Você está na página 1de 14
Ana de Castro Osório

Ana de Castro Osório

Ana de Castro Osório
Ana de Castro Osório
Ana de Castro Osório
Ana de Castro Osório
 Filha do magistrado Dr. João Baptista de Castro e de D. Maria Osório de

Filha do magistrado Dr. João Baptista de

Castro e de D. Maria Osório de Castro Cabral

de Albuquerque de origem ilustre (avô,

Tenente General José Osório de Castro Cabral

de Albuquerque, Governador de Macau, avó

Ana Doroteia Moore Quintius, de origem

holandesa).

Osório de Castro Cabral de Albuquerque, Governador de Macau, avó Ana Doroteia Moore Quintius, de origem
Osório de Castro Cabral de Albuquerque, Governador de Macau, avó Ana Doroteia Moore Quintius, de origem
Osório de Castro Cabral de Albuquerque, Governador de Macau, avó Ana Doroteia Moore Quintius, de origem
Osório de Castro Cabral de Albuquerque, Governador de Macau, avó Ana Doroteia Moore Quintius, de origem
 Casou-se com o poeta e republicano Paulino de Oliveira.  Devido à nomeação do

Casou-se com o poeta e republicano Paulino

de Oliveira.

Devido à nomeação do marido como cônsul

em São Paulo, Brasil, Ana reside naquela

cidade por três anos (1911-1914). O casamento com Paulino ajudou a difundir e a alargar as suas ideias sociais.

cidade por três anos (1911-1914).  O casamento com Paulino ajudou a difundir e a alargar
cidade por três anos (1911-1914).  O casamento com Paulino ajudou a difundir e a alargar
cidade por três anos (1911-1914).  O casamento com Paulino ajudou a difundir e a alargar
cidade por três anos (1911-1914).  O casamento com Paulino ajudou a difundir e a alargar

Apoiada desde a juventude, primeiro pelos pais e depois pelo marido, Ana começa a

escrever e tenta transmitir à sociedade

portuguesa que a República deveria alterar a

forma como as mulheres eram vistas pela

sociedade:

- direito ao voto e à emancipação;

- direito à instrução.

a forma como as mulheres eram vistas pela sociedade: - direito ao voto e à emancipação;
a forma como as mulheres eram vistas pela sociedade: - direito ao voto e à emancipação;
a forma como as mulheres eram vistas pela sociedade: - direito ao voto e à emancipação;
a forma como as mulheres eram vistas pela sociedade: - direito ao voto e à emancipação;

1897- Publica uma colecção de fascículos intitulada “Para as

Crianças”;

1899-A directora da revista “Ave-

Azul”, Beatriz Pinheiro, escreveu que

Ana de C. Osório “soube

compreender a necessidade de

prazer intelectual que se faz sentir

na criança”;

1903- editou o romance Ambições, primeiro de uma série de ficções para adultos;

faz sentir na criança”;  1903- editou o romance Ambições , primeiro de uma série de
faz sentir na criança”;  1903- editou o romance Ambições , primeiro de uma série de
faz sentir na criança”;  1903- editou o romance Ambições , primeiro de uma série de
faz sentir na criança”;  1903- editou o romance Ambições , primeiro de uma série de

Fundou a Liga Republicana das Mulheres Portuguesas e o Grupo de Estudos

Feministas. Escreveu artigos e organizou

conferências.

Ana de Castro Osório foi fundamental ao

Ministro da Justiça, Afonso Costa, quando da

elaboração da Lei do Divórcio.

Ana de C. Osório escreveu que a mulher

portuguesa “Não tem opinião crítica para não

ser pedante, não lê para não ser doutora e

não ver espavoridos os maridos.”

“Não tem opinião crítica para não ser pedante, não lê para não ser doutora e não
“Não tem opinião crítica para não ser pedante, não lê para não ser doutora e não
“Não tem opinião crítica para não ser pedante, não lê para não ser doutora e não
“Não tem opinião crítica para não ser pedante, não lê para não ser doutora e não
 Foi professora em São Paulo.  Escreveu alguns livros, entre os quais Lendo e

Foi professora em São Paulo. Escreveu alguns livros, entre os

quais Lendo e Aprendendo e Lição

de História, dois manuais

adaptados às escolas portuguesas

e brasileiras.

