Você está na página 1de 156

LFG Online apresenta

Contabilidade Avançada
Contabilidade Avançada

Com o Professor Eugenio Montoto

site: www.eugenio.pro.br

email: eugeniomontoto@gmail.com

youtube.com/eugeniomontoto

DEMONSTRAÇÃO CAIXA -

DEMONSTRAÇÃO CAIXA - D OS F DFC LUXOS D E

DOS F

DFC

LUXOS

DE

Contabilidade Geral e Análise de Balanços Esquematizado CAPÍTULO 18
Contabilidade Geral e Análise de Balanços Esquematizado
CAPÍTULO 18

Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) NBC TG 03

Aprovado pela Resolução CFC 1.296/10 e

Deliberação CVM 641/10

CMN Resolução 3.604/08 Banco Central

MÉTODOS DE ELABORAÇÃO

ATIVIDADES OPERACIONAIS

Indireto
Indireto
Direto
Direto

Método Direto

Método Direto
•Atividades Operacionais
•Atividades
Operacionais
Método Direto – Parte 1 Premissas : 2 Balanços Patrimoniais Último DRE O Referencial (Bússola)

Método Direto Parte 1

Método Direto – Parte 1 Premissas : 2 Balanços Patrimoniais Último DRE O Referencial (Bússola) para

Premissas : 2 Balanços Patrimoniais

Último DRE

O Referencial (Bússola) para a

elaboração da variação de caixa pelas

atividades operacionais neste método é o DRE !!!

Demonstração do Resultado do Exercício

Receita Bruta

(-) Deduções (Impostos)

Receita Líquida (1)

(-) CMV (Fornecedores) (1)

Lucro Bruto

(-) Despesas (2)

(+) Receita Financeira (2)

(+/-) Outras Receitas (3) ou Despesas Despesas (2)

 

Resultado Operacional (Antes do IR/CSL)

(-) IR/CSL (3)

(-) Participações (Despesas - 2)

Resultado Líquido do Exercício

Método Direto (Atividades Operacionais)
Método Direto
(Atividades Operacionais)

Demonstração do Resultado do Exercício

Receita Bruta

(-) Deduções

do Resultado do Exercício Receita Bruta (-) Deduções Receita Líquida (-) CMV Lucro Bruto (-) Despesas

Receita Líquida

do Exercício Receita Bruta (-) Deduções Receita Líquida (-) CMV Lucro Bruto (-) Despesas (+) Receita

(-) CMV

Lucro Bruto

Bruta (-) Deduções Receita Líquida (-) CMV Lucro Bruto (-) Despesas (+) Receita Financeira (+/-) Outras

(-) Despesas

(+) Receita Financeira

(-) CMV Lucro Bruto (-) Despesas (+) Receita Financeira (+/-) Outras Receitas e Despesas RESULTADO OPERACIONAL

(+/-) Outras Receitas e Despesas

RESULTADO OPERACIONAL

(+/-) Outras Receitas e Despesas RESULTADO OPERACIONAL (-) Imposto de Renda/ CSL (-) Participações Societárias

(-) Imposto de Renda/ CSL

(-) Participações Societárias

Resultado Líquido do Exercício

Método Direto (Atividades Operacionais)
Método Direto
(Atividades Operacionais)

ENTRADAS

SAÍDAS

(Ingressos)

(Pagamentos)

Receita Líquida

CMV

(+) Receita Financeira

Despesas

(+) Outras Receitas

Impostos

 

Outras Despesas

Pagamentos Operacionais

1

Pagamentos aos Fornecedores

2

Pagamentos das Despesas

3

Pagamentos de Impostos

4

Outros Pagamentos Operacionais

Mamãe Vende Perfume (10 frascos)

Valor ($)

Receita

10 x R$ 120,000

R$ 1.200,00

(-) Custo

10 x R$ 70,00

R$ 700,00

Lucro Bruto

R$ 500,00

Estoque

0

3

(R$ 210)

Crédito

0

7

(R$ 490)

Pagamento a Fornecedor

R$ 700,00

R$ 0,00

Pagamento aos Fornecedores

Conta de Resultado

(+)

CMV

∆ Passivo

(-)(+)

∆ (Variação) do Fornecedor

∆ Ativo

(+)(-)

∆ (Variação) de Mercadorias

Total do Pagamento aos Fornecedores

1.(Auditor-ISS-SP/FCC/2007)A Cia. Novo Horizonte elabora a demonstração

do fluxo de caixa pelo método direto. São dadas as seguintes informações

extraídas de sua contabilidade, referentes ao exercício de 2005, em R$:

Saldo inicial da conta Fornecedores Saldo final da conta Estoque de Mercadorias Custo das mercadorias vendidas Saldo inicial da conta Estoque de Mercadorias Saldo final da conta Fornecedores

200.000,00

400.000,00

950.000,00

380.000,00

260.000,00

O valor pago pela companhia a fornecedores no exercício de 2005 correspondeu a, em R$:

a) 950.000,00

b) 910.000,00

c) 890.000,00

d) 870.000,00

e) 840.000,00

1.(Auditor-ISS-SP/FCC/2007)A Cia. Novo Horizonte elabora a demonstração

do fluxo de caixa pelo método direto. São dadas as seguintes informações

extraídas de sua contabilidade, referentes ao exercício de 2005, em R$:

