Você está na página 1de 8

X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC

Águas de Lindóia, SP – 24 a 27 de Novembro de 2015

Percepções de Licenciandos sobre mudanças no
currículo do curso de Licenciatura em Química da
UFPel
Undergraduates' perceptions about changes in the
curriculum of Chemistry Teaching Course UFPel
Resumo: Esse trabalho procura analisar percepções dos licenciandos sobre a inclusão e a
exclusão de componentes no currículo do curso de Licenciatura em Química da UFPel. A
pesquisa foi realizada com 11 estudantes de diferentes semestres do curso de graduação com o
uso de um questionário eletrônico e as respostas foram analisadas com base na Análise de
Conteúdo. Os resultados indicam percepções positivas sobre a exclusão e a inclusão de
componentes curriculares na grade do Curso, com destaque para a componente de Leitura e
produção textual. Apesar da reestruturação do Curso estar em fase inicial, o acompanhamento
das percepções dos licenciandos permite investigar novas demandas à formação docente.
Palavras chave: Reestruturação curricular, Licenciatura em química, Percepções sobre o
currículo, Formação docente.

Abstract: This paper aims at analyzing undergraduates' perceptions of the inclusion and
exclusion of components in the curriculum of Chemistry Teaching Course of the Federal
University of Pelotas. The survey was carried out with 11 students from different semesters,
or levels in the program. They filled in an electronic questionnaire, and their answers were
analyzed through Content Analysis. The results indicate positive perceptions of the exclusion
and inclusion of components in the program's curriculum, being particularly positive about
the inclusion of the course of Reading and textual production. Despite the fact that the
restructuring of the undergraduate program is at an early stage, following undergraduates'
perceptions allows us to investigate new demands for teacher education.
Keywords: Curricular restructuring, Chemistry Teaching Course, Perceptions of Curriculum,
Teacher training

Introdução
As discussões sobre formação docente e as mudanças curriculares nos Cursos de licenciatura
têm sido crescentes com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (BRASIL, 1996)
e, especialmente, após as Resoluções 01 e 02 (BRASIL, 2002a, 2002b) que tratam de
princípios legais e que instituem alterações na duração e na carga horária dos cursos de
formação de professores da Educação Básica em nível superior, como aponta Terrazzan
(2007). Na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), por exemplo, houveram atualizações ao
projeto do curso de Licenciatura em Química, com aprovação de um novo projeto pedagógico
em 2005, tendo atualizações em 2009 e, recentemente, em 2013.
Cabe destacar que as modificações na grade curricular do Curso vivenciadas pelos
licenciandos motivaram o planejamento e o desenvolvimento de uma pesquisa no âmbito do
componente curricular de Metodologia da Pesquisa em Educação Química do Curso de
Formação de professores de Ciências.

