Você está na página 1de 6

Rev_Eco_Janeiro10_32-37 ok:mataseca OK.

qxd 22/1/2010 13:09 Página 1

S.O.S. FLORESTAL

BARRIGUDA: COMO OS IPÊS, ELA PEDE


PARA CONTINUAR DE PÉ E CUMPRIR
SUA FUNÇÃO BIOLÓGICA

EVNADRO RODNEY

MATA SECA AMEAÇADA


Com mais de 50% de sua área já desmatada, bioma volta a ser alvo da pressão política
e do agronegócio, para mudar lei que assegura, juridicamente, a sua conservação

Um dos mais frágeis ecossis- considera a Mata Seca da Bacia dos, prefeitos e líderes ruralistas
temas do Brasil corre perigo do Rio São Francisco parte da do Norte Minas e o ministro do
iminente no Norte de Minas: a Mata Atlântica. E, com isso, ser Meio Ambiente, Carlos Minc. A
Mata Seca. Atualmente protegi- ainda mais devastada e destruí- Rede de ONGs da Mata Atlânti-
da por lei, ela pode ser desconfi- da. A situação é polêmica e mo- ca (RMA), que reúne 300 entida-
gurada de sua importância so- biliza a atenção de ONGs am- des ambientalistas do Brasil,
cioambiental e ecológica. Há bientalistas e de diversos espe- também está atenta à questão.
forte pressão política e interes- cialistas, já que mais de 50% Desde outubro passado, ela pe-
ses de ruralistas para que ela se- dessas áreas já foram desmata- de ao Ministério de Meio Am-
ja retirada do mapa publicado das no Estado. biente que não haja mudanças
pelo Instituto Brasileiro de Geo- O assunto deverá ser discuti- no Mapa do IBGE.
grafia e Estatística (IBGE), que do numa reunião entre deputa- Segundo apuração feita pela

32 ■ ECOLÓGICO/JANEIRO DE 2010
Rev_Eco_Janeiro10_32-37 ok:mataseca OK.qxd 22/1/2010 13:09 Página 2

EVANDRO RODNEY
POR QUE PROTEGÊ-LA?

Segundo ambientalistas, a Mata Seca é um


ecossistema tão importante que, do ponto
de vista da biodiversidade, merece um
regime de proteção especial, no mínimo,
igual à Mata Atlântica. Ocorre em regiões
semiáridas, o que torna a sua sobrevivên-
cia ainda mais imprescindível para a
conservação natural do solo.

RMA, as pressões para a mudan-


ça estão diretamente ligadas a
interesses econômicos de pro-
prietários rurais inconformados
com as limitações impostas pela
legislação e por multas aplica- IGNORÂNCIA: MATA PARECE MORTA, MAS É APENAS UMA FORMA QUE
das pelo Sistema Estadual do A NATUREZA ENCONTRA DE SOBREVIVER AO RIGOR DO CLIMA
Meio Ambiente (Sisema), em
função de desmatamentos efe- Ele observa que o desmata- mobilizando para mudar o ma-
tuados para expansão de fron- mento é problema antigo, ini- pa de aplicação da lei. "Nin-
teira agrícola e carvojeamento. ciado na década de 1980: "Não guém quer ou está impedindo o
Ainda conforme a ONG, há podemos permitir que a sua de- crescimento, o desenvolvimen-
na região uma verdadeira 'in- gradação total se concretize nas to. Só defendemos a regulação
dústria de desmatamento', estruturas de governo. Precisa- das atividades produtivas, como
mantida por proprietários ru- mos assegurar que a Mata Seca forma de assegurar a preserva-
rais e empresas de ferro gusa seja protegida. E uma das for- ção do bioma. Que os proprietá-
que consomem carvão vegetal mas de ampliar sua proteção é o rios rurais, no planejamento e
em suas plantas produtivas. Se- poder público agir, se estruturar manutenção do seu negócio,
gundo dados do Instituto Esta- e criar mais Unidades de Con- analisem objetivamente as ca-
dual de Florestas (IEF), em 2008, servação (UCs)”, pondera. racterísticas ecológicas e a ri-
o consumo de carvão vegetal em Em outras regiões brasileiras, queza da biodiversidade, assim
Minas foi de 23 milhões de me- ocorrem situações semelhantes. como os instrumentos legais
tros cúbicos, 45% deles origina- No Piauí, relata o ambientalista, existentes para sua conserva-
dos de florestas nativas. Além empreendimentos interessados ção. Isso é desenvolvimento res-
disso, a Lei da Mata Atlântica em se instalar em regiões de ponsável e sustentável.”
foi discutida durante 15 anos no Mata Atlântica também estão se
Congresso Nacional e a hipótese AUDIÊNCIA PÚBLICA
de mudá-la para atender a Em setembro passado, a modifi-
ARQUIVO PESSOAL