Saldo inicial da conta Fornecedores Saldo final da conta Estoque de Mercadorias Custo das mercadorias vendidas Saldo inicial da conta Estoque de Mercadorias Saldo final da conta Fornecedores

200.000,00

400.000,00

950.000,00

380.000,00

260.000,00

 

Pagamento aos Fornecedores

Valor($)

Conta de Resultado

(+)

CMV

950.000

∆ Passivo

(-)(+)

∆ (Variação) do Fornecedor

(60.000)

∆ Ativo

(+)(-)

∆ (Variação) de Mercadorias

20.000

 

Total do Pagamento aos Fornecedores

910.000

Resposta: alternativa “b”

Pagamento das Despesas

Conta de Resultado

(+)

Despesas (DRE)

AJUSTES

(despesas

provisionadas)

∆ Passivo

(-) Ajuste

(-) Depreciação

(-) Ajuste

(-) Atualização de Empréstimos de Longo Prazo

(-) Ajuste

(-) Despesas com provisões

(-) Ajuste

(-) Outras despesas que não afetam caixa

↑ (-)↓ (+)

∆ (Variação) Contas a Pagar

∆ Ativo

↑ (+)↓ (-)

∆ (Variação) de Despesas Antecipadas

Total do Pagamento das Despesas

2. (AFRF/ESAF/2002) Das demonstrações contábeis da Cia. Azulão foram extraídas as contas abaixo com os seus respectivos saldos:

extraídas as contas abaixo com os seus respectivos saldos: Considerando que o Passivo Circulante da empresa

Considerando que o Passivo Circulante da empresa era formado unicamente pela rubrica fornecedores e o Balanço Patrimonial não evidenciava a existência de Realizável a Longo Prazo, pode-se afirmar que o valor das Despesas pagas no período é:

a) 3.220.000 b) 3.445.000 c) 3.460.000 d) 3.685.000 e) 4.000.000

 

Pagamento das Despesas

Valor($)

(+)

Despesas (DRE)

4.000.000

(-) Ajuste

(-) Depreciação

(540.000)

(-) Ajuste

(-) Atualização de Empréstimos de Longo

0

Prazo

(-) Ajuste

(-) Despesas com provisões

0

(-) Ajuste

(-) Outras despesas que não afetam caixa

0

(-)(+)

∆ (Variação) Contas a Pagar

0

(+)(-)

∆ (Variação) de Despesas Antecipadas

225.000

 

Total do Pagamento das Despesas

3.685.000

Resposta “d”

 

Pagamento de Impostos

Conta de Resultado

(+)

Impostos (DRE)

∆ Passivo

(-)(+)

∆ (Variação) do Imposto a pagar

∆ Ativo

(+)(-)

∆ (Variação) do Imposto a recuperar

   

Total Líquido Pago de Impostos

Pagamento de Outras Contas Operacionais

Conta de Resultado

(+)

Outras Conta (DRE)

∆ Passivo

(-)(+)

∆ (Variação) da Conta Patrimonial de

Passivo Relacionada

∆ Ativo

(+)(-)

∆ (Variação) da Conta Patrimonial de Ativo Relacionada

Total Pago

3 (INFRAERO-Auditor/Contábil/FCC/2011)

Dados extraídos da escrituração

contábil da Cia. Juazeiro do Sul, relativos ao exercício encerrado em 31-

12-2010:

do Sul, relativos ao exercício encerrado em 31- 12-2010: A companhia elabora o fluxo de caixa

A companhia elabora o fluxo de caixa das atividades operacionais pelo método indireto. Abstraindo-se os tributos incidentes sobre as compras, o valor pago pela entidade aos seus fornecedores no exercício de 2010 correspondeu, em R$, a

a) 610.000,00.

b) 640.000,00.

c) 590.000,00.

d) 620.000,00.

e) 630.000,00.

3 (INFRAERO-Auditor/Contábil/FCC/2011)

Dados extraídos da escrituração

contábil da Cia. Juazeiro do Sul, relativos ao exercício encerrado em 31-

12-2010:

do Sul, relativos ao exercício encerrado em 31- 12-2010: A companhia elabora o fluxo de caixa

A companhia elabora o fluxo de caixa das atividades operacionais pelo método indireto. Abstraindo-se os tributos incidentes sobre as compras, o valor pago pela entidade aos seus fornecedores no exercício de 2010 correspondeu, em R$, a

a) 610.000,00.

Memória de Cálculo

Valor ($)

CMV

620.000

(-) Aumento de Fornecedores

(30.000)

(+) Aumento dos Estoques

20.000

Pagamento a Fornecedores

610.000

b) 640.000,00.

c) 590.000,00.

d) 620.000,00.

e) 630.000,00.

4) (TRE-PR 2012/Analista Judiciário/Especialidade Contabilidade FCC) .

Considere as informações extraídas do Balanço Patrimonial e da

Demonstração de Resultados do Exercício da empresa Alfa referentes ao exercício de X2:

Ignorando o efeito dos tributos, o valor pago pela empresa a fornecedores foi, em milhares de reais,

o valor pago pela empresa a fornecedores foi, em milhares de reais, a) 5.000 b) 326.000

a) 5.000

b) 326.000

c) 336.000

d) 342.000

e) 345.000

o valor pago pela empresa a fornecedores foi, em milhares de reais, a) 5.000 b) 326.000

4) (TRE-PR 2012/Analista Judiciário/Especialidade Contabilidade FCC) .

