Você está na página 1de 8

Resumo → César

CONSTITUCIONALISMO

→ Refere-se diretamente à organização e funcionamento do Estado, através de normas


relativas a sua estrutura, forma de governo, modo de aquisição e exercício do poder,
estabelecimento de seus órgãos, limites de atuação, direitos fundamentas do homem,
suas garantias e regras básicas de ordem econômica e social.
→ Limitação do Estado pela lei.

CONCEITO DE CONSTITUIÇÃO

→ Conjunto de normas que organiza os elementos do Estado (Território, Povo e


Soberania)
→ É algo que tem como forma um complexo de normas escritas ou costumeiras; como
conteúdo a conduta humana motivada pelas relações sociais; como fim a realização dos
valores que apontam para o existir da comunidade e como causa criadora e recriadora o
poder que emana do povo.
→ Um complexo de regras que dispõem sobre a organização do Estado, a origem e o
exercício do Poder, a discriminação das competências estatais e a proclamação das
liberdades públicas

CLASSIFICAÇÃO

− QTO AO CONTEÚDO
− Materiais: Quando delimita a matéria essencialmente constitucionais, sendo as
demais não constitucionais.
− Formais: É a constituição do Estado estabelecida de forma escrita, através do
poder constituinte e somente modificável por processos nela previstas;
− QTO A FORMA
− Escritas − Não escritas
QTO A MODO DE ELABORAÇÃO
− Dogmáticas: é escrita e sistematiza os dogmas ou idéias fundamentais da teoria
política e do direito dominante no momento
− Históricas: resultante da formação histórica, do evoluir das tradições e dos fatos
sócios-políticos
− QTO A ORIGEM
− Promulgada → Democráticas − Cesaristas → Plebiscitos
− Outorgada → Impostas
QTO A ESTABILIDADE:
− Imutáveis → ART.174 CF.1824 – Não mudar por 4 anos , rígida → O artigo 60,
§ 4º da Constituição Federal de 1988 que dispõe que não será objeto de
deliberação a proposta de emenda tendente a abolir a forma federativa de
Estado; o voto direto, secreto, universal e periódico; a separação dos Poderes e
os direitos e garantias individuais.
− Flexíveis → pode o legislador modificá-la a qualquer tempo segundo o mesmo
processo de elaboração das leis;
− Semi-Flexíveis → CF.1891
− QTO A EXTENSÃO:
− Analíticas → Descritiva
− Sintéticas ou Negativas → nega-se ser analítica - texto apresenta-se de forma
resumido, a contemplar princípios fundamentais
Supremacia Constitucional

→ Lei suprema do Estado


→ Superioridade em relação às demais normas jurídicas, e estas só serão válidas se se
conformarem com as normas da Constituição Federal
→ A supremacia da Constituição Federal, por ser rígida, toda autoridade só nela encontra
fundamento e só ela confere poderes e competências governamentais; exerce, suas
atribuições nos termos dela; sendo que todas as normas que integram a ordenação
jurídica nacional só serão válidas se se conformarem com as normas constitucionais
federais.

Poder Constituinte

É o poder capaz de estabelecer as normas constitucionais: sejam as de uma nova


Constituição – poder constituinte originário (não há limites formais), sejam as que
modificam uma Carta já existente – poder derivado ou reformador (possui limites formais),
com o objetivo principal de conferir legitimidade ao ordenamento jurídico de um Estado.

 Poder Constituinte originária: inovador, inicial, ilimitado e autônomo. É o criador da


norma, não está submetido a qualquer Constituição.
 Poder Constituinte derivado: subordinado e derivado, retira sua força de um poder
constituinte originário. A reforma, emenda e revisão são manifestações do poder
constituinte derivado.

Titular do poder constituinte: Está representado pela nação, titular é o povo – CF art 1º,
parág. Único.

