Você está na página 1de 17

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 Trans-Ações Sujeito|Objeto: O Espaço

Trans-Ações Sujeito|Objeto: O Espaço Como Emergência

MSc Clarissa Ribeiro Pereira de Almeida 1 www.compelxus.com.br | almeida.clarissa@gmail.com

Resumo

A questão central do presente trabalho é o design do espaço como design de um ‘sistema

complexo’, focalizando questões

específicas do processo

de

design.

O

objetivo

é conseguir

desenvolver uma compreensão teórico-conceitual a partir

da

elaboração de uma metodologia

adequada, das trans-ações em realidades mescladas e das possibilidades de se entender o espaço como emergência do processo de auto-organização de um sistema em seu processo de evolução no tempo. Um caminho é articular o objetivo teórico de elaborar uma metodologia para análise do ‘sistema-organização‘ no tempo, com o objetivo empírico de analisar experiências em arte-mídia como estudos de caso, para embasar o design de uma instalação experimental de arte digital que possa balizar a aplicabilidade da metodologia elaborada. Uma proposta que articula a dimensão teórica da pesquisa com experimentação prática focalizando o próprio processo de design ou de geração do espaço.

1. Sistema, Organização, Inter-relações

“O sistema tomou o lugar do objeto simples e substancial e ele é rebelde à

redução em

seus

elementos; o

encadeamento de sistemas de sistemas

rompe com a idéia de objeto fechado e auto-suficiente. Sempre se trataram

os

sistemas como objetos;

trata-se

de

agora

em

diante conceber

os

objetos como sistemas.“ 2 (MORIN, 2003, p.129)

A presente proposta se estrutura como mais um desdobramento em um processo de investigação que teve início ainda na graduação em Arquitetura e Urbanismo e que se articula em torno da intenção de mapear e inter-relacionar bases teórico-conceituais que permitam efetivamente tratar o processo de design da arquitetura como sistema organizado e, sobretudo, organizante. Bases estas que permitam além, tratar a questão da geração do espaço em arquitetura não como

produção de objetos,

mas,

dentro

de

uma

perspectiva sistemista, complexista, compreender a

  • 1 Clarissa Ribeiro é Arquiteta, Mestre em Arquitetura pela USP São Carlos, pesquisadora do Nomads.USP e do Grupo de Poéticas Digitais da ECA. É doutoranda em Poéticas Visuais pelo Programa de Pós-Graduação de Artes Visuais da ECA.USP. URLs: www.complexus.com.br | wwww.eesc.usp.br/nomads/complexidade

  • 2 MORIN, E. O Método 1: a natureza da natureza. Tradução de Ilana Heineberg. Porto Alegre: Editora Sulina, 2003.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 produção do espaço a

produção do espaço a partir da lógica de processos organizacionais que implicam emergência, inter- relações entre partes de um sistema complexo. Para que essas colocações se tornem mais claras e compreensíveis, é necessário precisar os termos organização, inter-relação e sistema . Segundo Edgar Morin 3 ,

“Esses

três

termos,

apesar

de

inseparáveis,

são relativamente

distinguíveis. A idéia de inter-relação remete aos tipos e formas de ligação entre elementos ou indivíduos, entre esses elementos/indivíduos e o Todo. A idéia de sistema remete à unidade complexa do todo inter-relacionado, às suas características e propriedades fenomenais. A idéia de organização remete à disposição das partes dentro, em e por um Todo.” (MORIN, 2003,

p.134)

Podemos notar, a partir dessas colocações, que existe uma reciprocidade circular entre esses três termos, sistema, organização, inter-relações. Além desses, é necessário compreender outro conceito relacionado e sobre o qual se assentam as bases das explorações aqui propostas, o de emergência. A emergência é um produto da organização do sistema, ou seja, das múltiplas inter- relações entre as partes, os elementos. Emergências podem ser compreendidas como qualidades que nascem de associações e conexões dinâmicas entre os elementos do sistema. Em uma colocação que sintetiza a aproximação que pretendemos explorar do conceito, Morin afirma que,

“A idéia de emergência é inseparável da morfogênese sistêmica, ou seja, da criação de uma forma nova que constitui um todo: a unidade complexa

organizada. Trata-se de morfogênese,

que

o

sistema constitui

uma

realidade topologicamente, estruturalmente, qualitativamente nova no espaço e no tempo. A organização transforma uma diversidade descontínua de elementos em uma forma global. As emergências são as propriedades

3 Edgar Morin: pesquisador emérito do CNRS, em Paris, nasceu em 1921. Formado em História, Geografia e Direito, migrou para a Filosofia, a Sociologia e a Epistemologia, depois de ter participado da Resistência ao nazismo, na França ocupada, durante a Segunda Guerra Mundial. Autor de mais de trinta livros, tornou-se um dos pensadores mais importantes do século XX.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 globais e particulares resultantes

globais

e

particulares

resultantes

desta

formação

inseparável

da

transformação dos elementos.” (MORIN, 2003, p.147)

Para fins de pesquisa, isolaremos um sistema esp ecífico – o próprio processo de geração do espaço em arquitetura – o espaço gerado por uma organização produtora de si, ou seja, um ‘circuito generativo’, nas palavras de Morin (MORIN, 2003, p.353). Enquanto emergência, o espaço é ainda, um estado do próprio sistema-organização, é o próprio sistema. As partes, os elementos do nosso sistema, serão os sujeitos e os objetos inter-relacionados que, trans-agindo 4 , ou seja,

agindo entre,

através e

além,

das

dimensões concreta e

virtual

de

realidades

mescladas 5

caracterizadas como o ambiente onde esse sistema está imerso, podem potencialmente produzir o espaço como emergência do processo organizacional do próprio sistema no tempo. Uma aproximação inédita que busca dar continuidade às explorações realizadas na pesquisa de mestrado, cujo título ‘Entre e Através: Complexidade e Processos de Design em Arquitetura’ 6 , explicita a inter-relação

com a presente proposta.

