Você está na página 1de 14

Fundamentos de Máquinas Eléctricas

ENSAIO DO MOTOR ASSÍNCRONO TRIFÁSICO

Turma 32D

João Ferreira nº38346 Ricardo Graça nº38877 Tiago Pedro nº38297 Tobias Oliveira nº38673

Professor José Manuel Lima d’Oliveira

Objectivos

2012/2013

A elaboração deste relatório tem como intenção fazer com que o leitor adquira saberes sobre o comportamento de um motor assíncrono através da concretização de ensaios práticos realizados nas aulas laboratoriais de Fundamentos de Máquinas Eléctricas. Para tal, colocámos o transformador em diferentes condições de funcionamento (em vazio, em curto-circuito, em medição da resistência de um enrolamento do estator e em carga), efectuando todos os procedimentos necessários.

Valores nominais:

Tensão (V)

Intensidade (A)

Potência (W)

380

5

2200

Fabricante: Siemens

Ensaio em vazio

Fig. 1 – Circuito equivalente em vazio Começou-se por ligar o voltímetro, o wattímetro e o

Fig. 1 – Circuito equivalente em vazio

Começou-se por ligar o voltímetro, o wattímetro e o amperímetro ao motor, de acordo com o esquema apresentado. Aplicou-se uma tensão alternada de valor 380V, cujo seu valor é igual a tensão nominal do motor. Registaram-se os valores da tensão, corrente, potência do estator e o número de rotações por minuto. Considera-se para os cálculos que as perdas por atrito sejam desprezadas, pelo que a potência do motor em vazio é utilizada apenas para exceder as perdas do ferro.

Cálculos:

 

cos

0

 

P

0

 

V

e

I

0

V 0

V

e

 

380

V

e

V

 

658,18

V

 

P

0

3
3

P

e

3
3

285

95

W

e

3

3

cos

I

p

I

m

0

I

0

I

0

cos

sin

285

658,18

2

0

2

0

2

0,216

cos 77,5

sin 77,5

0

arccos 0,216

0,43

A

1,95

A

77,5

R

p

V

0

380

 

506,67

 
 3  I 3  0,43 p
3  I
3
0,43
p

V 380 n X    112,51  m 3  I 3  1,95
V
380
n
X
112,51
m
3  I
3
1,95
m

Ensaio em curto-circuito

Fig. 2 – Circuito equivalente em curto-circuito, simplificado por fase Efectua-se o esquema de ligações para

Fig. 2 – Circuito equivalente em curto-circuito, simplificado por fase

Efectua-se o esquema de ligações para a realização do ensaio em curto-circuito. Antes de ligar o circuito ao auto-transformador, começou-se por prender o rotor de rodar durante o ensaio, impedindo-o de exercer a sua funcionalidade. No seguimento do ensaio, foi aplicada uma tensão alternada de valor sucessivamente crescente até que o motor absorva toda a corrente nominal. Registaram-se os valores de tensão, corrente e potência do estator.

Cálculos:

3 P   CC cos   CC cos     0,67 
3
P
CC
cos 
CC
cos
0,67 
CC
CC
U
83
CC
Z
9,584
eq
3 I
3
5
n
P
480
CC
R
6,4
eq
3 I
2
2
3
5
n
2
2
2
2
X
Z
R
9,584
 6,4
eq
eq
eq

arccos 0,67

48,10

7,13

Ensaio de medição da resistência de um enrolamento do estator

Fig. 3 – Ligações para a medição da resistência do estator e para a medição da

Fig. 3 – Ligações para a medição da resistência do estator e para a medição da resistência do rotor.

Iniciou-se o ensaio ligando o voltímetro, o wattímetro e o amperímetro ao estator e ao rotor, de acordo com a figura apresentada. Aplicou-se uma tensão de 1.26V aos dois enrolamentos ligados em estrela. Realizaram-se as leituras da tensão entre os dois terminais e a corrente que os percorre.