Aplicabilidade da Norma Constitucional:

É a capacidade de incidir imediatamente sobre os fatos regulados, classificam-se:

− eficácia plena: São aquelas de aplicabilidade imediata, direta, integral,


independentemente de legislação posterior para sua inteira operatividade;
− eficácia limitada: De aplicabilidade indireta, mediata reduzida, dependente de uma
normatividade anterior ;
− eficácia contida: legislador regulou suficientemente mas deixou margem a uma
atuação restritiva para o poder público, são aquelas que dependem da emissão de
uma normatividade futura.

Poder Constituinte Derivado decorrente

É o poder dos estados membros da federação de constituir, elaborar suas próprias


constituições ou aos municípios suas respectivas leis orgânicas, respeitando sempre a
Constituição Federal.

Revisão Constitucional - Art 3º ADCT (Ato das Disposições Constitucionais Transitórias)

É a alteração anexável, exigindo formalidades e processos mais lentos e dificuldades que


a emenda
Emenda Constitucional (CF art.59, I – art.60)

É a modificação de certos pontos, cuja estabilidade o legislador constituinte não


considerou tão grande como outros mais valiosos, se bem que submetidas a obstáculos e
formalidades mais difíceis que os exigidos para alteração das leis ordinárias

Iniciativa:

− A Constituição poderá ser emendada mediante proposta:


I - de um terço, no mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado
Federal;
II - do Presidente da República;
III - de mais da metade das Assembléias Legislativas das unidades da Federação,
manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros.

Trâmite
 A proposta será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional, em dois
turnos, considerando-se aprovada se obtiver, em ambos, três quintos dos votos dos
respectivos membros.
 A emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados
e do Senado Federal, com o respectivo número de ordem.
 A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada
não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa.

Limitações

− Vedações circunstanciais na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou


de estado de sítio.
− Vedações Materiais - Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente
a abolir: (cláusulas pétreas)
I - a forma federativa de Estado;
II - o voto direto, secreto, universal e periódico;
III - a separação dos Poderes;
IV - os direitos e garantias individuais.

Interpretação constitucional

 Unidade da construção federal → texto que garanta a harmonia e efetividade da


norma constitucional sendo interpretado de forma única e harmônica;
 Efeito integrador – todo o texto está interrelacionado - “amarrado”, com soluções
pluralisticamente integradoras;
 Máxima efetividade ou eficiência → as normas constitucionais devem ser tomadas
como normas atuais e não como preceitos de uma Constituição futura, destituída
de eficácia imediata;
 conformidade (“justeza”) → nenhuma lei deve ser declarada inconstitucional
quando não puder ser declarada em harmonia com a Constituição, sendo esta
interpretação a única adequada e realmente válida;
 Concordância prática ou harmonização → impõe ao intérprete que os bens
constitucionalmente protegidos, em caso de conflito ou concorrência, devem ser
tratados de maneira que a afirmação de um não implique o sacrifício do outro, o
que só se alcança na aplicação ou na prática do texto.
 Força normativa → deve-se dar primazia às soluções ou pontos de vista que,
levando em conta os limites e pressupostos do texto constitucional, possibilitem a
atualização de suas normas, garantindo-lhes eficácia e permanência
 Complementação ao sistema de Canotilho (Jorge Miranda)
 Contradição dos princípios
 Normas Constitucionais e sua função útil

PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE

Duas doutrinas, a que utiliza 1,2,3 tanto para fatos concretos como abstratos e a que
utiliza 1,2,3,4,5 sendo que quando fato concreto adota-se passo 1,2,4,5 e no caso
abstrato 1,2,3,4

1) Adequação (Atingir a finalidade - O meio escolhido contribui para a obtenção do


resultado pretendido?)
2) Necessidade (do meio utilizado - O meio escolhido foi o mais suave entre as
opções existentes?)
3) Proporcionalidade em sentido estrito (vale a pena?) // (abstrato – vale a pena?
formulação de leis)
4) Determinalidade (a lei tem de ser clara)
5) Razoabilidade (vale a pena ? ao caso concreto)

Indaga se o ato é adequado e necessário à finalidade, ao objetivo, além de verificar, no


cotejo entre os bens, direitos ou interesse protegidos e atingidos pela atuação estatal,
qual deverá prevalecer no caso concreto, portanto sempre haverá duas grandezas em
relação: bens, direitos ou interesses constitucionalmente consagrados.