Considere as informações extraídas do Balanço Patrimonial e da

Demonstração de Resultados do Exercício da empresa Alfa referentes ao exercício de X2:

Ignorando o efeito dos tributos, o valor pago pela empresa a fornecedores foi, em milhares de reais,

pago pela empresa a fornecedores foi, em milhares de reais, a) 5.000 b) 326.000 c) 336.000

a) 5.000

b) 326.000

c) 336.000

d) 342.000

e) 345.000

reais, a) 5.000 b) 326.000 c) 336.000 d) 342.000 e) 345.000 Memória de Cálculo Valor ($)

Memória de Cálculo

Valor ($)

CMV

340.000

(+) Diminuição de Fornecedores

5.000

(- ) Diminuição dos Estoques

(9.000)

Pagamento a Fornecedores

336.000

5. (TCE-PR/Analista/2011/FCC) A questão refere-se a Ciência da Contabilidade. A Cia. Gera Caixa S.A. é uma empresa comercial e apresentava as seguintes demonstrações contábeis:

Balanço Patrimonial de X10 (em reais)

contábeis: Balanço Patrimonial de X10 (em reais) Com base nessas demonstrações e sabendo que os juros

Com base nessas demonstrações e sabendo que os juros não foram pagos, que o aumento de capital foi em dinheiro e que os veículos foram adquiridos à vista, o fluxo de caixa decorrente das Atividades de Financiamento foi, em reais,

a) 32.000.

b) 42.000.

c) 52.000.

d) 90.000.

5. (TCE-PR/Analista/2011/FCC) A questão refere-se a Ciência da Contabilidade. A Cia. Gera Caixa S.A. é uma empresa comercial e apresentava as seguintes demonstrações contábeis:

Balanço Patrimonial de X10 (em reais)

contábeis: Balanço Patrimonial de X10 (em reais) Com base nessas demonstrações e sabendo que os juros

Com base nessas demonstrações e sabendo que os juros não foram pagos, que o aumento de capital foi em dinheiro e que os veículos foram adquiridos à vista, o fluxo de caixa decorrente das Atividades de Financiamento foi, em reais,

a) 32.000.

b) 42.000.

c) 52.000.

d) 90.000.

e) 95.000.

Aumento de Capital

52.000

Aumento de empréstimos

(10.000)

Ingressos de Financiamentos

42.000

Demonstração do Resultado

Valor ($)

Receita de Vendas

150.000

(Custo dos Produtos Vendidos)

(80.000

)

Lucro Bruto

70.000

Despesas administrativas

(10.000

)

Despesa de depreciação

(5.000)

(+) Outras receitas operacionais

 

Lucro na venda do terreno

8.000

Lucro antes do resultado financeiro

63.000

Despesa financeira (juros)

(10.000

)

Despesa com IR e CSLL

(15.000

)

Lucro Líquido

38.000

Alternativa “b”

6 (TCE-PR/Analista/2011/FCC) . A questão refere-se a Ciência da Contabilidade.

Considere as seguintes assertivas:

I. A receita reconhecida de uma subvenção governamental recebida e não distribuída na forma de dividendos foi destinada para a Reserva de Incentivos Fiscais. II. Pagamentos de caixa decorrentes do resgate de ações da própria entidade devem ser classificados como fluxos de caixa decorrentes das atividades de investimento. III. Em relação às provisões, a entidade deve reconhecer todas as obrigações presentes prováveis e possíveis, cujos valores possam ser estimados com confiança, além de reavaliá-las em cada data de balanço, cujas mudanças impactam o resultado. Está correto o que se afirma em

a)

I, apenas.

b)

III, apenas.

c)

I e II, apenas.

d)

II e III, apenas.

e)

I, II e III.

6 (TCE-PR/Analista/2011/FCC) . A questão refere-se a Ciência da Contabilidade.

Considere as seguintes assertivas:

I. A receita reconhecida de uma subvenção governamental recebida e não distribuída na forma de dividendos foi destinada para a Reserva de Incentivos Fiscais. II. Pagamentos de caixa decorrentes do resgate de ações da própria entidade devem ser classificados como fluxos de caixa decorrentes das atividades de investimento. III. Em relação às provisões, a entidade deve reconhecer todas as obrigações presentes prováveis e possíveis, cujos valores possam ser estimados com confiança, além de reavaliá-las em cada data de balanço, cujas mudanças impactam o resultado.

Financiamento É passivo Contingente
Financiamento
É passivo
Contingente

Está correto o que se afirma em a) I, apenas.

b)

III, apenas.

c)

I e II, apenas.

d)

II e III, apenas.

e)

I, II e III.

7. (COPERGÁS-Contador/FCC/2011) A

Demonstração dos Fluxos de Caixa tem por objetivo evidenciar as variações ocorridas

entre o início e o final do exercício no

a)grupo de Outros Resultados Abrangentes da companhia.

b)Capital Circulante Líquido da companhia.

c)Patrimônio Líquido da companhia. d)Ativo circulante da companhia. e)Disponível da companhia.

7. (COPERGÁS-Contador/FCC/2011) A

Demonstração dos Fluxos de Caixa tem por objetivo evidenciar as variações ocorridas

entre o início e o final do exercício no

a)grupo de Outros Resultados Abrangentes da companhia.

b)Capital Circulante Líquido da companhia.

c)Patrimônio Líquido da companhia. d)Ativo circulante da companhia. e)Disponível da companhia.

