Você está na página 1de 32

Análise de obrAs literáriAs

Sagarana

João GuimArães rosA

Análise de obrAs literáriAs Sagarana João GuimArães rosA Rua General Celso de Mello Rezende, 301 –

Rua General Celso de Mello Rezende, 301 – Tel.: (16) 3603·9700 CEP 14095-270 – Lagoinha – Ribeirão Preto-SP www.sistemacoc.com.br

Aol-11

sumário

1. Contexto soCiAl e HistÓriCo

7

2. estilo literário dA époCA

9

3. o Autor

12

4. A obrA

14

5. exerCíCios

28

Sagarana

Sagarana João GuimArães rosA

João GuimArães rosA

Aol-11

Sagarana

1. Contexto soCial e HistÓRiCo

Aol-11 Sagarana 1. Contexto soCial e HistÓRiCo o cenário sociopolítico mundial passa por grandes transformações.

o cenário sociopolítico mundial passa por grandes transformações. Acredita-se num período de paz duradoura em função do fim da Segunda Guerra mundial (1945) e da publicação da declaração dos direitos do Homem (onu). no entanto, mais tarde, o medo da guerra ressurge quando o mundo se divide em duas partes: socialismo (união soviética) x capitalismo (euA)

– período conhecido por Guerra Fria. no campo literário, em tempos de guerra, surgem vanguardas (surrealismo; existencialismo – Jean-Paul Sartre; realismo absurdo – Kafka), cuja arte é marca- da pela fusão de imagens, formas e tempos. o irracionalismo e os impulsos do inconsciente marcam a vida intelectual dos anos 1940. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, inicia-se uma fase de oposição

à ampla e irracional liberdade artística constituída até então. instaura-se um período de criação intelectual consciente e equilibrada. No Brasil, o ano de 1945 é marcado pelo fim do regime ditatorial de Getúlio Vargas. segue-se, então, um período de redemocratização brasileira e de crescimento para o país: legalizam-se os partidos, convoca-se eleição, investe-se na modernização, na industrialização etc. entretanto, logo depois, institui-se uma época marcada pela retomada de perseguições (políticas e culturais), pela repressão, pela censura e pelos exílios. o plano social, concomitante à terceira fase do Modernismo brasileiro, é marcado por alterações significativas. nas artes, especialmente na poesia, surge essa terceira geração moderna,

a chamada Geração de 45, que se opõe aos excessos do grupo de 22. tem por compromisso estético o apuro da forma e da palavra. A preocupação principal

7

João guimarães rosa

é a valorização da palavra, entendida como elemento essencial da poesia. A

postura formalizante dos poetas de 45, que recuperam em suas poesias o ri- gor formal e o vocabulário mais erudito, evidencia, desde logo, as influências que os modelos de cunho parnasiano e simbolista tiveram na criação literária dessa geração.

A influência das tendências artísticas e intelectuais europeias, pós- segunda Guerra, manifesta-se nas obras de João Cabral de melo neto (poesia

geométrica) e na diversidade de poesias produzidas, desde então, no brasil:

poesia concreta (Haroldo de Campos, Augusto de Campos e décio pignatari), poesia-práxis (mário Chamie), poema-processo, poema-social, poesia marginal

e músicos-poetas.

na prosa, as décadas de 1940 e 1950 são marcadas principalmente pela valorização da linguagem, pelo regionalismo visto de um prisma universal e pela exploração psicológica e introspectiva das personagens. Guimarães Rosa

e Clarice lispector, cada um a seu modo, trabalham com esses traços e recebem

influências de alguns ideais do existencialismo europeu de Jean-Paul Sartre.

8

Aol-11

Sagarana

2. estilo liteRáRio da époCa

Aol-11 Sagarana 2. estilo liteRáRio da époCa 9

9

João guimarães rosa

A terceira fase do modernismo, também chamada de neomodernismo, preocupa-se, na prosa, com a invenção linguística, enquanto que, na poesia, há uma clara rejeição à geração de 22. Pertencem a esse período Guimarães Rosa, Clarice lispector e João Cabral de melo neto (poesia).

dentro dessa nova concepção literária, Clarice lispector busca uma lite- ratura intimista, de sondagem introspectiva e, por isso, voltada para a análise do interior das personagens. Ao mesmo tempo, com Guimarães rosa, os temas regionalistas, analisados mais profundamente, adquirem uma nova dimensão que buscava o universalismo nas questões que envolviam os sertanejos do Brasil central. também destaca-se nesse momento a preocupação com o uso da lingua- gem – traço comum entre Guimarães rosa e Clarice lispector. Ambos, por esse motivo, são chamados de instrumentalistas.

Na poesia, os poetas de 45 têm sua estréia marcada pela publicação da revista Orfeu (1947), no rio de Janeiro. A poesia dessa fase defende um estilo mais rigoroso e equilibrado, que rejeita as revoluções artísticas dos modernistas da geração de 22, ou seja, a liberdade formal, as ironias, as sátiras, o poema- piada etc. segue um modelo mais formal e uma linguagem mais precisa e exata. os modelos voltam a ser os parnasianos e os simbolistas. dentre os grandes nomes que representam essa geração (Ledo Ivo, Péricles Eugênio da Silva Ramos, Geir de Campos e Darcy Damasceno), destaca-se, no fim dos anos 1940, João Cabral de melo neto, considerado um dos grandes nomes da literatura no brasil.

Guimarães Rosa é figura de destaque dentro da prosa Neomodernista. produziu contos, novelas e um único romance. o autor compartilhava com Clarice lispector a preocupação com a revalorização das palavras. Ambos contestavam

a linguagem convencional. nas obras de Guimarães, é comum observar a preo-

cupação com a linguagem, pois, utilizando-se das relações sintáticas, semânticas e fonológicas da língua, criava neologismos e fazia associações imprevistas a partir de formas da língua portuguesa.

essa recriação de palavras resulta em formas como “retrovão”, “levan- tante”, “desfalar” etc. e em frases do tipo: “os passarinhos que bem-me-viam”, “e aí se deu o que se deu – o isto é”, “o sabiá veio molhar o pio no poço, que é bom ressoador”.

O objeto de pesquisa que serve de matéria para toda essa elaborada riqueza

linguística encontra-se na fala, nas expressões e particularidades dos jagunços

e vaqueiros do sertão mineiro. por isso, Guimarães rosa costuma ser tratado

como regionalista, já que seu trabalho nasce da observação dos costumes e ter- mos típicos do sertão.

10

Aol-11

Sagarana

No entanto, em sua obra, os conceitos do sertanejo, da paisagem e dos costumes do sertão ganham novas dimensões e se ampliam, ou seja, o sertanejo, com seus problemas típicos e característicos, passa a representar qualquer ser humano que vive em qualquer região e que convive com questões atemporais e de ordem universal, como o bem e o mal, o amor, a violência, a existência ou não de deus e do diabo etc. por essa razão, sua obra é considerada regionalista universalizante. Vale ainda ressaltar a transparência com que temas místicos, fantasiosos e obscuros aparecem em suas tramas, uma vez que há a constante preocupação com a manutenção do enredo por meio do suspense.