1

2002a. sendo: 3230h de disciplinas obrigatórias (correspondendo a 190 créditos).o uso de tecnologias da informação e da comunicação e de metodologias. a formação continuada vem sendo um espaço importante no processo de profissionalização dos professores. II . Comparando com a mudança do currículo atual (PPCLQ/UFPEL.8 créditos.o desenvolvimento de hábitos de colaboração e de trabalho em equipe. no cotidiano pessoal e profissional [.o acolhimento e o trato da diversidade.o aprimoramento em práticas investigativas. As atividades complementares com 120 horas (realizadas durante todo o curso. a alteração dos pré-requisitos. 441. p. Formação de professores de Ciências. diante da complexidade do trabalho docente. de alguma forma. a carga horária total do curso passou para 3380h. Com vistas a qualificar a formação inicial dos professores. p. por parte de um dos autores deste trabalho. portanto. o currículo de Licenciatura em Química da UFPel vem passando por discussões e por modificações como exclusões e inclusões de componentes curriculares. IV . em um total de 198. que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica. O contexto social muda e isso também tende a gerar mudanças. apud HYPOLLITO.a elaboração e a execução de projetos de desenvolvimento dos conteúdos curriculares.X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC Águas de Lindóia. VI . como: a exclusão de componentes curriculares (Equações Diferenciais Ordinárias. desde a última alteração no projeto pedagógico. No processo de reorganização curricular. 2013). 91) que demandam compreensões crescentes sobre os níveis de complexidade da profissão. Perguntas iniciais motivaram a pesquisa. 170h a carga horária mínima de disciplinas optativas (10 créditos) a ser cursada a partir do segundo semestre do curso. a caracterização das disciplinas foi atualizada a partir de mudanças envolvendo a reordenação de disciplinas. no currículo das escolas e da universidade. SP – 24 a 27 de Novembro de 2015 Licenciatura em Química da UFPel.o ensino visando à aprendizagem do aluno. em nível superior: A organização curricular de cada instituição observará (. Segundo a Resolução nº 1 do CNE/CP. as disciplinas estavam organizadas do seguinte modo: a carga horária total do curso é de 3600h em um total de 212 créditos (1 crédito = 17 horas). mas integralizadas no último semestre) e 200h de formação livre (cursados entre o segundo e o penúltimo semestre). mas que muitas vezes não acontece da maneira como é abordada pelos documentos. Até então. a exemplo da mudança curricular ocorrida em 2014 (PPCLQ/UFPEL. 2009.. Podemos observar uma grande demanda à formação docente. Nesse processo. A formação dos professores. de fevereiro de 2002. V . com a “revisão e construção constante se saberes. (BRASIL. VII . como o que são de fato essas mudanças e como elas ocorrem? Será que as modificações no currículo são percebidas pelos licenciandos? Como e para que os licenciandos estão sendo formados? Para Hypollito (2009).o exercício de atividades de enriquecimento cultural. e a alteração do número de créditos de componentes. segundo as diretrizes curriculares nacionais. 2013). centrando seu saber ser e fazer numa prática reflexiva e investigativa do trabalho educativo e escolar. e 200h em atividades complementares (PPCLQ/UFPEL. não termina com a formatura e. estratégias e materiais de apoio inovadores. “os cursos de formação de professores vêm sofrendo inúmeras e severas críticas. 2 . 92)..) o preparo para: I . o que parece mais representativo aos licenciandos corresponde a mudanças na matriz curricular do Curso.] numa realidade contextualizada” (SOUZA. a divisão de disciplinas teórico-práticas em teóricas e práticas. em 2009.. pois não têm atendido suficientemente às necessidades da sociedade brasileira” (p. A carga horária de disciplinas obrigatória de 3060h em disciplinas específicas (132 créditos) e 782h em disciplinas de formação profissional (46 créditos). p. 2009).1). 1992.. III . e que são peças fundamentais de discussão para a formação docente.