Cálculos:

Estator:

R

e

U

DC

I

DC

1,26

0,36

3,5

Ensaio em carga

Fig. 4 – Circuito equivalente do ensaio em carga Ligou-se o motor assíncrono e o gerador

Fig. 4 – Circuito equivalente do ensaio em carga

Ligou-se o motor assíncrono e o gerador DC, bem como os aparelhos de medida. Aplicou-se uma tensão nominal de 380V no estator do motor. Ajustou-se a tensão nos terminais do gerador para o seu valor nominal de 380V. Fizeram-se as leituras da tensão do estator, corrente do estator, potência do estator e o número de rotações por minuto do rotor. No seguimento do ensaio, introduziu-se uma carga de 5A e acertou-se a tensão para o valor nominal, realizando-se novamente as leituras. Foi-se reduzindo a intensidade das cargas acrescentadas ao circuito, reajustando a tensão do motor sempre que necessário. Registou-se os valores da tensão nominal, corrente, potência e o número de rotações por minuto para as diferentes cargas analisadas.

Cálculos:

s n n

1

2

1

n

60

50

  • 1 1500rpm

2

n

 

1500

1428

  • 1 0,048

1500

s

1500

1448

  • 2 0,035

1500

s

1500

1458

  • 3 0,028

s

1500

1500

1468

s

  • 4

1500

0,021

 

1500

1476

 

0,016

 

s

5

1500

 

P

mt

3

2

m R

r

1

1

  I

 

r

2

 

s

 

m

2

m

R

r

Z

CC

cos

CC

R

e

 
 

2

R

 

9,584cos48,10

   
   

m

m

2

R

r

r

2,9

 

3,5

 

Carga 1

 

I

0

2  77,5

 
 

P

2100

 

cos

3  U  I e e
3 
U
I
e
e

3  380  4
3
380
4

 

37,09

I

0

2cos

77,5

2sin

77,5

j

0,4328

1.9525 (

j A

)

 

I

4cos

37,09

4sin

37,09

j

3,19

2,412 j(A)

I

e

r

I

'

r

I

e

I

0

3,19

2,412

j

0,4328

1.9525 (

j A

)

m

 

I

'

r

I '  2,7572 2    0,4595  2  2,795   9,46

2,7572

2

0,4595

2

2,795

 

9,46 (

A

)

P

Fe

3

R

p

I

p

2

3

506,67

0,43

2

281,05

W

P

e

3

R

 

I

'

2

3

3,5

2,795

2

82,026

W

Cu

 

e

 

r

 

P

r

3

R

'

I

'

2

3

2,9

2,795

2

67,96

W

Cu

 

r

r

     

P

Cu

T

82,026 67,96 149,986

W

 

P

mt

3

R

'

r

1

s

 

1

I '

2

r

P

mt

3

2,9

1

0,035

1

2,795

2

1873,88

W

2,7572

0,4595 (

j A

)

 

P

mt

1873,88

 

81,3%

 
 

T

   

P

mt

Carga 2

P

Fe

P

Cu

 

1873,88

281,05

149,986

 

1710

 

cos

3  380  3,5
3
380
3,5

I

3,5cos

42,07

3,5sin

 

42,07

42,07 j

   
 

e

2,598

2,345 j(A)

I'

r

2,598

2,345 j

0,4328

1.9525 j(A)

2,1652

0,3925 j(A)

I

'

r

I '  2,1652 2    0,3925  2  2,20   10,27

2,1652

2

0,3925

2

2,20

 

10,27 (

A

)

P

Fe 281,05

W

 

P

e

3

3,5

2,20

2

50,82

W

 

Cu

 

P

r

3

2,9

2.20

2

42,108

W

Cu

 

P

T

Cu

50,82 42,108 92,928

W

P

mt

3

2,9

1

0,028

1

2,20

2

1461,75

W

 
 

1461,75

 

79,63%

 

1461,75

281,05

92,928

Carga 3

 

1350

 

cos

3  380  3
3
380
3

I

3cos

46,87

3sin

 

46,87

46,87 j

     
 

e

2,0509

2,189 j(A)

I'

r

2,0509

2,189 j

0,4328

1.9525 j(A)

