EXPERIÊNCIA DE UMA INTERVENÇÃO EM GRUPO OPERATIVO COM

ADOLESCENTES DO LAR FABIANO DE CRISTO
JOELY LÚCIA DE SOUZA RODRIGUES
(joelylucia0109@hotmail.com)
CAROLINA DE SOUSA MALCHER
(carolinamalcher@yahoo.com.br)
MARGARETE BENTES MONTEIRO
(margaretebmonteiro@hotmail.com)
CARLOS ALBERTO PRADO GOMES
(carlospradopsi@hotmail.com)
(Universidade da Amazônia – UNAMA)

Resumo: Este trabalho consiste num relato de experiência de alunos do sétimo semestre de
psicologia, realizando estágio curricular na disciplina Prática em Psicologia Social e
Comunitária, na Instituição Lar Fabiano de Cristo UPI-José, localizada em Belém do Pará.
O Lar Fabiano de Cristo atua no sentido de amparar a família em extrema pobreza,
mobilizando-a para o fortalecimento dos vínculos de integração criança-família-sociedade,
tendo em vista os princípios de que “a vida em família é a mais alta expressão de
civilização” e que “nenhuma criança deverá ser retirada do lar apenas por motivo de
pobreza”. A instituição tem como objetivo promover integralmente as famílias em situação
de exclusão social, atuando através das causas que produzem as situações de miséria
material, social, moral e espiritual, contribuindo para o seu equilíbrio. Em 2010, a
instituição pretende tornar-se referência nacional na atividade de promoção integral de
famílias em situação de miséria. O Lar Fabiano de Cristo disponibiliza às famílias coparticipantes orientação em valores universais para educação do ser integral. Não confere
as suas atividades, sob nenhuma forma ou pretexto, caráter religioso, disseminador de
credo, culto, prática e visão devocional e confessional. Dentre vários grupos existentes na
instituição, os alunos de psicologia escolheram desenvolveram atividades junto ao Grupo
Juvenil, o qual atua em face das necessidades de investimentos sócio-culturais para jovens
da comunidade, onde a falta de empreendimentos artísticos e esportivos deixa muito a
desejar, como apoio na educação dos mesmos. O projeto da instituição visa formar no
Grupo Juvenil a concepção de um grupo voltado a esse tipo de proposta, despertando as
potencialidades artísticas e esportivas desses jovens. O projeto se propõe a trabalhar com
adolescentes na faixa etária de 12 a 14 anos. São oferecidas diversas atividades baseadas
em oficinas e gincanas, que possam incentivar o esforço de cada participante. A
coordenadora promove encontros semanais onde são discutidos temas pré-definidos. Os
assuntos são abordados através de atividades lúdicas, exibição de vídeo, reflexão sobre o
tema em questão. As atividades objetivam dar ao grupo Juvenil uma nova identidade,
baseada em investimentos artísticos e esportivos de interesse dos jovens, através de uma
proposta educativa de abrangência integral, facilitando aos integrantes do grupo o
desenvolvimento de suas potencialidades e contando com pessoas capacitadas para
ministrarem as oficinas específicas a cada tema. Os estudantes de Psicologia foram
acolhidos pelo grupo para o desenvolvimento de um trabalho reflexivo voltado para
questões características da adolescência. A parceria veio com a proposta de somar,
contribuir com o trabalho já desenvolvido pela coordenadora, que deu autonomia aos
1

