Você está na página 1de 84
Sérgio de Iudícibus José Carlos Marion Christianne Calado V. de Melo Lopes      
Sérgio de Iudícibus José Carlos Marion Christianne Calado V. de Melo Lopes      
Sérgio de Iudícibus José Carlos Marion Christianne Calado V. de Melo Lopes      
Sérgio de Iudícibus
Sérgio de Iudícibus
Sérgio de Iudícibus

Sérgio de Iudícibus

Sérgio de Iudícibus
Sérgio de Iudícibus
Sérgio de Iudícibus
Sérgio de Iudícibus
José Carlos Marion

José Carlos Marion

José Carlos Marion
José Carlos Marion
José Carlos Marion
José Carlos Marion
José Carlos Marion
José Carlos Marion
José Carlos Marion
José Carlos Marion

Christianne

Calado V. de Melo Lopes

Christianne Calado V. de Melo Lopes
   
         
         
   
         
         
         
         
 
         
         
         
         
         
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      
Calado V. de Melo Lopes           CURSO DE CONTABILIDADE      

CURSO DE CONTABILIDADE

CURSO DE CONTABILIDADE
 
   
   
   
   
   
   
   
 
 

Para não Contadores

 
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e
      Para não Contadores   Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e

Para as Áreas de Administração,

Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios

Economia,

Direito

e Engenharia

Para as Áreas de Administração, Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios

Livro de Exercícios

Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
Economia, Direito e Engenharia Livro de Exercícios 3 a Edição   Atualizada de acordo com a
3 a Edição  

3 a Edição

3 a Edição
3 a Edição
3 a Edição
3 a Edição
3 a Edição
3 a Edição
3 a Edição
 
3 a Edição  

Atualizada de acordo com a Lei n o 11.638/07, MP n o 449/08 e Lei n o 11.941/09

Atualizada de acordo com a Lei n o 11.638/07, MP n o 449/08 e Lei n
Atualizada de acordo com a Lei n o 11.638/07, MP n o 449/08 e Lei n
Atualizada de acordo com a Lei n o 11.638/07, MP n o 449/08 e Lei n
 
   
 

SÉRGIO DE IUDÍCIBUS JOSÉ CARLOS MARION CHRISTIANNE CALADO V. DE MELO LOPES

CURSO DE

CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES

Para as Áreas de

Administração

Economia

Direito

Engenharia

MANUAL DO MESTRE

(Corresponde à 3 ª Edição do Livro de Exercícios)

Atualizada de acordo com a Lei nº 11.638/07, MP n º 449/08 e Lei de nº 11.941/09

SÃO PAULO EDITORA ATLAS S.A. – 2010

1

1 Relatórios Contábeis: Obrigações e Auxílio à Gerência A – Questões 1. A Contabilidade é o
1 Relatórios Contábeis: Obrigações e Auxílio à Gerência A – Questões 1. A Contabilidade é o
1 Relatórios Contábeis: Obrigações e Auxílio à Gerência A – Questões 1. A Contabilidade é o

Relatórios Contábeis: Obrigações e Auxílio à Gerência1 A – Questões 1. A Contabilidade é o grande instrumento que os usuários utilizam para

Relatórios Contábeis: Obrigações e Auxílio à Gerência A – Questões 1. A Contabilidade é o grande

A – Questões

1. A Contabilidade é o grande instrumento que os usuários utilizam para buscar as informações necessárias ao processo decisório.

2. Algumas das informações evidenciadas no relatório da diretoria são: dados estatísticos diversos, indicadores de produtividade, desenvolvimento tecnológico, a empresa no contexto socioeconômico, políticas diversas etc.

3. A Contabilidade é importante no processo de tomada de decisão porque coleta todos os dados econômicos, mensurando-os monetariamente, registrando-os e sumarizando-os em forma de relatórios ou de comunicados.

4. A relação de dependência das empresas de auditoria com relação a seus cliente no momento de elaboração dos pareceres de auditoria pode ocorrer caso um cliente represente mais de 2% do faturamento da empresa.

5. A Demonstração do Valor Adicionado evidencia o perfil social das empresas: relações de trabalho dentro da empresa, tributos pagos, investimentos para a comunidade, investimentos no meio ambiente etc.

6. As empresas obrigadas a publicar Demonstrações Financeiras com Parecer de Auditoria são as companhias abertas, instituições financeiras e alguns casos específicos.

7. As Notas Explicativas, também conhecidas como Notas de Rodapé, complementam as Demonstrações Financeiras, fornecendo esclarecimentos sobre a situação patrimonial e dos resultados do exercício.

8. “O processo decisório se restringe apenas aos limites da empresa.” Esta afirmativa não está correta, pois o processo decisório também está ligado aos investidores, aos fornecedores de bens e serviços a crédito, aos bancos, ao governo etc.

9. Os empregados podem exigir aumentos salariais da empresa em que trabalham a partir das informações apuradas pela Contabilidade.

10. Por determinação da Lei das S/A, as Sociedades Anônimas devem publicar suas Demonstrações Financeiras no Diário Oficial e num jornal de grande circulação.

Portal Atlas • www.editoraatlas.com.br

B – Complete as Frases

a. Balanço Social.

b. Notas Explicativas.

c. Parecer dos Auditores.

d. Relatório da Diretoria.

C – Associe os Números

Sequência das alternativas:

4 – 10 – 6 – 15 – 3 – 2 – 13 – 1 – 5 – 14 – 8 – 11 – 7 – 12 – 9

D – Testes de Múltipla Escolha

1. c

2. d

3. d

4. b

5. c

2

2 Balanço Patrimonial: uma Introdução A – Questões 1. Os requisitos necessários à elaboração do Balanço
2 Balanço Patrimonial: uma Introdução A – Questões 1. Os requisitos necessários à elaboração do Balanço
2 Balanço Patrimonial: uma Introdução A – Questões 1. Os requisitos necessários à elaboração do Balanço

Balanço Patrimonial: uma Introdução2 A – Questões 1. Os requisitos necessários à elaboração do Balanço Patrimonial são: cabeçalho contendo

2 Balanço Patrimonial: uma Introdução A – Questões 1. Os requisitos necessários à elaboração do Balanço

A – Questões

1.

Os requisitos necessários à elaboração do Balanço Patrimonial são: cabeçalho contendo a denominação da empresa, o título da demonstração e a data do encerramento; corpo constituído pelo Ativo e

Passivo + Patrimônio Líquido; colunas comparativas contendo o exercício atual e o exercício anterior

a redução de dígitos, desde que incluída a expressão “em $ mil” (três dígitos) ou “em $ milhões” (seis dígitos) para facilitar as publicações.

e

2.

A expressão Balanço Patrimonial parte da ideia de uma balança de dois pratos na qual encontramos

a igualdade (Aplicações = Origens), só que utilizamos a expressão no masculino: Balanço.

3.

“O Patrimônio Líquido é considerado um passivo para a empresa.” Essa expressão deriva do fato da Lei das S/A denominar todo o lado direito do balanço como Passivo, porém essa colocação não é adequada porque o termo Passivo dá ideia de obrigações exigíveis, o que não seria correto dizer do Patrimônio Líquido.

