Você está na página 1de 12
Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

5.º ANO – 1.º SEMESTRE

ECONOMIA & GESTÃO – 2001/2002

3.º TRABALHO

ANÁLISE DE UM

PROJECTO DE INVESTIMENTO

Trabalho elaborado por:

Turma: 5EEC12(T)

Joel Pedro Peixoto de Carvalho José Ângelo Rebelo Sarmento

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

OBJECTIVO

Com este trabalho pretende-se que adquiramos alguma sensibilidade e conhecimentos teóricos no que diz respeito á análise de projectos de investimento.

ELEMENTOS DA POLITICA FINANCEIRA

Numa empresa, as escolhas financeiras não podem ser autónomas do seu seio, uma vez que se encontram integradas num processo estratégico e portanto ligadas a uma envolvente política geral por ela seguida. A decisão de investimento torna-se portanto essencial neste sentido. Para além da natureza e do conteúdo dos bens investidos, implica o aspecto financeiro na sua influencia evidente sobre a rentabilidade da empresa. O equilíbrio financeiro é também objecto de escolha. A cobertura das necessidades

financeiras coloca questões quanto ao volume, á repartição e quanto ao escalonamento no tempo das diversas fontes de financiamento utilizadas. Estas decisões tomam-se no quadro do plano de investimentos e financiamento. Através destas escolhas, entra em jogo a solvabilidade futura da empresa.

A SELECÇÃO DOS INVESTIMENTOS

A decisão de investimento esta na base das opções de desenvolvimento da empresa. Trata-se de uma decisão fundamental pois orienta a actividade da empresa num longo prazo. Em particular esta decisão condicionará directamente a sua rentabilidade futura. Esta decisão de investimento deve então ser uma escolha feita com o máximo de rigor e

informação. Esta informação é importantíssima uma vez que um erro trará possivelmente consequências irreversíveis. O objectivo desta análise será obviamente verificar se a escolha passa ou não pelo ‘filtro’ da rentabilidade. Um investimento, é portanto a afectação de dinheiro a uma dada aplicação duradoura. O retorno desta imobilização de dinheiro será feito de maneira intervalada no tempo. É assim privilegiado o fluxo de receitas e de despesas. A grande dificuldade consiste antes de tudo na avaliação dedos rendimentos futuros, e depois na sua confrontação com as despesas iniciais com o fim de prever a rentabilidade ou não de toda a operação.

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

O ESTUDO FINANCEIRO DO PROJECTO DE INVESTIMENTO

Para avaliação de qualquer projecto de investimento é necessário proceder aos

seguintes estudos:

  • - Estudo de mercado – permite conhecer qual a capacidade da empresa colocar determinado produto junto dos potenciais clientes

  • - Estudo técnico – permite definir as bases tecnológicas de um projecto bem como as suas condições de laboração e técnicas em geral

    • - Quantificação do investimento – permite, após definida a tecnologia e o mercado,

estimar parâmetros básicos que posteriormente serão utilizados na avaliação do projecto.

  • - Estudo do financiamento – consiste na análise de como a empresa ira obter os

fundos necessários para fazer face aos encargos com a aquisição de bens imobilizados e ao

impacto que eventualmente o projecto terá sobre outras rubricas do activo

Qualquer projecto financeiro submetido á analise financeira é caracterizado por cinco elementos:

  • - Capital investido – é necessário considerar as despesas sem impostos uma vez que

o que importa é o custo liquido das despesas após os impostos. Estas despesas iniciais devem incluir os investimentos induzidos em activos circulantes. É usual, que aquando de um acréscimo de actividade se dê um aumento do fundo de maneio que se torna necessário

cobrir. Se o projecto de investimento em estudo prevê a utilização de um activo já pertencente á empresa, é necessário considerar o seu valor actual como despesa inicial. Utilizando este bem, a empresa modifica-lhe a afectação e priva-se de rendimentos potenciais.

  • - Receitas e despesas de exploração – são todas as receitas que derivam

directamente do projecto para empresa. É aqui necessário estimar todos os custos em que a

empresa incorre de forma a que se tornem possíveis as vendas estimadas. Alguns dos aspectos a ter em conta nesta estimativa são: a Periodificação, os Custos antes dos

encargos financeiros e as Amortizações.

