Você está na página 1de 4

Cristologia: uma fonte de teologia fundamental

1. Introdução

2. Cristologia em teologia moderna

3. Cristo, a plenitude da revelação.

4. Conclusão

5. Bibliografia
Introdução
Este trabalho é apontar presente ea cristologia Fundamentais de uma visão de complementaridade e de link
direto. Nós mostramos que a cristologia é o centro da teologia fundamental, tornando-se seu primeiro
"fundamental".
No primeiro capítulo, sugere, em uma definição sucinta e concisa e explicações necessárias para manter em
mente sobre cristologia para um paralelo entre ela ea teologia fundamental.
No segundo capítulo, vamos introduzir o próprio fundamento da cristologia: o mistério da Encarnação. Vamos
rever os aspectos fundamentais e fez uma abordagem teológica da Encarnação como a plenitude da Revelação.
E no terceiro e último capítulo, iremos terminar levantando a teologia fundamental de um "cristológica",
mostrando o estudo da cristologia como ponto de partida para a T. fundamental.
Capítulo I
Cristologia em teologia moderna
Antes de entrar no tema comum entre a teologia ea cristologia fundamental na necessidade alguns
esclarecimentos sobre cada uma das disciplinas envolvidas. Então faça referência à Cristologia a partir de uma
perspectiva moderna, referindo-se a ele para fazer o paralelo com seu objeto de estudo com o do fundamental.
1 .- Definição cristologia moderna e Soteriologia
Quando nos referimos à cristologia da planta a partir de uma pergunta específica que consideramos como ponto
de partida a definição de nosso objetivo: Quem é este Jesus de Nazaré (que nos levaria a definir restritivamente
Cristologia), eo que isso Jesus para o nosso relacionamento com Deus (levando a definir a soteriologia)? 1
Cristologia é, sem dúvida, o eixo central eo ponto crucial de todo o dogma cristão, e, portanto, da teologia como
um todo. Esta doutrina em todo o evento Jesus Cristo: sua vida e actividade essência não é simplesmente sobre o
tratado Individual Divindade do Logos, a ser colocados com uma ativo Como, ao lado do tratada sobre o Pai eo
Espírito Santo. É, antes, uma apresentação do Deus Uno e Trino, que encarnou, através da Palavra, homem Jesus
Nazaret.2
Em outras palavras, referindo-se a Jesus como Deus encarnado (Cristologia) estaremos com referência a uma
revelação da Santíssima Trindade. A primeira suposição que fazemos é que a cristologia é um estudo de Jesus
feito isoladamente, mas que vai exigir-nos a estudar a revelação plena de Deus encarnado.
A cristologia científico é, portanto, uma reflexão sobre o Orçamentos e estrutura interior da fé em Jesus Cristo
como a manifestação da Trindade. A fé em Cristo, baseia-se, por seu lado, no testemunho que deram a Deus o Pai
enviando o Filho na carne e ressuscitar crucificado.3
Também argumentam que a cristologia encontra o seu fundamento na fé em Cristo, no Igreja. É baseada na
convicção de que Deus tem feito historicamente escatológico de Jesus de Nazaré na sua vontade de salvação
universal.
Além disso, e formas complementares, soteriologia, traga-nos através de abordagens doutrinárias de descobrir o
significado da salvação universal de Jesus para o nosso relacionamento com Deus. Podemos dizer que é o aspecto
externo da cristologia, onde colocamos os nossos sentimentos e pensamentos sobre o valor de revelação para o
nosso história.4
2 .- Conteúdo da cristologia5
Os elementos que constituem os fundamentos da nossa fé em Jesus como Cristo (Cristologia) são:
• Relação única de Jesus com Deus como seu Pai relação Abba ()
• Sua unidade com o Pai no Espírito Santo (= ungido com o Espírito Santo como o / Messias, Cristo);
• A pregação de Jesus, e mais particularmente a sua proclamação do reino de Deus;
• Sua doutrina do reino e as actividades de poupança (=praxis soteriológica);
• A instituição da nova aliança, na Última Ceia e Cruz;
• A ressurreição, exaltação e envio do Espírito;
• A presença equipe Jesus na Igreja como sua cabeça e sua atividade na Igreja proclamação (, serviço de
salvação e de serviço para o mundo)
• Sua nova a chegar ao fim do tempo de experimentação e de reconciliação.
"Então, nós definimos os objectivos científicos e cristologia: é o alicerce que reflete razão metodológica e
sistemática. Internas classificação e mediação de Jesus Cristo, evento em Jesus Cristo como o próprio Deus vai ao
encontro do homemE assim que os homens têm, por e com Jesus de Nazaré, o acesso à salvação de Deus, criador
e consumador de todas as gênero humana ". 6
Capítulo II
Cristo, a plenitude da Revelação.
A revelação principal é baseada na pessoa de Jesus Cristo, síntese a mensagem salvadora de Deus, a plenitude ea
manifestação suprema de Deus ao homem.
1 .- A Revelação de Deus na história.
1,1 Antigo Testamento. Deus se revela no Antigo Testamento sobre os fatos da história do povo de Israel.
Através de vários eventos histórico, Deus, de graça, amar, comunicar-se livremente e se faz conhecido para a
humanidade, expressando plano salvadora e libertadora.
Este foi auto de Deus na sequência de um lento processo cheio de grandes pedagogia com o qual Ele, como ele
estava prestes a se desenrolar, teve em conta a possibilidade de ser reconhecido como alguém que, falando em
história, foi El Salvador, The Liberator, o Criador, o Pai amoroso que o chamou para uma vida de comunhão com
Ele e justa e fraterna relação com os outros. 7
1.2 .- Apresentação da revelação do Antigo Testamento .-
A revelação é essencialmente interpessoal é a manifestação de Deus para o homem. Não há assunto o Senhor eo
objeto do que a revelação, porque Deus se revela e se manifesta. Através dela o homem é chamado a entrar em
comunicação que com ele viva: 8

