Você está na página 1de 312

As advertências do Novo Testamento

A mensagem de muitas passagens do Novo Testamento que são frequentemente evitadas.

Anastasios Kioulachoglou

Para minha esposa, pelo seu amor e apoio, e ao irmão em Cristo que leu este livro primeiro e me ajudou com seus comentários.

Salvo em exceções indicadas, as citações da Bíblia são integralmente extraídas da Bíblia Sagrada, versão João Ferreira de Almeida Atualizada, Copyright Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.

Introdução

Índice

Capítulo 1: Salvação: O que é necessário?

Capítulo 2 A parábola do semeador

2.1. “As que caíram sobre a pedra”

2.2. “E algumas caíram entre os espinhos”

Capítulo 3 Um olhar direto em algumas “palavras duras” de Jesus

3.1.

A Parábola do Servo Infiel.

3.2.

A Parábola das dez Virgens.

3.3.

A parábola dos talentos

3.4.

“Porque tive fome, e não me destes de

comer; tive sede, e não me destes de beber;”

3.5 A parábola dos dez mil talentos 3.6 “Ao que vencer”

3.7. Conclusão

Capítulo 4 - A fé operando por meio do amor

Capítulo 5 As advertências das epístolas

5.1. Romanos 11:22 A bondade de Deus, se

permanecermos nessa bondade

5.2. Colossenses 1:21-23 santos e

irrepreensíveis, se permanecermos na fé

5.3 A corrida da fé: o exemplo de Paulo

5.4 Hebreus 12:22-25: “Muito menos

escaparemos nós, se nos desviarmos daquele que nos adverte lá dos céus”

5.5 Hebreus 4:1-3, 9-12: “procuremos

diligentemente entrar no descanso de Deus”

5.6 Hebreus 6:4-9 Aqueles que se fizeram

participantes do Espírito Santo e depois decaíram

5.7 Hebreus 10:23-29, 35-39: se

voluntariamente continuarmos no pecado, se todos recuarem.

5.8

Interpretar mal Hebreus 6 e Hebreus 10

5.9.

Hebreus 3:4-6: conservarmos firmes até o

fim a nossa confiança 5.10. Mateus 24:13: “Mas quem perseverar até o fim este será salvo”

5.11

- 1 João 2:24-25 – “Se em vós permanecer

o que desde o princípio ouvistes”

5.12 2 João 8-9 : para “todo aquele que vai

além do ensino de Cristo e não permanece nele”

5.13 - 2 Pedro 1:5-11 : “empregando toda a

diligência acrescentai a nossa fé”

5.14. Filipenses 2:12-16: “efetuai a vossa

salvação com temor e tremor"

5.15 1 Timóteo 6:10-16: Amor ao dinheiro

5.15.1. Refletindo sobre Deus como uma

máquina de bênçãos. Ele é mesmo algo assim?

5.15.2. Sobre falsos mestres

5.16 Gálatas 5:2-4 “Separados estais de Cristo”

5.17 2 Timóteo 2:11-13: “se O negarmos

também Ele nos negará”

5.18. Tiago 5:19-20: o irmão desviado

5.19 “Alguns apostatarão da fé”

5.20. 1 Timóteo 5:8: “tem negado a fé e é pior

que um incrédulo”

5.21. “Vai-te e não peques mais: O que o

Senhor espera de pecadores perdoados

5.22 A verdadeira família de Jesus: “Aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a observam.”

5.23. 1 Coríntios 5:5: “para que seu espírito

seja salvo no dia do Senhor Jesus.”

5.24 “Porque melhor lhes fora não

conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo

mandamento que lhes fora dado.”

5.25. Judas 4: “Transformam a graça de nosso

Deus em libertinagem” - um alerta muito relevante

Capítulo 6: Nós perdemos a salvação cada vez que pecamos?

Capítulo 7: Objeções usuais

7.1. Eu sou um filho de Deus e isto não pode ser mudado

7.2. “Ninguém me arrebatará da mão de Jesus”

(João 10:27-28)

7.3. “Deus me apresentará imaculado de

qualquer jeito, independentemente do que eu faça.”

7.4.

“Que aquele que em mim começou uma

boa obra a aperfeiçoará de qualquer modo”

7.5. “Eu posso fazer o que quiser e ainda

assim ser salvo! No dia do julgamento minhas obras (pecaminosas) poderão queimar, todavia eu conseguirei ser salvo!” 7.6. Falando em línguas ( para aqueles de vocês que assim o fazem) Capítulo 8 O que devemos fazer agora? Servir ao Senhor! Apêndice 1: o tempo verbal Presente em Grego. Uma demonstração utilizando João

3:16

Apêndice 2: Os ensinamentos dos evangelhos, incluindo as “palavras duras”, são para nós? Apêndice 3: Apocalipse 2 e 3: As epístolas de Jesus às sete igrejas são relevantes para nós?

INTRODUÇÃO

No livro de Atos 20:26-27 Paulo está falando com os anciãos de Efésios. Fazendo um resumo de seu ministério ele lhes disse:

Atos 20:26-27 Portanto, no dia de hoje, vos protesto que estou limpo do sangue de todos. Porque não me esquivei de vos anunciar todo o conselho de Deus.”

Paulo não se acovardou, não se conteve ou

omitiu de anunciar irrestritamente aos efésios,

e a toda a Igreja, todo o conselho de Deus.

Alguém poderia dizer que mais um estudo a respeito da salvação seria realmente redundante, visto que a salvação é primordial

e se esperaria que todos já tivéssemos o

entendimento correto sobre o tema. Mas eu

não acredito que todos tenhamos tal entendimento. E falo por experiência própria:

Eu nasci um grego ortodoxo, quando criança frequentei o catecismo, obedeci as liturgias, etc. Contudo, eu já era um adolescente, e nunca havia ouvido falar sobre salvação pela graça através da fé. A ideia que tinha de Deus, até aquele momento, era de uma figura dura, onipotente, esperando que eu cometesse algum erro para me punir. Claro que isto não

é verdade e eu descobri isto alguns anos mais

tarde, quando estava com 21 anos de idade, quando conheci o Deus amoroso, vivo e verdadeiro. Então, pela primeira vez aprendi

que a Bíblia era a verdadeira Palavra de Deus,

e também a respeito da salvação pela graça

através da fé. Isto foi tão libertador! Deus não era mais uma figura distante. Ele era um Deus verdadeiro, tão real como O via na Bíblia. O principal ensinamento que recebi foi que, uma vez que homem crê ele é salvo imediatamente, de uma vez por todas, independentemente do que este homem

pudesse fazer com sua fé ao longo de sua vida. Entretanto, por mais de duas décadas depois de receber tal ensinamento, eu tive diversos momentos de tentação e provações o que me fez entender que apenas estar na fé não é algo automático, algo que possa ser considerado como dado a alguém no momento que ele acreditou. O que entendi é que a fé é simplesmente uma decisão contínua. Nesses 25 anos eu tenho visto amigos que eram tão felizes e satisfeitos inicialmente quando lhes pregava a Cristo, empenhados na caminhada, orando e louvando a Deus, etc. E essas mesmas pessoas ficaram zangadas comigo e com Deus, não querendo mais saber de Deus ou ouvir nada a Seu respeito. Por que? Porque uma namorada o havia deixado ou porque um parente teria lhe dito que tudo isto era heresia, etc. Porque no momento da tentação e da tribulação, essas pessoas não conseguiram manter-se na Palavra de Deus e segurar sua fé. Eu também vi outros, que embora tenham aceitado a Cristo, foram aos

poucos levados pelo amor ao mundo e suas paixões, sufocando a semente da Palavra de Deus, exatamente como descreve a parábola do semeador. Sendo assim, Cristo se tornou para eles algo do qual tinham ouvido falar em um momento de suas vidas, mas o fruto, ou o que Ele produziu em suas vidas, e a diferença que realmente fez, ninguém conseguia mais perceber. Além disso eu me deparei com muitas advertências e aparentes incongruências nas Escrituras que não correspondiam com a doutrina que anunciava que, uma vez que o indivíduo fosse salvo, ele estaria sempre salvo, mesmo que posteriormente, por variadas razões, ele não permanecesse na fé genuína. Este estudo analisa várias passagens nas Escrituras do Novo Testamento, que deixam claras que a fé é mais uma corrida que se tem que correr até o fim do que um evento único, que uma vez acontecido é garantido para sempre. Permanecer na fé, terminar a corrida, não é nem automático, tampouco garantido

para aqueles que iniciaram a corrida. Como os exemplos que dei acima, alguns pulam fora e desistem em face às primeiras dificuldades e tribulações enfrentadas. Outros, têm um forte amor e apego pelas coisas desse mundo e também desistem. Apenas alguns dos que começam a carreira, a corrida da fé, realmente perseveram até o fim. Como veremos a seguir, isto tudo está muito claro no Novo Testamento.

ALERTA! PORTA ESTREITA, CAMINHO DIFÍCIL PELA FRENTE!

Nem todo mundo gosta de estradas difíceis e estreitas, mas segundo aquilo que nos é dito pelo Senhor, fica claro que a Estrada da fé é exatamente assim: um caminho difícil pela porta estreita:

Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz a vida, e poucos são os que a encontram.

Avisos de cuidado e atenção num caminho estreito e difícil são muito importantes para que possamos seguir mais facilmente. E desviarmos deste caminho, em nosso caso, significa seguir por uma estrada que é fácil e ampla, isto é, uma estrada bastante agradável aos nossos cinco sentidos. Quem nunca dirigiu numa estrada estreita e não prestou TODA a atenção aos avisos e alertas? Quem nunca pensou, enquanto seguia, que tais avisos estavam lá apenas para lhe aterrorizar (ao invés de ter como objetivo mantê-lo na estrada)? Ou talvez que os alertas e advertências não fossem relevantes no seu caso, mas se referissem a outros motoristas que já teriam passado por lá? Eu não acredito

que nenhum de nós pense ou faça isso. Do mesmo modo, existem muitos avisos e advertências no Novo Testamento e o propósito destes é nos alertar, de maneira que permaneçamos no caminho certo, especialmente porque o caminho certo é também estreito e difícil. Como nós nunca iríamos ignorar os avisos e placas em estradas perigosas, do mesmo modo não devemos ignorar ou desconsiderar os avisos dados na Palavra de Deus sobre as dificuldades do caminho da fé, pois eles estão expressos para o nosso próprio bem. O propósito deste estudo é trazer à luz estes avisos e advertências.

PARA QUEM ESSE LIVRO FOI ESCRITO?

Este livro não fala, com exceção do primeiro capítulo sobre as realidades da nova criação, de ter nascido de novo, de ter o Espírito de Deus em você, da realidade de ser um filho de

Deus pela fé. Muitos de nós já ouvimos estas verdades. O problema, no entanto, é que talvez tenhamos ouvido sobre estas realidades de maneira desequilibrada, sem ouvir também, ou levar seriamente em consideração, todas as passagens a este respeito, especialmente aquelas relacionadas a este estudo. Contudo, alguns concluíram que estas verdades e a salvação em particular são baseadas no primeiro momento da fé, a partir da qual somos eternamente salvos, não importando o que fazemos da nossa fé após este momento. Este livro é para essas pessoas e nosso principal propósito aqui é equilibrar, focando exclusivamente as advertências do Antigo Testamento, alguns dos desequilíbrios criados pela quase total ignorância destas advertências.

1

SALVAÇÃO: O QUE É NECESSÁRIO?

Fé em Jesus Cristo ressuscitado como o Senhor, o Cristo, o Messias, o Filho de Deus é, inegavelmente o único modo para qualquer um ser salvo. Isto fica claro através de inúmeras passagens nas Escrituras. Aqui estão algumas delas:

João 3:14-18 E como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado; para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho

unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.

João 20:30-31 Jesus, na verdade, operou na presença de seus discípulos ainda muitos outros sinais que não estão escritos neste livro; estes, porém, estão escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.

João 11: 25-26 Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá.

E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.”

Atos 16:30-31 e tirando-os para fora, [Paulo e Silas] disse:

Senhores, que me é necessário fazer para me salvar? Responderam eles[Paulo e Silas]: Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa.”

Romanos 10:9 Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo;

Antes de dizer qualquer coisa, eu gostaria de primeiro pontuar que a expressão quem crercontidas nos textos bíblicos acima estão expressas no tempo verbal presente do indicativo. Em outras palavras, o que está descrito aqui é uma fé ativa, presente, não se referindo a um evento passado que talvez

possa ou não corresponder a verdade agora, no momento atual. Uma tradução ainda mais apurada destas afirmações seria aqueles que seguem acreditando, ou seja, acreditaram e continuam acreditando. Isto corresponderia mais ao fato de que o tempo presente no Grego antigo foi usado para transmitir a ideia

de duração, mais do que um evento único. O

primeiro apêndice deste livro dará maior enfoque a esta questão, e ao uso do tempo verbal correspondente ao presente do indicativo no grego arcaico.

De volta ao nosso tema central: É óbvio pelas passagens mencionadas acima ( e existem mais passagens) que nós não somos salvos

pelas obras da lei e por nossas próprias obras.

A salvação é dada livremente, por meio da

graça, como um presente para todo aquele que crê em Jesus Cristo como seu Senhor, O Messias, O Filho de Deus. Esta é a indiscutível

verdade da Palavra de Deus. Sendo assim, a fé é a chave da salvação, com a graça sendo a

outra chave. Efésios 2:8 resume isto muito bem:

Efésios 2:8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus;

Há portanto dois elementos que combinados levam à salvação. Graça e fé. Cada um destes elementos separadamente não pode dar a salvação. A graça de Deus não pode isoladamente salvar uma pessoa se esta pessoa não tem fé, ou seja, se a pessoa não crer verdadeira e sinceramente, em seu coração, que Jesus Cristo é o seu Senhor, como o Filho de Deus e Messias.

Basicamente Deus quer que todos sejam salvos e deu o Seu Filho para todos como resgate. A passagem de 1 Timóteo 2:3-4 diz:

Pois isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os

homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.” “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual se deu a si mesmo em resgate por todos, para servir de testemunho a seu tempo;

E também Tito 2:11 Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens

Jesus Cristo se entregou por todos! Deus deseja que todos sejam salvos. A Sua graça se mostrou para todos os homens. Portanto a graça de Deus a primeira parte da condição para salvação conforme mencionado em Efésios 2:8 (pela graça) está disponível a todos; ela se mostrou para todos os homens.Mas a segunda parte da mesma passagem (por meio da ) não está disponível para todos. Apenas para alguns que realmente crêem no que Deus, diz em Sua Palavra a respeito de Seu Filho, e apenas estes serão

salvos. Porque a salvação não é apenas pela graça, mas pela graça por meio da fé.”

Havendo esclarecido este ponto, a pergunta primordial e crítica é: uma vez que uma pessoa crê, há garantia que a fé durará para sempre, ou é alguma coisa que deve ser mantida, visto que também pode ser abandonada? Como a Bíblia trata a questão da fé? Ela é tratada como algo dinâmico, ou como algo estático, isto é, uma vez que você tenha adquirido a fé, você sempre terá fé? O que significa ter uma fé verdadeira? O que acontece com a salvação, quando a fé é abandonada? É possível que isto aconteça, se sim, quais as consequências? Muitas pessoas não se importam em fazer tais questionamentos. Neste estudo nós vamos fazer tais questionamentos, e verificar as respostas simples dadas pela Bíblia, começando pela pessoa mais apropriada para falar a respeito da Salvação: O próprio Salvador. E depois vamos prosseguir

verificando os ensinamentos dos seus apóstolos, descritos nas epístolas.

2

A PARÁBOLA DO SEMEADOR

Para começar, vamos a um texto muito conhecido, que é a parábola do semeador, descrita em 3 dos 4 evangelhos. Vamos ler aqui o registro de Lucas:

Lucas 8:5-8, 11-15 “Saiu o semeador a semear a sua semente. E quando semeava, uma parte da semente caiu a beira do caminho; e foi pisada, e as aves do céu a comeram. Outra caiu sobre pedra; e, nascida, secou-se porque não havia umidade. E outra caiu no meio dos espinhos; e crescendo com ela os espinhos, sufocaram-na. Mas outra caiu em boa terra; e, nascida,

produziu fruto, cem por um.Dizendo ele estas coisas, clamava: Quem tem ouvidos

para ouvir, ouça

semente é a palavra de Deus. Os que estão a beira do caminho são os que ouvem; mas logo vem o Diabo e tira-lhe do coração a palavra, para que não suceda que, crendo, sejam salvos. Os que estão sobre a pedra são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria; mas estes não têm raiz, apenas crêem por algum tempo, mas na hora da provação se desviam. A parte que caiu entre os espinhos são os que ouviram e, indo seu caminho, são sufocados pelos cuidados, riquezas, e deleites desta vida e não dão fruto com perfeição. Mas a que caiu em boa terra são os que, ouvindo a palavra com coração reto e bom, a retêm e dão fruto com

perseverança.”

É,

pois, esta a parábola: A

Nós temos nesta parábola, todos resultados possíveis com relação a semente da Palavra de Deus. Como vemos na primeira situação conforme descrita na passagem, a Palavra nem mesmo penetrou no coração daqueles

ouvintes. Eles não acreditavam na Palavra. Por outro lado, na segunda e terceira situação,

a Palavra foi recebida no coração dos ouvintes, mas nenhum deles deu fruto. O por que disto, nós veremos nas seções seguintes. Por fim, a quarta categoria de solo, ou coração, foi a única que realmente ouviu e recebeu a Palavra

e deu frutos. Neste capítulo, nosso foco será

na segunda e terceira categorias descritas na parábola, porque muito se relacionam com o tema deste livro.

2.1. AS QUE CAÍRAM SOBRE A PEDRA

Quanto a segunda categoria nós lemos:

As que caíram sobre a pedra são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria; mas estes não têm raízes, apenas crêem por algum tempo, mas na hora da provação se desviam.

As pessoas inclusas nesta categoria creram?

A resposta do Senhor é sim, eles creram. Eles

creram por um tempo, Ele disse. Então, notamos imediatamente que fé tem uma

dimensão de tempo. Em outras palavras, o fato de alguém crer não significa

necessariamente que vai continuar crendo até o fim de sua vida. Pode ser que a pessoa em questão tenha crido, mas por algum tempo.Uma vez que este tempoconforme mencionado, tenha se encerrado, esta pessoa não permanecerá na fé como aconteceu com

as pessoas descritas nesta categoria de acordo

com a passagem. Eles começaram bem, mas depois de um tempo, durante o tempo da tentação, ou perseguição por causa da Palavra (Marcos, 4:7) eles se desviaram. Muitos exemplos de pessoas que se enquadram nesta categoria vem a memória: pessoas que ouviram a Palavra, a aceitaram e depois partilharam a Palavra com seus parentes e amigos, mas foram rejeitados por eles. Ao

invés de permanecer, eles desistiram e abandonaram a fé. Outros que tiveram um começo brilhante. Então uma tentação se levantou (pode ser qualquer coisa) e eles desistiram, ficando portanto ofendidos com Deus e Seu povo, e também partiram. Estas pessoas creram um dia, mas deixaram de crer. Na verdade a palavra em grego traduzida como desviar, cairé originalmente aphistemi, o que significa se retirar de algo ou de alguma coisa; deixar, cair, apostatar (Dicionário Vine). Então realmente, é possível que pessoas que uma vez creram, abandonem a fé, apostatem, devido a uma tribulação, ou tentação por causa da Palavra. Isto é exatamente o que aconteceu com a segunda categoria descrita na parábola do semeador. Deus foi em um determinado tempo a escolha na vida dessas pessoas, mas eles O deixaram, abandonaram a fé. A pergunta crítica que se levanta neste momento é: Se estas pessoas não se arrependerem e voltarem a fé original, elas

ainda assim serão salvas? Se nós acreditarmos na doutrina que estabelece uma vez salvo sempre salvo, elas serão salvas porque elas haviam crido anteriormente. O problema no entanto, é que a fé não é algo estático, algo que uma vez adquirido em algum momento, estará garantido que alguém nunca a deixará. Diferentemente disto, a fé possui uma dimensão temporal. E quando as pessoas desistem da fé, acreditando, mas apenas por um determinado tempo, eles desistem do que lhes foi prometido devido a sua fé, que é a salvação, a vida eterna. Porque verdadeiramente a salvação não é apenas pela graça, mas pela graça por meio da fé.A parte de Deus se refere a Graça, e a nossa parte se refere a fé. Ambas as condições têm que ser mantidas, e Deus sempre é fiel quanto a parte que Lhe cabe. Mas seja quem for que deixe a fé, olhando para trás, deixa para trás tudo que foi adquirido junto com a fé, incluindo, especificamente a promessa da salvação. O Novo Testamento tem diversas

passagens que deixam isto muito claro e o propósito deste livro é trazê-las à tona.

