Você está na página 1de 10

1

EXAMES CONTRASTADOS PEDIÁTRICOS.


2

EXAMES PEDIÁTRICOS

- Indicações

- Preparo

- Técnica de exame

 Sempre na presença do responsável

- Baixa radiação

Técnica apurada = KVP alto ou na media, MA alto e TEMPO de exposição baixo.

Diafragmação.

Menor número de radiografias.

OBS: NÃO SE ESQUECER DO MA x TEMPO = MAS

MEIOS DE CONTRASTE.

• Meios de contraste são substancias usadas em radiologia com objetivo de permitir a


suficiente diferenciação entre estruturas vizinhas que possuem densidade similar. O meio
de contraste permite esta diferenciação através do aumento de contraste entre as estruturas.

• CAPACIDADE DE ABSORVER RADIAÇÃO:


1. Positivos ou radiopacos: Quando presentes em um órgão absorvem mais
radiação que as estruturas vizinhas.
2. Negativos ou radio transparentes: É o caso de ar e dos gases que permitem
a passagem dos RX mais facilmente servindo assim como contraste negativo. (ex:
radiografias de duplo contraste, ar e bário).

Os meios de contrastes positivos tem peso atômico elevado determinando alta absorção dos raios-x. Estes
meios de contrastes são basicamente de dois grupos: Iodados e Baritados.

Os meios de contraste negativos tem baixo peso atômico, com mínima absorção dos raios-x e são
representados por elementos gasosos como ar atmosférico e gás carbônico. São úteis em certas
circunstancias e hoje de uso bem menos comum.

• SOLUBILIDADE:
1. Hidrossolúveis: dissolve-se em água.
2. Lipossolúveis: dissolve-se em lipídios (gordura).
3. Insolúveis: não se dissolvem. Ex: sulfato de bário.
3

 MEIOS DE CONTRASTE BARITADOS.

Os meios de contraste baritados contem em sua estrutura o elemento químico Bário. O Sulfato
de Bário é a forma química mais usada como meio de contraste e pode ser encontrado em forma
de pó ou suspensão coloidal pronta para o uso. O Sulfato de bário é administrado por via oral ou
retal e usado para estudo radiológico do tubo digestivo.

Exemplos de exames do tubo digestivo realizados com Sulfato de Bário: exames contrastado do
esôfago estômago e duodeno, transito delgado e clister opaco.

Exame em duplo contraste são aqueles em que se usa um meio de contraste positivo junto com um
meio de contraste negativo.

Como exemplo temos:

1. Exame em duplo contraste do estomago e duodeno onde se utiliza um meio de contraste


positivo (sulfato de bário) e um meio de contraste negativo (gás carbônico).

2. Exame em duplo contraste de uso comum o “Clister Opaco”, onde se utiliza um meio de
contraste positivo (sulfato de bário) e um meio de contraste negativo (ar atmosférico).

A água (contraste neutro) algumas vezes pode ser utilizada como substituto de contraste negativo
com o objetivo de promover distensão do tubo digestivo.

CONTRA INDICAÇÃO NO USO DO SULFATO DE BÁRIO

Por ser um composto insolúvel, o sulfato de bário é contra indicado se houver qualquer
chance de que possa escapar para a cavidade peritoneal. Isso pode ocorrer através de vísceras
perfuradas, ou no ato cirúrgico se este suceder o procedimento radiológico.

Em qualquer dos dois casos, deve ser usado então contraste iodado hidrossolúvel, que podem
ser facilmente removidos por aspiração antes da cirurgia ou durante esta; por outro lado, se essas
4

substâncias passarem para a cavidade peritoneal, o organismo pode absorvê-la facilmente. Quanto
ao sulfato de bário não será absorvido e deverá ser removido pelo cirurgião, de qualquer lugar em
que seja encontrado fora do canal alimentar.Embora seja raro, já foi descrito pacientes
hipersensíveis ao sulfato de bário, por isso todo paciente deve ser observado quanto a quaisquer
sinais de reação alérgica.

• OBS: Após um exame contrastado com Bário, orientar o paciente para ingerir uma maior
quantidade de líquido, para facilitar a eliminação do Bário.

MEIOS DE CONTRASTE IODADOS IÔNICOS.

Os agentes de contraste convencionais são chamados iônicos, o que significa que se dissociam
quando dissolvido em água para formar as soluções de contrastes, separando-se em duas partes:
um ânion (negativo) e um cátion (positivo):

• Anion: anel triiodado.


• Cátion: sódio ou meglumina.
Em resumo podemos dizer que os modernos meios de contraste iodados iônicos são sais
hidrossolúveis constituídos por um anel benzênico triiodado ligado a sódio ou a meglumina.

Os principais grupos de sais iodados benzênico em uso hoje são: Acetrizoato, Diatrizoato,
Iotalamato, Metrizoato, Amitriodinato (iodamida), Ioxitalamato. Podendo estes estar ligados a
sódio ou meglumina.

IÔNICOS
COOH = Ligação
salina, solubilidade
aquosa.
I = Componente que
COOH + sódio ou meglumina produz contraste.
R1 e R2 = Redução
da toxidade e lipofilia.
R2 = Via de
eliminação.

R1 R2
CÁTION (ÍON POSITIVO)
+
ÂNION (ÍON NEGATIVO)
I
5

MEIOS DE CONTRASTE NÃO IONICOS.

Meios de contraste não iônicos são modernos meios de contraste cuja molécula não se
desassocia em íons quando em solução aquosa.