11

João guimarães rosa

3. o aUtoR

João guimarães rosa 3. o aUtoR João Guimarães Rosa nasceu em 27 de junho de 1908,

João Guimarães Rosa nasceu em 27 de junho de 1908, em Cordisburgo, Minas Gerais. Era o primeiro dos seis filhos de D. Francisquinha (Chiquitinha) e de Florduardo Pinto Rosa (seu Fulô), juiz de paz e comerciante. Com menos de 7 anos, começou a estudar francês por conta própria e, mais tarde (1917), com a ajuda de um frade franciscano holandês, iniciou os estudos de holandês. Em Belo Horizonte, terminou o curso primário e, já no curso se- cundário (colégio Arnaldo), iniciou o estudo do alemão. Com 16 anos (1925), matriculou-se na então denominada Faculdade de medicina da universidade de minas Gerais. em 1930, ao completar 22 anos, formou-se em medicina e casou-se com lígia Cabral penna, com quem teve duas filhas: Vilma e Agnes. Graduado, trabalhou em várias cidades do interior mineiro, sempre demons- trando interesse pelo estudo da língua. em 1933, foi para barbacena e ingressou no quadro da Força Pública como Oficial Médico. Após clinicar por algum tempo, em 1934 entrou para a carreira diplomática (prestou concurso para o ministério do exterior), indo servir como diplomata em diversos países da europa. sempre dedicou-se à literatura, participando de concursos literários. em 1936, recebeu o prêmio de poesia da Academia Brasileira de Letras pela coletânea de poemas Magma, obra que permaneceu inédita até 1997.

12

Aol-11

Sagarana

Em 1938, nomeado cônsul adjunto em Hamburgo, seguiu para a Europa e lá conheceu Aracy moebius de Carvalho (Ara), que se tornaria sua segunda esposa. desquitou-se de lígia em 1942.

Ainda em 1938, com o livro intitulado Contos, de pseudônimo “Viator”, o autor concorreu ao prêmio Humberto de Campos, da Livraria José Olympio Editora, e obteve o 2º lugar. Mais tarde, em 1946, após revisão feita pelo próprio autor, o volume Contos se tornou Sagarana, rendendo-lhe vários prêmios e o re- conhecimento por uma das mais importantes obras da literatura brasileira.

sua vida foi marcada por viagens diplomáticas. de 1945 até 1962, quando se tornou chefe do serviço de demarcação de Fronteiras, passou por bogotá e Paris e viajou pelo Brasil (Mato Grosso, Pantanal e o sertão das Gerais).

em 1956, Guimarães rosa publicou as novelas Corpo de baile e, em maio desse mesmo ano, lançou grande sertão: veredas, sucesso que lhe garantiu três prêmios nacionais: o Machado de Assis, do Instituto Nacional do Livro; o Car- men dolores barbosa, de são paulo; o paula brito, do rio de Janeiro. recebeu ainda, em 1961, o Prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras pelo conjunto da obra.

seus livros foram traduzidos no exterior (França, itália, estados unidos, Canadá, Alemanha, espanha, polônia, Holanda e Checoslováquia).

em 1963, candidatou-se pela 2ª vez à Academia brasileira de letras (a 1ª foi em 1957), sendo eleito por unanimidade. no entanto, sua posse somente aconteceu após quatro anos, no dia 16 de novembro de 1967.

Três dias depois da investidura (19 de novembro de 1967), Guimarães Rosa faleceu, vítima de infarto, aos 59 anos.

BiBliogRafia

1939

Magma, poemas

1946

Sagarana, contos e novelas regionalistas

1947

Com o vaqueiro Mariano

1956

Corpo de baile, novelas (publicado em três volumes: Manuelzão e Miguilim, no Urubuquaquá no Pinhém e noites do sertão)

1956

grande sertão: veredas, romance

1962

Primeiras estórias, contos

1967

Tutameia: terceiras estórias, contos

1969

Estas estórias, contos – obra póstuma

1970

– Ave, palavra, diversos – obra póstuma

13

João guimarães rosa

4. a oBRa

João guimarães rosa 4. a oBRa 14

14

Aol-11

Sagarana

Livro de estreia de Guimarães Rosa na prosa de ficção neomodernista, foi publicado em abril de 1946 pela editora universal, de Caio pinheiro, tornando-se sucesso imediato. é composto de nove contos que registram a paisagem, a vida, a fala e os costumes dos sertanejos da região de Minas.

desde o título, o livro apresenta um dos processos de invenção de palavras que é constante no trabalho de Guimarães rosa: o neologismo. A palavra sagarana é formada pelo radical de origem germânica saga (“lenda”, “canto heróico”) e por rana (“a maneira de”, “espécie de”) da língua indígena. seus contos, à maneira das fábulas e parábolas, sempre apresentam um sentido oculto, uma “moral”, ou seja, ao simples narrar dos fatos se sobrepõe um segundo sentido, uma outra significação. Além disso, seguindo os costumes do sertão mineiro, cada conto é antecedido por uma epígrafe que resume a estória que será narrada.

Sagarana compõe-se dos seguintes contos:

1. “O burrinho pedrês”

2. “A volta do marido pródigo”

3. “Sarapalha”

4. “Duelo”

5. “Minha gente”

6. “São Marcos”

7. “Corpo fechado”

8. “Conversa de bois”

9. “A hora e vez de Augusto Matraga”

1. o BURRinHo pedRÊs

Era um burrinho pedrês, miúdo e resignado, vindo de Passa-Tempo, Conceição do Serro, ou não sei onde no sertão. Chamava-se Sete-de-Ouros, e já fora tão bom, como outro não existiu e nem pode haver igual. agora, porém, estava idoso, muito idoso. Tanto, que nem seria preciso abaixar-lhe

a maxila teimosa, para espiar os cantos dos dentes. Era decrépito mesmo à distância:

no algodão bruto do pelo – sementinhas escuras em rama rala e encardida; nos olhos remelentos, cor de bismuto, com pálpebras rosadas, quase sempre oclusas, em constante

semissono; e na linha, fatigada e respeitável – uma horizontal perfeita, do começo da testa

à raiz da cauda em pêndulo amplo, para cá, para lá, tangendo as moscas.

em virtude da fuga de algumas montarias na noite anterior, o burrinho Sete-de-Ouros (velho e cansado) é escolhido para ajudar no transporte da boiada,

15

João guimarães rosa

tornando-se uma cavalgadura de emergência para um dos vaqueiros (João Manico – o mais leve) do major Saulo. A viagem, sob muita chuva, parte da Fazenda da tampa até a cidade onde

a boiada seguiria de trem. Após entregarem o gado, a comitiva retorna sob o comando de Francolim (o major Saulo havia permanecido na cidade). Silvino, um dos vaqueiros, está com ódio de Badu e quer matá-lo pelo fato de este estar namorando uma moça de quem ele gosta. no entanto, antes de partirem na escuridão da noite, badu, que havia bebido além da conta, é enganado e por isso lhe resta apenas o bur- rinho como montaria. A chuva que se anunciava na escuridão trevosa da noite embarga a travessia

dos vaqueiros pelo Córrego da Fome e esses são tragados pela enchente do ribeirão. salvam-se apenas Francolim e badu, ambos agarrados ao pequeno, desacreditado

e decrépito burrinho: o primeiro agarrado à cauda de sete-de-ouros e o segundo,

à crina do valente animal.

