Você está na página 1de 8

CATÁSTROFE NA MADEIRA

CIAL
ESPE

39 MORTOS CONFIRMADOS
29 DESAPARECIDOS
600 DESALOJADOS
1000 MILHÕES DE PREJUÍZO

Um ‘tsunami’
vindo do céu!
A intempérie que atingiu a Ilha da Madeira, causando dezenas
de mortos (segundo dados do Governo Regional já há 39 mor-
tos registados, mas o número pode aumentar, pois ainda há 29
pessoas desaparecidas), mais de seis centenas de desalojados
e milhões de euros de prejuízos, pode comparar-se a um ver-
dadeiro tsunami, vindo dos céus, autêntica tempestade assassi-
na que devastou, quase por completo, a bela ilha atlântica.
A calamidade que Alberto João Jardim não quer decretar é,
infelizmente, uma triste realidade. O presidente do Governo
Regional receia que, ao ser admitida tal situação, o território, que
vive essencialmente do turismo, venha a ser prejudicado nas
suas receitas, agora mais do que nunca necessárias para a
plena recuperação da ilha.
Portugal uniu-se em torno do drama madeirense e as ajudas
Um dos muitos chegam de toda a parte. Postas de lado politiquices que agora
corpos encontrados nada adiantam para o ressuscitar da região, o povo madeirense,
sob os escombros com a sua tenacidade e voluntariado, já deitou mãos à gigan-
da enxurrada tesca obra que os espera, garantindo ao mundo que em breve a
Madeira voltará a ser um jardim!
CATÁSTROFE NA MADEIRA

Mais de 200 milhões


de prejuízos no Funchal
Os prejuízos na Madeira são superiores a 200 milhões de
euros. Trata-se de uma primeira estimativa e só para a cidade
do Funchal. Para cobrir os estragos em infra-estruturas, edifícios
da Câmara Municipal e habitações vão ser necessários 77
milhões de Euros. Ainda em termos de estimativa os prejuízos
dos comerciantes é para já de 140 milhões.
Estão encontrados os primeiros números para os estragos
provocados pelo mau tempo que assolou no passado sábado a
região da Madeira. Só na cidade do Funchal, onde os estragos
foram maiores, os prejuízos podem ultrapassar os 200 milhões
de euros. No entanto, há quem refira que o prejuízo total pode
atingir os mil milhões de euros.
Feitas as primeiras estimativas as autoridades já chegaram à
conclusão que só na reconstrução das infra-estruturas, edifícios
da Câmara Municipal do Funchal e ainda em habitações de
particulares serão necessários cerca de 77 milhões de euros.
Enormes prejuízos vão ter também os comerciantes da capital
madeirense, principalmente os que têm os seus
estabelecimentos situados na zona baixa da cidade, sendo que
a estimativa só para este caso chega aos 140 milhões de euros.
O Parlamento Europeu já veio esclarecer que não está prevista
qualquer possibilidade de apoio à região da Madeira no valor de
48 milhões de euros, ao contrário do que foi anunciado.
Num esclarecimento à imprensa, o Parlamento Europeu veio
dizer que a Comissão Europeia não se comprometeu com
qualquer valor de ajuda à Madeira e que só um erro de tradução
é que possibilitou que essa possibilidade fosse avançada assim
como o valor de 48 milhões de euros.
A referência feita pelo comissário alemão Gunther Oettinger,
responsável pela Energia, aos 48 milhões de euros para a
Madeira “não foi clara na interpretação feita em várias línguas”,
pode ler-se no esclarecimento à imprensa.
CATÁSTROFE NA MADEIRA

Cavaco elogia “grande


serenidade” de todos
O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, elogiou e a
resposta “cívica” e de “grande serenidade” de todos os
madeirenses à “tragédia”, sublinhando a ausência de assaltos e
roubos na região depois do temporal.
“Quando existem estas tragédias pode haver a tentação para
assaltos, para roubos. Não se tem verificado, a resposta da parte
dos madeirenses tem sido, na generalidade, de todos, uma
resposta muito cívica, com grande serenidade”, afirmou Cavaco,
em declarações aos jornalistas no final de uma visita de trabalho à
Direcção Nacional da PSP.
O chefe de Estado, que durante a visita inaugurou o sistema de
videoconferência com o comando da PSP do Funchal, partiu,
depois, para uma visita à Madeira, para ver no terreno a dimensão
dos estragos provocados pelo temporal.

