Você está na página 1de 15

Concepção e Avaliação em e-Learning

Actividade 2

Actividade 2

Tradução, em trabalho colaborativo, do texto:

CARR-CHELLMAN, Allison & DUCHASTEL, Philip (2000) "The ideal online course". British Journal
of Educational Technology, Vol 31, Nº3 (229-
241).http://www.personal.psu.edu/users/k/h/khk122/woty/F2FHybridOnline/CarrChellaman%202000
.pdf

Traduziram:
Luís Miguel Rodrigues
Maria de Lurdes Martins
Pedro Teixeira
Rosalina Simão Nunes

1
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

O curso online ideal

Alison Carr-Chellman e Philip Duchastel

Dra. Carr-Chellman é professora assistente de Sistemas Educacionais na Faculdade de Educação da


Universidade Estadual da Pensilvânia. Ela fez o seu doutoramento na Universidade de Indiana e
estuda estudos sistêmicos e estuda as mudanças sistêmicas, design de utilizadores e a alterações da
tecnologia assistida . Esteve envolvida no design instrucional do ensino a distância e Internet para a
sala de aula. O Dr. Duchastel está envolvido na educação a distância desde o início dos anos 70,
quando ingressou no Instituto de Tecnologia Educacional na British Open University. Participou no
desenvolvimento de um programa de doutoramento oferecido à distância no campo da tecnologia
instrucional [http://www.nova.edu/pet/].

Endereço para correspondência:


Alison A Carr-Chellman, Pennsylvania State University, 307 Keller Building, University Park,
PA 16802, USA. PA 16802, E.U.A..

Resumo

Este documento aborda muitas das questões fundamentais que surgem aos designers de web-
based de cursos universitários. Projectado a partir do ensino a distância e com base no design da
web-based, desenvolvemos um conjunto de componentes fundamentais que devem ser abordados
quando se projecta um modelo de curso online. Tal análise obriga a considerações sobre o que
constitui um bom ensino online, assim como o bom uso das tecnologias que estão cada vez mais
presentes nos nossos ambientes de ensino.

Introdução

O recurso à Web-based é uma forma nova e popular de educação que tem vindo a ser adoptada
em todos os níveis de escolaridade e tem gerado um grande interesse na comunidade da
tecnologia instrucional R & D (Kahn, 1997, 1998; Hackbarth, 1997). No entanto, a criação de cursos
online de sucesso permanece uma proposição complexa. É fácil para experientes designers
instrucionais reconhecer bons cursos na Web: é também evidente que econtrar em cursos online
muitas falhas, tendo em consideração o projecto básico e que a web é muitas vezes usada
simplesmente como um meio para a entrega do ensino, criado, apenas, dentro doutro contexto.
Essa transposição de um meio para outro pode ter algum valor para atingir certas metas, mas
também se corre sérios riscos de diluir a origem do ensino e, eventualmente, torná-lo ineficaz.

Neste trabalho, nós começamos por construir um conjunto de recomendações para a criação de
cursos web-based e começamos a enfrentar algumas das questões que surgem em tal
empreendimento. Nós consideramos o espectro total do projecto, incluindo o conteúdo e os
elementos de tecnologia. Os elementos de conteúdo são elementos básicos de design instrucional,
tais como os objectivos e os outros componentes do design instrucional tradicional (ver, por

2
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

exemplo, Dick e Carey, 1996). Elementos de tecnologia são os elementos da infra-estrutura do curso
que suportam aprendizagem, tais como áudio-conferência, chat de internet, páginas web, etc.

Para concentrar o nosso esforço, vamos tentar explicar o curso online ideal. A primeira questão a
fazer é "Existe um curso ideal " claro que não há apenas um modelo, em vez disso, podemos
encontrar muitas formas de" ideal. Nós reconhecemos abertamente que esta é apenas a nossa
concepção do que o ideal poderia ser, baseado na nossa experiência. Juntamente com vários anos
de experiência em educação on-line. Dr Duchastel esteve envolvido em educação a distância desde
a década de 1970 quando ingressou no Instituto de Tecnologia Educacional do British Open
University. Participou do desenvolvimento de uma programa de doutoramento à distância na área
da tecnologia instrucional. Dra. Carr-Chellman tem ensinado ou pesquisado baseados programas de
grau na web há três anos e está à vontade na matéria.

Juntos pensamos poder representar um espectro de experiências e fazer um balanço crítico e


optimista. Outros terão as suas próprias concepções de ideal, e isso, naturalmente, convida ao
diálogo, ao debate e aperfeiçoamentos, e este é, afinal, a melhor maneira de avançar no âmbito do
ensino online. Baseamos o nosso "ideal" no pensamento actual em tecnologia instrucional
(Jonassen, 1996; Moore e Kearsley, 1996; Collis, 1996). No futuro, as tecnologias de componentes
vão evoluir e tornar-se cada vez mais fáceis, integradas num filosofia generalista de facilitar o uso
da tecnologia. A visão, a tecnologia e a teoria estão necessariamente cada vez mais ligados com a
evolução dos tempos.

O que é um curso online?

