecutivos são suplementares. ’
b) Soma dos ângulos - Um ângulo externo e o interno consecutivos são suplementares. ’

b) Soma dos ângulos

- Um ângulo externo e o interno consecutivos são suplementares.

- Um ângulo externo vale a soma dos internos não adjacentes.

Um ângulo externo vale a soma dos internos não adjacentes. Classificação dos Triângulos ’ a) Quanto

Classificação dos Triângulos

a)

Quanto aos lados:

Equilátero: três lados com medidas iguais.

Isósceles: dois lados com medidas iguais (havendo um lado diferente, ele é considerado a “base” do

triângulo). Escaleno: não possui lados com medidas iguais.

OBS: Todo triângulo equilátero é também triângulo isósceles.

a.1) Triângulo Equilátero

lados com medidas iguais. OBS: Todo triângulo equilátero é também triângulo isósceles. a.1) Triângulo Equilátero
a.2) Triângulo Isósceles OBS.: O lado a é chamado de base e o ângulo Â
a.2) Triângulo Isósceles OBS.: O lado a é chamado de base e o ângulo Â
a.2) Triângulo Isósceles OBS.: O lado a é chamado de base e o ângulo Â

a.2) Triângulo Isósceles

a.2) Triângulo Isósceles OBS.: O lado a é chamado de base e o ângulo  é

OBS.: O lado a é chamado de base e o ângulo  é o ângulo do vértice.

a.3) Triângulo Escaleno

 é o ângulo do vértice. a.3) Triângulo Escaleno Em todo triângulo, o maior lado se

Em todo triângulo, o maior lado se opõe ao maior ângulo.

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA

01. (AGENTE ADMINISTRATIVO DNOCS FCC 2010) No triângulo ABC representado na figura abaixo, os segmentos BT e CT dividem os respectivos ângulos internos dos vértices B e C em partes iguais.

ângulos internos dos vértices B e C em partes iguais. Se o ângulo do vértice A

Se o ângulo do vértice A mede 80°, a medida θ do ângulo assinalado é igual a

(A)

110°.

(B)

120°.

(C)

130°.

(D)

140°.

(E) 150°.

02. (AFC CGU ESAF 2003-2004) Os ângulos de um triângulo encontram-se na razão 2:3:4. O
02. (AFC CGU ESAF 2003-2004) Os ângulos de um triângulo encontram-se na razão 2:3:4. O
02. (AFC CGU ESAF 2003-2004) Os ângulos de um triângulo encontram-se na razão 2:3:4. O

02. (AFC CGU ESAF 2003-2004) Os ângulos de um triângulo encontram-se na razão 2:3:4. O ângulo maior do triângulo, portanto, é igual a:

(A)

40°

(B)

70°

(C)

75°

(D)

80°

(E)

90°

IMPORTANTE!

Para todo triângulo, tem – se que:

Perímetro:

 

!

Área:

TRIÂNGULO RETÂNGULO

"

# $%&

!#'

Em relação ao triângulo retângulo pode-se destacar as seguintes relações:

a) Teorema de Pitágoras:

O quadrado da hipotenusa é igual a soma dos quadrados dos catetos.

da hipotenusa é igual a soma dos quadrados dos catetos. b) Área do triângulo retângulo: (

b) Área do triângulo retângulo:

( ) * ) + )

A área de um triângulo retângulo é dada pelo semiproduto dos dois catetos.

"

! $ $ ∙! $ $

∙!

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA 03. (ATRFB ESAF 2009) Duas estradas retas se cruzam formando um
EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA 03. (ATRFB ESAF 2009) Duas estradas retas se cruzam formando um
EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA 03. (ATRFB ESAF 2009) Duas estradas retas se cruzam formando um

03. (ATRFB ESAF 2009) Duas estradas retas se cruzam formando um ângulo de 90 graus uma com a outra. Qual é o valor mais próximo da distância cartesiana entre um carro que se encontra na primeira estrada, a 3 km do cruzamento e outro que se encontra na outra estrada a 4 km do mesmo cruzamento?

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

5 km.

4 km.

42 km

3 km.

5 2 km.

04. (TFC ESAF 96) A hipotenusa de um triângulo retângulo mede 10cm, e um de sues catetos mede 6 cm. A área

deste triângulo é igual a:

(A)

24 cm²

(B)

30 cm²

(C)

40 cm²

(D)

48 cm²

(E)

60 cm²

05. (AFC ESAF 2002) Um terreno triangular, localizado em uma esquina de duas ruas que formam entre si um ângulo

de /2 radianos, tem frentes de 12 metros e 16 metros. Um arquiteto, para executar um projeto arquitetônico, calculou a área e o perímetro do terreno, encontrando respectivamente:

(A)

48 m 2 e 40 m

(B)

40 m 2 e 48 m

(C)

96 m 2 e 48 m

(D)

96 m 2 e 60 m

(E)

192 m 2 e 96 m

SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS Dois triângulos são semelhantes se, e somente se, possuem os três ângulos
SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS Dois triângulos são semelhantes se, e somente se, possuem os três ângulos
SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS Dois triângulos são semelhantes se, e somente se, possuem os três ângulos

SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS

Dois triângulos são semelhantes se, e somente se, possuem os três ângulos ordenadamente congruentes e os lados homólogos proporcionais.

congruentes e os lados homólogos proporcionais. Assim se os triângulos ABC e A’B’C’, são

Assim se os triângulos ABC e A’B’C’, são semelhantes, então pode-se afirmar que:

Ângulos:. "

/

"′

2

1 1′

/

/

/

/

3 3′

Casos de Semelhanças de Triângulos

e

Lados :

!