quem interesse é considerada cação do decreto federal que


ecologicamente 'absurda'. considera a Mata Seca parte do
“Por causa da sua fragilidade, bioma Mata Atlântica foi defen-
após derrubada, a Mata Seca de- dida em audiência pública da
mora mais de 100 anos para se Comissão de Meio Ambiente e
recuperar. Essa característica Desenvolvimento Sustentável
demonstra claramente que esse da Assembleia Legislativa de
ecossistema deve ser preserva- Minas. Na ocasião, o deputado
do e não destruído, como está Gil Pereira (PP), se mostrou
acontecendo”, defende Renato preocupado com o impacto da
Cunha, coordenador da RMA e medida sobre o desenvolvimen-
do Grupo Ambientalista da to do Norte de Minas, onde esse
Bahia (Gambá).
ALISON COUTINHO:
‘DISCUSSÃO DESFOCADA’ 2
ECOLÓGICO/JANEIRO DE 2010 ■ 33
Rev_Eco_Janeiro10_32-37 ok:mataseca OK.qxd 22/1/2010 13:09 Página 3

S.O.S. FLORESTAL

tipo de formação vegetal é pre-


dominante. “Se a legislação fe-
deral prevalecer, mais da meta-
de dos produtores da região se-
rá prejudicada. Isso pode levar
à perda de até 250 mil empre-
gos”, disse.
Já para o diretor de Desen-
volvimento e Conservação Flo-
restal da Semad, Luiz Carlos
Cardoso Vale, que também par-
ticipou da audiência, a equipa-
ração da Mata Seca à Mata
Atlântica é um equívoco técni-
co. “Mais importante que a re-
classificação é a preservação
desse bioma. Além disso, mudar
a sua classificação não significa
dizer que a região não vá preci-
sar de cuidados”, ressaltou.

MELHOR ENTENDIMENTO
O superintendente do Ibama
em Minas, Alison Coutinho, tem
opinião semelhante. “Essa dis-
cussão está completamente des-
focada. A Mata Seca tem impor-
tância igual ou superior à pró-
pria Mata Atlântica e precisa ser
preservada”, afirma. Ele defende
o respeito e melhor entendi-
mento das peculiaridades eco-
lógicas e socioambientais do
Norte de Minas, uma das mais
pobres do país e que tem formas
tradicionais de uso da terra.
“É uma ocupação clássica, li-
near. Basicamente, o produtor
suprime a vegetação inicial para
fazer carvão ou plantar milho e
mandioca. O rendimento é mui-
tas vezes baixo, porque o déficit
hídrico é enorme e, a tempera-
tura, extremamente alta. Essa
ocupação parece não preocu-
par, do ponto de vista de uma
REPRODUÇÃO MG BIOTA/IEF

única família, mas, no conjunto,


é impactante. Além disso, é pre-
ciso considerar que, muitas fa-
mílias, em especial as que vivem
do carvão, praticamente não
têm outra alternativa de sobre-
vivência”, explica.