Um curso online é um curso baseado essencialmente na Internet (ou intranet, dentro de uma
organização). Especificamente, nós estamos a lidar, neste trabalho, com cursos baseados na web,
embora outros componentes possam estar envolvidos (na verdade, há muitas formas de
abordagens mistas). O nosso foco principal é sobre o uso ideal da rede mundial de computadores
como a principal ferramenta de comunicação dentro de um curso. Estamos interessados em ajudar
os outros a tirar o melhor proveito da web em termos de explorar as vantagens que os media
proporcionam . É interessante notar, portanto, que outros ainda un-integrated media (e-mail, por
exemplo) são considerados aqui, pois parece que será, apenas, uma questão de tempo até que
todos os componentes tenham lugar na web: o último, em seguida, tornando-se, por fim, o meio de
comunicação no meio digitail.

Os cursos online requerem uma infra-estrutura informática acessíveis, mas bastante sofisticado (ao
contrário da educação a distância tradicional, tendo como base o texto) para assegurar que toda a
comunicação ocorre sem contratempos. Por exemplo, os servidores que podem oferecer streaming
para os recursos de áudio e vídeo podem ser benéficos em muitas circunstâncias. Os cursos online
deverão, assim, tirar o máximo partido das oportunidades oferecidas pela web.

Porquê cursos online?

Uma citação interessante de um artigo recente da revista Forbes define, com justiça, o contexto de
educação online dentro da tradição da educação a distância: "Detroit faz carros de luxo e despido
economia carros, quatro unidades de roda e conversíveis esporte. Colégio Inc. faz apenas um

3
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

modelo caro, com assentos de couro e ar-condicionado. A tecnologia está mudando isso. "(Forbes,
16 de junho de 1997, p.84)

A Educação a distância parece ser uma importante resposta para as necessidades do


desenvolvimento profissional das grandes massas da população. Como o escritor Forbes afirmou
acertadamente, hoje em dia, as pessoas não precisam ou não podem suportar a passagem pela
universidade como experiência residencial. Em vez disso, devemos ir ao encontro dos estudantes
onde eles estiverem (muitas vezes já no mercado de trabalho) e trabalhar com eles de forma a
tirar o melhor partido da sua disponibilidade de tempo, energias e interesses.

Além disso, com o recente advento de ferramentas baseadas em web design, é mais vantajoso,
economicamente, justificar as despesas das universidade e orçamentos com o ensino a distância.
Os custos reduzem anualmente (ver Daniel, 1996, para um análise da situação), tornando-se viável
para todas as instituições ou mesmo em situações individuais, os professores a entrarem no mundo
da educação on-line.

A evolução aponta no sentido de muitas das instituições tradicionais de educação à distância


começrem disponibilizar os seus cursos online. Um bom exemplo desta tendência é a British Open
University, uma das mais veneráveis instituições de ensino a distância contemporâneas. Assim, as
instituições tradicionais estão a expandir-se para além fronteiras (tanto conceitual como
geograficamente) para começar a ter iniciativas de educação a distância, utilizando as tecnologias
para melhor atingir as respectivas circunscrições Devido a essa expansão, é importante projectar
cuidadosamente os cursos de educação a distância de forma a tirar o melhor partido das
tecnologias disponíveis.

A educação a distância tem tido, naturalmente, uma tradição de entrega de ensino a distância. No
entanto, dada a ênfase dada, hoje em dia ao acesso à informação via Internet, a tradição tem
tendência a ser alterada. Estamos a caminhar para um paradigma que podemos designar de
"Aprender sem distância". Na verdade, temos necessidade de começar a pôr de parte a a expressão
"sistema de entrega", em qualquer discussão sobre educação a distância ou instruções online e
começar a falar de estruturas conceptuais que enfatizem o início do acesso do aluno; assim,
expressões como "organização instrucional" ou "criação de materiais de aprendizagem" são mais
adequadas quando pensamos nas instruções online. O novo paradigma caminha mais para a
disponibilização de recursos e actividades de aprendizagens para os alunos do que para para
disponibilizar instrução a distância. E isso não é muito diferente do movimento de aprendizagem
"just-in-time" , desenvolvido em ambientes de formação na América corporativa. Na verdade, o
que precisamos de pensar hoje em dia como ideal no ensino a distância é estar no lugar certo, à
hora certa.

Uma das implicações da mudança de paradigma que estamos a presenciar é que a educação a
distância, como a conhecemos, vai desaparecer. No seu lugar, vamos ver um grande crescimento
daquilo que costuma ser conhecido por aprendizagem distribuída (Bates, 1995), ou d aprendizagem
flexível (Stacey, 1995). Um exemplo da fusão das fronteiras da entre a educação à distância e
presencial (face-a-face) pode ser observada na Universidade de Deacon, na Austrália
(http://www.deakin.edu.au/), onde parte da instrução é presencial e a outra parte é disponibilizada

4
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

online. A própria distinção entre ensino presencial e ensino online está a desaparecer. A educação a
distância tradicional (isto é com o suporte em papel - cursos por correspondência, por exemplo)
podem continuar a ser extremamente útil em países onde as infra-estruturas informática ainda não
sejam suficientemente sofisticadas para suportar o ensino online. Mas chegará um momento em
que as instituições desses países em desenvolvimento terão condições para explorar plenamente o
potencial das novas tecnologias.