2. Complexidade e Processos de Design em Arquitetura

Na dissertação

de mestrado desenvolvida junto

ao

Programa de Pós-Graduação em

Teoria

e

História da Arquitetura e do Urbanismo da EESC.USP 7 explorou-se a questão da complexidade em

arquitetura como alternativa não reducionista, um modo de pensar o processo de design como ambiente de interação, uma moldura para compreender a arquitetura como processo mais que como produto.

  • 4 Quando utilizamos aqui o termo Trans-ações (trans-agir), nos referimos às possibilidades de ação simultaneamente

entre e através e além entre elementos distintos de um dado sistema, uma ampliação do conceito de interação (inter-

ação) considerando o prefixo trans, que

se refere ao que [

]

está ao mesmo tempo, entre, através e além.”

... (NICOLESCU, 2001, p.51). Segundo Basarb Nicolescu: “The words three and trans have the same etymological root: "[…]

‘three’ signifies ‘the transgression of the two, that which goes beyond the two’." (NICOLESCU, 2005, p.8).

  • 5 ‘Realidades mescladas’: tradução livre da autora do termo ‘mixed realities’ que, segundo Oliver Grau “[

] centraliza-se

... correntemente na conexão entre espaços reais, incluindo suas conformações em ação social e cultural, com processos

imagéticos de ambientes virtuais.” [GRAU, 2003, p.245] (Do original em inglês:

“[...]

currently center on connecting real

spaces, including their forms of cultural and social actions, with image processes of virtual environments.” [GRAU, 2003, p.245]. Ver: [GRAU, 2003, p.266]: Fleischmann and Strauss (2001); Ohta (1999) e Broll (2001).

  • 6 ALMEIDA, Clarissa Ribeiro Pereira de. Entre e Através: Complexidade e Processos de Design em Arquitetura. Clarissa Ribeiro Pereira de Almeida; orientadora Anja Pratschke. – São Carlos, 2006.

  • 7 EESC.USP: Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 Concluímos que, tanto o

Concluímos que, tanto o vislumbre da possibilidade de acesso e disseminação de meios e tecnologias digitais, nos anos 1960 e 1970, quanto a efetivação dessas possibilidades, nas décadas de 1990 e 2000, trouxeram à tona a necessidade de discutir e compreender os impactos desses meios e tecnologias nas interações entre homem, meio ambiente, espaço e tempo, no âmbito da arquitetura – disciplina que poderia atuar na articulação dessas dimensões.

Nesse cenário, vimos que a complexidade apresentou-se como uma base conceitual, um método em curso de elaboração, para repensar relações, interconexões e interações – para compreender a organização nos sistemas naturais e artificiais. Compreender a organização em sistemas artificiais capazes de dialogar com o orgânico via processos de feedback, capazes de simular processos auto- organizacionais como a evolução no tempo, o tempo irreversível dos processos evolutivos. Sistemas artificiais que, interagindo com sistemas orgânicos, viabilizassem simultaneamente uma ampliação das possibilidades e do caráter das interações entre os próprios sistemas, os sujeitos, e o ambiente.

Vários experimentos vem sendo desenvolvidos em grupos de pesquisa vinculados a instituições acadêmicas internacionais, em experimentos suportados por tecnologias computacionais. Dentre esses se destacam os trabalhos do Emergent Technologies – EmTech 8 , da AA - Architectural Association. Um trabalho realizado no Core Studio Dynamic Notation, do EmTech, numa colaboração entre estudantes do MA Choreography Programme do LABAN 9 Center, estuou a generatividade em um ‘sistema-corpo em movimento’, e as relações entre esse sistema e o seu meio ambiente, focalizando a co-evolução corpo em movimento-ambiente. Segundo Kudless e Cahill,

“Usando uma série de movimentos criados pelos dançarinos, um script foi

desenvolvido em

software

de

simulação de

grupo

que

habilitaria a

experimentação com várias propriedades de ambos os movimentos-fonte e o

  • 8 - EmTech: Emergent Technologies and Design Programme – coordenado pelos professores Michael Hensel, Michael Weinstock e Achim Menges e inaugurado na Architectural Association Graduate School, em Londres, no ano acadêmico 2001/2002, e posteriormente validado como um Master of Architecture Programme, em setembro de 2003.

