Você está na página 1de 109

1

ITENS PROPOSTOS PARA CONSTAR DOS PLANOS DE ENSINO DE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PREVISTAS NO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA 2006

Os itens Ementa, Objetivos Gerais e Específicos e Bibliografia apresentados a seguir, e que farão parte dos Planos de Ensino de disciplinas previstas como obrigatórias no Curso de formação de Psicólogo da UFSCar, conforme Proposta Pedagógica em processo de apreciação pelas instâncias responsáveis, foram discutidos e aprovados em reuniões conjuntas dos Conselhos Departamental e da Coordenação do Curso. O processo de elaboração das propostas foi antecedido de uma discussão conceitual, na qual foi estabelecido que, na medida do possível, seriam indicados, como objetivos gerais, aptidões desejáveis do profissional psicólogo, tomando como referência situações naturais de intervenção. Em alguns casos, objetivos mais específicos indicados também se referem a aptidões deste profissional em situações naturais; no entanto, na maior parte dos itens, os objetivos específicos correspondem, mais especificamente, a pré-requisitos para o desenvolvimento dos objetivos gerais, mais próprios do processo de formação a que corresponde o curso de graduação, ou seja, a condutas dos aprendizes em situações de ensino. As ementas correspondem às indicações de assuntos, temas ou questões compreendidas como essenciais para o desenvolvimento das aptidões pretendidas, considerando o conhecimento disponível e a forma como este conhecimento apresenta-se organizado.

2

RELAÇÃO DE NOMES DE DISCIPLINAS ATUAIS DA GRADE DO CURSO DE PSICOLOGIA E SUBSTITUTOS SUGERIDOS PARA NOVA PROPOSTA PEDAGÓGICA

(Estudo preliminar de denominação de disciplinas para facilitar administração da ocorrência simultânea das duas grades)

Atenção: Alterações em plano de ensino, mudanças de nome e novas disciplinas para o Curso não foram ainda acordadas, em caráter final, com outros departamentos por elas responsáveis que não o de Psicologia.

Nome atual

Nome indicado

Bases Neurais do Comportamento

Bases Neurais de Processos Psicológicos

Comportamento e Cultura

Antropologia Aplicada à Psicologia

 

Desenvolvimento Humano:

Desenvolvimento Humano 1

infância

 

Desenvolvimento Humano:

Desenvolvimento Humano 2

segunda infância e adolescência

Estágio Supervisionado 1 a 4

Estágio Específico em Intervenção Psicológica 1 a 4

Estatística Aplicada às Ciências Humanas

Estatística Aplicada à Psicologia

Ética Profissional em Psicologia

Ética na Atuação do Psicólogo

Filosofia da Psicologia

Fundamentos de Filosofia da Psicologia

Fisiologia do Comportamento

Bases Fisiológicas do Comportamento

Genética Humana

Bases Genéticas de Processos Psicológicos

História e Sistemas Psicológicos 1 a 4

História e Sistemas em Psicologia: Psicanálise 1

História e Sistemas em Psicologia: Psicanálise 2

3

 

História e Sistemas em Psicologia: Behaviorismo

História e Sistemas em Psicologia: Gestalt e Tendências Contemporâneas

Introdução às Ciências Sociais

Ciências Sociais Aplicadas à Psicologia

Pesquisa em Fundamentos da Psicologia 1 a 4 (monografia, oferta DFMC)

Estágio Específico em Pesquisa: fundamentos filosóficos da Psicologia (1 a

4)

Pesquisa em Psicologia 1 a 4

Estágio Básico em Pesquisa Psicológica (1 a 4)

Pesquisa em Psicologia 5 a 8 (monografia, oferta DPsi)

Estágio Específico em Pesquisa Psicológica (1 a 4)

Programação de Ensino e Treinamento

Fundamentos de Programação de Ensino

Psicologia da Aprendizagem

Processos Básicos de Aprendizagem

Psicologia do Excepcional

Desenvolvimento Atípico e Atuação do Psicólogo no Ensino Especial

Psicologia Escolar e Problemas de Aprendizagem

Psicologia Escolar e Educacional

Psicologia Geral 1

Psicologia Geral

Psicologia Geral 2:

Métodos de Experimentação em Psicologia

Experimentação em Psicologia

 

Psicologia Social 1:

Psicologia Social 1

fundamentos históricos e epistemológicos

Psicologia Social 2: análise de organizações e instituições

Psicologia Social 2:

perspectivas teóricas e metodológicas

Psicopatologia

Fundamentos de Psicopatologia

4

Serviço e Intervenção em Psicologia 1 e 2

Serviço e Intervenção em Psicologia 1 e 2

Serviço e Intervenção em Psicologia 3 a 6

Estágio Básico de Atuação em Psicologia (1 a 4)

Técnicas de Exame Psicológico 2

Avaliação Psicológica 2:

inteligência e interesses

Técnicas de Exame Psicoterápico 1

Avaliação Psicológica 1:

fundamentos para construção de instrumentos

Teorias e Técnicas Psicoterápicas e de Aconselhamento 1

Psicoterapia e Aconselhamento: Teorias e Técnicas 1

Teorias e técnicas psicoterápicas e de aconselhamento 2

Psicoterapia e aconselhamento: teorias e técnicas 2

(não há: disciplina nova)

Anatomia

(não há: disciplina nova)

Introdução à Ciência Psicológica

(não há: disciplina nova)

Avaliação psicológica 3:

personalidade

(não há: disciplina nova)

Psicologia Social 3: trabalho e organizações

5

Vertente Pesquisa (Produção de conhecimento) da ênfase: Disciplinas Pesquisa 1 a 8

O objetivo descrito a seguir abrange toda a formação nesta vertente, e deverá constar dos planos de ensino de todas as disciplinas que fazem parte dela, ou seja, Estágios Básicos em Pesquisa Psicológica (1 a 4), Estágios Específicos em Pesquisa Psicológica (1 a 4) e Estágios Específicos em Pesquisa: Fundamentos Filosóficos da Psicologia (1 a 4). Este objetivo terminal, correspondente ao que é esperado do profissional psicólogo em relação à produção de conhecimento (pesquisa), tem a finalidade de manter a visão de conjunto, mesmo quando são consideradas disciplinas específicas da vertente, que se referem a momentos específicos de formação para alcançar este resultado.

OBJETIVO GERAL DA VERTENTE

Diante de 1) qualquer tipo de lacuna no conhecimento identificada, seja por meio de exame sistemático de conhecimento existente ou de contato com necessidades sociais, 2) do conhecimento disponível sobre a) temas ou objetivos relacionados a estas lacunas e b) aspectos diversos de método para produção de conhecimento, e 3) das exigências da Ciência para produção de conhecimento, o profissional psicólogo deve ser capaz de produzir conhecimento de modo sistemático, de forma a complementar o conhecimento disponível, contribuindo para eliminação ou redução das lacunas identificadas e para melhoria da qualidade de vida em relação às necessidades identificadas, incluindo promoção de acesso, de todas as formas possíveis, a este conhecimento, para quem dele necessita e buscando transformá-lo em condutas humanas mais apropriadas para lidar com os aspectos da realidade a que se refere.

ESTÁGIO BÁSICO EM PESQUISA PSICOLÓGICA 1 (1º. semestre)

OBJETIVOS GERAIS

I. Utilizar adequadamente conhecimento científico disponível em estudos desenvolvidos por meio de delineamentos experimentais e quase- experimentais, acerca de diferentes fenômenos e processos no âmbito da Psicologia, em relação a critérios da Ciência para produção de conhecimento, de modo a ampliar compreensão sobre estes fenômenos e

6

processos, realizar delimitação de perguntas de pesquisa, analisar dados obtidos em estudos científicos e outras finalidades relativas à Psicologia como área do conhecimento e como campo de atuação profissional;

II. Utilizar com competência delineamentos experimentais e quase- experimentais de pesquisa no desenvolvimento de atividades de pesquisa que requeiram manipulação de variáveis, de acordo com requisitos da Ciência para produção de conhecimento.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Avaliar conhecimento produzido no âmbito da Ciência, em função de critérios próprios do método científico, de modo a identificar potencial e limitações destes produtos em função do atendimento a estes critérios no processo de produção de conhecimento;

2. Realizar atividades de pesquisa correspondentes às etapas do processo de produção de conhecimento considerando exigências do método da Ciência, bem como o contexto em que estas atividades se desenvolvem;

3. Raciocinar dedutiva e indutivamente, de acordo com a natureza dos fenômenos envolvidos, em situações de produção e uso do conhecimento científico;

4. Fazer uso apropriado da lógica do teste de hipótese ao desenvolver atividades de pesquisa em Psicologia;

5. Identificar e caracterizar delineamentos experimentais e quase- experimentais em pesquisa;

6. Justificar opções metodológicas por delineamentos na realização de pesquisas experimentais e quase-experimentais;

7. Utilizar os diferentes meios de divulgação científica (impresso e digital) para localizar conhecimento psicológico disponível, no desenvolvimento de pesquisas e intervenções profissionais;

8. Justificar a pergunta de investigação científica de um projeto determinado, a partir de diferentes circunstâncias (conhecimento sistematizado, necessidades sociais, etc);

7

em relação a método e recursos disponíveis para produzir respostas a estas questões.

EMENTA

Ciência como produto e ciência como processo;

Conhecimento científico e outras formas de conhecimento;

Etapas e aspectos fundamentais do trabalho de pesquisa

científica;

Modalidades de pesquisa em psicologia;

Questões e objetivos de pesquisa na investigação psicológica;

Aspectos típicos do trabalho de pesquisa científica em Psicologia;

Características do raciocínio científico: primeiras análises;

Fundamentos éticos e científicos da pesquisa científica: reflexões

iniciais;

Atitudes na condução do trabalho científico: primeiras

considerações;

Experimentação em psicologia: requisitos, vantagens e

problemas;

Variáveis na pesquisa psicológica: variáveis dependentes e

independentes;

Hipóteses na pesquisa psicológica: hipótese causal;

Delineamentos experimentais e quase-experimentais de pesquisa:

validade, fidedgnidade, generalidade, replicabilidade, análise e

interpretação de dados.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ANDERY, M.A. e col. Para compreender a ciência. São Paulo: EDU/Espaço e tempo: SP, 1988*.

BACHRACH, A.J. Introdução à pesquisa psicológica. São Paulo: Herder,

1969*.

8

COZBY, P. Métodos de investigação em pesquisa comportamental. (Trad. E.Otta & P.C.Gomide). São Paulo: Atlas, 2003.

LEWIN, M. Understanding Psychological Research. Malabar, FL.: Krieger Publishing Company, 1977.

MCGUIGAN, F. H. Psicologia Experimental – uma abordagem metodológica. São Paulo: EPU/EDUSP, 1976*.

SEIDL DE MOURA, M. L., & FERREIRA, M.C. Projetos de pesquisa:

Elaboração, redação e apresentação. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2005.

TROCHIM, W., & DONNELLY, J. The Research Methods Knowledge Base (3ed.). Incline Village, NV: Atomic Dog Publishing, 2006.

BIBLIOGRAFIA ESPECÍFICA

Artigos de periódicos científicos, relacionados à temática dos projetos conduzidos com a participação dos alunos, a cada oferta da disciplina, para cada turma (a ser especificado no NEXOS a cada oferta).

ESTÁGIO BÁSICO EM PESQUISA PSICOLÓGICA 2

OBJETIVOS GERAIS

I. Utilizar adequadamente conhecimento científico disponível em estudos desenvolvidos por meio de delineamentos experimentais ou quase- experimentais, acerca de diferentes fenômenos e processos no âmbito da Psicologia, em relação a critérios da Ciência para produção de conhecimento, de modo a ampliar a compreensão sobre estes fenômenos e processos, realizar delimitação de perguntas de pesquisa, analisar dados obtidos em estudos científicos e outras finalidades relativas à Psicologia como área do conhecimento e como campo de atuação profissional;

II. Utilizar com competência delineamentos experimentais ou quase- experimentais de pesquisa no desenvolvimento de atividades de pesquisa que requeiram manipulação de variáveis, de acordo com requisitos da Ciência para produção de conhecimento.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Avaliar conhecimento produzido no âmbito da Ciência, em função de critérios próprios do método científico, de modo a identificar

9

potencial e limitações destes produtos e o atendimento a estes critérios no processo de produção de conhecimento;

2. Realizar atividades de pesquisa correspondentes às etapas do processo de produção de conhecimento considerando exigências do método da Ciência, bem como o contexto em que estas atividades se desenvolvem;

3. Fazer uso apropriado da lógica do teste de hipótese ao desenvolver atividades de pesquisa em Psicologia (incluindo planejamento e tratamento estatísticos, quando pertinente);

4. Fazer uso apropriado de delineamentos experimentais e quase- experimentais ao desenvolver atividades de pesquisa em Psicologia que requeiram a manipulação de variáveis;

5. Coletar dados e informações relevantes à investigação por meio de experimentações em situações controladas ou em situações naturais, conforme natureza das informações a serem coletadas, fontes e recursos disponíveis;

6. Organizar dados e informações coletadas sob controle das razões pelas quais esta atividade é relevante no processo de produção de conhecimento;

7. Analisar dados e informações coletadas sob controle das razões pelas quais esta atividade é relevante no processo de produção de conhecimento, em função da natureza das informações, recursos disponíveis, perguntas e objetivos da pesquisa e conhecimento disponível sobre os fenômenos e processos relacionados à pesquisa;

8. Comunicar o conhecimento produzido por meio de relatório e seminários.

EMENTA

Fundamentos éticos e científicos da pesquisa científica:

aprofundando as reflexões; Atitudes na condução do trabalho científico;

Experimentação em psicologia:

Problema e pergunta de pesquisa;

A definição dos objetivos de uma pesquisa;

10

Escolha do método em função dos objetivos: quando realizar experimentação; O conceito de "variável"; variáveis dependentes e independentes; Delineamentos experimentais e quase-experimentais e procedimentos de análise de dados; Técnicas de controle e de coleta de dados; Técnicas de tratamento de dados (incluindo tratamento estatístico). Delineamentos experimentais de pesquisa: validade, fidedgnidade, replicabilidade Delineamentos de grupo: tipos de delineamento, lógica e

requisitos; Delineamentos de sujeito único: tipos de delineamento, lógica e requisitos. Análise e interpretação de dados de estudos experimentais e quase-experimentais;

O relato de estudos experimentais e quase-experimentais.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ANDERY, M.A. e col. Para compreender a ciência. São Paulo: EDU/Espaço e tempo: SP, 1988*.