4.

O lado do Ativo será sempre igual ao lado do Passivo mais o Patrimônio Líquido, porque a empresa só pode aplicar aquilo que tem origem (Aplicações = Origens).

5.

“Os recursos provenientes dos proprietários da empresa são conhecidos por capitais de terceiros.” Esta afirmação não está correta, pois os recursos dos proprietários aplicados na empresa estão evidenciados no Patrimônio Líquido, também conhecido como Não Exigível, ou seja, o proprietário só terá seu dinheiro de volta no encerramento da empresa, por esta razão o Patrimônio Líquido é denominado Capital Próprio e não de terceiros, como está na afirmativa.

6.

Os balanços patrimoniais devem ser apresentados em duas colunas, exercício atual e exercício anterior, para que os usuários das Demonstrações Financeiras possam observar a evolução de um ano para o outro, podendo comparar pelo menos dois exercícios.

7.

“Quando uma empresa tem a posse de um bem ela deve registrá-lo como um ativo.” Esta afirmativa está incorreta, pois os bens para serem registrados no ativo de uma empresa devem ser de sua propriedade e não apenas posse.

8.

O

goodwill só pode ser contabilizado quando houver condições de negociação entre empresas, pois

neste caso define-se um valor, caso contrário não pode ser contabilizado porque seu valor é muito subjetivo, portanto de difícil avaliação.

9.

Uma máquina de datilografia que não está mais sendo usada pela empresa pode ser “baixada” de seu ativo porque se tornou obsoleta e não traz mais benefícios para a empresa.

10.

“Os rendimentos resultantes do capital aplicado são chamados de dividendos.” Estes rendimentos são denominados lucro; dividendo é a parte do lucro, distribuída aos donos do capital.

Portal Atlas • www.editoraatlas.com.br

B – Complete as Frases

1. Ativo, Passivo ou Patrimônio Líquido:

a. Ativo.

b. Ativo.

c. Passivo.

d. Patrimônio Líquido.

2. Origens ou Aplicações:

a. Aplicações.

b. Aplicações.

c. Origens.

d. Origens.

C – Associe os Números

Sequência das alternativas:

5 – 6 – 11 – 15 – 2 – 3 – 1 – 10 – 7 – 14 – 13 – 9 – 12 – 8 – 4

D – Testes de Múltipla Escolha

1. d

2. a

3. b

4. c

5. d

6. c

7. d

8. d

E – Exercícios

1. Empresa Gama

Balanço Patrimonial em 31-12-X1

Ativo

Passivo e PL

Bens

Passivo Exigível Empréstimos a Pagar

 

Caixa

1.000

330

Estoques

400

 

Instalações

250

Patrimônio Líquido

1.650

Capital Social Reservas de Lucros

1.200

 

300

Direitos Contas a Receber

180

 

1.500

Total

1.830

Total

1.830

Ativo

Capital de Terceiros

Capital Próprio

2. Cia. Sonolenta

= $ 1.830,00

= $

= $ 1.500,00

330,00

Balanço Patrimonial em 31-12-X0

Ativo

Passivo e PL

Bens Caixa Veículos Máquinas e Equipamentos

30

Passivo Fornecedores Contas a Pagar Impostos a Pagar

35

50

35

200

5

 

280

 

75

Direitos Contas a Receber

Patrimônio Líquido Capital Reserva de Lucros

75

180

150

   

225

Total

300

Total

300

3. Dúvidas do Contador

a. Por ser o primeiro ano, não há necessidade de haver publicação em duas colunas.

b. A eliminação de dígitos não é obrigatória e sim optativa.

c. A exigência de publicação é só para as Sociedades Anônimas.

4. Cia. Desânimo

Balanço Patrimonial em 31-12-X0

 

Em $ mil

Ativo

Passivo e PL

Bens

Passivo Obrigações Exigíveis

 

Máquinas

1.200

19.980,6

Estoques

700

 

Marcas

5.000

Goodwill

20.000

Patrimônio Líquido

32.879,4

26.900

 

Direitos Contas a Receber

25.960

Total

52.860

Total

52.860

3

3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas A – Questões 1. As regras básicas que orientam a
3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas A – Questões 1. As regras básicas que orientam a
3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas A – Questões 1. As regras básicas que orientam a

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas3 A – Questões 1. As regras básicas que orientam a distribuição de contas no Balanço

3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas A – Questões 1. As regras básicas que orientam a

A – Questões

1. As regras básicas que orientam a distribuição de contas no Balanço Patrimonial são: prazo e grau de liquidez decrescente.

2. O termo liquidez vem do verbo liquidar, e significa liquidar dívidas, pagar os compromissos.

3. As contas classificadas no Ativo Circulante são aquelas que a empresa recebe mais rapidamente (curto prazo) e as contas classificadas no Realizável a Longo Prazo (subgrupo do Ativo não Circulante) são as que a empresa recebe lentamente, no longo prazo. No Passivo Circulante são classificadas as contas que a empresa paga rapidamente (curto prazo) e no Exigível a Longo Prazo (Passivo não Circulante) estão classificadas as contas que demoram muito tempo para a empresa pagar (longo prazo).

4. O Ativo Fixo é o grupo do Ativo no qual não há liquidez para a empresa porque sua característica básica é que esses ativos não se destinam à venda, possuem vida útil longa e sua reposição é lenta.

5. Provisões são parcelas do resultado do exercício que se destinam a cobrir despesas. Podem ser de dois tipos: reduções do Ativo, que são expectativas de perdas de Ativos ou aumentos de Passivo, que são desembolsos que ocorrerão futuramente, uma vez que o fato gerador já ocorreu.

6. Os bens do Ativo não Circulante – Imobilizado são, em geral, adquiridos de forma financiada porque geram recursos mais lentamente que as aplicações no Ativo Circulante e os montantes necessários para a aquisição desses bens são maiores que os do Circulante.

7. “A ordem de classificação no Passivo é: primeiramente, as contas que não serão pagas rapidamente, como títulos a longo prazo.” Esta afirmativa está incorreta, pois no Passivo as contas são agrupadas de acordo com o seu vencimento, ou seja, as contas que serão liquidadas mais rapidamente serão classificadas no primeiro grupo; as contas que serão pagas num prazo mais longo formarão outro grupo.

8. Ciclo Operacional é o período de tempo que a empresa demora para produzir, vender e receber o seu produto.

9. Para classificarmos itens no Balanço Patrimonial devemos considerar como curto prazo o período de 12 meses ou o ciclo operacional, valendo o maior; acima deste período teremos o longo prazo.

Portal Atlas • www.editoraatlas.com.br

10. Visão Sintética do Balanço Patrimonial:

ATIVO

PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Circulante* São contas que estão constantemente em giro – em movimento – sendo que a sua conversão em

Circulante* São obrigações exigíveis que serão liquidadas no

dinheiro ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social.

Não Circulante Compreendem todas as contas que não serão realizadas no próximo exercício social.

próximo exercício social: nos próximos 365 dias após o levantamento do balanço.