Os trabalhos de
limpeza e as
buscas por pessoas
desaparecidas
foram encetados de
imediato. A ilha,
destruída por um
autêntico dilúvio,
quer reaver a sua
imagem paradisíaca
no mais curto
espaço de tempo
CATÁSTROFE NA MADEIRA

Alberto João Jardim quer pôr “tudo bonitinho”


O presidente do Governo Regional, Alberto João Alberto João Jardim lembrou que a tempestade ajuda estrangeira, o senhor primeiro ministro prefere
Jardim, disse que o intuito do seu Executivo “é pôr tudo provocou “uma situação muito grave em todo o país, coordenar a ajuda estrangeira entre nós dois e a União
bonitinho” depois da situação “muito grave” de uma situação de precipitação como nunca houve desta Europeia”. “Vamos durante esta semana contabilizar
precipitação que não tem precedentes no país. vez”. tudo, talvez para a semana haja uma reunião em
“Agora, o nosso intuito é esta nova grande batalha a Depois de uma visita aos locais atingidos nos Lisboa em função do que for inventariado e
vencer, pôr tudo bonitinho, pôr tudo no seu lugar, concelhos do Funchal e da Ribeira Brava, Alberto João contabilizado”. Jardim pediu para que apenas os
demore o tempo que tiver que demorar”, disse Alberto Jardim revelou que falou hoje com José Sócrates: “Já funcionários públicos envolvidos nas operações
João Jardim no final da visita que efectuou aos estive também esta tarde a falar de novo com o senhor compareçam ao serviço e elogiou os apoios das Forças
desalojados no Regimento de Guarnição Número 3. primeiro ministro, continuam a chegar as propostas de Armadas, dos bombeiros e do serviço de saúde.
26 Fevereiro 2010 23

