Você está na página 1de 9

CONCEPÇÕES DE UNIVERSIDADE INOVADORA: UMA ANÁLISE A PARTIR DA

COGNIÇÃO DE GESTORES UNIVERSITÁRIOS
RESUMO
O objetivo do estudo é identificar as concepções que estruturam a compreensão de gestores de
uma universidade pública federal brasileira sobre o que define uma universidade inovadora.
Para tanto, aplicou-se um questionário contento questões abertas e fechadas sendo que para
alcançar o objetivo da presente pesquisa utilizou-se as respostas de uma das questões abertas
que investigou a concepção de universidade inovadora. Participaram do estudo uma amostra
de 114 gestores ocupantes de cargos de direção, coordenação ou chefia, tanto das áreas
acadêmicas quanto administrativas da universidade. As respostas a questão aberta foram
analisadas por meio do procedimento de análise de conteúdo, identificando-se grandes
categorias de conteúdos assim como as subcategorias correspondentes. Como resultado,
concluiu-se que os gestores apresentam quatro grandes ideias acerca do que significa ser uma
universidade inovadora: é aquela que apresenta intensa interação com a sociedade; que possui
infraestrutura básica de condições de trabalho; que dispõe de tecnologias de ponta e que
apresenta processo de avaliação do seu desempenho. Tais resultados ilustram um
entendimento coerente com aquilo que a literatura sobre o tema da inovação em organizações
públicas destaca como sendo características inovadoras. Cabe ressaltar que algumas ideias
importantes não fazem parte do repertório dos gestores quando identificam as características
inovadores no contexto universitário, tais como as relacionadas com o modelo de gestão
organizacional e de pessoas.
Palavras-chave: gestão universitária, cognição gerencial, universidade inovadora.
I-

Introdução
As organizações universitárias se caracterizam, principalmente, por conviverem com
duas lógicas administrativas distintas (Mintzberg, 2003). A primeira envolve concepções
próprias da burocracia mecanizada representada pelo segmento que atua na dimensão
administrativa das universidades e está envolvida com os procedimentos de natureza
burocrática. É o segmento-meio, que têm a função principal de apoiar as atividades fins da
universidade. Esta lógica fundamenta-se nos princípios burocráticos clássicos, onde existe
uma clara definição das normas, atribuições e procedimentos que precisam ser seguidos na
execução das funções de cada profissional. Divisão do trabalho, especialização de funções,
supervisão clara e profissionalismo são os elementos principais que orientam esta lógica. Já a
segunda lógica, representada pelo segmento docente, é denominada de burocracia
profissional. Neste tipo de burocracia, a autonomia no trabalho predomina, pois a atuação
docente se baseia principalmente na expertise em áreas específicas do conhecimento. Devido
a este grau sofisticado de expertise, a atuação docente não se submete aos controles e à
supervisão tradicional (própria do modelo da burocracia mecanizada, por exemplo). As
decisões relativas aos procedimentos, políticas e normas do trabalho docente são decididas de
forma colegiada e os chefes que atuam neste campo possuem poder de atuação bem mais
limitado.
Neste contexto, a universidade se encontra diante de desafios muito mais complexos a
serem superados e tornar os resultados de seus serviços mais qualificados e em consonância
com as demandas sociais requer habilidades e conhecimentos diferenciados de seus gestores.
