Você está na página 1de 35

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Aula1:Adistinçãoentreotextoargumentativoeotextonarrativo

Objetivos:

­ContextualizaradisciplinaTeoriaePráticadaArgumentaçãoJurídicacomocontinuidadedotrabalhode

produçãodaspeçasprocessuaisiniciadonadisciplinadesegundoperíodo.

­Reconhecerasdiferençasentretextonarrativoetextoargumentativo.

­Compreenderarelevânciadanarraçãoparaaproduçãodaargumentação.

EstruturadoConteúdo

1.TipologiaTextual

1.1.textonarrativo

1.2.textodescritivo

1.3.textodissertativo

1.4.textoinjuntivo

2.Característicasdesemelhançaedediferenciaçãoentrecadaumdostiposdetexto

3.Tipologiatextualemacro­estruturadaspeçasprocessuais

4.Narrativajurídicaaserviçodaargumentaçãodeteses

AplicaçãoPráticaTeórica

TodoprofissionaldoDireito,quandodescreveotipodeatuaçãoprofissionalqueescolheu,associaessa

atividadeàtarefaargumentativa.Osexemplosdeadvogados,promotoresedefensoresbemsucedidos

baseiam­seemumaatuação?argumentativa?brilhantequeconvençaomagistradodanecessidadede

concederatutelajurisdicionaldosdireitosdaquelesquerepresentamemjuízo.

Inicialmente,éfundamentalressaltaraideiadequeessaatuaçãoprofissionaldevesermarcadapela

eficiênciatécnicaepersuasiva,masnuncapodeperderdevistaaéticaeamoral.Lembremosqueantes

mesmodossistemasjurídicospositivados,ohomemdeveriapautarsuacondutapelosvaloresuniversais

doqueécertoejusto.

Diantedessecenáriogeral,precisamoslembrar,ainda,queopapelprincipaldodireitoécomporconflitose

queaatividadeprocessualémarcadapelocontraditórioepelaampladefesa.

Emoutraspalavras,quandoumadvogadoatuarnoJudiciárioparadefenderosinteressesdeseucliente,

teráacertezadequeestáaliparaajudarnasoluçãodeumconflitosocialcujacomposiçãonãofoi

conseguidapelaspartessemoauxíliodeterceiros.

Cadaumdosenvolvidosnademandaenxergaosfatosdeumamaneira,ouseja,cadaqualatribuiaosfatos

docasoconcretoumainterpretaçãodistinta(aquemaislheinteressa).

Aargumentaçãojurídicacaracteriza­se,especialmente,porservirdeinstrumentoparaexpressara

interpretaçãosobreumaquestãodoDireito,quesedesenvolveemumdeterminadocontextoespaciale

temporal.Aooperarainterpretação,impõe­seconsideraressescontextos,ater­seaosfatos,àsprovase

aosindíciosextraídosdocasoconcretoesustentá­lanoslimitesimpostospelasfontesdoDireito.

Parececlaroquenenhumjuizpodeapreciarumpedidosemconhecerosfatosquelheservemde

fundamento.ConformeressaltaFetzner,anarraçãoganhastatusdemaiorrelevância,porqueservede

requisitoessencialàproduçãodeumaargumentaçãoeficiente.Époressarazãoquesecostumadizerque

anarraçãoestáaserviçodaargumentação.

Resumidamente,umprofissionaldoDireitodeverecorreraotextoargumentativoparadefenderseuponto

devista,masparaosucessodessatarefa,precisater,antes,umaboanarração,naqualforamexpostosos

fatosdemaiorrelevânciasobreoconflitodebatido.

Paramelhorcompreenderascaracterísticasquedistinguemnarraçãoeargumentação,observeatabela.

Paramelhorcompreenderascaracterísticasquedistinguemnarraçãoeargumentação,observeatabela. 1

1

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

NARRAÇÃO

QualoObjetivo?ExporosfatosimportantesdocasoconcretoasersolucionadonoJudiciário.

Comoofatoétratado?Cadafatorepresentaumainformaçãoquecompõeahistóriadalideaserconhecidanoprocesso.

Qualotempoverbalutilizado?Pretéritoéomaisutilizado,porquetodososfatosnarradosjáocorreram.(Ex.:oempregado

sofreuumacidente);

Presente?fatosqueseiniciaramnopassadoequeperduramatéomomentodanarração.(Ex.:oempregadoestásem

capacidadelaborativa);

Futuro?nãoéutilizadoporquefatosfuturossãoincertos.

Qualapessoadodiscurso?Utiliza­sea3ªpessoa,portraduziraimparcialidadenecessáriaàatividadejurídica.

Comoosfatossãoorganizados?Osfatossãodispostosemordemcronológica,ouseja,namesmaordememque

aconteceramnomundonatural.

Quaisseuselementosconstitutivos?Umanarrativabemredigidadeveresponder,semprequepossível,àsseguintes

perguntas:a)Oquê?(fatogerador);b)quem?(partes);c)onde?(localdofato);d)quando?(momentodofato);e)como?

(maneiracomoosfatosocorreram);f)porquê?(motivaçõesdalide).

Qualanaturezadotexto?Otextonarrativotemnaturezapredominantementeinformativa.Suafunçãopersuasivaestá

atreladaàfundamentação.

Quantoàparcialidade:Umanarrativapodesersimples(imparcial)ouvalorada,dependendodapeçaaproduzir.

ARGUMENTAÇÃO

QualoObjetivo?Defenderumatese(pontodevista)compatívelcomointeressedapartequeoadvogadorepresenta.

Comoofatoétratado?Ofato(informação)narradoéaquiretomadocomostatusdeelementodepersuasão;éumelemento

deprovacomoqualdefendeatese.

Qualotempoverbalutilizado?Presenteéotempoverbalmaisadequadoparasustentaropontodevista.(Ex.:oautordeve

serindenizadoporseuempregador);

Pretéritodeveserusadopararetomarosfatos(provas/indícios)relevantesdanarração,comosquaisdefenderáatese.

(Ex.:oautordeveserindenizadoporseuempregadorporquesofreuumacidentenolocaldetrabalho);

Futurodeveserusadoaodesenvolverashipótesesargumentativas.(Ex.:otrabalhadordevereceberobenefíciodoINSS,

pois,casocontrário,nãoterácomosesustentar).

Qualapessoadodiscurso?Tambémseutilizaa3ªpessoa,pelamesmarazão.

Comoosfatossãoorganizados?Osfatoseasideiassãoorganizadosemordemlógica,ouseja,damaneiramaisadequada

paraalcançarapersuasãodoauditório.

Quaisseuselementosconstitutivos?Antesderedigirumaargumentaçãoconsistente,tenterefletirsobre,pelomenos,as

seguintesquestões:a)Qualofatogeradordoconflito?b)qualatesequeserádefendida?C)comquefatossustentaráessa

tese?d)Quetiposdeargumentodeveráutilizar?

Qualanaturezadotexto?Otextoargumentativotemfunçãopersuasivaporexcelência.

Quantoàparcialidade:Nãohácomodefenderumatesesemadotarumposicionamento.Todaargumentaçãoévalorada.

Quantoàparcialidade:Nãohácomodefenderumatesesemadotarumposicionamento.Todaargumentaçãoévalorada. 2

2

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

CasoConcretoAula1:

Sãoapresentadosdoistextosadiante.Emprimeirolugar,identifiqueseessestextossãonarrativosou

argumentativos.Emseguida,procurejustificarsuarespostapormeiodacópiadealgunsfragmentos

pontuais.Vocêpodeusarcomoparâmetroatabelaexplicativaanterior.

Texto1

Nãoédehojequeeudefendoqueoadvogadoequalquercidadãopodemgravarasconversastravadas emmesadeaudiência,semanecessidadedeavisaraospresentes,entreelesapessoadoMagistradoque apreside. Antigamente,issoeraimpossíveldeocorrerporcontadotamanhodosgravadoresedanecessidadede estarempróximosdequemfalavaparaobtençãonítidadavoz.Comodesenvolvimentodenovas tecnologias,sãoinúmerasas?traquitanas?quegravamvozadistânciaecomexcelenteresultadoem termosdequalidadedeaudição. Nãovejoenemnuncavinenhumailicitudenisso.Asaudiênciassãopúblicas,quemasgravabuscao registrodetudoparasuaposteriororientaçãoetambém,emeventuaiscasos,paraoexercícioplenoda

suadefesa(art.5,LVdaCRFB).Filmarrecainamesmíssimahipótese.

Hojejáexisteprojetoemcursodeimplantação?nasVarasquecontamcomprocessoseletrônicos?dese

gravaravozefilmaraimagemdetodos,criandoummelhorregistroaoprocessoealcancedeumamaior

transparênciaepublicidade.Osaldopositivodesegravaréproporcionaratodososqueparticipam

daquelemomentodeembatejurídicoorespeito,acordialidade,otratamentopolido,evitarironias,críticas

pessoais,assédioprocessual/judicial,etc.Enfim,nãofazmalalgumgravartudo,poisquemnãodevenão

teme.( )

Texto2

Oautor,dereputaçãoilibada,dirigiu­seàempresa­réafimdeadquirirautomóvelnovo,paracomemoraro diadospaisvindouro,comsuaesposaefilha,assinandodeclaraçãocomoinstrumentocomprobatóriodo

termoderesponsabilidadeassumido(documentonº137/12).

Nestestermos,aspartescombinaram,decomumacordo,queoautomóvelnovoestariadisponívelparao

autorcincodiasdepois.Noentanto,paraabsolutasurpresadoautor,nodiacombinadooautomóvelsequer haviachegadoàconcessionária.Ressalta­sequeoautorjáhavia,nestadata,entregueseuveículoà empresa­ré,encontrando­seemsituaçãodecompletodesamparo. Aesposadoautor,nesteínterim,foiacometidademalsúbito,tendosidooseuatendimentoprejudicado devidoàdemoraparachegaraohospital,jáquetevedeirdetáxi.Aentradanaseçãodopronto­socorrodo

hospitalfoiregistradaàs21horasdodia17dejunhode2012,conformedocumentoemanexo(documento

podendosequerselocomoversemauxíliodeterceiros.

)e,atéaconsumaçãodoatendimentoerespectivamedicação,suportouintensasdores,não

Aula2:Silogismoaserviçodaargumentação.

Objetivos

­Identificarconceitoeestruturadosilogismo.

­Estabelecerumarelaçãoentreoraciocíniopositivistaeosilogismo­métodopeloqualaquelese

operacionaliza.

­Reconheceraimportânciadoraciocíniosilogísticoparaaargumentaçãojurídica.

operacionaliza. ­Reconheceraimportânciadoraciocíniosilogísticoparaaargumentaçãojurídica. 3

3

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

­Identificararelevânciadarazoabilidadeparaapersuasãodecadatipodeauditório.

EstruturadoConteúdo

1.Silogismo:

1.1.definiçãoeestrutura: éumtermoprovenientedogregoantigoesignifica“raciocínio”,éumapalavra

muitoutilizadanomeiofilosófico,principalmentenosestudosrealizadosporAristóteles.Essefilósofo

efetuouoconceitodeargumentaçãológicaeperfeitabaseadaemtrêsproposiçõesrelacionadasentresi.

Apartirdessastrêsproposiçõesépossívelencontrarumaconclusão,sendoasduasprimeiras

consideradas“premissas”.AideiadesilogismofoipublicadaporAristótelesnosestudos“Analíticos

anteriores”.

Todasaspremissasencaminhamopensamentoparaaconclusãosemprehavendoumarelaçãocoerente

entreastrês,ouseja,umarelaçãodecausaeconsequência.Podemosdizer,queosilogismoéum

argumentodedutivoconstituídoportrêsproposiçõesqueseapresentamdemaneiraencadeada:

● Premissamaior(1ª)

● Premissamenor(2ª)

● Conclusão(3ª)

Exemplos:

● Todohomemémortal(premissamaior)

● homeméosujeitológico,eficaantesdoverbo;

● érepresentaaação,istoé,overboqueexprimearelaçãoentresujeitoepredicado;

● mortaléopredicadológico,eficaapósoverbo.

● Sócrateséhomem(premissamenor)

Logo,Sócratesémortal(conclusão).

2.SilogismoePositivismo

3.SilogismoeArgumentação

4.Razoabilidadeeargumentaçãosilogística

AplicaçãoPráticaTeórica

OensinodeDireitonoBrasilfundousuasraízesemforteinfluênciadochamadoPositivismojurídico.

Segundoessadoutrina,osprofissionaisqueatuamnasoluçãodeconflitoslevadosaoJudiciáriodeveriam

encontrarosentidododireitonosistemadenormasescritasqueregulamavidasocialdeumdeterminado

povo.

Deacordocomosadeptosdessateoria,portanto,apráticajurídicadeverialimitar­seàaplicaçãoobjetiva

dasnormasvigentesaocasoconcretoquesepretendiaanalisar,pormeiodeummétododenominado

silogismo.Essemétodocaracteriza­seporumaoperaçãológicaemquecompeteaojuizamoldaros

acontecimentosdavidacotidianaànormapropostapeloEstado.

Naprática,osilogismoapresentatrêsproposições:premissamaior,premissamenoreconclusão,quese

dispõemdetalformaqueaconclusãoderivademaneiralógicadasduaspremissasanteriores.Masserá

quealeideveseraplicadaaqualquercusto,oucabeaomagistradointerpretaravontadedolegisladore

usaranormacomrazoabilidade?Nessesentido,vamosrefletirsobreocasoconcretoqueselê.

usaranormacomrazoabilidade?Nessesentido,vamosrefletirsobreocasoconcretoqueselê. 4

4

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

CasoConcretoAula2:

"AMARÉFACULDADE,CUIDARÉDEVER",DIZMINISTRA.

ATerceiraTurmadoSuperiorTribunaldeJustiça(STJ)condenouumpaiaindenizaremR$200milafilha

por"abandonoafetivo".Adecisãoéinédita.Em2005,aQuartaTurmadoSTJhaviarejeitadoindenização

pordanomoralporabandonoafetivo. OcasojulgadoédeSãoPaulo.Aautoraobtevereconhecimentojudicialdepaternidadeeentroucomação contraopaiportersofridoabandonomaterialeafetivoduranteainfânciaeadolescência.Ojuizdeprimeira instânciajulgouopedidoimprocedenteeatribuiuodistanciamentodopaiaum"comportamentoagressivo" damãedelaemrelaçãoaopai.Amulherapelouàsegundainstânciaeafirmouqueopaiera"abastadoe próspero".OTribunaldeJustiçadeSãoPaulo(TJSP)reformouasentençaefixouaindenizaçãoemR$

415mil.

