Você está na página 1de 28
FISIOLOGIA NEUROMUSCULAR
FISIOLOGIA
NEUROMUSCULAR

Me. Priscila Capelari Orsolin

JUNÇÕES NEUROMUSCULARES

Sinapses entre o neurônio e a célula muscular

JUNÇÕES NEUROMUSCULARES Sinapses entre o neurônio e a célula muscular

JUNÇÕES NEUROMUSCULARES

Neurônio motor e unidade motora
Neurônio motor e
unidade motora

Unidade motora 1

neurônio motor e o

conjunto de

fibras musculares por

ele inervadas.

e unidade motora Unidade motora  1 neurônio motor e o conjunto de fibras musculares por

JUNÇÕES NEUROMUSCULARES

Receptores sensoriais musculares

JUNÇÕES NEUROMUSCULARES Receptores sensoriais musculares Fuso neuromuscular  receptores mecânicos relacionados com
JUNÇÕES NEUROMUSCULARES Receptores sensoriais musculares Fuso neuromuscular  receptores mecânicos relacionados com

Fuso neuromuscular

receptores mecânicos

relacionados com a propriocepção e cujos aferentes

primários farão contato

sináptico com motoneurônios

alfa na medula espinhal:

Responde às variações no

comprimento das fibras musculares.

JUNÇÕES NEUROMUSCULARES

Receptores sensoriais musculares

JUNÇÕES NEUROMUSCULARES Receptores sensoriais musculares Órgão tendinoso de golgi  Mecanorreceptor proprioceptivo
JUNÇÕES NEUROMUSCULARES Receptores sensoriais musculares Órgão tendinoso de golgi  Mecanorreceptor proprioceptivo
JUNÇÕES NEUROMUSCULARES Receptores sensoriais musculares Órgão tendinoso de golgi  Mecanorreceptor proprioceptivo

Órgão tendinoso de golgi Mecanorreceptor proprioceptivo localizado nas

inserções das fibras musculares com os tendões dos músculos esqueléticos.

Mede o grau de tensão muscular.

CONTRAÇÃO MUSCULAR: DE ONDE VEM O

POTENCIAL DE AÇÃO?

CONTRAÇÃO MUSCULAR: DE ONDE VEM O POTENCIAL DE AÇÃO?

PLACA MOTORA

O neurônio motor libera Acetilcolina (Ach) na fenda sináptica da junção neuromuscular (placa motora = axônio do neurônio +

fibra muscular).

A Ach liga-se a canais iônicos Ach-dependentes.

Ocorre uma mudança conformacional nos canais, tornando-os

permeáveis ao Na+.

Isso gera uma alteração local do potencial de membrana da fibra

muscular, chamado potencial da placa motora Desencadeia-

se, então, um potencial de ação na fibra muscular levando a

contração do músculo.

PLACA MOTORA: Inibição do Potencial

ACETILCOLINESTERASE

Enzima responsável pela

destruição da Ach presente na

fenda sináptica da junção

neuromuscular

Impede a reexcitação contínua

da fibra muscular, após esta ter-

se recuperado do primeiro

potencial de ação.

Impede a reexcitação contínua da fibra muscular, após esta ter- se recuperado do primeiro potencial de

POTENCIAL DE AÇÃO E CONTRAÇÃO MUSCULAR

O impulso nervoso e conduzido pelo axônio do neurônio motor até a

placa motora e libera Acetilcolina (Ach).

A liberação de Ach na junção neuromuscular despolariza as fibras musculares e inicia-se um potencial de ação.

O potencial de ação libera íons Ca 2+ do reticulo sarcoplasmático que

ao ligarem-se a troponina (nos filamentos de actina) liberam os sítios

de ligação actina-miosina.

POTENCIAL DE AÇÃO E CONTRAÇÃO MUSCULAR

Com os sítios livres na actina ocorre interação entre as proteínas actina e miosina.

A hidrólise de ATP (liberação de energia) causa alterações conformacionais na miosina que está ligada a actina promovendo o

deslizamento das moléculas de actina e encolhimento do sarcômero.