Um dos grandes conflitos no ensino online de hoje reflecte traduz-se na discussão entre o ensino-
behaviorista versus ensino-construtivista. O ensino deve estar centrado no professor ou no aluno?
Partindo das nossas experiências, ambas as perspectivas podem promover o sucesso no ensino e
aprendizagem online e não há, provavelmente, uma resposta fácil para este debate. Porque essa
discussão se baseia em crenças epistemológicas, acreditamos que os designers e os instrutores
precisam de escolher a melhor forma de conjugar experiências de aprendizagens behavioristas e
construtivistas na criação dos seus cursos online. Na verdade, esta discussão poderia ser, por si,
tema de outra discussão sobre a aprendizagem on-line. Actualmente, a grande maioria dos
materiais de aprendizagem online, em particular os que se traduzem directamente de notas de aula
residencial, são de natureza behaviorista. Criando cursos online centrados no aluno e baseados na
teoria construtivista, poderão surgir uma série de obstáculos que podem desafiar, em grande
escola, a economia das universidades interessadas na web como um gerador de receita.

A distinção entre a instrução online e a instrução presencial está a desvanecer-se. A educação a


distância tradicional (ex. cursos baseados na correspondência ) podem continuar a ser muito úteis
nos países onde as infraestruturas necessárias para os computadores ainda não são suficientemente
sofisticadas para suportar cursos online. Chegará o momento em que as instituições destes países
em desenvolvimento desenvolverão infraestuturas e será possível explorar as potencialidades das
novas tecnologias.

Na actualidade, um dos maiores conflitos no ensino online espelha o conflito entre instruções
behavioristas ou construtivistas? Centradas no professor ou no aluno? Partindo da nossa
experiência, ambas as orientações podem ter sucesso no ensino e aprendizagem online,
não havendo uma resposta fácil a estas questões.

Porque este debate se baseia actualmente em crenças epistemológicas, a nossa sensação é que os
designers e os instrutores precisam de escolher para si a melhor combinação de
experiências behavioristas e constructivistas para seus cursos de aprendizagem on-line. Na verdade,
o debate propriamente dito poderia ser o tópico de outra discussão sobre aprendizagem on-line.
Como podemos ver aactualmente, a grande maioria dos materiais de aprendizagem on-line,
particularmente aqueles traduzidos directamente a partir de anotações de palestra residenciais, é
behaviorista por natureza. A criação de cursos online constructivistas ou centrados no aluno
apresenta uma série de obstáculos que podem desafiar as economias de escala das universidades
interessadas na web como um gerador de receita. No entanto, vislumbramos um futuro promissor
para os cursos online orientados para os estudantes e para aprendizagens constructivistas,
necessários em contextos específicos com interação em torno do aluno e negociando as
aprendizagens. Assim, um ambiente decididamente centrado no aluno sobresssai de acordo com a
nossa perspectiva.

5
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

Tecnologias envolvidas no curso on-line ideal

Não é suficiente a mera transposição dos cursos tradicionais, para o novo meio da web, a fim de
criar uma instituição online. Desta forma, não se tirará melhor proveito das oportunidades da web.
Há muitos exemplos infelizes na web em que essa transposição levou a um uso empolado deste
meio para fins instrutucionais. É preciso reconhecer que a educação online é um meio específico
por direito próprio e, portanto, para a eficácia do ensino, terá as suas próprias considerações em
relação ao design.

As actuais tecnologias envolvidas nos cursos online ideais são muitas. Estes cursos incluem
materiais textuais baseados na web, tais como guias de estudo (estes fornecem elementos
essenciais de roteiro similares aos dos cursos tradicionais), fóruns de discussão, tanto síncrona (ao
vivo, em tempo real) como assíncronas (distribuídos no tempo), e-mail, e comunicação por voz
através de qualquer Internet, telefonia, fluxo de áudio, ou tradicional. É importante lembrar que
estes elementos não precisam de estar fisicamente disponíveis num curso on-line. Na maioria dos
casos, um livro tradicional está devidamente previsto para o aluno estudar ao longo de um curso.
Outros elementos, como imagens e segmentos de vídeo, são adequados em muitas áreas de
ensino, mas não em todos.

O curso on-line ideal


Descrevemos, nesta secção, a nossa concepção dos elementos de um curso online ideal.
Naturalmente, as orientações associadas ao curso online ideal, ou a qualquer curso ideal, só são
úteis na medida em que são mantidos pelos procedimentos de garantia de qualidade contínua. A
maioria das universidades tem departamentos relacionados com a educação online através de
educação continuada ou divisões de educação a distância. Estes serviços podem ser encarregados
da importante tarefa de seguir as directrizes de design rigoroso, assegurando que as ofertas online
são de grande qualidade. A nossa experiência sugere que, em alguns casos, tem sido dada mais
atenção à promoção e publicidade do que à garantia de qualidade de alguns programas
académicos online. No entanto, a atenção explícita aos procedimentos garante a qualidade,
podendo contribuir para atenuar esta situação. Essa atenção irá aumentar a qualidade, mas também
poderá aumentar os custos.