A metrizamida marcou o inicio desta nova era no desenvolvimento do agente de contraste.


Surgiu em 1070, tendo sido o primeiro meio de contraste não iônico em uso. Era apresentada
em dois frascos para preparo da solução imediatamente antes da administração, podendo ser
usada por via intra-tecal.

Sendo não iônico o meio de contraste é estável e não se desassocia quando dissolvido em água.

Os principais meios de contraste não iônico hoje em uso são:

Iopamidol
Iohexol
Ioversol
Os meios de contraste não iônico tem como base o anel benzênico triiodado. A diferença entre eles
esta na cadeia lateral ligada ao anel benzênico.

Além de sua estrutura química e apresentação os meios de contrastes tem outras propriedades
importantes a serem consideradas em seu uso clinico como: concentração, viscosidade, e teor de
iodo. Uma abordagem mais detalhada destas propriedades estão fora do objetivo deste texto.

COOH =
NÃO-IÔNICOS Ligação salina,
solubilidade
aquosa.
COOH + am ida ou glicose
I =
Componente
que produz
I I contraste.
NÃO DISSOCIA
R1 e R2 =
Redução da
R1 R2 PERMANECE
toxidade e
INTACTO
lipofilia.
R2 = Via de
I eliminação.

OBS: Antes de utilizar o meio de contraste iodado, realizar a ANAMENESE.


6

Uma anamnese cuidadosa, colhida com o paciente pode Alertar a equipe sobre uma possível
reação Pacientes com história de alergia são mais propensos a sofrer reações adversas ao contraste.

URETROCISTOGRAFIA MICCIONAL
Indicação: Infecção urinária (I.T.U), Patologias vesicais e uretrais, Anomalias congênitas.

Preparo: Jejum.

Material: sondas 3, 4 ou 6 URETRAL, XILOCAÍNA. 50 ml contraste iodado / 200 ml soro


fisiológico.

Técnica: Escopia + Radiografias panorâmicas/ enchimento / micções / pós miccional.

OBS: SE OBSERVAR REFLUXO, FAZER AP PANORAMICO DO ABDOME.

AP SIMPLES AP DA BEXIGA OBL. DIR. BX OBL. ESQ. DA BEXIGA

PÓS

MICCIONAL

MICCIONAL

EM AP

UROGRAFIA EXCRETORA.
7

Indicação: Patologias vias urinárias – anatomia e função, US ou exames anteriores prévios

Preparo: Jejum, dependendo da idade, associa-se purgativos, para limpeza intestinal.

Material: Contraste intravenoso não iônico 1 a 2ml/kg, escalpe, seringas, agulhas.

Técnica: Radiografias panorâmicas AP/AP com 5 /AP com 10/ AP com 15/ Oblíquas/PÓS-
MICCIONAL.

AP SIMPLES AP C/ 5m AP C/ 1Om AP C/15m PÓS- MICCIONAL.

ESOFAGOGRAMA

Indicação: Estudo deglutição / pesquisa de RGE/Anomalias congênitas.

Preparo: Para o adulto Não é necessário preparo intestinal.

Obs: para crianças, deixar em jejum, para poder fazer o uso do Contraste.

Material: Contraste baritado, Mamadeiras / seringa ou copo.

Técnica: Deglutição – acompanhar com Radioscopia, Esôfago – AP / Perfil / Oblíqua.

Obs: Ficar atento para o refluxo G. Esofágico.


8

AP SIMPLES AP DO ESOFAGO OBL. DO ESOFAGO PERFIL DO ESOFAGO

SEED

Indicação: Estudo deglutição / pesquisa de RGE, Patologias obstrutivas do TGI

Avaliação mucosa esofageana e gástrica.

Preparo: Para o adulto se faz uso de preparos.

Obs: para crianças, deixar em jejum, para poder fazer o uso do Contraste.

Material: Contraste baritado, Mamadeiras / seringa ou copo.

Técnica: Deglutição – Radioscopia, esôfago/AP/OBL/PERFIL, Estomago/ bulbo / duodeno,

– AP / Perfil em AP e oblíqua posterior, Pesquisa de refluxo – 5 minutos em AP apenas com

contraste ou mamada adicional.

AP SIMPLES ESTOMAGO E DUODENO EM AP ESTOMAGO DUODENO EM OBL. ESTOMAGO E


DUODENOEM PERFIL.

TRÂNSITO INTESTINAL
9

Indicação: Patologias mucosa intestinal, Má rotações, Avaliação das síndromes disabsortivas


Giardíase, Neoplasias Intestinais.

Preparo: Mesmo da SEED

Material: Contraste Baritado.

Técnica: Semelhante aos exames de adulto, O EXAME DEVE SER CRONOMETRADO.


Radiografia 24 horas, a critério médico.

CLISTER OPACO

Pesquisa de Megacolon
Indicação: Obstipação intestinal, Intussuscepção, colite, Neoplasia.

Preparo: Apenas não usar laxantes ou supositórios 3 dias prévios ao exame

Só manter em jejum.

Material: Bário diluído com soro fisiológico Sonda retal,seringas,xilocaína, luvas e outros

Não injetar ar.

Técnica: Administração de contraste retal, para visualização da


região Reto-sigmoideana. Fazer AP/PERFIL, Radiografia AP /
Oblíquas do restante do intestino.Radiografia 24 horas, a
critério médico.
10

AP SIMPLES PERFIL DO RETO AP DO


RETO AP DO INTESTINO

OPD
OPE