Você está na página 1de 7

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PSICOMOTOR EM CRIANÇAS COM

DISLEXIA DESENVOLVIMENTAL

RESUMO A dislexia é um transtorno no déficit linguístico que dificulta a aprendizagem de leitura, escrita, soletração e decodificação das palavras. Trazendo consigo um enorme transtorno para o sistema educacional e para o aprendiz, as crianças com dislexia não apresentam dificuldades apenas na escrita e na leitura, mas também em diversas facetas do domínio motor. Essas crianças apresentam dificuldades no controle postural, coordenação motora e na realização de tarefas que requerem movimentos precisos e rápidos. Desta forma, o interesse do presente estudo na realização de uma avaliação detalhada da psicomotricidade destas crianças justifica-se na verificação da incidência de atraso no desenvolvimento motor para uma possível contribuição do mesmo em pesquisas futuras, visando à elaboração de um programa de treinamento para os possíveis déficits motores encontrados e a prevenção de seus agravos. Assim, o objetivo central deste trabalho é avaliar o desempenho psicomotor de crianças que apresentam a Dislexia Desenvolvimental. Este estudo foi realizado na Escola Municipal Dr. Chateaubriand, situado no bairro do José Pinheiro, na Cidade de Campina Grande – PB, a amostra foi composta por nove alunos da mesma escola que apresentam a Dislexia Desenvolvimental, sendo utilizada a Escala de Desenvolvimento Motor, desenvolvida por Rosa Neto (2002). Na avaliação Psicomotora as crianças apresentaram os seguintes resultados: Motricidade fina - 67% das crianças que foram submetidas a avaliação não corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora; Motricidade Global - 89% das crianças corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora; Equilíbrio - 56% das crianças corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora; Esquema Corporal - 89% das crianças não corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora; Organização Espacial - 56% das crianças não corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora; Organização Temporal - 100% das crianças não corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora e; Lateralidade – onde 56% das crianças apresentavam-se destro completo e 44% apresentavam lateralidade cruzada, não possuindo neste estudo nenhuma criança com lateralidade indefinida ou sinistro completo. Esta pesquisa permitiu observar um alto índice de alunos com idade motora inferior à idade cronológica média que segundo rosa neto (2002) e outros desenvolvimentistas consideram ideal. Como essa pesquisa não é conclusiva ainda se permite mais estudos na área da Motricidade humana e em especial a Dislexia.

Palavras-chave:

Desenvolvimento Motor.

Dislexia

Desenvolvimental,

Psicomotricidade,

Escala

de

INTRODUÇÃO Baseando-se em Mousinho (2003), a dislexia é um transtorno no

processo de leitura, portanto, um déficit linguístico que dificulta a aprendizagem

de leitura, escrita, soletração e decodificação das palavras, trazendo um

enorme transtorno para o sistema educacional e para o aprendiz. As crianças

com dislexia não apresentam dificuldades apenas na escrita e na leitura, mas

também em diversas facetas do domínio motor (MOE-NILSSEN et al., 2003).

Crianças com dislexia apresentam dificuldades no controle postural,

coordenação motora e na realização de tarefas que requerem movimentos

precisos e rápidos. Fawcett e Nicolson (1999) sugeriram que tal

comprometimento motor estaria relacionado a possíveis déficits de integração

sensória-motora no cerebelo.

A avaliação psicomotora geralmente ocorre devido a vários propósitos.

Em geral, avalia-se o aluno pela tentativa de se identificar alguma dificuldade

psicomotora, de forma que possa ser elaborado um programa de treinamento

para a estimulação de tais habilidades não adquiridas, haja vista que quando

há um desenvolvimento cognitivo inadequado, provavelmente há um atraso no

desenvolvimento motor. Estes instrumentos são utilizados tanto para detectar

possíveis déficits psicomotores, quanto auxiliam na elaboração de um

planejamento para a estimulação psicomotora quando tais déficits são

apontados (REZENDE, 2003).

Desta forma, o interesse do presente estudo na realização de uma

avaliação detalhada do desempenho psicomotor destas crianças justifica-se na

verificação da incidência de atraso no desenvolvimento motor para uma

possível contribuição do mesmo em pesquisas futuras, visando à elaboração

de um programa de treinamento para os possíveis déficits motores encontrados

e a prevenção de seus agravos.

OBJETIVO

O objetivo central deste trabalho foi avaliar o desempenho psicomotor de

crianças que apresentam a Dislexia Desenvolvimental através da Escala de

Desenvolvimento Motor desenvolvida por Rosa Neto (2002).

