Você está na página 1de 22

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA – CEFET/RJ

Sistemas de transmissão

Alexandre Soares Gilberto Pimenta Salviano Evaristo

Professor: Silvio

Rio de Janeiro Setembro de 2015

Introdução

Entende-se

por

transmissão

mecânica equipamentos

ou mecanismos encarregados de transmitir potência, torque ou rotação entre dois ou

mais elementos dentro de uma máquina. A maior parte das transmissões seguem normas

técnicas de padronização, específicas.

mas

variações

são

também

comuns

para aplicações

Este

trabalho

tem

por

objetivo

apresentar, classificar

e

demonstrar

como

funcionam os diversos tipos de transmissões mecânicas utilizados na engenharia

mecânica.

Tipos de transmissão

Os mecanismos de transmissão que serão abordados são:

-

Roscas de transmissão

-

Correias

-

Correntes

-

Engrenagens

Rodas de atrito -Acoplamentos

-

-Cabos

Roscas de transmissão

O mecanismo de transmissão por roscas é um dos tipos mais comuns. É muito utilizada em macacos mecânicos, morsas e máquinas operatrizes. Possui alto torque e

uma de suas propriedades é a suavidade nos movimentos, além de controle muito preciso na velocidade de avanço e de recuo. Existem roscas de transporte ou movimento que transformam o movimento giratório num movimento longitudinal. Essas roscas são usadas, normalmente, em tornos e prensas, principalmente quando são frequentes as montagens e desmontagens. A imagem a seguir ilustra o funcionamento de um mecanismo de transmissão por roscas.

uma de suas propriedades é a suavidade nos movimentos, além de controle muito preciso na velocidade

Funcionamento de um macaco mecânico

Observa-se que ao girar a haste, as porcas deslocam-se pelo fuso fazendo o mecanismo “abrir” ou “fechar”, levantando ou descendo sua base. As roscas de transmissão podem ser classificadas de acordo com o perfil de suas roscas, como demonstrado na tabela a seguir.

As roscas quadradas são utilizadas em conjuntos (fuso e porca) sempre que houver necessidade de se

As roscas quadradas são utilizadas em conjuntos (fuso e porca) sempre que houver necessidade de se obter mais impacto (balancim) ou grande esforço (prensa); as de perfil trapezoidal resiste a grandes esforços e é empregada na construção de fusos e porcas, os quais transmitem movimento a alguns componentes de máquinas-ferramenta como, por exemplo, torno, plaina e fresadora; já as roscas do tipo misto são utilizadas no acionamento do avanço do carro da fresadora ferramenteira por Comando Numérico Computadorizado (CNC) é usado esse tipo de rosca, visando transferência de força com o mínimo atrito.

Correias

Na mecânica as correias são definidas como sendo uma cinta de material flexível, normalmente feitas de camadas de lonas e borracha vulcanizada. Servem para transmitir a força e movimento de uma polia a outra. Sua aplicação é diversa sendo encontrada em diversos equipamentos e máquinas, possuindo alta aplicabilidade, maleabilidade, rendimento e durabilidade. Uma característica das correias é a alta capacidade de resistência a carga aplicada sobre elas. Trabalha com excelente rendimento em altas rotações.

A transmissão por correia é bem adequada para utilizações em que a distância entre eixos rotativos é grande, e é usualmente mais simples e mais econômica que as

outras formas alternativas de transmissão de potência. Também frequentemente elimina

a necessidade de um arranjo mais complicado de engrenagens, mancais e eixos.

outras formas alternativas de transmissão de potência. Também frequentemente elimina a necessidade de um arranjo mais

Exemplo de transmissão por correia

Na transmissão por polias e correias, a polia que transmite movimento e força é chamada polia motora ou condutora. A polia que recebe movimento e força é a polia movida ou conduzida. A maneira como a correia é colocada determina o sentido de rotação das polias. Assim, temos:

sentido direto de rotação - a correia fica reta e as polias têm o mesmo sentido de rotação;

 sentido direto de rotação - a correia fica reta e as polias têm o mesmo

sentido de rotação inverso - a correia fica cruzada e o sentido de rotação das polias inverte-se;

 Transmissão de rotação entre eixos não paralelos Para que o funcionamento de uma transmissão seja

Transmissão de rotação entre eixos não paralelos

 Transmissão de rotação entre eixos não paralelos Para que o funcionamento de uma transmissão seja

Para que o funcionamento de uma transmissão seja perfeito há um estudo sobre a relação de transmissão ideal para os diversos tipos de correia.