e um número cardinal (de 1 a 11). envolvendo questões que abordam: a inclusão/exclusão de componentes curriculares para a formação docente (Questão 01). Geometria Analítica. História e Filosofia da Ciência. História da Química. Estágio IV. 6º e 8º semestre. a atualização de denominação e ementas de outras componentes: História e Filosofia da Ciência e História da Química para História Filosofia e Epistemologia da Ciência. 3 . como poderiam. Projetos de Ensino de Química e Metodologia da Pesquisa em Educação Química. Química Analítica Instrumental para a Licenciatura e Trabalho de Conclusão de Curso). Mineralogia. a inclusão de outras componentes (Leitura e Produção Textual. Calculo I e II. 78-79). História Filosofia e Epistemologia da Ciência. 3) Na tua opinião. 03. a partir das percepções dos estudantes sobre as alterações (especialmente a exclusão e a inclusão) de componentes curriculares. Física I. Onze licenciandos responderam o questionário e correspondem a estudantes do 2º. os licenciandos assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido. Química Ambiental I e II para Química Ambiental. referente a cada um dos estudantes (E1. “o questionário é um instrumento de coleta de dados com questões a serem respondidas por escrito sem a intervenção direta do pesquisador” (p. como: Instrumentação para o Ensino de Química.. ainda. Química Orgânica Experimental I e II. Para Gianfaldoni e Moroz (2006). SP – 24 a 27 de Novembro de 2015 Física Básica IV. As autoras também destacam a importância da transparência da pesquisa. Química verde. Dados foram excluídos: Equações Diferenciais Ordinárias. realizou investigação com egressos do curso às reorganizações e adequações curriculares do curso no período de 2004 a 2009. e.X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC Águas de Lindóia. planejou-se e enviou-se. (Dados foram incluídos: Leitura e Produção Textual. Didática da Química. Estágio Supervisionado IV e Mineralogia). II e III. Rocha (2014). No estudo que estamos apresentando. . aos licenciandos do Curso. portanto. tendo como objetivo analisar as mudanças ocorridas no currículo do curso de Licenciatura em Química da UFPel. Qual o seu semestre no Curso? 1) Comente sobre a exclusão/inclusão de algumas disciplinas da grade curricular do curso de Licenciatura em Química da UFPel. Equações Diferencias Ordinárias. 5) Quanto a contribuição (ou não) das componente curriculares integradoras que associam aspectos químicos e pedagógicos. 05 e 06). ou por haver sobreposição de ementas ou por entender-se que eram disciplinas do bacharelado que haviam permanecido no currículo do curso. História Filosofia e Epistemologia da Ciência. por exigência da legislação ou por entender-se serem necessárias para a formação de professores de Química.1) Comentar/Justificar: Formação de professores de Ciências. Mineralogia e Química Ambiental I e II. a contribuição de componentes curriculares que envolvem a formação docente ao longo do curso (Questões 02. um questionário eletrônico (Quadro 01). E2. a pesquisa foi realizada com alunos regularmente matriculados em 2014 e aborda a última reforma do currículo que entrou em vigor a partir de 2014. para a sua formação como professor. ser ministradas as aulas de Química Geral e Experimental do Curso de Licenciatura em Química. as expectativas e sugestões de melhoria em relação ao curso (Questões 07 e 08). II e III. respeitando as questões de ética na pesquisa e foram codificados com uma letra (E). 2) Comente sobre a contribuição (ou não) dos componentes curriculares de Álgebra linear. Qual (is) componente(s) curricular (es) mais lhe ajuda(m) para a tua formação como professor de química? 5. entre outras atualizações. Sobre o curso de Licenciatura em Química da UFPel. Química Ambiental e Química Analítica Instrumental para a Licenciatura). Física Básica IV. O contexto metodológico e a análise de resultados Após a análise dos Projetos Pedagógicos (versão 2009 e 2013) do curso de Licenciatura em Química e da leitura de referenciais teóricos.. em pesquisa intitulada “Orientações curriculares e políticas para a formação de professores: um estudo sobre o curso de Licenciatura em Química da UFPel”. Química Verde.). uma vez que essa é a primeira disciplina que se tem contato na área escolhida? 4) Comente sobre a contribuição (ou não) dos componentes curriculares de Estágio Supervisionados I. 04.

