Você está na página 1de 1

MINISTRIOS DA EDUCAO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAO PBLICA

Portaria n.o 63/2001 de 30 de Janeiro, acordo com o regime de autonomia e gesto das
escolas regulado pelo Decreto-Lei n.o 115-A/98, de 4 de Maio.
1 Carreira de tcnico superior de educao
A criao de novas carreiras no mbito do pessoal no docente dos estabelecimentos de educao e de
ensino no superior e as responsabilidades e exigncias agora atribudas a outras impe que sejam
revistos os contedos funcionais enunciados no Decreto-Lei n.o 223/87, de 30 de Maio. O artigo 31.o do
novo regime jurdico do pessoal no docente, aprovado pelo Decreto-Lei n.o 515/99, de 24 de Novembro,
dispe que a descrio dos contedos funcionais conste de portaria conjunta do Ministro da Educao e
do membro do Governo que tiver a seu cargo a Administrao Pblica. Assim, e ao abrigo do disposto no
n.o 1 do artigo 31.o do Decreto-Lei n.o 515/99, de 24 de Novembro, e dos n.os 2 e 4 do artigo 9.o do
Decreto-Lei n.o 248/85, de 15 de Julho: Manda o Governo, pelos Ministros da Educao e da Reforma do
Estado e da Administrao Pblica, que sejam aprovados os contedos funcionais das carreiras e
categorias do pessoal no docente dos estabelecimentos de educao e de ensino no superior,
constantes do anexo a esta portaria e que dela fazem parte integrante. Em 11 de Janeiro de 2001. O
Ministro da Educao, Augusto Ernesto Santos Silva. Pelo Ministro da Reforma do Estado e da
Administrao Pblica, Alexandre Antnio Cantigas Rosa, Secretrio de Estado da Administrao Pblica
e da Modernizao Administrativa.

ANEXO Contedos funcionais Pessoal tcnico superior


Funes de um Tcnico Superior de Educao: O tcnico superior de educao, no quadro do
projecto educativo de escola e no mbito da sua especialidade, desenvolve predominantemente
funes de estudo e de natureza consultiva, competindo-lhe, designadamente:
a) Colaborar com os rgos de administrao e gesto da escola ou escolas onde desenvolve a
sua actividade;
b) Desenvolver estudos, propostas e aces destinadas a eliminar e prevenir a fuga
escolaridade obrigatria, ao abandono precoce e ao absentismo sistemtico;
c) Desenvolver estudos e propor medidas que sustentem a diversificao de estratgias e de
mtodos educativos para promover, de forma diferenciada, o sucesso escolar;
d) Participar em aces destinadas a informar e sensibilizar os pais e a comunidade
relativamente problemtica das opes escolares e profissionais, bem como em aces e
medidas de reforo da ligao escola-comunidade;
e) Propor medidas de inovao e de fomento da qualidade da gesto das condies e do
ambiente educativo;
f) Participar na concepo, acompanhamento e avaliao dos projectos educativos;
g) Participar em experincias pedaggicas, bem como em projectos de investigao e em aces
de formao dos rgos de administrao e gesto das escolas, do pessoal docente e do pessoal
no docente, com especial incidncia em modalidades de formao centradas na escola;
h) Colaborar, no mbito da sua especialidade, na organizao e promoo de aces de
avaliao e apoio aos alunos com necessidades educativas
especiais.
(portaria n. 63/2001 de 30 de janeiro)

Você também pode gostar