  • - Período de vida útil – é o período durante o qual a empresa pode esperar estar em

produção e portanto gerar tanto proveitos como custos para a empresa

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

- Valor residual(Vr) – no final da sua utilização económica, os bens investidos tem apenas um valor residual. Este valor representa o que a empresa receberá pela venda dos activos imobilizados. - Custo de capital/Custo de oportunidade de capital - este valor deverá corresponder á estimativa da empresa qual a taxa de juro de mercado a que se irá financiar. No nosso caso, é-nos dito para arbitrar este valor como 12%, sendo este o custo de oportunidade de capital mínimo que o empreendedor está disposto a aceitar. Refira-se que este valor será mais tarde usado como Taxa de Actualização (TA).

OS CRITERIOS DE ANALISE DE INVESTIMENTO

As formas mais frequentes de medir o mérito de um projecto, utilizadas alternativa ou

simultaneamente são:

  • - Análise custo-beneficio (C/B) – entende-se por custos, os valores aplicados no

projecto, sendo os benefícios os valores dos recursos recuperados com a actividade do projecto, mais a compensação que se espera obter em virtude da inutilidade enfrentada em

consequência da aplicação de recursos no projecto. O saldo final destes dois fluxos não é mais do que o cash-flow global do projecto.

Se C=B

indiferente implementar do ponto de vista da rendibilidade

Se C>B

Projecto não compensa

Se C<B

Projecto Compensa

Ao rácio B/C também se chama índice de rentabilidade(IR) pelo que a condição de aprovação do projecto é B/C>1. No nosso caso, esta análise resume-se à confirmação de

que, para um ano normal de exploração, o montante de vendas supera os custos operacionais.

  • - Tempo de recuperação do capital (TRC) É o período necessário para que no

período de exploração sejam recuperados os recursos aplicados no período de investimento. O seu calculo consiste apenas num somatório cronológico de receitas e despesas de investimento e de exploração do projecto até o momento em que elas se igualam, isto é, até

que o saldo acumulado de exploração iguale as despesas de investimento. É de facto um

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

critério muito simplista e adequado á avaliação de projectos em contextos de grande risco ou com ciclos de vida curta, mas de forma alguma é um critério adequado ao estudo em causa uma vez que a avaliação requerida é de muito longa duração. O TRC pode ser obtido pela formula a seguir:

0

= − INV

0

N

+

t = 1

CF

t

INV

t

Vr

+

(

1

+ TA

)

t

(

1 + TA

) N

em que :

  • - INV 0 – investimentos efectuados antes de o projecto entrar em funcionamento

  • - CF t – Cash Flow no ano ‘t’

  • - INV t – investimentos efectuados durante o ano ‘t’

  • - TA – Taxa de actualização

  • - Vr – valor residual, é o valor liquido das amortizações no ano em causa

  • - Valor actual liquido(VAL) – o VAL é também conhecido como cash-flow

actualizado, representa o valor liquido adicional actualizado resultante da implementação e exploração de um projecto durante um determinado período de tempo correspondente á vida útil. Pode ser obtido da seguinte forma:

VAL

= −

INV

0

N

+

t = 1

CF

t

INV

t

Vr

+

(

1

+ TA

)

t

(

1 + TA

) N

Se VAL>0

Se VAL<0

projecto rentavel deve ser rejeitado

  • - Taxa interna de rendibilidade(TIR) – O TIR é a taxa de actualização para a qual o

VAL é nulo. Diferente dos critérios precedentes o TIR não necessita do TA(Taxa de actualização) uma vez que esta é precisamente o parâmetro a calcular aqui. O TIR pode ser obtido conforme abaixo:

0

= − INV

0

N

+

t = 1

CF

t

INV

t

Vr

+

(

1

+ TA

)

t

(

1 + TA

) N

se TIR > Custo de oportunidade de capital aceita-se o projecto se TIR < Custo de oportunidade de capital recusa-se o projecto

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

PARA CALCULAR OS INDICADORES REFERIDOS ANTERIORMENTE, NECESSITAMOS DOS SEGUINTES ELEMENTOS:

  • 1. Plano de financiamento

  • 2. Mapa de amortizações

  • 3. Plano de Investimento

  • 4. Plano de Exploração

  • 1. PLANO DE FINANCIAMENTO

É-nos dito que o financiamento do projecto será realizado com um capital próprio de 1825600.30 Euro, sendo o restante obtido em montantes idênticos através de um subsídio e de um empréstimo bancário, de 3651200.61 Euro cada. Com base nisto, elaboramos o plano de financiamento para o nosso projecto, tendo em conta as características (número de

pagamentos, taxa de juro, etc.) do empréstimo/subsídio, como se apresenta de seguida:

Subsídio:

 

Capital em Dívida Encargos (R+J)

Reembolso (R)

Juros (J)

2002-1S 3.651.200,61

0,00

0,00

0,00

2S

3.651.200,61

0,00

0,00

0,00

2003-1S 3.651.200,61

0,00

0,00

0,00

2S

3.651.200,61

0,00

0,00

0,00

2004-1S 3.651.200,61

0,00

0,00

0,00

2S

3.651.200,61

0,00

0,00

0,00

2005-1S 3.651.200,61

202.844,48

202.844,48

0,00

2S

3.448.356,13 202.844,48

202.844,48

0,00

2006-1S 3.245.511,65

202.844,48

202.844,48

0,00

2S

3.042.667,18 202.844,48

202.844,48

0,00

2007-1S 2.839.822,70

202.844,48

202.844,48

0,00

2S

2.636.978,22 202.844,48

202.844,48

0,00

2008-1S 2.434.133,74

202.844,48

202.844,48

0,00

2S

2.231.289,26 202.844,48

202.844,48

0,00

2009-1S 2.028.444,78

202.844,48

202.844,48

0,00

2S

1.825.600,31 202.844,48

202.844,48

0,00

2010-1S 1.622.755,83

202.844,48

202.844,48

0,00

2S

1.419.911,35 202.844,48

202.844,48

0,00

2011-1S 1.217.066,87

202.844,48

202.844,48

0,00

2S

1.014.222,39 202.844,48

202.844,48

0,00

2012-1S 811.377,91

202.844,48

202.844,48

0,00

2S

608.533,43

202.844,48

202.844,48

0,00

2013-1S 405.688,96

202.844,48

202.844,48

0,00

2S

202.844,48

202.844,48

202.844,48

0,00

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

Empréstimo:

 

Encargos (R+J)

Reembolso (R) Juros (J)