Para a maioria das organizações, sejam elas públicas ou privadas, produzir resultados
(serviços ou produtos) que estejam a serviço das demandas e necessidades sociais

necessita acompanhar as tendências e as rápidas transformações observadas no contexto social. Este tema se torna tanto mais importante na medida em que as organizações. no entanto. É neste contexto que se insere o presente artigo. 3º) A base de financiamento de universidades empreendedoras demonstra um alto grau de diversidade. O construto foi baseado em um estudo realizado com 5 universidades europeias. por sua vez. Para que uma transformação efetiva ocorra. II- Base Conceitual Em 1998 Clark introduziu o conceito de Universidade empreendedora/inovadora. assuma uma alta tolerância à tomada de risco. os serviços educacionais. Como existe uma carência de estudo sobre a inovação na área da gestão universitária. a experiência de crescimento em unidades de universidades inovadoras cruza fronteiras organizacionais mais rapidamente que a academia tradicional. discutem-se os resultados e tecem-se algumas considerações finais importantes resultantes das implicações dos resultados apresentados. Para tanto. Em seguida exploram-se os aspectos metodológicos envolvidos no estudo. Este setor. 5º) A cultura da universidade inovadora abraça o empreendedorismo em suas práticas de trabalho e. onde novas fontes de financiamento aparecem em uma base contínua. A inovação organizacional. reagindo de modo mais rápido e eficaz. Clark resumiu os seguintes passos para que ocorra essa transformação: 1º) Deve haver um órgão de decisão central capaz de reagir a expansão e mudanças sociais. Quando uma cultura empreendedora começa a florescer há uma . Além desta introdução. estar preparada para constantemente alterar suas práticas. talvez mais do qualquer outro. fomentada e absorvida pela cultura organizacional. Conhecer a visão dos gestores de uma universidade pública brasileira acerca dos principais fatores que eles consideram centrais para definir o que é uma universidade inovadora é o objetivo deste estudo. que empregam uma abordagem dinâmica e flexível para atividades externas e para relacionamentos com terceiros. Para tanto. apresente práticas inovadoras e consequentemente. 2º) Universidades inovadoras têm unidades ativas. explorou-se uma das questões abertas de um questionário aplicado a um grupo de gestores de uma universidade pública brasileira que questionava o que é uma universidade inovadora. portanto. as unidades centrais acadêmicas precisam aspirar tornarem-se unidades capazes de se vincular com organizações externas. Para conseguir tal sintonia é importante que a universidade esteja sempre acompanhando as transformações. a constante adaptação das suas políticas e processos de trabalho. atender demandas sociais por meio da prestação de serviços. é um tema que tem merecido a atenção de pesquisadores e gestores de qualquer tipo de organização. O principal achado foi que para uma universidade ser inovadora é necessário que esta apresente uma cultura que facilite a inovação. Tais adaptações. ou seja. Isto implica. sejam elas públicas ou privadas possuem como missão. o presente artigo está dividido em quatro partes. inovando na forma como gerencia seus processos de prestação de serviços educacionais.contemporâneas envolve necessariamente. No caso das universidades. a mudança é simultaneamente bem-vinda. 4º) Adotar um valor/espírito empreendedor/inovador. Segundo Clark. trata-se da prestação de um serviço estratégico para a sociedade. este estudo busca explorar a forma como os principais tomadores de decisão estruturam seu conhecimento acerca do assunto. apresenta-se uma revisão conceitual sobre universidade inovadora. ao remodelar suas capacidades. Isso permite a Universidade ser mais flexível às necessidades. em geral. Eles costumam fazer isso através da articulação com profissionais e grupos de fora da organização. muitas vezes implicam encontrar formas inovadoras de funcionamento.