4

!

a) Os dois triângulos apresentam dois ângulos respectivamente congruentes.

apresentam dois ângulos respectivamente congruentes. b) Os dois triângulos apresentam os três lados

b) Os dois triângulos apresentam os três lados proporcionais.

Os dois triângulos apresentam os três lados proporcionais. c) Os dois triângulos apresentam dois lados respectivamente

c) Os dois triângulos apresentam dois lados respectivamente proporcionais e o ângulo compreendido entre esses

lados respectivamente congruentes.

dois lados respectivamente proporcionais e o ângulo compreendido entre esses lados respectivamente congruentes.
Observações: 1) Em dois triângulos semelhantes a razão de semelhança pode ser escrita em função
Observações: 1) Em dois triângulos semelhantes a razão de semelhança pode ser escrita em função
Observações: 1) Em dois triângulos semelhantes a razão de semelhança pode ser escrita em função

Observações:

1) Em dois triângulos semelhantes a razão de semelhança pode ser escrita em função de qualquer relação que envolva somente medidas lineares. Assim:

5(678 97:ó57<78

(5=>?(

@

?í: =?7

5(678 97:ó57<78′ (5=>?(′ @ ?í: =?7′

: 6B(C( : 6B(C(′ E

2) Em dois triângulos semelhantes a razão entre as áreas dos triângulos é igual à razão de semelhança ao quadrado. Assim:

Teorema fundamental

á? ( á? (′ E )

Se uma reta é paralela a um dos lados de um triângulo e intercepta os outros dois em pontos distintos, então, o triângulo que ela determina é semelhante ao primeiro.

Teorema

Ligando-se os pontos médios de dois lados de um triângulo qualquer, o segmento obtido é paralelo ao terceiro lado e com medida igual a sua metade.

paralelo ao terceiro lado e com medida igual a sua metade. Como os dois triângulos obtidos

Como os dois triângulos obtidos são semelhantes, conclui-se que:

IIIII JJ KL

GH

IIII GH

KL

2

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA 06. Determine o valor de x nas figuras abaixo: 12 12
EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA 06. Determine o valor de x nas figuras abaixo: 12 12
EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA 06. Determine o valor de x nas figuras abaixo: 12 12

06. Determine o valor de x nas figuras abaixo:

DE GEOMETRIA 06. Determine o valor de x nas figuras abaixo: 12 12 07. (ESAF) Um
DE GEOMETRIA 06. Determine o valor de x nas figuras abaixo: 12 12 07. (ESAF) Um

12

12

07. (ESAF) Um trapézio ABCD possui base maior igual a 20 cm, base menor igual a 8 cm e altura igual a 15 cm. Assim,

a altura, em cm, do triângulo limitado pela base menor e o prolongamento dos lados não paralelos do trapézio é

igual a:

(A) 10

(B) 5

(C) 7

(D) 17

(E) 12

QUADRILÁTEROS Os quadriláteros são polígonos formados por quatro lados. QUADRILÁTEROS CLASSIFICAÇÃO Paralelogramos
QUADRILÁTEROS Os quadriláteros são polígonos formados por quatro lados. QUADRILÁTEROS CLASSIFICAÇÃO Paralelogramos
QUADRILÁTEROS Os quadriláteros são polígonos formados por quatro lados. QUADRILÁTEROS CLASSIFICAÇÃO Paralelogramos

QUADRILÁTEROS

Os quadriláteros são polígonos formados por quatro lados.

QUADRILÁTEROS

CLASSIFICAÇÃO

Paralelogramos

Retângulo

Losângulo ou Losango

Quadrado

Paralelogramo Ordinário (comum)

Trapézios

Retângulo

Isósceles

Escaleno

Trapezóides

Paralelogramos:

O quadrilátero que apresenta os lados opostos paralelos são chamados paralelogramos.

Todo quadrilátero convexo que tem ângulos opostos congruentes é paralelogramo.

Vamos ao estudo de cada um dos paralelogramos:

a) Retângulo

Paralelogramo com quatro ângulos retos.

a) Retângulo Paralelogramo com quatro ângulos retos. As diagonais são congruentes e cortam-se ao meio e

As diagonais são congruentes e cortam-se ao meio e são congruentes (mesma medida).

Fórmulas:

Área: N *(8 # (5=>?( ⟹ N * ∙ 9

Perímetro (soma dos lados): 2@ 2* 29

Diagonal:

6 * ) 9 )

b) Losango Paralelogramo que apresenta os quatro lados congruentes. As diagonais estão nas bissetrizes dos
b) Losango Paralelogramo que apresenta os quatro lados congruentes. As diagonais estão nas bissetrizes dos
b) Losango Paralelogramo que apresenta os quatro lados congruentes. As diagonais estão nas bissetrizes dos

b) Losango

Paralelogramo que apresenta os quatro lados congruentes.