DIFERENÇAS ENTRE A SINPASE NERVOSA E A JUNÇÃO

NEUROMUSCULAR

DIFERENÇAS ENTRE A SINPASE NERVOSA E A JUNÇÃO NEUROMUSCULAR
FISIOLOGIA MUSCULAR
FISIOLOGIA MUSCULAR

PROPRIEDADES FISIOLÓGICAS

Contratilidade Capacidade de se encurtar;

Excitabilidade Capacidade de responder a estímulos;

Extensibilidade Capacidade de se estirar;

Elasticidade Capacidade de voltar a sua forma original, após contração ou estiramento;

Relacionadas a capacidade do

Músculo de produzir movimentos

TECIDO MUSCULAR

Características Gerais

Possui células (ou fibras) alongadas com capacidade de contração e distensão, proporcionando os movimentos corporais;

Há três tipos de Tecido Muscular:

1) Estriado esquelético;

2) Estriado cardíaco;

3) Liso;

TECIDO MUSCULAR- DIFERENÇAS HISTOLÓGICAS

O músculo estriado esquelético é formado por feixes de células

cilíndricas muito longas e multinucleadas, com estriações

transversais Contração rápida e voluntária.

As fibras do músculo estriado cardíaco também apresentam

estrias transversais; é formado por células longas e ramificadas

(unidas

discos

intercalares) Contração involuntária,

por

vigorosa e rítmica.

O músculo liso é formado por aglomerados de células fusiformes

que não possuem estrias transversais Contração involuntária e

lenta.

TECIDO MUSCULAR- DIFERENÇAS HISTOLÓGICAS

TECIDO MUSCULAR- DIFERENÇAS HISTOLÓGICAS

TECIDO MUSCULAR- DIFERENÇAS HISTOLÓGICAS

TECIDO MUSCULAR- DIFERENÇAS HISTOLÓGICAS

MIOFIBRILAS

Cada miofibrila é formada por 1.500 filamentos miosina e 3.000 de actina.

Os filamentos de miosina formam bandas escuras (banda A), e

os de actina, bandas claras (banda I).

e 3.000 de actina. Os filamentos de miosina formam bandas escuras (banda A), e os de

ORGANIZAÇÃO DA FIBRA MUSCULAR

ORGANIZAÇÃO DA FIBRA MUSCULAR

ORGANIZAÇÃO DA FIBRA MUSCULAR

ORGANIZAÇÃO DA FIBRA MUSCULAR

ORGANIZAÇÃO DA FIBRA MUSCULAR

Na

contração

muscular,

os

miofilamentos

não

diminuem

de

tamanho, mas os sarcômeros ficam mais curtos;

 

O

encurtamento

dos

sarcômeros

ocorre

em

função

do

deslizamento dos miofilamentos finos sobre os grosso;

encurtamento dos sarcômeros ocorre em função do deslizamento dos miofilamentos finos sobre os grosso;

CARACTERÍSTICAS MOLECULARES DOS

FILAMENTOS

CARACTERÍSTICAS MOLECULARES DOS FILAMENTOS Filamento de Miosina Molécula de Miosina Filamento de Actina

Filamento de

Miosina

Molécula de

Miosina

Filamento de

Actina

CONTRAÇÃO MUSCULAR

CONTRAÇÃO MUSCULAR

INTERAÇÃO ACTINA-MIOSINA: AÇÃO DO CÁLCIO

INTERAÇÃO ACTINA-MIOSINA: AÇÃO DO CÁLCIO

TETANIZAÇÃO POR SUPER ESTIMULAÇÃO

TETANIZAÇÃO POR SUPER ESTIMULAÇÃO

O MÚSCULO É O TECIDO MAIS ADAPTÁVEL DO

ANIMAL

Hipertrofia Aumento do tamanho das células musculares;

Hiperplasia Aumento da quantidade de células musculares (mitoses);

Atrofia Diminuição no tamanho em resposta ao desuso.

TECIDO MUSCULAR

O músculo cardíaco não se regenera. Nas lesões do coração (enfarte),

as partes destruídas são invadidas por fibroblastos, que produzem fibras

colágenas, formando uma cicatriz.

Embora os núcleos das fibras esqueléticas não se dividam, tem uma

pequena capacidade de reconstituição. Admite-se que as células satélites

sejam responsáveis pela regeneração.

O músculo liso é capaz de uma regeneração mais eficiente. Ocorrendo

lesão as fibras musculares lisas que permanecem viáveis entram em

mitose e reparam o tecido.