NorecursoaoSTJ,opaialegouquenãohouveabandonoe,mesmoquetivessefeitoisso,nãohaveria ilícitoaserindenizáveleaúnicapuniçãopossívelpelafaltacomasobrigaçõespaternasseriaaperdado poderfamiliar. AministraNancyAndrighi,daTerceiraTurma,noentanto,entendeuqueépossívelexigirindenizaçãopor danomoraldecorrentedeabandonoafetivopelospais."Amaréfaculdade,cuidarédever",afirmouelana decisão.Paraela,nãohámotivoparatratarosdanosdasrelaçõesfamiliaresdeformadiferentedeoutros danoscivis. "Muitosmagistrados,calcadosemaxiomasquesefocamnaexistênciadesingularidadesnarelação familiar­sentimentoseemoções­,negamapossibilidadedeseindenizaroucompensarosdanos decorrentesdodescumprimentodasobrigaçõesparentaisaqueestãosujeitososgenitores",afirmoua ministra."Contudo,nãoexistemrestriçõeslegaisàaplicaçãodasregrasrelativasàresponsabilidadecivile oconsequentedeverdeindenizar/compensar,nodireitodefamília". Aministraressaltouque,nasrelaçõesfamiliares,odanomoralpodeenvolverquestõessubjetivas,como afetividade,mágoaouamor,tornandodifícilaidentificaçãodoselementosquetradicionalmentecompõemo danomoralindenizável:dano,culpadoautorenexocausal.Porém,entendeuqueapaternidadetraz vínculoobjetivo,comprevisõeslegaiseconstitucionaisdeobrigaçõesmínimas. "Aquinãosefalaousediscuteoamare,sim,aimposiçãobiológicaelegaldecuidar,queédeverjurídico, coroláriodaliberdadedaspessoasdegeraremouadotaremfilhos",argumentouaministra. Nocasoanalisado,aministraressaltouqueafilhasuperouasdificuldadessentimentaisocasionadaspelo tratamentocomo"filhadesegundaclasse",semquefossemoferecidasasmesmascondiçõesde desenvolvimentodadasaosfilhosposteriores,mesmodianteda"evidente"presunçãodepaternidadeeaté depoisdeseureconhecimentojudicial. Alcançouinserçãoprofissional,constituiufamíliaefilhoseconseguiu"crescercomrazoávelprumo". Porém,ossentimentosdemágoaetristezacausadospelanegligênciapaternaperduraram,caracterizando odano.OvalordeindenizaçãoestabelecidopeloTJ­SP,porém,foiconsideradoaltopeloSTJ,quereduziu

aR$200mil,valorquedeveseratualizadoapartirde26denovembrode2008,datadojulgamentopelo

tribunalpaulista.

Questãodiscursiva

Nocasoconcretoapresentado,percebe­sequeoJudiciárioreconheceuodireitoàindenizaçãopordanos

moraisdecorrentesdeabandonoafetivo.Atéentão,entendia­sequeoamoréumbemjurídiconãoexigível,

razãopelaqualasindenizaçõeseramsistematicamentenegadas.

ReleiaaafirmaçãodaMinistraNancyAndrighiacercadessaquestão:"Muitosmagistrados,calcadosem

axiomasquesefocamnaexistênciadesingularidadesnarelaçãofamiliar­sentimentoseemoções­,

negamapossibilidadedeseindenizaroucompensarosdanosdecorrentesdodescumprimentodas

obrigaçõesparentaisaqueestãosujeitososgenitores".

obrigaçõesparentaisaqueestãosujeitososgenitores". 5

5

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Combasenasinformaçõesrecebidasnaauladehoje,comente,ematé10linhas,acitaçãodaMinistra

NancyAndrighi.Utilize,paratanto,osconceitosdiscutidosnaauladehoje.

Aula3:Demonstraçãoeargumentação

Objetivos

­Estabeleceradiferençaentredemonstraçãoeargumentação.

­RelacionardemonstraçãoeostiposdeprovaadmitidosemDireito.

­Compreenderacontribuiçãodademonstraçãoparaaargumentaçãojurídica.

EstruturadoConteúdo

1.Procedimentodemonstrativo

1.1.Características

1.2.Meiosdeprovaeargumentatividade

2.Argumentação

2.1.Características

2.2.Relaçãoentredemonstraçãoeargumentação

AplicaçãoPráticaTeórica

Fetznerreconhecequeademonstraçãopodeauxiliaraargumentaçãoaalcançarseusobjetivos.Segundo

osautores,ademonstraçãocaracteriza­seporserum“meiodeprova,fundadonapropostadeuma

racionalidadematemática”,aqualéoperacionalizadapelalógicaformal–silogismo.

Háprovastestemunhais,documentais,periciais,etc.

Ademonstraçãocaracteriza­sepormeiodeprovaqueauxilianaconstruçãodosargumentos.

Atítulodeexemplo,reconheçamosque,paradesenvolverumaargumentaçãoqueconvençaomagistrado

daprocedênciadopedidodealimentos,énecessáriodemonstrarquerealmenteorequeridotemessa

obrigaçãodealimentarorequerente,ouseja,éfundamentalqueaparteautorademonstreapaternidade

paraojuiz,semaqualnãotemqualquerserventiaofundamentojurídicoselecionado.

CasoConcretoAula3:

Observeasquatrofontesabaixoqueapresentaminformaçõessobreosmeiosdeprovaadmitidosem

direitoparaacomprovaçãodapaternidade.

1)Art.1.605doCódigoCivil:nafalta,oudefeito,dotermodenascimento(certidão),poderáprovar­sea

filiaçãoporqualquermodoadmissívelemdireito:I­quandohouvercomeçodeprovaporescrito,

provenientedospais,conjuntaouseparadamente;II­quandoexistiremveementespresunçõesresultantes

defatosjácertos.

2)STJSúmulanº301(18/10/2004)

AçãoInvestigatória­RecusadoSupostoPai­ExamedeDNA­PresunçãoJurisTantumdePaternidade.

Emaçãoinvestigatória,arecusadosupostopaiasubmeter­seaoexamedeDNAinduzpresunçãojuris

tantumdepaternidade.

Emaçãoinvestigatória,arecusadosupostopaiasubmeter­seaoexamedeDNAinduzpresunçãojuris tantumdepaternidade. 6

6

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

3)Jurisprudência(Açãodeinvestigaçãodepaternidade.Processonúmero

CIVILEPROCESSUAL.AÇÃOINVESTIGATÓRIADEPATERNIDADE.DESISTÊNCIADAPRÓPRIA MENOR,PORSUATUTORA.DESCABIMENTO.DIREITOINDISPONÍVEL.APURAÇÃODAVERDADE REAL.EXAMEDNAPOSITIVO.CONFORMAÇÃODOPAIINVESTIGADO. I.Odireitoaoreconhecimentodapaternidadeéindisponível,peloquenãoépossívelàtutoradamenor desistirdaaçãojáemcurso,aoargumentodequeaadoçãoquesepropunhaelaprópriafazereramais vantajosaàtutelada,eque,atodotempo,seriapossívelàautoranovamenteintentarigualpedido,por imprescritível. II.Caso,ademais,emquejáhouvera,inclusive,arealizaçãodetestedeDNA,comaconfirmaçãoda paternidadeinvestigada,sendointeressedamenoredoEstadoaapuraçãodaverdadereal. III.Corretos,pois,asentençaeoacórdãoestadualque,rejeitandoopedidodedesistência,julgaram procedenteaaçãoinvestigatória. IV.Recursoespecialnãoconhecido.

4)Leiaoartigoadiante:

AediçãodoDiárioOficialdaUniãode30/7/2009trazaíntegraatualizadadaLei8.560/02,queregulaa

investigaçãodepaternidadedefilhosnascidosforadocasamento.Anovanormaestabeleceapresunção depaternidadenocasoderecusadosupostopaiemsubmeter­seaoexamedecódigogenético(mais conhecidocomoexamedeDNA)emprocessoinvestigatórioabertoparaessafinalidade.Atualmente,a Justiçabrasileirajátemreconhecidoapresunçãodepaternidadenessescasos. Agora,comalei,arecusadoréuemsesubmeteraoexamedecódigogenético(DNA)geraráapresunção depaternidade.Entretanto,apresunçãodepaternidadedeveráserapreciadaemconjuntocomocontexto maisamplodeprovas,comoelementosquedemonstremaexistênciaderelacionamentoentreamãeeo supostopai.Nãosepoderápresumirapaternidadesehouverprovassuficientesquedemonstremafaltade fundamentodaação. Osprecedentes

ApaternidadepresumidajáéentendimentopacificadonoSuperiorTribunaldeJustiçadesde2004.Existe

atéumasúmulasobreotema,a301,publicadaemnovembrodaqueleano.

Oentendimentocomeçouaserconsolidadoem1998.CombasenovotodoministroRuyRosado,a4ª

Turmadecidiuquearecusadoinvestigadoemsubmeter­seaoexamedeDNA—nocasoconcreto,

marcadopor10vezes,aolongodequatroanos—aliadaàcomprovaçãoderelacionamentosexualentreo

investigadoeamãedomenorgeraapresunçãodeveracidadedasalegaçõesdoprocesso(REsp.

)

13.536­1).

Emoutrocaso,oministroBuenodeSouzalevouemcontaofatodeosupostopaiterserecusado,portrês vezes,afazeroexame.“Ainjustificávelrecusadoinvestigadoemsubmeter­seaoexamedeDNAinduz

presunçãoquemilitacontraasuaresignação”,afirmou(REsp.55.958).

A3ªTurmatambémconsolidouessaposiçãoaodecidirque,“anteoprincípiodagarantiadapaternidade

responsável,revela­seimprescindível,nocaso,arealizaçãodoexamedeDNA,sendoquearecusadoréu desubmeter­seatalexamegeraapresunçãodapaternidade”,conformeacórdãodarelatoriadaministra

NancyAndrighi(REsp.25.626­1).

Várioseantigossãoosjulgamentosquesolidificaramessaposiçãoatéqueotribunaldecidissesumulara

questão,agilizando,dessaforma,aanálisedosprocessoscomesseintuitonasduasturmasda2ªSeção,

especializadaemDireitoPrivado.CominformaçõesdaAssessoriadeImprensadoSuperiorTribunalde Justiça.

SugerimosleraíntegradaLein.8.560/02.

(http://www.conjur.com.br/2009­jul­30/leia­integra­lei­investigacao­paternidade)

Comoconteúdoministradonaaulafoipossívelcompreenderqueademonstraçãoestáaserviçoda

argumentação.Apósaleituradasfontesacimaindicadas,verificou­sequeaprovademonstrativa(DNA)

podesereventualmentedispensada,sehouverfundamentadasrazõesparaisso.

podesereventualmentedispensada,sehouverfundamentadasrazõesparaisso. 7

7

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Vamosfazerumexercícioderaciocínio?Indiqueoutrassituaçõesjurídicasemqueaprovademonstrativaé

amaisadequadaparaconstruiraargumentaçãojurídica,masaimpossibilidadedesuaproduçãoautorizao

usodeoutrasprovas,flexibilizandoorigorjurídicoemnomedabuscadaverdade.

Aula4:Estruturaelinguagemdotextoargumentativo:situaçãodeconflito,teseecontextualização

doreal.

Objetivos

­Compreenderqueatarefadepersuadiromagistradoterámaischancesdesucessoseforbemplanejado

otextoargumentativo.

­Desenvolveroplanejamentodotextoargumentativopelaseleçãodoselementos:a)situaçãodeconflito;

b)tese;c)contextualizaçãodoreal(fatos­provaseindícios).

­Redigircadaumdoselementosconstitutivosdoplanejamentodaargumentação.

EstruturadoConteúdo

1.Estruturaelinguagemdotextoargumentativo

2.Elementosestruturaisdaargumentação

2.1.Situaçãodeconflito

2.2.Tese

2.3.Contextualizaçãodoreal

2.3.1.Tiposdeprova

2.3.2.Indícios

AplicaçãoPráticaTeórica

Aproduçãodotextoargumentativopressupõeumraciocínioextremamentecomplexo,queselecionae

organizaváriasinformações.Oadvogadojáexperienterealizaesseprocedimentomentalmente,maspara

oestudantedeDireito,porquestõesdeordemdidática,éimportantequeessapreparaçãosejafeita,por

escrito,passoapasso.Nestaaula,seguiremosastrêsprimeirastarefas:a)identificaçãodasituaçãode

conflito;b)escolhadateseaserdefendida;c)seleçãodosfatospormeiodosquaisateseserádefendida.

SegundoFetzner,registrarasituaçãodeconflitoéfundamentalparadelimitaraquestãosobreaqualse

argumentará.Issoporqueserãofornecidososelementosindispensáveisparacomporocasoconcretoe

inseri­lonocontextojurídico.Nesta,ooradordefiniráacentralidadedaquestãojurídicaqueestarásob

apreciação,istoé,ofatojurídico.Emseguida,identificaráaspartesenvolvidasnalide,devidamente

qualificadas,determinandoaqueleque,emtese,representaosujeitopassivoeoqueseráconsiderado

sujeitoativo.Porfim,estabeleceráquandoeondeestaocorreu.

Ateserepresentaopontodevistaaserdefendido,combaseemtodasasinformações(fatos)disponíveis

sobreocasoconcretoenoslimitespermitidospelanorma.

Paraconseguirsustentaratese,torna­senecessárioextrairdocasoconcretotodasasinformaçõesque,

explícitaouimplicitamente,concorremparacomprová­la.Compreenderocasoconcreto,interpretartodas

assuassutilezas,valorá­las,apreenderosdiversossentidosqueummesmofato,provaouindício

promoveméfundamentalparaaproduçãodeumtextoargumentativoconsistente.Éessaseleçãodefatos

querepresentaacontextualizaçãodoreal.

querepresentaacontextualizaçãodoreal. 8

8

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

CasoConcretoAula4:

Leiaocasoconcretoe,emseguida,façaoquesepede.

ChefeécondenadoapagarR$60milporobrigarfuncionáriaausarjeansapertado:aex­funcionáriaalega

queelefaziacomentáriosinapropriadossobreoseucorpoequeochefechegouasematricularnaaulade

ciclismoparaobservá­la

Ocódigodecondutadecomosevestirnotrabalho­dresscodecorporativo­paramulheressegue geralmenteacomposiçãodeblusaecalçadiscretas.Nadadedecote,saiacurtaoualgomuitojusto.

Masnãoeraessaaordemdadaaumafuncionáriade21anosquetrabalhavaemumpostode

combustíveisnaZonaSuldeSãoPaulo.Oseuchefe,RobertoGuerraSantiago,de65anos,obrigavaa

jovematrabalhardeshortsjeansjustos.Afuncionáriadecidiulevaroassédiosexualàjustiça. Segundorelatosdosdemaisfuncionários,opatrãofaziacomentáriossugestivossobreosseiosenádegas dajovemdiariamente.?Tudocomeçoucomcomentáriossobremeubumbumenquantoeulavavaos para­brisasdoscarros?,contouela. "Durantemeusdezmesestrabalhandonaempresa,quasetodososdiaseuouviaumcomentário inapropriadosobreomeucorpoesobrecoisasqueeleiriafazercomigo",disseaex­funcionária,quenão quisseidentificar. Oentãochefechegouaobrigá­laausarumshortqueelemesmohaviacomprado.?Vocênãopodevestir qualqueroutrojeansparatrabalharapartirdeagora,porqueagoraeutenhoalgobonitoparaolhar?,teria dito. Robertochegouaseinscrevernasaulasdeciclismoqueagarotafrequentavaapenasparaseaproximar delaeobservá­la."?Elegeralmentedizianafrentedosmeuscolegas:'Euvouobservaroseubumbumhoje ànoite'." Aautoraacrescentouqueeletambémcostumavadizeroquantoelaerabonitaequefaziaosmesmos comentáriossobreasmulheresquepassavamaoposto."Elepareciaobcecadopormulheresjovense bonitas". Umdosfuncionáriosdaempresadisseque,apesardeaautoraafirmarqueexecravaoscomentários sexistas,chegouaserpromovidaagerenteerecebeuapromessadequepoderiaganharmuitomais dinheiroseosnegóciosdaempresa"deslanchassem".