O juízo de proporcionalidade permite um perfeito equilíbrio entre o fim almejado e o meio


empregado, ou seja, o resultado obtido com a intervenção na esfera de direitos do
particular deve ser proporcional à carga coativa da mesma.

Exemplo 1: Hipoteticamente, o Poder Público na pessoa de um prefeito, com o intuído de


evitar a depredação de um bem público, por exemplo, uma estátua, dispõe em torno da
estátua, uma cerca elétrica capaz de causar a morte de quem se atrever a pichá-la.

Neste caso, embora haja adequação entre meio e fim, a medida seria inválida, pela
ausência do requisito proporcionalidade em sentido estrito, pois o bem jurídico da vida é
mais importante que a preservação do patrimônio público.

Exemplo 2: Suponha que uma fábrica polua o meio ambiente. Logo, o Poder Público
decide fechar a fábrica. No entanto, se for possível solucionar o problema pela colocação
de um filtro, será inválida, por desnecessária, a atitude estatal.

DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS

Direitos fundamentais, direitos do homem, direitos humanos, direitos públicos subjetivos,


são algumas das diversas expressões para designar os direitos fundamentais.

São situações jurídicas objetivas e subjetivas, definidas no ato positivo, em prol da


dignidade, igualdade e liberdade humana.
Características:

− Historicidade → Nascem, modificam-se e desaparecem


− Universalidade → São reconhecidos em todo o mundo.
− Limitabilidade (cedência) → não há nenhuma hipótese de direito humano absoluto, eis
que todos podem ser ponderados com os demais;
− Concorrência → Um direito fundamental não é superior a outro;
− Irrenunciabilidade → Não renunciáveis (2 tipos de regras, dispositivas e cogentes)
− Complementação (Pedro Lenza)
− Inalienabilidade → Direitos intransferíveis, inegociáveis
− Imprescritibilidade → Nunca deixam de ser exigíveis

Abrangência

 Direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5 CF)


 Direitos Sociais → Direitos trabalhistas (art. 7 CF)
 Direitos da Nacionalidade → vínculo jurídico-político entre a pessoa e o Estado (art
12 CF)
 Direito Políticos → direito de votar (art. 14 CF)

Evolução histórica

Direitos de primeira geração: Surgidos no século XVII, eles cuidam da proteção das
liberdades públicas, ou seja, os direitos individuais, compreendidos como aqueles
inerentes ao homem e que devem ser respeitados por todos os Estados, como o direito à
liberdade, à vida, à propriedade, à manifestação, à expressão, ao voto, entre outros.

Direitos de segunda geração: os ora chamados direitos sociais, econômicos e culturais,


onde passou a exigir do Estado sua intervenção para que a liberdade do homem fosse
protegida totalmente (o direito à saúde, ao trabalho, à educação, o direito de greve, entre
outros). Veio atrelado ao Estado Social da primeira metade do século passado.

Direitos de terceira geração: os chamados de solidariedade ou fraternidade, voltados para


a proteção da coletividade. As Constituições passam a tratar da preocupação com o meio
ambiente, da conservação do patrimônio histórico e cultural, etc.;

Direitos de quarta geração: engenharia genética (Norberto Bobbio → para Bobbio: 1ª


Geração: Direitos Individuais – 2ª Geração: Direitos Coletivos – 3ª Geração: Direitos dos
Povos ou dos Direitos de Solidariedade – 4ª Geração: Direitos de manipulação Genética.)

Dos direitos e deveres individuais e coletivos – Art. 5º CF

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se
aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à
liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes....

