Você está na página 1de 44

Desenvolvimento Econômico Local da Zona

Oeste do Rio de Janeiro e seu Entorno


Renata Lèbre La Rovere (Coord.)

29 de junho de 2009
Grupo Economia de Inovação - Instituto de Economia da UFRJ
Apresentação da Pesquisa

¾ Edital Pensa Rio da FAPERJ em 2007

¾ Pesquisa coordenada pelo Instituto de Economia da UFRJ

¾ Equipe multi-disciplinar envolvendo pesquisadores da UFRJ,


da FAETEC e do NucleoInox

¾ Etapas da pesquisa:

9 Análise de dados secundários

9 Aplicação de questionários e realização de entrevistas

9 Elaboração de diagnóstico e de estudos qualitativos

9 Realização de um worskhop com lideranças locais e


instituições interessadas no desenvolvimento da região

9 Consolidação dos resultados dos estudos e do workshop numa


agenda de desenvolvimento
Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 2
Objetivos Gerais e Específicos

Objetivos gerais:

¾ Diagnóstico das possibilidades de desenvolvimento econômico


local da Zona Oeste do Município do Rio de Janeiro e de seu
entorno

¾ Proposição de uma agenda de desenvolvimento para a região

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 3


Objetivos Gerais e Específicos

Objetivos específicos:

1. Analisar Aspectos Econômicos


¾ Principais atividades econômicas locais

¾ Principais desafios ao crescimento econômico

¾ Potencial de desenvolvimento de um pólo metal-mecânico

¾ Potencial de Comércio Exterior

¾ Problemas de infra-estrutura e logística

¾ Condições de ocupação do solo

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 4


Objetivos Gerais e Específicos

2. Analisar Aspectos Sociais

¾ Potencial de oferta de cursos de capacitação

¾ Problemas relacionados à segurança pública

¾ Iniciativas de governança já existentes

3. Propor Agenda de Desenvolvimento

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 5


Identificação da Região de Estudo

Bangu Realengo

Campo Grande

Santa Cruz

Fonte: Instituto Pereira Passos. Disponível em www.rio.rj.gov.br/ipp

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 6


Resultados do Diagnóstico

¾8.352 estabelecimentos, sendo 77% micro (até 10

empregados), 18.9% pequeno (até 20 empregados), 3,4 médio

(até 250 empregados) e 0,6% grande (mais de 250

empregados)

¾113.561 empregos, sendo 30,4% em grandes

estabelecimentos, 24,9% em estabelecimentos de porte médio,

27,0% em estabelecimentos pequenos e 17,5% em micro

estabelecimentos

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 7


Resultados do Diagnóstico

¾Zona Oeste tem grande potencial para o desenvolvimento

industrial e tecnológico: é a região de maior densidade industrial

do município do Rio de Janeiro

¾Responsável por 23,4% do Valor Adicionado Fiscal do Município

em 2004

¾Principais cadeias produtivas: metal-mecânica, minerais não

metálicos, produtos alimentícios, papel e gráfica e produtos

químicos

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 8


Resultados do Diagnóstico

¾A região estudada tem grau de desenvolvimento socioeconômico


inferior ao do Município do Rio de Janeiro, ainda que às vezes
superior ao Estado do Rio de Janeiro

¾Polarização interna: Realengo se aproxima do Município do Rio


de Janeiro e Santa Cruz é inferior ao Estado do Rio de Janeiro

¾Região apresenta mão de obra mais jovem e mais escolarizada


até o ensino médio, mas com menor proporção de trabalhadores
com ensino superior

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 9


Desafios ao Crescimento

1. Predominância de empresas de porte pequeno impõe vários


desafios ao crescimento:

•Qualificação da mão de obra e dos gestores

•Especialização das atividades

•Atividades exportadoras

•Acesso a capital

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 10


Desafios ao Crescimento

2. Condições precárias da infra-estrutura afetam empresas de

todos os tamanhos

3. Escassas relações de cooperação entre empresas e entre estas

e universidades

4. Atratividade da região limitada a fatores de custo

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 11


Potencial de Desenvolvimento de Pólo Metal-Mecânico

Pólo metal-mecânico com ênfase na produção de aço inox é


interessante:

9Utilização em diversas cadeias produtivas

9Baixo consumo no Estado do Rio de Janeiro apesar do consumo


do aço apresentar vantagens comparativas

9Existência no Estado do Rio de Janeiro de quatro fortes


distribuidores de aço inox

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 12


Potencial de Desenvolvimento de Pólo Metal-Mecânico

Condições para desenvolvimento de um pólo metal-mecânico:

•disponibilidade de matéria prima com qualidade, preço

competitivo e prazo de entrega;

•escola que forme profissionais em design;

•escolas que formem técnicos na área de

corte/dobra/conformação/soldagem/usinagem;

•empresas que fabriquem produtos finais para atendimento do

mercado local e que se capacitem para a exportação.