Não Circulante Compreendem todas as obrigações exigíveis que não serão liquidadas no próximo exercício social.

– Realizável a Longo Prazo Incluem-se nessa conta bens e direitos que se transformarão em dinheiro após o exercício seguinte.

– Exigível a Longo Prazo São obrigações exigíveis que serão liquidadas com prazo superior a um ano – dívidas a longo prazo.

– Investimentos São as participações permanentes em outras sociedades e os direitos de qualquer natureza, não classificáveis no ativo circulante, e que não se destinem à manutenção da atividade da companhia ou da empresa.

Patrimônio Líquido São recursos dos proprietários aplicados na empresa. Os recursos significam o capital mais o seu rendimento – lucros e reservas. Se houver prejuízo, o total dos investimentos dos proprietários será reduzido.

– Imobilizado São os direitos que tenham por objeto bens corpóreos (palpáveis) destinados à manutenção da atividade fundamental da companhia ou da empresa ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à empresa os benefícios, riscos e controle desses bens.

– Intangível São direitos que tenham por objetos bens incorpóreos, isto é, que não se podem tocar, destinados à manutenção da empresa ou exercidos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido.

* Na entidade em que o Ciclo Operacional tiver duração maior do que o período de 12 meses, a classificação como Circulante ou Não Circulante terá por base o prazo do ciclo.

B – Complete as Frases

1. Contas de Ativo:

a. Ativo Circulante – Estoque

b. Ativo não Circulante – Imobilizado

c. Ativo não Circulante – Intangível

d. Ativo não Circulante – Investimentos

2. Contas de Passivo:

a. Passivo Circulante – Impostos a Pagar

b. Patrimônio Líquido – Capital

c. Passivo Circulante – Salários a Pagar

d. Passivo não Circulante (Exigível a Longo Prazo) – Financiamentos

C – Associe os Números

Sequência das alternativas:

3 – 10 – 11 – 12 – 1 – 2 – 9 – 4 – 5 – 6 – 13 – 8 – 14 – 15 – 7

D – Testes de Múltipla Escolha

1. c

2. d

3. c

4. c

5. d

6. d

7. c

8. d

E – Exercícios

1. Cia. Soninho

Balanço Patrimonial em 31-12-X1

Ativo

Passivo

Circulante Caixa Duplicatas a Receber (–) Duplicatas Descontadas Total do Circulante

70

Circulante Fornecedores Contas a Pagar Impostos a Recolher Salários a Pagar Total do Circulante

100

100

15

(15)

10

155

40

 

165

Não Circulante Investimentos Obras de Arte Imobilizado Máquinas e Equiptos. Imóveis Veículos Móveis e Utensílios

10

Não Circulante Exigível a Longo Prazo Empréstimos a Pagar

45

40

Patrimônio Líquido Capital Lucros Acumulados

100

200

80

55

30

Total do PL

255

 

250

 

Intangível Marcas e Patentes Total do não Circulante

50

310

Total

465

Total

465

2. Cia. Gestante

Passivo

Circulante

Fornecedores

100

Salários a Pagar

80

Empréstimos Bancários

90

Impostos a Recolher

40

Encargos a Recolher

25

Financiamentos

190

Imposto de Renda a Pagar

30

Contas a Pagar

15

Férias a Pagar

45

615

Não Circulante Exigível a Longo Prazo Financiamentos Títulos a Pagar

300

135

 

435

Patrimônio Líquido Capital Reservas de Capital Reservas de Lucros

1.500

120

630

 

2.250

Total do Passivo

3.300

3. Cia. Gestante

Ativo Circulante Caixa Bancos c/ Movimento Aplicações Financeiras Duplicatas a Receber Títulos a Receber Estoque de Produtos Acabados Estoque de Produtos em Andamento Estoque de Matéria-Prima

100

250

600

1.000

550

200

40

5.000

 

7.740

Não Circulante Realizável a Longo Prazo Contas a Receber Ações Aplicações em Prazo Fixo Títulos a Receber Imóveis a Venda

260

400

600

228

1.000

 

2.488

Investimentos Participações em Outras Cias. Imóveis (alugados) Obras de Arte Terrenos

900

468

1.000

1.800

 

4.168

Imobilizado Veículos Imóveis Móveis e Utensílios Instalações Máquinas e Equipamentos Prédio em Construção

230

1.500

200

200

600

300

 

7.030

Intangível Marcas e Patentes

4.321

11.519

Total do Ativo

21.747

4. Empresa MS

Balanço Patrimonial em 31-12-X0

Em $ mil

Ativo

Passivo e PL

Circulante

Circulante Fornecedores 2.000

Caixa

900

Estoques

4.950

Salários a Pagar

2.250

5.850

Imp. de Renda a Pagar Contas a Pagar

900

 

100

Não Circulante Realizável a Longo Prazo Títulos a Receber

 

Provisão para Férias

1.000

6.250

5.000

 

Investimentos Obras de Arte Imobilizado Móveis e Utensílios Intangível Marcas e Patentes

Não Circulante Exigível a Longo Prazo Financiamento Bancário

5.160

1.960

Patrimônio Líquido Capital Prejuízos Acumulados

1.800

5.000

(1.700)

100

 

3.300

 

3.860

 

Total

14.710

Total

14.710

4

4 Algumas Decisões em Relação ao Balanço Patrimonial A – Questões 1. “A parte ao Ativo
4 Algumas Decisões em Relação ao Balanço Patrimonial A – Questões 1. “A parte ao Ativo
4 Algumas Decisões em Relação ao Balanço Patrimonial A – Questões 1. “A parte ao Ativo

Algumas Decisões em Relação ao Balanço Patrimonial4 A – Questões 1. “A parte ao Ativo Circulante que está comprometida com o Passivo

4 Algumas Decisões em Relação ao Balanço Patrimonial A – Questões 1. “A parte ao Ativo

A – Questões

1. “A parte ao Ativo Circulante que está comprometida com o Passivo Circulante é chamada de Capital Circulante líquido.” Esta afirmativa não está correta, pois o Capital Circulante Líquido representa a parte do Ativo Circulante que não está comprometida com o Passivo Circulante.

2. “Quanto menor o Capital Próprio menos endividada estará a empresa.” Esta afirmativa foi invertida, podemos dizer que quanto menor for o Capital Próprio maior será o endividamento da empresa, uma vez que a origem de recursos da empresa é o Capital Próprio e o Capital de Terceiros.

3. Qualidade da dívida significa analisar o prazo, o custo, para quem deve etc. para que possamos identificar se temos uma dívida boa (maior parte no longo prazo) ou ruim (maior parte no curto prazo).

4. Os indicadores de endividamento mostram qual a quantidade das dívidas; se a empresa está muito ou pouco endividada, se a empresa se utiliza mais de recursos próprios ou de terceiros; qual a qualidade da dívida; se as dívidas são maiores a curto ou a longo prazo etc.

5. O volume de aplicações no Ativo não Circulante–Imobilizado varia de empresa para empresa, pois depende do ramo de atividade desta; se é uma empresa comercial seu Ativo Imobilizado será baixo, se for uma indústria será alto e assim por diante.