2. a Volta do MaRido pRÓdigo

lalino salãthiel (mulato divertido, de muito riso e pouco trabalho) é o marido pródigo. Deixa de trabalhar na estrada de rodagem Belo Horizonte – São paulo para se aventurar no rio de Janeiro, onde se esbalda por completo com as belezas e beldades de lá.

o dinheiro que patrocina sua viagem vem do espanhol ramiro que, em troca do “favor”, fica com Maria Rita – mulher de Lalino. E foi assim, por um dia haver discursado demais numa pausa de hora de almoço, que Eulálio de Souza Salãthiel veio a tomar uma vez o trem das oito e cinquenta e cinco, sem bênçãos e sem matalotagem, e com o bolso do dinheiro defendido por um alfinete-de-mola. Procurou assento, recostou-se, e fechou os olhos, saboreando a trepidação e sonhando – so- nhos errados por excesso – com o determinado ponto, em cidade, onde odaliscas veteranas apregoavam aos transeuntes, com frineica desenvoltura, o amor: bom, barato e bonito, como o queriam os deuses.

as aventuras de Lalino Salãthiel na capital do país foram bonitas, mas só

podem ser pensadas e não contadas, porque no meio houve demasia de imoralidade. Todavia, convenientemente expurgadas, talvez mais tarde apareçam, juntamente com a história daquela rã catacega, que, trepando na laje e vendo o areal rebrilhante à soalheira, ”

– e pulou com gosto, e, queimando as patinhas, deu outro pulo

gritou – “Eh, aguão!

depressa para trás. Passados seis meses, o dinheiro acaba e o marido pródigo volta e encontra sua esposa amasiada com Ramiro. Pede ajuda a Oscar, filho do major Anacleto, conseguindo entrar na política como cabo eleitoral do major.

) (

16

Aol-11

Sagarana

lalino, que era esperto e, tinha tino e diplomacia, consegue convencer os eleitores e traz a vitória para o major Anacleto, que, influenciado pela lábia de seu astuto cabo, expulsa a colônia espanhola do lugar. maria rita volta para lalino.

3. saRapalHa

A narrativa de “sarapalha” se desenvolve em um povoado, tomado pela maleita (sezão), às margens do rio Pará. Como consequência, uma parte das pessoas morreu e a outra abandonou o lugar: “os primeiros para o cemitério, os outros por aí afora, por este mundão de deus”. Numa fazenda em ruínas e deserta, ficaram dois caboclos (primo Argemiro

e primo Ribeiro), uma velha negra chamada Ceição e um cachorro (Jiló).

É aqui, perto do vau da Sarapalha: tem uma fazenda, denegrida e desmantelada;

uma cerca de pedra-seca, do tempo de escravos; um rego murcho, um moinho parado; um cedro alto, na frente da casa; e, lá dentro, uma negra, já velha, que capina e cozinha o feijão. Tudo é mato, crescendo sem regra; mas, em volta da enorme morada, pés de milho levantam espigas, no chiqueiro, no curral e no eirado, como se a roça se tivesse encolhido, para ficar mais ao alcance da mão.

E tem também dois homens sentados, juntinhos, num casco de cocho emborcado,

cabisbaixos, quentando-se ao sol.

O sol cresce, amadurece. Mas eles estão esperando é a febre, mais o tremor.

Primo ribeiro parece um defunto – sarro de amarelo na cara chupada, olhos sujos, desbrilhados, e as mãos pendulando, compondo o equilíbrio, sempre a escorar dos lados a bambeza do corpo. Mãos moles, sem firmeza, que deixam cair tudo quanto ele queira pegar. Baba, baba, cospe, cospe, fincando o queixo no peito; e trouxe cá para fora a caixinha de remédio, a cornicha de pó e mais o cobertor.

) (

– O seu inchou mais, Primo argemiro?

– Olha aqui como é que está

– Hoje está mais alto.

– Inda dói muito?

– Melhorou.

E o seu, Primo?

É da passarinha. no vão esquerdo, abaixo das costelas, os baços jamais cessam

de aumentar. E todos os dias eles verificam qual foi o que passou à frente. À espera do avanço da doença em si mesmo, primo ribeiro conta sua triste

e trágica história ao primo Argemiro: sua esposa (que era sua prima Luísa) fugira com um boiadeiro, abandonando-o. Argemiro, que amava a mulher do primo, revela seu sentimento e o desejo de ter fugido com ela. ribeiro expulsa-o dali e Argemiro sai perambulando à procura de um lugar para ser consumido pela doença que o ataca.

17

João guimarães rosa

4. o dUelo

turíbio todo descobre que sua mulher o traía com o ex-militar Cassiano Gomes. A infidelidade amorosa motivou o duelo (que não houve) entre o marido enganado e o ex-militar. Mas, por essa altura, Turíbio Todo teria direito de queixar-se tão-só da sua falta de saber-viver; porque avisara à mulher que não viria dormir em casa, tencionando chegar até ao pesqueiro das Quatorze-Cruzes e pernoitar em casa do primo Lucrécio, no Dêcámão. Mudara de ideia, sem contra-aviso à esposa; bem feito!: veio encontrá-la em pleno (com perdão da palavra, mas é verídica a narrativa) em pleno adultério, no mais doce, dado e descuidoso, dos idílios fraudulentos. Felizmente que os culpados não o pressentiram. Turíbio Todo costumava chegar com um mínimo de turbulência; ouviu vozes e espiou por uma fisga da porta; a luz da lamparina, lá dentro, o ajudando, viu. Mas não fez nada. E não fez, porque o outro, era o Cassiano gomes, ex-anspeçada do 1º pelotão da 2ª companhia do 5º Batalhão de Infantaria da Força Pública, onde as gentes aprendiam a manejar, por música, o ZB tchecoslovaco e até as metralhadoras pesadas Hotchkiss; e era, portanto, muito homem para lhe acertar um balaço na testa, mesmo estando assim em sumaríssima indumentária e fosse a distância para duzentos metros, com o alvo mal iluminado e em movimento. turíbio todo vinga-se de sua humilhação, metendo uma bala na nuca de seu desonrador. no entanto, a vítima da emboscada é o irmão (levindo Gomes) de Cassiano Gomes. Inicia-se, então, uma longa peleja: Turíbio fugindo e Cas- siano perseguindo-o. passam-se meses. turíbio vai para são paulo e Cassiano retorna para sua casa (Vista Alegre) e para a mulher do perseguido para descansar. recomeça uma nova perseguição e o ex-militar (adoentado do coração) acaba por falecer em um povoado, onde, à beira da morte, contrata os serviços de um caboclo (Timpim Vinte-e-Um) para dar fim à vida de Turíbio Todo. turíbio, sabendo da morte de Cassiano, retorna para o arraial acompa- nhado pelo franzino timpim Vinte-e-um, que o liquida com uma garrucha de dois canos.

