Você está na página 1de 28

ABC DA ENERGIA

Capítulo 1 - O que é a energia?


Tudo o que acontece à nossa volta é provocado pela energia. Olha por uma janela.
Se for de dia, o sol dá-nos luz e calor; se for de noite, as lâmpadas usam a energia
eléctrica para produzir luz. O carro que te leva para a escola ou para casa é
abastecido com gasolina, um derivado do petróleo.
Os alimentos que comemos constituem energia que usamos para brincar ou
estudar.
Como podes ver a energia faz com que tudo aconteça.
Existem dois grandes tipos de energia, dependendo se ela está em movimento ou
armazenada.
- A energia em movimento chama-se energia cinética ou dinâmica;
- A energia armazenada chama-se energia potencial.
O seguinte exemplo ajuda-te a perceber a diferença entre estes dois tipos de
energia.
Põe uma caneta na ponta da tua escrivaninha e empurra-a para o chão. A caneta
em movimento usa a energia cinética. Agora, pousa-a novamente em cima da
secretária. Tu usaste a tua própria energia armazenada para levantar e mover a
caneta; à medida que a afastas do chão ela vai adquirindo cada vez mais energia,
pois quanto mais alta estiver maior é a queda. Quando a pousas na secretária ela
contém energia potencial armazenada.
A energia pode ser medida de várias maneiras. Uma delas é o Btu (British Thermal
Unit), medida britânica que mede a energia calorífica. Um Btu é a quantidade de
energia necessária para elevar um grau Fahrenheit a temperatura de 0,454 litros
de água. Um Btu corresponde a um fósforo aceso. Por exemplo, para fazer uma
cafeteira de café são necessários 2000 Btus.
A energia também pode ser medida em joules. São necessários mil joules para
igualar um Btu, por isso:
1000 Joules = 1 Btu
Assim, seriam necessários dois milhões de joules para fazer a mesma cafeteira de
café.

O nome Joule vem de um físico Inglês que se


chamava James Prescott Joule. Ele descobriu que o
calor é um tipo de energia.
Um joule é quantidade de energia necessária para
levantar 454 gramas do chão a uma altura de nove
polegadas (é aproximadamente 22,86 centímetros).

Na generalidade os cientistas preferem medir a energia em joules do que em Btus;


por outro lado, o sistema de medição métrica, metros e quilogramas, é mais usado
do que o sistema britânico de "pés" e "polegadas".
Como no sistema métrico mil significa quilo então temos:
1000 joules = 1 Kilojoule = 1 Btu
Uma torrada barrada com manteiga contém cerca de 315 kilojoules; com esta
energia tu poderias:
- caminhar lentamente durante 15 minutos;
- andar depressa durante 6 minutos;
- andar de bicicleta durante 10 minutos;
- dormir durante 1-1/2 horas;
- conduzir um carro durante 60 segundos a 80 quilómetros por hora:
- manter uma lâmpada acesa de 60 watts durante 1-1/2 horas.
Algumas alterações na forma de energia
A energia não pode ser criada nem destruída, mas podemos mudar a sua forma.
A energia armazenada nas pilhas das lanternas transforma-se em luz quando as
acendemos.
A comida ingerida é armazenada no nosso corpo como energia potencial química;
quando a usamos para trabalhar, o que implica movimento, ela constitui energia
cinética.
Se comeres demasiado a energia é armazenada em forma de gordura.
Quando falas ao telefone a tua voz transforma-se em energia eléctrica, ao mesmo
tempo o telefone transforma essa energia eléctrica em som.
A energia calorífica
O calor é uma forma de energia usada em muitas circunstâncias, por exemplo,
serve para aquecer as casas ou cozinhar a comida.
A energia calorífica apresenta-se e move-se de três maneiras;
1. Condução
2. Transmissão
3. Radiação
A condução de calor acontece quando a energia passa directamente de um sítio
para o outro. Se mexeres uma panela de sopa ao lume com uma concha metálica
esta aquece. Isto acontece porque o calor é conduzido da parte quente da panela
para a zona fria da concha.
Os metais são excelentes condutores do calor, por isso, os tachos e panelas que a
tua mãe usa para cozinhar são feitos de metal. Outros materiais como o plástico ou
a madeira são maus condutores de calor e a eles chamamos isoladores.
A transmissão é o movimento de gases ou líquidos de um sítio frio para outro mais
quente. Se a tal panela de sopa fosse feita de vidro poderíamos ver as deslocações
ocorridas dentro da panela. De facto a sopa quente do fundo da panela move-se
para cima onde está mais frio, e em sentido inverso, a sopa que está no cimo da
panela desloca-se para o fundo onde está mais quente. Desta maneira gera-se um
movimento circular corrente (tal como vês na figura).

O vento é muitas vezes causado por


transmissões de calor. Durante o dia, o
ar frio vindo do mar desloca-se de
forma a substituir o ar quente da terra;
à noite a direcção do vento inverte pois,
a água está mais quente relativamente
à terra.
A radiação é a última forma de movimento da energia calorífica. A luz do sol e seu
calor não chegam à terra por condução ou transmissão porque o espaço celeste é
quase vazio. Os raios solares são emitidos em linha rectas e o seu movimento
chama-se radiação.
Quando os raios solares atingem a terra a sua radiação é absorvida ou reflectida.
As superfícies escuras absorvem mais a radiação e as claras reflectem-na. Assim,
durante o Verão andas mais fresco se usares roupas claras.
Revisão da matéria dada
1. A energia é a força do movimento.
2. Existem dois tipos diferentes de energia. A energia cinética, em movimento e a
energia potencial armazenada.
3. A energia é medida em unidades, duas das quais são o Btu e o Joule.
4. A energia não pode ser criada ou destruída, apenas pode mudar a sua forma.
5. A energia calorífica move-se de três formas: a condução, a transmissão e a
radiação.

Capítulo 2 : o que é a electricidade?


A electricidade dá força dinâmica a muitas coisas que utilizamos. Alguns objectos
como o comando da televisão ou os "GameBoys" usam a electricidade armazenada
nas baterias como energia química. Outros usam a electricidade contida nas
tomadas por meio de uma ficha eléctrica.
A energia que existe nas tomadas das nossas casas vem de outro sítio. Ela chega-
nos através de fios eléctricos.
Mas como é que a energia eléctrica vem por um fio sólido? E um fio não é como
uma mangueira por onde corre a água?
Vamos tentar responder a estas perguntas.