6. O Capital de Giro Próprio nada mais é que o Capital Circulante Líquido, isto é, a parcela do Ativo Circulante que não está comprometida com o Passivo Circulante.

7. Sim, podemos dizer que o Capital Circulante Líquido e o Capital de Giro Próprio têm o mesmo significado; ocorre que a primeira denominação é mais usada pelos contadores e a segunda, pelos administradores.

8. É importante as empresas terem conhecimento sobre os vencimentos dos capitais de terceiros para se planejarem com antecedência se terão condições de saldar seus compromissos ou se será necessário recorrer a empréstimos, descontos de duplicatas etc.

9. “Toda empresa que tem o Ativo Circulante maior que o Passivo Circulante não tem dificuldade para pagar suas dívidas de curto prazo.” Muitas vezes, mesmo que o Ativo Circulante seja maior que o Passivo Circulante, a empresa encontra dificuldade de pagamento das suas obrigações, isto porque as dívidas estão vencendo com rapidez maior do que os valores que se transformam em dinheiro.

10. É importante que o Ativo Fixo das empresas não seja financiado com recursos de curto prazo porque este é um grupo de retorno lento e financiá-lo com Passivo Circulante é “cavar a própria sepultura”.

Portal Atlas • www.editoraatlas.com.br

B – Complete as Frases

a. Ativo Circulante.

b. Ativo não Circulante.

c. Capital Próprio e Capital de Terceiros.

d. Ativo Circulante > Passivo Circulante.

C – Associe os Números

Seqüência das alternativas:

3 – 4 – 15 – 11 – 2 – 9 – 8 – 1 – 12 – 13 – 6 – 14 – 10 – 7 – 5

D – Testes de Múltipla Escolha

1. e

2. e

3. d

4. c

5. d

6. c

7. d

E – Exercícios

1. Empresa Sul S.A. Balanço Patrimonial em dez/X2

Ativo

Passivo e PL

Circulante Banco c/ Movimento Total Circulante

 

Circulante

100

Fornecedores

40

100

Salários a Pagar

10

 

Imposto de Renda a Pagar Total do Circulante

30

Não Circulante Realizável a Longo Prazo Títulos a Receber Investimentos Participação em outras Cias. Imobilizado Imóveis em uso Instalações Intangível Marcas e Patentes Total do não Circulante

 

80

70

Não Circulante Exigível a Longo Prazo Empréstimos Bancários

80

50

200

Patrimônio Líquido Capital Social Reservas de Lucros

50

300

100

30

Total do PL

400

430

 

Total

530

Total

530

a. Ativo = $ 530

b. Capital Próprio = $ 400 Capital de Terceiros = $ 130

C. CCL = AC ( – ) PC

CCL = 100 ( – ) 80

CCL = 20

2. Comercial Certa

a. O Capital de Giro Próprio é a parcela do Ativo Circulante que não está comprometida com o Passivo Circulante, ou seja, é a folga financeira da empresa.

b. Sendo a Comercial Certa um comércio, esta deveria investir mais em Estoques; só deveria adquirir mais investimentos caso fosse uma holding.

3. Transnordestina

Balanço Patrimonial em 31-12-X1 Em $ mil

Ativo

Passivo e PL

Circulante Disponível Duplicatas a Receber Total Circulante

 

Circulante

400

Fornecedores

50

100

 

500

Não Circulante Imobilizado Intangível Total do não Circulante

40

Não Circulante Exigível a Longo Prazo Financiamentos

200

10

 

50

Patrimônio Líquido Capital Social

260

 

40

Reservas de Lucros Total do PL

300

Total

550

Total

550

a. CCL = AC – PC

CCL= 500 – 50

CCL = 450

A situação financeira da empresa é excelente, pois seu Ativo Circulante é dez vezes maior

que o seu Passivo Circulante, além disso a maior parcela do Ativo Circulante é representada pelo

Disponível, o que indica que a empresa terá dinheiro para saldar as dívidas no vencimento.

b. Capital de Terceiros = 250 ® 45,45%

Capital Próprio

= 300 ® 54,55%

Total

= 550 ® 100,00%

A empresa possui um endividamento baixo se comparado com os padrões internacionais

(60%) e próximo ao padrão nacional (48%).

c. Curto Prazo

=

50

20%

Longo Prazo

=

200

80%

 

250

100%

A qualidade da dívida é boa porque 80% dela está concentrada no longo prazo, o que indica maior tempo para a empresa gerar recursos para pagá-la e que esta dívida é menos onerosa para a mesma.

d. A Transnordestina é uma prestadora de serviços, pois não possui Estoque, portanto não pode ser comércio nem indústria, além disso, seu Imobilizado é baixo, mais uma característica de que não se trata de uma indústria.

e. O Capital de Giro corresponde ao Ativo Circulante, pois está em constante movimento (giro) e seu valor é de $ 500.000.

f. O Capital De Giro Próprio é equivalente ao Capital Circulante Líquido, que é de $ 450.000, o que significa que a empresa possui uma situação financeira excelente.

4. Comercial Solertudo

CCL

X4 = AC – PC

CCL X5 = AC – PC

CCL

X4 = 2.000 – 2.400

CCL X5 = 2.800 – 2.700

CCL

X4 = 400

 

CCL X5 = 100

 

A situação financeira da Comercial Solertudo em X4 não foi boa, pois teve um Capital Circulante Líquido negativo em $ 400, o que significa que a empresa não consegue saldar suas dívidas a curto prazo. Já em X5 essa situação melhorou e a empresa teve um Capital Circulante Líquido positivo de $ 100, significando que consegue saldar suas dívidas a curto prazo e ainda possui uma folga financeira de $ 100.

5

5 Demonstração do Resultado do Exercício A – Questões 1. A Demonstração do Resultado do Exercício
5 Demonstração do Resultado do Exercício A – Questões 1. A Demonstração do Resultado do Exercício
5 Demonstração do Resultado do Exercício A – Questões 1. A Demonstração do Resultado do Exercício

Demonstração do Resultado do Exercício5 A – Questões 1. A Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) completa, exigida por lei,

5 Demonstração do Resultado do Exercício A – Questões 1. A Demonstração do Resultado do Exercício

A – Questões

1. A Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) completa, exigida por lei, fornece maiores minúcias para a tomada de decisão, ou seja, fornece maiores detalhes, sem complicações, propiciando um maior número de informações para a tomada de decisão.

2. A preocupação com o montante de Lucro Bruto nas empresas refere-se ao fato de que quanto maior for o Lucro Bruto, maior poderá ser a remuneração dos administradores, dos diretores, do pessoal de vendas, do governo, dos proprietários da empresa etc.

3. Despesas Operacionais são esforços/sacrifícios que a empresa faz no período para obter receita. São todas as despesas que contribuem para a manutenção da atividade da empresa.

4. As diferenças entre os principais grupos de Despesas Operacionais são:

Despesas de Vendas: são despesas que vão desde a promoção do produto até a sua colocação junto ao consumidor;

Despesas Administrativas: são despesas necessárias para administrar a empresa;

Despesas Financeiras: são as remunerações aos capitais de terceiros.