8.(TCE-SE-ACE/FCC/2011) A Demonstração de

Origens e Aplicações de Recursos, obrigatória para as companhias abertas e para as

companhias fechadas com patrimônio líquido,

igual ou superior a R$ 2.000.000,00 ( dois

milhões de reais ), na data do balanço, foi

substituída pela Demonstração

a)do Resultado Abrangente. b)do Valor Adicionado.

c)de Lucros ou Prejuízos Acumulados.

d)das Mutações Patrimoniais.

e)dos Fluxos de Caixa.

8.(TCE-SE-ACE/FCC/2011) A Demonstração de

Origens e Aplicações de Recursos, obrigatória para as companhias abertas e para as

companhias fechadas com patrimônio líquido,

igual ou superior a R$ 2.000.000,00 ( dois

milhões de reais ), na data do balanço, foi

substituída pela Demonstração

a)do Resultado Abrangente. b)do Valor Adicionado.

c)de Lucros ou Prejuízos Acumulados.

d)das Mutações Patrimoniais.

e)dos Fluxos de Caixa.

9) (TRT 20 0 Analista/FCC/2011)

Na elaboração da

Demonstração dos Fluxos de Caixa são classificadas como Atividades de Financiamento:

a)a aquisição de títulos patrimoniais de outras empresas e

os contratos de mútuo concedidos às empresas

controladas. b)aumento de capital social com saldos de reservas e as vendas de imobilizados à vista.

c) a obtenção de novos empréstimos de longo prazo e o resgate de aplicações financeiras de longo prazo.

d)pagamento de juros sobre capital próprio e a venda de

novas ações.

e)a quitação de passivos não circulantes e os ganhos com alienação de participações societárias.

9) (TRT 20 0 Analista/FCC/2011)

Na elaboração da

Demonstração dos Fluxos de Caixa são classificadas como Atividades de Financiamento:

a)a aquisição de títulos patrimoniais de outras empresas e

os contratos de mútuo concedidos às empresas

controladas. b)aumento de capital social com saldos de reservas e as vendas de imobilizados à vista.

c) a obtenção de novos empréstimos de longo prazo e o resgate de aplicações financeiras de longo prazo.

d)pagamento de juros sobre capital próprio e a venda de

novas ações.

e)a quitação de passivos não circulantes e os ganhos com alienação de participações societárias.

10.

(TRT 20 0 Analista/FCC/2011)

Um dos

eventos que afetam financeiramente os Fluxos de Caixa das empresas é:

a)a despesa de depreciação. b)a venda de imobilizado.

c)a variação cambial apropriada.

d)ajuste de diferenças de inventário.

e)a equivalência patrimonial negativa.

10.

(TRT 20 0 Analista/FCC/2011)

Um dos

eventos que afetam financeiramente os Fluxos de Caixa das empresas é:

a)a despesa de depreciação. b)a venda de imobilizado.

c)a variação cambial apropriada.

d)ajuste de diferenças de inventário.

e)a equivalência patrimonial negativa.

11. (INFRAERO-Analista/FCC/2011) O Pronunciamento Técnico CPC no 3, que trata da elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa, encoraja

fortemente as entidades a classificar os dividendos e

juros sobre o capital próprio pagos como fluxo de

caixa das atividades

a)operacionais e de financiamento, respectivamente.

b)de financiamento.

c)de investimento.

d)de financiamento e de investimento,

respectivamente.

e)Operacionais.

11. (INFRAERO-Analista/FCC/2011) O Pronunciamento Técnico CPC no 3, que trata da elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa, encoraja

fortemente as entidades a classificar os dividendos e

juros sobre o capital próprio pagos como fluxo de

caixa das atividades

a)operacionais e de financiamento, respectivamente.

b)de financiamento.

c) de

d)de financiamento e de investimento,

investimento.

respectivamente.

e)Operacionais.

12. (TER-RN-Analista/FCC/2011) O resultado negativo da equivalência patrimonial na Demonstração dos Fluxos de Caixa elaborada pelo método indireto constitui

a)geração de caixa das atividades de financiamento. b)ajuste negativo no lucro líquido do exercício. c)saída de caixa das atividades de investimento. d)ajuste positivo no lucro líquido do exercício. e)saída de caixa das atividades de financiamento.

12. (TER-RN-Analista/FCC/2011) O resultado negativo da equivalência patrimonial na Demonstração dos Fluxos de Caixa elaborada pelo método indireto constitui

a)geração de caixa das atividades de financiamento. b)ajuste negativo no lucro líquido do exercício. c)saída de caixa das atividades de investimento. d)ajuste positivo no lucro líquido do exercício. e)saída de caixa das atividades de financiamento.

27/05/2014 39
27/05/2014
39

O Jornal do Comércio informa que os livros O que a

vida me ensinou e Contabilidade geral

esquematizada dos autores Washington Olivetto e

Eugenio Montoto foram escolhidos para receberem o

prêmio Troféu Cultura Econômica, nas categorias

Publicidade e Propaganda e Contabilidade, respectivamente. Estas obras foram selecionadas por uma comissão de

professores doutores de diversas universidades do Rio

Grande do Sul objetivando destacar as melhores obras

técnicas, nos últimos quatro anos, na área de economia

e negócios da Feira do Livro de Porto Alegre. Veja o

encontro dessa comissão no nosso blog http://jcrs.uol.com.br/acontecendo/.