BACHRACH, A.J. Introdução à pesquisa psicológica. São Paulo: Herder,

1969*.

COZBY, P. Métodos de investigação em pesquisa comportamental. (Trad. E.Otta & P.C.Gomide). São Paulo: Atlas, 2003.

LEWIN, M. Understanding Psychological Research. Malabar, FL.: Krieger Publishing Company, 1977.

MCGUIGAN, F. H. Psicologia Experimental – uma abordagem metodológica. São Paulo: EPU/EDUSP, 1976*.

SEIDL DE MOURA, M.L., & FERREIRA, M.C. Projetos de pesquisa:

Elaboração, redação e apresentação. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2005.

TROCHIM, W., & DONNELLY, J. The Research Methods Knowledge Base (3ed.). Incline Village, NV: Atomic Dog Publishing, 2006.

11

BIBLIOGRAFIA ESPECÍFICA

Artigos de periódicos científicos, relacionados à temática dos projetos conduzidos com a participação dos alunos, a cada oferta da disciplina, para cada turma (a ser especificado no NEXOS a cada oferta).

ESTÁGIO BÁSICO EM PESQUISA PSICOLÓGICA 3 (3º. semestre)

OBJETIVOS GERAIS

I. Utilizar conhecimento científico disponível em estudos desenvolvidos por meio de pesquisas descritivas, acerca de objetos de pesquisa propostos, em relação a critérios da Ciência para produção de conhecimento, para compreensão de fenômenos de interesse, delimitação de perguntas de pesquisa e análise de dados obtidos em estudos científicos;

II. Utilizar com competência delineamentos de pesquisas descritivas, de acordo com requisitos da ciência para produção de conhecimento.

Objetivos Específicos

1. Analisar criticamente pesquisas científicas em suas etapas e componentes, a partir de referenciais normativos, legais e éticos;

2. Identificar e caracterizar os tipos de pesquisas descritivas: estudos de observação naturalística, levantamentos de dados/survey, estudos correlacionais, estudos de caso, documental, etc;

3. Justificar opções metodológicas por delineamentos na realização de pesquisas descritivas;

4. Utilizar os diferentes meios de divulgação científica (impresso e digital) para localizar conhecimento psicológico disponível, no desenvolvimento de pesquisas e intervenções profissionais;

5. Justificar a pergunta de um determinado projeto, a partir de diferentes circunstâncias (conhecimento sistematizado, necessidades sociais, etc.);

6. Planejar estratégias para responder perguntas de pesquisa, considerando natureza das perguntas, conhecimento disponível em relação a método e recursos disponíveis para produzir respostas a estas questões;

12

7. Elaborar procedimentos e instrumentos de coleta de dados para pesquisa descritiva (roteiros de observação e de entrevista, escalas, questionários, inventários, etc.).

Planejar procedimentos de análise descritiva e inferencial de dados de pesquisa descritiva (análise de conteúdo, categorização, triangulação de dados, testes estatísticos).

EMENTA

Modalidades de pesquisa em Psicologia; Questões e objetivos de pesquisa na investigação psicológica; Critérios para julgamento de investigações científicas; Variáveis na pesquisa psicológica: variáveis, construtos e indicadores; Hipóteses na pesquisa psicológica: correlacionais e comparativas; Pesquisas descritivas: estudos de observação naturalística, levantamentos de dados/survey, estudos correlacionais, estudos de caso, documental; Procedimentos de coleta e análise de dados de pesquisa descritiva; Ética na pesquisa com sujeitos humanos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Rio de Janeiro: Persona, 1977.

BOGDAN, R. C., & BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação:

uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

COZBY, P.C. Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. SãoPaulo: Editora Atlas, 2003

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo: Atlas, 1987

KERLINGER, F.N. Metodologia da pesquisa em ciências sociais. São Paulo, E.P.U/Edusp, 1980.

LEWIN, M. Understanding psychological research: the student researcher handbook. Florida: Krieger Publishing Company, 1987.

13

PASQUALI, L. (Org.) Teoria e métodos da medida em ciências do comportamento. Brasília : INEP , 1996

Dialógos

metodológicos sobre a prática de pesquisa. Ribeirão Preto: Legis

Summa, 1998.

ROMANELLI, G. & BIASOLI-ALVES, Z.M.M. (Orgs.).

SEIDL DE MOURA, M.L., & FERREIRA, M.C. Projetos de pesquisa:

elaboração, redação e apresentação. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2005.

SIGELMANN, E. Tipos de pesquisa: aspectos metodológicos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 1984, 36(3), 141-155.

TROCHIM, W., & DONNELLY, J. The Research methods knowledge base (3ed.). Incline Village, NV: Atomic Dog Publishing, 2006.

WADELEY, A. Ethics in psychological research and practice. Lecester:

BPS Books,1991.

BIBLIOGRAFIA ESPECÍFICA

Artigos de periódicos científicos, relacionados à temática dos projetos conduzidos com a participação dos alunos, a cada oferta da disciplina, para cada turma (a ser especificado no NEXOS a cada oferta).

ESTÁGIO BÁSICO EM PESQUISA 4 (4º. semestre)

OBJETIVOS GERAIS

I. Utilizar conhecimento científico disponível em estudos desenvolvidos por meio de pesquisas descritivas, acerca de objetos de pesquisa propostos, em relação a critérios da Ciência para produção de conhecimento, para compreensão de fenômenos de interesse, delimitação de perguntas de pesquisa e análise de dados obtidos em estudos científicos;

II. Utilizar com competência delineamentos de pesquisas descritivas, de acordo com requisitos da ciência para produção de conhecimento.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Avaliar conhecimento produzido no âmbito da Ciência, em função de critérios próprios do método científico, de modo a identificar potencial e limitações destes produtos em função do atendimento a estes critérios no processo de produção de conhecimento;

14

2. Realizar atividades de pesquisa correspondentes às etapas do processo de produção de conhecimento considerando exigências do método da ciência, bem como o contexto em que estas atividades se desenvolvem;

3. Fazer uso apropriado de delineamentos de pesquisas descritivas ao desenvolver atividades de pesquisa em Psicologia;

4. Coletar dados e informações relevantes à investigação por meio de observações, questionários e entrevistas, conforme natureza das informações a serem coletadas, fontes e recursos disponíveis;

5. Organizar dados e informações coletadas sob controle das razões pelas quais esta atividade é relevante no processo de produção de conhecimento;

6. -Analisar dados e informações coletadas sob controle das razões pelas quais esta atividade é relevante no processo de produção de conhecimento, em função da natureza das informações, recursos disponíveis, perguntas e objetivos da pesquisa e conhecimento disponível sobre os fenômenos e processos relacionados à pesquisa;

7. Aplicar procedimentos de análise descritiva e inferencial de dados de pesquisa descritiva (análise de conteúdo, categorização, triangulação de dados, testes estatísticos);

8. Comunicar o conhecimento produzido, em veículos apropriados ao tipo de conhecimento produzido e população-alvo pretendida.

EMENTA

A pesquisa descritiva em Psicologia: vantagens e limitações A pesquisa descritiva: requisitos científicos e éticos As técnicas de coleta dados: observações, entrevistas, questionários e escalas Procedimentos de análise descritiva e inferencial de dados de pesquisa descritiva ( análises de conteúdo, de discurso, triangulação, testes estatísticos, etc). O relato de estudos descritivos

15

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Rio de Janeiro: Persona, 1977.

BOGDAN, R. C., & BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação:

uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

COZBY, P.C. Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. SãoPaulo: Editora Atlas, 2003.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo: Atlas, 1987.

KERLINGER, F.N. Metodologia da pesquisa em ciências sociais. São Paulo, E.P.U/Edusp, 1980.

LEWIN, M. Understanding psychological research: the student researcher handbook. Florida: Krieger Publishing Company, 1987.

PASQUALI, L. (Org.) Teoria e métodos da medida em ciências do comportamento. Brasília : INEP, 1996.

ROMANELLI, G. & BIASOLI-ALVES, Z.M.M. (Orgs.). Dialógos

Metodológicos sobre a prática de pesquisa. Summa, 1998.

Ribeirão Preto: Legis

SEIDL DE MOURA, M.L., & FERREIRA, M.C. Projetos de pesquisa:

Elaboração, redação e apresentação. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2005.

SIGELMANN, E. Tipos de pesquisa: aspectos metodológicos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 1984, 36(3), 141-155.

TROCHIM, W., & DONNELLY, J. The Research Methods Knowledge Base (3ed.). Incline Village, NV: Atomic Dog Publishing, 2006.

WADELEY, A. Ethics in psychological research and practice. Lecester:

BPS Books, 1991.

BIBLIOGRAFIA ESPECÍFICA

Artigos de periódicos científicos, relacionados à temática dos projetos conduzidos com a participação dos alunos, a cada oferta da disciplina, para cada turma (a ser especificado no NEXOS a cada oferta).

16

Conjunto de disciplinas correspondentes ao desenvolvimento de monografia, sob orientação de docentes do Departamento de Psicologia

ESTÁGIO

ESPECÍFICO

EM

PESQUISA

PSICOLÓGICA

1

(5º.

semestre)

OBJETIVO GERAL

Diante de temas, situações ou aspectos da realidade de interesse e de conhecimento existente relativo a estes temas, bem como de condições disponíveis para desenvolvimento de pesquisa no contexto em que será conduzida, delimitar pergunta(s) de pesquisa e/ou objetivos correspondentes a tais perguntas, para elaboração de projeto, devidamente justificadas em termos de relevância social e científica e viável(eis) para as condições práticas existentes.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Delimitar o tema ou objeto de investigação;

2. Realizar levantamento bibliográfico pertinente ao tema/objeto do estudo, nas diferentes fontes de conhecimento disponível, de modo a identificar lacunas e avanços do conhecimento em relação a este tema/objeto;

3. Identificar partes de um projeto de pesquisa;

4. Delimitar pergunta(s) de pesquisa correspondentes a lacunas no conhecimento que sejam relevantes do ponto de vista social e científico e viáveis para as condições de desenvolvimento do trabalho no curso;

5. Justificar relevância científica e social de pergunta(s) de pesquisa delimitada(s);

6. Elaborar apresentação da(s) pergunta(s) de pesquisa proposta(s) e objetivos correspondentes a estas perguntas, em relação ao conhecimento existente, de modo a evidenciar suposições presentes (conceitos, conhecimento disponível que sustente as perguntas de pesquisa, hipóteses, pressupostos etc), relevância social e científica do trabalho a ser desenvolvido;

17

7. Elaborar esquema para construção de introdução de projeto de pesquisa;

8. Consultar base de dados para levantamento bibliográfico;

9. Fichar e resumir textos para citações;

10. Organizar referências de acordo com normas em vigor;

11. Construir

textos

articulando

extraídas da literatura;

idéias

próprias

e

12. Formatar textos no computador.

EMENTA

informações

Delimitação de pergunta de pesquisa como controle sobre o processo de conhecer Levantamento bibliográfico como condição para identificar lacunas e delimitar perguntas de pesquisa Apresentação de pergunta(s) de pesquisa e sua relação com o conhecimento (relevância científica e sustentação conceitual e empírica de perguntas de pesquisa) Relevância social potencial de investigações direcionadas pela pergunta de pesquisa

BIBLIOGRAFIA GERAL

BOTOMÉ, S. P. Processos comportamentais básicos em metodologia de pesquisa: da delimitação do problema à coleta de dados. Caxias do Sul: Chronos, 1997.

CASTRO, L. Diseño experimental sin estadística. México: Trillas, 1976.

CONTANDRIOPOULOS, A P. , CHAMPAGNE, F., DENIS, J.L., & BOYLE, P. Saber preparar uma pesquisa: definição, estrutura e financiamento (2a. ed.). Ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

COZBY, P.C. Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. (Trad. P.I.C. Gomide & E. Otta). São Paulo: Atlas, 2003.

DANCEY, C.P. , & REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia:

Usando SPSS para windows. Porto Alegre: Artmed, 2006.

18

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo, Editora Atlas, 1985. 118p.

DENZIN, N. K., LINCOLN, Y. S. Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 2000.

DIANE, M. L., MILLROY, W.L., & PREISSLE, Y. The handbook of

qualitative research in Education. N.York: Academic Press, jan.

1992.

FERNÁNDEZ-BALLESTEROS, R. Introdución a la evalución psicologica. (Vol. 1). Madri: Ediciones Pirâmide, 1996.

GONZÁLES REY, F.L. Pesquisa qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo, Pioneira, 2002.

GONZALES REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira, 2005.

LEFÉVRE, F. e LEFÉVRE, A. M. O discurso do sujeito coletivo: uma abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. São Paulo:

EDUCS, 2005.

LEONG, F.T.L., & AUSTIN, J.T. The psychology research: A guide for graduate students and research assistants. Thousand Oaks. Sage, 1996.

LEWIN, M. Understanding psychological Research, 1979.

LUDKE, M., & ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. (Temas Básicos de educação e Ensino) São Paulo: EPU, 1986. 99p.

LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa. São Paulo, EDUC, 1996.

MILES, M. B., & HUBERMAN, M. Qualitative data analysis: An expanded sourcebook (2nd Edition) . New York: Sage Publications, 1994.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec,

2004.

19

NEUMAN, W.L. Social research methods: Qualitative and quantitative approachs. (5a. ed.). Boston: Pearson Education, 2003.

PEREIRA, J. C. R. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

REZENDE, A.L.M. Saúde: dialética do pensar e do fazer. São Paulo:

Cortez, 1989.

SEIDL DE MOURA, M. L.& FERREIRA, M.C. Projetos de pesquisa:

Elaboração, redação e apresentação. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2005.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico (20a. ed.). São Paulo: Cortez, 1996.

SIDMAN, M. Táticas da pesquisa científica. São Paulo: Brasiliense, 1976.

SIEGEL, S., & CASTELLAN JR., J. Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed, 2006.

TROCHIM, W., & DONNELLY, J. The research methods knowledge base (3ed.). Incline Village, NV: Atomic Dog Publishing, 2006.