34 ■ ECOLÓGICO/JANEIRO DE 2010
Rev_Eco_Janeiro10_32-37 ok:mataseca OK.qxd 22/1/2010 13:09 Página 4

IMPORTÂNCIA BIOLÓGIA E EXTREMA FRAGILIDADE

.
■ As Florestas Estacionais Deciduais (FEDs), popularmente chamadas Amazônia. Por esse motivo, as taxas de desmatamento e o real esta-
de Matas Secas, cobrem aproximadamente 3% do território brasileiro. do de devastação dos fragmentos remanescentes de FEDs são pratica-
Estão situadas predominantemente nas regiões Nordeste e Centro- mente desconhecidos.
Oeste. Geralmente ocorrem em regiões semiáridas e pouco desenvolvi-
das economicamente, sendo ocupadas por populações com baixo Índice ■ Embora representem uma área de 27 milhões de hectares no
de Desenvolvimento Humano (IDH). Por isso, há necessidade urgente Brasil, somente cerca de 4% deste total estão protegidos por
de esforços de pesquisa e conservação para esses ecossistemas, incluin- Unidades de Conservação (UCs), praticamente a única estratégia de
do a recuperação de extensas áreas degradadas e abandonadas. preservação desses ecossistemas.

■ Representada em Minas por uma área relativamente pequena, mas ■ De forma geral, elas têm recebido pouca atenção do governo e
de expressiva importância biológica e alta fragilidade, a Mata Seca sociedade civil, em termos de pesquisa e conservação da biodiversi-
tem lenta regeneração e grande dificuldade de retornar ao seu estado dade. A mesma tendência pode ser observada em outros países que
original, o que implica necessidade de proteção pelo poder público. abrigam biomas semelhantes. Para tentar reverter esse quadro, a
Para preservar esse fragmento, o Governo de Minas criou o Parque Rede Colaborativa de Pesquisas Tropi-Dry (do termo em inglês 'Tropi-
Estadual da Mata Seca, como compensação ambiental da implan- cal Dry Forests') foi criada em 2004, reunindo pesquisadores do
tação do Projeto Jaíba. Canadá, EUA, México, Costa Rica, Venezuela e Brasil.

■ Devido à proximidade do Rio São Francisco, as matas secas norte ■ O objetivo é desenvolver uma estratégia comum e multidiscipli-
mineiras encontram-se sob forte pressão antrópica: sofrem influência nar, em colaboração com órgãos tomadores de decisão locais e
de grandes projetos de irrigação, como o Jaíba, e de atividades nacionais, visando ao desenvolvimento sustentável em regiões de
agropecuárias. matas secas no Brasil e nas Américas. Desde 2006, muitas infor-
mações têm sido coletadas nas Matas Secas do México, Costa Rica,
■ Assim como em outros países, no Brasil, as FEDs são negligenci- Venezuela e Brasil e a previsão mínima de duração do projeto é até
adas em termos de pesquisa e esforços conservacionistas, principal- 2011. No Brasil, o principal local de estudo da rede Tropi-Dry é justa-
mente, quando comparadas às florestas tropicais úmidas, como a mente no Parque Estadual da Mata Seca, no Norte de Minas

JOSÉ CARLOS PAIVA/SECOM MG


CENÁRIO INSUSTENTÁVEL: AO
INVÉS DO APARENTE E TEMPORÁRIO
GANHO DEFENDIDO PELO AGRONEGÓCIO,
A DEVASTAÇÃO DA MATA SECA NO NORTE
DE MINAS DESERTIFICA O SOLO, AMEAÇA
A FLORA LOCAL E EMPOBRECE AINDA
MAIS A POPULAÇÃO RURAL