Qualquer material é composto por átomos, cada átomo


contém pequenas partículas sendo uma delas o electrão.
Estes electrões giram à volta do centro, ou do núcleo do
átomo tal como a lua gira à volta do sol.

O núcleo é constituído por neutrões e protões. Os electrões têm carga negativa, os


protões têm carga positiva e os neutrões são electricamente neutros, ou seja, a sua
carga não é nem positiva nem negativa.
Em alguns tipos de átomos os electrões são pouco ligados ao núcleo podendo
facilmente saltar para outro átomo. Quando estes electrões de movem de átomo
em átomo cria-se uma corrente eléctrica.

Isto é o que acontece num fio. A deslocação dos


electrões ao longo do fio criam a corrente eléctrica
(consulta a figura).

Há materiais que conduzem melhor a electricidade que outros, o que é medido


através da sua resistência. Quanto menor a resistência do fio melhor é a condução
eléctrica, pois significa que os electrões estão menos ligados ao seu núcleo. A
resistência dos fios depende da sua grossura, comprimento e composição.
O cobre é dos metais com menor resistência eléctrica e, por isso, é usado
regularmente como condutor eléctrico. Os fios eléctricos que passam pelas paredes
de tua casa chegando ás lâmpadas e tomadas são quase sempre de cobre.
A força eléctrica que desloca o electrão é medida em volts. Em Portugal usam-se
230 volts de energia eléctrica para todas as aplicações eléctricas. Na América
usam-se 110 volts para aplicações regulares e 220 volts para grandes aplicações.

As baterias contêm energia química armazenada.


Quando os químicos reagem entre si produzem uma
carga eléctrica. Esta carga transforma-se em energia
eléctrica quando ligados a um circuito.

Dentro deste circuito podemos ter uma lâmpada e um botão para ligar/desligar. A
lâmpada transforma a energia eléctrica em luz e calor.
Através de uma bateria também podemos criar calor. Quando existe corrente
eléctrica, a resistência causa fricção e a fricção causa calor, quanto maior a
resistência mais quente se torna. Por exemplo, um secador contém um pequeno
rolo de fios com grande resistência que quando ligado gera calor, secando assim o
teu cabelo.
Tenta a seguinte experiência: esfrega um balão numa
camisola de lã ou no teu cabelo. Depois encosta-o à
parede, se o largares ele permanece lá (como se
estivesse colado). Agora esfrega dois balões um no
outro, segura-os pelas pontas e junta-os. Vais verificar
que eles se repelem. Ao friccionar os dois balões eles
adquirem electricidade estática. Ao esfregar o balão,
ele adquirir electrões extra da camisola ou do cabelo
ficando negativamente carregado. A carga negativa do
primeiro balão atrai a carga positiva da parede, assim o
balão mantêm-se, por alguns instantes, suspenso na
parede. Os dois balões friccionados adquirem carga
negativa. Ora, sabendo que a carga negativa repele a
carga negativa e a positiva repele a positiva, os dois
balões de carga negativa repelem-se, afastando-se
naturalmente um do outro.
A electricidade estática também te pode dar choque. Experimente arrastar os pés
em cima de uma carpete, ao tocares num metal qualquer pode sair uma faísca
entre ti e o objecto metálico. Esta reacção acontece porque através da fricção os
teus pés adquirem electrões que se espalham pelo teu corpo. Quando tocas num
metal de carga positiva a electricidade do teu corpo transfere-se para a do metal
provocando um choque.
Outro tipo de electricidade estática é aquela que se vê durante uma trovoada. Nas
nuvens cinzentas concentram-se cristais de água que chocam uns com os outros.
Deste modo, as nuvens ficam tão carregadas que os electrões saltam para o chão
ou para outra outras nuvens, criando uma corrente eléctrica chamada relâmpago.
Revisão da matéria dada
1. A electricidade é a corrente de energia de um sítio para o outro.
2. Todos os átomos têm electrões que rodeiam o seu núcleo. Alguns electrões estão
poucos presos ao seu núcleo e, por isso, movem-se para outro átomo; desta forma
gera-se uma corrente eléctrica.
3. A electricidade corre melhor em alguns objectos do que noutros. O cobre é um
bom condutor eléctrico.
4. A força eléctrica que empurra o electrão é medida em volts.
5. As baterias armazenam energia química. Um circuito eléctrico liga o polo positivo
ao negativo da bateria formando assim uma corrente eléctrica.
6. A electricidade estática não se move. É o tipo de energia que cola um balão à
parede se o friccionares a uma camisola de lã. Os relâmpagos são outra forma de
electricidade estática.
Capítulo 3 - Geradores, Turbinas e Sistemas de
Condução eléctrica
Tal como aprendemos no 2º capítulo a electricidade
desloca-se nos fios eléctricos até acender as
lâmpadas, televisões, computadores e todos os
outros aparelhos electrónicos. Mas de onde é que
vem a electricidade? Sabemos que a energia não
pode ser gerada, mas sim transformada. Nas
barragens e outras centrais eléctricas a energia
mecânica é transformada em energia eléctrica.
O processo inicia-se com o aquecimento de água em grandes caldeiras. Nestas,
queimam-se combustíveis para produzir calor e ferve-se a água de forma a
transformá-la em vapor. O vapor é condensado em alta pressão na turbina, que
gira a grande velocidade; o gerador ligado á turbina transforma a energia da
rotação mecânica da turbina em electricidade. Vamos aprofundar melhor este
processo.