5. A variação monetária ativa decorre de variações da moeda em virtude da inflação. Por exemplo, a empresa concede um empréstimo em dólar no valor de US $ 100.000,00 no dia 01-01-X1 quando o dólar estava cotado a R$ 1,50; neste momento o valor do empréstimo é de R$ 150.000,00; ao final de X1 o dólar estava cotado a R$ 2,00, temos então que em 31-12-X1 o valor do empréstimo é de R$ 200.000,00. A diferença de R$ 50.000,00 entre o valor do empréstimo no início e no final do ano denominamos de variação cambial ativa.

6. Podemos utilizar o subgrupo de Outras Despesas ou Receitas Operacionais para indicar lucro ou prejuízo em investimentos em outras empresas, vendas de sucatas etc.

7. A diferença entre Ano-Base e Exercício Financeiro é que o primeiro refere-se ao período em que o Imposto de Renda foi gerado e o segundo, ao período em que este deve ser pago.

8. “A base de cálculo para o Imposto de Renda é o lucro apurado pela Contabilidade.” Esta afirmativa está errada, uma vez que o Imposto de Renda tem como base o Lucro Real, que é o lucro contábil ajustado às disposições da legislação do Imposto de Renda.

9. Podemos dizer que o “lucro líquido é a sobra líquida pertencente aos proprietários e à entidade” porque após a apuração do Lucro depois do Imposto de Renda deduzem-se as participações, previstas nos estatutos e após estas encontra-se o Lucro Líquido, que está à disposição dos proprietários.

10. As formas de participação no lucro são:

Portal Atlas • www.editoraatlas.com.br

Debêntures: são títulos a longo prazo com garantia, que asseguram a seu titular juros, correção monetária e participação no lucro.

Empregados e Administradores: complemento à remuneração dos empregados e administrado- res, definido no estatuto ou contrato social.

Partes Beneficiárias: são títulos negociáveis concedidos às pessoas que tiveram atuação relevante nos destinos da sociedade. Esses títulos dão direito à participação nos lucros.

Doações: são doações às constituições de fundações com a finalidade de assistir ao seu quadro de funcionários.

B – Complete as Frases

1.

a. receita financeira;

b. receita bruta;

c. outras receitas operacionais;

d. receita financeira.

2.

a. despesa financeira;

b. despesa de vendas;

c. despesa de vendas;

d. despesa administrativa.

C – Associe os Números

Sequência das alternativas:

13 – 4 – 5 – 14 – 2 – 1 – 3 – 10 – 15 – 8 – 7 – 6 – 11 – 9 – 12

D – Testes de Múltipla Escolha

1. e

2. c

3. d

4. c

5. c

6. b

7. b

8. e

E – Exercícios

1. Cia. Real

 

Receita Bruta

28.000

(

– ) Deduções Receita Líquida

(1.000)

27.000

(

) CPV Lucro Bruto

(3.000)

24.000

(

– ) Despesas Operacionais De Vendas Administrativas Financeiras ( – ) Receitas Financeiras (1.500) Lucro Operacional

(2.000)

(3.000)

(1.000)

18.000

Outras Receitas Outras Despesas Lucro Antes do Imposto de Renda

2.000

(500)

19.500

(

– ) Provisão para Imposto de Renda Lucro Depois do Imposto de Renda

(1.500)

18.000

(

– ) Participações Lucro Líquido

(3.000)

15.000

2. Demonstração do Resultado do Exercício

 

Receita Bruta

100.000

(

– ) Deduções IPI e ICMS Abatimentos Devoluções Receita Líquida

(6.000)

(3.000)

(3.000)

88.000

(

) CMV Lucro Bruto

(30.000)

58.000

(

– ) Despesas Operacionais De Vendas Administrativas Financeiras ( – ) Receitas Financeiras Lucro Operacional Outras Receitas Outras Despesas Lucro Antes do Imposto de Renda

(8.000)

(5.000)

9.500

54.500

20.000

(9.000)

65.500

(

– ) Provisão para Imposto de Renda Lucro Depois do Imposto de Renda

(20.000)

45.500

(

– ) Participações de empregados Lucro Líquido

(2.500)

43.000

3. Empresa ZUCAFA Ltda.

 

Receita Bruta

12.000

(

– ) Deduções IPI ICMS Receita Líquida

 
 

(2.000)

(1.800)

8.200

(

– ) Custo dos Produtos Vendidos Lucro Bruto

(4.000)

4.200

(

– ) Despesas Operacionais De Vendas Administrativas Financeiras ( – ) Receitas Financeiras Lucro Operacional

 

(1.000)

(400)

(300)

(1.700)

 

2.500

(

+ ) Outras Receitas Lucro Antes do Imposto de Renda

500

3.000

(

– ) Contribuição Social

(240)

(

– ) Imposto de Renda Lucro Depois do Imposto de Renda

 

(450)

2.310

(

– ) Participação dos Administradores Lucro Líquido

(231)

2.079

4. Cia. Revolucionária

Regime de Caixa

Regime de Competência

Receita Recebida

565.000

Receita Ganha

1.150.000

( – ) Despesa Paga

(490.000)

( – ) Despesa Consumida

(895.000)

Lucro Financeiro

75.000

Lucro Econômico

255.000

a. O resultado financeiro em 20X7 foi um lucro de $ 75.000.

b. O resultado econômico em 20X7 foi um lucro de $ 255.000.

c. O saldo das contas a receber em 31-12-X7 é de $ 585.000.

d. O saldo das contas a pagar em 31-12-X7 é de $ 405.000.

e. O resultado pelo regime de competência é um lucro de $ 255.000.

f. O resultado pelo regime de caixa é um lucro de $ 75.000.

6

6 Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados A – Questões 1. A Demonstração dos Lucros ou
6 Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados A – Questões 1. A Demonstração dos Lucros ou
6 Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados A – Questões 1. A Demonstração dos Lucros ou

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados6 A – Questões 1. A Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados serve de “ponte” entre

6 Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados A – Questões 1. A Demonstração dos Lucros ou

A – Questões

1. A Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados serve de “ponte” entre a Demonstração do Resultado do Exercício e o Balanço Patrimonial, uma vez que após apurar o lucro do exercício elabora-se este relatório somando-se o lucro do exercício ao remanescente já existente, fazem-se as destinações específicas, distribui-se em forma de dividendos e dão-se outros tratamentos.

2. As possíveis classificações que podem ser dadas com relação às distribuições dos lucros são:

a. Reservas de Lucros que podem ser reserva legal, reserva estatutária, reserva para contingência, reserva orçamentária e reserva de lucros a realizar;

b. Dividendos.

3. “O dividendo poderá ser estabelecido no estatuto como uma porcentagem do lucro ou do capital de terceiros.” O estatuto poderá estabelecer o dividendo como uma porcentagem do lucro ou do capital social ou fixar outros critérios para determiná-lo.

4. Se uma empresa apurar lucro em determinado exercício, poderá destiná-lo da seguinte forma:

– Reserva Legal (5%).

– Reserva Estatutária.

– Reserva para Contingência.