  • 9 Laban Dance Centre, em Deptford, Londres, inaugurado em fevereiro de 2003, é um centro de dança contemporânea. Laban, originalmente o Art of Movement Studio sediado em Manchester, foi fundado por Rudolph Laban, um dançarino, coreógrafo e teórico de dança e movimento austro-húngaro. Em 1958, a escola se tranferiu de Manchester para Addlestone, em Surrey, e então para New Cross, em Londres em 1975 e foi renomeada Laban Centre for Movement and Dance. Novamente, em 1997, passou a se chamar Laban Centre London. Em 2002 a nova sede foi inaugurada em Deptford, para aclamação crítica. A escola é conhecida localmente como 'The Laban.' In: WIKIPEDIA, THE FREE ENCYCLOPEDIA. Laban Dance Centre. Disponível em: < http://en.wikipedia.org/wiki/Laban_Dance_Centre>. Acesso em: 03 jul. 2006.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 feedback ambiental. Através do

feedback ambiental. Através do uso desse script, um corpo dinâmico e não-

linear

de movimento emergiu,

no

qual

a

simples fonte de movimentos

produziu padrões complexos e crescimento.” 10 (KUDLESS, tradução nossa)

CAHILL, 2006,

Um pensamento arquitetônico capaz

de

produzir reflexões a

partir

de

uma compreensão da

arquitetura, da produção do espaço, sob uma perspectiva sistemista e complexista. Espaços onde hibridizam-se, mesclam-se, as dimensões concreta e virtual de uma realidade hipermediatizada. São tempos de uma nova simbiose 11 entre orgânico e digital. E aqui, a generatividade se coloca como uma das chaves para uma abordagem complexista em arquitetura. Nas palavras de Edgar Morin, “[ ] ...

a informação generativa gera fato, não somente gera fato, mas o transforma em ordem

e

organização, sem que ele cesse de ser fato.” (MORIN,

2003, p.402). A informação que gera fato –

as trans-ações entre as parte de sistemas complexos e o ambiente, que geram espaço como

emergência em um processo evolutivo/auto-organizacional no tempo.

3. Inter-relações sujeito/objeto: espaço como emergência

Compreendida a partir da complexidade, a arquitetura pode ser a prática de projetar sistemas complexos, de projetar as interconexões entre suas partes e as trans-ações no e com o ambiente.

O

que

emerge

do

processo organizacional desses sistemas é

ainda,

a

própria arquitetura

compreendida como processo em lugar de produto, espaço como emergência, novas formas que

constituem o

todo sistêmico

organizado –

um

nível

de

organização sistêmico, uma realidade

topologicamente, estruturalmente, qualitativamente nova no espaço e no tempo.

Cada vez mais, estaremos todos, de todas as partes de um globo interconectado via tecnologias digitais, imersos em ambientes de realidades mescladas, onde as mesmas tecnologias digitais incorporadas de forma ubíqua ao ambiente permitem ampliar exponencialmente as possibilidades e o caráter das interações entre os sujeitos, entre estes e as dimensões concreta e virtual dessas

  • 10 KUDLESS,A; CAHILL, S. Project 1, Core Studio Dynamic Notation. Disponível em: <http://www.aaschool.ac.uk/et>. Acesso em: 26 fev. 2006.

  • 11 Referência ao título do artigo de John McHale – New Symbiosis. MCHALE, J. New Symbiosis. Architectural Design, special number: 2000+. London: The Standard Catalogue Co. Ltd, v. 37, n. 2, feb. 1967, p.89.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 realidades. Assim, os arquitetos

realidades. Assim, os arquitetos estariam diante de um grande desafio: o de projetar sistemas- organização capazes de gerar espaço como emergência em função das interações e inter-

relações sujeito/objeto trans-agindo em realidades mescladas . Ferramentas teórico-conceituais precisam ser desenvolvidas para dar suporte a novas reflexões e experimentações, dar suporte a

processos contemporâneos de design compreendidos e estruturados a partir da lógica dos sistemas complexos.

Um próximo passo para confrontar o desafio que se coloca aos arquitetos de pensar e projetar a arquitetura de realidades mescladas – ambientes híbridos 12 , simultaneamente concretos e virtuais – seria compreender os processo de trans-ações em ambientes dessa natureza para dar suporte a explorações reflexivas. A hipótese é a de que, em ambientes de ‘realidade mesclada’, sujeitos e objetos se misturam e se confundem, em um processo infinito de trans-ações, interagindo e se inter-relacionando como partes de um sistema-organização que pode gerar potencialmente diferentes configurações espaciais como emergências em instantes distintos no tempo.

No esforço de confrontação da hipótese formulada, evidencia-se uma questão crucial: como tratar, como analisar o processo organizacional desses sist emas para produzir uma reflexão teórica crítica consistente acerca das possibilidades de projetar não exclusivamente a dimensão concreta da realidade, mas o sistema em si. Projetar as características das inter-relações e interações entre as partes, as características das trans-ações sujeito-objeto-ambiente que farão emergir configurações espaciais diversas, inéditas, em instantes distintos no tempo.

Para o estudo de sistemas complexos podemos elaborar, por exemplo, uma metodologia baseada no uso de medidas sistêmicas 13 . Essa metodologia consistiria em utilizar características para classificar o sistema que fossem simultaneamente capazes de suportar uma analise consistente das inter-relações entre as partes, do grau de complexidade e da capacidade de auto-organização

  • 12 Segundo Bermudez e Hermanson [BERMUDEZ, HERMANSON, 2000], “podemos definir um espaço híbrido como aquele onde virtual e concreto se fundem em uma espacialidade de natureza híbrida, onde as diferenças entre concreto e virtual se misturam ao ponto de se tornarem indistinguíveis.”

  • 13 Segundo o pesquisador Osvaldo Pessoa Jr, do CLE – UNICAMP, medida sistêmica pode ser definida como “[

...

] uma

propriedade (“figure of merit”) de um sistema, figura essa que pode ser quantificada ou não, e que usualmente é

expressa por termos como ‘organização’, ‘ordem’, ‘complexidade’, ‘funcionalidade’, ‘inteligência’, etc. (PESSOA JR, 1996,

p.133)

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 desse sistema. Segundo Edgar

desse sistema. Segundo Edgar Morin,

“[

...