Na tentativa de explicar as passagens mencionadas acima, alguns alegam que as pessoas enquadradas na segunda categoria conforme descritas na parábola do semeador nunca creram verdadeiramente. Eles defendem a ideia de que se estes tivessem realmente crido originalmente, nunca teriam caído e deixado de crer posteriormente. Mas obviamente esta concepção contradiz o que o próprio Senhor nos diz quando Ele explica esta parte da parábola. De acordo com Ele:

Os que caíram sobre a pedra são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria; mas estes não têm raiz, apenas crêem por algum tempo, mas na hora da provação se desviam.” Essas pessoas receberam a Palavra exatamente como eu e você: com alegria. E eles creram na Palavra. O Senhor não disse que eles fingiram acreditar, nem disse que fingiram aceitar a Palavra com alegria. Ao contrário, a fé dessas

pessoas eram originalmente genuínas e real. Contudo, não durava. Ela durou apenas por um determinado tempo (Mateus 13:21). Então foi a duração da fé que foi o problema com essas pessoas e não se a fé existiu ou não no começo. Porque verdadeiramente eles creram, MAS apenas por um tempo.

Talvez isto possa explicar a agonia de Paulo ao saber sobre a situação da fé dos Tessalonicenses perseguidos ( 2 Tessalonicenses 1:4). Quando ele lhes diz:

1 Tessalonicenses 3:1-8 Pelo que, não podendo mais suportar o cuidado por vós, achamos por bem ficar sozinhos em Atenas, e enviamos Timóteo, nosso irmão, e ministro de Deus no evangelho de Cristo, para vos fortalecer e vos exortar acerca da vossa fé; para que ninguém seja abalado por estas tribulações; porque vós mesmo sabeis que para isto fomos destinados; pois, quando estávamos ainda convosco, de antemão vos

declarávamos que havíamos de padecer tribulações, como sucedeu, e vós o sabeis. Por isso também, não podendo eu esperar mais, mandei saber da vossa fé, receando que o tentador vos tivesse tentado, e o nosso trabalho se houvesse tornado inútil. Mas agora que Timóteo acaba de regressar do vosso meio, trazendo-nos boas notícias da vossa fé e do vosso amor, dizendo que sempre nos tendes em afetuosa lembrança, anelando ver-nos assim como nós também a vós; por isso, irmãos, em toda a nossa necessidade e tribulação, ficamos consolados acerca de vós, pela vossa fé, porque agora vivemos, se estais firmes no Senhor.

Duas vezes em apenas algumas linhas Paulo fala de sua agonia. Ele sabia que os cristãos estavam sob perseguição e ele estava ávido em saber como estava a fé deles. Eles estavam firmes na fé? Quais eram as novidades sobre a fé deles? Boas ou ruins? Esta era a questão e Paulo esperava de Timóteo uma resposta. Portanto, fé não é algo imutável; alguma coisa

que uma vez adquirida por você, está garantido que você a terá para sempre. Se

fosse assim, Paulo não se preocuparia. Ou seja,

se fosse desta forma, uma vez que eles haviam

acreditado originalmente, eles sempre estariam na mesma fé, independentemente das tentações e perseguições. Mas não é assim.

O propósito do tentador, o diabo, é de tentar a

nossa fé, para que nos desviemos de Deus e seu povo, e finalmente abandonemos a fé. Resumindo, o propósito dele é nos devorar ( 1 Pedro 5:8). O fato de termos conseguido nos manter firmes diante da tribulação, não significa que faremos o mesmo depois de vivenciarmos a tribulação e a tentação. Temos que decidir. Deus vai nos apoiar e segurar, mas também temos que nos manter firmes, temos que decidir ficar com Ele, independentemente de quaisquer circunstâncias. Alguns fazem isto, mas outros não. Aqueles que não o fazem, caem, e se desviam da fé. Eles podem não dizer publicamente, mas na verdade eles não se

importam mais. Eu acredito que qualquer um que professe a fé por algum tempo sabe de alguns exemplos parecido. Mas, passemos agora para a terceira categoria da Parábola do semeador.

2.2. E ALGUMAS CAÍRAM ENTRE OS ESPINHOS

Vamos prosseguir agora para aqueles retratados na terceira categoria: estes são aqueles que ouviram a Palavra, mas indo em seu caminho, são sufocados pelos cuidados, riquezas, e deleites desta vida e não dão fruto com perfeição 1 .Não significa que estas pessoas não receberam a Palavra. Aqueles que não receberam a Palavra porque não a entenderam e Satanás imediatamente a roubou estão descritos na primeira categoria.

1 Para evitar mal-entendido, a frase "não dão frutos com perfeição" não significa que eles eram de alguma forma frutíferos. Isto é claro em Mateus 13:22 que nos fala que "e eles provaram ser infrutíferos.

Ao contrário, estes descritos na terceira categoria tinham um coração aberto para a Palavra, mas também tinham ou adquiriram ao longo da caminhada um coração voltado para as coisas do mundo, especificamente os prazeres e cuidados deste mundo e o engano das riquezas. Estes são os espinhos que sufocaram a Palavra e a deixaram infrutífera. Embora vejamos que não basta ter a Palavra para produzir fruto. A Palavra por si só não se torna frutífera se os inimigos da Palavra - o cuidado deste mundo - (ou seja, se importar com as coisas que o mundo considera importante 2 ), o engano das riquezas e os

2 Precisamos fazer um esclarecimento aqui: trabalhar para dar sustento a nossa família, não é um peso, ou um cuidado deste mundo que nos afastará de Deus! Na verdade é uma obrigação!No entanto ser um viciado em trabalho é um cuidado, um apego a este mundo que nos afastará de Deus! Basicamente “cuidados deste mundo” significa nos apegarmos, darmos valor ao que o mundo dá importância, fazendo dos interesses do mundo os nossos interesses e um modo de vida.

prazeres desta vida, não forem arrancados. Se não arrancarmos estas raízes o resultado será um cristão infrutífero, mundano. Ele pode ter recebido a Palavra originalmente e ter conhecimento da mesma, mas não há fruto em sua vida. Os cuidados do mundo que não foram deixados e desconsiderados fizeram este cristão infrutífero.

Realmente, como o Senhor deixou absolutamente claro é impossível servir a dois senhores. No longo prazo um deles terá que ser deixado:

Lucas 16:13 Nenhum servo pode servir dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar ao outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro.

E como Ele nos alerta novamente em Lucas

Olhai por vós mesmos; não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e aquele dia vos sobrevenha de improviso como um laço.

E também João nos diz:

1 João 2:15-17 Não ameis o mundo, nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não vem do Pai, mas sim do mundo. Ora, o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus, permanece para sempre.

E

Tiago,

chamando

aqueles

adúlteros

e

adúlteras que se entregam às coisas do mundo,

diz:

Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.

Um adúltero é aquele que é casado com alguém, mas corre atrás ou cobiça alguém. Aqueles que correm atrás do mundo, em busca dos cuidados deste mundo, as riquezas, a dissipação e os prazeres da vida são também chamados de adúlteros. Por quê? Porque eles abandonaram Cristo, o noivo, e correram atrás do mundo.

De volta à parábola do semeador, aqueles mencionados na terceira categoria da parábola do semeador seguiram as riquezas ou serviam a dois senhores ( cuidados e prazeres deste mundo, etc.) e sendo assim, não podem servir também a Cristo. Agora, a pergunta crítica é: Tais pessoas enquadradas nesta categoria de cristãos, que não dão frutos, permanecendo neste estado e

não se arrependendo, poderão ainda entrar no Reino? Colocando de outra maneira:

realmente importa, no que se refere a salvação, se a fé de alguém é ou não frutífera? Ou está tudo bem se alguém permite que a Palavra de Deus seja sufocada, e finalmente morta, pelo amor desta pessoa pelo mundo e suas paixões?

É aceitável que alguém confesse a Jesus como

seu Senhor e depois o abandone para servir a outros senhores? O que vai acontecer neste caso? Nós não precisamos pensar muito para

obter a resposta. O próprio Senhor respondeu

a esta pergunta há mais de 2000 anos atrás e

nós fazemos muito bem em prestar atenção à Sua resposta. A propósito, a Sua resposta claramente se aplica também àqueles da segunda categoria desta parábola, ou seja, aqueles que acreditaram, por um tempo:

João 15:1-8 Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o viticultor. Toda vara em mim que não dá fruto, ele a corta; e toda vara que dá fruto, ele a limpa,

para que dê mais fruto. Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado. Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Quem não permanece em mim é lançado fora, como a vara, e seca; tais varas são recolhidas, lançadas no fogo e queimadas. Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.”

Eu creio que a resposta do Senhor não deixa espaço para dúvidas: a única forma de dar fruto é permanecer na videira, nEle. Pessoas que não dão fruto, não estão firmes na videira. E se isto não mudar, elas serão recolhidas como galhos secos e no fim, como diz o Senhor, serão queimadas. O que isto

representa para aqueles da 3ª categoria (e também da segunda categoria) mencionada na parábola do semeador? Isto significa que se eles não se arrependerem, voltando a estar firmes na videira, e desta maneira produzindo os frutos que identificam um verdadeiro discípulo de Cristo, eles terão o mesmo fim dos galhos secos mencionados acima, ou seja, eles serão recolhidos, lançados no fogo e queimados.Eu sei que posso ter ofendido a alguns leitores neste ponto, mas fui eu quem disse isto? Não, eu não disse. Ao contrário é algo que o Senhor disse, falando aos Seus discípulos mais próximos, e na noite de sua prisão. Agora, o que Ele disse foi uma surpresa? O que Ele disse foi alguma coisa bizarra? Não, quando entendemos que um cristão verdadeiro NÃO é aquele que faz sua confissão de fé em Jesus e depois na prática abandona sua fé, ou na verdade nunca pratica o que havia confessado. Pelo contrário, um verdadeiro cristão é aquele que tenta viver, praticar a sua fé que uma vez fez, mesmo com

todos os erros, desacertos e tropeços que venham a acontecer vivenciando sua caminhada. Se Jesus não for verdadeiramente nosso Senhor, embora o tenhamos confessado como Senhor de nossas vidas no passado, então é óbvio que não fomos honestos em nossa confissão originalmente, ou ela foi feita de modo genuíno no passado, mas não mais corresponde a nossa realidade no presente. Há apenas uma forma de medir se aquilo que confessamos é ou não verdadeiro: o fruto que nós produzimos em nossas vidas. E este só é possível se estivermos atados à Videira Verdadeira, que é Cristo. Vemos na passagem acima de João 15 o Senhor nos dizer: esse dá muito fruto”– ou seja, QUE DEIS MUITO FRUTO - e assim sereis meus discípulos.Portanto o fruto que produzimos é a prova se somos ou não verdadeiros discípulos de Cristo. Na verdade o Senhor indicou este mesmo parâmetro, quanto ao fruto produzido, para

nos ajudar a discernir entre os verdadeiros e falsos profetas:

Mateus 7:15-20 Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos; porém a árvore má produz frutos maus. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má dar frutos bons. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.

Muitos estão com medo de falar sobre o fruto, porque acham que isto minimiza a importância da graça. Mas isto não é verdade. Poderá uma macieira não produzir maçãs? Árvores produzem frutos, e uma vez cuidada, a semente da Palavra faz exatamente o mesmo:

produz fruto. A fé vem primeiro, em seguida vem o fruto. O que pode ser mais estranho do que árvores que são supostas a dar frutos ainda permaneçam infrutíferas, que não produzem frutos? Podemos chamar tais árvores de saudáveis? Se você tivesse uma árvores destas no seu jardim e esperasse que ela desse fruto, como Deus espera que nós produzamos frutos, você diria que isto não tem importância? Acho que não. Dar fruto é absolutamente natural para um Cristão e é absolutamente estranho quando falta. Como Efésios 2:8-10 deixa claro:

Efésios 2:8-10 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas.”

Nós não fomos salvos por obras, entretanto nós fomos criados para as boas obras. Ser criado parasignifica que este é o nosso propósito, nosso destino. Dizendo de outro modo: carros são criados para levá-lo do ponto A para B. Os trens são criados paracorrer nos trilhos. A macieira é criadapara produzir maçãs. De maneira análoga, nós fomos criados em Jesus Cristo para as boas obras.Assim sendo, Boas obras e fé andam lado a lado. Não faz realmente nenhum sentido dizer que cremos, que andamos em fé, e não importa se produzimos os frutos associados àqueles que estão na fé. É como dizer que temos um carro mas não importa se ele funciona ou não. Todos nós sabemos que isto importa. As obras, sendo fruto de uma fé genuína, importam sim, e Tiago deixa isto claro em sua epístola:

Que proveito há, meus irmãos se alguém disser que tem fé e não tiver obras? Porventura essa fé pode salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e tiverem falta de mantimento cotidiano. e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos e fartai- vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito há nisso? Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma.

A fé, se não tiver obras é morta em si mesma, exatamente como o corpo sem o espírito é morto. Dizendo de outro modo, na verdade não existe falta de frutos, mas sim falta de fé verdadeira. A fé infrutífera é uma fé morta, e está claro que esta fé não leva alguém ao Reino de Deus! Atendo-se um pouco mais quanto a questão crucial das obras, Paulo expressa várias vezes:

aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus

e Salvador Cristo Jesus, que se deu a si mesmo

por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas

obras.

Tito 3:1 Adverte-lhes que estejam sujeitos aos governadores e autoridades, que sejam obedientes, e estejam preparados para toda boa obra

2 Timóteo 2:20-21 Ora, numa grande casa, não somente

vasos de ouro e de prata, mas também de madeira e de barro; e uns, na verdade, para uso honroso, outros, porém, para uso desonroso. Se, pois, alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e útil ao Senhor, preparado para toda boa obra.”

Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra.”

As Escrituras, não existem para nos dar um conhecimento racional. Não existe para fazer do homem de Deus um teólogo teórico. A Bíblia está aqui para fazer o homem de Deus completo, frutífero, equipado para efetivar aquilo para o qual foi destinado: para toda boa obra.

Retornando a parábola do semeador, apenas a quarta categoria descrita na passagem produziu fruto:

Mas outra caiu em boa terra; e, nascida,

produziu fruto, cem por um

Quanto a que

caiu em boa terra, corresponde àqueles que ouvindo a palavra com coração reto e bom, a retêm

e dão fruto com perseverança.”

A segunda e terceira categorias correspondem àqueles que ouviram a Palavra mas não a retiveram firme em seus corações. Mas esta categoria descrita, ouviu a Palavra e os mesmos se mantiveram fiéis com um coração bom e honesto, e produziram frutos com perseverança. Portanto, para produzir fruto, devemos reter a Palavra firmemente, ouvindo a Palavra com coração reto e bom, e dando fruto com perseverança. Esta é a chave. Se depois de recebermos a Palavra, permitirmos que outras coisas nos afastem da videira, então não produziremos fruto. Guardar o nosso coração com toda vigilância (exatamente como nos diz Provérbios 4:23), arrependendo-se de toda má obra, e renovando a sua mente para aquilo que a Palavra de Deus diz, é portanto crucial para que Palavra produza resultados.

Fechando este capítulo: Que todos nós possamos estar incluídos na quarta categoria e que nunca deixemos de estar firmes nesta

posição. E também que todo aquele entre nós que não esteja nesta categoria possa voltar a posição correta, estando firme na videira e produzindo cada vez mais fruto para a glória a Deus, cujos frutos produzidos mostrem os discípulos que verdadeiramente somos. Que nós possamos nos examinar, e vendo espinhos, que corramos a extirpá-los, ao invés de simplesmente nos convencermos que podemos viver com eles. Nós não podemos fazer isto. São eles ou o Senhor. Um dos dois terá que ser deixado e nós temos que decidir qual escolheremos.

3

UM OLHAR DIRETO EM ALGUMAS PALAVRAS DURASDE JESUS

É incrível, mas em muitas igrejas no ocidente ouvimos tão pouco a respeito do que o próprio Senhor nos ensinou, especialmente do que muitos consideram como palavras duras.No entanto, estas palavras são duras, apenas se tentarmos explicá-las sob o ponto de vista de uma doutrina que quer a salvação como resultado de uma fé estática, e não viva e continuada. Uma fé que foi professada uma única vez num passado distante, sem a necessidade de produzir frutos. Então realmente, estas palavras são muito duras e

difíceis de entender. Entretanto, se nos abstivermos daquela visão doutrinária, as palavras do Senhor tornam-se MUITO claras e óbvias. Antes de prosseguirmos a respeito do que o Senhor nos fala, eu preciso dizer que alguns tem reduzido as Palavras do Senhor utilizando a teoria de que tais passagens não se referem a nós, mas aos judeus que viviam sob a lei. Assim sendo, eles classificam as palavras de Deus como um pouco superior ao Antigo Testamento, e de todo modo não tão relevante quanto as outras epístolas, criando assim uma antítese artificial entre aquilo que o Senhor disse e o que os seus próprios discípulos disseram. Mas como veremos neste estudo não existe esta antítese. O que o Senhor disse e o que os Seus apóstolos disseram está em perfeita harmonia. No entanto, para aqueles que estão mais familiarizados com este tipo de visão, eu analisarei esta questão mais detalhadamente no segundo apêndice deste estudo,

demonstrando porque creio que são argumentos inválidos. Mas agora vamos continuar com o que o Senhor disse.

3.1. A PARÁBOLA DO SERVO INFIEL.

Começando em Mateus 24, o Senhor enfatiza o ponto de atenção, de alerta, em que nós devemos estar despertos, esperando por Sua volta. Em seguida Ele ratifica Sua posição através de três parábolas, enunciadas uma após a outra, nos mostrando a grande importância que Ele dá ao assunto. A primeira parábola é a do servo infiel. Vamos ler:

Mateus 24:42-51 Vigiai, pois, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor; sabei, porém, isto: se o dono da casa soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não

penseis, virá o Filho do homem. Quem é, pois, o servo fiel e prudente, que o senhor pôs sobre os seus serviçais, para a tempo dar-lhes o sustento? Bem aventurado aquele servo a quem o seu senhor, quando vier, achar assim fazendo. Em verdade vos digo que o porá sobre todos os seus bens. Mas se aquele outro, o mau servo, disser no seu coração: Meu senhor tarda em vir, e começar a espancar os seus conservos, e a comer e beber com os ébrios, virá o senhor daquele servo, num dia em que não o espera, e numa hora de que não sabe, e cortá-lo-á pelo meio, e lhe dará a sua parte com os hipócritas; ali haverá choro e ranger de dentes.”