2
ECOLÓGICO/JANEIRO DE 2010 ■ 35
Rev_Eco_Janeiro10_32-37 ok:mataseca OK.qxd 22/1/2010 13:09 Página 5

S.O.S. FLORESTAL

ENTREVISTA: MÁRIO MARCOS DO ESPÍRITO SANTO

‘‘NINGUÉM É CONTRA O
DESENVOLVIMENTO’’
FELISA ANAYA
O professor Mário Marcos do Es-
pírito Santo, biólogo e doutor em Eco-
logia pela UFMG, é enfático ao defen- MÁRIO MARCOS, DA
der a preservação da Mata Seca no UNIMONTES: DESMATE
Norte de Minas que tem, ao contrário EXCESSIVO É DESNECESSÁRIO
do que muitos pensam, solos extre-
mamente ricos e planos,sendo,exata-
mente por isso, alvo da cobiça do
agronegócio. Professor do Departa-
mento de Biologia Geral da Universi-
dade Estadual de Montes Claros
(Unimontes), ele conhece de perto a
realidade local e é autor de artigos
científicos sobre o bioma, como os pu-
blicados na Revista MG Biota, do Ins-
tituto Estadual de Florestas. Confira a
entrevista concedida, com exclusivi-
dade, à Revista ECOLÓGICO:

QUAL SUA OPINIÃO SOBRE A DISCUSSÃO SE


A MATA SECA PERTENCE OU NÃO À MATA
ATLÂNTICA?
Há evidências científicas suficientes tradas na região - e que, portanto, plantar. Nelas, as principais ativida-
para que a Mata Seca do Norte de merece cuidado especial. Até por- des são a extração de calcário para a
Minas seja incluída no domínio da que, conforme dados do IEF, 52% da fabricação de cimento e o corte de
Mata Atlântica. A verdade é que a Mata Seca do norte mineiro já foram madeira para a produção de carvão.
Mata Atlântica, assim como os ou- desmatados. Elas também abrigam muita madei-
tros biomas brasileiros, é um mosai- ra nobre, como braúna, aroeira, ipê e
co de fitofisionomias, ou seja, abran- QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA cedro, além de animais. Pesquisas
ge diferentes tipos florestais. Em fun- MATA SECA NA REGIÃO? indicam que, só de árvores, são mais
ção disso, há sim, na região, influên- Temos praticamente dois tipos. As de 100 espécies típicas das matas se-
cia da Caatinga, porque a Mata Seca que ocorrem sobre os afloramentos cas norte-mineiras.
está próxima dela. É comum, para de calcário e de terrenos planos. Nes-
qualquer ecossistema, que haja uma sas últimas, ao contrário do que OS RURALISTAS AFIRMAM QUE A MATA SECA
influência das formações do entor- muita gente pensa, o solo é extrema- NORTE-MINEIRA FICA NUMA REGIÃO DE TRANSI-
no. Mas, o mais importante nessa mente fértil, bem mais que o do Cer- ÇÃO ENTRE CAATINGA E CERRADO. EM QUE ELES
discussão toda é que, independente- rado. Por isso, são disputadas pela SE BASEIAM?
mente de sua classificação, a Mata agricultura e pela pecuária. Já as Muitos costumam citar como refe-
Seca é um bioma raro, delicado, rico áreas de rochas calcárias não são rência o Inventário Florestal feito pe-
em espécies endêmicas - só encon- boas nem para criar gado nem para lo IEF, com base em estudos da Uni-

36 ■ ECOLÓGICO/JANEIRO DE 2010
Rev_Eco_Janeiro10_32-37 ok:mataseca OK.qxd 22/1/2010 13:10 Página 6

DOUGLAS TRENT

ONÇA-PINTADA: ENTENDA A LEGISLAÇÃO


EXTINÇÃO ANUNCIADA

■ Políticos e ruralistas do Norte de Minas


defendem a anulação do Decreto Federal
6.660, de novembro de 2008, que regula-
menta a Lei Federal 11.428/06. Ele considera
a Mata Seca parte da Mata Atlântica e, por-
tanto, imune ao corte.

■ Em janeiro do ano passado, foi promulga-


da pelo governo de Minas a Lei 17.353,
que permite atividades agrícolas em
áreas de Mata Seca, desde que os produ-
tores preservem 30% de suas proprieda-
des. Desde novembro, o decreto federal
passou a ser cumprido em Minas, tor-
nando proibida qualquer atividade de
exploração em áreas de Mata Seca.