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 13


Potencial de Comércio Exterior

•6,9% das empresas exportadoras e 5,5% das empresas


importadoras

•US$ 671 milhões em exportações e US$ 269 milhões em


importações no ano de 2007

•Exportações aumentaram 196% e importações aumentaram


64% no triênio 2004-2007

•Participação da região na geração de divisas do Município passou


de 0,9% em 2005 para 4,5% em 2007

•Exportações concentradas em metalurgia básica e importações


em produtos químicos, minerais não metálicos e metalurgia
Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 14
Problemas de Infra-Estrutura e Logística

•Impactos do Arco Metropolitano

•Gargalos do trânsito nos centros das regiões administrativas

•Poucos eixos viários norte-sul

•Necessidade de expansão da malha ferroviária e sua integração


com demais modais de transporte

•Necessidade de aproveitamento de galpões da Av. Brasil

•Necessidade de integração das atividades dos portos do Estado


do Rio de Janeiro

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 15


O Arco Metropolitano

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 16


Eixos Viários

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 17


Condições de Ocupação do Solo

•Apesar de ampla disponibilidade de terrenos, condições da malha


urbana da região necessitam ser melhoradas

•Processo de ocupação desordenado e caótico

•Necessidade de revisão dos Planos de Estruturação Urbana

•Necessidade de revisão da legislação, facilitando diversidade de


usos e permitindo a atração de empresas

•Necessidade de melhoria das condições de transporte

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 18


Condições de Ocupação do solo

IMÓVEIS DA ZONA OESTE (área expressa em M2 )

REG. ADMINIST. APARTAMENTO CASA GALPÃO INDUSTRIA TELHEIRO TERRENO

Santa Cruz 729.694 1.569.994 120.235 637.165 1.101 54.402.482


Campo Grande 1.284.820 3.529.854 242.668 370.329 10.152 61.869.046
Realengo 329.769 423.153 30.467 7.454 722 5.393.299
Bangu 1.724.469 1.737.811 183.260 71.060 3017 29.194.595
TOTAL GERAL 4.068.753 7.260.812 576.630 1 .086.008 14992 150.859.422
Fonte:Cadastro IPTU

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 19


Condições de Ocupação do Solo

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 20


Condições de Capacitação

•Número significativo de instituições de ensino técnico,


profissional e superior (12 de ensino técnico-profissional e 12 de
ensino superior)

•Apesar de ampla oferta de cursos técnicos (cerca de sessenta)


estes não atendem às demandas industriais

•Existem também limitações no que se refere à oferta de cursos


de ensino superior voltados para a indústria

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 21


Condições de Capacitação

•Número significativo de instituições de ensino técnico,


profissional e superior (12 de ensino técnico-profissional e 12 de
ensino superior)

•Apesar de ampla oferta de cursos técnicos (cerca de sessenta)


estes não atendem às demandas industriais

•Existem também limitações no que se refere à oferta de cursos


de ensino superior voltados para a indústria

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 22


Oferta de Cursos Técnicos
Relação dos Eixos Tecnológicos e Porcentagem de Oferta dos Cursos Técnicos na Zona Oeste
do Município do Rio de Janeiro

Eixo Tecnológico Percentual de Oferta (%)

Gestão e Negócios 42,6%

Ambiente, Saúde e Segurança 99,5%

Controle e Processos Industriais 52,1%

Informação e Comunicação 33,1%

Infra-estrutura 9,4%

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 23


Oferta de Cursos Superiores

Relação das Áreas e Porcentagem de Oferta dos Cursos Superiores na Zona Oeste do
Município do Rio de Janeiro
Área Percentual de Oferta (%)
Serviços/Gestão e Negócios  25,4% 