Paralelogramo que apresenta os quatro lados congruentes. As diagonais estão nas bissetrizes dos ângulos internos,

As diagonais estão nas bissetrizes dos ângulos internos, são perpendiculares entre si e cortam-se ao meio. As diagonais do losango não são congruentes (não possuem a mesma medida).

Fórmulas:

Área: N 8 :B P @?76>=7 6(8 6B(<7C(B8 ⟹

N

Perímetro (soma dos lados): 2@ 4 ∙ ℓ

Q∙6

2

Um losango pode ser dividido em quatro triângulos em que pode ser observada a seguinte relação:

) T Q U ) T 6 U )

2

2

c) Quadrado

Paralelogramo com quatro ângulos retos e quatro lados congruentes.

Fórmulas:

quatro ângulos retos e quatro lados congruentes. Fórmulas: Área: N 5(67 5 V(67 (7 W>(6?(67 ⟹

Área: N 5(67 5 V(67 (7 W>(6?(67 ⟹ N )

Perímetro (soma dos lados): 2@ 4 ∙ ℓ

Diagonal: 6 ) ) ) ⟹ 6 √2ℓ ) ⟹ 6 ℓ√2

As diagonais do quadrado são perpendiculares, estão nas bissetrizes dos ângulos internos, cortam-se ao meio e são congruentes (mesma medida).

IMPORTANTE! Todo quadrado é ao mesmo tempo losango e retângulo. Considerando os conjuntos dos paralelogramos,
IMPORTANTE! Todo quadrado é ao mesmo tempo losango e retângulo. Considerando os conjuntos dos paralelogramos,
IMPORTANTE! Todo quadrado é ao mesmo tempo losango e retângulo. Considerando os conjuntos dos paralelogramos,

IMPORTANTE!

Todo quadrado é ao mesmo tempo losango e retângulo.

Considerando os conjuntos dos paralelogramos, teremos o diagrama:

os conjuntos dos paralelogramos, teremos o diagrama: d) Paralelogramo Ordinário Não possui ângulo reto e dois

d) Paralelogramo Ordinário

Não possui ângulo reto e dois lados consecutivos não são congruentes.

reto e dois lados consecutivos não são congruentes. As diagonais cortam-se mutuamente ao meio, mas não

As diagonais cortam-se mutuamente ao meio, mas não são congruentes.

Fórmulas:

Área: N *(8 # (5=>?( ⟹ N * ∙ 9

Perímetro (soma dos lados):

2@ 2( 2*

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA

08. (ISS RJ ENGENHEIRO ESAF 2010) Considere um terreno quadrado com área de 1600 m 2 e vértices A, B, C e D, sendo que A e C são vértices não adjacentes. Um ponto está sobre a diagonal BD a uma distância de 10m da intercessão das diagonais do quadrado. Qual é o valor mais próximo da distância deste ponto até o vértice C?

(A)

30 m

(B)

17,32 m

(C)

34,64 m

(D)

28,28 m

(E)

14,14 m

09. (AGENTE ADMINISTRATIVO FUNDAÇÃO CASA VUNESP 2011) A razão entre o número de funcionários dos
09. (AGENTE ADMINISTRATIVO FUNDAÇÃO CASA VUNESP 2011) A razão entre o número de funcionários dos
09. (AGENTE ADMINISTRATIVO FUNDAÇÃO CASA VUNESP 2011) A razão entre o número de funcionários dos

09. (AGENTE ADMINISTRATIVO FUNDAÇÃO CASA VUNESP 2011) A razão entre o número de funcionários dos sexos masculino e feminino de uma unidade industrial é de 7 para 6, nessa ordem. Nessa unidade, o vestiário retangular foi dividido em duas alas (masculina e feminina), de forma que a área de cada ala fosse diretamente proporcional ao número de funcionários de cada sexo, conforme mostra a figura. Com essa divisão, a ala masculina ficou com um perímetro de

essa divisão, a ala masculina ficou com um perímetro de (A) 54 m. (B) 58 m.

(A)

54 m.

(B)

58 m.

(C)

60 m.

(D)

62 m.

(E)

64 m.

10. (SEFAZ SP ESAF 2009) A e B são os lados de um retângulo I. Ao se aumentar o lado A em 20% e reduzir-se o lado B em 20% obtém-se o retângulo II. Se, ao invés disso, se aumentar o lado B em 20% e diminuir-se o lado A em 20%, tem-se o retângulo III. Pode-se afirmar que:

(A)

os três retângulos têm a mesma área.

(B)

o retângulo III tem a maior área.

(C)

o retângulo II tem a maior área.

(D)

o retângulo I tem a maior área.

(E)

os retângulos II e III têm uma área igual, maior que a do retângulo I.

Trapézios Os quadriláteros que apresentam um único par de lados paralelos são chamados trapézios. a)
Trapézios Os quadriláteros que apresentam um único par de lados paralelos são chamados trapézios. a)
Trapézios Os quadriláteros que apresentam um único par de lados paralelos são chamados trapézios. a)

Trapézios

Os quadriláteros que apresentam um único par de lados paralelos são chamados trapézios.

a) Trapézio Isósceles

Os lados transversais (não paralelos) são congruentes.