Em muitas caldeiras, a madeira, o carvão, o petróleo ou o gás natural são


queimados para produzir calor. O interior da caldeira é constituído por uma série de
tubos de metal por onde passa água corrente. A energia calorífica aquece os tubos
e a água até ferver. A água ferve a 100º Celsius ou a 212º Fahrenheit. A turbina
contém várias lâminas semelhantes a uma ventoinha. O vapor da água chega ás
lâminas que começam a girar. O gerador encontra-se ligado á turbina e recebe a
sua energia mecânica transformando-a em energia eléctrica.
O gerador é constituído por um imã gigante situado dentro de um círculo enrolado
com um grande fio. O eixo que liga a turbina ao gerador está sempre a rodar; ao
mesmo tempo que a parte magnética gira. Quando o fio ou outro condutor eléctrico
atravessa o campo magnético produz-se uma corrente eléctrica.
Um gerador é o contrário de um motor eléctrico. Em vez de usar a energia eléctrica
para por a trabalhar o motor ou leme como nos brinquedos eléctricos, o eixo da
turbina põe a trabalhar o motor que produz a electricidade.
Depois do vapor passar pela turbina vai para um zona de arrefecimento e em
seguida é canalizada pelos tubos de metal para novo aquecimento nas caldeiras.
Existem centrais eléctricas que usam energia nuclear para aquecer a água, noutras
a água quente vem naturalmente de reservatórios subterrâneos sem queimar
nenhum combustível. É o que vamos aprender nos próximos capítulos.
Revisão da matéria dada
1. Os combustíveis são queimados nas caldeiras para ferver a água.
2. O vapor de água faz girar a turbina.
3. O eixo rotativo da turbina liga-se ao gerador emitindo a sua energia mecânica.
4. Quando um fio ou outro condutor eléctrico passa pelo campo magnético do
gerador, produz-se uma corrente eléctrica.
Capítulo 4 - A Energia Geotérmica
A energia geotérmica existe desde que o nosso planeta foi criado. Geo significa
terra e térmica significa calor, por isso, geotérmica é a energia calorífica que vem
da terra.

Alguma vez partiste ao meio um ovo


cozido sem lhe tirar a casca? O ovo é
como a terra por dentro. A gema
amarela é semelhante ao centro da
terra, a parte branca corresponde ao
manto da terra e a pequena casca
protectora assemelha-se á crosta
terrestre.

Abaixo da crosta terrestre, ou seja, a camada superior do manto é constituída por


uma rocha líquida, o magma (encontra-se a altas temperaturas). A crosta terrestre
flutua nesse magma.
Por vezes, o magma quebra a crosta terrestre chegando á superfície, a este
fenómeno natural chama-se vulcão e o magma passa a designar-se lava. Em cada
100 metros de profundidade a temperatura aumenta 3º Celsius.

A água contida nos reservatórios subterrâneos pode


aquecer ou mesmo ferver quando contacta a rocha
quente. A água pode mesmo atingir 148º
Celsius.Existem locais, as furnas, onde a água quente
sobe até á superfície terrestre em pequenos lagos. A
água é utilizada para aquecer prédios, casas ou
piscinas no Inverno, e até para produzir electricidade.
Em Portugal existem furnas nos Açores.

Em alguns locais do planeta, existe tanto vapor e água quente que é possível
produzir energia eléctrica. Abrem-se buracos fundos no chão até chegar aos
reservatórios de água e vapor, estes são drenados até á superfície por meio de
tubos e canos apropriados.
Através destes tubos a o vapor é conduzido até á central eléctrica geotérmica. Tal
como numa central eléctrica normal, o vapor faz girar as lâminas da turbina como
uma ventoinha. A energia mecânica da turbina é transformada em energia eléctrica
através do gerador. A diferença destas centrais eléctricas é que não é necessário
queimar um combustível para produzir electricidade.
Após passar pela turbina o vapor é conduzido para um tanque onde vai ser
arrefecido. O fumo branco que se vê na figura é o vapor a transformar-se
novamente em água no processo de arrefecimento. A água é de novo canalizada
para o reservatório onde será naturalmente aquecida pelas rochas quentes.
Na Califórnia existem 14 locais onde se pode produzir electricidade a partir da
energia geotérmica. Alguns deles ainda não são explorados porque os reservatórios
subterrâneos de água são pequenos e estão muito isolados ou a temperatura da
água não é suficientemente quente. A energia eléctrica gerada por este sistema na
Califórnia é suficiente para abastecer 2 milhões de casas.
Revisão da matéria dada
1. O interior da terra é constituído por um núcleo de material fundido, um manto
líquido e uma crosta terrestre, assemelhando-se a um ovo cozido.
2. A camada exterior do manto é constituída por magma.
3. Em algumas zonas, a água em contacto com as rochas quentes aquece tanto que
pode transformar-se em vapor.
4. Esta água quente ou vapor é usada para aquecer casas, piscinas ou produzir
electricidade.
Capítulo 5 - Combustíveis fósseis: Petróleo, Carvão e
Gás Natural
A origem dos combustíveis fósseis
Existem três grandes tipos de combustíveis fósseis: o carvão, o petróleo e o gás
natural. Os três foram formados há milhões de anos atrás na época dos
dinossauros, daí o nome de combustível fóssil.

Os combustíveis fósseis são resultado de um


processo de decomposição das plantas e dos
animais.

As plantas armazenam a energia recebida do sol transformando-a no seu próprio


alimento. A este processo chama-se fotossíntese. Por sua vez, os animais comem
as plantas para adquirirem energia. Finalmente, as pessoas comem os animais e as
plantas para obter a energia necessária para trabalhar.
Quando as plantas, dinossauros e outras criaturas morreram, a terra decompôs os
seus corpos enterrados, camada por camada, debaixo da terra. São necessários
dois milhões de anos para que estas camadas de matéria orgânica se transformem
em pedra preta e dura a que chamamos o carvão, num líquido negro: o petróleo,
ou ainda no gás natural.
Os combustíveis fósseis podem ser encontrados debaixo da terra em muitos locais
do nosso planeta. Portugal não é um desses locais (não é um país rico em
combustíveis fósseis).
Cada um dos combustíveis fósseis é extraído de diferente maneira. O carvão retira-
se de minas profundas através da escavação.
As companhias petrolíferas extraem o petróleo escavando poços muito fundos. O
petróleo é então bombeado e trazido para a superfície terrestre (tal como o furo de
água existente em algumas das casas campestres). Normalmente são
transportados em tanques e barcos próprios até chegar á maioria dos países do
mundo (é o que acontece em Portugal, pois quase todo o petróleo é exportado). O
petróleo tem de ser transformado ou refinado noutros produtos antes de ser usado.
Refinarias
O petróleo é armazenado em grandes tanques antes de ser distribuído pelo mundo.