Ciências Humanas 15,2%

Saúde   43% 

Informática  10,1% 

Informação e Comunicação  10,2% 

Ensino  45,7% 

Hospitalidade e Lazer 5,1%

Indústria 10%

 
Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 24
Segurança Pública

•Região tem 27% da população residente no município

•Falta de segurança apontada por entrevistas como sendo o


principal problema da região

•Forte presença de milícias, interferindo na atividade econômica

•Ocupação irregular e ausência do poder público torna


comunidades presas fáceis de grupos criminosos

•Grave insuficiência do efetivo da polícia na região

•Deficiências na infra-estrutura de transportes e comunicações


enriquece grupos criminosos
Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 25
Áreas de milícias por bairro. Fonte: relatório da CPI da
ALERJ (novembro de 2008)

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 26


Homicídios Dolosos, por DPs – 2004/2008. Fonte: ISP-RJ

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 27


Roubos, por DPs – 2004/2008. Fonte: ISP-RJ

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 28


Furtos de veículos, por DPs – 2004/2008. Fonte: ISP-RJ

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 29


Governança

•Iniciativas já existentes vinculadas a instituições como SEBRAE,


Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e
Serviços do Estado do Rio de Janeiro, Caixa Econômica Federal,
NUCLEP, FIRJAN, FECOMÉRCIO-RJ, PETROBRAS,
ELETRONUCLEAR, MICHELIN, LIGHT e TK-CSA.

•A participação das grandes empresas instaladas na Zona Oeste


no cotidiano da população residente deve ser sistematizada e
ampliada

• Zona Oeste conta com história, identidade e laços sociais fortes

•Região apresenta condições para a organização de um Conselho


de Desenvolvimento Local
Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 30
Agenda de Ações -Desenvolvimento Econômico, Pólo Metal-
Mecânico e Comércio Exterior

9Facilitar a formalização e legalização das micro-empresas


através da criação de centros de serviços que envolvam
informações sobre: legalização de empresas; financiamentos;
serviços prestados por outras empresas
9Avaliação de políticas (Incentivos Fiscais, Fomento,
Instrumentos de Indução do Desenvolvimento) para o
desenvolvimento local que possam ser implementadas na região
9Discutir como integrar o Centro Tecnológico do Exército ao Pólo
Metal Mecânico
9Avaliar as condições requeridas pelas grandes empresas para
que as empresas da região se tornem fornecedoras

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 31


Agenda de Ações - Desenvolvimento Econômico, Pólo
Metal-Mecânico e Comércio Exterior

9Criar um Centro de Inovação Empresarial de Metal Mecânica

na Zona Oeste

9Dar visibilidade à oferta (bens e serviços) das pequenas e

médias empresas estabelecidas na região

9Integrar-se ao portal de fornecedores da indústria de petróleo

e gás (Promimp/Abimaq/MME)

9Criar programas de capacitação na área de

Qualidade/Conformidade/Prazo de entrega, muitas vezes

mais importante que preço

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 32


Agenda de Ações – Logística e Desenvolvimento

9Transporte ferroviário (de massas e cargas) deve ser

considerado prioritário, com modernização e recuperação da

malha

9Necessidade de integração dos modais de transporte

(ferroviário; rodoviário; hidroviário e aeroviário).

9Deve ser realizado um plano de logística de cargas –

plataformas de distribuição intermodais

9Integração do porto de Itaguaí por plano logístico à região

9Integração do arco metropolitano à região

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 33


Agenda de Ações – Logística e Desenvolvimento

9Necessidade de desenvolvimento de uma política de integração


dos portos do Rio de Janeiro

9Necessidade de intervenções na malha viária dos bairros a

exemplo do plano para Campo Grande desenvolvido em conjunto

por ACIG e CET-Rio

9Pensar a Av. Brasil como local de centrais logística

consorciadas

9Utilizar galpões vazios na região para instalação de micro e

pequenas empresas

9Articular planos com município e estado do Rio de Janeiro

considerando uso de incentivos fiscais


Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 34
Agenda de Ações – Segurança Pública, Ocupação e
Uso do Solo

9Criação de Grupo Executivo de análise do licenciamento de


projetos de natureza residencial, comercial e industrial na Zona
Oeste
9Revisão do Plano Diretor do Município do Rio de Janeiro e
Utilização dos Instrumentos Previstos no Estatuto da
Cidade para a Obtenção de Recursos de Financiamento da
Infra-Estrutura Local
9Definição de uma política de transporte integrada que
inclui a fiscalização rigorosa do transporte dito “alternativo”
usualmente explorado por grupos criminosos, seja de forma direta
ou mediante extorsão