Capital em Dívida 2002-1T 3.651.200,61

136.920,02

0,00

136.920,02

2T

3.651.200,61

136.920,02

0,00

136.920,02

3T

3.651.200,61

136.920,02

0,00

136.920,02

4T

3.651.200,61

136.920,02

0,00

136.920,02

2003-1T 3.651.200,61

136.920,02

0,00

136.920,02

2T

3.651.200,61

212.986,70

76.066,68

136.920,02

3T

3.575.133,93

210.134,20

76.066,68

134.067,52

4T

3.499.067,25

207.281,70

76.066,68

131.215,02

2004-1T 3.423.000,57

204.429,20

76.066,68

128.362,52

2T

3.346.933,89

201.576,70

76.066,68

125.510,02

3T

3.270.867,21

198.724,20

76.066,68

122.657,52

4T

3.194.800,53

195.871,70

76.066,68

119.805,02

2005-1T 3.118.733,85

193.019,20

76.066,68

116.952,52

2T

3.042.667,18

190.166,70

76.066,68

114.100,02

3T

2.966.600,50

187.314,20

76.066,68

111.247,52

4T

2.890.533,82

184.461,70

76.066,68

108.395,02

2006-1T 2.814.467,14

181.609,20

76.066,68

105.542,52

2T

2.738.400,46

178.756,70

76.066,68

102.690,02

3T

2.662.333,78

175.904,20

76.066,68

99.837,52

4T

2.586.267,10

173.051,70

76.066,68

96.985,02

2007-1T 2.510.200,42

170.199,20

76.066,68

94.132,52

2T

2.434.133,74

167.346,69

76.066,68

91.280,02

3T

2.358.067,06

164.494,19

76.066,68

88.427,51

4T

2.282.000,38

161.641,69

76.066,68

85.575,01

2008-1T 2.205.933,70

158.789,19

76.066,68

82.722,51

2T

2.129.867,02

155.936,69

76.066,68

79.870,01

3T

2.053.800,34

153.084,19

76.066,68

77.017,51

4T

1.977.733,66

150.231,69

76.066,68

74.165,01

2009-1T 1.901.666,98

147.379,19

76.066,68

71.312,51

2T

1.825.600,31

144.526,69

76.066,68

68.460,01

3T

1.749.533,63

141.674,19

76.066,68

65.607,51

4T

1.673.466,95

138.821,69

76.066,68

62.755,01

2010-1T 1.597.400,27

135.969,19

76.066,68

59.902,51

2T

1.521.333,59

133.116,69

76.066,68

57.050,01

3T

1.445.266,91

130.264,19

76.066,68

54.197,51

4T

1.369.200,23

127.411,69

76.066,68

51.345,01

2011-1T 1.293.133,55

124.559,19

76.066,68

48.492,51

2T

1.217.066,87

121.706,69

76.066,68

45.640,01

3T

1.141.000,19

118.854,19

76.066,68

42.787,51

4T

1.064.933,51

116.001,69

76.066,68

39.935,01

2012-1T 988.866,83

113.149,19

76.066,68

37.082,51

2T

912.800,15

110.296,69

76.066,68

34.230,01

3T

836.733,47

107.444,18

76.066,68

31.377,51

4T

760.666,79

104.591,68

76.066,68

28.525,00

2013-1T 684.600,11

101.739,18

76.066,68

25.672,50

2T

608.533,44

98.886,68

76.066,68

22.820,00

3T

532.466,76

96.034,18

76.066,68

19.967,50

4T

456.400,08

93.181,68

76.066,68

17.115,00

2014-1T 380.333,40

90.329,18

76.066,68

14.262,50

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

2T

304.266,72

87.476,68

76.066,68

11.410,00

3T

228.200,04

84.624,18

76.066,68

8.557,50

4T

152.133,36

81.771,68

76.066,68

5.705,00

2015-1T 76.066,68

78.919,18

76.066,68

2.852,50

Consolidado:

Mapa de dívida até 2015

Ano

Capital em Dívida

Encargos (R+J)

Reembolso (R) Juros (J)

  • 2002 547.680,09

7.302.401,22

0,00

547.680,09

  • 2003 767.322,63

7.302.401,22

228.200,04

539.122,59

  • 2004 800.601,80

7.074.201,18

304.266,72

496.335,08

  • 2005 1.160.650,75

6.769.934,46

709.955,67

450.695,08

  • 2006 1.115.010,74

6.059.978,79

709.955,67

405.055,07

  • 2007 1.069.370,73

5.350.023,12

709.955,67

359.415,06

  • 2008 1.023.730,73

4.640.067,44

709.955,67

313.775,05

  • 2009 978.090,72

3.930.111,77

709.955,67

268.135,04

  • 2010 932.450,71

3.220.156,09

709.955,67

222.495,04

  • 2011 886.810,70

2.510.200,42

709.955,67

176.855,03

  • 2012 841.170,70

1.800.244,75

709.955,67

131.215,02

  • 2013 795.530,69

1.090.289,07

709.955,67

85.575,01

  • 2014 344.201,72

380.333,40

304.266,72 39.935,01

  • 2015 78.919,18

76.066,68

76.066,68

2.852,50

  • 2. MAPAS DE AMORTIZAÇÕES

Conforme descrito no guião, temos 3 "classes" de amortizações, conforme a duração dos diferentes investimentos. Consideramos que a amortização é feita a uma taxa anual fixa correspondente ao quociente do investimento pela sua duração. O único outro pormenor a ter em atenção é o dos Transformadores e Compensadores: estes equipamentos, comprados em 2002, amortizam em 10 anos, portanto em 2012 estarão já completamente amortizados. Contudo, como o seu tempo previsto de vida útil é de 10 anos, é necessário comprar novos equipamentos em 2013 (note-se que a exploração começa em 2003, portanto 10 anos de vida útil implica investimentos em 2013), a um preço correspondente ao original apenas actualizado da taxa de inflação em vigor. Estes novos equipamentos amortizarão também em 10 anos, portanto até ao fim de 2022.

Em 25 anos:

Fundações

Edifícios e Estradas

 

Amortizações

   

Valor bruto

Acumuladas

do Exercício

Valor líquido

  • 2002 424975,81

 

16999,03

16999,03

407976,78

  • 2003 424975,81

33998,06

16999,03

390977,75

Ano 1

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

 