5.

MinHa gente

o

conto “minha Gente” é narrado em primeira pessoa.

o

protagonista-narrador relata a temporada que vai passar na fazenda

(saco-do-sumidouro – interior de minas) de seu tio emílio. Quando vim, nessa viagem, ficar uns tempos na fazenda do meu tio Emílio, não era a primeira vez. Já sabia que das moitas de beira de estrada trafegam para a roupa da gente umas bolas de centenas de carrapatinhos, de dispersão rápida, picadas

18

Aol-11

Sagarana

milmalditas e difícil catação; que a fruta mal madura da cagaiteira, comida com sol quente, tonteia como cachaça; que não valia a pena pedir e nem querer tomar beijos às primas; que uma cilha bem apertada poupa dissabor na caminhada; que parar à sombra da aroeirinha é ficar com o corpo empipocado de coceira vermelha; que, quan- do um cavalo começa a parecer mais comprido, é que o arreio está saindo para trás, com o respectivo cavaleiro; e, assim, longe outras coisas. Mas muitas mais outras eu ainda tinha que aprender. Ao desembarcar do trem, o narrador é esperado por santana (inspetor es- colar) e por José malvino (roceiro da fazenda), que o acompanham até a fazenda de seu tio. durante o caminho até a fazenda, malvino fala da vida e dos costumes mineiros e de aspectos da natureza daquela região. na fazenda, reencontra seu tio emílio (envolvido com a política) e sua prima maria irma (seu amor de infância).

o narrador relata os pormenores da política de seu tio e se empenha para

conquistar o amor de maria irma, que se mantém reservada e misteriosa. numa pescaria com bento porfírio (empregado da fazenda e amante da de-lourdes), o narrador presencia o assassinato de bento pelo marido traído (xandão Cabaça). tal acontecimento não interfere na rotina da fazenda. A narrativa é entrecortada por histórias: a do vaqueiro que provocara os marimbondos e a do moleque nicanor. Tio Emílio (partido João-de-Barro) vence as eleições. Maria Irma fica noiva de Ramiro Gouvêia (dos Gouvêias da fazenda da Brejaúba, no Todo-Fim-E-Bom) e apresenta Armanda ao narrador, que acaba se casando com ela antes do casa- mento de sua prima com ramiro.

6. sÃo MaRCos

Narrado também em primeira pessoa, a história se passa no povoado chamado Calango-Frito.

o narrador (izé ou José), homem que não acredita em feitiçaria, todos

os domingos, quando se embrenha pela mata das Três Águas para caçar e observar a natureza, ao passar pela casa de João mangolô (feiticeiro de fama), costuma provocá-lo. nhá rita (cozinheira de izé) sempre o adverte (“Se o senhor não aceita, é rei no seu; mas abusar não deve-de”). E eu abusava, todos os domingos, porque, para ir domingar no mato das Três Águas, o melhor atalho renteava o terreirinho de frente da cafua do Mangolô, de quem eu zombava já por prática. Com isso eu me crescia, mais mandando, e o preto até que se ria, acho que achando mesmo graça em mim.

19

João guimarães rosa

Para escarmento, o melhor caso-exemplo de Sá nhá rita Preta minha criada era

este: “

a

gente acudiu, mas não viu nada: não era topada, nem estrepe, nem sapecado de tatarana, nem ferroada de marimbondo, nem bicho-de-pé apostemado, nem mijacão, nem coisa de

se ver

remédio?! nem angu quente, nem fomentação, nem bálsamo, nem emplastro de folha de

aí, ela se alembrou de desfeita que

tinha feito para a Cesária velha, e mandou um portador às pressas, para pedir perdão. Pois

Porque a Cesária

tornou a tirar fora a agulha do pé do calunga de cera, que tinha feito, aos pouquinhos,

em sete voltas de meia-noite: “Estou fazendo fulana!

com a agulha: “Estou espetando fulana!

numa domingueira, como de costume, andando pela mata, encontra Aurísio manquitola – conhecedor da “oração de são marcos”. Aurísio narra-lhe, então, alguns casos sobre os temíveis poderes dessa oração. Casos que envolvem a Gestal da Gaita, o compadre Silvério, o Tião Tranjão, o Cypriano, o Filipe Turco etc.

Finda a prosa, José segue caminhando pela floresta e relembra a história dos bambus: um jogo poético travado com um anônimo chamado“Quem Será” no qual eram deixados versos nos nós dos bambus, sem que seus autores se encontrassem.

Envolto pelas belezas da floresta, segue caminhando e, de repente, ao descansar debaixo de uma árvore, fica cego.

desesperado e vagando sem rumo, resolve rezar a oração de são marcos. toma certa direção orientando-se na mata pelos ruídos e pelas vibrações do vento até chegar à cabana do feiticeiro João mangolô.

lá, ao tentar esganar o velho feiticeiro, volta a enxergar e descobre que o negro velho havia-lhe “amarrado” as vistas (uma tira nos olhos de um retrato) a fim de lhe ensinar respeito.

”, e depois,

qu’ é de

e a lavadeira então veio entrando, para ajuntar a roupa suja. De repente, deu um

grito horrorendo e caiu sentada no chão, garrada com as duas mãos no pé (lá dela!)

não tinha cissura nenhuma, mas a mulher não parava de gritar, e

fumo com azeite-doce, nem arnica, nem alcanfor!

foi o tempo do embaixador chegar lá, para a dor sarar, assim de voo

Estou espetando fulana!

Estou fazendo fulana!

.”

7. CoRpo feCHado

Enquanto bebem cerveja, o narrador (médico de Laginha) vai entrevis- tando Manuel Fulô (“valentão manso e decorativo”) e ouvindo as histórias que este conta sobre os ciganos que havia enganado, sobre a sua rivalidade com o feiticeiro Antonio das pedras e sobre os valentões daquela região: José boi, Desidério Cabaça, Adejalma (Dejô), Miligo e Targino. Destes, apenas resta o temível targino, que, com seu bando, ousou comer carne e beber cachaça na frente da igreja numa sexta-feira da Paixão.

20

Aol-11

Sagarana

Esse-um é maligno e está até exco-

Ele é de uma turma de gente sem-que-fazer, que comeram carne e bebe-

ram cachaça na frente da igreja, em sexta-feira da Paixão, só p’ra pirraçar o padre e

experimentar a paciência de Deus numa água rasinha de enxurrada

mundo, sem deixar rasto

machado, uma noite

gervásio sumiu no

Eles todos já foram castigados: o roque se afogou

mungado

– não é raiva, não seu doutor: é gastura

ele estava de chifre cheio

Laurindo, a mulher mesma torou a cabeça dele com um

Camilo Matias acabou com

foi em janeiro do ano passado

mal-de-lázaro

Só quem está sobrando mesmo é o Targino. E o castigo demora, mas

não falta

– Mas, nesta sobrança , ele é quem vai castigando os outros, por conta própria, Manuel Fulô

Um dia ele

encontra outro mais grosso

Esse sujeitinho ainda vai ter de dançar de ceroula, seu doutor! Isto aqui é terra de gente brava.

em meio à conversa, surge no bar o valentão targino, que avisa manuel Fulô que vai passar a noite antes do casamento com a noiva dele (das dor). Manuel Fulô fica desesperado, pois Targino domina o lugarejo. Surge então Antonico das Pedras-Águas (“que tinha alma de pajé” e era “curandeiro-feiticeiro”), que propõe um trato a manuel Fulô: ele fecharia o corpo deste em troca de sua mula Beija-Flor. mané Fulô aceita e, de “corpo fechado”, mata o bandido targino apenas com uma faquinha. o casamento acontece e mané Fulô assume o posto de valentão daquelas bandas.