27/05/2014 41
42
42

27/05/2014

LFG Online apresenta

Contabilidade Avançada
Contabilidade Avançada

Com o Professor Eugenio Montoto

site: www.eugenio.pro.br

email: eugeniomontoto@gmail.com

youtube.com/eugeniomontoto

DEMONSTRAÇÃO CAIXA -

DEMONSTRAÇÃO CAIXA - D OS F DFC LUXOS D E

DOS F

DFC

LUXOS

DE

Contabilidade Geral e Análise de Balanços Esquematizado CAPÍTULO 18
Contabilidade Geral e Análise de Balanços Esquematizado
CAPÍTULO 18

Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) NBC TG 03

Aprovado pela Resolução CFC 1.296/10 e

Deliberação CVM 641/10

CMN Resolução 3.604/08 Banco Central

DEMONSTRAÇÃO CAIXA -

DEMONSTRAÇÃO CAIXA - D OS F DFC LUXOS D E

DOS F

DFC

LUXOS

DE

Método Direto - Parte 2

Recebimentos

Método Direto

Método Direto
•Atividades Operacionais
•Atividades
Operacionais

Método Direto

Método Direto Premissas : 2 Balanços Patrimoniais Último DRE O Referencial (Bússola) para a elaboração da

Premissas : 2 Balanços Patrimoniais

Último DRE

O Referencial (Bússola) para a

elaboração da variação de caixa pelas

atividades operacionais neste método é o DRE !!!

Demonstração do Resultado do Exercício

Receita Bruta

(-) Deduções (Impostos)

Receita Líquida (1)

(-) CMV (Fornecedores) (1)

Lucro Bruto

(-) Despesas (2)

(+) Receita Financeira (2)

(+/-) Outras Receitas (3) ou Despesas Despesas (2)

 

Resultado Operacional (Antes do IR/CSL)

(-) IR/CSL (3)

(-) Participações (Despesas - 2)

Resultado Líquido do Exercício

Método Direto (Atividades Operacionais)
Método Direto
(Atividades Operacionais)

Demonstração do Resultado do Exercício

Receita Bruta

(-) Deduções

do Resultado do Exercício Receita Bruta (-) Deduções Receita Líquida (-) CMV Lucro Bruto (-) Despesas

Receita Líquida

do Exercício Receita Bruta (-) Deduções Receita Líquida (-) CMV Lucro Bruto (-) Despesas (+) Receita

(-) CMV

Lucro Bruto

Bruta (-) Deduções Receita Líquida (-) CMV Lucro Bruto (-) Despesas (+) Receita Financeira (+/-) Outras

(-) Despesas

(+) Receita Financeira

(-) CMV Lucro Bruto (-) Despesas (+) Receita Financeira (+/-) Outras Receitas e Despesas RESULTADO OPERACIONAL

(+/-) Outras Receitas e Despesas

RESULTADO OPERACIONAL

(+/-) Outras Receitas e Despesas RESULTADO OPERACIONAL (-) Imposto de Renda/ CSL (-) Participações Societárias

(-) Imposto de Renda/ CSL

(-) Participações Societárias

Resultado Líquido do Exercício

Método Direto (Atividades Operacionais)
Método Direto
(Atividades Operacionais)

ENTRADAS

SAÍDAS

(Ingressos)

(Pagamentos)

Receita Líquida

CMV

(+) Receita Financeira

Despesas

(+) Outras Receitas

Impostos

 

Outras Despesas

Recebimentos Operacionais

1

Recebimentos Oriundos de Clientes

2

Recebimentos Oriundos de Receitas Financeiras

3

Outros Recebimentos inclusive dividendos

Abertura da Empresa

Vendas (Receita)

0

(Zero)

Contas a Receber (CLIENTES)

0

(Zero)

Duplicatas

0

(Zero)

Descontadas

 

Adiantamento de Clientes

0

(Zero)

Um ano Após Situação 1

Um ano Após Situação 1

Vendas (Receita)

Contas a Receber (CLIENTES)

Recebimento de Clientes

2.000.000

(2.000.000)

ZERO

Um ano Após Situação 2

Vendas (Receita)

2.000.000

Contas a Receber (CLIENTES)

(1.200.000)

Saldo Intermediário

800.000

Duplicatas Descontadas

600.000

Adiantamento de Clientes

100.000

Recebimento de Clientes

1.500.000

Recebimento Líquido Oriundo dos Clientes

Conta de Resultado

(+)

Vendas Líquidas

∆ Ativo

(-)(+)

∆ (Variação) do Contas a Receber

∆ Passivo

(+)(-)

∆ (Variação) de Adiantamento de Clientes

∆ Passivo

(+)(-)

∆ (Variação) de Duplicatas Descontadas

 

(-)

PCLD ou PDD ou PECLD do ano anterior

AJUSTES

(+)

Reversão de PCLD ou PDD ou PECLD

(-)

Perdas Excedentes com Clientes

   

Total Líquido Oriundo de Clientes

Tratamento do PCLD/PDD/PECLD No Cálculo do Recebimento de Clientes   31/12/2012 31/12/2013   Clientes
Tratamento do PCLD/PDD/PECLD No Cálculo do Recebimento de Clientes   31/12/2012 31/12/2013   Clientes
Tratamento do PCLD/PDD/PECLD No Cálculo do Recebimento de Clientes
Tratamento do PCLD/PDD/PECLD
No Cálculo do Recebimento de Clientes
 

31/12/2012

31/12/2013

 

Clientes

1.000.000

3.000.000

2.000.000

PCLD (PDD)