 Transmissão de rotação entre eixos não paralelos Para que o funcionamento de uma transmissão seja

Relação de transmissão:

Em que:

 Transmissão de rotação entre eixos não paralelos Para que o funcionamento de uma transmissão seja

D1 = Diâmetro da polia menor D2 = Diâmetro da polia maior n1 = Número de rotações por minuto (rpm) da polia menor n2 = Número de rotações por minuto (rpm) da polia maior

A transmissão por correntes pode ser divida em:

  • - Correias lisas

  • - Correias dentadas

  • - Correias em V

As correias lisas, também conhecidas como correias planas, chatas ou de seção retangular, são utilizada geralmente para transmitir força em máquinas grandes, sendo o

modelo mais simples de correias.

Trabalham com grandes unidades de força e rotações

(até 500 hp

com 10.000 rpm). Necessitam de alinhamento preciso das polias para que o

sistema não se desencaixe, pois não possui bordas que a mantenha em seu local em casos de desalinhamento, além de polias especiais com centralizadores. Correias sincronizadoras ou correias dentadas, são correias em que o torque e a potência transmitidos para a polia não dependem do atrito para tal tarefa. Isso ocorre porque a correia dentada se encaixa nos canais da roda dentada. Esse encaixe promove uma velocidade angular constante sem deslizamento ou fluência. A transmissão por correias dentadas é feita de modo que os dentes da correia não saltem dos canais da roda dentada, por isso existe uma necessidade de uma pré-carga mínima evitando o salto dos dentes quando se dá a partida ou quando se para a transmissão. As correias em V são utilizadas por motores que necessitam girar mais de duas polias (às vezes quatro). São construídas com material mais resistente devido o maior esforço e trabalham com rotações entre 1000 e 7000 rpm. As correias em V são utilizadas somente em transmissões em árvores paralelas; são correias em que a cada volta de operação, os cordonéis estão sujeitos a diferentes cargas trativas como flexão cíclica que é função do diâmetro da polia e uma constante componente da força centrifuga.

Transmissão por correntes

A Transmissão por correntes é composta basicamente por uma engrenagem motriz, uma ou mais engrenagens movidas e por um lance de corrente. Este sistema

assegura um rendimento de até 98 % em condições corretas de trabalho, obtendo-se uma relação de velocidade constante entre a engrenagem motriz e a movida. Esse sistema é muito utilizado onde há dificuldade de acesso, longas distancias e péssimas condições de atuação de transmissões e apesar de sua robustez, apresenta resultados extremamente satisfatórios.

assegura um rendimento de até 98 % em condições corretas de trabalho, obtendo-se uma relação de
assegura um rendimento de até 98 % em condições corretas de trabalho, obtendo-se uma relação de
assegura um rendimento de até 98 % em condições corretas de trabalho, obtendo-se uma relação de

Componentes do sistema de transmissão por correntes

  • - Correntes de passo longo Empregada em transmissões com cargas de velocidades mais baixas e se diferencia apenas por possuir passo duplo.

  • - Corrente BL Composta por placas intercaladas e unidas por pinos altamente resistentes, é usada principalmente em empilhadeiras. Apresenta-se em várias medidas conforme especificações do equipamento a ser utilizada.

Engrenagens

Engrenagens são rodas com dentes padronizados que servem para transmitir movimento e força entre dois eixos. Muitas vezes, as engrenagens são usadas para variar o número de rotações e o sentido da rotação de um eixo para o outro.

Componentes do sistema de transmissão por correntes - Correntes de passo longo Empregada em transmissões com

Sistema de engrenagens

Partes de uma engrenagem:

Os dentes são um dos elementos mais importantes das engrenagens, na figura abaixo pode-se observar os

Os dentes são um dos elementos mais importantes das engrenagens, na figura abaixo pode-se observar os componentes dos dentes de engrenagem.