2004

424975,81

50997,10

16999,03

373978,71

Ano 2

2005

424975,81

67996,13

16999,03

356979,68

Ano 3

2006

424975,81

84995,16

16999,03

339980,65

Ano 4

2007

424975,81

101994,19

16999,03

322981,62

Ano 5

2008

424975,81

118993,23

16999,03

305982,58

Ano 6

2009

424975,81

135992,26

16999,03

288983,55

Ano 7

2010

424975,81

152991,29

16999,03

271984,52

Ano 8

2011

424975,81

169990,32

16999,03

254985,49

Ano 9

2012

424975,81

186989,36

16999,03

237986,45

Ano 10

2013

424975,81

203988,39

16999,03

220987,42

Ano 11

2014

424975,81

220987,42

16999,03

203988,39

Ano 12

2015

424975,81

237986,45

16999,03

186989,36

Ano 13

2016

424975,81

254985,49

16999,03

169990,32

Ano 14

2017

424975,81

271984,52

16999,03

152991,29

Ano 15

2018

424975,81

288983,55

16999,03

135992,26

Ano 16

2019

424975,81

305982,58

16999,03

118993,23

Ano 17

2020

424975,81

322981,62

16999,03

101994,19

Ano 18

2021

424975,81

339980,65

16999,03

84995,16

Ano 19

Valor Residual

2022

424975,81

356979,68

16999,03

67996,13

Ano 20

2023

424975,81

373978,71

16999,03

50997,10

2024

424975,81

390977,75

16999,03

33998,06

2025

424975,81

407976,78

16999,03

16999,03

2026

424975,81

424975,81

16999,03

0,00

Em 10 anos:

Compensadores

Transformadores

 

Amortizações

   

Valor bruto

Acumuladas

do Exercício

Valor líquido

 
  • 2002 349158,53

 

34915,85

34915,85

314242,68

  • 2003 349158,53

69831,71

34915,85

279326,82

Ano 1

  • 2004 349158,53

104747,56

34915,85

244410,97

Ano 2

  • 2005 349158,53

139663,41

34915,85

209495,12

Ano 3

  • 2006 349158,53

174579,27

34915,85

174579,27

Ano 4

  • 2007 349158,53

209495,12

34915,85

139663,41

Ano 5

  • 2008 349158,53

244410,97

34915,85

104747,56

Ano 6

  • 2009 349158,53

279326,82

34915,85

69831,71

Ano 7

  • 2010 349158,53

314242,68

34915,85

34915,85

Ano 8

  • 2011 349158,53

349158,53

34915,85

0,00

Ano 9

  • 2012 349158,53

   

Ano 10

  • 2013 807284,78

 

394971,15

45812,62

412313,62

Ano 11

  • 2014 807284,78

440783,78

45812,62

366501,00

Ano 12

  • 2015 807284,78

486596,40

45812,62

320688,37

Ano 13

  • 2016 807284,78

532409,03

45812,62

274875,75

Ano 14

  • 2017 807284,78

578221,65

45812,62

229063,12

Ano 15

  • 2018 807284,78

624034,28

45812,62

183250,50

Ano 16

  • 2019 807284,78

669846,90

45812,62

137437,87

Ano 17

  • 2020 807284,78

715659,53

45812,62

91625,25

Ano 18

  • 2021 807284,78

761472,15

45812,62

45812,62

Ano 19

  • 2022 807284,78

807284,78

45812,62

0,00

Ano 20

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

Em 10 anos:

Equipamentos

Cablagem interna

   

Amortizações

     

Valor bruto

Acumuladas

do Exercício

Valor líquido

2002

7331331,5

733133,15

 

733133,15

6598198,34

2003

7331331,5

1466266,30

733133,15

5865065,19

Ano 1

2004

7331331,5

2199399,45

733133,15

5131932,04

Ano 2

2005

7331331,5

2932532,60

733133,15

4398798,89

Ano 3

2006

7331331,5

3665665,75

733133,15

3665665,75

Ano 4

2007

7331331,5

4398798,89

733133,15

2932532,60

Ano 5

2008

7331331,5

5131932,04

733133,15

2199399,45

Ano 6

2009

7331331,5

5865065,19

733133,15

1466266,30

Ano 7

2010

7331331,5

6598198,34

733133,15

733133,15

Ano 8

2011

7331331,5

7331331,49

733133,15

0,00

Ano 9

Em 3 anos:

Transportes, Seguros, Despesas afins Montagem de equipamento Estudos, elaboração do projecto e consultoria

 

Estimativas de gastos imprevistos

 
   

Amortizações

   

Valor bruto

Acumuladas

do Exercício

Valor líquido

 

2002

1022535,69

340845,23

340845,23

681690,46

2003

1022535,69

681690,46

340845,23

340845,23

Ano 1

2004

1022535,69

1022535,69

340845,23

0,00

Ano 2

 

MAPA GLOBAL DE AMORTIZAÇÕES

 
 

Amortizações

     

Valor bruto

Acumuladas

do Exercício

Valor líquido

2002

9128001,52

1125893,26

1125893,26

 