ESTÁGIO

ESPECÍFICO

EM

PESQUISA

PSICOLÓGICA

2

(6º.

semestre)

OBJETIVOS GERAIS

I. Diante de características da(s) pergunta(s) de pesquisa delimitada(s), dos recursos disponíveis no contexto em que será desenvolvida e das possibilidades de método para desenvolvimento de pesquisa, definir método por meio do qual deverão ser respondidas as perguntas de pesquisa, de forma compatível com a natureza das perguntas propostas e de acordo com requisitos científicos capazes de garantir grau máximo possível de controle sobre o processo de produção de conhecimento;

II. Diante de perguntas de pesquisa devidamente justificadas em sua relevância científica e social e de definições sobre método a ser implementado para responder a estas perguntas, elaborar projeto de pesquisa que inclua apresentação das perguntas de pesquisa e/ou objetivos, justificativa de relevância, suposições subjacentes à pergunta

20

e ao método, método de pesquisa a ser implementado incluindo informações sobre fontes de dados a serem utilizadas, procedimentos e instrumentos para coleta e análise de dados (empíricos ou conceituais), providências éticas cabíveis e, sendo o caso, delineamento de pesquisa a ser utilizado.

III. Submeter o projeto a

um

Comitê

de

Ética

em

Pesquisa

correspondente à natureza do estudo.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 

1. Definir

aspectos

metodológicos

para responder

às

perguntas

propostas ou atender aos objetivos formulados:

a. Examinar aspectos relativos a método na literatura sobre

método de pesquisa em Ciência;

b. Examinar as vantagens e limitações dos delineamentos e

técnicas de coleta de dados que se mostram adequados para o encaminhamento da pergunta de pesquisa, se a pesquisa for empírica, e sobre o material bibliográfico a ser examinado, se a pesquisa for de natureza teórica;

c. Tomar decisões relativas a participantes, delineamento e

técnicas de coleta, material/instrumentos de coleta, procedimento e tratamento estatístico dos dados, se a pesquisa for empírica, e sobre as etapas de análise do material bibliográfico, se a pesquisa for de natureza teórica.

2. Elaborar a primeira versão completa de seu projeto de pesquisa

a. Fazer revisão bibliográfica abrangente concernente ao tema de pesquisa selecionado;

b. Completar e aperfeiçoar a descrição do quadro conceitual

relativo ao tema ou objeto escolhido;

c. Definir a(s) questão(ões) definitivas que deverão ser respondidas com o estudo e os objetivos correspondentes a estas perguntas;

d. Descrever os aspectos metodológicos (como os dados serão

coletados, no caso de pesquisa empírica, ou como planeja

21

conduzir a análise conceitual, no caso de projeto de pesquisa teórica);

e. Organizar o documento correspondente ao projeto de pesquisa

a ser implementado, incluindo informações necessárias para apreciação pelo Comitê de Ética da UFSCar, no caso de pesquisas com seres humanos;

f. Encaminhar documentação necessária para apreciação pelo Comitê de Ética da UFSCar.

EMENTA

Definição dos aspectos metodológicos do projeto de pesquisa

Elaboração de projeto de pesquisa

BIBLIOGRAFIA GERAL

BOTOMÉ, S. P. Processos comportamentais básicos em metodologia de pesquisa: da delimitação do problema à coleta de dados. Caxias do Sul: Chronos, 1997.

CASTRO, L. Diseño experimental sin estadística. México: Trillas, 1976.

CONTANDRIOPOULOS, A P. , CHAMPAGNE, F., DENIS, J.L., & BOYLE, P. Saber preparar uma pesquisa: definição, estrutura e financiamento (2a. ed.). Ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

COZBY, P.C. Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. (Trad. P.I.C. Gomide & E. Otta). São Paulo: Atlas, 2003.

DANCEY, C.P. , & REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia:

Usando SPSS para windows. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo, Editora Atlas, 1985. 118p.

DENZIN, N. K., LINCOLN, Y. S. Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 2000.

DIANE, M. L., MILLROY, W.L., & PREISSLE, Y. The handbook of qualitative research in Education. N.York: Academic Press, jan.

1992.

22

FERNÁNDEZ-BALLESTEROS, R. Introdución a la evalución psicologica. (Vol. 1). Madri: Ediciones Pirâmide, 1996.

GONZÁLES REY, F.L. Pesquisa qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo, Pioneira, 2002.

GONZALES REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira, 2005.

LEFÉVRE, F. e LEFÉVRE, A. M. O discurso do sujeito coletivo: uma abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. São Paulo:

EDUCS, 2005.

LEONG, F.T.L., & AUSTIN, J.T. The psychology research: A guide for graduate students and research assistants. Thousand Oaks. Sage, 1996.

LEWIN, M. Understanding psychological Research, 1979.

LUDKE, M., & ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. (Temas Básicos de educação e Ensino) São Paulo: EPU, 1986. 99p.

LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa. São Paulo, EDUC, 1996.

MILES, M. B., & HUBERMAN, M. Qualitative data analysis: An expanded sourcebook (2nd Edition) . New York: Sage Publications, 1994.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec,

2004.

NEUMAN, W.L. Social research methods: Qualitative and quantitative approachs. (5a. ed.). Boston: Pearson Education, 2003.

PEREIRA, J. C. R. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

REZENDE, A.L.M. Saúde: dialética do pensar e do fazer. São Paulo:

Cortez, 1989.

SEIDL DE MOURA, M. L.& FERREIRA, M.C. Projetos de pesquisa:

23

Elaboração, redação e apresentação. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2005.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico (20a. ed.). São Paulo: Cortez, 1996.

SIDMAN, M. Táticas da pesquisa científica. São Paulo: Brasiliense, 1976.

SIEGEL, S., & CASTELLAN JR., J. Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed, 2006.

TROCHIM, W., & DONNELLY, J. The research methods knowledge base (3ed.). Incline Village, NV: Atomic Dog Publishing, 2006.

ESTÁGIO

ESPECÍFICO

EM

PESQUISA

PSICOLÓGICA

3

(7º.

semestre)

OBJETIVOS GERAIS

Diante de definições metodológicas presentes no projeto de pesquisa e das condições concretas em que será desenvolvido:

a. implementar o plano de análise conceitual previamente

definido, no caso de pesquisa teórica, de modo compatível com a

previsão original ou com ajustes que venham a se evidenciar necessários no processo de desenvolvimento do trabalho;

b. implementar a coleta e análise de dados do projeto de

pesquisa, no caso de pesquisa empírica, de modo compatível com projeto elaborado ou com ajustes que venham a se evidenciar como necessários no processo de desenvolvimento do trabalho, com dados organizados de acordo com os objetivos propostos para o trabalho.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Elaborar instrumentos de coleta de dados;

2. Testar instrumentos de coleta de dados;

3. Coletar os dados da pesquisa conforme plano estabelecido;

4. Tabular dados;

24

6. Elaborar recursos para apresentação de dados;

7. Descrever dados organizados, de modo a destacar relações entre dados, relação de dados com objetivos do trabalho, com o conhecimento disponível.

EMENTA

Coleta de dados em função de projeto de pesquisa elaborado; Organização de dados: procedimentos e recursos para apresentação de dados;Tratamento de dados para análise.

BIBLIOGRAFIA GERAL

BOTOMÉ, S. P. Processos comportamentais básicos em metodologia de pesquisa: da delimitação do problema à coleta de dados. Caxias do Sul: Chronos, 1997.

CASTRO, L. Diseño experimental sin estadística. México: Trillas, 1976.

CONTANDRIOPOULOS, A P. , CHAMPAGNE, F., DENIS, J.L., & BOYLE, P. Saber preparar uma pesquisa: definição, estrutura e financiamento (2a. ed.). Ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

COZBY, P.C. Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. (Trad. P.I.C. Gomide & E. Otta). São Paulo: Atlas, 2003.

DANCEY, C.P. , & REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia:

Usando SPSS para windows. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo, Editora Atlas, 1985. 118p.

DENZIN, N. K., LINCOLN, Y. S. Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 2000.

DIANE, M. L., MILLROY, W.L., & PREISSLE, Y. The handbook of

qualitative research in Education. N.York: Academic Press, jan.

1992.

FERNÁNDEZ-BALLESTEROS, R. Introdución a la evalución psicologica. (Vol. 1). Madri: Ediciones Pirâmide, 1996.

25

GONZÁLES REY, F.L. Pesquisa qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo, Pioneira, 2002.

GONZALES REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira, 2005.

LEFÉVRE, F. e LEFÉVRE, A. M. O discurso do sujeito coletivo: uma abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. São Paulo:

EDUCS, 2005.

LEONG, F.T.L., & AUSTIN, J.T. The psychology research: A guide for graduate students and research assistants. Thousand Oaks. Sage, 1996.

LEWIN, M. Understanding psychological Research, 1979.

LUDKE, M., & ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. (Temas Básicos de educação e Ensino) São Paulo: EPU, 1986. 99p.

LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa. São Paulo, EDUC, 1996.

MILES, M. B., & HUBERMAN, M. Qualitative data analysis: An expanded sourcebook (2nd Edition) . New York: Sage Publications, 1994.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec,

2004.

NEUMAN, W.L. Social research methods: Qualitative and quantitative approachs. (5a. ed.). Boston: Pearson Education, 2003.

PEREIRA, J. C. R. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

REZENDE, A.L.M. Saúde: dialética do pensar e do fazer. São Paulo:

Cortez, 1989.

SEIDL DE MOURA, M. L.& FERREIRA, M.C. Projetos de pesquisa:

Elaboração, redação e apresentação. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2005.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico (20a. ed.). São Paulo: Cortez, 1996.

26

SIDMAN, M. Táticas da pesquisa científica. São Paulo: Brasiliense, 1976.

SIEGEL, S., & CASTELLAN JR., J. Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed, 2006.

TROCHIM, W., & DONNELLY, J. The research methods knowledge base (3ed.). Incline Village, NV: Atomic Dog Publishing, 2006.

ESTÁGIO

ESPECÍFICO

EM

PESQUISA

PSICOLÓGICA

4

(8º.

semestre)

OBJETIVO GERAL

Diante de projeto elaborado inicialmente, dos ajustes realizados em relação às propostas sobre método, constantes do projeto, dos dados obtidos, da literatura disponível em relação aos objetos do trabalho e normas de publicação selecionada, elaborar relatório final, de modo a garantir apresentação de perguntas ou objetivos que puderam ser efetivamente respondidos a partir do trabalho desenvolvido, justificativas de sua relevância social e científica, suposições subjacentes ao desenvolvimento do trabalho, descrição rigorosa de aspectos do método relevantes de modo a garantir possibilidade de replicação (no caso de estudos empíricos) e permitir avaliação de limites e contribuições dos resultados alcançados, resultados obtidos em relação aos objetivos propostos representados de acordo com as características destes dados, articulação com o conhecimento disponível sobre os objetos relevantes para o trabalho em questão, exame das limitações e contribuições do trabalho do ponto de vista social e científico e necessidades e perspectivas de continuidade a partir dos resultados alcançados.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Concluir o plano de análise conceitual, no caso de pesquisa teórica, e a coleta e análise de dados do projeto individual de pesquisa, no caso de pesquisa empírica;

2. Revisar a introdução do trabalho em função dos dados obtidos e respectiva análise ou da forma que a análise conceitual estiver assumindo;

27

3. Elaborar interpretação dos dados em função dos objetivos do trabalho, conhecimento disponível, limitações metodológicas observadas, contribuições oferecidas e perspectivas de continuidade;

4. Elaborar a seção de discussão do trabalho;

5. Organizar a monografia no formato definido para esta finalidade;

6. Análise e interpretação de dados;

7. Revisão bibliográfica;

8. Redação do relatório de pesquisa.

BIBLIOGRAFIA GERAL

BOTOMÉ, S. P. Processos comportamentais básicos em metodologia de pesquisa: da delimitação do problema à coleta de dados. Caxias do Sul: Chronos, 1997.

CASTRO, L. Diseño experimental sin estadística. México: Trillas, 1976.

CONTANDRIOPOULOS, A P. , CHAMPAGNE, F., DENIS, J.L., & BOYLE, P. Saber preparar uma pesquisa: definição, estrutura e financiamento (2a. ed.). Ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

COZBY, P.C. Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. (Trad. P.I.C. Gomide & E. Otta). São Paulo: Atlas, 2003.

DANCEY, C.P. , & REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia:

Usando SPSS para windows. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo, Editora Atlas, 1985. 118p.

DENZIN, N. K., LINCOLN, Y. S. Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 2000.

DIANE, M. L., MILLROY, W.L., & PREISSLE, Y. The handbook of

qualitative research in Education. N.York: Academic Press, jan.

1992.

28

FERNÁNDEZ-BALLESTEROS, R. Introdución a la evalución psicologica. (Vol. 1). Madri: Ediciones Pirâmide, 1996.

GONZÁLES REY, F.L. Pesquisa qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo, Pioneira, 2002.

GONZALES REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira, 2005.

LEFÉVRE, F. e LEFÉVRE, A. M. O discurso do sujeito coletivo: uma abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. São Paulo:

EDUCS, 2005.

LEONG, F.T.L., & AUSTIN, J.T. The psychology research: A guide for graduate students and research assistants. Thousand Oaks. Sage, 1996.

LEWIN, M. Understanding psychological Research, 1979.

LUDKE, M., & ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. (Temas Básicos de educação e Ensino) São Paulo: EPU, 1986. 99p.

LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa. São Paulo, EDUC, 1996.

MILES, M. B., & HUBERMAN, M. Qualitative data analysis: An expanded sourcebook (2nd Edition) . New York: Sage Publications, 1994.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec,

2004.

NEUMAN, W.L. Social research methods: Qualitative and quantitative approachs. (5a. ed.). Boston: Pearson Education, 2003.

PEREIRA, J. C. R. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

REZENDE, A.L.M. Saúde: dialética do pensar e do fazer. São Paulo:

Cortez, 1989.

SEIDL DE MOURA, M. L.& FERREIRA, M.C. Projetos de pesquisa:

Elaboração, redação e apresentação. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2005.

29

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico (20a. ed.). São Paulo: Cortez, 1996.

SIDMAN, M. Táticas da pesquisa científica. São Paulo: Brasiliense, 1976.

SIEGEL, S., & CASTELLAN JR., J. Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed, 2006.

TROCHIM, W., & DONNELLY, J. The research methods knowledge base (3ed.). Incline Village, NV: Atomic Dog Publishing, 2006.