Nonaka e Nishiguchi. mas evolui de baixo para cima. que teve por objetivo identificar como os gestores de uma universidade pública brasileira percebem a inovação em práticas de gestão em seus contextos de trabalho. . Sucesso com as práticas empreendedoras aprofundará uma cultura inovadora.Modelo geral da pesquisa Os dados apresentados foram extraídos de uma pesquisa mais ampla. através do desenvolvimento de formas híbridas. 2001). para que uma universidade se torne empreendedora. Incompatibilidade entre atribuições. Uma questão importante abordada por todas as três abordagens. criando conflitos de papéis. Todas estas abordagens são baseadas na noção de que a dinâmica organizacional deriva de conciliar aparentemente práticas contraditórias. 1998) e a organização de criação de conhecimento (Nonaka e Takeuchi. 1999). a organização flexível (Gjerding. Krogh. as características gerais da pesquisa. é a ocorrência de conflitos de valores e práticas. Volberda. Ichijoe e Nonaka. a caracterização dos participantes do estudo. 2004). 3. Clark (2004) é especialmente focado em como criar a mentalidade necessária para o empreendedorismo. com raízes fortes e com a capacidade de transformar um conjunto de crenças. o problema básico toma forma quando os valores acadêmicos tradicionais diferem dos valores implícitos do empreendedorismo e que os pesquisadores são mais frequentemente avaliados de acordo com o primeiro. especialmente em universidades mais velhas. a fim de resolver as tensões entre interdependência e independência.tendência para reforçar a si mesma. O ponto de vista de Etzkowitz (2004) sobre a autonomia em universidades inovadoras é oposto ao de Slaughter e Leslie (1997) . 1995. ● interdependência entre a indústria. Easterby-Smithet al. ● independência da universidade como uma instituição. funcionando de forma autônoma a um grau elevado. os instrumentos e os procedimentos utilizados para a coleta assim como para a análise dos dados são especificados nesta seção. Entretanto. expectativas e os recursos se tornam tensões organizacionais. Sotirakou (2004) salienta que conflitos de valores é apenas uma parte dos conflitos organizacionais para serem resolvido. 1991. 1994.porque universidades operam em um ambiente complexo e mutável. ● hibridação de formas organizacionais. Elas também compartilham a ideia de que práticas empreendedoras devem emanar de indivíduos e pequenos grupos organizacionais. tendo a capacidade de se modificar. Etzkowitz (2004) observa o que ele chama de "normas da universidade inovadora": ●capitalização do conhecimento. III- Procedimentos Metodológicos Nesta etapa do trabalho exploram-se os procedimentos metodológicos utilizados para alcançar os objetivos propostos no estudo. Clark (1998. Slaughter e Leslie (1997). traz também conotações da teoria da "Organização de aprendizagem" (Pedler et al. 2004) ou Etzkowitz (2003.1. A ideia de universidades sendo capazes de se acomodarem as mudanças constantes através de hibridação. Burgoyne et al. em vez de este último. Em certa medida inspirado por Clark. 1996. ou seja. Empreendedorismo não pode ser apenas decidido de cima para baixo. universidade e governo. 2003. como parte das tensões organizacionais que acompanham a evolução da universidade inovadora. em particular nas áreas social ciências e humanidades do que nas ciências técnicas. quando comparado a universidades mais jovens. 2000. responsabilidades. Para tanto.

88 Graduação 4 3. Manhães e Medeiros.88 Mestrado 7 6. A amostra que compôs a pesquisa envolveu 114 respondentes voluntários. Becker (1999) comenta que o estudo de caso tem como um dos objetivos desenvolver declarações teóricas mais gerais sobre regularidade do processo e estruturas sociais.18 5 4.88 2º grau completo 3 2. cerca de 450 cargos de gestão. Para Pádua (2004).26 Ciências Exatas 5 4. o pesquisador pretende explicar as causas dos fenômenos.42 1 0.51 1 0.51 0 - 2 1.16 0 - Ciências Humanas 8 7. Os gestores acadêmicos são aqueles que ocupam cargos de chefia e coordenação de institutos e faculdades e cursos de graduação e pós-graduação. através do registro.88 Doutorado 3 2. 