Você está na página 1de 2

Temas/elementos

Literatura e
existencialismo em

O olhar do outro;
Diviso de classes;

um discurso sobre
o mtodo, de

A sociedade do espetculo;
O poder do discurso;

Srgio santanna

Centro X Margem;
Eu X coletivo;
A dor como lugar de redeno;
A perspectiva da nusea;
O conceito de belo;
A zoomorfizao do homem;
Fetiche da mercadoria;
Universidade Estadual de Gois
Campus Campos Belos
Curso de Letras
Literatura Brasileira III
Professora Larissa Cardoso Beltro
Setembro/2014

Elementos Estruturais

ESQUEMA QUINRIO (ARISTTELES)

ESQUEMA ACTANCIAL (GREIMAS)

ESPAO (Gaston Bachelard)

Sujeito: O homem da marquise

Espao tpico: a marquise


Espao atpico: a marquise
Espao utpico: -

Situao inicial:
O homem da marquise sentado com as pernas balanando e
fumando metade do cigarro, enquanto descansava;
ESTABELECIMENTO DO CONFLITO:

Objeto: Descansar e fumar a metade de seu


cigarro

O ajuntamento de pessoas l embaixo apontando em sua


direo;

Destinador: Desfrutar dos pequenos prazeres


que lhe restavam antes do dia pagamento

DESENVOLVIMENTO DO CONFLITO:

Destinatrio: ele mesmo

O espetculo continua e, embora no estive habituado a ser o


centro, o homem da marquise passa a ser o alvo do olhar do
outro;
CLMAX/PICE:
As autoridades so solicitadas para a resoluo do conflito e,
de modo surpreendente, o suicida em potencial recebe o
ttulo de louco.

Adjuvante: seu anonimato


Oponente: A multido (sociedade do espetculo)
PERSONAGENS (Edward Morgan Forster)

DESFECHO:
O homem da marquise dado como louco e em breve
trocar o uniforme da Panamericana pelo do hospital
psiquitrico;.

O homem da marquise pode ser considerado


uma personagem plana, visto que mudou seu
comportamento com vistas a atender as exigncias de dado momento.

CLULAS DE CONFLITO:
Principal: O homem X si mesmo
Secundria: O homem X a coletividade
Secundria: O homem X a Panamericana

Tempo (Gerrd Gennete)


O tempo demarcado de maneira cronolgica,
o episdio acontece em uma manh, e a sucesso de acontecimentos permite-nos situar no
tempo e, tambm, no espao.

NARRADOR (Gerrd Gennete)


No conto Um discurso sobre o mtodo temos um narrador homodiegtico, visto que
constri seu relato baseado em uma histria
da qual participa como personagem secundrio. Apesar de no fazer parte da narrativa, no uma personagem propriamente
dita, atravs dele que conhecemos o enredo. Seria, pois, um narrador onisciente intruso, j que penetra o pensamento da personagem.
LINGUAGEM
A linguagem mais um indicio dos componentes ideolgicos na relao entre dominador e dominado. O homem da marquise s
faz atravs do olhar e da fala do narrador,
por si s no teria condies de se representar.
BOSI,
Alfredo.
O
conto
brasileiro
contemporneo. So Paulo : Cultrix, 1979.
CANDIDO, Antonio. A educao pela noite &
outros ensaios. So Paulo : tica, 1989.
SANT'ANNA, Srgio. A senhorita Simpson:
histrias. So Paulo : Companhia das Letras,
1989.

Você também pode gostar