(http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/1,,EMI295911­16418,00.html,comadaptações)

Consultetambémasseguintesfontes:

1)Jurisprudência:

TRTda17ªRegiãoprolatou:?ahumilhaçãorepetitivaedelongaduraçãointerferenavidadoassediadode

mododireto,comprometendosuaidentidade,dignidadeerelaçõesafetivasesociais,ocasionandograves

danosàsaúdefísicaemental,quepodemevoluirparaaincapacidadelaborativa,desempregooumesmoa

morte,constituindoumriscoinvisível,porémconcreto,nasrelaçõesecondiçõesdetrabalho?.

2)Doutrina:

Oselementosessenciaisparaacaracterizaçãodoassédiomoralnoambientedetrabalhoéareiteraçãoda

condutaofensivaouhumilhante,umavezque,sejamcapazesdecausarlesõespsíquicasàvítima,ouseja,

oempregadodevesofreralgumtipodetorturapsicológica,destinadaadestruir­lheaautoestima.Sãoainda

elementosessenciaisasrelaçõeshierárquicasdesumanasesemética,marcadaspeloabusodopodere

manipulaçõesperversas,eocercocontraumempregado.

(http://www.correadesouza.adv.br/artigos/assedio­moral­no­direito­do­trabalho/)

(http://www.correadesouza.adv.br/artigos/assedio­moral­no­direito­do­trabalho/) 9

9

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

3)CONSTITUIÇÃODAREPÚBLICAFEDERATIVADOBRASIL:

Art.1ºARepúblicaFederativadoBrasil,formadapelauniãoindissolúveldosEstadoseMunicípiosedo

DistritoFederal,constitui­seemEstadoDemocráticodeDireitoetemcomofundamentos:

II­acidadania; IIII­ dignidadedapessoahumana; IVosvaloressociaisdotrabalhoedalivreiniciativa;

Art.5º

IIIninguémserásubmetidoàtorturaouatratamentodesumanooudegradante; Véasseguradoodireitoderespostaproporcionalaoagravo,alémdeindenizaçãopordanomaterial,moral ouàimagem; Xsãoinvioláveisaintimidade,avidaprivada,ahonra,aimagemdaspessoas,asseguradoodireitoà indenizaçãopelodanomaterialoumoraldecorrentedesuaviolação;

Art.6ºSãodireitossociaisaeducação,asaúde,otrabalho,olazer,asegurança,aprevidênciasocial,a

proteçãoàmaternidadeeainfância,aassistênciaaosdesamparadosnaformadestaconstituição.

Art.7ºSãodireitosdostrabalhadoresurbanoserurais,alémdeoutrosquevisemàmelhoriadesua

condiçãosocial:

I­arelaçãodeempregoprotegidacontradespedidaarbitráriaousemjustacausa,nostermosdaLei complementar,quepreveráindenizaçãocompensatória,dentreoutrosdireitos; XXVIII­segurocontraacidentesdotrabalho,acargodoempregador,semexcluiraindenizaçãoaqueeste estáobrigadoseincorrercomdoloouculpa; XXX­proibiçãodediferençasdesalário,deexercíciosdefunçõesedecritériosdeadmissãodo trabalhadorportadordedeficiência; XXXIV­igualdadededireitosentreotrabalhadorcomvínculoempregatíciopermanenteeotrabalhador avulso.

Art.9ºÉasseguradoodireitoderevê,competindoaostrabalhadoresdecidirsobreaoportunidadede

exercê­loesobreosinteressesquedevapormeiodeledefender.

Art.170.AOrdemEconômica,fundadanavalorizaçãodotrabalhohumanoenalivreiniciativa,temporfim

asseguraratodosexistênciadigna,conformeosditamesdajustiçasocial,observadososseguintes

princípios:

VIII­buscapeloplenoemprego

Aula5:Estratégiasargumentativas:técnicasdeelaboraçãodehipóteses

Objetivos

­Compreenderqueashipótesessãoargumentospossíveisaseremutilizadosnafundamentação.

­Desenvolverohábitodeponderaraforçapersuasivadoargumentoantesmesmoderedigi­lo.

­Redigirestruturasdevalorhipotéticocomverbosnofuturodopretéritoecomfunçãopersuasiva.

­Selecionarfatos,provaseindíciosqueseprestemàproduçãodashipóteses.

EstruturadoConteúdo

1.Estruturadahipótesecausal

1.1.Usodeconectoresetempoverbaladequados

1.2.seleçãodefatosqueseprestemaessetipodehipótese

2.Estruturadahipótesecondicional

2.1.Usodeconectoresetempoverbaladequados

2.2.seleçãodefatosqueseprestemaessetipodehipótese

3.Diferençasestruturaiseargumentativasentreashipóteseseosargumentos

3.Diferençasestruturaiseargumentativasentreashipóteseseosargumentos 10

10

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

AplicaçãoPráticaTeórica

Hipótesessãoraciocíniospreviamenteconstruídosquepoderãoserutilizadosnotextoargumentativocomo

estratégiapersuasiva.Partindodefatoscomprovados,oargumentadortiraumainferência.Há,assim,uma

relaçãológicaentreasduaspartesdahipótese.

Paraesclarecercomosãoproduzidasessashipóteses,conheçaexemplosextraídosdeLiçõesde

ArgumentaçãoJurídica:

1)Jáquesomenteoquartodadonadacasahaviasidovasculhado,oassaltoteriasidoplanejado.

2)UmavezqueSueliafirmouquetrouxeraasjoiasparacasaafimdedividi­lascomasfilhas,oassaltante

teriaconhecimentodaatuallocalizaçãodasjoias.

3)Tendoemvistaqueoassaltantesabiaoquedesejavafurtar,seriaalguémíntimodafamília.

4)Sehouveparticipaçãodeumdosempregadosdacasa,deveriaocrimeaeleimputadoserqualificado

peloabusodeconfiança.

Combasenessashipóteses,todasrelacionadaspelomesmoobjetivo­provarquehouveaparticipação,no

furto,dealguémconhecidodafamília­otextoargumentativoseráestruturado.Nele,assuposiçõesse

transformarãoemafirmações,issoé,eminferênciasdasquaisnãosetemdúvida.Taisafirmaçõesainda

deverãoestaracompanhadasdasjustificativasquerepresentarãocomoseprocessouaconexãoentreo

fato,aprova,oindícioeaconclusão,queseextraiuapartirdessaconexão.

CasoConcretoAula5:

Leiaocasoconcretoeproduzapelomenostrêshipóteses. Emdepoimento,testemunhasdizemqueviramtravadebrinquedoabrir

Adolescentede14anosmorreuapósserlançadadeatraçãoemparquedediversão

TrêsdasquatrotestemunhasouvidaspelodelegadotitulardaPolíciaCivildeVinhedo,ÁlvaroSantucci NoventaJúnior,sobreoacidentenoparquedediversõesHopiHari,emVinhedo,nointeriordeSãoPaulo,

quematouumaadolescentede14anos,disseramtervistoatravadobrinquedoondeavítimaestavaabrir

antesdaqueda.AauxiliardeescritórioCátiaDamascenocontouqueodispositivodesegurançado brinquedoabriunadescida."Noprimeiro'tranco'dadescida,euviatravadoassentodelaabrir.Sóatrava delaabriu',contaatestemunha."Depoisdisso,ocorpodelafoilançadoparaochão",completouCátia.A jovemcaiudebruçosechegoumortaaohospitalPauloSacramento,emJundiaí,comsinaisde traumatismocraniano. Alémdaauxiliardeescritório,odelegadodeVinhedoouviuomaridodelaeumoutrocasal.ÁlvaroSantucci JúniordissequeapenasomaridodeCátiaDamascenorelatou,emdepoimento,nãotervistoomomento exatodaaberturadatravaporquenãoestavaolhandofixamenteparaoassentoondeaadolescente estava. OsfuncionáriosdoparquequetrabalhavamnaatraçãosóserãoouvidospelaPolíciaCivilnoinícioda próximasemana,deacordocomÁlvaroSantucciNoventaJúnior,apedidodosadvogadosdoparque.O delegadoacreditaqueahipótesemaisprovávelparaoacidentetenhasidofalhamecânica.Ele

acompanhouotrabalhodosperitosnoHopiHarieacreditaqueameninacaiudeumaalturaentre25e30

metros. Atrava,segundoodelegado,deveterabertoduranteafrenagemdobrinquedo.Oequipamento,também

conhecidocomoelevador,levaovisitantea69metrosdealturae,depoisdeumtranco,despencaauma

velocidadequepodechegara94quilômetrosporhora,segundoanunciadonositedoparque.

Aassessoriadeimprensadoparquedediversõesinformouqueaquedaaconteceuàs10h20min.A

adolescenteestavanoparqueacompanhadadospais.Emnota,oHopiHarilamentouoincidentee

informouqueestáprestandotodaaassistênciaàfamíliadavítimaeapoiandoosórgãosresponsáveisna

investigaçãosobreascausasdoacidente.Adireçãodoparquedecidiuencerrarasatividadesnocomeço

investigaçãosobreascausasdoacidente.Adireçãodoparquedecidiuencerrarasatividadesnocomeço 11

11

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

datardedestasexta­feira,masolocalseráreabertonestesábado(25),das10hàs19h.AatraçãoLaTour

Eiffelpermaneceráfechadaatéqueascausasdoacidentesejamesclarecidas.

Vejaabaixoaíntegradanotadivulgadapeloparquedediversões:

COMUNICADO­OHopiHariinformaqueporvoltadas10h20mindehojehouveumacidenteenvolvendo

umavisitantede14anosqueestavanobrinquedoLaTourEiffel.Avisitantefoisocorridaelevadaparao

HospitalPauloSacramento,nacidadedeJundiaí,aondechegouemóbito.Apósoacidente,oParque

decidiuencerrarassuasatividadesdodia.HopiHarireabreamanhã,sábado,das10hàs19h.ALaTour

Eiffelpermaneceráfechadaatéqueascausasdoacidentesejamesclarecidas.Aperíciadobrinquedofoi

realizadapelaPolíciaTécnica,quevaiinvestigarashipótesesdoacidente.Oparquelamenta

profundamenteoocorridoeestáprestandotodaaassistênciaàfamíliadavítimaeapoiandoosórgãos

responsáveisnainvestigaçãosobreascausasdoacidente.

(Disponívelem:

<http://g1.globo.com/sp/campinas­regiao/noticia/2012/02/em­depoimento­testemunhas­dizem­que­viram­tra

va­de­brinquedo­abrir.html>.Acessoem:25fev.2012).

SEJULGARCONVENIENTE,RECORRAÀSFONTES:

Art.6ºdoCDC:Sãodireitosbásicosdoconsumidor:

I­aproteçãodavida,saúdeesegurançacontraosriscosprovocadosporpráticasnofornecimentode produtoseserviçosconsideradosperigososounocivos; III­ainformaçãoadequadaeclarasobreosdiferentesprodutoseserviços,comespecificaçãocorretade quantidade,características,composição,qualidadeepreço,bemcomosobreosriscosqueapresentem; VI­aefetivaprevençãoereparaçãodedanospatrimoniaisemorais,individuais,coletivosedifusos;

Art.14doCDC:Ofornecedordeserviçosresponde,independentementedaexistênciadeculpa,pela

reparaçãodosdanoscausadosaosconsumidorespordefeitosrelativosàprestaçãodosserviços,bem comoporinformaçõesinsuficientesouinadequadassobresuafruiçãoeriscos.

§1°Oserviçoédefeituosoquandonãoforneceasegurançaqueoconsumidordelepodeesperar,

levando­seemconsideraçãoascircunstânciasrelevantes,entreasquais:

I­omododeseufornecimento; II­oresultadoeosriscosquerazoavelmentedeleseesperam; III­aépocaemquefoifornecido.

§2ºOserviçonãoéconsideradodefeituosopelaadoçãodenovastécnicas.

§3°Ofornecedordeserviçossónãoseráresponsabilizadoquandoprovar:

I­que,tendoprestadooserviço,odefeitoinexiste; II­aculpaexclusivadoconsumidoroudeterceiro.

§4°Aresponsabilidadepessoaldosprofissionaisliberaisseráapuradamedianteaverificaçãodeculpa.

Aula6:Tiposdeargumento:seleçãoecombinação

Objetivos

­Distinguirosváriostiposdeargumentodisponíveisaoprofissionaldaáreajurídica.

­Compreenderqueacoesãoseqüencialdependenãoapenasdasinformaçõesregistradas,mastambém

dostiposdeargumentopormeiodosquaisessesdadossãoveiculados.

­EstabelecerrelaçãosignificativaentreasfontesdoDireitoeostiposdeargumento.

­Redigirparágrafosargumentativospersuasivos.

EstruturadoConteúdo

­Redigirparágrafosargumentativospersuasivos. EstruturadoConteúdo 12

12

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

1.RelaçãoentrefontesdoDireitoetiposdeargumento

2.Argumentopró­tese.

2.1.Estrutura,característicaseinformaçõeslingüísticasrelevantes

3.Argumentodeautoridade

3.1.Estrutura,característicaseinformaçõeslingüísticasrelevantes

4.Argumentodesensocomum

4.1.Estrutura,característicaseinformaçõeslingüísticasrelevantes

AplicaçãoPráticaTeórica

Osargumentossãorecursoslinguísticosquevisamaoconvencimento.Oargumentonãoéumaprova

inequívocadaverdade.Argumentarnãosignificaimporumaformadedemonstração,comonasciências

exatas.Oargumentoimplicaumjuízodoquantoéprovávelourazoável.

A)ARGUMENTOPRÓ­TESE Caracteriza­seporserextraídodosfatosreaiscontidosnorelatório.Deveseroprimeiroargumentoa comporafundamentação.Aestruturaadequadaparadesenvolvê­loseria:Tese + porque + etambém + alémdisso.Cadaumdesseseloscoesivosintroduzemfatosdistintosfavoráveisàteseescolhida.

B)DEAUTORIDADE

ArgumentoconstituídocombasenasfontesdoDireito,empesquisascientíficascomprovadas.

C)ARGUMENTODESENSOCOMUM

Consistenoaproveitamentodeumaafirmaçãoquegozadeconsensogeral;estáamplamentedifundidona

sociedade.

CasoConcretoAula6:

DoishomenssãopresosporagressãonoGaleão Passageiroespancadoaorecusarserviçopiratadetáxi temsuspeitadefraturasnorostoeestáinternado EmanuelAlencar RIO­DoishomensforampresosemflagrantedepoisdeumtumultonosetordedesembarquedoTerminal

2doAeroportoInternacionalTomJobim.MarcosAndradedaSilva,de40anos,eRodrigoAlvinhoSilveira,

de31anos,quetrabalhamprataxistas,foramautuadosporlesãocorporaletentativadehomicídio.Eles

sãoacusadosdeteremagredidoovendedorCristianValério,de40anos,eojornalistaDarioAmorim,de

48anos,apósdiscussão.InternadonoHospitalSantaMariaMadalena,naIlhadoGovernador,Cristiantem

suspeitadefraturasnafaceeestásobobservação.