Os dentes são um dos elementos mais importantes das engrenagens, na figura abaixo pode-se observar os

Para produzir o movimento de rotação as rodas devem estar engrenadas. Asrodas se engrenam quando os dentes de uma engrenagem se encaixam nos vãosdos dentes da outra engrenagem. As engrenagens trabalham em conjunto. As engrenagens de um mesmo conjunto podem ter tamanhos diferentes. Quando um par de engrenagens tem rodas de tamanhos diferentes, a engrenagem maior chama-se coroa e a menor chama-se pinhão.

Os principais tipos de engrenagem são: -Engrenagem cilindrica -Engrenagem cônica -Engrenagem helicoidal - Cremalheira Engrenagens cilindricas

Os principais tipos de engrenagem são:

-Engrenagem cilindrica -Engrenagem cônica -Engrenagem helicoidal - Cremalheira

Engrenagens cilindricas

Engrenagens cilíndricas têm a forma de cilindro e podem ter dentes retos ou helicoidais (inclinados). Os dentes helicoidais são paralelos entre si mas oblíquos em relação ao eixo da engrenagem, já os dentes retos são paralelos entre si e paralelos ao eixo da engrenagem. As engrenagens cilíndricas servem para transmitir rotação entre eixos paralelos

Obs: Engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais funcionam mais suavemente que as engrenagens cilíndricas com dentes retos e, por isso, o ruído é menor.

Dentes retos Dentes helicoidais Engrenagens cônicas Engrenagens cônicas são aquelas que têm forma de tronco de

Dentes retos

Dentes retos Dentes helicoidais Engrenagens cônicas Engrenagens cônicas são aquelas que têm forma de tronco de

Dentes helicoidais

Engrenagens cônicas

Engrenagens

cônicas são

aquelas

que

têm forma

de

tronco

de

cone. As

engrenagens cônicas podem ter dentes retos ou helicoidais. As engrenagens cônicas transmitem rotação entre eixos concorrentes. Eixos concorrentes são aqueles que vão se encontrar em um mesmo ponto, quando prolongados.

Engrenagem helicoidais Nas engrenagens helicoidais, os dentes são oblíquos em relação ao eixo. Entre as engrenagens

Engrenagem helicoidais

Nas engrenagens helicoidais, os dentes são oblíquos em relação ao eixo. Entre as engrenagens helicoidais, a engrenagem para rosca sem-fim merece atenção especial. Essa engrenagem é usada quando se deseja uma redução de velocidade na transmissão do movimento.

Engrenagem helicoidais Nas engrenagens helicoidais, os dentes são oblíquos em relação ao eixo. Entre as engrenagens

Os dentes da engrenagem helicoidal para rosca sem-fim são côncavos e no engrenamento da rosca sem-fim com a engrenagem helicoidal, o parafuso sem-fim é o pinhão e a engrenagem é a coroa.

Cremalheira

Cremalheira é uma barra provida de dentes, destinada a engrenar uma roda dentada. Com esse sistema, pode-se transformar movimento de rotação em movimento retilíneo e vice-versa.

Cremalheira é uma barra provida de dentes, destinada a engrenar uma roda dentada. Com esse sistema,

Rodas de Atrito

A transmissão entre dois eixos paralelos, situados a pequenas distâncias um em relação ao outro, pode ser conseguida com a utilização de cilindros de contato, denominados de

rodas

de

fricção.

Cremalheira é uma barra provida de dentes, destinada a engrenar uma roda dentada. Com esse sistema,

Este tipo de transmissão necessita de elevados coeficientes de atrito, grande superfície de contato, entre as rodas, para poder transmitir grandes potências. Como o atrito tem que ser elevado, também o será o desgaste das rodas, principalmente na de menor

diâmetro. Estas desvantagens fizeram com que as rodas de fricção passassem a ser aplicadas apenas em situações especiais. Geralmente, elas são utilizadas onde o deslizamento não interfere no funcionamento da máquina, ou na qualidade final do produto. Deste modo, uma de suas aplicações é na área de diversão, como por exemplo, o acionamento de rodas gigantes, onde elas servem também como freios do sistema.