]

o sistema requer um sujeito que o isole do burburinho

polisistêmico, o recorte, o qualifique, o hierarquize. Ele remete não apenas à realidade física no

que ela tem de irredutível ao espírito humano, mas também às estruturas desse espírito humano,

aos interesses seletivos de observador/sujeito [

...

].”

(MORIN, 2003, p.177)

Para

que

seja possível

analisar as inter-relações

entre

as

partes ou

elementos do nosso

‘sistema-processo generativo’, e as trans-ações no e com o ambiente, é necessário, antes de tudo, ter uma noção bem definida do que pode ser compreendido como parte, como elemento. Podemos, por exemplo, definir nosso sistema no campo teórico ou abstrato especificando: os elementos e seus estados possíveis; os elementos e seus possíveis atributos; o estado inicial do sistema; as inter-relações entre os elementos; o grau ou caráter da interdependência entre os elementos.

Considerando nosso sistema como

simultaneamente aberto

e

fechado

em relação

ao

nosso

‘ambiente-realidade mesclada’, fato que por si só é uma medida de complexidade do sistema,

devemos ainda considerar

que seus elementos,

além

de manterem relações entre

si, mantêm

relações com o ambiente. Assim, seria interessante observar, por exemplo: quais os contornos que separam o sistema do ambiente; que alterações ambientais afetam o sistema; que alterações ambientais não afetam o sistema; se as relações entre os elementos são mais intensas do que as

entre sistema e ambiente ou vice versa. Ainda, para que essas especificações sejam viáveis é preciso certificar-se de que as partes desse objeto de estudo classificado como um sistema, sejam discerníveis, assim como as inter-relações, justamente para que este possa ser chamado um ‘sistema’.

Precisamos ainda considerar na elaboração de uma metodologia para estudar nosso sistema, níveis nos quais o sistema pode ser caracterizado e que podem ser definidos para diferentes dimensões espaciais e temporais, o que implica evolução do sistema no tempo. Essa consideração é crucial no contexto da presente aproximação proposta, já que focalizamos justamente estudar a emergência de configurações espaciais a partir de processos organizacionais, ou seja, a emergência como configuração espacial em potencial do sistema. Assim, podemos observar, por exemplo: o estado do sistema em diferentes instantes; a organização do sistema em diversos estados; o conjunto de estados do sistema ao longo de um intervalo de tempo.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 Um próximo passo seria

Um

próximo

passo

seria caracterizar

da

forma

mais precisa

possível

esse

sistema que

consideramos organizado ou complexo. Podemos assim, delimitar algumas medidas de organização e de complexidade do sistema. Para medir a organização do sistema podemos observar, por exemplo,

em que medida “[

...

]

o estado de um dado elemento A no tempo T depende do estado do elemento B

no instante T-1” 14 (PESSOA JR, 1996, p.129), ou seja, as relações de condicionalidade entre os elementos. Podemos ainda medir a maneira na qual os elementos de um sistema se organizam em subsistemas, ou a correlação existente entre os estados dos diferentes elementos do sistema. Para que seja possível medir a complexidade do sistema, podemos utilizar medidas da complexidade enquanto quantidade de retro alimentação, ou seja, medida que leva em conta não só o número de conexões, mas, principalmente, a quantidade de conexões de retroalimentação (feedbackloops).

4. Trans-agir: Entre, Através e Além

É

preciso ainda, quando

nos

colocamos como

observadores desse sistema, compreender os

processos de trans-ações sujeitos-objetos-ambiente entre, através e

além

de realidades

mescladas, de ambientes onde, à dimensão concreta, sobrepõe-se e mistura-se a virtual. Podemos considerar que, dependendo da estruturação, da configuração desse ambiente, entre e através e além destas realidades mescladas, em um processo contínuo de transação, o sujeito passa a ser idêntico ao objeto. A natureza da instância virtual pode, nesse caso, ser comparada à de um espelho. Segundo os pesquisadores Jay David Bolter e Diane Gromala 15 , no livro “Windows and Mirrors – interaction design, digital art, and the myth of transparency 16 ,

  • 14 PESSOA JR, Osvaldo. Mediadas Sistêmicas de Organização. In: Auto-Organizacao. Org. por M. Debrun, M.E.Q. Gonzáles & O Pessoa Jr. Coleção CLE 18. Campinas, 1996, pp.129-161.

  • 15 Diane Gromala (peofessora associada nas escolas de Literatura, Comunicação e Cultura da “Geórgia Tech University”) foi presidente do comitê de arte da ACM SIGGRAPH 2000, participando efetivamente da curadoria do evento SIGGRAPH 2000 Art Show, enquanto Jay David Bolter (professor d wesley University na área de Novas Mídias e diretor do “New Media Research and Education”, historiador e teórico de tecnologia digital) acrescentou uma perspectiva externa, examinando as implicações dos trabalhos selecionados no campo do design interativo (interaction design).

  • 16 BOLTER, J. D., GROMALA, D. Windows and mirrors: interaction design, digital art, and the myth of transparence. Cambridge: MIT Press, 2003.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 “Interfaces digitais são como

“Interfaces digitais são como espelhos no sentido que refletem o

usuário em contexto [

].