Existem muitos produtos que derivam do petróleo,


como por exemplo, os fertilizantes para as quintas,
as roupas que vestes, a pasta de dentes, as garrafas
e canetas de plástico, etc. Quase todos os plásticos
têm origem no petróleo.

Nas refinarias o petróleo bruto é separado em vários produtos pelo aquecimento


deste espesso combustível. Estes produtos são: a gasolina, o gasóleo, o
combustível dos aviões, os óleos, etc.
O Gás Natural
O gás natural é mais leve que o ar, sendo constituído maioritariamente por metano.
O metano é um composto químico simples constituído por átomos de carbono e
hidrogénio. A sua fórmula química é o CH4. Este gás é altamente inflamável e
encontra-se em reservatórios subterrâneos perto do petróleo. Desta forma é
bombeado e transportado de forma semelhante á do petróleo.
O gás natural não tem odor nem pode ser visto, por isso, antes de ser canalizado
por tubos até aos tanques de armazenamento, mistura-se um químico que lhe
confere um forte odor parecido com ovos podres. Assim, é facilmente identificada
uma fuga de gás.

O gás armazenado nos tais tanques é distribuído


através de tubos até ás nossas casas, fábricas e
centrais eléctricas servindo de combustível para
produzir electricidade.

No capítulo 12 vamos aprender mais ácerca do sistema de distribuição do gás


natural.
Preservação dos combustíveis fósseis
Os combustíveis fósseis demoram dois milhões de anos para se formarem.
Actualmente os humanos gastam desmesuradamente recursos que se formaram á
mais de 65 milhões de anos no tempo dos dinossauros. Uma vez esgotados não é
possível fabricá-los e temos que esperar muito tempo para voltarem a existir.
Assim, é melhor preservá-los e poupá-los antes que esgotem. Eles não se renovam
nem se fabricam. No capítulo 14 são explicadas as várias formas de poupar
energia.
Revisão da matéria dada
1- Os combustíveis fósseis estão em formação desde o tempo dos dinossauros,
quando as plantas e animais morreram. A sua matéria orgânica decompôs-se
gradualmente ao longo dos anos até se transformar em carvão, petróleo e gás
natural.
2- Os combustíveis fósseis encontram-se normalmente no subsolo e são extraídos
de minas (é o caso do carvão) ou como o petróleo e gás natural retirados através
de uma bomba de pressão dos poços petrolíferos.
3- O petróleo é transportado por tubos largos ou em grandes distâncias por navios
petrolíferos para locais onde vai ser transformado noutros produtos.
4- Muitos produtos como o plástico e fertilizantes derivam do petróleo.
5- O gás natural pode ser encontrado perto do petróleo.
6- Este gás é transportado por uma série de tubos até chegar ás nossas casas,
escolas e empresas.
7- Os combustíveis fósseis não são renováveis nem podem ser fabricados, o melhor
é a sua preservação
Capítulo 6 - Energia Hidráulica

Quando chove nas colinas e montanhas a água


concentra-se em rios correntes que se deslocam
para o mar. O movimento ou a queda da água
contém energia cinética que pode ser aproveitada
como fonte de energia.

Durante centenas de anos o movimento da água foi usado nos moinhos. A


passagem da água fazia mover lemes de madeira que estão ligados a uma mó
( pedra granítica redonda muito pesada). Esta, roda e mói o milho transformando-o
em farinha. Actualmente a corrente da água é usada para produzir energia
eléctrica.
Hidra significa água. Energia hidroeléctrica é a electricidade produzida através do
movimento da água. A energia hidroeléctrica usa a energia cinética da água para
produzir electricidade.

Normalmente constroem-se diques que param o


curso da água acumulando-a num reservatório a que
se chama barragem. Noutros casos, existem diques
que não param o curso natural da água, mas obriga-
a a passar pela turbina de forma a produzir
electricidade.

Quando se abrem as comportas da barragem, a água presa passa pelas lâminas da


turbina fazendo-a girar. A turbina é semelhante á que vimos no capítulo 3, mas em
vez de usar vapor, usa a força motriz da água.
A partir do movimento de rotação da turbina o processo repete-se, ou seja, o
gerador ligado á turbina transforma a energia mecânica em electricidade. Isto é o
que acontece na maior parte das barragens portuguesas.
Revisão da matéria dada
1- A energia hidráulica é a energia cinética do movimento da água.
2- O movimento da água pode ser usado nos moinhos para moer o milho ou em
barragens para produzir electricidade.
3- A água presa nos reservatórios passa pela turbina criando energia mecânica que
é transformada em electricidade pelo gerador.
Capítulo 7 - A energia nuclear: Fissão e Fusão

Outra grande forma de energia é a nuclear - energia presa


dentro do núcleo de cada átomo. Uma das leis da natureza é
que a energia não pode ser criada nem destruída, mas
apenas mudar a forma. A massa dos corpos pode ser
transformada em energia.

O famoso cientista Albert Einstein criou a seguinte fórmula matemática: E=mc2,


significa que a energia (E) é igual á massa (m) vezes a velocidade da luz (c) ao
quadrado.
Os cientistas usaram a fórmula de Einstein para descobrir a energia nuclear e
construir bombas atómicas.
Segundo os antepassados gregos a partícula mais da natureza era o átomo. Eles
não chegaram a conhecer a natureza das partículas que constituem o átomo. Tal
como aprendemos no capítulo 2, os átomos são constituídos por um núcleo (que
contém neutrões e protões) cercado de electrões que giram à volta deste tal como
a terra gira à volta do sol.
Fissão nuclear
O núcleo de um átomo pode ser separado. A fissão nuclear significa separar o
núcleo dos átomos. Quando isto acontece dá-se uma tremenda reacção química
libertando grande quantidade de energia luminosa e calorífica. Quando o núcleo do
átomo é separado lentamente, a energia gerada pode ser transformada em energia
eléctrica. Se a fissão nuclear for brusca dá-se uma explosão criando-se assim a
bomba atómica.

Numa central nuclear os átomos do urânio são


separados. Este metal raro é extraído do subsolo
através de minas. O urânio é trabalhado e repartido
por pequenas balas colocadas num longo varão. O
varão está dentro de um reactor que controla a
separação atómica e sua reacção.