Os ângulos de cada base de um trapézio isósceles são congruentes.

b) Trapézio Escaleno

trapézio isósceles são congruentes. b) Trapézio Escaleno Os lados transversais não são congruentes. c) Trapézio

Os lados transversais não são congruentes.

c) Trapézio Retângulo

Um dos lados transversais é perpendicular aos dois lados paralelos.

Fórmulas:

é perpendicular aos dois lados paralelos. Fórmulas: para um trapézio qualquer podemos observar as seguintes

para um trapézio qualquer podemos observar as seguintes relações:

Área:

Base média:

N

XK *Y ∙ 9

2

K Z

K *

2

Sendo: B = base maior, b = base menor e h = altura.

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA 11. (MPE RS FCC 2010) A figura mostra um terreno retangular
EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA 11. (MPE RS FCC 2010) A figura mostra um terreno retangular
EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA 11. (MPE RS FCC 2010) A figura mostra um terreno retangular

11. (MPE RS FCC 2010) A figura mostra um terreno retangular de largura 60 m.

A figura mostra um terreno retangular de largura 60 m. Se a área da região destacada

Se a área da região destacada na figura corresponde a 30% da área do terreno, então a medida x vale

(A)

3 m.

(B)

6 m.

(C)

10 m.

(D)

12 m.

(E)

15 m.

12. (EPPGG MPOG ESAF 2000) Em um triângulo equilátero de lado igual a 12 cm, traça-se um segmento [\

IIII paralelo

ao lado KL IIII de modo que o triângulo fique decomposto em um trapézio e em um novo triângulo. Sabendo-se que o

perímetro do trapézio é igual ao perímetro do novo triângulo, então o comprimento do segmento de reta [\ IIII , em centímetros, vale

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

5

6

9

10

12

POLÍGONOS Definição: É um conjunto de segmentos consecutivos não colineares onde a interseção de quaisquer
POLÍGONOS Definição: É um conjunto de segmentos consecutivos não colineares onde a interseção de quaisquer
POLÍGONOS Definição: É um conjunto de segmentos consecutivos não colineares onde a interseção de quaisquer

POLÍGONOS

Definição:

É um conjunto de segmentos consecutivos não colineares onde a interseção de quaisquer dois lados não consecutivos é vazia. Dentre os polígonos simples, estudaremos os polígonos convexos.

os polígonos simples, estudaremos os polígonos convexos. A,B,C,D, e E são os vértices. AB, BC, CD,

A,B,C,D, e E são os vértices.

AB, BC, CD, DE e EA são os lados.

CE é uma das diagonais (liga dois vértices não consecutivos).

â i é um ângulo interno

â e é um ângulo externo

Observação: â i + â e = 180 o

Denominação

Conforme o número de lados, os polígonos recebem diversas denominações:

â i + â e = 180 o Denominação Conforme o número de lados, os polígonos
Propriedades - polígonos convexos Em relação a qualquer polígono convexo pode-se destacar as seguintes relações:
Propriedades - polígonos convexos Em relação a qualquer polígono convexo pode-se destacar as seguintes relações:
Propriedades - polígonos convexos Em relação a qualquer polígono convexo pode-se destacar as seguintes relações:

Propriedades - polígonos convexos

Em relação a qualquer polígono convexo pode-se destacar as seguintes relações:

Polígonos regulares

Definição

Soma dos ângulos internos (S i ):

X] P Y ∙

Soma dos ângulos externos (S e ):

Nº de diagonais (d):

]∙X] P Y

Um polígono convexo é regular se, e somente se, tem todos os lados congruentes e todos os seus ângulos internos congruentes. Nos polígonos regulares além das relações anteriormente vista (S i , S e , e d), pode-se também observar as seguintes relações

Cada ângulo interno de um polígono regular é dado por:

^

= X] P Y ∙

]

Cada ângulo externo de um polígono regular é dado por:

^

]

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA

13. Em relações aos polígonos responda:

a) Qual o número de diagonais de um polígono regular, sabendo que cada ângulo interno mede 140°?

27 DIAGONAIS

b) Qual é o polígono cujo número de diagonais é igual ao número de lados?

5 LADOS

14. (AFT ESAF 2006) Em um polígono de n lados, o número de diagonais determinadas
14. (AFT ESAF 2006) Em um polígono de n lados, o número de diagonais determinadas
14. (AFT ESAF 2006) Em um polígono de n lados, o número de diagonais determinadas

14. (AFT ESAF 2006) Em um polígono de n lados, o número de diagonais determinadas a partir de um de seus vértices é igual ao número de diagonais de um hexágono. Desse modo, n é igual a:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

11

12

10

15

18

15. (SUSEP ANALISTA TÉCNICO ESAF 2010 ADAPTADA) A soma S i dos ângulos internos de um polígono convexo de n lados, com n 3, é dada por S i = (n-2)·180 0 . O número de lados de três polígonos convexos, P 1 , P 2 , e P 3 , são representados, respectivamente, por (x-3), x e (x+3). Sabendo-se que a soma de todos os ângulos internos dos três polígonos é igual a 3240 0 , então o número de lados do polígono P 2 e o total de diagonais do polígono P 3 são, respectivamente, iguais a:

(A)

5 e 5

(B)

8 e 44

(C)