As interfaces mais persuasivas vão fazer

... o usuário consciente de seu contexto e, no processo, redefinir os contextos nos quais ele e a interface operam em conjunto. Esse é

o

ponto

em

que

a

arte digital

pode trazer

uma contribuição

especial, por que a arte digital é precisamente o tipo de interface

que GROMALA, 2003, p.27, tradução nossa)

simultaneamente reflete e redefine

contextos.” (BOLTER,

Pela liberdade de exploração poética inerente à atividade artística, muitos trabalhos de arte digital têm se apresentado como exemplos de exploração das interações – ou considerando aqui uma ampliação e complexificação desse conceito, das trans-ações – em realidades mescladas. Apresentamos aqui, algumas experiências em arte digital que ilustram a exploração de trans-ações nessas realidades: ‘Text Rain ‘(SIGGRAPH 2000); Nosce te ipsum (SIGGRAPH 2000); Telematic Dreaming (Koti Exhibition, 1992); Essas experimentaç ões são exemplos de ambientes de realidade mesclada capazes capazes estimular e de convidar o usuário à re-imaginar e redefinir seus próprios contextos, a redefinir, re-situar, a si mesmo, indefinidamente. Podemos dizer que, nesses ambientes, os sujeitos-usuários são ‘trans-atores’.

Text rain, por Camille Utterback e Romy Archituv, SIGGRAPH 2000 17 , combina formas de impressão e vídeo permitindo aos usuários novas possibilidades de leitura e escrita. Um poema e uma imagem televisiva são apresentados simultaneamente – é ao mesmo tempo

visível

e

invisível como

uma

forma

de

media.

A

interação, ou

na compreensão aqui

proprosa, a trans-ação é concebida de forma que o usuário não precise de instruções para trans-agir, para que a trans-ação aconteça de maneira intuitiva. A experiência consiste na possibilidade de o usuário projetar suas imagens na tela e interagir com as ‘letras que caem’. O espaço da instalação ‘Text Rain’, combina diferentes dimensões da realidades numa experiência em que o usuário atua entre, através e além das dimensões concreta e virtual do ambiente em que está imerso. Emergem diferentes configurações organizacionais

17 SIGGRAPH: conferência anual em computação gráfica promovida pela ACM realizada nos Estados Unidos. A primeira SIGGRAPH aconteceu em 1974.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 em função da interação

em função da interação e das inter-relações entre sujeito-usuário e objetos-palavras que caem. Como observam Bolter e Gromala, “é como se tivéssemos passado através da tela e nos encontrado dentro de algum processador de palavras com alguma disfunção onde chovem letras do alto sobre nós” 18 (BOLTER, GROMALA, 2003, p.26) Em ‘Text Rain’, as letras do texto vem do poema “Talk, You”, de Evan Zimroth (1993). Nosce te ipsum (Know yourself), por Tiffany Holmes, SIGGRAPH 2000, se estrutura a partir da projeção, em uma grande tela pendurada no teto, do contorno de uma figura humana, uma forma andrógena. Quando o interator se aproxima, percebe uma linha de palavras através de um plano marcado com elementos circulares.Seguindo as palavras, tropeça em um sensor de pressão que aciona uma mudança na animação. De repente, os layers frontais vão para trás e revelam que, por baixo do corpo desenhado, há um interior composto de

letras, palavras e marcas. Percorrendo cada elemento, aciona-se outro sensor e continua- se a alterar na animação, como o corpo que se dobra ao redor de si mesmo, revelando layers da imagem que dão lugar à imagem completa. Quando o interator pressiona o último sensor, sua imagem, sua face, capturada em tempo real por uma câmera de vídeo, aparece

atrás

dos layers.

Segundo

Bolter

e

Gromala, “interagindo com Nosce,

fazemos (ou

desfazemos) uma imagem de nós mesmos.” (Bolter, Gromala, 2003, p.62)

Telematic Dreaming, por Paul Sermon 19 , 1992, é uma instalação telemática 20 ao vivo ligando dois lugares geograficamente distantes, exibida pela primeira vez no ‘Koti Exhibition’, em Kajaani, Finlândia. Uma cama é o meio para imagens de alta resolução: a projeção nítida de outra pessoa que pode reagir, em tempo real, aos movimentos da outra que se encontra ‘virtualmente’ sobre a mesma cama (estando esta em outra cama ‘concreta’ em algum lugar remoto). A possibilidade é tão sugestiva que, tocar a imagem do corpo, projetada sobre o lençol, torna-se um ato íntimo. Apesar de não ser possível tocar efetivamente o corpo do

‘companheiro de cama’,

um experimenta

a ‘sugestão

de

toque’

do

outro

através de

alterações na velocidade e expressão dos gestos. Segundo Oliver Grau 21 (GRAU, 2003, p.275,

  • 18 Do original em inglês: “[…] It is as if we have passed through the screen and find ourselves inside some malfunctioning word processor that is raining letters down on us.” [Bolter, Gromala, 2003, p.26]

  • 19 Paul Sermon, artista britânico, nasceu em 1966. Membro da “Roy Ascott School”, seu trabalho integra aspectos imersivos no contexto da arte telemática.

  • 20 Telematica é a versão em português da expressão francesa telematique, cunhada por Simon Nora e Alain Minc no livro L'informatisation de la Societe (La Documentation Francaise, 1978).

  • 21 GRAU, O. Virtual Art: from illusion to immersion. Cambridge: MIT Press, 2003.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 tradução nossa), ”muitos observadores

tradução nossa), ”muitos observadores perceberam este como um momento contemplativo, uma impressão sensorial conquistada sinestesicamente onde mãos e olhos fundem-se.”