pois os adolescentes passaram a interagir mais. Foi realizada uma explanação sobre o tema a partir da perspectiva dos adolescentes. porém na atividade reflexiva. auxiliar o grupo na elaboração dos medos básicos (perdas e situações novas). A partir deste momento relatado. Várias figuras foram mostradas sobre o tema. Em seguida. o conhecimento e a prática da Psicologia Social Comunitária. O trabalho que está sendo realizado junto ao grupo de adolescentes visa melhorar as relações dentro do grupo e conseqüentemente junto à comunidade. atuar como agentes facilitadores da aprendizagem e do pensamento no que diz respeito à resolução das dificuldades latentes e manifestadas no campo grupal. poucos interagiam. Na primeira reunião. O resultado dos trabalhos apresentados superou as expectativas do grupo. Foi realizada a dinâmica da construção de um mural sobre o tema da sexualidade. levantando diagnósticos. Os estudantes de psicologia atribuíram ao tema da “amizade” a questão da sexualidade (busca do prazer). Durante as reuniões. tesoura e revistas. com tarefas que visam o desenvolvimento do pensamento crítico e debate de temas pertinentes à realidade em que vivem e questões da própria adolescência. contribuindo com o grupo. O objetivo da parceria é oferecer. os estudantes conversaram com os adolescentes sobre o que é psicologia. Foi estabelecido um contrato com o grupo. Os adolescentes desempenharam com êxito a tarefa. dinâmica sobre o tema do mês e reflexão com o grupo. percebeu-se a mudança no comportamento dos adolescentes a partir de dinâmicas na qual eles mesmos construíam o material. Os encontros com os adolescentes. demonstraram conhecimento e interesse sobre o assunto. principalmente quando convidados a produzirem material que possibilitasse a criatividade a partir de suas próprias percepções. pois abordavam assuntos além do discutido. enquanto estudantes de psicologia. canção do círculo da amizade. e que. As mudanças observadas no comportamento dos adolescentes serviram como um indicador positivo aos objetivos pretendidos. não julgamento. Os adolescentes estão em um processo de perceberem-se como indivíduos com características pessoais únicas. O primeiro tema discutido foi o da “amizade” com o objetivo de identificá-la como um sentimento de afeição. observou-se um grande avanço do processo grupal. estabeleceu-se o grupo reflexivo sobre o “tema do mês”. tiveram duração de quatro meses. para a execução da tarefa. utilizando folhas de papel. mesmo quando solicitados. prece. propondo e realizando intervenções com base na teoria de Grupo Operativo. eleito pela instituição.estudantes na facilitação de dinâmicas e de estarem pontuando questões que surgem no decorrer das reuniões. fazendo uma leitura do contexto social e comunitário. música de harmonização. A intervenção operativa tem como objetivo fazer uma leitura com base na teoria de Grupo Operativo de Pichón Riviere. no qual haveria o comprometimento dos estudantes acerca do sigilo. Tal tema foi abordado dentro de um roteiro pré-definido pela coordenadora que consistia em: boas vindas. em uma sala da instituição. a coordenadora do grupo apresentou os estudantes de psicologia como novos integrantes do grupo. exposição corporal. disponibilidade de escuta e respeito à opinião do outro. identificando vínculos e mecanismos de adjudicação e assunção de papéis. cola. leitura e reflexão de um pensamento. opinavam raramente e/ou brevemente quando a pergunta era direcionada. atuar de forma preventiva e curativa com base na perspectiva da Psicologia Social Comunitária e do Grupo Operativo. hábitos de alimentação e jogos. Cada membro pôde falar de que forma vivia a sua sexualidade no seu dia-a-dia. não devem ignorar suas peculiaridades e 2 . portanto. os adolescentes foram elogiados pela produção e empenho na realização da mesma. as reuniões aconteceram duas vezes por semana (terças e sextas). Após o término da tarefa. destituído de qualquer interesse e que se evidencie nos momentos difíceis. No decorrer do trabalho. tais como: o uso de bebida alcoólica.

