Você está na página 1de 162

Fibrados, Conexões e Classes Características

Michael Forger Fernando Antoneli Jr.

– São Paulo, 11 de Agosto de 2011 –

Conteúdo

Introdução:

Aspectos Históricos e Motivação

 

1

1

Fibrados Vetoriais e Conexões Lineares

 

3

1.1 Variedades Diferenciáveis

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

3

1.1.1 Definições e Exemplos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

3

1.1.2 Vetores Tangentes

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

9

1.1.3 Produto Cartesiano

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

15

1.1.4 Subvariedades

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

16

1.2 Fibrados Vetoriais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

1.2.1 Definições e Exemplos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

1.2.2 Fibrado Tangente

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

1.2.3 Construções Funtoriais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

1.2.4 Expressões Locais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

35

1.2.5 “Pull-Back”

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

1.3 Conexões Lineares

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

1.3.1 Definições e Exemplos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

1.3.2 Construções Funtoriais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

40

1.3.3 Derivada Exterior Covariante

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

1.3.4 Expressões Locais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

42

1.3.5 Expressões Locais no Fibrado Tangente

 

44

1.3.6 “Pull-Back”

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

46

1.4 Curvatura e Transporte Paralelo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

47

1.4.1 Tensor de Curvatura

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

47

1.4.2 Tensor de Curvatura no Fibrado Tangente

 

49

i

ii

Conteúdo

 

1.4.3 Transporte Paralelo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

53

1.4.4 Transporte Paralelo no Fibrado Tangente

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

58

1.4.5 Fluxo Geodésico e Aplicação Exponencial

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

60

1.5 Conexões Pseudo-Riemannianas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

63

1.5.1 Métricas Pseudo-Riemannianas .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

63

1.5.2 Conexão de Levi-Civita

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

69

1.5.3 Tensores de Curvatura de Riemann, Ricci, Einstein e We yl

 

71

1.5.4 Variedades Riemannianas e Lorentzianas

 

76

1.6 Estruturas Adicionais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

77

1.6.1 Fibrados Vetoriais com Estruturas Adicionais

 

77

1.6.2 Conexões Lineares Compatíveis com Estruturas Adicionais

 

82

2

Fibrados e Conexões - Teoria Geral

 

85

2.1 Fibrados Gerais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

85

2.1.1 Definições e Noções Básicas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

85

2.1.2 Construções com Fibrados

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

89

2.1.3 Fibrado Vertical

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

91

2.1.4 Fibrado dos Jatos de Primeira Ordem

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

92

2.2 Conexões Gerais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

94

2.2.1 Fibrado Horizontal, Projeção Vertical, Projeção Hor izontal

 

94

2.2.2 Forma de Conexão e Levantamento Horizontal

 

95

2.2.3 Derivada Covariante

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

97

2.2.4 Curvatura

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

98

2.3 Fibrados com Grupo Estrutural

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

99

2.4 Fibrados Principais, Fibrados Associados, Fibrados de Referenciais

 

101

2.4.1 Fibrados Principais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

102

2.4.2 Fibrados Associados

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

107

2.4.3 Fibrados de Referenciais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

111

2.4.4 Estruturas Geométricas em Variedades

 

116

2.5 Conexões em Fibrados Principais e Associados

128

2.5.1 Conexões em Fibrados Principais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

128

2.5.2 Conexões em Fibrados Associados

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

130

2.5.3 Derivada Exterior Covariante

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

136

2.6 Estruturas Espinoriais e Operadores Tipo Dirac

 

138

Forger & Antoneli

Fibrados, Conexões e Classes Características

Conteúdo

iii

3 Classes Características

145

3.1 Polinômios Invariantes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

145

3.2 Elementos de Álgebra Homológica: Homologia e Cohomologia

 

146

3.3 Cohomologia de Álgebras de Lie, Transgressão

 

146

3.4 Homomorfismo de Chern-Weil

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

146

4 Construções Universais

147

4.1 Espaços Homogêneos e Fibrados Principais

 

147

4.2 Fibrados Universais e Espaços Classificatórios

 

147

Bibliografia

155

Fibrados, Conexões e Classes Características

Forger & Antoneli

iv

Conteúdo

Forger & Antoneli

Fibrados, Conexões e Classes Características

Introdução: Aspectos Históricos e Motivação

Origem da geometria moderna no 19 o século, com a prova da independência do axioma dos paralelos dos demais axiomas da geometria euclideana, através da descoberta de geometrias não-euclideanas (Bolyai, Gauss, Lobachevskii).

Origens da noção de conexão (linear), na forma global (trans porte paralelo) assim como na forma infinitesimal (derivada covariante):

na geometria riemanniana, como objeto secundário – conexão induzida por uma métrica positiva definida (Riemann, Christoffel, Levi-Civita), ainda no 19 o século;

na geometria lorentziana, ainda como objeto secundário – conexão induzida por uma métrica não degenerada mas não positiva definida (Einstein, 1915), e m função do desenvolvimento da relatividade geral;

em geometrias não métricas, como objeto primário (Weyl, 191 9 & 1931), iniciando o desenvolvi- mento das teorias de calibre.

Papel central das teorias de calibre que descrevem 3 das 4 int erações fundamentais conhecidas em física (eletromagnética, fraca e forte), sendo que a relatividade geral descreve a outra (gravitacional).

Desenvolvimento paralelo em Física e em Matemática, durant e boa parte do 20 o século:

Física:

1. extensão das teorias de calibre de grupos abelianos (Weyl , 1919 & 1931) a grupos não abeli- anos (Yang-Mills, 1954; Utiyama, 1956);

2. surgimento do mecanismo de quebra espontânea de simetria (Higgs et al., 1964);

3. formulação de uma teoria unificada para as interações elet romagnéticas e fracas (Weinberg, Salam, 1969);

4. formulação da cromodinâmica para as interações fortes e e stabelecimento do modelo padrão das partículas elementares (1973).

1

2

Conteúdo

Matemática:

1. formulação do conceito de fibrado (Hopf, Stiefel, Whitney, Steenrod);

2. formulação do conceito geral de conexão (Ehresmann, Kosz ul, Kobayashi-Nomizu);

3. dedução de invariantes topológicas de variedades e fibrad os representadas por formas dife- renciais, chamadas de classes características (Chern, Pon tryagin, Weil).

Unificação das duas linhas: Em torno de 1975, percebeu-se que

teoria das conexões = teorias de calibre (clássicas)

Algumas consequências em Matemática:

solução das equações de Yang-Mills auto-duais em 4 dimensõe s (Atiyah, Hitchin, Drinfeld, Manin & Ward, 1977);

descoberta de novas invariantes cohomológicas para varied ades de dimensão 4 que implicam a existência de uma quantidade não-enumerável de estruturas distintas de variedade suave em R 4 (Donaldson, 1984);

descoberta de novas invariantes cohomológicas para varied ades de dimensão 3 (Floer, 1986?);

sistematização das invariantes de Jones para laços e nós em v ariedades de dimensão 3 (Witten,

1986);

desenvolvimento da noção de teorias quânticas de campos top ológicas (Atiyah, 1988).

A ser elaborado com maiores detalhes, inclusive com correções das imprecisões históricas, que neste estágio de desenvolvimento do manuscrito são inevitáveis.

Forger & Antoneli

Fibrados, Conexões e Classes Características

Capítulo 1

Fibrados Vetoriais e Conexões Lineares

1.1 Variedades Diferenciáveis

Começamos este capítulo com uma breve revisão de algumas noções básicas relacionadas com o con- ceito de variedade, no intuito de fixar a notação que será empr egada a seguir e também de facilitar a compreensão da definição do conceito de um fibrado vetorial, p or analogia.

Intuitivamente, uma variedade n-dimensional é um “espaço” M que localmente pode ser colocado em correspondência biunívoca com abertos de R n . Portanto, os pontos de M são parametrizados por

coordenadas x µ ( µ = 1 ,

de R n . Contudo, tal parametrização ou associação está longe de se r única. Além disso, nem sempre é possível encontrar coordenadas para todos os pontos de M ao mesmo tempo, sendo que geralmente, as funções coordenada são definidas apenas sobre subconjuntos de M . No entanto, quando os mesmos pontos de M são descritos em termos de diferentes sistemas de coordenad as locais, digamos x µ e x κ , então deve ser possível expressar as funções x κ em termos das funções x µ e, reciprocamente, as funções x µ em termos das funções x κ , de maneira diferenciável.

, n) que, conjuntamente, lhes associam pontos em determinados abertos

Neste contexto e em tudo que segue, entendemos a palavra “dif erenciável” como sinônimo de “suave” ou “liso/lisa” ou “de classe C ”. É possível formular definições análogas usando outras cla sses C r de diferenciabilidade; veja os comentários no final da Seção 1.1 deste capítulo.

1.1.1 Definições e Exemplos

1.1 Definição Seja M um conjunto.

˜

1. Uma carta ( n-dimensional) de M é uma tripla C = (U, x, U) consistindo de

(i)

um subconjunto U de M ,

˜

(ii) um subconjunto aberto U de R n ,

(iii) uma bijeção

 

˜

x :

U

−→

U

m

−→

x(m) = (x 1 (m),

, x n (m)) .

3

4

Fibrados Vetoriais e Conexões Lineares

˜

O subconjunto U de M é chamado o domínio da carta C = (U, x, U) e, para cada ponto m de U ,

, n) são chamadas as coordenadas de m . Desta forma, uma carta

C = (U, x, U) de M pode também ser vista como um sistema de coordenadas para U ou, quando

não queremos especificar U explicitamente, como um sistema de coordenadas locais para M .

os números x µ (m) ( µ = 1 ,

˜

˜

Finalmente, dizemos que C = (U, x, U) é uma carta ou um sistema de coordenadas em torno de

um ponto m 0 de M se

˜

m 0 U , 0 U

e

x(m 0 ) = 0 .

˜

˜

2. Duas cartas C = (U, x, U) e C = (U , x , U ) de M são ditas compatíveis se U U = ∅ ou,

quando U U , se x(U U )

e x (U U ) são abertos de R n e as aplicações

x x 1 : x(U U ) −→ x (U U )

e

x x 1

:

x (U U ) −→ x(U U )

são diferenciáveis. Estas aplicações são chamadas as funções de transição entre as duas cartas.

M ′ U U x x ′ x ′ ◦x −1
M
U
U
x
x ′
x ′ ◦x −1
˜
U
U ′
˜
x ◦x ′−1
Figura 1.1: Cartas e funções de transição entre cartas para v ariedades
˜
˜

Obviamente, uma carta C = (U, x, U) n-dimensional e uma carta C = (U , x , U ) n -dimensional só

podem

ser compatíveis se U U = ∅ ou então n = n .

Forger & Antoneli

Fibrados, Conexões e Classes Características

1.1 Variedades Diferenciáveis

5

1.2 Definição Seja M um conjunto.

˜

(i) Um conjunto A = { C α | α A } de cartas C α = (U α , x α , U α )

(a)

(b)

os domínios U α recobrem M , i.e., A U α = M ,

α

quaisquer duas cartas de A são compatíveis.

de M é chamado um atlas de M se

(ii) Dois atlas A e A de M são ditos equivalentes se sua união A ∪ A também é um atlas de M , isto é, se todas as cartas de A são compatíveis com todas as cartas de A