As partículas separadas de um átomo vão ao encontro de outros átomos


separando-os; gera-se assim um processo de separação nuclear corrente. Os
varões servem para controlar a quantidade de urânio emitida para o reactor, de
forma a que a separação dos núcleos não atinja grande velocidade.
Se a reacção não fosse controlada poderia dar-se uma explosão atómica. No
entanto, isto é difícil de acontecer porque numa bomba atómica é necessário juntar
durante muito tempo elementos de urânio - 235 ou plutónio em quantidade e forma
precisa. Estas condições não estão presentes num reactor nuclear.
A reacção também gera radiação nuclear sendo mortal para a vida humana. Por
este motivo, o reactor é isolado com uma espessa camada de betão.
A energia calorífica resultante da separação nuclear pose ser usada para aquecer
água e produzir electricidade. Assim, a energia nuclear é transformada em energia
eléctrica.
A água quente é canalizada para outra secção onde vai aquecer tubos cheios de
água de forma a produzir vapor. O vapor dá potência á turbina que ligada ao
gerador cria energia eléctrica.
Fusão nuclear
Outra forma de energia nuclear é a
fusão. A fusão significa juntar
pequenos núcleos de forma a
constituir um núcleo maior. O sol
usa a fusão de átomos de
hidrogénio para obter outro
composto químico: o hélio. A fusão
nuclear liberta luz, calor e
radiação. Na figura vêm-se os dois
tipos de átomos do hidrogénio: o
deutério e o trítio que em
combinação formam o hélio e um
neutrão extra.
Os cientistas ao longo dos anos tentam controlar a fusão nuclear de forma a
produzir energia eléctrica. No entanto, é muito difícil restringi-la num espaço
específico.
O melhor da fusão nuclear é que a radiação nuclear não é tão mortal como a
libertada na separação nuclear.
Podes aprender mais sobre a fusão nuclear noutros sítios da internet:
- General Dynamics Fusion Education Program
- Joint European Torus Project - Inctroduction to Fusion
- University of California, Berkeley
Revisão da matéria dada
1. A fissão nuclear consiste em separar o núcleo de um átomo.
2. A separação do núcleo gera energia luminosa e calorífica.
3. Numa central nuclear controla-se a reacção nuclear para produzir calor e aquecer
a água. A água fervida dentro dos tubos transforma-se em vapor que faz girar a
turbina e produzir electricidade.
4. A fusão nuclear significa juntar vários núcleos para formar um só.
5. O sol usa a fusão nuclear do hidrogénio para obter o hélio; neste processo
liberta-se luz e calor.
6. Por todo o mundo, cientistas têm tentado controlar a fusão nuclear de forma a
que esta constitua uma fonte de energia menos dispendiosa.
Capítulo 8 - A energia do mar
Os oceanos podem ser uma fonte de energia para
iluminar as nossas casas e empresas. Neste
momento, o aproveitamento da energia dos mar é
apenas experimental e raro.
Mas como é que se obtém energia a partir dos
mares?
Existem três maneiras de produzir energia usando o
mar: as ondas, as marés ou deslocamento das águas
e as diferenças de temperatura dos oceanos.
A energia das ondas
A energia cinética do movimento ondular pode ser usada para pôr uma turbina a
funcionar.

No exemplo da figura, a elevação da onda numa


câmara de ar provoca a saída do ar lá contido; o
movimento do ar pode fazer girar uma turbina. A
energia mecânica da turbina é transformada em
energia eléctrica através do gerador.

Quando a onda se desfaz e a água recua o ar desloca-se em sentido contrário


passando novamente pela turbina entrando na câmara por comportas especiais
normalmente fechadas.
Esta é apenas uma das maneiras de retirar energia da ondas. Actualmente, utiliza-
se o movimento de subida/descida do onda para dar potência a um êmbolo que se
move para cima e para baixo num cilindro. O êmbolo pode por um gerador a
funcionar.
Os sistemas para retirar energia das ondas são muito pequenos e apenas
suficientes para iluminar uma casa ou algumas bóias de aviso por vezes colocadas
no mar.
A energia das marés
A energia da deslocação das águas do mar é outra fonte de energia. Para a
transformar são construídos diques que envolvem uma praia. Quando a maré enche
a água entra e fica armazenada no dique; ao baixar a maré, a água sai pelo dique
como em qualquer outra barragem.
Para que este sistema funcione bem são necessárias marés e correntes fortes. Tem
que haver um aumento do nível da água de pelo menos 5,5 metros da maré baixa
para a maré alta. Existem poucos sítios no mundo onde se verifique tamanha
mudança nas marés.
A energia térmica dos oceanos
O último tipo de energia oceânica usa as diferenças de temperatura do mar. Se
alguma vez mergulhares no oceano notarás que a água se torna mais fria quanto
mais profundo for o mergulho. A água do mar é mais quente á superfície porque
está exposta aos raios solares; é por isso que os mergulhadores vestem fatos
próprios para mergulhar em zonas profundas. Os fatos colam-se ao corpo
mantendo-o quente.
Pode-se usar as diferenças de temperatura para produzir energia, no entanto, são
necessárias diferenças de 38º Fahrenheit entre a superfície e o fundo do oceano.
Esta fonte de energia está a ser usada no Japão e no Hawai, mas apenas como
demonstração e experiência.
Revisão da matéria dada
1- A energia do mar pode ser usada de três maneiras.
2- A energia retirada do movimento das ondas aproveita a sua subida/descida para
accionar uma turbina e o gerador.
3- A energia das correntes marítimas transforma-se em electricidade através da
construção de diques e reservatórios. Quando a maré baixa a água sai do
reservatório passando pela turbina tal como numa barragem comum.
4- Também são usados as diferenças de temperatura entre a superfície e o fundo
do oceano para produzir electricidade.
Capítulo 9 - Energia Solar
O sol sempre foi uma fonte de energia. Por exemplo,
quando pomos as roupas a secar ao sol usamos o
seu calor. As plantas usam a luz do sol para produzir
comida e os animais alimentam-se delas. Por fim, tal
como aprendemos anteriormente, a decomposição
de animais e plantas durante milhões de anos dá
origem ao carvão, petróleo e gás natural. Por isso,
os combustíveis fósseis que actualmente dispomos
começaram por ser luz solar á milhões de anos atrás.
Aquecimento solar da água
O sol também pode ser usado para aquecer água nas nossas casas e empresas.
O sistema de aquecimento da água através do sol começou-se a utilizar na
Califórnia por volta de 1890. Nesta altura provou-se que este sistema era mais
benéfico que o carvão ou a madeira queimada. O gás artificial feito a partir do
carvão também era um bom combustível para aquecimento mas era muito caro e a
electricidade ainda era mais cara. Por estas razões, naquela época muitos eram os
lares que usavam o sistema solar para aquecer a água.
Em 1897, 30% das casas de Pasadena, cidade perto de Los Angeles, estavam
equipadas com placas solares. Á medida que se fizeram progressos e melhorias os
sistemas solares começaram a ser usados no Arizona, Florida e em muitos outros
lugares dos Estados Unidos. Por volta de 1920, foram descobertos depósitos
subterrâneos de gás natural e petróleo. Á medida que o seu preço se tornou
acessível, os sistemas solares foram substituídos por combustíveis fósseis.