Acreditamos que estudo de instalações como as aqui referidas, produzidas no contexto da arte digital, podem contribuir para investigar possibilidades de emergência de configurações espaciais a partir de processos sistemas-organização em realidades mescladas.

Implícita como questão

de

fundo

na presente

proposta

está

a

questão

do espaço,

de

sua

transformação e produção via processos de design em arquitetura. Nesse sentido é interessante observar a colocação de Michel Foucault, onde afirma que é “necessário notar que o espaço, o que nos surge como horizonte das preocupações, teorias e sistemas, não é uma inovação; o espaço em si tem uma história na experiência Ocidental e é impossível esquecer o nó profundo do tempo com o espaço.” 22 (FOUCAULT , 2005, p.1)

Podemos, por exemplo, ampliar nossa compreensão das experiências em ambientes de realidades

mescladas a partir da conjunção das definições de espaços dos tipos ‘utopias’ e ‘heterotopias’

propostos por Foucault. Utopias seriam “lugares sem lugar real, [

...

]

lugares que têm uma relação

analógica direta ou invertida com o espaço real [

]

espaços fundamentalmente irreais” (FOUCAULT ,

espaços reais – espaços que existem e

... 2005, p.2). Já o conceito de heterotopias se refere a “[

...

]

que são formados na própria fundação da sociedade - que são algo como contra-lugares, espécies

de utopias realizadas[

...

]”

(FOUCAULT, 2005, p.2). Podemos comparar o ‘estar entre, através e

além’

em realidades mescladas com a experiência do sujeito que se vê no espelho, onde o espelho,

segundo Foucault, “[

...

]

é, afinal de contas, uma utopia, uma vez que é um lugar sem lugar algum.

No espelho, vejo-me ali onde não estou, num espaço irreal, virtual, que está aberto do lado de lá da superfície; estou além, ali onde não estou, sou uma sombra que me dá visibilidade de mim mesmo, que me permite ver-me ali onde sou ausente.” (FOUCAULT , 2005, p.2) Utopia e heterotopia se confundem, misturam-se, mesclam-se. Assim como se entrelaçam indefinidamente, sujeitos, objetos, tempos e espaços. Precisamos aprender a ser arquitetos de espacialidades híbridas, ser

22 FOUCAULT, M. De outros espaços. Tradução a partir do inglês (com base no texto publicado em Diacritics; 16-1, Primavera de 1986) de Pedro Moura. Disponível em : <http://www.rizoma.net/interna.php?id= 169&secao=anarquitextura>. Acesso em: 29 set. 2005.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 capazes de fazer dialogar

capazes de fazer dialogar os sujeitos entre utopias e heterotopias – trans-atores, em realidades mescladas.

Transportar a noção de sistema complexo e a compreensão do que vem a ser uma ‘experiência do espelho’ a partir de Foucault para estudar as trans-ações em realidades mescladas, e a possibilidade de geração do espaço como emergência em sistemas-organização, implica no fato de,

como observador do sistema, não apenas verificar a observação, mas integrar a auto-observação ao sistema. Nas palavras de Edgar Morin, “O conceito de sistema só pode ser construído na e pela transação sujeito/objeto, e não na eliminação de um pelo outro.” (MORIN, 2003, p.178). O que implica ainda, considerar a trans-ação entre o observador e o sistema observado (objeto de estudo). A

‘experiência do espelho’,

implica imersão

simultaneamente em

duas

realidades –

utópica

e

heterotópica. E imersão aqui, se apresenta como um conceito chave para o entendimento do que

significa a experiência em realidades mescladas. Segundo Grau (GRAU, 2003, p.13, tradução nossa),

“Imersão pode ser um processo intelectualmente estimulante, [

...

]

caracterizado por uma distancia

crítica recusada em relação ao que está sendo mostrado e o acréscimo de envolvimento emocional no que acontece.”

Acredita-se que uma indagação formulada a partir da análise de experiências como as realizadas no campo da arte digital, ou combinando processos da dança e da arquitetura como a realizada entre pesquisadores da AA – Architectural Association e do Laban Center, aqui apresentadas, podem contribuir para uma compreensão ampliada das trans-ações em realidades mescladas, das possibilidades de compreender e conceber o espaço como emergência do processo organizacional de sistemas complexos.

Partindo do aprofundamento realizado na pesquisa de mestrado, onde foi possível compreender o universo dos desenvolvimentos de áreas que dialogam e se fertilizam na construção de um ‘pensar complexo’, estimulando e influenciando a compreensão dos processos de design em arquitetura sob uma perspectiva sistemista complexista, acreditamos que seja urgente ampliar a compreensão desse intrincado universo inter-relações entre ciência, filosofia, tecnologias de informação e comunicação e própria arquitetura. E é nesse âmbito que se insere a presente proposta.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 O objetivo é conseguir

O objetivo é conseguir articular uma compreensão teórico-conceitual a partir de estratégia metodologia adequadamente formulada, das trans-ações em realidades mescladas e das possibilidades de se entender o espaço como emergência do processo de organização de um sistema caracterizado. Um caminho é articular o objetivo teórico de elaborar uma metodologia para análise do ‘sistema-organização‘ no tempo, com o objetivo empírico de analisar experiências em arte-mídia como estudos de caso, para embasar o design de uma instalação experimental de arte digital que possa balizar a aplicabilidade da metodologia elabor ada. Acreditamos estar, assim, contribuindo para ampliar a compreensão e conseqüentemente as possibilidades de intervenção criativa de arquitetos, na concepção de propostas que atendam a demandas contemporâneas, condizentes com novos modos de vida, como novas necessidades, no contexto de profundas reestruturações sócio-econômicas e científico-tecnológicas internacionais.