a contribuição das componentes matemáticas.. sendo consideradas as unidades de significado extraídas das respostas e reagrupadas em categorias de análise. a que refere à inclusão e a exclusão de componentes curriculares no currículo do Curso. o contato com disciplinas que tratam fundamentos de química no curso. é “uma operação de classificação de elementos constitutivos de um conjunto por diferenciação seguida de um reagrupamento baseada em analogias a partir de critérios definidos” (p..1) Comentar/Justificar: 7) Quais suas expectativas em relação ao Curso de Licenciatura em Química? O Curso está atendendo as suas expectativas? 8) Faça comentários e/ou sugestões em relação ao Curso de Licenciatura em Química.) foram acrescentadas. a exclusão e a inclusão de componentes. favorecendo assim uma maior uniformidade do curso.. Teoria e Prática Pedagógica. com as exclusões/inclusões das disciplinas do currículo novo.). (. (. Já. a importância do caráter químico – pedagógico das disciplinas.. utilizou-se a metodologia da Análise de Conteúdo.) Questiono a exclusão das químicas orgânicas experimentais.).. Quadro 02: Descrição das unidades de significado e categoria de análise. em todas as disciplinas.... (E1) Formação de professores de Ciências.) agora. a inclusão. e Políticas Públicas..) produção textual que é uma coisa que precisamos muito para poder escrever artigos. Língua Brasileira de Sinais e Educação Brasileira: Organ.). a grade curricular ficou mais adequada ao curso de licenciatura. físicas e da educação..... 59).. Categorias Exclusão/ Inclusão de componentes curriculares Unidades de significado (. (. visando a sua melhoria Quadro 01: Questionário enviado aos licenciandos Após o instrumento aplicado aos alunos e os dados registrados em tabela.) o currículo de química licenciatura era muito pesado.). a que eu achei mais importante foi a de Leitura e produção textual.) Quanto a contribuição (ou não) das componentes curriculares.) a mudança de currículo foi boa (. que. As unidades de significado e categoria de análise são apresentadas no Quadro 02. pois ela dará suporte a outros componentes curriculares (. Destacamos que outras falas foram reunidas em torno de significados que poderão ser agrupadas em torno de outras categorias como. buscando identificar percepções e expectativas dos estudantes frente a essas mudanças no currículo do curso..) sinto falta de uma disciplina que contemple a química do ensino médio....X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC Águas de Lindóia.. Avalie a contribuição (ou não) desses componentes(s) curricular (es) para a tua formação como professor de química? 6. As que foram excluídas não contribuíam em nada na formação dos futuros docentes (.. Neste trabalho apresentamos os resultados e discussões envolvendo a primeira categoria. (. além de vários alunos reprovarem nas disciplinas.. (. em especial para os alunos da licenciatura. tais como produção textual que é de extrema importância (.. 4 . Ao analisar as respostas dos 11 estudantes que participaram da pesquisa. Fundamentos SócioHistórico-Filosóficos da Educação. a maioria referiu ter aprovado a restruturação curricular.) achei bastante importante o acréscimo da disciplina de Leitura e Produção Textual. o currículo de química licenciatura era muito pesado. para Franco (2008). pois vai servir ao longo do curso. por exemplo. Fundamentos Psicológicos da Educação... Acho uma perda à exclusão das disciplinas de orgânica experimental.. como: Profissão Docente. trabalhos (. com base em Franco (2008).). como se pode observar nos escritos dos estudantes: Acho importante a exclusão (. SP – 24 a 27 de Novembro de 2015 6. pois acho que são importantes. (..

isso não impede que os licenciandos coparticipem do processo de discussão. (E9) Formação de professores de Ciências. pois “o currículo molda os docentes. Acho uma perda à exclusão das disciplinas de orgânica experimental. como o caso de conteúdos que envolvem a Físico-Química com abordagens que pudessem contemplar futuras práticas docentes na escola de Educação Básica.) Questiono a exclusão das químicas orgânicas experimentais. haja o componente de “Análise orgânica” que inclui técnicas experimentais que envolvem a Química orgânica. mesmo que o estudante opine e sugestione. Na resposta dos estudantes houve grande representatividade e satisfação com a componente de “Leitura e produção textual”... No entanto. mesmo que. incluída no currículo. SP – 24 a 27 de Novembro de 2015 As que foram excluídas não contribuíam em nada na formação dos futuros docentes.. E6 relata que “as [componentes] que foram excluídas não contribuíram em nada para na formação dos futuros docentes”. Para Sacristán (2000). Apenas dois alunos fazem algumas ressalvas sobre a exclusão/inclusão de componentes. julgadas como importantes e de possível articulação com as práticas na escola. pois as consideravam como importantes para a futura prática docente: Ainda sinto falta de uma disciplina que contemple a química do ensino médio. com destaque para a importância da componente de “Leitura e produção textual”.. Outro aspecto importante de ser problematizado corresponde à necessidade de inclusão de discussões sobre conteúdos trabalhados na escola.) Produção Textual que é uma coisa que precisamos muito para poder escrever artigos. o controle acaba estando nas mãos dos professores. em especial para os alunos da licenciatura. O professor que atua nas componentes é fundamental no currículo em ação na formação docente. a exemplo da expressão de o currículo anterior era “muito pesado” (E1). os mesmos destacam uma preocupação com a exclusão de “orgânica experimentais” (E5). Com base no autor podemos inferir que. como seguem os escritos: (. no currículo do Curso. Semelhantemente.. (E6) Ao analisar as percepções dos estudantes é possível entender que as mudanças ocorridas no curso foram importantes sobre a óptica de alguns licenciandos. como por exemplo. 165). e as que foram acrescentadas realmente fazem diferença positiva. as que foram adicionadas auxiliam em diversos aspectos sobre a docência (.. trabalhos e etc. o que pode estar associado a componentes curriculares de Equações Diferenciais e Ordinárias e Física Básica IV que tornavam o currículo pouco atrativo ou com pouca relação com a formação em Química: “Concordo com a exclusão de algumas disciplinas que tornavam o curso pesado e não eram utilizadas nas áreas da química propriamente dita. tendo em vista o contato com a leitura e escrita. com percepções e sugestões que possam conduzir para mudanças no currículo. (E5) (. pois acho que são importantes.X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC Águas de Lindóia. auxiliando “em diversos aspectos sobre a docência”. mas é traduzido na prática por eles mesmos” (p. “o currículo é uma prática desenvolvida através de múltiplos processos e na qual se entrecruzam diversos subsistemas ou práticas diferentes” (p.). o fato do professor ser um dos sujeitos principais na estruturação e na atualização do currículo para um curso de Licenciatura. 165). (E4) E5 e E4 indagam sobre exclusões de componentes de Química Orgânica Experimentais I e II. para que possam aprender técnicas de química orgânica que de certa forma poderiam facilitar a compreensão de certos conteúdos na escola. física básica IV e EDO [Equações Diferenciais e Ordinárias]” (E2). 5 . principalmente a área da Físico-química. já. também avaliando positivamente as alterações.