Para quem Jesus disse essa parábola? Antes que ele começasse a falar esta parábola Ele disse aos Seus discípulos: Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do homem. (Mateus 24). A quem se refere este vós? Aos seus discípulos (Mateus 24:4). Estes são

aqueles instruídos a estarem prontos. Estes e não alguns incrédulos ou fariseus eram seus ouvintes aqui. E depois Ele prossegue descrevendo o que vai acontecer àquele que não for encontrado pronto. Àquele que, em certo momento disse a si mesmo meu senhor está se demorando.Eu não acho que este servo disse isto no primeiro dia. Ao dizer meu Senhor está demorando, ele começa então a se comportar de acordo com o que a passagem nos diz, o que quer dizer que no início ele não se comportava dessa maneira. Mas então ele disse a si mesmo meu senhor está se demorandoe começou a espancar os seus conservos, e a comer e beber com os ébrios.Em outras palavras, ele começou a viver como se não tivesse mais um Senhor. O que acontece em seguida, ou melhor, o que acontecerá quando o Senhor retornar? Aqui está a resposta:

virá o senhor daquele servo, num dia em que não o espera, e numa hora de que não sabe, e

cortá-lo-á pelo meio, e lhe dará a sua parte com os hipócritas; ali haverá choro e ranger de dentes.”

Meu Deus! Cortá-lo em pedaços, só porque ele não terminou bem, embora tenha começado bem? Pois é exatamente isto o que o Senhor fala. Basicamente o que o Senhor nos diz é: preste atenção, ficai atentos e seguros que vocês sejam encontrados na fé quando eu voltar. Se formos encontrados na fé seremos abençoados e grande será nossa recompensa. Mas aqueles que no caminho disserem meu Senhor tardae começar a viver como os hipócritas, receberão também, conforme a passagem acima, o fim dos hipócritas. E o Senhor não para por aqui. Ele aprofunda ainda mais a questão. com duas parábolas adicionais e uma exortação direta, uma após a outra. Vamos ler agora a parábola seguinte: a parábola das dez virgens.

3.2. A PARÁBOLA DAS DEZ VIRGENS.

Nós a encontramos descrita em Mateus 25:1- 13. Vejamos o que nos diz:

Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do noivo. Cinco delas eram insensatas, e cinco prudentes. Ora, as insensatas, tomando as lâmpadas, não levaram azeite consigo. As prudentes, porém, levaram azeite em suas vasilhas, juntamente com as lâmpadas. E tardando o noivo, cochilaram todas, e dormiram. Mas à meia- noite ouviu-se um grito: Eis o noivo! saí-lhe ao encontro! Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. E as insensatas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão se apagando. Mas as prudentes responderam: não; pois de certo não chegaria para nós e para vós; ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós. E,

tendo elas ido comprá-lo, chegou o noivo; e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. Depois vieram também as outras virgens, e disseram: Senhor, Senhor, abre-nos a porta. Ele, porém, respondeu: Em verdade vos digo, não vos conheço. Vigiai pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora.

Com

relação

as

lâmpadas

da parábola,

Barnes

menciona

o

seguinte

em

seu

comentário:

As lâmpadasusadas na ocasião do casamento eram na verdade tochas.Eles eram feitas enrolando trapos de pano ao redor de pedaços de ferro ou de barro, às vezes oco, a fim de conter o óleo e fixando as alças de madeira. Estas tochas eram mergulhadas no óleo e proporcionavam grande luminosidade.(grifo adicionado)

Se ele estiver certo, quer dizer então que todas as dez virgens inicialmente tinham óleo

para suas lâmpadas. Em todo caso, está claro no texto que Todas as 10 moças estavam inicialmente esperando o Senhor, esperando pelo noivo. Mas aquelas cinco que agiram de forma tola, não levaram óleo adicional com elas. Talvez elas esperassem que o Senhor viesse imediatamente, e então elas não precisassem de óleo adicional, ou simplesmente não se importassem. No entanto as cinco sábias, reconheciam que elas não sabiam nem o dia nem a horada chegada do Senhor e não queriam de forma nenhuma que suas lâmpadas apagassem. Então elas fizeram as provisões necessárias. O Senhor finalmente chegou a meia-noite, quando ninguém O esperava. Mas as cinco moças que não foram sábias ficaram sem óleo. Suas lâmpadas apagaram. Quando o Senhor veio, elas não estavam prontas para a festa do casamento. As virgens acharam a porta fechada ao chegar, e o Senhor, ao invés de abrir a porta e saudar as moças que estavam atrasadas, lhes diz: Em verdade vos digo, não vos conheço.

Fica muito claro que o Senhor disse esta parábola para nos alertar, como verificamos no último versículo da passagem onde lemos:

Vigiai pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora.

Uma vez mais, este Vigiai pois não sabeisnão se refere ao povo em geral ou a alguns fariseus, mas aos Seus próprios discípulos (veja o início dos ensinamentos em Mateus 24:4). Em outras palavras, o que o Senhor está nos dizendo, e aos seus discípulo é, observando o que aconteceu com aquelas cinco moças não preparadas, esteja atento, alerta! Se isto não fosse relevante para nós, se fôssemos entrar no Reino, independentemente de termos crido e eventualmente nos desviado depois, então não haveria razão para o Senhor nos dizer: Vigiais pois.Se tivéssemos como garantida nossa herança no Reino, se não houvesse diferença entre ficar sem óleoem nossas tochas, ou terminar nossa carreira

firmes na videira, na verdade não haveria motivo para que o Senhor nos deixasse esta parábola. Mas o Senhor, bem ao final de Seu ministério (estamos a dois dias de Sua crucificação), e falando diretamente aos seus discípulos e apóstolos e não ao povo em geral escolheu dar este aviso. Isto significa que o perigo de ser achado sem óleo, ou não mais firmes na videira e sim desviado do caminho é verdadeira e real. E da mesma forma, também são REAIS as consequências. As pessoas encontradas nesta situação não vão ouvir a voz de boas vindas do Mestre, e sim o que Ele disse as cinco virgens que ficaram sem óleo para suas lâmpadas: Em verdade nos digo, não vos conheço.

3.3. A PARÁBOLA DOS TALENTOS

A parábola das dez virgens é imediatamente seguida por outra parábola que trata do mesmo tema: que nós devemos estar

vigilantes, servindo ao Senhor e focados Nele. O assunto é muito importante, crítico, e todo capítulo 25 é dedicado a ele. A segunda parábola neste capítulo é a parábola dos talentos. Vamos ler agora esta passagem, começando com a conclusão da parábola das dez virgens.

Mateus 25:13-15

Vigiai pois, porque não sabeis nem o dia nem

a hora. Porque é assim como um homem que,

ausentando-se do país, chamou os seus servos

e lhes entregou os seus bens: a um deu cinco

talentos, a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade; e seguiu viagem.

A palavra porqueque eu enfatizei em negrito, claramente relaciona a parábola dos talentos com a parábola das dez virgens e especialmente com a conclusão desta. Isto é, que nós devemos ser cuidadosos, cautelosos, porque não sabemos nem o dia nem a hora em que o Senhor está chegando. Depois disto o

Senhor continua nos falando dos diferentes talentos que foram dados a cada um dos servos e o critério utilizado para tanto que foi a habilidade de cada um deles ao utilizar os talentos. O que podemos concluir disto é que TODOS os servos do Senhor, todos aqueles que O fizeram Senhor de suas vidas, receberam um dom Dele, ou seja, talentos Dele para serem usados para Seus propósitos. Nós também podemos verificar que nem todos receberam os mesmos talentos. Um recebeu cinco, outro recebeu dois e um servo recebeu apenas um talento. De acordo com a passagem, o fator determinante de quanto cada servo recebeu foi a capacidade de aumentar o que havia recebido. Vejamos agora o que os servos fizeram com os talentos que receberam:

Mateus 25:16-18 O que recebera cinco talentos foi imediatamente negociar com eles, e ganhou outros cinco; da mesma sorte, o que recebera

dois ganhou outros dois; mas o que recebera um foi e cavou na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.

O primeiro e o segundo servos fizeram aquilo que era esperado deles: eles saíram e aumentaram o que lhes foi dado, duplicando- os na verdade. Mas o terceiro servo escondeu o talento que havia sido dado a ele. Preste atenção nisto: ele não gastou o talento. Ele não perdeu o talento. Ao contrário, ele não fez NADA com ele. Em outras palavras, ele foi infrutífero para o seu senhor. Vejamos agora qual a reação do Senhor:

Mateus 25:19-30 Ora, depois de muito tempo veio o senhor daqueles servos, e fez contas com eles. Então chegando o que recebera cinco talentos, apresentou-lhe outros cinco talentos, dizendo:

Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco que ganhei. Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel; sobre o

pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. Chegando também o que recebera dois talentos, disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; eis aqui outros dois que ganhei. Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel; sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. Chegando por fim o que recebera um talento, disse: Senhor, eu te conhecia, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste, e recolhes onde não joeiraste; e, atemorizado, fui esconder na terra o teu talento; eis aqui tens o que é teu. Ao que lhe respondeu o seu senhor: Servo mau e preguiçoso, sabias que ceifo onde não semeei, e recolho onde não joeirei? Devias então entregar o meu dinheiro aos banqueiros e, vindo eu, tê-lo-ia recebido com juros. Tirai-lhe, pois, o talento e dai ao que tem os dez talentos. Porque a todo o que tem, dar-se-lhe-á, e terá em abundância; mas ao que não tem, até aquilo que tem ser-lhe-á tirado. E lançai o

servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.

O primeiro e o Segundo servo conseguiram seus prêmios pela multiplicação do que o Senhor havia lhes dado. Mas e quanto ao terceiro servo? O Senhor o chama de servo preguiçoso. Este servo não fez nada. Ele não fez nada de mal, mas também não fez nenhum bem. Ele foi completamente inútil! Qual foi finalmente o fim do servo inútil? O último versículo da parábola nos diz:

E lançai o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.

Eu estava assistindo a um desenho para crianças recentemente e o tema era exatamente esta parábola. Quando o filme chegou na parte do último servo e o seu destino, eles mudaram o que o Senhor disse e ao invés do que acabamos de ler mostraram os dois outros servos dando do que haviam

ganhado para o servo preguiçoso, de maneira que no fim, todos ficassem felizes e satisfeitos com o final da história. É obvio que pessoas se sentem inconfortáveis com o que o Senhor falou. Então elas mudam, alteram, interpretam de outro modo o que é dito. Não vamos segui-los. Ao contrário, vamos levar essa passagem no coração e atender ao chamado de alerta que ela nos oferece.

Fazer, ainda que com erros e falhas, a obra de Deus, produzir frutos para o Senhor, não é opcional, alguma coisa que um Cristão pode ou não optar por fazer. Não é algo que ele pode fazer se assim desejar, ocasionando apenas a perda de algumas recompensas, e ainda assim alcançando o Reino, devido a uma confissão que ele fez uma vez na vida. Não é realmente assim que acontece. Ao contrário, se esforce para fazer a obra de Deus, não importando quais sejam os fracassos e atalhos, temos que agir e não apenas ouvir a

Palavra de Deus, é o que a Palavra nos pede para fazermos. Como Tiago nos diz:

Tiago 1:22-25 E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos.” Pois se alguém é ouvinte da palavra e não cumpridor,

é semelhante a um homem que contempla no

espelho o seu rosto natural; porque se contempla a si mesmo e vai-se, e logo se esquece de como era. Entretanto aquele que

atenta bem para a lei perfeita, a da liberdade,

e nela persevera, não sendo ouvinte esquecido, mas executor da obra, este será bem- aventurado no que fizer.

E como o Senhor simplesmente disse em Mateus 7:21-27:

Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não

expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade. Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as põe em prática, será comparado a um homem prudente, que edificou a casa sobre a rocha. E desceu a chuva, correram as torrentes, sopraram os ventos, e bateram com ímpeto contra aquela casa; contudo não caiu, porque estava fundada sobre a rocha. Mas todo aquele que ouve estas minhas palavras, e não as põe em prática, será comparado a um homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia. E desceu a chuva, correram as torrentes, sopraram os ventos, e bateram com ímpeto contra aquela casa, e ela caiu; e grande foi a sua queda.”

Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.” Poderia ser mais simples que isto? Eu repito que isto

não significa que somos irrepreensíveis, nem que estamos caminhando na perfeição. Significa então que estamos caminhando com paciência a corrida da fé, olhando para Jesus o autor e consumador de nossa fé. (Hebreus 12:1-2). Significa que estamos indo, seguindo Jesus, tentando, ainda que com erros, mas com o poder de Cristo que é maior que tudo, para fazer a vontade de Deus, trazendo assim, à medida que caminhamos unidos a Cristo, o fruto desejado. Para uns isso pode ser cinco talentos, para outros dois. O Senhor não critica aquele que fez dois talentos ao invés de cinco. Ao contrário, ele o parabeniza. Ele deu fruto ao Senhor de acordo com o que ele recebeu. O único condenado aqui foi o aquele infrutífero. Aquele que ao invés de trabalhar para o Senhor, trabalhou para outros (sempre servimos ao Senhor). Seu comportamento teve consequências, e bem pesadas.

Lançai,

pois

o

servo

inútil

nas

trevas

exteriores,

ali

haverá

pranto

e

ranger de

dentes.

3.4. PORQUE TIVE FOME, E NÃO ME DESTES DE COMER; TIVE SEDE, E NÃO ME DESTES DE BEBER;

Mateus 25 não termina com a parábola dos talentos, mas é imediatamente seguida pelo texto abaixo, que está diretamente relacionado às três parábolas anteriores:

Mateus 25:31-46 Quando, pois vier o Filho do homem na sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; e diante dele serão reunidas todas as nações; e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos; e porá as ovelhas ã sua direita, mas os cabritos a esquerda. Então dirá

o Rei aos que estiverem ã sua direita: Vinde, benditos de meu Pai. Possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me. Então os justos lhe perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? Quando te vimos forasteiro, e te acolhemos? ou nu, e te vestimos? Quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos visitar-te? E responder-lhes-á o Rei: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes. Então dirá também aos que estiverem a sua esquerda:

Apartai- vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e seus anjos; porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; era forasteiro, e não me acolhestes; estava nu, e

não me vestistes; enfermo, e na prisão, e não me visitastes. Então também estes perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou forasteiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos? Ao que lhes responderá: Em verdade vos digo que, sempre que o deixaste de fazer a um destes mais pequeninos, deixastes de o fazer a mim. E irão eles para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna.

Alguns são rápidos para desconsiderar a passagem acima com a justificativa de que se refere a outros e não a nós mesmos, já que somos salvos pela graça por meio da fé, e não por obras. Eu aceitaria de bom grado, e é verdade que aceitei por anos, esse raciocínio, se eu não tivesse enxergado os seguintes problemas com ele:

1- Para quem o Senhor estava falando quando ele disse a passagem acima, bem como as três parábolas que lemos em Mateus 24 e 25? Isto é

bastante óbvio pelo contexto. O ensinamento do Senhor começou como uma resposta a seguinte pergunta dos discípulos:

Mateus 24:3 E estando ele sentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Declara-nos quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo.

Depois que Ele lhes fala a respeito dos falsos cristos, os falsos profetas, a abominação da desolação, etc., Ele diz:

Mateus 24:36-39, 42-44 Daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai. Pois como foi dito nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou

na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos; assim será também a vinda do Filho do homem. Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do

pois, porque não sabeis a que

hora há de vir o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis.

homem

Vigiai,

Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do homem.Quem são estes que devem estar apercebidos e alertas? Seus discípulos. E depois o Senhor prossegue dando vários exemplos, os quais todos se referem igualmente a uma mesma situação: como uma pessoa que espera a vinda do seu Senhor deve comportar-se durante a Sua ausência. Não somos nós exatamente estas pessoas? Se nós não

somos estas pessoas então quem mais seriam? Dizendo de outro modo, se nos excluímos destas palavras que Cristo disse aos seus discípulos, então não há mais ninguém a quem essas palavras possam se referir. Este é o motivo básico que me faz acreditar que estas palavras do Senhor não se referem para alguns, mas para mim pessoalmente. Além disso, veja o momento em que esta palavra foi dita, que está explicitada em Mateus 26:1-2:

Mateus 26:1-2 E havendo Jesus concluído todas estas palavras, disse aos seus discípulos: Sabeis que daqui a dois dias é a páscoa; e o Filho do homem será entregue para ser crucificado.

Estes foram ensinamentos dados a Seus discípulos bem no fechamento do Ministério de Jesus, dois dias antes da crucificação. Ele não deixou tais ensinamentos apenas para nossa informação, mas sim para que fossem aplicados, colocados em prática!

Além disso, o que Jesus disse como descrito acima não é de maneira nenhuma inédito. Vejamos o que João disse em sua epístola:

1 João 3:16-18 Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e nós devemos dar a vida pelos irmãos. Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitando, lhe fechar o seu coração, como permanece nele o amor de Deus? Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obras e em verdade.

Tiago usa o mesmo exemplo de 1 João 3:16- 18 e o faz de maneira ainda mais gritante:

Tiago 2:14-17 Que proveito há, meus irmãos se alguém disser que tem fé e não tiver obras? Porventura essa fé pode salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e tiverem falta de mantimento cotidiano e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos e fartai-

vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito há nisso? Assim

também a fé, se não tiver obras, é morta mesma.”

em si

O fato de sermos verdadeiros seguidores de Cristo é mostrado de maneira muito simples observando se seguimos ou não a Sua Palavra, fazendo o que esta Palavra nos diz para fazer, ainda que com erros e falhas (eu repito: não somos perfeitos ainda, mas estamos correndo para a perfeição (Filipenses 3:12). Como o Senhor disse, nem todos que O chamam Senhor, Senhor entrarão no reino dos Céus, mas aqueles que fazem a vontade de Seu Pai. Realmente é a fé que salva, mas a fé verdadeira, e esta fé é manifestada em fazer, exclusivamente, as obras de Deus, as obras que Deus preparou para nós. Se somos ou não verdadeiros Cristãos, é mostrado muito claramente pelo fato de seguirmos ou não a Sua Palavra, fazendo o que a Sagrada Escritura nos diz. E para evitar qualquer mal

entendido: para executar muitas destas obras você não precisa de nenhuma revelação especial. Elas estão escritas claramente em Sua Palavra. Aqui estão algumas delas:

Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me. Então os justos lhe perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? Quando te vimos forasteiro, e te acolhemos? ou nu, e te vestimos? Quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos visitar-te? E responder-lhes-á o Rei: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes.

E em Tiago 1:27:

A religião pura e imaculada diante de nosso Deus e Pai é esta: Visitar os órfãos e as viúvas

nas suas aflições e guardar-se isento da corrupção do mundo.

3.5 A PARÁBOLA DOS DEZ MIL TALENTOS

Nós

a

encontramos

Onde lemos:

em

Mateus

18:23-35.