REFERÊNCIAS

ALLFORD, D. A Philosophy of enabling. In: PRICE, C. The square book. Great Britain: Wiley- Academy, 2003, p.3. ARNHEIM, R. Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Pioneira/ Editora da Universidade de São Paulo, 1997. ASHBY, W. R. Introdução à cibernética. São Paulo: Editora Perspectiva, 1970. (Estudos) BACHELARD, Gaston. A Poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993. BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Lisboa : Relógio d’água, 1991. BERMUDEZ J., HERMANSON, R. Tectonics After Virtuality: Re-turning to the Body. ACSA International Conference: Constructions of Tectonics for the Postindustrial World. Copenhagen, Denmark: Royal Academy of Fine Arts School of Architecture: ACSA Press, 2000. BOLTER, J. D., GROMALA, D. Windows and mirrors: interaction design, digital art, and the myth of transparence. Cambridge: MIT Press, 2003. CASTELLS, M. O poder da identidade: A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999, v. 2. Capítulo 4: O fim do patriarcalismo: movimentos sociais, família e sexualidade na era da informação. p. 169-285. CONKLIN, J. Hypertext: An Introduction and Survey. IEEE Computer, v. 20, n. 9, p. 17-41, 1987. COUSIN, M., HUSSAIN, A. Michel Foucault. London: MacMillan, 1984.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 COUSIN, M. “The Image”

COUSIN, M. “The Image” in Time and the Image. Manchester: Manchester University Press, 2001. DELEUZE, G. Différence et répétition, PUF, Paris, 1968. FIEDLER-FERRARA, N. O pensar complexo: construção de um novo paradigma. Conferência convidada apresentada no XV Simpósio Nacional de Ensino de Física. Curitiba: 2003. (publicada nos anais do evento). FOERSTER, H. V. Pioneiro da Cibernética. Entrevistadora: Guitta Pessis-Pasternak. In: PESSIS- PASTERNAK, G. Do caos à inteligência artificial: quando os cientistas se interrogam. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993. FLUSSER, V. Ficções Filosóficas. São Paulo: Edusp, 1998. FOUCAULT, M. De outros espaços. Tradução a partir do inglês (com base no texto publicado em Diacritics; 16-1, Primavera de 1986) de Pedro Moura. Disponível em :

<http://www.rizoma.net/interna.php?id=169&secao=anarquitextura>. Acesso em: 29 set. 2005. FRAZER, J; RASTOGI, M. The new canvas. Architectural Design: Architects in Cyberspace II. London: Wiley-Academy, v. 68, n.11/12, november/december, 1998, p.8-11. GIRARD, C. The Politics Of Complexity In Architecture. JPVA – Journal of Philosophy and the Visual Arts. London: N.6, 1995. GRAU, O. Novas Imagens da Vida. Realidade Virtual e Arte Genética . Traduzido por Flávia Gisele Saretta. Disponível em: <http://www2.hu-berlin.de/grau/Novas_Imagens_da_Vida.htm> Acesso em 26/11/2004 GRAU, O. Immersion and Interaction. From circular frescoes to interactive image spaces. Disponível em: <http://www.medienkunstnetz.de/themes/overview_of_media_art/immersion/> Acesso em 08/11/2004. GRAU, O. Virtual Art: from illusion to immersion. Cambridge: MIT Press, 2003. GRAU, O., REICHE, I. Legend, myth and magic in the history of telepresence. In: Anais. Simpósio Invenção - Thinking the next millenium. São Paulo: Instituto Itaú Cultural, agosto 1999. HEMBERG, M. GENR8 - A Design Tool for Surface Generation. 2001. 90f. Dissertação [Master of Science Engineering Physics] - Department of Physical Resource Theory, Massachusetts Institute of Technology, USA. Supervisor: Una-May O'Reilly. Massachusetts, 2001, p.36. HOSKIN, Teri. Arte virtual: De Ilusão para Imersão. Crítica, 2003. Disponível em <http://www.fineartforum.org/Backissues/Vol_17/faf_v17_n11/reviews/grau.html> Acesso em

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 JOHNSON, Steven. Cultura da

JOHNSON, Steven. Cultura da Interface. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor, 2001. JOHNSON, S. Emergência: a dinâmica de redes em formigas, cérebros, cidades e softwares. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003. JONES, M. P. Michael Paul Jones, Western Carolina University: Notes Toward a Philosophy of Architectural Space. Disponível em:<http://shot.press.jhu.edu/syllabi/MPJones_philspace.html>. Acesso em: 23 abr. 2004. LÉVY, P. A Ideografia Dinâmica. Rumo a uma imaginação artificial?. São Paulo: Ed. Loyola, 1998. 228 p. LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999. (Coleção TRANS) LÉVY, P. As Tecnologias da Inteligência - O Futuro do Pensamento na Era da Informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LÉVY, P. A conexão planetária — o mercado, o ciberespaço e a consciência. São Paulo: Ed. 34,

2001.

LÉVY, P. Cyberculture. Paris: Ed. Odile Jacob, 1997. LÉVY, P. O que é o virtual? Rio de Janeiro: Editora 34, 1998. LYNN, G. Animate Form. Princeton: Architectural Press, Bk&CD-Rom edition, 1998. LYNN, G. An advanced form of movement. Architectural Design: Architecture after Geometry, London: Wiley-Academy, v. 67, n. 5/6, may/june, 1997, p.54-57. McLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. Tradução de Décio Pignatari, São Paulo: Editora Cultrix, 1964. (copyright 1964).