O frágil desempenho na expressão escrita tornou-se um fator agravante do próprio desempenho acadêmico dos alunos graduandos....) (E4) Para mim a mudança de currículo foi boa.) (E10) Alguns estudantes começaram falando que a componente de Leitura e produção textual foi muito bem pensada na matriz curricular já no primeiro semestre. são importantes para a avaliação do Curso e do currículo que está em movimento constante.) foi acrescentada produção textual que é de extrema importância (. Esses relatos emergem de experiências anteriormente vivenciadas por alguns estudantes e em coerência com o que expressam Garcia & Kruger (2009): “muitos professores que ministram essas disciplinas aos cursos de Licenciatura. Para os licenciandos haveria necessidade de inclusão de uma componente de leitura.. 2006. (. vários cursos de graduação universitária oferecem em seus currículos. Neste trabalho.X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC Águas de Lindóia. 11). pois eles precisam expressar raciocínios e pensamentos complexos através da escrita na elaboração de trabalhos dissertativos e nas avaliações (. ainda que se tenha a percepção de que “um discurso sobre a educação não deve ser um discurso de opinião” (CHARLOT... os escritos dos licenciandos sobre o Curso. referiram à exclusão de componentes de Química Orgânica Experimental. sendo que os mesmos a consideraram como suporte para a prática da leitura e escrita. positivas e reforçam as finalidades de um curso de formação de professores. independente do curso. (. cursos de português voltados para a produção de textos e para a revisão de problemas gramaticais da língua portuguesa. saberes de pouca importância” (p. durante o ciclo básico. 6 . Com base na compreensão do autor é importante saber interpretar o que se lê e saber expressar o que foi lido para o público ou em um texto escrito. a necessidade de haver professores qualificados para ministrar os componentes e que consigam fazer essa mediação envolvendo a escola de educação básica.. independente do curso. Como aspectos negativos. pois ela dará suporte a outros componentes curriculares que exigem uma compreensão mais ampla sobre leituras e escrita (E3) Acho importante a inclusão de Leitura e Produção Textual. as alterações feitas no currículo deram uma melhorada pois o currículo antigo não favorecia muito a licenciatura.) cientes desse problema. por possuírem tradição em pesquisa e desenvolvimento.. 6). pode-se salientar que as mudanças foram. o Formação de professores de Ciências. comunicação e produção de texto. deveria estar presente em todos. por exemplo. 10). ainda veem nos saberes escolares. achei bastante importante o acréscimo da disciplina de Leitura e Produção Textual. Um dos aspectos presentes em outras categorias de análise refere. p. em qualquer Curso de graduação. Para Emediato (2007. a exemplo de professores que tenham formação em Química e na área da Educação para atuar em disciplinas da área pedagógica e de prática como componente curricular. Considerações finais A partir da análise sobre percepções dos licenciandos sobre a inclusão e a exclusão de componentes curriculares do Curso. SP – 24 a 27 de Novembro de 2015 Na minha opinião. provavelmente pelo reconhecimento da importância da atividade prática legitimada pela nomenclatura das disciplinas. p. em sua maioria. apesar de serem vagos em termos de explicações mais contundentes sobre suas percepções em relação à inclusão e a exclusão de componentes curriculares. A análise das percepções dos licenciandos permite fazer uma avaliação ainda bastante inicial sobre a nova configuração curricular.