(100.000)

(300.000)

 

Vendas

 

5.000.000

 

Clientes(31/12/12)

1.000.000

100.000

PCLD/PDD (31/12/12)

100.000

Clientes(31/12/12)

3.000.000

Variação de Clientes (+) PCLD Baixada

Perdas Com Clientes
Perdas Com Clientes
Perdas Com Clientes Se as perdas com clientes forem menores que as previstas que as previstas

Se as perdas com clientes forem

menores que as previstas que as

previstas haverá sobra de “provisão”

(-) PCLD do início do exercício (+) Reversão do exercício anterior

Perdas Com Clientes
Perdas Com Clientes
Perdas Com Clientes Quando maiores que as previstas: ( - ) PCLD do início do exercício

Quando maiores que as previstas:

(-) PCLD do início do exercício

(-) Perdas excedentes no período

(AFTN/ESAF/1998) Dadas as informações a seguir:

I- As demonstrações Contábeis, de três períodos consecutivos, da CIA

MARACANÃ, registram nas contas abaixo, os seguintes saldos:

SALDOS FINAIS

 

1999

   

2000

   

2001

 

Vendas

15.000.000

25.000.000

32.000.000

Custo das Mercadorias Vendidas

8.500.000

14.500.000

18.000.000

Despesa com Devedores Duvidosos

10.000

   

12.000

   

15.000

 

Clientes

13.000.000

22.000.000

26.000.000

Estoques

30.000

 

65.000

   

70.000

 

PDD

10.000

   

12.000

   

15.000

 

Reversão de PDD

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

 

4.000

 

Fornecedores

1.450.000

2.600.000

3.900.000

 

Despesas do Período

3.000.000

4.500.000

5.000.000

 

Contas a Pagar

220.000

 

350.000

 

400.000

 

Perdas com Clientes

-

-

-

-

-

-

 

8.000

 

-

-

-

-

-

-

-

II- O balanço patrimonial de 1998 evidenciava como saldos finais das contas a seguir os valores e a empresa utiliza contas a pagar somente para registrar despesas a prazo.

Estoques

Fornecedores

Clientes

PDD

Contas a Pagar

100.000

27/05/2014

1.070.000

3.000.000

3.000

150.000

15

1.(AFTN/ESAF/1998) ) O valor de ingresso no Fluxo de Caixa, nos três períodos, proveniente

das Vendas é:

a) 15.000.000, 25.000.000, 32.000.000;

b) 13.000.000, 22.002.000, 31.998.000;

c) 12.997.000, 22.000.000, 31.992.000;

d) 9.007.000, 21.992.000, 27.988.000;

e) 4.997.000, 15.982.000, 27.992.000.

Recebimento Líquido Oriundo dos Clientes - 1999

   

Valor ($)

 

(+)

Vendas Líquidas

   

15.000.000

 

(-)(+)

∆ (Variação) do Contas a Receber

 

(10.000.000)

(+)(-)

∆ (Variação) de Adiantamento de Clientes

   

0

(+)(-)

∆ (Variação) de Duplicatas Descontadas

   

0

(-)

PCLD ou PDD ou PECLD do ano anterior

   

(3.000)

 

(+)

Reversão de PCLD ou PDD ou PECLD

   

0

(-)

Perdas Excedentes com Clientes

   

0

 

Total Líquido Oriundo de Clientes

   

4.997.000

 
 

SALDOS FINAIS

 

1999

   

2000

   

2001

 

Vendas

15.000.000

25.000.000

 

32.000.000

Custo das Mercadorias Vendidas

8.500.000

14.500.000

 

18.000.000

Despesa com Devedores Duvidosos

10.000

 

12.000

   

15.000

Clientes

13.000.000

22.000.000

 

26.000.000

Estoques

30.000

 

65.000

   

70.000

PDD

10.000

 

12.000

   

15.000

Reversão de PDD

-

-

-

- -

-

-

- -

-

-

-

 

4.000

 

Fornecedores

1.450.000

2.600.000

 

3.900.000

Despesas do Período

3.000.000

4.500.000

 

5.000.000

Contas a Pagar

220.000

350.000

 

400.000

Perdas com Clientes

27/05/2014

-

-

-

- -

-

 

8.000

 

-

-

-

-

-

17

- -

Recebimento Líquido Oriundo dos Clientes - 2000

   

Valor ($)

 

(+)

Vendas Líquidas

 

25.000.000

 

(-)(+)

∆ (Variação) do Contas a Receber

 

(9.000.000)

 

(+)(-)

∆ (Variação) de Adiantamento de Clientes

   

0

(+)(-)

∆ (Variação) de Duplicatas Descontadas

   

0

(-)

PCLD ou PDD ou PECLD do ano anterior

   

(10.000)

 

(+)

Reversão de PCLD ou PDD ou PECLD

   

0

(-)

Perdas Excedentes com Clientes

   

(8.000)

 
 

Total Líquido Oriundo de Clientes

   

15.982.000

 
 

SALDOS FINAIS

 

1999

   

2000

   

2001

 

Vendas

15.000.000

25.000.000

 

32.000.000

Custo das Mercadorias Vendidas

8.500.000

14.500.000

 

18.000.000

Despesa com Devedores Duvidosos

10.000

 

12.000

   

15.000

Clientes

13.000.000

22.000.000

 

26.000.000

Estoques

30.000

 

65.000

   

70.000

PDD

10.000

 

