Podemos encontrar forças propulsoras e restritivas que afetam a integração

global entre os mercados:
Propulsoras: acordos econômicos regionais, necessidades e desejos do mercado,
tecnologia, melhorias de comunicação e transportes, altos custos de desenvolvimento de
certos produtos que só são recuperados no mercado global, tendências econômicas
mundiais, possibilidade de maior investimento em qualidade e alavancagem (vantagem
por fazer negócios em mais de um país: transferência de experiência, economia de
escala, uso de recursos e estratégia global).
Essas chamadas forças propulsoras incentivam a participação internacional das
empresas por apresentar algum tipo de vantagem competitiva. A vantagem competitiva
surge quando o valor que uma empresa consegue criar para seus compradores ultrapassa
seu custo de fabricação. São essencialmente dois tipos, vantagem pela liderança em
custo e/ou pela diferenciação.
Análise das forças propulsoras:
Acordos Econômicos Regionais: Os acordos de cooperação econômica e
comércio preferencial entre países dão maior liberdade e justiça ao comércio mundial de
mercadorias e serviços. São exemplos, OMC, GATT, áreas de livre comércio, uniões
alfandegárias, mercados comuns e uniões econômicas. Mais especificamente no caso
brasileiro o Mercosul (Mercado Comum do Sul) no qual o Brasil participa desde 1991,
juntamente com Argentina, Paraguai e Uruguai.
Necessidades e Desejos do Mercado: Em mercados mundiais encontram-se
padrões universais e diferenças culturais, todavia, as necessidades e desejos dos
consumidores no mundo todo nunca foram tão convergentes, o que cria oportunidades
para a empresa global. As culturas populares de quase todas as sociedades são
inundadas por imagens, que são veiculadas principalmente nos filmes de Hollywood.
Este estilo de vida cria demandas que até antes não existiam e cabe às empresas mais
oportunistas e mais estrategicamente preparadas satisfazê-las.
Tecnologia e Melhoria de Comunicação e Transportes: A tecnologia não somente
associada à produção, mas à comunicação e ao transporte, como muito importante para
o crescimento do comércio internacional. “Os computadores, satélites e sistemas
intricados de processamento de dados tornam instantâneas as negociações no exterior”.
A tecnologia é vista como origem e significado da globalização, e indica a
transformação tecnológica como um dos principais condutores da concorrência por ser
capaz de revezar lideranças de mercado entre as empresas acabando com vantagens

Além da dinâmica do mercado proporcionada por uma redução de custos e aumento da produtividade. por exemplo. . cabe ressaltar que um produto deve ter o mínimo de qualidade para entrar no mercado. atingindo assim a vantagem competitiva. na eliminação de cargos repetidos. Isto gera possibilidade de maior investimento em qualidade e pesquisa e desenvolvimento. concentra recursos na criação de valor superior para os consumidores. a empresa adere aos três princípios anteriores: alavanca suas habilidades. porém deve primar pela qualidade para se manter no mesmo. por causa de quatro fatores como segue: Transferência de Experiência: uma empresa global pode alavancar sua experiência em qualquer mercado valendo-se de seu know-how em práticas de gerência estratégica. Estratégia Global: a empresa global constrói sua estratégia baseada em um sistema de informações capaz de vasculhar o ambiente mundial de negócios para identificar oportunidades. pessoas. tende a ter uma maior receita e margens operacionais mais altas. melhor competência e qualidade. Tendências Econômicas Mundiais: Há motivos principais para que o crescimento econômico seja força propulsora da expansão da economia internacional. primeiramente as oportunidades no mercado externo aliadas ao lento crescimento no mercado doméstico. atende ao consumidor que migrou. riscos e recursos. de marketing e de todas as outras áreas com características comparáveis a mercados já testados. Isto. recursos monetários e matérias-primas que permitam competir eficazmente no mercado internacional. Entretanto. Alavancagem: alavancagem é uma vantagem por fazer negócios em mais de um país.competitivas ora estabelecidas. Utilização de Recursos: ela pode procurar no mundo todo. Economia de Escala: a empresa global vale-se do volume global de produção para obter vantagem de escala na fabricação. mesmo que temporariamente. Já o crescimento econômico reduziu a resistência à entrada de empresas estrangeiras nas economias nacionais e por fim. tendências. para além das fronteiras nacionais. Identificadas as oportunidades. downsizing de atividades funcionais. A internacionalização tornou-se um importante caminho para as empresas brasileiras por ser uma alternativa à instabilidade econômica e aos momentos de estagnação interna. tanto por atender a uma parcela maior e mais exigente de consumidores quanto pela luta contra a concorrência local e global. Qualidade: quando a empresa opera globalmente. a tecnologia permite uma diferenciação em produtos ou serviços quando. o movimento mundial de desregulamentação e privatização.

política. Essas barreiras comerciais podem ser qualquer lei. logo percebe a necessidade de um pensamento mais global. fitossanitários e de saúde animal sem transparência. BNDES. Indústria e Comércio Exterior em parceria com o setor privado. Pode-se incluir neste tópico restritivo. regulamento. conta com financiamentos especiais no Banco do Brasil. a empresa que deseja expandir-se. espera cada vez mais fortalecê-lo e expandi-lo. procedimentos alfandegários. deve ter nas equipes uma perfeita integração com livre fluxo de informações e sugestões.etnocentrismo: A empresa de visão “estreita” e etnocêntrica (considera seu país superior) tende a não se expandir geograficamente. aquelas que inibem ou limitam a internacionalização são barreiras de entrada: Miopia Administrativa e Cultura Organizacional . CAIXA e outros bancos estatais. licenciamento de importações. . principalmente o pequeno exportador. sanitários. medidas antidumping e compensatórias) e as barreiras técnicas (normas e regulamentos técnicos. O Governo Brasileiro também se preocupa com o comércio para além de suas fronteiras e através do Ministério do Desenvolvimento. as barreiras não-tarifárias (restrições quantitativas. Hoje. medida. Controles Nacionais: todo país protege as empresas e interesses locais. as barreiras nãotarifárias ainda dificultam o acesso das empresas a esses mercados. e quando o faz. a falta de conhecimento sobre os mercados potenciais. mantendo sob controle o acesso ao mercado e à entrada de indústrias de baixa e alta tecnologia. ou excessivamente rigorosos ou morosos e dispendiosos).Incentivos Governamentais: Todos os governos estimulam a exportação e em muitos países os governos subsidiam suas empresas ou até mesmo fornecem dinheiro diretamente para as empresas poderem cobrar preços mais baixos do que concorrentes estrangeiros. As barreiras mais comuns relativas ao comércio de bens são as barreiras tarifárias (tarifas de importação e outras taxas aduaneiras). Para isso. muitas barreiras tarifárias foram removidas graças aos acordos econômicos regionais. ou seja. no entanto. Forças Restritivas As forças restritivas. Ao mesmo tempo. ou prática governamental que restrinja ou distorça o comércio internacional.