a. Durante todo o OT vemos Deus como manifestação de uma iniciativa partiu dele. É ele quem deseja revelar
e dar a conhecer. Aquele que escolhe, e selar a aliança.

b. A Palavra ouvida é o que dá unidade ao economia Antigo Testamento. Comunicação de Deus é


principalmente através da Palavra, o que exige mais do homem atençãoE envolve a respeito de Deus através
da liberdade humana.
c. A palavra vem como um homem de fé e requisitos de conformidade.
d. E o OT está enquadrado na esperança de salvação está por vir. Cada caso refere-se a uma posterior.
1,3 .- Cristo, o revelador ea revelação do Pai
Jesus Cristo é a maior manifestação do amor o Pai, o cumprimento das promessas divinas, o centro da história da
salvação:
"... A Igreja pretende ser renovada culturas, elevado e aperfeiçoado pela presença ativa do Ressuscitado, no
centro da história e do seu Espírito. (EN 18, 20, 23. GS 58d, 61a) ... 9"
Ele é o ápice e plenitude da revelação. Em Cristo, Deus foi um acontecimento decisivo na história capaz de fazer
mediador sensível de revelação.
2 .- Cristo, a plenitude da revelação10
Em consonância com os dados das escrituras obtemos no NT: evangelhos sinópticos, Atos, John, Paul e Hebreus,
Cristo não é um dos mediadores da revelação de Deus, mas é o mediador absoluto, porque é a Palavra do Pai, do
Filho de Deus feito homem (cf. 1 Tm 2:5) que irrompe na história para trazer a salvação (cf. Hb 1, 1-4). Surgiu no
final e irrevogável vontade salvífica universal de Deus por meio de um fato único e irrepetível: a Encarnação do
Logos (Palavra) divinos
"Este plano divino, que o bem dos homens ea glória da imensidão do seu amor, o pai do filho concebido antes da
criação do mundo (Ef 1:9), revelou-nos sob projeto Ele era misterioso para trazer a história humana a sua
plenitude, através de Jesus Cristo pela unidade do UniversoTanto o terrestre eo celeste. "11
Em Jesus Cristo, não só as divulgações (feito pelos profetas) são totalizados, mas a revelação de Deus é completo.
De Deus como ele é o começo eo fim do relacionamento religioso da aliança. Se o papel dos profetas é colocar os
acontecimentos da história e da situação do homem sob o luz o propósito de Deus, Jesus cumpre perfeitamente
os função profética: Ele não demonstra um elemento do plano de Deus, mas o Designio total, o absoluto da
relação de aliança, o "mistério" .12
2.1 .- A encarnação, revelando plenamente o mistério de
A Encarnação dá a realidade para a excelência de revelação evento nominal, porque é o encontro entre Deus eo
homem, entre Deus eo homem, com base na união entre a divindade ea humanidade no mistério de Cristo:
"... Em Cristo e por Cristo, Deus, o Pai atrai os homens. O Filho de Deus assume o humano eo criado restaurar a
comunhão entre o Pai e os homens. O homem adquire um elevado dignidade e quebras de Deus na história
humana, ou seja, na peregrinação do homem para a liberdade ea fraternidade ... "13
Ele, o Filho de Deus feito homem, é a revelação perfeita desde que chegou a falar, a pregar, ensinar e
testemunhar o que viu e ouviu. Assim, a incorporação é o método escolhido por Deus para revelar e revelar,
através da qual permite que o nível humano conhecimento Deus e seu plano salvífico.
E carregando a nível humano a manifestação de Deus (encarnação dele próprio), Jesus revela o mistério do Pai.
Isto é, revelando o Pai, como um mistério, mas também revela o mistério da própria criança: a revelação é a auto-
revelação.
Em Jesus Cristo, portanto, atingir o seu pico absoluto, tanto a chamada de Deus como resposta do homem,