versidade Federal de Lavras (Ufla). de terras. Pelo levantamento, 84% da ■ A região da Bacia do Rio São Francisco,
Só que na página 22 deste documen- área de fazendas da região é ocupada próximo à divisa com a Bahia, já abrigou ori-
to, está indicado, bem na parte de ci- por propriedades com mais de 100 ginalmente grandes extensões de Mata Se-
ma, o seguinte trecho: 'Os encraves hectares, que estão nas mãos de 17% ca. Hoje, esse ecossistema faz limite com
florestais tanto do Cerrado quanto dos produtores rurais. As pequenas áreas de Caatinga, mas se distingue clara-
da Caatinga no estado de Minas Ge- fazendas, com menos de 100 hecta- mente desta, pela presença de árvores de
grande porte, como barrigudas e ipês.
rais devem ser considerados como res, ocupam apenas 16% da área to-
do domínio da Mata Atlântica, devi- tal da região. Além disso, é preciso ■ Limitada pela pouca ocorrência de chu-
do ao fato de terem a distribuição considerar que o impacto potencial vas, concentradas em poucos meses do ano,
disjunta e, portanto, serem de gran- de um pequeno produtor, de qui- e por características do solo, que é, em sua
de relevância para a preservação da lombolas e de vazanteiros - famílias maioria, extremamente frágil, a Mata Seca
biodiversidade'. Além disso, o Atlas da que ocupam as margens do São desenvolveu fantástica estratégia de sobrevi-
Biodiversidade em Minas, instru- Francisco - é bem menor que o de vência. Suas árvores perdem as folhas depois
mento usado pelo governo para a ela- um grande empreendimento, como do período chuvoso, época em que a floresta
boração das políticas ambientais, o plantio de cana e outras culturas fica cinzenta e adormecida. Quando as novas
também indica a região como 'área que usam agrotóxicos em grande es- águas se aproximam, e como num passe de
de especial atenção para a conserva- cala, por exemplo. mágica, torna-se uma verdadeira floresta tro-
pical, colorindo o sertão das Gerais de verde
ção da biodiversidade, em seu nível
e exuberância.
mais alto'. Isso significa que ela é prio- ACREDITA QUE OS SETORES ENVOLVIDOS CHE-
ritária para a investigação científica, GARÃO A UM MEIO TERMO? ■ Pouco estudada, a Mata Seca reúne gran-
porque foi objeto de poucos estudos. Ninguém é contra o desenvolvi- de variedade de fauna. No Norte de Minas,
Se os ruralistas quiserem reverter a mento. Mas tudo tem de ser feito pela presença de abrigos das rochas calcá-
questão, terão de apresentar dados de forma sustentável. Os ruralistas rias, merece destaque a presença diversifica-
científicos realmente consistentes. afirmam ter preocupação ambien- da de felinos, inclusive a onça-pintada, consi-
tal, ao deixarem 30% de suas terras derada no estado como altamente ameaça-
MUITOS ALEGAM QUE, ALÉM DE POVOS TRADI- 'a serviço da humanidade', como da de extinção.
CIONAIS, COMO QUILOMBOLAS, A REGIÃO É reserva legal. Desmatar 70% da
OCUPADA EM SUA MAIORIA POR PEQUENOS Mata Seca em todo o Norte de Mi- ■ Dados da Ufla informam que a área ocu-
pada pelo bioma Caatinga em MG, em 2008,
PRODUTORES, GENTE QUE PLANTA PARA A SUB- nas não é uma atitude sustentável:
era de 3,45%. Nesse exíguo percentual está
SISTÊNCIA. ESSA É MESMO A REALIDADE LOCAL? não é uso racional dos recursos incluída a área coberta por Mata Seca, que já
A questão é mais delicada do que pa- naturais. Isso precisa ser repensa- sofreu novos desmatamentos após esses es-
rece. Dados do Censo Agropecuário do. A pressão é para que se legali- tudos. E, por abrigar grandes árvores, é obje-
do IBGE mostram que a estrutura ze o desmate excessivo que, a meu to de cobiça da chamada 'Máfia do Carvão',
fundiária do Norte de Minas é lati- ver, é desnecessário para que a re- que ainda atua no Estado.
fundiária, com grande concentração gião se desenvolva.

ECOLÓGICO/JANEIRO DE 2010 ■ 37