8002108,26

2003

9128001,52

2251786,53

1125893,26

6876214,99

Ano 1

2004

9128001,52

3377679,79

1125893,26

5750321,73

Ano 2

2005

9128001,52

4162727,83

785048,03

4965273,69

Ano 3

2006

9128001,52

4947775,86

785048,03

4180225,66

Ano 4

2007

9128001,52

5732823,90

785048,03

3395177,62

Ano 5

2008

9128001,52

6517871,93

785048,03

2610129,59

Ano 6

2009

9128001,52

7302919,97

785048,03

1825081,55

Ano 7

2010

9128001,52

8087968,00

785048,03

1040033,52

Ano 8

2011

9128001,52

8873016,03

785048,03

254985,49

Ano 9

2012

9128001,52

8890015,07

16999,03

237986,45

Ano 10

2013

9586127,77

8952826,72

62811,66

633301,05

Ano 11

2014

9586127,77

9015638,38

62811,66

570489,39

Ano 12

2015

9586127,77

9078450,04

62811,66

507677,73

Ano 13

2016

9586127,77

9141261,70

62811,66

444866,07

Ano 14

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

 

9586127,77

  • 2017 62811,66

9204073,35

 

382054,42

Ano 15

9586127,77

  • 2018 62811,66

9266885,01

319242,76

Ano 16

9586127,77

  • 2019 62811,66

9329696,67

256431,10

Ano 17

9586127,77

  • 2020 62811,66

9392508,32

193619,44

Ano 18

9586127,77

  • 2021 62811,66

9455319,98

130807,79

Ano 19

9586127,77

  • 2022 62811,66

9518131,64

67996,13

Ano 20

  • 3. PLANO DE INVESTIMENTOS

No nosso caso, as despesas de investimento reduzem-se às apresentadas nos estudos preliminares como necessárias ao regular funcionamento do parque em 2002, e às novas despesas com Transformadores e Compensadores em 2013. Dada a grande

dimensão da tabela, incluímo-la em anexo.

  • 4. PLANO DE EXPLORAÇÃO

Para os custos de exploração, limitamo-nos a extrapolar as despesas estimadas para o primeiro ano de exploração, actualizando ano após ano de acordo com a inflação. Nos anos em que o resultado antes de impostos seja negativo, considerámos que não há pagamento nem "recebimento" de imposto; na realidade, talvez uma parte do prejuízo num

ano pudesse ser deduzida ao imposto do ano seguinte, mas não consideramos aqui esse factor. Dada a grande dimensão da tabela, incluímo-la em anexo.

ÍNDICES DE AVALIAÇÃO

Para o cálculo da Taxa Interna de Rentabilidade (TIR) e do Tempo de Recuperação

do Capital (TRC), usámos um processo iterativo, por aproximações sucessivas, tomando como "coeficiente" de aproximação o Valor Actualizado Líquido (VAL) na iteração anterior. Dada a grande dimensão da tabela, incluímo-la em anexo. Aqui apresentamos apenas os valores obtidos:

VAL

2.193.261,49

TIR=14.7%

(aprox.)

TRC=15 anos

Verificamos que o VAL é positivo para 20 anos de exploração à taxa de actualização pretendida, pelo que o projecto será rentável.

Trabalho n.º 3

ANÁLISE DE UM PROJECTO DE INVESTIMENTO

ANÁLISE DE SENSIBILIDADE

O VAL obtido no cenário esperado é positivo, pelo que apenas se torna necessário analisar os cenários pessimistas; para um cenário optimista, obteríamos simplesmente um VAL e uma TIR superiores aos calculados, e um TRC menor. Os parâmetros a variar num cenário pessimista são a energia vendida anualmente (14000GWh/ano e não 20000GWh/ano), e o tempo de vida útil do projecto (15 anos e não 20 anos). Variando o tempo de vida útil, obtemos:

VAL

171.753,98

Pelo que se conclui que o projecto não é sensível à variação deste parâmetro. Variando agora a quantidade de energia vendida (e considerando o tempo de vida útil "original" de 20 anos), obtemos:

VAL

-1.497.412,43

(Analogamente aqui, as tabelas com as diversas parcelas usadas no cálculo destes parâmetros seguem no anexo). Pelo que o projecto será sensível a este parâmetro. O VAL obtido neste cenário é aliás bastante negativo, o que nos permite "estimar", por uma simples interpolação linear, que vendendo menos de 16500GWh por ano teremos, para uma duração prevista de 20 anos, prejuízo. Cabe ao investidor ponderar o risco relativo deste cenário relativamente aos outros, e a sua preferência, sempre subjectiva, face à relação potencial lucro/potencial prejuízo. .