COMUNIDADES
DIA DE PORTUGAL 2010, EM LONDRES

António Cunha põe cobro a polémicas


“Defendo que a união entre todos os social britânica. Admite ter vindo a discutir este
António
portugueses é mais importante que tudo o resto”, Cunha quer assunto junto da Câmara de Lambeth e da
disse-nos telefonicamente António Cunha, ver todos Embaixada, desde Outubro do ano passado, mas
conselheiro das comunidades portuguesas, e unidos em acusa a inércia das autoridades para que, este ano,
acrescentou que não há, da sua parte, uma torno do não venhamos a ter outro tipo de Dia de Portugal.
Dia de
imposição ou um exclusivo de organizar o Dia de A polémica sobre a festa do Dia de Portugal
Portugal de 2010. “Defendo sim, que esta festa
Portugal
2010 começou na altura em que, tal como Esclarecimento de
deveria ter outra dimensão”, explica o conselheiro
que advoga “a participação obrigatória das
noticiámos, Rui Simões, representando uma das
comissões organizadoras deste ano, se apresentou Monsenhor Vaz Pinto
autoridades portuguesas, a nível do Consulado ou ao Embaixador de Portugal no Reino Unido, Do monsenhor Vaz Pinto,
Embaixada, e festejos mais diversificados por três António Santana Carlos, e foi notificado sobre a recebemos para publicação um
d i a s ” c o n s e c u t i v o s . A s e u v e r, “ t o d o s existência de uma outra comissão liderada por esclarecimento que passamos a
beneficiariam” e não daria azo a “tentativas de António Cunha. publicar:
divisão”. Ao ser confrontado com o pedido formal de “São muitos os amigos que, de
Segundo o conselheiro, o envolvimento das apoio às candidaturas, o diplomata português fez Londres, me telefonam,
autoridades portuguesas iria garantir que se conhecer que a embaixada defendia a união entre congratulando-se pela minha
falasse ou criticasse menos as sucessivas as duas comissões e ao aperceber-se de algumas presença na festa da “Fidelidade”,
comissões após as festividades, credibilizava as incompatibilidades, disponibilizou-se a no dia 10 de Abril.
comemorações e assegurava a sua continuação de intermediar a questão. Ainda segundo o Quero dizer a todos esses bons
uma forma mais formal e de maior dimensão. “representativa e digna”, com outra aceitação da embaixador, ambas as partes não se prestaram a amigos que, por motivos de ordem
Na opinião de António Cunha, a organização parte da população local e da maioria dos reunir-se e a embaixada, consultada pela Câmara pessoal, não poderei estar presente,
deste evento num só dia e por cinco horas é uma portugueses. de Lambeth, decide pedir ajuda à edilidade. A como seria o meu desejo, nessa
“fórmula já muito gasta” e os festejos do Dia de O Conselheiro defende a questão de imagem, comunidade portuguesa, os conselheiros e o nosso Festa que marcará o Ano
Portugal e das Comunidades deveriam partir para que chamasse mais atenção a todos os jornal reagem e questionam a oportunidade desta Sacerdotal. Claro que gostaria
outra dimensão, que defende como mais intervenientes da sociedade e da comunicação medida. No fundo é a festa do Dia de Portugal e imenso de reviver aqueles belos
de todos os portugueses, e a maioria recebe esta tempos em que, nos 21 anos de
posição da Câmara de Lambeth como uma permanência no Reino Unido, se
ingerência nos assuntos da comunidade criaram tantos laços de profunda
portuguesa. amizade e de comunhão sincera
Tanto a câmara como a embaixada reconhecem que dificilmente se apagarão do
a razão da reacção dos clubes, associações, meu espírito… Só que, pelas razões
conselheiros e medias portugueses e, sem intervir, apontadas, desta vez não pode
disponibilizam-se a dar apoio a qualquer decisão ser… Isso mesmo fiz ver ao
que garante o “êxito da Festa do 10 Junho”. capelão das Comunidade
E a paz volta a reinar à volta das festividades do Portuguesas quando fez o favor de
Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades me convidar para participar nessa
Portuguesas. António Cunha recua em prol da celebração. Depois, nas duas cartas
união entre todos e seca qualquer possibilidade de que lhe escrevi e até, mais tarde,
polémica, numa posição que reconhecemos digna por telefone, confirmei-lhe esta
e correcta, própria do líder dos conselheiros da minha decisão. Mas, não podendo
comunidade portuguesa no Reino Unido. estar presente fisicamente, faço
“Estou muito contente com o desfecho deste votos para que a Festa da
assunto”, disse-nos Rui Simões e acrescentou que “Fidelidade” corra da melhor
“gostaria de agradecer a todos os intervenientes, maneira possível. Da minha parte,
pela forma elevada e cívica como enfrentaram as pedirei ao Senhor que dê à sua
contrariedades e as solucionaram.” Igreja, muitos e santos sacerdotes.
Rui Simões, ao nosso jornal, admite que nem Para todos os Bons Amigos, aqui
“todos podemos pensar da mesma maneira. vão as minhas melhores saudações,
Temos de aceitar as críticas de uma forma com votos de muita saúde, paz e
humilde e adulta” e garante que o Dia de Portugal alegria.
não vai “dividir”, todos terão a sua quota-parte na Um abraço em Cristo Sacerdote, do
Rui Simões, Steve Reed e o Embaixador de Portugal: o interesse da comunidade está acima das querelas... festa. sempre amigo Padre Vaz Pinto”
PUB.
27

Uma nova Revolução está a caminho!