11 e 44

(D)

8 e 11

(E)

11 e 5

CIRCUNFERÊNCIA E CÍRCULO Definição: Denominamos circunferência ao lugar geométrico dos pontos do plano,
CIRCUNFERÊNCIA E CÍRCULO Definição: Denominamos circunferência ao lugar geométrico dos pontos do plano,
CIRCUNFERÊNCIA E CÍRCULO Definição: Denominamos circunferência ao lugar geométrico dos pontos do plano,

CIRCUNFERÊNCIA E CÍRCULO

Definição:

Denominamos circunferência ao lugar geométrico dos pontos do plano, equidistantes de um ponto fixo chamado centro. Círculo é a união da circunferência com o seu interior. (Lugar geométrico é o conjunto de pontos do plano que satisfazem uma certa propriedade).

Elementos da circunferência:

uma certa propriedade). Elementos da circunferência: O : centro da circunferência. DIÂMETRO : corda que

O: centro da circunferência.

DIÂMETRO: corda que passa pelo centro e vale o dobro do raio (AB

IIII : diâmetro da circunferência).

ARCO: parte da circunferência limitada por dois pontos (CD: arco).

CORDA: segmento que liga as extremidades de um arco (CD IIII : corda).

FLECHA: segmento que liga metade do arco ao ponto médio da corda (RS

III : flecha).

Regiões (áreas) de um Círculo:

(RS III : flecha). Regiões (áreas) de um Círculo: SETOR CIRCULAR (B): parte do círculo limitada

SETOR CIRCULAR (B): parte do círculo limitada por dois raios e o arco correspondente.

SEGMENTO CIRCULAR (A): parte do círculo limitada por uma corda e o arco correspondente.

COROA CIRCULAR (D): superfície compreendida entre duas circunferências concêntricas.

ZONA CIRCULAR (C): parte do círculo limitada por duas cordas.

Cálculos envolvendo a circunferência e o círculo. a) Comprimento da circunferência: L 2_` b) Comprimento
Cálculos envolvendo a circunferência e o círculo. a) Comprimento da circunferência: L 2_` b) Comprimento
Cálculos envolvendo a circunferência e o círculo. a) Comprimento da circunferência: L 2_` b) Comprimento

Cálculos envolvendo a circunferência e o círculo.

a) Comprimento da circunferência:

e o círculo. a) Comprimento da circunferência: L 2_` b) Comprimento de arco ( ℓ ):

L 2_`

b) Comprimento de arco ( ):

c) Área do círculo:

d) Área da coroa circular:

ℓ ): c) Área do círculo: d) Área da coroa circular: ℓ NK 2_` ∙ (a

NK

2_` ∙ (a 360 e , +7: aa : <?(>8.

coroa circular: ℓ NK 2_` ∙ (a 3 6 0 e , +7: a a :

N _` )

coroa circular: ℓ NK 2_` ∙ (a 3 6 0 e , +7: a a :

N _X` ) P ? ) Y

e) Área do setor: f) Área do segmento circular: N ghijk _` ) ∙(a 3
e) Área do setor: f) Área do segmento circular: N ghijk _` ) ∙(a 3
e) Área do setor: f) Área do segmento circular: N ghijk _` ) ∙(a 3

e) Área do setor:

f) Área do segmento circular:

N ghijk

e) Área do setor: f) Área do segmento circular: N ghijk _` ) ∙(a 3 6

_` ) ∙(a 360 e , +7: aa : <?(>8.

) ∙(a 3 6 0 e , +7: a a : <?(>8. N ghlZhmij N ghijk

N ghlZhmij N ghijk P N iknâmlpqj rst

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA

16. (METRÔ SP FCC 2009) No esquema abaixo, a região sombreada, limitada por uma semicircunferência de diâmetro AC e por dois segmentos de reta perpendiculares entre si, representa o canteiro de obras de certa Estação do Metrô.

representa o canteiro de obras de certa Estação do Metrô. Considerando a aproximação π = 3,

Considerando a aproximação π = 3, a área desse canteiro, em metros quadrados, é igual a

(A)

(B)

(C)

533,5.

537.

549,5.

(E) 553,5. Cálculo da Área do Triângulo Existem formas específicas que facilitam o cálculo da
(E) 553,5. Cálculo da Área do Triângulo Existem formas específicas que facilitam o cálculo da
(E) 553,5. Cálculo da Área do Triângulo Existem formas específicas que facilitam o cálculo da

(E) 553,5.

Cálculo da Área do Triângulo

Existem formas específicas que facilitam o cálculo da área de um triângulo.

a) Em função de dois lados e do ângulo formado por eles:

a) Em função de dois lados e do ângulo formado por eles: N 5(67 ∙ 5(67

N

5(67 ∙ 5(67 ∙ 8 C7 67 âC<>57 C=? 78 5(678

2

b) Em função dos lados (Fórmula de Hierão):

78 5(678 2 b) Em função dos lados (Fórmula de Hierão): N u@ ∙ X@ –

N u@ ∙ X@ – (Y ∙ X@ P *Y ∙ X@ – +Y

sendo que p é o semi perímetro calculado por:

@

w xy xz

)

*∙+∙8 C

2

c) Em função do raio da circunferência inscrita e do semi perímetro:

d) Área do triângulo equilátero:

2 c) Em função do raio da circunferência inscrita e do semi perímetro: d) Área do

N @ { ?