Os estudantes de psicologia deixam como sugestão a continuidade do trabalho desenvolvido e a atuação de uma nova equipe para prosseguir com este trabalho. através do exercício de respeito às idéias.sentimentos. Adolescentes. 3 . Palavras-chave: Grupo Operativo. de flexibilizar a escolha dos temas abordados junto à instituição. Eixo-temático: infâncias. Apesar do tempo de convivência limitado. Psicologia Social e Comunitária. adolescências e famílias. a atuação junto à comunidade é de grande importância para o desenvolvimento destes adolescentes. por parte dos novos estudantes que se engajarão no projeto. Deve haver uma tentativa. já que estes são pré-determinados pela mesma. sugestões e sentimentos para o convívio respeitoso e pacífico.

despertando as potencialidades artísticas e esportivas dos jovens. a concepção de um grupo voltado a esse tipo de proposta. caráter religioso.2010: tornar-se referência nacional na atividade de promoção integral de famílias em situação de miséria. Visão . disseminador de credo. prática e visão devocional e confessional. O projeto se propõe a trabalhar com adolescentes na faixa etária de 12 a 14 anos. O Lar Fabiano de Cristo disponibiliza as famílias co-participantes orientação em valores universais para educação do ser integral. sob nenhuma forma ou pretexto. social. localizada em Belém do Pará. contribuindo para o seu equilíbrio. na Instituição Lar Fabiano de Cristo UPI-José. tendo em vista os princípios de que “a vida em família é a mais alta expressão de civilização” e que “nenhuma criança deverá ser retirada do lar apenas por motivo de pobreza”. São oferecidas diversas atividades baseadas em oficinas e gincanas. mobilizando-a para o fortalecimento dos vínculos de integração criança-família-sociedade. como apoio na educação dos mesmos. O Grupo Juvenil: Em face das necessidades de investimentos sócio-culturais para jovens da comunidade. que possam incentivar o esforço de cada participante. O Lar Fabiano de Cristo atua no sentido de amparar a família em extrema pobreza.Introdução Este trabalho consiste num relato de experiência de alunas do sétimo semestre de psicologia. atuando através das causas que produzem as situações de miséria material. moral e espiritual. o projeto visa dar ao grupo Juvenil. culto. Missão: promover integralmente as famílias em situação de exclusão social. onde a falta de empreendimentos artísticos e esportivos deixa muito a desejar. Não confere às suas atividades. realizando estágio curricular na disciplina Prática em Psicologia Social e Comunitária. 4 .

O objetivo da parceria é oferecer enquanto estudantes de psicologia o conhecimento e a prática da Psicologia Social Comunitária. Auxiliar o grupo na elaboração dos medos básicos (perdas e situações novas). propondo e realizando intervenções com base na teoria de Grupo Operativo. exibição de vídeo. através de uma proposta educativa de abrangência integral. facilitando aos integrantes do grupo o desenvolvimento de suas potencialidades e contando com o concurso de pessoas capacitadas para ministrarem as oficinas específicas a cada tema. A parceria com os estudantes Os estudantes de Psicologia foram acolhidos pelo grupo para o desenvolvimento de um trabalho reflexivo voltado para questões características da adolescência. baseada em investimentos artísticos e esportivos de interesse dos jovens. O Objetivo da Intervenção Operativa De acordo com Berstein (1989) e Saidon (1982). contribuir com o trabalho já desenvolvido pela coordenadora. Os assuntos são abordados através de atividades lúdicas. o objetivo da intervenção operativa é fazer uma leitura com base na teoria de Grupo Operativo de Pichón Riviere. levantando diagnósticos. fazendo uma leitura do contexto social e comunitário. atuando de forma preventiva e curativa com base na perspectiva da Psicologia Social Comunitária e do Grupo Operativo.A coordenadora promove encontros semanais onde são discutidos temas prédefinidos. As atividades visam dar ao grupo Juvenil uma nova identidade. atuando como agentes facilitadores da aprendizagem e do pensamento no que diz respeito a resolução das dificuldades latentes e manifestadas no campo grupal. que nos deu autonomia na facilitação de dinâmicas e de estarmos pontuando questões que surgem no decorrer das reuniões. para a execução da tarefa. As reuniões com os adolescentes 5 . identificando vínculos e mecanismos de adjudicação e assunção de papéis. A parceria veio com a proposta de somar. reflexão sobre o tema em questão.