Acoplamento

Acoplamento é um conjunto mecânico, constituído de elementos de máquina, empregado na transmissão de movimento de rotação entre duas árvores ou eixo-árvores.

diâmetro. Estas desvantagens fizeram com que as rodas de fricção passassem a ser aplicadas apenas em

Os acoplamentos podem ser fixos, elásticos e móveis e nesses grupos ocorrem subdivisões como mostrado abaixo:

-Acoplamentos Fixos:

Os acoplamentos fixos servem para unir árvores de tal maneira que funcionem como se fossem uma única peça, alinhando as árvores de forma precisa. Esse grupo subdivide-se em:

- Acoplamento rígido com flanges parafusadas Esse tipo de acoplamento é utilizado quando se pretende conectar árvores, e é próprio para a transmissão de grande potência em baixa velocidade.

- Acoplamento com luva de compressão ou de aperto Esse tipo de luva facilita a manutenção
  • - Acoplamento com luva de compressão ou de aperto

Esse tipo de luva facilita a manutenção de máquinas e equipamentos, com a vantagem

de não interferir no posicionamento das árvores, podendo ser montado e removido sem problemas de alinhamento.

- Acoplamento com luva de compressão ou de aperto Esse tipo de luva facilita a manutenção
  • - Acoplamento de discos ou pratos

Empregado na transmissão de grandes potências em casos especiais, como, por exemplo, nas árvores de turbinas. As superfícies de contato nesse tipo de acoplamento podem ser lisas ou dentadas.

- Acoplamento com luva de compressão ou de aperto Esse tipo de luva facilita a manutenção

- Acoplamentos Elásticos:

Esses elementos tornam mais suave a transmissão do movimento em árvores que

tenham movimentos bruscos, e permitem o funcionamento do conjunto com desalinhamento paralelo, angular e axial entre as árvores. Os acoplamentos elásticos são construídos em forma articulada, elástica ou articulada e elástica. Permitem a

compensação de até 6 graus de ângulo de torção e deslocamento angular axial. Esse grupo subdivide-se em:

  • - Acoplamento elástico de pinos

Os elementos transmissores são pinos de aço com mangas de borracha.

- Acoplamentos Elásticos: Esses elementos tornam mais suave a transmissão do movimento em árvores que tenham
  • - Acoplamento perflex

Os discos de acoplamento são unidos perifericamente por uma ligação de borracha apertada por anéis de pressão. Esse acoplamento permite o jogo longitudinal de eixos.

- Acoplamentos Elásticos: Esses elementos tornam mais suave a transmissão do movimento em árvores que tenham
  • - Acoplamento elástico de garras

As garras, constituídas por tocos de borracha, encaixam-se nas aberturas do contradisco

e transmitem o movimento de rotação.

- Acoplamento elástico de fita de aço Consiste de dois cubos providos de flanges ranhuradas, nos
  • - Acoplamento elástico de fita de aço

Consiste de dois cubos providos de flanges ranhuradas, nos quais está montada uma grade elástica que liga os cubos. O conjunto está alojado em duas tampas providas de junta de encosto e de retentor elástico junto ao cubo. Todo o espaço entre os cabos e as tampas é preenchido com graxa. Apesar de esse acoplamento ser flexível, as árvores devem estar bem alinhadas no ato de sua instalação para que não provoquem vibrações excessivas em serviço.

- Acoplamento elástico de fita de aço Consiste de dois cubos providos de flanges ranhuradas, nos
  • - Acoplamento de dentes arqueados

Os dentes possuem a forma ligeiramente curvada no sentido axial, o que permite até 3

graus de desalinhamento angular. O anel dentado (peça transmissora do movimento) possui duas carreiras de dentes que são separadas por uma saliência central.

- Acoplamento elástico de fita de aço Consiste de dois cubos providos de flanges ranhuradas, nos

- Acoplamentos móveis São empregados para permitir o jogo longitudinal das árvores. Esses acoplamentos transmitem força e movimento somente quando acionados, isto é, obedecem a um comando. Os acoplamentos móveis podem ser: de garras ou dentes, e a rotação é transmitida por meio do encaixe das garras ou de dentes. Geralmente, esses acoplamentos são usados em aventais e caixas de engrenagens de máquinas-ferramenta convencionais.