identificando a unidade de sua pessoa. Como homem, Cristo é a resposta humana perfeita com a palavra e auto
de Deus. Em sua obediência, novamente ele conduz a humanidade em união com Deus e um participante da vida
eterna. Em Cristo, podemos encontrar a bolsa de diálogoDe obediência e de amor que o homem deve ter para
com Deus. Esta revelação é completo mesmo a partir deste ponto de vista, porque o homem é a longo prazo e
tornar-se plenamente eficaz resposta ao plano de amor Dios.14
2,2 .- Cristo, sujeito e objeto de revelação
Porque a Palavra de Deus é, em si, desde a eternidade, e completa a expressão viva do Pai, que tem o mesmo
natureza Pai, Cristo é Deus revelando. Ele é a causa eo autor da revelação, como também é o Pai eo Espírito
Santo. Ele foi enviado pelo Pai para comunicar a plenitude da manifestação divina.
Mas Deus também é revelado: o verdadeiro Deus que proclama e testemunha de si mesmo, porque ele é Deus, a
Palavra de Deus. Cristo, então, dá a conhecer o mistério de si mesmo. Ele, como o Verbo eterno é a mesma
verdade que ele anuncia e revela. Da mesma forma, também é o meio pelo qual a verdade é revelada e
comunicada a Vida "(Jo 14, 5-6), isto é, a forma como ela é acessível ao homem conhecer a verdade e alcançar a
comunhão de vida com Deus. Através da natureza humana de Jesus, Deus torna-se acessível hombre.15
A revelação está em Cristo, como se identifica, no final, com a Encarnação, Cristo é a revelação de Deus.
Capítulo III
Teologia Fundamental
"Apocalipse não é apenas o eixo interno ao redor que gira reflexão teológica. Deve ser, acima de tudo, a fundação
da teologia na hora que você quer fazer seu trabalho de ser inteligência crítica do Apocalipse "16
A revelação tem um valor definido em teologia fundamental. Cristologia vai instrumentos cognitivos para
assumir a fundação do Apocalipse: o Deus encarnado na pessoa de Jesus.
1 .- O Apocalipse é a base do pensamento teológico.
Para dizer que a revelação é "fundação" da teologia é notar a relação dessa entidade que institui a fundação ea
realidade que constrói sobre ele. "Fundação" não é um conceito óbvio, a história da filosofia poderia facilmente
mostrar como essa classe em torno de condensar várias expressões de pensamento.
Mais diretamente, para a nossa perspectiva, podemos referir o que Tomás de Aquino dizer com a palavra
"princípio". Fundação é um "aliquid quo procedit id. Dizer, portanto, que a "fundação" é o princípio de derivar
uma coisa, envolve reconhecer que a teologia é derivado contitutivamente Apocalipse e devem se referir a ele de
qualquer forma real de conhecimentos específicos que pretende estar em conformidade. 17
Mais especificamente, isto significa que o Apocalipse é um alicerce para a teologia dinâmico. A movimento
inicial, que é o próprio fato da revelação - e que é identificado na sua plenitude em Jesus de Nazaré, resultando
em um movimento posterior que permite a compreensão do presente histórico sem eliminar o próprio futuro,
mas sim a preparação e antecipação.
O entendimento que se coloca não há outro fundamento que não o dado, é o próprio fundamento que se move de
forma dinâmica para atingir, sendo na sua totalidade.
Em outras palavras, para afirmar que a revelação é "fundação" da teologia é trazer a reflexão histórico-passado,
presente e futuro "em Apocalipse como princípio formal e causal. Apocalipse é o último princípio de referência da
teologia fundamental. 18
2 .- chão cristologia e teologia fundamental: Relação e comum
Cristologia sempre esteve presente na apologética clássica era tradicionalmente chamado Christo legato divina.