Delegaciainvestigagrupoqueatuailegalmente

Aconfusãocomeçouàs14h10min,quandoCristianeDariohaviamdesembarcado,vindosdeNatal.

Segundodepoimentosdasvítimas,quemoramnoRio,elesforamabordadosporhomensquetrabalham

oferecendoserviçodetáxisnoterminal.Diantedarecusa,RodrigoSilvateriaprovocadoexingadoadupla.

Foioestopimparaumagrandeconfusão.Dariosofreulevesescoriaçõesnorosto.

DeacordocomodelegadoRicardoCodeceira,titulardaDelegaciadoAeroportoInternacionaldoRio

(Dairj),osacusadosdeagressãoatuamcomo"jóquei",apelidodadoàspessoasqueoferecemaos

passageirososserviçosdetáxispiratas.Odelegadoinformouqueadelegaciainvestiga,hádoismeses,

estapráticailegalnoaeroporto.

estapráticailegalnoaeroporto. 13

13

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

—Essaspessoasqueficamchamandopassageiros,conhecidascomo"jóqueis",atuamhábastantetempo ejásãoalvodeumainvestigação—afirmouodelegado,queacreditaqueasagressõestenhamconotação homofóbica. Asvítimasdisseramqueforamxingadasporcausadaopçãosexual.Apartirdaícomeçoutodaaconfusão. Osagressores(MarcoseRodrigo)alegamlegítimadefesa,masCristianochegouadesmaiardepoisde receberumpontapénoqueixo. Bastantenervosa,amãedeRodrigo,MarliAlvesdaSilva,criticouaprisãodeseufilho.Elachegoua passarmalnadelegacia,compressãoalta. —Porqueosoutrosqueseenvolveramnabriganãoforampresos?Meufilhotambémfoiagredido. Apenassedefendeu,comotodohomemfaria.Osdoislevantaramotomdevozeforamgrosseiros. AversãodeDario,umdosagredidos,édiferente.EledizqueRodrigocomeçouaconfusão. —Eleofereceuoserviçoedissemosquenãoestávamosinteressados.Masinsistiuecomeçouafazer gracinha.Atéqueeledisse:"vaitomarnoc ,seuv ".AíoCristianperdeuacabeçaecomeçoutodaa confusão.MarcosfoiquemagrediuCristianquandoelejáestavacaído,semqualquerchancededefesa. DariocriticouaInfraero.Segundoele,aprincípio,aestatalnãoquislevá­loaohospitalondeseu companheiroestáinternado. —Sódepoisdemuitainsistênciaelesofereceramcondução—disse. Odelegadodissequeoepisódioreforçaaimportânciadeospassageirosoptaremsempreportáxis legalizadosepadronizados. —Asvítimasagiramdeformacorretaaorecusaremumserviçoilegal.

SEJULGARNECESSÁRIO,RECORRAÀSPOLIFONIASSEGUINTES:

Lesãocorporal

Art.129doCP:Ofenderaintegridadecorporalouasaúdedeoutrem:

Pena­detenção,detrêsmesesaumano. Lesãocorporaldenaturezagrave

§1ºSeresulta:

I­Incapacidadeparaasocupaçõeshabituais,pormaisdetrintadias;

II­perigodevida;

III­debilidadepermanentedemembro,sentidooufunção;

IV­aceleraçãodeparto:

Pena­reclusão,deumacincoanos.

§2°Seresulta:

I­Incapacidadepermanenteparaotrabalho;

II­enfermidadeincurável;

III­perdaouinutilizaçãodomembro,sentidooufunção;

IV­deformidadepermanente;

V­aborto:

Pena­reclusão,dedoisaoitoanos. Lesãocorporalseguidademorte

§3°Seresultamorteeascircunstânciasevidenciamqueoagentenãoquisoresultado,nemassumiuo

riscodeproduzi­lo:

Pena­reclusão,dequatroadozeanos.

Art.14doCP:Diz­seocrime:

II­tentado,quando,iniciadaaexecução,nãoseconsumaporcircunstânciasalheiasàvontadedoagente.

Penadetentativa

II­tentado,quando,iniciadaaexecução,nãoseconsumaporcircunstânciasalheiasàvontadedoagente. Penadetentativa 14

14

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Parágrafoúnico­Salvodisposiçãoemcontrário,pune­seatentativacomapenacorrespondenteaocrime

consumado,diminuídadeumadoisterços.

Homicídiosimples

Art.121doCP:Mataralguém:

Pena­reclusão,deseisavinteanos. Homicídioqualificado

§2°Seohomicídioécometido:

I­mediantepagaoupromessaderecompensa,ouporoutromotivotorpe;

II­pormotivofútil;

III­comempregodeveneno,fogo,explosivo,asfixia,torturaououtromeioinsidiosooucruel,oudeque

possaresultarperigocomum;

IV­àtraição,deemboscada,oumediantedissimulaçãoououtrorecursoquedificulteoutorneimpossívela

defesadoofendido;

V­paraasseguraraexecução,aocultação,aimpunidadeouvantagemdeoutrocrime:

Pena­reclusão,dedozeatrintaanos.

Observação:pesquisarasinformaçõesmaisatuaissobrehomofobiaesuacriminalização.

QUESTÃODISCURSIVA

Leiaocasoconcretoindicadoparaestaaulaerecorraàsfontessugeridas.Redijatrêsparágrafos

argumentativos:umargumentopró­tese,umargumentodeautoridadeeumargumentodeoposição.Vale

observarque,normalmente,apósoargumentodeautoridadeésugeridaaproduçãodoargumentode

oposição;entretanto,devidoàsuacomplexidade,esseargumentoseráreservadoparaapróximaaula.

[1]Harada,Kiyoshi.ResponsabilidadecivildoEstado.Disponívelem:

<http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=491>.Acessoem:19dejulhode2010.

Aula7:Tiposdeargumento:seleçãoecombinação(continuação)

Objetivos

­Reconhecerestruturaeaspectospersuasivosdosargumentosdeoposição,decausaeefeitoede

analogia.

­Compreenderqueaquebradeexpectativascomoestratégiadiscursivadoargumentodeoposição,

apoiadanousodosoperadoresargumentativosdeconcessãoeadversidade.

­Identificarousodajurisprudênciacomoimportantefonteargumentativa.

EstruturadoConteúdo

1.RelaçãoentrefontesdoDireitoetiposdeargumento

2.Argumentodeoposição.

2.1.Estrutura,característicaseinformaçõeslingüísticasrelevantes

3.Argumentodecausaeefeito

3.1.Estrutura,característicaseinformaçõeslingüísticasrelevantes

4.Argumentodesensocomum

4.1.Estrutura,característicaseinformaçõeslingüísticasrelevantes

4.Argumentodesensocomum 4.1.Estrutura,característicaseinformaçõeslingüísticasrelevantes 15

15

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

AplicaçãoPráticaTeórica

OARGUMENTODEOPOSIÇÃOserveaoprofissionaldoDireitocomoumaestratégiadiscursivaeficiente

paraaredaçãodeumaboafundamentação.Compõe­sedaintroduçãodeumaperspectivaopostaaoponto

devistadefendidopeloargumentador,admitindo­ocomoumapossibilidadedeconclusão,paradepois

apresentar,comoargumentodecisivo,aperspectivacontrária.

Apoiadanousodosconectoresargumentativosconcessivoseadversativos,essaestratégiapermite

anteciparaspossíveismanobrasdiscursivasqueformarãoaargumentaçãodaoutraparteduranteabusca

desoluçãojurisdicionalparaoconflito,enfraquecendo,assim,osfundamentosmaisfortesdaparteoposta.

Paraficarclaraessaestrutura,desenvolvemosadianteessesparágrafos.Compreendaqueasestruturas

sugeridasnãosão,deformaalguma,instrumentosqueimpedemaliberdaderedacionaldoargumentador;

aocontrário,apartirdelasnovasinformaçõespodemseracrescidas?semdescaracterizaraestratégia.

Argumentodeoposiçãoconcessiva

Emborahajaquemargumenteserimpossívelpensaraafetividadecomovalorjurídico,poisnãoexistelei

queobriguealguémaserpai,nemgarantareaproximaçõesindesejadas,aJustiçapode,sim,fazervalero

direitodeumfilhoemrelaçãoaoscuidadospaternais,pormeiodeumareparaçãoafetiva.Essareparação

AndréJúliodeveaAlexandre,porsualutainglóriadesdequaseosseteanosdeidade,afimdereavero

afetodopai.Faltadecarinho,deatençãoedepresençanãosequantifica,maspodesercompensadapara

amenizarosofrimentodeAlexandre,portertidoumpaiausente.

Tambémpodemosredigiroargumentodestamaneira:

Argumentodeoposiçãorestritiva

Háquemargumenteserimpossívelpensaraafetividadecomovalorjurídico,ouseja,quenãoexisteleique

obriguealguémaserpai,nemgarantareaproximaçõesindesejadas,masaJustiçapode,sim,fazervalero

direitodeumfilhoemrelaçãoaoscuidadospaternais,pormeiodeumareparaçãoafetiva.Essareparação

AndréJúliodeveaAlexandre,porsualutainglóriadesdequaseosseteanosdeidade,afimdereavero

afetodopai.Faltadecarinho,deatençãoedepresençanãosequantifica,maspodesercompensadapara

amenizarosofrimentodeAlexandre,portertidoumpaiausente.

Alémdoargumentodeoposição,outroquetambémsemostradegrandeeficiêncianaprática

argumentativaéoARGUMENTODECAUSAEEFEITO,queestabeleceumarelaçãodecausalidade,ou

seja,sãoapresentadasascausaseasconsequênciasjurídicasdeumatopraticado.

ComrelaçãoaoARGUMENTODEANALOGIA,aobraprincipaladotadaparaestadisciplina?Liçõesde

GramáticaaplicadasaoTextoJurídico?mencionaqueéimportantediscutirseépossívelusara

jurisprudênciacomfonte.Antesdeenfrentarqualquerquestão,tomemoscomoconceitodejurisprudência,

emsentidoestrito,oconjuntodedecisõesuniformes,sobreumadeterminadaquestãojurídica,prolatadas

pelosórgãosdoPoderJudiciário.

Opróprioconceitoatribuídoàfonteaquidiscutidasugerequesuaautoridadeadvémdoórgãoqueaprofere

(jurisdição).Issoéinegável.Oquesequestionaéque,independentementedaautoridadequeareveste,o

quefacultaverdadeiramenteseuuso?eatornaeficiente?éaproximidadedocasoanalisadocomos

outroscujasdecisõessãotomadascomoreferência.

Issoimplicadizerque,emúltimainstância,oquefazdousodajurisprudênciaumaestratégiainteressante

paraaargumentaçãoéoraciocíniodequecasossemelhantesdevemrecebertratamentosanálogospor

partedoJudiciário,paraquenãosejamobservadasinjustiçasoudiscrepâncias.Éasemelhançaentreo

casoconcretoanalisadoeoprocessojátransitadoemjulgadoqueautorizaousodajurisprudência.

casoconcretoanalisadoeoprocessojátransitadoemjulgadoqueautorizaousodajurisprudência. 16

16

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Tantoéassimqueseambososconflitosversaremsobredireitopossessório,porexemplo,masas

circunstânciasemquecadaumdelesocorreunãoforemasmesmas,asimplesproximidadetemáticanão

autorizaousodajurisprudênciapelaautoridadedequeérevestida.Poressarazão,preferimoselencaras

decisõesjudiciaisreiteradascomomotivadorasdeargumentosporanalogia.

Umaobservaçãosefaznecessária,nesteponto:paraoacadêmicodeDireitoimporta,muitasvezes,maiso

domíniodasestratégiasargumentativasedostiposdeargumento,dopontodevistaprático,queaprópria

classificaçãodesseselementos,poisestaéumapreocupaçãoprioritariamentedidática.

CasoConcretoAula7:

Clientebaleadodizquevigiadisparouapósdiscussãoemportagiratória

OcabeleireiroJoãoAdrianoSantos,de29anos,foibaleadoporumvigiadeumaagênciabancáriaemSão

Mateus,naZonaLestedeSãoPaulo,apósserparadonaportagiratóriaediscutircomofuncionário.Otiro atingiuJoãonascostas,masnãocausouferimentosgraves.Eleestáconscienteefoiliberadoapósreceber tratamentonoHospitalSãoMateus.

APolíciaMilitarfoiacionadapoucodepoisdas14hparairatéobanco,naAvenidaMateoBei.Ovigia,de

37anos,estádetido.JoãoAdrianorelatouquehaviaidoaobancopagarumacontaefoiparadona

entrada.Osegurançateriapedidoqueeleretirassetodososobjetosdemetaldobolso,masJoãodisse quenãocarregavanenhumobjetodessetipo.HouveumadiscussãoeJoãocontatersidoinsultadopelo vigia. Apósentrar,JoãoAdrianoficouaoladodosegurança,esperandoqueoamigoqueoacompanhava passassepelaportagiratória.Nessemomento,afirmaterlevadoumarasteirae,emseguida,otiro.Elefoi

levadoparaohospitale,às19h,estavano49ºDistritoPolicial,emSãoMateus,prestandodepoimento.

?Achoquetodasasportasgiratóriasdebancotinhamqueserretiradasporquenãoháfuncionários

preparadosparatrabalharcomelas?,afirmou.Aagênciabancáriafoifechadalogoapósoincidente.

OBancodisseestaracompanhandoarecuperaçãodoclienteelamentouoocorrido.Emnotaoficial,a

instituiçãoafirmouque"colaboracomasinvestigaçõessobreoincidenteatéototalesclarecimentodos

fatos".

(Disponívelem:

<http://g1.globo.com/sao­paulo/noticia/2012/03/cliente­baleado­diz­que­vigia­disparou­apos­discussao­em­p

orta­giratoria.html>.Acessoem:12fev.2012.

QUESTÃODISCURSIVA

Leiaocasoconcretoindicadoparaestaaulaerecorra,sedesejar,àsfontesindicadas.Redijaumtexto

argumentativoquecontenha,alémdosargumentosjátrabalhadosestesemestre,trêsparágrafos:um

argumentodeoposição,umargumentodecausaeefeitoeumargumentodeanalogia.Ocasoconcreto

destaaulatemrepercussãocivilecriminal.Escolhaapenasumadessaslinhasparateutexto.

Sejulgaradequado,recorraàspolifoniasadiante:

Lesãocorporal

Art.129doCP:Ofenderaintegridadecorporalouasaúdedeoutrem:

Pena­detenção,detrêsmesesaumano. Lesãocorporaldenaturezagrave

§1ºSeresulta:

I­Incapacidadeparaasocupaçõeshabituais,pormaisdetrintadias;

II­perigodevida;

III­debilidadepermanentedemembro,sentidooufunção;

IV­aceleraçãodeparto:

II­perigodevida; III­debilidadepermanentedemembro,sentidooufunção; IV­aceleraçãodeparto: 17

17

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Pena­reclusão,deumacincoanos.

§2°Seresulta:

I­Incapacidadepermanenteparaotrabalho;

II­enfermidadeincurável;

III­perdaouinutilizaçãodomembro,sentidooufunção;

IV­deformidadepermanente;

V­aborto:

Pena­reclusão,dedoisaoitoanos. Lesãocorporalseguidademorte

§3°Seresultamorteeascircunstânciasevidenciamqueoagentenãoquisoresultado,nemassumiuo

riscodeproduzi­lo:

Pena­reclusão,dequatroadozeanos.