METODOLOGIA Esta pesquisa é caracterizada como sendo descritiva, exploratória e de

caráter transversal, apresentando uma abordagem quantitativa, possuindo

como finalidade a descrição de determinadas características da população

através de dados estatísticos.

O presente estudo foi realizado na Escola Municipal Dr. Chateaubriand,

situado no bairro do José Pinheiro, na Cidade de Campina Grande - PB. E o período de sua realização foi entre os meses de Agosto de 2011 a Fevereiro de 2012. A amostra deste estudo se caracteriza como não probabilística, sendo composta por nove alunos da Escola Municipal Dr. Chateaubriand, que apresentam a Dislexia Desenvolvimental.

O Perfil Psicomotor da criança foi avaliado através do protocolo EDM –

Escala de Desenvolvimento Motor (Rosa Neto, 2002), que consiste na mensuração de 6 aspectos psicomotores: Motricidade Global (Mf), Motricidade Fina (Mf), Equilíbrio (Eq), Esquema Corporal/Rapidez (EcR), Organização Espacial (Oe) e Linguagem/Organização Temporal (LoT). Em cada aspecto são apresentadas tarefas de acordo com a Idade Cronológica (IC) da criança a serem executadas pela mesma.

O tratamento estatístico empregado utilizou-se das ferramentas de análise estatística do Microsoft Excel, avaliando os seis aspectos analisados pela escala motora de Rosa Neto (2002).

O estudo foi previamente submetido à avaliação pelo Comitê de Ética

em Pesquisa da UEPB, obtendo parecer favorável para o seu desenvolvimento.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Na

resultados:

avaliação

Psicomotora

as

crianças

apresentaram

os

seguintes

Psicomotora as crianças apresentaram os seguintes Com relação ao resultado deste teste obtivemos uma taxa

Com relação ao resultado deste teste obtivemos uma taxa significativa de insucesso em sua realização, onde 67%, ou seja, 6 crianças das nove que foram submetidas a avaliação não corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora, mostrando déficits motores quanto a motricidade fina.

De acordo com o estudo Okuda et al. (2010) ao analisar os escolares com dislexia, os mesmos apresentaram dificuldades em atividades de preensão e pressão de objetos e coordenação visuo-espacial, o que pode ser justificado pela idade motora fina abaixo do esperado para idade e escolaridade. O que corrobora com os resultados encontrados neste estudo.

O que corrobora com os resultados encontrados neste estudo. Com relação ao resultado deste teste obtivemos

Com relação ao resultado deste teste obtivemos uma taxa bem expressiva de sucesso, onde 89%, ou seja, 8 crianças das nove que foram submetidas a avaliação corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora, realizando com êxito as atividades propostas referente a sua idade cronológica. De acordo com o estudo de Crippa et al. (2003) com relação à idade motora global das crianças disléxicas, as mesmas apresentaram resultados satisfatórios visto que a média da idade cronológica foi de 57,21 meses.

visto que a média da idade cronológica foi de 57,21 meses. Com relação ao resultado deste

Com relação ao resultado deste teste obtivemos uma taxa de sucesso em sua realização de 56%, ou seja, 5 crianças das nove que foram submetidas a avaliação corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora. Testes motores geralmente demonstram que crianças com atraso no desenvolvimento ou deficiências no domínio perceptual-motor têm equilíbrio insuficiente (GEUZE, 2003).

Com relação ao resultado deste teste obtivemos uma taxa significativamente maior de insucesso em sua

Com relação ao resultado deste teste obtivemos uma taxa significativamente maior de insucesso em sua realização, onde 89%, ou seja, 8 crianças das nove que foram submetidas a avaliação não corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora. Segundo o estudo desenvolvido por Schutt (2008) na realização deste teste houve também um índice elevado de insucesso, onde a mesma justifica essas dificuldades através da coordenação deficiente, lentidão e má postura decorrentes do déficit de elaboração do esquema corporal na área motora, resultando num esquema corporal mal estruturado e com transtornos nas áreas motoras, perceptivas e social.

e com transtornos nas áreas motoras, perceptivas e social. Com relação ao resultado deste teste obtivemos

Com relação ao resultado deste teste obtivemos uma taxa maior de insucesso em sua realização, onde 56%, ou seja, 5 crianças das nove que foram submetidas a avaliação não corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora. Schutt (2008) ao verificar a organização espacial, pôde observar os seus participantes permaneceram no nível muito inferior quando comparados a aquelas crianças não portadoras da dislexia. Como a dislexia é uma alteração a nível de cerebelo é justificável as diversas alterações que ocasionam o atraso do desenvolvimento motor destes indivíduos.