2013).Participantes do estudo O universo da pesquisa foi composto por servidores públicos federais ocupantes de cargo de gestão acadêmica e administrativa na universidade.63 Entre 18 e 30 anos 2 1.83 4 3.88 31 a 60 anos 27 23.77 2 1. Já a pesquisa exploratória pode ser classificada como aquela que visa maior aproximação com o problema. Tabela 1 – Caracterização da amostra pesquisada Estratificação Sexo Idade Escolaridade Área de formação Especificação Gestores administrativos Gestores acadêmicos Outros Número % Número % Número % Feminino 20 17. ou seja.38 17 14.2.14 6 5. 3.54 34 29. favorecendo a construção de hipóteses ou explicitando-o melhor (Kauark.53 41 35.91 0 - Ciências da Saúde 11 9.51 Masculino 12 10. da classificação e da interpretação dos dados observados (PRODANOV e FREITAS.75 Ciências Sociais 4 3.78 6 5. Na Tabela 1 apresenta-se a caracterização da amostra pesquisada. tais como próreitorias.75 Especialização 15 13.26 1 0. enquanto os administrativos envolvem ocupantes de cargos na estrutura administrativa da universidade.89 68 60.63 0 - 1 0.77 1 0.02 18 15.Tal pesquisa é um estudo de caso em uma universidade pública federal.53 0 - . assim como o seu processo de desenvolvimento. 32 administrativos e 7 que se enquadravam na categoria “Outros”. com delineamento qualitativo.77 5 4. enquanto na pesquisa explicativa. exploratório e explicativo através da análise de conteúdo.42 Maior que 60 anos 2 1.16 4 3. 2010).63 65 57.64 12 10.96 3 2. da análise.51 15 13. caracterizada por 75 gestores acadêmicos.02 2 1. o estudo de caso é uma técnica que tenta abranger as características mais importantes do tema que se está pesquisando.

ser identificadas subcategorias de respostas que especificavam o entendimento da categoria principal. 3.Identifica e atende demandas sociais continuamente .40 4 75 3. Assim.Outras Total 13 32 11.Possui formas de interações com escolas de ensino médio e fundamental . As ideias predominantes foram agrupadas em grandes categorias que representavam temáticas centrais em torno das quais puderam.Se antecipa às demandas .Parceria com Universidades estrangeiras .Análise dos dados Para realizar a análise de conteúdo foram feitas.4. a saber aos aspectos gerais sobre a universidade. leituras cuidadosas das respostas à questão aberta. foi possível identificar quatro grandes categorias que são apresentadas na forma de quadro na parte destinada à apresentação e discussão dos resultados. IV- Resultados e Discussão Nesta etapa do estudo apresentam-se e discutem-se os principais resultados obtidos a partir da análise de conteúdo realizada a partir das respostas a questão que investigou as concepções dos gestores acerca do que é considerado uma universidade inovadora. Devido ao grande número de dados gerados pelo item.Se preocupa com a sua credibilidade/imagem junto à sociedade . O presente artigo foi composto com base em uma das questões do questionário. homens. inicialmente. além desta. que foram agrupados em algumas categorias. com faixa etária entre 31 e 60 anos e área de formação em Ciências Humanas. também questões de natureza quantitativa. que dizia respeito às características definidoras de uma universidade inovadora.3 Instrumentos e procedimentos de coleta dos dados O instrumento utilizado no presente artigo refere-se à parte qualitativa de uma pesquisa que incluía. 3.Estabelece parcerias com empresas sociedade . optou-se neste artigo selecionar uma parte delas para análise mais aprofundada. Quadro 1 – Concepções definidoras de uma universidade inovadora CONCEPÇÕES DOS GESTORES SOBRE O QUE É UMA UNIVERSIDADE INOVADORA CATEGORIAS SUBCATEGORIAS CENTRAIS Relação com a .88 7 Fonte: Dados do questionário aplicado A partir da Tabela 1 podemos verificar que a amostra pesquisada é majoritariamente composta por gestores acadêmicos. também.51 1 0. A parte qualitativa consiste em 4 questões abertas que solicitam a opinião do respondente quanto a diferentes aspectos da inovação no contexto acadêmico. O quadro 1 ilustra uma síntese das categorias e subcategorias identificadas a partir da análise de conteúdo realizada.