– Deixa ele, seu doutor

P’ra cavalo ruim, Deus bambeia a rédea

Eu já estou vendo o diabo, com defunto na cacunda!

8. ConVeRsa de Bois

A história, narrada por Manuel Timborna, tem início na encruzilhada de ibiúva e procura demonstrar que “boi fala o tempo todo”. os protagonistas bovinos (buscapé e namorado, Capitão e brabagato, Dançador e Brilhante, Realejo e Canindé) formam quatro parelhas que puxam um carro de boi carregado de rapaduras e de um defunto. sobre o carro de boi vão também Agenor soronho (o carreador), tiãozinho (guia dos bois e filho do defunto) e a viúva (amante de Soronho). enquanto andam, a conversa dos oito bois intercala-se com a fala dos humanos. tiãozinho é visto pelos bois como “o-bezerro-de-homem-que-caminha- sempre-na-frente-dos-bois”; enquanto o perverso Agenor é “o-homem-do-pau- comprido-com-o-marimbondo-na-ponta”.

21

João guimarães rosa

Os outros, que vêm em manadas, para ficarem

um tempo-das-águas pastando na invernada, sem trabalhar, só vivendo e pastando,

e vão-se embora para deixar lugar aos novos que chegam magros, esses todos não são como nós ”

– apoia enfim Brabagato, acenando a Capitão

com um esticão da orelha esquerda. – Há também o homem

“Nós somos bois

Bois-de-carro

– Eles não sabem que são bois

– É, tem também o homem-do-pau-comprido-com-o-marimbondo-na-ponta

– ajunta Dançador, que vem lerdo, mole-mole, negando o corpo. – O homem me chifrou agora mesmo com o pau

– O homem é um bicho esmochado, que não devia haver. nem convém espiar

muito para o homem. É o único vulto que faz ficar zonzo, de se olhar muito. É comprido demais, para cima, e não cabe todo de uma vez, dentro dos olhos da gente.

Os bois, conversando, criticam a vida do homem e relembram a história trágica do boi rodapião, que pensava da mesma forma que os seres humanos. durante a marcha, tiãozinho segue triste, chorando a morte do pai e os maus tratos de soronho. na ladeira do morro do sabão, Agenor encontra o carro da estiva (de seu companheiro João Bala) todo espatifado na queda na subida do Morro. Após consolar seu amigo, segue viagem. orgulhoso de sua vitoriosa escalada pelo morro, assume a dianteira do carro de boi. os bois que nutrem a mesma raiva por Agenor decidem derrubá-lo, fazendo com que a roda do carro passe sobre o seu pescoço, matando-o.

9. a HoRa e VeZ de aUgUsto MatRaga

Nhô Augusto ou Matraga é Augusto Esteves, filho do coronel Afonsão esteves das pindaíbas e do saco-da-embira. nhô Augusto é um homem briguento, perverso e mulherengo – tirava as namoradas e mulheres dos outros. não se importava com sua esposa (dona Dionóra) e sua filha (Mimita) nem com sua fazenda. Estava em pleno declínio econômico e político. Como consequência, sua mulher foge com Ovídio Moura, levando a filha. Os capangas (mal pagos) põem-se a serviço do major Consilva (antigo inimigo da família). Querendo tirar satisfação do ocorrido, Nhô Augusto vai até a fazenda do major Consilva, onde é recebido por pancadas, além de ser marcado na nádega direita por ferro quente de marcar gado.

22

Aol-11

Sagarana

O cavalo de nhô augusto obedeceu para diante; as ferraduras tiniram e deram

fogo no lajedo; e o cavaleiro, em pé nos estribos, trouxe a taca no ar, querendo a figu- ra do velho. Mas o Major piscou, apenas, e encolheu a cabeça, porque mais não era

preciso, e os capangas pulavam de cada beirada, e eram só pernas e braços.

– Frecha, povo! Desmancha!

Já os porretes caíam em cima do cavaleiro, que nem pinotes de matrinchãs na

rede. Pauladas na cabeça, nos ombros, nas coxas. nhô augusto desdeu o corpo e caiu. Ainda se ajoelhou em terra, querendo firmar-se nas mãos, mas isso só lhe serviu para poder ver as caras horríveis dos seus próprios bate-paus, e, no meio deles, o capiau- zinho mongo que amava a mulher-à-toa Sariema.

E nhô augusto fechou os olhos, de gastura, porque ele sabia que capiau de

testa peluda, com o cabelo quase nos olhos, é uma raça de homem capaz de guardar o passado em casa, em lugar fresco perto do pote, e ir buscar da rua outras raivas

pequenas, tudo para ajuntar à massa-mãe do ódio grande, até chegar o dia de tirar vingança.

Mas, aí, pachorrenta e cuspida, ressoou a voz do Major: – arrastem p’ra longe,

para fora das minhas terras

À beira da morte, recobra um pouco de suas forças, jogando-se em um despenhadeiro do rancho do barranco.

semimorto, é encontrado e cuidado por um casal de negros velhos (a mãe Quitéria e o pai Serapião) e, aos poucos, se restabelece-se.

Arrependido, afasta-se de tudo e leva seus protetores para o povoado do tombador.

Procurando penitenciar-se de seus pecados a fim de alcançar o céu, trabalha o dia todo, reza e ajuda os outros.

um dia, passados alguns anos, nhô Augusto dá pousada para Joãozinho bem-bem e seu bando (Flosino Capeta, tim-tatu-tá-te-vendo, Zeferino, Juru- minho, Epifânio). É convidado pelo chefe dos jagunços a seguir com eles, mas matraga vence a tentação e se recusa.

recuperado totalmente, despede-se dos velhinhos e parte sem destino. Chega ao arraial do rala-Coco e reencontra Joãozinho bem-bem prestes a dizimar uma família por motivo de vingança. Um velho pede pelos filhos e Matraga se opõe ao cumprimento da vingança.

muitos capangas são mortos por suas mãos, mas encontra sua hora e vez no duelo com Joãozinho bem-bem. Ambos morrem.

Muitas são as peculiaridades literárias que fizeram de Guimarães Rosa um dos mais consagrados representantes da literatura brasileira. em Sagarana, podemos destacar algumas delas.

Marquem a ferro, depois matem.