Cada membro pode falar de que forma vivia a sua sexualidade no seu dia-a-dia. demonstraram conhecimento e interesse sobre o assunto. os adolescentes foram elogiados pela produção e empenho na realização da mesma. mesmo quando solicitados. 6 . Várias figuras foram mostradas sobre o tema. O primeiro tema discutido foi o da “amizade” com o objetivo de identificá-la como um sentimento de afeição. Foram utilizados: folhas de papel. tais como: o uso de bebida alcoólica. porém na atividade reflexiva. Tal tema foi abordado dentro de um roteiro pré-definido pela coordenadora que consistia em: boas vindas. Durante as reuniões. prece. no qual haveria o comprometimento dos estudantes acerca do sigilo. disponibilidade de escuta e respeito à opinião do outro. percebeu-se a mudança no comportamento dos adolescentes a partir de dinâmicas na qual eles mesmos construíam o material. estabeleceu-se o grupo reflexivo sobre o “tema do mês” com tarefas que visam o desenvolvimento do pensamento crítico e debate de temas pertinentes à realidade em que vivem e questões da própria adolescência. opinavam raramente e/ou brevemente quando a pergunta era direcionada. a coordenadora do grupo apresentou os estudantes de psicologia como novos integrantes do grupo. No decorrer do trabalho. pois abordavam assuntos além do discutido. Os adolescentes desempenharam com êxito a tarefa. Foi realizada uma explanação sobre o tema a partir da perspectiva dos adolescentes. os estudantes conversaram com os adolescentes sobre o que é psicologia. hábitos de alimentação e jogos. leitura e reflexão de um pensamento. O resultado dos trabalhos apresentados superou as expectativas do grupo. destituído de qualquer interesse e que se evidencie nos momentos difíceis. Foi realizada a dinâmica da construção de um mural sobre o tema da sexualidade. pouco interagiram.No primeiro dia. tesoura e revistas. canção do círculo da amizade. exposição corporal. Os estudantes de psicologia atribuíram ao tema da “amizade” a questão da sexualidade (busca do prazer). Foi estabelecido um contrato com o grupo. não julgamento. música de harmonização. cola. Em seguida. Após o término da tarefa. dinâmica sobre o tema do mês e reflexão com o grupo.

Luís Carlos (Org. O grupo operativo de Pichon-Rivière. e que.).A partir deste momento relatado. não devem ignorar suas peculiaridades e sentimentos. pois os adolescentes passaram a interagir mais. contribuindo com o grupo. Marcos. 1982. principalmente quando convidados a produzirem material que possibilitasse a criatividade a partir de suas próprias percepções. p. Gregório (Org. portanto.169-219. Os adolescentes estão em um processo de perceberem-se como indivíduos com características pessoais únicas. a atuação junto à comunidade é de grande importância para o desenvolvimento destes adolescentes. Porto Alegre: Artes Médicas. As mudanças observadas no comportamento dos adolescentes serviram como um indicador positivo aos objetivos pretendidos. Os estudantes de psicologia deixam como sugestão a continuidade do trabalho desenvolvido e a atuação de uma nova equipe para prosseguir com este trabalho. Grupos: teoria e técnica. através do exercício de respeito às idéias.). p. Referências Bibliográficas BERSTEIN. Considerações Finais O trabalho que está sendo realizado junto ao grupo de adolescentes visa melhorar as relações dentro do grupo e conseqüentemente junto à comunidade. por parte dos novos estudantes que se engajarão no projeto. Contribuições de Pichón-Riviére à psicoterapia de grupo. Grupoterapia Hoje. 7 . observou-se um grande avanço do processo grupal. In: BAREMBLITT. In: OSÓRIO. SAIDON. já que estes são pré-determinados pela mesma.1989. sugestões e sentimentos para o convívio respeitoso e pacífico. Osvaldo I. Apesar do tempo de convivência limitado. Rio de Janeiro (RJ): Graal. 108-132. de flexibilizar a escolha dos temas abordados junto à instituição. Deve haver uma tentativa.