Art.14doCP:Diz­seocrime:

II­tentado,quando,iniciadaaexecução,nãoseconsumaporcircunstânciasalheiasàvontadedoagente.

Penadetentativa

Parágrafoúnico­Salvodisposiçãoemcontrário,pune­seatentativacomapenacorrespondenteaocrime

consumado,diminuídadeumadoisterços.

Homicídiosimples

Art.121doCP:Mataralguém:

Pena­reclusão,deseisavinteanos. Homicídioqualificado

§2°Seohomicídioécometido:

I­mediantepagaoupromessaderecompensa,ouporoutromotivotorpe;

II­pormotivofútil;

III­comempregodeveneno,fogo,explosivo,asfixia,torturaououtromeioinsidiosooucruel,oudeque

possaresultarperigocomum;

IV­àtraição,deemboscada,oumediantedissimulaçãoououtrorecursoquedificulteoutorneimpossívela

defesadoofendido;

V­paraasseguraraexecução,aocultação,aimpunidadeouvantagemdeoutrocrime:

Pena­reclusão,dedozeatrintaanos.

Art.6ºdoCDC:Sãodireitosbásicosdoconsumidor:

I­aproteçãodavida,saúdeesegurançacontraosriscosprovocadosporpráticasnofornecimentode produtoseserviçosconsideradosperigososounocivos;

Art.14doCDC:Ofornecedordeserviçosresponde,independentementedaexistênciadeculpa,pela

reparaçãodosdanoscausadosaosconsumidorespordefeitosrelativosàprestaçãodosserviços,bem

comoporinformaçõesinsuficientesouinadequadassobresuafruiçãoeriscos.

Aula8:Coesãoecoerêncianotextojurídico­argumentativo.

Objetivos

­Auxiliarodiscentenaredaçãodotextoargumentativo,comasugestãodeexpressõesintrodutóriasde

parágrafos.

­Compreenderosmecanismosdiscursivoselingüísticosdacoesãoseqüencialentreparágrafos.

parágrafos. ­Compreenderosmecanismosdiscursivoselingüísticosdacoesãoseqüencialentreparágrafos. 18

18

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

EstruturadoConteúdo

1.Coesãoreferencialeinterfrástica

2.Coerênciatextual

3.coesãoeprogressividadeargumentativa

AplicaçãoPráticaTeórica

Oseloscoesivosentreparágrafosreforçamatessituradotexto,permitindoumamaioreficiênciadiscursiva

porpartedoargumentador.Elespodemserutilizadosdeacordocomoobjetivodecadaparágrafo

elaborado,devendo­selevaremconsideraçãoalgumaspossibilidadesinterpretativas:

Porenumeração

Ressalta(m)­se

Alémdessesfatores

Édeverificar­seque

Registre­se,ainda,que

Assinale­se,ainda,que

Convémressaltar

Alémdessesfatores

Soma(m)­seaessesaspectoso(s)fato(s)

Mistersefazressaltarque

Registre­se,ainda,que

Édeserrelevado

Poroposição

Ébemverdadeque

Nãosepodeolvidarque

Nãoháolvidar­seque

Bomédizerque

Poroutrolado

Aocontráriodoquefoidito

Conectoresdeoposição:conjunçõesadversativaseconcessivas.

Verbosqueindicamoposição(contrariar,impedir,obstar,vedar

)

Porcausa

Comoseháverificar

Comosepodenotar

Édeverificar­seque

Devidoa

Emvirtudede

Emfacede

Substantivos:causa,motivo,razão,explicação,pretexto,base,fundamento,gênese,origem,oporquê.

Verbosqueindicamcausa(determinar,permitir,causar,gerar

Locuçõesprepositivas:emvirtudede ,emrazãode ,porcausade ,emvistade ,pormotivode Conjunções:porque,pois,jáque,umavezque,porquanto,como.

)

Porconsequência

Nestesentido,deve­sedizer

Oportunosetornadizerque

) Porconsequência Nestesentido,deve­sedizer Oportunosetornadizerque 19

19

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Cumpre­nosassinalarque

Diantedoexposto

Diantedisso

Emfacedetalsituação

Emvirtudedessesfatos

Emfacedessaquestão

Substantivos:efeito,produto,decorrência,fruto,reflexo,desfecho.

Verbosqueindicamconsequência(ocasionar,gerar,provocar

Locuçõeseconjunções:logo,então,portanto,porisso,porconseguinte,pois.

)

CasoConcretoAula8:

Mãedizquenãoabandonouomeninoquecaiu

MoradoradoBarramares,ondefilhomorreuemquedado26ºandar,

achouqueeleseriavigiadopeloirmãomaisvelho.

OsonopesadodeFernandoMoraesJúnior,de3anos,deuàmãedele,RosanaRosaCavalcantidaSilva,

acertezadequepoderiairsemproblemasatéafarmáciadepropriedadedafamílianumpequenoshopping

embaixodoapartamentoondemora,no26ºandardeumdosprédiosdoCondomínioBarramares,naBarra

daTijuca.

SegundoRosanacontouaparentes,mesmoassimpediuparaofilhomaisvelho,de8anos,ficaremcasa

atéqueelavoltasse.Masomeninorecebeuumtelefonemadeumvizinhoesaiuparajogarbola.Fernando acordousozinho,abriuaportadoquartoelevouumacadeiraatéavaranda–queestavacomaportade correraberta.Fernandosubiunacadeira,apoiou­senoparapeitosemgrade,desequilibrou­seecaiude

umaalturadepoucomaisde80metrosàs20h40minde6demaiode1999.Elemorreunolocalefoi

enterradonoCemitérioSãoJoãoBatista,emBotafogo(RJ). Amãefoiavisadaeencaminhou­separaolocal.Emestadodechoque,sentouechorouaoladodocorpo dofilhopormaisdeduashoras.Segundotestemunhas,antesdecairnochãoocorpoaindabateunum coqueironafrentedoedifício,oqueamorteceuaquedaeevitouqueeletivessemuitasescoriações.O meninoaindateriarespiradoporalgunsinstantes,masnãoresistiu.Policiaismilitarescobriramocorpocom umplásticopreto. ­Nãohádúvidasdequefoiumafatalidade.Elasemprefoiumaexcelentemãe,cuidadosa,carinhosacom osfilhos.Nãofoinegligência–afirmouGiselaMoraesZepeta,irmãdeFernandoMoraes,paidomenino.

Amortefoiregistradana16ª.DP(Barra)comofatoaserinvestigado.OperitoAntônioCarlosAlcoforado

dissequeencontrouumacadeiranasacadadoapartamentono26ºandar.Segundoele,oparapeitotinha

1.20metrosesócomacadeiraomeninopoderiaterultrapassado.

Odelegadotitulardissequevaiesperaralgunsdiasatéqueafamíliaestejamaistranquilaparatomaros depoimentos.Segundoele,casosejaapuradanegligêncianaatençãoaomenor,oresponsávelpoderáser indiciadoporhomicídioculposo. ­Nãopodemos,porémfalardeumcasoassimporqueafamíliajáestásofrendomuito.Temosqueesperar pelasprovastécnicas–disseodelegado.

SegundoGisela,RosanacontouquefoiatéaFarmáciaBarramares2000,queéadministradapelomarido,

Fernando,pegarremédioseumpanfletoparafazernocomputadordecasa.Amãecontouaindaqueo

meninoestavacansadodepoisdebrincarnacrechequefrequentavadesdeoiníciodoano,dentrodo

condomínio.Depoisdetomarbanhoejantar,eledormiaprofundamente,segundoamãequeaproveitou

paradescer.SegundoGisela,Rosanateriademoradoforadecasacercadecincominutosatéomomento

doacidente.

paradescer.SegundoGisela,Rosanateriademoradoforadecasacercadecincominutosatéomomento doacidente. 20

20

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Consultetambémasfontes:

Art.133doCP:Abandonarpessoaqueestásobseucuidado,guarda,vigilânciaouautoridade,e,por

qualquermotivo,incapazdedefender­sedosriscosresultantesdoabandono:

Pena­detenção,de6(seis)mesesa3(três)anos.

§1º­Sedoabandonoresultalesãocorporaldenaturezagrave:

Pena­reclusão,de1(um)a5(cinco)anos.

§2º­Seresultaamorte:

Pena­reclusão,de4(quatro)a12(doze)anos.

Oinstitutodoperdãojudicialsomentepodealcançaroacusadoquesemostrarsuficientementepunidopelo

sofrimentoqueoatopraticadocausounasuaprópriavida.

Art.121,§5ºdoCP:Nahipótesedehomicídioculposo,ojuizpoderádeixardeaplicarapena,seas

consequênciasdainfraçãoatingiremopróprioagentedeformatãogravequeasançãopenalsetorne

desnecessária.

Art.107,IXdoCP:Extingue­seapunibilidade:peloperdãojudicial,noscasosprevistosemlei.

QUESTÃODISCURSIVA

Selecionealgumasdasexpressõesdoquadroanterioreproduzatrêsparágrafosargumentativosque

defendamumatesesobreasituaçãodeconflitoapresentadanocasoconcreto.Otipodeargumentoéde

sualivreescolha.Serãoavaliadas,nacorreção,asescolhasqueproduzammelhorcoesãoentreos

parágrafos.

Aula9:Organizaçãodaestruturadotextojurídicoargumentativo:seleçãodeargumentose

organizaçãodeideias

Objetivos

­Planejartextosargumentativoscoesosecoerentes.

­Redigirafundamentaçãoeaconclusãodeumtextojurídico.

­Desenvolverahabilidadepersuasiva,medianteutilizaçãodasfontesdodireitoeemconsonânciacoma

teoriadaargumentaçãojurídica.

EstruturadoConteúdo

1.Planejamentodetextosargumentativos.

2.Fundamentaçãodotextoargumentativo.

2.1.Seleçãodosargumentosadequados.

2.2.Identificaçãodasfontesmaiseficientes.

2.3.produçãopersuasivadalinguagem.

3.conclusãodotextoargumentativo.

CasoConcretoAula9:

2.3.produçãopersuasivadalinguagem. 3.conclusãodotextoargumentativo. CasoConcretoAula9: 21

21

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Trata­sedeindenizaçãopordanosmoraisdeEVATERESINHASILVADAROSAemfacedeMANZOLI

S.AINDÚSTRIAECOMÉRCIO.AviolaçãodaimagemocorreunalojaManlecn.12,RioGrandedoSul,no

dia16defevereirodoanode2011.

Alegaaautoraqueesteveemumadaslojasdaempresarequeridanaocasiãoemquecomprouuma televisãomarcaBaysinic,alémdeoutrosobjetos.Nomesmodia,foifilmadadeformaimperceptívele

depoissuaimagempassouaaparecerdiariamente,comdestaqueentreoutraspessoas,naRBS,canal12,

empropagandapromocionaldaloja.Porumperíododetrintadias,agravaçãoproduzidaeratransmitida

emsuavelocidadenormaledepoispassouaserapresentadacommaiorvelocidade,oquetornouas

cenasjocosas.

Tudoacontecendomuitorapidamente,fezcomqueosgestoseocaminhardaspessoastornassem­se

caricatos.Aduziuarequerenteque,alémdaexploraçãoclandestinadesuaimagem,ademandantepassou

aenfrentaroridículodagozaçãodepessoassuasconhecidasedoscolegasdarepartiçãopúblicaonde

trabalha.

CarlosAlbertoCorrêaMachado,colegadaautoranoHospitalSantaCasa,ouviudesuaesposaqueEva

estavaaparecendonatelevisãopordiversasvezes,entreanoveladasseteeanoveladasoitoeteve

curiosidade,assistiuaocomercialumasduasoutrêsvezes,e,efetivamente,viuEvacarregandoumacaixa

detelevisão.

OdepoentesóassistiuaoscolegasbrincaremcomEvadizendoqueelaestavafamosa.Jaqueline

CamargoDominguesrelatouquetambémfoicolegadaautoranaSantaCasaetemcertezaqueviua

propagandanohoráriodasnovelas,equenãoerareportagemjornalística,erapropagandamesmo.

Jaquelinetemcertezaporquechegavaaoserviçoetodososdias“mexiam”comela,chamando­adegarota

propagandadaManleceatéchegouadizerquepareciaumalouquinhacorrendocomaquelacaixa.Na

SantaCasaeramgeraisasbrincadeirascomela,todosdizendoqueaviramnatelevisão.

ConsulteasFontes:

Art.6ºdoCDC:Sãodireitosbásicosdoconsumidor:

IV­aproteçãocontraapublicidadeenganosaeabusiva,métodoscomerciaiscoercitivosoudesleais,bem comocontrapráticasecláusulasabusivasouimpostasnofornecimentodeprodutoseserviços; VI­aefetivaprevençãoereparaçãodedanospatrimoniaisemorais,individuais,coletivosedifusos;

Art.5º,VdaCRFB:éasseguradoodireitoderesposta,proporcionalaoagravo,alémdaindenizaçãopor

danomaterial,moralouàimagem;

Art.5º,XdaCRFB:sãoinvioláveisaintimidade,avidaprivada,ahonraeaimagemdaspessoas,

asseguradoodireitoaindenizaçãopelodanomaterialoumoraldecorrentedesuaviolação;

Art.5º,XXVIIIdaCRFB:sãoassegurados,nostermosdalei:

a)aproteçãoàsparticipaçõesindividuaisemobrascoletivaseàreproduçãodaimagemevozhumanas,

inclusivenasatividadesdesportivas;

QUESTÃODISCURSIVA

Leiaocasoconcretoe,combaseemtudooqueaprendeuatéagora,produzafundamentaçãoeconclusão

paraocasoconcreto.

Aula10:Tiposdeargumentoepersuasão

Objetivos ­Identificarosdiversostiposdeargumentojátrabalhadosemsaladeaula. ­Compreenderoefeitopersuasivoquecadaargumentopodegerarnotextoargumentativo EstruturadoConteúdo

1.Tiposdeargumento

­Compreenderoefeitopersuasivoquecadaargumentopodegerarnotextoargumentativo EstruturadoConteúdo 1.Tiposdeargumento 22

22

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

2.Asubjetividadenoprocessodeconvencimento

CasoConcretoAula10:

Leiaotextoadiante,daautoriadoMinistroErosGrau,eidentifiqueostiposdeargumentopredominantes,

sepossívelemcadaparágrafo.Comenteoefeitopersuasivoalcançadopeloargumentadoremcadatrecho

relevante.

Pequenanotasobreodireitoaviver InventeiumahistóriaparacelebraraVida.Ana,filhadefamíliamuitorica,apaixona­seporumhomemsem bensmateriais,Antonio.Casa­secomseparaçãodebens.Anaengravidadeumanencéfaloeocasal decidetê­lo.Anamorredeparto,ofilhosobrevivealgunsminutos,herdaafortunadeAna.Antonioherda todososbensdofilhoquesobreviveualgunsminutosalémdotempodevidadeAna.Nenhumapalavra serásuficienteparanegaraexistênciajurídicadofilhoquesófoiporalgunsinstantesalémdeAna. Ahistóriaqueinventeiéválidanocontextodomeudiscursojurídico.Nãosoupároco,nãotenhoafirmação deespiritualidadeanestaslinhaspostular.Aquianotoapenasoquemecabecomoartesãoda compreensãodasleis.Palavrasbemarranjadasnãobastamparaocultar,emquantosfazempraçado abortodeanencéfalos,inexoráveldesprezopelavidadequempoderiaescaparcomresquíciosde existênciaeproduzindoconsequênciasjurídicasmarcantesdoventrequeoabrigou. Mataroudeixarmorreropequenoserquefoiparidonãoédiferentedainterrupçãodasua gestação.Mata­seduranteagestação,atualmente,comrecursostecnológicosaprimorados,bisturis eletrônicosdosquaisosfetosprocuramdesesperadamenteescaparnointeriordeúterosqueos recusam.Mais“digna”seriaacrueldadedasuaexecuçãoimediatamenteapósoparto,mesmoporque deixariadeexistirriscoparaasmães.Umbrevehomicídioetudoacabado. Voucontudodiretamenteaodireito,nossodireitopositivo.NoBrasilonascituronãoapenaséprotegido pelaordemjurídica,suadignidadehumanapreexistindoaofatodonascimento,masétambémtitularde

direitosadquiridos.Transcrevoalei,artigo2odoCódigoCivil:

Apersonalidadecivildapessoacomeçadonascimentocomvida;masaleipõeasalvo,desdea

concepção,osdireitosdonascituro.

NointervaloentreaconcepçãoeonascimentodiziaPontesdeMiranda“osdireitos,queseconstituíram,

têmsujeito,apenasnãosesabequalseja”.Nãohá,pois,espaçoparadistinções,comoassinalouo

ministroaposentadodoSTF,JoséNéridaSilveira,emparecersobreotema:

Emnossoordenamentojurídico,nãoseconcebedistinçãotambémentresereshumanosem desenvolvimentonafaseintrauterina,aindaquesecomprovemanomaliasoumalformaçõesdofeto;todos enquantosedesenvolvemnoúteromaternosãoprotegidos,emsuavidaedignidadehumana,pela Constituiçãoeleis.

Trata­sedesereshumanosquepodemreceberdoações[art.542doCódigoCivil],figuraremdisposições

testamentárias[art.1.799doCódigoCivil]emesmoseradotados[art.1.621doCódigoCivil].É

inconcebível,comoafirmouTeixeiradeFreitasaindanoséculoXIX,umdenossosmaisrenomados civilistas,quehajaentecomsuscetibilidadedeadquirirdireitossemquehajapessoa.E,digoeumesmo agora,neleinspirado,queseadoaçãofeitaaonasciturovalerádesdequeaceitapeloseurepresentante

legaltalcomoafirmaoartigo542doCódigoCivil–éforçosoconcluirqueosnasciturosjáexistemesão

pessoas,pois“onadanãoserepresenta”.

Queiramounãoosquefazempraçadoabortodeanencéfalos,ofatoéqueafrustraçãodasuaexistência

foradoúteromaterno,poratodohomem,éinadmissível[maisdoqueinadmissível,criminosa]noquadro

dodireitopositivobrasileiro.Écertoque,salvooscasosemquehá,comprovadamente,morteintrauterina,

ofetoéumservivo.

dodireitopositivobrasileiro.Écertoque,salvooscasosemquehá,comprovadamente,morteintrauterina, ofetoéumservivo. 23

23

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Tantoéassimquenenhum,entreahierarquiadosjuízesdenossaterra,nenhumdelesemtesenegaria

aplicaçãododispostonoartigo123doCódigoPenal,quetipificaocrimedeinfanticídio,àmulherque

matasse,sobainfluênciadoestadopuerperal,oprópriofilhoanencéfalo,duranteopartooulogoapós, sujeitandoaapenadedetenção,dedoisaseisanos.Note­sebemqueaotextodotipopenalacrescentei unicamenteovocábuloanencéfalo! Ora,seofilhoanencéfalomortopelamãesobainfluênciadoestadopuerperaléservivo,porquenãoo seriaofetoanencéfaloquerepitopodereceberdoações,figuraremdisposiçõestestamentáriasemesmo seradotado? Quelógicaéestaquetomacomoser,queconsideraseralguém–enãores–oanencéfalovítimade infanticídio,masatribuiaofetoquelhecorrespondeocaráterdecoisaoualgoassim? Demaisamais,acertezadodiagnósticomédicodaanencefalianãoéabsoluta,demodoqueaprevenção doerro,mesmoculposo,nãoserásemprepossível.Oquedizer,então,doerrodoloso? Aquantasnãochegaria,então,emseudinamismo–seadmitidooaborto–o“moinhosatânico”deque falavaKarlPolanyi?Amimcausaespantoaideiadequeseestejaapostularabortos,ecomtantode ênfase,seminteresseeconômicodeterminado.Oquemepermitecogitardaeventualidadede,emborase aludindoàdefesadeapregoadosdireitosdamulher,estar­seapretenderamigração,dapráticadoaborto, douniversodailicitudepenal,paraocampodaexploraçãodaatividadeeconômica.Emtermosdiretose incisivos,paraomercado.Escreviestapequenanotaparagritar,tãoaltoquantopossa,odireitodeviver.

(http://www.febnet.org.br/reformadoronline/pagina/?id=254)

Aula11:Desenvolvimentodafundamentaçãoedaconclusãonotextojurídico

Objetivos

­Produzirfundamentaçãoeconclusãodotextojurídico­argumentativo.

EstruturadoConteúdo

1.Desenvolvimentodafundamentaçãoedaconclusãodotextojurídico.

2.Identificaçãoeusodoselementosconstitutivosdotextoargumentativo.

AplicaçãoPráticaTeórica Aargumentaçãojurídica,paratersucesso,deverecorreraestratégiasqueexpressemainterpretação sobreumaquestãodoDireitoquesedesenvolveemumcontextoespacialetemporal.Portanto,antesde argumentar,énecessárioqueseprocedaaumplanejamento,considerando­seoscontextos,osfatos,as provaseosindíciosextraídosdocasoconcreto,sustentando­sesemprenasfontesdoDireito. Torna­se necessário,também,teremmenteosprováveisargumentosdoopositor,afimdeneutralizá­los. Apósaanáliseminuciosadocasoconcreto,sãoescolhidososrecursosargumentativosparaaproduçãodo textojurídico.Assim,otextoseráconstruídonãoinstintivaeespontaneamente,masapoiadoemum planejamento,afimdemanteraunidadeeacoerêncianecessáriasaoconvencimento.Somentecom organizaçãoépossíveltraçarestratégiaspersuasivascapazesdefazercomqueatesedefendidaseja aceita.

CasoConcretoAula11:

Analiseoselementosconstitutivosdaargumentaçãojurídicaqueseguemeescrevaafundamentaçãoea

conclusãopertinentes.ParaquesecompreendaaimportânciadasdisciplinasdePortuguêsJurídicoparao

ExamedasOAB,transcrevemosa?gradedecomentários?utilizadapelosexaminadores.Atenteparaos

ExamedasOAB,transcrevemosa?gradedecomentários?utilizadapelosexaminadores.Atenteparaos 24

24

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

critériosaseremcomentados.Dosseisexistentes,quatrosãotrabalhadosdiretamentepornossas

disciplinas.

1. AdequaçãodaPeçaaoproblemaapresentado:

2. Raciocíniojurídico:

3. Fundamentaçãoesuaconsistência:

4. Capacidadedeinterpretaçãoeexposição:

5. Correçãogramatical:

6. Técnicaprofissional:

Situaçãodeconflito

Pedrofoidenunciado,peloPromotordeJustiçadacomarcadeSãoPaulo,desubtrair,em1ºdejulhode

2009,aimportânciadeR$360,00emdinheirodeAntônio,utilizando­sedeumrevólverdebrinquedo.

Tese

Oréudevesercondenadopelapráticadocrimederouboqualificado.

Contextualizaçãodoreal

Fatosfavoráveisàtese:

­OJuizouviuoréunodia5desetembrode2009,ocasiãoemqueconfessou,comdetalhes,aprática

delituosa,descrevendoavítimaeafirmandoqueodinheiroforautilizadonacompradedrogas. ­Oréuafirmou,ainda,quehaviasidointernadováriasvezesparatratamentodedesintoxicação.

­Oréufoipresoemflagrante,comR$360,00nobolso,aduasquadrasdolocaldocrime,porumpolicialà

paisana,porestarem?atitudesuspeita?.

­Avítimagarantequeoréutemomesmoportefísicodequemoabordounoatodelituosoeusavaroupas

semelhantes,calçajeansecamisetabranca.

Fatoscontráriosàtese:

­Nareferidaoitivacomojuiz,oréunãoestavaacompanhadodeseudefensor.

­Avítima,aoserouvida,confirmouofatoeafirmouquenãoviuorostodoautordocrimeporqueestava

encobertoe,porisso,nãotinhacondiçõesdereconhecê­locomsegurança.

­­Doispoliciaisafirmaramqueouviramavítimagritandoquehaviasidoroubada,masnadaencontraram

nolocaldocrime.

Paraaproduçãodoquesepede,casojulguenecessário,utilizeaspolifonias:

LEGISLAÇÃO Roubo

Art.157,CP­Subtraircoisamóvelalheia,parasiouparaoutrem,mediantegraveameaçaouviolênciaa

pessoa,oudepoisdehavê­la,porqualquermeio,reduzidoàimpossibilidadederesistência:

Pena­reclusão,de4(quatro)a10(dez)anos,emulta.

§1°­Namesmapenaincorrequem,logodepoisdesubtraídaacoisa,empregaviolênciacontrapessoaou

graveameaça,afimdeasseguraraimpunidadedocrimeouadetençãodacoisaparasiouparaterceiro.

Rouboqualificado

§2°­Apenaaumenta­sedeumterçoatémetade:

Rouboqualificado §2°­Apenaaumenta­sedeumterçoatémetade: 25

25

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

I­seaviolênciaouameaçaéexercidacomempregodearma;

II­seháoconcursodeduasoumaispessoas;

III­seavítimaestáemserviçodetransportedevaloreseoagenteconhecetalcircunstância;

IV­seasubtraçãofordeveículoautomotorquevenhaasertransportadoparaoutroEstadoouparao

exterior;

V­seoagentemantémavítimaemseupoder,restringindosualiberdade.

§3°Sedaviolênciaresultalesãocorporalgrave,apenaédereclusão,decincoaquinzeanos,alémda

multa;seresultamorte,areclusãoédevinteatrintaanos,semprejuízodamulta.

Art.261,CPP­Nenhumacusado,aindaqueausenteouforagido,seráprocessadooujulgadosem

defensor.

Parágrafoúnico.Adefesatécnica,quandorealizadapordefensorpúblicooudativo,serásempreexercida

atravésdemanifestaçãofundamentada.

DOUTRINA

Canceladaasúmulanº174doSuperiorTribunaldeJustiça[1]

Agravaçãodapenaemfacedoempregodearmadebrinquedo

naexecuçãodocrimederoubo

Nostermosdoart.157,§2.º,I,doCódigoPenal,apenadeveseragravadadeumterçoatémetade"sea

violênciaougraveameaçaéexercidacomempregodearma".

Equandosetratadearmadebrinquedo("armafinta")?

Háduasorientações:

1ª)oempregodearmadebrinquedonãoagravaapenadoroubo:RT,580/464,591/360e667/305;

JTACrimSP,76/283,72/23,73/222,75/54e202e99/275;STF,HCn.69.515,1.ªTurma,rel.Min.

SepúlvedaPertence,DJU,12.3.1993,p.3561;RT,705/416;

2ª)orouboéagravado:RTJ,106/838,109/285,91/179,95/299e103/443;RJTJSP,14/488e40/367;RT,

540/419,553/349,555/377,576/480,588/439e592/434;JTACrimSP,66/257,67/258,69/242e79/447;

Justitia,105/181;JTJ,164/321.EraaorientaçãodaSúmulan.174doSTJ:

"Nocrimederoubo,aintimidaçãofeitacomarmadebrinquedoautorizaoaumentodapena". Sempreentendemosqueoempregodearmadebrinquedonãoaumentaapenadocrimederoubo,

respondendoosujeitopelotiposimples,sendoinadequadaaSúmulan.174.Nossaargumentaçãose

fundamentanosistemadatipicidade.OCPsomenteagravaapenadodelitoquandoosujeitoemprega arma.Revólverdebrinquedonãoéarma(1) .Logo,ofatoéatípicodiantedacircunstância.Casocontrário,

porcoerência,oportederevólverdebrinquedoconstituiriaocrimedoart.10,caput,daLein.9.437,de

20.2.1997(porteilegaldearmadefogo).Se,noroubo,configuraacircunstância"arma",porquenão

constituiriaaelementardocrimeespecial?ComodisseoMinistroSepúlvedaPertencenoHCn.69.515,

julgadopela1.ªTurmadoSTF,em1.º.12.1992,"amelhordoutrinatemopostocríticademolidora"àtesede

queoroubo,naespécie,écircunstanciado(2) .

ATerceiraSeçãodoSTJ,noREspn.213.054,deSãoPaulo,em24.10.2001,relatoroMinistroJosé

ArnaldodaFonseca,decidiucancelaraSúmulan.174,considerandoqueoempregodearmade

brinquedo,emboranãodescaracterizeocrime,nãoagravaoroubo,umavezquenãoapresentareal

potencialofensivo.Ficouassentadoqueaincidênciadareferidacircunstânciadeexasperaçãodapena:

1º)fereoprincípioconstitucionaldareservalegal(princípiodatipicidade);

2º)configurabisinidem;

3º)deveserapreciadanasentençafinalcomocritériodiretivodedosagemdapena(circunstânciajudicial

doart.59doCP);

3º)deveserapreciadanasentençafinalcomocritériodiretivodedosagemdapena(circunstânciajudicial doart.59doCP); 26

26

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

4º)lesaoprincípiodaproporcionalidade(3) . Denotar­sequeadecisãoapenascancelouareferidaSúmula,nãohavendoimpedimentoaquejuízese tribunaisaindacontinuemadotandoasegundaorientação,quedeterminaoagravamentodapena.Além disso,háoperigodeque,canceladaamencionadaSúmula,venhamareconhecer,norouboagravadopelo concursodepessoas,oconcursomaterialentreessetipoeocrimedeutilizaçãodearmadebrinquedona

execuçãodofato(art.10,§1.º,II,daLein.9.437/97).Seissoocorrer,teremosaseguintesituação:seos

assaltantesempregaremarmaverdadeira,apenamínimaabstrataseráde5anose4mesesdereclusão

(art.157,§2.º,IeII,doCP);seroubaremcomrevólverdebrinquedo,aplicando­searegradoconcurso

material,apenamínimaabstrataserámaior,qualseja,6anose4mesesdeprivaçãodaliberdade(5anos

e4mesespelorouboagravadopeloconcursodepessoase1anopelocrimedaleiespecial).Então,seos

assaltantesreceberemamensagem,irãousarsomentearmasverdadeiras.

ALei10.826/2003[2]

AúnicadisciplinajurídicaquepossuianovaLeideArmassobreobrinquedoperigosoéoart.26,noqual

prescreveque:"Sãovedadasafabricação,avenda,acomercializaçãoeaimportaçãodebrinquedos,

réplicasesimulacrosdearmasdefogo,quecomelassepossamconfundir".

Comissochega­seaseguinteconclusão:éproibidaapráticadeatoscomerciaistendoporobjetoarmade

brinquedoquepossaserconfundidacomarmadefogo.Logo,seforcometidoalgumcrimecomautilização

dearmadebrinquedo,oagentesóresponderápelocrimequeefetivamentecometer,nãopodendoa

utilizaçãodaarmadebrinquedoserobjetodeelementaroucircunstânciadocrime.

AfaltadetécnicalegislativaparaaelaboraçãodaLeiestámuitoaquémdoaclamadopelasociedade.

Explico.

Seolegisladorproibiuapráticaempresarialdearmadebrinquedoéporqueestapossuiumalesividade

considerada.Então,porquenãoimporumasançãoprópriacomofezarevogadaLei?

Chega­seaoabsurdodeseproibirapráticadecomérciocomaarmadebrinquedoesertotalmentelivrea

suautilizaçãonapráticadecrimes.Seriaomesmoqueconsiderarproibidaavendadeentorpecenteeser

liberadooseuuso.

JURISPRUDÊNCIA

2006.0000.0945­8/0­APELAÇÃOCRIME?TribunaldeJustiçadoCeará

DataProtocolo:14/02/2006

DataDistribuição:02/05/2006

ÓrgãoJulgador:1ªCÂMARACRIMINAL

Relator:Des.FRANCISCOHAROLDOR.DEALBUQUERQUE Ementa:APELAÇÃOCRIMINAL.ROUBODUPLAMENTEQUALIFICADO.AUTORIADOCRIME COMPROVADA.ABSOLVIÇÃOINVIÁVEL.PARTICIPAÇÃODEMENORIMPORTÂNCIA. DESCLASSIFICAÇÃOPARAAFORMATENTADA.INVIÁVEL.INEXISTÊNCIADECONCURSO MATERIAL.INOCORRÊNCIA.DIMINUIÇÃODEPENA.IMPOSSIBILIDADE.DECOTEDE QUALIFICADORA.ARMADEBRINQUEDO.PROVIMENTOPARCIAL.I­Inviávelaabsolviçãopleiteada, quandoasprovascoletadasduranteainstrução,especialmenteosdepoimentostestemunhaiseas declaraçõesdasvítimas,comprovam,semeivadedúvidas,queoapelantecometeuoscrimespelosquais foicondenado.II­Nãosepodeconsiderarcomosendodemenorimportânciaaparticipaçãodoacusado que,empunhandoaarmadocrime,anunciouoassalto.III­Aconsumaçãodocrimederoubosedáno momentoemqueoagente,medianteviolênciaougraveameaça,retiraobemdapossedoofendido, emboratenhasidologoapósdevolvido.IV­Oacusado,medianteduasaçõesdistintas,ocorridasemruas ehoráriosdiversos,cometeudoiscrimesderoubo,oqueseamolda,perfeitamente,noconceitode

concursomaterial,definidonoart.69doCódigoPenal.V­Nãosereputaseveraapenaaplicadano

concursomaterial,definidonoart.69doCódigoPenal.V­Nãosereputaseveraapenaaplicadano 27

27

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

mínimolegal,quandopresentesascircunstânciasdoart.59docódigorepressivo.VI­Oempregodearma

debrinquedonãoqualificaocrimederoubo,devendoserretiradaditaqualificadora,semalterar,contudo,a penafixada,hajavistaqueojuizsentenciante,pelaincidênciadeduasqualificadoras,estabeleceuo

aumentomínimode1/3.VII­Apeloparcialmenteprovido,apenasparadecotaraqualificadoradoemprego

dearma,mantendo­seinalterada,entretanto,apenaaplicada.

TribunaldeJustiçadePernambuco NºProcesso 213992002

Acórdão

0431882003

Relator

NELMASARNEYCOSTA

Data

25/02/200300:00:00

Órgão

SÃOLUÍS

Processo

APELAÇÃOCRIMINAL

Ementa

Apelaçãocriminal.Crimederoubo.Defesapleiteiadesclassificaçãoparaocrimede

furto,dadoainexistênciadepotencialidadelesivanaarmadebrinquedo.Inadmissibilidade.

Desclassificaçãoparacrimeparamodalidadetentada.Procedência.Penadefinitivanãosuperioradois

anos.Concessãodasuspensãocondicionaldapena.I­autilizaçãodesimulacrodearmadefogo,quando

causaintimidaçãoàvítima,émeioidôneoparaacaracterizaçãodaviscompulsivae,conseqüentemente,

docrimederoubo.II­paraaconsumaçãododelitoderoubo,assim,comonodefurto,énecessárioque

hajainversãodotítulodapossedaresfurtiva.Tendosido,osagentes,presosporpopularesquando

tentavamfugircomacoisasubtraída,interrompidoestáoitercriminis,restandoconfiguradoapenasodelito

nasuaformatentada.III­presentesospressupostosdasuspensãocondicionaldoprocessoimpõe­sea

suaconcessão.IV­recursoparcialmenteprovidoàunanimidade.

TribunaldeJustiçadoRiodeJaneiro

2007.001.62394­APELACAO

DES.ELTONLEME­Julgamento:30/01/2008­DECIMASETIMACAMARACIVEL

TROCADEBEBESDURANTEASPRIMEIRASHORASDEVIDA

PRIMEIROALEITAMENTOREALIZADOPORMAEDIVERSA

MAPRESTACAODESERVICOS

DANOMORAL

REDUCAODOVALOR

Aula12:Produçãodotextojurídicoargumentativo

Objetivos ­Produzirfundamentaçãoeconclusãodotextojurídico­argumentativo EstruturadoConteúdo

1.Planejamentodotextoargumentativo

1.1.Situaçãodeconflito

1.2.Tese

1.3.Contextualizaçãodoreal

1.4.Hipóteses

2.Produçãodafundamentaçãojurídica

2.1.Usodetiposdeargumentodiversificados

3.Conclusão

AplicaçãoPráticaTeórica

2.Produçãodafundamentaçãojurídica 2.1.Usodetiposdeargumentodiversificados 3.Conclusão AplicaçãoPráticaTeórica 28

28

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Vimos,aolongodosemestre,ascaracterísticasdotextojurídico­argumentativoesuascondiçõesde

produção.Refletimos,ainda,sobreasprincipaisestratégiasargumentativaseconhecemosostiposde

argumentodisponíveisaoprofissionaldodireito.

Adiante,vocêencontraráumtextoquetratademaisumaquestãopolêmica:aindenizaçãopordanos

moraisdecorrentedefalhaemdispositivocontraceptivoquepossibilitaagravidezdeconsumidora.

QUESTÃODISCURSIVA Leiaocasoconcretoeidentifiquecadaumdoselementosdaargumentação:situaçãodeconflito,tese,

contextualizaçãodorealehipóteses.Produzatambém,emumtextodeaté30linhas,afundamentaçãoea

conclusãoparaaquestãotrazidaàdiscussão.

CasoConcretoAula12:

OMINISTÉRIOPÚBLICODOESTADODORIODEJANEIRO,pormeiodoPromotordeJustiça

infra­assinado,emesteiodesuasatribuiçõesconstitucionaiseconsoanteodispostonoart.220daCarta

Federaleoartigo149daLein.8.069/90–EstatutodaCriançaedoAdolescente–vem,atravésdo

presente,nadefesadeinteressedifusoafetoaosadolescentes,narrarosfatosadianteaduzidospara,

posteriormente,requereroseguinte:

1)ORequerenteéTitularda7ª.PromotoriadeJustiçadaInfânciaedaJuventudedaComarcadaCapital,

ÓrgãodeExecuçãocomatribuiçãoparaoprocessamentodosadolescentesenvolvidosempráticas infracionaisnoRiodeJaneiroe,concorrentemente,comatribuiçãoparaoficiarperanteaJustiçadaInfância edaJuventude.

2)Comoépordemaissabido,diferentementedoqueocorreemoutrasComarcasdoPaís,noRiode

Janeiroháumacaracterísticapeculiar:cercade70%(setentaporcento)dasapreensõesdeadolescentes

infratoresreferem­seatráficodesubstânciasentorpecentes(art.33daLein.11.343/06),aumentando

aindamaisessepercentualquando,independentementedotipodeatoinfracionalperpetrado,asuaorigem

sedánãosóporenvolvimento,mastambémouso(artigos20a26daLein.11.343/06),desubstâncias

entorpecentesouquecausamdependênciafísicaoupsíquica.

3)Noúltimodia16demarçodocorrenteano,entrouemcircuitoofilme“Traffic”,dirigidoporSteven

Soderbergh,recomendadonacionalmentepelaCoordenadoriaGeraldeClassificação,Títulose

QualificaçãodaSecretariaNacionaldeJustiçapara“maioresde18anosdeidade”,impossibilitandodessa

formaqueosadolescenteshabitantesdestaCidadedoRiodeJaneiropossam,sozinhos,assistiràreferida produção.

4)OfilmeemquestãoretrataosubmundodonarcotráficonosEstadosUnidosemostraumarealidade

muitopróximadoqueocorrenoRiodeJaneiro,ondeosadolescentesquesãoapreendidosechegamà JustiçadaInfânciaedaJuventudetêmcomomotivoprincipaloenvolvimentonomundodasdrogas.

5)EmreportagemveiculadahojepelaImprensa(emanexo),especialistasemdrogaspuderamemitirsuas

opiniõeseparecemconcordarcomoMinistérioPúblicoquandopriorizamaeducaçãonadifíciltarefade combaterotráficodedrogas.SegundoMariaTherezadeAquino,DiretoradoNEPAD,ofilme“temomérito detrataraquestãosempreconceitooufalsosmoralismos.Saídas?Há,sim.Elasdependemdenós”.

6.EXPOSITIS,pelasrazõesaduzidas,requeroMinistérioPúblicosejaautorizadajudicialmente,mediante

Alvará,aentradadeadolescentesdesacompanhadosdospaisouresponsável,apartirde16anos,nos

estúdiosdeexibiçãodaCidadedoRiodeJaneiro,intimando­seadireçãodaEuropaFilmes,Distribuidora

doFilme“Traffic”eoDepartamentodeClassificaçãoIndicativadoMinistériodaJustiça,paraaciênciae

demaisprovidênciascabíveis.

Sejulgarpertinente,recorraàsfontesaseguir:

demaisprovidênciascabíveis. Sejulgarpertinente,recorraàsfontesaseguir: 29

29

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

Art.220daCRFB:Amanifestaçãodopensamento,acriação,aexpressãoeainformação,sobqualquer

forma,processoouveículonãosofrerãoqualquerrestrição,observadoodispostonestaConstituição.

Art.149,I,“e”doECA:Competeàautoridadejudiciáriadisciplinar,atravésdeportaria,ouautorizar,

mediantealvará,aentradaepermanênciadecriançaouadolescente,desacompanhadodospaisou responsável,emestúdioscinematográficos,deteatro,rádioetelevisão.

Art.33daLein.11.343/06:Importar,exportar,remeter,preparar,produzir,fabricar,adquirir,vender,expor

àvenda,oferecer,teremdepósito,transportar,trazerconsigo,guardar,prescrever,ministrar,entregara consumooufornecerdrogas,aindaquegratuitamente,semautorizaçãoouemdesacordocom

determinaçãolegalouregulamentar:Pena­reclusãode5(cinco)a15(quinze)anosepagamentode500

(quinhentos)a1.500(milequinhentos)dias­multa.

Art.20daLein.11.343/06:Constituematividadesdeatençãoaousuárioedependentededrogase

respectivosfamiliares,paraefeitodestaLei,aquelasquevisemàmelhoriadaqualidadedevidaeà

reduçãodosriscosedosdanosassociadosaousodedrogas.

Aula13:Produçãodotextojurídico­argumentativo

Objetivos

­Produzirfundamentaçãoeconclusãodotextojurídico­argumentativo.

EstruturadoConteúdo

1.Fundamentação

1.1.Conteúdo

1.2.Estrutura

2.Conclusão

AplicaçãoPráticaTeórica

Vimos,aolongodosemestre,ascaracterísticasdotextojurídico­argumentativoesuascondiçõesde

produção.Refletimos,ainda,sobreasprincipaisestratégiasargumentativaseconhecemosostiposde

argumentodisponíveisaoprofissionaldoDireito.

CasoConcretoAula13:

Produzafundamentaçãoeconclusãocompletasapartirdocasoconcreto.

OsíndicodeumedifícioresidencialnoRecreiodosBandeirantes,JaimeAdelinoMachado,estásendo acusadoderacismoportentarimpediracirculaçãodeummoradornegronasdependênciasdoprédio.A moradoraMariadasGraçasSantosrecebeuumacartadoadministradorcomadeterminaçãodequeseu

filhodecriação,JúlioCostaRibeiro,de24anos,teriaacirculaçãonoprédiolimitadaàlixeiraeàcaixade

correio.Elaficouindignadaeresolveuprocurara16DP(BarradaTijuca),quecomeçouainvestigaro

caso.

Júlio,quemoraháumanonoprédio,contouqueatéjádiscutiucomosíndico.

­Émuitohumilhante.Émuitotristetudoisso.Nãoqueriaestarvivendoessasituação–disseorapaz.

MariadaPenhatambémnãoseconformacomocasoenãotemdúvidasdequesetrataderacismo.

­Issoéevidente.Nãoconcordocomisso.

Odelegadoqueestácuidandodocasointimouosíndicoadepor.Jaimeexplicouquesomenteproibiua

circulaçãodorapaznoprédioporqueelenãoémoradore,porisso,nãopoderiausufruirdosdemais

serviçosqueocondomíniomantém,salvoseestivesseacompanhadodamoradora.

serviçosqueocondomíniomantém,salvoseestivesseacompanhadodamoradora. 30

30

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

­Umsíndiconãopodeimpedirumfilhodecriaçãodeummoradordeteracessoatodomocondomínio

disseamoradora,queobservoumaisumaveztratar­sederacismo.

Fontesaseremconsultadas:

PreâmbulodaConstituiçãoBrasileira:Nós,representantesdopovobrasileiro,reunidosemAssembleia NacionalConstituinteparainstituirumEstadoDemocrático,destinadoaasseguraroexercíciodosdireitos sociaiseindividuais,aliberdade,asegurança,obem­estar,odesenvolvimento,aigualdadeeajustiça comovaloressupremosdeumasociedadefraterna,pluralistaesempreconceitos,fundadanaharmonia socialecomprometida,naordeminternaeinternacional,comasoluçãopacíficadascontrovérsias, promulgamos,sobaproteçãodeDeus,aseguinteCONSTITUIÇÃODAREPÚBLICAFEDERATIVADO BRASIL.

Art.3º,IVdaCRFB:ConstituemobjetivosfundamentaisdaRepúblicaFederativadoBrasil:promoverobem

detodos,sempreconceitosdeorigem,raça,sexo,cor,idadeequaisqueroutrasformasdediscriminação.

Art.20daLein.7.716/89(Defineoscrimesresultantesdepreconceitoderaçaoudecor):Praticar,induzir

ouincitaradiscriminaçãooupreconceitoderaça,cor,etnia,religiãoouprocedêncianacional

Art.1ºdaLein.7.437/85(LeiAfonsoArinos):Constituicontravenção,punidanostermosdestalei,aprática

deatosresultantesdepreconceitoderaça,decor,desexooudeestadocivil.

Art.2ºdaLein.7.437/85(LeiAfonsoArinos):Seráconsideradoagentedecontravençãoodiretor,gerente

ouempregadodoestabelecimentoqueincidirnapráticareferidanoartigo1ºdestalei.

Aula14:Direitoetransdiciplinaridade

Objetivos

­Compreenderofatojurídicocomofenômenoessencialmentetransdisciplinar.

­Estabelecerrelaçãoentreoconhecimentoproduzidoporoutrasáreas(Filosofia,Sociologia,Criminologia,

Teologia,Psicologia,etc.)eospressupostosevaloresdequeseserveoDireito.

­Identificarofenômenojurídiconassituaçõesmaisvariadasdocotidiano.

EstruturadoConteúdo

1.RelaçãoentreoDireitoeasdemaisciências.

2.Procedimentodemonstrativoeamparotransdisciplinar.

3.Usodosvaloresreligiosos,morais,etc.naconstruçãodoconvencimento.

4.Transdisciplinaridade

AplicaçãoPráticaTeórica ODireitoéumaciênciapluralpornatureza.Semprequeoprofissionaldaáreajurídicapretenderseisolar doconhecimentoproduzidoporoutrasáreasestaráfadadoaodescréditoeàinconsistênciadosraciocínios quedesenvolver.Éimpossívelumapessoaacumularumrepertóriovastoemtodasasáreasdo conhecimento,masédeverdoadvogadoserumpesquisadorconstantedasquestõesquetangenciamas lidesemqueatua. Partindodessapremissa,leiaotextoadiante,façaumaamplapesquisasobreotema(nãoseisolenas

opiniõesdosensocomumeevitepré­conceitos)eproduzaumaargumentaçãodeaté35linhassobrea

questãojurídicaquesediscute.

CasoConcretoAula14:

MaitêganhaindenizaçãodaShering

questãojurídicaquesediscute. CasoConcretoAula14: MaitêganhaindenizaçãodaShering 31

31

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

AindústriaquímicaScheringdoBrasilfoiacionadajudicialmentepelaatrizMaitêProença,quepediu oitocentosmilreaisatítulodeindenizaçãopordanosmorais.Deacordocomaaçãomovidapelaatriz,ao promoveroanticoncepcionalMicrovlar,elatevesuaimagemprofissionalarranhada,porquealgumas cartelasdoprodutonãocontinhamonúmerodepílulasdiscriminadaspelaembalagem,oquegerou diversasreclamações. OadvogadodeMaitê,PauloCésarPinheiroCarneiroafirmouqueovalordaindenizaçãodeveser

proporcionalaopodereconômicodoofensor.“OlaboratóriofaturavamensalmenteR$1,6milhõescoma

vendadosanticoncepcionais.Achoqueametadedissoseriaumvalorrazoávelaserpago”.

JáoadvogadodaSchering,CidScartezzineFilho,qualificoucomoabsurdoovalordopedido.Paraele,

nãohouvequalquertipodeabaloàimagemdaautora.“Elaapenasapareciaanunciandoanova

embalagemdoproduto,eofatodeterhavidoproblemascomalgumascartelasdoMicrovlarnãojustificaria

umaaçãojudicialporpartedaatriz”,disse.

Valelembrarqueaatrizparticipoudacampanhapublicitáriapararesgataroconfiançadasmulheresno

anticoncepcionalMicrovlar,cujasvendasdespencaramdepoisdadenúnciadequemuitoscomprimidos

colocadosàvendanomercadoeramfeitosdefarinhadetrigo.

Acampanhapublicitáriadeveriaserveiculadaportrêsmeses,masacabousendoretiradadoarporque

novasirregularidadesforamdescobertas.

Alémdaindenização,oadvogadopediuqueolaboratóriofizesseumaretrataçãopública,poisaempresaré

escolheuaautora,jáqueelatinhareputação,seriedadeesimpatiajuntoaopúblicofeminino.

Fontesaseremconsultadas:

Art.927doCC:Aqueleque,poratoilícito(art.186e187),causardanoaoutrem,ficaobrigadoarepará­lo.

Parágrafoúnico.Haveráobrigaçãoderepararodano,independentementedeculpa,noscasos especificadosemlei,ouquandoaatividadenormalmentedesenvolvidapeloautordodanoimplicar,porsua natureza,riscoparaosdireitosdeoutrem.

Art.186.Aqueleque,poraçãoouomissãovoluntária,negligênciaouimprudência,violardireitoecausar

danoaoutrem,aindaqueexclusivamentemoral,cometeatoilícito.

Art.187.Tambémcometeatoilícitootitulardeumdireitoque,aoexercê­lo,excedemanifestamenteos

limitesimpostospeloseufimeconômicoousocial,pelaboa­féoupelosbonscostumes.

Art.5º,XdaCRFB:Todossãoiguaisperantealei,semdistinçãodequalquernatureza,garantindo­seaos

brasileiroseaosestrangeirosresidentesnoPaísainviolabilidadedodireitoàvida,àliberdade,àigualdade,

àsegurançaeàpropriedade,nostermosseguintes:sãoinvioláveisaintimidade,avidaprivada,ahonraea

imagemdaspessoas,asseguradoodireitoaindenizaçãopelodanomaterialoumoraldecorrentedesua

violação.

Aula15:AprimoramentodascompetênciasedashabilidadesexigidasnosExamesdaOABedo

Enade

Objetivos

­Aprimorarasprincipaisquestõesdesenvolvidasaolongodoperíodo,demaneiraacontribuirparao

sucessododiscentenosexamesdaOABedoEnade.

EstruturadoConteúdo

1.Distinçãoentreargumentaçãoeosdemaistiposdetexto.

2.Elementosconstitutivosdaargumentação.

AplicaçãoPráticaTeórica

2.Elementosconstitutivosdaargumentação. AplicaçãoPráticaTeórica 32

32

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

OsexamesdaOABeasprovasparaoEnadetêmexigidodosformandoscapacidadedeinterpretartextos

(jurídicosenão­jurídicos);correlacionarasinformaçõeslidasedefenderpontosdevistacombasenesse

repertóriodeinformações.

Visandoaumapreparaçãomaisconsistentedenossosalunos,desdeoiníciodeseusestudos,e

esperandoqueaproveitemessashabilidadesparaoaprimoramentodesuaformaçãoacadêmica,

selecionamosessesexercícios.

Acreditamosquesirvam,também,comoexcelenteoportunidadepararevisaroconteúdoestudadona

primeirametadedoprogramadeTeoriadaArgumentação.

CasoConcretoAula15:

OExamedaOrdemestabelececomoumdoscritériosparaaferiçãodacompetênciaprofissionala

capacidadeargumentativaeaorganizaçãológicadasideiasaseremdesenvolvidasnotexto.

Afimdequeessacompetênciasejadesenvolvida,façaoquesepede:

Enumeradosaseguirestão9informaçõesqueidentificamosanteriormentecomo?elementosconstitutivos

daargumentaçãojurídica?.Identifiquecadaumdelese,aseguir,produzafundamentaçãoeconclusãonos

mesmosmoldesdasaulasanteriores.

1)Tendoemvistaque,segundoorelatodeRenan,10anos,umadasvítimasdoacidente,eleficoumuito

assustado,achouqueiamorrerenãopretendemaisvoltaraparquesdediversão,oacidenteteriadeixado sequelaspsicológicasnacriança.

2)Osresponsáveispeloparquefalharamnodeverdecuidaredevemindenizarasvítimasdoacidenteno

brinquedoMixerpordanosmorais.

3)OsresponsáveispeloParqueDiversões,situadoemCampoGrande,sãoacusadosdecolocaravidade

frequentadoresdoparqueemriscoquando,nodia31demarçode2001,emumdeseusbrinquedos,40

pessoasficaramdecabeçaparabaixo,por15minutos.

4)NotestefeitopelaLight,foramconstatadasaprecariedadedosfioselétricoseasobrecargadeenergia.

Afirmaramqueestasforamascausasdapaneelétricaqueinterrompeuofuncionamentodobrinquedo. 5)Segundoogerentedoparque,obrinquedodeveriateridoparaSãoPauloafimdeservistoriado. Ele afirmouquenãooenviouparanãoatrasarainauguraçãodoparque.

6)Deacordocomumadasvítimas,omeninoRenan,de10anos,eleficoumuitoassustadoeachouque

iriamorrer. Disse,ainda,quenãopretendemaisvoltaraparquesdediversão.

7)Jáque,notestefeitopelaLight,foramconstatadasaprecariedadedosfiosdeinstalaçãoelétricaea

sobrecargadeenergia,sendoatribuídaapaneelétricaaessesfatores,osresponsáveispeloparqueteriam sidonegligentes.

8)Segundoogerentedoparque,ninguémficouferidoeoparquedevolveuovalorcobradopeloingresso.

9)Umavezque,segundoogerentedoparque,obrinquedoemquestãonãofoivistoriadoparaquenão

houvesseatrasonainauguraçãodoempreendimento,estariaevidenciadoodescasocomavidadeseus

consumidores.

Aula16:Fixaçãodoconteúdoprogramático

Objetivos

­Retomarasprincipaisquestõesdesenvolvidasaolongodosemestre.

EstruturadoConteúdo

1.Fundamentação.

Objetivos ­Retomarasprincipaisquestõesdesenvolvidasaolongodosemestre. EstruturadoConteúdo 1.Fundamentação. 33

33

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

2.Conclusão.

AplicaçãoPráticaTeórica

Emconsonânciacomasorientaçõesdadasnaaulaanterior,pretendemosqueestaaulasejautilizadapara

reveroconteúdoministradonasegundametadedoconteúdoprogramáticoprevistoparaadisciplina.

Trata­se,também,deoportunidadeímparparaauxiliarnarevisãoparaoperíododeprovasqueseinicia.

CasoConcretoAula16:

ArequerenteénaturaldoEstadodeParanáeresidenestacidadedeItajaí(SC),hámaisdecinco(05)

anosaproximadamente,trabalhandoemcasadefamília,conformedemonstra­secomcópiadesuaCTPS emanexo.

Ocorreque,emdezembro/1999,quandoarequerentedirigiu­seatéaLOJAGIORAMAdessacidadede

Itajaí(SC),afimdeabrirumcrediárioeefetuarcomprasdeNATALaprazo,foisurpreendidaaoser informadapelosfuncionáriosdaquelaloja,queseriaimpossívelefetuaracompraalmejada,porqueoseu nomeestavaincluídonocadastrodeSERVIÇODEPROTEÇÃOAOCRÉDITO­SPC­SerasaeBacen,

pelaemissãodemaisdecem(200)chequessemfundos.

Inconformada,desorientadaesementenderoqueestavaacontecendo,ouseja,semsabercomoseu

nomeforapararnosserviçosdeproteçãoaocréditopelaemissãodechequessemfundossenuncateve

contacorrentebancária,arequerente,porinformaçãoobtidajuntoaprópriaLOJAGIORAMA,dirigiu­seaté aoCDLdestacidadedeItajaí(SC),ondeobteveumacertidãoinformandoumnúmerodechequesemitidos semadevidaprovisãodefundos,quesupostamentehaviamsidoemitidospelarequerente.

Dascertidõesemitidasemdatade13.12.1999erespectivamenteemdatade23.03.2000(cópiasem

anexo),verificou­sequeonomedarequerenteestánalistadeinadimplentes,pelasupostaemissãode

inúmeroschequessemfundosjuntoaoBancoorarequerido,quaissejam:

Agência

Porsuavez,arequerentedirigiu­seatéaAgênciaBancáriadoBancoorarequeridonestacidadedeItajaí

(SC),afimdesolicitarcópiadosdocumentosdeaberturadacontabancáriaabertaemseunomepara

entenderoqueestavaacontecendoefoiinformadadequesomentepoderiaserfeitoatravésde

MANDADOJUDICIAL,motivopeloqualingressouperanteessejuízocomAÇÃOCAUTELARDE

EXIBIÇÃODEDOCUMENTOS­Processon

documentosdeterminadosporessejuízo.

Inclusive,somentenomêsdeabril/2000,quandoarequerenteesteveno1º.DistritoPolicialacompanhada

deumadasadvogadasconseguiuregistrarBOLETIMDEOCORRÊNCIA,cujacópiaorasejunta, declinandoosfatosacontecidos,afimdetentarresguardaraindapartedesuahonraesuamoral,diantede inúmerasrestriçõesaseunome. Ademais,atravésdeinformaçõesverbaisjuntoaoCDL­SPCdestacidadedeItajaí(SC),arequerente

obteveinformaçõesdetítulosprotestadosjuntoaosCartóriosdo1º.­2º.­5º.7º.,e8º.OfíciosdeNotasdo

EstadodeSãoPaulo,bemcomodébitosjuntoàsEmpresasCredial­RedeZacariasdePneus­Lojas

Renner­Frotex­CVCTurismo­entreoutras,tudoissoporcontadaaberturadecontabancáriaabertapor

terceiro(estelionatário)juntoaoBancorequerido,etambémjuntoaosBancosdoBrasileHSBC

Bamerindus.

Éimportantesalientarquearequerentenuncatevecontacorrentebancáriajuntoaqualquerinstituição

financeiradoPaís,comexceçãodeumacontapoupançanobancoItaúS/A,dacidadedeToledo(PR),

onderesidiutemposatrás.

Porviadeinduçãoeporcontadaexistênciadacontacorrentebancáriaabertaporterceirapessoaquenão

éarequerente,juntoaoBancoorarequerido,estapassouaenfrentartodasassituaçõesembaraçosasa

quenãofazjus,poisseunomefoiincluídonosfamososórgãosdeproteçãoaocrédito,emespecialjunto

70chequess/fundosData:05.11.1999

,ondeoBancoorarequeridoexibiuparcialmenteos

70chequess/fundosData:05.11.1999 ,ondeoBancoorarequeridoexibiuparcialmenteos 34

34

TEORIAEPRÁTICADAARGUMENTAÇÃOJURÍDICA

Fonte:UniversidadeEstáciodeSá

aoSPCeSERASA,conformefazprovascomcópiadosdocumentosjuntadosàpresente.Arequerente,

inclusive,passouaenfrentardificuldadesemtodasassituaçõesqueexigemanumeraçãodoseuCPF,não

podendomaiscompraracréditojuntoalojas,supermercados,farmácias,etc.

ARequerente,apesardeserpessoasimples,semprehonroucomtodasassuasobrigaçõesdeforma

pontual,nuncatendohavidoemsuavida,nãosófinanceiracomotambémsocial,moral,sócio­psicológicae

especialmenteprofissional,fatoouocorrênciaqueabalasseoseumaiorbemeseumaisnobrepatrimônio,

emmelhorespalavras,suaintegridade,mantendoseunome,suahonraeboafamaintactos,fatoesteque

nãoécomumnosdiasdehoje.

FaçapesquisanaInternetebusqueasfontesquejulgaradequadasparaasoluçãojurídicadocaso

concreto.Dêênfaseàjurisprudência.

QUESTÃODISCURSIVA

Apartirdocasoconcerto,ecombasenasfontespesquisadas,produzafundamentaçãoeconclusão.

QUESTÃODISCURSIVA Apartirdocasoconcerto,ecombasenasfontespesquisadas,produzafundamentaçãoeconclusão. 35

35