Com relação ao resultado deste teste obtivemos expressiva taxa de insucesso em sua realização, onde

Com relação ao resultado deste teste obtivemos expressiva taxa de insucesso em sua realização, onde 100%, ou seja, 9 crianças que foram submetidas a avaliação não corresponderam sua idade cronológica com sua idade motora. No estudo realizado por Mansur (2006) em escolares com transtornos de aprendizagem a média da idade motora da organização temporal foi inferior à da idade cronológica. A média dos escores do quociente motor geral e a média dos quocientes motores específicos da motricidade fina, motricidade global, equilíbrio, esquema corporal, organização espacial e organização temporal foram representativos do nível “muito inferior”, segundo a “EDM”. Sendo que à organização temporal atribuiu-se o maior déficit. O que vai de encontro com os resultados encontrados neste estudo.

vai de encontro com os resultados encontrados neste estudo. Com relação ao resultado deste teste obtivemos

Com relação ao resultado deste teste obtivemos uma taxa maior para destro completo, representado por 56% do total das crianças, ou seja, 5 crianças e 44% apresentavam lateralidade cruzada, não possuindo neste estudo nenhuma criança com lateralidade indefinida ou sinistro completo. A maior frequência de lateralidade destra completa encontrada neste estudo corrobora com a pesquisa entre escolares com transtornos de aprendizagem de Mansur (2006), onde 40% da amostra apresentaram lateralidade destra completa, 35% indefinida, 10% sinistra e 15% cruzada. O aparecimento da lateralidade indefinida e do sinistro completo neste estudo

pode ser justificado pelo tamanho da amostra se apresentar maior que a do presente estudo.

CONCLUSÕES Os resultados apresentados apontam uma discrepância entre a média da idade cronológica quando comparado com a média da idade motora. Esta pesquisa permitiu observar um alto índice de alunos com idade motora inferior à idade cronológica média que segundo rosa neto (2002) e outros desenvolvimentistas consideram ideal. Portanto, em uma perspectiva diagnóstica, a determinação do perfil motor de escolares com Dislexia pode auxiliar na identificação bem como na conduta terapêutica e educacional destes escolares que necessitam de enfoque clínico e educacional voltado para a minimização do impacto das manifestações comportamentais e cognitivo-linguísticas inerentes à dislexia visando a uma melhor qualidade de vida social e acadêmica destes indivíduos. Como essa pesquisa não é conclusiva ainda se permite mais estudos na área da Motricidade humana e em especial a Dislexia.

REFERÊNCIAS

1. CRIPPA, L. R. et al. Avaliação motora de pré-escolares que praticam atividades recreativas. R. da Educação Física/UEM. Maringá, v. 14, n. 2, p. 13-20, 2. sem. 2003.

2. GEUZE, R. H. Static balance and developmental coordination disorder. Hum Mov Sci. 2003;22(4-5):527-48. 2003.

3. FAWCETT, A. J. E R. I. NICOLSON. Performance of dyslexic children on cerebellar and cognitive test. Journal of Motor Behavior, v.37, n.1, p.68-78. 1999.

4. MANSUR, S. S. MARCON, A. J. Perfil motor de crianças e adolescentes com deficiência mental moderada. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006;16(3):09- 15. 2006.

5. MOE-NILSSEN, R., J. L. HELBOSTAD, et al. Balance and gait in children with dyslexia. Experimental Brain Research, v.150, 2003, p.237-244. 2003.

6. MOUSINHO, R.A. Conhecendo a dislexia. Revista Sinpro. Rio de Janeiro: Escola do Professor e do Departamento de Comunicação do Sinpro-Rio, 2003.

7. OKUDA, P. M. M. et al. Coordenação motora fina de escolares com dislexia e transtorno do déficit de atenção e hiperatividade. Rev. CEFAC, São Paulo. 2010.

8. ROSA NETO, FRANCISCO - Manual de avaliação motora - Artmed 2002.

9. REZENDE, Jelmary; GORLA, José Irineu; ARAÚJO, Paulo; CARMINATO, Ricardo. Bateria Psicomotora de Fonseca: uma Analise com Portadores de Deficiência Mental - Revista Digital - Buenos Aires ano 9, Nº 62 - Julho de 2003.

10. SCHUTT, V. A. Psicomotricidade- Estruturação das habilidades psicomotoras e o processo de aprendizagem de crianças em fase escolar. Monografia apresentada no Instituto de Ciências da Saúde – FEEVALE. Novo Hamburgo. 2008.