Contribuiu para a construção da lusofonia.

, dois manuais adaptados às escolas portuguesas e brasileiras.  Contribuiu para a construção da lusofonia.
, dois manuais adaptados às escolas portuguesas e brasileiras.  Contribuiu para a construção da lusofonia.
, dois manuais adaptados às escolas portuguesas e brasileiras.  Contribuiu para a construção da lusofonia.
, dois manuais adaptados às escolas portuguesas e brasileiras.  Contribuiu para a construção da lusofonia.
 Com a entrada do país na I Guerra Mundial, Ana de C. Osório criou

Com a entrada do país na I Guerra Mundial, Ana de C. Osório criou

as “Madrinhas de Guerra”,

instituição que existiu até ao 25

de Abril. Faleceu em Setúbal em 23 de Março de 1935.

de Guerra”, instituição que existiu até ao 25 de Abril.  Faleceu em Setúbal em 23
de Guerra”, instituição que existiu até ao 25 de Abril.  Faleceu em Setúbal em 23
de Guerra”, instituição que existiu até ao 25 de Abril.  Faleceu em Setúbal em 23
de Guerra”, instituição que existiu até ao 25 de Abril.  Faleceu em Setúbal em 23
 Em São Paulo Ana conheceu o grande escritor brasileiro José Bento Monteiro Lobato e

Em São Paulo Ana conheceu o grande escritor

brasileiro José Bento Monteiro Lobato e percebeu

que as ideias que ambos tinham para o desenvolvimento social e intelectual dos seus países era muito semelhante.

Ana Osório foi a primeira escritora portuguesa a utilizar a literatura para formar as crianças e

Monteiro Lobato foi o primeiro autor brasileiro a

escrever livros para as crianças com o objectivo de formar divertindo (O Sítio do Pica-pau

Amarelo, Urupês, Negrinha e Jeca Tatu). Como

Ana, ele também acreditava que ler é prazer.

(O Sítio do Pica-pau Amarelo , Urupês , Negrinha e Jeca Tatu ). Como Ana, ele
(O Sítio do Pica-pau Amarelo , Urupês , Negrinha e Jeca Tatu ). Como Ana, ele
(O Sítio do Pica-pau Amarelo , Urupês , Negrinha e Jeca Tatu ). Como Ana, ele
(O Sítio do Pica-pau Amarelo , Urupês , Negrinha e Jeca Tatu ). Como Ana, ele
 Num país onde a cultura e a formação ainda estão pouco enraizadas no modo

Num país onde a cultura e a formação ainda estão pouco enraizadas no modo corrente de

ser do português comum, torna-se neste

Centenário da Implantação da República

essencial que invoquemos a necessidade de

mudar, de uma vez por todas, esta nossa

falta.

da Implantação da República essencial que invoquemos a necessidade de mudar, de uma vez por todas,
da Implantação da República essencial que invoquemos a necessidade de mudar, de uma vez por todas,
da Implantação da República essencial que invoquemos a necessidade de mudar, de uma vez por todas,
da Implantação da República essencial que invoquemos a necessidade de mudar, de uma vez por todas,

Trabalho elaborado por :

Ana Teresa Lopes

Inês Martins

Maria Beatriz Cunha

 Trabalho elaborado por : Ana Teresa Lopes Inês Martins Maria Beatriz Cunha Turma do 5º
 Trabalho elaborado por : Ana Teresa Lopes Inês Martins Maria Beatriz Cunha Turma do 5º
 Trabalho elaborado por : Ana Teresa Lopes Inês Martins Maria Beatriz Cunha Turma do 5º
 Trabalho elaborado por : Ana Teresa Lopes Inês Martins Maria Beatriz Cunha Turma do 5º

Turma do 5º C

Profa. Hipólita Sousa

 Trabalho elaborado por : Ana Teresa Lopes Inês Martins Maria Beatriz Cunha Turma do 5º