E esta vai ser pela PÁTRIA, doa a quem doer!
e se pretender ser honesto, não pode dizer-se que tenha Antes de 1974 circulava-se em paz noite e dia pelas ruas de uma forma descarada, são os Senhores Pinto de Sousa a que

S havido um único período a seguir ao 25 de Abril em


que a economia, a sociedade, a moral, o bem-estar dos
cidadãos, etc., tenha melhorado relativamente ao
estado em que se encontrava à data de 24 de Abril de
1974. De facto, a revolução de há 35 anos, trouxe esperanças
aos incautos e aos oportunistas, ao falar das “mais amplas
liberdades”, da “longa noite fascista”, do “isolamento nacional
Lisboa, como pelas de Luanda ou de Lourenço Marques, entre
muitas outras. Hoje só um inconsciente destemido se passeia
tranquilamente de noite ( e às vezes de dia) por essas mesmas
cidades. O crime aumentou a uma escala assustadora. E quer se
queira quer não, muito desse crime tem ligações directas ou
indirectas, como se constata ao ler os jornais, não só à miséria
em que vivem muitos seres em Portugal, mas também aos
temos direito, ou os senhores Passos Coelhos a servirem de
sombra a negócios inconfessáveis de Ângelos Correia e outros.
A porcaria é toda a mesma.
Vivemos actualmente num país desgastado, onde parece ser
mais valorizado ser “Gay” do que ser viril, onde parece ser mais
valorizado ser um político ou gestor corrupto, do que um
cidadão honesto e trabalhador.
relativamente ao estrangeiro”, que era falso. A realidade, veio lobbys políticos e do futebol, que muitas vezes se confundem. A segurança social não funciona; a saúde, é para os ricos; as
justamente a provar o contrário. Portugal passou a ser, de Portugal como que se decide hoje em prostíbulos. reformas estão em perigo, se bem que haja senhores como por
Nação independente que era, uma espécie de amálgama de Quer isto dizer que o 25 de Abril foi uma data que nada de exemplo essa inteligência chamada de Mira Amaral, que
disparates e crimes que se têm vindo a desenvolver com mais original nem bondoso trouxe ao Povo Português; antes, colecciona cargos, vencimentos e reformas, e que em tempos
descaro nos últimos tempos, e comandada pelos interesses de importou cirurgicamente tudo aquilo que havia de mau pelo terá dito em público que tinha como sonho ter um Porsche e
alguns, Portugueses ou não. Mundo, a Ocidente e a Oriente. Acabou-se com a chamada uma casa na Quinta da Marinha... que parece que já possui.
Abril trouxe a Portugal o descalabro económico, a droga, a “Censura” do Estado Novo, para termos agora num Estado dito Querem aumentar os Impostos, não sabendo economizar, o
insegurança, a amoralidade social, a corrupção na sua faceta Democrático, a descarada Censura Socrática, que a todos quer que significa que todo e qualquer montante que pagamos ao
mais descarada e impune. calar, desde que tentem pôr a nu a vigarice que nos impõem estado, se perde nos bolsos ou nas mordomias de um dos
Basta consultar os indicadores económicos e sociais, para para seu belo proveito. “nossos” homens da oligarquia dominante. Parece que não vale
constatar que regredimos aos tempos em que os militares Portugal é hoje um dos países mais atrasados do Mundo a pena trabalhar, que com os Impostos que pagamos, mantemos
decidiram chamar Oliveira Salazar em nome da salvação Ocidental, com mais insegurança, em vésperas de muito um grupo alargado de proxenetas a viver á nossa custa, e da
nacional, pois que os Republicanos haviam deixado a Pátria provavelmente vir a ser vítima das bombas da ETA, com um dívida crescente em que mergulharam a nossa Pátria.
destroçada. Enfim, regredimos aos tempos em que a Maçonaria tecido social criminosamente destruído, e com uma economia Quase que temos que pagar para respirar. Para engordar os
mandava, como hoje, em Portugal. quasi irremediavelmente morta. bolsos dos “Boys” incompetentes que são colocados nas PT’s,