OBSERVAÇÃO: Há um conjunto de disciplinas correspondentes ao desenvolvimento de monografia sob orientação de docentes do Departamento de Filosofia e Metodologia da Ciência; embora os planos referentes às disciplinas deste conjunto existentes na grade implantada já tenham sido revisados por docentes do departamento responsável, estas propostas não foram ainda apreciadas pelos Conselhos Departamental da Psicologia e de Coordenação de Curso.

30

Vertente Intervenção (Atuação profissional) da ênfase: Disciplinas Serviço e Intervenção em Psicologia 1 e 2; Estágio Básicos de Atuação em Psicologia 1 a 4; Estágios Específicos de Atuação em Psicologia 1 a 4

OBJETIVOS PARA A VERTENTE:

Observação: O objetivo descrito a seguir abrange toda a formação nesta vertente, e deverá constar dos planos de ensino de todas as disciplinas que fazem parte dela, ou seja, de Serviço e Intervenção em Psicologia 1 a 6, de Estágio 1 a 4. Este objetivo terminal, correspondente ao que é esperado do profissional psicólogo em relação à atuação profissional (intervenção), tem a finalidade de manter a visão de conjunto, mesmo quando são consideradas disciplinas específicas da vertente, que se referem a momentos específicos de formação para alcançar este resultado.

Objetivos gerais da vertente:

I. Diante de necessidades sociais no campo de atuação do psicólogo e de especificidades destas necessidades, de conhecimento disponível sobre processos e fenômenos psicológicos nas várias áreas de conhecimento, de recursos existentes para a atuação profissional com Psicologia nas condições específicas relacionadas a estas necessidades, intervir profissionalmente, de modo compatível com conhecimento disponível, opções teórico-metodológicas pessoais (desde que reconhecidas pelas instâncias responsáveis pela regulamentação da profissão) e leis ou normas em vigor para a profissão; com nível de atuação compatível com as necessidades a que se referem a intervenção, respeito às condições culturais dos envolvidos com a intervenção, melhora na capacidade de compreensão e uso autônomo do conhecimento psicológico por parte dos envolvidos na intervenção, avanço na qualidade de vida dos envolvidos na intervenção, e de forma integrada, no grau máximo possível, com outros profissionais e com a população em situação de intervenção;

II. Em toda e qualquer situação em que entre em contato com atuação profissional em Psicologia, e considerando normas éticas, técnicas e legais para a atuação deste tipo de profissional, zelar pela qualidade da prática profissional em psicologia de modo a promover

31

confiabilidade da sociedade em relação a este campo de atuação e atendimento apropriado a necessidades sociais no campo da Psicologia do ponto de vista técnico, ético e legal.

SERVIÇO E INTERVENÇÃO EM PSICOLOGIA 1 (1º. SEMESTRE) E SERVIÇO E INTERVENÇÃO EM PSICOLOGIA 2 (2º. SEMESTRE)

OBJETIVOS GERAIS

I. Identificar possibilidades de atuação do profissional psicólogo a partir de práticas existentes e necessidades sociais;

II. Identificar especificidades do trabalho do profissional psicólogo em diferentes situações, serviços e locais;

III. Identificar pressupostos e referenciais teóricos e metodológicos subjacentes às práticas de profissionais psicólogos;

IV. Respeitar a diversidade de pressupostos, referenciais, métodos e práticas científicas de profissionais psicólogos dentre aquelas reconhecidas científica e profissionalmente;

V. Examinar, criticamente, práticas de profissionais psicólogos do ponto de vista ético, de consistência conceitual, de normas técnicas e relevância social.

EMENTA

Psicologia: área do conhecimento, mercado de trabalho (ofertas existentes), campo de atuação (possibilidades de atuação) Níveis de atuação profissional Tipos de serviços em Psicologia: locais, problemas, clientela Objetivos pretendidos e objetivos atingidos na atuação profissional

32

ESTÁGIO BÁSICO DE ATUAÇÃO EM PSICOLOGIA 1 (3º. SEMESTRE) E ESTÁGIO BÁSICO DE ATUAÇÃO EM PSICOLOGIA 2 (4º. SEMESTRE)

OBJETIVOS GERAIS

É esperado que, ao acompanhar ou participar de projetos de serviço e intervenção propostos em qualquer área de atuação profissional em Psicologia, oferecidos e desenvolvidos de acordo com as normas e especificações do Serviço-Escola em Psicologia, da UFSCar, para atividades práticas de formação profissional no Curso de Graduação em Psicologia, os alunos sejam capazes de:

I. caracterizar ou conduzir os procedimentos de intervenção previstos nestes projetos de acordo com critérios a) técnicos estabelecidos pela área de atuação em particular e pela Psicologia em geral, b) éticos e c) legais, e

II. estabelecer relações entre a experiência prática específica que acompanha ou conduz e as possibilidades de atuação do psicólogo, bem como com as exigências éticas e legais para a profissão.

EMENTA:

Etapas de intervenção em Psicologia; Relação entre propostas de intervenção e problemas que deram origem a estas propostas; Aspectos relevantes em projetos de intervenção: procedimentos, instrumentos, critérios técnicos, éticos e legais nas situações concretas; Registro de atividades de intervenção: monitoramento; Avaliação de procedimentos de intervenção realizados.

33

ESTÁGIO BÁSICO DE ATUAÇÃO EM PSICOLOGIA 3 (5º. SEMESTRE) E ESTÁGIO BÁSICO DE ATUAÇÃO EM PSICOLOGIA 4 (6º. SEMESTRE)

OBJETIVOS GERAIS:

É esperado que, ao acompanhar ou participar de projetos de serviço e intervenção propostos em qualquer área de atuação profissional em Psicologia, oferecidos e desenvolvidos de acordo com as normas e especificações do Serviço-Escola em Psicologia, da UFSCar, para atividades práticas de formação profissional no Curso de Graduação em Psicologia, os alunos sejam capazes de:

I. Conduzir os procedimentos de intervenção previstos nestes projetos de acordo com critérios - a) técnicos estabelecidos pela área de atuação em particular e pela Psicologia em geral, b) éticos e c) legais;

II. Avaliar procedimentos de intervenção desenvolvidos;

III. Estabelecer relações entre a experiência prática específica que acompanha ou conduz e as possibilidades de atuação do psicólogo, bem como as exigências éticas e legais para a profissão.

EMENTA

Condução de intervenções em Psicologia; Relação intervenção e referenciais teóricos; Monitoramento de atividades de intervenção: registro, sistematização e análises de informações; Avaliação de intervenções em Psicologia: relação resultados e problema que deu origem.

34

ESTÁGIO ESPECÍFICO DE ATUAÇÃO EM PSICOLOGIA 1 (7º. semestre) e ESTÁGIO BÁSICO DE ATUAÇÃO EM PSICOLOGIA 2 (8º. semestre)

OBJETIVOS GERAIS:

I. Caracterizar necessidades sociais que podem ser atendidas com

proposição ou continuidade da intervenção em Psicologia (diagnosticar);

II. Propor intervenção em Psicologia compatível com necessidades

identificadas;

III. Conduzir intervenções propostas;

IV. Avaliar procedimentos de intervenção desenvolvidos;

V. Estabelecer relações entre a experiência de intervenção realizada e

possibilidades de atuação do psicólogo, bem como com exigências éticas e legais

EMENTA

Caracterização de problemas para intervenção em Psicologia; Propostas de intervenção; Fundamentação teórica de intervenções; Implementação de intervenção (administração de procedimentos, com coleta de dados); Avaliação de intervenções: problema a ser resolvido, objetivos propostos e perspectivas; Questões éticas na intervenção profissional.

35

ESTÁGIO ESPECÍFICO DE ATUAÇÃO EM PSICOLOGIA 3 (9º. semestre) e ESTÁGIO BÁSICO DE ATUAÇÃO EM PSICOLOGIA 4 (10º. semestre)

OBJETIVOS GERAIS

I. Caracterizar necessidade sociais que podem ou devem ser atendidas com proposição ou continuidade da intervenção ou serviço em Psicologia;

II. Propor intervenção ou serviço em Psicologia, compatível com necessidades identificadas;

III. conduzir intervenções propostas;

IV. Avaliar os procedimentos de intervenção desenvolvidos;

V. Avaliar o conjunto do Serviço em Psicologia oferecido;

VI. Estabelecer relações entre a experiência prática específica e

possibilidades de atuação do psicólogo, bem como com exigências éticas

e legais;

VII. Formular proposta de estruturação ou organização de serviço em Psicologia, em função das caracterizações de necessidades e das avaliações das intervenções.

EMENTA

Execução de etapas de intervenção: da caracterização do problema à avaliação da intervenção Análise conceitual de intervenções em Psicologia Proposta de serviço em Psicologia

Os objetivos específicos correspondentes às disciplinas que compõem a Vertente Intervenção encontram-se em processo de detalhamento

36

A BIBLIOGRAGIA A SEGUIR RESULTA DE UM LEVANTAMENTO DE OBRAS UTILIZADAS EM DIFERENTES PROJETOS CORRESPONDENTES A ESTAS DISCIPLINAS, SERVINDO COMO BASE PARA DEFINIÇÃO DE OBRAS A SEREM UTILIZADAS EM CADA TURMA, NA DEPENDÊNCIA DA TEMÁTICA OU CAMPO ESPECÍFICO DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL. NÃO FOI FEITA UMA ADEQUAÇÃO DESTA RELAÇÃO A NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE BIBLIOGRAFIA, PARA ESTE DOMENTO.

ABERASTURY, A. Adolescência. Porto Alegre: Artes Médicas, 1980.

ABRAPIA. Maus-tratos contra crianças e adolescentes: Proteção e prevenção: Guia de orientação para educadores. Petrópolis, RJ: Autores & Agentes Associados, 1997a.

ABRAPIA. Abuso sexual: Mitos e realidade. Petrópolis, RJ: Autores & Agentes Associados, 1997b.

ALMEIDA, C.G. Intervenções psicológicas para a melhoria da qualidade de vida. (org.). Campinas, SP: Papirus editora, 2003.

ALMEIDA, S. OMOTE e E.D.O. TANAKA (Orgs.). O papel da família junto ao portador de necessidades especiais. Coleção Perspectivas Multidisciplinares em Educação Especial, (6), (pp. 123-130). Londrina:

Eduel, 1990.

American Psychological Society. Reducing Violence: A research agenda. APS Observer, HCI Report 5, 1-22, 1997.

ANASTASI, A. & URBINA, S. Testagem psicológica. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

ANGERAMI, V. A. (org.) Psicologia Hospitalar. Traço Editora, 1984.

ANZIEU, D. Le groupe et l'inconscient - l'imaginaire groupal. Paris:

Dunond, 1984.

APA-American Psychiatric Association .Diagnostic and Statistical Manual and Mental Disorders (DSM IV). Washington, DC: APA, 1994.

APOLINÁRIO FILHO, Psicoterapia Breve na Instituição Hospitalar. Em:

Oliveira & Ismael (Orgs.). Rumos da Psicologia Hospitalar em Cardiologia. Campinas, Papirus, 1995.

37

ARANTES,M.A.; FERRAZ,F.C.& VOLICH,R.M. Psicossoma 2.São Paulo:

Casa do Psicólogo, 1998.

ARRUDA, P. M. & ZANNON, C. M. L. C. Tecnologia comportamental em

saúde - adesão ao tratamento pediátrico da doença crônica:

evidenciando o desafio enfrentado pelo cuidador. São Paulo: ESETec,

2002.

AQUINO, J.G. ?Alunos-problema? Versus alunos diferentes:avesso e direito da escola democrática pró-posições. Campinas: UNICAMP, v.12, n.2-3, 2001, p.91-108.*

AQUINO, J.G. Incerto lugar da psicologia na educação - Diálogos com educadores: o cotidiano escolar interrogado. São Paulo: Moderna, 2002,

p.111-25.

ARÁN, M. Os destinos da diferença sexual na cultura contemporânea Estudos Feministas, Florianópolis, 11(2): 360, p. 399-422, 2003.

ARZENO, M.E.G. Psicodiagnóstico clínico ? Novas contribuições. Porto Alegre: ArtMed, 1995.

AYLLON, T. & AZRIN, N.H. O emprego de fichas-vale em hospitais psiquiátricos: um sistema motivacional para terapia e reabilitação. São Paulo: EPU/EDUSP,1974.

AZEVEDo, M.A. & GUERRA, V.A. A violência na infância e na adolescência. São Paulo: Robe, 1995.

BALLONE,G.J.; NETO,B.P.& ORTOLANI,I,V. Da emoção à lesão: um guia de medicina psicossomática. Barueri: Manole, 2002.

BANACO, R.A. (Org.) Sobre Comportamento e Cognição. Arbytes Editora, 1997.

Santo André:

BANACO, R.A. e outros. Contemporary challenges in the behavioral approach. Santo André, SP: ESETec, 2004.

BARKER, C., PISTRANG, N., & ELLIOT, R. Research methods in clinical and counselling psychology. N.Y.: John Wiley & Sons, 1994.

BARNETT, D. The effects of early intervention on maltreating parents and their children. In Guralnick, M.J (Org.) The effectiveness of early intervention. Baltimore: Paul H. Brookes, 1997.

38

BECK, J.S. Terapia Cognitiva: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed,

1997.

BELLACK, A.S. & HERSEN, M. Research methods in clinical psychology. New York: Pergamon Press, 1984.

BERGIN, A.E. & GARFIELD, S.L. Handbook of psychotherapy and behavior change. (4a edição). N.Y.: Jonh Wiley & Sons, 1994.

BION, W.R. Experiências com grupos. Rio de Janeiro: Imago, São Paulo:

Editora da Universidade de São Paulo, 1975.

BIRCHWOOD, M., FOWLER, D., & JACKSON, C. Early intervention in Psychosis. West Sussex, England: John Wiley & Sons, 2001.

BLAKE, D.D. & Sonnenber, R.T. Outcome research on behavioral and cognitive-behavioral treatments for trauma survivors. (15-47). Em V.M. Folette, Ruzek, J.I. & Abueg, F.R.(Orgs.) Cognitive-Behavior Therapies for Trauma. New York: The Guilford Press, 1998.

BLANCK, G. & BLANCK, R. Ego Psychology - theory and practise. USA:

Columbia University, 1993.

BLEGER, J. Temas em Psicologia - entrevista e grupos. 7a. reimpressão. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

BLEGER, J. Psico-higiene e psicologia institucional. Porto Alegre:

Artmed, 2003.

BOCK, A. M. B. & FURTARDO, O. & Teixeira, M. L. T. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva, 5ª ed. 1993.

