Você está na página 1de 7

Toda criança é muito importante e muito especial. O universo infantil, cheio de magia e faz de conta, inspirou muitos poemas e canções em nossa cultura, seja na Literatura ou na música. Quem não fica encantado com o mundo colorido onde mora a imaginação das crianças?

Para homenagear os pequenos, a Escola Kids foi procurar na música e

na literatura versos que retratem a beleza e a inocência infantis. Vários poetas e compositores inspiraram-se no universo lúdico das crianças para escrever belíssimos textos recheados de metáforas e lindas imagens. Para vocês, quatro poeminhas para crianças. Boa leitura!

Ruth Rocha é maiores e mais escritoras da infantil brasileira uma das queridas Literatura O Direito
Ruth Rocha é
maiores e mais
escritoras da
infantil brasileira
uma das
queridas
Literatura
O Direito das
Crianças
Toda criança
Deve ser bem
Contra os
tempo
Contra os
vida.
Criança tem
nome
no mundo
protegida
rigores do
rigores da
que ter

Criança tem que ter lar Ter saúde e não ter fome Ter segurança e estudar. Não é questão de querer Nem questão de concordar Os diretos das crianças Todos têm de respeitar. Tem direito à atenção Direito de não ter medos Direito a livros e a pão Direito de ter brinquedos. Mas criança também tem O direito de sorrir. Correr na beira do mar, Ter lápis de colorir ... Ver uma estrela cadente, Filme que tenha robô, Ganhar um lindo presente, Ouvir histórias do avô. Descer do escorregador, Fazer bolha de sabão, Sorvete, se faz calor, Brincar de adivinhação. Morango com chantilly, Ver mágico de cartola, O canto do bem-te-vi, Bola, bola,bola, bola! Lamber fundo da panela Ser tratada com afeição Ser alegre e tagarela Poder também dizer não! Carrinho, jogos, bonecas, Montar um jogo de armar, Amarelinha, petecas, E uma corda de pular.

Ruth Rocha

Ruth Rocha Manuel Bandeira foi um de nossos maiores escritores. Ele escreveu o poema “Menino carvoeiro”

Manuel Bandeira foi um de nossos maiores escritores. Ele escreveu o poema “Menino carvoeiro” para denunciar o trabalho infantil

Meninos carvoeiros

Os meninos carvoeiros Passam a caminho da cidade. — Eh, carvoero! E vão tocando os animais com um relho enorme. Os burros são magrinhos e velhos. Cada um leva seis sacos de carvão de lenha. A aniagem é toda remendada.

Os carvões caem. (Pela boca da noite vem uma velhinha que os recolhe, dobrando-se com um gemido.) — Eh, carvoero! Só mesmo estas crianças raquíticas Vão bem com estes burrinhos descadeirados. A madrugada ingênua parece feita para eles Pequenina, ingênua miséria! Adoráveis carvoeirinhos que trabalhais como se brincásseis! —Eh, carvoero! Quando voltam, vêm mordendo num pão encarvoado, Encarapitados nas alimárias, Apostando corrida, Dançando, bamboleando nas cangalhas como espantalhos desamparados.

. .

.

(Manuel Bandeira)

A música brasileira também tem várias canções dedicadas às crianças! O universo infantil sempre rende lindos

A música brasileira também tem várias canções dedicadas às crianças! O universo infantil sempre rende lindos versos

Bola de meia, bola de gude

Há um menino Há um moleque Morando sempre no meu coração Toda vez que o adulto balança Ele vem pra me dar a mão

Há um passado no meu presente Um sol bem quente lá no meu quintal Toda vez que a bruxa me assombra O menino me dá a mão E me fala de coisas bonitas Que eu acredito Que não deixarão de existir Amizade, palavra, respeito Caráter, bondade alegria e amor Pois não posso Não devo Não quero Viver como toda essa gente Insiste em viver E não posso aceitar sossegado Qualquer sacanagem ser coisa normal Bola de meia, bola de gude O solidário não quer solidão Toda vez que a tristeza me alcança O menino me dá a mão Há um menino Há um moleque Morando sempre no meu coração Toda vez que o adulto fraqueja Ele vem pra me dar a mão

(Milton Nascimento)

A infância é considerada a fase mais bonita da vida. Toda essa beleza reflete nos versos

A infância é considerada a fase mais bonita da vida. Toda essa beleza reflete nos versos das poesias da literatura infantil

Pontinho de vista

Eu sou pequeno, me dizem, e eu fico muito zangado. Tenho de olhar todo mundo com o queixo levantado. Mas, se formiga falasse e me visse lá do chão, ia dizer, com certeza:

Minha nossa, que grandão! (Pedro Bandeira)

Cecília Meireles

Colar de Carolina

Com seu colar de coral, Carolina corre por entre as colunas da colina.

O colar de Carolina colore o colo de cal, torna corada a menina.

E o sol, vendo aquela cor do colar de Carolina, põe coroas de coral

nas colunas da colina.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ROMANTISMO NO BRASIL 2. CASIMIRO DE ABREU (1839-1860) A SAUDADE DA PÁTRIA E DA INFÂNCIA

Vivendo três anos em Portugal, onde elaborou boa parte de Primaveras, Casimiro de Abreu desenvolveu o sentimento de exílio, que tanto perseguia os românticos. Inspirado em Gonçalves Dias, escreveu uma série de poemas impregnados de nostalgia da terra natal, denominados Canções do exílio. Neles, contudo, não chega a alcançar o nível de seu modelo.

No entanto, não é apenas a saudade do Brasil e a correspondente sensação de estar exilado que anima a sua lírica. O que o consagrou foi a nostalgia (tipicamente romântica) daquelas realidades pessoais que ficam para trás: a mãe, a irmã, o lar, a infância. Tornou-se, por excelência, o poeta da "aurora da vida", do tempo perdido, das emoções da meninice. Mesmo sabendo que a infância não significa o paraíso, sucumbiu à doçura dessas lembranças.

À parte isso, o poeta atrai o leitor com o ritmo fácil, a singeleza do pensamento, a ausência de abstrações, o caráter recitativo e o tratamento sentimental que empresta ao tema, garantindo a

eternidade de pelo menos um poema, Meus oito anos:

Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida

Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras À sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais!

Como são belos os dias Do despontar da existência! - Respira a alma inocência Como perfumes a flor; O mar é - lago sereno, O céu - um manto azulado, O mundo - um sonho dourado, A vida - um hino d'amor!

Que auroras, que sol, que vida, Que noites de melodia Naquela doce alegria, Naquele ingênuo folgar! O céu bordado d'estrelas, A terra de aromas cheia, As ondas beijando a areia E a lua beijando o mar!

Oh! dias da minha infância! Oh! meu céu de primavera! Que doce a vida não era Nessa risonha manhã. Em vez das mágoas de agora, Eu tinha nessas delícias De minha mãe as carícias E beijos de minha irmã!

Livre filho das montanhas, Eu ia bem satisfeito, De camisa aberto ao peito, - Pés descalços, braços nus - Correndo pelas campinas À roda das cachoeiras, Atrás das asas ligeiras Das borboletas azuis!

Naqueles tempos ditosos Ia colher as pitangas, Trepava a tirar as mangas, Brincava à beira do mar; Rezava às Ave-Marias, Achava o céu sempre lindo, Adormecia sorrindo E despertava a cantar!

Oh! Que saudades que tenho

Da aurora de minha vida (

...

)

ROMANTISMO