12.000

   

15.000

Reversão de PDD

-

-

-

- -

-

-

- -

-

-

-

 

4.000

 

Fornecedores

1.450.000

2.600.000

 

3.900.000

Despesas do Período

3.000.000

4.500.000

 

5.000.000

Contas a Pagar

220.000

350.000

 

400.000

27/05/2014

Perdas com Clientes

-

-

-

- -

-

 

8.000

 

-

-

-

-

-

18

- -

Recebimento Líquido Oriundo dos Clientes - 2001

   

Valor ($)

 

(+)

Vendas Líquidas

 

32.000.000

 

(-)(+)

∆ (Variação) do Contas a Receber

 

(4.000.000)

 

(+)(-)

∆ (Variação) de Adiantamento de Clientes

   

0

(+)(-)

∆ (Variação) de Duplicatas Descontadas

   

0

(-)

PCLD ou PDD ou PECLD do ano anterior

   

(12.000)

 

(+)

Reversão de PCLD ou PDD ou PECLD

   

4.000

 

(-)

Perdas Excedentes com Clientes

   

0

 

Total Líquido Oriundo de Clientes

 

27.992.000

 
 

SALDOS FINAIS

 

1999

   

2000

   

2001

 

Vendas

15.000.000

25.000.000

 

32.000.000

Custo das Mercadorias Vendidas

8.500.000

14.500.000

 

18.000.000

Despesa com Devedores Duvidosos

10.000

 

12.000

   

15.000

Clientes

13.000.000

22.000.000

 

26.000.000

Estoques

30.000

 

65.000

   

70.000

PDD

10.000

 

12.000

   

15.000

Reversão de PDD

-

-

-

- -

-

-

- -

-

-

-

 

4.000

 

Fornecedores

1.450.000

2.600.000

 

3.900.000

Despesas do Período

3.000.000

4.500.000

 

5.000.000

Contas a Pagar

220.000

350.000

 

400.000

27/05/2014

Perdas com Clientes

-

-

-

- -

-

 

8.000

 

-

-

-

-

-

19

- -

1.(AFTN/ESAF/1998) ) O valor de ingresso no Fluxo de Caixa, nos três períodos, proveniente

das Vendas é:

a) 15.000.000, 25.000.000, 32.000.000;

b) 13.000.000, 22.002.000, 31.998.000;

c) 12.997.000, 22.000.000, 31.992.000;

d) 9.007.000, 21.992.000, 27.988.000;

e) 4.997.000, 15.982.000, 27.992.000.

Recebimento Líquido Oriundo de Receitas Financeiras

Conta de Resultado

 

(+)

Receita Financeira (DRE)

Ativo

(-)(+)

∆ (Variação) Receita Financeira a Receber

Passivo

(+)(-)

∆ (Variação) Adiantamento de Juros (Incomum)

   

Total Líquido Oriundo de Receita Financeira

Recebimento Líquido Oriundo de Outras Receitas

Conta de

Resultado

(+)

Dividendos(*) ou Alugueis (DRE)

∆ Ativo

(-)(+)

∆ (Variação) de Dividendos a Receber ou Alugueis a Receber

∆ Passivo

(+)(-)

∆ (Variação) Antecipação de dividendos ou alugueis

Total Líquido Oriundo de Outras Receitas

2 (INFRAERO-Contador/FCC/2011) São dadas as seguintes informações, em

R$, extraídas da escrituração contábil da Cia. ABC, que elabora a

Demonstração dos Fluxos de Caixa pelo método direto:

a Demonstração dos Fluxos de Caixa pelo método direto: O valor das vendas recebidas dos clientes

O valor das vendas recebidas dos clientes no exercício de 2010 foi, em R$

a) 923.150,00

b) 928.660,00

c) 983.800,00

d) 989.310,00

e) 738.000,00

2 (INFRAERO-Contador/FCC/2011) São dadas as seguintes informações, em

R$, extraídas da escrituração contábil da Cia. ABC, que elabora a

Demonstração dos Fluxos de Caixa pelo método direto:

a Demonstração dos Fluxos de Caixa pelo método direto: O valor das vendas recebidas dos clientes

O valor das vendas recebidas dos clientes no exercício de 2010 foi, em R$ a) 923.150,00

b) 928.660,00

c) 983.800,00

d) 989.310,00

e) 738.000,00

Memória de Cálculo

Valor ($)

Vendas

956.230

(-) Aumento de Duplicatas a Receber

(33.080)

Recebimentos dos Clientes

923.150

.(AFRF/ESAF/2003) Em uma operação de verificação dos livros contábeis realizada na Cia. Luanda, foi possível identificar os seguintes dados:

I. O Balanço Patrimonial dos exercícios 20x1 e 20x2:

CONTAS DO ATIVO

20X1

20X2

Disponibilidades

8.000

6.000

Clientes

12.000

22.500

(-) Prov. p/ Créditos de Liq. Duvidosa

(300)

(800)

Estoques

2.000

6.500

Participações Societárias

5.300

5.300

Imóveis

12.000

12.000

Equipamentos

15.000

20.000

Veículos

20.000

20.000

(-) Depreciação Acumulada

(2.000)

(7.500)

TOTAL DO ATIVO

72.000

84.000

CONTAS DO PASSIVO + PL

20x1

20x2

Contas a Pagar

1.000

4.000

Fornecedores

9.000

6.000

Dividendos a Pagar

-

3.000

Impostos Provisionados

1.000

2.000

Notas Promissórias a Pagar

10.000

-

Financiamentos de Longo Prazo

16.000

22.000

Capital Social

30.000

40.000

Reservas de Lucros

4.000

0

Lucros/Prejuízos Acumulados

1.000

7.000

TOTAL DO PASSIVO + PL

72.000

84.000

(AFRF/ESAF/2003)

II. A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido :

Saldos e Movimentos no PL

CAPITAL

RESERVA DE LUCROS

LUCROS/PREJUÍZOS

TOTAL

SOCIAL

ACUMULADOS

Saldo em 31.12.20x1

30.000

4.000

1.000

35.000

Transferências p/ Capital

4.000

(4000)

 

0

Novas Subscrições

6.000

   

6.000

Incorporação do Resultado Líquido

   

9.000

9.000

20x2

Distribuição do Resultado

     

0

Dividendos

   

(3000)

(3000)

Saldo em 31.12.20x2

40.000

0

7.000

47.000

III. Itens da Demonstração de Resultado do Exercício:

ITENS ADICIONAIS

20X1

20X2

Vendas

100.000

152.000

CMV

64.000

82.000

Despesas Totais do Período

34.000

59.000

Resultado Antes do IR

2.000

11.000

Variações Cambiais Passivas

 

6.000

Despesas de Depreciações

2.000

5.500

Provisão p/ Pagamento do Imposto de Renda

1.000

2.000

Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa

300

800

(AFRF/ESAF/2003)

IV. Outras informações adicionais:

As Notas Promissórias vencem em 180 dias.

Os financiamentos foram contratados junto ao Banco ABC em

30/12/20x1 pelo prazo de 8 anos, com carência de 3 anos e juros de 5% anuais,

pagáveis ao final de cada período contábil. O saldo devedor é corrigido pela

variação da moeda x, com pagamento do principal em 5 parcelas anuais após o período de carência.

Com base nas informações anteriores, identifique as respostas das próximas 3 questões.

ITENS ADICIONAIS

20X1

20X2

Vendas

100.000

152.000

CMV

64.000

82.000

Despesas Totais do Período

34.000

59.000

Resultado Antes do IR

2.000

11.000

Variações Cambiais Passivas

 

6.000

Despesas de Depreciações

2.000

5.500

Provisão p/ Pagamento do Imposto de Renda

1.000

2.000

Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa

300

800

Recebimento Líquido Oriundo dos Clientes

Valor ($)

(+)

Vendas Líquidas

152.000

(-)(+)

∆ (Variação) do Contas a Receber

(10.500)

(+)(-)

∆ (Variação) de Adiantamento de Clientes

0

(+)(-)

∆ (Variação) de Duplicatas Descontadas

0

(-)

PCLD ou PDD ou PECLD do ano anterior

(300)

(+)

Reversão de PCLD ou PDD ou PECLD

0

(-)

Perdas Excedentes com Clientes

0

 

Total Líquido Oriundo de Clientes

141.200

.(AFRF/ESAF/2003) Em uma operação de verificação dos livros contábeis realizada na Cia. Luanda, foi possível identificar os seguintes dados:

I. O Balanço Patrimonial dos exercícios 20x1 e 20x2:

CONTAS DO ATIVO

20X1

20X2

Disponibilidades

8.000

6.000

Clientes

12.000

22.500

(-) Prov. p/ Créditos de Liq. Duvidosa

(300)

(800)

Estoques

2.000

6.500

Participações Societárias

5.300

5.300

Imóveis

12.000

12.000

Equipamentos

15.000

20.000

Veículos

20.000

20.000

(-) Depreciação Acumulada

(2.000)

(7.500)

TOTAL DO ATIVO

72.000

84.000

CONTAS DO PASSIVO + PL

20x1

20x2

Contas a Pagar

1.000

4.000

Fornecedores

9.000

6.000

Dividendos a Pagar

-

3.000

Impostos Provisionados

1.000

2.000

Notas Promissórias a Pagar

10.000

-

Financiamentos de Longo Prazo

16.000

22.000

Capital Social

30.000

40.000

Reservas de Lucros

4.000

0

Lucros/Prejuízos Acumulados

1.000

7.000

TOTAL DO PASSIVO + PL

72.000

84.000

 

Pagamento aos Fornecedores

Valor($)

(+)

CMV

82.000

(-)(+)

∆ (Variação) do Fornecedor

3.000

(+)(-)

∆ (Variação) de Mercadorias

4.500

 

Total do Pagamento aos Fornecedores

89.500

(AFRF/ESAF/2003)

IV. Outras informações adicionais:

As Notas Promissórias vencem em 180 dias.

Os financiamentos foram contratados junto ao Banco ABC em

30/12/20x1 pelo prazo de 8 anos, com carência de 3 anos e juros de 5% anuais,

pagáveis ao final de cada período contábil. O saldo devedor é corrigido pela

variação da moeda x, com pagamento do principal em 5 parcelas anuais após o período de carência.

Com base nas informações anteriores, identifique as respostas das próximas 3 questões.

ITENS ADICIONAIS

20X1

20X2

Vendas

100.000

152.000

CMV

64.000

82.000

Despesas Totais do Período

34.000

59.000

Resultado Antes do IR

2.000

11.000

Variações Cambiais Passivas

 

6.000

Despesas de Depreciações

2.000

5.500

Provisão p/ Pagamento do Imposto de Renda

<