BOCK, A. M. B. & GONÇALVES, M. G. & FURTADO, O. Psicologia sócio- histórica: uma perspectiva crítica em Psicologia. São Paulo: Cortez Editora. 2001.

BOTOMÉ, S.P. Em busca de perspectivas para a psicologia como área de conhecimento e copmo campo profissional. Em: Quem é o psicólogo Brasileiro? Conselho Federal de Psicologia (Org.). Edicon, EDUC e Scientia e Labor (Editora da UFPR), 1988.

39

BOTOMÉ, S.P. (1987) Um procedimento para identificação de

alternativas de atuação profissional em psicologia. Psicologia, 13(2), 51-

71.

BRANCALHONE, P.G. & WILLIAMS, L.C.A. Crianças expostas à violência conjugal: Uma revisão de área. Em M.C. Marquezine, M.A, 2003.

BRANDÃO, M.Z.S., CONTE, F.C.S., & MEZARROBA, S.M.B. Comportamento humano: tudo (ou quase tudo) que você gostaria de

saber para viver melhor. Santo André, SP: ESETec Editores Associados,

2002.

BRENNER, C. Noções de Psicanálise: Introdução à Psicologia Psicanalítica. Imago, 1975.

BRINO, R.F. & WILLIAMS, L.C.A. Concepções da professora acerca do abuso sexual infantil. Cadernos de Pesquisa, 119, 113-128, 2003.

BRINO, R.F. & WILLIAMS, L.C.A. Capacitação do educador acerca do abuso sexual infantil. Revista Interação, 7 (2), 1-10, 2004.

BROCKA, B. & BROCKA, M.S. Gerenciamento da qualidade. Makron Books: São Paulo, 1992.

BRUSCATO, W. L.; BENEDETTI, C.; LOPES. S. R. A. (Orgs.). A prática da psicologia hospitalar na Santa Casa de São Paulo: novas páginas em uma antiga história. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

BUCK, J.N. H-T-P: Casa-árvore-pessoa, técnica projetiva de desenho - Manual e guia de interpretação. São Paulo: Vetor, 2003.

BUNCHAFT, G. & CAVAS, C.S.T. Sob medida: Um guia sobre a elaboração de medidas do comportamento e suas aplicações. São Paulo:

Vetor, 2002.

BUSSE, E.W; BLAZER, D.G. Psiquiatria geriátrica. Porto Alegre: ArtMed,

1999.

CABALLO, V. E. (Org.). Manual para o Tratamento Cognitivo Comportamental dos Transtornos Psicológicos. São Paulo. Livraria Santos Editora, 1996.

CABALLO, V.E. (Org.). Manual de Técnicas de Terapia e Modificação de

40

Comportamento. OMS . São Paulo: Livraria Editora Santos, 1996.

CAMON, V. A.A. E a Psicologia entrou no Hospital

1996.

São

Paulo: Pioneira,

CAMPOS, T.C.P. Psicologia Hospitalar: a atuação do psicólogo em hospitais. São Paulo: EPU, 1995.

CAPLAN, G. Princípios de Psiquiatria Preventiva. Rio de Janeiro - Zahar Editores, 1980.

CASTILHO, S. M. A imagem corporal. Santo André, SP: ESETec. Cautela, J. R. & Ishaq, W. (1996). Contemporary Issues in Behavior Therapy: Improving the Human Condition. NY: Plenum Press, 2001.

CATANIA, A. C. Aprendizagem: comportamento, linguagem e cognição.(4ª edição). Porto Alegre: Artmed, 1999.

CELINSKY, L. Recursos humanos: Roteiros e instrumentos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CHANG, E.C., D., ZURILLA, T.J. & SANNA, L.J. Solving Problem Solving:

theory, research, and training, 2004.

CHASSEGUET-SMIRGEL, J.& GRUNBERGER, B. (Org). Les Psychoses: la perte de la réalité. Paris: Tchou Ed., 1980.

CHAVES, A.M. O fenômeno psicológico como objeto de estudo transdisciplinar. Psicologia: Reflexão e Critica, 2005. [URL:http//www.escielo.br]

CHIAVENATTO, I. Como transformar Recursos Humanos (de um centro de despesa) em um centro de lucro. São Paulo, Makron Books, 2000.

CHRISTOPHERSEN, E.R. & MORTWEET, S.L. Parenting that works. Washington, D.C.: American Psychological Association, 2003.

CIA, F., WILLIAMS, L.C.A. e AIELLO, A.L.R. Intervenção focada na família: Um estudo de caso com mãe adolescente e criança de risco. Revista Brasileira de Educação Especial, 11, (1), 49-66, 2005.

CID-10 Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

41

CID-10 Casos Clínicos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA - Desafios éticos Brasilia, CFM,

1993.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA - Quem é o Psicólogo Brasileiro? SP, Edicon, 1988

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (CFP) Psicólogo Brasileiro:

Construção de novos espaços. Ana Lúcia Francisco, Carolina de Rocio

Klomfahs, Nádia Mátria Dourado Roca (Org.) Campinas: Editora Átomo,

1992.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (CFP) Psicólogo Brasileiro:

Práticas emergentes e desafios para a formação. Rosemary Achacar (Org.). São Paulo: Casa do Psicólogo, 1994. 2ª ed.

CONSELHO FEDERAL DE PISCOLOGIA - Código de Ética Profissional do Psicólogo, resolução 010/05.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA, 6a Região (Org.). Psyche:

quatro abordagens em psicoterapia. São Paulo: OBORE, 1991.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA - Manual do CRP-06, 2000

CORDIOLI, A.V. (org.) Psicoterapias - abordagens atuais. Porto Alegre:

Artes Médicas, 1993.

COSTA, C.E., LUZIA, J. C, & SANT’ANNA, H. H. N. Primeiros passos em análise do comportamento e cognição. São Paulo: ESETec, 2003.

COSTA, J. F. Psicanálise e contexto cultural: imaginário psicanalítico, grupo e psicoterapias. Rio de Janeiro, Campus, 1989.

COSTA, J. F. ?Playdoier? pelos irmãos. In: Função Fraterna (Org. Maria Rita Kehl). Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

CRUZ NETO, O. & MOREIRA, M. R. Trabalho infanto juvenil: motivações, aspectos legais e repercussão social. Cadernos de Saúde Pública, 14(2), 437-447, abr-jun. 1998.

CUNHA, J.A. et alii. Psicodiagnóstico-V. 5ª.ed.

2003.

Porto Alegre: Artmed,

42

D’AFFONSECA, S.M. & WILLIAMS, L.C.A. Clubinho: Intervenção psicoterapêutica com crianças vítimas de violência física intrafamiliar. Temas em Desenvolvimento, 12, (67), 33-43.

DANCU, C.V. & FOA, E.B. Distúrbio de estresse pós-traumático. In A. Freeman & F.M. Dattilio (Orgs.) Cognitive-Behavioral Strategies in Crisis Intervention. New York: The Guilford Press, 1998.

DATTILIO, F.M. & FREEMAN, A. Estratégias cognitivo-comportamentais para intervenção em crises: tratamentos de problemas clínicos. SP:

Editorial Psy. (vol 1), 1995.

DATTILIO, F.M. & FREEMAN, A. Estratégias cognitivo-comportamentais para intervenção em crises: tópicos especiais. SP: Editorial Psy. (vol 2),

1995.

DATTILIO, F. M. & FREEMAN, A. Estratégias cognitivo-comportamentais de intervenção em situações de crise. (2a. edição). Porto Alegre:

ARTMED editora, 2004.

DAVIS, K. & NEWSTROM, J.W. Comportamento Humano no Trabalho:

uma abordagem organizacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning,

2001.

DAVIS, K. & NEWSTROM, J.W. Comportamento Humano no Trabalho:

uma abordagem psicológica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning,

1996.

DEBLINGER, Esther. Abuso sexual infantil. In A. Freeman & F.M. Dattilio, (Orgs.) Compreendendo a Terapia Cognitiva (p. 187-195).Campinas:

Editorial Psy, 1998.

DEBLINGER, E.& HEFLIN, A.H. Child sexual abuse. In A. Freeman & F.M. Dattilio (Orgs.) Cognitive-Behavioral Strategies in Crisis Intervention. New York: The Guilford Press, 1994.

DEJOURS, C. Repressão e subversão em psicossomática: pesquisas psicanalíticas sobre o corpo. Trad: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge zahar editor, 1989.

DELLITI, M. Sobre Comportamento e Cognição: A Prática da Análise do Comportamento e da Terapia Cognitivo-Comportamental. (organização). Santo André, SP: ARBytes Editora, 1997.

43

DE MARCO, M.A. (Org.). A face humana da medicina: do modelo

biomédico ao modelo biopsicossocial. São Paulo: Casa do Psicólogo,

2003.

DOLTO, F. A Causa dos Adolescentes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

1990.

DOR, J. O pai e sua função em Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed., 1991.

DSM-IV. Manual Diagnóstico e Estatístico de Distúrbios Mentais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

DSM-IV.- Casos Clínicos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - lei nº 8069, de 13 de julho de 1990.

ETCHEGOYEN, R. H. Fundamentos da Técnicas Psicanalítica . Porto Alegre, Artes Médicas, 1989, 2º Ed.

EY, Henry, BERNARD, Paul & BRISSET, Charles. Manual de Psiquiatria. Rio de Janeiro: Masson & Atheneu Ed., 1998.

FIGUEIRA, S. A. (Coord.) Sociedade e Doença Mental. Rio de Janeiro:

Editora Campos LTDA, 1978.

FIORINI, W. Teoria e técnica de psicoterapias. Francisco Alves, 1993.

FISKE, H. Applications of solution-focused brief therapy in suicide prevention. Palestra, East-General Hospital, Toronto, 12 de abril, 1996.

FOLLETE, V.M. Survivors of child sexual abuse: Treatment using a contextual analysis. (255-268). Em S. Hayes, N.S. Jacobson, V.M. Follette & M.J. Dougher. Acceptance and Change: Content and Context in Psychotherapy. Reno, Nevada: Context Press, 1994.

FOLLETE, V.M., RUZEDK, J.I. & ABUEG, F.R. A contextual analysis of trauma: Theoretical considerations. (3-14) Em V.M. Follette, (Orgs.)

Cognitive-Behavior Therapies for Trauma. New York: The Guilford Press,

1998.

44

FOWLER, B. Cognitive behavior therapy for psychosis: from understanding to treatment. Psychiatric-Rehabilitation Skills, 4 (2), 199- 215, 2000.

FREEMAN, A. & DATTILIO, F. M. (Org.). Compreendendo a Terapia Gognitiva. Campinas, Editorial PSV tradução de Magda Lopes e Maria Carbajal, 1998.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: formação, tipologia e impactos. Editora Macion, 1992.

FREUD, A. A infância normal e patológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

FREUD, S. Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1988

GALLO, A. E & WILLIAMS, L.C.A. Adolescentes em conflito com a lei:

Uma revisão dos fatores de risco para a conduta infracional. Psicologia, 7, (1), p. 81-96, 2005.

GIDDENS, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: UNESP. 1993.

GIRARD, R. A violência e o sagrado. São Paulo: UNESP, 1990 (1972).

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva,

1996.

GOFFMAN, E. Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. (4a ed.) Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

GOMES, R. Sexualidade masculina e saúde do homem:

proposta para uma discussão. Ciência & Saúde, 8 (3):825-829, 2003.

GOMIDE, P.I.C. Estilos parentais e comportamento anit-social. Em A.Del Prette & Z.A.P. Del Prette (Orgs.). Habilidades sociais, desenvolvimento e aprendizagem. Campinas: Alínea Editora, 2003.

GRAVENA, A.C. & WILLIAMS. Intervenção com gestantes adolescentes de baixo poder aquisitivo: Prevenção de maus-tratos e negligência. Temas de Desenvolvimento,13, (75), 14-20, 2004.

GREENBERGER, D. O paciente suicida. Em A. Freeman & F.M. Dattilio (Orgs.). Compreendendo a Terapia Cognitiva. Tradução de Magda Lopes

45

e Marta Carbajal. Edição original publicado em 1992 Campinas: Editorial Psy, 167-174, 1998.

GUIMARÃES, S.S. Adesão ao tratamento em pediatria. Em M. G. T. da Paz & A. Tamayo (orgs.) Escola, saúde e trabalho: estudos psicológicos. Brasília: Universidade de Brasília, 1999.

HACKNEY, H. & NYE, S. Aconselhamento: estratégias e objetivos. São Paulo: EPU, 1977.

HAMBERGER, L.K. & HOLTZWORTH-MUNROE, A. Partner violence. Em F.M. Dattilio. Dattilio (Orgs.) Cognitive-Behavioral Strategies in Crisis Intervention (302-324). New York: The Guilford Press, 1994.

HAMMER, E.F. Aplicações clínicas dos desenhos projetivos. São Paulo:

Casa do Psicólogo, 1991.

HAWTON, K.; SALKOVSKIS, P.M.; KIRK, J. & CLARK, D. M. (Org.) Terapia Cognitivo Comportamental para Problemas Psiquiatricos: um guia prático. Tradução de Alvamar Lamparelli. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

HAYNAL, A . & PASINI, W. Aspectos psicológicos em Nefrologia. Em:

Medicina Psicossomática. Ed. Masson, 1983.

HENNEMAN, R.H. O que é Psicologia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympo Editora, 1974.

HESSELBEIN, F., GOLDSMITH, M., & BECKHARD, R. A Organização do Futuro: como preparar hoje as empresas de amanhã.(org. The Peter F. Drucker Foundation). São Paulo: Futura, 1997.

HOCK, R. R. Forty Studies that changed Psychology. Upper Saddle River: Prentice Hall, 1999.

HORNSTEIN, l. Introdução a psicanalise. São Paulo: Editora Escuta,1989

1999.

HUBER, W. L'homme psychopathologique et la psychologie clinique. Paris: PUF, 1993.

ILLICH, I. A expropriação da saúde. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,

1975.

46

IÑESTA, E.R. Técnicas de modificação do comportamento: aplicação ao atraso no desenvolvimento. São Paulo: EPU, 1980.

JASPERS, K. Psicopatologia Geral. Vols. 1 e 2. S.P., R.J. e B.H.: Atheneu Ed., 8ª edição, s/d.

JOHNSON, T.C. Understanding children"s sexual behaviors: What"s natural and healthy. South Pasadena, California: Autor, 2003.

JUNG, C.G. A prática da psicoterapia. Petrópolis: Vozes, 1998.