5(67 ) #√3 N 4 ⇒ N 5 ) √ 3 4 EXERCÍCIOS EM AULA
5(67 ) #√3 N 4 ⇒ N 5 ) √ 3 4 EXERCÍCIOS EM AULA
5(67 ) #√3 N 4 ⇒ N 5 ) √ 3 4 EXERCÍCIOS EM AULA

5(67 ) #√3

N

4

N 5 ) 3

4

EXERCÍCIOS EM AULA DE GEOMETRIA

17.

(AFC STN ESAF 2005) Em um triângulo ABC qualquer, um dos lados mede

2 cm

2 cm

e

um

outro mede 2 cm. Se o

ângulo formado por esses dois lados mede 45º, então a área do triângulo é igual a

 
 

(A)

3

1/3

(B)

2

1/2

(C)

2

-1/2

(D)

32

 

(E)

1

18.

(FBDC

2004.2)

A

área

de

um

triângulo

de

lados

a,

b

e

c

é

dada

pela

fórmula

N }@ ∙ ~@ – ( ∙ X@ P *Y ∙ X@ – +Y com p representando o seu semi perímetro. Considere o triângulo cujos lados

medem 4 cm, 5 cm e 7 cm. A medida, em cm, da altura relativa ao menor lado é

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

Ä √6.

Å

2 6 4 6 5 6 3 6

19. (SUSEP ANALISTA TÉCNICO ESAF 2010) Um círculo está inscrito em um triângulo isósceles de base 6 e altura 4.

Calcule o raio desse círculo.

(A)

(B)

1,50

1,25

(D)

1,75

(D) 1,75 (E) 2,00 20. (APO MPOG ESAF 2005) Se de um ponto P qualquer forem
(D) 1,75 (E) 2,00 20. (APO MPOG ESAF 2005) Se de um ponto P qualquer forem
(D) 1,75 (E) 2,00 20. (APO MPOG ESAF 2005) Se de um ponto P qualquer forem

(E) 2,00

20. (APO MPOG ESAF 2005) Se de um ponto P qualquer forem traçados dois segmentos tangentes a uma circunferência, então as medidas dos segmentos determinados pelo ponto P e os respectivos pontos de tangência serão iguais. Sabe-se que o raio de um círculo inscrito em um triângulo retângulo mede 1cm. Se a hipotenusa desse triângulo for igual a 20 cm, então seu perímetro será igual a:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

40 cm

35 cm

23 cm

42 cm

45 cm

21. (AFC CGU ESAF 2008) Um quadrilátero convexo circunscrito a uma circunferência possui os lados a, b, c e d, medindo (4x - 9), (3x + 3), 3x e 2x, respectivamente. Sabendo-se que os lados a e b são lados opostos, então o perímetro do quadrilátero é igual a:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

25

30

35

40

50

 

GABARITO – EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE GEOMETRIA PLANA

 

01

- C

02

- D

03

- A

04

- C

05

- C

06

- *

07

- A

08

- A

09

- B

10

- D

11

- B

12

- C

13

- *

14

- B

15

- B

16

- E

17

- E

18

- B

19

- A

20

- D

21

- B

                 

*06 – a) 12 / b) 12

*13 – a) 27 / b) 5

OBSERVAÇÃO: TEOREMA DE TALES Um feixe de retas paralelas determina sobre duas retas transversais, segmentos
OBSERVAÇÃO: TEOREMA DE TALES Um feixe de retas paralelas determina sobre duas retas transversais, segmentos
OBSERVAÇÃO: TEOREMA DE TALES Um feixe de retas paralelas determina sobre duas retas transversais, segmentos

OBSERVAÇÃO:

TEOREMA DE TALES

Um feixe de retas paralelas determina sobre duas retas transversais, segmentos proporcionais.

sobre duas retas transversais, segmentos proporcionais. r // s // t Assim, pode-se estabelecer as seguinte

r // s // t

Assim, pode-se estabelecer as seguinte proporções:

IIIIII N′K′

NK IIII

IIII IIIIII

KL

K′L′

N′L′ IIIII

7> IIII IIIIII

N′K′

NL IIII

NK

EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE GEOMETRIA 01. (ASSISTENTE DE CHANCELARIA MRE ESAF 2002 ) Num triângulo ABC,
EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE GEOMETRIA 01. (ASSISTENTE DE CHANCELARIA MRE ESAF 2002 ) Num triângulo ABC,
EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE GEOMETRIA 01. (ASSISTENTE DE CHANCELARIA MRE ESAF 2002 ) Num triângulo ABC,

EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE GEOMETRIA

01. (ASSISTENTE DE CHANCELARIA MRE ESAF 2002) Num triângulo ABC, o ângulo interno de vértice A mede 60°. O

maior ângulo formado pelas bissetrizes dos ângulos internos de vértices B e C mede:

(A)

45°

(B)

60°

(C)

90°

(D)

120°

(E)

150°

02. (ANALISTA SERPRO ESAF) Um triângulo tem lados que mede, respectivamente, 6m, 8m e 10m. Um segundo

triângulo, que é um triângulo semelhante ao primeiro, tem perímetro igual a 12m. A área do segundo triângulo será

igual a:

(A)

6 m 2

(B)

12 m 2

(C)

24 m 2

(D)

48 m 2

(E)

60 m 2

03. (APO MPOG ESAF 2005) O raio do círculo A é 30% menor do que o raio do círculo B. Desse modo, em termos

percentuais, a área do círculo A é menor do que a área do círculo B em:

(A)

51%

(B)

49%

(C)

30%

(D)

70%

(E)

90%

04. (EPPGG MPOG ESAF 2002) Se o raio de uma circunferência tiver um acréscimo de 50%, então o acréscimo

percentual em seu comprimento será igual a:

(A)

(B)

25%

50%

(C)

75%

(C) 75% (D) (E) 80% 85% 05. (ESAF) Os pontos A, B, C e D, não
(C) 75% (D) (E) 80% 85% 05. (ESAF) Os pontos A, B, C e D, não
(C) 75% (D) (E) 80% 85% 05. (ESAF) Os pontos A, B, C e D, não

(D)

(E)

80%

85%

05. (ESAF) Os pontos A, B, C e D, não coincidentes, encontram-se todos sobre uma mesma linha reta. Se B é o ponto

médio do segmento AD e se C é o ponto médio do segmento BD, o valor de rt é:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

3/4

1/3

1/2

2/3

1/4

06. (AFT ESAF 2009) Quando se faz alguns lados de um polígono tenderem a zero ele degenera naturalmente em um

polígono de menor número de lados podendo até eventualmente degenerar em um segmento de reta. Dessa

maneira, considere um quadrilátero com duas diagonais iguais e de comprimento 52 cada uma. Sendo A a área desse quadrilátero, então:

(A)

A = 25.

(B)

25 ≤ A ≤ 50.

(C)

52 < A ≤ 25.

(D)

0 ≤ A ≤ 25.

(E)

A ≥ 25.

07. (AFT ESAF) Fernando, João Guilherme e Bruno encontram-se perdidos, uns dos outros, no meio da floresta. Cada

um está parado em um ponto, gritando o mais alto possível, para que os outros possam localizá-lo. Há um único ponto em que é possível ouvir simultaneamente Fernando e Bruno, um outro único ponto (diferente daquele) em que é possível ouvir simultaneamente Bruno e João Guilherme, e há ainda um outro único ponto (diferente dos outros dois) em que é possível ouvir simultaneamente João Guilherme e Fernando. Bruno encontra-se, em linha reta, a 650 metros do ponto onde se encontra Fernando. Fernando, por sua vez, está a 350 metros, também em linha reta, do ponto onde está João Guilherme. Fernando grita o suficiente para que seja possível ouvi-lo em qualquer ponto até uma distância de 250 metros de onde ele se encontra. Portanto, a distância em linha reta, em metros, entre os pontos em que se encontram Bruno e João Guilherme é:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

650

600

500

700

720

08.

(ANTT NCE) Um quintal tem a forma de um retângulo tal que a medida de um de seus lados é o dobro da medida

tal que a medida de um de seus lados é o dobro da medida de outro
tal que a medida de um de seus lados é o dobro da medida de outro
tal que a medida de um de seus lados é o dobro da medida de outro

de outro e seu perímetro em metros é igual à sua área em metros quadrados. Nesse caso, o maior lado do quintal mede, em metros

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

3

4

5

6

7

09. (ENAP ESAF) A razão de semelhança entre dois triângulos, T 1 , e T 2 , é igual a 8. Sabe-se que a área do triângulo T 1

é igual a 128 m 2 . Assim, a área do triângulo T 2 é igual a

(A)

4 m 2 .

(B)

16 m 2 .

(C)

32 m 2 .

(D)

64 m 2 .

(E)

2 m 2 .

10. (TFC ESAF) Os pontos X, Y e Z estão todos no mesmo plano. A distância, em linha reta, do ponto X ao ponto Y é de 30 cm, e do ponto X ao ponto Z é de 22 cm. Se d é a distância em centímetros, também em linha reta, do ponto Y ao ponto Z, então o conjunto dos possíveis valores para d é dado por:

(A)

8

≤ d

≤ 30

(B)

8 ≤ d ≤ 52

(C)

22 ≤ d ≤ 30

(D)

22 < d ≤ 52

(E)

30 < d ≤ 52

11. (ATRFB ESAF 2009) Sejam X, Y e Z três pontos distintos de uma reta. O segmento XY é igual ao triplo do segmento YZ. O segmento XZ mede 32 centímetros. Desse modo, uma das possíveis medidas do segmento XY, em centímetros, é igual a:

(A)

(B)

27

48

(D) 63 (E) 72 12. (METRÔ SP FCC 2010) Um retângulo foi totalmente dividido por
(D) 63 (E) 72 12. (METRÔ SP FCC 2010) Um retângulo foi totalmente dividido por
(D) 63 (E) 72 12. (METRÔ SP FCC 2010) Um retângulo foi totalmente dividido por

(D) 63

(E) 72

12. (METRÔ SP FCC 2010) Um retângulo foi totalmente dividido por retas paralelas aos seus lados. Com a divisão,

foram obtidos 4 500 quadrados congruentes cada um com lado de 12 cm. Se o lado maior do retângulo mede 9 m, então a do menor, em metros, é

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

7,0.