23

João guimarães rosa

lingUageM

Quanto à linguagem, observa-se a preocupação de Guimarães Rosa de reproduzir a fala do homem do sertão. A retomada do regionalismo em Guima- rães não se detém à simples incorporação de termos populares. o resgate desse tema é enriquecido pela invenção linguística que o autor faz criando palavras, reinventando-as e fazendo associações inesperadas. A linguagem adotada pelo autor é a da fala de suas personagens (que também são narradores). são elas que falam, mas é ele que escreve. Com o intuito de imitar o falar regional e suas peculiaridades, percebe-se, na obra do autor, uma oralidade escrita cuja leitura oferece certa dificuldade. No entanto, vale ressalvar a existência de uma linguagem mais erudita em Sagarana, quando o escritor narra, ou seja, quando não quer registrar as singularidades da fala sertaneja ou a linguagem popular. É o que podemos observar, mais especi- ficamente, no conto “São Marcos”. entre outros recursos linguísticos que Guimarães rosa utiliza para expres- sar a natureza popular da linguagem do sertão, destaca-se a metáfora: “estou como ovo depois de dúzia” (para dizer que está sobrando); “durou o prazo de se capar um gato” (para dizer que a ação foi rápida). Há de se lembrar também o uso frequente das reticências e de frases en- trecortadas que, além de garantir ao texto maior expressividade oral, também expressam a interrupção do pensamento. É o que se vê, por exemplo, no conto “A volta do marido pródigo”:

– ah, que honra, mas que minha honra, senhor Doutor Secretário do Interior

Entrar nesta cafua, que menos mercê e mais recebe

o senhor é vós

Já jantaram, ô diacho

Esteja

à vontade! Se execute! aqui

Além das técnicas descritas acima, o autor utiliza ainda certos aspectos auditivos e visuais, que acabam por dar caráter poético à sua prosa, como as onomatopeias: “A boiada entra no beco: tchou! tchou! tchou!”(para tanger o gado); “prrr-tic-tic-tic!” (para chamar as galinhas); o ritmo e as aliterações (repe- tição de um dado fonema) vistos, por exemplo, no conto “O burrinho pedrês”, no qual a narração da caminhada da boiada é intercalada por quadrinhas populares cantadas pelos vaqueiros:

Boi bem bravo, bate baixo, bota baba, boi berrando

Dança

doido, dá de duro, dá

de dentro, dá direito

Vai,

vem, volta, vem na vara, vai não volta, vai varando

‘Todo passarinh´do mato tem seu pio diferente. Cantiga de amor doido

24

Aol-11

Sagarana

não carece ter rompante Pouco a pouco, porém, os rostos se desempanam e os homens tomam gestos de repouso nas selas, satisfeitos. Que de trinta, trezentos ou três mil, só está, quase pronta a boiada quando as alimárias se aglutinam em bicho inteiro – centopeia -, mesmo pres- tes assim para surpresas más.

– Tchou!

RegionalisMo

Tchou!

Eh,

booôi!

O resgate do regionalismo na obra de Guimarães Rosa reflete uma das

características que mais individualizam seu trabalho. Embora aproveite o cenário sertanejo mineiro e suas expressões típicas populares (“estou como ovo depois de dúzia”, “suspiro de vaca não arranca estaca”, “não é nas pintas da vaca que se mede o leite e a espuma”), sua obra surpreende em virtude da originalidade da linguagem e da indagação a respeito das questões fundamentais do homem (amor e ódio, vida e morte, violência, ciúmes, mito e razão, a existência ou não de Deus e do diabo etc.). nesse sentido, os contos de Sagarana (repletos de interpretações subjetivas, espiritualistas e filosóficas) devem ser compreendidos de forma mais profunda, pois as histórias dos personagens, aparentemente apenas sertanejos de Minas,

ultrapassam os limites do regionalismo e alcançam as questões de valor eterno e uni- versal. No conto “Conversa de bois”, observam-se, por exemplo, as reflexões sobre

o poder e a fraqueza; o sentimentalismo dos temas de amor e da solidão são res- gatados em “sarapalhae “minha gente; ainda em “são marcos, “minha gente

e “Corpo fechadoevidencia-se o universo fantástico de Guimarães rosa.

O conceito de sertão é ampliado, passando a refletir a imagem do mundo e

a contemplação metafísica que o autor tem da existência e de seus problemas.

por esses motivos, considera-se a obra de Guimarães rosa como a expressão do regionalismo universalizante.

téCniCa naRRatiVa

Com relação à técnica narrativa, sagarana reúne contos ora narrados em primeira pessoa ora em terceira pessoa.

Quando narrados em primeira pessoa, os contos (“São Marcos”, “Minha gente” e “Corpo fechado”) apresentam um conteúdo temático que gira em torno de superstições e feitiçarias, fato que evidencia o misticismo e o universo fantástico e fantasioso de Guimarães rosa. Nos contos em terceira pessoa (“O burrinho pedrês”, “A volta do marido pródigo”, “Sarapalha”, “Duelo”, “Conversa de bois” e “A hora e vez de Augusto Matraga”), observa-se a onisciência do narrador e ainda a alternância de focos narrativos, presente, por exemplo, em “duelo”, no qual uma clarineta fanhosa e meio fraca e uma tuba solene e penetrante são associadas aos personagens turíbio

e Cassiano, respectivamente.

25

João guimarães rosa

peRsonagens

As personagens de Sagarana são os bichos, as crianças, os loucos, os bê-

bados, os homens rudes e simples que vivem situações de conflito, de superação

e de conversão. Ao longo do enredo, desenrolam-se problemas que fazem as

personagens lidar com situações que extrapolam o limite do real. daí a possibi- lidade de interpretarmos tais histórias como parábolas e alegorias.

nesse sentido é que se pode entender a temática de contos como, por exemplo, “O burrinho pedrês” e “Conversa de bois”, que tratam da superação da fraqueza que se converte em força; a história de redenção e espiritualidade presente no conto “A hora e vez de Augusto matraga”; a esperteza de maria irma no conto “Minha gente” e de Lalino Salãthiel (o herói gaiato) em “A volta do marido pródigo”; o enfoque da solidão e da falta de esperança em “Sarapalha”, entre tantos outros. A nomeação das personagens remete ainda a outro aspecto do estilo de Guimarães rosa que evidencia o gosto popular de dar apelidos às pessoas. tal recurso permite que o autor revele, por meio de apelidos e distorções dos nomes próprios, a personalidade e o caráter de cada personagem: Manuel Fulô, timpim, turíbio todo, tião da thereza, Joãozinho bem-bem, lalino sa- lãthiel, badu, Valo Venâncio. esse recurso é aproveitado também com os animais, que, por receberem nome, adquirem identidade, diferindo-se uns dos outros: o burrinho sete-de- ouros; os bois falantes de “Conversa de bois”: rodapião, brabagato, buscapé, Namorado, Capitão, Dançador, Brilhante, Realejo, Canindé; os cavalos e éguas de “Corpo fechado”: Beija-Flor, Ventarola, Furta-Moça etc. os animais, metaforizados em gente, exercem grande importância nas estórias de Sagarana e, por isso, devem ser analisados detidamente.

paisagens e desCRições

Ao descrever o sertão mineiro, Guimarães rosa impressiona o leitor com uma infinidade de minuciosas descrições de paisagens, pessoas, animais, fazen- das de gado etc. em muitos contos de Sagarana, o tema da viagem e do deslocamento espacial, além de ser portador de significados ligados à mudança interna do homem, presta-se também à descrição da paisagem, à medida que o caminho