KÄES, R. et aliii. A instituição e as instituições: estudos psicanalíticos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1991.

KAIRYS, S.W. & JOHNSON, C.F. The psychological maltreatment of children - Technical report. Pediatrics, 109, (4), 1-3, 2002.

KANFER, F.H. & PHILLIPS, J. S. Os princípios da aprendizagem na terapia comportamental. São Paulo, SP: EPU editora, 1974.

KAPLAN, H.I. & SADOCK, B.J. Compendio de psicoterapia de grupo. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 1996.

KAZDIN, A.E. Methodological issues & strategies in clinical research. Washington (DC): American Psychological Association, 1993.

KEHL, M. R. (org.) Função Fraterna. Rio de Janeiro: Relume Dumará,

2000.

KEHL, Maria Rita. Sobre ética e psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

KERBAUY, R. R. Comportamento e saúde: explorando alternativas. Santo André, SP: ARBytes ed, 1999.

KLEIN, M. Inveja e gratidão e outros trabalhos. Rio de Janeiro, Imago.

KLEIN, M. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos (1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1996. KOHLENBERG, R. J. Psicoterapia analítica funcional: criando relações terapêuticas intensas e curativas. Santo André: ESETec, 2001.

47

KRASNER, L. & ULLMANN, L. P. Pesquisas sobre modificação de comportamento. São Paulo, SP: Editora Herder, 1972.

KROM, M. Família e mitos - prevenção e terapia. São Paulo: Summus,

2000.

KRUMBOLTZ, J. & KEUMBOLTZ, H. Modificação do comportamento infantil. São Paulo, SP: EPU, 1972.

LAGACHE, D. A Psicanálise. 4.ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 1978.

LASCH, C. O mínimo eu. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LAURENTI, C. & BARROS, M.N.F. Identidade: Questões conceituais e contextuais (200) Psi - Revista de Psicologia Social e Institucional

[URL:http://www2.uel.br/ccbpsicologia/revista/textov2nº13.htm]

LAZARUS, A. A. Terapia Comportamental na Clínica. Belo Horizonte, MG:

Interlivros, 1972.

LOURAU, R. A análise institucional. Petrópolis: Vozes, 1975.

LUMLEY, V.A., MILTENBERGER, R.G., LONG, E.S. , RAPP, J.T. e ROBERTS, J.A. Evaluation of a sexual abuse prevention program for adults with mental retardation. Journal of Applied Behavior Analysis, 31, 91-101, 1998.

LUNDIN, R. W. Personalidade: Uma Análise do Comportamento. São Paulo, SP: EPU, 1977.

MACEDO, R. M. (org.) Psicologia e Instituição. São Paulo: Cortez Editora, 1984.

MACIEL,S. C. A importância do atendimento psicológico ao paciente renal crônico em hemodiálise. Em: Novos Rumos da Psicologia da saúde. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2000.

MALDONADO, D.A. e WILLIAMS, L.C.A. Meninos agressivos na escola:

Qual a relação com violência doméstica? Psicologia em Estudo, 10, (3), 353-362, 2005.

MANNONI, Maud. A primeira entrevista em psicanálise, Rio de Janeiro:

Campus,1980.

48

MARCONI, M.A.; LAKATOS, E.M científica. São Paulo: Atlas, 2003.

Fundamentos de metodologia

MARINHO, M.L. & CABALLO, V. E. Psicologia clínica e da saúde. Londrina: Editora UEL; Granada: APICSA, 2001.

MARTIN, G. & PEAR, J. Behavior modification: what it is and how to do it. New Jersey: Prentice Hall, 1988.

MARTINS,M.C.F.N. Humanização das relações assistenciais: a formação do profissional de saúde. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001.

MARTY, P. A Psicossomática do Adulto. Porto Alegre: Artes Mëdica,

1993.

MATOS, M. A. Análise funcional do comportamento. Estudos de Psicologia, 16 (3), 8-18, 1999.

MAY, R. A arte do aconselhamento psicológico. 9ª ed. Petrópolis: Vozes,

1996.

MEDEIROS, E.B. Medidas psico e lógicas: Introdução à psicometria. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.

MEICHENBAUM, D. A Clinical Handbook/Practical Therapist Manual for Assessing and Treating Adults with Post-Traumatic stress Disorder (PTSD). Waterloo: Institute Press, 1994.

MELO, S.L. Psicologia e Profissão em São Paulo. São Paulo, Ática, 1977.

MELO FILHO, J. Psicossomática Hoje. Porto Alegre: Artes Médicas,

1992.

MELLO FILHO, J. Concepção Psicossomática: visão atual. São Paulo:

Casa do Psicólogo, 2002.

MILAM, J. R. & KETCHAM, K. Alcoolismo: os mitos e a realidade. São Paulo: Nobel S/A, 1986.

MILLER, W.R. & ROLLNICK, S. Entrevista Motivacional: preparando as pessoas para a mudança de comportamentos adictivos. Porto Alegre, RS: ARTMED Editora,2001.

49

MILLER, L. Psicoterapeutas traumatizados. Em F.M. Dattilio & A. Freeman (Orgs.) Estratégias cognitivo-comportamentais de intervenção em situação de crise (350-363).Porto Alegre: Artmed, 2004.

MOYSÉS, L. A auto-estima se constrói passo a passo. Campinas/SP:

Papirus Editora, 2001.

MURRAY, H. T.A.T. : Teste de Apercepção Temática. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1995.

NERI, A.L. Psicologia do envelhecimento. Papirus: Campinas, 1995.

NEURINGER, C. & MICHAEL, J. L. Behavior modification in clinical psychology. N.Y.: Appleton-Century-Crofts,1970.

NUNES, F. P. S e CUNHA, C. B. (Org.). Dos Problemas Disciplinares aos

Distúrbios de Conduta: Práticas e Reflexões. Rio de Janeiro: Dunya Ed,

1999.

O’DONUHUE, W. & KRASNER, L. Theories of behavior therapy: exploring behavior change. Washington: American Psychological Association,1995.

OMS - Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da Cid 10. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

PADOVANI, R.C. & WILLIAMS Proposta de intervenção com adolescentes em conflito com a lei: um estudo de caso. Interação em Psicologia, 9, (1), 117-123, 2005.

PADOVANI, R.C. & WILLIAMS, L.C.A. Intervenção psicoterapêutica com agressor conjugal: Um estudo de caso. Psicologia em Estudo, 7(2), 13- 17, 2002.

PARISOTTO, L. e col. Diferenças de gênero no desenvolvimento sexual:

Integração dos paradigmas biológico, psicanalítico e evolucionista, R. Psiquiatria. RS, 25"(suplemento 1): 75-87, abril 2003.

PASQUALI, L. Técnicas de Exame Psicológico - TEP: Manual. São Paulo:

Casa do Psicólogo, 2001.

PASQUALI, L. Instrumentos psicológicos: Manual prático de elaboração. Brasília: LabPam/IBAPP, 1999.

50

PASQUALI, L. Teoria e métodos de medida em ciências do comportamento. Brasília: INEP, 1996.

PEÇANHA, D L. Contribuições teóricas do Instituto de Psicossomática de Paris. Cadernos de Psicologia, Sociedade Brasileira de Psicologia, 4 (1), p. 129-137, 1998 (Publicado em 2001).

PELLEGRINO, H. Pacto edípico e pacto social. In: Folha de S. Paulo. 11 Set. 1983, p. 9-11.

PFRROM NETO, S. Psicologia Introdução e Guia de Estudo. São Paulo:

EPU/EDUS/CNPa, 1985.

PIAGET, J. Psicologia e Pedagogia. São Paulo: Ed. Forense Universitária, 1988.

PORGE, E. Os nomes do pai. Rio de Janeiro: Companhia de Freud. 1998.

RANGÉ, B. Psicoterapia comportamental e cognitiva de transtornos psiquiátricos. São Paulo: Editora Psy, 1995.

RANGÉ, B. Psicoterapia comportamental e cognitiva: Pesquisa comportamental e cognitiva. São Paulo: Editora Psy, 1998.

REINECKE, P.C. Suicide and depression. In F.M. Dattilio & A. Freeman (Orgs.), Cognitive behavior strategies in crisis intervention. New York:

The Guilford Press. (tradução) , 1994.

REIS, A.O.A; MAGALHÃES, L.M.A.; GONÇALVES, W.L. Teorias da Personalidade em Freud, Reich e Jung. São Paulo:EPU, 1984.

REIS, J. C. & FERNANDO, S. F. Significações Sobre Causas e Prevenção das Doenças em Jovens Adultos, Adultos de Meia-idade e Idosos Psicologia: Teoria e Pesquisa , Vol. 19 n. 1, 047-057, 2003.

RIMM, D. C. & MASTERS, J. C. Terapia Comportamental. (2a. edição). São Paulo: Ed Manole, 1983.

ROBBINS & STEPHEN, P. Comportamento Organizacional. (9a. ed.). Rio de Janeiro, RJ: Prentice Hall/Livros Técnicos e Científicos, 2000.

ROGERS, C.R. Tornar-se pessoa. 6ª.ed. São Paulo: Martins Fontes,

1999.

51

ROMANO, B.W. Princípios para a prática da Psicologia Clínica em hospitais. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

ROUDINESCO, Elisabeth & PLON, Michael. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

SAFFIOTI, H. Violência doméstica ou a lógica do galinheiro. Em

M.Kuptskas (Org.) Violência em debate. São Paulo: Editora Moderna,

1997.

SARACENO, B. Libertando Identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Belo Horizonte, Rio de Janeiro: TeCorá Ed./ Instituto Franco Basaglia, 1999.

SARACENO, B., ANSIOLI, F. & TOGNONI, G. Manual de Saúde Mental. São Paulo: Ed. Hucitec, 1994.

SCHENKER, M. & MINAYO, M. C. S. A implicação da família no uso abusivo de drogas: uma revisão crítica. Ciência & Saúde Coletiva, 8(1):

299-306.

SCHREMERHORN Jr.,J.R., HUNT, J.G., & OSBORN, R.N. Fundamentos de Comportamento Organizacional. Porto Alegre: Bookman, 1999.

SEGRE, M. & FERRAZ,F.C. O conceito de saúde. Rev. Saúde Pública v.31, nº5, p.1-7, 1997.

SHAPIRO, F. & FORREST, M.S. EMDR: The breakthrough ?eye- movement? therapy for overcoming anxiety, stress and trauma. New York: Basic Books, 1997.

SHIRAKAWA, Itiro & outros. O desafio da esquizofrenia. (PROESQ:

Programa de Esquizofrenia/UNIFESP) EPM.São Paulo: Lemos Ed, 1998.

SIDMAN, M. Coerção e suas implicações. São Paulo: Editorial Psy, 1995.

SILVA, A.L.P. Utilizando o planejamento como ferramenta de aprendizagem. São Paulo: Global Editora e Distribuidora, 2000.

SILVARES, E. F. M. (Org.). Estudos de Caso em Psicologia Clínica comportamental Infantil. Vol. II, Papirus: São Paulo, 2000.

52

SIMS, Andrew. Sintomas da Mente: introdução à psicopatologia descritiva. Porto Alegre: ArtMed Editora, 2001.

SINCLAIR, D. Understanding Wife Assault. Toronto: Publications Ontario,

1985.

SINDICATO DOS PSICÓLOGOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, CONSELHO REGIONAL, 6a. edição. O perfil do psicólogo no Estado de São Paulo. São Paulo, Cortez, 1984.

SKINNER, B.F. Tecnologia do Ensino. São Paulo: EPU-EDUSP,1972.

SKINNER, B. F. Walden Two. São Paulo, EPU, 1977 (original de 1948).

SKINNER, B.F. Ciência e comportamento humano. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1985/1953.

SKINNER, B. F. Questões recentes em análise do comportamento. SP:

Martins Fontes, 1994.

SMIRNOFF, V. Psicanálise da criança. Petrópolis: Vozes, 1972.

SOARES, B.M. Mulheres invisíveis: Violência conjugal e novas políticas de segurança. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

SOARES, J.S. & CARVALHO,A. M. Mulher e mãe: novos papéis, velhas exigências - experiência de psicoterapia breve grupal. Psicologia em Estudo, Maringá v. 8, num. esp., p. 39-44, 2003.

SOIFER, R. Psiquiatria operativa.

Porto Alegre: Artes Médica, 1992.

SOLOMON, Andrew. O demônio do meio-dia: uma anatomia da depressão. Rio de Janeiro: Ed.Objetiva, 2002.

TEIXEIRA, A.M.S., Lé Sénéchal-Machado, A.M., Castro, N.M.S., & Cirino, S.D. Ciência do comportamento: conhecer e avançar. (volumes 1 e 2). São Paulo: ESETec, 2002.

TRINCA, Walter. A arte interior do psicanalista. São Paulo: EDUSP,1988.

ULRICH, D. Os campeões de recursos humanos: inovando para obter os melhores resultados. São Paulo: Futura, 1998.

53

VOLGENTANZ, N.D. & DRABMAN, R.S. A procedure for evaluating young children suspected of being sexually abused. Behaviour Therapy, 26, 579-597, 1995.

WILLIAMS, L.C.A., GALLO, A.E., BASSO, A.F.T., MALDONADO, D.A. e BRINO, R.F. Oficina de psicologia para policiais da delegacia da mulher:

um relato de experiência. Psicologia: Teoria e Prática, 2(2), 103-119,

2001.

WILLIAMS, L.C.A. Violência doméstica: Há o que fazer? Em H.J. Guilhardi, M.B.B. Madi, P.P. Queiroz, & M.C. Scoz. (Org.). Sobre comportamento e cognição: Expondo a variabilidade, v. 7( 01-12). Santo André: ESETec, 2001a.

WILLIAMS, L.C. A. Uma questão de direitos da mulher: O combate e prevenção da violência doméstica. Em N. Felicidade. (Org.). Caminhos da Cidadania: Um percurso universitário em prol dos direitos humanos. (pp. 79-88). São Carlos: EDUFSCar, 2001b.

WILLIAMS, L.C.A. Lições de Gravelina: Violência fatal contra a mulher. Revista Olhar, 3, (5-6), 124-133, 2001c.

WILLIAMS, L.C.A. Abuso sexual infantil. Em H.J. Guilhardi, M.B.B. Madi, P. P. Queiroz, & M.C. Scoz (Org.). Sobre comportamento e cognição:

Contribuições para a construção da teoria do comportamento, v. 10.(pp. 155-164). Santo André: ESETec, 2002.