O guia de estudo

Talvez o elemento central de um curso on-line seja o guia de estudo online. O guia de estudo é a
referência principal, que o estudante tem, ao conteúdo, à estrutura e às actividades relacionadas
com o curso on-line. A essência de um curso online reside na organização de actividades de
aprendizagem que permitem ao aluno alcançar determinados resultados de aprendizagem. É
importante notar, aqui, que a tradicional entrega de instruções recebe muito menos atenção nos
cursos online do que num contexto tradicional de ensino superior dos cursos presenciais. Estamos a
dirigir-nos, aqui, em direcção a um ensino mais centrado no aluno e nas actividades de
aprendizagem baseadas em ambientes de design. O guia de estudo deve incluir bons elementos
tradicionais de design instrutucional, nomeadamente, a descrição clara dos objectivos de ensino-

6
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

aprendizagem e os objectivos do curso. Estes últimos são expressos em termos de aprendizagem


do aluno, em oposição aos contidos na divulgação global. O guia de estudo inclui também a lista
de recursos de aprendizagem, tais como capítulos dos livros a ler, artigos associados a consultas,
leituras complementares e sites de interesse fora dos referenciados dentro do próprio curso. O guia
de estudo, deve, naturalmente, incluir as atribuições ou projectos que os alunos irão desenvolver,
juntamente com uma indicação clara dos elementos de qualidade que compõem os critérios de
avaliação.
O guia de estudo online, ainda que semelhante ao programa dum curso tradicional, é também
muito diverso deste. Os guias de estudo online devem fornecer um nível de detalhe suficiente para
habilitar o aluno a prosseguir as suas actividades sem uma substancial interacção pessoal ou
esclarecimento do instrutor. Naturalmente, a assistência do instrutor é disponibilizada durante todo
o curso online ideal, no entanto, à medida que a aprendizagem se torna mais independente,
atingindo, assim, tanto os meios como um objectivo importante da aprendizagem, com descrições
claras e indicações que são imperativos no guia de estudo online. Há muitos exemplos de guias de
estudo online disponível na internet. Um exemplo é o nosso próprio curso de design instrucional
[http:www.fcae.nova.edu/ ~ duchaste id.html /].

Sem um livro online

O curso online ideal geralmente não deve ter os recursos primários online. A grande desvantagem
de materiais em texto encontra-se na interface pobre que a tela do computador oferece para a
leitura, em comparação com a interface usual do livro, que terá, presumivelmente, sido projetada
cuidadosamente para ser usada como um texto (Jonassen, 1982). É, de facto, muito mais fácil para
os alunos estudar a partir de um livro tradicional do que vaguear por materiais textuais online de
qualquer dimensão. Além disso, a portabilidade dos manuais tradicionais torna-os recursos muito
atraentes para os estudantes que estão
estão a ser solicitados para passar muito do seu tempo online com outras experiências de
aprendizagem. Talvez um dos poucos casos de materiais textuais online é proporcionar aos alunos
o acesso ao trabalho mais recente em campos em que ainda não tenham sido publicados ou
incorporados livros didácticos tradicionais.

Pode haver algumas vantagens para alguns em mini-palestras online, quer em formato de áudio ou
vídeo, a fim de identificação o instrutor e transmitir uma orientação geral do assunto. No entanto,
como regra geral, a natureza activa da aprendizagem online opõe-se a grandes quantidades de
texto através de notas de aula, palestra ou transcrições de ser colocado online. Se o áudio ou vídeo
são usados dentro de um curso, é essencial que se mantenham mínimos (na forma de áudio ou
vídeo-clips), ao contrário de longas palestras. O seu objectivo não é, especificamente, transmitir
informações, em forma de conteúdo, a serem aprendidas pelo estudante, mas antes reforçar a
identificação dos estudantes com o curso, a motivação para aprender e a noção de personalidade
do instrutor a distância. O seu uso envolve uma função totalmente diferente da encontrada numa
palestra numa universidade tradicional e, portanto, assume uma forma completamente diferente.

Actividades

O curso on-line ideal é centrada no conjunto de tarefas de estudantes (projectos, actividades) que
constituem as experiências de aprendizagem em que os alunos vão participar, a título independente
ou em colaboração, para dominar os objectivos do curso. Dirigimo-nos para um modo de

7
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

aprendizagem que é menos dependente da aquisição de informações ou da cobertura de conteúdo


através de palestras e mais dependente da aplicação e uso de tais informações em contextos do
mundo real, sempre que possível. Duas dimensões são fundamentais para essa mudança. A primeira
é a importância da autenticidade nas tarefas que atribuímos alunos, de forma a optimizar sua
participação e envolvimento com o assunto (Jonassen et al, 1995; Wilson, 1996). Este nível de
autenticidade é necessário enraizando o interesse e a actividade por parte do aluno online, que
enfrenta a desvantagem de não ter a interacção social que sustenta as configurações tradicionais de
ensino. A segunda dimensão envolve um foco na busca de informações relevantes e pertinentes
para os objectivos de uma aprendizagem dentro da ampla gama de possibilidades, não só pelo
curso de materiais em si, mas também pela riqueza das informações e dos recursos de
aprendizagem disponíveis na internet.