é percorrido. A amplidão cultural de Guimarães rosa permite que ele indique com pre-

cisão as expressões populares da região, além dos nomes de plantas e animais. no conto “minha gente” há, por exemplo, enumeração das criações que vivem

suras , transilvânias, nanicas, topetudas, calçudas; e gui-

no galinheiro: “

havia

26

Aol-11

Sagarana

nés convexas, aperuadas; e peruas acucadas;…” ; também no conto “o burrinho pedrês” são relacionados os vários tipos de chifres das vacas:

E pululam, entrecochados, emaranhados, os cornos – longos, curtos, rombos,

achatados, pontuados como estiletes, arqueados, pendentes, pandos, com uma duas três curvaturas, formando ângulos de todos os graus com os eixos das frontes, mesmo retorcidos para trás que nem chavelhos, mesmo espetados para diante como presas de elefante, mas no mais erguidos: em meia-lua, em esgalhos de cacto, em barra de cruz, em braços de âncora, puas de caranguejo, em ornatos de satanás, em liras sem cordas – tudo estralejando que nem um fim de queimada, quando há moitas de taboca finas fazendo ilhas no capinzal.

toda essa excessiva descrição pretende desvendar por completo o universo

dos homens, dos bichos e das coisas do sertão, pois seu objetivo é permitir que

o leitor tenha uma percepção tridimensional da realidade apresentada. por isso,

tais descrições não devem ser tomadas como interrupção do enredo, mas como uma etapa integrante e necessária ao conto. em meio a essas descrições, nota-se também o apelo que o autor faz aos sentidos do leitor, principalmente à visão. destaca-se, no conto “são marcos“, um exemplo da descrição da paisagem e do mundo animal e vegetal, que recorre ao sentido da visão do leitor:

Mas cumpria com a lista, porque eu não podia deixar

o povo saber que eu entrava no mato, e lá passava o dia inteiro, só para ver uma mudinha

de cambuí a medrar da terra de-dentro de um buraco no tronco de um camboatã; para assistir à carga frontal das formigas-cabaças contra a pelugem farpada e eletrificada de uma tatarana lança-chamas; para namorar o namoro dos guaxes, pousados nos ramos compridos da aroeira; para saber ao certo se o meu-xará joão-de-barro fecharia mesmo

a sua olaria, guardando o descanso domingueiro; para apostar sozinho, no concurso de

salto-à-vara entre os gafanhotos verdes e os gafanhões cinzentos; para estudar o treino de concentração do jaburu acromegálico; e para rir-me, à glória das aranhas-d’água, que vão corre-correndo, pernilongando sobre a casca de água do poço, pensando que aquilo é mesmo chão para se andar em cima.

E levava boa matalotagem (

)

Além dessas descrições com ênfase no sentido da visão, há também, nesse mesmo conto, o trabalho com os referentes olfativos (“alhum” para expressar o “bodum” do pau-d’alho) e auditivos (“meus olhos o ouvem”), o que enriquece

a estrutura da narrativa. nesse sentido, pode-se dizer que o texto passa a ser captado tanto pelo intelecto quanto pelos sentidos. outro exemplo expressivo encontra-se no conto “Conversa de bois”, no qual o autor, por meio de uma infinidade de elementos descritivos, faz um registro cinematográfico de um antigo carro de boi e dos bois que o movem.

27

João guimarães rosa

Vinha triste, mas batia as alpercatinhas, porque, a dois palmos da sua cabeça, avançavam os belfos babosos dos bois da guia – Buscapé, biamarelo, desdescendo entre mãos a grossa barbela plissada, e namorado, caracu sapiranga, castanho vinagre tocado a vermelho – que, a cada momento, armavam modo de querer chifrar e pisar.

Segue-seguindo, a ativa junta do pé-da-guia: Capitão, salmilhado, mais em branco que em amarelo, dando a direita a Brabagato, mirim-malhado de branco e de preto: meio chitado, meio chumbado, assim cardim. ambos maiores do que os da junta da guia.

observa-se também que, de modo geral, as descrições em Sagarana são entrecortadas por frases curtas, sendo, na maioria das vezes, frases nominais. Esse outro aspecto do estilo rosiano recebe a denominação de sintaxe telegráfica ou pontilhista.

é o que se observa na passagem de “minha gente”, destacada logo abaixo:

Uma porteira. Mais porteira. Os currais. Vultos de vacas, debandando. a varanda grande. Luzes. Chegamos. apear.

5. exeRCíCios

1.

O conjunto de contos de João Guimarães Rosa publicado em 1946 aparece sob o título:

a) Corpo de baile.

b) Sagarana.

c) Primeiras estórias.

d) Estas estórias.

e) grande sertão: veredas.

estórias. d) Estas estórias. e) grande sertão: veredas. 2. fuvest-sp João Guimarães rosa, em Sagarana ,

2. fuvest-sp João Guimarães rosa, em Sagarana, permite ao leitor observar que:

a)

explora o folclórico do sertão.

b)

em episódios muitas vezes palpitantes, surpreende a realidade nos mais leves pormenores e trabalha a linguagem com esmero.

c)

limita-se ao quadro do regionalismo brasileiro.

d)

é muito sutil na apresentação do cotidiano banal do jagunço.

e)

é intimista hermético.

28

Aol-11

Sagarana

As questões 3 e 4 referem-se ao seguinte trecho de Guimarães rosa:

E desse modo ele se doeu no enxergão, muitos meses, porque os ossos tomavam

tempo para se ajuntar, e a fratura exposta criara bicheira. Mas os pretos cuidavam muito

dele, não arrefecendo na dedicação.

– Se eu pudesse ao menos ter absolvição dos meus pecados!

Então eles trouxeram, uma noite, muito à escondida, o padre que o confessou e conversou com ele, muito tempo, dando-lhe conselhos que o faziam chorar.

– Mas, será que Deus vai ter pena de mim, com tanta ruindade que fiz, e tendo

nas costas tanto pecado mortal?

– Tem, meu filho. Deus mede a espora pela rédea, e não tira o estribo do pé de arrependimento nenhum

E por aí afora foi, com um sermão comprido, que acabou depondo o doente num

desvencido torpor.

3. pUCCamp-sp

o trecho mostrado representa a seguinte possibilidade entre os caminhos da literatura contemporânea:

a)

ficção regionalista, em que se reelabora o gênero e se revaloriza um universo cultural localizado.

b)

narrativa de cunho jornalístico, em que a linguagem comunicativa retoma e reinterpreta fatos da história recente.

c)

ficção de natureza politizante, em que se dramatizam as condições de classes entre os protagonistas.

d)

prosa intimista, psicologizante, em que o narrador expõe e analisa os movi- mentos da consciência reflexiva.

e)

prosa de experimentação formal, em que a pesquisa linguística torna secun- dária a trama narrativa.

4.

pUCCamp-sp

Liga-se a esse trecho de Guimarães Rosa a seguinte afirmação:

a)

É um exemplo de crise da fala narrativa, dissolvendo-se a história num estilo indagador e metafísico.

b)

é uma arte marcada pelo grotesco, pela deformação, que coloca em cena tipos humanos refinadamente exóticos.

c)

O autor recolheu lendas de interesse folclórico e as reconta de modo docu- mental, isento e objetivo.

d)

Um universo rude e um plano místico se cruzam com frequência em sua obra, fundindo-se um no outro.

e)

A miséria arrasta as personagens para a desesperança, revelando-se ainda na pobreza de sua expressão verbal.

29

João guimarães rosa

5. pUCCamp-sp

sobre “A hora e vez de Augusto matraga”, é incorreto afirmar:

a)

depois de apanhar até quase morrer, nhô Augusto passa a viver uma vida de penitências e duros trabalhos, na tentativa de, pelo esforço do corpo, purificar

a

alma, comportamento típico de mártires e santos.

b)

Nhô Augusto volta a sentir a sedução da violência quando se depara com o bando de seu Joãozinho bem-bem, mas resiste, ainda que a duras penas, para não comprometer seu plano de salvação.

c)

No duelo final com Seu Joãozinho Bem-Bem, percebe-se como, em determi- nados momentos, as intenções e desejos mais egoístas podem se transformar em instrumentos de redenção do egoísmo e doação de si mesmo: nhô Au- gusto faz o bem (ao salvar a família do velho da vingança de seu Joãozinho Bem-Bem) – o que garantiria a salvação de sua alma – por meio da violência destruidora que sempre o fascinou.

d)

Os jagunços no conto de Guimarães Rosa são irracionais, arbitrários e praticam a violência única e exclusivamente para satisfazer seus impulsos sanguinários.

e)

A

transformação de nhô Augusto depois da surra pode ser interpretada como

uma morte para a vida de maldades e um renascimento para a vida devota e contrita. neste sentido, pode ser compreendida simbolicamente como parte

de um rito de passagem, como o batismo cristão.

6.

Uel-pR

Assinale a alternativa correta sobre o conto “O burrinho pedrês”.

a)

O burrinho era corajoso e ousado.

b)

o burrinho era esperto e prudente.

c)

o burrinho era teimoso e valente.

d)

o burrinho era decidido e ousado.

e)

o burrinho era experiente e tranquilo.

7.

Uel-pR

Assinale a alternativa correta. “A hora e vez de Augusto matraga” é:

a)

um romance de José Lins do Rego, de fundo autobiográfico, no qual é narrada

a

decadência de um engenho de açúcar no século XIX.

b)

um conto de Graciliano ramos em que se narram as aventuras de um buro- crata em busca de afirmação social.

c)

um romance de Guimarães rosa, narrado em primeira pessoa, no qual o narrador-personagem relata a sua vida aventurosa de cangaceiro.

d)

um conto de Guimarães rosa, narrado em terceira pessoa, que relata a queda

e a redenção de um fazendeiro. As componentes básicas do mundo sertanejo

são a violência e o misticismo. É a união desses dois elementos que permite

a redenção de matraga.

30

Aol-11

8. Uel-pR

Assinale a alternativa correta.

Sagarana

a)

A obra de João Guimarães rosa Sagarana é uma forma interiorizada de re- presentação ficcional, privilegiada pela vivência psicológica e, pelo fluxo de consciência desencadeado por um acontecimento fictício.

b)

é

uma obra modernista, que critica e denuncia o preconceito racial e a minoria

 

excluída.

c)

A obra não apresenta situações de conflito entre seus personagens.

d)

A

obra Sagarana é do gênero “conto”. Guimarães Rosa, com esta obra, abriu

uma nova perspectiva para o regionalismo, revalorizando a linguagem e a

universalização do regional.

e)

A obra retrata fielmente o ciclo da cana-de-açúcar.

9.

Uel-pR

Assinale a alternativa correta.

a)

Augusto matraga é um fazendeiro valentão, extremamente prepotente, que nunca trabalhou e é decadente nas finanças e na política, desrespeitando a todos, inclusive esposa e filhos.

b)

A trajetória de Augusto Matraga é marcada pela bondade, pelo amor ao pró- ximo e pela solidariedade que o acompanha até o fim da vida.

c)

A

hora e a vez de Augusto matraga foram consagradas quando ele escapou

com vida das mãos do major Consilva.

d)

João Guimarães rosa, em Sagarana, não registra detalhes do sertão nem focaliza

homem com seus fragmentos e valores, deixando transparecer somente a crítica social e de costumes.

o

e)

Dionóra, esposa de Augusto Matraga, suporta sua opressão, submetendo-se

a ele como esposa fiel até o fim de sua vida.

10. Uel-pR modificado

Assinale a alternativa correta.

a)

Em “O burrinho pedrês”, a temática contempla o fanatismo e a violência numa luta ideológica.

Em “Sarapalha”, fala-se do confronto entre jagunços no sertão nordestino.

“A hora e vez de Augusto matraga” tematiza o amor romântico, poético e telúrico.

o lema de vida de Augusto matraga era a frase dita pelo padre: cada um tem

a sua hora e a sua vez, você há de ter a sua.

Em “Sarapalha”, o humor e a ironia se fazem presentes com muita frequência.

b)

c)

d)

e)

31

João guimarães rosa

11. Uel-pR

Assinale a alternativa incorreta.

a) em “sarapalha”, a epidemia de malária faz o povo tremer e delirar numa fragilidade dolorosa.

b) os delírios da febre em suas alucinações não afetam primo ribeiro, que tem o corpo fechado pela negra Ceição.

c) Argemiro, em sua pureza, depois de muito se punir, resolve confessar que também sentira-se atraído por luísa, mas era um amor platônico, sem um mínimo de manifestação.

d) primo ribeiro está derrotado pela doença física e morre de forma lenta, psicolo- gicamente abalado com a partida da esposa, que preferiu um boiadeiro a ele.

e) Argemiro é expulso pelo primo ribeiro e parte com extremo pesar, pagando caro por sua honestidade e sinceridade.

12. fuvest-sp

O romance é narrado na primeira pessoa, em monólogo ininterrupto, por riobaldo, velho fazendeiro do norte de Minas, antigo jagunço, que conta a sua vida e a sua angústia.

A. Candido e J. A. Castello

o autor do romance a que se refere o texto acima é também o de:

a)

Chapadão do Bugre.

b)

O garimpeiro.

c)

Vila dos Confins.

d)

Sagarana.

e)

O coronel e o lobisomem.

13.

Sobre Guimarães Rosa, podemos afirmar que:

a) foi autor regionalista, seguindo a linha do regionalismo romântico.

b) inovou sobretudo nos temas, explorando tipos inéditos.

c) escreveu obra política de contestação à sociedade de consumo.

d) sua obra se revela intimista com raízes surrealistas.

e) inovou sobretudo o aspecto linguístico, revelando trabalho criativo na explo- ração do potencial da língua.

gaBaRito

1.

2.

3.

4.

5.

b

b

A

d

d

6.

7.

8.

9.

10.

e

d

d

A

d

32

11.

12.

13.

b

d

e