WILLIAMS, L.C.A. Sobre deficiência e violência: Reflexões para uma análise de revisão de área. Revista Brasileira de Educação Especial, 9 (2), 2003.

WILLIAMS, L.C.A. & AIELLO, A.L.R. (no prelo). Empoderamento de famílias: O que vem a ser e como medir. (Livro pós-congresso).

WILLIAMS, L.C.A. Violência e suas representações. Em Solfa, G.C. (Org.). A construção da cidadania, 2004.

WILLIAMS, L.C.A. & FRANÇA, F. M. (submetido). Efeitos da denúncia da mulher na violência física do parceiro: O que faz o homem parar de agredir a mulher?

WISINSKY, Jerry. Como resolver conflitos no trabalho. Campus: Rio de Janeiro, 1995.

54

WOLFE, D.A. & JAFFE, P.G. Emerging strategies in the prevention of domestic violence. Domestic Violence and Children, 9, 133-144, 1999.

WOLPE, J. Prática da terapia comportamental. São Paulo: Editora

Brasiliense,1973.

ZIMERMAN. Fundamentos Psicanalíticos: teoria, técnica e clínica. Porto Alegre, 1999.

ZIMERMAN, G.I. Velhice: Aspectos biopsicossociais. Porto Alegre:

ArtMed, 2000.

ZIZEK, S. The Ticklish Subject: The Absent Centre Of Political Ontology (Wo Es War). New York: Verso. 2000a.

ZIZEK, S. The Matrix: The truth of the exaggerations. Disponível em www.lacan.com.; ZIZEK, S. No Sex, please, we're post-human! Disponível em www.lacan.com/nosex.html.;

55

1º. Semestre

PSICOLOGIA GERAL

EMENTA

Introdução à ciência psicológica

Metodologia de pesquisa na ciência psicológica

A ética na pesquisa em psicologia

Bases biológicas dos processos psicológicos

Sensação, Percepção, Atenção e Consciência

Aprendizagem

Cognição e Memória

Motivação e emoção

OBJETIVOS GERAIS

I. Identificar questões ou aspectos pertinentes à ciência psicológica em situações da vida cotidiana, de atuação profissional e de produção de conhecimento.

II. Manifestar-se, sobre questões pertinentes à ciência psicológica, em

conformidade com o conhecimento produzido dentro do rigor

metodológico desta ciência

III. Avaliar o estado do conhecimento sobre os processos psicológicos

básicos, identificando os resultados bem estabelecidos, as principais controvérsias e as perguntas mais importantes a serem respondidas pela pesquisa atual e futura.

IV. Posicionar-se sobre questões controvertidas, argumentando

oralmente e por escrito, mantendo-se, contudo, aberto à assimilação de

novos elementos que possam levar a revisões em seu posicionamento

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Apreciar a natureza controvertida da ciência psicológica, no que se refere a pressupostos epistemológicos, concepção do objeto de estudo e métodos de investigação.

2. Caracterizar o objeto de estudo da Psicologia e os principais processos básicos investigados pela ciência psicológica.

56

3. Identificar as principais perguntas que a ciência psicológica tenta responder e os principais métodos de investigação utilizados.

4. Apresentar os resultados mais importantes já obtidos no estudo dos processos psicológicos básicos.

5. Discutir as principais questões éticas envolvidas na investigação psicológica.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

HOCK, R. R. Forty studies that changed psychology. 5a. Edição. Upper Saddle River, NJ.: Prentice Hall, 2004.

GAZZANIGA, M. S., & HEATHERTON, T. F. Ciência Psicológica. Mente, Cérebro e Comportamento. Porto Alegre: ArtMed, 2005.

COZBY, P. C. Métodos de Pesquisa em Ciências do Comportamento. São Paulo: Atlas, 2003.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

SACKS, O. Um antropólogo em Marte. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

DAVIDOFF, L. Introdução à Psicologia. 3 a . Edição. São Paulo: Makron,

2001.

ATKINSON, R. L., SMITH, E. E., NOLEN-HOEKSMA, S., ATKINSON, R. L.,

& BEM, D. J. Introdução à Psicologia. 13 a . Edição. Porto Alegre: ArtMed,

2002.

Artigos atuais extraídos de Psicologia: Reflexão e Crítica; Psicologia:

Teoria e Pesquisa; Current Directions in Psychological Science, Psychological Science in the Public Interest e outros periódicos relevantes.

DESENVOLVIMENTO HUMANO: INFÂNCIA

OBJETIVOS GERAIS

57

I. Em diferentes tipos de atuação profissional que envolvam crianças, tais como atendimento clínico, identificação de necessidades infantis, fatores de risco e proteção para seu desenvolvimento, avaliação de políticas públicas de proteção à criança, elaboração de programas educacionais e projetos de pesquisa e considerando conhecimento sobre os inúmeros processos de mudança que ocorrem no período pré- natal, na fase do bebê e na primeira infância (e.g., mudanças físicas, cognitivas, emocionais e sociais), identificar e caracterizar esses processos, estabelecer parâmetros para a análise do desenvolvimento típico e implementar intervenções no âmbito da Psicologia;

II. Diante de conhecimento sobre as principais teorias relacionadas ao estudo do desenvolvimento infantil, e sobre questões e controvérsias teóricas nesse campo, refletir criticamente sobre a pesquisa nessa sub- área da Psicologia, identificando possíveis contribuições e problemas dessas diferentes vertentes teóricas.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

1. Caracterizar o objeto de estudo da Psicologia do Desenvolvimento;

2. Identificar, em função de propostas em vigor, como são abordadas questões pertinentes à Psicologia do Desenvolvimento, tais como:

diferenças individuais, fontes de desenvolvimento e processos contínuos vs descontínuos;

3. Identificar os principais resultados de pesquisas acerca das mudanças físicas, cognitivas, lingüísticas, sociais e emocionais experienciadas na fase do bebê e na primeira infância;

4. Avaliar contribuições de diferentes abordagens teóricas para o entendimento das mudanças desenvolvimentais, tais como Teoria da Maturação Biológica, Teoria da Aprendizagem, Teoria do Processamento de Informação, Psicanálise, Construtivismo e Abordagens Contextualistas;

5. Identificar as principais estratégias metodológicas de pesquisa em Desenvolvimento Humano;

6. Aplicar o conhecimento sobre os fatores biológicos, sociais, comportamentais e culturais relacionados a mudanças desenvolvimentais, ao caracterizar tais mudanças e ao intervir, de modo a promover condições favorecedoras de promoção do desenvolvimento saudável;

58

7. Aplicar técnicas de observação e registro;

8. Sistematizar, na forma de relatos, dados oriundos de observações.

EMENTA:

O objeto de estudo, as questões fundamentais e métodos de investigação da Psicologia do Desenvolvimento. As transformações características do período de desenvolvimento pré-natal e as influências ambientais durante esse período. As mudanças físicas, cognitivas, psicológicas e sociais presentes no período entre o nascimento e a segunda infância. As principais abordagens teóricas na Psicologia do Desenvolvimento. Os resultados de pesquisas clássicas e atuais sobre o desenvolvimento no período pré-natal, fase do bebê e primeira infância. Avaliação e promoção do desenvolvimento na fase do bebê e na primeira infância.

BIBLIOGRAFIA

Livro texto:

COLE, M. & COLE, S. (2003). O desenvolvimento

da

criança

e

do

adolescente (4 a ed.). Porto Alegre: Artmed Editora.

 

Outras referências:

ASPESI, C. C., DESSEN,

M.

A.

&

CHAGAS,

J.

F.

A

ciência do

desenvolvimento humano: uma perspectiva interdisciplinar. In M. A. Dessen & A. L. Costa Junior (orgs.) A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras (p. 19-36). Porto Alegre: Artmed Editora, 2005.

BAILLARGEON, R. How do infants learn about the physical world? Current Directions in Psychological Science, 3, 5, p.133- 140, 1994.

BEE, H. (2003). A criança em desenvolvimento (9 a ed.). Porto Alegre:

Artmed Editora, 2003.

59

BIAGGIO, A. M. B. A psicologia do desenvolvimento. Petrópolis: Editora Vozes, 1988.

BIGLER, R. S., BROWN, C. S., & MARKELL, M. (2001). When groups are not created equal: effects of group status on the formation of intergroup attitudes in children. Child Development, 72, 4, 1151-1162, 2001.

BOWLBY, J. Apego e Perda: apego, v.1. (3 a ed.). São Paulo: Martins Fontes, 2002.

CARRAHER, T. N. (1989). Sociedade e Inteligência. São Paulo: Editora Cortez, 1989.

CHAGAS, J. F.,

criatividade e desenvolvimento: uma visão sistêmica. In M. A. Dessen &

S. A relação entre

ASPESI,

C.

C.,

& FLEITH,

D.

A. L. Costa Junior (orgs.) A ciência do desenvolvimento humano:

tendências atuais e perspectivas futuras (p. 210-228). Porto Alegre:

Artmed Editora, 2005.

DAVIS, C. Piaget ou Vygotsky: uma falsa questão. In Revista Viver:

mente e cérebro, Coleção Memória da Pedagogia, v.2. São Paulo:

Duetto Editora, 2006.

WERKER, J. F. (1989). Becoming a Native Listener. In American Scientist, 77, 54-59, 1989.

DEL PRETTE, Z. A. P. & DEL PRETTE, A. Psicologia das Habilidades Sociais na Infância. São Paulo: Ed. Vozes, 2005.

DESSEN, M. A. & BRAZ, M. P. As relações maritais e sua influência nas relações parentais: implicações para o desenvolvimento da criança. In M. A. Dessen & A. L. Costa Junior (orgs.) A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras (p. 132-151). Porto Alegre: Artmed Editora, 2005.

ERON, L. D. Parent-child interaction, Television Violence, and Aggression of Children. American Psychologist, 37, 2, 197-211, 1982.

FLEITH,

psicologia do desenvolvimento: o que é relevante considerar? In M. A. Dessen & A. L. Costa Junior (orgs.) A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras (p. 37-49). Porto Alegre: Artmed Editora, 2005.

D.

S.

&

COSTA JUNIOR, A. L. Métodos de pesquisa em

60

GERRIG, R. J. & ZIMBARDO, P. G. A Psicologia e a Vida (cap.1). Porto Alegre: ArtMed Editora, 2005.

HETHERINGTON, E. M. Coping with family transitions: winners, losers, and survivors. Child Development, 60, 1-14, 1989.

KAREN, R. Becoming Attached. In The Atlantic Monthly, February 1990.

MARTINS, L. C. & BRANCO, A. U. Desenvolvimento moral: considerações teóricas a partir de uma abordagem sociocultural construtivista. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 17, 2, 169-176, 2001.

MOURA, M. L. S. & RIBAS, A. F. P. Evidências sobre características de bebês recém-nascidos: um convite a reflexões teóricas. In M. L. S. Moura (org.) O bebê do século XXI e a psicologia do desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

NATIONAL ACADEMY OF SCIENCES. On Being A Scientist: responsible conduct in research. Committee on Science, Engineering and Public Policy (Washington, DC: National Academy Press, 1995, 2 a ed.

PAPALIA, D. E., OLDS, S. W., & FELDMAN,

Humano (8 a ed.). Porto Alegre: Artmed Editora, 2006.

R. D. Desenvolvimento

ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA

OBJETIVO GERAL

Diante de um fenômeno, cujas variáveis se traduzem em dados classificáveis ou quantificáveis, utilizar conceitos e métodos estatísticos básicos de modo a produzir conclusões ou inferências relevantes à compreensão e tomada de decisões do profissional ou pesquisador.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Utilizar, com fluência, conceitos básicos do campo da Estatística, de modo a garantir um nível suficiente de comunicação com profissionais da área e viabilizar possibilidades de aprofundamento conceitual e prático nessa área;

61

2. Organizar dados ou indicadores nas etapas de processamento de informações coletadas a respeito de um fenômeno ou situação psicológica específica;

3. Efetuar,

com

base

em

procedimentos

e

testes

estatísticos,

análises descritivas e inferenciais a respeito de características de

um fenômeno;

4. Extrair, a partir desse processamento, conclusões (enunciados lógicos) que permitam corroborar o prognóstico realizado, complementar o diagnóstico realizado e identificar o papel de outras possíveis variáveis relacionadas;

5. Comunicar

meio desse

processamento e conclusões de modo a responder perguntas específicas sobre o fenômeno em investigação ou a nortear

decisões sobre intervenção;

conhecimento

produzido

por

6. Ler e interpretar comunicações científicas e relatórios técnicos na área da Psicologia, que envolvam processamentos estatísticos.

EMENTA

Introdução à Estatística; Análise Descritiva e Exploratória de Dados; Medidas de Tendência Central, Variabilidade e Correlação; Amostragem; Inferência Estatística; Importância da Estatística no planejamento e análise de dados em Psicologia.

BIBLIOGRAFIA (a ser definida por docente do Departamento responsável pela disciplina, a partir da discussão sobre esta proposta de objetivos e ementa, elaborada por docente do DPsi e que contou com concordância preliminar do docente que vem ministrando a disciplina equivalente a esta na grade de disciplinas vigente no curso)

62

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA PSICOLÓGICA

OBJETIVOS

1. Identificar questões filosóficas relacionadas à ciência;

2. Identificar respostas filosóficas existentes para questões relativas à ciência;

3. Examinar produção científica em Psicologia em função de posicionamentos filosóficos;

4. Identificar / caracterizar relações entre Filosofia e Psicologia;

5. Estabelecer relações entre Psicologia e Filosofia;

6. Refletir filosófica e epistemologicamente sobre conhecimento produzido, método e processo de produção de conhecimento em Psicologia;

7. Caracterizar trajetória histórica de desenvolvimento da Filosofia e da Psicologia;

8. Identificar determinantes históricos no desenvolvimento da Filosofia e da Psicologia;

9. Lidar, de forma crítica, com a Ciência como forma de produção de conhecimento, ao produzir e ao utilizar conhecimento científico;

10.

Realizar leitura compreensiva e crítica de textos teóricos (em Psicologia), a partir de referenciais epistemológicos.

EMENTA

Introdução a conceitos e questões filosóficas gerais.

Apresentação do quadro geral da história da filosofia, com

ênfase em tópicos relativos à ciência moderna. Análise de conceitos relevantes ao âmbito da ciência

psicológica. Introdução às questões epistemológicas gerais.