– Reserva Orçamentária.

– Reserva de Lucros a Realizar.

– Dividendos.

5. “Ajustes de exercícios anteriores é uma conta da Demonstração do Resultado do Exercício que serve para mostrar, por exemplo, os efeitos decorrentes da mudança de critério contábil.” A conta Ajustes de Exercícios Anteriores evidencia os efeitos da mudança de critério contábil ou retificação de erro imputável a determinado exercício anterior e que não possam ser atribuídos a fatos subsequentes e não deve ser considerada na DRE, pois o princípio de competência de exercícios deve ser respeitado. Portanto, devemos incluí-la na Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados.

6. A Reserva Legal tem como finalidade assegurar a integridade do capital social e só poderá ser utilizada para compensar Prejuízos ou aumentar Capital.

Portal Atlas • www.editoraatlas.com.br

7. O montante do lucro disponível que será destinado a distribuição é apurado somando-se (ou

diminuindo-se) ao saldo da conta Lucros Acumulados do Balanço, os ajustes de exercícios anteriores

e acrescido do lucro do exercício.

8. “Os dividendos a distribuir são calculados antes da destinação do lucro.” Os dividendos a distribuir devem ser calculados após obtermos o lucro disponível, quando da elaboração da destinação do lucro na Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados.

9. A Reserva para Contingência deve ser constituída quando houver a necessidade de compensar, em exercício futuro, a diminuição do lucro decorrente de perda julgada provável, cujo valor possa ser estimado. Esta reserva será revertida no exercício em que deixarem de existir as razões que justificaram sua constituição ou em que ocorre a perda.

10. “Para constituição da Reserva Orçamentária é necessário apenas apresentar a justificativa da retenção de lucros proposta à Assembleia Geral.” Esta afirmativa está correta, devendo apenas acrescentar que a justificação da proposta de retenção de lucros deve compreender todas as fontes de recursos

e aplicação de capital, fixo ou circulante, que poderão ter duração de até cinco anos ou, no caso de prazo superior, devem conter um projeto de investimento.

B – Complete as Frases

1.

a. Reserva para Contingência.

b. Reserva Orçamentária.

c. Reserva de Lucros a Realizar.

d. Reserva Legal.

C – Associe os Números

Sequência das alternativas:

5 – 3 – 12 – 6 – 1 – 2 – 15 – 11 – 4 – 7 – 10 – 14 – 9 – 13 – 8

D – Testes de Múltipla Escolha

1. c

2. b

3. d

4. b

5. e

6. e

7. a

8.d

E – Exercícios

1. Empresa Maluca

Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados em 31-12-X0

Saldo no início do período (+/–) Ajustes de Exercícios Anteriores

1.500

(

– ) Mudança de Critério Contábil

(46)

(

+ ) Reversão de Reserva de Lucros a Realizar

130

(

+ ) Lucro Líquido do Exercício

1.480

(

= ) Saldo Disponível

3.064

(

– ) Destinação do Lucro Reserva Legal Reserva Orçamentária Reserva de Lucros a Realizar Dividendos a Distribuir

(74)

(300)

(50)

(750)

(

= ) Saldo ao final do período

1.890

2. Cia. Adventista

Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados em 31-12-X4

Saldo no início do período (+/–) Ajustes de Exercícios Anteriores Retificação de Erros (depreciação a menor) Reversão de Reserva para Contingência

2.350

100

180

(

+ ) Lucro Líquido do Exercício

4.500

(

= ) Lucro Disponível

7.130

– ) Destinação do Lucro Reserva Legal Reserva Estatutária Reserva de Lucros a Realizar Dividendos Saldo ao final do período

(

(225)

(250)

(175)

(2.600)

3.880

3. Cia. Solidária

 

Lucro Líquido do Exercício

500.000

(

– ) Reserva Legal (500.000 × 5%)

(25.000)

(

– ) Reserva para Contingência

(50.000)

(

+ ) Reversão de Reserva de Lucros a Realizar Lucro Líquido Ajustado

30.000

455.000

Dividendo Obrigatório = Lucro Líquido Ajustado × 50%

Dividendo Obrigatório = 455.000 × 50%

Dividendo Obrigatório = 227.500

4. Cia. Marinas

 
 

Lucro Líquido do Exercício

2.500

(

– ) Reserva Legal

(125)

– ) Reserva de Lucros a Realizar Lucro Líquido Ajustado Metade do Lucro Líquido Ajustado Dividendo Obrigatório

(

(500)

1.875

× 50%

938

Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados em 31-12-X8

Saldo no início do período

1.600

(

+ ) Lucro Líquido do Exercício

2.500

(

= ) Lucro Disponível

4.100

– ) Destinação do Lucro Reserva Legal Reserva Estatutária Reserva Orçamentária Reserva de Lucros a Realizar Dividendos a Distribuir Saldo ao final do período

(

(125)

(200)

(250)

(500)

(938)

2.087

7

7 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido A – Questões 1. Na Demonstração das Mutações do
7 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido A – Questões 1. Na Demonstração das Mutações do
7 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido A – Questões 1. Na Demonstração das Mutações do

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido7 A – Questões 1. Na Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido evidencia-se a movimentação de

7 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido A – Questões 1. Na Demonstração das Mutações do

A – Questões

1.

Na Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido evidencia-se a movimentação de todas as contas do Patrimônio Líquido.

2.

“A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido é um dos relatórios exigidos pela Lei das S.A.” Esta demonstração não é exigida pela Lei das S.A. e sim pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) para as companhias abertas, porém, por ser mais completa e abrangente que a Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados e por incluí-la é sempre elaborada pelas companhias.

3.

A

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido evidencia a movimentação de todas as contas

do Patrimônio Líquido ocorrida durante o exercício, além disso é fundamental para a elaboração da Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos e para ser fornecida às empresas que avaliam seus

investimentos permanentes em coligadas ou controladas pelo método da Equivalência Patrimonial.

4.

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) exige a publicação, pelas companhias abertas, da Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido porque ela é mais completa e abrangente que

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados e é mais relevante para as empresas que movimentam constantemente as contas do Patrimônio Líquido.

a

5.

A

principal diferença entre a Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados e a Demonstração

das Mutações do Patrimônio Líquido é que a primeira evidencia a movimentação de uma única conta do Patrimônio Líquido (Lucros Acumulados) e a segunda evidencia a movimentação de todas as contas do Patrimônio Líquido.