Seu objetivo era expor e testar a inteligibilidade, o testemunho ea credibilidade da fé cristã.
Apologética se aproxima da frente deles ambiente racionalista, liberal e modernista. Mas as coisas mudaram e
teologia fundamental hoje deve enfrentar outros desafios culturais, outras filosofias e outros valores religiosos.
Portanto, o argumento da apologética clássica de Cristo, o legado divino, foi radicalmente revisto pela teologia
moderna fundamental.19
A cristologia atual "fundamental" no âmbito do curso que se segue: comunidade cristã confessa Jesus como a
plenitude da Revelação. Foi realizada a salvação (Atos 4, 12). Jesus é apresentado como o culminar de uma longa
história de revelação. Ele é a palavra final de Deus (João 1:14), a exegese de Deus (João 1:18).
Estas alegações levantar problemas teologia fundamental radical. Estes problemas giram em torno de dois
núcleos, o primeiro e que nos interessa diretamente para este estudo é o problema da historicidade da pessoa de
Jesus. Este problema é, naturalmente, necessário para a teologia atual e fundamental da cristologia.
Este núcleo histórico em torno da pessoa e da vida de Jesus é indispensável para uma teologia fundamental e
cristologia. É essencial para apoiar a sua missão revelador. Independentemente do Jesus histórico não seria
possível comprovar a origem divina da revelação cristã, nem seria possível argumentar em favor de sua pretensão
de universalidade. A comunidade cristã acredita que a divulgação tenha ocorrido em Jesus, porque Jesus acredita
na histórico.20
A partir deste OrçamentoJesus é apresentado pela fé cristã, como o mediador final da revelação divina,
Como o cumprimento de promessas antigas, como a Palavra definitiva de Deus a todos os humanidad.21
Se aceitarmos a afirmação acima, concluímos que o estudo feito pela revelação de teologia fundamental terão,
necessariamente, passar a referência cristológica. Cristologia se tornaria um elemento de teologia fundamental,
pois é em referência direta a fundação do "objeto" de estudo da teologia.
Conclusão
1 .- A cristologia a partir de uma perspectiva moderna, prevê um estudo sistemático de Jesus: estar, atividade e
substância. Este é o centro de toda a dogmática e, portanto, toda a teologia. E ele entende não só a pessoa do
Filho, mas também a manifestação de outras duas pessoas divinas neste revelação.
2 .- E o documento conclui que Jesus Cristo é a plenitude da revelação do Deus Uno e Trino. Esta presença de
Deus é visto através da história da humanidade.
3 .- A teologia fundamental tem como principal objeto de estudo a Apocalipse, que, como observamos no estudo
da plena manifestação de Deus em Jesus Cristo. Concluímos, portanto, que o T. Cristologia fundamental e
compartilhar a mesma fonte, o que demonstra que a dimensão cristológica fundamental é mais do que apenas
uma dimensão entre outras, mas a dimensão que fornece o conteúdo básico.
O estudo da revelação em Cristo (Cristologia) é o ponto de partida da Teologia Fundamental.
Bibliografia
CELAM, Puebla, Ed Labrus SA, Lima 1988
Congar, Yves M. J, fé e teologia, Barcelona, Herder, 1981
Martínez Díez, Felicisimo teologia fundamental, para explicar a fé cristã. Ed. San Esteban, 1997 Comunidade de
Madrid -- Espanha.
Müller, Gerhard Ludwig. Dogmática, teoria e teologia prática, Herder, 1998 Barcelona - Espanha.
Ruiz Arenas, Octavio, Jesus, Epifania do amor do Pai Celestial. CELAM, Bogotá 1994 Colômbia.

Cesar Antonio Palomino de Castro, CMF


cesarcmf [at] hotmail.com