Discussão sobre as origens, os paradigmas e os caminhos da Psicologia como ciência autônoma.

63

BIBLIOGRAFIA

BERNARD, M. A Psicologia. In: CHATELET, F. História da Filosofia:

idéias, doutrinas. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

CHALMERS, A.F. O que é ciência, afinal? São Paulo:Brasiliense, 1993.

CHAUI, M. Introdução à História da Filosofia: dos pré-socráticos a Aristóteles. São Paulo: Brasiliense, 1994. v.1.

FIGUEIREDO, L.C. Matrizes do Pensamento Psicológico. Petrópolis:Vozes, 1991.

Psicologia – uma introdução. São Paulo: EDUC,

1996.

HERRNSTEIN, R. J.; BORING, E.G. Textos básicos da história da Psicologia. São Paulo: Herder, 1971.

MARCONDES, D. Iniciação à História da Filosofia Ocidental. Rio de Janeiro: Zahar.

MARX, M.H.; HILLIX, W. Sistemas e teorias em psicologia. São Paulo:

Cultrix, 1976.

MUELLER, F-L. História da Psicologia. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1978.

ROSENFELD, A. O pensamento psicológico. São Paulo: Perspectiva,

1984.

SCHULTZ E SCHULTZ. História da Psicologia Moderna. São Paulo:Cultrix,

1981.

BASES FISIOLÓGICAS DO COMPORTAMENTO

OBJETIVOS GERAIS

I. Lidar com o comportamento humano considerando o conhecimento disponível sobre a Fisiologia do comportamento

II. Produzir conhecimento sobre comportamento humano a partir da compreensão da fisiologia do comportamento;

64

III. Identificar relações entre funcionamento dos órgãos e sistemas do organismo humano e propriedades do comportamento humano;

IV. Propor investigações sobre funcionamento de órgãos e sistemas do organismo humano a outros profissionais da área de saúde, diante de desvios comportamentais que possam estar relacionados a este funcionamento;

OBJETIVOS ESPECÍFICOS (versão preliminar coletiva, sem apreciação final do conselho)

1. Utilizar conceitos bioquímicos para compreensão de mecanismos envolvidos no funcionamento de órgãos e sistemas fisiológicos;

2. Descrever os métodos de pesquisa sobre determinantes fisiológicos do comportamento e processos psicológicos.

3. Atualizar-se em relação ao conhecimento disponível sobre a influência de fatores fisiológicos em processos psicológicos.

4. Identificar as principais perguntas e os principais métodos de investigação utilizados no estudo dos determinantes fisiológicos de processos psicológicos.

5. Apresentar os resultados mais importantes já obtidos no estudo dos determinantes fisiológicos de processos psicológicos.

EMENTA

Introdução

Estrutura e função das células do Sistema Nervoso (SN)

Estrutura do SN Aspectos da psicofarmacologia

Métodos e estratégias da pesquisa

Sentidos especiais (a que corresponde)

Controle do movimento

Sono

Comportamento reprodutivo

Conduta emocional

Comportamento de ingestão: liquída e sólida

Mecanismos básicos de aprendizado e memória

Comunicação humana

65

Esquizofrenia e principais desordens afetivas

Aspectos gerais sobre doenças relacionadas à ansiedade e

estresse Abuso de drogas

BIBLIOGRAFIA (a ser definida por docente do Departamento responsável pela disciplina, a partir da discussão sobre esta proposta de objetivos e ementa, elaborada por docente do DPsi e ainda não submetida à apreciação do docente que ministra disciplina correspondente a esta na grade de disciplinas vigente no curso)

2º. Semestre

MÉTODOS DE EXPERIMENTAÇÃO EM PSICOLOGIA.

OBJETIVOS GERAIS

I. Identificar questões ou aspectos pertinentes à ciência psicológica em situações da vida cotidiana, de atuação profissional e de produção de conhecimento;

II. Manifestar-se, sobre questões pertinentes à ciência psicológica, em conformidade com o conhecimento produzido dentro do rigor metodológico desta ciência;

III. Descrever, identificar e aplicar os principais conceitos do método e da metodologia científica na investigação experimental de fenômenos e processos psicológicos básicos;

IV. Sintetizar e avaliar criticamente o conhecimento sobre os principais processos psicológicos básicos, identificando os resultados bem estabelecidos, as principais controvérsias e as perguntas em aberto;

V. Posicionar-se sobre questões controvertidas, argumentando oralmente e por escrito, mantendo-se, contudo, aberto à assimilação de novos elementos que possam levar a revisões em seu posicionamento.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Descrever e identificar a importância da experimentação em ciência, particularmente na Psicologia;

66

2. Identificar e descrever as características de estudos experimentais em Psicologia;

3. Identificar e descrever conceitos sobre processos básicos, estabelecendo uma relação entre o corpo teórico e a metodologia de investigação de tais processos;

4. Identificar

e

experimentais;

exemplificar

diferentes

tipos

de

delineamentos

5. Aplicar delineamento em experimentação como instrumento de investigação em Psicologia;

6. Escrever textos aplicando normas de publicação científica na divulgação de resultados experimentais.

EMENTA

Métodos experimentais na investigação dos processos psicológicos Delineamento experimental Avaliação de dados em psicologia: validade, fidedignidade, generalidade. Relato de dados de pesquisa experimental: estrutura e função A ética na pesquisa experimental em psicologia Processos psicológicos básicos: percepção, aprendizagem, cognição e memória. Motivação, emoção, estresse e enfrentamento. Self e cognição social Processos interpessoais Personalidade Transtornos mentais e somáticos

BIBLIOGRAFIA

Básica

COZBY, P. C. Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. São Paulo: Atlas, 2003.

HOCK, R. R. Forty studies that changed psychology. 5a. Edição. Upper Saddle River, NJ.: Prentice Hall, 2004.

GAZZANIGA, M. S., & HEATHERTON, T. F. Ciência Psicológica. Mente, Cérebro e Comportamento. Porto Alegre: ArtMed, 2005.

67

MATOS, M. A., & TOMANARI, G. Y. A análise do comportamento no laboratório didático. São Paulo: Manole, 2002.

MCGUIGAN, F. J. Psicologia Experimental: Uma abordagem Metodológica. São Paulo: EPU, 1976.

Complementar

American Psychological Association. Manual de Publicação da American Psychological Association. Porto Alegre: ArtMed, 2001

American Psychological Association. Ethical principles of psychology and

code

of

conduct.

Manual

publicado

pela

APA.

http//:www.apa.org/ethics/code, 2002.

ATKINSON, R. L., SMITH, E. E., NOLEN-HOEKSMA, S., ATKINSON, R. L., & Bem, D. J. Introdução à Psicologia. 13 a . Edição. Porto Alegre: ArtMed,

2002.

BACHRACH, A. J. Introdução à Pesquisa Psicológica. São Paulo: EPU,

1975.

Conselho Nacional de Saúde Resolução 196/96: Ética na Pesquisa com Seres Humanos, 1996.

DAVIDOFF, L. Introdução à Psicologia. 3 a . Edição. São Paulo: Makron,

2001.

JOHNSON, H. H., & SOLSO, R. L. Uma introdução ao planejamento experimental em Psicologia: Estudo de casos. São Paulo: EPU, 1975.

SACKS, O. Um antropólogo em Marte. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SIDMAN, M. Táticas de pesquisa científica. São Paulo: Brasiliense, 1976.

SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano. São Paulo: Martins Fontes/Edusp, 1978.

STERNBERG, R. J. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

WADELEY, A. Ethics in psychological research and practice. Leicester, UK: The British Psychological Society, 1991.

68

Periódicos a serem consultados

Bases de dados para consulta

Psicologia: Reflexão e Crítica

PsycInfo

Psicologia: Teoria e Pesquisa

MEDLINE/pubmed

Estudos de Psicologia (Natal)

LILACS

Temas em Psicologia

 

Humanities full text

Interação em Psicologia

 

Human Resources Abstract

Current

Directions

in

Psychological

Web of Science

Science

Psychological Science in the Public

SCIELO

Interest

Annual Reviews of Psychology

PROBE

DESENVOLVIMENTO HUMANO: SEGUNDA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

OBJETIVOS GERAIS:

I. Em diferentes situações de atuação profissional do psicólogo que envolvam avaliação do desenvolvimento, ser capaz de caracterizar o desenvolvimento de crianças na segunda infância e de adolescentes quanto aos principais aspectos físicos, cognitivos e sociais e de

identificar os

a eles relacionados;

fatores biológicos, sociais, comportamentais e culturais

II. Em diferentes situações de atuação profissional do psicólogo que envolvam promoção de desenvolvimento de crianças na segunda

infância e de adolescentes, ser capaz de identificar as condições físicas, sociais e culturais a serem fortalecidas e/ou introduzidas tendo como referencia o conhecimento sobre os fatores que contribuem para

as mudanças desenvolvimentais observadas nas

e social.

áreas física, cognitiva

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

1. Caracterizar o objeto de estudo da Psicologia do Desenvolvimento;

2. Identificar, em função de propostas em vigor, como são abordadas questões pertinentes à Psicologia do Desenvolvimento, tais como:

diferenças individuais, fontes de desenvolvimento e processos contínuos vs descontínuos;

69

3. Identificar os principais resultados de pesquisas acerca das mudanças físicas, cognitivas, sociais e na formação da identidade experienciadas na segunda infância e adolescência;

4. Avaliar como os fatores biológicos, sociais, contextuais e culturais associados ao desenvolvimento têm sido considerados nas abordagens teóricas que fundamentam a pesquisa atual sobre o desenvolvimento na segunda infância e na adolescência;

5. Identificar as implicações para a proposição de condições favorecedoras de desenvolvimento saudável de crianças e adolescentes advindas do conhecimento sobre os fatores relevantes para as mudanças desenvolvimentais;

6. Identificar as principais estratégias metodológicas do estudo do desenvolvimento na segunda infância e na adolescência;

7. Aplicar uma das técnicas de coleta de dados utilizadas no estudo do desenvolvimento adotando os cuidados necessários.

EMENTA:

O objeto de estudo, as questões fundamentais e métodos de

investigação da Psicologia do Desenvolvimento. As mudanças físicas, cognitivas, psicológicas e sociais

presentes na segunda infância e adolescência. As principais abordagens teóricas na Psicologia do

Desenvolvimento. Os resultados de pesquisas clássicas e atuais sobre o

desenvolvimento na segunda infância e adolescência. Avaliação e promoção do desenvolvimento na segunda infância e adolescência.

BIBLIOGRAFIA

Livro texto:

COLE,

adolescente (4 a ed.). Porto Alegre: Artmed Editora.

M.

&

COLE, S.

(2003). O

desenvolvimento da criança e do

Bibliografia recomendada:

ARNETT, J. J. Adolescent storm and stress reconsidered. American Psychologist, vol. 54, no. 5: 317-326, 1999.

70

BEE, H. A criança em Desenvolvimento. 9ª edição Porto Alegre : Artes Médicas, 2003.

COLL, C.; PALÁCIOS, J. e MARCHESI, A. (Org.) Desenvolvimento Psicológico e Educação: Psicologia Evolutiva. Vol. 1 - Porto Alegre: Artes Médicas, 2004.

CECONELLO, A. M. & KOLLERr, S. H. Competência social e empatia: um estudo sobre resiliência com crianças em situação de pobreza. Estudos de Psicologia, 5(1): 71-93, 2000.

ERIKSON, ERIK. Identidade: Juventude e Crise. Rio de Janeiro:

Guanabara, 1987.

LISBOA, C. & KOLLER, S. H. Interações na escola e processos de aprendizagem: fatores de risco e proteção. In E. Boruchovitch & J. A. Bzuneck (orgs.). Aprendizagem: processos psicológicos e o contexto social na escola. Petrópolis: Ed. Vozes, 2004.

OZELLA, S. (org.) Adolescências construídas: a visão da psicologia sócio-histórica. São Paulo: Cortez, 2003.

POLONIA; DESSEN & SILVA. O modelo bioecológico de Bronfenbrenner:

contribuições para o desenvolvimento humano. In M. A. Dessen & A. L. Costa Junior (orgs.) A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras. Porto Alegre: Artmed Editora, 2005.

SILVA, A. B. B. Mentes Inquietas. Cap. 4. São Paulo: Editora Gente,

2003.

STEINBERG, L. & MORRIS, A. S. Adolescent Development. Annual Review of Psychology, vol. 52: 83-110, 2001.

Bibliografia complementar:

CALLIGARIS, C. A Adolescência. São Paulo: Publifolha, 2000.

ERON, L. D. Parent-child interaction, Television Violence, and Aggression of Children. American Psychologist, 37, 2, 197-21, 1982.

FELDMAN, S. S. & ELLIOTT, G. R. (eds.) At the Threshold: the developing adolescent. Cambridge: Harvard University Press, 1997.

71

HARRIS, J. R. Diga-me com quem anda

1998.

Rio de Janeiro: Ed. Objetiva,

MACKSOUD, M. S. & ABER, J. L. The war experiences and psychosocial development of children in Lebanon. Child Development, 67, 70-88,

1996.

ZAGURY, T. O Adolescente por ele mesmo. Rio de Janeiro: Record,

1996.

SAITO, M. I. & SILVA, L. E. V. (orgs.) Adolescência: prevenção e risco. São Paulo: Editora Atheneu, 2001.

3º. Semestre

ÉTICA NA ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO

OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA

I. Identificar determinantes culturais e sociais de normas e valores éticos;

II. Respeitar normas e valores éticos de profissão acima de valores

pessoais e eventualmente contraditórios;

III. Considerar as conseqüências das próprias ações profissionais para

todos os envolvidos ao intervir;

IV. Identificar decorrências das normas legais e éticas para a atuação

profissional no cotidiano;

V. Manter-se atualizado em relação às normas legais e éticas da

profissão;

VI. Identificar e respeitar em cada situação profissional as limitações

legais e éticas da profissão;

VII. Diante de situações em que as condutas apropriadas do ponto de vista ético e legal não são claras, recorrer às instâncias normativas para obter orientação antes de apresentá-las;

VIII. Manter situação regular junto às instâncias normativas e representativas da profissão;

72

IX. Participar de instâncias normativas e representativas da profissão em favor da melhoria da profissão.

EMENTA

Regulamentação da profissão e credenciamento profissional;

Relações do psicólogo com clientes, com instituições e com

outros profissionais; Sigilo Profissional