B – Testes de Múltipla Escolha

1. c

2. d

3. b

4. b

5. d

Portal Atlas • www.editoraatlas.com.br

C – Exercícios

Cia. Lucro do Exercício (100%) =

850

(

– ) Reserva Legal

(43)

(

– ) Reserva para Contingência

(96)

(

+ ) Reversão de Reserva dos lucros a

Realizar

15

 

=

Lucro Líquido Ajustado

726

(

– ) Dividendos Obrigatórios 50% do

Lucro Líquido Ajustado

(363)

 

=

Saldo Final do Exercício

363

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

 

Total

1.875

20

850

 

(363)

2.382

 

Lucros

Acumulados

 

300

20

 

15

850

 

(43)

(96)

(363)

683

 

Reserva

Lucros a

Realizar

75

   

(15)

         

60

Reservas de lucros

   

Reserva

Orçamentária

200

               

200

 

Reserva

Contingência

           

96

 

96

   

Reserva

Legal

250

 

(50)

     

43

   

243

Reserva

Capital

Ágio

emissão

Ações

50

               

50

   

Capital

Realizado

1.000

 

50

           

1.050

   

Movimentações

Saldo em 31-12-X0

Ajustes Exercícios Anteriores

Aumento de Capital

Reversão Reservas

Lucro do Exercício

Destinação do Lucro

Reserva Legal

Reserva Contingência

Dividendos a Distribuir

Saldo em 31-12-X1

2. Cia. Morbidalena

 

Total

390.000

1.000

105.000

200.000

 

(40.000)

656.000

 

Lucros

Acumulados

10.000

10.000

200.000

 

(165.000)

(10.000)

(50.000)

(40.000)

45.000

 

Reserva de

Lucros a

Realizar

8.000

 

8.000

Reservas dos Lucros Reserva de

Lucros p/

Expansão

30.000

 

50.000

80.000

 

Reserva

Estatutária

20.000

(20.000)

 

 
 

Reserva

Legal

10.000

(10.000)

 

10.000

10.000

   

Reserva

Contingência

10.000

(10.000)

 

165.000

165.000

   

Doações

10.000

105.000

 

115.000

Reservas de Capital Ágio

Emissão

Ações

2.000

1.000

 

3.000

 

Capital

Realizado

200.000

30.000

 

230.000

 

Movimentações

   

Saldo em 31-12-T0 Ágio na emissão de

ações

Doações

 

Aumento de Capital Reversão de Res. p/

Contingências

 

Lucro do Exercício Proposta da

Administração

Res. Contingências

 

Res. Legal Res. Lucros p/

Expansão

Dividendos a

Distribuir Saldo em 31-12-T1

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

3. O Caso da Companhia Incendiária

 

Total

1.900.000

400.000

900.000

 

(500.000)

2.700.000

 

Lucros

Acumulados

500.000

(400.000)

900.000

 

(45.000)

(500.000)

455.000

Lucros de

Reserva

Reserva Legal

200.000

 

45.000

245.000

 

Capital

Realizado

1.200.000

800.000

   

2.000.000

 

Movimentações

 

Saldo em 31-12-X3

Aumento de Capital

Lucro Líquido do Exercício

Proposta Administração

Reserva Legal

Dividendos a Distribuir

Saldo em 31-12-X4

8

8 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) A – Questões 1. A DOAR tem
8 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) A – Questões 1. A DOAR tem

Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos8 (DOAR) A – Questões 1. A DOAR tem como objetivo mostrar o como e o

(DOAR)8 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos A – Questões 1. A DOAR tem como

Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) A – Questões 1. A DOAR tem como

A – Questões

1. A DOAR tem como objetivo mostrar o como e o porquê da mutação do CCL, pois este só varia com operações Não Circulantes × Circulante; sendo assim, a DOAR evidencia apenas o resultado das variações do Não Circulante que provocam alterações no Circulante.

2. “Quando houver uma operação envolvendo contas de Circulante/Não Circulante, não haverá alteração do Capital.” Esta afirmativa não está correta, pois sempre que houver uma operação envolvendo contas de Circulante/Não Circulante, haverá alteração no CCL evidenciada na DOAR.

3. Os grupos de contas considerados são:

Circulante: Ativo Circulante e Passivo Circulante.

Não Circulante: demais grupos de contas do Balanço Patrimonial, ou seja, Ativo Realizável a Longo Prazo, Ativo Permanente, Passivo Exigível a Longo Prazo e Patrimônio Líquido.

4. Tem-se que fazer alguns ajustes ao lucro líquido quando da elaboração da DOAR porque existem receitas e despesas que aumentam e diminuem o lucro líquido, porém não reduzem o Capital Circulante Líquido porque são itens não monetários, como é o caso da equivalência patrimonial, da depreciação etc.

5. Algumas possíveis reduções do Capital Circulante Líquido são: aquisição de bens ou direitos que integrarão o Permanente ou o Realizável a Longo Prazo, Distribuição de Dividendos, redução das Exigibilidades a Longo Prazo.

6. “Uma reavaliação dos bens da empresa será considerada como aplicação na DOAR.” Esta afirmativa não está correta, uma vez que a reavaliação não pode ser considerada uma aplicação na DOAR porque esta não representa saída de recursos do Ativo Circulante.

7. “A DOAR evidenciará, por exemplo, um empréstimo de curto prazo investido no Caixa.” A DOAR evidenciará sempre as operações que envolvam contas dos grupos Circulante e Não Circulante e nunca de operações que envolvam contas apenas do Circulante como citado acima.

8. O Capital Circulante Líquido foi afetado em $ 2.000.000, pois nesta venda a vista a conta Estoque diminuiu em $ 10.000.000, porém a conta Caixa/Bancos c/ Movimento aumentou em $ 12.000.000.

9. A maneira mais primária de uma empresa obter e aplicar recursos é através da obtenção do Lucro Líquido, que é a principal fonte de recursos da empresa.

10. As despesas incorridas, mas que não afetam a posição financeira são: amortização, exaustão e variação cambial.

Portal Atlas • www.editoraatlas.com.br

B – Complete as Frases

1.

a. Não Circulante.

b. Circulante.

c. Não Circulante.

d. Não Circulante.

2.

a. Origem.

b. Aplicação.

c. Origem.

d. Origem.

C – Associe os Números

Sequência das alternativas:

5 – 12 – 15 – 10 – 3 – 1 – 8 – 4 – 2 – 6 – 14 – 7 – 11 – 9 – 13

D – Testes de Múltipla Escolha

1. d

2. c

3. b

4. d

5. a

6. d

7. c

8. b

E – Exercícios

1. Cia. Panorâmica

1. Origem de Recursos

DOAR – Cia. Panorâmica

Das Operações Lucro Líquido

900

(

+ )Exaustão

600

(

– ) Equivalência Patrimonial

(300)

(

= )Lucro Ajustado

1.200

1.200

Dos Acionistas Integralização de Capital ( $ )

2.000

De Terceiros Novos Empréstimos (acionistas)

2.000

 

5.200

2. Aplicação de Recursos Aquisição de Novos Investimentos Distribuição de Dividendos

 

1.800

1.400

 

3.200

3. Aumento/Diminuição do CCL

 

2.000

Análise por meio de índices:

1. Investimentos em Ativo Fixo

Novas Aquisições no Fixo

=

Origem das Oper. + Aum. de Cap. em Bens + Novos Rec. de Terc.

1.800

1.200+2.000

2. Aplicações em Investimentos

Aplicações em Investimentos

Origens

=

1.800

5.200

= 0,35 ou 35%

3. Origem de Capital de Terceiros

=

0,56

Origens

(Terceiros)

Origens Totais

=

2.000

=

0,38 ou 38%

4. Inovação do Imobilizado

Aquisição de Imobilizado

Aplicações

=

0

A situação financeira da Cia. Panorâmica está melhorando; o seu CCL teve uma variação

positiva de $ 2.000, o que representa 25% de aumento. Podemos dizer que a empresa está

aumentando sua capacidade de pagamento.