Na verdade, a nossa educação online permite uma forma de instrução mais aberta e menos restrita
em termos de resultados de aprendizagem específicos, a atingir no decurso do que era possível
(Duchastel, 1997). Um curso universitário online deve proporcionar aos alunos os grandes
objectivos a atingir, deixando-os com uma margem substancial e iniciativa para perseguir seus
próprios objectivos. Isso pode levar a uma diversidade de resultados de aprendizagem entre os
alunos que estão a prosseguir os seus interesses individuais, dentro do contexto do curso comum.
Esta ênfase sobre as tarefas a serem realizadas como o elemento principal na estruturação do curso
está alinhado com a recente tendência em design instrucional para a aprendizagem baseada em
problemas e ambientes para os objectivos gerais prosseguidos neste âmbito design instrucional
(andDuffy Savery, 1996).

Um dos elementos cruciais é a transmissão atempada de feedback aos alunos, tanto para os ajudar
a refinar a sua aprendizagem, por exemplo, corrigir erros de conceitos que eles estão a desenvolver,
ou fornecer orientações gerais e uma estrutura para as actividades de estudo contínuo. Feedback,
particularmente em momento oportuno, pode ser uma relevante questão de carga de trabalho para
o instrutor ouo tutor do ensino online. Não há dúvida de que as instruções online requerem mais
tempo e atenção contínua para fornecer respostas rápidas às necessidades do aluno do que no
ensino tradicional presencial. Isto também é um desafio para as economias de escala associadas ao
entendimento dos administradores tradicionais de educação online. Porque o trabalho é
intensificado, a sobrecarga que representa para os docentes deve ser totalmente reconsiderada
nesta nova forma de educação. Não existe uma regra simples para este processo, mas é algo a ser
cuidadosamente analisada e estudada, a fim de libertar o professor para ensinar verdadeiramente
no curso em linha ideal.

Exemplos online

Um elemento potencialmente útil para os alunos na realização de suas tarefas de aprendizagem é a


disponibilidade prévia, para trabalhar, do aluno online. Isso proporciona aos alunos, actualmente
matriculados, uma indicação não só do nível de esforço necessário, mas também dos padrões de
qualidade do trabalho que o professor espera na realização dessas tarefas. As boas práticas de
design instrucional garantem a disponibilidade de uma gama de trabalho do aluno, se é que
possível, de modo a fornecer uma indicação muito clara do que é aceitável e menos aceitável. É,
naturalmente, muito importante para manter o anonimato das fontes de exemplos online,
especialmente no caso de um curso online ser aberto a qualquer pessoa que acesse a web.

8
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

Outra faceta de exemplos online é o incentivo para os actais alunos postarem as suas actividades
actuais de modo a torná-las disponíveis para os seus colegas do curso. Isso incentiva os alunos a
aprender com as experiências dos seus colegas na refinação de seu próprio trabalho. Isso também
incentiva o intercâmbio crítico, elevando-o a um nível de discurso intelectual sobre os méritos
relativos das abordagens específicas e resultados. Claro que pode haver desvantagens nessa
abordagem, incluindo a falta de confiança no seu próprio trabalho quando ocorrem revisões entre
pares, limitando as opções criativas nas fases iniciais de um trabalho. A natureza aberta dos
exemplos online irá também encorajar a colaboração dos estudantes após a colocação das suas
mensagens, mas pode frustrar os estudantes que preferem modos de aprendizagem mais
competitivos . No geral, parece que as vantagens dos exemplos superam as desvantagens.

Curso de Comunicação

Intercâmbios assíncronos

No âmbito da educação a distância em geral, existem três tipos de padrões de comunicação que
precisam ser considerados: a interação aluno-conteúdo, interação aluno-professor, interação aluno-
aluno (Moore e Kearsley, 1996). A experiência recente na educação a distância tem levado à opinião
generalizada de que há benefício ao facilitar a interação aluno-aluno, a fim de reduzir a ênfase na
interação aluno-instrutor, tornando assim o curso viável para um maior número de estudantes
(Tinker, 1997).

Exemplos online

Um elemento potencialmente muito útil para os estudantes, na realização da sua aprendizagem, é o


facto de estarem disponíveis online trabalhos realizados por outros alunos. Isto fornece aos alunos
actuais a indicação não só do nível de esforço necessário, mas também dos padrões de qualidade
do trabalho que o professor espera que na realização das tarefas. Neste âmbito, e desde que tal
seja possível, as boas práticas de pedagogia devem garantir ao aluno acesso a um vasto leque de
trabalhos de outros alunos, de modo a fornecer uma indicação muito clara do que é ao mesmo
tempo aceitáveis e menos aceitável. Obviamente é muito importante manter o anonimato das
fontes de exemplos on-line, especialmente no caso de um curso on-line, ao qual poderá ter acesso
qualquer pessoa que aceda à Internet.

Outra faceta dos exemplos online é o facto de que incentiva os alunos actuais a colocar os seus
próprios trabalhos online, de modo a que fiquem disponíveis para os seus colegas do curso. Este
facto incentiva os alunos a aprender com as experiências recentes dos seus colegas em a refinar o
seu próprio trabalho. Isso também incentiva o intercâmbio crítico a um nível elevado de discurso
intelectual no que diz respeito aos méritos relativos das abordagens específicas e resultados. Claro
que pode haver desvantagens para essa abordagem, quando um aluno realiza o seu próprio
trabalho, nomeadamente a confiança indevida no trabalho realizados por outros colegas, ou um
estreitamento de opções criativas nas fases iniciais do trabalho. A natureza aberta dos exemplos
exibidos online pode também incentivar a colaboração entre colegas, na medida em que os alunos
vão colocando as suas contribuições online ao longo da execução do trabalho, mas pode também
frustrar os alunos que preferem modos de aprendizagem mais competitivos. No conjunto, parece
que as vantagens dos exemplos online suplantam as desvantagens.

9
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

Via de comunicações

Comunicação assíncrona

No âmbito do ensino à distância existem, de uma maneira geral, três tipos de padrões de
comunição que devem ser tidos em conta, a saber: a interação aluno-conteúdo, a interação aluno-
professor e a interação aluno-aluno (Moore e Kearsley, 1996). Experiências recentes no âmbito da
educação à distância têm conduzido à opinião generalizada de que existe um benefício em
promover a interação aluno-aluno, a fim de reduzir a ênfase na interacção aluno-instrutor, tornando
assim o curso viável para um número maior de alunos (Tinker, 1997). A melhor forma para incentivar
o diálogo aluno-aluno, com o objectivo de potenciar a aprendizagem, é a disponibilização de fóruns
on-line, onde toda a comunidade escolar pode participar, promovendo um intercâmbio intelectual
rentável para todos. Estes fóruns são conhecido por diferentes nomes tais como quadros de
conferências on-line, quadros de discussão online, painéis, conferências on-line e assim por diante.
No fundo, estes fóruns fornecem um meio de comunicação para fomentar a discussão de temas
individuais relevantes para os objectivos do curso.

Essas discussões são assíncronas e, normalmente, encadeadas. Tais diálogos conduzem à formação
de verdadeiras comunidades de aprendizagem, em que estudantes adultos partilham as suas
experiências do mundo e resultados de aprendizagem, beneficiando assim todos os participantes
na conferência. De facto, os alunos aprendem tanto a partir da experiência partilhada com outros
alunos como a partir de livros didácticos ou de formação fornecida por um professor. Isto é
particularmente verdadeiro para cursos online que normalmente apelam a alunos adultos que têm
trabalho em tempo integral. A partilha destas situações com os seus pares, o conhecimento da sua
perspectiva, e a análise de problemas específicos oferece aos alunos e seus pares oportunidades de
aprendizagem excepcionalmente poderosas.

Comunicação síncrona

A grande vantagem da comunicação assíncrona reside no fato de que os alunos podem participar
de uma forma muito flexível e nos seus próprios termos. Neste tipo de comunicação os alunos
participaram em conversas em tempo real através de áudio conferência, chats na internet, e,
potencialmente, através de videoconferências. Devido ao facto de este tipo de comunicação ser em
tempo real, pode haver maior pressão social para a conformidade na participação. As vantagens da
comunicação síncrona incluem uma maior sensação de interacção tipo escola, a resolução imediata
das questões levantadas e, possivelmente, uma forte contribuição para a formação das equipas
necessárias para fomentar as interacções entre alunos no futuro. O modo síncrono é
particularmente apropriado para a inclusão de comunicações de convidados especialistas em áreas
específicas de conteúdo.

Comunicação e-mail

10
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

A função tradicional e-mail é extremamente útil para a comunicação aluno-professor,


nomeadamente no que diz respeito aos trabalhos a realizar no âmbito das disciplinas, o seu
progresso, o feedback e administração. A colaboração entre colegas na elaboração de projetos
pode ser conseguida maioritariamente através de comunicação aluno-aluno por e-mail. Neste
contexto, o surgimento de software colaborativo, tais como quadros brancos compartilhados e
outras ferramentas baseadas na web são muito prometedoras para melhorar as referidas
interacções aluno-aluno. Outro desenvolvimento promissor reside no potencial das tecnologias de
e-mail relativamente a possibilidades multimédia tais como correio de voz e videomail. Computer
based telephony é outra tecnologia promissora para facilitar a interacção entre colegas de cursos
online. Nós encorajamos os professores/formadores a considerar todas essas tecnologias
emergentes no desenvolvimento de formas potenciais para aumentar a interação aluno-aluno.

Formação interactiva de competências

Atualmente, e no que diz respeito a materiais de aprendizagem autónoma, a web consiste,


principalmente numa ferramenta de pesquisa de informação e modo de aquisição de
aprendizagem. No entanto, com a desenvolvimento de novas tecnologias de software, tais como
Java e outras linguagens de computador, a possibilidade de sessões orientadas e interactivas na
web (como são encontrados na CBT tradicional) torna-se viável. Em alguns casos, este tipo de
experiência de aprendizagem mais tradicional e limitada, é importante para formar certas
capacidades (tal como aconteceria num laboratório de informática tradicional, ou num laboratório
de química, por exemplo). Embora esta modalidade de ensino seja particularmente importante no
domínio da construção de qualificações, ele não deve ser utilizada erradamente na área mais geral
de desenvolvimento intelectual, como acontece com um número de produtos tradicionais da CBT. A
nossa abordagem pedagógica deve ser de forma a reforçar/propiciar o diálogo intelectual para o
desenvolvimento de capacidades intelectuais avançadas, o diálogo desenvolvido através de meios
descritos anteriormente, e que prevê um papel mais limitado para sessões interactivas guiadas,
direccionadas para capacidades cognitivas especializadas ou de nível inferior e psicomotoras. A
nossa perspectiva a este respeito, encontra-se em linha com as concepções actuais de
aprendizagem construtivista.