Por isso o reino dos céus pode comparar-se a um certo rei que quis fazer contas com seus servos e, tendo começado a tomá-las, foi-lhe apresentado um que lhe devia dez mil talentos; mas não tendo ele com que pagar, ordenou seu senhor que fossem vendidos, ele, sua mulher, seus filhos, e tudo o que tinha, e que se pagasse a dívida. Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo:

Senhor, tem paciência comigo, que tudo te pagarei. O senhor daquele servo, pois, movido de compaixão, soltou-o, e perdoou-lhe a dívida. Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos, que lhe

devia cem diários; e, segurando-o, o sufocava, dizendo: Paga o que me deves. Então o seu companheiro, caindo-lhe aos pés, rogava-lhe, dizendo: Tem paciência comigo, que te pagarei. Ele, porém, não quis; antes foi encerrá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. Vendo, pois, os seus conservos o que acontecera, contristaram-se grandemente, e foram revelar tudo isso ao seu senhor. Então o seu senhor, chamando-o á sua presença, disse- lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste; não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, assim como eu tive compaixão de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que pagasse tudo o que lhe devia. Assim vos fará meu Pai celestial, se de coração não perdoardes, cada um a seu irmão.”

Dez mil talentos é uma ENORME quantia. Ninguém nunca poderia ganhar tamanha quantia em dinheiro. E ainda assim esta enorme dívida era aquilo que o servo devia. E

você sabe o que aconteceu? O seu Senhor o perdoou da dívida. Isto é graça! Graça significa favor imerecido. E isto é exatamente o que este senhor fez, que é uma figura de Deus: perante o clamor de seu servo, ele o perdoou e removeu sua enorme dívida. Este servo agora estava livre! Ele foi perdoado! Repare também que ele não fez nada para alcançar o perdão de sua dívida além de clamar a seu mestre. Até aqui eu entendo que nós concordaríamos que esta é uma figura perfeita de você e eu. O que aconteceu com este servo, a graça e a compaixão que foi mostrada a ele, é mesma graça e compaixão que Deus nos mostra. Como Efésios 2:1-9 diz, falando a nosso respeito:

Efésios 2.1-9 Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais outrora andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos de desobediência, entre

os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como também os demais. Mas Deus, sendo rico em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus, para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça, pela sua bondade para conosco em Cristo Jesus. Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie.

Nossa dívida era enorme. Estávamos mortos em pecados e transgressões. Éramos inimigos de Deus e filhos da desobediência. E o que aconteceu? Nós nos arrependemos e cremos. Nós nos curvamos como aquele servo e pedimos ao Rei que nos perdoasse. E Ele

assim o fez! Isto é chamado graça. Pela graça nós fomos salvos. E assim também aquele servo: pela graça ele foi salvo da sua enorme dívida. Não havia obras, nada que eu, ou você, ou aquele servo pudéssemos fazer para pagar aquela dívida. Apenas a graça poderia fazer isto. Então a salvação é pela fé por meio da graça e não pode ser ganha como uma troca pelas nossas obras, pois obra alguma poderia restituir nossa enorme dívida. Penso que até aqui, está tudo certo, tudo claro. Mas o Senhor não para por aí. Ele olha para o que servo fez e que apesar da grande dívida que lhe havia sido perdoada, ele havia negado o perdão a um servo amigo que devia uma dívida muito pequena a ele. O servo havia sido perdoado, mas não estava andando como alguém que fora perdoado. Agora, seria este Rei justo se Ele não fizesse um julgamento neste momento? Não seria. Pelo contrário, Ele seria completamente injusto. E ainda assim, isto é o que muitos esperam que Deus faça com eles: eles esperam que Deus os

perdoe, mas não os julgue quando eles insistem em não andar como perdoados. Quando o Senhor julgou o servo e reinstaurou a enorme dívida que havia sido originalmente perdoada, Ele foi impiedoso? Não. Sua graça foi manifestada quando Ele perdoou originalmente o servo de sua enorme dívida. Mas vendo que este servo não estava andando de forma alguma como perdoado mas se aproveitou de sua liberdade pressionando seus co-servos e pedindo que fosse feita justiçaa respeito da desprezível dívida que tinham com ele, então a justiça tinha que ser aplicada a ele também. Então não confunda Graça e Justiça. Deus possui ambas as qualidades: Ele é cheio de graça e cheio de justiça. Se nos arrependemos de coração alcançaremos graça. Se não perdoamos, basicamente requerendo julgamento contra aqueles que supostamente nos fizeram mal, então o julgamento será aplicado, começando por nós mesmos! Nosso Senhor não deixa espaço para controvérsias:

Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste; não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, assim como eu tive compaixão de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que pagasse tudo o que lhe devia. Assim vos fará meu Pai celestial, se de coração não perdoardes, cada um a seu irmão.”

E novamente a oração do Senhor:

Mateus 6:12 E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;

Isto o Senhor nos explica mais a frente nos versículos 14-15. Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai Celestial vos perdoará a vós; Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas.

Paulo resume isto de forma excelente em Romanos 11:22 quando ele diz:

Considera pois a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; para contigo, a bondade de Deus, se permaneceres nessa bondade; do contrário também tu serás cortado.”

Existe a bondade de Deus e isto é o que teremos se continuarmos andando pelo estreito caminho da fé, ligados a Cristo, o único que pagou o preço por nós. Mas se não fizermos isto, e não continuarmos em Sua bondade, em outras palavras, se escolhermos, como aquele servo, caminharmos como se não fôssemos perdoados de nossos pecados e faltas, pelos quais estávamos mortos, então não poderemos esperar bondade e sim severidade da parte de Deus. Porque não continuamos a andar na bondade de Deus. Deus é tanto bondade quanto severidade, e é

óbvio

escolhermos.

que

ganharemos

aquilo

que

3.6 AO QUE VENCER

Há algumas Bíblias que têm as palavras proferidas por Jesus marcadas em vermelho.

Se você tem uma destas Bíblias, você poderá observar que depois dos evangelhos você verá muito pouco marcado em vermelho nos Atos

e nas epístolas, talvez no total,

aproximadamente doze versículos. Embora os

Atos e as epístolas tenham como autor o mesmo Espírito Santo dos evangelhos, Jesus

não está falando na primeira pessoa neles.

Entretanto, isto muda em Apocalipse, o último livro da Bíblia. Lá Jesus fala novamente na primeira pessoa e nesta seção eu gostaria de chamar atenção para alguns pontos do segundo e terceiro capítulo de Apocalipse. Estes capítulos contêm cartas endereçadas à

sete igrejas da Ásia menor. O próprio Jesus ditou estas cartas ao apóstolo João, mandando que ele as escrevesse, e enviasse à estas igrejas, junto com todo o livro. No entanto é surpreendente a pouca atenção que estas epístolas de Jesus recebem. Uma teoria que escutei é que tais epístolas de Jesus juntamente com todo o livro de Apocalipse não se referem realmente a nós, mas a futuros crentes que entenderiam suas palavras. Isto na verdade quer dizer implicitamente que nós podemos com certeza ignorar este livro, ou considerá-lo como algo apenas para nossa informação.No terceiro anexo deste livro eu darei as razões pelas quais eu creio que esta visão não é correta.

Agora, voltando às cartas mencionadas, o que eu quero apresentar aqui e acredito que seja relevante para este estudo, é o seguinte fato: em todas as sete cartas, o Senhor conclui com uma promessa para aquele que vencer. Vejamos estas promessas:

Apocalipse 2:7 Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvores da vida, que está no meio do paraíso de Deus.

Apocalipse 2:11 O que vencer não receberá o dano da segunda morte.

Apocalipse 2:17 Ao que vencer, darei eu a comer do maná Escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.

Apocalipse 2:26-28 Ao que vencer, e ao que guardar as minhas obras até o fim, eu lhe darei autoridade sobre as nações, e com vara de ferro as regerá, quebrando-as do modo como são quebrados os vasos do oleiro, assim como eu recebi autoridade de meu Pai; também lhe darei a estrela da manhã.

Apocalipse 3:5 O que vencer será assim vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; antes confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.

Apocalipse 3:12 A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, da parte do meu Deus, e também o meu novo nome.

E Apocalipse 3:21 Ao que vencer, eu lhe concederei que se assente comigo no meu trono.

É incrível tudo que é prometido para aquele que vencer; para aquele que perseverar até o fim, que mantiver as obras e a palavra de

Jesus até o final, no momento da morte. No entanto, muitos hoje acreditam que eles não

precisam vencer nada. Eles acreditam que tudo já foi feito em seu favor no passado, naquele único momento de fé. Especialmente,

e de acordo com o ponto de vista da corrida da fé, não somente começou, mas também terminou no momento que acreditamos. Mas

se foi realmente assim, não haveria razão para Jesus falar sobre aqueles que vencessem? Falar

a respeito não significa apenas que há uma

necessidade de vencer, mas também haverá aqueles que NÃO vencerão e para eles as promessas descritas acima em Apocalipse não se aplicarão. Tomemos Apocalipse 3:5 como exemplo:

O que vencer será assim vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; antes confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.

Jesus prometeu que, se vencermos, nossos nomes não serão apagados do Livro da Vida. Mas também significa que se não vencermos, nossos nomes serão apagados. O Livro da Vida é um registro de todos aqueles designados para viverem eternamente (veja Filipenses 4:3). Aqueles cujos nomes estiverem no Livro da Vida terão uma vida eterna e entrarão na Nova Jerusalém, (Apocalipse 21:27). E aqueles que não forem encontrados no Livro terminarão no lago de fogo (Apocalipse 20:15). Falando de outro modo: Apenas terão vida eterna aqueles que estiverem inscritos no Livro da Vida. E está óbvio por aquilo que Jesus fala, o livro da vida não aceita apenas novos nomes. Ele também aceita eliminações de nomes inscritos, para aqueles que não venceram, que se retiraram, deram pra trás. Consequentemente, estar inscrito no Livro da Vida não nos garante que estaremos no livro para todo o sempre, sem possibilidade de alteração deste estado. Todo aquele que retroceder e desertar da fé, sem

arrependimento ( seja onde for que este arrependimento ainda esteja disponível veja depois a discussão a respeito em Hebreus 6) quem quer que seja que não consiga vencer, no fim ele não será encontrado no livro da vida. Saiba que muitos não estão acostumados a ouvir tais coisas, mas esta é a verdade simples que eu vejo na Palavra e eu, pessoalmente, não estou disposto nem a ignorá-la nem criar mecanismo para explicá-la.

3.7. CONCLUSÃO

Para concluir este capítulo, é óbvio que nosso Senhor não acreditava de modo algum em uma fé infrutífera. Suas palavras pavimentaram o caminho para um entendimento correto do que significa crer em Jesus ou ter a fé em Jesus. Esta não é de forma alguma apenas uma confissão mas, como o apóstolo Paulo ensinou ( veja o capítulo seguinte) uma carreira a ser corrida e uma

luta a ser travada. Não há dúvida alguma que para Cristo, permanecer Nele, não era uma opção, mas obrigatório, e aqueles que não estivessem firmes Nele, não poderiam entrar no Reino. Infelizmente, apesar disto, muitos escolheram ignorar isto, acreditando que o que importa é começar na fé. Claro que é importante começar na fé (você não pode terminar algo a menos que tenha começado), mas eu diria que ainda mais importante são os dois, começar e terminar na fé, permanecendo na vinha, no Cristo, até o fim e colocando de lado tudo que nos separa dela.

4

A FÉ OPERANDO POR MEIO DO AMOR

Agora, tendo visto o que vimos até aqui e antes de seguirmos com outros materiais, gostaria de acrescentar algumas coisas referente ao amor. Eu creio que isto é necessário, uma vez que as obras da fé mencionadas no Novo Testamento são obras cuja força motivadora é o amor. Gálatas 5:6 resume muito bem isto quando diz:

Gálatas 5:6 Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor.

Aqui temos tudo em uma frase: Fé, amor, obras. Nenhuma delas pode permanecer sozinha. Obras sem fé não te validade. Sem proveito também são obras que não são motivadas pelo amor. Como Paulo nos diz em 1 Coríntios 13:1-3:

Ainda que eu falasse as línguas dos homens

e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o

metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência,

e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal

que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

E então ele segue explicando o que é e o que não é o amor.

1

Coríntios 13:4-8, 13

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a

injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor

nunca falha;

a esperança e o amor, estes três, mas o maior

destes é o amor.

Agora, pois, permanecem a fé,

É óbvio que o amor não é passivo.

Agora, assim como as obras sem amor para motivar não tem valor, também o amor sem obras não é amor de verdade. Assim como nos diz João:

1 João 3:16-18

Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos

irmãos. Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.

O amor só é verdadeiro quando se torna ação, quando opera em obras e verdade.

Portanto vimos que fé, obra e amor não estão separadas umas das outras. Fé sem obras é morta, conforme nos diz Tiago (Tiago 2,17) e as obras sem amor de nada vale nos diz Paulo. Mais ainda, amor sem obras não é verdadeiro, nos diz João. O que é então uma fé verdadeira? É uma fé que contém tudo isto. Está bem claro:

Fé operando por meio do amor.

5

AS ADVERTÊNCIAS DAS EPÍSTOLAS

Seguindo com nosso estudo vamos passar agora para as epístolas.

5.1. ROMANOS 11:22 A BONDADE DE DEUS, SE PERMANECERMOS NESSA BONDADE

Vamos começar com Romanos 11:19-22. Lemos a respeito de Israel e daqueles que crêem:

Dirás então: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado. Está bem; pela sua incredulidade foram quebrados [ele quer

dizer Israel], e tu pela tua fé estás firme. Não

te ensoberbeças, mas teme; porque, se Deus

não poupou os ramos naturais, não te poupará a ti. Considera pois a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram,

severidade; para contigo, a bondade de Deus, SE

permaneceres

também tu serás cortado.

contrário

nessa

bondade;

do

Esta passagem se refere àquelas pessoas que estão firmes na fé.Para estas pessoas, para aqueles de nós que se mantêm firmes na fé, a bondade de Deus é sobre nós. Mas isto não é incondicional. A preposição se, apresenta claramente uma condicional. Qual condição? Que permaneçamos em sua bondade. Se abandonamos esta bondade e não mais continuamos com Deus, então a resposta que

a Palavra nos dá é clara: também seremos cortado.

Também está claro pelo que Paulo fala em 2 Coríntios 13:5 que é possível chegar a um limite de fé, onde a fé pode ter se exaurido, e alguém não mais esteja permanecendo na fé:

2 Coríntios 13:5 Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados.

Baseado nisto fica evidente que um Cristão pode não permanecer na fé, isto é, ele pode ter implícita ou explicitamente se desviado da sua fé. Se não houvesse esta possibilidade, não haveria razão para Paulo dizer que deveríamos provar a nós mesmos quanto a verificar se permanecemos ou não em fé. Talvez seja por isso que nós o encontramos junto com Barnabé em Atos 14:22 fazendo o seguinte:

E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, Icônio e Antioquia, confirmando as almas dos discípulos, exortando-os a perseverarem na fé, dizendo que por muitas tribulações nos é necessário entrar no reino de Deus.

Não haveria razão para os apóstolos exortar os crentes a perseverarem na fé, se não houvesse possibilidade de não mais perseverar, interromper ou se desviar da fé. Sendo assim é possível que um crente cuja fé tenha sido interrompida, não mais permaneça na bondade de Deus. O que acontecerá neste caso? Romanos 11:22 nos dá a resposta de maneira muito clara: esta pessoa será cortada. Jesus disse exatamente o mesmo para aqueles que não permanecessem Nele:

João 15:1-2, 6 Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o viticultor. Toda vara em mim que não dá fruto,

Quem não permanece em mim é

lançado fora, como a vara, e seca; tais varas

e

ele a corta;

são

recolhidas,

lançadas

no

fogo

queimadas.”

Então ser cortadonão é alguma coisa impossível, como várias pessoas nos fizeram acreditar, mas uma grave possibilidade que pode se tornar real para aquele que não mais permanecer na videira, segundo as palavras de João, ou não tiver perseverado em sua fé, apartando-se de sua bondade, nas palavras de Paulo.

5.2. COLOSSENSES 1:21-23 SANTOS E IRREPREENSÍVEIS, SE PERMANECERMOS NA FÉ

Seguindo

com

Colossenses

1:21-23

nós

lemos:

A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis, se é que permaneceis na fé, fundados e firmes, não vos deixando apartar da esperança do evangelho que ouvistes, e que foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, fui constituído ministro.

Cristo realmente nos reconciliou com Deus, pela Sua carne, por meio de sua morte, para nos apresentar santos e irrepreensíveis. Mas isto não é incondicional, como se houvesse um SEtambém expresso, uma condição que deve ser mantida para que estas maravilhosas verdades se tornem uma realidade completa para nós no dia do Senhor. E qual é esta condição? Aqui está ela: se é que permaneceis na fé, fundados e firmes, não vos deixando apartar da esperança do evangelho.” Novamente veja a

expressão permanecer na fé.Nós vimos em Romanos 11 que se nós não permanecemos na Sua bondade seremos cortados. O mesmo vemos aqui também: se não permanecermos na fé, isto é, se descontinuarmos a andar em fé, então nós NÃO seremos contados entre aqueles que ele apresentará como santos, sem defeito, e irrepreensíveis.Como também a carta aos Hebreus nos diz:

Hebreus 12:14 Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor

Apenas os santos vão ver o Senhor e terão a vida eterna. E apenas Cristo pode nos apresentar como santos! Mas quando? SE permanecemos na fé, firmes e não formos movidos da esperança do evangelho.

5.3 A CORRIDA DA FÉ: O EXEMPLO DE PAULO

Considerando o que Paulo disse e instruiu, fica claro que a fé é uma corrida a ser corrida, uma luta a ser travada. Como ele disse a Timóteo:

1 Timóteo 6:11-12 Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão. Peleja a boa peleja da fé, apodera-te da vida eterna, para a qual foste chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas.

Desta

instrução,

evidenciadas:

duas

coisas

ficam

1. A fé é realmente uma peleja, uma batalha!

Peleja a boa peleja da fédisse Paulo.

2. Nós fomos chamados para a vida eterna,

mas também precisamos nos apoderar dela! A

tradução da palavra grega epilavousignifica agarrar, se apoderar, pegar

(Dicionário Strong). Nós fomos chamados para a vida eterna mas isto não significa que nós já nos apoderamos dela. Nós estamos correndo em direção a ela! Conforme 1

Coríntios 15:2 também diz: .

qual

também sois salvos, se é que o conservais tal como vo-lo anunciei;(1 Coríntios 15:2) ou seja,

nós estamos no processo de sermos salvos, nós estamos correndo em direção a vida eterna para adquiri-la.

pelo

Mas Paulo não deu apenas instruções aos outros. Em primeiro lugar ele as aplicou a ele mesmo. Conforme ele diz:

Filipenses 3:8-15 Sim, na verdade, tenho também como perda todas as coisas pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como refugo, para que possa ganhar a Cristo, e seja achado nele, não tendo como minha justiça a que vem da lei, mas a

que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé; para conhecê-lo, e o poder da sua ressurreição e a e a participação dos seus sofrimentos, conformando-me a ele na sua morte, para ver se de algum modo posso chegar a ressurreição dentre os mortos. Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas vou prosseguindo, para ver se poderei alcançar aquilo para o que fui também alcançado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus. Pelo que todos quantos somos perfeitos tenhamos este sentimento; e, se sentis alguma coisa de modo diverso, Deus também vo-lo revelará.

E novamente em 1 Coríntios 9:24-27:

Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só é que recebe o prêmio? Correi de tal maneira que o

alcanceis. E todo aquele que luta, exerce domínio próprio em todas as coisas; ora, eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível. Pois eu assim corro, não como indeciso; assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo,

e o reduzo a submissão, para que, depois de pregar

a outros, eu mesmo não venha a ficar reprovado.”

Como Paulo disse com relação a ele mesmo:

Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas vou prosseguindo, para ver se poderei alcançar aquilo para o que fui também alcançado por Cristo Jesus.” E novamente: Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado.” A figura que temos de Paulo não é de um Cristão que já tenha atingido seu alvo, e que estava agora descansado … “curtindo a vida.Pelo contrário, a figura que temos é de um atleta que corre em direção ao seu objetivo, para ver se de algum modopossa conquistá-lo. É a figura de um bom lutador que não dá golpes

no ar, mas trava sua luta com os olhos firmes na sua vitória, no seu prêmio. Apenas no final de sua vida, Paulo disse o seguinte:

2 Timóteo 4:6-8 Quanto a mim, já estou sendo derramado como libação, e o tempo da minha partida está

próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente

a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.

Como vemos, fé para Paulo é algo que

devemos manter. Eu mantive a fé.Claro, então, que fé não é algo estático, que uma vez que você a tem, é um trato feito e você pode deixar se assentar que chegará ao fim automaticamente. Ao contrário, fé para Paulo

é uma luta a ser travada e uma corrida a ser

percorrida. A vida eterna não é algo que já

alcançamos. É algo ao qual fomos chamados e estamos em busca até alcançarmos.

Que todos nós sejamos capazes de dizer o que Paulo disse ao final de sua vida: Combati o bom combate, acabei a carreira e mantive a fé.Que nenhum de nós considere já haver recebido o prêmio quando o próprio Paulo não ousou pensar isso de si mesmo, mas só disse no fim. Vamos todos correr a corrida da fé e sermos seu imitadores, como ele nos pediu. ( como ele mesmo nos diz para fazer 1 Coríntios 11:1)

5.4 HEBREUS 12:22-25: MUITO MENOS

ESCAPAREMOS NÓS, SE NOS DESVIARMOS DAQUELE QUE NOS ADVERTE LÁ DOS CÉUS

Vamos agora para epístola de Hebreus, onde muitos avisos são encontrados Vamos começar lendo Hebreus 12:22-25:

Mas tendes chegado ao Monte Sião, e a cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial, a miríades de anjos; e a Jesus, o mediador de um novo pacto, e ao sangue da aspersão, que fala melhor do que o de Abel. Vede que não rejeiteis ao que fala; porque, se não escaparam aqueles quando rejeitaram o que sobre a terra os advertia, muito menos escaparemos nós, se nos desviarmos daquele que nos adverte lá dos céus;

A epístola aos Hebreus, como todas as outras epístolas é endereçada a crentes. Quando o vósé utilizado, isto pode apenas se referir a crentes. E realmente, apenas a crentes poderia ser aplicada a seguinte frase:

Mas tendes chegado ao Monte Sião, e a cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial.Nenhum incrédulo já viu ou verá a cidade do Deus Vivo, a menos, é claro, que ele se torne crente. O autor está claramente endereçando a mensagem a crentes. Então, usando o exemplo dos israelitas que pereceram, ele adverte a congregação, dizendo-lhes: Vede que não

rejeiteis ao que fala; porque, se não escaparam aqueles quando rejeitaram o que sobre a terra os advertia, muito menos escaparemos nós, se nos desviarmos daquele que nos adverte lá dos céus;Desta advertência, dois aspectos ficam novamente evidenciados:

i) um crente, alguém que chegou a cidade do Deus vivo, pode voltar atrás, pode recusar a Deus.

ii) se ele fizer isto, então a fé que ele teve um dia mas que não mais possui não o salvará realmente, fazendo-o escapar.

Também o exemplo dado nos diz: todos os israelitas começaram em consenso, juntos no mesmo propósito para chegar a terra prometida. Mas no caminho, praticamente todos, voltaram atrás, rejeitando a Deus e Seu plano. Deus permitiu que estes entrassem na terra prometida, a qual todos começaram a ir e para onde Deus os havia chamado a entrar?

Não, Ele não permitiu. Aqueles que recusaram Deus no caminho, morreram no deserto. Esta não é uma analogia que eu dou, mas uma analogia que a Palavra de Deus dá para aqueles que decidem voltar atrás no caminho. Da mesma forma que os israelitas, que voltaram atrás e não entraram na terra prometida, assim também nós, embora tenhamos sido chamados à vida eterna, não escaparemos e não entraremos na Reino prometido se, no caminho voltarmos contra Deus.

5.5 HEBREUS 4:1-3, 9-12: PROCUREMOS

DILIGENTEMENTE ENTRAR NO DESCANSO DE DEUS

Seguindo para próxima passagem, desta vez lemos em Hebreus 4:

Portanto, tendo-nos sido deixada a promessa de entrarmos no seu descanso, temamos não

haja algum de vós que pareça ter falhado. Porque também a nós foram pregadas as boas novas, assim como a eles; mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não chegou a ser unida com a fé, naqueles que a ouviram. Porque nós, os que temos crido, é que entramos no descanso, tal como disse: Assim jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso; embora as suas obras estivessem acabadas desde a fundação do mundo;… Portanto resta ainda um repouso sabático para o povo de Deus. Pois aquele que entrou no descanso de Deus, esse também descansou de suas obras, assim como Deus das suas. Ora, a vista disso, procuremos diligentemente entrar naquele descanso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência. Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até a divisão de alma e espírito, e de juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.

O que eu considero uma expressão alternativa para a entrada no Reino de Deus, ser salvo, viver eternamente é algo designado para nós que cremos. Este é o plano, o desígnio de Deus para todo o crente. E isto é exatamente o que vai acontecer, a menos que alguns destes caia em desobediência a Deus, negando a Ele, voltando-se para longe Dele como fizeram os israelitas. Por isso que o escritor está dizendo: procuremos diligentemente entrar naquele descanso para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência.” Novamente é interessante verificar novamente a origem da palavra grega traduzida na versão em português no sentido de procurar diligentemente, ou seja, esforçar-se: a palavra no original advém da palavra spoudazoque significa esforçar-se, estar diligentemente pronto, apto; ser diligente, trabalhar, laborar, estudar, se empenhar. ( tradução utilizando como referência ao citado na língua inglesa proveniente do Strong Dicionário). Nós devemos nos esforçar para

entrar no descanso de Deus. Desse jeito fica claro que entrar no descanso de Deus não é algo garantido nem tampouco algo que acontece automaticamente, de uma vez por todas, quando alguém acredita pela primeira vez. Ao contrário, é algo que devemos dar diligência para que tenhamos acesso. Isto é o que aqueles da segunda e terceira categoria da Parábola do Semeador não fizeram e como resultado as sementes da Palavra nunca deram frutos. Ao contrário, esta descrição que obtemos de Hebreus se enquadra perfeitamente com a figura que Paulo nos deus anteriormente em 1 Coríntios 9:24-27:

1 Coríntios 9:24-27 Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só é que recebe o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. E todo aquele que luta, exerce domínio próprio em todas as coisas; ora, eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível. Pois eu assim corro, não como

indeciso; assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo a submissão, para que, depois de pregar a outros, eu mesmo não venha a ficar reprovado.

O verdadeiro crente tenta fazer o melhor de sua fé, esforçando-se para entrar no descanso de Deus, praticando a fé, sim, talvez com falhas, mas nunca desistindo. Que todos nós façamos isto hoje, e continuemos fazendo o mesmo até o fim!

5.6 HEBREUS 6:4-9 AQUELES QUE SE FIZERAM PARTICIPANTES DO ESPÍRITO SANTO E DEPOIS DECAÍRAM

Continuando em Hebreus lemos:

Porque é impossível que os que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus, e os poderes do mundo vindouro, e depois caíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; visto que, quanto a eles, estão crucificando de novo o Filho de Deus, e o expondo ao vitupério. Pois a terra que embebe a chuva, que cai muitas vezes sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é lavrada, recebe a bênção da parte de Deus; mas se produz espinhos e abrolhos, é rejeitada, e perto está da maldição; o seu fim é ser queimada. Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores, e que acompanham a salvação, ainda que assim falamos.

Três

perguntas

que

alguém

possa

fazer

referente a esta passagem :

i) esta passagem fala de crentes? Eu acredito que isto é óbvio, porque fala de pessoas que

provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus, e os poderes do mundo vindouro.Podem incrédulos ou impostores que enganam aos outros mas não a Deus serem por exemplo participantes do Espírito Santo? Não, eles não podem. Está claro que esta passagem é endereçada a crentes.

ii) Esta passagem sugere que tais pessoas que uma vez foram iluminadas e se fizeram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus, e os poderes do mundo vindouropossam cair, desistir? Sim, é exatamente isto que o texto diz.

iii) O que vai acontecer àqueles que caírem? O fim deles se assemelha ao fim da terra que produz espinhos e abrolhos, e é rejeitada e perto está da maldição, cujo fim é ser queimada.

Esta portanto, é outra forte advertência para todos nós que estamos começando, ou para

aqueles que já começaram a sua carreira na fé:

começar a carreira é uma grande coisa. Mas precisamos corrê-la até o fim. Cair na fé, abandonar a corrida, abandonar Cristo, a videira, é algo que nenhum de nós devemos fazer.

Agora, a passagem deixa claro que é impossível para os que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus, e os poderes do mundo vindouro, e depois caíram, sejam outra vez renovados o arrependimento.Em outras palavras, não há meio de retorno para estas pessoas. E a razão para isto é dada na seguinte passagem:

visto que, quanto a eles, estão crucificando de novo o Filho de Deus, e o expondo ao vitupério.”

É minha opinião que a maioria dos casos de retrocesso pode ser perdoada, quando há um

verdadeiro arrependimento e retorno. No entanto, este caso é algo diferente. É impossívela passagem diz, que estas pessoas sejam renovadas para o arrependimento. E não diria que compreendi 100% as razões contida no texto e não queria dizer coisas que o texto não diz claramente. Porém, o que o texto diz claramente é que seus atos seriam iguais a crucificar o Senhor e expô-lo à vergonha. Em outras palavras, não seria apenas como se eles participassem da crucificação com seus atos, mas também demonstraria que o Cristo merecia ser crucificado. E isto não aconteceria na ignorância, mas por pessoas que tinham conhecido o Senhor e a Sua bondade 3 . Em

3 Aqueles que originalmente crucificaram o Senhor, clamando na frente de Pilatos: "Crucifica-o, crucifica-o", o fizeram na ignorância (Atos 3: 14-21). A porta de arrependimento estava aberto para eles. Mas aqueles de Hebreus 6 são outra coisa. Estes que rejeitaram o Senhor, não o fizeram por ignorância, mas com pleno conhecimento e só depois que eles "foram iluminados, e

minha opinião não temos aqui um simplesdesviar de caminho, mas uma negação pública, uma rejeição aberta do Cristo pela pessoa que, foi iluminada, provou dos dons celestiais, teve parte com o Espírito Santo, provou a boa nova de Deus e o poder do tempo que há de vir.Para tal comportamento não é arrependimento.

Talvez a renúncia pública de Cristo seja algo de difícil compreensão de seus motivos para nós que vivemos na segurançae sem nenhuma perseguição particular da sociedade ocidental. Mas não era assim no primeiros séculos depois de Cristo. O Cristianismo era uma religião ilegal e era punido com a mortes, torturas e confiscos. A renúncia pública e o retorno à religião legal (como paganismo ou mesmo judaísmo) era apresentado pelos

perseguidores como a solução dos problemasdeles. Especialmente para aqueles com raízes judaicas, como Hebreus crentes, que eram os destinatários originais da epístola, o retorno para a sinagoga e o judaísmo familiar parecem ter sido alguns apelos. Portanto, tal retorno exigia uma renúncia pública de Cristo em frente a Sinagoga, além de expô-lo ao vexame 4 . Talvez seja por isso que o autor toma especial ênfase em avisar ao seu público contra algo como isto, deixando claro as consequências.

Fechando esta advertência bastante dura, nós encontramos palavras encorajadoras no versículo 9:

4 Para saber mais sobre os Hebreus ver: David Pawson, „Unlocking the Bible”, Harper Collins Publishers, 2003, pp. 1115-1118 e Roger Hahn, o livro de Hebreus Lição 1, encontrados on-line aqui:. Http://www.crivoice.

org/biblestudy/bbheb1.html

Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores, e que acompanham a salvação, ainda que assim falamos.

E finalmente, segundo as palavras de John Wesley: Nós estamos persuadidos que agora vocês estão salvos dos seus pecados; e que vocês tem fé, amor, santidade, que os levarão a salvação final. Contudo, assim falamos, para adverti-los, a fim de que vocês não caiam de sua presente lealdade.

5.7 HEBREUS 10:23-29, 35-39: SE

VOLUNTARIAMENTE CONTINUARMOS NO PECADO, SE TODOS RECUAREM.

Continuando em Hebreus, nós encontramos mais uma forte advertência em Hebreus 10. Vejamos o que diz:

retenhamos inabalável a confissão da nossa esperança, porque fiel é aquele que fez a promessa; e consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que

se vai aproximando aquele dia. Porque se voluntariamente continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma expectação terrível de juízo, e um ardor de fogo que há de devorar os adversários. Havendo alguém rejeitado a lei de Moisés, morre sem misericórdia, pela palavra de duas ou três testemunhas; de quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue do pacto, com que foi santificado, e ultrajar ao

Não lanceis fora, pois, a

Espírito da graça?

vossa confiança, que tem uma grande recompensa. Porque necessitais de perseverança, para que, depois de haverdes

feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa. Pois ainda em bem pouco tempo aquele que há de vir virá, e não tardará. Mas o meu justo viverá da fé; e se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós, porém, não somos daqueles que recuam para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma.

Novamente três questões fundamentais, cuja resposta é clara no texto:

i) Esta passagem, que é especialmente uma forte advertência, se refere a crentes? A resposta é sim: ela fala sobre pessoas que foram santificadas com o sangue da promessa e sem dúvida, estas pessoas só podem ser cristãs. Como 1 Coríntios 6:9-11 diz, falando a Cristãos:

Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas nem os

ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E tais fostes alguns de vós; mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus.”

Santificação e perdão são reservados àqueles que crêem, e os meios de alcançá-los é através do sangue da promessa(Mateus 26:28).

ii) Agora, é possível que alguém que tenha sido santificado com o sangue da promessa, o sangue de Cristo, retroceder e então passar a considerar o mais precioso sangue como comum, colocando embaixo dos seus pés o Filho de Deus, e insultando o Espírito Santo? É possível para alguém que uma vez creu retroceder? Está claro pela passagem acima e por outras passagens que vimos até agora que isto é realmente possível.

iii) A próxima pergunta é: a salvação é o que aguarda aqueles que embora tenham sido santificados pelo sangue da aliança, mas depois o consideraram comum, e retrocederam? Bem, é óbvio a partir deste texto que a resposta é negativa.

Além disso, eu também quero pontuar o seguinte trecho da passagem:

Porque se voluntariamente continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma expectação terrível de juízo, e um ardor de fogo que há de devorar os adversários.

Um pouco adiante vamos falar mais a respeito do pecado, e quando alguém está realmente fora da fé. Mas, para dar agora uma resposta curta a este respeito, ela talvez esteja expressa na passagem que diz se voluntariamente continuarmos no pecado,

depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade.Pecar voluntariamente não é um ato único, isolado, um episódio na vida de fé, que está se esforçando na retidão. Ao contrário, significa uma vida que vive a prática do pecado, uma vida que habitualmente, e como forma de viver, peca, apesar do conhecimento da verdade. Esta negligência habitual e voluntária de tudo aquilo que sabemos que diz a Palavra de Deus, é mortal, e tal pessoa deveria arrepender-se imediatamente, ao invés de descansar numa falsa garantia de salvação.

5.8 INTERPRETAR MAL HEBREUS 6 E HEBREUS

10

Muitos daqueles que apreciam a crença de que uma vez que ele tenha acreditado está salvo e permanecerá salvo, não importando o

que aconteça com sua fé mais adiante quando percebem que Hebreus 6 e Hebreus 10 não se alinham com esta crença, tentam encontrar meios para explicar estas passagens. Muitas destas tentam basicamente provar que estas passagens não se relacionam realmente a crentes. Mas se uma pessoa foi santificada com o sangue de Jesus e se tornou co-herdeiro do espírito santo nunca foi um verdadeiro crente, então quem seria um crente verdadeiro? Outros contudo, apesar de ainda darem apoio àquela doutrina, não podem negar o ensinamento óbvio contido nestas passagens e que realmente se referem a crentes. Um deles é Barnes, um conhecido comentarista, a quem eu referencio frequentemente. Ele disse o seguinte nos seus comentários a respeito de Hebreus 10:26:

Se depois

de

nos

convertermos

e

nos

tornarmos

verdadeiros

Cristãos,

apostatássemos da fé, seria impossível nos

recuperarmos novamente, pois não haveria outro sacrifício para o nosso pecado; nenhum outro modo pelo qual pudéssemos ser salvos.Esta passagem, no entanto, como em Hebreus 6:4-6, abriu caminho para muitas diferentes opiniões. Mas me parece evidente que a interpretação acima é realmente a correta, ou seja, que se refere a crentes, pelas seguintes considerações:

(1) Seria a interpretação natural e óbvia a ser constatada por noventa e nove por cento dos leitores desta passagem, se não houvesse nenhuma teoria a ser sustentada, e nenhum receio que a interpretação imediata e natural pudesse divergir com algum outro tipo de doutrina. (2) Está de acordo com o âmbito, com o contexto da Epístola, que corresponde a evitar que aqueles para os quais o apóstolo endereça a epístola retrocedam novamente para a religião Judaica, sob os julgamentos e

ordenanças aos quais estavam submetidos, relacionadas àquela religião. (3) está de acordo com o sentido adequado da linguagem as palavras depois de termos adquirido o conhecimento da verdadereferindo-se com naturalidade à verdadeira conversão, com o sentido de plenitude neste conhecimento, que excede a um simples entendimento como assentimento mental; (4) o sentimento não estaria correto caso não se referisse especificamente a um verdadeiro Cristão. Não seria verdadeiro que alguém que tivesse sido iluminado, e que depois tivesse pecado voluntariamentepudesse olhar apreensivamente, com grande temor para um julgamento e não tivesse mais a possibilidade de ser salvo. Existe uma multiplicidade de casos onde tais pessoas são salvas. Elas deliberadamente resistem ao Espírito Santo; elas se esforçam contra ele. Por muito tempo se recusam a render-se, mas são novamente trazidas à contemplação, à reflexão, e são levadas a entregar seus corações a Deus.