O segundo aspecto se relaciona com um conjunto de ideias que sinalizam que a universidade precisa atender demandas sociais.Quadro de funcionário (docentes e técnicos) suficiente básica . Avançando no entendimento de como os gestores compreendem que a universidade deve se relacionar com a sociedade para ser considerada inovadora é possível identificar dois aspectos que foram salientados.interinstitucionais nacionais e internacionais .Biblioteca com acervo atualizado .Sistema de transporte intra e inter campus .Prédios e espaços multiuso . Portanto. empresas.Centro cultural (teatro. Assim. Tal atendimento envolve tanto a existência de mecanismos que possam identificar e antecipar demandas sociais quanto criar formas de transferir a tecnologia e o conhecimento produzido na universidade para atender necessidades e resolver problemas concretos. pode-se afirmar que estabelecer uma interação com a sociedade e apresentar uma infraestrutura básica adequada são as dimensões mais centrais na forma como os gestores universitários definem uma universidade inovadora. salas. pois foram as que aglutinaram maior número de ideias. em constante interação social.Dispõe de indicadores de desempenho avaliação .) nacionais e internacionais para desenvolver projetos. e equipamentos) .Envolve a participação dos alunos continua de seu .Estabelece projetos de intercâmbio .Apoio a viagens de estudo .Projetos com uso de tecnologia sustentável Sistema de .Recursos para compras de materiais . etc. O primeiro deles se refere à necessidade de a universidade estabelecer parcerias com instituições (outras universidades. nesta categoria da relação com a sociedade. escolas.não falta o básico (energia.Utilizada como critério de produtividade desempenho Fonte: Análise de conteúdo da questão aberta do questionário aplicado aos participantes Quatro categorias principais estruturam a forma como os gestores universitários pesquisados concebem o que é uma universidade inovadora.Equipamentos e sistemas de informação atualizados Tecnologia de .. fica clara a noção de que os gestores consideram a universidade como uma instituição social que precisa funcionar como um sistema aberto.Possui formas de transferir conhecimento e tecnologias que produz para resolver problemas sociais .Serviço de manutenção eficiente Infraestrutura . um dos principais aspectos destacados nos estudos realmente é a necessidade de a universidade romper a barreira de um modelo Humboltiano de universidade onde o seu principal papel é produzir e disseminar conhecimento. laboratórios) . Um dos principais pressupostos deste modelo é que a universidade deve se manter distante da sociedade de forma que ela possa atuar como a esfera crítica livre dos interesses e das influências sociais. Quando se recorre à literatura que trata das transformações necessárias para que a universidade seja considerada inovadora. ou seja. por meio do ensino e da pesquisa. está presente a noção de que a universidade tem um papel importante no desenvolvimento social da comunidade receptora de seus serviços.Acessível a todos ponta . Talvez seja este o ponto principal quando se pensa no papel da universidade na contemporaneidade. As duas primeiras que aparecem no Quadro 1 são aquelas categorias que evidenciam um entendimento mais complexo do que seria uma universidade inovadora. Estabelecer formas de se tornar permeável à . laboratórios.

