Você está na página 1de 2

Ereção

Disfunção erétil é a incapacidade persistente e

recorrente de se obter e/ou manter ereção suficiente para concretizar ato sexual satisfatório. À medida que homem envelhece, aumenta seu risco de sofrer com problemas de ereção: aos 40 anos: 39% dos homens sofrem desse problema. Sabe-se que 90% dos casos de Disfunção Erétil são causados por fatores fÃsicos, (orgânicos) ou seja, doenças. Para que homem consiga ter uma ereção normal, é necessário que entre uma quantidade grande de sangue no pênis. Mas com a evolução dos tratamentos atuais, até mesmo casos crônicos e mais graves podem se beneficiar do tratamento. Este comprimidos têm mesmo mecanismo de ação no corpo, inibem uma enzima, a fosfodiesterase-5, e atuam estimulando a ereção. Mas para que atinjam esse objetivo necessitam que homem tenha uma exicitação ou ereção inicial espontânea.

uma exicitação ou ereção inicial espontânea. Após fazer uma pós-graduação em Orientação

Após fazer uma pós-graduação em Orientação Sexual numa faculdade de São Paulo, Carlos se viu apto para seguir caminho de Celine. Para Kadosh, problema dos homens é não se colocar racionalmente durante a relação sexual. Ação: inibe a enzima PDE-5, presente no pênis, facilitando a entrada do sangue nos corpos cavernosos e, consequentemente, a ereção e sua manutenção.

Problemas neurológicos - Lesões na coluna, defeitos congênitos tais como medula espinal bÃfida, tumores ou aumento da pressão no crânio e doenças musculares tais como esclerose múltipla podem levar à Disfunção Erétil. A conclusão do estudo é que uma significante parcela de pacientes com disfunção erétil tem deficiência de vitamina D e essa condição é mais frequente em pacientes com etiologia arteriogênica.

No entanto, deixe claro que não é fato dele não estar conseguindo manter a ereção que a está afastando, e sim a falta de iniciativa e coragem dele em procurar ajuda, que também mostra uma falta de compromisso e consideração com você. Quando isso ocorre, muitas vezes, a simples solução do problema que está preocupando homem permite que seu desempenho sexual volte a ser regular.

Uma pesquisa realizada na universidade Nacional da Austrália publicada no periódico PLoS Medicine avaliou no perÃodo de 2006 a 2009 cerca de 95.000 homens com mais de 45 anos que nunca apresentaram problemas cardÃacos, mas com disfunção erétil de moderada a grave, podem ser até oito vezes mais propensos a ter insuficiência cardÃaca em comparação com

aqueles não apresentam a disfunção.

Muito ao contrário do que pensam alguns, desejo sexual do ser humano adulto e consciente não se compara à simples pulsões fisiológicas, como é caso da fome ou da sede. Pessoas com grande Impulso Sexual costumam procurar mais tenazmente oportunidades de comportamento sexual e podem sentir-se mais calmos após um orgasmo. Após a maturidade sexual da juventude, bem como no adulto jovem, as manifestações do Impulso Sexual vão diminuindo gradativamente, até desaparecerem quase completamente na velhice. A Motivação Sexual é aspecto psicológico do desejo sexual e a Aspiração é aspecto sócio-cultural do desejo.

Quando a disfunção erétil psicológica é devido ao homem já não conseguir controlar as ereções de forma organic, sem ter um problema especifico por detrás, as probabilidades de conseguir uma cura completa são muito remotas. Como já foi dito antes reverter a disfunção erétil é muito difÃcil e a maioria dos remédios que dizem tratar a disfunção erétil não curam a doença, não revertem os sintomas, apenas permitem ter relações sexuais ao controlarem os sintomas. Por isto mesmo que homem tem que assumir é que vai ter que viver com esta doença para sempre, e fazer os possÃveis para levar uma vida sexual mais próximo da realidade possÃvel.

Os medicamentos orais ( Cialis, Levitra, Viagra) aumentam os efeitos do óxido nÃtrico que é uma substancia chamada de neurotransmissor ( mensageiro quÃmico) que atua relaxando os músculos lisos do pênis, aumentando fluxo de sangue que permite uma ereção mas fácil em resposta ao estimulo sexual. Esses riscos foram maiores em pacientes com disfunção erétil que já apresentavam algum problema no coração.