1,6181

0,2365 j(A)

I

'

r

I '  1,6181 2    0,2365  2  1,635   8,315

1,6181

2

0,2365

2

 

1,635

 

8,315 (

A

)

Fe 281,05

P

W

 

P

e

3

3,5

1,635

2

 

28,0688

W

Cu

   

P

r

3

2,9

1,635

2

 

23,257

W

Cu

   

P

Cu

T

28,0688 23,257 51,3258

W

P

mt

3

 

2,9

1

0,021

1

1,635

2

1084,22

W

 
 

1084,22

 

76,54%

 

 

1084,22

281,05

51,3258

Carga 4

 

960

 

cos

3  380  2,5
3
380
2,5

 

54,30

I

2,5cos

54,30

2,5sin

54,30 j

   
 

e

 

1,4588

2,030 j(A)

I'

r

1,4588

2,030 j

0,4328

1.9525 j(A)

1,026

0,0775 j(A)

I

'

r

I '  1,026 2    0,0775  2  1,0289   4,319

1,026

2

0,0775

2

1,0289

 

4,319 (

A

)

Fe 281,05

P

W

 

P

Cu

e

3

3,5

1,0289

2

11,116

W

P

r

3

2,9

1,0289

2

9,21

W

Cu

   

P

Cu

T

11,116 9,21 20,326

W

P

mt

3

2,9

1

0,016

1

1,0289

2

566,42

W

 
 

566,42

 

65,27%

 

 

566,42

281,05

 

20,326

Cálculos do Binário:

14,90,2539 3,783Nm

14,90,1875 2,794Nm

14,90,1367 2,037Nm

14,90,0801 1,193Nm

Tabelas e Gráficos

 

Leituras

Leituras Cálculos

Cálculos

 

Ue

Ie

Pe

N

T

Perdas

Perdas

P util

η

 

do Fe

do Cu

 

V

A

W

Rpm

Nm

W

W

W

%

Vazio

380

2

285

1500

-

-

-

-

-

Cc

83

5

480

-

-

-

-

-

-

Carga

380

5

2790

1428

32,23

-

-

-

-

 

%

 

380

4

2100

1448

25,39

281.0

149,9

1873,8

81,3

 

%

5

9

8

 

380

3,5

1710

1458

18,75

281.0

92,93

1461,7

79,63

 

%

5

5

 

380

3

1350

1468

13,67

281.0

51,33

1084,2

76,54

 

%

5

2

 

380

2,5

960

1476

8,01%

281.0

20,33

566,42

65,27

 

5

Mediçã

1,26

0,36

-

-

-

-

-

-

-

o de RE

Simulink

Simulink Gráfico 1: Curva do binário em função do número de rotações. Gráfico 2: Curva da

Gráfico 1: Curva do binário em função do número de rotações.

Simulink Gráfico 1: Curva do binário em função do número de rotações. Gráfico 2: Curva da

Gráfico 2: Curva da potência mecânica total em função do número de rotações.

Gráfico 3: Curva do rendimento a azul; curva das perdas do ferro a vermelho; curva das

Gráfico 3: Curva do rendimento a azul; curva das perdas do ferro a vermelho; curva das

perdas de cobre no estator a roxo; curva das perdas de cobre no rotor a amarelo em

função do número de rotações.

Conclusão

Desprezámos os cálculos da carga 1 pois, pelos nossos cálculos, a potência nominal

é inferior à potência que medimos no laboratório.

O gráfico do binário está de acordo com o previsto teoricamente pois apresenta uma

curva hiperbólica que decresce com o aumento do número de rotações. O gráfico da

potência mecânica total cumpre, também, o esperado nos resultados teóricos. As perdas

de ferro mantêm-se constantes, com 281,05 W. No que diz respeito às perdas do cobre,

tanto as perdas no estator como as perdas no rotor decrescem ao longo do gráfico e

assumem valores parecidos com os teóricos. Quanto ao rendimento, o gráfico não

corresponde ao esperado teoricamente, pois em vez de termos valores na ordem do

60%, temos valores na ordem dos 80%.