A segunda categoria que aparece na configuração do entendimento dos gestores acerca do que define uma universidade inovadora envolve a noção que possuir uma infraestrutura básica faz da universidade uma instituição inovadora. A última categoria que aparece como estruturadora da noção do que é uma universidade inovadora para os gestores pesquisados é a questão da avaliação. este aspecto pode ser tratado não como uma característica definidora da inovação. como a falta de material de consumo. condições de sala s de aula. a mudança deste cenário. uma noção inovadora de universidade. são importantes indicadores de uma universidade inovadora. apresentar condições estruturais básicas de funcionamento. Quando recorremos à literatura de inovação na universidade não encontramos as questões estruturais básicas como um elemento importante neste campo. na concepção dos gestores pode representar uma transformação que sinaliza como algo inovador. Na verdade. Disponibilização cada vez maior de serviços online. tanto em relação a equipamentos. Tais tecnologias permitem maior rapidez e qualidade na prestação de serviços principalmente quando se considera as organizações públicas. No entanto. Ou seja. Esta categoria envolve ideias que destacam a necessidade da universidade possuir indicadores de desempenho como forma de poder acompanhar os resultados que apresenta. Esta é uma dimensão que merece muito destaque na literatura da área de inovação. Na verdade. . Assim. neste aspecto. os gestores consideram que dispor de tecnologias de ponta. Tomando esta realidade como referência que caracterizou a infraestrutura das universidades. que somente nos últimos tempos tem visto sua condição de infraestrutura ser melhorada. aparecem duas outras categorias definidoras de uma universidade inovadora. quando observamos os dois aspectos salientados pelos gestores nesta categoria da relação com a sociedade percebemos que eles são complementares. principalmente quando se trata das inovações que se referem aos modelos de gestão de organizações públicas. o estabelecimento de parcerias com as instituições que influenciam e são influenciadas pela universidade é um canal de comunicação que se estabelece e que propicia que a universidade possa perceber e identificar as demandas que vem das mais diversas esferas sociais. Um dos aspectos importantes destacados pelos pesquisados nesta categoria se refere ao uso de sistemas de informações atualizados. parece não ser um ponto importante para definir uma organização como inovadora. que vem ocorrendo nos últimos anos. como a universidade por exemplo. os resultados encontrados no presente estudo nesta categoria são coerentes com os demais estudos. Durante muitos anos observou-se um sucateamento das condições mínimas de funcionamento das universidades. à primeira vista. A literatura da área destaca este aspecto também como importante e neste sentido. Ou seja. com integração de informações é uma exigência e demanda dos usuários que a universidade não pode deixar de considerar. sistemas quanto em relação a projetos que preveem a sustentabilidade da organização. Primeiro.sociedade estabelecendo parcerias e canais de comunicação constantes. Neste sentido. a compreensão que os gestores da universidade pesquisada apresentam. etc. podemos analisar tal entendimento a partir de dois aspectos. sala de professores. portanto. principalmente as públicas. Com uma complexidade menor em termos de ideias evocadas pelos gestores pesquisados. mas como um facilitador dos demais processos que geram a inovação na universidade. é coerente com que a literatura tem apontado como uma das principais transformações que necessita ser adotada em relação ao modelo tradicional de universidade. pode-se conjecturar que talvez tal entendimento decorra de uma já histórica realidade enfrentada pelas universidades. o uso de modernas tecnologias de informação representa algo imprescindível no mundo contemporâneo. equipamentos. Neste sentido. Além deste ponto de vista o segundo aspecto que pode ser apontado nesta análise é que as condições básicas de infraestrutura podem ser encaradas como uma condição essencial para que a universidade seja inovadora.