2014. p7-18. n. Disponível: <:http://www. KRUGER. Formação de professores de Ciências. Dinéia.31. São Paulo.br/colegiadoquimica>. SACRISTÁN. O Processo da Pesquisa: Iniciação. de 19 de Fevereiro de 2002.lume. PPCLQ/UFPEL. Implantação Das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores de Química em uma Instituição Federal de Ensino Superior: Desafios e Perspectivas. 134. p.edu. Irene T. Porto Alegre: Artmed. A pesquisa Educacional entre conhecimentos. MOROZ.pdf>. Brasil. Acesso em: 15 de set.8. Revista Brasileira de Educação.32. Geração Editorial. 2007. Pelotas: UFPel. 2. GARCIA. Mônica H. f Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde). Formação docente em tempos de mudança. Brasília. GIANFALDONI. Lei nº 9. Acesso em: 07 de set.br/>. políticas e práticas: especificidades e desafios de uma área de saber. Disponível em: <http://portal. 2009. Análise de Conteúdo. Brasília: Liber Livro. n. 3. O currículo: Uma reflexão sobre a prática.394. CNE/CP.56. v. 2009.pdf>. ed. Pelotas: UFPel. 7 . de 2015. Acesso em: 02 junho 2014. Referências bibliográficas BRASIL. 352p.X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC Águas de Lindóia..edu.S. Disponível em: <http://www. 2000. 2014. ed. 3. B.br/seesp/arquivos/pdf/res2_2. Wander: A fórmula do texto: Redação. 2002b. Porto Alegre. José G. Melania. FRANCO.gov. CNE/CP. Projeto Pedagógico Curso de Licenciatura em Química da Universidade Federal de Pelotas. Paula Del Ponte.mec. de 2014. n.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Verno. SP – 24 a 27 de Novembro de 2015 que remete para demandas em políticas públicas que envolvam os docentes universitários. Resolução CNE/CP 02/2002. ed. Projeto Pedagógico Curso de Licenciatura em Química da Universidade Federal de Pelotas.br/bitstream/handle/10183/105037/000942869.. 2006. Argumentação e Leitura. Brasília/DF. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. BRASIL. Brasília/DF. 2013. p. Maria Laura P. Orientações Curriculares e Políticas Públicas para a Formação De Professores: Um Estudo sobre o Curso de Licenciatura em Química da UFPel.pdf?sequence=1> Acesso em 25 de nov. Bernard.mec. de 18 de Fevereiro de 2002. 2014 BRASIL. abri/out 2009. 80 p. Acesso em: 02 junho 2014. Integração. EMEDIATO.gov. 2002a. 2006 p.ufpel. Brasil v. Resolução CNE/CP 01/2002.2218 – 2224.T.A. Agradecimentos e apoios Aos professores e aos licenciandos em Química da UFPel. Acesso em 18 de abr. Disponível em < http://wp.mec. de 20 de dezembro de 1996.ufpel. Disponível em < http://wp.ufrgs.124 HYPOLITTO.11. ROCHA. 2014.br/colegiadoquimica>. CHARLOT. São Paulo. Líber. 2008.gov.. PPCLQ/UFPEL. Disponível em: <http://portal.9195. Química Nova.

NARDI. SP – 24 a 27 de Novembro de 2015 TERRAZZAN. 2007. 8 . A pesquisa em Ensino de Ciências no Brasil: alguns recortes. In. Roberto. Eduardo A.X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC Águas de Lindóia. Formação de professores de Ciências. São Paulo: Escrituras Editora. Inovação Escolar e Pesquisa sobre Formação de Professores. 145-192. p.