Você está na página 1de 2

Desvio para o vermelho 1

Desvio para o vermelho


Em termos muito simples o desvio para o vermelho (também
conhecido pelo termo inglês redshift) corresponde a uma alteração
na forma como a freqüência das ondas de luz é observada no
espectroscópio em função da velocidade relativa entre a fonte
emissora e o receptor observador.
Devido à invariância da velocidade da luz no vácuo e admitindo
um emissor e um receptor em repouso relativo, um raio de luz é
captado como uma cor padrão em função de sua frequência. Na
descrição ondulatória, o período (inverso da frequência da luz) é
definido pelo intervalo de tempo medido entre duas cristas Figura ilustrando o desvio para o vermelho
consecutivas da onda. Quando o emissor e o observador estão em
repouso relativo, ambos medem a mesma frequência.

Se o emissor (fonte de luz) se move na direcção do receptor, o intervalo de tempo que o receptor mede entre duas
cristas consecutivas será inferior ao medido pelo emissor, logo o receptor observa um desvio para a gama de cores de
mais elevada freqüência (desvio para o azul no espectro). Se o emissor (fonte) se afasta do receptor observador, o
intervalo de tempo que este mede entre duas cristas consecutivas aumenta, observando um desvio para a gama de
cores de mais baixa freqüência (desvio para o vermelho no espectro).
O mesmo fenômeno ocorre quando o receptor se move em direção ou em fuga da fonte, pois o que importa é a
velocidade relativa entre a fonte e o receptor.
O desvio para o vermelho pode ter três causas distintas: o Efeito Doppler descrito acima, o campo gravitacional da
fonte (a luz perde energia ao subir no campo gravitacional da estrela) e a expansão do Universo ("redshift"
cosmológico).[1]
No "redshift" cosmológico o desvio ocorre devido à expansão do espaço em si, isto é, o comprimento de onda
aumenta diretamente como resultado da expansão do espaço.

Desvio para o vermelho e quasares


O fato mais estranho a respeito dos quasares é seu desvio da luz para o vermelho (ou redshift), que é muito elevado.
Altos redshifts são indicativos da grande distância deles até a Terra.
O redshift dos quasares mede a velocidade com que o universo se expande. Ele é um indicador de distâncias
cósmicas. Quanto mais para o vermelho do espectro, mais o objeto parece mover-se para longe de nós. Alguns
quasares estão afastando-se a uma velocidade de aproximadamente , caso o desvio se deva inteiramente ao
Efeito Doppler, que causa mudança da luz para o vermelho do espectro.
Isto os tornaria os objetos mais distantes conhecidos, da ordem de 10 bilhões de anos-luz da Terra. Quasares com
alto redshift são de vital importância para os cientistas. Eles são vistos a grandes distâncias por serem muito
luminosos, vê-se o universo com 10% da idade atual.
O redshift é definido em termos do parâmetro .

Para os mais de 100 quasares observados está entre 0,16 e 3,53. O cálculo de é dado por:

[1] Bedran, M.L. (2002) http:/ / www. df. uba. ar/ users/ sgil/ physics_paper_doc/ papers_phys/ cosmo/ doppler_redshift. pdf "A comparison
between the Doppler and cosmological redshifts"; American J. Physics 70(4),406-408.
Fontes e Editores da Página 2

Fontes e Editores da Página


Desvio para o vermelho  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?oldid=16577837  Contribuidores: Bisbis, Dantadd, Lflorindo, Lijealso, Mateus Hidalgo, Mschlindwein, Teles, Wilson
simão, Zumg, 13 edições anónimas

Fontes, licenças e editores da imagem


Imagem:Gravitational red-shifting.png  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Gravitational_red-shifting.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores:
Bdk, Tano4595, Vlad2i, 1 edições anónimas

Licença
Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported
http:/ / creativecommons. org/ licenses/ by-sa/ 3. 0/