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 35


Agenda de Ações – Segurança Pública, Ocupação e
Uso do Solo
9Revisão de parâmetros de uso e ocupação do solo. Sugere-
se a localização de indústrias de micro e pequeno porte, com
adensamento limitado pelas restrições associadas à fragilidade do
meio ambiente

9Estabelecimento efetivo de uma política habitacional para


os segmentos de baixa renda e regularização dos espaços e
construções já habitados em comunidades populares da região,
reduzindo a ampla margem de ilegalidade que favorece o controle
territorial armado dessas áreas, seja pelo tráfico seja pelas
milícias.

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 36


Agenda de Ações – Segurança Pública, Ocupação e
Uso do Solo

9Criação de um Forum Permanente de Segurança Pública

para a Zona Oeste

9Ampliação dos efetivos das Polícias Militar e Civil e da Guarda

Municipal nas unidades da Zona Oeste

9Gestões junto à ANP e ao Sindigás, ao Detro e às operadoras de

TV por assinatura para coibirem a exploração ilegal,

respectivamente, da distribuição de botijões de gás, do transporte

alternativo e do chamado “gatonet”

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 37


Agenda de Ações – Educação

9Realizar um mapeamento das cadeias produtivas da região


(incluindo cadeias de fornecedores) e das competências
necessárias para o trabalho nestas cadeias

9Desenvolver um planejamento estratégico na área de


educação, que contemple todos os níveis de educação (básico,
médio, técnico, superior) e integrado com demais áreas do
projeto (desenvolvimento econômico, acessibilidade/logística,
segurança, uso do solo, governança)

9Promover o aumento da escolaridade

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 38


Agenda de Ações – Educação

9Fomento às atividades culturais

9Fomento ao empreendedorismo

9Promover iniciativas educacionais visando conscientização da


cidadania e da responsabilidade social e ambiental

9Organizar um Fórum Regional de Educação ligado a Conselho de


Desenvolvimento

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 39


Agenda de Ações – Governança

Criação de um Conselho de Desenvolvimento com comitê


organizador composto por: ACERB (Associação Comercial e
Empresarial da Região de Bangu), ACICG (Associação Comercial e
Industrial de Campo Grande), ACIRA (Associação Comercial e
Industrial de Realengo e Adjacências), AEDIN (Associação das
Empresas do Distrito Industrial de Santa Cruz), ADEDI
(Associação das Empresas do Distrito Industrial de Campo
Grande) e demais lideranças empresariais locais

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 40


Agenda de Ações – Governança

O Conselho tem como tarefas principais:

9Contribuir na discussão do Plano Diretor e do Plano de

Estruturação Urbana e estratégia de ocupação da região

9Promover a cultura e a auto-estima

9Promover ações de integração entre economia,

desenvolvimento de infra-estrutura e políticas sociais

9Fomentar a integração entre grandes empresas, MPEs e

sociedade civil

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 41


Agradecimentos

Equipe de Pesquisa
Pesquisadores: Lia Hasenclever, Leonarda Musumeci, João Bosco
Machado, Luiz Martins de Melo, Nelson Chalfun (IE/UFRJ);
Mauro Osório (FND/UFRJ); Giuseppe Cocco e Gerardo Silva
(LABTec/UFRJ); Márcia Pimentel, Márcia Farinazo e Risomar
Guedes (FAETEC); Eduardo Cunha (NucleoInox)
Assistentes de Pesquisa: Rodrigo Lopes (IE/UFRJ), Gabriel da
Silva (UCAM), Leonardo Paris (UCAM)
Estagiários: Fernando Scofano, Vinicius Dominato, Camila
Monteiro, Luiza Lins e Diego Aquino (IE/UFRJ)
Questionários: Aline Godoy, Thiago Cabral, Raphael Rolim (Ayra)
Secretária: Leticia Teixeira (IE/UFRJ)
Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 42
Agradecimentos

•Lideranças da Zona Oeste


•Convidados do workshop do dia 15 de maio
•Instituto de Segurança Pública

Apoio:

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 43


Contatos

OBRIGADA!

Renata@ie.ufrj.br

3873-5274/3873-5275

Grupo Economia de Inovação – Instituto de Economia da UFRJ 44