Observando os índices, podemos dizer que a Cia. Panorâmica não investe em Imobilizado,

apenas em Investimentos (35%). Além disso, 38% das suas origens de recursos vêm de terceiros.

2. Cia. Bacabao

1. Origem de Recursos

DOAR

Das Operações Lucro Líquido do Exercício

 

441.000

 
 

(

+ ) Depreciação

70.000

(

= ) Lucro Líquido Ajustado

 

511.000

Dos Acionistas

 

De Terceiros

Total das Origens

 

511.000

2.

Aplicação de Recursos

 

Total das Aplicações

3. Aumento/Diminuição do CCL

 

511.000

4. Mutação no Capital Circulante Líquido

 

Discriminação Ativo Circulante

 

31-12-X4

31-12-X5

 

Variação

300.000

1.500.000

1.200.000

(

) Passivo Circulante

(100.000)

(789.000)

(689.000)

(

= ) CCL

 

200.000

711.000

511.000

3. Cia. Penúltima

1. Origem de Recursos

DOAR

Das Operações Lucro Líquido

186.400

 

(

+ ) Depreciação

9.600

(

= ) Lucro Líquido Ajustado

196.000

Dos Acionistas Aumento de Capital

20.000

De Terceiros Financiamento Total das Origens

100.000

316.000

2.

Aplicação de Recursos Aquisição de Máquinas e Equipamentos

16.000

Total das Aplicações

16.000

3. Aumento/Diminuição do CCL

300.000

4. Mutação no Capital Circulante Líquido

Discriminação Ativo Circulante ( ) Passivo Circulante ( = ) CCL

31-12-X0

90.000

(20.000)

70.000

31-12-X1

Variação

290.000

10.000

300.000

380.000

(10.000)

370.000

=

4. Indústria Organizada

Análise através de índices:

1. Investimentos em Ativos Permanentes:

Novas Aquisições no Permanente

2.700.000

= 0,35

Origem das Oper. + Aum. Cap. Em Bens + Novos Rec. Terc.

1.800.000 + 6.000.000

2. Aplicações em Investimentos:

Aplicações em Investimentos

Origens

=

600.000

7.800.000

3. Origem de Capital de Terceiros:

= 0,08 ou 8%

Origem de Terceiros

6.000.000

0,77 ou 77%

 

=

=

Origens Totais

7.800.000

4. Inovação do Imobilizado:

Aquisição de Imobilizado

Aplicações

 

2.100.000

=

=

 

4.800.000

0,44 ou 44%

A situação financeira da Indústria Organizada está melhorando, pois possui um Capital Circulante Líquido positivo no valor de $ 3.000.000, isto significa que houve um aumento da capacidade de pagamento da empresa. Observando os índices, verificamos que 77% das origens vêm de capital de terceiros e apenas 23% das operações da empresa, o que não é muito bom, pois o lucro deve ser a principal fonte de recursos da empresa. Verificamos também que 8% das Origens de Recursos são aplicados em Investimentos e 27% em Imobilizado, sendo que este último representa 44% das aplicações.

9

9 Demonstração dos Fluxos de Caixa A – Questões 1. “Para apuração do resultado em 20X0,
9 Demonstração dos Fluxos de Caixa A – Questões 1. “Para apuração do resultado em 20X0,
9 Demonstração dos Fluxos de Caixa A – Questões 1. “Para apuração do resultado em 20X0,

Demonstração dos Fluxos de Caixa9 A – Questões 1. “Para apuração do resultado em 20X0, o regime que deverá ser

9 Demonstração dos Fluxos de Caixa A – Questões 1. “Para apuração do resultado em 20X0,

A – Questões

1.

“Para apuração do resultado em 20X0, o regime que deverá ser utilizado no Clube de Futebol é o de competência.” Neste caso, podemos usar o regime de caixa, que é uma forma simplificada de Contabilidade, porém, caso seja necessário, pode ser utilizado o regime de competência.

2.

O

regime de caixa é uma forma simplificada de Contabilidade que apura resultado confrontando a

receita recebida no período com a despesa paga no mesmo período.

3.

“Os regimes de caixa e de competência podem ser adotados simultaneamente por qualquer empresa.”

O

regime de competência é universalmente adotado, aceito e recomendado pelo Imposto de Renda,

pois evidencia o resultado da empresa de forma mais adequada e completa. Já o regime de caixa

aplicado basicamente às microempresas ou às entidades sem fins lucrativos, pois é uma forma simplificada de Contabilidade.

é

4.

Sim, de acordo com o regime de competência devemos incluir na Demonstração do Resultado do Exercício as despesas incorridas no período independentemente de terem sido pagas ou não.

5.

A

despesa será contabilizada como tal no período em que for consumida, incorrida, utilizada, e, no

momento do pagamento. Para o registro dessa despesa devemos adotar o regime de competência, que diz que as despesas devem ser contabilizadas no momento em que forem incorridas.

6.

A

reavaliação dos bens do Ativo Fixo não afeta o caixa da empresa porque, embora aumente o valor

do Ativo Permanente, não representa desembolso ou encaixe.

7.

“A

Demonstração dos Fluxos de Caixa apresenta a movimentação ocorrida em determinado período na

conta caixa.” Esta afirmativa está correta; devemos apenas complementar que quando mencionamos caixa estamos nos referindo também à conta Bancos c/ Movimento.

8.

A Demonstração dos Fluxos de Caixa auxilia o gerente financeiro na elaboração de melhor planejamento financeiro, que indicará o momento em que este deverá contrair empréstimos para cobrir a falta de fundos, bem como quando aplicar no mercado financeiro o excesso de dinheiro.

9.

Demonstração de Fluxo de Disponível é a denominação mais adequada para a Demonstração dos Fluxos de Caixa, uma vez que nesta última apresentamos a movimentação das contas Caixa e Bancos c/ Movimento, ou seja, a movimentação do Disponível.

10.

Diz-se que a Demonstração dos Fluxos de Caixa é dinâmica porque evidencia o que ocorreu no período em termos de saída e entrada de dinheiro no Caixa e o resultado desse Fluxo.

Portal Atlas • www.editoraatlas.com.br

B – Complete as Frases

1.

a. Receita em X2.

b. Despesa em X3.

c. Despesa em X1.

d. Receita em X0.

2.

a. Aumenta o Caixa.

b. Diminui o Caixa.

c. Diminui o Caixa.

d. Não afeta o Caixa.

C – Associe os Números

Sequência das alternativas:

4 – 5 – 9 – 8 – 1 – 2 – 7 – 3 – 14 – 15 – 13 – 6 – 10 – 11 – 12

D – Testes de Múltipla Escolha

1. d

2. b

E – Exercícios

1. Empresa Luar

3. a

4. a

5. a

6. d

7. b

8. b

Resultado pelo Regime de Caixa e pelo Regime de Competência em 31-12-X0: