Você está na página 1de 3

Ficha de Leitura

Biografia:
Annelisse Maria Frank, mais conhecida como Anne Frank,
nasceu em Frankfurt am Main, a 12 de Junho de 1929. É a filha de
Otto Heinrich Frank e de Edith Frank-Holländer e irmã de Margot
Frank, uma família de patriotas alemãs que participaram na Primeira
Guerra Mundial.

Ela e a sua familia, juntamente com mais quatro pessoas,


(Peter, Dussel, sr. e sra. Van Daan) viveram 25 meses, durante a
Segunda Guerra Mundial, num anexo de quartos por cima do
escritório do pai de Anne, em Amsterdã, nos Países Baixos,
denominado por Anexo Secreto. Enquanto vivia no Anexo Secreto,
Anne escrevia no seu diário (que ganhou no aniversário), a que ela
deu o nome de Kitty. No diário ela escrevia o que sentia, o que
pensava e o que fazia. Kitty e logo depois Peter eram seus únicos
amigos dentro do Anexo Secreto. Os longos meses de silêncio e medo
aterrorizante, acabaram ao ser denunciada aos nazistas e
transportada para um campo de concentração nazi.

O local onde a família de Anne Frank e outras quatro pessoas


viveram para se esconder dos nazistas tornou-se um famoso museu
após a publicação do diário. Nesse há uma reprodução das condições
em que estes viviam e é apresentada a história de seus oito
habitantes e das pessoas que os ajudaram a se esconder durante a
guerra. Um dos itens apresentados ao público é o diário escrito por
Anne, que viria a se tornar mundialmente famoso após sua morte,
devido a iniciativa de seu pai, Otto, de publicá-lo. Hoje, é um dos mais
famosos símbolos do Holocausto. Dos oito habitantes do Anexo, o
único sobrevivente após a guerra foi Otto, pai de Anne.
Resumo:

O diário de Anne Frank conta a história de uma menina de


família judaica que viveu na época da segunda guerra mundial, cuja
vida lhe reservou pouca sorte e que se escondeu durante anos com a
sua família e alguns amigos em Amesterdão para se escapar á fúria
hitleriana de acabar com os judeus. Tentou enfrentar em silêncio os
nazis e proteger o seu povo.
Anne frank, com 13 anos, escreveu neste mesmo diário tudo o que
passou com este grupo de pessoas neste período de guerra entre
nações até a sua morte. Todo o sofrimento, toda a sua revolta e todas
as perguntas que fazia frequentemente a si mesma são relatadas na
primeira pessoa neste diário de uma vida não vivida.
Não sabia porquê que o povo hitleriano perseguia os judeus e porquê
toda aquela guerra, mas ao longo do tempo começou a arranjar
respostas para as suas dúvidas e tentou arranjar uma maneira de se
proteger a si e a toda a sua família. Certo tempo depois foram
encontrados e levados para campos de concentração. Anne acabou
por morrer no campo de concentração de Bergen-Belsen.

Comentário:

Recomendo este livro porque é uma obra que nos faz reflectir
sobre se quando proferimos: “Tenho fome”, “Não posso fazer o que
quero”, temos razão dado que, em comparação com a vida de Anne,
estes lamentos não são verdade.
A parte de que mais gostei foi das aventuras nocturnas no anexo e
das conversas amorosas entre Peter e a autora, pois comprovam o
amor entre eles e o tempo que se leva a conquistar o coração de
outrem.
Na minha opinião, o texto devia ser acompanhado por imagens como
as da capa do livro.
Por todos os factores mencionados ao longo desta ficha de leitura
acho que o diário merece a popularidade e o valor que tem.

Interesses relacionados