Bases teóricas

Nesta secção, examinaremos as bases teóricas subjacentes ao nosso curso on-line ideal. Isto é uma
questão por causa da actual falta do consenso sobre aquilo o que constitui a aprendizagem, e em
consequência quais os melhores contributos à aprendizagem. A diversidade quer na aprendizagem
quer na instrução leva naturalmente a limites de colocação na nossa visão ideal. Examinaremos cada
uma dessas perspectivas à sua vez.

Na perspectiva de aprendizagem, por que é que o nosso curso é ideal? Para responder a esta
pergunta, temos de expor o que consideramos a aprendizagem e o que implica.
Fundamentalmente, a aprendizagem é um processo da transformação do conhecimento que ocorre
pela interacção de um indivíduo com a informação no ambiente daquele indivíduo. O
conhecimento tem aspectos associativos e estruturais e é uma matéria altamente individual, como
os educadores constuctivistas continuam a referir. Os estudantes que interagem com a mesma
parte da informação elaboram-no e interpretam-no de forma diferente. Os alunos podem precisar
os diferentes elementos de informação, a fim de compreender cada um deles o elemento comum

11
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

de estudo. A chave está na diversidade e o no grau (potencial para) da interacção de informações. A


informação pode ser fornecida pelos materiais de aprendizagem (como o manual), pelo instrutor
(por exemplo em comentários numa nomeação), por outros estudantes (como numa discussão de
fórum online). O discípulo gradualmente forma o seu conhecimento por essas várias interacções.

Berge (1997) assinala que frequentemente envolve a instrução em assuntos aplicados e pergunta se
essas áreas são mais compatíveis com as abordagens online. Este é sem dúvida o caso, já que a
maior interacção, especialmente com colegas estudantes, pode ser particularmente útil na luta com
a informação que é carregado de valor (frequentemente o caso nas configurações aplicadas,
quando a experiência prática dos alunos diferentes podem ser proveitosamente compartilhadas). Ao
lidar com a informação altamente estruturada e consensual (pense do curso introdutório típico em
um campo de estudo), a discussão aberta é menos crucial.

Esta área de análise, a intenção de combinar os requisitos do processo de aprendizagem com os


tipos de conteúdo de informação tem sido reconhecida como importante desde Gagne (1965) a
enfatizou na sua teoria da aprendizagem. Continua a ser uma área difícil e hoje está subjacente
uma boa parte do debate actual eque envolve o construtivismo.

Voltando agora para a perspectiva educativa, definimos a instrução como a elaboração do contexto
do discípulo para optimizar a interacção de informações, e daqui aprendizagem. Existem duas
facetas: a primeira é o compromisso (iniciação e prosseguimento da interacção), a segunda é
adaptável (permitindo apenas o acessoa directo à informação que é necessária).

O próprio compromisso é uma função de duas facetas: interesse na informação que interage (com o
conteúdo) e a colocação social implicada (institucional e processos de grupo). O primeiro relaciona-
se com o interesse, que é chamada motivação intrínseca ou a curiosidade epistémica.
Educativamente, é gerado pela escolha e sequência da informação a ser fornecida e é basicamente
uma matéria da selecção (uma decisão educativa fundamental). O contexto social — qualquer cria a
pressão para perseverar (consegue-se bem com nomeações, por exemplo) ou acrescenta a
vivacidade à interacção (dialogando com outros aprendizes em ambiente online, por exemplo). O
foco em tarefas autênticas de nomeações e na colaboração na aprendizagem, o nosso curso ideal
percorre ambas as características, apoiam o compromisso como o discutimos aqui.

Quanto à adaptabilidade, é sobretudo uma questão de disponibilidade de informação, a informação


certa no momento certo. O nosso ideal em curso avança com os tempos em sua ênfase na iniciativa
individual e de exploração, ao contrário da postura mais passiva do processamento da informação
receptivo. O desafio de instrução é, essencialmente, de uma orientação para adequar as
necessidades individuais do estudante com os elementos adequados de informação, seja estático
ou dinâmico. A abertura da estrutura do curso on-line ideal, incentivando a iniciativa e a interação
independente, oferece muito controle ao aprendiz e, portanto, tem potencial para optimizar a
necessária correspondência das necessidades com os recursos.

Mais uma vez, no entanto, a natureza da informação a ser aprendida reduz o valor da abordagem.
Um conteúdo altamente estruturado é mais fácil para um professor tradicional centrado no estilo de
instrução (ilustrada pela palestra em sala de aula tradicional) que é mais debatida e um conteúdo
cheio de valor. O risco da aprendizagem-análise de conteúdo mencionado acima transpõe-se para

12
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

o domínio do ensino, muito naturalmente, uma vez que a instrução está a serviço da
aprendizagem.

Alguns debates práticos

Nesta secção iremos analisar um conjunto de preocupações mais práticas que continuam a ser
muito debatidos, como a questão da estimulação dos estudantes ao longo do curso, o grau de
adaptação a diferentes alunos, a importância do frente-a-face no ensino presencial e do acesso
público para cursos on-line.