Deitaram-se fora 48 anos de paz e progresso, não obstante a Quem ganhou afinal com este estado de coisas? Para o saber, nas ANACOM’s, nas EPAL’s, e em todas as outras grandes
guerra controlada que se travava no ultramar contra os basta ver quem tem bom nível de vida em Portugal, apesar da empresas que não passam de agências de emprego para estes
terroristas a soldo de Moscovo e de outras potências e interesses enorme crise que vivemos, quem tem poder, quem são os miseráveis ligados aos sinistros partidos políticos.
inconfessáveis. “homens de sucesso” da nossa Pátria. Que automóveis têm Vale a pena viver em Portugal? Diria que já não. Mas amo
Perguntar-se-á então: para que serviu o 25 de Abril de 1974? comprados (com o nosso dinheiro) os “homens do poder”, profundamente a minha Pátria. E quando vejo os casos
E a resposta é simples: numa primeira fase para fazer a quanto gastam, qual o luxo que se vive na Assembleia da Freeport, Cova da Beira, Face Oculta, Universidade
criminosa descolonização, e para perpetrar o roubo das República, sem qualquer tipo de pejo. Quem ganhou com o 25 Independente, fico ao mesmo tempo contente e triste. Contente,
Nacionalizações, abrindo espaço ao crescimento do de Abril, foram quase todos, senão todos aqueles que se por constatar que eu não sou um qualquer corrupto da laia
comunismo, na Metrópole e no Ultramar. Numa segunda fase, inscreveram nos partidos políticos, que nada mais fazem do que destes Socráticos senhores que nos (des)governam. Triste,
para criar aquilo a que chamaria de regime da oligarquia partir (como a própria palavra o diz) a Nação. porque ao amar profundamente a minha Pátria, constato que a
desonesta mais ou menos soarista, que destrói em proveito Os militares, passaram de heróis a acomodados poltrões que mesma foi assaltada por uma espécie de bandoleiros, que só se
próprio esta pátria secular. entre negócios e boa vida, optaram por morrer na cama, em vez forem escorraçados de uma forma violenta e radical, é que
Hoje ninguém consegue contradizer que a descolonização foi de morrer na defesa da Pátria. permitem que Portugal venha a recuperar.
uma tragédia para o Portugal continental e para os territórios Os actuais “empresários” de sucesso, são na sua maioria De novo hoje, como a seguir à queda da 1ª república, com
que vieram a ser independentes, que as nacionalizações apenas aqueles que contribuíram para a criação deste insustentável enormes sacrifícios, e apenas se, como Manuela Ferreira Leite
serviram para destruir o tecido económico nacional, que o polvo que nos circunda. A economia Portuguesa vivia, antes do disse, tivermos um Estadista. Só que esse Estadista, não pode
divórcio apenas serviu para o início pensado da 25 de Abril, fundada nos pequenos empresários, e nos grandes emergir do actual sistema, pois que o mesmo está corrompido.
descredibilização da secular instituição chamada de família, grupos industriais, quase todos com uma obra social aceitável. Há que romper com ele! Há que refundar este Portugal
que o aborto foi o expoente máximo dos princípios homicidas Nos nossos dias, os empresários de sucesso, ou estão macerado até ao limite! Com um novo regime, com um novo
e cobardes dos governantes do sistema, ao permitir a matança directamente ligados aos Partidos Políticos, ou são os senhores sistema. Temos que fazer uma revolução!
dos inocentes, que por inércia do sistema, a pedofilia é um acto Belmiros e Amorims que cresceram todos sabemos como. Por Portugal, e mais nada!
sem castigo, e quem sabe se qualquer dia enaltecido, com a O poder, é constituído por um bando de descarados que dele António de Oliveira Martins
eutanásia, e a poligamia, entre outros nojos sociais. se servem para enriquecerem e moverem as suas influências de Lisboa

PUB.