Actualmente as vendas das placas solares têm vindo a


aumentar. Os sistemas solares aquecem as casas, as
empresas e até piscinas.

A placa solar situa-se nos telhados das casas e


prédios expostas ao sol. Este sistema aquece a água
existente nos canos debaixo da placa solar (tal como
se vê na figura).

O sol como produtor eléctrico


A energia solar também pode ser usada para produzir electricidade.
Alguns sistemas solares, como o que está na figura,
usam um reflector alto e côncavo como uma
parabólica para focar a luz do sol nos tubos; estes
aquecem tanto que a água ferve. O vapor pode ser
usado para girar uma turbina e produzir
electricidade.

O problema do sistema solar eléctrico é que apenas funciona durante o dia,


enquanto o sol aquece. Por isso, com o tempo nublado ou á noite não se gera
energia eléctrica. Alguns sistemas são duplos, ou seja, durante o dia a água é
aquecida pelo sol e á noite usa-se gás natural para a ferver; deste modo, continua-
se a produzir electricidade.

Outro sistema solar de produção eléctrica


é o que se vê na figura.

A luz do sol é reflectida em 1800 helióstatos - instrumento que conserva numa


direcção constante um raio solar introduzido numa câmara escura. A luz reflectida
para o centro da câmara aquece um fluído que pode ser usado para ferver a água
girando a turbina e o gerador.
Este sistema experimental chama-se Solar II e está a ser reconstituído no deserto
da Califórnia com novas tecnologias. Se este sistema resultar será capaz de
abastecer 10000 casas.
Células solares
Também podemos transformar a luz do sol directamente em electricidade usando
células solares.
As células solares também se chamam células fotovoltaicas e podem ser
encontradas em pequenas aplicações como máquinas de calcular ou até em naves
espaciais. Este sistema foi desenvolvido na década de 50 nos E.U.A. na construção
dos satélites espaciais.

Quando a pequena célula solar fica exposta ao sol, os


electrões (círculos vermelhos) libertam-se do seu
núcleo deslocando-se. Eles movem-se para a
superfície da placa solar (a azul escuro). As duas
extremidades da célula solar estão ligadas por um fio
condutor eléctrico; assim, o movimento dos electrões
gera uma corrente eléctrica. A energia eléctrica da
célula solar pode então ser usada directamente nas
máquinas de calcular.
A energia solar também pode ser armazenada em baterias para alimentar os
candeeiros da estrada á noite. Já existem algumas experiências com carros que
usam as células solares para converter directamente a luz do sol em electricidade
para fazer funcionar o carro.
Revisão da matéria dada
1. A luz do sol sempre foi uma fonte de energia para as plantas, animais e pessoas.

2. O calor do sol pode ser usado para aquecer água contida em tubagem própria
nos nossos telhados.
3. A luz e calor solares também pode ser concentrada e focada em sistemas
eléctricos solares que aquecem água ou outro fluído para produzir vapor. Este gira
a turbina e produz electricidade.
4. Quando a luz do sol atinge as células solares cria-se directamente energia
eléctrica.
Capítulo 10 - A energia Eólica

A energia cinética do vento também é uma fonte


de energia e pode ser transformada em energia
mecânica e eléctrica. Um barco á vela usa a
energia dos ventos para se deslocar na água.
Esta é uma forma de produzir força através do
vento.

Durante muitos anos, os agricultores serviram-se da energia


eólica para bombear água dos furos usando moinhos de vento.
O vento também é usado para girar a mó dos moinhos
transformando o milho em farinha. Actualmente o vento é
usado para produzir electricidade.

O vento forte pode rodar as lâminas


de uma turbina adaptada para o vento
(em vez do vapor ou da água é o
vento que faz girar a turbina). A
ventoinha da turbina está ligada a um
eixo central que contém em cima um
fuso rotativo. Este eixo chega até uma
caixa de transmissão onde a
velocidade de rotação é aumentada. O
gerador ligado ao transmissor produz
energia eléctrica.

A turbina tem um sistema de abrandamento para o caso do vento se tornar muito


forte, impedindo assim a rotação demasiado rápida da ventoinha.
Um dos problemas deste sistema de produção eléctrica é que o vento não sopra
com intensidade todo o ano, ele é mais intenso no verão quando o ar se movimenta
do interior quente para o litoral mais fresco. Outro entrave é o facto do vento ter
que atingir uma velocidade superior a 20 km/hora para girar a turbina
suficientemente rápido.
Cada turbina produz entre 50 a 300 kilowatts de energia eléctrica. Com 1000 watts
podemos acender 10 lâmpadas de 100 watts; assim, 300 kilowatts acendem 3000
lâmpadas de 100 watts cada.
Cerca de 30% da electricidade produzida a partir do vento é criada na Califórnia. A
Dinamarca e Alemanha também são grandes exploradores da energia eólica.
Mas uma vez produzida a electricidade é necessário conduzi-la até ás casas, escolas
e fábricas. O sistema de transmissão eléctrica é explicado no próximo capítulo.
Revisão da matéria dada
1. A energia eólica pode ser transformada.
2. Durante muitos anos o vento era usado para deslocar os barcos á vela ou nos
moinhos de vento para bombear a água dos poços.
3. As turbinas de vento são usadas actualmente para produzir energia eléctrica.
4. O vento gira as lâminas largas da turbina que accionam os geradores produzindo
electricidade.
Capítulo 11 - O sistema de Condução Eléctrica

Depois de produzida, a electricidade tem de ser


distribuída pelos clientes que a usam. Portugal e
muitos outros países possuem uma vasta rede de
condução eléctrica. Em qualquer lugar vês os fios
eléctricos suspensos pelos postes de alta tensão.