(5) é verdade, e sempre será, que se um Cristão sincero apostatar da fé, ele nunca mais poderá se converter novamente; veja os apontamentos em Hebreus 6:4-6. As razões são óbvias. Ele teria tentado o único, derradeiro, e definitivo plano de salvação, e teria falhado. Ele teria abraçado ao Salvador, e não havendo mais eficácia suficiente em Seu Sangue para mantê-lo no caminho, não poderia haver mais poderoso Salvador e mais eficaz sangue da aliança para resgatá-lo posteriormente. Ele teria renunciado o Espírito Santo, e teria demonstrado que suas influências não eram eficazes para mantê-lo no caminho, e não haveria outro agente com poder maior para renová-lo e salvá-lo depois que apostatasse da fé que uma vez anunciara. Por estas razões, me parece claro que esta passagem se refere a verdadeiros Cristãos, e que a doutrina aqui ensinada é de que, se alguém chegar a apostatar da fé, ele deverá aguardar apenas os terrores do julgamento, e a condenação final.

Portanto, de acordo com Barnes podiam apenas se referir a um verdadeiro Cristão. No entanto, ele escolhe dar uma justificativa a respeito. Como? Através da seguinte Teoria:

Se fosse questionado quanto a possibilidade de um verdadeiro Cristão ter caído, ou vir a perder a Graça, e perder completamente sua religião, eu responderia sem hesitação: não! Se então me fosse perguntado qual foi o objetivo de uma advertência como esta, eu responderia: Demonstraria o grande pecado da apostasia caso isto acontecesse. É apropriado declarar a grandeza deste ato de pecado, embora ele talvez nunca realmente ocorra, para mostrar como o mesmo seria considerado por Deus.(grifos adicionados)

Em outras palavras, de acordo com Barnes, Deus está, basicamente brincando conosco! Ele nos fala sobre a grande destruição que uma pessoa sofreria se abandonasse a fé,

embora esta situação, seja supostamente impossível de acontecer. Ele se dedica a passagens e mais passagens com o único objetivo de nos advertir a respeito de alguma coisa que, de acordo com Barnes, não é realmente um perigo. Deus realmente faria algo assim? Não, Ele não faria. Nosso Deus não brinca conosco. Aquilo que Ele diz, esteja certo: Ele quer dizer exatamente aquilo!

De nossa parte agora, podemos escolher uma bizarra explicação para evitarmos Hebreus 6 e 10 ou podemos escolher acreditar no que lemos não somente em Hebreus, mas nas demais passagens que abordamos neste estudo.

5.9. HEBREUS 3:4-6: CONSERVARMOS FIRMES ATÉ O FIM A NOSSA CONFIANÇA

Mais adiante em Hebreus, no capítulo 3 nós lemos:

Hebreus 3:4-6

Porque toda casa é edificada por alguém, mas quem edificou todas as coisas é Deus. Moisés, na verdade, foi fiel em toda a casa de Deus, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar; mas Cristo o é como Filho sobre a casa de Deus; a qual casa somos nós, se tão-somente conservarmos firmes até o fim a nossa confiança e a glória da esperança.”

E a passagem continua:

Hebreus 3:7-14 Pelo que, como diz o Espírito Santo: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações, como na provocação, no dia da tentação no deserto, onde vossos pais me tentaram, pondo-me a prova, e viram por quarenta anos as minhas obras. Por isto me indignei contra essa geração, e disse: Estes sempre erram em seu coração, e não chegaram

a conhecer os meus caminhos. Assim jurei na

minha ira: Não entrarão no meu descanso. Vede, irmãos, que nunca se ache em qualquer de vós um perverso coração de incredulidade, para se apartar do Deus vivo; antes exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado; porque nos temos tornado participantes de Cristo, se é que guardamos firme até o fim a nossa confiança inicial;

É possível que um Cristão se aparte do Deus vivo? Vede IRMÃOSé a maneira que a passagem em questão se inicia. Contudo, sim é possível que um irmão se afaste para longe do Deus vivo. Além disso, veja as duas declarações condicionais que começam com se.Nós somos a morada de Cristo se é que guardamos firme até o fim a nossa confiança inicial.E novamente, temos nos tornado participantes de Cristo, se é que guardamos firme até o fim a nossa confiança inicial.” Aqui

nós vemos mais uma vez o que vimos várias vezes até agora: a fé é uma corrida, uma carreira a ser seguida com começo e fim. Qual é o fim? Se Cristo não voltar durante a nossa vida aqui, então o fim é o próprio fim da nossa existência aqui. De outro modo, será o tempo de Sua vinda e nosso encontro com Ele. Aqueles que mantiveram firmes em suas confianças até o fim, isto é, aqueles que correram a carreira e mantiveram a sua fé até o fim entrarão no reino de Deus. Mas aqueles que desistiram de sua fé não herdarão o reino. Eles NÃO serão participantes em Cristo, e nem serão a Sua morada. Isto é o que a expressão sequer nestas passagens dizem claramente.

5.10. MATEUS 24:13: MAS QUEM PERSEVERAR ATÉ O FIM ESTE SERÁ SALVO

No mesmo capítulo em outros versículos, e voltando um pouco ao evangelho de Mateus, o Senhor Jesus disse:

Mateus 24:9-13 Então sereis entregues a tortura, e vos matarão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos hão de se escandalizar, e trair-se uns aos outros, e mutuamente se odiarão. Igualmente hão de surgir muitos falsos profetas, e enganarão a muitos; e, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo.

Alguns poderão dizer que o Senhor fala aqui sobre os últimos dias. E eles estarão certos. Mas não estamos vivemos estes últimos dias agora? E para evitar abrir uma discussão escatológica aqui, ainda mais que este estudo não se trata deste assunto, mesmo que estes não fossem os últimos dias, isto faria com que esta última declaração tivesse menos validade

hoje? Como Ele disse: mas quem perseverar até o fim será salvo.Exatamente da mesma forma que vimos anteriormente em Hebreus:

porque nos temos tornado participantes de Cristo, se é que guardamos firme até o fim a nossa confiança inicial; (Hebreus 3:14). A fé é uma corrida e para persegui-la precisamos ter perseverança. E aqueles que não perseverarem não apenas um pouco, não até a metade, mas até o final da corrida, serão salvos. Os outros, aqueles que se desviarem, que não perseverarem, não estarão lá. É por isto que o autor de Hebreus nos encoraja:

Hebreus 10:35-39 Não lanceis fora, pois, a vossa confiança, que tem uma grande recompensa. Porque necessitais de perseverança, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa. Pois ainda em bem pouco tempo aquele que há de vir virá, e não tardará. Mas o meu justo viverá da fé; e se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós, porém, não

somos daqueles que recuam para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma.”

Nós precisamos ter perseverança, para depois que fizermos a vontade de Deus possamos receber o que foi prometido. E conforme 1 João nos diz:

1 João 2:25 E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna.

A vida eterna é a promessa, a principal promessa. Mas para recebê-la precisamos permanecer nela até o final. Aqueles que abandonam a corrida, aqueles que não perseverarem, mas retrocederem, não receberão a promessa. E o escritor de Hebreus novamente nos encoraja assim:

Hebreus 12:1-2

Portanto,

nós

também,

pois

estamos

rodeados

de

tão

grande

nuvem

de

testemunhas, deixemos todo embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta, fitando os olhos em Jesus, autor e consumador da nossa fé, o qual, pelo gozo que lhe está proposto, suportou a cruz, desprezando a ignomínia, e está assentado a direita do trono de Deus.

Nós precisamos correr a corrida e só há um modo de corrê-la: com perseverança, e olhando para Jesus, o fundador e aperfeiçoador da nossa fé. E correr com perseverança, ter os olhos fixos em Jesus e no que é prometido a nós, produziremos o fruto que nos marca como verdadeiros apóstolos de Cristo. O fruto produzido por aquelas pessoas da quarta categoria de solo descrita na parábola do semeador:

Mas a que caiu em boa terra são os que, ouvindo a palavra com coração reto e bom, a retêm e dão fruto com perseverança.”

A palavra perseverançaé traduzida do grego aqui da mesma forma que em Hebreus 10:36 e 12:1. Aqueles incluídos na quarta categoria, são aqueles que perseveraram, que permaneceram correndo para o Senhor, firmes na videira, e dão fruto com perseverança. Possamos todos nós estarmos nesta categoria, e permanecermos nela. e, se algum de nós não está, que possa se arrepender corra com perseverança a carreira que nos está proposta.

5.11 - 1 JOÃO 2:24-25 – “SE EM VÓS

PERMANECER O QUE DESDE O PRINCÍPIO OUVISTES

Deixando Hebreus, vamos agora para 1 João 2:24-25. Lá nós lemos:

Portanto, o que desde o princípio ouvistes, permaneça em vós. Se em vós permanecer o

que desde o princípio ouvistes, também vós permanecereis no Filho e no Pai. E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna.

A quem João está se referindo aqui? Isto está claro pelo versículo 21 quando ele diz para seus ouvintes: Não vos escrevi porque não soubésseis a verdade, mas porque a sabeis, e porque nenhuma mentira vem da verdade.Então os seus ouvintes eram crentes, pessoas que conheciam a verdade. João diz a eles que se a Palavra de Deus tivesse permanecido neles desde o começo, quando a ouviram, eles permaneceriam sustentados no Filho e no Pai. Por isto fica claro então que é possível que alguém que ouviu e já sabe a respeito da verdade como estes sabiam da verdade ( versículo 21) não mais permanecesse na verdade. Isto é o que o sesignifica na passagem ( Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes). Como João deixa claro, somente aqueles cujos corações estão ligados à palavra de Deus, continuam ligados

e a viver ligados no Filho e no Pai. Em outras palavras, e fazendo uma leitura diferente, Se a Palavra deixou de habitar o coração de alguém, então este alguém também deixou de estar no Filho e no Pai. E o que acontece em casos assim? João clarifica isto em alguns versículos adiante, versículo 28.

1 João 2:28 E agora, filhinhos, permanecei nele; para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança, e não fiquemos confundidos diante dele na sua vinda.”

Veja este para que.Quando há esta expressão para que, saibamos que a condição seguinte depende completamente do que está expresso antes. Só existe uma maneira de não nos envergonharmos e vacilarmos diante Dele de vergonha na Sua vinda: é permanecendo firmes nele. E para estar firmes Nele, lemos em 1 João 1:24-25, que precisamos ter a Sua Palavra firmes em nós,

viva em nós. Apenas quando estamos firmes Nele. Para evitar confusão vamos resumir.

i) Não ficaremos envergonhados com a Sua vinda, se tivermos firmes Nele (1 João 2:28).

ii) E firmes Nele significa que Sua palavra permanece e vive em nós (1 João 2:24-25).

Portanto, estar firmes no Senhor não é alguma coisa que podemos fazer uma vez e estaremos permanentemente, para sempre, firmes Nele, independente da maneira como vivemos, independente se a Palavra de Deus realmente vive em nós. Se fosse assim não haveria razão pela qual João falasse a crentes, com objetivo de encorajá-los a viver firmes na Palavra e em Cristo. Ao contrário, permanecer Nele é uma decisão a qual, embora tenhamos feito uma vez, tem que ser nossa decisão hoje também. firmes na Palavra é algo que escolhemos fazer em nossas vidas.

Esta frase permanecei Neleé a maneira de João nos dizer: lute a boa batalha da fé, continue na fé, continue em sua bondade, corra a carreira que é posta diante de você, e as outras frases que vimos em Paulo e autor de Hebreus utilizando. É a maneira de João nos dizer as mesmas coisas. e interpretar 1 João 2:28 de uma maneira diferente. Desde que permaneçamos Nele então não seremos envergonhados em Sua vinda. Isto portanto nos dá uma dica de como devemos entender passagens como a contida em Romanos 9:33:

como está escrito: Eis que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço; e uma rocha de escândalo; e quem nela crer não será confundido.

Note nesta passagem que é o tempo verbal aqui utilizado é o presente, declarando que a fé fala sobre uma realidade presente. Infelizmente alguns passam desapercebidos e lêem como se estivesse falando de algo acontecido no passado, ou seja, como segue:

a todo aquele que uma vez na vida creu no Senhor, independente do que tenha feito depois com sua fé, não será confundido.Mas a verdade é diferente. De acordo com João, não seremos envergonhados na Sua vinda, se, não apenas começarmos, mas também permanecermos (isto é, ficarmos) Nele. E quem Nele crer não será confundidode Romanos 9:33 se refere a pessoas que crêem(agora no presente) e serão achadas firmes Nele em sua vinda, ou o fim de suas vidas terão seu fim Nele, firmes Nele. Estes não serão envergonhados. Contudo, aqueles que, na Sua vinda, não permanecerem Nele, serão envergonhados. De fato o Senhor deixou isso mais claro ainda quando proclamou a parábola da vinha:

João 15:5-6 Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara,

secará; e os ardem.

e

colhem e

lançam no fogo, e

Novamente alguém que tem ensinado que a graça de Deus significa que basta a pessoa acreditar no início de sua vida para obter a salvação pode sentir-se inconfortável com o texto acima. Como está claro na passagem acima, não basta que alguém comece na fé, mas que termine o que começou. Ele precisa permanecer no Senhor e Sua palavra permanecer nele. Mais ainda, se ele não está no Senhor será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.Alguns podem pensar que falar de tais possibilidades seja algo sem compaixão, indelicado e sem amor. Infelizmente nos dias de hoje nós usamos o amor como desculpa para não dizermos a verdade e assim não deixar alguém inconfortável. Mas, ocultar a verdade é mentira e de jeito algum isso é amor. Não vamos nos sucumbir para algo que nada mais é do o espírito deste mundo. Se a

Palavra de Deus, se Deus que nunca mente e que é o próprio Amor nos diz tais coisas, então eu acho que devemos levá-las seriamente em consideração.

5.12 2 JOÃO 8-9 : PARA TODO AQUELE QUE VAI ALÉM DO ENSINO DE CRISTO E NÃO PERMANECE NELE

Seguindo para a segunda epístola de João, nós lemos nos versículos 8 e 9:

Olhai por vós mesmos, para que não percais o fruto do nosso trabalho, antes recebeis plena recompensa. Todo aquele que vai além do ensino de Cristo e não permanece nele, não tem a Deus; quem permanece neste ensino, esse tem tanto ao Pai como ao Filho.”

Novamente João utiliza o permanecer firmecomo a referência. Permanecer significa ficar ligado. Para estar firme,

permanecer em algo, depois de haver começado, é necessário se convencer a continuar nisto, a permanecer firme nisto. Isto é realmente estar firme, permanecer firme. Para ter o Pai e o Filho, para que venham e façam morada em você, você precisa permanecer nos ensinamentos de Cristo, isto é, permanecer firme em Sua Palavra. Verdadeiramente, como o Senhor disse:

João 14:23-24 Respondeu-lhe Jesus: Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada. Quem não me ama, não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que estais ouvindo não é minha, mas do Pai que me enviou.

Novamente há a expressão see existe um e(de fato, três deles). Se amamos a Cristo então permaneceremos em Sua Palavra, firmes em seus ensinamentos. E então, como resultado, o Pai nos amará e Ele juntamente

com o Filho virão e farão morada em nós. Mas se não ficamos com Sua Palavra, se não permanecêssemos firmes nos ensinamentos de Cristo, então isto significa que nós não O amamos, e como resultado, isto significa que não temos nem o Pai nem o Filho. Muitos podem não gostar desta palavra, mas elas são simples verdades da Palavra de Deus.

5.13 - 2 PEDRO 1:5-11 : EMPREGANDO TODA A DILIGÊNCIA ACRESCENTAI A NOSSA FÉ

Continuando em 2 Pedro 1:5-11 nós lemos:

2 Pedro 1:5-7 E por isso mesmo vós, empregando toda a diligência, acrescentai a vossa fé a virtude, e a virtude a ciência, e a ciência o domínio próprio, e ao domínio próprio a perseverança, e a perseverança a piedade, e a piedade a fraternidade, e a fraternidade o amor.

Nossa fé precisa ser acrescentada? Segundo Pedro precisa sim ser acrescentada. Com o que ela deve ser acrescentada? Com o seguinte: virtude, conhecimento, domínio próprio, fidelidade, santidade, afeição fraterna, amor. Repare bem, Pedro não diz: Se quiser, aqui está uma lista agradável daquilo que podemos ser.Pelo contrário, o que ele diz é MUITO enfático: procurai mais diligentemente.Estar na fé portanto envolve esforço, esforço para acrescentar à nossa fé, aquelas coisas que o apóstolo Pedro diz. E quem deve fazer este esforço? Muito simples:

Nós. Sim, com a ajuda do Senhor, mas essa ajuda não é uma coação, mas sim um trabalho em comunhão conosco.

O mesmo que Pedro nos fala, Paulo também nos diz de maneira diferente em Gálatas 5:22-

Mas o fruto do Espírito [a nova natureza, o novo homem] é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade. a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito. Não nos tornemos vangloriosos, provocando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros.

E em Romanos 12:1-2 Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.

Os dois apóstolos nos dizem o seguinte:

ande com o novo homem, não com o velho

homem; renove a sua mente, acrescente à sua fé.

De volta a 2 Pedro: Embora a Palavra nos diga empregando toda a diligência, acrescentai a vossa fé, vamos supor que alguém escolha não fazer nenhum esforço para acrescentar à sua fé conforme nos é dito. O que acontecerá neste caso? Nós podemos encontrar a resposta quando vemos o que acontece quando alguém age na direção de acrescentar à sua fé. Isto é mostrado em 2 Pedro, 1:8:

Porque, se em vós houver e abundarem estas coisas, elas não vos deixarão ociosos nem infrutíferos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.

Sendo assim, se empregarmos toda a diligência, acrescentando a nossa fécom aquelas qualidades mencionadas na Palavra, então não seremos ineficazes ou infrutífero no

conhecimento do Senhor. E ao contrário disto, uma pessoa que não haja desta forma e não faça esforço para não dizer todo o esforço possível para completar a sua fé, será uma pessoa ineficaz e infrutífera no conhecimento do nosso Senhor Jesus Cristo. E Pedro ainda nos fala mais:

2 Pedro 1:9 Pois aquele em quem não há estas coisas é cego, vendo somente o que está perto, havendo-se esquecido da purificação dos seus antigos pecados.

Aqueles que não se esforçam para acrescentar a sua fé e portanto tem falta destas qualidades são chamados cegos. Uma pessoa que não mais se lembra que foi lavada dos seus pecados do passado, exatamente como o homem da parábola dos 10.000 talentos, que havia esquecido a generosidade do seu senhor e do que havia sido purificado. E Pedro prossegue:

2

Pedro 1:10

Portanto, irmãos, procurai mais diligentemente fazer firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis.

