Você está na página 1de 60

RODOLFO MUNIZ ALVES GRACIOLI

Graduado em Ciências Sociais (Bacharel e Licenciatura) pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). Pós-graduado em “Política, Gestão Educacional e Novas Tecnologias de Informação e Comunicação” (UNESP). Professor de Sociologia, Filosofia, História, Geografia e Atualidades de redes particulares de ensino. Professor de Atualidades, História e Geografia em cursos preparatórios para concursos públicos.

Contato:Contato:Contato: rogracioli@gmail.comrogracioli@gmail.comrogracioli@gmail.com
Contato:Contato:Contato: rogracioli@gmail.comrogracioli@gmail.comrogracioli@gmail.com

rodolfogracioli@uol.com.br • facebook: AtualidadesComRodolfoGracioli

HENRIQUE CORREIA

(Organizador da Coleção)

Procurador do Trabalho. Professor de Direito do Trabalho do Curso CERS (Complexo de ensino Renato Saraiva). Autor e Coordenador de diversos livros para concursos públicos.

Contato:Contato:Contato:
Contato:Contato:Contato: henrique_constitucional@yahoo.com.brhenrique_constitucional@yahoo.com.brhenrique_constitucional@yahoo.com.br

www.henriquecorreia.com.br • @profcorreia

NOTA DE ATUALIZAÇÃO

• @profcorreia NOTA DE ATUALIZAÇÃO Para os concursos de Técnico e Analista do TRT e do
Para os concursos de Técnico e Analista do TRT e do MPU

Para os concursos de Técnico e Analista do TRT e do MPU

 

INCLUI:

Questões comentadas de concursos • Dicas

Quadros esquemáticos

2014

1ª edição

  INCLUI: Questões comentadas de concursos • Dicas • • Quadros esquemáticos 2014 1ª edição
Rua Mato Grosso, 175 – Pituba, CEP: 41830-151 – Salvador – Bahia Tel: (71) 3363-8617

Rua Mato Grosso, 175 – Pituba, CEP: 41830-151 – Salvador – Bahia Tel: (71) 3363-8617 / Fax: (71) 3363-5050 • E-mail: fale@editorajuspodivm.com.br

Conselho Editorial: Eduardo Viana Portela Neves, Dirley da Cunha Jr., Leonardo de Medeiros Garcia, Fredie Didier Jr., José Henrique Mouta, José Marcelo Vigliar, Marcos Ehrhardt Júnior, Nestor Távora, Robério Nunes Filho, Roberval Rocha Ferreira Filho, Rodolfo Pamplona Filho, Rodrigo Reis Mazzei e Rogério Sanches Cunha.

Capa: Rene Bueno e Daniela Jardim (www.buenojardim.com.br)

Diagramação: Maitê Coelho (maitescoelho@yahoo.com.br)

Todos os direitos desta edição reservados à Edições JusPODIVM.

Copyright: Edições JusPODIVM

É terminantemente proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer meio ou processo, sem a expressa autorização do autor e da Edições JusPODIVM. A violação dos direitos autorais caracteriza crime descrito na legislação em vigor, sem prejuízo das sanções civis cabíveis.

Atualidades / conhecimentos gerais

O livro “Atualidades” da coleção “Tribunais e MPU” tem por objetivo esclarecer os prováveis temas de provas com base na análise específica dos editais e de refle- xões dos embates contemporâneos. Neste sentido, como alguns temas apresentam dinâmica intensa, as “atualizações” gratuitas surgem como a melhor alternativa para amparar o candidato, deixando o mesmo totalmente seguro para a realização de sua prova.

É importante retomar que, como disposto no livro, alguns temas são “históri- cos” dentro das provas de “atualidades”. Sendo assim, o entendimento “estático” e conceitual é realmente satisfatório para a realização das provas.

No ordenamento dos temas de “atualidades”, conforme os debates no cenário nacional e/ou internacional ganham força, novos temas surgem com grande ênfase e possibilidades. Para isso, as atualizações contemplarão “temas extras” devidamen- te destrinchados, o que oferecerá maior segurança aos candidatos para analisar, interpretar e compreender os principais temas.

Por fim, façam com que o entendimento dos temas torne-se algo constante e automático. A partir do momento que o candidato consegue filtrar as informações descritivas que são alvo das provas de tribunais, o estudo torna-se proveitoso e o resultado satisfatório.

NOTA

DE ATUALIZAÇÃO

01

Primavera Árabe e seus desdobramentos – Conflitos Mundiais

CAPÍTULO I

Primavera Árabe e seus desdobramentos – Conflitos Mundiais

Síria decreta anistia

` Item 7

` Tema: Geopolítica

No dia 9 de Junho de 2014 foi decretada pelo presidente Bashar al-Assad uma anistia geral aos “crimes” cometidos até a data. A medida atende as propostas divulgadas anteriormente a sua reeleição em que Assad se comprometeu em esta- belecer um cenário de reconciliação e coesão no território sírio.

A Lei de Anistia (decreto número 22) abarcará:

Doentes incuráveis;

Pessoas acima de 70 anos;

Condenados por alguns crimes e contravenções (como autores de sequestros que tenham libertado seus reféns sem a cobrança de resgate);

Condenados a prisão perpétua terão sua pena reduzida para 20 anos;

Estrangeiros que tenham entrado no país para atuar com práticas terroristas também estarão perdoados desde que se entreguem no prazo de um mês;

f DICA!

Não existe um número preciso de pessoas que serão beneficiadas pelo decreto.

f IMPORTANTE!

Diferentes grupos de defesa dos Direitos Humanos acusam o regime sírio de aprisionar e torturar elevado número de indivíduos. Vale lembrar que desde o início da onda de protestos em 2011, Assad chama os dissidentes de “terroristas”.

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

Eleição presidencial no Egito

` Item 4

As eleições do final de Maio de 2014 marcaram a vitória do ex-chefe do exército do Egito Abdul Fatah al Sisi com, aproximadamente, 96% dos votos. O adversário de Sisi, Hamdin Sabahi, obteve 3,09% dos votos.

A indicação é que o país passe por um ambiente democrático e de estabilida- de, segundo o secretário-geral da ONU Ban ki-moon. Ban Ki-moon disse que o país tem uma grande chance de demonstrar ao mundo que a democracia e garantia de liberdade existe no território egípcio.

Número de mortos na Guerra Civil da Síria

` Item 6

Número de mortos na Guerra Civil da Síria já ultrapassa os 170 mil (número atualizado em Julho de 2014).

Economia Mundial e Blocos Econômicos (aspectos econômicos)

CAPÍTULO II

Economia Mundial e Blocos Econômicos (aspectos econômicos)

BRICS – FUNDAÇÃO DE UM BANCO

` Item 9

No mês de julho de 2014, durante a VI Cúpula do Brics, em Fortaleza, os chefes de Estado dos países que compõem o BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) estiveram reunidos para discussões de interesse coletivo.

f DICA!

O BRICS não é considerado um BLOCO ECONÔMICO.

A interação entre os países que compõem o BRICS apresenta pontos divergentes no que diz respeito aos interesses políticos e econômicos. Porém, a atuação conjunta, esclarece e amplia as possibilidades de cooperação entre os mesmos. O banco do BRICS terá sede em Xangai, na China.

f ATENÇÃO!

Destaque para a CHINA que é uma das maiores forças econômicas mundiais.

Destrinchando o tema

O nome oficial do banco é Novo Banco de Desenvolvimento (New Develop- ment Bank, NDB, em inglês).

• Os países firmaram um acordo para criar um fundo de 100 bilhões de dólares, com o objetivo de manter o equilíbrio em prováveis momentos de crise.

Depois de cumprida a parte burocrática, o banco poderá atuar de maneira prática a partir do ano de 2016.

A contribuição de cada país será realizada de maneira igualitária (vale lembrar que existia um receio da China exercer maior influência pelo seu poderio econômico).

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

Do capital inicial do banco (US$ 50 bilhões), os países vão injetar US$ 10 bilhões em dinheiro e US$ 40 bilhões em garantias.

banco ficará aberto a outros países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU), mas os BRICS vão manter um mínimo de 55% das ações do banco.

O

Primeira presidência ficará a cargo da Índia, seguida por Brasil (mandato de cinco anos).

O

Brasil será responsável pelo primeiro grupo de diretores. A Rússia terá

primeira direção de governadores do bloco e a África do Sul fica com o escritório regional do BRICS.

a

UNIÃO ECONÔMICA DA EURÁSIA

` Item 12

` Tema: Geopolítica

O presidente russo Vladimir Putin assinou um acordo com representados do Ca- zaquistão e Belarus com intuito de estreitar os laços econômicos entre as nações. A União Econômica da Eurásia (UEE) vai ajudar as economias da antiga União Soviética, promovendo uma maior integração econômica e desenvolvimento.

f DICA!

O acordo entra em vigor a partir de 1º de Janeiro de 2015.

Objetivos da UEE

Garantir a livre movimentação de bens, serviços, capital e trabalho;

Estabelecer políticas coordenadas em grandes setores econômicos.

f IMPORTANTE!

Os três países (RÚSSIA, BELARUS e CAZAQUISTÃO) somam um PIB (Produto Interno Bruto) de, aproximadamente, 2,7 trilhões de dólares (mais de 6 trilhões reais).

Críticos afirmam que a união é uma tentativa de restabelecimento da lógica da união soviética, tendo em vista que a aproximação acontece num cenário de incertezas para a região. Segundo membros do grupo, a tendência é que a Ucrânia se filie ao mesmo num futuro próximo, tendo em vista que na atualidade o país recusou ao convite.

Destaque para a posição de Vladimir Putin no atual cenário geopolítico. Com posturas que não costumam agradar o mundo ocidental, o presidente é sempre alvo de questões das grandes bancas. Atente-se para a anexação da Crimeia, fato legitimado pelo governo russo e não reconhecido por UNIÃO EUROPEIA e ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA.

Economia Mundial e Blocos Econômicos (aspectos econômicos)

RÚSSIA E O G7

` Tema: Geopolítica

` Item 12

A pressão dos líderes do G7 (grupo de nações mais desenvolvidas do globo)

para que o presidente russo Vladimir Putin reconheça a eleição do novo presidente

da Ucrânia Petro Prosehnko aumento nos últimos dias.

Países membros do G7:

Estados Unidos

Canadá

Itália

Japão

Alemanha

França

Reino Unido

Para Barack Obama, presidente dos EUA, e David Cameron, primeiro-ministro britânico, é de fundamental importância que a ação de legitimação aconteça para que os protestos no leste ucraniano cessem.

f DICA!

Reunidos em Bruxelas, Bélgica, os líderes do G7 disseram estar do lado de Poroshenko para a estabilidade geopolítica.

A mensagem dos membros do G7, sobre a pressão pelo reconhecimento da

eleição do presidente ucraniano, foi transmitida ao líder russo Vladimir Putin pelo primeiro-ministro britânico David Cameron.

f IMPORTANTE!

Os protestos continuam acontecendo na região leste da Ucrânia, principalmente na cidade de Donetsk.

f ATENÇÃO!

Vale lembrar que a Rússia foi SUSPENSA do G7 (G7 +1) após a anexação da região da Crimeia, em março deste ano. Já em junho, foi sinalizada que a possibilidade de retorno do país ao grupo, desde que a situação geopolítica esteja controlada e equilibrada.

Aspectos ambientais

CAPÍTULO III

Aspectos ambientais

MOBILIDADE URBANA (CIDADE DE SÃO PAULO)

` Item 5

` Tema: Meio Ambiente

Projeto de Lei – 276/2012 tem por objetivo o incentivo de veículos puramente elétricos, híbridos (que unem motores a combustão e motores elétricos) ou movidos a hidrogênio. Estes modelos de veículos estariam excluídos do rodízio municipal, além da devolução da quota-parte do município na arrecadação do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores).

O projeto de lei foi sancionado pelo prefeito da cidade Fernando Haddad (PT) e servirá de estímulo para o mercado de veículos dos respectivos modelos, levantando ainda a bandeira da conscientização ambiental.

Ano

Número de veículos híbridos vendidos (Toyota Prius)

2013

324

2014 (até

Maio)

44

Fonte: Fenabrave

f DICA!

O modelo híbrido Toyota Prius é o mais vendido do mundo.

f IMPORTANTE!

Os carros híbridos podem emitir até 90% a menos de poluente se comparados a veí- culos comuns movidos à gasolina.

Veículos híbridos produzem menos ruídos se comparados aos demais.

O consumo de combustível de veículos híbridos é menor.

Aspecto negativo: o valor de um veículo híbrido gira em torno dos 150 mil reais.

CAPÍTULO IV

Aspectos políticos e sociais

COTAS EM CONCURSOS E UNIVERSIDADES

Cotas em Universidades

` Item 10.1

Uma discussão que se estende desde o ano de 2002 é a que define cotas para o ingresso em Universidades. Neste sentido, o objetivo do programa de cotas visa integrar negros, pardos e indígenas ao sistema universitário tendo como justificativa o processo histórico excludente de um país que apresentou um logo período de escravidão.

f DICA!

A Lei Áurea (que extinguiu a escravidão no país) foi assinada pela princesa Isabel no dia 13/05/1888. A grande dificuldade após a extinção da escravidão foi de integrar os negros à sociedade da época. Neste cenário de “exclusão”, muitos preferiam viver como escravos para ter as condições mínimas de alimentação e sobrevivência.

f ATENÇÃO!

Além das cotas para negros, pardos e indígenas, o ingresso em universidades garante, na atualidade, uma parcela das vagas para alunos que fizeram o Ensino Médio no sistema público de ensino.

A garantia de vagas em universidades para alunos que cursaram o Ensino Médio do sistema público oferta a necessidade de investimento no sistema já que, por sua vez, garante que o mesmo apresenta uma qualidade inferior ao sistema particular de ensino.

O tema disposto acima se apresenta como elevada polêmica dentro de diferentes frentes da sociedade. Em todo caso, para concursos, é fundamental o domínio dos pontos divergentes de análise.

Os que defendem as cotas acreditam que estas oferecem possibilidades e opor- tunidades para uma parcela da sociedade que sofre com o ingresso em espaços universitários e carece de condições equiparadas ao restante da sociedade. Assim,

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

o sistema estaria “corrigindo” um erro histórico (escravidão) e oferecendo maiores oportunidades para os negros, pardos e indígenas.

Por outro lado, os oposicionistas ao sistema de cotas, afirmam que este acaba por “institucionalizar” um sistema preconceituoso, já que garante uma parcela de vagas para determinada população e acaba por excluir outra.

Cotas em Concursos Públicos

No dia 10 de Junho de 2014, após reunir celebridades negras, a presidente do Brasil Dilma Rousseff (PT) celebrou a aprovação da lei que garante cotas para negros em concursos públicos.

Como funciona?

A lei garante 20% das vagas em concursos da União para negros.

Vigência da lei: período de 10 anos.

Para quem vale?

Concursos destinados à administração pública federal, a autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista controladas pela União, como Petrobras, Correios, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil.

Concurso com três ou mais vagas.

Editais publicados após a validação pelo Diário Oficial.

E o Legislativo? Judiciário? Órgãos públicos estaduais e municipais?

O texto não estende a reserva de vagas para estas instituições.

Na prática, o candidato que quiser concorrer às cotas deverá se AUTODECLARAR preto ou pardo no ato da inscrição do concurso. Esta autodeclaração tem como base o quesito de cor e raça usado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Assim, o candidato que se declarar negro concorrerá simultaneamente tanto às vagas destinadas à ampla concor- rência quanto às cotas. Se o interessado for aprovado dentro do número de vagas oferecido para a ampla concorrência, sua vaga não será computada para preencher a reserva das cotas.

Declaração falsa

Caso seja constatada a declaração falsa do candidato como negro ou pardo, este deverá ser excluído do concurso. Se o candidato já tiver sido nomeado, poderá ter sua admissão anulada e responder por processo administrativo.

NÃO existirá comissão específica para averiguar os candidatos. O processo de análise acontecerá após denúncias dos próprios cidadãos e, consequen- temente, atuação do Ministério Público (como acontece no caso das cotas para Universidades).

Aspectos políticos e sociais

O governo estuda a elaboração de um parecer jurídico que deverá servir de base para que as denúncias sejam apuradas da mesma maneira.

Assim como a discussão de cotas para universidades, o sistema de cotas para concursos públicos apresenta uma discussão bastante polêmica dentro das diferen- tes frentes da sociedade. Neste sentido, é necessário conhecer a descrição técnica do sistema de cotas para a resolução de questões objetivas dos concursos. Para a argumentação durante a construção de uma redação é necessária a análise das diferentes frentes de defesa e oposição aos sistemas de cotas apresentados.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAI EM RANKING LATINO AMERICANO

` Item 9

` Tema: Educação

A USP (Universidade de São Paulo) perdeu o posto de melhor Universidade da América Latina para a PUC do Chile. Segundo a Consultoria britânica QS, um dos dife- renciais é a língua estrangeira (inglês) obrigatória na instituição chilena, além da pro- porção de professores por aluno. A produção de artigos da universidade chilena conta com ampla participação da comunidade internacional, o que viabiliza os resultados.

f ATENÇÃO!

O mesmo ranking apresenta ainda a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) na 3ª posição e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) na 4ª posição.

Entre as 10 primeiras no ranking (latino americano) da Consultoria Britânica QS o Brasil tem ainda – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP) – 9ª posição;

Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) ambas na 10ª posição.

f DICA!

A queda da Universidade de São Paulo em rankings tem sido uma constante. Até o ano de

2012, a universidade era a única brasileira no ranking entre as 200 melhores do mundo,

o que já não acontece na atualidade. Com um orçamento direcionado aos gastos com

salários, uma crise financeira estourou após a reprovação das contas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

PEC DO TRABALHO ESCRAVO

` Tema: Proposta de Emenda Constitucional

` Item 10

Foi aprovada no dia 5 de Junho de 2014 pelo Senado a PEC do Trabalho Escra- vo. A Proposta de Emenda Constitucional tem como objetivo principal promover a

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

expropriação de terras onde seja evidenciado o trabalho escravo. Assim, indepen- dente da região do país (urbana ou rural), a área onde for constatado o trabalho escravo será expropriada resultando na reforma agrária e utilização para programas habitacionais.

f DICA!

Vale lembrar que áreas onde são cultivadas plantas psicotrópicas como a maconha e a coca são expropriadas (o que é previsto pela lei vigente e terá continuidade com a aprovação da PEC)

Obstáculos!

A aplicabilidade da PEC barra na definição do conceito de escravidão, tendo em vista que nem OIT (Organização Internacional do Trabalho) tem uma definição clara sobre o tema.

“A Convenção 29 da OIT faz referência a trabalho forçado ou obrigatório no caso de “trabalho ou serviço exigido de um indivíduo sob ameaça de qual- quer penalidade e para o qual ele não se ofereceu de espontânea vontade”. A exemplo do Código Penal, a Convenção 105 da OIT, por sua vez. fala apenas em “condições análogas à escravidão” (Revista Veja – 27/05).

Ciência e tecnologia

CAPÍTULO V

Ciência e tecnologia

DEEP WEB

Um portal que agrega informações e conteúdos ilegais, com ofensas intensas aos direitos humanos. Esta é a definição de um sistema que amedronta os usuários e dissemina conteúdos ilegais pela rede mundial de computadores.

O que seria?

Tudo aquilo que está disponível em máquinas e que não estão identificadas.

Como é possível a navegação?

Uma das formas mais comuns de se navegar em parte da Deep Web é a feita pelo navegador Tor, que dificulta a embaralha a identificação dos computadores ao acessarem determinado conteúdo. O site foi criado pela Marinha dos Estados Unidos em 1996 e é mantido, atualmente, por voluntários pelo mundo.

O que pode ser encontrado?

Livros raros, artigos científicos, fóruns de discussões científicas (parte positiva)

Venda ilegal de drogas e armas, textos preconceituosos, crimes diversos como pedofilia (parte negativa).

URUGUAI E A LEGALIZAÇÃO DA VENDA DA MACONHA

` Item 10.1

f ATENÇÃO!

O presidente uruguaio José Mujica afirmou que a venda legalizada da maconha terá início em 2015. O principal motivo apontado por Mujica é que o país precisa passar por adequações e avançar de maneira mais lenta para que o sucesso seja alcançado.

MORTES EM 2014

` Item 13

No dia 8 de Julho de 2014 morreu, em São Paulo, o ex-deputado Plínio de Arruda Sampaio. Aos 83 anos, o ex-deputado vinha lutando contra câncer nos ossos e fale- ceu no hospital Sírio-libanês. No próximo dia 26 de Julho, Plínio completaria 84 anos.

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

Nos últimos 60 anos, Plínio participou ativamente do desenvolvimento político no país. Católico, socialista e um ativista internauta, teve sua importância registra- da pela eternidade para a história brasileira. Formado em Direito pelo Largo São Francisco, Plínio começou na política pelo extinto Partido Democrata Cristão. Eleito deputado federal em 1962, acabou cassado durante a Ditadura Militar e foi exilado, onde viveu nos Estados Unidos e Chile.

f ATENÇÃO!

Plínio participou da fundação do Partido dos Trabalhadores. Porém, em 2005, após 20 anos ligados ao PT, Plínio filiou-se ao PSOL, onde concorreu à presidência do país em 2010.

MORTES NA “LITERATURA” João Ubaldo Ribeiro (1941 – 2014)

Na madrugada do dia 18 de julho, morreu o escritor e jornalista que era o 7º ocupante da cadeira número 34 da ABL. Vítima de uma embolia pulmonar, João Ubaldo deixa para a literatura vastas produções. Aclamado por outros importantes intelectuais, as produções de João Ubaldo se direcionavam para o povo brasileiro, o que criou um identidade de irreverência e humildade para o escritor.

João Ubaldo Ribeiro ganhou em 2008 o Prêmio Camões, o mais importante da lite- ratura em língua portuguesa. Ele é autor de livros como “Sargento Getúlio”, “O sorriso dos lagartos”, “A casa dos budas ditosos” e “Viva o povo brasileiro”. Também ganhou dois prêmios Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, em 1972 e 1984, respectivamente para o melhor autor e melhor romance do ano, por ‘Sargento Getúlio’ e ‘Viva o povo brasileiro".

O baiano João Ubaldo se formou em Direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), mas nunca chegou a advogar. Ele era pós-graduado em Administração Pública pela UFBA e mestre em Administração Pública e Ciência Política pela Universidade do Sul da Califórnia (USC).

Prêmios

Prêmio Golfinho de Ouro, do Estado do Rio de Janeiro, conferido, em 1971, pelo romance Sargento Getúlio;

Dois prêmios Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, em 1972 e 1984, respectiva- mente para o Melhor Autor e Melhor Romance do Ano, pelo romances Sargento Getúlio e Viva o povo brasileiro;

Prêmio Altamente Recomendável - Fundação Nacional do Livro Infantil e Juve- nil,1983, para Vida e Paixão de Pandonar, o Cruel ;

Prêmio Anna Seghers, em 1996 (Mogúncia, Alemanha);

Prêmio Die Blaue Brillenschlange (Zurique, Suíça);

Detém a cátedra de Poetik Dozentur na Universidade de Tubigem, Alemanha

(1996).

Ciência e tecnologia

Prêmio Lifetime Achievement Award, em 2006;

Prêmio Camões, em 2008.

Rubem Alves (1933 – 2014)

No dia 19 de julho de 2014 morreu um dos escritores e educadores mais respei- tados do Brasil. Aos 80 anos, Rubem Alves enfrentava problemas desde o dia 10 de julho e acabou tendo complicações. Com vasta participação no cenário intelectual brasileiro, Rubem Alves atuou como cronista, pedagogo, poeta, filósofo, contador de histórias, ensaísta, teólogo, acadêmico, autor de livros infantis e até psicanalista, de acordo com sua página oficial na internet.

Sempre irreverente em suas falas, Rubem Alves afirmava que desenvolveu o potencial de escrever histórias já que era uma boa alternativa para contá-las para sua filha. O intelectual citava como referências Nietzsche, T. S. Eliot, Kierkegaard, Camus, Lutero, Agostinho, Angelus Silésius, Guimarães Rosa, Saramago, Tao Te Ching, o livro de Eclesiastes, Bachelard, Octávio Paz, Borges, Barthes, Michael Ende, Fernando Pessoa, Adélia Prado e Manoel de Barros.

Apaixonado pelas discussões sobre a educação, afirmava que a educação brasi- leira necessita de uma transformação. Sobre o tema escreveu "Educar não é ensinar

matemática, física, química, geografia, português. Essas coisas podem ser aprendidas nos

livros e nos computadores. Dispensam a presença do educador. Educar é outra coisa. [

Quem vê bem nunca fica entediado com

a vida. O educador aponta e sorri – e contempla os olhos do discípulo. Quando seus olhos

sorriem, ele se sente feliz. Estão vendo a mesma coisa. Quando digo que minha paixão é

a educação estou dizendo que desejo ter a alegria de ver os olhos dos meus discípulos, especialmente os olhos das crianças".

] A

primeira tarefa da educação é ensinar a ver. [

]

Ariano Suassuna (1927 – 2014)

No dia 23 de julho de 2014, o escritor, dramaturgo e poeta paraibano Ariano Suassuna morreu aos 87 anos. Internado desde o dia 21 após sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC), Ariano Suassuna passou por cirurgia e acabou não resistindo.

A primeira peça do escritor, "Uma mulher vestida de sol", ganhou o prêmio Ni- colau Carlos Magno em 1948. Ariano escreveu um de seus maiores clássicos, "O Auto da Compadecida", em 1955, cinco anos depois de se formar em direito. A peça foi apresentada pela primeira vez no Recife, em 1957, no Teatro de Santa Isabel, sem grande sucesso, explodindo nacionalmente apenas quando foi encenada – e ganhou o prêmio – no Festival de Estudantes do Rio de Janeiro, no Teatro Dulcina. A obra é considerada a mais famosa dele, devido às diversas adaptações. Guel Arraes levou o “Auto” à TV e ao cinema em 1999.

Após 32 anos atuando como professor, em 1989, Ariano Suassuna se aposentou ligado à Universidade Federal de Pernambuco. Em 1990, o escritor tomou posse da cadeira número 32 da ABL (Academia Brasileira de Letras).

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

DESISTÊNCIA NO PROGRAMA “MAIS MÉDICOS” (JUNHO DE 2014)

` Item 11

f DESISTÊNCIA NO PROGRAMA “MAIS MÉDICOS” (JUNHO DE 2014)

Nacionalidade

Inscritos no programa

Deixaram o programa

Índice de desistência

Cubanos

11.000

14

0,1%

Brasileiros

1.500

131

8,4

DEMOGRAFIA E IDH

` Item 11

O relatório divulgado no mês de julho de 2014 colocou o Brasil em posição mais favorável no ranking do IDH. O Brasil ocupa a posição de número 79.

f ATENÇÃO!

 

f

POSIÇÃO DO BRASIL

 

Ranking dos países mais e menos desen- volvidos

76

Azerbaijão

0,747

     

Onu divulgou índice de Desenvolvimento Humano de 187 países

77

Jordânia

0,745

78

Sérvia

0,745

 

79

BRASIL

0,744

f MAIS DESENVOLVIDOS

 

80

Georgia

0,744

 

1 Noruega

0,944

81

Granada

0,744

 

2 Austrália

0,933

82

Peru

0,737

 

3 Suíça

0,917

f

MENOS DESENVOLVIDOS

 
 

4 Suécia

0,915

178

Moçambique

0,393

 

5 Estados Unidos

0,914

179

Guiné

0,392

 

6 Alemanha

0,911

180

Burundi

0,389

 

7 Nova Zelândia

0,91

181

Burkina Faso

0,388

 

8 Canadá

0,902

182

Eritreia

0,381

 

9 Singapura

0,901

183

Serra Leoa

0,374

 

10 Dinamarca

0,900

184

Chade

0,372

 

185

Rep. da África Central

0,341

Fonte: ONU - Disponível: em g1.globo. com. Elaborado em 23/07/2014

186

Congo

0,338

187

Niger

0,337

Ciência e tecnologia

IDH DO BRASIL (EM 2013) – 0,744 – ELEVADO DESENVOLVIMENTO HUMANO

Apesar deste progresso, o relatório da ONU (Organização das Nações Unidas) revela alguns problemas do país se comparado a outras nações latino americanas.

Exemplo: na América Latina, a média de estudos é de 7,9 anos. No Brasil, a média é de 7,2 anos (valor estático desde o ano de 2010).

Outra variável importante é a EXPECTATIVA DE VIDA. Atualmente, no Brasil, a ex- pectativa de vida é de 73,9 anos. Porém, na América Latina a média é de 74,9 anos.

f ATENÇÃO!

De acordo com o relatório das Nações Unidas, os países da América Latina com maior grau de desenvolvimento humano são Chile (41º no ranking), Cuba (44º) e Argentina (49º). Os três países são classificados como de “muito elevado desenvolvimento”.

A primeira posição manteve-se com a NORUEGA.

f IMPORTANTE!

Após a divulgação do IDH (referente ao ano de 2013), o governo federal demonstrou um descontentamento com os resultados, afirmando que os critérios utilizados foram elaborados a partir de dados desatualizados.

TEMAS EXTRAS

CONFLITO ISRAEL X PALESTINA (FAIXA DE GAZA)

Um dos conflitos mais antigos da história da humanidade ganhou novas facetas e agravantes nos últimos tempos. Historicamente, o tema nunca apresentou forte repercussão nas provas de tribunais. Porém, pelo “nível” em que os confrontos têm chegado (geopoliticamente falando) é bem provável que o candidato se depare com uma questão que aborde origem, desdobramentos e resultados práticos dos confrontos entre israelenses e palestinos.

f DICA!

O estopim dos confrontos recentes foi o sequestro e morte de três jovens judeus na região da Cisjordânia (ação que os israelenses atribuíram ao grupo Hamas, que controla a faixa de Gaza), além da morte de um jovem palestino que foi queimado por extremistas judeus.

Origens históricas do conflito

A segunda metade do século 19 e primeira metade do século 20 foram marcadas por uma migração em massa de vários judeus (originários de vários países) para a região da Palestina, provocando alterações da demografia local. Cada vez mais, a população árabe ganhava força na região e exercia influência.

f ATENÇÃO!

Palestinos (ÁRABES) X Israelenses (JUDEUS)

Tentando equilibrar os conflitos existentes na região, já no ano de 1947 a Orga- nização das Nações Unidas (ONU) passou a discutir a divisão do território em duas partes: uma para árabes e outra para judeus. Porém, uma grande insatisfação tomou conta da região e a guerra se agravara. Em 1948, o estado de Israel foi criado e o território passou a enfrentar invasões de países árabes vizinhos. Neste momento, resistentes aos ataques, os israelenses mantiveram posse do território e os palestinos perderam a chance de criar um Estado, já que Israel ocupou parte do território destinado aos palestinos pela ONU, o Egito passou a controlar a Faixa de Gaza e a Jordânia ficou com a Cisjordânia.

Gaza e Cisjordânia se mantiveram sob ocupação estrangeira árabe até 1967, quando uma nova guerra, a Guerra dos Seis Dias, entre Israel e as nações vizinhas, resultou na ocupação israelense da Faixa de Gaza e da Cisjordânia (incluindo a parte oriental de Jerusalém).

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

Rodolfo Muniz Alves Gracioli Fonte: www.bbc.co.uk Em 2005, Israel decidiu retirar seus colonos e militares da

Fonte: www.bbc.co.uk

Em 2005, Israel decidiu retirar seus colonos e militares da Faixa de Gaza, en- tregando sua administração à Autoridade Nacional Palestina (ANP). Apesar disso, as fronteiras terrestres e marítimas continuaram sobre o controle israelense.

Na Cisjordânia, pouco mudou já que a política de assentamentos judaicos e a ocupação militar do território continuaram. Ainda hoje, grande parte desse territó- rio palestino tem sua administração civil e militar concentrada nas mãos de Israel.

Apesar da devolução de Gaza aos palestinos, o território passou a ser o prin- cipal foco de problema do conflito israelense-palestino, já que, em 2006, o Hamas, movimento fundamentalista islâmico, venceu as eleições parlamentares palestinas. Em seguida, o Hamas rompeu com o Fatah, organização política e militar palestina, tomando o controle de Gaza, enquanto seu rival político mantinha o controle sobre a Cisjordânia.

Visto como um grupo terrorista por Israel, pelos Estados Unidos e por países europeus, o Hamas sofreu uma série de sanções por parte desses países. O governo israelense ampliou a vigilância sobre Gaza, aumentando seu controle sobre as fron- teiras e restringindo a circulação de produtos e pessoas entre os dois territórios.

TEMAS EXTRAS

Desde então, houve uma série de confrontos abertos entre as duas partes: o governo israelense e o Hamas.

O conflito entre israelenses e palestinos ganhou destaque no cenário geopolítico mundial visto que passou a envolver a discussão de outros países. Inicialmente, o Egito levantou a possibilidade de um cessar fogo, o que acabou fracassando. Em seguida, os países membros do Conselho de Segurança da ONU passaram a discutir as possibilidades de paz na região.

f ATENÇÃO!

Em notas oficiais, o governo brasileiro apresentou repúdio dos ataques de ambas as partes. Com esta posição “neutra”, autoridades israelenses afirmaram que o Brasil pouco agrega nas discussões e continua com sua irrelevância no cenário geopolítico.

f DICA!

O Brasil votou a favor da resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU (somente os Estados Unidos estiveram contra) que condena as “graves e sistemáticas violações dos Direitos Humanos e Direitos Fundamentais oriundas das operações militares israelenses contra o território Palestino ocupado”.

Informações sobre a Faixa de Gaza

• Região localizada no Oriente Médio recebe este nome já que a principal cidade é Gaza;

• Região faz fronteira com o Egito, ao sul, e com Israel ao norte e leste, além de ser banhado pelo Mar Mediterrâneo;

Região NÃO é conhecida como parte integrante de nenhum país soberano, o que explica os intensos conflitos na região;

• A área apresenta uma extensão de, aproximadamente, 41 quilômetros de comprimento e 6 a 12 quilômetros de largura (totalizando 365 quilômetros²);

• Aproximadamente, 1,7 milhão de pessoas vive na região, o que a torna bastante movimentada;

Conflitos em 2014

Após o assassinato de três jovens judeus e de um jovem palestino, os ataques ganharam força na região. Desde o dia 8 de julho, forças israelenses e o Hamas (grupo palestino) passaram a se atacar de maneira incessante. Bombardeios e fogue- tes têm sido utilizados de maneira agressiva, ampliando o número de civis mortos.

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

O número de mortos nos atuais conflitos já chega a mil (dentre israelenses

e palestinos), além de um elevado número de feridos. O movimento geopolítico

mundial (levantado por diferentes países) levanta possibilidades de discussão

sobre um cessar-fogo para garantir o clima de paz na região.

No início da madrugada do dia 28 de julho, o Conselho de Segurança da ONU formalizou um pedido de “cessar-fogo humanitário e incondicional” entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza. Todos os quinze membros do Conselho de Segurança da ONU participaram da decisão em reunião nos Estados Unidos da América, que visa diminuir os conflitos agravados nos últimos vinte dias.

f DICA!

A decisão assinada pelos quinze países não tem poder DECISÓRIO sobre a guerra.

f IMPORTANTE!

Benjamin Netanyahu é o atual primeiro-ministro de Israel.

Destaque! Um episódio recente ganhou destaque nos noticiários internacionais. Após o Brasil apresentar uma posição “neutra” nos conflitos em Gaza, o porta-voz israelense do Ministério das Relações Exteriores, Yigal Palmor, afirmou que a medida “era uma demonstração lamentável de como o Brasil, um gigante econômico e cultural, continua a ser um anão diplomático”. As declarações vieram após o governo brasi- leiro convocar para consultas, o embaixador em Tel Aviv, considerando inaceitável

a escalada da violência e o uso desproporcional da força por parte de Israel.

COPA DO MUNDO DE FUTEBOL 2014 (BRASIL)

Uma das maiores bandeiras levantadas durante os protestos de junho de 2013 (período da Copa das Confederações) foi o fato de que o país teria um elevado gasto com a realização da Copa do Mundo de Futebol (computando os valores gastos em obras de estádios e mobilidade urbana). Assim, a Copa do Mundo de futebol passou

a ser encarada como um “problema” para uma parcela da população.

Por outro lado, uma parcela representativa, defendia a realização do evento sustentando a ideia de que este movimentaria diferentes setores da economia brasileira provocando uma intensificação do fluxo econômico no país. A Copa do Mundo de futebol aconteceu sem grandes problemas e, além disso, com a imagem acolhedora do povo brasileiro com relação aos turistas que por aqui estiveram.

De 12 de Junho (abertura do Mundial) até 13 de Julho (encerramento do Mun- dial), o Brasil passou a ser visto, fotografado e comentado por milhões de pessoas espalhadas por todo o mundo.

TEMAS EXTRAS

f ATENÇÃO!

Para os concursos, além de saber dos diferentes posicionamentos com relação à reali- zação do evento, é de SUMA IMPORTÂNCIA compreender os dados estatísticos referentes ao mesmo:

Mais de 1 milhão de turistas de 202 países visitaram o Brasil durante o evento;

Segundo o governo federal, os investimentos nos aeroportos ficam marcados como um dos legados da Copa do Mundo, já que absorverá maior número de passageiros;

16,7 milhões de passageiros embarcaram nos aeroportos brasileiros durante o período de 10/06 a 10/07 (atrasos de 7,3% de voos);

Presidente da FIFA (o suíço Joseph Blatter) deu nota 9,25 para o mundial no Brasil;

TURISMO e SERVIÇOS foram os setores mais movimentados;

INDÚSTRIA, VAREJO e ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA foram os setores prejudicados;

8 operários morreram nas obras dos estádios;

Durante as 64 partidas foram feitas 4,5 milhões de ligações e enviadas 48,5 milhões de fotos (Copa do Selfie);

Segundo cálculo da FIPE, a Copa do Mundo deve injetar R$ 30 bilhões na economia brasileira (considerando o período anterior, o desenvolvimento e o período subse- quente ao evento).

INFRAESTRUTURA

• Em 2010, a promessa era de 83 PROJETOS – gasto total de R$23,5 bilhões

• Em 2013, 71 PROJETOS foram finalizados com um gasto de R$29,2 bilhões

Nos gramados, a seleção brasileira composta por jogadores renomados dos principais clubes do mundo ficou na 4ª posição, após perder na semifinal para a equipe que seria a grande campeã, a seleção da Alemanha, por um placar histórico de 7 x 1.

Campeã: Alemanha

2º lugar: Argentina

3º lugar: Holanda

4º lugar: Brasil

f OBSERVAÇÃO:

Durante a Copa do Mundo de Futebol, a Polícia Federal deflagrou a operação Jules Ri- met para fechar o cerco contra a venda ilegal de ingressos por parte de uma quadrilha internacional. O escândalo envolve indivíduos ligados à empresa contratada pela FIFA para a venda dos ingressos.

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS 2014

Candidatos a presidente

ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS 2014 Candidatos a presidente Rapidinhas sobre política / eleições 2014 Fonte: Portal

Rapidinhas sobre política / eleições 2014

Fonte: Portal G1

Candidato

Tempo estimado

Dilma Rousseff (PT) Coligação: PT, PMDB, PDT, PC do B, PP, PR, PSD, PROS e PRB

11 minutos e 48 segundos

Aécio Neves (PSDB) Coligação: PSDB, DEM, PTB, SD, PMN, PTC, PT do B, PEN e PTN

4 minutos e 31 segundos

Eduardo Campos (PSB) Coligação: PSB, PRP, PPS, PSL, PPL e PHS

1 minuto e 49 segundos

Pastor Everaldo (PSC)

1 minuto e 8 segundos

Eduardo Jorge (PV)

1 minuto e 1 segundo

Luciana Genro (PSOL)

51

segundos

Eymael (PSDC)

47 segundos

Levy Fidelix (PRTB)

45

segundos

Zé Maria (PSTU)

45

segundos

Mauro Iasi (PCB)

45

segundos

Rui Costa Pimenta (PCO)

45

segundos

TEMAS EXTRAS

Propaganda no rádio de na TV tem início dia 19 de Agosto.

Dia 5 de Agosto acontecerá o sorteio para a ordem de exibição das propa- gandas eleitorais.

Segundo dados levantados pela Folha de SP, os gastos da campanha do PT (Dilma Rousseff) devem chegar aos 298 milhões de reais e do PSDB (Aécio Neves) 290 milhões de reais.

Segundo os registros das candidaturas entregues à Justiça Eleitoral, o total dos gastos dos PRESIDENCIÁVEIS se aproxima de 1 BILHÃO de REAIS.

Mudanças para votação de 2014

Será permitido votar fora do domicílio em todas as cidades com mais de 200 mil eleitores.

Partidos terão que indicar origem do valor recebido ao efetuar repasses para candidatos.

Candidatos poderão utilizar até 50% do patrimônio declarado à Receita na própria campanha.

Partidos terão até 20 dias antes do dia da eleição para substituir candidatos.

Não será mais permitido colocar na urna nome de órgão público, exemplo Chico do INSS.

Não será mais permitido fazer propaganda eleitoral via telemarketing.

Além da propaganda eleitoral, os debates na televisão terão que ter tradução em Libras ou legendas.

Fica proibida a realização de enquetes com assuntos de cunho eleitoral.

Qualquer investigação de crime eleitoral terá que ser autorizada pelo juiz eleitoral.

Passa a ser facultativo o voto do preso provisório, que ainda não tem conde- nação definitiva.

Conflitos pelo petróleo

O petróleo apresenta uma importância estratégica no que diz respeito à sua rentabilidade. Por isso, algumas áreas do globo (como é o caso do Oriente Médio) sofrem com constantes conflitos entorno deste bem tão precioso também chamado de “ouro negro”.

f DICA!

A utilização do petróleo ganhou destaque a partir do século XX, já que o mesmo passou

a substituir o carvão como matriz energética mundial.

Além dos aspectos econômicos e políticos que envolvem a exploração e manuseio das jazidas petrolíferas, existe a preocupação ambiental a respeito da exploração

Rodolfo Muni� Alves Gracioli

desenfreada e da poluição gerada pela queima de combustíveis e demais produtos que tenham em sua composição o petróleo.

f ATENÇÃO!

A região do Oriente Médio (observe mapa) é uma das que apresenta a maior concentração de jazidas petrolíferas do mundo, o que explica o PIB dos países estarem associado à exploração do mesmo. Arábia Saudita, Iraque, Irã, Kuwait, Qatar e Emirados Árabes são países com PIB representativo devido à exploração do petróleo.

com PIB representativo devido à exploração do petróleo. Fonte: novomilenio.inf.br O Oriente Médio chama atenção

Fonte: novomilenio.inf.br

O Oriente Médio chama atenção de outras potências pela riqueza do petróleo

e a impossibilidade de exploração pela falta de tecnologia dos respectivos países,

o que eleva a participação de grandes multinacionais petroleiras para a exploração destas regiões.

As disputas em áreas de presença marcante de jazidas petrolíferas marcaram

a história em alguns momentos:

Guerra do Iom Kipur (1973) – árabes x israelenses;

Guerra Irã-Iraque (1980-1988);

Guerra do Golfo (1991) – quando o Iraque invadiu o Kuwait com o interesse de dominar a região, situação barrada pela intervenção dos EUA.

No cenário asiático, a Rússia é a principal força produtora de petróleo e gás e, por sua posição estratégica, acaba exercendo influência direta sobre toda a região do Cáucaso. No que diz respeito ao comércio do petróleo e gás natural, a Rússia tem relações próximas com a União Europeia.

TEMAS EXTRAS

A Europa, por sua vez, importa mais da metade do gás que utiliza (67%). Me- tade do gás importado tem como origem a Rússia, o que ressalta a importância do entendimento sobre a anexação da Crimeia ao território russo, tendo em vista que a área serve de rota para gasodutos da região.

Os conflitos pelo petróleo marcam ainda o país mais novo do mundo e extre- mamente pobre. O Sudão do Sul (criado em 2011 após a separação do Sudão) vive uma guerra civil que opõe governo e rebeldes, tendo as disputas pelos dividendos do petróleo como plano de fundo dos confrontos.

f ATENÇÃO!

98% das receitas de exportação do país centram-se no petróleo.

Com relação à América Latina, o único membro a integrar a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) é a Venezuela. O país tem o petróleo como a principal fonte de fluxo econômico.

f IMPORTANTE!

Maior comprador do petróleo venezuelano são EUA.

Avião atingido por míssel na Ucrânia

Um avião da empresa da Malásia (Malaysia Airlines) caiu na Ucrânia, região próxima da fronteira com a Rússia, com 295 pessoas a bordo. A rota do voo era de Amsterdã, na Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia.

O avião era um Boeing 777 (fabricado nos Estados Unidos da América)

Abatido por um míssel, o episódio revelou o clima de tensão da região. O siste- ma que teria derrubado o Boeing 777 é de origem russa, desenvolvido pela então União Soviética, em 1979. BUK, como é conhecido o sistema, exige o manuseio de especialistas da área e pode ser programado em apenas 5 minutos.

LEIS SANCIONADAS RECENTEMENTE

Aprovado adicional de periculosidade para motoboys (Junho 2014)

Sancionada pela presidente Dilma em junho de 2014, a lei garante adicional de 30% para motoboys;

A lei deve beneficiar 1/3 da categoria, tendo em vista que grande parte dos motoboys trabalha sem carteira assinada (informalidade);

Lei da Palmada (Junho de 2014)

Pune responsáveis por castigos físicos a crianças;

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

Responsáveis pelas agressões serão encaminhados para atividades em grupo, cursos de orientação, tratamentos psicológico ou psiquiátrico. Além disso, os mesmos podem receber advertência legal.

DESTAQUE PARA OUTRAS LEIS EM VIGOR:

Sancionada lei que torna exploração e abuso sexual de crianças e adoles- centes como crime hediondo (Maio de 2014)

No final do mês de Maio, antes do início da Copa do Mundo de Futebol, a presidente Dilma Rousseff (PT) sancionou a lei que torna os crimes de ex- ploração e abuso sexual de crianças e adolescentes como crimes hediondos (ampliando a pena).

Não existe a possibilidade de fiança, progressão ou indulto.

Lei que dispensa idosos doentes de ir a órgãos públicos (Dezembro de 2013)

Lei dispensa os idosos para comparecimento em convocações do governo;

Quando o comparecimento for de interesse do governo, um profissional específico deverá se deslocar até a residência do mesmo;

Licença-maternidade para pais adotantes (Outubro de 2013)

A Lei nº 12.873 foi além e passou a conceder um benefício aos pais adotantes

que não é concedido aos pais biológicos. A partir dessa lei, tanto o mãe adotante ou o pai adotante poderão requerer a licença remunerada de 120 dias, desde que apenas um deles solicite o benefício e que o solicitante seja contribuinte da Previ- dência Social. Isso quer dizer que se a mãe não é contribuinte da Previdência, por exemplo, uma dona de casa, o pai adotante poderá solicitar a licença do trabalho por 120 dias e o salário-maternidade.

O solicitante do salário-maternidade deverá cumprir, obrigatoriamente, a licença

remunerada de 120 dias em casa. Também será possível que mesmo a mãe sendo contribuinte da Previdência, seja o pai a solicitar o salário-maternidade e licença de 120 dias. Não há na lei uma determinação para seja a mãe em primeiro lugar e caso esta não esteja apta a receber o salário-maternidade então se conceda ao pai. Essa opção não existe para os pais biológicos.

“Lei da profilaxia da gravidez” (Pílula do dia seguinte) (Agosto de 2013)

Lei trata do tratamento na rede pública de saúde de vítimas de estupro;

Hospitais do SUS (Sistema Único de Saúde) são obrigados a apresentar aten- dimento multidisciplinar a vítimas de violência sexual.

TEMAS EXTRAS

MEIO AMBIENTE / QUESTÃO ENERGÉTICA Utilização do volume morto do sistema Cantareira (SP)

O principal fornecedor de água para a população da grande São Paulo, o Sis- tema Cantareira, sofreu nos últimos meses com uma baixa considerável em suas reservas. Após discussões de especialistas da área, alternativas foram levantadas para a resolução do problema, tendo que a quantidade de chuvas no período não apresentou os índices necessários para equilibrar os reservatórios. Dentre as al- ternativas pensadas, a utilização do volume morto foi vista como a mais proveitosa saída para a resolução do problema.

Destrinchando o “volume morto”

Trata-se de uma reserva de água que fica abaixo das comportas;

Totaliza 400 milhões de metros cúbicos de água;

Recebe também o nome de “reserva técnica”;

O volume morto nunca foi utilizado;

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), a utilização do volume morto garante um abastecimento até novembro de 2014 para a população local.

f DICA!

O baixo índice de chuvas não é o único problema. A modificação do padrão de consumo também agrava a situação da falta de água. Pesquisas recentes mostram que o horário de pico e a intensidade da utilização com a ampliação dos produtos eletrônicos, modificaram- -se elevando a exigência do fornecimento de energia.

f ATENÇÃO!

Para que o volume morto seja utilizado uma obra precisou ser realizada. No total, 80 milhões de reais foram investidos.

f IMPORTANTE!

Especialistas afirmam que a água acumulada no volume morto pode estar contaminada, inclusive com metais pesados, sendo imprópria para o consumo. Por outro lado, o go- verno paulista confirma a realização de testes na água que possibilitam o seu consumo.

TEMA: SAÚDE

Avanço do vírus Ebola pela África Ocidental

Conhecido pela região oriental do continente africano, o vírus ebola tem feito vítimas pela porção oeste (ocidental) do continente. Desde o início do ano, 670 pes- soas já morreram pela contração do vírus, na porção oeste do continente africano.

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

f DICA!

Libéria e Serra Leoa são países afetados de maneira mais grave. Os países estão con- trolando suas fronteiras para impedir a proliferação da doença.

f ATENÇÃO!

O país mais populoso do continente africano, a Nigéria, está com alerta vermelho já que uma morte foi confirmada.

Destrinchando o vírus ebola

Não existe cura conhecida para o vírus ebola;

É considerado um dos vírus mais mortais do mundo;

Trata-se de um vírus altamente contagioso;

Cerca de 60% dos infectados acabam morrendo;

Os sintomas são: diarreia, vômitos, hemorragias (interna e externa).

NOTA

DE ATUALIZAÇÃO

02

Primavera Árabe

CAPÍTULO I

Primavera Árabe e seus desdobramentos – Conflitos Mundiais

CONFLITOS MUNDIAIS

` Item complementar

Avanço do Estado Islâmico

Estado Islâmico é um grupo sunita (jihadistas) que surgiu a partir do braço iraquiano da Al-Qaeda, cujo objetivo é criar um Estado islâmico em uma re- gião situada entre a Síria e o Iraque, que seja regido pela lei Sharia – código muçulmano cuja fonte primária é o Corão.

O califado, regime político-religioso sunita soterrado há um século com a queda dos otomanos, foi reestabelecido em um amplo território no Iraque e na Síria, conquistado após uma forte ofensiva iniciada em 9 de junho pelo EI, mas não é reconhecido internacionalmente.

f ATENÇÃO! Sunitas: maior corrente do islamismo, o nome deriva de Suna, livro biográfico com os ensi- namentos do profeta Maomé e considerado a segunda fonte da lei islâmica após o Alcorão. Representam quase 90% da população muçulmana. No Iraque, no entanto, não passam de 20%. Os sunitas, originalmente, tinham uma interpretação mais flexível dos textos sagrados e ação política e religiosa mais conciliatória e pragmática, permitindo diálogo maior com outras religiões. Para os sunitas, não é preciso descender de Maomé para ser um bom califa. Grupos como o EI e a Al Qaeda, além de ditadores como Saddam Hussein, pertencem ao grupo sunita. Xiitas: Representam cerca de 10% dos muçulmanos, mas, no Iraque, são 60% da população, concentrada principalmente no Sul. Seguem princípios mais rígidos e acreditam que apenas os líderes descendentes da família de Maomé são aprovados por Alá e, portanto, têm capacidade de tomar as decisões mais acertadas. Os confrontos com os sunitas começaram no ano 632, com a morte do profeta, seguida pela disputa sobre quem o sucederia como califa. Perseguidos nos governos sunitas do Iraque chegaram ao poder após a deposição de Saddam Hussein.

Qual a região de atuação do EI (Estado Islâmico)?

• O grupo tem atuado na Síria e no norte do Iraque (onde promoveu a expul- são de 1 milhão de curdos).

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

O Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL) – atualmente chamado apenas de Estado Islâmico (EI) – é um grupo jihadista radical que conseguiu recrutar milhares de combatentes.

• Fundação: O EI surgiu a partir do Estado Islâmico no Iraque, o braço iraquiano da Al-Qaeda dirigido por Abu Bakr al-Bagdadi. Em abril de 2013. Bagdadi anunciou que o Estado Islâmico do Iraque e a Frente Al-Nosra, um grupo jihadista presente na Siria, se fundiriam para se converter no Estado Islâmico do Iraque e Levante.

• Nacionalidades: Na Síria, a maioria dos combatentes em terra são sírios, mas seus comandantes costumam chegar do exterior e lutaram em Iraque, Chechênia, Afeganistão e em outras frentes. No Iraque, a maioria dos com- batentes são iraquianos. O EI também conta com centenas de combatentes francófonos, como franceses, belgas e magrebinos.

• Ideologia: O EI nunca jurou lealdade ao chefe da Al-Qaeda, mas o grupo defende o mesmo tipo de ideologia jihadista e anunciou ter instaurado um Estado Islâmico em uma região situada entre a Síria e o Iraque.

Segundo os princípios do EI, os cristão devem ser convertidos ao Islã, mortos ou devem pagar uma taxa religiosa. Já os xiitas são considerados infiéis.

f CURIOSIDADE!

O Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), que a partir de agora se chama Estado Islâmico (EI), pediu a todos os muçulmanos que jurem lealdade a seu chefe, proclamado califa, o que representa uma ameaça para o papel da Al-Qaeda na causa jihadista mundial.

f DICA!

COALIZÃO INTERNACIONAL CONTRA O EI – Liderados pelos EUA, um grupo de países se uniram para combater as tropas do EI. A coalizão internacional ganhou força após a decapitação de reféns estadunidenses, de dois britânicos e um francês.

f IMPORTANTE! Dentre as nações que aplicarão suas forças para exterminar o EI estão: •
f IMPORTANTE!
Dentre as nações que aplicarão suas forças para exterminar o EI estão:
• EUA
• Arábia Saudita
• França
• Jordânia
• Reino Unido
• Bahrein
• Dinamarca
• Catar
• Bélgica
• Irã (caso o avanço do grupo chegue
a estas regiões)
• Emirados Árabes Unidos
Turquia (inicialmente contrária aos
ataques)
Com relação ao Brasil, durante a Assembleia Geral da ONU (setembro), a presidente Dilma
Rousseff criticou os ataques ao EI. Mesmo assim, o governo dos EUA espera que o Brasil
auxilie o combate aos extremistas de alguma forma.

Economia Mundial

CAPÍTULO II

Economia Mundial e Blocos Econômicos (aspectos econômicos)

PARCEIROS COMERCIAIS DO BRASIL

` Item 10,1 – p, 39 do livro

Acabou aparecendo em algumas provas dados sobre a China (maior parceiro comercial do Brasil em 2012 e 2013), e a Alemanha (maior parceiro comercial do Brasil na Europa). Estabelecendo um ranking geral (ano de 2013), temos:

• China (Um dos problemas da relação Brasil-China é a dependência agrícola:

67% do que o Brasil vende para o país parceiro é soja),

EUA

Argentina

Alemanha

Holanda

Japão

Coreia do Sul

Itália

Nigéria

México

f DICA!

Importante o fato dos parceiros localizarem-se em diferentes espaços geográficos do globo. A Nigéria surpreende devido à importação de petróleo.

` Item 9 – p. 38

CRISE NA ARGENTINA 1

Recentemente, a Argentina esteve nos noticiários por não arcar com algumas dívi- das. O default (calote técnico) reascendeu uma discussão sobre a política econômica

1,

Fonte: http://agenciabrasil,ebc,com,br/internacional/noticia/2014-08/entenda-crise-que-levou-argentina- -calote-tecnico

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

do país e a interferência no cenário macrorregional, tendo em vista que o país é uma das grandes forças da América Latina.

Origem do calote: câmbio sobrevalorizado

Na década de 90, a Argentina manteve o regime de câmbio fixo, pelo qual um peso equivalia a um dólar com garantia na Constituição do país. Para financiar a moeda sobrevalorizada, a economia argentina tornou-se cada vez mais dependente do capital especulativo. Após a crise da Rússia, em 1998, e do Brasil, em 1999, a Argentina ainda resistiu por dois anos à fuga de divisas. No entanto, em dezembro de 2001, o governo do ex-presidente Fernando de la Rúa liberou o câmbio

Dívida impagável

A desvalorização abrupta do peso tornou impagável a dívida pública (externa e interna) do país, que era em boa parte corrigida pelo dólar. Sem reservas interna- cionais para honrar os compromissos, a Argentina viu-se obrigada a deixar de pagar os juros e a dívida principal dos papéis que havia emitido. Com a moratória, o país foi excluído do sistema financeiro internacional e ficou sem acesso a crédito externo

Renegociação: descontos de até 65%

Em 2005 e 2010, a Argentina renegociou a dívida e apresentou diversos planos de reestruturação. Dos credores internacionais, 93% aceitaram a proposta do governo argentino para quitar os débitos de forma parcelada com desconto de 60% a 65% no valor da dívida. No entanto, 7% não aceitaram o plano e decidiram contestar o acordo na Justiça norte-americana, que tem jurisdição sobre os títulos emitidos na Bolsa de Nova York

Fundos abutres e contestação na Justiça

Em novembro de 2012, o juiz de primeira instância Thomas Griesa, do Tribunal Federal de Nova York, aceitou a alegação de um grupo que representa 1% do total de credores e obrigou o pagamento do valor integral dos papéis, mais os juros. Esse grupo é formado pelos fundos abutres, que compram títulos podres e depois cobram o valor dos papéis na Justiça

Precedente perigoso

Segundo o governo argentino, a decisão do juiz Griesa abre precedente para que os demais 6% que não aceitaram o acordo de reestruturação também cobrem o valor integral da dívida. Alguns entraram com processo em outros tribunais dos Estados Unidos. Se esses grupos fossem cobrar hoje, a Argentina teria de desembol- sar cerca de US$ 15,4 bilhões, mais juros, o que ficaria em torno de US$ 17 bilhões. O montante equivale a mais da metade das reservas internacionais do país, em torno de US$ 30 bilhões.

e Blocos Econômicos (aspectos econômicos)

Derrotas na Justiça

Em agosto do ano passado, a Corte de Apelações do Segundo Circuito de Nova York manteve a sentença de Griesa e ordenou a Argentina a pagar a totalidade do US$ 1,3 bilhão devido aos fundos abutres. A batalha judicial arrastou-se até junho deste ano, quando a Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou os recursos do governo argentino e manteve as sentenças de primeira e segunda instâncias

Confisco

Desde então, a Argentina entrou numa corrida contra o tempo para evitar o calote. No fim de junho, o país depositou mais de US$ 1 bilhão em um banco de Nova York para pagar a parcela devida aos 93% de credores que aceitaram a renegociação. O juiz Griesa, no entanto, sustou o pagamento, alegando que o Banco de Nova York ajudaria a Argentina a violar a sentença judicial se permitisse ao país pagar os cre- dores da dívida reestruturada, antes dos fundos abutres, ganhadores do processo

Calote técnico

Em 30 de julho, venceu o prazo para que o governo argentino pagasse uma nova parcela da dívida renegociada. Sem ter como pagar aos credores que aceitaram a reestruturação, o país entrou em default técnico.

f IMPORTANTE!

Nos últimos meses, uma discussão sobre a entrada da argentina no “BRICS” (consultar página 38 do livro) passou a ser cogitada. Porém, não existe um consenso entre os países e, a própria situação econômica da Argentina, coloca uma grande interrogação.

SECA DA NASCENTE DO RIO SÃO FRANCISCO

` Item 16 – Rio São Francisco

A estiagem dos últimos meses reduziu, de maneira drástica, o fluxo de água da nascente e de afluentes do Rio São Francisco. No mês de setembro de 2014, foi confirmada a informação de que a nascente do rio, localizada na cidade de São Roque de Minas/MG, secou.

O fato provoca alteração nos ecossistemas locais e, segundo especialistas, está longe de ser resolvido. Estudiosos afirmam que, mesmo que a chuva venha com “força”, não resolverá o problema da seca em determinadas regiões, já que é ne- cessário o abastecimento do lençol freático para a revitalização da bacia.

f DICA!

Também conhecido por "Velho Chico", o Rio São Francisco atravessa os estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe, além do local onde nasce, Minas Gerais,

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

BRASIL NÃO ASSINA ACORDO PELO FIM DO DESMATAMENTO

` Item 17

No dia 23 de setembro, foi realizada em Nova Iorque (EUA) a Cúpula do Clima para discussão sobre problemáticas ambientais. Neste evento, países assinaram um acordo para extinguir o desmatamento até o ano de 2030.

f

DICA!

O

Brasil é o país com a maior floresta tropical do mundo,

Um total de 32 países, dos 193 que integram a ONU (Organização das Nações Unidas) assinou o acordo (destaque para Estados Unidos da América, Alemanha e França).

O documento (Declaração de Nova Iorque sobre Florestas) integra o conjunto de ações para a redução do aquecimento global e também foi assinado por um conjunto de 39 empresas (Cargill, Kellogg’s, Procter & Gamble, Unilever e L’Oreal).

f IMPORTANTE!

Três estados brasileiros apoiaram a ideia: Amazonas, Acre e Amapá. A adesão poderá ser feita até dezembro de 2015, quando acontece a Conferência Ambiental em Paris,

Outro acordo firmado entre países europeus foi o de repassar o equivalente a 1 bilhão de dólares para países pobres, com o intuito de preservar ou restaurar florestas.

f

ATENÇÃO!

O

texto prevê o fim do desmatamento para plantio de commodities agrícolas até 2020.

Esse é uma das principais razões da perda de florestas no Brasil, especialmente pelo avanço da área destinada à soja.

Segundo o Greenpeace, o caráter voluntário de adesão dos países, tira o crédi- to do projeto e o torna mais teórico do que prático. Além disso, outra lacuna é a questão da fiscalização com relação ao cumprimento do acordo.

Segundo o governo brasileiro, o texto do acordo fere a constituição e, por não ter sido negociado e o país não ter participado das discussões, fica difícil a adesão.

f DICA!

A Amazônia brasileira registrou um aumento de 29% na área desmatada (período ana- lisado: julho de 2012 até julho de 2013). Em cinco anos, é a primeira vez que o número apresenta um crescimento. O levantamento de dados foi realizado pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Destaque para o agravamento do problema nos estados do Pará, Mato Grosso e Rondônia.

e Blocos Econômicos (aspectos econômicos)

SISTEMA CANTAREIRA (SÃO PAULO) Utilização do volume morto do sistema Cantareira (SP)

` Item 18 – p. 76 do livro

O principal fornecedor de água para a população da grande São Paulo, o Sis- tema Cantareira, sofreu nos últimos meses com uma baixa considerável em suas reservas, Após discussões de especialistas da área, alternativas foram levantadas para a resolução do problema, tendo que a quantidade de chuvas no período não apresentou os índices necessários para equilibrar os reservatórios. Dentre as al- ternativas pensadas, a utilização do volume morto foi vista como a mais proveitosa saída para a resolução do problema.

Destrinchando o “volume morto”

Trata-se de uma reserva de água que fica abaixo das comportas;

Totaliza 400 milhões de metros cúbicos de água;

Recebe também o nome de “reserva técnica”;

O volume morto nunca havia sido utilizado;

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), a utilização do volume morto garante um abastecimento até novembro de 2014 para a população local.

f DICA!

O baixo índice de chuvas não é o único problema. A modificação do padrão de consumo também agrava a situação da falta de água. Pesquisas recentes mostram que o horá- rio de pico e a intensidade da utilização com a ampliação dos produtos eletrônicos, modificaram-se elevando a exigência do fornecimento de energia. Além disso, relatório da ONU afirmou que a má gestão governamental também apresenta sua parcela de culpa na escassez de água.

f ATENÇÃO!

Para a utilização do volume morto uma obra precisou ser realizada. No total, 80 milhões de reais foram investidos.

Aspectos negativos: especialistas afirmam que a água do volume morto pode estar contaminada com metais pesados, o que resultaria em prejuízos para os consumidores.

Aspectos positivos: o governo alega que testes foram realizados e nada foi constatado.

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

LIXÕES

` Item 15 – p. 73 do livro

No dia 2 de agosto de 2014 entrou em vigor a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Mesmo após um período de 4 anos para adaptação, grande parte das prefeituras enfrentam dificuldades para atender ao principal ponto da política destinar a melhor adequação para o lixo que não pode ser reaproveitado.

f DICA!

A PNRS foi sancionada em agosto de 2010, determinando ações como a extinção dos lixões do país, além da implantação da reciclagem, reuso, compostagem, tratamento do lixo e coleta seletiva nos municípios.

Dentre as alternativas destacam-se:

• Criação de aterros sanitários

• Incineração com baixo impacto ambiental

f IMPORTANTE!

Quais as punições para as cidades que não cumprirem?

As prefeituras com lixo a céu aberto podem responder por crime ambiental, com aplicação de multas de até R$ 50 milhões, além do risco de não receberem mais verbas do governo federal. Os prefeitos, por sua vez, correm o risco de perder o mandato.

PETRÓLEO

` Item 2 – p. 60 do livro

Questões referentes ao petróleo são recorrentes nas provas de “atualidades”. No grupo, já existe outra publicação que abarca os conflitos pelo petróleo ao longo da história (veja na área de arquivos). Inicialmente, pelo fato de ser um recurso não renovável de elevada rentabilidade. Além disso, os conflitos marcados pela sua influ- ência e exploração, ganharam destaque nos últimos anos, de maneira mais enfática.

Assim, retomar a importância do Oriente Médio, como região do globo com grande parcela das jazidas de petróleo, é de fundamental importância para o entendimento abrangente sobre os interesses de potências mundiais sobre a área.

f DICA!

As “ocupações” estadunidenses, ao longo da história, por países do Oriente Médio, re- montam a importância da área para a economia global (devido ao potencial petrolífero).

Por outro lado, no âmbito nacional, a descoberta do pré-sal “revolucionou” o processo de exploração do petróleo, por parte do Brasil. O que há poucos anos era dúvida, tornou-se dado concreto com o mapeamento da região que se estende do

e Blocos Econômicos (aspectos econômicos)

litoral de Santa Catarina ao Espírito Santo, com uma ampla quantidade de barris a serem explorados.

Em suma, os erros de análise sobre a questão do petróleo são bastante emblemá- ticos, principalmente no que tange aos termos utilizados para caracterizar a atuação de cada país no cenário econômico mundial. Assim sendo, produzir o petróleo não é o mesmo do que deter as jazidas. Para tanto, essa diferenciação se faz essencial.

Observe os maiores produtores de petróleo do mundo (dados comparativos entre 2011 e 2012).

f MAIORES PRODUTORES DE PETRÓLEO DO MUNDO (2011/2012)

 
   

Produção

Produção

 
 

País

Participação

mundial

em 2012

(milhões de

barris/dia)

em 2011

(milhões de

barris/dia)

Variação

(2011

-2012)

Arábia Saudita

13,3%

11,5

11,1

3,7%

Rússia

12,8%

10,6

10,5

1,2%

Estados Unidos

9,6%

8,9

7,8

13,9%

China

5%

4,1

4

2%

Canadá

4,4%

3,7

3,5

6,8%

Irã

4,2%

3,7

4,3

16%

Emirados Árabes Unidos

3,7%

3,4

3,3

1,6%

Kuwait

3,7%

3,1

2,9

8,9%

Iraque

3,7%

3,1

2,8

11,2%

10º

México

3,5%

2,91

2,94

-0,7%

11º

Venezuela (maior jazida)

3,4%

2,72

2,76

-1,5%

12º

Nigéria

2,8%

2,41

2,46

-1,9%

13º

Brasil

2,7%

2,14

2,19

- 2%

14º

Noruega

2,1%

1,9

2

- 7%

15º

Angola

2,1%

1,78

1,72

3,4%

16º

Catar

2%

1,96

1,83

6,3%

17º

Cazaquistão

2%

1,72

1,75

-1,6%

18º

Argélia

1,8%

1,66

1,68

-0,9%

19º

Líbia

1,7%

1,5

0,480

215%

20º

Colômbia

1,2%

0,950

0,920

3%

Sabendo da diferenciação entre produção e “maiores reservas do mundo”, os dados não são congruentes, observe as 20 maiores reservas do mundo, com base no mesmo período assinalado anteriormente.

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

f 20 MAIORES RESERVAS DO MUNDO (2002/2012)

 
   

Reservas

Reservas provadas em 2002 (bilhões de barris)

Cresci-

 

País

Partici-

pação

mundial

provadas em

2012 (bilhões

de barris)

mento

em 10

anos

Venezuela

17,8%

297,6

77,3

285%

Arábia Saudita

15,9%

265,9

2562,8

1,2%

Canadá

10,4%

173,9

180,4

-3,6%

Irã

9,4%

157,0

130,7

20,1%

Iraque

9,0%

150

115

30,4%

Kuwait

6,1%

101,5

96,5

5,2%

Emirados Árabes Unidos

5,9%

97,8

97,8

0%

Rússia

5,2%

87,2

76,1

14,6%

Líbia

2,9%

48

36

33%

10º

Nigéria

2,2%

37,2

34,3

8,5%

11º

Estados Unidos

2,1%

35

30,7

14%

12º

Cazaquistão

1,8%

30

5,4

455%

13º

Catar

1,4%

23,9

27,6

-13,4%

14º

China

1%

17,3

15,5

11,6%

15º

Brasil

0,9%

15,3

9,8

56,1%

16º

Angola

0,8%

12,7

8,9

42,7%

17º

Argélia

0,7%

12,2

11,3

8 %

18º

México

0,7 %

11,4

17,2

-33,7%

19º

Equador

0,5%

8,2

5,1

60%

20º

Noruega

0,4%

7,5

10,4

-27,9%

Fonte: Portal Exame

f

DICA!

Segundo a AIE (Agência Internacional de Energia), no ano de 2035, o Brasil triplicará sua capacidade de produção de petróleo, fazendo do país o sexto maior produtor do mundo (destaque para a camada Pré-sal). O maior impasse fica por conta do elevado investimento, por se tratar da exploração do petróleo em águas profundas, o que exige ampla tecnologia.

O

Petróleo é encontrado em bacias sedimentares.

f

IMPORTANTE!

O

pior desastre ambiental da história estadunidense (derramamento de petróleo) teve

um desfecho "salgado" para a petroleira responsável. O derramamento aconteceu no Golfo do México, em abril de 2010. A Halliburton será obrigada a pagar 1,1 bilhão de dólares. Na época, o acidente que contou com explosões de plataformas e causou a morte de 11 pessoas, além colaborar para a extinção de espécies e promover a redução de outras.

Aspectos políticos

CAPÍTULO IV

Aspectos políticos e sociais

MOVIMENTOS SEPARATISTAS

` Item Complementar

Atualmente, a discussão sobre a independência em determinados países ganhou ênfase. Regiões que lutam ao longo da história pela independência passaram a se articular de maneira prática para “consultar” a população sobre os reais efeitos de um desligamento de áreas dominantes.

Estas lutas por independência levantam a discussão sobre o redimensionamento das fronteiras geográficas no mundo moderno, tendo em vista que a ordem das fronteiras é encarada com pouco dinamismo. Porém, por outro lado, respingam interesses políticos e econômicos que acabam pesando na decisão final por parte da população e/ou governo.

O episódio mais recente aconteceu na Escócia, região ligada ao Reino Unido (juntamente com Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte). Após referendo rea- lizado no mês de setembro de 2014, cerca de 55% da população optou pelo “não”, mantendo o país ligado ao Reino Unido.

f DICA!

Observe a diferença entre plebiscito e referendo página 96 do livro,

Puderam votar residentes da Escócia (britânicos ou não), com idade superior a 16 anos. Os escoceses que vivem fora do país não puderam votar. A pergunta do referendo era a seguinte:

"Escócia deve se tornar um país independente?"

Vale destacar que algumas promessas foram construídas para que o “não” ven- cesse, como o caso de que o Parlamento Escocês terá maior autoridade frente ao Reino Unido. As promessas foram ofertadas pelos três maiores partidos britânicos:

Conservador

Trabalhista

Liberal Democrata

f IMPORTANTE!

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, se disse aliviado com a vitória do “não” na Escócia.

Rodolfo Muni� Alves Gracioli

Visando o fortalecimento do discurso em favor dos quatro países pertencentes ao Reino Unido, David Cameron defendeu a ideia de que cada uma das nações deva ter maior poder de decisão sobre assuntos “internos”. Desde o início da campanha de independência da Escócia, David Cameron se posicionou contrário.

f ATENÇÃO!

Existe diferença entre Reino Unido e Grã-Bretanha, observe:

f REINO UNIDO

f GRÃ-BRETANHA

Estado composto por quatro países:

Trata-se de uma ilha com estão 3 dos 4 países do Reino Unido:

Inglaterra.

Escócia,

– Inglaterra,

País de Gales e

– Escócia e

Irlanda do Norte,

– País de Gales,

Sistema político: Monarquia Constitucio- nal, com um governo parlamentar.

Sendo assim, não é correto afirmar que Reino Unido e Grã-Bretanha são sinôni- mos, tendo em vista que a Irlanda do Norte NÃO pertence à Grã-Bretanha,

Sede do governo: Londres, Inglaterra.

Chefe de Estado: Rainha Elizabeth II.

 

Primeiro-ministro: David Cameron

Escócia:

Capital: Londres

– Capital: Edimburgo

População 64,1 milhões

– População: 5,3 milhões

Área: 243,610 km 2

– Área: 78,782 km 2

 Área: 243,610 km 2 – Área: 78,782 km 2 Fonte: Office for National Statistics. Elaboração:

Fonte: Office for National Statistics. Elaboração: g1.com.br

e sociais

SEPARATISMO PELO MUNDO

Outros movimentos separatistas se destacam ao longo da história. Segundo es- pecialistas, caso a Escócia tivesse obtido a independência, a luta em outras regiões do mundo se intensificaria. Mesmo assim, a realização de um referendo no país do Reino Unido, reascende discussões em outras regiões.

A região do Flandres, norte da Bélgica, acredita que a independência é a melhor saída para o país. Na área de língua flamengo, o Partido Nacional Flamengo, acredita que o norte do país não deva sustentar o sul da Bélgica, onde se fala o valão.

A região de Veneza, na Itália, também convive com movimentos de defesa pela independência.

A Espanha convive com movimentos distintos em duas partes:

País Basco: com língua e cultura própria.

Catalunha: região onde já foi aprovada a realização de um referendo, apesar do governo espanhol não legitimá-lo, por ferir a Constituição. A região destaca-se economicamente e, as disputas, se intensificaram com a crise econômica e dicotomização entre Madri e Barcelona.

Na região do leste da Ucrânia os conflitos se estendem desde novembro de 2013 (consultar página 118 do material).

SUCESSÃO NO STF

` página 102

O novo presidente do Supremo Tribunal Federal é Ricardo Lewandowski, tendo

a ministra Carmen Lúcia como vice-presidente, Ricardo Lewandowski, 66 anos, é ministro há 8 anos e ficará como presidente por 2 anos, Ricardo Lewandowski formou- -se em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo e é professor titular da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Ele foi escolhido para o tribunal pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

f DICA!

Durante o julgamento do mensalão (entre os anos de 2012 e 2013), o atual presidente do STF enfrentou debates intensos com o ex-presidente do STF, o ministro Joaquim Barbosa. Como revisor da ação penal 470, Lewandowski defendeu a absolvição do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e do ex-presidente do PT José Genoino, mas foi voto vencido. A maioria do Supremo acabou condenando os dois petistas,

A presidente Dilma Rousseff esteve fora do país durante dois dias (setembro

de 2014), participando da Assembleia Geral da ONU. Neste período, assumiu a presidência do país o presidente do STF, o ministro Ricardo Lewandowski. Porém,

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

a linha de “sucessão” quando o presidente do país se ausenta, deve atender a seguinte “hierarquia”:

Vice-presidente: Michel Temer (PMDB)

Presidente da Câmara dos Deputados: Henrique Eduardo Alves (PMDB)

Presidente do Senado: Renan Calheiros (PMDB)

Presidente do STF: Ricardo Lewandowski

f

DICA!

Michel Temer – por ser candidato à reeleição, foi orientado a sair do país neste período (2 dias), para não confundir o eleitor com sua candidatura. A própria legislação eleitoral afirma que o candidato a vice não pode ocupar esta posição.

Henrique E. Alves – candidato ao governo do estado do RN ficou impossibilitado de assumir

a

presidência pelo período.

Renan Calheiros – o filho de Renan Calheiros concorrerá ao governo do estado de Alagoas,

o

que impede que o pai ocupe o cargo de presidente,

f

INFORMAÇÃO IMPORTANTE!

ministro Francisco Falcão é o novo presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça). O ministro ocupará o cargo por dois anos.

O

CONCEITOS RELACIONADOS À POLÍTICA

Complementando os conceitos dispostos no item 5, capítulo IV do livro (página 99) sobre o sistema político brasileiro.

Democracia Direta: quando o cidadão vota (diretamente) sem a participa- ção de intermediários. Esse modelo sugere um espaço pequeno e reduzido número de indivíduos.

Democracia Indireta ou Representativa: quando os cidadãos escolhem seus representantes. Este modelo é o mais aplicável nos dias de hoje.

ESCÂNDALOS ENVOLVENDO A PETROBRÁS

` Item 9 – p. 104 do livro

Nos últimos meses a Petrobrás tem sido destaque nos noticiários pelos diversos escândalos envolvendo funcionários e políticos. Com elevada importância e represen- tatividade econômica para o país, os escândalos fragilizam umas das empresas mais importantes do mundo. Neste envolto de tramas, a operação Lava-jato, deflagrada em março de 2014, revelou um forte esquema de lavagem de dinheiro.

e sociais

Segundo as investigações, o dinheiro da Petrobrás era repassado para indivíduos da base aliada do governo. A frente do esquema, personagens importantes como Paulo Roberto Costa (ex-diretor da empresa) que era responsável por pagar as propinas (de 2004 até 2012). Na outra ponta do esquema o doleiro Alberto Youssef, responsável pela lavagem do dinheiro e intermediação.

f IMPORTANTE!

Após aceitar participar da delação premiada, Paulo Roberto Costa apresentou uma lista de nome de políticos que estariam envolvidos no esquema. Segundo ele, 3% dos valores dos contratos fechados pela empresa, era repassado aos políticos. Dentre os políticos:

Renan Calheiros (PMDB-AL)

Roseana Sarney (PMDB-MA)

Sérgio Cabral (PMDB-RJ)

Investigações telefônicas da Polícia Federal revelaram a ligação do doleiro Alberto Youssef com políticos, como André Vargas (sem partido-PR). Nesse envolto, além da compra da refinaria de Pasadena (Texas, EUA) – con- sultar capítulo IV (Item 9 – p, 104 do livro), a compra da refinaria de Abreu e Lima (Pernambuco) levantou suspeitas. Segundo investigações, o ocorrido na refinaria de Abreu e Lima seria algo parecido com Pasadena. Com orçamento inicial de 2,3 bilhões de dólares, a refinaria apresenta orçamento atual de 20 bilhões de dóla- res. Além disso, existem investigações em andamento com relação a COMPERJ e os contratos superfaturados.

LEI MARIA DA PENHA

` Item 10.4 (página 110 do livro)

Em agosto de 2014, a Lei Maria da Penha completou 8 anos. Apesar de não erradicar a violência doméstica, as ações construídas a partir da lei são favoráveis. Os programas de assistência psicológica a mulher violentada tornaram as denúncias mais frequentes (aumento de cerca de 20%).

f DICA!

O número de centros especializados subiu de 92 para 231; o de casas de abrigo cresceu de 62 para 78; as delegacias da mulher e os núcleos de atendimento aumentaram de 328 para 500 e o de juizados e varas subiu de 19 para 100.

f

IMPORTANTE!

O

botão do pânico (Dispositivo de Segurança Preventiva – DSP) foi criado para proteger

mulheres que sofrem violência doméstica. Quando acionado, uma viatura da Guarda Mu- nicipal é enviada para o local (o dispositivo conta com um GPS) e, graças a um sistema de gravação de áudio, tudo passa a ser registrado. Caso seja necessário, a gravação poderá ser utilizada no processo criminal.

Rodolfo Muniz Alves Gracioli

` Item 7 (p. 102)

O eleitorado brasileiro cresceu cerca de 5% se comparado às últimas eleições (2010). Porém, o número de jovens (16 e 17 anos) caiu. Em 2010 eles representavam 2,3 milhões, enquanto este ano serão 1,6 milhão (duas razões básicas: envelhecimento da população e DESCRENÇA política por parte dos jovens).

Faixa etária predominante do eleitorado: 45 a 69 anos!

Número de eleitores neste ano: 142,822,046 (quase 143 milhões)

Ciência e tecnologia

CAPÍTULO V

Ciência e tecnologia

EBOLA

` Item complementar

Avanço do vírus Ebola pela África Ocidental

Conhecido pela região oriental do continente africano, o vírus ebola tem feito vítimas pela porção oeste (ocidental) do continente.

f DICA!

Libéria, Guiné e Serra Leoa são países afetados de maneira mais grave. Os países estão controlando suas fronteiras para impedir a proliferação da doença,

“Destrinchando” o vírus ebola

É considerado um dos vírus mais mortais do mundo;

Trata-se de um vírus altamente contagioso;

Cerca de 90% dos infectados acabam morrendo;

Os sintomas são: diarreia, vômitos, hemorragias (interna e externa);

Segundo dados oficiais divulgados pela Organização Mundial da Saúde (ver quadro esquemático sobre agências especializadas na ONU – página 77 do livro), o número de mortos pelo ebola, na