Um gerador a funcionar produz electricidade com uma voltagem de 25000 volts.


Um volt é a medição da força do movimento eléctrico, ou seja, é a força que
empurra os electrões dentro de um circuito eléctrico.
O nome volt vem de um físico italiano chamado Alessandro Volta que inventou a
primeira bateria.

Para conduzir a electricidade a longas distâncias é


necessário aumentar-lhe a voltagem; por isso, a
energia eléctrica vai, em primeiro lugar, para um
transformador eléctrico que lhe aumenta a voltagem
até 400000 volts.

A energia é transportada por cabos eléctricos grossos constituídos por cobre ou


alumínio porque têm uma resistência baixa. (Com certeza lembras-te do capítulo 2
onde aprendeste que quanto maior a resistência do fio mais quente fica e menor é
a condução eléctrica). Estes cabos conduzem a energia até uma subestação
eléctrica. Lá, os transformadores diminuem a voltagem eléctrica, em diferentes
níveis de potência consoante a sua aplicação e local onde a electricidade se destina:
fábricas, casas, escolas, candeeiros de rua, etc.
Na tua vizinhança, existe outro pequeno transformador colocado num poste
eléctrico que converte a electricidade em níveis eléctricos ainda mais pequenos
para poder ser usada na tua casa. A voltagem utilizada no abastecimento
doméstico em Portugal é 220 volts. Actualmente já existem novas linhas de
distribuição eléctrica subterrânea.

A electricidade que entra em tua casa passa primeiro


por um contador. A companhia eléctrica (EDP-
Electricidade de Portugal) através do contador sabe
quanto gastaste e seu respectivo preço.

No fim de medida, a energia eléctrica vai para um quadro que protege a casa de
possíveis avarias. Quando o quadro dispara é porque algo está mal; pode haver
uma sobrecarga eléctrica (se tiveres muitos electrodomésticos ligados ao mesmo
tempo) ou um curto-circuito.
Nunca mexas nos fios eléctricos nem nas tomadas, deves chamar sempre um
adulto ou electricista que arranje a avaria em segurança.
Revisão da matéria dada
1. A electricidade é em primeiro lugar conduzida para um transformador que
aumenta substancialmente a voltagem eléctrica.
2. Os cabos eléctricos espessos transportam a carga eléctrica até ás cidades ou
vilas onde estão colocadas subestações eléctricas que reduzem a voltagem
conforme seja a sua aplicação.
3. Na tua vizinhança existe outro transformador que reduz a carga eléctrica até aos
220 volts.
4. Dentro de todas as casas existe um contador para que a companhia eléctrica nos
cobre pela energia que gastámos.
5. Nunca toques nos fios ou tomadas eléctricas, pois podes apanhar um choque.
Capítulo 12 - O sistema de distribuição do gás natural
Tal como aprendemos no capítulo 5 o gás natural encontra-se no subsolo. A sua
extracção é feita através de fundas perfurações até chegar aos reservatórios de
gás.
O gás natural chega até nós por meio de um complexo circuito de tubos e canos
apropriados que o transportam desde o local da extracção até ás nossas casas,
fábricas e centrais eléctricas, onde serve de combustível para produzir
electricidade. Alguns tubos têm 60 cm de altura.
Nas pastelarias usa-se o gás natural para aquecer os fornos; noutras empresas, ele
é usado simplesmente para aquecer os prédios ou a água.

Os canos largos que transportam o gás começam a


subdividir-se em tubos cada vez mais finos até
chegar a tua casa.

Tal como a electricidade, o gás natural também passa por um contador que
memoriza a quantidade de gás gasta.
Nas zonas rurais não há canalização do gás natural e, por isso, o propano (é um
gás derivado do petróleo feito nas refinarias) ou botijas de gás são usados em vez
do gás natural. Em Portugal esta é a situação mais comum.
Os camiões também transportam o gás natural em tanques adequados.
O gás natural é um combustível limpo porque quase não liberta resíduos tóxicos. Ao
queimar, a chama azul significa que são libertadas poucas substâncias tóxicas como
o bióxido e monóxido de carbono que provocam a poluição do ar.
Os investigadores estão certos que o gás natural é um bom combustível para os
carros, pois produz 90% menos poluição do que a gasolina ou gasóleo.
Revisão da matéria dada
1. O gás natural é transportado por tubos desde o local onde é extraído até ás
nossas casas, escolas, fábricas, etc.
2. O gás natural passa por um contador para que a companhia do gás saiba quanto
gastaste e seu respectivo preço.
3. A combustão do gás natural é bastante limpa poluindo muito pouco o ambiente.
Capítulo 13 - A energia para transportação
Na Califórnia, metade de toda a energia produzida ou comprada destina-se á
transportação de carros, aviões, camiões, motas, comboios, transportes públicos,
etc. Três quartos de todo o petróleo é transformado em gasolina e gasóleo para os
veículos.
Como aprendemos no capítulo 5, o petróleo vai para refinarias onde é transformado
em vários produtos, tais como: a gasolina, o gasóleo ou o combustível dos aviões;
todos usados na transportação.
A partir das refinarias e tanques de armazenamento, o transporte dos combustíveis
é efectuado em grandes camiões até ás bombas de abastecimento; local onde o teu
pai enche o depósito do carro. Os camiões têm capacidade para levar até 45400
litros de combustível em cada tanque.
Nas bombas de abastecimento, a gasolina e outros combustíveis são mantidos em
tanques subterrâneos. Quando deitas combustível no depósito do carro estás a
retirá-lo de um "armazém" subterrâneo.
O estado da Califórnia é terceiro maior consumidor do mundo de gasolina. Existem
mais de 23 milhões de veículos registados e gasta-se, em média, 60.382 biliões de
litros gasolina por ano.
Ao queimar a gasolina liberta gases poluentes, por isso, as companhias petrolíferas
tentem criar outros tipos de gasolina mais limpa (é o exemplo da gasolina sem
chumbo).