Por que devemos ser diligentes ao fazer firme nossa vocação e eleição se já o fizemos no passado de uma vez por todas, no momento em que acreditamos? Porque, aquele dia em que cremos, nós começamos nossa caminhada na fé, mas esta fé tem que criar raízes. Ela tem que ser completada, tem que dar frutos. E Pedro continua:

2 Pedro 1:11

Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Este porque assimsignifica através destes meios, desta forma, por causa disto, nos será amplamente concedida a

entrada no reino. E por meio ou através do quê? Através das ações que lemos nos versículos anteriores: empregando toda a diligência para acrescentar à nossa fé com a qual Pedro nos disse que consequentemente significa dizer que não nos tornamos ineficazes e infrutíferos, mas que fomos diligentes em fazer firme a nossa vocação e eleição. Assim sendo, significa, por esta razão nos será amplamente concedida a entrada no reino de Deus. Agora, o texto acima nos traz a mente o seguinte pensamento e pergunta: Quer dizer que aqueles que foram diligentes em fazer sua fé uma fé frutífera como aqueles da quarta categoria da parábola do semeador fizeram, terão uma calorosa recepção no Reino de Deus e aqueles que não se importaram, que não se firmaram e permaneceram na videira, e cuja a fé foi ou se tornou infrutífera, morta, entrarão no Reino, mas de maneira menos calorosa? Uma olhada nos capítulos 2 e 3 anteriores e o aos dizeres do rei e veremos quem será bem

vindo. E pelo que li e minha compreensão é que somente os que estiverem preparados serão bem vindos. Isto não quer dizer que, somente os puros, sem pecado entrarão no reino. Não há ninguém assim, exceto o próprio Deus. Significa que embora estejamos alertas, que devemos cuidar de nossa fé, nos mover, ainda que como crianças, tentando viver nossa fé. Uma coisa é tentar viver nossa fé, com uma queda aqui outra ali e outra coisa é abandonar a fé, e ter o pecado como um hábito, um modo de viver, ignorando toda fé que tinha. Nem as cinco virgens displicentes, nem o servo infrutífero, nem todos que abandonaram a vinha encontrarão a porta do reino aberta. Que isto seja para nós exemplos a evitarmos. Portanto que possamos cuidar de nossa fé, e apesar de nossos erros e falhas, possamos completá-la com virtude, virtude com conhecimento, conhecimento com auto domínio, auto domínio com perseverança, perseverança com bondade, bondade com

amor fraterno

amplamente concedida a entrada no reino de

nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

agindo assim nos será

Pois

5.14. FILIPENSES 2:12-16: EFETUAI A VOSSA SALVAÇÃO COM TEMOR E TREMOR

A próxima passagem que vamos ver está em Filipenses 2:12-16. Lemos assim:

Filipenses 2:12-16 De sorte que, meus amados, do modo como sempre obedecestes, não como na minha presença somente, mas muito mais agora na minha ausência, efetuai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade. Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus imaculados no meio de uma geração corrupta e perversa, entre a qual resplandeceis

como luminares no mundo, retendo a palavra da vida; para que no dia de Cristo eu tenha motivo de gloriar-me de que não foi em vão que corri nem em vão que trabalhei.”

Trabalhar a nossa salvação, quer dizer vivenciar nossa fé, andar como um seguidor, um discípulo de Cristo. Agora, isto é opcional? É algo pelo qual não devemos nos importar caso não seja feito? Bem, a frase com temor e tremornão me parece algo opcional para mim. Esta frase tem um significado de que devemos continuar nos esforçando para fazê- lo conforme diz a Palavra. Portanto praticando a sua vivência de fé, com MUITA seriedade, tanto a ponto de temer e tremer. Usando as palavras que vimos Pedro utilizar no item anterior: você deve procurar diligentemente.

Além disso, Paulo diz aos Filipenses para reter a Palavra da vida.Se eles assim o fizessem, então no dia do Senhor, Paulo diz

que ficaria orgulhoso, pois não teria trabalhado em vão. Como consequência, isto significa que se eles não permanecessem firmes na Palavra, o trabalho de Paulo seria verdadeiramente em vão. E a pergunta é, por quê? Se estas pessoas fossem herdar o Reino, independentemente do que tivesse acontecido com sua fé depois de ter crido pela primeira vez, e de terem ou não permanecido na Palavra, e firmes na videira, então a obra de Paulo não teria sido em vão, desperdiçada. Certo? Alguns fizeram isto para o reino e isto não é em vão, absolutamente. Pessoalmente, a única explicação razoável que eu tenho para isso é que se os Filipenses não permanecessem firmes na Palavra, firmes na videira, então eles não alcançariam o Reino. E sim, o trabalho de Paulo teria sido em vão. O que nunca aconteceu.

Em Timóteo 6:10 encontramos um outro exemplo de pessoas que se desviaram da fé:

aqueles que amaram o dinheiro.

1 Timóteo 6:10 Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.”

Desviar-seprovém da palavra grega apeplanithisane significa: ser levado fora do caminho, ser seduzido.Pessoas que se desviaram, em determinado momento estavam andando no caminho certo, mas devido a uma decepção, não mais seguiram, foram levados para fora do caminho. Eles se desviaram. Paulo está se referindo as pessoas que se desviaram da fé, o que, consequentemente, deixa claro que eles estiveram uma vez na fé. A sedução das riquezas fará os enganados por elas vaguearem para longe da fé. Usando a parábola da videira em João 15, isto

corresponde a não permanecer firme na videira. Como resultado, isto implica em um solo infértil a terceira categoria da parábola do semeador uma vez que não há como dar frutos se não estiver ligado à videira 5 .Por fim, se não há um verdadeiro arrependimento, e uma conversão, no fim seremos cortados da videira e classificados como aqueles galhos a serem queimados (João 15:2,6).

Voltando a questão da riqueza é óbvio que ela é um inimigo mortal à fé; é um assassino da fé em primeiro grau. Quando o amor ao dinheiro entra em cena, a fé vai-se embora. Deus nos fornece bênçãos materiais, para suprir nossas necessidades, mas querer se tornar rico, querendo ser abençoadoa qualquer custo com riquezas NÃO é algo que

5 Em todo caso, a sedução das riquezas é explicitamente mencionada na parábola do semeador como um espinho e uma causa de esterilidade.

devemos

devemos fazer:

fazer.

Em

vez

disso,

eis

o

que

Hebreus 13:5-6 Seja a vossa vida isenta de ganância, contentando-vos com o que tendes; porque ele mesmo disse: Não te deixarei, nem te desampararei. De modo que com plena confiança digamos: O Senhor é quem me ajuda, não temerei; que me fará o homem?

Estamos fazendo isso? Estamos satisfeitos com o que temos? Nossa vida é livre do amor ao dinheiro ou estamos correndo atrás de riquezas? Vamos pensar e fazer os ajustes que sejam necessários.

REFLETINDO SOBRE DEUS COMO UMA MÁQUINA DE BÊNÇÃOS. ELE É MESMO ALGO ASSIM?

Divagando um pouco a respeito do que vimos nesta seção, é surpreendente para mim que dado os avisos solenes das Escrituras sobre o desejo de se tornar rico, este desejo é ainda assim muito cultivado nos púlpitos de várias igrejas e muito frequentemente através da chamada mídia cristã e pregadores que se apresentam nela. Então as pessoas são ensinadas a dar abundantemente ao Ministério de tal e tal maneira (muitas vezes isso acontece sob o argumento não válido do dízimo Veja também o meu livro a respeito do dízimo: O Dízimo, a doação e o Novo Testamento) com a promessa de que se fizerem isto, então Deus estará obrigado a abençoá-losfinanceiramente. Assim, Deus é visto como uma máquina de bênçãos onde, de um lado alguém coloca o seu dinheiro e sua crença(crermuitas vezes como confissões positivas pelas quais a pessoa que a faz está tentando lhe convencer a si mesma que vai acontecer o que ele deseja) e de outro lado, como consequência Deus, como numa troca,

lhe dará bênçãos, saúde e riqueza estão entre as principais delas. Contudo, está bem claro nas escrituras, que nem os apóstolos nem Cristo eram ricos. (Na verdade de acordo com a tradição, TODOS os apóstolos, com exceção de João, foram assassinados por causa de sua fé. Apesar disso, as igrejas que pregam o evangelho da prosperidade estão cheias de milhões. E embora eu não tenha números para provar isto, tenho certeza que eles vão enfrentar um grande julgamento quando descobrirem que Deus, e eu creio que descobrirão, apesar de sua paciência e misericórdia - NÃO funciona como uma máquina de bênçãos. Você não pode colocar Deus em uma caixa, como normalmente estes pregadoresdo evangelho da prosperidade prometem. Eu gostaria muito que isto fosse uma história de ficção, mas infelizmente não é. Acontece agora e com muitos. Sinto tanto, por todas essas pessoas, pois eu era um deles, que se afastou do caminho devido a promessas de pessoas que minha vida seria

sem problemas e exatamente como eu queria. Mas em um ponto da minha vida, eu vim a perceber da maneira mais difícil que eu estava enganado. Eu percebi que eu tinha que me submeter a Deus ao invés de Deus se submeter a mim. Eu entendi então que em Atos 12, antes do registro amplamente conhecido e pregado de Pedro sendo libertado milagrosamente da prisão, há também o registro do apóstolo Tiago, o irmão de João, morto pela espada. Um Apóstolo foi liberto, enquanto o outro não foi. Ao final, mesmo aquele que foi liberto (Pedro) morreu depois de alguns anos, uma morte de mártir, exatamente como aconteceu com Tiago. Alguns também se esqueceram disto. A ideia que alguns têm em sua mente, é que Deus vai livrá-los de todas as pequenas dificuldades para que eles possam continuar vivendo em suas bênçãospara sempre e morrer feliz (rico, saudável etc.) em uma idade avançada. Sofrer por causa de Cristo nem passou pelas suas mentes, pois em sua opinião, Deus está lá

para libertá-los de TODO o sofrimento. E ainda que a Bíblia diga o seguinte (e é apenas uma pequena amostra):

Romanos 8:16-17 O Espírito mesmo testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus; e, se filhos, também herdeiros, herdeiros de Deus e co- herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.”

2 Timóteo 2:3

Sofre comigo como bom soldado de Cristo

Jesus.

2 Timóteo 3:12

E na verdade todos os que querem viver piamente em Cristo Jesus padecerão perseguições.”

Atos 14:21-22

E, tendo anunciado o evangelho naquela

muitos

cidade

[Paulo

e

Barnabé]

e

feito

discípulos, voltaram para Listra, Icônio e Antioquia, confirmando as almas dos discípulos, exortando-os a perseverarem na fé, dizendo que por muitas tribulações nos é necessário entrar no reino de Deus.”

Muitos pensam que o sofrimento não é relevante para eles, pois Cristo já sofreu por eles. Eles vão declarar com ousadia, declarar que a primeira parte de Romanos 8:16-17, isto é, somos filhos de Deus; e, se filhos, também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo.Mas a passagem não termina aqui! Ela prossegue com um contanto, com um se, uma condicional para o texto acima.” “Se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.Sofrimento, então, pelo amor de Deus, é uma honra. O que aconteceu com Tiago e também com quase todos os apóstolos (martírio) foi uma honra, e não um acontecimento indesejado. Os próprios Apóstolos viam o

sofrimento por amor de Cristo como algo pelo qual se alegrar:

Atos 5:40-41 Concordaram, pois, com ele, e tendo chamado os apóstolos, açoitaram-nos e mandaram que não falassem em nome de Jesus, e os soltaram. Retiraram-se pois da presença do sinédrio, regozijando-se de terem sido julgados dignos de sofrer afronta pelo nome de Jesus.”

À luz destes versículos, gostaria de levantar um questionamento: Tácito foi um historiador romano e testemunha da primeira perseguição empreendida pelo Estado romano aos cristãos iniciada por Nero (64-67 D.C.). Ele escreveu sobre os eventos:

Em suas mortes [ele se refere aos cristãos presos] muitos foram feitos objetos de esporte:

eles foram cobertos com as peles dos animais selvagens ou mortos por cachorros, ou

pregados à cruz, ou incendiados, e quando chegava o final do dia, eram queimados para servirem de luminares na noite. Nero ofereceu seus jardins para este espetáculo.(Crônicas, Tacitus, livro XV, parág. 44).

Os cristãos foram colocados no fogo para servirem de luminares no jardim de Nero! Dá pra imaginar isso? Agora minha pergunta é: o que faríamos se um soldado estivesse em frente à nossa casa para levar-nos para longe de nossa família e de nossas bênçãose colocar-nos no fogo, a menos que negássemos o Senhor? Nós iríamos? Ou negaríamos o Senhor e a fé para salvar nossas bênçãos, porque acreditamos que este Senhor, por causa do seu grande amor, escolheria apenas fechar Seus olhos? O que faríamos se Deus não nos concedesse o bem ou desejo mais precioso que possuímos (cônjuge, filhos, emprego, seja o que for)? Ainda O seguiríamos, sem premissas ou condições

necessárias para tanto? Que cada um nós responda a si mesmo.

SOBRE FALSOS MESTRES

Perdoe-me por continuar neste aparte, mas talvez aqui esteja uma boa oportunidade para dar mais informações sobre falsos mestres. Pedro falou sobre eles em Pedro 2:

2 Pedro 2:1-3 No passado surgiram falsos profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade. Em sua cobiça, tais mestres os explorarão com histórias que inventaram. Há muito tempo a sua condenação paira sobre eles, e a sua destruição não tarda.

Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens: falsos mestres tem aparentemente muitos seguidores. Eles são populares. Isto é contrastante com a porta estreita que conduz a vida. Não são muitos que a encontram, mas poucos. A maioria segue pela porta larga.

Mateus 7:13-14 Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz a perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz a vida, e poucos são os que a encontram.

Então o fato de ser um pregador popular não significa necessariamente que esta pessoa também é um verdadeiro mestre. Pode ser que ele seja um falso mestre, e de fato, sua popularidade é só por causa disso: porque ele fornece às pessoas a opção de seguir pela

porta larga, por um caminho mais fácil. Muitos gostam desta opção e portanto seguem estes falsos mestres.

Além disso, como Pedro nos diz: e por causa deles será difamado o caminho da verdade.Há apenas um caminho para a verdade e apertado o caminho que conduz à vida.É o caminho através da porta estreita. Desta forma, o cristianismo verdadeiro e genuíno, será blasfemado. Será talvez estigmatizado como religião, legalismo, etc., como o oposto à liberdadee à graça(mas, barato, graça falsificada, não a graça da Palavra) prometida por esses falsos mestres. Por outro lado, vendo o mundo tais impostores e pensando que eles são o que fingem ser (Cristãos), chegarão a conclusões equivocadas sobre o Cristianismo como um todo, levando mais uma vez o caminho da verdade a ser blasfemado. E Pedro continua:

Porque, falando palavras arrogantes de vaidade, nas concupiscências da carne engodam com dissoluções aqueles que mal estão escapando aos que vivem no erro; prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção; porque de quem um homem é vencido, do mesmo é feito escravo.

Liberdadeé a principal promessa que eles vendem, mas suas promessas são só mentiras, porque eles mesmos são escravos da corrupção. Mas por qual razão eles fazem isto? Novamente Pedro nos dá a resposta:

2 Pedro 2:3 também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio;

O verbo grego traduzido como farão de vós negócioé o verbo emporeuomaique significa para negociar, comprar e vender, fazer mercadoria(Dicionário Strong). Em

outras palavras, uma característica de um falso mestre é que ele é ganancioso, e em sua ganância faz do povo de Deus mercadoria. Não sei quanto a você, mas para mim isso diz muito! Você vê pregadoresacumulando enorme patrimônio (incluindo, mas não restrito a casas de luxo, super jatos, carros de luxo, altos salários, etc.) tudo isto através de suas pregações? Eu diria : fuja! Você não precisa ouvir mais nada. Este é o fruto de um falso mestre ganancioso que tem usado o povo de Deus como mercadoria (extorquindo ofertasdeles 6 . Vendendo falsos livros, muitos deles escritos por escritores fantasmas, conferências e aconselhamentoscobrando altas comissões para isto. Pelo fruto os conhecereis, disse o Senhor, e a ganância é um fruto incontestável e definitivo

6 Normalmente, sob a ameaça de dízimo e as supostas coisas horríveis que vão acontecer com os seguidores se eles não dão o seu dízimo para o "ministério" (ou melhor dizendo o "comércio") do pregador.

de um falso mestre, que alguém pode ignorar apenas por sua conta e risco.

O ganancioso e falso mestre que transforma

a graça de nosso Deus em libertinagem e negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor(Judas 1:4 NVI Nova Versão Internacional) não é o único tipo de falso

mestre. Há um outro, no outro extremo, e este

é o tipo que havia assolado as igrejas na

Galácia, e que era ativo em outras igrejas. Seus

ensinamentos? Que um cristão deve manter a lei de Moisés (ver livro de Gálatas), abster-se de certos alimentos (Hebreus 13:9) que eles não deviam se casar (1 Timóteo 4: 1-4), que eles deviam guardar dias, meses e tempos e anos(Gálatas 04:10), que cultuassem a anjos (Colossenses 02:18), ao invés de adorar somente a Deus através do Senhor Jesus Cristo, que eles deveriam procurar por outros mediadores ao invés de um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus(1 Timóteo 2:5) etc. Estes que pregavam tais

coisas, eram falsos mestres também, fazendo a mesma coisa que aqueles primeiros já citados:

levando pessoas a se desviarem da verdadeira Palavra de Deus, desta vez através de uma humildadefalsa, firmando-se em coisas que não tinham visto, inchado de maneira vã pelo seu entendimento carnal(Colossenses

2:18).

Portanto, falsos mestres aparecem então basicamente como: um extremo é a doutrina da perversão da graça de Deus e uma distorção para convertê-la a uma licença para a prática da imoralidade, da libertinagem. O outro extremo é o legalismo, utilizando uma falsa humildade para justificar a necessidade de seguir práticas que nunca foram pretendidas por Deus, nunca foram a intenção de Deus para nós. Devemos estar atentos a ambos os extremos.

Para encerrar esta seção, eu gostaria de acrescentar o seguinte esclarecimento: apesar

de um falso mestre ser capaz de bagunçar a Palavra de Deus, utilizando-a de maneira errônea com propósitos egoístas, isso não significa que um Cristão que cometa um erro no ensino da Palavra de Deus seja, por definição, um falso mestre. Como diz Tiago:

Tiago 3:1-2ª Meus irmãos, não sejais muitos de vós mestres, sabendo que receberemos um juízo mais severo. Pois todos tropeçamos em muitas coisas.

Pois todos tropeçamos em muitas coisasnos diz Tiago, referindo-se aos mestres e muito gentilmente incluindo também a si mesmo. Cometer um erro no ensino da palavra de Deus não faz necessariamente de ninguém um falso mestre. Caso contrário, todos poderíamos ser falsos mestres, pois, conforme Tiago, nós todos tropeçamos em muitas coisas. A verdade é que todos nós aprendemos e conforme prosseguimos em

aprender mais, talvez tenhamos que voltar e ensinar com mais precisão o que havíamos ensinado no passado. Eu sou grato a Deus porque Ele não espera que todos nós alcancemos a perfeição para só depois nos usar. Se ele esperasse, eu temo que ainda estaria nos esperando! Um falso mestre não é alguém que comete apenas um erro no ensino da palavra. O erro do falso mestre não é apenas um erro.É algo muito maior. Na verdade, há uma enorme diferença entre um enganoe transformar a graça de nosso Deus em libertinagem(Judas 4 - NVI) ou falar coisas perversas para atrair os discípulos após si(Atos 20:30) ou também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio(2 Peter 2:3). Aquele que comete um erronão é um falso mestre, mas um discípulo que precisa consertar sua mensagem (um exemplo sobre isto está quanto a Apolos em Atos 18: ele não tinha uma mensagem 100% correta, mas conseguiu consertá-la). Os outros na verdade são falsos

mestres, porque são lobos em pele de cordeiro, exploradores do povo de Deus, enganando-os e os levando a se desviar, assim como a eles mesmos. E embora seja fácil imaginar esses exploradores como completos estranhos à fé, não é sempre assim que acontece. Alguns deles não são pessoas que, embora tenham começado no Senhor, e depois apostataram da verdadeira fé. A segunda carta de Pedro (2 Pedro 2) dedica uma boa parte a eles. Eu deixei as passagens relacionadas, bem como a de Judas, para o final deste capítulo. Agora vamos a Gálatas.