McLUHAN, M; FIORE, Q Medium is the massage : an inventory of effects. New York: Bantam,

1967.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994. MITCHEL, W. City of Bits. Massachusetts: MIT Press, 1997. MORIN, E. Ciência com Consciência. Tradução Maria Gabriela de Bragança. Mem Martins:

Publicações Europa-América, 1982. MORIN, E. O Método 1: a natureza da natureza. Tradução de Ilana Heineberg. Porto Alegre:

Editora Sulina, 2003. MORIN, E. O Método 2: a vida da vida. Tradução de Marina Lobo. Porto Alegre: Sulina, 2002.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 MORIN, E. O Método

MORIN, E. O Método 4. As idéias – habitat, vida, costumes, organização. Tradução de Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 2002.

MORIN, E. O Método 5. A humanidade da humanidade – a identidade humana. Tradução de Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 2002. MOSTAFAVI, M. Architectural Association School of Architecture – Prospectus 02/03. London:

AA Print Studio, 2001. MURRAY, Janet H. Hamlet no holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. Tradução: Elissa Khoury Daher e Marcelo Fernandez Cuzziol. São Paulo: Itaú Cultural: Unesp, 2003. NICOLESCU, B., Gödelian Aspects of Nature and Knowledge. Translated from French by Karen- Claire Voss. In: Systems: New Paradigms for the Human Sciences. Edited by G. Altmann and W. Koch. Berlin - New York: Gruyter Verlag, 1998, 385-403. Disponível em: < http://nicol.club.fr/ciret/bulletin/b12/b12c3.htm>. Acesso em: 31 de jul. 2005. NICOLESCU, B. O Manifesto da transdisciplinaridade. Tradução de Lúcia Pereira de Souza. São Paulo: Triom, 2001. NIELSEN, J. Multimedia and Hypertext: The Internet and Beyond. Academic Press Professional,

1995.

PARENTE, A. Imagem-máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996. PAUL, Christiane. Digital Technologies as a Medium. Virtual reality and augmented reality. In:

DIGITAL ART. London, UK: Thames & Hudson Ltd. , 2003. pp. 125-132. PASK, G. An approach to cybernetics. London : Hutchinson, 1968. 128p. PLOMAN, E.W. Introduction. The Science and Praxis of Complexity: contributions to the Symposium held at Montpellier, France, 9-11 May, 1984 . Tokyo: The United Nations University,

1985.

PRATSCHKE, A., TRAMONTANO, M. Interfaces ou o querer-se flutuar entre. In: revista Saberes Joinville, 2004. PRICE, C. Re: CP. Birkhauser, 2002. PRICE, C. The Square Book. London: Academy Press, 2003. PRIGOGINE, I. New perspectives on complexity. The Science and Praxis of Complexity:

contributions to the Symposium held at Montpellier, France, 9-11 May, 1984. Tokyo: The United Nations University, 1985.

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007

TRANS-AÇÕES SUJEITO|OBJETO: O ESPAÇO COMO EMERGÊNCIA | clarissa ribeiro | FILE 2007 PRIGOGINE, I. Estruturas dissipativas.

PRIGOGINE, I. Estruturas dissipativas. Entrevistadora: Guitta Pessis-Pasternak. In: PESSIS- PASTERNAK, G. Do caos à inteligência artificial: quando os cientistas se interrogam. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993. PRIGOGINE, I. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: UNESP, 1996. 199p QUÉAU, Ph. La planète des esprits: pour une politique du cyberespace. Paris: Odile Jacob, 2000. SANTOS, M. A Natureza do Espaço. Ed. Hucitec, 1999. SANTOS, M. A Técnica, Espaço Tempo — Globalização e Meio técnico científico informacional. São Paulo: Ed. Hucitec, 1994. SHANNON, C. E. The Lattice Theory of Information. In: Claude Elwood Shannon: collected Papers. New York: IEEE Press, 1993.p. 180-183. SPILLER, N. (ed.) Cyber_Reader. Critical writings for the digital era. London: Phaidon Press Limited, 2002. TESTA, P; WEISER, D. Emergent Structural Morphology. Architectural Design: Contemporary Techniques in Architecture, London: Wiley-Academy, v. 72, n. 1, january 2002, p. 14. TSCHUMI, B. Responding To The Question Of Complexity. JPVA – Journal of Philosophy and the Visual Arts. London: N.6, 1995. VIOLLA, B. Reasons for Knocking at an Empty House. Writings 1973-1994. Massachusetts: The MIT Press, 1995. 301 p. VIRILIO, P. A Landscape of Events. Tradução Julie Rose. Massachusetts Institute of Tecnology, Massachusetts, 2000. WEINSTOCK, M. Morphogenesis and the Mathematics of Emergence. Architectural Design:

Emergence: Morphogenetic Design Strategies, Guest-edited by Michel Hensel, Michel Weinstock e Achim Menges, London: Wiley-Academy, v. 74, n. 3, may/june, 2004, p. 10-17. WIENER, N. Cibernética e sociedade: o uso humano dos seres humanos. Tradução de José Paulo Paes. São Paulo: Editora Cultrix, 1954. WIENER, N. Cibernética. Ou controle e comunicação no animal e na máquina. Tradução de Gita K. Ghinzberg. São Paulo: Editora Polígono, 1970.