- Acoplamentos móveis São empregados para permitir o jogo longitudinal das árvores. Esses acoplamentos transmitem força
- Acoplamentos móveis São empregados para permitir o jogo longitudinal das árvores. Esses acoplamentos transmitem força
- Acoplamentos móveis São empregados para permitir o jogo longitudinal das árvores. Esses acoplamentos transmitem força

Cabos

Cabos são elementos de transmissão que suportam cargas (força de tração), deslocando- as nas posições horizontal, vertical ou inclinada. Os cabos são muito empregados em equipamentos de transporte e na elevação de cargas, como em elevadores, guindastes e pontes rolantes.

O cabo de aço é constituído de alma e perna. Essa perna se compõe de vários
O cabo de aço é constituído de alma e perna. Essa perna se compõe de vários

O cabo de aço é constituído de alma e perna. Essa perna se compõe de vários arames em torno de um arame central. Sua disposição é representada pela figura a seguir.

O cabo de aço é constituído de alma e perna. Essa perna se compõe de vários

As almas dos cabos são desenvolvidas de diversos materiais, isso geralmente é definido de acordo com a aplicação que este devera executar embora em sua maioria é composta de polímeros ou fibras naturais alem das de aço. Existem diversos tipos de alma, como:

- Alma de fibra:

É o tipo mais utilizado para cargas não muito pesadas. As fibras podem ser naturais ou artificiais. As fibras naturais utilizadas normalmente são o sisal ou o rami. Já a fibra artificial mais usada é o polipropileno (plástico). As fibras artificiais possuem algumas vantagens, são elas: não se deterioram em contato com agentes agressivos; são obtidas em maior quantidade; não absorvem

umidade, em contrapartida sao mais caras e por isso utilizadas apenas em cabos especiais.

  • - Alma de algodão:

Utilizada em cabos de pequenas dimensões

  • - Alma de asbesto

Tipo de alma utilizado em cabos especiais, sujeitos a altas temperaturas

  • - Alma de aço

A alma de aço pode ser formada por uma perna de cabo ou por um cabo de aço

independente, sendo que este último oferece maior flexibilidade somada à alta resistência à tração. Os cabos de aço, quando tracionados, apresentam torção das pernas ao redor da alma. Nas pernas também há torção dos fios ao redor do fio central. O sentido dessas torções pode variar, obtendo-se as situações: Torção regular ou em cruz. Os fios de cada perna são torcidos no sentido oposto ao das pernas ao redor da alma. As torções podem ser à esquerda ou direita. Esse tipo de torção da mais estabilidade ao cabo.

umidade, em contrapartida sao mais caras e por isso utilizadas apenas em cabos especiais. - Alma
Regular à Direita
Regular à Direita

Conclusão

umidade, em contrapartida sao mais caras e por isso utilizadas apenas em cabos especiais. - Alma
Regular à Esquerda
Regular à Esquerda

Ficou claro que onde houver trabalho mecânico vai se necessitar de uma transmissão da energia adquirida por esse trabalho pra algum lugar, as transmissões mecânicas são os agentes responsáveis por transferir toda essa energia aos componentes acoplados ou unidos pelos diversos modelos de união que temos. Temos uma transmissão especifica para cada aplicação ou local que necessitamos instalar uma, e em sua maioria respondem com alto rendimento e aproveitamento, porem isso só é alcançado se todo o sistema de projeção, implantação e manutenção for bem dimensionado e estudado, com isso se tem todos os dados necessários para um desenvolvimento e atuação correta de todo o sistema de transmissão.

Referências

SHIGLEY, Joseph E., Mischke, C. R. e Budynas, R. G., Projeto de Engenharia Mecânica, Bookman, Porto Alegre, 2005. SHIGLEY, J. E., Elementos de Máquinas, Vol. 2, 3ed., LTC, Rio de Janeiro, 1984. NORTON, R., Projeto de máquinas, Bookman, Porto Alegre, 2004.