mesmo que de forma indireta. Assim. o entendimento que os gestores possuem acerca do que é uma universidade inovadora encontra respaldo na literatura da área. seria muito mais apropriado se pensar que as condições de infraestrutura básica influenciam ações inovadoras como facilitadoras dos processos de inovação. O uso de tecnologias de ponta. apontar a avaliação de desempenho das universidades como algo importante para a instituição universitária envolve um alinhamento com os pressupostos próprio de um modelo de gestão mais gerencial. Aa noção de que possuir as condições de infraestrutura básica é uma característica de uma universidade inovadora parece ser a categoria que se encontra mais distante daquilo que a literatura aponta como sendo característica inovadora. Embora algumas dimensões importantes que marcam a discussão explorada na literatura do que seja uma universidade inovadora não tenham aparecido na estruturação do conhecimento dos gestores pesquisados. Este é um ponto positivo e evidencia que ao menos os gestores estão em condições de refletir sobre o assunto quando (e se) forem chamados a construir uma universidade inovadora. Evidentemente que uma organização onde faltam condições mínimas de estrutura para que as atividades possam ser desempenhadas encontrará muito mais dificuldades para inovar do que aquelas onde as condições estruturais são adequadas. focado nos resultados e na satisfação das demandas dos usuários. que se fundamenta no foco nos resultados e no atendimento de necessidades dos usuários. destaque especial pode ser conferido ao fato da necessidade de uma intensa e contínua relação da universidade com a sociedade. Ela precisa ter controle. aspectos importantes que representam características de universidades que buscam romper com a concepção mais tradicional de universidade. . acompanhar os resultados que produz e a forma como utiliza os recursos públicos a fim de que possa adotar medidas que continuamente aperfeiçoem seus resultados. Ou seja. a fim de poder responder adequadamente às demandas e problemas sociais marcam uma mudança de mentalidade acerca do papel da universidade no mundo contemporâneo. Além disso. portanto. O uso das tecnologias da informação em benefício dos serviços prestados ao cidadão é apontado na literatura da inovação na gestão pública como uma das principais ações inovadoras que evidenciam o foco no usuário. os conceitos próprios dos novos modelos de gestão começam a fazer parte do repertório de entendimento dos gestores acerca das necessidades de mudança no contexto das universidades.Alterar o modelo de gestão tem sido um grande desafio para as organizações públicas. Envolve alterar toda a sua lógica de funcionamento. V- Considerações finais Após a apresentação e a discussão dos principais resultados do estudo é possível identificar alguns pontos importantes a título de considerações finais. Neste sentido. em alguma medida. tais como os modelos de gestão organizacional e de pessoas. baseado na eficiência dos processos. principalmente aquelas relacionadas com os sistemas de informação também aparece como ponto importante trazido pelos gestores. moldada apenas para a produção e disseminação do conhecimento de forma isenta e livre das pressões sociais. nas evocações dos gestores o que indica que. A alteração do modelo de gestão de organizações pública. O primeiro aspecto a ser destacado é que. ou seja. pode-se afirmar que os gestores possuem uma compreensão sobre os principais desafios que a universidade enfrenta para se transformar e inovar. de uma maneira geral. aparece. Tal alteração passa necessariamente por uma estruturação do processo de avaliação da universidade. aparecem na forma como os gestores pesquisados estruturam o seu conhecimento sobre o tema. passando de um modelo burocrático. para um modelo gerencial.

ed. 64-77. 2003. CLARK. H. 2003. Technical and Evoluitionary Dimensions. 70. H. Society for Research into Higher Education and Open University Press. SOTIRAKOU. CAMERON. WILDEROM. C. I. Pergamon and Elsevier Science.) Knowledge Emergence: Social. Twenty practices of in entrepreneurial university.R. Oxford. A.R. P. Organizational Pathways of Transformation. B. . K. 2001.VI- Referências CLARK. 32.L. 2. International Journal of Technology and Globalisation. Knowledge Creation.1997. pp. and SCHEUNERT. vol. Oxford. B. ETZKOWITZ. A. International Review of Administrative Sciences. São Paulo: Atlas. Creating Entrepreneurial Universities. Sustaining Change in Universities: Continuities in Case Studies and Concepts. and T. Policies. Vol. ETZKOWITZ. and LESLIE. Academic Capitalism: Politics. M. T. SLAUGHTER. Higher Education Management and Policy. 2006. n. 109-121. 3. Oxford University Press. 1. H. 2004. No. 18.. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. The John Hopkins University Press. 2004. 345-372. The Evolution of the Entrepreneurial University. Baltimore. S. Vol. 336p. L. NONAKA. N. and the Entrepreneurial University. Coping with Conflict within the Entrepreneurial University: Threat or Challenge for Heads of Departments in the UK Higher Education Context. Maidenhead. Research Policy. T. MINTZBERG. pp. 1998. 1. Vol. Research Groups as 'Quasi-firms': The Invention of the Entrepreneurial University". NISHIGUCHI (eds. pp. 2004. GJERDING.