A primeira questão é a de estimulação. Uma série de cursos on-line envolvem ritmo forte. Os alunos
começam todos ao mesmo tempo, lidar com temas constantes prazos dado, e são conduzidos em
grupo num ritmo conjunto. Outros cursos envolvem maior flexibilidade de tempo, onde os alunos
podem começar e terminar em momentos diferentes e até mesmo envolver temas em diferentes
sequências. Dizer qual é a flexibilidade ideal, provavelmente, depende de uma série de indicações
para determinadas situações.

Uma segunda questão é a de ensino presencial. Basicamente, é mais valiosa é uma abordagem
mista (parte presencial, parte à distância) do que uma abordagem numa única modalidade - todos à
distância? A questão torna-se mais complexa quando se definem as formas de interacção
presencial. Por exemplo, qual é a vantagem de uma componente síncrona para um curso on-line?
Uma audioconferência e um chat on-line são exemplos dessas formas de interacção síncrona.
Alguns educadores sentem que seu valor é mínimo, enquanto outros não se sentem assim.

Pela mesma razão, muitos instrutores sentem-se muito ligados a, pleo menos, alguns mínimos de
momentos face-a-face presenciais em cursos de educação a distância. Outros estão confortáveis
sem nenhuma interacção face-a-face. Suspeitamos que isso está mais ligado à forma como o
professor se concebe a si próprios como professor. Muitas vezes, se nós sentimos que o contacto
interpessoal é a nossa força, queremos aumentar esse tipo de interacção, enquanto que se nós
suspeitamos que não são particularmente bons no ensino presencial, podemos tentar minimizar
este tipo de interacção. No final, esta consideração prática pode ser mais importante do que aquilo
que as experiências nos dizem sobre o equilíbrio certo de entre o fa-a-face e as interacções à
distância, para os alunos, do ponto de vista instrucional.

Outras questões de interesse prático são o valor de avaliação pelos pares e a visão tecnológica do
curso. A avaliação por pares é visto por alguns como uma forma de diminuir (e potencialmente
melhorando) a interacção aluno-instrutor enquanto aumenta a interacção aluno-aluno (com
potenciais benefícios aí também). No que diz respeito à tecnologia, alguns cursos on-line são o que
poderia dizer apelativos (tem a última novidade em termos de multimédia), enquanto outros são
relativamente simples. Existe de facto muito valor no primeiro ou há potencial de distracção, não só
para o aluno, mas para o designer do curso também?

13
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

Uma pergunta final continua a ser útil, a do acesso do público aos cursos online. Aqui, novamente,
há debates condicionados pelas realidades políticas inerentes à questão. Muitos cursos on-line
exigem senhas para ter acesso, enquanto outros são abertos ao mundo para quem opta por utilizar
os recursos. Há certamente vantagens e desvantagens de cada uma dessas abordagens. No caso de
acesso aberto, há a oportunidade de partilhar o material didáctico instrucional de forma ampla com
muitas audiências e servir a uma ampla comunidade, incluindo aqueles que podem precisar de mais
experiências de aprendizagem, mas não estão interessados na concessão do grau. Por outro lado,
na maioria das instituições de ensino superior, o crédito é o fundamental e é o modo como as
universidades se financiam. Portanto a questão do acesso aberto ou acesso com senha a uma
unidade é um balanço que cada universidade terá que fazer, sopesando as vantagens e
desvantagens de cada abordagem. Estas questões, como muitas outras práticas, permanecerão em
aberto e sendo experimentadas por muitos.

Conclusão

É evidente que a tarefa de definir um curso on-line ideal é altamente aventureira e arriscada. Não só
muitas das questões discutidas na nossa análise permanecerá aberta ao debate, especialmente por
causa da fragilidade da teoria de aprendizagem e de ensino, neste momento, mas muitos cursos, tal
como os conhecemos, são, eles próprios, bastante novos.

As tecnologias de rede, tanto hardware como software, que tornam possível a instrução em rede
estão a evoluir a uma velocidade rápida, o que faz com que a interacção aluno-informação tenha
cada vez mais possibilidades. A evolução das tecnologias proporcionam não só mais potencial a
este respeito, mas também muitas vezes aumenta o facto de facilidade de utilização, o que torna a
participação na aprendizagem on-line ainda mais atraente e satisfatória. Em termos de tecnológicos,
propondo um curso on-line ideal, hoje, terá uma descrição diferente daqui a uns anos.

Há também a evolução nas áreas de aprendizagem e teorias educativas. O construtivismo teve uma
influência forte no desenho educativo na década passada e desafiou muitos dos seus princípios
anteriormente aceites. Há ainda um profundo debate sobre o valor da nova abordagem, mas
certamente, ele força um nível de questionamento teórico que é extremamente valioso em si
mesmo. É provável que modelos refinados de aprendizagem e instrução vão emergir do debate em
curso e levar a novas perspectivas nestas áreas. Este, por sua vez, vai influenciar o que poderia ser
concebido como ideal para cursos online.

Nós escrevemos este artigo com total consciência dos riscos envolvidos em qualquer pesquisa
sobre o ideal. Nós acreditamos que qualquer afirmação do pensamento na forma mais explícita
possível (o curso on-line, neste caso) é valioso na promoção do diálogo académico sobre esta
tecnologia em evolução e convidamos outras pessoas para participar neste diálogo.

14
Novembro / 2009
Concepção e Avaliação em e-Learning
Actividade 2

15
Novembro / 2009