7,2.

7,4.

7,6.

7,8.

13. (METRÔ SP FCC 2010) Num triângulo ABC o lado AB mede 16 cm. Por um ponto D, pertencente a AB e situado a

10 cm de A, traça-se uma paralela a BC que intercepta AC em E. Se AE = 8 cm, então a medida de EC, em centímetros, é

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

4,0.

4,2.

4,4.

4,6.

4,8.

14. (ISS RJ ENGENHEIRO ESAF 2010) Um quadrado de lado unitário está inscrito em um círculo que, por sua vez, está inscrito em outro quadrado de lado L. Determine o valor mais próximo de L.

(A)

1,732

(B)

1,414

(C)

2

(D)

1,5

(E)

1,667

15. (ISS RJ AGENTE ESAF 2010) O segmento de reta ab tem comprimento c(a,b) = 1. Um ponto x divide o segmento

em duas partes ax e xb com comprimentos c(a,x) e c(x,b), respectivamente, onde 0 < c(a,x) < c(x,b) < 1 e tais que

c(a,x)/c(x,b) = c(x,b). Obtenha o valor mais próximo de c(x,b).

(A)

(B)

0,5667

0,618

(D)

0,707

(D) 0,707 (E) 0,75 16. (AFC STN ESAF 2005) Um feixe de 4 retas paralelas determina
(D) 0,707 (E) 0,75 16. (AFC STN ESAF 2005) Um feixe de 4 retas paralelas determina
(D) 0,707 (E) 0,75 16. (AFC STN ESAF 2005) Um feixe de 4 retas paralelas determina

(E) 0,75

16. (AFC STN ESAF 2005) Um feixe de 4 retas paralelas determina sobre uma reta transversal, A, segmentos que

medem 2 cm, 10 cm e 18 cm, respectivamente. Esse mesmo feixe de retas paralelas determina sobre uma reta transversal, B, outros três segmentos. Sabe-se que o segmento da transversal B, compreendido entre a primeira e a quarta paralela, mede 90 cm. Desse modo, as medidas, em centímetros, dos segmentos sobre a transversal B são iguais a:

(A)

6, 30 e 54

(B)

6, 34 e 50

(C)

10, 30 e 50

(D)

14, 26 e 50

(E)

14, 20 e 56

17. (ESAF) Em um triângulo retângulo, um dos catetos forma com a hipotenusa um ângulo de 45º. Sendo a área do

triângulo igual a 8 cm² , então a soma das medidas dos catetos é igual a:

(A)

8 cm 2

(B)

16 cm

(C)

4 cm

(D)

16 cm 2

(E)

8 cm

18. (ANPAD) Se o comprimento e a largura de um retângulo são duplicados, então:

(A)

a área e o perímetro ficam multiplicados por 4

(B)

a área é multiplicada por 2 e o perímetro por 4

(C)

a área é multiplicada por 4 e o perímetro por 2

(D)

a área e o perímetro ficam multiplicados por 3

(E)

NRA

19. (METRÔ SP FCC 2010) As pontas da estrela mostrada na figura abaixo são as
19. (METRÔ SP FCC 2010) As pontas da estrela mostrada na figura abaixo são as
19. (METRÔ SP FCC 2010) As pontas da estrela mostrada na figura abaixo são as

19. (METRÔ SP FCC 2010) As pontas da estrela mostrada na figura abaixo são as interseções dos prolongamentos

dos lados de um pentágono regular.

dos prolongamentos dos lados de um pentágono regular. Assim sendo, a soma das medidas dos ângulos

Assim sendo, a soma das medidas dos ângulos assinalados é igual a

(A)

150°.

(B)

160°.

(C)

170°.

(D)

180°.

(E)

190°.

20. (AFC CGU ESAF 2012) Um segmento de reta de tamanho unitário é dividido em duas partes com comprimentos x

e 1-x respectivamente. Calcule o valor mais próximo de x de maneira que x = (1-x)/x, usando 5 ≅ 2,24

(A)

0,62

(B)

0,38

(C)

1,62

(D)

0,5

(E)

1/ π

21. (EPPGG MPOG ESAF) Um triângulo tem lados que medem respectivamente, 6m, 8m e 10m. Um segundo

triângulo, que é um triângulo semelhante ao primeiro, tem perímetro igual a 30m. Assim, a razão entre a área do

segundo e a do primeiro triângulo é igual a:

(A) 5/4

(C)

8/5

(C) 8/5 (D) (E) 25/16 16/25   GABARITO – EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE GEOMETRIA PLANA   01
(C) 8/5 (D) (E) 25/16 16/25   GABARITO – EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE GEOMETRIA PLANA   01
(C) 8/5 (D) (E) 25/16 16/25   GABARITO – EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE GEOMETRIA PLANA   01

(D)

(E)

25/16

16/25

 

GABARITO – EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE GEOMETRIA PLANA

 

01

- D

02

- A

03

- A

04

- B

05

- D

06

- D

07

- B

08

- D

09

- B

10

- C

11

- B

12

- B

13

- E

14

- B

15

- B

16

- A

17

- E

18

- C

19

- D

20

– A

21

– D