Em Portugal já deixou de circular gasolina com


chumbo justamente por causa da poluição.

Além das gasolinas "limpas" têm-se desenvolvido outros combustíveis. É o caso do


álcool metilo que deriva do gás natural e não é poluente. A sua utilização é
frequente em alguns carros de corrida. O metilo também pode ser usado
juntamente com a gasolina como no carro que se vê na figura.

O álcool etílico é outro dos combustíveis alternativos.


Alguns carros mais recentes já estão preparados
para receber o álcool etílico em vez da gasolina.

Existem bombas de gasolina que vendem gás natural comprimido em cilindros para
os carros (os cilindros de gás colocam-se no porta bagagem).
Há carros que no futuro poderão ser alimentos a energia eléctrica ou hidrogénio
(substância que quando queimada liberta apenas vapor).
Todos estes combustíveis chamam-se combustíveis alternativos, pois surgem para
substituir a gasolina e o gasóleo.
Neste momento são poucos os carros que usam combustíveis alternativos. Na
Califórnia, em 1995, haviam cerca de 30000 carros a gás propano; 12000 a metilo;
5000 a gás natural e 500 a electricidade. São poucos veículos comparando com os
23 milhões registados neste estado da americano.
Revisão da matéria dada
1. Metade de toda a energia produzida na Califórnia serve como combustível para
os veículos.
2. A gasolina e o gasóleo são os principais combustíveis dos carros, camiões,
transportes públicos, etc.
3. Estes derivados do petróleo são transportados até ás bombas de gasolina em
grandes tanques.
4. Os chamados combustíveis alternativos estão a começar a utilizar-se em
substituição da gasolina e do gasóleo.
Capítulo 14 - Energias não renováveis e sua
preservação
Algumas formas de energia que consumimos são renováveis, nas quais se incluem
a energia solar, eólica, hidráulica e geotérmica. Estes tipos de energia estão
constantemente a ser renovados.
Mas, há outras fontes de energia que não são renováveis. Por exemplo, a energia
que usamos nos nossos carros não se pode fabricar; os combustíveis fósseis levam
milhões de anos para se formarem e não podem ser produzidos de um dia para o
outro.
As fontes de energia não renováveis são finitas e esgotam-se (um poço de petróleo
não pode ser enchido pois este combustível é resultado de milhões de anos de
decomposição orgânica). Uma vez gasta não é possível usá-la de novo, por isso, o
melhor é conservar e poupar ao máximo as formas de energia não renovável.
Deves desligar os aparelhos que não estão a ser usados, vistos ou ouvidos e apagar
as luzes da sala ou do quarto quando ninguém lá está.
Ao colocar isoladores nas paredes podemos reduzir a quantidade de energia
necessária para aquecer ou arrefecer a casa. Isolar a casa é como vestir uma
camisola ou casaco quando tens frio; da mesma forma o isolador prende o calor
dentro de casa mantendo uma temperatura agradável.
Para fabricar todos os jornais, canos de alumínio, garrafas de plástico e outros bens
é necessário gastar muita energia. Através da reciclagem - processo que consiste
em triturar ou moer os materiais para voltar a usá-los - os objectos podem ser
aproveitados utilizando muito menos energia do que se produzíssemos com
matérias primas. Assim, outra forma de poupar energia é através da reciclagem.
Nos veículos automóveis também é possível minimizar o consumo de combustível;
por exemplo se os pneus estiverem convenientemente cheios, o carro afinado com
ar e óleo limpo andando da forma mais correcta gasta-se menos gasolina. Nunca
sobrecarregues o carro, pois quanto mais carga mais difícil é a deslocação e, por
isso, gasta mais combustível.
Quando os teus pais comprarem um carro novo diz-lhes para comparar cada
modelo e adquirir aquele que gaste menos litros de combustível por km.
Também podes poupar energia na tua escola. Em cada semana a turma pode
eleger um encarregado que garanta o racionamento correcto da energia.
Implementa uma Patrulha de Energia. Começa por colocar pequenos avisos por
cima dos interruptores eléctricos com o seguinte: "Não esquecer de apagar as
luzes". Tenta garantir que todos os teus colegas mandam para a reciclagem os
canos de alumínio, garrafas, papeis e jornais, etc. Não te esqueças de separar o
lixo quando o despejas: o vidro no vidrão e o papel e cartão no papelão.
A energia Biomassa
A biomassa é o material que normalmente imaginamos como lixo. São restos e
sobras de toda a espécie: árvores mortas, ramos de árvores, restos de relva
cortada, cascas de árvores e serradura que sobram nas carpintarias, sobras de
colheitas, cascalho e pedras miúdas das habitação, produtos de papel e outros
objectos que deitamos fora.
A biomassa pode ser aproveitada para produzir electricidade reduzindo a
necessidade de recorrer a outras fontes de energia.
Na Califórnia, a biomassa é responsável pela produção de 2,77% de toda a energia
eléctrica.
O uso da biomassa não contribui para o aquecimento global da Terra. As plantas
usam e armazenam bióxido de carbono enquanto crescem, depois ele é libertado
quando queimamos as plantas. Assim, termina-se o ciclo de armazenamento do
bióxido de carbono. Este gás em quantidades excessivas provoca o efeito de estufa
ou o aquecimento global do planeta.
A grande vantagem da biomassa é que pode ser reutilizada e transformada noutros
produtos como o papel e fertilizantes; acumula-se menos lixo nas lixeiras e é
necessária menos terra para depositar o lixo.
A biomassa é amiga do ambiente porque pode ser reduzida, reciclada e reutilizada.
Hoje em dia descobrem-se novas formas de a usar, por exemplo, para produzir um
álcool especial que serve de combustível para os carros. Outra maneira de usar a
biomassa é transformá-la em gases inflamáveis cujo objectivo é a produção
eléctrica.

Você também pode gostar