5.16 GÁLATAS 5:2-4 SEPARADOS ESTAIS DE CRISTO

Na Epístola aos Gálatas, Paulo lida com a questão de lei e da graça e o fato de que nós somos salvos pela graça, pelo favor imerecido de Deus, sem que para tanto fossem necessárias as obras da lei. Ele dizia isto

porque alguns estavam ensinando aos Gálatas que eles tinham que manter a lei e até mesmo que tinham que ser circuncidados. Como dissemos anteriormente, existem em linhas gerais, dois grupos de falsos mestres: um que leva as pessoas a se desviarem por efetivamente perverterem a graça de Deus em uma licença para a libertinagem (Judas 1:4 NVI); O outro leva as pessoas ao engano através de legalismo, ou seja, através da imposição da observância a lei de Moisés (guardar o sábado, circuncisão, dízimos, cerimônias etc.) e para a observância de doutrinas e preceitos que Deus nunca pretendeu para nós que cremos. Os Gálatas haviam sido vítimas deste segundo tipo de falsos mestres, que os ensinou a serem circuncidados e guardar a lei de Moisés como uma obrigação religiosa. Paulo abordou esta questão deixando claro que tal distanciamento do verdadeiro evangelho significaria o seguinte:

Gálatas 5:2-4 Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. E de novo testifico a todo homem que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei. Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça decaístes.”

Você não pode ser separado de algo, se você nunca foi um só ente com este algo originalmente. Essas pessoas eram verdadeiros crentes, eles eram um com Cristo. No entanto, isso mudaria se eles procurassem a sua justificação por meio da lei. Nesse caso eles seriam separados de Cristo e se afastariam da graça. Portanto é possível ser separado de Cristo e se afastar para longe da graça. Ou seja, é possível estar com Ele hoje mas, não mais pertencer a Ele no futuro, sermos separados Dele devido a uma doutrina pervertida, como é o caso dos Gálatas. Observe também que eles se afastaram da graça. Não é que a graça os expulsaria. Não,

eles se afastariam da graça. Portanto, a graça nos detém enquanto quisermos permanecer nela. Mas se alguém quiser, ele pode se afastar da graça.

Além disso, como Paulo testemunha a respeito deles apenas alguns versículos adiante:

Gálatas 5:7 Corríeis bem; quem vos impediu de obedecer a verdade?

Veja que ele usa o tempo passado: eles corriam bem. Mas pararam de correr daquela forma, não estavam mais correndo. Alguém os prejudicou obviamente, ensinando-os a obedecer a lei e ser circuncidado. Como resultado disto, já não estavam correndo a carreira da mesma maneira. Em vez disso, eles estavam a caminho de serem desviados. Portanto, é possível prosseguir bem na carreira mas depois parar de correr eficazmente e até mesmo se desviar. Ou seja,

vaguear para longe do caminho certo e se desviar completamente da corrida da fé que nos é proposta.

Agora a pergunta a ser feita é: se alguém é separado de Cristo, se afastou para longe da graça, ele ainda será salvo? Acredito que a resposta está em Efésios 2:8 e João 15. Se acordo com Efésios a salvação somos salvos pela graça por meio da fé. Se estes Gálatas se afastaram da graça, então eles não mais estariam enquadrados no caso descrito em Efésios 2:8. Mais ainda, de acordo com João

15:6

Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.

Quem quer que não esteja em Cristo, ou que esteja separado de Cristo, tem um fim conforme descrito na passagem acima, o que

nos diz também em relação aos Gálatas que estavam separados de Cristo.

Para resumir, sim, é possível que um crente seja, por causa da sequência de um engano, separado de Cristo. E isso, como no caso de Gálatas, pode acontecer quando alguém substitui o trabalho de Cristo com a lei e tente alcançar a justiça através dele.

Infelizmente, alguns interpretam erroneamente Gálatas e levam para outra extremidade, dizendo que Deus só se preocupa com nossa fé e as obras não tem tanta importância, como se fé e obras pudessem existir separadamente um do outro. Não é bem assim. Como Lutero afirmou muito corretamente:

É impossível separar a fé das obras, como é impossível separar o calor e a luz do fogo 7 .

7 Lutero: Uma introdução à carta de Paulo aos Romanos.

Isto é verdade. Não há salvação que não seja unicamente através da fé e não há nenhuma verdadeira fé sem o respectivo fruto, as obras que normalmente devem acompanhá-lo. A infrutífera não pode salvar, não porque o fruto supostamente nos salvaria, e isso está faltando. Pelo contrário, ele não pode salvar- nos porque uma fé infrutífera não é uma fé verdadeira. Ela é morta, como nos diz Tiago (Tiago 2:26) e tal fé não pode salvar. NÃO há

tal salvação! O que há é salvação pela fé, uma

fé tamanha que tem que ser mantida até o fim

e que deveria ser frutífera, e será, se

permanecermos unidos a Cristo. De fato, eu resumiria a mensagem deste livro no texto de

Gálata 5:6 que vimos anteriormente.

Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor.

Fé, amor, obras (ação). Todas as três caminham juntas e não pensem que alguma delas pode existir separada das demais.

5.17 2 TIMÓTEO 2:11-13: SE O NEGARMOS

TAMBÉM ELE NOS NEGARÁ

A próxima passagem que vamos verificar é 2Timóteo 2:11-13. Lemos o seguinte nela:

2 Timóteo 2:11-13 Fiel é esta palavra: Se, pois, já morremos com ele, também com ele viveremos; se perseveramos, com ele também reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará; se somos infiéis, ele permanece fiel; porque não pode negar-se a si mesmo.

A palavra Ele, refere-se obviamente a Cristo, visto que Ele é o único que morreu e reinará. Podemos negar a Cristo? Novamente,

se não houvesse essa possibilidade, então Paulo nunca a teria mencionado. Então a resposta é sim, é possível que alguém negue a Cristo. Alguém pode NÃO negá-Lo, mas se for enganado pode acabar fazendo isso. O que vai acontecer neste caso? A palavra não deixa nenhum espaço para a especulação: se O negarmos também Ele nos negará.

Para evitar estas simples palavras muitos se dirigem ao versículo 33 e dizem: mas veja o versículo 33:se somos infiéis, Ele permanece fiel porque Ele não pode negar a si mesmo.Em seguida, eles tentam usar este versículo para justificar que se O negarmos, de fato, não é nada de tão grave porque Ele é fiel e ele na verdade não vai negar você. Mas tal interpretação é obviamente errada, pois no versículo anterior lemos claramente: se negarmos a Ele, Ele nos negará. O que na verdade o versículo 33 nos diz é que Ele é sempre fiel e isso não significa aceitar-nos, mesmo depois de negá-lo, porque um

versículo anterior enunciado por Paulo resolveu esta questão. Há, na verdade um contraste inexorável entre nós, se formos infiéis, e Ele, que é sempre fiel. Cristo nunca vai ser infiel! Podemos optar por sermos infiéis, mas Ele nunca é assim. Ele é sempre fiel.

5.18. TIAGO 5:19-20: O IRMÃO DESVIADO

Lendo mais adiante, vamos a Tiago 5:19-20:

Meus irmãos, se alguém dentre vós se desviar da verdade e alguém o converter, sabei que aquele que fizer converter um pecador do erro do seu caminho salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados.

A frase Se alguém entre vós se desviar da verdade, torna claro que um irmão e este texto refere-se aos irmãos: Meus irmãos, se

pode se desviar da

alguém entre vós

verdade. O que isso significa? Ele pode errar nos ensinamentos e se desviar como os Gálatas que queriam seguir a lei como meio de ser justificado ou seguir práticas pecaminosas. Não falamos aqui de cometer pecado enquanto permanecemos andando pelo caminho certo (veja depois nossa discussão sobre 1 João). Mas na verdade estamos falando aqui de alguém que vagueia longe da verdade, que se desvia da luz e agora caminha na escuridão. Então é possível que alguém entre nósfuja da verdade? Infelizmente sim, é possível.

Agora, Tiago diz que: se um irmão traz de volta alguém que havia se desviado da verdade, ele salvará da morte sua alma.A passagem, falando da morte da alma, deixa clara que, se a pessoa não retorna, ele não receberá, no final, a vida eterna, mas exatamente o contrário. E isto, apesar do fato de que ela uma vez esteve no caminho correto. Esta mesma verdade encontramos

também em algumas cartas. Aqui estão alguns trechos:

Romanos 8:13 porque se viverdes segundo a carne, haveis de morrer; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis.

Gálatas 6:7-8 Não vos enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque quem semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna.

Hebreus 10:26-27 Porque se voluntariamente continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma expectação terrível de juízo, e um ardor de fogo que há de devorar os adversários.”

Colhemos vida eterna quando executamos a corrida da fé, semeando no espírito e na nova natureza. Paulo é muito claro: quem semeia no Espírito do Espírito colherá a vida eterna.Isso não significa que sejamos sem falta e nem pecado. Ninguém é. Mas eles são erros enquanto permanecemos na caminhada. Nos esforçamos para viver uma vida de retidão, e às vezes podemos ter alguns episódios de pecado aqui e ali. Mas eles são apenas isso, episódios. Não é algo que estejamos constantemente praticando. Se no entanto, vivemos essencialmente uma vida de pecado, cometemos obras de iniquidade, e vivemos - habitualmente e como uma forma de vida - segundo a carne, então colheremos o que semeamos e, como lemos, isto é uma expectação terrível de juízo, e um ardor de fogocorrupção e morte. Agora, alguém pode perguntar: mas porquê? A salvação não é por meio da fé?É, mas vivenciar uma fé

verdadeira e viver segundo a carne nunca andam juntos. Eles são igualmente exclusivos.

5.19 ALGUNS APOSTATARÃO DA FÉ

Seguindo adiante para 1 Timóteo 4 lemos:

1 Timóteo 4:1-3 Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm a sua própria consciência cauterizada, proibindo o casamento, e ordenando a abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ações de graças pelos que são fiéis e que conhecem bem a verdade.

Se alguém, uma vez professando a fé nunca pudesse abandoná-la, então seria também impossível que estas pessoas das quais o

Espírito fala aqui fizessem istoMas, como está óbvio, nãos é impossível. Como acontece nestes casos? Caímos vítima de falsos mestres, que por sua vez são apenas instrumentos de espíritos enganadores. Falamos anteriormente sobre dois grupos principais de falsos mestres: aqueles que pervertem a graça de Deus com uma licença para a libertinagem e os que promovem a falsa humildade e aderência à coisas que Deus nunca desejou para nós. Ambos têm sua consciência cauterizada e portanto há restrições em ambos. Parece-me que os falsos mestres da passagem acima pertencem ao segundo grupo que promovem a falsa humildade, ou seja, promovem as doutrinas relativas a abstinência de alimentos ou a negação do casamento, como se tais ordenanças viessem supostamente de Deus. Isto é algo tão relevante. Na verdade foi apenas algumas centenas de anos depois que Paulo escreveu a epístola acima, no Conselho de Elvira de 306 DC que estabeleceu de

acordo com o Canon 33 a seguinte ordenança:

todos os Bispos, presbíteros e diáconos e todos os outros clérigos devem abster-se completamente de suas esposas e não ter filhos, dessa forma, abriu o caminho para a obrigação do celibato, seguido pelas grandes denominações para seus ministros.

Falsos mestres sempre conduzirão pessoas a se desviarem, e precisamos tomar cuidado. No entanto, é impossível fazer isso se sabemos através de nosso próprio conhecimento, o que diz a Palavra de Deus. Estamos lendo a palavra de Deus por conta própria, sem os óculosde doutrinas comumente acalentadas, ou estamos essencialmente baseando a nossa fé no que os outros dizem sobre a Palavra? Existem muitas crenças acalentadas e propagadas que as pessoas têm, entretanto, por mais triste que seja dizer isso:

muitos não teriam tais crenças, muitas vezes equivocadas, se lessem a Bíblia por conta própria, sem alguém que os ensinassem. Elas só vêem

muitas destas verdades, porque alguém lhes imputou uma visão previamente

determinada, que os conduz a interpretações das Escrituras de terceiros. Mas as Escrituras são interpretadas de acordo com o que já expressam diretamente, e não há necessidade

de outras leituras para interpretá-las de outro

modo. Fechando esta parte eu nos exorto:

peguemos nossa Bíblia leiamos os textos focando no que o texto diz e não filtrando o texto através de teorias e teologias doutrinas que possamos ter ouvido a respeito. Deus diz

o que ele quer dizer, e ele quer dizer

exatamente o que ele diz. Se uma determinada doutrina está na Bíblia, você vai perceber isto

claramente quando ler o texto literal, sem precisar lançar mão de interpretações de terceiros. Mas se uma doutrina só pode ser vista, depois de colocar os óculos particularespara interpretar as Escrituras daquela determinada forma, eu teria muito

ao genuinamente bíblica.

cuidado

considerar

esta

doutrina

como

5.20. 1 TIMÓTEO 5:8: TEM NEGADO A FÉ E É PIOR QUE UM INCRÉDULO

Para ver um exemplo de como Paulo entendia a fé e que para ele não era apenas uma confissão, mas uma maneira de viver, vamos a 1 Timóteo 5. Neste trecho Paulo está escrevendo a Timóteo sobre as viúvas e as obrigações que têm os filhos e netos para com elas. Os versículos 3 e 4 nos dizem o seguinte:

1 Timóteo 5:3-4 Honra as viúvas que são verdadeiramente viúvas. Mas, se alguma viúva tiver filhos, ou netos, aprendam eles primeiro a exercer piedade para com a sua própria família, e a recompensar seus progenitores; porque isto é agradável a Deus.

Deus se importa com as viúvas e ordenou que os filhos e netos tomem conta de suas necessidades. Esta é a vontade declarada de Deus. Agora vamos supor que um crente com viúvas em sua família, se negue a fazer isso. Paulo fala sobre este caso de forma inequívoca em 1 Timóteo 5:8:

Mas, se alguém não cuida dos seus, e especialmente dos da sua família, tem negado a fé, e é pior que um incrédulo.”

Não acho que alguém falaria assim hoje. As pessoas hoje estão com medo de falar a verdade, para não ofender alguém. Mas Paulo não tinha tais problemas, estou certo que ele amava as pessoas, provavelmente mais que todos nós. Na verdade, creio que ele não tinha tais preocupações exatamente porque ele os amava. Paulo e os outros apóstolos, e principalmente o próprio Senhor, nunca consideraram a fé como algo que não pudesse ser negado, nem consideravam que alguém

era fiel unicamente pelo fato de ter dito isso. Quando Paulo disse aos Coríntios para que se examinassem e verificassem se realmente estavam na fé, ele não estava se referindo às pessoas que verbalmente tinham negado o Senhor. Estes não eram da fé. Em vez disso, ele estava se referindo aos crentes, às pessoas que achavam que estavam na fé e ainda assim, talvez, se negavam a praticá-la, negando, por exemplo, a ordenança de tomar conta dos membros de sua família, incluindo a sua mãe ou avó. Estas pessoas que não estavam na fé, embora nunca tenham verbalmente negado a fé, o fizeram praticamente, através de suas ações. Então negar a fé não significa levantar- se e fazer uma confissão com a minha boca contra a fé (embora isto possa acontecer também). Por outro lado negar a fé significa mais frequentemente me negar a praticar os atos que necessariamente acompanham a fé, de maneira consistente e habitual. Paulo, usa como exemplo o caso de um crente que negando-se a cuidar de sua casa e familiares,

conforme dita a Palavra, havia praticamente negado a fé, e assim se tornava pior que um incrédulo.

5.21. VAI-TE E NÃO PEQUES MAIS: O QUE O SENHOR ESPERA DE PECADORES PERDOADOS

registro

indicativo do grande amor do Senhor, compaixão e perdão para os pecadores. Vamos ler este trecho:

Em

João

8:3-11

nós

temos

um

João 8:3-11 Então os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério; e pondo- a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério. Ora, Moisés nos ordena na lei que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? Isto diziam eles, tentando-o, para terem de que o acusar. Jesus, porém, inclinando-se, começou a escrever no chão com o dedo. Mas, como

insistissem em perguntar-lhe, ergueu-se e disse- lhes: Aquele dentre vós que está sem pecado seja o primeiro que lhe atire uma pedra. E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra. Quando ouviram isto foram saindo um a um, a começar pelos mais velhos, até os últimos; ficou só Jesus, e a mulher ali em pé. Então, erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém senão a mulher, perguntou-lhe:

Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? Respondeu ela:

Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu te condeno; vai-te, e não peques mais.”

Veja o grande amor do Senhor. Ele não quer de modo algum a morte dos ímpios, mas que os ímpios retornem e vivam. Como lemos em Ezequiel 33:11:

Ezequiel 33:11 Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Deus, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas sim em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva.

Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que morrereis, ó casa de Israel?

Isto é e será o que o Senhor quer sempre. Ele quer que o pecador retorne e se arrependa. Ele não quer sua condenação, sua morte. Isto não quer dizer que Ele seja indiferente ao pecado. Mas para o pecador, ele diz: Eu não condeno você. O passado é passado. vai, e de agora em diante não peques mais.Por favor, observe: ele não diz apenas nem eu te condeno, mas também vai-te, e não peques mais.Portanto, ele espera algo por parte do pecador. Que vá e não peque mais. Que nós sejamos gratos pelo Seu perdão e em vez de considerar como certo e garantido este perdão, sem valorizá-lo suficientemente, que possamos considerá-lo como realmente é: um novo começo e que nos esforcemos para seguir adiante e não pecar mais.

5.22 A VERDADEIRA FAMÍLIA DE JESUS:

AQUELES QUE OUVEM A PALAVRA DE DEUS E A OBSERVAM.”

Em Lucas 8:20-21 nós lemos a quem e como Jesus definia como Seus irmãos e parte de sua família:

Lucas 8:20-21 Foi-lhe dito: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora, e querem ver-te. Ele, porém, lhes respondeu: Minha mãe e meus irmãos são estes que ouvem a palavra de Deus e a observam.”

Aqueles que ouvem e também praticam a Palavra são os irmãos de Jesus. Como vimos repetidamente até agora, para Jesus, praticar a Palavra é o que importa. O ouvir a Palavra deveria se acompanhada pela ação daquilo que ouvimos.

5.23. 1 CORÍNTIOS 5:5: PARA QUE SEU ESPÍRITO SEJA SALVO NO DIA DO SENHOR JESUS.”

Prosseguindo agora para 1 Coríntios 5 e começando pelo versículo 1, lemos sobre a grande imoralidade sexual que estava acontecendo na igreja de Corinto.

1 Coríntios 5:1-5 para que a recebais no Senhor, de um modo digno dos santos, imoralidade que nem mesmo entre os gentios se vê, a ponto de haver quem vive com a mulher de seu pai. E vós estais inchados? e nem ao menos pranteastes para que fosse tirado do vosso meio quem praticou esse mal? Eu, na verdade, ainda que ausente no corpo, mas presente no espírito, já julguei, como se estivesse presente, aquele que cometeu este ultraje. Em nome de nosso Senhor Jesus, congregados vós e o meu espírito, pelo poder de nosso Senhor Jesus, seja entregue a Satanás