− Princípio da Igualdade? → Cotas nas Universidades


− Direito a vida? → Aborto (Art. 123 CP)
− Desapropriação // Tombamento (fere o princípio da propriedade?)
− interesse público
− interesse social
− Segurança (Vigilância Sanitária, Equipamentos funcionem, Criminal...)
Art. 5 CF

Inciso 1º - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta
Constituição;

Inciso 2º - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em
virtude de lei; (Fazer alguma coisa senão em virtude da lei – princípio da legalidade –
administrador público só atua nos estritos contornos da lei, para o particular quando a lei
não o proibir. - regra de ação e omissão.)

Inciso 3º – Tortura
Lei da Tortura → Lei 9455/97
Súmula vinculante nº 11 (uso de algemas)
“Só é lícito o uso de algemas em caso de resistência e de fundado receio de fuga ou de
perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada
a excepcionalidade por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar civil e penal do
agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou do ato processual a que se refere,
sem prejuízo da responsabilidade do Estado"[1].

Inciso 4 - Liberdade de pensamento vedado o anonimato


“...a liberdade de exteriorização do pensamento, em particular – a exemplo de outros
direitos fundamentais -, não pode ser, de nenhum modo, interpretada de forma absoluta,
posto que, em certas situações, poderá haver efetivo prejuízo social no que tange, entre
outros, ao sinérgico desrespeito aos valores éticos da pessoa e da família..”

Inciso 5 – Direito de resposta:


− Dano moral não deve ser utilizado para enriquecimento próprio x Erros e reparação
exemplar pelo estado.
− Uso de imagem desautorizadamente

Inciso 6 – Liberdade de consciência e credo → estado laico

Inciso 7 – é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas


entidades civis e militares de internação coletiva;

Inciso 8 - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção
filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos
imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
− serviço militar x ideologia, convocação a composição do tribunal do juri x convicção
política

Inciso 9 - Liberdade de expressão:


− Intelectual
− Artística
− Científica
− Comunicação (Rádio, Internet, Jornais, etc...)
− Independente de censura ou licença

Tutela Inibitória → censura prévia


CPC – (Art. 461. Na ação que tenha por objeto o cumprimento de obrigação de fazer ou
não fazer, o juiz concederá a tutela específica da obrigação ou, se procedente o pedido,
determinará providências que assegurem o resultado prático equivalente ao do
adimplemento.)

Inciso 10 - Inviolabilidade
 Vida Privada
 Honra
 Imagem das pessoas

Dano moral X liberdade de expressão (cedência)


Assegurado o direito de indenização

Inciso 11 - Casa é o asilo inviolável do indivíduo.


Salvo flagrante delito, prestar socorro, durante o dia por determinação judicial. 06Hs às
18hs → art. 172 CPC

Inciso 12 - É inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de


dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas
hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução
processual penal. - CF art. 136 → ESTADO DE DEFESA e lei 9296

Inciso 13 - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as


qualificações profissionais que a lei estabelecer -

Inciso 14 - Acesso a informação → atividade jornalística e sua responsabilidade → art. 37


CF adm pública (LIMPE – LIBERDADE, IMPESSABILIDADE, MORALIDADE
PUBLICIDADE E EFICIÊNCIA)

Inciso 15,16,17,18,19,20,21
Associações → Exceção → Art.136
− mesmo objetivos − livremente
− lícitos − Representação Judicial ou Extrajudicial
− não paramilitar (milicias) − Dissolvidas por decisão judicial

Cooperativas → Não pode ser intervida pelo estado

Inciso 22,23,24,25,26 → propriedade física e imaterial


− função social
− desapropriação

Inciso 25 → uso de propriedade particular


− Iminente perigo (polícia utiliza veículo de particular)

Inciso 26 → pequena propriedade agrícola familiar – “impenhorável”


− 2 módulo agrícolas – INCRA

Inciso 27 → direitos autorais


STF - Súmula 386
Pela execução de obra musical por artistas remunerados é devido direito autoral, não
exigível quando a orquestra for de amadores.
Prova:
Constitucionalismo – conceituação de constituição
(não cai história das constituições)
Poder constituinte originária e derivado, derivado decorrente
Constituição quanto sua origem e forma de elaboração
Direitos e garantias individuais
Proporcionalidade
Art. 5º